SlideShare uma empresa Scribd logo
MARCHA HUMANA
Assuntos do Módulo 6
MARCHA HUMANA
1- Introdução
2- Biomecânica da Marcha Normal, Conceitos de Cinemática
3- Fases da marcha (fase de apoio; fase de balanço ou oscilação)
4- Ciclo normal da marcha
5- Valores de referência da marcha normal
6- Marcha em crianças
7- Marcha em idosos
8- Marcha antálgica
9- Marcha patológica
10- Marchas anormais
Marcha em bloco – Parkinson
Marcha ebriosa - ataxia cerebelar
Marcha talonante - ataxia sensitiva
Marcha "em estrela" - ataxia vestibular
Marcha a pequenos passos - ataxia frontal
Marcha escarvante - lesão de nervo fibular ou ciático ou raiz de L5
Marcha ceifante – sd. Piramidal
11- Patologias comuns da marcha
12- Vídeos na Internet sobre Marcha Humana
Introdução
• A partir do final do século XIX iniciou-se a documentação da marcha
humana.
• No século XX, com os avanços da tecnologia, vários centros
desenvolveram laboratórios para analisar os movimentos humanos e,
consequentemente, muito se publicou sobre esse assunto.
• O avanço nos estudos nos últimos anos foi tão importante que hoje se
considera inadmissível indicar tratamento para uma deficiência de marcha
sem uma análise cuidadosa da locomoção.
• A quantificação do movimento e a detecção de alterações não percebidas
a olho nu acrescentaram muitas vantagens à pesquisa e ao entendimento
da marcha, permitindo, ainda, nos casos em que se instituiu algum
tratamento, comparar os períodos anteriores e posteriores.
Fonte: Faloppa,F;Albertoni,WM; Ortopedia e Traumatologia, Manole - 2008
Introdução
• A marcha humana é caracterizada por uma sequência de múltiplos
eventos rápidos e complexos, o que dificulta a observação clínica, a
identificação de alterações dos fenômenos e a quantificação do seu grau
de afastamento da normalidade.
• Isso levou estudiosos do assunto a desenvolver recursos de registros e de
análise do movimento cada vez mais sensíveis e precisos.
• A Análise da Marcha (AM) é a mensuração, a descrição e a avaliação
sistemática de dados que caracterizam a locomoção humana.
• Ela tem fundamental relevância no estudo e no tratamento de patologias
que envolvem o aparelho locomotor.
• A AM pode ser clínica (visando ao estudo de um determinado paciente) ou
científica (visando ao estudo das repercussões de uma patologia sobre a
marcha).
Fonte: Faloppa,F;Albertoni,WM; Ortopedia e Traumatologia, Manole - 2008
Marcha = locomoção; deambulação; caminhada.
- "A locomoção é o processo pelo qual o animal se move de uma posição
geográfica para outra".
" Marcha é um padrão cíclico de movimentos corporais que se repete
indefinidamente a cada passo".
- A marcha humana é um processo de locomoção.
A MARCHA HUMANA
- No ato de caminhar ou correr há um padrão básico caracterizado pelo
deslocamento rítmico das partes do corpo que mantém o indivíduo em constante
progresso para diante.
Introdução
Biomecânica da marcha normal
• Conceitos em Cinemática
• Cadência
É o número de passos dados em uma unidade de tempo, normalmente
expresso como passos por minuto.
• Passo
É o espaço compreendido entre o contato inicial de um pé e o contato
inicial do pé contralateral no solo.
Pode ser expresso em tempo ou em comprimento.
• Passada
É o espaço compreendido entre o contato inicial de um pé no solo e o
novo contato inicial do mesmo pé.
Assim uma passada corresponde a 2 passos.
Também pode ser expresso em tempo ou comprimento.
• Ciclo de marcha
É o conjunto de fenômenos compreendidos dentro de uma passada e
corresponde à seqüência de funções de um membro, as quais se repetem
igualmente após cada novo contato inicial.
Fases da Marcha
• Fase de Apoio
Permite progressão enquanto mantém estabilidade de sustentação do
peso do corpo. É subdividida.
• Fase de Balanço
Tem por características o levantamento do pé do solo, o avanço do
membro no espaço e a preparação para o próximo apoio.
É subdividida.
MARCHA
FASE DE APOIO- SUSTENTAÇÃO -60%-
CONTATO INICIAL
RESPOSTA A CARGA APOIO
APOIO MÉDIO
APOIO TERMINAL
DEPRENDIMENTO ou
PRÉ-BALANÇO
