SlideShare uma empresa Scribd logo
MADEIRAS NA 
CONSTRUÇÃO CIVIL 
SETEMBRO DE 2013
INTRODUÇÃO 
• Madeira; 
• Consumo x Meio Ambiente; 
• Madeira x Materiais Estruturais;
Material A B C D E F G 
Concreto 2,4 1,920 20 20,000 96 8 8,333 
Aço 7,8 234,000 250 210,000 936 32 26,923 
Madeira 
0,6 600 50 10,000 12 83 16,667 
conífera 
Madeira 
dicotiledônea 
0,9 630 75 15,000 8 83 16,667 
A – Densidade 
B – Energia Consumida 
C – Resistência 
D – Módulo de Elasticidade 
E – Energia Consumida/ Resistência 
F – Resistência/ Densidade 
G – Módulo de Elasticidade/ Densidade
Como vantagens da madeira na construção 
citam-se: 
• Grandes quantidades e preço baixo; 
• São desdobráveis em peças menores ; 
• Utilização de ferramentas simples e são reempregadas; 
• Massa especifica baixa e grande resistência mecânica; 
• Permitem fáceis ligações e emendas; 
• Sua resiliência permite absorver choques; 
• Isolamento térmico e absorção acústica;
Como desvantagens da madeira na construção 
citam-se 
• É um material heterogêneo; 
• É bastante vulnerável a agentes externos; 
• Sua durabilidade é limitada; 
• É bastante sensível aos agentes ecológico; 
• Formas limitadas, alongadas, de seção transversal 
reduzida;
A água, como condição natural de crescimento da 
árvore, apresenta-se na madeira sob três formas: 
• Água de constituição; 
• Água de adesão ou impregnação; 
• Água de capilaridade;
• Densidade de massa da madeira 
r=m 
• Densidade de massa básica 
(g cm3 ) 
m 
sat 
V 
s 
bas r = 
(g cm3 ) 
V
• Densidade de massa aparente - Definida uma dada 
umidade, que segundo a NBR 7190(ABNT, 1997) se 
trata do valor de 12%: 
( 3 ) 
m 
12 g cm 
V 
12 
ap r =
Variação dimensional da madeira 
Está relacionada à retração e ao inchamento da 
madeira. 
Espécie R(%) T(%) T/R 
Angelim Pedra 4,3 7,0 1,6 
Cupiúba 4,3 7,1 1,7 
Ipê 5,1 7,8 1,5 
Jatobá 3,6 6,9 1,9 
Eucalipto Citriodora 6,5 9,6 1,5 
Sucupira 5,9 7,3 1,2
MICROESTRUTURA DA MADEIRA 
Figura 3: Disposição das fibras na 
madeira
COMPRESSÃO NA MADEIRA 
Figura 4: Esforços de compressão na madeira
Figura 5: Esforços inclinados na 
madeira
ESFORÇOS DE TRAÇÃO 
Figura 6: Esforços de tração na madeira
CISALHAMENTO 
Figura 7: Cisalhamento na madeira
FLEXÃO SIMPLES 
Figura 8: Esforço de 
flexão 
Figura 9: Corpo flexionado
Fatores que influenciam as propriedades da 
madeira 
• Fatores anatômicos; 
 Inclinação das fibras; 
 Nós; 
 Presença de medula; 
 Defeitos naturais da madeira; 
 Faixa de parênquima;
• Fatores ambientais e de utilização 
 Umidade; 
 Defeitos de ataques biológicos; 
 Defeitos decorrentes do processo de secagem; 
Encurvamento Arqueamento 
Encanoamento 
Torcimento 
Figura 10
Sistema de classes de risco 
Quadro 1 – classes de risco para uso da madeira na construção civil
Escolha do método de tratamento e do produto 
preservativo 
• Produtos químicos; 
• Espécie de madeira; 
• Fatores que influenciam em um tratamento preservativo.
Propriedades do produto preservativo 
• Eficiência na prevenção; 
• Segurança em relação ao homem e ao meio ambiente; 
• Permanência na madeira; 
• Não ser corrosivo; 
• Custo acessível; 
• Não deve alterar as propriedades físicas e mecânicas da 
madeira.
Tipos de agrupamentos de preservativos de 
madeira 
• Oleosos – derivados do alcatrão de hulha; 
• Oleossolúveis – misturas de fungicidas e/ou inseticidas; 
• Hidrossolúveis – misturas de sais metálicos.
Madeira como Material Estrutural 
• MDF (médium density fibreboard) 
• OSB (oriented strand board) 
• A madeira como material estrutural geralmente se 
encontra em diferentes formas, tais como: madeira 
em tora, madeira serrada, madeira laminada 
colada, madeira compensada e madeiras 
