SlideShare uma empresa Scribd logo
Anima Tu

                Empresa de Animação Sociocultural


  Carla Henriques; Marco Araújo; Rosa Lopes; Vanessa Silva
                           2009




Curso de Animação Sociocultural
Projecto de Animação Sociocultural – Implementação/Avaliação
Formadora – Elisabete Queirós


       2
ÍNDICE



Contextualização da empresa                           04
Introdução ao trabalho                                06
Análise da realidade à empresa                        07
Iceberg
Tabela de análise da realidade e do meio envolvente   09
Organogramas                                          10
Tabela S.W.O.T.                                       11
Projecto                                              16
Resumo Analítico                                      17
Introdução ao projecto                                18
Instituição                                           19
Árvore dos Problemas                                  20
Solução para a Árvore dos Problemas                   21
Dinâmica de grupo – “Levar a mal ou apreciar”         22
Inquérito                                             23
“Ajudar Terceiros” – Apresentação                     24
Introdução ao projecto “Ajudar Terceiros”             25
Objectivos gerais                                     26
Identificação dos recursos necessários
Acções a Desenvolver                                  27
1ª Acção – Dinâmica e jogos
1ª Actividade – Jogos lúdicos
2ª Actividade – Artes plásticas                       28
2ª Acção – Terapias e seus efeitos                    29
1ª Actividade – Musicoterapia
2ª Actividade – Actividade física                     30
Dinâmica de grupo – “Para quem tira o chapéu”         31
Avaliação                                             32
Conclusão                                             34
Fontes                                                35




           3
CONTEXTUALIZAÇÃO


     A norte de Portugal Continental, situa-se Fafe. É uma cidade
que pertence ao distrito de Braga, dividida em 36 freguesias, com
220 Km2 de área, com cerca de 52 mil habitantes. A maioria da
população activa trabalha na indústria, no comércio e na agricultura.




       4
Neste concelho encontramos a Vila de Arões, situada a oeste de
Fafe, às portas do conselho de Guimarães, com 6,37 km² de área e 3
258 habitantes (2001). Densidade: 511,5 hab/km².

     Arões São Romão é actualmente uma freguesia eminentemente
industrial, sendo a têxtil o seu principal sector. Na área dos
mármores e das bloqueiras também possui um forte incremento e, na
área agrícola, especial destaque para a produção de vinho, do qual se
destaca o da Quinta da Naíde, que já por diversas vezes foi premiado

     Tem ainda uma forte componente de mão-de-obra na área da
construção civil e no comércio.

     A sua via estruturante principal é a EN 206 que liga Fafe a
Guimarães e está a ser preparado o projecto pelo IEP para a
construção do Nó de Arões para permitir o acesso à EN 101 e
206/Ligação da Circular de Guimarães à Variante de Fafe.




       5
O nosso trabalho está divido em 3 fases.


      No âmbito dos módulos de Animação Sociocultural - Contextos
Práticas, Projecto Animação Sociocultural – Implementação e Projecto
Animação Sociocultural – Avaliação, do curso de formação de
Animação Sociocultural, foi-nos solicitado a criação de um projecto na
área da animação. Neste caso nós criamos uma empresa fictícia, a
qual presta serviços na área, elaborando projectos para diversas
instituições.


      Empresa criada para colmatar algumas carências sociais da
população em geral, mais direccionada para grupos problemáticos,
crianças, jovens, adultos e idosos.


      Neste sentido, elaboramos um projecto “Ajudar terceiros”, com
o intuito de o apresentar na instituição estudada.




        6
Abaixo          descrevemos   uma     analise   da   realidade   à   nossa
empresa, Anima Tu, com o intuito de detectar alguma falha ou erro a
corrigir, para que a funcionalidade da empresa seja sempre o mais
perfeita possível.




Empresa: ANIMATU




                                    ICEBERG
                              Analise Institucional




Estrutura Superficial:


      O aspecto arquitectónico na nossa empresa não é muito
importante, visto que 90% do nosso trabalho é feito nas instalações
do cliente.


      A       nível    de   instalações   administrativas,   a   qualidade   do
equipamento é boa a todos os níveis.




          7
O comportamento da nossa equipa técnica é excelente a nível
de interacção, profissionalismo e relacionamento, um comportamento
agradável e correcto.




     O vestuário e o vocabulário são práticos, directos e simples,
estando assim aptos a conviver com todo o tipo de clientes.


     Nesta empresa todos os regulamentos e documentação estão
em ordem, o organograma e posters, estão explícitos.




Estrutura Profunda:


      Com o passar do tempo, os conflitos interpessoais, a rebeldia, o
medo e desconforto, as empatias, etc., são inevitáveis.


      O funciono grama é aplicado conforme está no organograma,
cada elemento tem a sua principal função embora quando necessário
haja entreajuda dos outros elementos.




       8
TABELA DE ANALISE DA REALIDADE
                         E DO MEIO ENVOLVENTE




                                  ORGANOGRAMA




Sócio-gerente         Sócio-gerente   Sócio-gerente   Sócio-gerente


                9
Administrativo         Actividades     Recursos Materiais   Clientes




                              TABELA S.W.O.T.




       Pontos a considerar:


         •   Mercado


         •   Equipa técnica


         •   Produto




             10
Pontos fortes a diagnosticar:


     Mercado


        •   Satisfazer várias necessidades
        •   Uma alternativa viável
        •   Desenvolvimento de educação e formação
        •   Novidade


     Equipa técnica


       •    Profissionais qualificados
       •    Material adequado às necessidades
       •    Vontade de vencer
       •    Criatividade e imaginação
       •    Motivação
       •    Profundo conhecimento e envolvimento



      11
Produto


       •   Projecto-piloto no mercado
       •   Inovação e tecnologia
       •   Formação e emprego
       •   Vendável e útil
       •   Adequa-se a todas as faixas etárias
       •   Gosto pela novidade




Pontos Fracos a diagnosticar:


     Mercado


       •   Não aproveitamento das condições
       •   Falta de investimento
       •   Projecto que pode ser facilmente copiado


     Equipa Técnica


       •   Grupo heterogéneo


     Produtos


       •   Preço
       •   Falta de capacidade de resposta para todas as solicitações




      12
Oportunidades diagnosticadas


    Mercado


       •   Expansão
       •   Evolução
       •   Desenvolvimento


    Equipa Técnica


       •   Progressão na carreira
       •   Formação constante e actualizada


       •   Elevar a auto-estima e valorização pessoal
       •   Ideias inovadoras




     13
Produto


       •   Vontade de expandir e desenvolver o serviço
       •   Crescente dedicação




Ameaças diagnosticadas:


    Mercado


       •   Concorrência
       •   Desaproveitamento das oportunidades
       •   Não aprovação do projecto de intervenção proposto


    Equipa Técnica


       •   Desvalorização de competências de alguns elementos
       •   Divergência de ideias
       •   Surgimento de falta de vontade e motivação


    Produto




     14
•   Saturação no mercado de trabalho
    •   Rivalidade de grupos concorrentes
    •   Crise financeira




                           PROJECTO


Projecto “Ajudar terceiros” a desenvolver na Instituição
       Centro Social e Paroquial de Arões S. Romão.




  15
Resumo Analítico


      Segundo o Diagnóstico Social da Câmara Municipal de Fafe, as
principais necessidades do conselho baseiam-se no combate à
pobreza e exclusão social, para uma maior responsabilização das
autarquias locais neste âmbito e para o desenvolvimento de políticas
sociais activas, baseadas na responsabilização e mobilização do
conjunto da sociedade para o esforço de erradicação da pobreza e da
exclusão social.