FASE DE OSCILAÇÃO – BALANÇO
BALANÇO INICIAL
BALANÇO MÉDIO
BALANÇO FINAL
O ciclo normal da marcha (pé direito).
A. Toque do calcanhar
B. Aplanamento
C. Apoio médio
D. Impulsão
E. Fase de balanço
F. Toque do calcanhar
Ciclo da Marcha
Ciclo da Marcha
Valores de referência da marcha normal
• Na literatura, observa-se muita variação entre diferentes autores sobre
parâmetros “normais”.
• Há muitas explicações para isso, desde características da popuylação
estudada até condições de coleta dos dados.
• De modo geral, pode-se adotar os valores citados por J. Perry ( Gait
analysis: normal and pathological function – 1992) como referências para
adultos normais:
• Velocidade: 82 m/min;
• Cadência: 113 passos/min;
• Comprimento da passada: 1,4 m;
• Medida do passo: o,75m;
• Tempo de balanço: 40% do ciclo;Período de apoio: 60% do ciclo;
Marcha em Crianças
• Entre 1 e 3 anos de idade, a marcha acelerada é o modelo de locomoção.
• A imaturidade neurológica faz que a criança se comporte como se “corresse
atrás do centro de gravidade do corpo”.
• Conforme a criança cresce, as variações intra e interpessoais tendem a diminuir.
Após os 3 anos, adquire-se o padrão maduro de marcha, mais semelhante ao do
adulto.
• Sutherland descreveu as características da marcha entre 1 e 3 anos de idade.
O tempo de apoio simples é menor nos bebês e aumenta à medida que se
aprimoram a força e a coordenação.
Na velocidade há um aumento linear de acordo com o avançar da idade.
A cadência também diminui conforme a idade.
Fonte: Faloppa,F;Albertoni,WM; Ortopedia e Traumatologia, Manole - 2008
Marcha em Crianças
O comprimento do passo aumenta conforme o crescimento musculoesquelético,
tendo uma relação com a estatura.
A base de apoio, proporcionalmente ampla, vai se adequando com o
crescimento.
O contato inicial nos primeiros meses, é feito na ponta dos pés e passa a
plantígrado até os 18 meses; após essa idade, começa a ser feito também com o
calcanhar.
O joelho está sempre ligeiramente fletido, nos primeiros meses de marcha,
independentemente, pois o abaixamento do centro de gravidade proporciona
maior estabilidade.
Fonte: Faloppa,F;Albertoni,WM; Ortopedia e Traumatologia, Manole - 2008
Marcha em Idosos
• DA Winter (1991) relatou que a principal diferença entre a marcha de
idosos saudáveis e de adultos jovens é que a primeira apresenta uma
redução geral na variabilidade de parâmetros da cinemática.
• As variabilidades intra-individual e interindividual são baixas.
A interpretação para essa tendência pode ser que os idosos tenham
perdido um pouco de sua plasticidade (capacidade adaptativa), sendo,
então, mais consistentes com seu próprio padrão e formando uma
população mais homogênea.
Fonte: Faloppa,F;Albertoni,WM; Ortopedia e Traumatologia, Manole - 2008
Marcha em Idosos
• Comparando-se com o padrão do adulto jovem, algumas diferenças na
marcha em idosos têm origem degenerativa, e outras são adaptações de
uma marcha mais segura.
Ocorre principalmente, diminuição do comprimento do passo, aumento
do tempo de duplo apoio e diminuição da potência do push-off
(deslocamento anterior do corpo) no final do apoio.
Fonte: Faloppa,F;Albertoni,WM; Ortopedia e Traumatologia, Manole - 2008
MARCHA ANTÁLGICA
Avaliação Musculoesquelética – Magee,DJ; Manole , 4ª ed., 2005
Marcha Patológica
• A marcha normal é uma forma de progressão com reciprocação (avanço
alternado) de membros inferiores, que tem como características o
deslocamento com segurança e a economia de energia.
• Na marcha patológica, há perda de pelo menos um desses princípios.
A origem do distúrbio pode estar em um dos seguintes componentes do
movimento voluntário:
- fonte do movimento;
- alavancas articuladas;
- concientização do movimento desejado;
- controle do movimento;
- energia;
Fonte: Faloppa,F;Albertoni,WM; Ortopedia e Traumatologia, Manole - 2008
Marcha Patológica
• A FONTE DO MOVIMENTO
• A fonte do movimento tem como estruturas responsáveis , a unidade
motora e os músculos.
São exemplos de patologias que interferem com essas estruturas a
