SlideShare uma empresa Scribd logo
10 | 24 MAI 2013 | SEXTA-FEIRA
Entrevista
Rui Cunha
Diário de Aveiro: Em algu-
mascidades,comoBragaou
Coimbra,movimentosdeci-
dadãosirãoapresentarcan-
didaturasnaspróximaselei-
çõesautárquicas.EmAveiro,
o grupo Amigos d’Avenida
alguma vez pensou nessa
possibilidade?
José Carlos Mota: O colec-
tivo Amigos d’Avenida surgiu
ecresceucomamotivaçãode
mobilizar os cidadãos a parti-
ciparnasdecisõesqueimpor-
tamaofuturodacidadeepara
chamaraatençãoparaofacto
deosistemapolítico,talcomo
funciona actualmente, nem
sempre defender o interesse
colectivo. Em condições nor-
mais, os movimentos cívicos
não devem substituir-se aos
partidoseassumircandidatu-
ras,masdevemcontribuirpara
queospartidosescolhambons
candidatos, produzam ideias
úteiserelevantesparaofuturo
do concelho e não ouçam os
cidadãossódequatroemqua-
tro anos. Contudo, o movi-
mento continuará atento à
forma como o sistema polí-
tico-partidário responde às
suasresponsabilidades.
O vosso movimento tencio-
na tomar partido nas elei-
çõesdesteano?
Nãofazsentidoquecolectivos
pluraiseconstruídosemtorno
de causas tomem partido em
eleições.Issonãoinvalidaque,
individualmente, cada mem-
brodocolectivoexerçaosseus
direitosdecidadania.
Como avalia a evolução do
movimento ao longo dos
anos?
Nos últimos cinco anos, os
Amigosd’Avenidaeoutrosco-
lectivos informais dinamiza-
ram iniciativas de reflexão so-
bre a Praça Melo Freitas, Par-
que da Sustentabilidade, Ave-
nida, Alboi, ponte pedonal e a
concessãodoestacionamento.
Mobilizarammilharesdecida-
dãos, organizaram dezenas de
eventos e produziram múlti-
plas tomadas de posição pú-
blica. Isto sem qualquer for-
malizaçãolegalecombaseem
trabalho voluntário. O que
mostra que, ao contrário do
quesediz,oscidadãospartici-
pamquandosãodevidamente
envolvidos. A forma como os
cidadãos aderiram crescente-
mente às iniciativas mostra
que as pessoas se identificam
comascausasecomosméto-
dos.Eissodeveserummotivo
de orgulho para todos os que
participam nestas dinâmicas
cívicas.
Omovimentopareceterper-
dido alguma da sua capaci-
dadedeintervençãopública.
Concorda com esta avalia-
ção?
Em parte. Mas isso decorreu
do facto de terem surgido ou-
tras dinâmicas cívicas nas
quais os membros do movi-
mento se envolveram. Isso
permitiu que cada iniciativa
gerasseumcolectivoinformal
específico sem estar compro-
metidocomcausasanteriores.
Admito que a dispersão tenha
retirado alguma eficácia na
imagempública,masjulgoque
seganhouemmobilizaçãodos
cidadãos.
Numa anterior entre-
vista ao Diário de
Aveiro disse o se-
guinte: “Vivemos
numa cidade que
não tem uma tradi-
ção muito forte de
discussão sobre a
transformação da ci-
dade”. Acha que a si-
tuação mudou e que
os Amigos d’Avenida
contribuíram para
essedebatesobreaci-
dade?
A forte mobilização em
tornodadiscussãodacidade,
dos seus problemas e das de-
cisões autárquicas é um sinal
demudançaquedevemosce-
lebrar e cuidar. A postura não
se traduz numa mera crítica,
mas na produção de opinião
técnica fundamentada, dispo-
nibilizadapublicamente,cons-
truída de forma colectiva, em
grupos de dezenas de cida-
dãos.Oambientequesesente
nos encontros públicos é de
“Os cidadãos participam
Civismo José Carlos Mota tem sido o principal rosto do movimento
cívico Amigos d’Avenida, que promete manter-se “atento à forma como
o sistema político-partidário responde às suas responsabilidades”
genuínadefesadointeresseco-
lectivo.Acontecequeestasmu-
danças de comportamentos
sãolentasereversíveis.Exigem
persistênciaetransparênciade
processos. É um trabalho de
permanente construção da
nossa comunidade, que tem
de convocar todos os inte-
ressados.
Nessaentrevistadisseainda
que “os partidos políticos
não desenvolvem o seu pa-
pel, que é discutir e reflectir
sobre as políticas mais ade-
quadas para a cidade”. Con-
tinuaamanteressaopinião?
Julgoquesim.Ospartidostêm
deprocurarrecuperarasuare-
lação com os eleitores, que
não podem ser cha-
mados ape-
nas em
SEXTA-FEIRA | 24 MAI 2013 | 11
Entrevista
debaterpublicamenteumade-
cisãoquecomprometeofuturo
dacidadepormaisde50anos,
a concessão do estaciona-
mento. Esperamos que no fu-
turo sejam criadas condições
pararetomarmosoprojecto.
O actual mandato autárqui-
co está no fim. Que balanço
faz da governação de Élio