      O Plano de Intervenção junto dos Idosos tem vindo a permitir a
realização de inúmeras actividades lúdicas e de lazer dedicadas aos
mais velhos do concelho.

      Este tipo de iniciativas permite a participação dos idosos ao
longo de todo o ano, de forma a mantê-los activos e integrados.



       16
Assim sendo, é neste sentido que direccionamos o nosso
projecto.




     Os idosos representam um conjunto cada vez mais numeroso
com problemas específicos. O nosso projecto vai de encontro às
necessidades e desejos da instituição.




     O Centro Social e Paroquial de Arões S. Romão, é uma IPSS
direccionada para os idosos da vila de Arões e arredores, dando apoio
e acolhimento, através do Apoio ao Domicílio, da Residência Sénior e
Centro de dia.




       17
INSTITUIÇÃO


                 Centro Social e Paroquial
                     de Arões S. Romão




 Problemas existentes:

        Falta de pessoal qualificado.
        Falta de material.
        Falta de uma sala polivalente.
        Grau elevado de dependência.




 Revisão bibliográfica:




   18
Gerontologia.
          Geriatria.
          Animação Sénior.
          Exigências que a segurança social faz para abrir uma
  IPSS.




 Definição de actividades:

          Musico terapia.
          Trabalhos manuais (artes plásticas).
          Formação do pessoal docente.
          Actividades físicas.




                ÁRVORE DOS PROBLEMAS




   19
Soluções
                 para a Árvore dos Problemas



1 Motivação


1.1- Angariação de Fundos.




1.2- Estabelecer redes de comunicação entre intervenientes.




1.1.1 - Qualificação do pessoal.




1.1.2 - Com a angariação das verbas passa a haver dinheiro e
      compra-se o material.




1.1.3 - Construção de uma nova sala.




1.2.1 - Motivação.




1.2.2 - União.


       20
1.2.3 – Diálogo.




1.2.4 - Dinâmicas de grupo.




                          DINÂMICA DE GRUPO


      Optamos por efectuar uma actividade que nos ajudasse a
reconhecer algumas das necessidades da equipa técnica da
instituição.


      Este jogo tem uma importância crucial. È usado para avaliar
objectivos em qualquer grupo de trabalho.


      Actividade proposta aos funcionários:


                         Levar a mal ou apreciar


Finalidade: Avaliação.
               Resolução de problemas.
               Expressão de sentimentos.
               Alicerçar a confiança.


Procedimento:
A - Forma-se uma roda. Cada pessoa faz uma afirmação que começa
por ”eu levo a mal que…” geralmente em relação ao trabalho que se
acabou de fazer, à experiência na turma ou no grupo.




       21
B – Repete-se a roda começando por ”eu aprecio …”


  C – Antes de começar, à que verificar se todos compreenderam o
  significado dos termos “a ninguém é permitido fazer comentários”.


                                INQUÉRITO
    Este inquérito será realizado no âmbito da formação profissional,
pelos formandos do curso de Animação Sócio cultural em Arões.
    Com objectivo de identificar algumas das necessidades dos utentes,
para servir de suporte para uma futura intervenção neste centro social.
Nome:
Idade:
Sexo:


         Por cada pergunta abaixo, faça um círculo no número à direita
que melhor se adequar à sua opinião sobre a importância do assunto.
Utilize a escala acima para corresponder a sua opinião.

                                     Escala de Importância
                                             Não    Sem
Pergunta                                                           Bastan
                                     Nada muit      opini   Sim
                                                                        te
                                              o       ão
Gosta de cá estar?                     1      2        3     4          5
O que mudava?                          1      2        3     4          5
Acompanhamento (técnicos)?             1      2        3     4          5
Qualidade de serviços?                 1      2        3     4          5
Qualidade de ambiente?                 1      2        3     4          5
Comunicação entre profissionais e
                                       1      2       3      4          5
utentes
O que gostaria de fazer?               1      2       3      4          5
Quais as actividades que mais
gosta?




          22
Anima Tu

                              Carla Henriques; Marco Araújo;
                                           Rosa Lopes; Vanessa




23
                                               Silva

                                 Ajudar Terceiros
                                                                  Como ocupa os seus tempos livres?




     Animação Sociocultural
PROJECTO
                        “AJUDAR TERCEIROS”



Projecto de Animação para a terceira idade

O propósito de iniciar este trabalho sobre o idoso é deixar um alerta
para todos em relação a este tema que é de grande importância e
valor.

Nós hoje somos o espelho daquilo que eles nos deram. Se não nos
deram algo mais, poderá ter sido por falta de meios financeiros ou de
infra-estruturas que na época eram bastante limitadas.

As alterações sociais ocorridas nas últimas décadas trouxeram com
elas algumas preocupações relativamente à população idosa, uma
vez que levaram à criação de novos valores, atitudes e posições
sociais que, de certa forma, entram em contradição com os valores e
tradições dos membros mais idosos da nossa sociedade.

Com      este   nosso   projecto,   pretendemos   proporcionar   variadas
actividades para os idosos, promovendo-lhes, em suma, o bem-estar
biopsicossocial.

Tendo em conta que um dia mais tarde estaremos no lugar deles




         24
Objectivos Gerais


       •      Promover a criatividade
       •      Promover a autonomia
       •      Proporcionar bem-estar físico e psicológico
       •      Promover relações interpessoais
       •      Promover a mobilidade
       •      Combater o sedentarismo




           Identificação dos recursos necessários


Recursos humanos:


       •      Animadores Socioculturais;
       •      Agentes de geriatria e equipa de coordenação.


Recursos materiais:


       •      Sala polivalente;
       •      Materiais didácticos;
       •      Recintos ao ar livre;
       •      Equipamentos de som;
       •      Instrumentos musicais.


Recursos Financeiros:
          •   Material para reciclar;
          •   Apoio do fundo europeu da segurança social destinado a
              IPSS.




     25
ACÇÕES A DESENVOLVER


                             1ª ACÇÃO
                       Dinâmicas e Jogos


                             1ª Actividade
                             Jogos lúdicos




                                             Jogo de cores




Objectivos específicos:
  •   Promover o espírito de equipa;
  •   Ocupação dos tempos livres;
  •   Promover o desenvolvimento cognitivo;
  •   Promover a diversão.


Recursos:
  •   Giz de cor;
  •   Papel;
  •   Lápis;
  •   Equipamento sonoro;
  •   Sala polivalente/espaço ao ar livre.


Tempo de duração:




       26
•   1 hora para preparação e 45 minutos de actividade (mediante o
      grau de dependência de cada idoso).
                              2ª Actividade
                              Artes plásticas




                                                Pintura
                                                Escultura




Objectivos específicos:


  •   Promover ocupação dos tempos livres;
  •   Promover o desenvolvimento cognitivo;
  •   Promover a diversão.


Recursos:


  •   Materiais de pintura;
  •   Vários tipos de papel;
  •   Pasta de moldar;
  •   Vários acessórios.


Tempo de duração:




       27
•   30 minutos para preparar e 1 hora para a actividade.


                                2ª ACÇÃO
                    Terapias e seus efeitos


                            1ª Actividade
                            Musicoterapia




                                Construção de Instrumentos
                                       Jogos musicais




Objectivos específicos:


  •   Despertar para os sentimentos;
  •   Promover a capacidade cognitiva;
  •   Promover a audição;
  •   Coordenação e equilíbrio.