poliomielite, as neuropatias periféricas e as miopatias em geral.
Marcha Patológica
• AS ALAVANCAS ARTICULADAS
• As alavancas articuladas têm como estruturas responsáveis os ossos e as
articulações.
As contraturas articulares e as malformações são exemplos de patologias
que podem afetar essas estruturas.
Marcha Patológica
• A CONCIENTIZAÇÃO DO MOVIMENTO DESEJADO
• A conscientização do movimento desejado depende do sistema sensorial.
São exemplos de patologias que interferem nesse processo as que cursam
com falta de propiocepção (como a Tabes Dorsalis e esclerose múltipla).
Marcha Patológica
• O CONTROLE DO MOVIMENTO
• O controle de movimento tem como estruturas responsáveis o sistema
piramidal (córtex cerebral), extrapiramidal (núcleos da base) e de
coordenação (cerebelo).
As síndromes piramidais (acidente vascular cerebral, lesão medular,
paralisia cerebral), as síndromes extra-piramidais (coreoatetose,
parkinsonismo) e a ataxia são exemplos de patologias que interferem com
isso.
Marcha Patológica
• O SISTEMA DE ENERGIA
• O sistema de energia tem o sistema cardiopulmonar como estrutura
responsável.
Exemplos de patologias que interferem com isso são as cardiopatias, as
pneumopatias em geral (gerando uma insuficiência energética absoluta) e
as deformidades que imponham uma marcha de alto custo energético (
gerando uma insuficiência energética relativa).
Fonte: Faloppa,F;Albertoni,WM; Ortopedia e Traumatologia, Manole - 2008
MARCHAS ANORMAIS
– O exame físico começa observando-se o tipo de caminhar que o paciente apresenta quando entra
no consultório médico.
– Marcha em bloco – Parkinson
– Marcha ebriosa - ataxia cerebelar
– Marcha talonante - ataxia sensitiva
– Marcha "em estrela" - ataxia vestibular
– Marcha a pequenos passos - ataxia frontal
– Marcha escarvante - déficit de dorsoflexão do pé
- lesão de nervo fibular ou ciático ou raiz de L5
– Marcha ceifante – sd. piramidal
Ataxia reflete uma condição de falta de coordenação dos movimentos musculares
voluntários, podendo afetar a força muscular e o equilíbrio de uma pessoa.
Marchas anormais
• ceifante = espástica - hipertonia dos mm extensores (não
flete, “pé caído”), movimentos de foice (lesão do trato
piramidal) – joga com o quadrado lombar. Sd. Piramidal.
• parética - arrasta membro parético (lesão piramidal).
• escarvante - pés se elevam sem flexão dorsal e eversão (lesão
do n. fibular).
• atáxica - não mantém linha reta (lesão cerebelar).
• pequenos passos = "petit pass" (S. Parkinson) – lesão Nigro-
estriatal.
Marchas anormais
• coreica – (diferente da atetótica; mais proximal) movimentos
amplos (flutuação de tônus, mais distal), desordenados
(coréia) (como onda).
• vestibular - desvia para um lado (S. vestibular).
• miopática = marcha de sapo (miopatias) – hiperlordose –
fraqueza de adutores – Duchenne – sinal de Gauwer.
• em tesoura - hipertonia bilateral – de adutores – ceifante para
os dois lados.
• tabética – perda de sensibilidade – passo forte – não se sabe
onde se está pisando.
Avaliação Musculoesquelética – Magee,DJ; Manole , 4ª ed., 2005
Avaliação Musculoesquelética – Magee,DJ; Manole , 4ª ed., 2005
Avaliação Musculoesquelética – Magee,DJ; Manole , 4ª ed., 2005
Avaliação Musculoesquelética – Magee,DJ; Manole , 4ª ed., 2005
Avaliação Musculoesquelética – Magee,DJ; Manole , 4ª ed., 2005
Avaliação Musculoesquelética – Magee,DJ; Manole , 4ª ed., 2005
Avaliação Musculoesquelética – Magee,DJ; Manole , 4ª ed., 2005
Avaliação Musculoesquelética – Magee,DJ; Manole , 4ª ed., 2005
Avaliação Musculoesquelética – Magee,DJ; Manole , 4ª ed., 2005
Avaliação Musculoesquelética – Magee,DJ; Manole , 4ª ed., 2005
Vídeos na Internet sobre a
Marcha Humana
• Análise da Marcha Humana
• Marcha Passiva e Marcha Humana
• Ciclo de Marcha
• Biomecânica da Marcha
• Biodinâmica Muscular Durante o Ato de Levantar-se
• Marchas Patológicas
Para acessar os módulos do hipertexto
Retornar para o Índice Geral
ou, usar o botão voltar na barra de navegação.
Botão
voltar
Botão
avançar