Maia?
Sinto que Aveiro perdeu o
rumonestesúltimosanos.Es-
tou em Aveiro há 30 anos. Os
mandatos dos drs. Girão Pe-
reira e Alberto Souto abriram
novos horizontes para a ci-
dade,ligaramAveirocomaEu-
ropa e o mundo, tornaram a
cidadenumareferência,bene-
ficiando do desenvolvimento
da Universidade. Estranha-
mente, nestes últimos anos o
rumodeAveirotornou-secon-
fuso.Repare:aregeneraçãoda
Avenida foi lançada em 2008
como uma prioridade e logo
abandonada com o surgi-
mentodoParquedaSustenta-
bilidade. Depois de retomado,
e com um projecto aparente-
mente pronto para ser imple-
mentado, surge uma nova de-
cisão – a concessão do esta-
cionamento–queocontraria,
o que levou o autor do es-
tudo da Avenida a tomar
uma posição pública.
Outro exemplo: a
construçãodapon-
tepedonaldoCanal
Central foi inter-
rompidacomoar-
gumento de que
era importante
procurarumcon-
senso mais alar-
gado.
Aconcessão do es-
tacionamentofoire-
jeitada por todos os
partidos na Assem-
bleiaMunicipalemes-
mo assim o Executivo
insiste na proposta. Nes-
tecasooconsensojánãoé
necessário?
Aveiro precisa de um rumo
claro e mobilizador da comu-
nidade.Ainsistênciaemopções
de utilidade duvidosa e de re-
levância discutível gerou uma
controvérsiaqueconsumiude-
masiadaenergia.
Éprecisoumnovociclonore-
lacionamentoentrecidadãose
eleitos.|
quando são envolvidos”
“Liderar
sem impor”
Quais os principais pro-
blemasqueidentificaem
Aveiroequedeverãome-
recer especial atenção
nospróximosanos?
Primeiro um desafio de
postura. Vamos ter que
gerir melhor os recur-
sos, além dos financei-
ros. Temos de aprender
a valorizar em particu-
lar os recursos que nos
ajudem a responder a
necessidades colectivas
e o conhecimento é um
deles. Isso exige lideran-
ças diferentes, porque
vão ter de mobilizar, de
construir colectiva-
mente, de liderar sem
impor. Infelizmente não
temos muita tradição
destas práticas em Por-
tugal. Segundo, um de-
safio de agenda, na qual
destaco a regeneração
do centro da cidade e
centros das freguesias.
Aqui o esforço tem de ir
para além da interven-
ção tradicional de re-
qualificação do espaço
público, procurando
atrair novas funções e
vivências, em particular
para os edifícios devolu-
tos, através de diálogo
com proprietários, de
procura de regimes que
estimulem a sua ocupa-
ção (aAssociação Co-
mercial está a fazer um
trabalho interessante).
Algumas dessas funções
podem ser encontradas
no apoio ao empreende-
dorismo urbano, que es-
timule a atracção e fixa-
ção de actividades e in-
vestigação aplicada no
design, artes, tecnolo-
gias, materiais e gestão
do território, que res-
ponda a necessidades
das comunidades e visi-
tantes.Aveiro pode ser
um laboratório de expe-
rimentação de novos
produtos e serviços que
visem a exportação,
contribuindo, ao mesmo
tempo, para a sua rege-
neração.|
períodopré-eleitoral.Ecomal-
gumas excepções, são poucas
as iniciativas de reflexão, de
aprofundamentodadiscussão
com envolvimento dos cida-
dãos. Por outro lado, julgo
que o regimento da As-
sembleia Municipal de-
veria ser revisto, para
facilitaroaprofunda-
mentodessarelação.
A vossa relação
com a Câmara
sempre pareceu
muito tensa. Não
conseguiramencon-
trar pontes de diá-
logo com os deciso-
respolíticos?
Foram feitos vários es-
forços sem sucesso.
Houve vários en-
contros, alargados e mais res-
tritos, onde foram lançadas
pontes, deixados desafios...To-
dososdocumentosproduzidos,
algumas dezenas, foram todos
remetidosaoExecutivo.Nunca
obtivemos qualquer resposta.
Mesmo assim, o movimento
entendeuapresentarumapro-
postaaoOrçamentoParticipa-
tivo,quefoiconstruídoemco-
laboraçãocomosserviçostéc-
nicosdaautarquia,numtraba-
lho de grande comunhão. O
projectovisavacriarumgrupo
técnico-cívicoqueiriatrabalhar
com uma comunidade para
produzir um conjunto de pro-
postasdebaixocustoealtoim-
pacto. Identificámos a Rua Di-
reita como espaço de possível
intervenção.Lamentavelmente
oprojectotevedeserinterrom-
pido.Nãopodíamosoferecero
nosso esforço num pro-
jectocomumexe-
cutivo que não
acredita na
participaçãoe
que recusa
“Sinto que Aveiro
perdeu o rumo nestes
últimos anos”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Oficina cmds tema 2
Oficina cmds   tema 2Oficina cmds   tema 2
Oficina cmds tema 2
Jose Camara
 
