SlideShare uma empresa Scribd logo
MAGNÉSIO
Lana Carneiro Almeida Marly Augusto Cardoso
Histórico
O magnésio é um mineral abundante em muitos alimentos, e sua deficiência em
individuos saudáveis é rara. Entretanto, a depleção desse mineral associada a transtornos
clínicos há muito vem sendo descrita.
A partir de 1930, MacCollum e colaboradores pioneiramente observaram de
forma sistemática a deficiência do magnésio em animais. Haury e colaboradores, em
1934, publicaram a primeira descrição de depleção clínica no homem, baseada num
estudo com um número reduzido de pacientes. Os estudos com alcoólatras só tiveram
início em 1950, quando Flink documentou a deficiência do magnésio também em
pacientes em nutrição parenteral total isenta de magnésio.
Características químicas
O íon magnésio, segundo cátion mais prevalente do corpo humano, forma
complexos com uma ampla variedade de moléculas organizas que têm atividades
biológicas e tem dois tipos de interação geral: (a) liga-se ao substrato, formando um
complexo com o qual a enzima interage, e (b) liga-se diretamente à enzima e altera sua
estrutura e/ou exerce papel catalítico. As enzimas ativadas não são necessariamente
isoladas na forma ligada a metal, devido à fraca ligação do magnésio a proteínas.
Absorção, transportei armazenamento e excreção
A homeostase do magnésio é dependente da quantidade ingerida, da absorção
intestinal e da excreção intestinal e renal. A Figura 15.1 mostra o balanço do magnésio
em seres humanos, indicando sua absorção relativamente pobre (1/3 do ingerido) pelo
trato intestinal, sua distribuição tecidual e sua dependência dos rins para excreção. Vale
salientar que os valores apresentados relacionam-se ao magnésio ingerido.
A absorção de magnésio ocorre através de difusão simples ou via carreador,
principalmente no jejuno, podendo também ocorrer ao longo do intestino delgado e
cólon. A eficiência de absorção do magnésio é da ordem de 35 a 40% em indivíduos
saudáveis, sendo influenciada, entre outros fatores, pelo estado de magnésio do
indivíduo, quantidade de magnésio da dieta, composição da dieta como um todo
(absorção variada, de 35 a 70%), tempo de transito intestinal e quantidade de água
consumida. O aumento da ingestão calórica promove o aumento da absorção do mineral
no intestino, já que o mecanismo pelo qual o magnésio é absorvido é dependente de
energia. A velocidade de absorção não é ajustada em resposta às cargas dietéticas; ao
invés disso, o aumento da concentração luminal de magnésio diminui sua absorção. O
paratormônio (PTH) pode ou não favorecer a absorção do magnésio, dependendo da
quantidade de íons cálcio e de fósforo presentes no organismo. Sua absorção poderá ser
prejudicada na presença de lipídeos, fósforo, fitatos e oxalato. Dietas pobres em proteína
(c 30g/dia) retardará a absorção do magnésio.
A concentração sérico do magnésio é influenciada pelo PTH e pelo pH.
Aproximadamente 55% do magnésio é encontrado na forma ionizada 30% ligado a
proteínas e 14% complexado com citrato, fosfato ou outros íons. No interior das células,
cerca de 60% do magnésio é encontrado na mitocôndria.
O sistema renal exerce um importante papel na manutenção dos níveis séricos
normais de magnésio, sendo sua reabsorção controlada por sua concentração sangüínea.
Em condições normais, a excreção renal diária de magnésio é cerca de 12 mEq/L.
Diariamente, 10% do magnésio corporal (2,4 mg) no adulto saudável é filtrado através do
glomérulo. Destes, apenas 5% é excretado na urina, OU seja, cerca de 95% do magnésio
filtrado será reabsorvido, dos quais 40% no túbulo proximal, 50% a 60% na alça de
Henle e 95% no lóbulo distal (Fig. 15.2). Sua reabsorção pode ser inibida pela expansão
de volume extracelular e hipercalcêmica e estimulada por baixos teores de fósforo.
Em pessoas com função renal normal, quando ocorre uma limitação brusca e
intensa da ingestão de magnésio, a excreção renal desse mineral cai rapidamente, antes
mesmo que as concentrações séricas/plasmáticas fiquem abaixo da faixa considerada
normal. Ao contrário, o consumo de suplementos por tais indivíduos aumenta a excreção
urinária, sem alterar de maneira significativa a concentração sérica desse mineral, salvo
quando as quantidades administradas excedem a capacidade de filtração e excreção
máximas. Uma diminuição na ingestão de cálcio aumenta a absorção intestinal de
magnésio e também altera a relação cálcio/fósforo no organismo, fazendo com que a
secreção de PTH seja aumentada. Este hormônio atua aumentando a absorção de cálcio e
diminuindo sua excreção renal, além de aumentar a excreção renal de fósforo e magnésio.
A diminuição sérica de magnésio resulta em perda renal de potássio.
Reservas organizas
O organismo humano adulto (considerando-se o indivíduo com peso médio igual
a 70 kg) contem cerca de 25 g de magnésio (aproximadamente 2.100 mEq), dos quais
mais da metade (cerca de 60% encontram-se no tecido ósseo, 25% no tecido em tecidos
muscular e o restante em tecidos moles e
fluidos corpóreos. Em condições de
deficiência, as maiores perdas orgânicas
de magnésio ocorrem nos ossos.
O magnésio atua em pelo menos
300 reações enzimáticas do metabolismo
intermediário. Constituinte importante de
ossos e dentes, membrana celular e
cromossomos, sua principal função está
relacione nada à produção de energia no
organismo, uma vez que o trifosfato de
adenosina (ATP), necessário em
praticamente todos os processos
metabólicos, existe em todas as células
predominantemente sob a forma de ATP
(MgATP). Também é essencial na síntese
de DNA e RNA, metabolismo de
carboidratos, lipídeos, proteínas e algumas
vitaminas; participa na formação de
monofosfato de adenosila cíclico (AMP
cíclico) com um importante papel na
resposta celular a hormônios.
A titulo de exemplos, três das quatro enzimas mais importantes para a via da
gliconeogênese exigem magnésio. Somente no ciclo glicolítico, que converte a glicose
em piruvato, sete enzimas necessitam do magnésio sozinho ou associado a ATP ou AMP.
Na beta-oxidação dos ácidos graxas, a carboxilação da acetil CoAs a malonil CoA pela
carboxilase necessita de magnésio, além de ATP e bicarbonato. Na síntese de proteínas,
esse mineral intervém inclusive na agregação de partículas de ribossomos e na interação
destes com o RNA mensageiro e a transferência de acil aminoácido para a molécula de
RNA. Com relação ao metabolismo das vitaminas, o magnésio é necessário na reação de
transcetolase que envolve a tiamina (veja o Capítulo g - Fig. 9.) e na transferência de CO2
para a biotina em reações de carboxilação. A síntese da glutationa peroxidase, um
importante antioxidante intracelular, também requer esse mineral (veja o Capítulo 19).
Além da função de co-fator enzimático, o magnésio (assim como o cálcio e outros
cátions) reage com componentes da membrana plasmática, afetando a sua fluidez e
permeabilidade, contribuindo desta forma para a estabilidade da membrana. Atua também
no transporte ativo de íons através das membranas, como cálcio e potássio, favorecendo o
impulso nervoso, a contração muscular e o ritmo cardíaco.
Deficiência e toxicidade
Embora rara, a deficiência de magnésio manifesta-se clinicamente por
formigamento, parestesias (na fache, mãos e pés), tremor, espasmo muscular, mudanças
de personalidade, hipocalemia associada à hipocalcemia sem outra causa óbvia, anorexia,
náuseas e vômitos. A hipomagnesemia está presente em todos os casos de deficiência.
Condições severos de deficiência podem afetar os tecidos cardiovasculares, renais
e neuromuscular. Os testes laboratoriais são necessários para estabelecer o diagnóstico
carreto.
Uma depleção exacerbada poderá ser observada em casos de: síndromes de mal
absorção (doença inflamatória intestinal, fístulas, infecções gastrintestinais etc.);
alterações funcionais do sistema renal (incluindo os efeitos do uso de fármacos
nefrotóxicos e diuréticos); transtornos endócrinos (como diabetes mellitus,
hipertireoidismo, hiperaldosteronismo, transtornos pediátricos genéticos e familiares
(lactantes filhos de mães diabéticas ou com hiperparatireoidismo, por exemplos; ingestão,
absorção e retenção inadequadas clã magnésio, como ocorrem nos casos de alcoolismo e
de desnutrição protéica calórica.
Vale ressaltar que a deficiência de um ou mais nutrientes essenciais pode
influenciar a utilização ou a retenção de outros nutrientes. No caso do magnésio, sua
carência pode levar a uma depleção de potássio sérico e celular que, como conseqüência,
pode determinar uma redução do conteúdo celular de magnésio.
A interação desse cânon com outros íons, os mecanismos hormonais e neuro-
hormonais compensadores e possivelmente a duração da deficiência são alguns dos
fatores descritas como responsáveis pelas variações na regularão glicêmica observadas
durante a deficiência de magnésio. Reis e colaboradores apontaram a deficiência do
magnésio não apenas como causa de alterações no metabolismo da glicose, mas também
como conseqüência dessas alterações.
A toxicidade por magnésio pode acometer indivíduos portadores de insuficiência
renal após uso de medicamentos ricos no mineral, como laxantes ou antiácidos. Os
efeitos tóxicos dependem da dose, e as conseqüências vão desde náuseas e vômitos,
hipotensão e retenção urinaria, a depressão respiratório e parada cardíaca.
Avaliação nutricional
Métodos objetivos para a avaliação do status de magnésio incluem análises
laboratoriais (soro/plasma, urina e células sanguíneas) e teste de carga/retenção de
magnésio.
O magnésio sérico refletor ingestão recente; a deficiência leva a um decréscimo
da concentração mais lento e em menor extensão nos eritrócitos que no magnésio sérico
total, embora o magnésio celular possa estar diminuído na presença de algumas doenças
sem, no entanto, estar alterado no soro/plasma. Em indivíduos com função renal normal,
