SlideShare uma empresa Scribd logo
Sistemática e
Filogenética
Prof. Júnior
REINOS CARACTERÍSTICAS REPRESENTANTES
Monera Unicelulares e procariontes
Bactérias e
Cianobactérias
Protista
Unicelulares, pluricelulares e
eucariontes
Protozoários e algas
uni e pluricelulares
Fungi
Uni e pluricelulares, eucariontes e
heterótrofos por absorção Fungos
Plantae
Pluricelulares, eucariontes e
autótrofos
Todos
vegetais
Animali
a
Pluricelulares, eucarionte e
heterótrofos por ingestão Todos os animais
SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO: REINOS
Karl von Linné
Pai da Taxonomia. Em 1735, o botânico e médico sueco
“Lineu” lançou o livro “ Systema Naturae” com os princípios
básicos da classificação biológica.
•  Estabeleceu a espécie como base da classificação.
•  Criou grupos taxonômicos ( REFICOFAGE)
•  Propôs o uso de palavras latinas
• Estabeleceu a nomenclatura binomial ( binomial ) para
espécie.
Exemplo de Lineu:
Leão: nome científico = Panthera leo
Onça: nome científico = Panthera onça
Panthera onça
Nome do gênero Epíteto específico
Gênero é um conjunto de espécies semelhantes
Epíteto específico é o termo que designa a espécie
As 8 Categorias Atuais
1.  DOMINIO (Archea,
Bacteria, EuKarya, )
2.  REINO
3.  FILO OU DIVISÃO
(vegetais)
4.  CLASSE
5.  ORDEM
6.  FAMILIA
7.  GENERO
8.  ESPÉCIE
Unidade natural de
classificação.
É o conjunto de indivíduos
semelhantes que se cruzam
naturalmente e geram
descendentes férteis.
OBS: Devido à complexidade
e alguns grupos foi necessário
criar sub-grupos (subgênero,
subespécie, superordem,
subfilo, etc).
Sistemática e filogenética
Sistemática e filogenética
Ligre
https://youtu.be/UNeO7VBmRaA
Regras Internacionais
1. Nomes científicos devem ser escritos em latim ou latinizados
quando derivados de outra língua.
2. Nome do gênero com inicial maiúscula, da espécie,
minúscula.
3. Nomes manuscritos devem ser sublinhados, exceto quando
em itálico ou negrito. Ex: Homo sapiens ou Homo sapiens
4. A nomenclatura para Subespécie é trinominal. :
Cascavel brasileira = Crotalus terrificus terrificus
Cascavel venezuelana = Crotalus terrificus durissus
5. A designação para Subgênero aparece entre o gênero e o
epíteto específico, entre parênteses e com inicial maiúscula.
Mosquito da Dengue = Aedes ( Stegomya ) aegypti
Continuação
6. Se o autor da descrição for mencionado, seu nome deve vir
após o termo específico sem pontuação. A data de descrição
vem após a vírgula. Ex: Trypanossoma cruzi Chagas, 1909.
7. Tem prioridade os nomes registrados em primeiro lugar.
Assim se um pesquisador descrever um animal já classificado,
prevalece o primeiro nome.
8. O nome das famílias dos animais recebe o sufixo idae e o
da subfamília, inae. Ex: Felidae, Felinae.
9. Nos vegetais, utiliza-se o sufixo aceae para as famílias.
Ex: Rosaceae, Palmaceae.
Cladística
› Entende-se que a diversidade de seres
vivos é resultante de processos evolutivos
e que esses processos ocorrem por
anagênese e por cladogênese.
Anagênese e Cladogênese
› Anagênese: processo pelo qual um caráter
surge ou se modifica numa população ao
longo do tempo, sendo responsável pelas
novidades evolutivas nos grupos (fixação de
mutações e recombinações gênicas).
› Cladogênese: processo responsável pela
ruptura de uma população, gerando duas ou
mais populações que não mais se comunicam,
não ocorrendo fluxo gênico entre elas (ex:
barreiras geográficas).
› https://youtu.be/af0qZ1nwxEs
Sistemática e filogenética
Sistemática Filogenética ou Cladística
› As relações evolutivas entre os seres vivos
são representadas por diagramas
denominados cladogramas (clado = ramo).
Sistemática e filogenética
Sistemática e filogenética
Sistemática e filogenética
Sistemática e filogenética
Grupos parafiléticos
Grupos polifiléticos
Sistemática e filogenética
Sistemática e filogenética

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Classificação biológica
Classificação biológicaClassificação biológica
Classificação biológica
Elisa Margarita Orlandi
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
jcrrios
 
Taxonomia dos seres vivos
Taxonomia dos seres vivosTaxonomia dos seres vivos
Taxonomia dos seres vivos
Katia Valeria
 