Recursos:


  •   Material para reciclar;
  •   Equipamento sonoro;
  •   Faixas de áudio, digitais e analógicas.


Tempo de duração:




       28
•   30 minutos para preparação e 1 hora para desenvolver a
      actividade.


                           2ª Actividade
                         Actividades físicas




                                                 Bio Dança
                                               Thai Shi Shuan
                                               Relaxamento




Objectivos específicos:


  •   Promover a motricidade;
  •   Bem-estar e destreza física;
  •   Elevar a auto-confiança;
  •   O equilíbrio emocional.


Recursos:


  •   Equipamento de som;
  •   Colchões.


Tempo de duração:




       29
•   15 minutos para a preparação e 45 minutos para desenvolver a
      actividade.




                      DINÂMICA DE GRUPO


                    "Para quem tira o chapéu"




Objectivo: Estimular a autoestima


Materiais: um chapéu e um espelho


O espelho deve estar colado no fundo do chapéu.


Procedimento: O animador escolhe uma pessoa do grupo e pergunta
se ela tira o chapéu para a pessoa que ver e o porquê, sem dizer o
nome da pessoa. Pode ser feito em qualquer tamanho de grupo e o
animador deve fingir que trocou a foto do chapéu antes de chamar o
próximo participante. Fizemos com um grupo de idosos e alguns



       30
chegaram a se emocionar depois de dizer suas qualidades. Espero
que gostem!




                          AVALIAÇÃO




      A avaliação é um processo contínuo e constante em todo o
desenvolvimento do trabalho. Avaliar é confrontar num momento
determinado o que se conseguiu através das acções desenvolvidas,
com o que se pretendia ter alcançado de acordo com a planificação
antecedente. Medir os efeitos de um programa ou projecto por
comparação com as metas que se propôs alcançar, em vista a
contribuir para a tomada de decisões sobre o projecto e para
melhorar a programação futura. A avaliação será uma forma de
receber o feedback sobre as intervenções e programas que se
efectuam. Pretende-se que a avaliação tenha como objectivo principal
a   aprendizagem   e   desenvolvimento,   que   seja   formativa   e
participativa.

      A avaliação será um processo em que se recolhe e analisa
informação sobre um programa, actividade, intervenção, com a
intenção de utilizar esta avaliação para a melhora e desenvolvimento
do programa, actividade ou intervenção.

       O sentido da avaliação reside precisamente no facto de esta
ser utilizada para melhorar e tomar decisões em relação ao trabalho
realizado.




       31
A avaliação é importante principalmente porque será uma
forma de receber o feedback sobre as intervenções e programas que
se efectuam.

Pretende-se que a avaliação tenha como objectivo principal a
aprendizagem e desenvolvimento, que seja formativa e participativa.




     Durante a implementação deste projecto optaremos por uma
avaliação de tipo formativo que ocorre durante o desenrolar do
Projecto.
     A avaliação formativa ajuda os implicados no programa a
melhorar e ajustar constantemente as várias etapas do processo.
     O processo de avaliação deve ser participativo em todos os
momentos. Os dados de avaliação devem estar disponíveis para que
todos os implicados no programa possam fazer a sua própria análise.


Alguns dos pontos fulcrais a avaliar durante este projecto serão: O
nível de adesão ao projecto ou seja verificar se a população sentiu
necessidade e vontade de aderir a um projecto desta natureza, Será
importante ter noção do grau de satisfação e motivação de todos os
implicados no desenvolver do projecto. Verificando constantemente
as acções e opiniões dos intervenientes para ajustar sempre que
necessário o projecto ao desejado pelos mesmos. Assim como
verificar o grau de participação da comunidade envolvente, da sua
opinião e nível de valorização do trabalho desenvolvido.




       32
CONCLUSÃO


      Com a realização do nosso projecto chegámos a várias
conclusões importantes sobre a população idosa, que em seguida
vamos referir.
      Uma das conclusões a que chegámos é que a terceira idade tem
sofrido mudanças drásticas, pois os idosos na sociedade actual
tendem a ter um estatuto inferior ao que era costume nas culturas
pré-modernas. A analogia entre o envelhecimento e a sabedoria
deixou de fazer sentido, hoje em dia, o saber acumulado pelos
idosos, é visto pelas gerações mais novas como algo desactualizado.
Nas sociedades tradicionais, os mais velhos são valorizados pela sua
experiência de vida e saber são, portanto, úteis à sociedade e, como
tal, objecto de valorização. Já nas sociedades industrializadas têm um
estatuto inferior aos indivíduos mais novos porque, economicamente,
são menos importantes, entre outras coisas. Assim, podemos afirmar
que, na maioria das sociedades actuais, a população idosa tende a
tornar-se invisível e discriminada.
      Como o envelhecimento não é um fenómeno que seja sentido
por todos de forma idêntica, encontram-se enormes disparidades
entre os idosos, no que diz respeito aos recursos materiais e acesso
ao apoio emocional e cuidados de saúde. Estas disparidades afectam
a independência e o bem-estar da população idosa.


       33
Em suma achamos que o nosso projecto será uma mais-valia
para a instituição e população de Arões e arredores, assim como a
nossa empresa de animação sociocultural o será para população em
geral de todo este conselho.




Fontes:
- http://www.google.com
- http://www.cm-fafe.pt




- “Manual de Jogos educativos”
de Anna Brandes e Howard Phillips




      34

Mais conteúdo relacionado

Destaque

QuestõEs Importantes CóPia (2)
QuestõEs Importantes   CóPia (2)QuestõEs Importantes   CóPia (2)
QuestõEs Importantes CóPia (2)
mega
 
Fotos Instrumentos Reciclados marco araújo
Fotos Instrumentos Reciclados marco araújoFotos Instrumentos Reciclados marco araújo
Fotos Instrumentos Reciclados marco araújoguestaa9878
 
Decalogo M 32
Decalogo M 32Decalogo M 32
Decalogo M 32
mega
 
ReflexãO - M22 - Jogo dramático
ReflexãO - M22 - Jogo dramáticoReflexãO - M22 - Jogo dramático
ReflexãO - M22 - Jogo dramático
mega
 
ReflexãO Marco AraúJo
ReflexãO Marco AraúJoReflexãO Marco AraúJo
ReflexãO Marco AraúJo
guestaa9878
 
Ritmos & Blues
Ritmos & BluesRitmos & Blues
Ritmos & Blues
mega
 
M17 Marco Projecto Natal Solidario[1]
M17 Marco Projecto Natal Solidario[1]M17 Marco Projecto Natal Solidario[1]
M17 Marco Projecto Natal Solidario[1]
mega
 
M -14 PlanificaçãO Hidro
M -14 PlanificaçãO HidroM -14 PlanificaçãO Hidro
M -14 PlanificaçãO Hidro
mega
 
Logótipo escolhas 10 anos
Logótipo escolhas 10 anosLogótipo escolhas 10 anos
Logótipo escolhas 10 anos
mega
 
RelatóRio Casa Da MúSica M40
RelatóRio Casa Da MúSica M40RelatóRio Casa Da MúSica M40
RelatóRio Casa Da MúSica M40
mega
 
M 9 Escravidao Marco
M 9 Escravidao MarcoM 9 Escravidao Marco
M 9 Escravidao Marco
mega
 
Kuduro M27 – Corpo e simbolismo Marco
Kuduro M27 – Corpo e simbolismo MarcoKuduro M27 – Corpo e simbolismo Marco
Kuduro M27 – Corpo e simbolismo Marco
mega
 