a deficiência de magnésio reduz significantemente as concentrações urinários, antes
mesmo que as concentrações séricos diminuam.
O teste de carga/refeição de magnésio oferece uma estimativa da proporção do
magnésio infundido que é relida ao longo de um dado período. Aqueles que reténs mais
que 25% são considerados indivíduos com depleção corporal. É um teste invasivo,
demorado e caro.
A determinação do magnésio em amostras biológicas pode ser realizada através
de espectrometria de absorção atômica ou métodos colorimétricos. Além disso, o
magnésio ionizado pode ser determinado através da ressonância magnética nuclear. As
concentrações séricas normais dependem do método analítico empregado, oscilando entre
0,7 e 0,9 mmol (1,4 e 1,8 mEq/L) em recém-nascidos, crianças e adultos.
Necessidades e recomendações nutricionais
O estabelecimento conclusivo das necessidades de magnésio é complexo devido à
sua inter-relação com calorias, cálcio, proteína, fosfato, lactose e potássio da dieta. As
necessidades de magnésio são dependentes do estágio do ciclo vital e estado
fisiopatológico dos indivíduos, assim como a biodisponibilidade do mineral consumido.
Em indivíduos saudáveis, um consumo de 120 mg/1.000 kcal é suficiente para a
prevenção de deficiência clínica, mas este aporte não e adequado para portadores de
doenças renais ou síndromes de mal absorção. A ingestão média recomendada por faixa
etária, sexo e estado fisiológico e a ingestão máxima permitida por fontes não-
alimentares segundo faixa etária estão apresentadas nos Quadros 15.1 e 15.2,
respectivamente.
Fontes alimentares
O magnésio é um mineral amplamente encontrado, em concentrações diversas,
nos alimentos de origem animal e vegetal, sendo sua deficiência raramente notificada. O
Quadro 15.3 apresenta teores de magnésio em alguns alimentos. As principais fontes de
magnésio são sementes, oleaginosas, leguminosas, cereais integrais, frutos-do-mar e
vegetais vede-escuros. O leite e derivados, assim como as bananas, são alimentos
moderadamente ricos neste mineral, representando importantes fontes de magnésio na
dieta brasileira.
Durante o processamento da farinha de trigo e arroz, há perda importante do teor
de magnésio nesses alimentos (cerca de dois terços, ressaltando-se a importância do
consumo de alimentos integrais.
Magnésio e doenças crônicas
Alguns estudos recentes sugerem que o magnésio pode melhorar o perfil de
lipídeos séricos, reduzir a resistência vascular e prevenir trombose e arritmias, exercendo
um papel protetor contra as doenças cardiovasculares. Sua deficiência está associada ao
maior risco para infarto agudo do miocárdio. Crianças portadoras de diabetes tipo 1
apresentam níveis séricos reduzidos de magnésio quando comparadas a crianças normais,
sugerindo um envolvimento do mineral nu desenvolvimento desta doença.5,6
A depleção
de magnésio é comum em pacientes com diabetes tipo 2 com controle metabólico
precário, especialmente naqueles com neuropatia ou doença coronariana. O uso
prolongado de magnésio em doses maiores que as usuais pode ser necessário em
pacientes com diabetes tipo 2 visando melhorar o controle ou prevenir complicações
crônicas.7
Alguns estudos apontam o efeito dose-dependente da suplementação do magnésio
na redução da pressão arterial; entretanto, há necessidade de estudos mais criteriosos para
confirmar essa relação. Concentrações séricas menores de magnésio têm sido observadas
em mulheres idosas portadoras de osteoporose. No entanto, parece que a suplementação
do mineral em mulheres adultas não é eficaz na prevenção da osteoporose, uma vez que
não há alteração significante na taxa de renovação da massa óssea.9 ,10
Magnésio, sódio e potássio
SÓDIO
Histórico
Os compartimentos orgânicos e a influência do meio extracelular no meio
intracelular foram inicialmente descritas por Claude Bernard. Este pesquisador, em
meados de 1860, ressaltou a importância dos componentes solúveis e de sua contratação
na sobrevivência e manutenção dos papéis fisiológicos celulares.
Desde então, o sódio tem sido reconhecido como principal cátion do fluido
extracelular e o potássio, como o principal componente mineral do meio intracelular.
Características químicas
Tal como outros eletrólitos, o sódio é um elemento que, quando ionizado,
apresenta carga positiva. Sob a forma de cátion, portanto, está presente nos tecidos
orgânicos.
Absorção, transporte, armazenamento e excreção
Absorvido por transporte ativo e passivo praticamente em toda sua totalidade na
parte superior do intestino delgado (Fig. 15.3), a concentração plasmática do sódio é
dependente da quantidade de cloreto de sódio consumido, sendo regulada pelo sistema
renal através da concentração de aldosterona circulante - um mineralocorticóide secretado
pelo córtex adrenal. Assim, em condições fisiológicos normais, a excreção urinaria de
sódio é dependente principalmente da ingestão.
A Figura 15.4 resume os componentes essenciais do sistema renina angiotensina-
aldosterona. A renina funciona unicamente como uma enzima proteolítica, e seu substrato
é a proteína circulante angiotensinogênio, que é produzida pelo fígado. O
angiotensinogênio é clivado pela renina para produzir ama peptídeo com 10 aminoácidos
que não tem qualquer função fisiológica conhecida, sendo clivada para formar um
peptídeo com 8 aminoácidos (a angiotensina II) pela enzima conversara de angiotensina
(ECO) encontrada na superfície das células endoteliais vasculares. As células endoteliais
renais e pulmonares são sítios importantes para a conversão da angiotensina I em
ângiotensina II. A angiotensina II apresenta várias funções fisiológicos importantes,
incluindo:
1. Estimulação da secreção de
aldosterona pelo córtex ad rena
2. Vasoconstrição, que aumenta a
pressão arterial
3. Estimulação da secreção de ADH e
da sede
4. Intensificação da reabsorção de NaCI
pelo túbulo proximal.
A principal forma de Secreção de sódio e através da urina, cerca de 90%,
ocorrendo também através das fezes (cerca de 100 mL/dia) e suor (1 g de sódio/L). Em
condições fisiológicos normais, ou seja, se a sudorese não é excessiva e não há diarréia,
mais de 98% do sódio ingerido aparece na urina.
A excreção urinaria de sódio é influenciada por sua concentração plasmática Os
receptores de sede ("centro da sede"), localizados no hipotálamo, são estimulados quando
a concentração plasmática do mineral estiver elevada.* Em caso de baixas concentrações,
sua Secreção urinário é reduzida.
Reservas orgânicas
Principal cátion do fluido extracelular, o sódio representa 0,15% do peso corporal
total, ou seja, 1,8 g de sódio/kg de peso livre de gordura. É encontrado em todas as
células do organismo, e o nível sérico normal em adultos é de 310 a 333 mg/mL. Altas
concentrações do mineral são encontradas nos ossos, assim como nas secreções
intestinais, como bile e suco pancreático,
Função
Sua função mais conhecida é seu papel na manutenção da osmolaridade e volume
do fluido corporal, influenciando a pressão sanguínea, diretamente influenciada pelo
sistema renina-angiotensina-aldosterona e secreção do hormônio antidiurético.
Em condições normais, nem o sódio nem o cloro, que são íons predominantes no
líquido extracelular, podem ser substituídos por outros cátions ou anions. Dai a sua
importância na regulação do líquido extracelular.
O sódio exerce ainda outras funções igualmente importantes, como a manutenção
do potencial de membrana, condução de impulsos nervosos e contração muscular e
controle da absorção e transporte de alguns nutrientes como cloro, aminoácidos, glicose e
da água.
*A sensação da sede é influenciada por mudanças na osmolalidade, volume sanguíneo ou pressão arterial.
Quando a osmolalidade dos líquidos corporais aumenta, ou a pressão e o volume sanguíneo se reduzem, o
individuo sente sede. Desses estímulos, a hiperosmolalidade é o mais potente. Aumento de apenas 2 a 3%
na osmolalidade do plasma produzirá sede, enquanto são necessárias reduções de 10 a 15% do volume
sanguíneo e da pressão arterial para que seja produzida a mesma resposta.
Deficiência e toxicidade
A deficiência de: sódio é uma condição rara em seres humanos, ocorrendo apenas
em ocasião de vômitos, diarréias ou suor excessivo. Como exerce uma função crucial na
manutenção do fluido celular, em caso de perda isolada de sódio com manutenção da
égua corporal normal pode ocasionar migração do líquido para o meio intracelular e,
conseqüentemente, apatia mental e anorexia. As perdas de sódio acompanhadas de
líquidos podem resultar em redução do volume sanguíneo.
Evidencias sustentam que quanto maior o consumo de sódio, maior o risco de
desenvolver pressão arterial elevada e edema,11-14
por isso, enfatiza-se a recomendação de
um consumo moderado a baixo de sódio para todos os indivíduos.
Avaliação nutricional
A avaliação do consumo habitual de sódio não é uma tarefa simples, pois os
indivíduos encontram dificuldades em relatar a quantidade de cloreto de sódio adicionado
aos alimentos.
Em pesquisas epidemiológicas, caso haja necessidade de informações mais
precisas da quantidade de sódio consumido, é recomendada a avaliação de excreção de
sódio urinário dos indivíduos.
Necessidades e recomendações nutricionais
A necessidade fisiológico de sódio é inferior ao consumo observado em diversas
populações. Um consumo de 500 mg/dia seria o suficiente para manter as funções
orgânicas dependentes deste mineral; entretanto um consumo médio de mg/dia ou
superior é bastante comum. Não há RDA para o sódio. A Organização Mundial da Saúde
(OMS) considera que a recomendação de consumo moderado de sal e sódio dependerá se
a hipertensão arterial possa ser considerada um problema de saúde pública em cada
região/país. O teor de sódio naturalmente presente nos alimentos seria suficiente para