Aula sobre células
Aula sobre célulasAula sobre células
Aula sobre células
cienciasdinamica
 
Células
CélulasCélulas
Células
Killer Max
 
Genética introdução
Genética introduçãoGenética introdução
Genética introdução
Dalu Barreto
 
Evidências da evolução
Evidências da evoluçãoEvidências da evolução
Evidências da evolução
Kamila Joyce
 
Virus e viroses
Virus e virosesVirus e viroses
Virus e viroses
Elizabete Costa
 
A primeira lei de mendel
A primeira lei de mendelA primeira lei de mendel
A primeira lei de mendel
mainamgar
 
Classificação dos seres vivos
Classificação dos seres vivosClassificação dos seres vivos
Classificação dos seres vivos
Simone Miranda
 
Bactérias 7º Ano
Bactérias 7º Ano Bactérias 7º Ano
Bactérias 7º Ano
guest3519e1
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
emanuel
 
Evolução biológica
Evolução biológicaEvolução biológica
Evolução biológica
César Milani
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
infoeducp2
 
Evolução das plantas
Evolução das plantasEvolução das plantas
Evolução das plantas
Jaqueline Sarges
 
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º anoNíveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
Marcia Bantim
 
Aula Biodiversidade
Aula BiodiversidadeAula Biodiversidade
Aula Biodiversidade
Plínio Gonçalves
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
Fabiano Reis
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Classificação dos seres vivos.
Classificação dos seres vivos.Classificação dos seres vivos.
Classificação dos seres vivos.
Lara Lídia
 

Mais procurados (20)

Classificação biológica
Classificação biológicaClassificação biológica
Classificação biológica
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
 
Taxonomia dos seres vivos
Taxonomia dos seres vivosTaxonomia dos seres vivos
Taxonomia dos seres vivos
 
Aula sobre células
Aula sobre célulasAula sobre células
Aula sobre células
 
Células
CélulasCélulas
Células
 
Genética introdução
Genética introduçãoGenética introdução
Genética introdução
 
Evidências da evolução
Evidências da evoluçãoEvidências da evolução
Evidências da evolução
 
Virus e viroses
Virus e virosesVirus e viroses
Virus e viroses
 
A primeira lei de mendel
A primeira lei de mendelA primeira lei de mendel
A primeira lei de mendel
 
Classificação dos seres vivos
Classificação dos seres vivosClassificação dos seres vivos
Classificação dos seres vivos
 
Bactérias 7º Ano
Bactérias 7º Ano Bactérias 7º Ano
Bactérias 7º Ano
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Evolução biológica
Evolução biológicaEvolução biológica
Evolução biológica
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Evolução das plantas
Evolução das plantasEvolução das plantas
Evolução das plantas
 
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º anoNíveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
 
Aula Biodiversidade
Aula BiodiversidadeAula Biodiversidade
Aula Biodiversidade
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
 
Classificação dos seres vivos.
Classificação dos seres vivos.Classificação dos seres vivos.
Classificação dos seres vivos.
 

Semelhante a Sistemática e filogenética

Taxionomia
TaxionomiaTaxionomia
A classificação dos seres vivos
A classificação dos seres vivosA classificação dos seres vivos
A classificação dos seres vivos
Franck Lobo
 
Biologia modulo iii
Biologia modulo iiiBiologia modulo iii
Biologia modulo iii
Rita de Cássia Freitas
 
3º ano – Biologia –Taxonomia – Prof. Marcelo Costa – Aula 07.pptx
3º ano – Biologia –Taxonomia – Prof. Marcelo Costa – Aula 07.pptx3º ano – Biologia –Taxonomia – Prof. Marcelo Costa – Aula 07.pptx
3º ano – Biologia –Taxonomia – Prof. Marcelo Costa – Aula 07.pptx
MARCELOCOSTA261637
 
Coleguiumclassificacao2012
Coleguiumclassificacao2012Coleguiumclassificacao2012
Coleguiumclassificacao2012
rnogueira
 
Nomenclatura zoológica
Nomenclatura zoológicaNomenclatura zoológica
Nomenclatura zoológica
Elaine Santos
 
Nome científico
Nome científicoNome científico
Nome científico
unesp
 
1° bimestre classificação dos seres vivos
1° bimestre   classificação dos seres vivos1° bimestre   classificação dos seres vivos
1° bimestre classificação dos seres vivos
santhdalcin
 
Aula1 classificacaodosseresvivos
Aula1 classificacaodosseresvivosAula1 classificacaodosseresvivos
Aula1 classificacaodosseresvivos
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Princípios de taxonomia
Princípios de taxonomiaPrincípios de taxonomia
Princípios de taxonomia
Universidade Federal do Oeste Pará
 
