SlideShare uma empresa Scribd logo
DESENHO DE CONSTRUÇÃO CIVIL 
ELIANE CUNHA PEREIRA 
GILDA NIRZA LIULLI LIULLI 
JANE CATARINA PARREIRA LIMA DE GODOY 
ROSIARIA ARAÚJO CAVALCANTE OLIVEIRA 
Seminário Fundações Profundas e Indiretas 
Monografia apresentada ao Desenho técnico de 
Construção Civil da Universidade Cruzeiro do Sul, como 
requisito parcial para obtenção da nota da matéria de 
Processos Construtivos 1, orientado pela Prof.ª Adriana 
Ronchi.
RESUMO 
Em busca de racionalização em obras residenciais, a construção civil vive em um constante 
desenvolvimento de novos estudos, mais aprofundados, sobre métodos construtivos. Sendo a 
fundação uma das etapas mais importantes e que possuem uma grande parcela no valor total de 
uma obra popular, se faz necessárias pesquisas visando qual método é mais economicamente 
viável, sem perda de desempenho, para cada caso. No Brasil existem métodos pouco difundidos 
como o radier, que dependendo das condições do solo e da obra, podem apresentar melhor 
relação custo x benefício que estacas ou sapatas, soluções essas que possuem grande 
empregabilidade na região. Para o estudo comparativo entre os três métodos citados são 
apresentados o dimensionamento, levantamento de quantitativos e custos globais de ambos os 
métodos para uma habitação de pequeno porte.
INTRODUÇÃO 
Este relatório se trata de assuntos relativos ao projeto e dimensionamento de elementos 
especiais de fundações que não são empregados usualmente em estruturas correntes, como: 
radiers e blocos sobre as estacas, tem a finalidade de orientar é dar subsídios para futuros 
projetos de estruturas de fundações. 
A escolha do tipo de fundação para uma determinada construção é feita após estudo que 
considere as condições técnicas e econômicas da obra. Por meio do conhecimento dos 
parâmetros do solo, da intensidade das ações, dos edifícios limítrofes e dos tipos de fundações 
disponíveis no mercado, o engenheiro pode escolher qual a melhor a alternativa para satisfazer 
tecnicamente e economicamente o caso em questão. 
O projeto e execução de fundações requerem conhecimentos de geotécnica e cálculo estrutural. 
Por exemplo, imaginando-se o caso de um edifício de concreto armado, construído num terreno 
sem vizinhos, em geral, a estrutura é calculada por um engenheiro de estruturas que supõe os 
apoios irremovível, daí resultando um conjunto de ações externas (forças verticais, horizonta is 
e momentos) que é passado ao projetista de fundações. 
Com auxílios de informações técnicas sobre geotécnica, o engenheiro de fundações projeta e 
dimensiona os elementos de fundações de acordo com a obra desejada. Acontece que estas 
fundações, quaisquer que sejam, quando em serviço, solicitarão o terreno, que se deforma, e 
estas deformações resultam deslocamentos verticais (recalques), horizontais e rotações. Com 
isto, a hipótese usual de apoios irremovível fica prejudicada, e nas estruturas hiperestáticas, que 
são a grande maioria, os esforços solicitantes inicialmente calculados são modificados. Chega-se 
assim, ao conhecido problema de interação solo-estrutura. Portanto, o projeto de estrutura 
deve estar integrado ao projeto de fundações.
CONCEITO - FUNDAÇÕES 
Fundações são os elementos estruturais com função de transmitir as cargas da estrutura ao 
terreno onde ela se apoia (AZEREDO, 1988). Assim, as fundações devem ter resistência 
adequada para suportar as tensões causadas pelos esforços solicitantes. Além disso, o solo 
necessita de resistência e rigidez apropriadas para não sofrer ruptura e não apresentar 
deformações exageradas ou diferenciais. 
Para se escolher a fundação mais adequada, devem-se conhecer os esforços atuantes sobre a 
edificação, as características do solo e dos elementos estruturais que formam as fundações. 
Assim, analisa-se a possibilidade de utilizar os vários tipos de fundação, em ordem crescente 
de complexidade e custos (WOLLE, 1993). Fundações bem projetadas correspondem de 3% a 
10% do custo total do edifício; porém, se forem mal concebidas e mal projetadas, podem atingir 
5 a 10 vezes o custo da fundação mais apropriada para o caso (BRITO, 1987). 
PROCEDIMENTOS INVESTIGAÇÃO 
Exame do Terreno 
Muitas vezes o aspecto de um solo leva o técnico a considera-lo firme. No entanto, um exame 
mais cuidadoso pode mostrar tratar-se de solo altamente compressível, exigindo consolidação 
prévia. Este exame denomina-se sondagem e tem por finalidade verificar a natureza do solo, a 
espessura das diversas camadas, a profundidade e a extensão da camada mais resistente que 
deverá receber as cargas da construção, e determinar o tipo da estrutura de fundação a ser 
especificada. 
Para efeito prático na construção, a Mecânica dos Solos divide os materiais que ocorrem na 
superfície da crosta terrestre em: 
 Rochas - solos rochosos (rochas em decomposição ou sã); 
 Solos Arenosos/Siltuosos - com propriedade de compacidade (grau de compacidade); 
 Solos Argilosos - com propriedade de consistência (limite de consistência). 
Antes de se decidir pelo tipo de fundação em um terreno, é essencial que o profissional adote 
os seguintes procedimentos: 
-Visitar o local da obra, detectando a eventual existência de alagados, afloramento de rochas 
etc.; 
-Visitar obras em andamento nas proximidades, verificando as soluções adotadas; 
-Fazer sondagem a trado (broca) com diâmetro de 2” ou 4”, recolhendo amostras das camadas 
do solo até atingir a camada resistente; 
-Mandar fazer sondagem geotécnica
Equipamentos de sondagem 
Dependendo do tipo solo, a sondagem deverá utilizar o melhor processo que forneça indicações 
precisas, sem deixar margem de dúvida para interpretação e que permitam resultados 
conclusivos, indicando claramente a solução a adotar. 
A sondagem mais executada em solos penetráveis é a sondagem geotécnica a percussão, de 
simples reconhecimento, executada com a cravação de um barrilete amostrador, peça tubular 
metálica robusta, oca, de ponta bizelada, que penetrando no solo, retira amostras sequentes, que 
são analisadas visualmente e em laboratório para a classificação do solo e determina o SPT 
(Standart Penetration Test), que é o registro da somatória do número de golpes para vencer os 
dois últimos terços de cada metro, para a penetração de 15 cm. Nas próximas figuras são 
mostrados um esquema do equipamento de sondagem geotécnica de percussão, a planta de 
locação dos furos e um laudo de sondagem.
TIPOS DE FUNDAÇÕES 
A escolha do tipo de fundação depende de alguns fatores como; carga da edificação; 
Profundidade da camada resistente de solo; Custo do método executivo; Prazo de execução. 
O principal fator a ser considerado no projeto de fundações é a Tensão Admissível, também 
conhecida como resistência ou capacidade de carga do solo, a Tensão Admissível consiste no 
limite de carga que o solo pode suportar sem se romper ou sofrer deformação exagerada.
QUADRO DEMONSTRATIVO DOS TIPOS DE SISTEMAS DE INFRAESTRUTURA DE 
EDIFICAÇÕES E OBRAS DE ENGENHARIA 
SISTEMA TIPO FORMA DE 
EXECUÇÃ 
O 
FORMA DE 
IMPLANTAÇÃO 
EQUIPAMENT 
O 
VANTAGENS DESVANTAGENS 
Rasas ou 
diretas 
Alicerce ou 
sapata 
corrida 
Moldada in-loco 
Alvenaria de 
tijolos maciços ou concreto 
Não necessita 
de 
equipamento 
especial 
Simplicidade Exige cuidados especiais com 
solo abaixo do lencol f reático 
Sapata 
isolada 
Moldada in-loco 
Concreto 
armado 
Não necessita 
de 
equipamento 
especial 
Flexibilidade de 
formas 
Exige cuidados especiais com 
a escavação 
Placas ou 
Radiers 
Moldada in-loco 
Concreto 
armado 
Concreto 
protendido 
Equipamentos 
usuais das 
obras em 
concreto 
Baixo custo em 
terrenos 
homogêneos 
Exige cuidados especiais no 
dimensionamento 
Profundas 
ou 
especiais 
Estaca de 
madeira 
Pré-fabricada 
Cravação Bata-estacas 
de gravidade 
Baixo-custo 
Facilidade de corte 
e emenda 
Resistente ao 
esforços de 
transporte e 
manuseio 
Durabilidade 
ilimitada se usada 
em locais 
submersos (água 
doce) 
Pouca durabilidade em locais 
com variação de umidade 
Baixa resistencia a umidade e 
ataques de organismos 
Estaca 
metálica 
Pré-fabricada 
Cravação Bate-estacas 
de gravidade 
ou a motor 
Facilidade de 
cravação 
Maior garantia de 
integridade 
Muito Resistente 
aos esforços de 
manuseio 
Alto custo 
Estaca de 
concreto 
Pré-fabricada 
Cravação Bate-estacas Grande durabilidade 
Indicada para vários 
tipos de solicitações 
Baixa resistência aos esforços 
de manuseio e transporte 
Dif iculdade de execução de 
cortes e emendas 
Grande possibilidade de 
falhas de integridade 
Strauss Moldada in-loco 
Cravação Bate-estacas 
simples 
Baixo custo 
Equipamento com 
boa mobilidade no 
canteiro 
Grande possibilidade de 
falhas 
Não pode ultrapassar o lençol 
f reático 
Siimplex Moldada in-loco 
Cravação Bate-estacas Pode ultrapassar o 
lençol f reático 
Dif ícil de encontrar 
comercialmente 
Franki Moldada in-loco 
Cravação Bate-estacas Admite altas cargas 
Indicada para 
grandes 
profundidades 
Grande possibilidade de 
falhas de integridade 
Vibração excessiva no 
entorno 
Recupera 
ção de 
patologias 
Estaca 
Mega ou 
prensada 
Pré-fabricada 
Cravação por 
reação 
Macaco 
hidráulico 
Indicada para 
recuperar estruturas 
sem demolição 
Alto custo 
Demorada 
Estaca 
injetada 
Moldada in-loco 