cobrir as necessidades e, por esta razão não há níveis de ingestão mínimos, com exceção
para os lactentes (recomendação de níveis de ingestão de 120 a 200 mg/dia para bebes de
7 a 12 meses de idade, para menores de 7 meses, o teor de sódio do leite materno em
aleitamento exclusivo atende às necessidades desta faixa etária). Em geral, a OMS propõe
limite superior de 6 g de sal por dia ou 2,5 g por 1.000 kcal como valor médio
recomendado.15
Fontes alimentares
O consumo de sódio é fortemente influenciado pelo hábito alimentar. A principal
fonte de sódio é o cloreto de sódio (sal de mesa), sendo também encontradas grandes
quantidades em alimentos processados como os embutidos enlatados, sopas e molhos
prontos, azeitona, picles, chucrute, oleaginosas, alimentos conservados com sal como o
bacalhau e a carne seca, bicarbonato de sódio e shoyu. O Quadro 15.4 apresenta a
quantidade de sódio em alguns alimentos.
Sódio e doenças crônicas
A relação entre o consumo habitual de sódio e a pressão arterial há muito irem
sendo discutida. Evidências demonstram que uma dieta pobre em sódio e rica em potássio
reduz a pressão arterial em indivíduos "sal-sensíveis".
Diferentes enfermidades renais diminuem a capacidade do organismo de eliminar
sódio, assim como cloro e água, causando retenção destes e o conseqüente
desenvolvimento de edema, hipertensão e, em casos graves, edema pulmonar. O
contrário, a perda excessiva de sódio, cloro e água ocorre na enfermidade de Addison, na
qual não são produzidos hormônios mineralocorticóides por insuficiência do córtex
supra-renal. A resultante contração do volume do liquido extracelular pode resultar em
hipotensão, choque e morte.
Alguns estudos também demonstram uma relação positiva entre consumo habitual
elevado em sódio e maior risco de litíase renal, devido à maior excreção de cálcio e
favorecimento na formação de cálculos. Embora a calciúria induzida por sódio tenha sido
bem documentada, fornecendo base fisiológico para o papel do sódio como um fator de
risco para a osteoporose, as evidências são baseadas primariamente em estudos com
carga aguda de sal com dados insuficientes sobre os efeitos da alta ingestão de sal na
retenção de cálcio ósseo.
A investigação da relação entre ingestão de sal e saúde óssea requer ênfase maior
na dieta como um todo (incluindo componentes como potássio, magnésio, fósforo e
proteína), medidas confiáveis da ingestão de sal e melhor caracterização dos indivíduos,
considerando a sensibilidade individual ao sal.16
POTÁSSIO
Histórico
O papel do potássio na homeostase celular foi descrito por Claude Bernard desde
meados de 1860. Desde então, sabe-se que o potássio é o principal cátion do meio
intracelular, exercendo importantes papeis necessários para a manutenção da fisiologia
celular.
Características químicas
Assim como o sódio, o potássio é um cátion quando dissociado em meio líquido,
sendo essa a forma presente nos organismos vivos.
Absorção, transporte, armazenamento e excreção
Cerca de 90% do potássio consumido através dos alimentos são absorvidos no
intestino delgado. A homeostase é regulada pela função renal, através da influência da
aldosterona, que mantém os níveis de potássio constantes na corrente sangüínea. Muitos
hormônios promovem a captação de potássio pelas células, após a elevação da
concentração deste no plasma, evitando, dessa forma, hipercalemia perigosa. Como
ilustrado na Figura 15.5, esses hormônios incluem a epinefrina, a insulina e a aldosterona.
Eles aumentam a captação de potássio para o músculo esquelético, fígado, osso e
glóbulos vermelhos pela estimulação da bomba Na+
K+
ATPase. O aumento na
concentração de potássio do plasma, subseqüente à sua absorção pelo trato gastrintestinal,
estimula a secreção de insulina pelo pâncreas, liberação de aldosterona pelo córtex
adrenal e secreção de epinefrina pela medula adrenal. Em contrapartida, redução da
concentração de potássio do plasma inibe a liberação desses hormônios. Enquanto a
insulina * e a epinefrina agem em poucos minutos, a aldosterona necessita de cerca de
uma hora para estimular a captação de potássio pelas células.
*A importância da insulina na estimulação do potássio é ilustrada por duas observações: primeira, a
elevação da concentração de potássio do plasma, apôs refeição rica em potássio é maior em indivíduos
diabéticos (isto é, em situação de deficiência de insulina) do que em pessoas normais; segunda, a infusão de
insulina (e glicose, para evitar a hipoglicemia induzida por insulina) pode ser usada para corrigir a
hipercalemia. A insulina é o hormônio mais importante que desloca o potássio para dentro da célula. depois
de sua ingestao em uma refeição.
Reservas orgânicas
Principal cátion do meio intracelular, 98% do potássio encontrado no organismo
concentra-se neste meio. Sua concentração sérica normal é em torno de 16-22 mg/dL (4,1
a 5,6 mEq/L, e nos eritrócitos esta concentração e por volta de 420 mg/dL (107,7
mEq/L).
Função
As principais funções do potássio estão relacionadas à manutenção da integridade
celular e balanço hídrico, contração muscular, síntese de glicogênio, catabolismo da
glicose, metabolismo protéico e de carboidratos, atuando também na manutenção da
diferença de potencial através das membranas celulares (função especialmente importante
em todas as células neuromusculares e endócrinas).
Deficiência e toxidade
As principais conseqüências da depleção de potássio estão associadas a fadiga,
fraqueza muscular, cãibras e paralisia intestinal. A deficiência severa deste mineral pode
resultar em paralisia muscular e alteração tio ri :mo cardíaco. O excesso de potássio no
organismo, conhecida como hipercalemia, poderá se dá corrente de consumo elevado
(18> ), excedendo a capacidade de excreção, tal como observado em situações de
insuficiência renal aguda ou crônica, hipoaldosteronismo, ruptura de células vermelhas
trauma/queimadura. A toxicidade de potássio pode resultar em arritmia cardíaca,
confusão mental e fraqueza muscular. A alteração mais grave causado pela hipercalemia
(quando os níveis séricos de potássio estão acima de 5 mEq/L) é a paralisia do músculo
cardíaco, podendo ser letal. Tanto na hipercalemia quanto na hipocalemia as células
convertem a estruturas não funcionais, e os sinais e sintomas destas duas situações são
similares: debilidade, letargia, hipomotilidade gástrica, arritmias cardíacas e transtornos
na condução de impulsos.
Hipocalemia (concentração de potássio < 3,5 mEq/L). Uma vez que nesta
condição a concentração de potássio intracelular excederá a concentração extracelular, o
deslocamento de potássio intracelular poderá causar hipocalemia severo mesmo com
pequenas alterações na concentração intracelular. Alcalose, insulina e antagonistas
beta2adrenérgicos podem causar hipocalemia pela estimulação da atividade da
Na+
K+
ATPase. Vômitos e diarréia são causas comuns de hipocalemia, como também
baixa ingestão, perda renal excessiva (como ocorre no aldosteronismo) e uso excessivo
de mineralocorticóides. Conseqüências: alterações cardíacas, necrose muscular
(principalmente cardíaca).
Hipercalemia (concentração de potássio > 5,0 mEq/L). Pode ser cansada por um
dos seguintes mecanismos: (a) deslocamento de potássio das células para o fluido
extracelular, (b) aumento da ingestão de potássio e (c) redução da excreção renal de
potássio. E comum na cetoacidose diabética, na acidose lática, na desidratação e na
insuficiência renal. Uma vez que a capacidade renal para excretar potássio é grande, a
hipercalemia raramente ocorre isolada com o aumento da ingestão de potássio. Por isso, a
causa mais comum de hipercalemia é a redução da excreção renal. Conseqüências:
paralisia do músculo esquelético confusão mental e anormalidade do ritmo cardíaco.
Avaliação nutricional
Em condições de funcionamento renal normal e quando não houver perdas
gastrintestinais concomitantes, a excreção urinaria de potássio permite fazer um cálculo
aceitável da ingestão diária do íon.
Necessidades e recomendações nutricionais
Em adultos saudáveis, o balanço de potássio pode ser mantido mesmo com
consumo abaixo do recomendado. A ingestão de potássio no mundo oscila entre 50 e 200
mmol/dia. As recomendações dietéticas (RDA, 1989) de potássio variam de 1.000 a
1.600 mg/dia para crianças de 1 a 9 anos de idade e 2.000 mg/dia para maiores de 10 anos
e adultos. Níveis de ingestão de 500 a 700 mg/dia são recomendados para bebes de 7 a 12
meses de idade; para menores de 7 meses, o teor de potássio do leite materno em
aleitamento exclusivo atende às necessidades desta faixa etária.
Fontes de alimentares
O potássio é encontrado em uma grande variedade de alimentos, como carnes,
frutas, verduras e legumes, leite e oleaginosas. Batatas e suco de frutas naturais são
excelentes fontes de potássio. Dentre as frutas, as que possuem menores teores de
potássio são a banana maçã, laranja lima, pêra, maçã e morango, e as que possuem
maiores teores são as bananas nanica e prata, laranjas pêra e bahia, uva, kiwi, melão e
maracujá. Vegetais e frutas cozidos perdem grande quantidade de potássio, sendo,
portanto, o cozimento uma preparação alternativa nos casos em que se faz necessária a
restrição do consumo de potássio.
Potássio e doenças crônicas
Alguns estudos demonstraram uma relação inversa entre consumo de potássio e
pressão arterial em indivíduos "sal-sensíveis", sustentando que uma dieta rica em potássio
e baixa em sódio favorece a diminuição da tensão arterial.
A dosagem de potássio tem sido empregada para a avaliação da composição
corporal, já que é importante constituinte muscular em compartimento> intracelular. Em
indivíduos portadores da síndrome de imunodeficiência adquirida (SIDA), dosagem
mineral tem sido empregada para avaliar a sobrevida, já que é um bom indicador do
estado nutricional referente à massa magra.17