As redes sociais e a participação no planeamento das cidades
As redes sociais e a participação no planeamento das cidadesAs redes sociais e a participação no planeamento das cidades
As redes sociais e a participação no planeamento das cidades
José Carlos Mota
 
Seminario vr 25.10 sandra araujo
Seminario vr 25.10  sandra araujoSeminario vr 25.10  sandra araujo
Seminario vr 25.10 sandra araujo
João Oliveira
 
Juventude e cidadania
Juventude e cidadaniaJuventude e cidadania
Juventude e cidadania
Atri Projetos
 
A cidade que temos! a cidade que queremos!
A cidade que temos! a cidade que queremos!A cidade que temos! a cidade que queremos!
A cidade que temos! a cidade que queremos!
José Carlos Mota
 
Assistência Social - Fortalecimento dos Conselhos de Assistência Social
Assistência Social - Fortalecimento dos Conselhos de Assistência SocialAssistência Social - Fortalecimento dos Conselhos de Assistência Social
Assistência Social - Fortalecimento dos Conselhos de Assistência Social
José Boff
 
Solicitação nas eleições
Solicitação nas eleiçõesSolicitação nas eleições
Solicitação nas eleições
Miro Santos
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
Artur Iudice
 
Sinduscon-RS Relatório da Gestão 2013 2017
Sinduscon-RS Relatório da Gestão 2013 2017 Sinduscon-RS Relatório da Gestão 2013 2017
Sinduscon-RS Relatório da Gestão 2013 2017
Paulo Ratinecas
 
Sete mitos mais um sobre a participação
Sete mitos mais um sobre a participaçãoSete mitos mais um sobre a participação
Sete mitos mais um sobre a participação
José Carlos Mota
 
Apresentação Prof. Doutor Rio Fernandes
Apresentação Prof. Doutor Rio FernandesApresentação Prof. Doutor Rio Fernandes
Apresentação Prof. Doutor Rio Fernandes
FDP PS Porto
 
Petição à assembleia municipal pela discussão do parque vfinalissima
Petição à assembleia municipal pela discussão do parque vfinalissimaPetição à assembleia municipal pela discussão do parque vfinalissima
Petição à assembleia municipal pela discussão do parque vfinalissima
Amigos d'Avenida
 

Mais procurados (12)

Oficina cmds tema 2
Oficina cmds   tema 2Oficina cmds   tema 2
Oficina cmds tema 2
 
As redes sociais e a participação no planeamento das cidades
As redes sociais e a participação no planeamento das cidadesAs redes sociais e a participação no planeamento das cidades
As redes sociais e a participação no planeamento das cidades
 
Seminario vr 25.10 sandra araujo
Seminario vr 25.10  sandra araujoSeminario vr 25.10  sandra araujo
Seminario vr 25.10 sandra araujo
 
Juventude e cidadania
Juventude e cidadaniaJuventude e cidadania
Juventude e cidadania
 
A cidade que temos! a cidade que queremos!
A cidade que temos! a cidade que queremos!A cidade que temos! a cidade que queremos!
A cidade que temos! a cidade que queremos!
 