reconstituídas.
Propriedades estruturais da madeira 
• Estrutura interna 
Figura 11 – Diagrama esquemático da fisiologia da árvore
Classe de resistência 
• Madeira serrada; 
• Madeira laminada colada; 
• Madeira compensada; 
• Madeira recomposta.
Madeiras para acabamento 
• Pode ser utilizada em forma de madeira maciça (sólida) 
e também como madeira reconstituída (produtos 
derivados da madeira). 
• Qualificações da madeira maciça para acabamento.
Pisos 
• Pisos maciços: 
Assoalhos; 
Tacos; 
Parquetes.
• Assoalhos 
 São feitos de tábuas de madeira maciça. 
 Geralmente as tábuas são aplicadas diretamente sobre 
contra-piso (piso sem acabamento) e fixadas por 
barroteamento. 
 Podem ainda, ser fixadas em tarugos trapezoidais fixos 
ao cimento.
Figura: (a) assoalhos sobre tarugos trapezoidais. (b) sobre barrotes.
• Assoalhos 
 As peças são encaixadas de modo a não deixar 
qualquer espaço vazio. 
 Pode ser instalado de forma longitudinal ou diagonal . 
Sendo o assentamento longitudinal mais econômico. 
 Existem lâminas mais finas, de 7 mm de espessura. 
Elas custam, em média, 20% menos que o assoalho de 
2 cm de espessura.
• Assoalhos 
As principais características: 
Dureza. 
Estabilidade dimensional. 
Resistência à abrasão.
• Tacos 
 Pequenas placas de madeira maciça - de 3 a 10cm de 
largura e de 10cm a 1m de comprimento. 
 Diferentemente do assoalho - que pode ser aparafusado 
no contra-piso - ele é sempre colado. 
 Um problema comum neste tipo de piso é o 
descolamento das peças.
Revestimento de parede e divisórias 
• Muitas das características das madeiras utilizadas para 
pisos se aplicam às paredes. 
• Para divisórias, é muito comum a escolha de derivados 
da madeira como compensado e MDF.
Forros 
• Assim como ocorre com as paredes, a madeira utilizada 
em forros também recebe a denominação de lambril. 
• Em geral apresenta espessura de 10 mm e largura de 
10 cm. 
• A madeira deve ter uma densidade de média a baixa, 
facilidade de processamento mecânico, baixo índice de 
contração e baixo índice de fendilhamento.
Madeiras para esquadrias 
• Deve-se escolher com cuidado as espécies de madeira 
que serão empregadas. 
• São escolhidas, em 1º lugar, atendendo ao custo e a 
facilidade de manuseio e, depois, a durabilidade. 
• Esquadrias mistas. 
• Não são recomendáveis densidades abaixo de 600 
kg/m³.
Madeiras para esquadrias 
Porta de cedro maciço Janela feita em mogno
Derivados da madeira: 
• Compensado - Notar que os veios das folhas devem ser 
sempre dispostos em direções cruzadas uns aos outros. 
• O MDF – Por um processo de alta temperatura e 
emprego de pressão, fibras de madeira são aglutinadas 
por resinas sintéticas.
Derivados da madeira: 
Chapas de OSB (oriented strand board). 
Chapas de compensado.
Conclusão 
• Para a incorporação da madeira na construção, serão 
analisados desde a função que esta terá, até os 
impactos causados ao meio ambiente. 
• Incorpora-se a esta escolha a disponibilidade, custo de 
mercado, resistência mecânica, as condições climáticas 
a que esta madeira será submetida, as condições 
estéticas e sua durabilidade
Referências Bibliográficas 
• Petrucci, Eladio G. R. - Materiais de Construção / Eladio 
G. R. Petrucci. - 12° edição – São Paulo: Globo, 2003 
• http://www.acdeliberato.net/Senai/_Professores/Kenny/Notas_, acesso em 18/09/2010 
• NBR 7190 - Projeto de estruturas de madeira. Rio de 
Janeiro: ABNT, 1997
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Madeira (Resistência dos materiais)
Madeira (Resistência dos materiais)Madeira (Resistência dos materiais)
Madeira (Resistência dos materiais)
Lais Ferraz
 