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Imunossenescência
Imunossenescência Imunossenescência
Imunossenescência
Thalita Maciel de Melo
 
vitaminas
vitaminas vitaminas
vitaminas
divadias
 
Eletroforese
EletroforeseEletroforese
Eletroforese
Vanusa Oliveira
 
Vitamina C
Vitamina CVitamina C
Vitamina C
Luciana Camilo
 
Vitaminas lipossolúveis
Vitaminas lipossolúveisVitaminas lipossolúveis
Vitaminas lipossolúveis
Camila Martins
 
Aula sobre metabolismo de lipídeos: Lipólise, lipogênese, cetogênese e síntes...
Aula sobre metabolismo de lipídeos: Lipólise, lipogênese, cetogênese e síntes...Aula sobre metabolismo de lipídeos: Lipólise, lipogênese, cetogênese e síntes...
Aula sobre metabolismo de lipídeos: Lipólise, lipogênese, cetogênese e síntes...
BrunaRafaela835991
 
Sais Minerais
Sais MineraisSais Minerais
Sais Minerais
MyenaF
 
Metabolismo de calcio
Metabolismo de calcioMetabolismo de calcio
Metabolismo de calcio
PUCPR
 
Vitamina A
Vitamina AVitamina A
Vitamina A
Camila Araújo
 
Doenças renais.
Doenças renais.Doenças renais.
Doenças renais.
Juliana Lima
 
Nutricão
NutricãoNutricão
Nutricão
Rosa Vinteesete
 
Alimentação e saúde
Alimentação e saúdeAlimentação e saúde
Alimentação e saúde
Joao Ferreira
 
Metabolismo del calcio
Metabolismo del calcioMetabolismo del calcio
Metabolismo del calcio
Jasmin Cárdenas
 
Trabalho Desnutrição.pdf
Trabalho Desnutrição.pdfTrabalho Desnutrição.pdf
Trabalho Desnutrição.pdf
MuriloNunesdoPrado
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
Marco Enomoto
 
Anemia falciforme apresentação
Anemia falciforme apresentaçãoAnemia falciforme apresentação
Anemia falciforme apresentação
Sonara Pereira
 
Alimentos e Nutrientes
Alimentos e NutrientesAlimentos e Nutrientes
Alimentos e Nutrientes
MariaJoão Agualuza
 
Diabetes melitus tipo 1
Diabetes melitus tipo 1Diabetes melitus tipo 1
Diabetes melitus tipo 1
Juliermeson Morais
 
Victor trabalho de bio
Victor trabalho de bioVictor trabalho de bio
Victor trabalho de bio
victor medeiros
 
Slides sobre alimentação
Slides sobre alimentaçãoSlides sobre alimentação
Slides sobre alimentação
thayscler
 

Mais procurados (20)

Imunossenescência
Imunossenescência Imunossenescência
Imunossenescência
 
vitaminas
vitaminas vitaminas
vitaminas
 
Eletroforese
EletroforeseEletroforese
Eletroforese
 
Vitamina C
Vitamina CVitamina C
Vitamina C
 
Vitaminas lipossolúveis
Vitaminas lipossolúveisVitaminas lipossolúveis
Vitaminas lipossolúveis
 
Aula sobre metabolismo de lipídeos: Lipólise, lipogênese, cetogênese e síntes...
Aula sobre metabolismo de lipídeos: Lipólise, lipogênese, cetogênese e síntes...Aula sobre metabolismo de lipídeos: Lipólise, lipogênese, cetogênese e síntes...
Aula sobre metabolismo de lipídeos: Lipólise, lipogênese, cetogênese e síntes...
 
Sais Minerais
Sais MineraisSais Minerais
Sais Minerais
 
Metabolismo de calcio
Metabolismo de calcioMetabolismo de calcio
Metabolismo de calcio
 
Vitamina A
Vitamina AVitamina A
Vitamina A
 
Doenças renais.
Doenças renais.Doenças renais.
Doenças renais.
 
Nutricão
NutricãoNutricão
Nutricão
 
Alimentação e saúde
Alimentação e saúdeAlimentação e saúde
Alimentação e saúde
 
Metabolismo del calcio
Metabolismo del calcioMetabolismo del calcio
Metabolismo del calcio
 
Trabalho Desnutrição.pdf
Trabalho Desnutrição.pdfTrabalho Desnutrição.pdf
Trabalho Desnutrição.pdf
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Anemia falciforme apresentação
Anemia falciforme apresentaçãoAnemia falciforme apresentação
Anemia falciforme apresentação
 
Alimentos e Nutrientes
Alimentos e NutrientesAlimentos e Nutrientes
Alimentos e Nutrientes
 
Diabetes melitus tipo 1
Diabetes melitus tipo 1Diabetes melitus tipo 1
Diabetes melitus tipo 1
 
Victor trabalho de bio
Victor trabalho de bioVictor trabalho de bio
Victor trabalho de bio
 
Slides sobre alimentação
Slides sobre alimentaçãoSlides sobre alimentação
Slides sobre alimentação
 

Destaque

Potassio
PotassioPotassio
Potassio
Rute Neto
 
Fertilidade do solo potássio
Fertilidade do solo   potássioFertilidade do solo   potássio
Fertilidade do solo potássio
Lindomar Souza Machado
 
Minerais
MineraisMinerais
Apostila potassio
Apostila potassioApostila potassio
Apostila potassio
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Catálogo couro 3
Catálogo couro 3Catálogo couro 3
Catálogo couro 3
Augustuscourus
 
Programa couro
Programa couroPrograma couro
Programa couro
Rúbio Ribas
 
Asbesto
AsbestoAsbesto
Iões
IõesIões
Nutrição mineral das plantas na agricultura
Nutrição mineral das plantas na agriculturaNutrição mineral das plantas na agricultura
Nutrição mineral das plantas na agricultura
Rogerio de Souza Souza
 
Sódio
SódioSódio
Sódio nos alimentos
Sódio nos alimentosSódio nos alimentos
Sódio nos alimentos
Marília Isabel Tarnowski Correia
 
Gases e eletrólitos
Gases e eletrólitosGases e eletrólitos
Gases e eletrólitos
Raqueline Marques
 
Bioquímica
BioquímicaBioquímica
Bioquímica
HIAGO SANTOS
 
CESCA Apostila Curso Couro
CESCA Apostila Curso CouroCESCA Apostila Curso Couro
Sódio
SódioSódio
Sódio
sr adil
 
Projeto Sobre Couro E Cia
Projeto Sobre Couro E CiaProjeto Sobre Couro E Cia
Projeto Sobre Couro E Cia
JARDILENE PINHEIRO
 
Magnesio
Magnesio Magnesio
Magnesio
Szol
 
Parte III - Asbestose
Parte III - AsbestoseParte III - Asbestose
Parte III - Asbestose
rafasillva
 
Col.agro 12.calcio e magnesio adicionados pelo calcario
Col.agro 12.calcio e magnesio adicionados pelo calcarioCol.agro 12.calcio e magnesio adicionados pelo calcario
Col.agro 12.calcio e magnesio adicionados pelo calcario
gastao ney monte braga
 
Fertilidade do Solo
Fertilidade do SoloFertilidade do Solo
Fertilidade do Solo
Gustavo Avila
 

Destaque (20)

Potassio
PotassioPotassio
Potassio
 
Fertilidade do solo potássio
Fertilidade do solo   potássioFertilidade do solo   potássio
Fertilidade do solo potássio
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 
Apostila potassio
Apostila potassioApostila potassio
Apostila potassio
 
Catálogo couro 3
Catálogo couro 3Catálogo couro 3
Catálogo couro 3
 
Programa couro
Programa couroPrograma couro
Programa couro
 
Asbesto
AsbestoAsbesto
Asbesto
 
Iões
IõesIões
Iões
 
Nutrição mineral das plantas na agricultura
Nutrição mineral das plantas na agriculturaNutrição mineral das plantas na agricultura
Nutrição mineral das plantas na agricultura
 
Sódio
SódioSódio
Sódio
 
Sódio nos alimentos
Sódio nos alimentosSódio nos alimentos
Sódio nos alimentos
 
Gases e eletrólitos
Gases e eletrólitosGases e eletrólitos
Gases e eletrólitos
 
Bioquímica
BioquímicaBioquímica
Bioquímica
 
CESCA Apostila Curso Couro
CESCA Apostila Curso CouroCESCA Apostila Curso Couro
CESCA Apostila Curso Couro
 
Sódio
SódioSódio
Sódio
 
Projeto Sobre Couro E Cia
Projeto Sobre Couro E CiaProjeto Sobre Couro E Cia
Projeto Sobre Couro E Cia
 
Magnesio
Magnesio Magnesio
Magnesio
 
Parte III - Asbestose
Parte III - AsbestoseParte III - Asbestose
Parte III - Asbestose
 
Col.agro 12.calcio e magnesio adicionados pelo calcario
Col.agro 12.calcio e magnesio adicionados pelo calcarioCol.agro 12.calcio e magnesio adicionados pelo calcario
Col.agro 12.calcio e magnesio adicionados pelo calcario
 
Fertilidade do Solo
Fertilidade do SoloFertilidade do Solo
Fertilidade do Solo
 

Semelhante a Magnésio, sódio e potássio

DISTÚRBIOS MAGNÉSIO
DISTÚRBIOS MAGNÉSIODISTÚRBIOS MAGNÉSIO
DISTÚRBIOS MAGNÉSIO
Francisco Fernandes
 
Cinzas e minerais: elementos traço
Cinzas e minerais: elementos traçoCinzas e minerais: elementos traço
Cinzas e minerais: elementos traço
DANIELLE BORGES
 
Nutrição com foco na terceira idade e tratamento
Nutrição com foco na terceira idade e tratamentoNutrição com foco na terceira idade e tratamento
Nutrição com foco na terceira idade e tratamento
Pharmavie Manipulação
 
Efeitos do magnésio sobre a estrutura e função vascular
Efeitos do magnésio sobre a estrutura e função vascularEfeitos do magnésio sobre a estrutura e função vascular
Efeitos do magnésio sobre a estrutura e função vascular
Marcelo Costa
 
Biodisponibilidade do zinco
Biodisponibilidade do zincoBiodisponibilidade do zinco
Biodisponibilidade do zinco
Juliana Mendonça
 
Bioq.clinica metab. mineral e osseo
Bioq.clinica   metab. mineral e osseoBioq.clinica   metab. mineral e osseo
Bioq.clinica metab. mineral e osseo
Adele Janie
 
Adaptações celulares.pdf
Adaptações celulares.pdfAdaptações celulares.pdf
Adaptações celulares.pdf
Yoan17
 