Assistência Social - Fortalecimento dos Conselhos de Assistência Social
Assistência Social - Fortalecimento dos Conselhos de Assistência SocialAssistência Social - Fortalecimento dos Conselhos de Assistência Social
Assistência Social - Fortalecimento dos Conselhos de Assistência Social
 
Solicitação nas eleições
Solicitação nas eleiçõesSolicitação nas eleições
Solicitação nas eleições
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Sinduscon-RS Relatório da Gestão 2013 2017
Sinduscon-RS Relatório da Gestão 2013 2017 Sinduscon-RS Relatório da Gestão 2013 2017
Sinduscon-RS Relatório da Gestão 2013 2017
 
Sete mitos mais um sobre a participação
Sete mitos mais um sobre a participaçãoSete mitos mais um sobre a participação
Sete mitos mais um sobre a participação
 
Apresentação Prof. Doutor Rio Fernandes
Apresentação Prof. Doutor Rio FernandesApresentação Prof. Doutor Rio Fernandes
Apresentação Prof. Doutor Rio Fernandes
 
Petição à assembleia municipal pela discussão do parque vfinalissima
Petição à assembleia municipal pela discussão do parque vfinalissimaPetição à assembleia municipal pela discussão do parque vfinalissima
Petição à assembleia municipal pela discussão do parque vfinalissima
 

Semelhante a 'OS CIDADÃOS PARTICIPAM QUANDO SÃO ENVOLVIDOS' DA 24MAI2013

apresenta-o_6-cnc_final.pdf
apresenta-o_6-cnc_final.pdfapresenta-o_6-cnc_final.pdf
apresenta-o_6-cnc_final.pdf
PauloSoares158799
 
Políticas Públicas, planos diretores, representação e participação: iniciand...
Políticas Públicas, planos diretores, representação e participação: iniciand...Políticas Públicas, planos diretores, representação e participação: iniciand...
Políticas Públicas, planos diretores, representação e participação: iniciand...
Helena Degreas
 
Os novos líderes urbanos
Os novos líderes urbanosOs novos líderes urbanos
Os novos líderes urbanos
José Carlos Mota
 
Cidades pela retoma público
Cidades pela retoma públicoCidades pela retoma público
Cidades pela retoma público
Jose Carlos Mota
 
T4 g5 - mudar a cidade
T4   g5 - mudar a cidadeT4   g5 - mudar a cidade
T4 g5 - mudar a cidade
Graziela Araújo
 
Programa de governo-Vicente Custodio
Programa de governo-Vicente Custodio Programa de governo-Vicente Custodio
Programa de governo-Vicente Custodio
tvufop
 
Dia Mundial do Urbanismo
Dia Mundial do UrbanismoDia Mundial do Urbanismo
Dia Mundial do Urbanismo
José Carlos Mota
 
Temos As Cidades Que Merecemos
Temos As Cidades Que MerecemosTemos As Cidades Que Merecemos
Temos As Cidades Que Merecemos
guestdd7f55
 
Proposta Movimento Associativo
Proposta  Movimento AssociativoProposta  Movimento Associativo
Proposta Movimento Associativo
Ps Benavente
 
Boletim FNRU
Boletim FNRUBoletim FNRU
Boletim FNRU
Cendhec Ong
 
Mais Cidadania, Melhor Sociedade
Mais Cidadania, Melhor SociedadeMais Cidadania, Melhor Sociedade
Mais Cidadania, Melhor Sociedade
JSD Distrital de Lisboa
 
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalhoLaboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
José Carlos Mota
 
Slides Terceiros
Slides TerceirosSlides Terceiros
Slides Terceiros
Inova Gestão
 
Ppt projetos sociais aspectos basicos) ufc 2102 ultim versão
Ppt projetos sociais aspectos basicos) ufc 2102 ultim versãoPpt projetos sociais aspectos basicos) ufc 2102 ultim versão
Ppt projetos sociais aspectos basicos) ufc 2102 ultim versão
Magali Kleber
 
O valor do MAS
O valor do MASO valor do MAS
Reconstrutores urbanos
Reconstrutores urbanosReconstrutores urbanos
Reconstrutores urbanos
Lupa | códigos culturais
 
Renata minerbo
Renata minerboRenata minerbo
Renata minerbo
Carlos Elson Cunha
 
Cartilha da cidadania
Cartilha da cidadania Cartilha da cidadania
Cartilha da cidadania
forumdacidadania
 
Introdução aos sistemas e programas federais de financiamento, convênio e pat...
Introdução aos sistemas e programas federais de financiamento, convênio e pat...Introdução aos sistemas e programas federais de financiamento, convênio e pat...
Introdução aos sistemas e programas federais de financiamento, convênio e pat...
Observatório de Territórios Sustentáveis e Saudáveis da Bocaina
 
478 texto do artigo-1114-2-10-20160323
478 texto do artigo-1114-2-10-20160323478 texto do artigo-1114-2-10-20160323
478 texto do artigo-1114-2-10-20160323
Diogo Monteiro
 

Semelhante a 'OS CIDADÃOS PARTICIPAM QUANDO SÃO ENVOLVIDOS' DA 24MAI2013 (20)

apresenta-o_6-cnc_final.pdf
apresenta-o_6-cnc_final.pdfapresenta-o_6-cnc_final.pdf
apresenta-o_6-cnc_final.pdf
 
Políticas Públicas, planos diretores, representação e participação: iniciand...
Políticas Públicas, planos diretores, representação e participação: iniciand...Políticas Públicas, planos diretores, representação e participação: iniciand...
Políticas Públicas, planos diretores, representação e participação: iniciand...
 