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS

Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Kn Expedições
 
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Luiz Otavio Quintino
 
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docxDISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
Giselda morais rodrigues do
 
Desenvolvimento motor atípico
Desenvolvimento motor atípicoDesenvolvimento motor atípico
Desenvolvimento motor atípico
Camila Ferreira
 
Análise do Movimento e Possíveis Soluções corretivas
Análise do Movimento e Possíveis Soluções corretivasAnálise do Movimento e Possíveis Soluções corretivas
Análise do Movimento e Possíveis Soluções corretivas
marcelosilveirazero1
 
Pé, tornozelo e joelho 2014
Pé, tornozelo e joelho   2014Pé, tornozelo e joelho   2014
Pé, tornozelo e joelho 2014
Claudia Maxwell
 
Semiologia do Sistema Locomotor - Estudo de Caso
Semiologia do Sistema Locomotor - Estudo de CasoSemiologia do Sistema Locomotor - Estudo de Caso
Semiologia do Sistema Locomotor - Estudo de Caso
Enfº Ícaro Araújo
 
aula sobre biologia(introdução) e ossos.ppsx
aula sobre biologia(introdução) e ossos.ppsxaula sobre biologia(introdução) e ossos.ppsx
aula sobre biologia(introdução) e ossos.ppsx
Luana Pereira
 
O captor podal
O captor podalO captor podal
O captor podal
Junio Alves
 
Causas e consequências de quedas de idosos
Causas e consequências de  quedas de idososCausas e consequências de  quedas de idosos
Causas e consequências de quedas de idosos
Nome Sobrenome
 
Causas e conseq da queda no idoso- 12.pdf
Causas e conseq da queda no idoso- 12.pdfCausas e conseq da queda no idoso- 12.pdf
Causas e conseq da queda no idoso- 12.pdf
THIALYMARIASILVADACU
 
Sistema Neurológico_ marcha; equilibrio; reflexo; tônus e força.pptx
Sistema Neurológico_ marcha; equilibrio; reflexo; tônus e força.pptxSistema Neurológico_ marcha; equilibrio; reflexo; tônus e força.pptx
Sistema Neurológico_ marcha; equilibrio; reflexo; tônus e força.pptx
FMIT
 
Tratamento pc
Tratamento pcTratamento pc
Tratamento pc
Equipe Bagaceiros
 
Marcha
MarchaMarcha
Marcha
Diana Soares
 
Anatomia e fisiologia humana
Anatomia e fisiologia humanaAnatomia e fisiologia humana
Anatomia e fisiologia humana
Daniel Esteves
 
Cinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunosCinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunos
Isabela Luana
 
Introdução Anatomia Humana e suas características
Introdução Anatomia Humana e suas característicasIntrodução Anatomia Humana e suas características
Introdução Anatomia Humana e suas características
HerminioMendes3
 
Aula Ministrada no Cintep com o tema RPG Avançado nas Escolioses
Aula Ministrada no Cintep com o tema RPG Avançado nas EscoliosesAula Ministrada no Cintep com o tema RPG Avançado nas Escolioses
Aula Ministrada no Cintep com o tema RPG Avançado nas Escolioses
Fabio Mazzola
 