Fibras alimentares e saúde
Fibras alimentares e saúdeFibras alimentares e saúde
Fibras alimentares e saúde
Priscila Cerqueira
 
Fibras alimentares e saúde
Fibras alimentares e saúdeFibras alimentares e saúde
Fibras alimentares e saúde
Priscila Cerqueira
 
Doença de Wilson e Hemocromatose
Doença de Wilson e HemocromatoseDoença de Wilson e Hemocromatose
Doença de Wilson e Hemocromatose
Safia Naser
 
3 Degenerações, Infiltrações e A BOMBA DE SÓDIO E POTÁSSIO E O EQUILÍBRIO HÍD...
3 Degenerações, Infiltrações e A BOMBA DE SÓDIO E POTÁSSIO E O EQUILÍBRIO HÍD...3 Degenerações, Infiltrações e A BOMBA DE SÓDIO E POTÁSSIO E O EQUILÍBRIO HÍD...
3 Degenerações, Infiltrações e A BOMBA DE SÓDIO E POTÁSSIO E O EQUILÍBRIO HÍD...
CristinaGaldinodeAle
 
Zinco E Resistencia Insulinica
Zinco E Resistencia InsulinicaZinco E Resistencia Insulinica
Zinco E Resistencia Insulinica
themis dovera
 
Aminoglicosídeos
AminoglicosídeosAminoglicosídeos
Bioq.clinica carboidratos
Bioq.clinica   carboidratosBioq.clinica   carboidratos
Bioq.clinica carboidratos
Adele Janie
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigido
Regina Bezerra
 
Proteínas e aminoácidos Bioquimica 1 - Nutrição
Proteínas e aminoácidos Bioquimica 1 - NutriçãoProteínas e aminoácidos Bioquimica 1 - Nutrição
Proteínas e aminoácidos Bioquimica 1 - Nutrição
alderlanlima
 
DISTÚRBIO DE CÁLCIO
DISTÚRBIO DE CÁLCIODISTÚRBIO DE CÁLCIO
DISTÚRBIO DE CÁLCIO
Francisco Fernandes
 
Revista de biomedicina
Revista de biomedicinaRevista de biomedicina
Revista de biomedicina
johnatansi
 
Taurina final(1)
Taurina final(1)Taurina final(1)
Taurina final(1)
Maria Regina
 
QuíM. De Alim. I Minerais
QuíM. De Alim. I   MineraisQuíM. De Alim. I   Minerais
QuíM. De Alim. I Minerais
Ricardo Stefani
 

Semelhante a Magnésio, sódio e potássio (20)

DISTÚRBIOS MAGNÉSIO
DISTÚRBIOS MAGNÉSIODISTÚRBIOS MAGNÉSIO
DISTÚRBIOS MAGNÉSIO
 
Cinzas e minerais: elementos traço
Cinzas e minerais: elementos traçoCinzas e minerais: elementos traço
Cinzas e minerais: elementos traço
 
Nutrição com foco na terceira idade e tratamento
Nutrição com foco na terceira idade e tratamentoNutrição com foco na terceira idade e tratamento
Nutrição com foco na terceira idade e tratamento
 
Efeitos do magnésio sobre a estrutura e função vascular
Efeitos do magnésio sobre a estrutura e função vascularEfeitos do magnésio sobre a estrutura e função vascular
Efeitos do magnésio sobre a estrutura e função vascular
 
Biodisponibilidade do zinco
Biodisponibilidade do zincoBiodisponibilidade do zinco
Biodisponibilidade do zinco
 
Bioq.clinica metab. mineral e osseo
Bioq.clinica   metab. mineral e osseoBioq.clinica   metab. mineral e osseo
Bioq.clinica metab. mineral e osseo
 
Adaptações celulares.pdf
Adaptações celulares.pdfAdaptações celulares.pdf
Adaptações celulares.pdf
 
Fibras alimentares e saúde
Fibras alimentares e saúdeFibras alimentares e saúde
Fibras alimentares e saúde
 
Fibras alimentares e saúde
Fibras alimentares e saúdeFibras alimentares e saúde
Fibras alimentares e saúde
 
Doença de Wilson e Hemocromatose
Doença de Wilson e HemocromatoseDoença de Wilson e Hemocromatose
Doença de Wilson e Hemocromatose
 
3 Degenerações, Infiltrações e A BOMBA DE SÓDIO E POTÁSSIO E O EQUILÍBRIO HÍD...
3 Degenerações, Infiltrações e A BOMBA DE SÓDIO E POTÁSSIO E O EQUILÍBRIO HÍD...3 Degenerações, Infiltrações e A BOMBA DE SÓDIO E POTÁSSIO E O EQUILÍBRIO HÍD...
3 Degenerações, Infiltrações e A BOMBA DE SÓDIO E POTÁSSIO E O EQUILÍBRIO HÍD...
 
Zinco E Resistencia Insulinica
Zinco E Resistencia InsulinicaZinco E Resistencia Insulinica
Zinco E Resistencia Insulinica
 
Aminoglicosídeos
AminoglicosídeosAminoglicosídeos
Aminoglicosídeos
 
Bioq.clinica carboidratos
Bioq.clinica   carboidratosBioq.clinica   carboidratos
Bioq.clinica carboidratos
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigido
 
Proteínas e aminoácidos Bioquimica 1 - Nutrição
Proteínas e aminoácidos Bioquimica 1 - NutriçãoProteínas e aminoácidos Bioquimica 1 - Nutrição
Proteínas e aminoácidos Bioquimica 1 - Nutrição
 
DISTÚRBIO DE CÁLCIO
DISTÚRBIO DE CÁLCIODISTÚRBIO DE CÁLCIO
DISTÚRBIO DE CÁLCIO
 
Revista de biomedicina
Revista de biomedicinaRevista de biomedicina
Revista de biomedicina
 
Taurina final(1)
Taurina final(1)Taurina final(1)
Taurina final(1)
 
QuíM. De Alim. I Minerais
QuíM. De Alim. I   MineraisQuíM. De Alim. I   Minerais
QuíM. De Alim. I Minerais
 

Mais de Marcelo Costa

Pc world conheça 11 ameaças na web e saiba o que fazer para ficar livre delas
Pc world  conheça 11 ameaças na web e saiba o que fazer para ficar livre delasPc world  conheça 11 ameaças na web e saiba o que fazer para ficar livre delas
Pc world conheça 11 ameaças na web e saiba o que fazer para ficar livre delas
Marcelo Costa
 
Cervicalgia e cervicobraquialgia
Cervicalgia e cervicobraquialgiaCervicalgia e cervicobraquialgia
Cervicalgia e cervicobraquialgia
Marcelo Costa
 
Curso de magicas
Curso de magicasCurso de magicas
Curso de magicas
Marcelo Costa
 
Amplitude articular
Amplitude articularAmplitude articular
Amplitude articular
Marcelo Costa
 
Anatomia (apostila completa)
Anatomia (apostila completa)Anatomia (apostila completa)
Anatomia (apostila completa)
Marcelo Costa
 
Cuidado com a pressão sanguínea precisa começar cedo para proteger o coração ...
Cuidado com a pressão sanguínea precisa começar cedo para proteger o coração ...Cuidado com a pressão sanguínea precisa começar cedo para proteger o coração ...
Cuidado com a pressão sanguínea precisa começar cedo para proteger o coração ...
Marcelo Costa
 
Reparo dos tendões da mão
Reparo dos tendões da mãoReparo dos tendões da mão
Reparo dos tendões da mão
Marcelo Costa
 
Semiologia da mão
Semiologia da mãoSemiologia da mão
Semiologia da mão
Marcelo Costa
 
Clínica deckers orientações médicas ortopedia - dedo em martelo
Clínica deckers   orientações médicas   ortopedia - dedo em marteloClínica deckers   orientações médicas   ortopedia - dedo em martelo
Clínica deckers orientações médicas ortopedia - dedo em martelo
Marcelo Costa
 
Biomecanica global
Biomecanica globalBiomecanica global
Biomecanica global
Marcelo Costa
 
Gelo ou água quente
Gelo ou água quenteGelo ou água quente
Gelo ou água quente
Marcelo Costa
 
Hospitais emergenciarj
Hospitais emergenciarjHospitais emergenciarj
Hospitais emergenciarj
Marcelo Costa
 
Alergiasss2 120321122503-phpapp02
Alergiasss2 120321122503-phpapp02Alergiasss2 120321122503-phpapp02
Alergiasss2 120321122503-phpapp02
Marcelo Costa
 
As distorções cognitivas pensamentos e atitudes que levam ao conflito
As distorções cognitivas pensamentos e atitudes que levam ao conflitoAs distorções cognitivas pensamentos e atitudes que levam ao conflito
As distorções cognitivas pensamentos e atitudes que levam ao conflito
Marcelo Costa
 
06 capítulo 6 coluna vertebral
06 capítulo 6   coluna vertebral06 capítulo 6   coluna vertebral
06 capítulo 6 coluna vertebral
Marcelo Costa
 

Mais de Marcelo Costa (15)

Pc world conheça 11 ameaças na web e saiba o que fazer para ficar livre delas
Pc world  conheça 11 ameaças na web e saiba o que fazer para ficar livre delasPc world  conheça 11 ameaças na web e saiba o que fazer para ficar livre delas
Pc world conheça 11 ameaças na web e saiba o que fazer para ficar livre delas
 
Cervicalgia e cervicobraquialgia
Cervicalgia e cervicobraquialgiaCervicalgia e cervicobraquialgia
Cervicalgia e cervicobraquialgia
 
Curso de magicas
Curso de magicasCurso de magicas
Curso de magicas
 
Amplitude articular
Amplitude articularAmplitude articular
Amplitude articular
 
Anatomia (apostila completa)
Anatomia (apostila completa)Anatomia (apostila completa)
Anatomia (apostila completa)
 
Cuidado com a pressão sanguínea precisa começar cedo para proteger o coração ...
Cuidado com a pressão sanguínea precisa começar cedo para proteger o coração ...Cuidado com a pressão sanguínea precisa começar cedo para proteger o coração ...
Cuidado com a pressão sanguínea precisa começar cedo para proteger o coração ...
 