Aula4 materiais
Aula4 materiaisAula4 materiais
Aula4 materiais
Tiago Cruz
 
Madeiras
MadeirasMadeiras
Madeiras
MadeirasMadeiras
4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas
4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas
4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas
profNICODEMOS
 
Argamassa - Materiais de Construção
Argamassa - Materiais de ConstruçãoArgamassa - Materiais de Construção
Argamassa - Materiais de Construção
David Grubba
 
Apostila madeiras
Apostila madeirasApostila madeiras
Apostila madeiras
Eliezer Silva
 
Aula3 materiais
Aula3 materiaisAula3 materiais
Aula3 materiais
Tiago Cruz
 
Madeira (Propriedades, Processos de Fabricação e Aplicações)
Madeira (Propriedades, Processos de Fabricação e Aplicações)Madeira (Propriedades, Processos de Fabricação e Aplicações)
Madeira (Propriedades, Processos de Fabricação e Aplicações)
Sílvio Júnior
 
Estruturas de madeira
Estruturas de madeiraEstruturas de madeira
Estruturas de madeira
Paulo Moraes Mauro
 
Cerâmica
CerâmicaCerâmica
Cerâmica
Bárbara Luiza
 
Aula 1 concreto armado
Aula 1 concreto armado Aula 1 concreto armado
Aula 1 concreto armado
Carlos Elson Cunha
 
Materiais de construção civil. materiais cerâmicos
Materiais de construção civil. materiais cerâmicosMateriais de construção civil. materiais cerâmicos
Materiais de construção civil. materiais cerâmicos
ThiagoSantos694
 
Aulas de concreto armado
Aulas de concreto armadoAulas de concreto armado
Aulas de concreto armado
Luciana Paixão Arquitetura
 
Estruturas de madeira aula
Estruturas de madeira aulaEstruturas de madeira aula
Estruturas de madeira aula
antonio jose fraga geraldes
 
Agregados
AgregadosAgregados
Agregados
David Grubba
 
Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)
Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)
Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)
David Grubba
 
Teoria dos Materiais: Madeiras
Teoria dos Materiais: MadeirasTeoria dos Materiais: Madeiras
Teoria dos Materiais: Madeiras
Wagner Rezende
 
Propriedades do Concreto - Materiais de Construção
Propriedades do Concreto - Materiais de ConstruçãoPropriedades do Concreto - Materiais de Construção
Propriedades do Concreto - Materiais de Construção
David Grubba
 
Materiais de construções
Materiais de construçõesMateriais de construções
Materiais de construções
charlessousa192
 

Mais procurados (20)

Madeira (Resistência dos materiais)
Madeira (Resistência dos materiais)Madeira (Resistência dos materiais)
Madeira (Resistência dos materiais)
 
Aula4 materiais
Aula4 materiaisAula4 materiais
Aula4 materiais
 
Madeiras
MadeirasMadeiras
Madeiras
 
Madeiras
MadeirasMadeiras
Madeiras
 
4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas
4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas
4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas
 