Os novos líderes urbanos
Os novos líderes urbanosOs novos líderes urbanos
Os novos líderes urbanos
 
Cidades pela retoma público
Cidades pela retoma públicoCidades pela retoma público
Cidades pela retoma público
 
T4 g5 - mudar a cidade
T4   g5 - mudar a cidadeT4   g5 - mudar a cidade
T4 g5 - mudar a cidade
 
Programa de governo-Vicente Custodio
Programa de governo-Vicente Custodio Programa de governo-Vicente Custodio
Programa de governo-Vicente Custodio
 
Dia Mundial do Urbanismo
Dia Mundial do UrbanismoDia Mundial do Urbanismo
Dia Mundial do Urbanismo
 
Temos As Cidades Que Merecemos
Temos As Cidades Que MerecemosTemos As Cidades Que Merecemos
Temos As Cidades Que Merecemos
 
Proposta Movimento Associativo
Proposta  Movimento AssociativoProposta  Movimento Associativo
Proposta Movimento Associativo
 
Boletim FNRU
Boletim FNRUBoletim FNRU
Boletim FNRU
 
Mais Cidadania, Melhor Sociedade
Mais Cidadania, Melhor SociedadeMais Cidadania, Melhor Sociedade
Mais Cidadania, Melhor Sociedade
 
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalhoLaboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
 
Slides Terceiros
Slides TerceirosSlides Terceiros
Slides Terceiros
 
Ppt projetos sociais aspectos basicos) ufc 2102 ultim versão
Ppt projetos sociais aspectos basicos) ufc 2102 ultim versãoPpt projetos sociais aspectos basicos) ufc 2102 ultim versão
Ppt projetos sociais aspectos basicos) ufc 2102 ultim versão
 
O valor do MAS
O valor do MASO valor do MAS
O valor do MAS
 
Reconstrutores urbanos
Reconstrutores urbanosReconstrutores urbanos
Reconstrutores urbanos
 
Renata minerbo
Renata minerboRenata minerbo
Renata minerbo
 
Cartilha da cidadania
Cartilha da cidadania Cartilha da cidadania
Cartilha da cidadania
 
Introdução aos sistemas e programas federais de financiamento, convênio e pat...
Introdução aos sistemas e programas federais de financiamento, convênio e pat...Introdução aos sistemas e programas federais de financiamento, convênio e pat...
Introdução aos sistemas e programas federais de financiamento, convênio e pat...
 
478 texto do artigo-1114-2-10-20160323
478 texto do artigo-1114-2-10-20160323478 texto do artigo-1114-2-10-20160323
478 texto do artigo-1114-2-10-20160323
 

Mais de José Carlos Mota

UAUBIKE Smart Cities Tour 2019
UAUBIKE Smart Cities Tour 2019UAUBIKE Smart Cities Tour 2019
UAUBIKE Smart Cities Tour 2019
José Carlos Mota
 
E se o futuro for um regresso ao passado?
E se o futuro for um regresso ao passado?E se o futuro for um regresso ao passado?
E se o futuro for um regresso ao passado?
José Carlos Mota
 
Em busca de uma solução para o Rossio – 5 temas de reflexão
Em busca de uma solução para o Rossio –  5 temas de reflexãoEm busca de uma solução para o Rossio –  5 temas de reflexão
Em busca de uma solução para o Rossio – 5 temas de reflexão
José Carlos Mota
 
MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO
MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO
MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO
José Carlos Mota
 
Novas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicleta
Novas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicletaNovas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicleta
Novas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicleta
José Carlos Mota
 
Em Aveiro (tudo) é possível!
Em Aveiro (tudo) é possível!Em Aveiro (tudo) é possível!
Em Aveiro (tudo) é possível!
José Carlos Mota
 
Vivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo tatico
Vivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo taticoVivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo tatico
Vivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo tatico
José Carlos Mota
 
TURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessions
TURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessionsTURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessions
TURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessions
José Carlos Mota
 
THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...
THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...
THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...
José Carlos Mota
 
Do we really need participation in planning?
Do we really need participation in planning?Do we really need participation in planning?
Do we really need participation in planning?
José Carlos Mota
 
A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY
A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY
A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY
José Carlos Mota
 