Reparo dos tendões da mão
Reparo dos tendões da mãoReparo dos tendões da mão
Reparo dos tendões da mão
 
Semiologia da mão
Semiologia da mãoSemiologia da mão
Semiologia da mão
 
Clínica deckers orientações médicas ortopedia - dedo em martelo
Clínica deckers   orientações médicas   ortopedia - dedo em marteloClínica deckers   orientações médicas   ortopedia - dedo em martelo
Clínica deckers orientações médicas ortopedia - dedo em martelo
 
Biomecanica global
Biomecanica globalBiomecanica global
Biomecanica global
 
Gelo ou água quente
Gelo ou água quenteGelo ou água quente
Gelo ou água quente
 
Hospitais emergenciarj
Hospitais emergenciarjHospitais emergenciarj
Hospitais emergenciarj
 
Alergiasss2 120321122503-phpapp02
Alergiasss2 120321122503-phpapp02Alergiasss2 120321122503-phpapp02
Alergiasss2 120321122503-phpapp02
 
As distorções cognitivas pensamentos e atitudes que levam ao conflito
As distorções cognitivas pensamentos e atitudes que levam ao conflitoAs distorções cognitivas pensamentos e atitudes que levam ao conflito
As distorções cognitivas pensamentos e atitudes que levam ao conflito
 
06 capítulo 6 coluna vertebral
06 capítulo 6   coluna vertebral06 capítulo 6   coluna vertebral
06 capítulo 6 coluna vertebral
 