Argamassa - Materiais de Construção
Argamassa - Materiais de ConstruçãoArgamassa - Materiais de Construção
Argamassa - Materiais de Construção
 
Apostila madeiras
Apostila madeirasApostila madeiras
Apostila madeiras
 
Aula3 materiais
Aula3 materiaisAula3 materiais
Aula3 materiais
 
Madeira (Propriedades, Processos de Fabricação e Aplicações)
Madeira (Propriedades, Processos de Fabricação e Aplicações)Madeira (Propriedades, Processos de Fabricação e Aplicações)
Madeira (Propriedades, Processos de Fabricação e Aplicações)
 
Estruturas de madeira
Estruturas de madeiraEstruturas de madeira
Estruturas de madeira
 
Cerâmica
CerâmicaCerâmica
Cerâmica
 
Aula 1 concreto armado
Aula 1 concreto armado Aula 1 concreto armado
Aula 1 concreto armado
 
Materiais de construção civil. materiais cerâmicos
Materiais de construção civil. materiais cerâmicosMateriais de construção civil. materiais cerâmicos
Materiais de construção civil. materiais cerâmicos
 
Aulas de concreto armado
Aulas de concreto armadoAulas de concreto armado
Aulas de concreto armado
 
Estruturas de madeira aula
Estruturas de madeira aulaEstruturas de madeira aula
Estruturas de madeira aula
 
Agregados
AgregadosAgregados
Agregados
 
Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)
Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)
Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)
 
Teoria dos Materiais: Madeiras
Teoria dos Materiais: MadeirasTeoria dos Materiais: Madeiras
Teoria dos Materiais: Madeiras
 
Propriedades do Concreto - Materiais de Construção
Propriedades do Concreto - Materiais de ConstruçãoPropriedades do Concreto - Materiais de Construção
Propriedades do Concreto - Materiais de Construção
 
Materiais de construções
Materiais de construçõesMateriais de construções
Materiais de construções
 

Semelhante a Madeira na construcao civil aula 3 - 13.09.13 (1)

Madeirada
MadeiradaMadeirada
Madeirada
Victor Sobral
 
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdfMATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
laurabrt2002
 
aulainicialmadeira_20180223174719.pptx
aulainicialmadeira_20180223174719.pptxaulainicialmadeira_20180223174719.pptx
aulainicialmadeira_20180223174719.pptx
EngChristopherdosSan
 
Emprego de fôrmas de madeira em estrutura de
Emprego de fôrmas de madeira em estrutura deEmprego de fôrmas de madeira em estrutura de
Emprego de fôrmas de madeira em estrutura de
Aldo Werle
 
Aula 1 madeira
Aula 1   madeiraAula 1   madeira
Aula 1 madeira
Luiz Santos
 
Construções Especiais - Aula 4 - características e propriedades.pdf
Construções Especiais - Aula 4 - características e propriedades.pdfConstruções Especiais - Aula 4 - características e propriedades.pdf
Construções Especiais - Aula 4 - características e propriedades.pdf
Antonio Batista Bezerra Neto
 
DES | Madeira
DES | MadeiraDES | Madeira
DES | Madeira
Edison Ribeiro
 
Madeiras Industrializadas
Madeiras IndustrializadasMadeiras Industrializadas
Madeiras Industrializadas
Dirk Henning
 
Cm aula 6
Cm   aula 6Cm   aula 6
Cm aula 6
Rodrigo Tikim
 
Marcenaria dicas profissionais como colar madeira
Marcenaria dicas profissionais  como colar madeiraMarcenaria dicas profissionais  como colar madeira
Marcenaria dicas profissionais como colar madeira
Minerin Das Gerais
 
3 elementos estruturais derivados da madeira
3   elementos estruturais derivados da madeira3   elementos estruturais derivados da madeira
3 elementos estruturais derivados da madeira
Oilides vitte Vite
 
Barcos em compensado
Barcos em compensadoBarcos em compensado
Barcos em compensado
Bittec Eletrônica
 
