SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Baixar para ler offline
SMART CIVIC 
CITIES: 
IMPROVING 
COLLECTIVE 
INTELLIGENCE 
TO PROMOTE 
BETTER CITIES 
24 OCTOBER 2014 | VNG 
JOSÉ CARLOS MOTA 
DOCENTE E INVESTIGADOR DO DCSPT - UNIVERSIDADE DE AVEIRO 
jcmota@ua.pt 
LINK
1. DO WE 
REALY NEED 
SMART CITIES?
1. SMART CITIES 
MAINSTREAM APPROACH 
CITY AS AN URBAN SYSTEM; FOCUS ON HARDWARE 
NEOLIBERAL AND TECHNOLOGY-PUSH PERSPECTIVE 
INVESTMENT IN HIGHLY COST INFRA-STRUCTURES 
APPLIED SPECIALLY TO GLOBAL CITIES 
OVERVIEW: http://www.smartcitiesitsallaboutpeople.net/ 
RESULTS / CRITICS 
INFRASTRUTURE 
BIG PROJECTS 
INCREASING SPATIAL INEQUALITIES 
LACK OF CITIZEN INVOLVEMENT
1. HUMAN SMART CITIES 
«NEW» APPROACH 
«governments engage citizens» 
«peer-to-peer relationship based on reciprocal trust and collaboration» 
«city where people are the main actors of urban “smartness”» 
«adopts services that are born from people’s real needs and have been co-designed 
through interactive, dialogic, and collaborative processes» 
RESULTS 
SMALL SCALE AND HIGH IMPACT PROJECTS 
MORE ROOTED IN THE LOCAL ENVIRONMENT 
HSC - PERIPHÈRIA PROJECT 
SOFT TECHNOLOGIES MAY HAVE BETTER ECONOMIC AND SOCIAL RETURNS 
OVERVIEW: http://www.smartcitiesitsallaboutpeople.net/
2. A NEW 
«CIVIC 
AGENDA» 
FOR SMART CITIES?
2. CIVIC AGENDA FOR SMATER CITIES 
HOW ARE WE USING OUR CIVIC RIGHTS? 
AT EUROPEAN LEVEL 
ELECTIONS & BUDGET 
AT NATIONAL LEVEL 
ELECTIONS & POLICY DISCUSSIONS 
AT LOCAL LEVEL 
ELECTIONS & POLICY DISCUSSIONS 
LOCAL ORGANIZATIONS 
PROJECTS & PLANS 
AT HOME/WORK LEVEL 
PERSONAL/FAMILY LIFE 
JOB 
«os portugueses são o povo mais 
desconfiado da Europa Ocidental e ocupam 
a 25ª posição entre 26 países. Para quase 
20 por cento dos portugueses e franceses 
"para se chegar ao topo, é necessário ser 
corrupto» OCDE (2007) 
«45% dos portugueses suspeitam dos 
outros, mas os números disparam se o alvo 
for o governo (70%)» Estudo TESE (2010) 
25,6% dos inquiridos portugueses 
assumiam-se como associativistas, o que 
ainda assim tornava Portugal o país 
europeu com a mais baixa taxa associativa 
(Delicado, 2003: 232-5).
2. CIVIC AGENDA FOR SMATER CITIES 
WE REALLY DON’T HAVE A TRADITION OF PUBLIC PARTICIPATION 
ALTHOUGHT… 
SOCIAL MEDIA AND PUBLIC SPACE 
THE POWE OF SOCIAL NETWORKS (REAL AND VIRTUAL) 
ALBOI NEIGHBOURHOOD PROJECT 
http://contraoalboicortadoaomeio.blogs.sapo.pt/
2. CIVIC AGENDA FOR SMATER CITIES 
WE REALLY DON’T HAVE A TRADITION OF PUBLIC PARTICIPATION 
A SMALL CORNER OF THE WORLD 
ALTHOUGHT! 
ALBOI NEIGHBOURHOOD PROJECT 
THE POWE OF SOCIAL NETWORKS (REAL AND VIRTUAL) 