Perfuração Perfuratriz e 
equipamento 
de injeção 
Indicada para 
recuperar estruturas 
onde não é possível 
utilizar vibração 
(bate-estacas) 
Alto custo 
Equipamentos especiais 
Obras 
simples 
Estaca 
broca 
Moldada in-loco 
Escavação Trado manual Rapidez 
Baixo custo 
Poucas profundidades
CLASSIFICAÇÃO:
FUNDAÇÃO SUPERFICIAL OU DIRETA 
Conceito: 
Também chamada de fundação rasa ou direta, transmite a carga do edifício ao terreno através 
das pressões distribuídas sob a base da fundação. As fundações superficiais estão assentadas a 
uma profundidade de até duas vezes a sua menor dimensão em planta. 
Os principais tipos de fundação superficial 
BLOCO - é o elemento de fundação de concreto simples, dimensionado de maneira que as 
tensões de tração nele produzidas possam ser resistidas pelo concreto, sem necessidade de 
armadura. 
SAPATA - é um elemento de fundação de concreto armado, de altura menor que o bloco, 
utilizando armadura para resistir a esforços de tração. 
Sapatas isoladas 
São aquelas que transmitem para o solo, através de sua base, a carga de uma coluna (pilar) ou 
um conjunto de colunas. 
Sapatas corridas 
São elementos contínuos que acompanham a linha das paredes, as quais lhes transmitem a carga 
por metro linear. Para edificações cujas cargas não sejam muito grandes, como residências, 
pode-se utilizar alvenaria de tijolos. Caso contrário, ou ainda para profundidades maiores do 
que 1,0 m tornam-se mais adequado e econômico o uso do concreto armado.
Sapatas associadas 
Um projeto econômico deve ser feito com o maior número possível de sapatas isoladas. No 
caso em que a proximidade entre dois ou mais pilares seja tal que as sapatas isoladas se 
superponham, deve-se executar uma sapata associada. A viga que une os dois pilares denomina-se 
viga de rigidez, e tem a função de permitir que a sapata trabalhe com tensão constante. 
Sapatas alavancadas 
No caso de sapatas de pilares de divisa ou próximos a obstáculos onde não seja possível fazer 
com que o centro de gravidade da sapata coincida com o centro de carga do pilar, cria-se uma 
viga alavanca ligada entre duas sapatas, de modo que um pilar absorva o momento resultante 
da excentricidade da posição do outro pilar. 
VIGA DE FUNDAÇÃO - é um elemento que recebe pilares alinhados, geralmente de concreto 
armado; pode ter seção transversal tipo bloco, sem armadura transversal, sendo chamada de 
baldrame. 
GRELHA - elemento de fundação constituído por um conjunto de vigas que se cruzam nos 
pilares.
RADIER - elemento de fundação que recebe todos os pilares da obra.
FUNDAÇÕES PROFUNDAS E INDIRETAS
CONCEITO: 
São aquelas que transferem as cargas por efeito de atrito lateral do elemento com o solo e por 
efeito de ponta. São sempre profundas, em função da forma de transmissão de carga para o solo 
(atrito lateral) que exige grandes dimensões dos elementos de fundação. 
Os principais tipos de fundação profunda: 
ESTACA - elemento de fundação executado com auxílio de ferramentas ou equipamentos, 
execução esta que pode ser por cravação a percussão, prensagem, vibração ou por escavação. 
São elas:
BROCA 
São estacas executadas “in loco” sem molde, por perfuração no terreno com o auxílio de um 
trado (Ø 15 a 30 cm), sendo o furo posteriormente preenchido com o concreto apiloado. 
O trado utilizado é composto de 04 facas, formando um recipiente acoplado a tubos de aço 
galvanizado. Os tubos são divididos em partes de 1,20 metros de comprimento e à medida que 
se prossegue a escavação, eles vão sendo sucessivamente emendados. A perfuração é feita por 
rotação/compressão do tubo, seguindo-se da retirada do solo solto que se armazena dentro deste. 
A capacidade de carga de Estacas – broca é de aproximadamente 4 a 5 tf. O seu emprego só se 
dá acima do lençol freático. O seu comprimento máximo é em torno de 6 metros. Devido suas 
características, a broca é usada somente para casos limitados e sua execução é feita 
normalmente pelo pessoal da própria da obra. Devido a disponibilização de equipamentos, mão 
de obra específica e materiais, as estacas brocas são de baixo custo quando comparadas à outros 
tipos de fundações indiretas. 
Vantagens 
Facilidade de execução; 
Baixo custo; 
Disponibilidade de mão de obra; 
Disponibilidade de materiais e equipamentos; 
Aderência solo-concreto, devido à rugosidade do fuste da estaca. 
Desvantagens 
Baixa capacidade de carga; 
Há perigo de introdução de solo no concreto, no processo de enchimento; 
Possibilidade de estrangulamento do fuste; 
Não há garantia da verticalidade; 
Pequenos comprimentos máximos; 
Trabalha apenas a compressão. 
Controle de execução 
Locação do centro das estacas; 
Profundidade de escavação; 
Tipo de solo retirado como amostra.
ESTACA INJETADA 
A Norma de Fundações NBR 6122/96 define estaca injetada como sendo aquela na qual através 
de injeção sob pressão de produtos aglutinantes, normalmente calda de cimento, procura-se 
aumentar a resistência do atrito lateral, de ponta ou ambas. 
A injeção deve ser feita de maneira a garantir que a estaca tenha a carga admissível prevista no 
projeto e pode ser aplicada em um ou mais estágios. O consumo de cimento da calda ou 
argamassa injetada deve ser no mínimo de 350 Kgf/m³. A resistência estrutural do fuste deve 
ter um fator de segurança mínimo à ruptura de 2, calculada em relação às resistências 
características dos materiais. A capacidade de carga deve ser verificada experimentalmente, 
através de provas de carga a compressão e ou tração. 
Quando se utilizam estacas com diâmetros iguais ou menores que 20 cm atravessando espessas 
camadas de argila mole devem ser considerados o efeito de flambagem na estaca. Neste caso, 
a verificação da capacidade de carga à compressão não pode ser feita a partir de prova de carga 
à tração. 
O emprego deste tipo de estaca é indicado em todo tipo de fundação e em especial para 
fundações de equipamentos industriais, reforços de fundações, locais com restrição de pé direito 
ou dificuldade de acesso para equipamentos de grande porte, situações nas quais a execução 
possa provocar vibrações, em casos onde é preciso atravessar matacões ou blocos de concreto 
ou ainda quando existe necessidade de engaste da estaca no topo rochoso. A fundação injetada 
tem produtividade média diária de 30 metros, capacidade de carga de 10 a 180 tf. 
Vantagens 
 Não provoca vibrações e poluição sonora. 
 Podem ser executadas com maiores inclinações (0 à 90º)3 
 Fundação em locais de difícil acesso. 
 Pode ser usado com reforço de fundações já construídas. 
Desvantagens 
 Custo elevado (alto consumo de cimento e de ferragens). 
 Impacto ambiental (desperdício de água). 
 Com o consumo elevado de água a obra torna-se alagada. 
Metodologia executiva 
 Liberação formal das estacas a serem executadas, no tocante à sua locação e cotas, de 
acordo com o desenvolvimento dos trabalhos. 
 Posicionar a perfuratriz. 
 Verificar a verticalidade e/ou ângulo de inclinação de acordo com a característica da 
estaca. 
 Centrar o tubo de revestimento no piquete de locação da estaca.
Estacas pré-moldadas 
Caracterizam-se por serem cravadas no terreno, podendo-se utilizar os seguintes métodos: 
 Percussão; 
 Prensagem; 
 Vibração. 
Podem ser fabricadas com diversos materiais, sendo as estacas de concreto e metálico as mais 
usuais. Já as de madeiras são para obras provisórias. 
Concreto metálico 
Estacas moldadas in loco com tubo de revestimento 
Estacas tipo franki - Estaca de concreto armado moldada in loco que emprega um tubo de 
revestimento com ponta fechada, de modo que não há limitação de profundidade devido à 
presença de água do subsolo. 
Vantagens: 
 Grande área da base, fornecendo alta resistência de ponta; 
 Superfície do fuste (lateral) muito rugosa, fornecendo grande resistência lateral devido 
à boa ancoragem do fuste no solo; 
 Devido às condições de execução, o terreno fica fortemente comprimido; 
 Pode ser executada em grandes profundidades; 
 Suporta grande capacidade de carga. 
Desvantagens: 
 Grande vibração durante a cravação; 
 Demora no tempo de execução; 
 Custo elevado da mão-de-obra. 
 Custo elevado da mão-de-obra.
Estacas Tipo Strauss - Elemento de fundação escavado mecanicamente, com o emprego de 
uma camisa metálica recuperável, que define o diâmetro das estacas. 
Vantagens 
 Ausência de vibrações e trepidações em prédios vizinhos; 
 Possibilidade de execução da estaca com o comprimento projetado; 
 Possibilidade de verificar durante a perfuração, a presença de corpos estranhos no 
solo, matacões, etc, permitindo a mudança de locação antes da concretagem; 
 Possibilidade da constatação das diversas camadas e natureza do solo, pois a retirada 
de amostras permite comparação com a sondagem à percussão; 
 Possibilidade de montar o equipamento em terrenos de pequenas dimensões; 
 Autonomia, importante em regiões ou locais distantes. 
Desvantagens 
 Quando a pressão da água for tal que impeça o esgotamento da água no furo com a 
sonda, a adoção desse tipo de estaca não é recomendável; 
 Em argilas muito moles saturadas e em areias submersas, o risco de seccionamento do 
fuste pela entrada de solo é muito grande, e nesses casos esta solução não é indicada; 
 É indispensável um controle rigoroso da concretagem da estaca de modo a não ocorrer 