Anatomia bases
Anatomia basesAnatomia bases
Anatomia bases
Antonio Moreira
 
dmn biomecanica usp.pptx
dmn biomecanica  usp.pptxdmn biomecanica  usp.pptx
dmn biomecanica usp.pptx
ADRIANEBATISTA8
 

Semelhante a MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS (20)

Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
 
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
 
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docxDISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
 
Desenvolvimento motor atípico
Desenvolvimento motor atípicoDesenvolvimento motor atípico
Desenvolvimento motor atípico
 
Análise do Movimento e Possíveis Soluções corretivas
Análise do Movimento e Possíveis Soluções corretivasAnálise do Movimento e Possíveis Soluções corretivas
Análise do Movimento e Possíveis Soluções corretivas
 
Pé, tornozelo e joelho 2014
Pé, tornozelo e joelho   2014Pé, tornozelo e joelho   2014
Pé, tornozelo e joelho 2014
 
Semiologia do Sistema Locomotor - Estudo de Caso
Semiologia do Sistema Locomotor - Estudo de CasoSemiologia do Sistema Locomotor - Estudo de Caso
Semiologia do Sistema Locomotor - Estudo de Caso
 
aula sobre biologia(introdução) e ossos.ppsx
aula sobre biologia(introdução) e ossos.ppsxaula sobre biologia(introdução) e ossos.ppsx
aula sobre biologia(introdução) e ossos.ppsx
 
O captor podal
O captor podalO captor podal
O captor podal
 
Causas e consequências de quedas de idosos
Causas e consequências de  quedas de idososCausas e consequências de  quedas de idosos
Causas e consequências de quedas de idosos
 
Causas e conseq da queda no idoso- 12.pdf
Causas e conseq da queda no idoso- 12.pdfCausas e conseq da queda no idoso- 12.pdf
Causas e conseq da queda no idoso- 12.pdf
 
Sistema Neurológico_ marcha; equilibrio; reflexo; tônus e força.pptx
Sistema Neurológico_ marcha; equilibrio; reflexo; tônus e força.pptxSistema Neurológico_ marcha; equilibrio; reflexo; tônus e força.pptx
Sistema Neurológico_ marcha; equilibrio; reflexo; tônus e força.pptx
 
Tratamento pc
Tratamento pcTratamento pc
Tratamento pc
 
Marcha
MarchaMarcha
Marcha
 
Anatomia e fisiologia humana
Anatomia e fisiologia humanaAnatomia e fisiologia humana
Anatomia e fisiologia humana
 
Cinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunosCinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunos
 
Introdução Anatomia Humana e suas características
Introdução Anatomia Humana e suas característicasIntrodução Anatomia Humana e suas características
Introdução Anatomia Humana e suas características
 
Aula Ministrada no Cintep com o tema RPG Avançado nas Escolioses
Aula Ministrada no Cintep com o tema RPG Avançado nas EscoliosesAula Ministrada no Cintep com o tema RPG Avançado nas Escolioses
Aula Ministrada no Cintep com o tema RPG Avançado nas Escolioses
 
Anatomia bases
Anatomia basesAnatomia bases
Anatomia bases
 
dmn biomecanica usp.pptx
dmn biomecanica  usp.pptxdmn biomecanica  usp.pptx
dmn biomecanica usp.pptx
 