http://www.youtube.com/watch?v=dX_sEWp1Yh0
2. CIVIC AGENDA FOR SMATER CITIES 
WE REALLY DON’T HAVE A TRADITION OF PUBLIC PARTICIPATION 
ALTHOUGHT! 
FOOTH BRIDGE IN A WATER CHANNEL 
CROWDED PUBLIC MEETING 
PRODUCE OPINION COLLECTIVITY 
CAN WE BUILT A CITY AGAINST THEIR INHABITANTS? 
http://contrapontepedonalnocanalcentral.blogs.sapo.pt/
2. CIVIC AGENDA FOR SMATER CITIES 
WE REALLY DON’T HAVE A TRADITION OF PUBLIC PARTICIPATION 
ALTHOUGHT! 
CAFFE MEETING’S 
CAN A WATER CHANNEL BE IN THE HART OF THE COMMUNITY? 
CREATE ARENAS FOR DEBATE 
http://contrapontepedonalnocanalcentral.blogs.sapo.pt/
2. CIVIC AGENDA FOR SMATER CITIES 
WE REALLY DON’T HAVE A TRADITION OF PUBLIC PARTICIPATION 
ALTHOUGHT! 
USE THE PUBLIC SPACE 
CELEBRATING PUBLIC SPACE 
MANIFESTO FOR THE PUBLIC SPACE 
http://programadasfestas.blogs.sapo.pt/
2. CIVIC AGENDA FOR SMATER CITIES 
PEOPLE DO PARTICIPATE IF 
COLLECTIVE ISSUES/CONCERNS 
ADEQUATE ARENAS (VIRTUAL & FACE2FACE) 
COLLABORATIVE ENVIRONMENT (TRUST & EMPATHY) 
THEY HAVE ACCESS TO INFORMATION (EXPERTISE) 
THERE IS A COMMON SHARE OF IDEAS (CO-CREATE) 
THEY FEEL THEIR VOICES CAN BE HEARD (INFLUENCE) 
MYTHS AND PREJUDICES 
DESPITE 
DIFICULTIES AND LIMITATIONS 
LACK TRADITION 
ALL CHANGES ARE EPHEMERAL AND REVERSIBLE PERSERVERANCE IS A KEY FACTOR!
2. CIVIC AGENDA 
WHY DO WE NEED A CIVIC AGENDA (IN PORTUGAL)? 
WE NEED ACTION AND HOPE! 
DEMOCRACY 
PREVENT CAPTURE OF PUBLIC INTEREST 
ENVIROMENT 
CONTROL EMISSIONS / CLIMATE CHANGE 
SOCIAL 
HEALTH, SOLIDARITY, INCLUSIVE 
ECONOMY 
GROWTH AND CREATE JOBS
2. CIVIC AGENDA 
WHY DO WE NEED A CIVIC AGENDA (IN PORTUGAL)? 
WE HAVE RESOURCES THAT WE DON’T USE 
REDISCOVER RESOURCES IN CITIES (DEVALUED OR UNKNOWN) 
KNOWLEDGE ABOUT CITIES AND ITS RESOURCES 
SPACES VACANT UNDERUTILIZED OR (AND NOT BUILT BUILT, PUBLIC AND PRIVATE) 
NETWORKS OF PROXIMITY (ORGANIZATIONS AND EQUIPMENT) 
CIVIC AND INSTITUTIONAL CAPACITY 
ICT INFRASTRUCTURES / KNOWLEDGE
2. CIVIC AGENDA 
KNOWLEDGE ABOUT CITIES AND ITS RESOURCES 
‘Temos de ir caminhando 
pelas ruas e conversando 
com as pessoas para ir à 
procura dessas micro-histórias‘ 
LOCAL KNOWLEDGE + SCIENTIFIC KNOWLEDGE 
MAPPING, SHARING, LINKING 
CO-PRODUCING
VACANT OR UNDERUTILIZED SPACES (PUBLIC AND PRIVATE) 
a imaginação para preencher o vazio, em Aveiro! 
LINK: https://www.facebook.com/vivacidade.aveiro 
Antiga garagem na Covilhã transformada em espaço de 
arte e cultura (SIC) 
LINK: http://sicnoticias.sapo.pt/cultura/2014-06-09- 
antiga-garagem-na-covilha-transformada-em-espaco-de-arte- 
e-cultura 
2. CIVIC AGENDA
2. CIVIC AGENDA 