A Classificacao Dos Seres Vivos
A Classificacao Dos Seres VivosA Classificacao Dos Seres Vivos
A Classificacao Dos Seres Vivos
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Nomenclatura Biológica
Nomenclatura BiológicaNomenclatura Biológica
Nomenclatura Biológica
profatatiana
 
Classificação dos seres vivos_CEEP
Classificação dos seres vivos_CEEPClassificação dos seres vivos_CEEP
Classificação dos seres vivo1
Classificação dos seres vivo1Classificação dos seres vivo1
Classificação dos seres vivo1
Maria Jose Cavalcanti
 
Classificação Biológica
Classificação BiológicaClassificação Biológica
Classificação Biológica
Luciana Neri
 
3º Ano - Classificação dos Seres Vivos
3º Ano - Classificação dos Seres Vivos3º Ano - Classificação dos Seres Vivos
3º Ano - Classificação dos Seres Vivos
Escola Modelo de Iguatu
 
A organização da biodiversidade
A organização da biodiversidadeA organização da biodiversidade
A organização da biodiversidade
Gabriela de Lima
 
Classificação dos seres vivos
Classificação dos seres vivosClassificação dos seres vivos
Classificação dos seres vivos
Vinícia Becalli
 
3 sistemática
3   sistemática3   sistemática
3 sistemática
Pelo Siro
 
Nomenclatura cientifica
Nomenclatura cientificaNomenclatura cientifica
Nomenclatura cientifica
afoxxy
 

Semelhante a Sistemática e filogenética (20)

Taxionomia
TaxionomiaTaxionomia
Taxionomia
 
A classificação dos seres vivos
A classificação dos seres vivosA classificação dos seres vivos
A classificação dos seres vivos
 
Biologia modulo iii
Biologia modulo iiiBiologia modulo iii
Biologia modulo iii
 
3º ano – Biologia –Taxonomia – Prof. Marcelo Costa – Aula 07.pptx
3º ano – Biologia –Taxonomia – Prof. Marcelo Costa – Aula 07.pptx3º ano – Biologia –Taxonomia – Prof. Marcelo Costa – Aula 07.pptx
3º ano – Biologia –Taxonomia – Prof. Marcelo Costa – Aula 07.pptx
 
Coleguiumclassificacao2012
Coleguiumclassificacao2012Coleguiumclassificacao2012
Coleguiumclassificacao2012
 
Nomenclatura zoológica
Nomenclatura zoológicaNomenclatura zoológica
Nomenclatura zoológica
 
Nome científico
Nome científicoNome científico
Nome científico
 
1° bimestre classificação dos seres vivos
1° bimestre   classificação dos seres vivos1° bimestre   classificação dos seres vivos
1° bimestre classificação dos seres vivos
 
Aula1 classificacaodosseresvivos
Aula1 classificacaodosseresvivosAula1 classificacaodosseresvivos
Aula1 classificacaodosseresvivos
 
Princípios de taxonomia
Princípios de taxonomiaPrincípios de taxonomia
Princípios de taxonomia
 
A Classificacao Dos Seres Vivos
A Classificacao Dos Seres VivosA Classificacao Dos Seres Vivos
A Classificacao Dos Seres Vivos
 
Nomenclatura Biológica
Nomenclatura BiológicaNomenclatura Biológica
Nomenclatura Biológica
 
Classificação dos seres vivos_CEEP
Classificação dos seres vivos_CEEPClassificação dos seres vivos_CEEP
Classificação dos seres vivos_CEEP
 
Classificação dos seres vivo1
Classificação dos seres vivo1Classificação dos seres vivo1
Classificação dos seres vivo1
 
Classificação Biológica
Classificação BiológicaClassificação Biológica
Classificação Biológica
 
3º Ano - Classificação dos Seres Vivos
3º Ano - Classificação dos Seres Vivos3º Ano - Classificação dos Seres Vivos
3º Ano - Classificação dos Seres Vivos
 
A organização da biodiversidade
A organização da biodiversidadeA organização da biodiversidade
A organização da biodiversidade
 
Classificação dos seres vivos
Classificação dos seres vivosClassificação dos seres vivos
Classificação dos seres vivos
 
3 sistemática
3   sistemática3   sistemática
3 sistemática
 
Nomenclatura cientifica
Nomenclatura cientificaNomenclatura cientifica
Nomenclatura cientifica
 

Mais de José Nascimento da Silva Júnior

Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Membrana plasmatica e_transporte_2018
Membrana plasmatica e_transporte_2018Membrana plasmatica e_transporte_2018
Membrana plasmatica e_transporte_2018
José Nascimento da Silva Júnior
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Estrutura e replicação viral
Estrutura e replicação viralEstrutura e replicação viral
Estrutura e replicação viral
José Nascimento da Silva Júnior
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Sme aula 1 1o ano
Sme aula 1 1o anoSme aula 1 1o ano