Último

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 

MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS

  • 2. Assuntos do Módulo 6 MARCHA HUMANA 1- Introdução 2- Biomecânica da Marcha Normal, Conceitos de Cinemática 3- Fases da marcha (fase de apoio; fase de balanço ou oscilação) 4- Ciclo normal da marcha 5- Valores de referência da marcha normal 6- Marcha em crianças 7- Marcha em idosos 8- Marcha antálgica 9- Marcha patológica 10- Marchas anormais Marcha em bloco – Parkinson Marcha ebriosa - ataxia cerebelar Marcha talonante - ataxia sensitiva Marcha "em estrela" - ataxia vestibular Marcha a pequenos passos - ataxia frontal Marcha escarvante - lesão de nervo fibular ou ciático ou raiz de L5 Marcha ceifante – sd. Piramidal 11- Patologias comuns da marcha 12- Vídeos na Internet sobre Marcha Humana
  • 3. Introdução • A partir do final do século XIX iniciou-se a documentação da marcha humana. • No século XX, com os avanços da tecnologia, vários centros desenvolveram laboratórios para analisar os movimentos humanos e, consequentemente, muito se publicou sobre esse assunto. • O avanço nos estudos nos últimos anos foi tão importante que hoje se considera inadmissível indicar tratamento para uma deficiência de marcha sem uma análise cuidadosa da locomoção. • A quantificação do movimento e a detecção de alterações não percebidas a olho nu acrescentaram muitas vantagens à pesquisa e ao entendimento da marcha, permitindo, ainda, nos casos em que se instituiu algum tratamento, comparar os períodos anteriores e posteriores. Fonte: Faloppa,F;Albertoni,WM; Ortopedia e Traumatologia, Manole - 2008
  • 4. Introdução • A marcha humana é caracterizada por uma sequência de múltiplos eventos rápidos e complexos, o que dificulta a observação clínica, a identificação de alterações dos fenômenos e a quantificação do seu grau de afastamento da normalidade. • Isso levou estudiosos do assunto a desenvolver recursos de registros e de análise do movimento cada vez mais sensíveis e precisos. • A Análise da Marcha (AM) é a mensuração, a descrição e a avaliação sistemática de dados que caracterizam a locomoção humana. • Ela tem fundamental relevância no estudo e no tratamento de patologias que envolvem o aparelho locomotor. • A AM pode ser clínica (visando ao estudo de um determinado paciente) ou científica (visando ao estudo das repercussões de uma patologia sobre a marcha). Fonte: Faloppa,F;Albertoni,WM; Ortopedia e Traumatologia, Manole - 2008
  • 5. Marcha = locomoção; deambulação; caminhada. - "A locomoção é o processo pelo qual o animal se move de uma posição geográfica para outra". " Marcha é um padrão cíclico de movimentos corporais que se repete indefinidamente a cada passo". - A marcha humana é um processo de locomoção. A MARCHA HUMANA - No ato de caminhar ou correr há um padrão básico caracterizado pelo deslocamento rítmico das partes do corpo que mantém o indivíduo em constante progresso para diante. Introdução
  • 6. Biomecânica da marcha normal • Conceitos em Cinemática • Cadência É o número de passos dados em uma unidade de tempo, normalmente expresso como passos por minuto. • Passo É o espaço compreendido entre o contato inicial de um pé e o contato inicial do pé contralateral no solo. Pode ser expresso em tempo ou em comprimento. • Passada É o espaço compreendido entre o contato inicial de um pé no solo e o novo contato inicial do mesmo pé. Assim uma passada corresponde a 2 passos. Também pode ser expresso em tempo ou comprimento. • Ciclo de marcha É o conjunto de fenômenos compreendidos dentro de uma passada e corresponde à seqüência de funções de um membro, as quais se repetem igualmente após cada novo contato inicial.
  • 7. Fases da Marcha • Fase de Apoio Permite progressão enquanto mantém estabilidade de sustentação do peso do corpo. É subdividida. • Fase de Balanço Tem por características o levantamento do pé do solo, o avanço do membro no espaço e a preparação para o próximo apoio. É subdividida.
  • 8. MARCHA FASE DE APOIO- SUSTENTAÇÃO -60%- CONTATO INICIAL RESPOSTA A CARGA APOIO APOIO MÉDIO APOIO TERMINAL DEPRENDIMENTO ou PRÉ-BALANÇO FASE DE OSCILAÇÃO – BALANÇO BALANÇO INICIAL BALANÇO MÉDIO BALANÇO FINAL