falhas, pois a maior ocorrência de acidentes com estas estacas devem-se a deficiências 
de concretagem durante a retirada do tubo.
Estacas escavadas 
Estaca escavada é um tipo de fundação profunda circular executada por escavação mecânica 
(equipamento rotativo), com uso ou não de lama bentonítica ou uso de revestimento total ou 
parcial, e posterior concretagem. A lama bentonítica é uma mistura de bentonita com água pura, 
em misturador de alta turbulência, com a concentração variável em função da viscosidade e da 
densidade que se pretende obter. A coluna de lama exerce sobre as paredes da vala uma pressão 
que impede o desmoronamento, formando uma película impermeável denominada “cake”, a 
qual dispensa o uso de revestimentos. 
Vantagens 
 Execução sem vibração e ruídos; 
 Possibilidade de atravessar camadas do solo de grande resistência devido as ferramentas 
de escavação; 
 Execução rápida; 
 Possibilidade de atingir grandes profundidades; 
 Possibilidade de resistir a grandes cargas com um único elemento de fundação, 
 Reduzindo deste modo o volume dos blocos; 
 Executada com ferramenta mecânica 
Desvantagens 
 Difícil execução abaixo do nível da água 
 Difícil cravação em solo resistente
Estacas moldadas in loco escavadas mecanicamente 
Hélice Contínua - Estaca de concreto moldada in loco, executada através de um equipame nto 
que possui um trado helicoidal contínuo, que retira o solo conforme se realiza a escavação, e 
injeta o concreto simultaneamente, utilizando a haste central desse mesmo trado. 
Estacas-Raiz - Estacas escavadas com perfuratriz, executadas com equipamento de rotação ou 
rotopercussão com circulação de água, lama bentonítica ou ar comprimido. 
Estaca barrete - Estacas escavadas com uso de lama bentonítica, executadas com 
equipamentos de grande porte, como o “clam-shell”. 
Estacas de madeira 
As estacas de madeira são troncas de árvores cravados com bate-estacas. Antes da difusão do 
uso do concreto elas eram empregadas quando a camada de apoio das fundações era profunda. 
As estacas de madeiras devem ser de madeira dura, resistente, em peças retas, roliças e 
descascadas. O diâmetro da seção pode variar de 18 a 35 cm e o comprimento de 5 a 8 metros, 
geralmente limitado a 12 metros com emendas. No caso da necessidade de comprimentos 
maiores as emendas deverão ser providenciadas com talas de chapas metálicas e parafusos, 
devidamente dimensionados. 
Quanto à posição, as estacas podem ser verticais e inclinadas, e quanto aos esforços a que ficam 
sujeitas, classificam-se em estacas de compressão, tração e flexão. A vida útil de uma estaca de
madeira é praticamente ilimitada, quando mantida permanentemente abaixo do lençol freático. 
Caso esteja sujeita a variação de umidade apodrecerá rapidamente. De qualquer maneira a 
estaca deve receber tratamento de preservação para evitar o apodrecimento precoce e contra 
ataques de insetos. 
As qualidades da madeira a que mais se deve atender é: durabilidade e resistência ao choque. 
As madeiras que melhor se adaptam a estas condições são: aroeira, maçaranduba, eucalipto, 
peroba-do-campo. 
A carga admissível depende das dimensões da estaca e da natureza das camadas atravessadas 
no terreno. Durante a cravação, as cabeças das estacas devem ser protegidas por um anel 
cilíndrico de aço, destinado a evitar seu rompimento sob os golpes do pilão, assim como é 
recomendável o emprego de uma ponteira metálica, a fim de facilitar a penetração e proteger a 
madeira. 
Vantagens 
Duração ilimitada quando mantida permanentemente abaixo do nível da água; 
Custo relativamente baixo 
Desvantagens 
Duração muito pequena quando fica exposta; 
Comprimento limitado a 12m 
Obrigação de licença dos órgãos ambientais 
Grande vibração durante a cravação 
Estacas metálicas 
Uma área na qual as estacas metálicas são muito utilizadas é nos reforços de fundações de 
estruturas existentes, pois podem atingir profundidades elevadas, cravando-se pequenos 
pedaços de trilhos simples ou compostos, emendados de topo por solda. A solda precisa ter 
reforço de talas metálicas para enrijecer as juntas, que caracterizam um ponto fraco da estaca 
se não for bem executada.
Vantagens 
 Inexistência de vibração quando se implantam os perfis por meio de percussão ou por 
técnicas modernas tais como a perfuração com equipamentos de hélice contínua. Nesse 
caso, substituem-se com muita vantagem as gaiolas de armação por uma peça estrutural 
de aço, tendo como resultado a consequente diminuição de mão-de-obra e agilização 
dos serviços. 
 Possibilidade de cravação em solos de difícil transposição, sem o inconveniente do 
levantamento de estacas vizinhas já cravadas (como ocorre em estacas pré-moldadas de 
concreto e Franki) e sem perdas de estacas quebradas. 
 Resistência a esforços elevados de tração, na mesma grandeza de cargas de compressão, 
e de flexão; além de trabalharem cargas horizontais e cargas combinadas. 
 Possibilita o tratamento para reduzir o efeito do “atrito negativo”. 
 Disponibilidade no mercado de grande número de bitolas possibilitando a otimização 
entre as cargas atuantes e as cargas resistentes; 
 Maior facilidade de manuseio e armazenamento devido ao menor peso e volume das 
peças quando comparados com os elementos pré-moldados de concreto (Obs.: O peso 
específico do concreto é menor do que o do aço); 
 Redução das perdas devido à inexistência de quebras (Maior limite de plasticidade do 
que estacas de concreto); 
 Facilidade de emenda (através da solda nos topos) e corte; 
 Podem ser reaproveitadas (possibilita utilização em estruturas temporárias); 
 Provocam pequeno deslocamento do solo (perturbação do solo durante a cravação é 
pequena). 
Desvantagens 
 Alto custo quando comparada às estacas pré-moldadas, estacas Franki e estacas Strauss; 
 Atacável por águas agressivas e solos corrosivos (pântanos, pontos alcalinos, solos 
contaminados); 
 Para fabricação exige maquinário específico, a distância entre fabricação e destino pode 
acarretar custos altos;
TUBULÃO 
São elementos de fundação profunda construídos concretando-se um poço (revestido ou 
não) aberto no terreno, geralmente dotado de base alargada. Diferenciam-se das estacas 
porque em sua etapa final é necessário a descida de um operário para completar a 
geometria ou fazer a limpeza. De acordo com a NBR 6122/96 devem-se evitar alturas H 
superiores a 2m. Deve-se evitar trabalho simultâneo em bases alargadas de tubulões, 
cuja distância, seja inferior o diâmetro da maior base. Quando é necessário executar 
abaixo do NA utiliza-se o recurso do ar comprimido. 
Este tipo de fundação em breve será proibido no Brasil, como já acontece em países 
desenvolvidos. 
a) A céu aberto 
- Revestido 
- Não revestido 
São em eral utilizados acima do nível d’água. 
b) Pneumáticos ou Ar Comprimido 
- Revestimento de concreto armado 
- Revestimento de aço (Benoto). 
São utilizados abaixo do nível d’água. 
Observações: 
• Em uma fundação por tubulões, é necessária a descida de um técnico para inspecionar 
o solo de apoio da base, medidas de fuste e base, verticalidade, etc.. 
• Em geral, apenas um tubulão já absorve a carga total de um pilar.
TIPOS DOS TUBULÕES 
Tubulão a céu aberto 
Escavada manualmente, não pode ser executado abaixo do nível d’água. 
Tubulão a ar comprimido 
Utilizado em terrenos que apresentam dificuldade de empregar escavação mecânica ou 
cravação de estacas, como em áreas com alta densidade de matacões, lençóis d’água elevados 
ou cota insuficiente entre o terreno e o apoio da fundação. 
Análise de custo das fundações profundas 
Considerando uma escala relativa de custos da utilização de fundações profundas, 
podemos, de um modo genérico, afirmar que: 
A estaca pré-moldada é uma das soluções mais econômicas; 
A estaca tipo hélice já foi considerada de custo elevado, porém, devido a sua alta produtividade 
e ao aumento da demanda, houve uma progressiva redução de custos ao longo dos anos; 
A estaca Franki é considerada mais custosa que as estacas anteriores (pré-moldada e hélice), 
porém de custo inferior a estaca raiz; 
A estaca do tipo raiz apresenta alto custo; 
O tubulão é uma solução viável quando utilizado acima do nível d’água e com pequenas 
profundidades, de 4 a 6 m.
CONCLUSÃO 
O melhor tipo de fundação é aquela que suporta as cargas da estrutura com segurança e se 
adequada aos fatores topográficos, maciço de solos, aspectos técnicos e econômicos, sem afetar 
a integridade das construções vizinhas. É importante a união entre os projetos estrutural e o 
projeto de fundações num grande e único projeto, uma vez que mudanças em um provocam 
reações imediatas no outro, resultando obras mais seguras e otimizadas.
Bibliografia: 
• Apostila de fundações da disciplina: Tecnologia da construção de Edifícios 1. Escola 
Politécnica da Universidade de São Paulo. 
• Material de aula da disciplina Tecnologia da construção de edifícios 
1. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. 
Bibliografia complementar 
http://etg.ufmg.br/~jisela/pagina/notas%20aula%20Terraplenagem.pdf 
http://www.habitare.org.br/pdf/publicacoes/arquivos/20.pdf 
http://www.dicionarioinformal.com.br/terraplanagem/ 
http://alcaz.com.br/tecnologia/?p=929&print=1