NETWORKS OF PROXIMITY (ORGANIZATIONS AND EQUIPMENT) 
produzir o seu adequado mapeamento e sistematização para permitir 
construir colaborativamente uma nova narrativa sobre as questões 
críticas locais, valorizando esses recursos, e com isso produzir um outro 
tipo de políticas.
2. CIVIC AGENDA 
CIVIC AND INSTITUTIONAL CAPACITY 
Manuel Assunção, A Universidade de Aveiro como universidade cívica
2. CIVIC AGENDA 
ICT INFRASTRUCTURE AND KNOWLEDGE 
'urbanização da tecnologia' - uma forma particular 
transformar, adaptar ou mesmo ‘hackear’ a 
'tecnologia' para responder a problemas e 
necessidades da comunidade (empresarial, 
artística, científica, associativa e cívica). 
A tecnologia vai desde o carro, a bicicleta, 
mobiliário urbano, edifícios, passando pelos 
dispositivosmóveis, redes, etc.., 
A cidade (em particular os seus utilizadores, 
residentes, organizações, ecologias) pode ser o 
palco da identificação de novas necessidades de 
resposta e da adequação bem sucedida ('hackear') 
da tecnologia a essas necessidades (Sassen, 2012) 
verhttp://www.engagetv.com/webcast_Saskia-Sassen-Urbanizing-Technology-PICNIC-Festival-2011
3. HOW ARE 
WE USING OUR 
COLLECTIVE 
INTELIGENCE?
3.1 WHAT DO WE MEAN BY COLLECTIVE INTELIGENCE? 
COLLECTIVE INTELIGENCE CONCEPT 
«Empowerment through the development and pooling of intelligence to attain 
common goals or to resolve common problems» Brown and Lauder (2000) 
«Social glue that holds societies together» Brown and Lauder (2000) 
V. IMP. «the extent to which people are institutionally encouraged («trust») 
to pool their capacity (knowledge, technology and intellectual resources) for 
intelligent action (solve collective problems)» Brown and Lauder (2000)
3.2 WHY SHOULD WE USE COLLECTIVE INTELIGENCE? 
LIDERANÇAS QUE AJUDAM OS GRUPOS A AGIR COLECTIVAMENTE DE MODO MAIS INTELIGENTE 
http://cci.mit.edu/malone/ 
http://vimeo.com/37389182 
THOMAS MALONE, MIT (2011) 
ESTUDO MIT CONCLUIU QUE A IC 
está fracamente correlacionado com a média e 
máxima inteligência do grupo; 
não está correlacionada com a satiafação do 
grupo, motivação coesão; 
está significativamente correlacionada com: 
PERCEPÇÃO SOCIAL (capacidade dos 
membros lerem as expressões e emoções 
dos outros); 
IGUALDADE DE PARTICIPAÇÃO NA 
CONVERSAÇÃO; 
PROPORÇÃO DE MULHERES NO GRUPO 
(relacionado com o 1.º); 
IMPORTA NÃO SÓ A INTELIGÊNCIA INDIDIVUAL DAS PESSOAS MAS A 
INTELIGÊNCIA COLECTIVA DOS GRUPOS
SHARING PLATFORMS 
TRIPLE-HELIX PLATFORMS 
TECHNOLOGICAL 
PARKS 
UNIVERSITIES 
ENTERPRISES 
CENTRAL 
REGIONAL 
LOCAL 
AUTHORITIES 
PROJECTS 
INDUSTRIAL PARKS 