Madeira como material de construção.ppt
Madeira como material de construção.pptMadeira como material de construção.ppt
Madeira como material de construção.ppt
CamilaIsatonMorgado1
 
aula-10-madeira.pdf
aula-10-madeira.pdfaula-10-madeira.pdf
aula-10-madeira.pdf
RicardoAndrade288097
 
Madeira apostila 2012
Madeira   apostila 2012Madeira   apostila 2012
Madeira apostila 2012
Carlos Elson Cunha
 
Os materiais madeira
Os materiais  madeiraOs materiais  madeira
Os materiais madeira
João Jesus
 
Tintas e Madeiras.pptx
Tintas e Madeiras.pptxTintas e Madeiras.pptx
Tintas e Madeiras.pptx
GiovannaFerreira84
 
Madeiras
MadeirasMadeiras
Revestimentos em madeira
Revestimentos em madeiraRevestimentos em madeira
Revestimentos em madeira
Luís Trafani
 
Revestimentos em madeira
Revestimentos em madeiraRevestimentos em madeira
Revestimentos em madeira
Luís Trafani
 

Semelhante a Madeira na construcao civil aula 3 - 13.09.13 (1) (20)

Madeirada
MadeiradaMadeirada
Madeirada
 
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdfMATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
 
aulainicialmadeira_20180223174719.pptx
aulainicialmadeira_20180223174719.pptxaulainicialmadeira_20180223174719.pptx
aulainicialmadeira_20180223174719.pptx
 
Emprego de fôrmas de madeira em estrutura de
Emprego de fôrmas de madeira em estrutura deEmprego de fôrmas de madeira em estrutura de
Emprego de fôrmas de madeira em estrutura de
 
Aula 1 madeira
Aula 1   madeiraAula 1   madeira
Aula 1 madeira
 
Construções Especiais - Aula 4 - características e propriedades.pdf
Construções Especiais - Aula 4 - características e propriedades.pdfConstruções Especiais - Aula 4 - características e propriedades.pdf
Construções Especiais - Aula 4 - características e propriedades.pdf
 
DES | Madeira
DES | MadeiraDES | Madeira
DES | Madeira
 
Madeiras Industrializadas
Madeiras IndustrializadasMadeiras Industrializadas
Madeiras Industrializadas
 
Cm aula 6
Cm   aula 6Cm   aula 6
Cm aula 6
 
Marcenaria dicas profissionais como colar madeira
Marcenaria dicas profissionais  como colar madeiraMarcenaria dicas profissionais  como colar madeira
Marcenaria dicas profissionais como colar madeira
 
3 elementos estruturais derivados da madeira
3   elementos estruturais derivados da madeira3   elementos estruturais derivados da madeira
3 elementos estruturais derivados da madeira
 
Barcos em compensado
Barcos em compensadoBarcos em compensado
Barcos em compensado
 
Madeira como material de construção.ppt
Madeira como material de construção.pptMadeira como material de construção.ppt
Madeira como material de construção.ppt
 
aula-10-madeira.pdf
aula-10-madeira.pdfaula-10-madeira.pdf
aula-10-madeira.pdf
 
Madeira apostila 2012
Madeira   apostila 2012Madeira   apostila 2012
Madeira apostila 2012
 
Os materiais madeira
Os materiais  madeiraOs materiais  madeira
Os materiais madeira
 
Tintas e Madeiras.pptx
Tintas e Madeiras.pptxTintas e Madeiras.pptx
Tintas e Madeiras.pptx
 
Madeiras
MadeirasMadeiras
Madeiras
 
Revestimentos em madeira
Revestimentos em madeiraRevestimentos em madeira
Revestimentos em madeira
 
Revestimentos em madeira
Revestimentos em madeiraRevestimentos em madeira
Revestimentos em madeira
 

Madeira na construcao civil aula 3 - 13.09.13 (1)