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tcc sapatas ou estacas - quando usar.
Tcc   sapatas ou estacas - quando usar.Tcc   sapatas ou estacas - quando usar.
Tcc sapatas ou estacas - quando usar.
Adriana Ribeiro
 
Aula escolha do tipo de fundação - slides
Aula   escolha do tipo de  fundação - slidesAula   escolha do tipo de  fundação - slides
Aula escolha do tipo de fundação - slides
Concebida Tomazelli
 
Aula sobre fundação 2016
Aula sobre fundação 2016Aula sobre fundação 2016
Aula sobre fundação 2016
UNAERP
 
Marcela, Rafael e Thais - Concreto Armado
Marcela, Rafael e Thais - Concreto ArmadoMarcela, Rafael e Thais - Concreto Armado
Marcela, Rafael e Thais - Concreto Armado
diogenesfm
 
Patologia das fundações
Patologia das fundaçõesPatologia das fundações
Patologia das fundações
Silvana Dos Santos
 
Obra no bairro Luxemburgo
Obra no bairro LuxemburgoObra no bairro Luxemburgo
Obra no bairro Luxemburgo
Ludmila Souza
 
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
debvieir
 
Alvenaria - Curso de Engenharia civil
Alvenaria - Curso de Engenharia civilAlvenaria - Curso de Engenharia civil
Alvenaria - Curso de Engenharia civil
debvieir
 
Prevenção e recuperação de fissuras
Prevenção e recuperação de fissurasPrevenção e recuperação de fissuras
Prevenção e recuperação de fissuras
Luciana Paixão Arquitetura
 
Recalque
RecalqueRecalque
Aula 1 concreto armado
Aula 1 concreto armado Aula 1 concreto armado
Aula 1 concreto armado
Carlos Elson Cunha
 
Aula unidade 4
Aula  unidade 4Aula  unidade 4
Aula unidade 4
UNAERP
 
Sapatas
SapatasSapatas
Recalque (Fundações)
Recalque (Fundações)Recalque (Fundações)
Recalque (Fundações)
Thayris Cruz
 
Muros
MurosMuros
Patologias na construção civil detalhes construtivos fissuras na alvenaria
Patologias na construção civil   detalhes construtivos fissuras na alvenariaPatologias na construção civil   detalhes construtivos fissuras na alvenaria
Patologias na construção civil detalhes construtivos fissuras na alvenaria
Ricardo Lopes
 
3 aula fundacao
3 aula fundacao3 aula fundacao
3 aula fundacao
Rodrigo Viana
 

Mais procurados (17)

Tcc sapatas ou estacas - quando usar.
Tcc   sapatas ou estacas - quando usar.Tcc   sapatas ou estacas - quando usar.
Tcc sapatas ou estacas - quando usar.
 
Aula escolha do tipo de fundação - slides
Aula   escolha do tipo de  fundação - slidesAula   escolha do tipo de  fundação - slides
Aula escolha do tipo de fundação - slides
 
Aula sobre fundação 2016
Aula sobre fundação 2016Aula sobre fundação 2016
Aula sobre fundação 2016
 
Marcela, Rafael e Thais - Concreto Armado
Marcela, Rafael e Thais - Concreto ArmadoMarcela, Rafael e Thais - Concreto Armado
Marcela, Rafael e Thais - Concreto Armado
 
Patologia das fundações
Patologia das fundaçõesPatologia das fundações
Patologia das fundações
 
Obra no bairro Luxemburgo
Obra no bairro LuxemburgoObra no bairro Luxemburgo
Obra no bairro Luxemburgo
 
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
 
Alvenaria - Curso de Engenharia civil
Alvenaria - Curso de Engenharia civilAlvenaria - Curso de Engenharia civil
Alvenaria - Curso de Engenharia civil
 
Prevenção e recuperação de fissuras
Prevenção e recuperação de fissurasPrevenção e recuperação de fissuras
Prevenção e recuperação de fissuras
 
Recalque
RecalqueRecalque
Recalque
 
Aula 1 concreto armado
Aula 1 concreto armado Aula 1 concreto armado
Aula 1 concreto armado
 
Aula unidade 4
Aula  unidade 4Aula  unidade 4
Aula unidade 4
 
Sapatas
SapatasSapatas
Sapatas
 
Recalque (Fundações)
Recalque (Fundações)Recalque (Fundações)
Recalque (Fundações)
 
Muros
MurosMuros
Muros
 
Patologias na construção civil detalhes construtivos fissuras na alvenaria
Patologias na construção civil   detalhes construtivos fissuras na alvenariaPatologias na construção civil   detalhes construtivos fissuras na alvenaria
Patologias na construção civil detalhes construtivos fissuras na alvenaria
 
3 aula fundacao
3 aula fundacao3 aula fundacao
3 aula fundacao
 

Destaque

Mecânica dos solos – aula 7
Mecânica dos solos – aula 7Mecânica dos solos – aula 7
Mecânica dos solos – aula 7
Daniela Moreira Lima Santos
 
Conteiro de obras fundação
Conteiro de obras   fundaçãoConteiro de obras   fundação
Conteiro de obras fundação
Rafaela Paz
 
2013 tecnologia construçã2-o
2013 tecnologia construçã2-o2013 tecnologia construçã2-o
2013 tecnologia construçã2-o
Iza Kátia Vicentini
 