Magnésio, sódio e potássio

  • 1. MAGNÉSIO Lana Carneiro Almeida Marly Augusto Cardoso Histórico O magnésio é um mineral abundante em muitos alimentos, e sua deficiência em individuos saudáveis é rara. Entretanto, a depleção desse mineral associada a transtornos clínicos há muito vem sendo descrita. A partir de 1930, MacCollum e colaboradores pioneiramente observaram de forma sistemática a deficiência do magnésio em animais. Haury e colaboradores, em 1934, publicaram a primeira descrição de depleção clínica no homem, baseada num estudo com um número reduzido de pacientes. Os estudos com alcoólatras só tiveram início em 1950, quando Flink documentou a deficiência do magnésio também em pacientes em nutrição parenteral total isenta de magnésio. Características químicas O íon magnésio, segundo cátion mais prevalente do corpo humano, forma complexos com uma ampla variedade de moléculas organizas que têm atividades biológicas e tem dois tipos de interação geral: (a) liga-se ao substrato, formando um complexo com o qual a enzima interage, e (b) liga-se diretamente à enzima e altera sua estrutura e/ou exerce papel catalítico. As enzimas ativadas não são necessariamente isoladas na forma ligada a metal, devido à fraca ligação do magnésio a proteínas. Absorção, transportei armazenamento e excreção A homeostase do magnésio é dependente da quantidade ingerida, da absorção intestinal e da excreção intestinal e renal. A Figura 15.1 mostra o balanço do magnésio em seres humanos, indicando sua absorção relativamente pobre (1/3 do ingerido) pelo trato intestinal, sua distribuição tecidual e sua dependência dos rins para excreção. Vale salientar que os valores apresentados relacionam-se ao magnésio ingerido. A absorção de magnésio ocorre através de difusão simples ou via carreador, principalmente no jejuno, podendo também ocorrer ao longo do intestino delgado e cólon. A eficiência de absorção do magnésio é da ordem de 35 a 40% em indivíduos saudáveis, sendo influenciada, entre outros fatores, pelo estado de magnésio do indivíduo, quantidade de magnésio da dieta, composição da dieta como um todo (absorção variada, de 35 a 70%), tempo de transito intestinal e quantidade de água consumida. O aumento da ingestão calórica promove o aumento da absorção do mineral no intestino, já que o mecanismo pelo qual o magnésio é absorvido é dependente de energia. A velocidade de absorção não é ajustada em resposta às cargas dietéticas; ao invés disso, o aumento da concentração luminal de magnésio diminui sua absorção. O paratormônio (PTH) pode ou não favorecer a absorção do magnésio, dependendo da quantidade de íons cálcio e de fósforo presentes no organismo. Sua absorção poderá ser prejudicada na presença de lipídeos, fósforo, fitatos e oxalato. Dietas pobres em proteína (c 30g/dia) retardará a absorção do magnésio. A concentração sérico do magnésio é influenciada pelo PTH e pelo pH. Aproximadamente 55% do magnésio é encontrado na forma ionizada 30% ligado a proteínas e 14% complexado com citrato, fosfato ou outros íons. No interior das células, cerca de 60% do magnésio é encontrado na mitocôndria.
  • 2. O sistema renal exerce um importante papel na manutenção dos níveis séricos normais de magnésio, sendo sua reabsorção controlada por sua concentração sangüínea. Em condições normais, a excreção renal diária de magnésio é cerca de 12 mEq/L. Diariamente, 10% do magnésio corporal (2,4 mg) no adulto saudável é filtrado através do glomérulo. Destes, apenas 5% é excretado na urina, OU seja, cerca de 95% do magnésio filtrado será reabsorvido, dos quais 40% no túbulo proximal, 50% a 60% na alça de Henle e 95% no lóbulo distal (Fig. 15.2). Sua reabsorção pode ser inibida pela expansão de volume extracelular e hipercalcêmica e estimulada por baixos teores de fósforo. Em pessoas com função renal normal, quando ocorre uma limitação brusca e intensa da ingestão de magnésio, a excreção renal desse mineral cai rapidamente, antes mesmo que as concentrações séricas/plasmáticas fiquem abaixo da faixa considerada normal. Ao contrário, o consumo de suplementos por tais indivíduos aumenta a excreção urinária, sem alterar de maneira significativa a concentração sérica desse mineral, salvo quando as quantidades administradas excedem a capacidade de filtração e excreção máximas. Uma diminuição na ingestão de cálcio aumenta a absorção intestinal de magnésio e também altera a relação cálcio/fósforo no organismo, fazendo com que a secreção de PTH seja aumentada. Este hormônio atua aumentando a absorção de cálcio e diminuindo sua excreção renal, além de aumentar a excreção renal de fósforo e magnésio. A diminuição sérica de magnésio resulta em perda renal de potássio. Reservas organizas O organismo humano adulto (considerando-se o indivíduo com peso médio igual a 70 kg) contem cerca de 25 g de magnésio (aproximadamente 2.100 mEq), dos quais mais da metade (cerca de 60% encontram-se no tecido ósseo, 25% no tecido em tecidos
  • 3. muscular e o restante em tecidos moles e fluidos corpóreos. Em condições de deficiência, as maiores perdas orgânicas de magnésio ocorrem nos ossos. O magnésio atua em pelo menos 300 reações enzimáticas do metabolismo intermediário. Constituinte importante de ossos e dentes, membrana celular e cromossomos, sua principal função está relacione nada à produção de energia no organismo, uma vez que o trifosfato de adenosina (ATP), necessário em praticamente todos os processos metabólicos, existe em todas as células predominantemente sob a forma de ATP (MgATP). Também é essencial na síntese de DNA e RNA, metabolismo de carboidratos, lipídeos, proteínas e algumas vitaminas; participa na formação de monofosfato de adenosila cíclico (AMP cíclico) com um importante papel na resposta celular a hormônios. A titulo de exemplos, três das quatro enzimas mais importantes para a via da gliconeogênese exigem magnésio. Somente no ciclo glicolítico, que converte a glicose em piruvato, sete enzimas necessitam do magnésio sozinho ou associado a ATP ou AMP. Na beta-oxidação dos ácidos graxas, a carboxilação da acetil CoAs a malonil CoA pela carboxilase necessita de magnésio, além de ATP e bicarbonato. Na síntese de proteínas, esse mineral intervém inclusive na agregação de partículas de ribossomos e na interação destes com o RNA mensageiro e a transferência de acil aminoácido para a molécula de RNA. Com relação ao metabolismo das vitaminas, o magnésio é necessário na reação de transcetolase que envolve a tiamina (veja o Capítulo g - Fig. 9.) e na transferência de CO2 para a biotina em reações de carboxilação. A síntese da glutationa peroxidase, um importante antioxidante intracelular, também requer esse mineral (veja o Capítulo 19). Além da função de co-fator enzimático, o magnésio (assim como o cálcio e outros cátions) reage com componentes da membrana plasmática, afetando a sua fluidez e permeabilidade, contribuindo desta forma para a estabilidade da membrana. Atua também no transporte ativo de íons através das membranas, como cálcio e potássio, favorecendo o impulso nervoso, a contração muscular e o ritmo cardíaco. Deficiência e toxicidade Embora rara, a deficiência de magnésio manifesta-se clinicamente por formigamento, parestesias (na fache, mãos e pés), tremor, espasmo muscular, mudanças de personalidade, hipocalemia associada à hipocalcemia sem outra causa óbvia, anorexia, náuseas e vômitos. A hipomagnesemia está presente em todos os casos de deficiência. Condições severos de deficiência podem afetar os tecidos cardiovasculares, renais
  • 4. e neuromuscular. Os testes laboratoriais são necessários para estabelecer o diagnóstico carreto. Uma depleção exacerbada poderá ser observada em casos de: síndromes de mal absorção (doença inflamatória intestinal, fístulas, infecções gastrintestinais etc.); alterações funcionais do sistema renal (incluindo os efeitos do uso de fármacos nefrotóxicos e diuréticos); transtornos endócrinos (como diabetes mellitus, hipertireoidismo, hiperaldosteronismo, transtornos pediátricos genéticos e familiares (lactantes filhos de mães diabéticas ou com hiperparatireoidismo, por exemplos; ingestão, absorção e retenção inadequadas clã magnésio, como ocorrem nos casos de alcoolismo e de desnutrição protéica calórica. Vale ressaltar que a deficiência de um ou mais nutrientes essenciais pode influenciar a utilização ou a retenção de outros nutrientes. No caso do magnésio, sua carência pode levar a uma depleção de potássio sérico e celular que, como conseqüência, pode determinar uma redução do conteúdo celular de magnésio. A interação desse cânon com outros íons, os mecanismos hormonais e neuro- hormonais compensadores e possivelmente a duração da deficiência são alguns dos fatores descritas como responsáveis pelas variações na regularão glicêmica observadas durante a deficiência de magnésio. Reis e colaboradores apontaram a deficiência do magnésio não apenas como causa de alterações no metabolismo da glicose, mas também como conseqüência dessas alterações. A toxicidade por magnésio pode acometer indivíduos portadores de insuficiência renal após uso de medicamentos ricos no mineral, como laxantes ou antiácidos. Os efeitos tóxicos dependem da dose, e as conseqüências vão desde náuseas e vômitos, hipotensão e retenção urinaria, a depressão respiratório e parada cardíaca. Avaliação nutricional Métodos objetivos para a avaliação do status de magnésio incluem análises laboratoriais (soro/plasma, urina e células sanguíneas) e teste de carga/retenção de magnésio. O magnésio sérico refletor ingestão recente; a deficiência leva a um decréscimo da concentração mais lento e em menor extensão nos eritrócitos que no magnésio sérico total, embora o magnésio celular possa estar diminuído na presença de algumas doenças sem, no entanto, estar alterado no soro/plasma. Em indivíduos com função renal normal, a deficiência de magnésio reduz significantemente as concentrações urinários, antes mesmo que as concentrações séricos diminuam. O teste de carga/refeição de magnésio oferece uma estimativa da proporção do magnésio infundido que é relida ao longo de um dado período. Aqueles que reténs mais que 25% são considerados indivíduos com depleção corporal. É um teste invasivo, demorado e caro. A determinação do magnésio em amostras biológicas pode ser realizada através de espectrometria de absorção atômica ou métodos colorimétricos. Além disso, o magnésio ionizado pode ser determinado através da ressonância magnética nuclear. As concentrações séricas normais dependem do método analítico empregado, oscilando entre 0,7 e 0,9 mmol (1,4 e 1,8 mEq/L) em recém-nascidos, crianças e adultos.
  • 5. Necessidades e recomendações nutricionais O estabelecimento conclusivo das necessidades de magnésio é complexo devido à sua inter-relação com calorias, cálcio, proteína, fosfato, lactose e potássio da dieta. As necessidades de magnésio são dependentes do estágio do ciclo vital e estado fisiopatológico dos indivíduos, assim como a biodisponibilidade do mineral consumido. Em indivíduos saudáveis, um consumo de 120 mg/1.000 kcal é suficiente para a prevenção de deficiência clínica, mas este aporte não e adequado para portadores de doenças renais ou síndromes de mal absorção. A ingestão média recomendada por faixa etária, sexo e estado fisiológico e a ingestão máxima permitida por fontes não- alimentares segundo faixa etária estão apresentadas nos Quadros 15.1 e 15.2, respectivamente. Fontes alimentares O magnésio é um mineral amplamente encontrado, em concentrações diversas, nos alimentos de origem animal e vegetal, sendo sua deficiência raramente notificada. O Quadro 15.3 apresenta teores de magnésio em alguns alimentos. As principais fontes de magnésio são sementes, oleaginosas, leguminosas, cereais integrais, frutos-do-mar e vegetais vede-escuros. O leite e derivados, assim como as bananas, são alimentos moderadamente ricos neste mineral, representando importantes fontes de magnésio na dieta brasileira. Durante o processamento da farinha de trigo e arroz, há perda importante do teor de magnésio nesses alimentos (cerca de dois terços, ressaltando-se a importância do consumo de alimentos integrais. Magnésio e doenças crônicas Alguns estudos recentes sugerem que o magnésio pode melhorar o perfil de lipídeos séricos, reduzir a resistência vascular e prevenir trombose e arritmias, exercendo um papel protetor contra as doenças cardiovasculares. Sua deficiência está associada ao maior risco para infarto agudo do miocárdio. Crianças portadoras de diabetes tipo 1 apresentam níveis séricos reduzidos de magnésio quando comparadas a crianças normais, sugerindo um envolvimento do mineral nu desenvolvimento desta doença.5,6 A depleção de magnésio é comum em pacientes com diabetes tipo 2 com controle metabólico precário, especialmente naqueles com neuropatia ou doença coronariana. O uso prolongado de magnésio em doses maiores que as usuais pode ser necessário em pacientes com diabetes tipo 2 visando melhorar o controle ou prevenir complicações crônicas.7 Alguns estudos apontam o efeito dose-dependente da suplementação do magnésio na redução da pressão arterial; entretanto, há necessidade de estudos mais criteriosos para confirmar essa relação. Concentrações séricas menores de magnésio têm sido observadas em mulheres idosas portadoras de osteoporose. No entanto, parece que a suplementação do mineral em mulheres adultas não é eficaz na prevenção da osteoporose, uma vez que não há alteração significante na taxa de renovação da massa óssea.9 ,10
  • 7. SÓDIO Histórico Os compartimentos orgânicos e a influência do meio extracelular no meio intracelular foram inicialmente descritas por Claude Bernard. Este pesquisador, em meados de 1860, ressaltou a importância dos componentes solúveis e de sua contratação na sobrevivência e manutenção dos papéis fisiológicos celulares. Desde então, o sódio tem sido reconhecido como principal cátion do fluido extracelular e o potássio, como o principal componente mineral do meio intracelular. Características químicas Tal como outros eletrólitos, o sódio é um elemento que, quando ionizado, apresenta carga positiva. Sob a forma de cátion, portanto, está presente nos tecidos orgânicos. Absorção, transporte, armazenamento e excreção Absorvido por transporte ativo e passivo praticamente em toda sua totalidade na parte superior do intestino delgado (Fig. 15.3), a concentração plasmática do sódio é dependente da quantidade de cloreto de sódio consumido, sendo regulada pelo sistema renal através da concentração de aldosterona circulante - um mineralocorticóide secretado pelo córtex adrenal. Assim, em condições fisiológicos normais, a excreção urinaria de sódio é dependente principalmente da ingestão. A Figura 15.4 resume os componentes essenciais do sistema renina angiotensina- aldosterona. A renina funciona unicamente como uma enzima proteolítica, e seu substrato é a proteína circulante angiotensinogênio, que é produzida pelo fígado. O angiotensinogênio é clivado pela renina para produzir ama peptídeo com 10 aminoácidos que não tem qualquer função fisiológica conhecida, sendo clivada para formar um peptídeo com 8 aminoácidos (a angiotensina II) pela enzima conversara de angiotensina (ECO) encontrada na superfície das células endoteliais vasculares. As células endoteliais renais e pulmonares são sítios importantes para a conversão da angiotensina I em ângiotensina II. A angiotensina II apresenta várias funções fisiológicos importantes, incluindo: 1. Estimulação da secreção de aldosterona pelo córtex ad rena 2. Vasoconstrição, que aumenta a pressão arterial 3. Estimulação da secreção de ADH e da sede 4. Intensificação da reabsorção de NaCI pelo túbulo proximal.