IMPROVING COLLECTIVE INTELLIGENCE TO PROMOTE BETTER CITIES
IMPROVING COLLECTIVE INTELLIGENCE TO PROMOTE BETTER CITIESIMPROVING COLLECTIVE INTELLIGENCE TO PROMOTE BETTER CITIES
IMPROVING COLLECTIVE INTELLIGENCE TO PROMOTE BETTER CITIES
José Carlos Mota
 
PLANEAR CIDADES SAUDÁVEIS
PLANEAR CIDADES SAUDÁVEISPLANEAR CIDADES SAUDÁVEIS
PLANEAR CIDADES SAUDÁVEIS
José Carlos Mota
 
Cidades participação e futuro noites na pólis mangualde 20 setembro_vf
Cidades participação e futuro noites na pólis mangualde 20 setembro_vfCidades participação e futuro noites na pólis mangualde 20 setembro_vf
Cidades participação e futuro noites na pólis mangualde 20 setembro_vf
José Carlos Mota
 
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vf
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vfCidades e regiões bike friendly apresentação-vf
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vf
José Carlos Mota
 
Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...
Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...
Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...
José Carlos Mota
 
A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA...
 A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA... A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA...
A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA...
José Carlos Mota
 
Aveiro Salt Cluster
Aveiro Salt Cluster Aveiro Salt Cluster
Aveiro Salt Cluster
José Carlos Mota
 
Tr 130 valorização da bicicleta
Tr 130 valorização da bicicletaTr 130 valorização da bicicleta
Tr 130 valorização da bicicleta
José Carlos Mota
 
O poder do poder local
O poder do poder local O poder do poder local
O poder do poder local
José Carlos Mota
 

Mais de José Carlos Mota (20)

UAUBIKE Smart Cities Tour 2019
UAUBIKE Smart Cities Tour 2019UAUBIKE Smart Cities Tour 2019
UAUBIKE Smart Cities Tour 2019
 
E se o futuro for um regresso ao passado?
E se o futuro for um regresso ao passado?E se o futuro for um regresso ao passado?
E se o futuro for um regresso ao passado?
 
Em busca de uma solução para o Rossio – 5 temas de reflexão
Em busca de uma solução para o Rossio –  5 temas de reflexãoEm busca de uma solução para o Rossio –  5 temas de reflexão
Em busca de uma solução para o Rossio – 5 temas de reflexão
 
MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO
MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO
MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO
 
Novas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicleta
Novas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicletaNovas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicleta
Novas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicleta
 
Em Aveiro (tudo) é possível!
Em Aveiro (tudo) é possível!Em Aveiro (tudo) é possível!
Em Aveiro (tudo) é possível!
 
Vivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo tatico
Vivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo taticoVivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo tatico
Vivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo tatico
 
TURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessions
TURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessionsTURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessions
TURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessions
 
THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...
THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...
THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...
 
Do we really need participation in planning?
Do we really need participation in planning?Do we really need participation in planning?
Do we really need participation in planning?
 
A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY
A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY
A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY
 
IMPROVING COLLECTIVE INTELLIGENCE TO PROMOTE BETTER CITIES
IMPROVING COLLECTIVE INTELLIGENCE TO PROMOTE BETTER CITIESIMPROVING COLLECTIVE INTELLIGENCE TO PROMOTE BETTER CITIES
IMPROVING COLLECTIVE INTELLIGENCE TO PROMOTE BETTER CITIES
 
PLANEAR CIDADES SAUDÁVEIS
PLANEAR CIDADES SAUDÁVEISPLANEAR CIDADES SAUDÁVEIS
PLANEAR CIDADES SAUDÁVEIS
 
Cidades participação e futuro noites na pólis mangualde 20 setembro_vf
Cidades participação e futuro noites na pólis mangualde 20 setembro_vfCidades participação e futuro noites na pólis mangualde 20 setembro_vf
Cidades participação e futuro noites na pólis mangualde 20 setembro_vf
 
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vf
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vfCidades e regiões bike friendly apresentação-vf
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vf
 
Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...
Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...
Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...
 
A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA...
 A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA... A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA...
A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA...
 