Perfuratriz
PerfuratrizPerfuratriz
Perfuratriz
Thiago Meira
 
Perfuratriz
PerfuratrizPerfuratriz
Perfuratriz
Thiago Meira
 
MECÂNICA DOS SOLOS
MECÂNICA DOS SOLOSMECÂNICA DOS SOLOS
MECÂNICA DOS SOLOS
amalecastro
 
Perfuratriz
PerfuratrizPerfuratriz
Perfuratriz
Marco Minarini
 
Ordem de serviço operador de maquina perfuratriz
Ordem de serviço operador de maquina perfuratrizOrdem de serviço operador de maquina perfuratriz
Ordem de serviço operador de maquina perfuratriz
Paulo Carvalho
 
Apostila fundações ifpa
Apostila fundações ifpaApostila fundações ifpa
Apostila fundações ifpa
Jhon Gomes
 

Destaque (9)

Mecânica dos solos – aula 7
Mecânica dos solos – aula 7Mecânica dos solos – aula 7
Mecânica dos solos – aula 7
 
Conteiro de obras fundação
Conteiro de obras   fundaçãoConteiro de obras   fundação
Conteiro de obras fundação
 
2013 tecnologia construçã2-o
2013 tecnologia construçã2-o2013 tecnologia construçã2-o
2013 tecnologia construçã2-o
 
Perfuratriz
PerfuratrizPerfuratriz
Perfuratriz
 
Perfuratriz
PerfuratrizPerfuratriz
Perfuratriz
 
MECÂNICA DOS SOLOS
MECÂNICA DOS SOLOSMECÂNICA DOS SOLOS
MECÂNICA DOS SOLOS
 
Perfuratriz
PerfuratrizPerfuratriz
Perfuratriz
 
Ordem de serviço operador de maquina perfuratriz
Ordem de serviço operador de maquina perfuratrizOrdem de serviço operador de maquina perfuratriz
Ordem de serviço operador de maquina perfuratriz
 
Apostila fundações ifpa
Apostila fundações ifpaApostila fundações ifpa
Apostila fundações ifpa
 

Semelhante a Fun pc 1

Sapatas
SapatasSapatas
Sapatas
SapatasSapatas
Sapatas
Luciana Costa
 
AULA DE FUNDACOES - TODAS AS PARTES.Ppt -Modo de Compatibilidade.pdf
AULA DE FUNDACOES - TODAS AS PARTES.Ppt -Modo de Compatibilidade.pdfAULA DE FUNDACOES - TODAS AS PARTES.Ppt -Modo de Compatibilidade.pdf
AULA DE FUNDACOES - TODAS AS PARTES.Ppt -Modo de Compatibilidade.pdf
MyrelaArajo
 
Complementos de fundacoes
Complementos de fundacoesComplementos de fundacoes
Complementos de fundacoes
Humberto Magno
 
1º resumo túneis e obras subterrâneas
1º  resumo túneis e obras subterrâneas1º  resumo túneis e obras subterrâneas
1º resumo túneis e obras subterrâneas
Luciano José Rezende
 
ebook_Fundações_Votorantim.pdf
ebook_Fundações_Votorantim.pdfebook_Fundações_Votorantim.pdf
ebook_Fundações_Votorantim.pdf
ssuser405a251
 
2013 tecnologia construção
2013 tecnologia construção2013 tecnologia construção
2013 tecnologia construção
Sesc Rio
 
FUNDAÇÕES.pptx
FUNDAÇÕES.pptxFUNDAÇÕES.pptx
FUNDAÇÕES.pptx
ClarisseLucena2
 
Apontamentos fundacao
Apontamentos fundacaoApontamentos fundacao
Apontamentos fundacao
Josiel Penha
 
Obra da construtora Caparaó
Obra da construtora CaparaóObra da construtora Caparaó
Obra da construtora Caparaó
Ludmila Souza
 
Patologia das fundações profundas artigo
Patologia das fundações profundas artigoPatologia das fundações profundas artigo
Patologia das fundações profundas artigo
Israel Serpa
 
Estacas pré moldadas de concreto
Estacas pré moldadas de concreto Estacas pré moldadas de concreto
Estacas pré moldadas de concreto
Rayane Anchieta
 
Tipos de concreto
Tipos de concretoTipos de concreto
Tipos de concreto
profNICODEMOS
 
Comparação cortina e contençao de peso
Comparação cortina e contençao de pesoComparação cortina e contençao de peso
Comparação cortina e contençao de peso
Brenda Melo
 
4.3. escolha de fundações
4.3. escolha de fundações4.3. escolha de fundações
4.3. escolha de fundações
antoniocleiton
 
2 pat e acidentes
2  pat e acidentes2  pat e acidentes
2 pat e acidentes
Jho05
 
Nbr 8036
Nbr 8036Nbr 8036
Nbr 8036
Euclides Melo
 
Mecânica dos solos – aula 5
Mecânica dos solos – aula 5Mecânica dos solos – aula 5
Mecânica dos solos – aula 5
Daniela Moreira Lima Santos
 
Nbr 06122 1996 - projeto e execucao de fundacoes
Nbr 06122   1996 - projeto e execucao de fundacoesNbr 06122   1996 - projeto e execucao de fundacoes
Nbr 06122 1996 - projeto e execucao de fundacoes
Vinicius Lss
 
NBR6122 1996
NBR6122 1996NBR6122 1996
NBR6122 1996
Julia Rodrigues
 

Semelhante a Fun pc 1 (20)

Sapatas
SapatasSapatas
Sapatas
 
Sapatas
SapatasSapatas
Sapatas
 
AULA DE FUNDACOES - TODAS AS PARTES.Ppt -Modo de Compatibilidade.pdf
AULA DE FUNDACOES - TODAS AS PARTES.Ppt -Modo de Compatibilidade.pdfAULA DE FUNDACOES - TODAS AS PARTES.Ppt -Modo de Compatibilidade.pdf
AULA DE FUNDACOES - TODAS AS PARTES.Ppt -Modo de Compatibilidade.pdf
 
Complementos de fundacoes
Complementos de fundacoesComplementos de fundacoes
Complementos de fundacoes
 
1º resumo túneis e obras subterrâneas
1º  resumo túneis e obras subterrâneas1º  resumo túneis e obras subterrâneas
1º resumo túneis e obras subterrâneas
 
ebook_Fundações_Votorantim.pdf
ebook_Fundações_Votorantim.pdfebook_Fundações_Votorantim.pdf
ebook_Fundações_Votorantim.pdf
 
2013 tecnologia construção
2013 tecnologia construção2013 tecnologia construção
2013 tecnologia construção
 
FUNDAÇÕES.pptx
FUNDAÇÕES.pptxFUNDAÇÕES.pptx
FUNDAÇÕES.pptx
 
Apontamentos fundacao
Apontamentos fundacaoApontamentos fundacao
Apontamentos fundacao
 
Obra da construtora Caparaó
Obra da construtora CaparaóObra da construtora Caparaó
Obra da construtora Caparaó
 
Patologia das fundações profundas artigo
Patologia das fundações profundas artigoPatologia das fundações profundas artigo
Patologia das fundações profundas artigo
 
Estacas pré moldadas de concreto
Estacas pré moldadas de concreto Estacas pré moldadas de concreto
Estacas pré moldadas de concreto
 
Tipos de concreto
Tipos de concretoTipos de concreto
Tipos de concreto
 
Comparação cortina e contençao de peso
Comparação cortina e contençao de pesoComparação cortina e contençao de peso
Comparação cortina e contençao de peso
 
4.3. escolha de fundações
4.3. escolha de fundações4.3. escolha de fundações
4.3. escolha de fundações
 
2 pat e acidentes
2  pat e acidentes2  pat e acidentes
2 pat e acidentes
 
Nbr 8036
Nbr 8036Nbr 8036
Nbr 8036
 
Mecânica dos solos – aula 5
Mecânica dos solos – aula 5Mecânica dos solos – aula 5
Mecânica dos solos – aula 5
 
Nbr 06122 1996 - projeto e execucao de fundacoes
Nbr 06122   1996 - projeto e execucao de fundacoesNbr 06122   1996 - projeto e execucao de fundacoes
Nbr 06122 1996 - projeto e execucao de fundacoes
 
NBR6122 1996
NBR6122 1996NBR6122 1996
NBR6122 1996
 

Último

ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
maria-oliveira
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 

Último (20)

ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 

Fun pc 1

  • 1. DESENHO DE CONSTRUÇÃO CIVIL ELIANE CUNHA PEREIRA GILDA NIRZA LIULLI LIULLI JANE CATARINA PARREIRA LIMA DE GODOY ROSIARIA ARAÚJO CAVALCANTE OLIVEIRA Seminário Fundações Profundas e Indiretas Monografia apresentada ao Desenho técnico de Construção Civil da Universidade Cruzeiro do Sul, como requisito parcial para obtenção da nota da matéria de Processos Construtivos 1, orientado pela Prof.ª Adriana Ronchi.
  • 2. RESUMO Em busca de racionalização em obras residenciais, a construção civil vive em um constante desenvolvimento de novos estudos, mais aprofundados, sobre métodos construtivos. Sendo a fundação uma das etapas mais importantes e que possuem uma grande parcela no valor total de uma obra popular, se faz necessárias pesquisas visando qual método é mais economicamente viável, sem perda de desempenho, para cada caso. No Brasil existem métodos pouco difundidos como o radier, que dependendo das condições do solo e da obra, podem apresentar melhor relação custo x benefício que estacas ou sapatas, soluções essas que possuem grande empregabilidade na região. Para o estudo comparativo entre os três métodos citados são apresentados o dimensionamento, levantamento de quantitativos e custos globais de ambos os métodos para uma habitação de pequeno porte.
  • 3. INTRODUÇÃO Este relatório se trata de assuntos relativos ao projeto e dimensionamento de elementos especiais de fundações que não são empregados usualmente em estruturas correntes, como: radiers e blocos sobre as estacas, tem a finalidade de orientar é dar subsídios para futuros projetos de estruturas de fundações. A escolha do tipo de fundação para uma determinada construção é feita após estudo que considere as condições técnicas e econômicas da obra. Por meio do conhecimento dos parâmetros do solo, da intensidade das ações, dos edifícios limítrofes e dos tipos de fundações disponíveis no mercado, o engenheiro pode escolher qual a melhor a alternativa para satisfazer tecnicamente e economicamente o caso em questão. O projeto e execução de fundações requerem conhecimentos de geotécnica e cálculo estrutural. Por exemplo, imaginando-se o caso de um edifício de concreto armado, construído num terreno sem vizinhos, em geral, a estrutura é calculada por um engenheiro de estruturas que supõe os apoios irremovível, daí resultando um conjunto de ações externas (forças verticais, horizonta is e momentos) que é passado ao projetista de fundações. Com auxílios de informações técnicas sobre geotécnica, o engenheiro de fundações projeta e dimensiona os elementos de fundações de acordo com a obra desejada. Acontece que estas fundações, quaisquer que sejam, quando em serviço, solicitarão o terreno, que se deforma, e estas deformações resultam deslocamentos verticais (recalques), horizontais e rotações. Com isto, a hipótese usual de apoios irremovível fica prejudicada, e nas estruturas hiperestáticas, que são a grande maioria, os esforços solicitantes inicialmente calculados são modificados. Chega-se assim, ao conhecido problema de interação solo-estrutura. Portanto, o projeto de estrutura deve estar integrado ao projeto de fundações.
  • 4. CONCEITO - FUNDAÇÕES Fundações são os elementos estruturais com função de transmitir as cargas da estrutura ao terreno onde ela se apoia (AZEREDO, 1988). Assim, as fundações devem ter resistência adequada para suportar as tensões causadas pelos esforços solicitantes. Além disso, o solo necessita de resistência e rigidez apropriadas para não sofrer ruptura e não apresentar deformações exageradas ou diferenciais. Para se escolher a fundação mais adequada, devem-se conhecer os esforços atuantes sobre a edificação, as características do solo e dos elementos estruturais que formam as fundações. Assim, analisa-se a possibilidade de utilizar os vários tipos de fundação, em ordem crescente de complexidade e custos (WOLLE, 1993). Fundações bem projetadas correspondem de 3% a 10% do custo total do edifício; porém, se forem mal concebidas e mal projetadas, podem atingir 5 a 10 vezes o custo da fundação mais apropriada para o caso (BRITO, 1987). PROCEDIMENTOS INVESTIGAÇÃO Exame do Terreno Muitas vezes o aspecto de um solo leva o técnico a considera-lo firme. No entanto, um exame mais cuidadoso pode mostrar tratar-se de solo altamente compressível, exigindo consolidação prévia. Este exame denomina-se sondagem e tem por finalidade verificar a natureza do solo, a espessura das diversas camadas, a profundidade e a extensão da camada mais resistente que deverá receber as cargas da construção, e determinar o tipo da estrutura de fundação a ser especificada. Para efeito prático na construção, a Mecânica dos Solos divide os materiais que ocorrem na superfície da crosta terrestre em:  Rochas - solos rochosos (rochas em decomposição ou sã);  Solos Arenosos/Siltuosos - com propriedade de compacidade (grau de compacidade);  Solos Argilosos - com propriedade de consistência (limite de consistência). Antes de se decidir pelo tipo de fundação em um terreno, é essencial que o profissional adote os seguintes procedimentos: -Visitar o local da obra, detectando a eventual existência de alagados, afloramento de rochas etc.; -Visitar obras em andamento nas proximidades, verificando as soluções adotadas; -Fazer sondagem a trado (broca) com diâmetro de 2” ou 4”, recolhendo amostras das camadas do solo até atingir a camada resistente; -Mandar fazer sondagem geotécnica
  • 5. Equipamentos de sondagem Dependendo do tipo solo, a sondagem deverá utilizar o melhor processo que forneça indicações precisas, sem deixar margem de dúvida para interpretação e que permitam resultados conclusivos, indicando claramente a solução a adotar. A sondagem mais executada em solos penetráveis é a sondagem geotécnica a percussão, de simples reconhecimento, executada com a cravação de um barrilete amostrador, peça tubular metálica robusta, oca, de ponta bizelada, que penetrando no solo, retira amostras sequentes, que são analisadas visualmente e em laboratório para a classificação do solo e determina o SPT (Standart Penetration Test), que é o registro da somatória do número de golpes para vencer os dois últimos terços de cada metro, para a penetração de 15 cm. Nas próximas figuras são mostrados um esquema do equipamento de sondagem geotécnica de percussão, a planta de locação dos furos e um laudo de sondagem.
  • 6. TIPOS DE FUNDAÇÕES A escolha do tipo de fundação depende de alguns fatores como; carga da edificação; Profundidade da camada resistente de solo; Custo do método executivo; Prazo de execução. O principal fator a ser considerado no projeto de fundações é a Tensão Admissível, também conhecida como resistência ou capacidade de carga do solo, a Tensão Admissível consiste no limite de carga que o solo pode suportar sem se romper ou sofrer deformação exagerada.
  • 7. QUADRO DEMONSTRATIVO DOS TIPOS DE SISTEMAS DE INFRAESTRUTURA DE EDIFICAÇÕES E OBRAS DE ENGENHARIA SISTEMA TIPO FORMA DE EXECUÇÃ O FORMA DE IMPLANTAÇÃO EQUIPAMENT O VANTAGENS DESVANTAGENS Rasas ou diretas Alicerce ou sapata corrida Moldada in-loco Alvenaria de tijolos maciços ou concreto Não necessita de equipamento especial Simplicidade Exige cuidados especiais com solo abaixo do lencol f reático Sapata isolada Moldada in-loco Concreto armado Não necessita de equipamento especial Flexibilidade de formas Exige cuidados especiais com a escavação Placas ou Radiers Moldada in-loco Concreto armado Concreto protendido Equipamentos usuais das obras em concreto Baixo custo em terrenos homogêneos Exige cuidados especiais no dimensionamento Profundas ou especiais Estaca de madeira Pré-fabricada Cravação Bata-estacas de gravidade Baixo-custo Facilidade de corte e emenda Resistente ao esforços de transporte e manuseio Durabilidade ilimitada se usada em locais submersos (água doce) Pouca durabilidade em locais com variação de umidade Baixa resistencia a umidade e ataques de organismos Estaca metálica Pré-fabricada Cravação Bate-estacas de gravidade ou a motor Facilidade de cravação Maior garantia de integridade Muito Resistente aos esforços de manuseio Alto custo Estaca de concreto Pré-fabricada Cravação Bate-estacas Grande durabilidade Indicada para vários tipos de solicitações Baixa resistência aos esforços de manuseio e transporte Dif iculdade de execução de cortes e emendas Grande possibilidade de falhas de integridade Strauss Moldada in-loco Cravação Bate-estacas simples Baixo custo Equipamento com boa mobilidade no canteiro Grande possibilidade de falhas Não pode ultrapassar o lençol f reático Siimplex Moldada in-loco Cravação Bate-estacas Pode ultrapassar o lençol f reático Dif ícil de encontrar comercialmente Franki Moldada in-loco Cravação Bate-estacas Admite altas cargas Indicada para grandes profundidades Grande possibilidade de falhas de integridade Vibração excessiva no entorno Recupera ção de patologias Estaca Mega ou prensada Pré-fabricada Cravação por reação Macaco hidráulico Indicada para recuperar estruturas sem demolição Alto custo Demorada Estaca injetada Moldada in-loco Perfuração Perfuratriz e equipamento de injeção Indicada para recuperar estruturas onde não é possível utilizar vibração (bate-estacas) Alto custo Equipamentos especiais Obras simples Estaca broca Moldada in-loco Escavação Trado manual Rapidez Baixo custo Poucas profundidades