Mais de José Nascimento da Silva Júnior (8)

Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
 
Membrana plasmatica e_transporte_2018
Membrana plasmatica e_transporte_2018Membrana plasmatica e_transporte_2018
Membrana plasmatica e_transporte_2018
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
 
Estrutura e replicação viral
Estrutura e replicação viralEstrutura e replicação viral
Estrutura e replicação viral
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
 
Sme aula 1 1o ano
Sme aula 1 1o anoSme aula 1 1o ano
Sme aula 1 1o ano
 

Último

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 

Sistemática e filogenética

  • 2. REINOS CARACTERÍSTICAS REPRESENTANTES Monera Unicelulares e procariontes Bactérias e Cianobactérias Protista Unicelulares, pluricelulares e eucariontes Protozoários e algas uni e pluricelulares Fungi Uni e pluricelulares, eucariontes e heterótrofos por absorção Fungos Plantae Pluricelulares, eucariontes e autótrofos Todos vegetais Animali a Pluricelulares, eucarionte e heterótrofos por ingestão Todos os animais SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO: REINOS
  • 3. Karl von Linné Pai da Taxonomia. Em 1735, o botânico e médico sueco “Lineu” lançou o livro “ Systema Naturae” com os princípios básicos da classificação biológica. •  Estabeleceu a espécie como base da classificação. •  Criou grupos taxonômicos ( REFICOFAGE) •  Propôs o uso de palavras latinas • Estabeleceu a nomenclatura binomial ( binomial ) para espécie.
  • 4. Exemplo de Lineu: Leão: nome científico = Panthera leo Onça: nome científico = Panthera onça Panthera onça Nome do gênero Epíteto específico Gênero é um conjunto de espécies semelhantes Epíteto específico é o termo que designa a espécie
  • 5. As 8 Categorias Atuais 1.  DOMINIO (Archea, Bacteria, EuKarya, ) 2.  REINO 3.  FILO OU DIVISÃO (vegetais) 4.  CLASSE 5.  ORDEM 6.  FAMILIA 7.  GENERO 8.  ESPÉCIE Unidade natural de classificação. É o conjunto de indivíduos semelhantes que se cruzam naturalmente e geram descendentes férteis. OBS: Devido à complexidade e alguns grupos foi necessário criar sub-grupos (subgênero, subespécie, superordem, subfilo, etc).
  • 9. Regras Internacionais 1. Nomes científicos devem ser escritos em latim ou latinizados quando derivados de outra língua. 2. Nome do gênero com inicial maiúscula, da espécie, minúscula. 3. Nomes manuscritos devem ser sublinhados, exceto quando em itálico ou negrito. Ex: Homo sapiens ou Homo sapiens 4. A nomenclatura para Subespécie é trinominal. : Cascavel brasileira = Crotalus terrificus terrificus Cascavel venezuelana = Crotalus terrificus durissus 5. A designação para Subgênero aparece entre o gênero e o epíteto específico, entre parênteses e com inicial maiúscula. Mosquito da Dengue = Aedes ( Stegomya ) aegypti
  • 10. Continuação 6. Se o autor da descrição for mencionado, seu nome deve vir após o termo específico sem pontuação. A data de descrição vem após a vírgula. Ex: Trypanossoma cruzi Chagas, 1909. 7. Tem prioridade os nomes registrados em primeiro lugar. Assim se um pesquisador descrever um animal já classificado, prevalece o primeiro nome. 8. O nome das famílias dos animais recebe o sufixo idae e o da subfamília, inae. Ex: Felidae, Felinae. 9. Nos vegetais, utiliza-se o sufixo aceae para as famílias. Ex: Rosaceae, Palmaceae.
  • 11. Cladística › Entende-se que a diversidade de seres vivos é resultante de processos evolutivos e que esses processos ocorrem por anagênese e por cladogênese.
  • 12. Anagênese e Cladogênese › Anagênese: processo pelo qual um caráter surge ou se modifica numa população ao longo do tempo, sendo responsável pelas novidades evolutivas nos grupos (fixação de mutações e recombinações gênicas). › Cladogênese: processo responsável pela ruptura de uma população, gerando duas ou mais populações que não mais se comunicam, não ocorrendo fluxo gênico entre elas (ex: barreiras geográficas). › https://youtu.be/af0qZ1nwxEs
  • 14. Sistemática Filogenética ou Cladística › As relações evolutivas entre os seres vivos são representadas por diagramas denominados cladogramas (clado = ramo).