Aveiro Salt Cluster
Aveiro Salt Cluster Aveiro Salt Cluster
Aveiro Salt Cluster
 
Tr 130 valorização da bicicleta
Tr 130 valorização da bicicletaTr 130 valorização da bicicleta
Tr 130 valorização da bicicleta
 
O poder do poder local
O poder do poder local O poder do poder local
O poder do poder local
 

Último

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 

'OS CIDADÃOS PARTICIPAM QUANDO SÃO ENVOLVIDOS' DA 24MAI2013

  • 1. 10 | 24 MAI 2013 | SEXTA-FEIRA Entrevista Rui Cunha Diário de Aveiro: Em algu- mascidades,comoBragaou Coimbra,movimentosdeci- dadãosirãoapresentarcan- didaturasnaspróximaselei- çõesautárquicas.EmAveiro, o grupo Amigos d’Avenida alguma vez pensou nessa possibilidade? José Carlos Mota: O colec- tivo Amigos d’Avenida surgiu ecresceucomamotivaçãode mobilizar os cidadãos a parti- ciparnasdecisõesqueimpor- tamaofuturodacidadeepara chamaraatençãoparaofacto deosistemapolítico,talcomo funciona actualmente, nem sempre defender o interesse colectivo. Em condições nor- mais, os movimentos cívicos não devem substituir-se aos partidoseassumircandidatu- ras,masdevemcontribuirpara queospartidosescolhambons candidatos, produzam ideias úteiserelevantesparaofuturo do concelho e não ouçam os cidadãossódequatroemqua- tro anos. Contudo, o movi- mento continuará atento à forma como o sistema polí- tico-partidário responde às suasresponsabilidades. O vosso movimento tencio- na tomar partido nas elei- çõesdesteano? Nãofazsentidoquecolectivos pluraiseconstruídosemtorno de causas tomem partido em eleições.Issonãoinvalidaque, individualmente, cada mem- brodocolectivoexerçaosseus direitosdecidadania. Como avalia a evolução do movimento ao longo dos anos? Nos últimos cinco anos, os Amigosd’Avenidaeoutrosco- lectivos informais dinamiza- ram iniciativas de reflexão so- bre a Praça Melo Freitas, Par- que da Sustentabilidade, Ave- nida, Alboi, ponte pedonal e a concessãodoestacionamento. Mobilizarammilharesdecida- dãos, organizaram dezenas de eventos e produziram múlti- plas tomadas de posição pú- blica. Isto sem qualquer for- malizaçãolegalecombaseem trabalho voluntário. O que mostra que, ao contrário do quesediz,oscidadãospartici- pamquandosãodevidamente envolvidos. A forma como os cidadãos aderiram crescente- mente às iniciativas mostra que as pessoas se identificam comascausasecomosméto- dos.Eissodeveserummotivo de orgulho para todos os que participam nestas dinâmicas cívicas. Omovimentopareceterper- dido alguma da sua capaci- dadedeintervençãopública. Concorda com esta avalia- ção? Em parte. Mas isso decorreu do facto de terem surgido ou- tras dinâmicas cívicas nas quais os membros do movi- mento se envolveram. Isso permitiu que cada iniciativa gerasseumcolectivoinformal específico sem estar compro- metidocomcausasanteriores. Admito que a dispersão tenha retirado alguma eficácia na imagempública,masjulgoque seganhouemmobilizaçãodos cidadãos. Numa anterior entre- vista ao Diário de Aveiro disse o se- guinte: “Vivemos numa cidade que não tem uma tradi- ção muito forte de discussão sobre a transformação da ci- dade”. Acha que a si- tuação mudou e que os Amigos d’Avenida contribuíram para essedebatesobreaci- dade? A forte mobilização em tornodadiscussãodacidade, dos seus problemas e das de- cisões autárquicas é um sinal demudançaquedevemosce- lebrar e cuidar. A postura não se traduz numa mera crítica, mas na produção de opinião técnica fundamentada, dispo- nibilizadapublicamente,cons- truída de forma colectiva, em grupos de dezenas de cida- dãos.Oambientequesesente nos encontros públicos é de “Os cidadãos participam Civismo José Carlos Mota tem sido o principal rosto do movimento cívico Amigos d’Avenida, que promete manter-se “atento à forma como o sistema político-partidário responde às suas responsabilidades” genuínadefesadointeresseco- lectivo.Acontecequeestasmu- danças de comportamentos sãolentasereversíveis.Exigem persistênciaetransparênciade processos. É um trabalho de permanente construção da nossa comunidade, que tem de convocar todos os inte- ressados. Nessaentrevistadisseainda que “os partidos políticos não desenvolvem o seu pa- pel, que é discutir e reflectir sobre as políticas mais ade- quadas para a cidade”. Con- tinuaamanteressaopinião? Julgoquesim.Ospartidostêm deprocurarrecuperarasuare- lação com os eleitores, que não podem ser cha- mados ape- nas em