  • 1. MADEIRAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2013
  • 2. INTRODUÇÃO • Madeira; • Consumo x Meio Ambiente; • Madeira x Materiais Estruturais;
  • 3. Material A B C D E F G Concreto 2,4 1,920 20 20,000 96 8 8,333 Aço 7,8 234,000 250 210,000 936 32 26,923 Madeira 0,6 600 50 10,000 12 83 16,667 conífera Madeira dicotiledônea 0,9 630 75 15,000 8 83 16,667 A – Densidade B – Energia Consumida C – Resistência D – Módulo de Elasticidade E – Energia Consumida/ Resistência F – Resistência/ Densidade G – Módulo de Elasticidade/ Densidade
  • 4. Como vantagens da madeira na construção citam-se: • Grandes quantidades e preço baixo; • São desdobráveis em peças menores ; • Utilização de ferramentas simples e são reempregadas; • Massa especifica baixa e grande resistência mecânica; • Permitem fáceis ligações e emendas; • Sua resiliência permite absorver choques; • Isolamento térmico e absorção acústica;
  • 5. Como desvantagens da madeira na construção citam-se • É um material heterogêneo; • É bastante vulnerável a agentes externos; • Sua durabilidade é limitada; • É bastante sensível aos agentes ecológico; • Formas limitadas, alongadas, de seção transversal reduzida;
  • 6. A água, como condição natural de crescimento da árvore, apresenta-se na madeira sob três formas: • Água de constituição; • Água de adesão ou impregnação; • Água de capilaridade;
  • 7. • Densidade de massa da madeira r=m • Densidade de massa básica (g cm3 ) m sat V s bas r = (g cm3 ) V
  • 8. • Densidade de massa aparente - Definida uma dada umidade, que segundo a NBR 7190(ABNT, 1997) se trata do valor de 12%: ( 3 ) m 12 g cm V 12 ap r =
  • 9. Variação dimensional da madeira Está relacionada à retração e ao inchamento da madeira. Espécie R(%) T(%) T/R Angelim Pedra 4,3 7,0 1,6 Cupiúba 4,3 7,1 1,7 Ipê 5,1 7,8 1,5 Jatobá 3,6 6,9 1,9 Eucalipto Citriodora 6,5 9,6 1,5 Sucupira 5,9 7,3 1,2
  • 10. MICROESTRUTURA DA MADEIRA Figura 3: Disposição das fibras na madeira
  • 11. COMPRESSÃO NA MADEIRA Figura 4: Esforços de compressão na madeira
  • 12. Figura 5: Esforços inclinados na madeira
  • 13. ESFORÇOS DE TRAÇÃO Figura 6: Esforços de tração na madeira
  • 14. CISALHAMENTO Figura 7: Cisalhamento na madeira
  • 15. FLEXÃO SIMPLES Figura 8: Esforço de flexão Figura 9: Corpo flexionado
  • 16. Fatores que influenciam as propriedades da madeira • Fatores anatômicos;  Inclinação das fibras;  Nós;  Presença de medula;  Defeitos naturais da madeira;  Faixa de parênquima;
  • 17. • Fatores ambientais e de utilização  Umidade;  Defeitos de ataques biológicos;  Defeitos decorrentes do processo de secagem; Encurvamento Arqueamento Encanoamento Torcimento Figura 10
  • 18. Sistema de classes de risco Quadro 1 – classes de risco para uso da madeira na construção civil
  • 19. Escolha do método de tratamento e do produto preservativo • Produtos químicos; • Espécie de madeira; • Fatores que influenciam em um tratamento preservativo.
  • 20. Propriedades do produto preservativo • Eficiência na prevenção; • Segurança em relação ao homem e ao meio ambiente; • Permanência na madeira; • Não ser corrosivo; • Custo acessível; • Não deve alterar as propriedades físicas e mecânicas da madeira.
  • 21. Tipos de agrupamentos de preservativos de madeira • Oleosos – derivados do alcatrão de hulha; • Oleossolúveis – misturas de fungicidas e/ou inseticidas; • Hidrossolúveis – misturas de sais metálicos.
  • 22. Madeira como Material Estrutural • MDF (médium density fibreboard) • OSB (oriented strand board) • A madeira como material estrutural geralmente se encontra em diferentes formas, tais como: madeira em tora, madeira serrada, madeira laminada colada, madeira compensada e madeiras reconstituídas.