TETRA-HELIX PLATFORMS 
CIVIC 
UNIVERSITIY 
SUB- ENTERPRISES 
REGIONAL 
LOCAL 
AUTHORITIES 
NGO 
CITIZENS 
URBAN LAB 
LIVING LAB 
PARTNERSHIPS 
TECHNOLOGICAL 
PLATFORMS 
3.3 HOW ARE WE USING C.I.? 
DIY 
CO-CREATION 
CROWDFUNDING 
COLLABORATIVE MAPPING
3.4 COLLECTIVE INTELLIGENCE IN AVEIRO 
BICYCLE INOVATIVE ECOSSISTEM 
BICYCLE 
TECHN. PLATF. 
UNIVERSITY 
AVEIRO 
BICYCLE 
INDUSTRY 
ASSOCIATION 
ABIMOTA 
CIRA 
AVEIRO 
REGION 
INTERMUNICIPAL 
COMMUNITY 
NGO 
CITIZENS 
INOVARIA 
ICT CLUSTER 
ASSOCIATION 
CYCLING 
FEDERATION 
PUBLIC 
ORGANIZATIONS 
MIRALAGO 
BEWEGEN 
LARUS 
REVIGRÉS 
AMORIM CORK 
PONTO .C 
MICRO-IO 
UBIWHERE 
BIKEEMOTION 
(…) 
PARENT ASSOCIATIONS 
TRANSITION GROUPS 
ENVIRONMENTAL 
ASSOCIATIONS 
POLICE – PSP 
SCHOOLS 
BICYCLE DESIGNERS 
CYCLE TOURISM 
OPERATORS 
TEXTIL MANUFACTORS 
OTHER UNIVERSITIES 
AND RESEARCH 
CENTRES 
SPORT FACILITIES 
VELODROME 
COMMON GOAL 
BICYCLE 
ACCESSORIES 
MIRANDA IRMÃO 
RODI 
POLISPORT 
INTERNATIONAL 
NETWORKS 
LIVEABLE CITIES
3.4 COLLECTIVE INTELLIGENCE IN AVEIRO 
BICYCLE INOVATIVE ECOSSISTEM
3.4 COLLECTIVE INTELLIGENCE IN AVEIRO 
BICYCLE INOVATIVE ECOSSISTEM
3.4 COLLECTIVE INTELLIGENCE IN AVEIRO 
BICYCLE INOVATIVE ECOSSISTEM 
SISTEMAS 
PARTILHADOS DE 
BICICLETAS COLECTIVAS 
FIRST BIKE
3.4 COLLECTIVE INTELLIGENCE IN AVEIRO 
BICYCLE INOVATIVE ECOSSISTEM 
BIKE DATA 
c/ ESTGA 
MAPEAMENTO DO 
VALOR ECONÓMICO 
DA BICICLETA 
c/ ESTGA
4. 
FRAMEWORK 
FOR A 
SMART 
CIVIC CITY!
4.1 SMART CIVIC CITY 
CONCEPT 
TETRA-HELIX PLATFORMS CENTRED IN CITIES 
IDENTIFY, VALUE AND USE RESOURCES (DEVALUED OR UNKNOWN) 
TO ANSWER TO NEEDS, PROBLEMS AND DREAMS 
ABILITY TO WORK COLLABORATIVELY AND TO USE THE COLLECTIVE INTELLIGENCE 
LEARNING COMMUNITY (ENVIRONMENT, INFRASTRUCTURES, IDEAS AND PRACTICES) 
CREATING PARTNERSHIPS WITH A SHARED LEADERSHIP 
Inspired: http://www.publicsphereproject.org/
4.2. CIVIC CHALLENGE 
KNOWLEDGE -> DEVELOPMENT 
ARE WE READY? 
HOPE SO! 
CHALLENGES 
PUBLIC MEDIATION – TRUST 
ARENAS/PLATFORMS – EMPATHY 
COLLECTIVE IDEAS -> PUBLIC POLICIES/ 
CO-OPERATIVE BUSINESSES 
COMMUNICATE THE PROCESS
JOSÉ CARLOS MOTA – DOCENTE E INVESTIGADOR DO DCSPT - UNIVERSIDADE DE AVEIRO 
jcmota@ua.pt | josecarlosmota@gmail.com | https://www.facebook.com/josecarlosmota 
SUGESTÕES DE REFLEXÃO 
http://estadosocial.blogs.sapo.pt 
http://cidadescomaspessoas.blogs.sapo.pt/ 
http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/ 
http://www.ua.pt/ptbicicleta/ 
https://www.facebook.com/ptbicicleta 
http://planeamentoregionaleurbano.blogs.sapo.pt/ 
https://www.facebook.com/PlaneamentoRegionaleUrbano 
https://www.facebook.com/DCSPT