  • 2. SEXTA-FEIRA | 24 MAI 2013 | 11 Entrevista debaterpublicamenteumade- cisãoquecomprometeofuturo dacidadepormaisde50anos, a concessão do estaciona- mento. Esperamos que no fu- turo sejam criadas condições pararetomarmosoprojecto. O actual mandato autárqui- co está no fim. Que balanço faz da governação de Élio Maia? Sinto que Aveiro perdeu o rumonestesúltimosanos.Es- tou em Aveiro há 30 anos. Os mandatos dos drs. Girão Pe- reira e Alberto Souto abriram novos horizontes para a ci- dade,ligaramAveirocomaEu- ropa e o mundo, tornaram a cidadenumareferência,bene- ficiando do desenvolvimento da Universidade. Estranha- mente, nestes últimos anos o rumodeAveirotornou-secon- fuso.Repare:aregeneraçãoda Avenida foi lançada em 2008 como uma prioridade e logo abandonada com o surgi- mentodoParquedaSustenta- bilidade. Depois de retomado, e com um projecto aparente- mente pronto para ser imple- mentado, surge uma nova de- cisão – a concessão do esta- cionamento–queocontraria, o que levou o autor do es- tudo da Avenida a tomar uma posição pública. Outro exemplo: a construçãodapon- tepedonaldoCanal Central foi inter- rompidacomoar- gumento de que era importante procurarumcon- senso mais alar- gado. Aconcessão do es- tacionamentofoire- jeitada por todos os partidos na Assem- bleiaMunicipalemes- mo assim o Executivo insiste na proposta. Nes- tecasooconsensojánãoé necessário? Aveiro precisa de um rumo claro e mobilizador da comu- nidade.Ainsistênciaemopções de utilidade duvidosa e de re- levância discutível gerou uma controvérsiaqueconsumiude- masiadaenergia. Éprecisoumnovociclonore- lacionamentoentrecidadãose eleitos.| quando são envolvidos” “Liderar sem impor” Quais os principais pro- blemasqueidentificaem Aveiroequedeverãome- recer especial atenção nospróximosanos? Primeiro um desafio de postura. Vamos ter que gerir melhor os recur- sos, além dos financei- ros. Temos de aprender a valorizar em particu- lar os recursos que nos ajudem a responder a necessidades colectivas e o conhecimento é um deles. Isso exige lideran- ças diferentes, porque vão ter de mobilizar, de construir colectiva- mente, de liderar sem impor. Infelizmente não temos muita tradição destas práticas em Por- tugal. Segundo, um de- safio de agenda, na qual destaco a regeneração do centro da cidade e centros das freguesias. Aqui o esforço tem de ir para além da interven- ção tradicional de re- qualificação do espaço público, procurando atrair novas funções e vivências, em particular para os edifícios devolu- tos, através de diálogo com proprietários, de procura de regimes que estimulem a sua ocupa- ção (aAssociação Co- mercial está a fazer um trabalho interessante). Algumas dessas funções podem ser encontradas no apoio ao empreende- dorismo urbano, que es- timule a atracção e fixa- ção de actividades e in- vestigação aplicada no design, artes, tecnolo- gias, materiais e gestão do território, que res- ponda a necessidades das comunidades e visi- tantes.Aveiro pode ser um laboratório de expe- rimentação de novos produtos e serviços que visem a exportação, contribuindo, ao mesmo tempo, para a sua rege- neração.| períodopré-eleitoral.Ecomal- gumas excepções, são poucas as iniciativas de reflexão, de aprofundamentodadiscussão com envolvimento dos cida- dãos. Por outro lado, julgo que o regimento da As- sembleia Municipal de- veria ser revisto, para facilitaroaprofunda- mentodessarelação. A vossa relação com a Câmara sempre pareceu muito tensa. Não conseguiramencon- trar pontes de diá- logo com os deciso- respolíticos? Foram feitos vários es- forços sem sucesso. Houve vários en- contros, alargados e mais res- tritos, onde foram lançadas pontes, deixados desafios...To- dososdocumentosproduzidos, algumas dezenas, foram todos remetidosaoExecutivo.Nunca obtivemos qualquer resposta. Mesmo assim, o movimento entendeuapresentarumapro- postaaoOrçamentoParticipa- tivo,quefoiconstruídoemco- laboraçãocomosserviçostéc- nicosdaautarquia,numtraba- lho de grande comunhão. O projectovisavacriarumgrupo técnico-cívicoqueiriatrabalhar com uma comunidade para produzir um conjunto de pro- postasdebaixocustoealtoim- pacto. Identificámos a Rua Di- reita como espaço de possível intervenção.Lamentavelmente oprojectotevedeserinterrom- pido.Nãopodíamosoferecero nosso esforço num pro- jectocomumexe- cutivo que não acredita na participaçãoe que recusa “Sinto que Aveiro perdeu o rumo nestes últimos anos”