  • 23. Propriedades estruturais da madeira • Estrutura interna Figura 11 – Diagrama esquemático da fisiologia da árvore
  • 24. Classe de resistência • Madeira serrada; • Madeira laminada colada; • Madeira compensada; • Madeira recomposta.
  • 25. Madeiras para acabamento • Pode ser utilizada em forma de madeira maciça (sólida) e também como madeira reconstituída (produtos derivados da madeira). • Qualificações da madeira maciça para acabamento.
  • 26. Pisos • Pisos maciços: Assoalhos; Tacos; Parquetes.
  • 27. • Assoalhos  São feitos de tábuas de madeira maciça.  Geralmente as tábuas são aplicadas diretamente sobre contra-piso (piso sem acabamento) e fixadas por barroteamento.  Podem ainda, ser fixadas em tarugos trapezoidais fixos ao cimento.
  • 28. Figura: (a) assoalhos sobre tarugos trapezoidais. (b) sobre barrotes.
  • 29. • Assoalhos  As peças são encaixadas de modo a não deixar qualquer espaço vazio.  Pode ser instalado de forma longitudinal ou diagonal . Sendo o assentamento longitudinal mais econômico.  Existem lâminas mais finas, de 7 mm de espessura. Elas custam, em média, 20% menos que o assoalho de 2 cm de espessura.
  • 30. • Assoalhos As principais características: Dureza. Estabilidade dimensional. Resistência à abrasão.
  • 31. • Tacos  Pequenas placas de madeira maciça - de 3 a 10cm de largura e de 10cm a 1m de comprimento.  Diferentemente do assoalho - que pode ser aparafusado no contra-piso - ele é sempre colado.  Um problema comum neste tipo de piso é o descolamento das peças.
  • 32. Revestimento de parede e divisórias • Muitas das características das madeiras utilizadas para pisos se aplicam às paredes. • Para divisórias, é muito comum a escolha de derivados da madeira como compensado e MDF.
  • 33. Forros • Assim como ocorre com as paredes, a madeira utilizada em forros também recebe a denominação de lambril. • Em geral apresenta espessura de 10 mm e largura de 10 cm. • A madeira deve ter uma densidade de média a baixa, facilidade de processamento mecânico, baixo índice de contração e baixo índice de fendilhamento.
  • 34. Madeiras para esquadrias • Deve-se escolher com cuidado as espécies de madeira que serão empregadas. • São escolhidas, em 1º lugar, atendendo ao custo e a facilidade de manuseio e, depois, a durabilidade. • Esquadrias mistas. • Não são recomendáveis densidades abaixo de 600 kg/m³.
  • 35. Madeiras para esquadrias Porta de cedro maciço Janela feita em mogno
  • 36. Derivados da madeira: • Compensado - Notar que os veios das folhas devem ser sempre dispostos em direções cruzadas uns aos outros. • O MDF – Por um processo de alta temperatura e emprego de pressão, fibras de madeira são aglutinadas por resinas sintéticas.
  • 37. Derivados da madeira: Chapas de OSB (oriented strand board). Chapas de compensado.
  • 38. Conclusão • Para a incorporação da madeira na construção, serão analisados desde a função que esta terá, até os impactos causados ao meio ambiente. • Incorpora-se a esta escolha a disponibilidade, custo de mercado, resistência mecânica, as condições climáticas a que esta madeira será submetida, as condições estéticas e sua durabilidade
  • 39. Referências Bibliográficas • Petrucci, Eladio G. R. - Materiais de Construção / Eladio G. R. Petrucci. - 12° edição – São Paulo: Globo, 2003 • http://www.acdeliberato.net/Senai/_Professores/Kenny/Notas_, acesso em 18/09/2010 • NBR 7190 - Projeto de estruturas de madeira. Rio de Janeiro: ABNT, 1997