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Temos As Cidades Que Merecemos
Temos As Cidades Que MerecemosTemos As Cidades Que Merecemos
Temos As Cidades Que Merecemosguestdd7f55
 
Peabiru TCA - I Encontro Ações da Rede
Peabiru TCA - I Encontro Ações da RedePeabiru TCA - I Encontro Ações da Rede
Peabiru TCA - I Encontro Ações da RedeClube da Reforma
 
Resenha Lente cultural
Resenha Lente culturalResenha Lente cultural
Resenha Lente culturaldaiana-20
 
478 texto do artigo-1114-2-10-20160323
478 texto do artigo-1114-2-10-20160323478 texto do artigo-1114-2-10-20160323
478 texto do artigo-1114-2-10-20160323Diogo Monteiro
 
Smart Cities - A perspectiva do Design Estratégico
Smart Cities - A perspectiva do Design EstratégicoSmart Cities - A perspectiva do Design Estratégico
Smart Cities - A perspectiva do Design EstratégicoArco | Hub de Inovação
 
Cidades inteligentes copia
Cidades inteligentes   copiaCidades inteligentes   copia
Cidades inteligentes copiaFernando Freire
 
'OS CIDADÃOS PARTICIPAM QUANDO SÃO ENVOLVIDOS' DA 24MAI2013
'OS CIDADÃOS PARTICIPAM QUANDO SÃO ENVOLVIDOS' DA 24MAI2013'OS CIDADÃOS PARTICIPAM QUANDO SÃO ENVOLVIDOS' DA 24MAI2013
'OS CIDADÃOS PARTICIPAM QUANDO SÃO ENVOLVIDOS' DA 24MAI2013José Carlos Mota
 
Rede "Olhos do Bem"
Rede "Olhos do Bem"Rede "Olhos do Bem"
Rede "Olhos do Bem"Diego Lusa
 
Cidades, realidades e possibilidades: Democracia participativa para a qualid...
Cidades, realidades e possibilidades: Democracia participativa para  a qualid...Cidades, realidades e possibilidades: Democracia participativa para  a qualid...
Cidades, realidades e possibilidades: Democracia participativa para a qualid...Patricia Almeida Ashley
 

Mais procurados (16)

Desenvolvimento Sustentável Global e seu Impacto nas Cidades
Desenvolvimento Sustentável Global e seu Impacto nas CidadesDesenvolvimento Sustentável Global e seu Impacto nas Cidades
Desenvolvimento Sustentável Global e seu Impacto nas Cidades
 
12.2.12. #2 adriana abreu
12.2.12. #2 adriana abreu12.2.12. #2 adriana abreu
12.2.12. #2 adriana abreu
 
Síntese primeira oficina
Síntese primeira oficinaSíntese primeira oficina
Síntese primeira oficina
 
Temos As Cidades Que Merecemos
Temos As Cidades Que MerecemosTemos As Cidades Que Merecemos
Temos As Cidades Que Merecemos
 
Peabiru TCA - I Encontro Ações da Rede
Peabiru TCA - I Encontro Ações da RedePeabiru TCA - I Encontro Ações da Rede
Peabiru TCA - I Encontro Ações da Rede
 
Resenha Lente cultural
Resenha Lente culturalResenha Lente cultural
Resenha Lente cultural
 
Hermano
HermanoHermano
Hermano
 
Cidades pela Retoma
Cidades pela RetomaCidades pela Retoma
Cidades pela Retoma
 
478 texto do artigo-1114-2-10-20160323
478 texto do artigo-1114-2-10-20160323478 texto do artigo-1114-2-10-20160323
478 texto do artigo-1114-2-10-20160323
 
Smart Cities - A perspectiva do Design Estratégico
Smart Cities - A perspectiva do Design EstratégicoSmart Cities - A perspectiva do Design Estratégico
Smart Cities - A perspectiva do Design Estratégico
 
Cidades inteligentes copia
Cidades inteligentes   copiaCidades inteligentes   copia
Cidades inteligentes copia
 
'OS CIDADÃOS PARTICIPAM QUANDO SÃO ENVOLVIDOS' DA 24MAI2013
'OS CIDADÃOS PARTICIPAM QUANDO SÃO ENVOLVIDOS' DA 24MAI2013'OS CIDADÃOS PARTICIPAM QUANDO SÃO ENVOLVIDOS' DA 24MAI2013
'OS CIDADÃOS PARTICIPAM QUANDO SÃO ENVOLVIDOS' DA 24MAI2013
 
Os novos líderes urbanos
Os novos líderes urbanosOs novos líderes urbanos
Os novos líderes urbanos
 
Rede "Olhos do Bem"
Rede "Olhos do Bem"Rede "Olhos do Bem"
Rede "Olhos do Bem"
 
Cidades, realidades e possibilidades: Democracia participativa para a qualid...
Cidades, realidades e possibilidades: Democracia participativa para  a qualid...Cidades, realidades e possibilidades: Democracia participativa para  a qualid...
Cidades, realidades e possibilidades: Democracia participativa para a qualid...
 
Cidades sustentáveis
Cidades sustentáveis  Cidades sustentáveis
Cidades sustentáveis
 

Destaque

THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...
THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...
THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...José Carlos Mota
 
Do we really need participation in planning?
Do we really need participation in planning?Do we really need participation in planning?
Do we really need participation in planning?José Carlos Mota
 
A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY
A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY
A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY José Carlos Mota
 
Vivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo tatico
Vivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo taticoVivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo tatico
Vivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo taticoJosé Carlos Mota
 

Destaque (7)

THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...
THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...
THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...
 