Origem Blues
Origem BluesOrigem Blues
Origem Blues
mega
 
DramatizaçãO M 22 o Jogo Dramático Marco
DramatizaçãO M 22 o Jogo Dramático MarcoDramatizaçãO M 22 o Jogo Dramático Marco
DramatizaçãO M 22 o Jogo Dramático Marco
mega
 
M 17 Texto De Teatro Natal SolidáRio
M 17 Texto De Teatro Natal SolidáRioM 17 Texto De Teatro Natal SolidáRio
M 17 Texto De Teatro Natal SolidáRio
mega
 
ReflexãO Marco AraúJo
ReflexãO Marco AraúJoReflexãO Marco AraúJo
ReflexãO Marco AraúJo
mega
 
marco Oficio Natal Solidario
marco Oficio Natal Solidariomarco Oficio Natal Solidario
marco Oficio Natal Solidario
mega
 
O Jogo - M22 - Jogo dramático
O Jogo - M22 - Jogo dramáticoO Jogo - M22 - Jogo dramático
O Jogo - M22 - Jogo dramático
mega
 

Destaque (18)

QuestõEs Importantes CóPia (2)
QuestõEs Importantes   CóPia (2)QuestõEs Importantes   CóPia (2)
QuestõEs Importantes CóPia (2)
 
Fotos Instrumentos Reciclados marco araújo
Fotos Instrumentos Reciclados marco araújoFotos Instrumentos Reciclados marco araújo
Fotos Instrumentos Reciclados marco araújo
 
Decalogo M 32
Decalogo M 32Decalogo M 32
Decalogo M 32
 
ReflexãO - M22 - Jogo dramático
ReflexãO - M22 - Jogo dramáticoReflexãO - M22 - Jogo dramático
ReflexãO - M22 - Jogo dramático
 
ReflexãO Marco AraúJo
ReflexãO Marco AraúJoReflexãO Marco AraúJo
ReflexãO Marco AraúJo
 
Ritmos & Blues
Ritmos & BluesRitmos & Blues
Ritmos & Blues
 
M17 Marco Projecto Natal Solidario[1]
M17 Marco Projecto Natal Solidario[1]M17 Marco Projecto Natal Solidario[1]
M17 Marco Projecto Natal Solidario[1]
 
M -14 PlanificaçãO Hidro
M -14 PlanificaçãO HidroM -14 PlanificaçãO Hidro
M -14 PlanificaçãO Hidro
 
Logótipo escolhas 10 anos
Logótipo escolhas 10 anosLogótipo escolhas 10 anos
Logótipo escolhas 10 anos
 
RelatóRio Casa Da MúSica M40
RelatóRio Casa Da MúSica M40RelatóRio Casa Da MúSica M40
RelatóRio Casa Da MúSica M40
 
M 9 Escravidao Marco
M 9 Escravidao MarcoM 9 Escravidao Marco
M 9 Escravidao Marco
 
Kuduro M27 – Corpo e simbolismo Marco
Kuduro M27 – Corpo e simbolismo MarcoKuduro M27 – Corpo e simbolismo Marco
Kuduro M27 – Corpo e simbolismo Marco
 
Origem Blues
Origem BluesOrigem Blues
Origem Blues
 
DramatizaçãO M 22 o Jogo Dramático Marco
DramatizaçãO M 22 o Jogo Dramático MarcoDramatizaçãO M 22 o Jogo Dramático Marco
DramatizaçãO M 22 o Jogo Dramático Marco
 
M 17 Texto De Teatro Natal SolidáRio
M 17 Texto De Teatro Natal SolidáRioM 17 Texto De Teatro Natal SolidáRio
M 17 Texto De Teatro Natal SolidáRio
 
ReflexãO Marco AraúJo
ReflexãO Marco AraúJoReflexãO Marco AraúJo
ReflexãO Marco AraúJo
 
marco Oficio Natal Solidario
marco Oficio Natal Solidariomarco Oficio Natal Solidario
marco Oficio Natal Solidario
 
O Jogo - M22 - Jogo dramático
O Jogo - M22 - Jogo dramáticoO Jogo - M22 - Jogo dramático
O Jogo - M22 - Jogo dramático
 

Semelhante a M 37 Anima Tu

Projecto
ProjectoProjecto
Projecto
mega
 
Tiago Ferreira - Metodologias de ideação e criação de projetos
Tiago Ferreira  - Metodologias de ideação e criação de projetos Tiago Ferreira  - Metodologias de ideação e criação de projetos
Tiago Ferreira - Metodologias de ideação e criação de projetos
João Tàtá dos Anjos
 
Aula 10 post
Aula 10   postAula 10   post
Aula 10 post
josymariano
 
O Empreender nas Redes de Inovação
O Empreender nas Redes de InovaçãoO Empreender nas Redes de Inovação
O Empreender nas Redes de Inovação
Leonardo Lacerda
 
Portfolio Helder
Portfolio HelderPortfolio Helder
Portfolio Helder
Helder Rodrigues
 
empreendedorismo pelo IES
empreendedorismo pelo IESempreendedorismo pelo IES
Curso on-line com certificado gratuito: Competências, Habilidades, Atitudes, ...
Curso on-line com certificado gratuito: Competências, Habilidades, Atitudes, ...Curso on-line com certificado gratuito: Competências, Habilidades, Atitudes, ...
Curso on-line com certificado gratuito: Competências, Habilidades, Atitudes, ...
CVL - Centro Voluntário de Londrina
 
Prof. Vanderlei Bagnato - Universidade-Inovação e Empresa
Prof. Vanderlei Bagnato - Universidade-Inovação e EmpresaProf. Vanderlei Bagnato - Universidade-Inovação e Empresa
Prof. Vanderlei Bagnato - Universidade-Inovação e Empresa
auspin
 
c
cc
CHAVE para o Sucesso: Competências, Habilidades, Atitudes, Valores e Entorno...
CHAVE para o Sucesso: Competências, Habilidades,  Atitudes, Valores e Entorno...CHAVE para o Sucesso: Competências, Habilidades,  Atitudes, Valores e Entorno...
CHAVE para o Sucesso: Competências, Habilidades, Atitudes, Valores e Entorno...
CVL - Centro Voluntário de Londrina
 
Guião do trabalho de pesquisa (módulo 8)
Guião do trabalho de pesquisa (módulo 8)Guião do trabalho de pesquisa (módulo 8)
Guião do trabalho de pesquisa (módulo 8)
fqwefqwefwef
 
Workshop 1: Aprendizagem Baseada em Projetos: desafiar os alunos a aprender!
Workshop 1: Aprendizagem Baseada em Projetos: desafiar os alunos a aprender!Workshop 1: Aprendizagem Baseada em Projetos: desafiar os alunos a aprender!
Workshop 1: Aprendizagem Baseada em Projetos: desafiar os alunos a aprender!
Agrupamento de Escolas da Batalha
 
Workshop 2: Aprendizagem Baseada em Projetos: desafiar os alunos a aprender!
Workshop 2: Aprendizagem Baseada em Projetos: desafiar os alunos a aprender!Workshop 2: Aprendizagem Baseada em Projetos: desafiar os alunos a aprender!
Workshop 2: Aprendizagem Baseada em Projetos: desafiar os alunos a aprender!
Agrupamento de Escolas da Batalha
 
Livro design-thinking-business-innovation
Livro design-thinking-business-innovationLivro design-thinking-business-innovation
Livro design-thinking-business-innovation
Ilidio Mimiel
 