  • 9. FUNDAÇÃO SUPERFICIAL OU DIRETA Conceito: Também chamada de fundação rasa ou direta, transmite a carga do edifício ao terreno através das pressões distribuídas sob a base da fundação. As fundações superficiais estão assentadas a uma profundidade de até duas vezes a sua menor dimensão em planta. Os principais tipos de fundação superficial BLOCO - é o elemento de fundação de concreto simples, dimensionado de maneira que as tensões de tração nele produzidas possam ser resistidas pelo concreto, sem necessidade de armadura. SAPATA - é um elemento de fundação de concreto armado, de altura menor que o bloco, utilizando armadura para resistir a esforços de tração. Sapatas isoladas São aquelas que transmitem para o solo, através de sua base, a carga de uma coluna (pilar) ou um conjunto de colunas. Sapatas corridas São elementos contínuos que acompanham a linha das paredes, as quais lhes transmitem a carga por metro linear. Para edificações cujas cargas não sejam muito grandes, como residências, pode-se utilizar alvenaria de tijolos. Caso contrário, ou ainda para profundidades maiores do que 1,0 m tornam-se mais adequado e econômico o uso do concreto armado.
  • 10. Sapatas associadas Um projeto econômico deve ser feito com o maior número possível de sapatas isoladas. No caso em que a proximidade entre dois ou mais pilares seja tal que as sapatas isoladas se superponham, deve-se executar uma sapata associada. A viga que une os dois pilares denomina-se viga de rigidez, e tem a função de permitir que a sapata trabalhe com tensão constante. Sapatas alavancadas No caso de sapatas de pilares de divisa ou próximos a obstáculos onde não seja possível fazer com que o centro de gravidade da sapata coincida com o centro de carga do pilar, cria-se uma viga alavanca ligada entre duas sapatas, de modo que um pilar absorva o momento resultante da excentricidade da posição do outro pilar. VIGA DE FUNDAÇÃO - é um elemento que recebe pilares alinhados, geralmente de concreto armado; pode ter seção transversal tipo bloco, sem armadura transversal, sendo chamada de baldrame. GRELHA - elemento de fundação constituído por um conjunto de vigas que se cruzam nos pilares.
  • 11. RADIER - elemento de fundação que recebe todos os pilares da obra.
  • 13. CONCEITO: São aquelas que transferem as cargas por efeito de atrito lateral do elemento com o solo e por efeito de ponta. São sempre profundas, em função da forma de transmissão de carga para o solo (atrito lateral) que exige grandes dimensões dos elementos de fundação. Os principais tipos de fundação profunda: ESTACA - elemento de fundação executado com auxílio de ferramentas ou equipamentos, execução esta que pode ser por cravação a percussão, prensagem, vibração ou por escavação. São elas:
  • 14. BROCA São estacas executadas “in loco” sem molde, por perfuração no terreno com o auxílio de um trado (Ø 15 a 30 cm), sendo o furo posteriormente preenchido com o concreto apiloado. O trado utilizado é composto de 04 facas, formando um recipiente acoplado a tubos de aço galvanizado. Os tubos são divididos em partes de 1,20 metros de comprimento e à medida que se prossegue a escavação, eles vão sendo sucessivamente emendados. A perfuração é feita por rotação/compressão do tubo, seguindo-se da retirada do solo solto que se armazena dentro deste. A capacidade de carga de Estacas – broca é de aproximadamente 4 a 5 tf. O seu emprego só se dá acima do lençol freático. O seu comprimento máximo é em torno de 6 metros. Devido suas características, a broca é usada somente para casos limitados e sua execução é feita normalmente pelo pessoal da própria da obra. Devido a disponibilização de equipamentos, mão de obra específica e materiais, as estacas brocas são de baixo custo quando comparadas à outros tipos de fundações indiretas. Vantagens Facilidade de execução; Baixo custo; Disponibilidade de mão de obra; Disponibilidade de materiais e equipamentos; Aderência solo-concreto, devido à rugosidade do fuste da estaca. Desvantagens Baixa capacidade de carga; Há perigo de introdução de solo no concreto, no processo de enchimento; Possibilidade de estrangulamento do fuste; Não há garantia da verticalidade; Pequenos comprimentos máximos; Trabalha apenas a compressão. Controle de execução Locação do centro das estacas; Profundidade de escavação; Tipo de solo retirado como amostra.
  • 15. ESTACA INJETADA A Norma de Fundações NBR 6122/96 define estaca injetada como sendo aquela na qual através de injeção sob pressão de produtos aglutinantes, normalmente calda de cimento, procura-se aumentar a resistência do atrito lateral, de ponta ou ambas. A injeção deve ser feita de maneira a garantir que a estaca tenha a carga admissível prevista no projeto e pode ser aplicada em um ou mais estágios. O consumo de cimento da calda ou argamassa injetada deve ser no mínimo de 350 Kgf/m³. A resistência estrutural do fuste deve ter um fator de segurança mínimo à ruptura de 2, calculada em relação às resistências características dos materiais. A capacidade de carga deve ser verificada experimentalmente, através de provas de carga a compressão e ou tração. Quando se utilizam estacas com diâmetros iguais ou menores que 20 cm atravessando espessas camadas de argila mole devem ser considerados o efeito de flambagem na estaca. Neste caso, a verificação da capacidade de carga à compressão não pode ser feita a partir de prova de carga à tração. O emprego deste tipo de estaca é indicado em todo tipo de fundação e em especial para fundações de equipamentos industriais, reforços de fundações, locais com restrição de pé direito ou dificuldade de acesso para equipamentos de grande porte, situações nas quais a execução possa provocar vibrações, em casos onde é preciso atravessar matacões ou blocos de concreto ou ainda quando existe necessidade de engaste da estaca no topo rochoso. A fundação injetada tem produtividade média diária de 30 metros, capacidade de carga de 10 a 180 tf. Vantagens  Não provoca vibrações e poluição sonora.  Podem ser executadas com maiores inclinações (0 à 90º)3  Fundação em locais de difícil acesso.  Pode ser usado com reforço de fundações já construídas. Desvantagens  Custo elevado (alto consumo de cimento e de ferragens).  Impacto ambiental (desperdício de água).  Com o consumo elevado de água a obra torna-se alagada. Metodologia executiva  Liberação formal das estacas a serem executadas, no tocante à sua locação e cotas, de acordo com o desenvolvimento dos trabalhos.  Posicionar a perfuratriz.  Verificar a verticalidade e/ou ângulo de inclinação de acordo com a característica da estaca.  Centrar o tubo de revestimento no piquete de locação da estaca.
  • 16. Estacas pré-moldadas Caracterizam-se por serem cravadas no terreno, podendo-se utilizar os seguintes métodos:  Percussão;  Prensagem;  Vibração. Podem ser fabricadas com diversos materiais, sendo as estacas de concreto e metálico as mais usuais. Já as de madeiras são para obras provisórias. Concreto metálico Estacas moldadas in loco com tubo de revestimento Estacas tipo franki - Estaca de concreto armado moldada in loco que emprega um tubo de revestimento com ponta fechada, de modo que não há limitação de profundidade devido à presença de água do subsolo. Vantagens:  Grande área da base, fornecendo alta resistência de ponta;  Superfície do fuste (lateral) muito rugosa, fornecendo grande resistência lateral devido à boa ancoragem do fuste no solo;  Devido às condições de execução, o terreno fica fortemente comprimido;  Pode ser executada em grandes profundidades;  Suporta grande capacidade de carga. Desvantagens:  Grande vibração durante a cravação;  Demora no tempo de execução;  Custo elevado da mão-de-obra.  Custo elevado da mão-de-obra.
  • 17. Estacas Tipo Strauss - Elemento de fundação escavado mecanicamente, com o emprego de uma camisa metálica recuperável, que define o diâmetro das estacas. Vantagens  Ausência de vibrações e trepidações em prédios vizinhos;  Possibilidade de execução da estaca com o comprimento projetado;  Possibilidade de verificar durante a perfuração, a presença de corpos estranhos no solo, matacões, etc, permitindo a mudança de locação antes da concretagem;  Possibilidade da constatação das diversas camadas e natureza do solo, pois a retirada de amostras permite comparação com a sondagem à percussão;  Possibilidade de montar o equipamento em terrenos de pequenas dimensões;  Autonomia, importante em regiões ou locais distantes. Desvantagens  Quando a pressão da água for tal que impeça o esgotamento da água no furo com a sonda, a adoção desse tipo de estaca não é recomendável;  Em argilas muito moles saturadas e em areias submersas, o risco de seccionamento do fuste pela entrada de solo é muito grande, e nesses casos esta solução não é indicada;  É indispensável um controle rigoroso da concretagem da estaca de modo a não ocorrer falhas, pois a maior ocorrência de acidentes com estas estacas devem-se a deficiências de concretagem durante a retirada do tubo.