A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBAN...
A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBAN...A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBAN...
A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBAN...
 
Do we really need participation in planning?
Do we really need participation in planning?Do we really need participation in planning?
Do we really need participation in planning?
 
12.2.8. #1 maria piedade brandão
12.2.8. #1 maria piedade brandão12.2.8. #1 maria piedade brandão
12.2.8. #1 maria piedade brandão
 
A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY
A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY
A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY
 
O poder do poder local
O poder do poder local O poder do poder local
O poder do poder local
 
Vivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo tatico
Vivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo taticoVivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo tatico
Vivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo tatico
 

Semelhante a IMPROVING COLLECTIVE INTELLIGENCE TO PROMOTE BETTER CITIES

Cibercultura e educação em tempos de mobilidade: conversando com os cotidianos
Cibercultura e educação em tempos de mobilidade: conversando com os cotidianosCibercultura e educação em tempos de mobilidade: conversando com os cotidianos
Cibercultura e educação em tempos de mobilidade: conversando com os cotidianosEdmea Santos
 
Mutantes S.21 - a cultura de convergência aplicada à CEC 2012
Mutantes S.21 - a cultura de convergência aplicada à CEC 2012Mutantes S.21 - a cultura de convergência aplicada à CEC 2012
Mutantes S.21 - a cultura de convergência aplicada à CEC 2012ojoana
 
Apresentacao teias atualizada
Apresentacao teias atualizadaApresentacao teias atualizada
Apresentacao teias atualizadaminasinvest
 
O Poder da Colaboração para a Inovação
O Poder da Colaboração para a InovaçãoO Poder da Colaboração para a Inovação
O Poder da Colaboração para a InovaçãoLeandro Ogalha
 
Modulo1 Ava Cibercultura
Modulo1 Ava CiberculturaModulo1 Ava Cibercultura
Modulo1 Ava CiberculturaAmaro Braga
 
Seminario mcmm_ubiquidade tecnológica
Seminario mcmm_ubiquidade tecnológicaSeminario mcmm_ubiquidade tecnológica
Seminario mcmm_ubiquidade tecnológicaRui Raposo
 
As Redes Sociais como Instrumento de Participação e Aproximação da Sociedade ...
As Redes Sociais como Instrumento de Participação e Aproximação da Sociedade ...As Redes Sociais como Instrumento de Participação e Aproximação da Sociedade ...
As Redes Sociais como Instrumento de Participação e Aproximação da Sociedade ...GovBR
 
Processos midiáticos em Lost - Teorias e Modelos comunicacionais
Processos midiáticos em Lost - Teorias e Modelos comunicacionaisProcessos midiáticos em Lost - Teorias e Modelos comunicacionais
Processos midiáticos em Lost - Teorias e Modelos comunicacionaisdiversita
 
Global city 2 apresentação finalíssima
Global city 2  apresentação finalíssimaGlobal city 2  apresentação finalíssima
Global city 2 apresentação finalíssimacidadespelaretoma
 
CICLO EXPONENCIAL DA ABUNDÂNCIA. Diálogos para Sustentabilidade.
CICLO EXPONENCIAL DA ABUNDÂNCIA. Diálogos para Sustentabilidade.CICLO EXPONENCIAL DA ABUNDÂNCIA. Diálogos para Sustentabilidade.
CICLO EXPONENCIAL DA ABUNDÂNCIA. Diálogos para Sustentabilidade.Lala Deheinzelin
 

Semelhante a IMPROVING COLLECTIVE INTELLIGENCE TO PROMOTE BETTER CITIES (20)

Inclusao Digital Joao Jose Saraiva Da Fonseca
Inclusao Digital Joao Jose Saraiva Da FonsecaInclusao Digital Joao Jose Saraiva Da Fonseca
Inclusao Digital Joao Jose Saraiva Da Fonseca
 
Inclusao Digital
Inclusao DigitalInclusao Digital
Inclusao Digital
 
1254920712 manual tic
1254920712 manual tic1254920712 manual tic
1254920712 manual tic
 
Global city 2 0
Global city 2 0Global city 2 0
Global city 2 0
 
Cibercultura e educação em tempos de mobilidade: conversando com os cotidianos
Cibercultura e educação em tempos de mobilidade: conversando com os cotidianosCibercultura e educação em tempos de mobilidade: conversando com os cotidianos
Cibercultura e educação em tempos de mobilidade: conversando com os cotidianos
 