Marketing para o 3º Setor
Marketing para o 3º SetorMarketing para o 3º Setor
Marketing para o 3º Setor
Edson Carvalho
 
PPT session 2 16032013
PPT session 2 16032013PPT session 2 16032013
PPT session 2 16032013
PPT session 2 16032013PPT session 2 16032013
PPT session 2 16032013
Ministry of Education
 
Prof. Perussi - Aula Inaugural
Prof. Perussi - Aula InauguralProf. Perussi - Aula Inaugural
Prof. Perussi - Aula Inaugural
auspin
 
Apresentação C2i Observatório Inovação USP
Apresentação C2i Observatório Inovação USPApresentação C2i Observatório Inovação USP
Apresentação C2i Observatório Inovação USP
Ronald Martin Dauscha
 
Empreendedorismo LpRI (abril, 2017)
Empreendedorismo LpRI (abril, 2017)Empreendedorismo LpRI (abril, 2017)
Empreendedorismo LpRI (abril, 2017)
Vitor Gonçalves
 

Semelhante a M 37 Anima Tu (20)

Projecto
ProjectoProjecto
Projecto
 
Tiago Ferreira - Metodologias de ideação e criação de projetos
Tiago Ferreira  - Metodologias de ideação e criação de projetos Tiago Ferreira  - Metodologias de ideação e criação de projetos
Tiago Ferreira - Metodologias de ideação e criação de projetos
 
Aula 10 post
Aula 10   postAula 10   post
Aula 10 post
 
O Empreender nas Redes de Inovação
O Empreender nas Redes de InovaçãoO Empreender nas Redes de Inovação
O Empreender nas Redes de Inovação
 
Portfolio Helder
Portfolio HelderPortfolio Helder
Portfolio Helder
 
empreendedorismo pelo IES
empreendedorismo pelo IESempreendedorismo pelo IES
empreendedorismo pelo IES
 
Curso on-line com certificado gratuito: Competências, Habilidades, Atitudes, ...
Curso on-line com certificado gratuito: Competências, Habilidades, Atitudes, ...Curso on-line com certificado gratuito: Competências, Habilidades, Atitudes, ...
Curso on-line com certificado gratuito: Competências, Habilidades, Atitudes, ...
 
Prof. Vanderlei Bagnato - Universidade-Inovação e Empresa
Prof. Vanderlei Bagnato - Universidade-Inovação e EmpresaProf. Vanderlei Bagnato - Universidade-Inovação e Empresa
Prof. Vanderlei Bagnato - Universidade-Inovação e Empresa
 
c
cc
c
 
CHAVE para o Sucesso: Competências, Habilidades, Atitudes, Valores e Entorno...
CHAVE para o Sucesso: Competências, Habilidades,  Atitudes, Valores e Entorno...CHAVE para o Sucesso: Competências, Habilidades,  Atitudes, Valores e Entorno...
CHAVE para o Sucesso: Competências, Habilidades, Atitudes, Valores e Entorno...
 
Guião do trabalho de pesquisa (módulo 8)
Guião do trabalho de pesquisa (módulo 8)Guião do trabalho de pesquisa (módulo 8)
Guião do trabalho de pesquisa (módulo 8)
 
Workshop 1: Aprendizagem Baseada em Projetos: desafiar os alunos a aprender!
Workshop 1: Aprendizagem Baseada em Projetos: desafiar os alunos a aprender!Workshop 1: Aprendizagem Baseada em Projetos: desafiar os alunos a aprender!
Workshop 1: Aprendizagem Baseada em Projetos: desafiar os alunos a aprender!
 
Workshop 2: Aprendizagem Baseada em Projetos: desafiar os alunos a aprender!
Workshop 2: Aprendizagem Baseada em Projetos: desafiar os alunos a aprender!Workshop 2: Aprendizagem Baseada em Projetos: desafiar os alunos a aprender!
Workshop 2: Aprendizagem Baseada em Projetos: desafiar os alunos a aprender!
 
Livro design-thinking-business-innovation
Livro design-thinking-business-innovationLivro design-thinking-business-innovation
Livro design-thinking-business-innovation
 
Marketing para o 3º Setor
Marketing para o 3º SetorMarketing para o 3º Setor
Marketing para o 3º Setor
 
PPT session 2 16032013
PPT session 2 16032013PPT session 2 16032013
PPT session 2 16032013
 
PPT session 2 16032013
PPT session 2 16032013PPT session 2 16032013
PPT session 2 16032013
 
Prof. Perussi - Aula Inaugural
Prof. Perussi - Aula InauguralProf. Perussi - Aula Inaugural
Prof. Perussi - Aula Inaugural
 
Apresentação C2i Observatório Inovação USP
Apresentação C2i Observatório Inovação USPApresentação C2i Observatório Inovação USP
Apresentação C2i Observatório Inovação USP
 
Empreendedorismo LpRI (abril, 2017)
Empreendedorismo LpRI (abril, 2017)Empreendedorismo LpRI (abril, 2017)
Empreendedorismo LpRI (abril, 2017)
 

Mais de mega

Reflexão 2011 Marco
Reflexão 2011 MarcoReflexão 2011 Marco
Reflexão 2011 Marco
mega
 
Deasafio contame uma história
Deasafio contame uma históriaDeasafio contame uma história
Deasafio contame uma história
mega
 
Reflexão
ReflexãoReflexão
Reflexão
mega
 
Reflexão 13 Meses
Reflexão 13 MesesReflexão 13 Meses
Reflexão 13 Meses
mega
 
Logótipo escolhas 10 anos
Logótipo escolhas 10 anosLogótipo escolhas 10 anos
Logótipo escolhas 10 anos
mega
 
Ng5 Dr3 Marco
Ng5 Dr3 MarcoNg5 Dr3 Marco
Ng5 Dr3 Marco
mega
 
Cartaz As..Mudanca CLC Dr4Marco
Cartaz As..Mudanca CLC Dr4MarcoCartaz As..Mudanca CLC Dr4Marco
Cartaz As..Mudanca CLC Dr4Marco
mega
 
Mudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJo
Mudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJoMudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJo
Mudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJo
mega
 
ReflexãO Tic ingles marco
ReflexãO Tic ingles marcoReflexãO Tic ingles marco
ReflexãO Tic ingles marco
mega
 
Cv Template En Gb Marco
Cv Template En Gb MarcoCv Template En Gb Marco
Cv Template En Gb Marco
mega
 
CP-Convicção e Firmeza Ética-Dr4 Marco, Rosa, Vanessa E Carmo H
CP-Convicção e Firmeza Ética-Dr4  Marco, Rosa, Vanessa E Carmo HCP-Convicção e Firmeza Ética-Dr4  Marco, Rosa, Vanessa E Carmo H
CP-Convicção e Firmeza Ética-Dr4 Marco, Rosa, Vanessa E Carmo H
mega
 
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza ÉticaReflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
mega
 
Reflexao Dr2 CP CFE
Reflexao Dr2 CP CFEReflexao Dr2 CP CFE
Reflexao Dr2 CP CFE
mega
 
Ficha De Trabalho Dr2 CFE Marco
Ficha De Trabalho Dr2  CFE MarcoFicha De Trabalho Dr2  CFE Marco
Ficha De Trabalho Dr2 CFE Marco
mega
 
Guiao Filme Marco CP CFE Marco
Guiao Filme Marco CP CFE MarcoGuiao Filme Marco CP CFE Marco
Guiao Filme Marco CP CFE Marco
mega
 