  • 9. O ciclo normal da marcha (pé direito). A. Toque do calcanhar B. Aplanamento C. Apoio médio D. Impulsão E. Fase de balanço F. Toque do calcanhar
  • 12. Valores de referência da marcha normal • Na literatura, observa-se muita variação entre diferentes autores sobre parâmetros “normais”. • Há muitas explicações para isso, desde características da popuylação estudada até condições de coleta dos dados. • De modo geral, pode-se adotar os valores citados por J. Perry ( Gait analysis: normal and pathological function – 1992) como referências para adultos normais: • Velocidade: 82 m/min; • Cadência: 113 passos/min; • Comprimento da passada: 1,4 m; • Medida do passo: o,75m; • Tempo de balanço: 40% do ciclo;Período de apoio: 60% do ciclo;
  • 13. Marcha em Crianças • Entre 1 e 3 anos de idade, a marcha acelerada é o modelo de locomoção. • A imaturidade neurológica faz que a criança se comporte como se “corresse atrás do centro de gravidade do corpo”. • Conforme a criança cresce, as variações intra e interpessoais tendem a diminuir. Após os 3 anos, adquire-se o padrão maduro de marcha, mais semelhante ao do adulto. • Sutherland descreveu as características da marcha entre 1 e 3 anos de idade. O tempo de apoio simples é menor nos bebês e aumenta à medida que se aprimoram a força e a coordenação. Na velocidade há um aumento linear de acordo com o avançar da idade. A cadência também diminui conforme a idade. Fonte: Faloppa,F;Albertoni,WM; Ortopedia e Traumatologia, Manole - 2008
  • 14. Marcha em Crianças O comprimento do passo aumenta conforme o crescimento musculoesquelético, tendo uma relação com a estatura. A base de apoio, proporcionalmente ampla, vai se adequando com o crescimento. O contato inicial nos primeiros meses, é feito na ponta dos pés e passa a plantígrado até os 18 meses; após essa idade, começa a ser feito também com o calcanhar. O joelho está sempre ligeiramente fletido, nos primeiros meses de marcha, independentemente, pois o abaixamento do centro de gravidade proporciona maior estabilidade. Fonte: Faloppa,F;Albertoni,WM; Ortopedia e Traumatologia, Manole - 2008
  • 15. Marcha em Idosos • DA Winter (1991) relatou que a principal diferença entre a marcha de idosos saudáveis e de adultos jovens é que a primeira apresenta uma redução geral na variabilidade de parâmetros da cinemática. • As variabilidades intra-individual e interindividual são baixas. A interpretação para essa tendência pode ser que os idosos tenham perdido um pouco de sua plasticidade (capacidade adaptativa), sendo, então, mais consistentes com seu próprio padrão e formando uma população mais homogênea. Fonte: Faloppa,F;Albertoni,WM; Ortopedia e Traumatologia, Manole - 2008
  • 16. Marcha em Idosos • Comparando-se com o padrão do adulto jovem, algumas diferenças na marcha em idosos têm origem degenerativa, e outras são adaptações de uma marcha mais segura. Ocorre principalmente, diminuição do comprimento do passo, aumento do tempo de duplo apoio e diminuição da potência do push-off (deslocamento anterior do corpo) no final do apoio. Fonte: Faloppa,F;Albertoni,WM; Ortopedia e Traumatologia, Manole - 2008
  • 17. MARCHA ANTÁLGICA Avaliação Musculoesquelética – Magee,DJ; Manole , 4ª ed., 2005
  • 18. Marcha Patológica • A marcha normal é uma forma de progressão com reciprocação (avanço alternado) de membros inferiores, que tem como características o deslocamento com segurança e a economia de energia. • Na marcha patológica, há perda de pelo menos um desses princípios. A origem do distúrbio pode estar em um dos seguintes componentes do movimento voluntário: - fonte do movimento; - alavancas articuladas; - concientização do movimento desejado; - controle do movimento; - energia; Fonte: Faloppa,F;Albertoni,WM; Ortopedia e Traumatologia, Manole - 2008
  • 19. Marcha Patológica • A FONTE DO MOVIMENTO • A fonte do movimento tem como estruturas responsáveis , a unidade motora e os músculos. São exemplos de patologias que interferem com essas estruturas a poliomielite, as neuropatias periféricas e as miopatias em geral.