  • 18. Estacas escavadas Estaca escavada é um tipo de fundação profunda circular executada por escavação mecânica (equipamento rotativo), com uso ou não de lama bentonítica ou uso de revestimento total ou parcial, e posterior concretagem. A lama bentonítica é uma mistura de bentonita com água pura, em misturador de alta turbulência, com a concentração variável em função da viscosidade e da densidade que se pretende obter. A coluna de lama exerce sobre as paredes da vala uma pressão que impede o desmoronamento, formando uma película impermeável denominada “cake”, a qual dispensa o uso de revestimentos. Vantagens  Execução sem vibração e ruídos;  Possibilidade de atravessar camadas do solo de grande resistência devido as ferramentas de escavação;  Execução rápida;  Possibilidade de atingir grandes profundidades;  Possibilidade de resistir a grandes cargas com um único elemento de fundação,  Reduzindo deste modo o volume dos blocos;  Executada com ferramenta mecânica Desvantagens  Difícil execução abaixo do nível da água  Difícil cravação em solo resistente
  • 19. Estacas moldadas in loco escavadas mecanicamente Hélice Contínua - Estaca de concreto moldada in loco, executada através de um equipame nto que possui um trado helicoidal contínuo, que retira o solo conforme se realiza a escavação, e injeta o concreto simultaneamente, utilizando a haste central desse mesmo trado. Estacas-Raiz - Estacas escavadas com perfuratriz, executadas com equipamento de rotação ou rotopercussão com circulação de água, lama bentonítica ou ar comprimido. Estaca barrete - Estacas escavadas com uso de lama bentonítica, executadas com equipamentos de grande porte, como o “clam-shell”. Estacas de madeira As estacas de madeira são troncas de árvores cravados com bate-estacas. Antes da difusão do uso do concreto elas eram empregadas quando a camada de apoio das fundações era profunda. As estacas de madeiras devem ser de madeira dura, resistente, em peças retas, roliças e descascadas. O diâmetro da seção pode variar de 18 a 35 cm e o comprimento de 5 a 8 metros, geralmente limitado a 12 metros com emendas. No caso da necessidade de comprimentos maiores as emendas deverão ser providenciadas com talas de chapas metálicas e parafusos, devidamente dimensionados. Quanto à posição, as estacas podem ser verticais e inclinadas, e quanto aos esforços a que ficam sujeitas, classificam-se em estacas de compressão, tração e flexão. A vida útil de uma estaca de
  • 20. madeira é praticamente ilimitada, quando mantida permanentemente abaixo do lençol freático. Caso esteja sujeita a variação de umidade apodrecerá rapidamente. De qualquer maneira a estaca deve receber tratamento de preservação para evitar o apodrecimento precoce e contra ataques de insetos. As qualidades da madeira a que mais se deve atender é: durabilidade e resistência ao choque. As madeiras que melhor se adaptam a estas condições são: aroeira, maçaranduba, eucalipto, peroba-do-campo. A carga admissível depende das dimensões da estaca e da natureza das camadas atravessadas no terreno. Durante a cravação, as cabeças das estacas devem ser protegidas por um anel cilíndrico de aço, destinado a evitar seu rompimento sob os golpes do pilão, assim como é recomendável o emprego de uma ponteira metálica, a fim de facilitar a penetração e proteger a madeira. Vantagens Duração ilimitada quando mantida permanentemente abaixo do nível da água; Custo relativamente baixo Desvantagens Duração muito pequena quando fica exposta; Comprimento limitado a 12m Obrigação de licença dos órgãos ambientais Grande vibração durante a cravação Estacas metálicas Uma área na qual as estacas metálicas são muito utilizadas é nos reforços de fundações de estruturas existentes, pois podem atingir profundidades elevadas, cravando-se pequenos pedaços de trilhos simples ou compostos, emendados de topo por solda. A solda precisa ter reforço de talas metálicas para enrijecer as juntas, que caracterizam um ponto fraco da estaca se não for bem executada.
  • 21. Vantagens  Inexistência de vibração quando se implantam os perfis por meio de percussão ou por técnicas modernas tais como a perfuração com equipamentos de hélice contínua. Nesse caso, substituem-se com muita vantagem as gaiolas de armação por uma peça estrutural de aço, tendo como resultado a consequente diminuição de mão-de-obra e agilização dos serviços.  Possibilidade de cravação em solos de difícil transposição, sem o inconveniente do levantamento de estacas vizinhas já cravadas (como ocorre em estacas pré-moldadas de concreto e Franki) e sem perdas de estacas quebradas.  Resistência a esforços elevados de tração, na mesma grandeza de cargas de compressão, e de flexão; além de trabalharem cargas horizontais e cargas combinadas.  Possibilita o tratamento para reduzir o efeito do “atrito negativo”.  Disponibilidade no mercado de grande número de bitolas possibilitando a otimização entre as cargas atuantes e as cargas resistentes;  Maior facilidade de manuseio e armazenamento devido ao menor peso e volume das peças quando comparados com os elementos pré-moldados de concreto (Obs.: O peso específico do concreto é menor do que o do aço);  Redução das perdas devido à inexistência de quebras (Maior limite de plasticidade do que estacas de concreto);  Facilidade de emenda (através da solda nos topos) e corte;  Podem ser reaproveitadas (possibilita utilização em estruturas temporárias);  Provocam pequeno deslocamento do solo (perturbação do solo durante a cravação é pequena). Desvantagens  Alto custo quando comparada às estacas pré-moldadas, estacas Franki e estacas Strauss;  Atacável por águas agressivas e solos corrosivos (pântanos, pontos alcalinos, solos contaminados);  Para fabricação exige maquinário específico, a distância entre fabricação e destino pode acarretar custos altos;
  • 22. TUBULÃO São elementos de fundação profunda construídos concretando-se um poço (revestido ou não) aberto no terreno, geralmente dotado de base alargada. Diferenciam-se das estacas porque em sua etapa final é necessário a descida de um operário para completar a geometria ou fazer a limpeza. De acordo com a NBR 6122/96 devem-se evitar alturas H superiores a 2m. Deve-se evitar trabalho simultâneo em bases alargadas de tubulões, cuja distância, seja inferior o diâmetro da maior base. Quando é necessário executar abaixo do NA utiliza-se o recurso do ar comprimido. Este tipo de fundação em breve será proibido no Brasil, como já acontece em países desenvolvidos. a) A céu aberto - Revestido - Não revestido São em eral utilizados acima do nível d’água. b) Pneumáticos ou Ar Comprimido - Revestimento de concreto armado - Revestimento de aço (Benoto). São utilizados abaixo do nível d’água. Observações: • Em uma fundação por tubulões, é necessária a descida de um técnico para inspecionar o solo de apoio da base, medidas de fuste e base, verticalidade, etc.. • Em geral, apenas um tubulão já absorve a carga total de um pilar.
  • 23. TIPOS DOS TUBULÕES Tubulão a céu aberto Escavada manualmente, não pode ser executado abaixo do nível d’água. Tubulão a ar comprimido Utilizado em terrenos que apresentam dificuldade de empregar escavação mecânica ou cravação de estacas, como em áreas com alta densidade de matacões, lençóis d’água elevados ou cota insuficiente entre o terreno e o apoio da fundação. Análise de custo das fundações profundas Considerando uma escala relativa de custos da utilização de fundações profundas, podemos, de um modo genérico, afirmar que: A estaca pré-moldada é uma das soluções mais econômicas; A estaca tipo hélice já foi considerada de custo elevado, porém, devido a sua alta produtividade e ao aumento da demanda, houve uma progressiva redução de custos ao longo dos anos; A estaca Franki é considerada mais custosa que as estacas anteriores (pré-moldada e hélice), porém de custo inferior a estaca raiz; A estaca do tipo raiz apresenta alto custo; O tubulão é uma solução viável quando utilizado acima do nível d’água e com pequenas profundidades, de 4 a 6 m.
  • 24. CONCLUSÃO O melhor tipo de fundação é aquela que suporta as cargas da estrutura com segurança e se adequada aos fatores topográficos, maciço de solos, aspectos técnicos e econômicos, sem afetar a integridade das construções vizinhas. É importante a união entre os projetos estrutural e o projeto de fundações num grande e único projeto, uma vez que mudanças em um provocam reações imediatas no outro, resultando obras mais seguras e otimizadas.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30. Bibliografia: • Apostila de fundações da disciplina: Tecnologia da construção de Edifícios 1. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. • Material de aula da disciplina Tecnologia da construção de edifícios 1. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Bibliografia complementar http://etg.ufmg.br/~jisela/pagina/notas%20aula%20Terraplenagem.pdf http://www.habitare.org.br/pdf/publicacoes/arquivos/20.pdf http://www.dicionarioinformal.com.br/terraplanagem/ http://alcaz.com.br/tecnologia/?p=929&print=1