Ficha1 Cp convicçao e firmeza ectica Marco
Ficha1 Cp convicçao e firmeza ectica MarcoFicha1 Cp convicçao e firmeza ectica Marco
Ficha1 Cp convicçao e firmeza ectica Marco
mega
 
CP DR2 Convicçao e firmeza Marco
CP DR2 Convicçao e firmeza MarcoCP DR2 Convicçao e firmeza Marco
CP DR2 Convicçao e firmeza Marco
mega
 
ReflexãO Dr3 Stc
ReflexãO Dr3 StcReflexãO Dr3 Stc
ReflexãO Dr3 Stc
mega
 
Dr3 Tecnologia Ciencia
Dr3 Tecnologia CienciaDr3 Tecnologia Ciencia
Dr3 Tecnologia Ciencia
mega
 

Mais de mega (19)

Reflexão 2011 Marco
Reflexão 2011 MarcoReflexão 2011 Marco
Reflexão 2011 Marco
 
Deasafio contame uma história
Deasafio contame uma históriaDeasafio contame uma história
Deasafio contame uma história
 
Reflexão
ReflexãoReflexão
Reflexão
 
Reflexão 13 Meses
Reflexão 13 MesesReflexão 13 Meses
Reflexão 13 Meses
 
Logótipo escolhas 10 anos
Logótipo escolhas 10 anosLogótipo escolhas 10 anos
Logótipo escolhas 10 anos
 
Ng5 Dr3 Marco
Ng5 Dr3 MarcoNg5 Dr3 Marco
Ng5 Dr3 Marco
 
Cartaz As..Mudanca CLC Dr4Marco
Cartaz As..Mudanca CLC Dr4MarcoCartaz As..Mudanca CLC Dr4Marco
Cartaz As..Mudanca CLC Dr4Marco
 
Mudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJo
Mudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJoMudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJo
Mudam Se Os Tempos Dr4 Marco AraúJo
 
ReflexãO Tic ingles marco
ReflexãO Tic ingles marcoReflexãO Tic ingles marco
ReflexãO Tic ingles marco
 
Cv Template En Gb Marco
Cv Template En Gb MarcoCv Template En Gb Marco
Cv Template En Gb Marco
 
CP-Convicção e Firmeza Ética-Dr4 Marco, Rosa, Vanessa E Carmo H
CP-Convicção e Firmeza Ética-Dr4  Marco, Rosa, Vanessa E Carmo HCP-Convicção e Firmeza Ética-Dr4  Marco, Rosa, Vanessa E Carmo H
CP-Convicção e Firmeza Ética-Dr4 Marco, Rosa, Vanessa E Carmo H
 
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza ÉticaReflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
 
Reflexao Dr2 CP CFE
Reflexao Dr2 CP CFEReflexao Dr2 CP CFE
Reflexao Dr2 CP CFE
 
Ficha De Trabalho Dr2 CFE Marco
Ficha De Trabalho Dr2  CFE MarcoFicha De Trabalho Dr2  CFE Marco
Ficha De Trabalho Dr2 CFE Marco
 
Guiao Filme Marco CP CFE Marco
Guiao Filme Marco CP CFE MarcoGuiao Filme Marco CP CFE Marco
Guiao Filme Marco CP CFE Marco
 
Ficha1 Cp convicçao e firmeza ectica Marco
Ficha1 Cp convicçao e firmeza ectica MarcoFicha1 Cp convicçao e firmeza ectica Marco
Ficha1 Cp convicçao e firmeza ectica Marco
 
CP DR2 Convicçao e firmeza Marco
CP DR2 Convicçao e firmeza MarcoCP DR2 Convicçao e firmeza Marco
CP DR2 Convicçao e firmeza Marco
 
ReflexãO Dr3 Stc
ReflexãO Dr3 StcReflexãO Dr3 Stc
ReflexãO Dr3 Stc
 
Dr3 Tecnologia Ciencia
Dr3 Tecnologia CienciaDr3 Tecnologia Ciencia
Dr3 Tecnologia Ciencia
 