  • 8. A principal forma de Secreção de sódio e através da urina, cerca de 90%, ocorrendo também através das fezes (cerca de 100 mL/dia) e suor (1 g de sódio/L). Em condições fisiológicos normais, ou seja, se a sudorese não é excessiva e não há diarréia, mais de 98% do sódio ingerido aparece na urina. A excreção urinaria de sódio é influenciada por sua concentração plasmática Os receptores de sede ("centro da sede"), localizados no hipotálamo, são estimulados quando a concentração plasmática do mineral estiver elevada.* Em caso de baixas concentrações, sua Secreção urinário é reduzida. Reservas orgânicas Principal cátion do fluido extracelular, o sódio representa 0,15% do peso corporal total, ou seja, 1,8 g de sódio/kg de peso livre de gordura. É encontrado em todas as células do organismo, e o nível sérico normal em adultos é de 310 a 333 mg/mL. Altas concentrações do mineral são encontradas nos ossos, assim como nas secreções intestinais, como bile e suco pancreático,
  • 9. Função Sua função mais conhecida é seu papel na manutenção da osmolaridade e volume do fluido corporal, influenciando a pressão sanguínea, diretamente influenciada pelo sistema renina-angiotensina-aldosterona e secreção do hormônio antidiurético. Em condições normais, nem o sódio nem o cloro, que são íons predominantes no líquido extracelular, podem ser substituídos por outros cátions ou anions. Dai a sua importância na regulação do líquido extracelular. O sódio exerce ainda outras funções igualmente importantes, como a manutenção do potencial de membrana, condução de impulsos nervosos e contração muscular e controle da absorção e transporte de alguns nutrientes como cloro, aminoácidos, glicose e da água. *A sensação da sede é influenciada por mudanças na osmolalidade, volume sanguíneo ou pressão arterial. Quando a osmolalidade dos líquidos corporais aumenta, ou a pressão e o volume sanguíneo se reduzem, o individuo sente sede. Desses estímulos, a hiperosmolalidade é o mais potente. Aumento de apenas 2 a 3% na osmolalidade do plasma produzirá sede, enquanto são necessárias reduções de 10 a 15% do volume sanguíneo e da pressão arterial para que seja produzida a mesma resposta. Deficiência e toxicidade A deficiência de: sódio é uma condição rara em seres humanos, ocorrendo apenas em ocasião de vômitos, diarréias ou suor excessivo. Como exerce uma função crucial na manutenção do fluido celular, em caso de perda isolada de sódio com manutenção da égua corporal normal pode ocasionar migração do líquido para o meio intracelular e, conseqüentemente, apatia mental e anorexia. As perdas de sódio acompanhadas de líquidos podem resultar em redução do volume sanguíneo. Evidencias sustentam que quanto maior o consumo de sódio, maior o risco de desenvolver pressão arterial elevada e edema,11-14 por isso, enfatiza-se a recomendação de um consumo moderado a baixo de sódio para todos os indivíduos. Avaliação nutricional A avaliação do consumo habitual de sódio não é uma tarefa simples, pois os indivíduos encontram dificuldades em relatar a quantidade de cloreto de sódio adicionado aos alimentos. Em pesquisas epidemiológicas, caso haja necessidade de informações mais precisas da quantidade de sódio consumido, é recomendada a avaliação de excreção de sódio urinário dos indivíduos. Necessidades e recomendações nutricionais A necessidade fisiológico de sódio é inferior ao consumo observado em diversas populações. Um consumo de 500 mg/dia seria o suficiente para manter as funções orgânicas dependentes deste mineral; entretanto um consumo médio de mg/dia ou superior é bastante comum. Não há RDA para o sódio. A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera que a recomendação de consumo moderado de sal e sódio dependerá se a hipertensão arterial possa ser considerada um problema de saúde pública em cada região/país. O teor de sódio naturalmente presente nos alimentos seria suficiente para cobrir as necessidades e, por esta razão não há níveis de ingestão mínimos, com exceção para os lactentes (recomendação de níveis de ingestão de 120 a 200 mg/dia para bebes de
  • 10. 7 a 12 meses de idade, para menores de 7 meses, o teor de sódio do leite materno em aleitamento exclusivo atende às necessidades desta faixa etária). Em geral, a OMS propõe limite superior de 6 g de sal por dia ou 2,5 g por 1.000 kcal como valor médio recomendado.15 Fontes alimentares O consumo de sódio é fortemente influenciado pelo hábito alimentar. A principal fonte de sódio é o cloreto de sódio (sal de mesa), sendo também encontradas grandes quantidades em alimentos processados como os embutidos enlatados, sopas e molhos prontos, azeitona, picles, chucrute, oleaginosas, alimentos conservados com sal como o bacalhau e a carne seca, bicarbonato de sódio e shoyu. O Quadro 15.4 apresenta a quantidade de sódio em alguns alimentos. Sódio e doenças crônicas A relação entre o consumo habitual de sódio e a pressão arterial há muito irem sendo discutida. Evidências demonstram que uma dieta pobre em sódio e rica em potássio reduz a pressão arterial em indivíduos "sal-sensíveis". Diferentes enfermidades renais diminuem a capacidade do organismo de eliminar sódio, assim como cloro e água, causando retenção destes e o conseqüente desenvolvimento de edema, hipertensão e, em casos graves, edema pulmonar. O contrário, a perda excessiva de sódio, cloro e água ocorre na enfermidade de Addison, na qual não são produzidos hormônios mineralocorticóides por insuficiência do córtex
  • 11. supra-renal. A resultante contração do volume do liquido extracelular pode resultar em hipotensão, choque e morte. Alguns estudos também demonstram uma relação positiva entre consumo habitual elevado em sódio e maior risco de litíase renal, devido à maior excreção de cálcio e favorecimento na formação de cálculos. Embora a calciúria induzida por sódio tenha sido bem documentada, fornecendo base fisiológico para o papel do sódio como um fator de risco para a osteoporose, as evidências são baseadas primariamente em estudos com carga aguda de sal com dados insuficientes sobre os efeitos da alta ingestão de sal na retenção de cálcio ósseo. A investigação da relação entre ingestão de sal e saúde óssea requer ênfase maior na dieta como um todo (incluindo componentes como potássio, magnésio, fósforo e proteína), medidas confiáveis da ingestão de sal e melhor caracterização dos indivíduos, considerando a sensibilidade individual ao sal.16 POTÁSSIO Histórico O papel do potássio na homeostase celular foi descrito por Claude Bernard desde meados de 1860. Desde então, sabe-se que o potássio é o principal cátion do meio intracelular, exercendo importantes papeis necessários para a manutenção da fisiologia celular. Características químicas Assim como o sódio, o potássio é um cátion quando dissociado em meio líquido, sendo essa a forma presente nos organismos vivos. Absorção, transporte, armazenamento e excreção Cerca de 90% do potássio consumido através dos alimentos são absorvidos no intestino delgado. A homeostase é regulada pela função renal, através da influência da aldosterona, que mantém os níveis de potássio constantes na corrente sangüínea. Muitos hormônios promovem a captação de potássio pelas células, após a elevação da concentração deste no plasma, evitando, dessa forma, hipercalemia perigosa. Como ilustrado na Figura 15.5, esses hormônios incluem a epinefrina, a insulina e a aldosterona. Eles aumentam a captação de potássio para o músculo esquelético, fígado, osso e glóbulos vermelhos pela estimulação da bomba Na+ K+ ATPase. O aumento na concentração de potássio do plasma, subseqüente à sua absorção pelo trato gastrintestinal, estimula a secreção de insulina pelo pâncreas, liberação de aldosterona pelo córtex adrenal e secreção de epinefrina pela medula adrenal. Em contrapartida, redução da concentração de potássio do plasma inibe a liberação desses hormônios. Enquanto a insulina * e a epinefrina agem em poucos minutos, a aldosterona necessita de cerca de uma hora para estimular a captação de potássio pelas células. *A importância da insulina na estimulação do potássio é ilustrada por duas observações: primeira, a elevação da concentração de potássio do plasma, apôs refeição rica em potássio é maior em indivíduos diabéticos (isto é, em situação de deficiência de insulina) do que em pessoas normais; segunda, a infusão de insulina (e glicose, para evitar a hipoglicemia induzida por insulina) pode ser usada para corrigir a
  • 12. hipercalemia. A insulina é o hormônio mais importante que desloca o potássio para dentro da célula. depois de sua ingestao em uma refeição. Reservas orgânicas Principal cátion do meio intracelular, 98% do potássio encontrado no organismo concentra-se neste meio. Sua concentração sérica normal é em torno de 16-22 mg/dL (4,1 a 5,6 mEq/L, e nos eritrócitos esta concentração e por volta de 420 mg/dL (107,7 mEq/L). Função As principais funções do potássio estão relacionadas à manutenção da integridade celular e balanço hídrico, contração muscular, síntese de glicogênio, catabolismo da glicose, metabolismo protéico e de carboidratos, atuando também na manutenção da diferença de potencial através das membranas celulares (função especialmente importante em todas as células neuromusculares e endócrinas).
  • 13. Deficiência e toxidade As principais conseqüências da depleção de potássio estão associadas a fadiga, fraqueza muscular, cãibras e paralisia intestinal. A deficiência severa deste mineral pode resultar em paralisia muscular e alteração tio ri :mo cardíaco. O excesso de potássio no organismo, conhecida como hipercalemia, poderá se dá corrente de consumo elevado (18> ), excedendo a capacidade de excreção, tal como observado em situações de insuficiência renal aguda ou crônica, hipoaldosteronismo, ruptura de células vermelhas trauma/queimadura. A toxicidade de potássio pode resultar em arritmia cardíaca, confusão mental e fraqueza muscular. A alteração mais grave causado pela hipercalemia (quando os níveis séricos de potássio estão acima de 5 mEq/L) é a paralisia do músculo cardíaco, podendo ser letal. Tanto na hipercalemia quanto na hipocalemia as células convertem a estruturas não funcionais, e os sinais e sintomas destas duas situações são similares: debilidade, letargia, hipomotilidade gástrica, arritmias cardíacas e transtornos na condução de impulsos. Hipocalemia (concentração de potássio < 3,5 mEq/L). Uma vez que nesta condição a concentração de potássio intracelular excederá a concentração extracelular, o deslocamento de potássio intracelular poderá causar hipocalemia severo mesmo com pequenas alterações na concentração intracelular. Alcalose, insulina e antagonistas beta2adrenérgicos podem causar hipocalemia pela estimulação da atividade da Na+ K+ ATPase. Vômitos e diarréia são causas comuns de hipocalemia, como também baixa ingestão, perda renal excessiva (como ocorre no aldosteronismo) e uso excessivo de mineralocorticóides. Conseqüências: alterações cardíacas, necrose muscular (principalmente cardíaca). Hipercalemia (concentração de potássio > 5,0 mEq/L). Pode ser cansada por um dos seguintes mecanismos: (a) deslocamento de potássio das células para o fluido extracelular, (b) aumento da ingestão de potássio e (c) redução da excreção renal de potássio. E comum na cetoacidose diabética, na acidose lática, na desidratação e na insuficiência renal. Uma vez que a capacidade renal para excretar potássio é grande, a hipercalemia raramente ocorre isolada com o aumento da ingestão de potássio. Por isso, a causa mais comum de hipercalemia é a redução da excreção renal. Conseqüências: paralisia do músculo esquelético confusão mental e anormalidade do ritmo cardíaco. Avaliação nutricional Em condições de funcionamento renal normal e quando não houver perdas gastrintestinais concomitantes, a excreção urinaria de potássio permite fazer um cálculo aceitável da ingestão diária do íon. Necessidades e recomendações nutricionais Em adultos saudáveis, o balanço de potássio pode ser mantido mesmo com consumo abaixo do recomendado. A ingestão de potássio no mundo oscila entre 50 e 200 mmol/dia. As recomendações dietéticas (RDA, 1989) de potássio variam de 1.000 a 1.600 mg/dia para crianças de 1 a 9 anos de idade e 2.000 mg/dia para maiores de 10 anos e adultos. Níveis de ingestão de 500 a 700 mg/dia são recomendados para bebes de 7 a 12 meses de idade; para menores de 7 meses, o teor de potássio do leite materno em aleitamento exclusivo atende às necessidades desta faixa etária.
  • 14. Fontes de alimentares O potássio é encontrado em uma grande variedade de alimentos, como carnes, frutas, verduras e legumes, leite e oleaginosas. Batatas e suco de frutas naturais são excelentes fontes de potássio. Dentre as frutas, as que possuem menores teores de potássio são a banana maçã, laranja lima, pêra, maçã e morango, e as que possuem maiores teores são as bananas nanica e prata, laranjas pêra e bahia, uva, kiwi, melão e maracujá. Vegetais e frutas cozidos perdem grande quantidade de potássio, sendo, portanto, o cozimento uma preparação alternativa nos casos em que se faz necessária a restrição do consumo de potássio. Potássio e doenças crônicas Alguns estudos demonstraram uma relação inversa entre consumo de potássio e pressão arterial em indivíduos "sal-sensíveis", sustentando que uma dieta rica em potássio e baixa em sódio favorece a diminuição da tensão arterial. A dosagem de potássio tem sido empregada para a avaliação da composição corporal, já que é importante constituinte muscular em compartimento> intracelular. Em indivíduos portadores da síndrome de imunodeficiência adquirida (SIDA), dosagem mineral tem sido empregada para avaliar a sobrevida, já que é um bom indicador do estado nutricional referente à massa magra.17