  • 20. Marcha Patológica • AS ALAVANCAS ARTICULADAS • As alavancas articuladas têm como estruturas responsáveis os ossos e as articulações. As contraturas articulares e as malformações são exemplos de patologias que podem afetar essas estruturas.
  • 21. Marcha Patológica • A CONCIENTIZAÇÃO DO MOVIMENTO DESEJADO • A conscientização do movimento desejado depende do sistema sensorial. São exemplos de patologias que interferem nesse processo as que cursam com falta de propiocepção (como a Tabes Dorsalis e esclerose múltipla).
  • 22. Marcha Patológica • O CONTROLE DO MOVIMENTO • O controle de movimento tem como estruturas responsáveis o sistema piramidal (córtex cerebral), extrapiramidal (núcleos da base) e de coordenação (cerebelo). As síndromes piramidais (acidente vascular cerebral, lesão medular, paralisia cerebral), as síndromes extra-piramidais (coreoatetose, parkinsonismo) e a ataxia são exemplos de patologias que interferem com isso.
  • 23. Marcha Patológica • O SISTEMA DE ENERGIA • O sistema de energia tem o sistema cardiopulmonar como estrutura responsável. Exemplos de patologias que interferem com isso são as cardiopatias, as pneumopatias em geral (gerando uma insuficiência energética absoluta) e as deformidades que imponham uma marcha de alto custo energético ( gerando uma insuficiência energética relativa). Fonte: Faloppa,F;Albertoni,WM; Ortopedia e Traumatologia, Manole - 2008
  • 24. MARCHAS ANORMAIS – O exame físico começa observando-se o tipo de caminhar que o paciente apresenta quando entra no consultório médico. – Marcha em bloco – Parkinson – Marcha ebriosa - ataxia cerebelar – Marcha talonante - ataxia sensitiva – Marcha "em estrela" - ataxia vestibular – Marcha a pequenos passos - ataxia frontal – Marcha escarvante - déficit de dorsoflexão do pé - lesão de nervo fibular ou ciático ou raiz de L5 – Marcha ceifante – sd. piramidal Ataxia reflete uma condição de falta de coordenação dos movimentos musculares voluntários, podendo afetar a força muscular e o equilíbrio de uma pessoa.
  • 25. Marchas anormais • ceifante = espástica - hipertonia dos mm extensores (não flete, “pé caído”), movimentos de foice (lesão do trato piramidal) – joga com o quadrado lombar. Sd. Piramidal. • parética - arrasta membro parético (lesão piramidal). • escarvante - pés se elevam sem flexão dorsal e eversão (lesão do n. fibular). • atáxica - não mantém linha reta (lesão cerebelar). • pequenos passos = "petit pass" (S. Parkinson) – lesão Nigro- estriatal.
  • 26. Marchas anormais • coreica – (diferente da atetótica; mais proximal) movimentos amplos (flutuação de tônus, mais distal), desordenados (coréia) (como onda). • vestibular - desvia para um lado (S. vestibular). • miopática = marcha de sapo (miopatias) – hiperlordose – fraqueza de adutores – Duchenne – sinal de Gauwer. • em tesoura - hipertonia bilateral – de adutores – ceifante para os dois lados. • tabética – perda de sensibilidade – passo forte – não se sabe onde se está pisando.
  • 27. Avaliação Musculoesquelética – Magee,DJ; Manole , 4ª ed., 2005
  • 28. Avaliação Musculoesquelética – Magee,DJ; Manole , 4ª ed., 2005
  • 29. Avaliação Musculoesquelética – Magee,DJ; Manole , 4ª ed., 2005
  • 30. Avaliação Musculoesquelética – Magee,DJ; Manole , 4ª ed., 2005
  • 31. Avaliação Musculoesquelética – Magee,DJ; Manole , 4ª ed., 2005
  • 32. Avaliação Musculoesquelética – Magee,DJ; Manole , 4ª ed., 2005
  • 33. Avaliação Musculoesquelética – Magee,DJ; Manole , 4ª ed., 2005
  • 34. Avaliação Musculoesquelética – Magee,DJ; Manole , 4ª ed., 2005
  • 35. Avaliação Musculoesquelética – Magee,DJ; Manole , 4ª ed., 2005
  • 36. Avaliação Musculoesquelética – Magee,DJ; Manole , 4ª ed., 2005
  • 37.
  • 38. Vídeos na Internet sobre a Marcha Humana • Análise da Marcha Humana • Marcha Passiva e Marcha Humana • Ciclo de Marcha • Biomecânica da Marcha • Biodinâmica Muscular Durante o Ato de Levantar-se • Marchas Patológicas
  • 39. Para acessar os módulos do hipertexto Retornar para o Índice Geral ou, usar o botão voltar na barra de navegação. Botão voltar Botão avançar