M 37 Anima Tu

  • 1.
  • 2. Anima Tu Empresa de Animação Sociocultural Carla Henriques; Marco Araújo; Rosa Lopes; Vanessa Silva 2009 Curso de Animação Sociocultural Projecto de Animação Sociocultural – Implementação/Avaliação Formadora – Elisabete Queirós 2
  • 3. ÍNDICE Contextualização da empresa 04 Introdução ao trabalho 06 Análise da realidade à empresa 07 Iceberg Tabela de análise da realidade e do meio envolvente 09 Organogramas 10 Tabela S.W.O.T. 11 Projecto 16 Resumo Analítico 17 Introdução ao projecto 18 Instituição 19 Árvore dos Problemas 20 Solução para a Árvore dos Problemas 21 Dinâmica de grupo – “Levar a mal ou apreciar” 22 Inquérito 23 “Ajudar Terceiros” – Apresentação 24 Introdução ao projecto “Ajudar Terceiros” 25 Objectivos gerais 26 Identificação dos recursos necessários Acções a Desenvolver 27 1ª Acção – Dinâmica e jogos 1ª Actividade – Jogos lúdicos 2ª Actividade – Artes plásticas 28 2ª Acção – Terapias e seus efeitos 29 1ª Actividade – Musicoterapia 2ª Actividade – Actividade física 30 Dinâmica de grupo – “Para quem tira o chapéu” 31 Avaliação 32 Conclusão 34 Fontes 35 3
  • 4. CONTEXTUALIZAÇÃO A norte de Portugal Continental, situa-se Fafe. É uma cidade que pertence ao distrito de Braga, dividida em 36 freguesias, com 220 Km2 de área, com cerca de 52 mil habitantes. A maioria da população activa trabalha na indústria, no comércio e na agricultura. 4
  • 5. Neste concelho encontramos a Vila de Arões, situada a oeste de Fafe, às portas do conselho de Guimarães, com 6,37 km² de área e 3 258 habitantes (2001). Densidade: 511,5 hab/km². Arões São Romão é actualmente uma freguesia eminentemente industrial, sendo a têxtil o seu principal sector. Na área dos mármores e das bloqueiras também possui um forte incremento e, na área agrícola, especial destaque para a produção de vinho, do qual se destaca o da Quinta da Naíde, que já por diversas vezes foi premiado Tem ainda uma forte componente de mão-de-obra na área da construção civil e no comércio. A sua via estruturante principal é a EN 206 que liga Fafe a Guimarães e está a ser preparado o projecto pelo IEP para a construção do Nó de Arões para permitir o acesso à EN 101 e 206/Ligação da Circular de Guimarães à Variante de Fafe. 5
  • 6. O nosso trabalho está divido em 3 fases. No âmbito dos módulos de Animação Sociocultural - Contextos Práticas, Projecto Animação Sociocultural – Implementação e Projecto Animação Sociocultural – Avaliação, do curso de formação de Animação Sociocultural, foi-nos solicitado a criação de um projecto na área da animação. Neste caso nós criamos uma empresa fictícia, a qual presta serviços na área, elaborando projectos para diversas instituições. Empresa criada para colmatar algumas carências sociais da população em geral, mais direccionada para grupos problemáticos, crianças, jovens, adultos e idosos. Neste sentido, elaboramos um projecto “Ajudar terceiros”, com o intuito de o apresentar na instituição estudada. 6
  • 7. Abaixo descrevemos uma analise da realidade à nossa empresa, Anima Tu, com o intuito de detectar alguma falha ou erro a corrigir, para que a funcionalidade da empresa seja sempre o mais perfeita possível. Empresa: ANIMATU ICEBERG Analise Institucional Estrutura Superficial: O aspecto arquitectónico na nossa empresa não é muito importante, visto que 90% do nosso trabalho é feito nas instalações do cliente. A nível de instalações administrativas, a qualidade do equipamento é boa a todos os níveis. 7
  • 8. O comportamento da nossa equipa técnica é excelente a nível de interacção, profissionalismo e relacionamento, um comportamento agradável e correcto. O vestuário e o vocabulário são práticos, directos e simples, estando assim aptos a conviver com todo o tipo de clientes. Nesta empresa todos os regulamentos e documentação estão em ordem, o organograma e posters, estão explícitos. Estrutura Profunda: Com o passar do tempo, os conflitos interpessoais, a rebeldia, o medo e desconforto, as empatias, etc., são inevitáveis. O funciono grama é aplicado conforme está no organograma, cada elemento tem a sua principal função embora quando necessário haja entreajuda dos outros elementos. 8
  • 9. TABELA DE ANALISE DA REALIDADE E DO MEIO ENVOLVENTE ORGANOGRAMA Sócio-gerente Sócio-gerente Sócio-gerente Sócio-gerente 9
  • 10. Administrativo Actividades Recursos Materiais Clientes TABELA S.W.O.T. Pontos a considerar: • Mercado • Equipa técnica • Produto 10
  • 11. Pontos fortes a diagnosticar: Mercado • Satisfazer várias necessidades • Uma alternativa viável • Desenvolvimento de educação e formação • Novidade Equipa técnica • Profissionais qualificados • Material adequado às necessidades • Vontade de vencer • Criatividade e imaginação • Motivação • Profundo conhecimento e envolvimento 11
  • 12. Produto • Projecto-piloto no mercado • Inovação e tecnologia • Formação e emprego • Vendável e útil • Adequa-se a todas as faixas etárias • Gosto pela novidade Pontos Fracos a diagnosticar: Mercado • Não aproveitamento das condições • Falta de investimento • Projecto que pode ser facilmente copiado Equipa Técnica • Grupo heterogéneo Produtos • Preço • Falta de capacidade de resposta para todas as solicitações 12
  • 13. Oportunidades diagnosticadas Mercado • Expansão • Evolução • Desenvolvimento Equipa Técnica • Progressão na carreira • Formação constante e actualizada • Elevar a auto-estima e valorização pessoal • Ideias inovadoras 13
  • 14. Produto • Vontade de expandir e desenvolver o serviço • Crescente dedicação Ameaças diagnosticadas: Mercado • Concorrência • Desaproveitamento das oportunidades • Não aprovação do projecto de intervenção proposto Equipa Técnica • Desvalorização de competências de alguns elementos • Divergência de ideias • Surgimento de falta de vontade e motivação Produto 14
  • 15. Saturação no mercado de trabalho • Rivalidade de grupos concorrentes • Crise financeira PROJECTO Projecto “Ajudar terceiros” a desenvolver na Instituição Centro Social e Paroquial de Arões S. Romão. 15
  • 16. Resumo Analítico Segundo o Diagnóstico Social da Câmara Municipal de Fafe, as principais necessidades do conselho baseiam-se no combate à pobreza e exclusão social, para uma maior responsabilização das autarquias locais neste âmbito e para o desenvolvimento de políticas sociais activas, baseadas na responsabilização e mobilização do conjunto da sociedade para o esforço de erradicação da pobreza e da exclusão social. O Plano de Intervenção junto dos Idosos tem vindo a permitir a realização de inúmeras actividades lúdicas e de lazer dedicadas aos mais velhos do concelho. Este tipo de iniciativas permite a participação dos idosos ao longo de todo o ano, de forma a mantê-los activos e integrados. 16
  • 17. Assim sendo, é neste sentido que direccionamos o nosso projecto. Os idosos representam um conjunto cada vez mais numeroso com problemas específicos. O nosso projecto vai de encontro às necessidades e desejos da instituição. O Centro Social e Paroquial de Arões S. Romão, é uma IPSS direccionada para os idosos da vila de Arões e arredores, dando apoio e acolhimento, através do Apoio ao Domicílio, da Residência Sénior e Centro de dia. 17
  • 18. INSTITUIÇÃO Centro Social e Paroquial de Arões S. Romão  Problemas existentes: Falta de pessoal qualificado. Falta de material. Falta de uma sala polivalente. Grau elevado de dependência.  Revisão bibliográfica: 18
  • 19. Gerontologia. Geriatria. Animação Sénior. Exigências que a segurança social faz para abrir uma IPSS.  Definição de actividades: Musico terapia. Trabalhos manuais (artes plásticas). Formação do pessoal docente. Actividades físicas. ÁRVORE DOS PROBLEMAS 19
  • 20. Soluções para a Árvore dos Problemas 1 Motivação 1.1- Angariação de Fundos. 1.2- Estabelecer redes de comunicação entre intervenientes. 1.1.1 - Qualificação do pessoal. 1.1.2 - Com a angariação das verbas passa a haver dinheiro e compra-se o material. 1.1.3 - Construção de uma nova sala. 1.2.1 - Motivação. 1.2.2 - União. 20
  • 21. 1.2.3 – Diálogo. 1.2.4 - Dinâmicas de grupo. DINÂMICA DE GRUPO Optamos por efectuar uma actividade que nos ajudasse a reconhecer algumas das necessidades da equipa técnica da instituição. Este jogo tem uma importância crucial. È usado para avaliar objectivos em qualquer grupo de trabalho. Actividade proposta aos funcionários: Levar a mal ou apreciar Finalidade: Avaliação. Resolução de problemas. Expressão de sentimentos. Alicerçar a confiança. Procedimento: A - Forma-se uma roda. Cada pessoa faz uma afirmação que começa por ”eu levo a mal que…” geralmente em relação ao trabalho que se acabou de fazer, à experiência na turma ou no grupo. 21
  • 22. B – Repete-se a roda começando por ”eu aprecio …” C – Antes de começar, à que verificar se todos compreenderam o significado dos termos “a ninguém é permitido fazer comentários”. INQUÉRITO Este inquérito será realizado no âmbito da formação profissional, pelos formandos do curso de Animação Sócio cultural em Arões. Com objectivo de identificar algumas das necessidades dos utentes, para servir de suporte para uma futura intervenção neste centro social. Nome: Idade: Sexo: Por cada pergunta abaixo, faça um círculo no número à direita que melhor se adequar à sua opinião sobre a importância do assunto. Utilize a escala acima para corresponder a sua opinião. Escala de Importância Não Sem Pergunta Bastan Nada muit opini Sim te o ão Gosta de cá estar? 1 2 3 4 5 O que mudava? 1 2 3 4 5 Acompanhamento (técnicos)? 1 2 3 4 5 Qualidade de serviços? 1 2 3 4 5 Qualidade de ambiente? 1 2 3 4 5 Comunicação entre profissionais e 1 2 3 4 5 utentes O que gostaria de fazer? 1 2 3 4 5 Quais as actividades que mais gosta? 22
  • 23. Anima Tu Carla Henriques; Marco Araújo; Rosa Lopes; Vanessa 23 Silva Ajudar Terceiros Como ocupa os seus tempos livres? Animação Sociocultural
  • 24. PROJECTO “AJUDAR TERCEIROS” Projecto de Animação para a terceira idade O propósito de iniciar este trabalho sobre o idoso é deixar um alerta para todos em relação a este tema que é de grande importância e valor. Nós hoje somos o espelho daquilo que eles nos deram. Se não nos deram algo mais, poderá ter sido por falta de meios financeiros ou de infra-estruturas que na época eram bastante limitadas. As alterações sociais ocorridas nas últimas décadas trouxeram com elas algumas preocupações relativamente à população idosa, uma vez que levaram à criação de novos valores, atitudes e posições sociais que, de certa forma, entram em contradição com os valores e tradições dos membros mais idosos da nossa sociedade. Com este nosso projecto, pretendemos proporcionar variadas actividades para os idosos, promovendo-lhes, em suma, o bem-estar biopsicossocial. Tendo em conta que um dia mais tarde estaremos no lugar deles 24
  • 25. Objectivos Gerais • Promover a criatividade • Promover a autonomia • Proporcionar bem-estar físico e psicológico • Promover relações interpessoais • Promover a mobilidade • Combater o sedentarismo Identificação dos recursos necessários Recursos humanos: • Animadores Socioculturais; • Agentes de geriatria e equipa de coordenação. Recursos materiais: • Sala polivalente; • Materiais didácticos; • Recintos ao ar livre; • Equipamentos de som; • Instrumentos musicais. Recursos Financeiros: • Material para reciclar; • Apoio do fundo europeu da segurança social destinado a IPSS. 25
  • 26. ACÇÕES A DESENVOLVER 1ª ACÇÃO Dinâmicas e Jogos 1ª Actividade Jogos lúdicos Jogo de cores Objectivos específicos: • Promover o espírito de equipa; • Ocupação dos tempos livres; • Promover o desenvolvimento cognitivo; • Promover a diversão. Recursos: • Giz de cor; • Papel; • Lápis; • Equipamento sonoro; • Sala polivalente/espaço ao ar livre. Tempo de duração: 26
  • 27. 1 hora para preparação e 45 minutos de actividade (mediante o grau de dependência de cada idoso). 2ª Actividade Artes plásticas Pintura Escultura Objectivos específicos: • Promover ocupação dos tempos livres; • Promover o desenvolvimento cognitivo; • Promover a diversão. Recursos: • Materiais de pintura; • Vários tipos de papel; • Pasta de moldar; • Vários acessórios. Tempo de duração: 27
  • 28. 30 minutos para preparar e 1 hora para a actividade. 2ª ACÇÃO Terapias e seus efeitos 1ª Actividade Musicoterapia Construção de Instrumentos Jogos musicais Objectivos específicos: • Despertar para os sentimentos; • Promover a capacidade cognitiva; • Promover a audição; • Coordenação e equilíbrio. Recursos: • Material para reciclar; • Equipamento sonoro; • Faixas de áudio, digitais e analógicas. Tempo de duração: 28
  • 29. 30 minutos para preparação e 1 hora para desenvolver a actividade. 2ª Actividade Actividades físicas Bio Dança Thai Shi Shuan Relaxamento Objectivos específicos: • Promover a motricidade; • Bem-estar e destreza física; • Elevar a auto-confiança; • O equilíbrio emocional. Recursos: • Equipamento de som; • Colchões. Tempo de duração: 29
  • 30. 15 minutos para a preparação e 45 minutos para desenvolver a actividade. DINÂMICA DE GRUPO "Para quem tira o chapéu" Objectivo: Estimular a autoestima Materiais: um chapéu e um espelho O espelho deve estar colado no fundo do chapéu. Procedimento: O animador escolhe uma pessoa do grupo e pergunta se ela tira o chapéu para a pessoa que ver e o porquê, sem dizer o nome da pessoa. Pode ser feito em qualquer tamanho de grupo e o animador deve fingir que trocou a foto do chapéu antes de chamar o próximo participante. Fizemos com um grupo de idosos e alguns 30
  • 31. chegaram a se emocionar depois de dizer suas qualidades. Espero que gostem! AVALIAÇÃO A avaliação é um processo contínuo e constante em todo o desenvolvimento do trabalho. Avaliar é confrontar num momento determinado o que se conseguiu através das acções desenvolvidas, com o que se pretendia ter alcançado de acordo com a planificação antecedente. Medir os efeitos de um programa ou projecto por comparação com as metas que se propôs alcançar, em vista a contribuir para a tomada de decisões sobre o projecto e para melhorar a programação futura. A avaliação será uma forma de receber o feedback sobre as intervenções e programas que se efectuam. Pretende-se que a avaliação tenha como objectivo principal a aprendizagem e desenvolvimento, que seja formativa e participativa. A avaliação será um processo em que se recolhe e analisa informação sobre um programa, actividade, intervenção, com a intenção de utilizar esta avaliação para a melhora e desenvolvimento do programa, actividade ou intervenção. O sentido da avaliação reside precisamente no facto de esta ser utilizada para melhorar e tomar decisões em relação ao trabalho realizado. 31
  • 32. A avaliação é importante principalmente porque será uma forma de receber o feedback sobre as intervenções e programas que se efectuam. Pretende-se que a avaliação tenha como objectivo principal a aprendizagem e desenvolvimento, que seja formativa e participativa. Durante a implementação deste projecto optaremos por uma avaliação de tipo formativo que ocorre durante o desenrolar do Projecto. A avaliação formativa ajuda os implicados no programa a melhorar e ajustar constantemente as várias etapas do processo. O processo de avaliação deve ser participativo em todos os momentos. Os dados de avaliação devem estar disponíveis para que todos os implicados no programa possam fazer a sua própria análise. Alguns dos pontos fulcrais a avaliar durante este projecto serão: O nível de adesão ao projecto ou seja verificar se a população sentiu necessidade e vontade de aderir a um projecto desta natureza, Será importante ter noção do grau de satisfação e motivação de todos os implicados no desenvolver do projecto. Verificando constantemente as acções e opiniões dos intervenientes para ajustar sempre que necessário o projecto ao desejado pelos mesmos. Assim como verificar o grau de participação da comunidade envolvente, da sua opinião e nível de valorização do trabalho desenvolvido. 32
  • 33. CONCLUSÃO Com a realização do nosso projecto chegámos a várias conclusões importantes sobre a população idosa, que em seguida vamos referir. Uma das conclusões a que chegámos é que a terceira idade tem sofrido mudanças drásticas, pois os idosos na sociedade actual tendem a ter um estatuto inferior ao que era costume nas culturas pré-modernas. A analogia entre o envelhecimento e a sabedoria deixou de fazer sentido, hoje em dia, o saber acumulado pelos idosos, é visto pelas gerações mais novas como algo desactualizado. Nas sociedades tradicionais, os mais velhos são valorizados pela sua experiência de vida e saber são, portanto, úteis à sociedade e, como tal, objecto de valorização. Já nas sociedades industrializadas têm um estatuto inferior aos indivíduos mais novos porque, economicamente, são menos importantes, entre outras coisas. Assim, podemos afirmar que, na maioria das sociedades actuais, a população idosa tende a tornar-se invisível e discriminada. Como o envelhecimento não é um fenómeno que seja sentido por todos de forma idêntica, encontram-se enormes disparidades entre os idosos, no que diz respeito aos recursos materiais e acesso ao apoio emocional e cuidados de saúde. Estas disparidades afectam a independência e o bem-estar da população idosa. 33
  • 34. Em suma achamos que o nosso projecto será uma mais-valia para a instituição e população de Arões e arredores, assim como a nossa empresa de animação sociocultural o será para população em geral de todo este conselho. Fontes: - http://www.google.com - http://www.cm-fafe.pt - “Manual de Jogos educativos” de Anna Brandes e Howard Phillips 34