Mutantes S.21 - a cultura de convergência aplicada à CEC 2012
Mutantes S.21 - a cultura de convergência aplicada à CEC 2012Mutantes S.21 - a cultura de convergência aplicada à CEC 2012
Mutantes S.21 - a cultura de convergência aplicada à CEC 2012
 
12.3.12. #2 ricardo luz
12.3.12. #2 ricardo luz12.3.12. #2 ricardo luz
12.3.12. #2 ricardo luz
 
Apresentacao teias atualizada
Apresentacao teias atualizadaApresentacao teias atualizada
Apresentacao teias atualizada
 
O Poder da Colaboração para a Inovação
O Poder da Colaboração para a InovaçãoO Poder da Colaboração para a Inovação
O Poder da Colaboração para a Inovação
 
Modulo1 Ava Cibercultura
Modulo1 Ava CiberculturaModulo1 Ava Cibercultura
Modulo1 Ava Cibercultura
 
Seminario mcmm_ubiquidade tecnológica
Seminario mcmm_ubiquidade tecnológicaSeminario mcmm_ubiquidade tecnológica
Seminario mcmm_ubiquidade tecnológica
 
ICom Institucional 2013
ICom Institucional 2013ICom Institucional 2013
ICom Institucional 2013
 
As Redes Sociais como Instrumento de Participação e Aproximação da Sociedade ...
As Redes Sociais como Instrumento de Participação e Aproximação da Sociedade ...As Redes Sociais como Instrumento de Participação e Aproximação da Sociedade ...
As Redes Sociais como Instrumento de Participação e Aproximação da Sociedade ...
 
Processos midiáticos em Lost - Teorias e Modelos comunicacionais
Processos midiáticos em Lost - Teorias e Modelos comunicacionaisProcessos midiáticos em Lost - Teorias e Modelos comunicacionais
Processos midiáticos em Lost - Teorias e Modelos comunicacionais
 
Conheça o Social Good Brasil
Conheça o Social Good BrasilConheça o Social Good Brasil
Conheça o Social Good Brasil
 
Aula CRP-0420-2016-10-DATACRACIA
Aula CRP-0420-2016-10-DATACRACIAAula CRP-0420-2016-10-DATACRACIA
Aula CRP-0420-2016-10-DATACRACIA
 
Global city 2 apresentação finalíssima
Global city 2  apresentação finalíssimaGlobal city 2  apresentação finalíssima
Global city 2 apresentação finalíssima
 
O educador social
O educador socialO educador social
O educador social
 
Culltura digital
Culltura digitalCulltura digital
Culltura digital
 
CICLO EXPONENCIAL DA ABUNDÂNCIA. Diálogos para Sustentabilidade.
CICLO EXPONENCIAL DA ABUNDÂNCIA. Diálogos para Sustentabilidade.CICLO EXPONENCIAL DA ABUNDÂNCIA. Diálogos para Sustentabilidade.
CICLO EXPONENCIAL DA ABUNDÂNCIA. Diálogos para Sustentabilidade.
 

Mais de José Carlos Mota

UAUBIKE Smart Cities Tour 2019
UAUBIKE Smart Cities Tour 2019UAUBIKE Smart Cities Tour 2019
UAUBIKE Smart Cities Tour 2019José Carlos Mota
 
E se o futuro for um regresso ao passado?
E se o futuro for um regresso ao passado?E se o futuro for um regresso ao passado?
E se o futuro for um regresso ao passado?José Carlos Mota
 
Em busca de uma solução para o Rossio – 5 temas de reflexão
Em busca de uma solução para o Rossio –  5 temas de reflexãoEm busca de uma solução para o Rossio –  5 temas de reflexão
Em busca de uma solução para o Rossio – 5 temas de reflexãoJosé Carlos Mota
 
MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO
MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO
MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO José Carlos Mota
 
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalhoLaboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalhoJosé Carlos Mota
 
Novas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicleta
Novas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicletaNovas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicleta
Novas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicletaJosé Carlos Mota
 
Em Aveiro (tudo) é possível!
Em Aveiro (tudo) é possível!Em Aveiro (tudo) é possível!
Em Aveiro (tudo) é possível!José Carlos Mota
 
TURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessions
TURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessionsTURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessions
TURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessionsJosé Carlos Mota
 
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vf
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vfCidades e regiões bike friendly apresentação-vf
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vfJosé Carlos Mota
 
Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...
Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...
Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...José Carlos Mota
 
A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA...
 A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA... A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA...
A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA...José Carlos Mota
 
Tr 130 valorização da bicicleta
Tr 130 valorização da bicicletaTr 130 valorização da bicicleta
Tr 130 valorização da bicicletaJosé Carlos Mota
 
CITY CIVIC MOVEMENTS IN AVEIRO – PROMOTE SMARTER DECISIONS FOR THE FUTURE OF ...
CITY CIVIC MOVEMENTS IN AVEIRO – PROMOTE SMARTER DECISIONS FOR THE FUTURE OF ...CITY CIVIC MOVEMENTS IN AVEIRO – PROMOTE SMARTER DECISIONS FOR THE FUTURE OF ...
CITY CIVIC MOVEMENTS IN AVEIRO – PROMOTE SMARTER DECISIONS FOR THE FUTURE OF ...José Carlos Mota
 
A new relevant relationship between communities and local authorities through...
A new relevant relationship between communities and local authorities through...A new relevant relationship between communities and local authorities through...
A new relevant relationship between communities and local authorities through...José Carlos Mota
 
The added value of city civic movements in local spatial planning policies di...
The added value of city civic movements in local spatial planning policies di...The added value of city civic movements in local spatial planning policies di...
The added value of city civic movements in local spatial planning policies di...José Carlos Mota
 
Apresentação be in aveiro 13 abr 2013
Apresentação be in aveiro 13 abr 2013Apresentação be in aveiro 13 abr 2013
Apresentação be in aveiro 13 abr 2013José Carlos Mota
 

Mais de José Carlos Mota (17)

UAUBIKE Smart Cities Tour 2019
UAUBIKE Smart Cities Tour 2019UAUBIKE Smart Cities Tour 2019
UAUBIKE Smart Cities Tour 2019
 
E se o futuro for um regresso ao passado?
E se o futuro for um regresso ao passado?E se o futuro for um regresso ao passado?
E se o futuro for um regresso ao passado?
 
Em busca de uma solução para o Rossio – 5 temas de reflexão
Em busca de uma solução para o Rossio –  5 temas de reflexãoEm busca de uma solução para o Rossio –  5 temas de reflexão
Em busca de uma solução para o Rossio – 5 temas de reflexão
 
MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO
MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO
MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO
 
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalhoLaboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
 
Novas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicleta
Novas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicletaNovas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicleta
Novas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicleta
 
Em Aveiro (tudo) é possível!
Em Aveiro (tudo) é possível!Em Aveiro (tudo) é possível!
Em Aveiro (tudo) é possível!
 
TURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessions
TURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessionsTURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessions
TURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessions
 
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vf
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vfCidades e regiões bike friendly apresentação-vf
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vf
 
Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...
Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...
Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...
 
A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA...
 A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA... A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA...
A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA...
 
Aveiro Salt Cluster
Aveiro Salt Cluster Aveiro Salt Cluster
Aveiro Salt Cluster
 
Tr 130 valorização da bicicleta
Tr 130 valorização da bicicletaTr 130 valorização da bicicleta
Tr 130 valorização da bicicleta
 
CITY CIVIC MOVEMENTS IN AVEIRO – PROMOTE SMARTER DECISIONS FOR THE FUTURE OF ...
CITY CIVIC MOVEMENTS IN AVEIRO – PROMOTE SMARTER DECISIONS FOR THE FUTURE OF ...CITY CIVIC MOVEMENTS IN AVEIRO – PROMOTE SMARTER DECISIONS FOR THE FUTURE OF ...
CITY CIVIC MOVEMENTS IN AVEIRO – PROMOTE SMARTER DECISIONS FOR THE FUTURE OF ...
 
A new relevant relationship between communities and local authorities through...
A new relevant relationship between communities and local authorities through...A new relevant relationship between communities and local authorities through...
A new relevant relationship between communities and local authorities through...
 
The added value of city civic movements in local spatial planning policies di...
The added value of city civic movements in local spatial planning policies di...The added value of city civic movements in local spatial planning policies di...
The added value of city civic movements in local spatial planning policies di...
 
Apresentação be in aveiro 13 abr 2013
Apresentação be in aveiro 13 abr 2013Apresentação be in aveiro 13 abr 2013
Apresentação be in aveiro 13 abr 2013
 

Último

Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Centro Jacques Delors
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfbragamoysesaline
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 

IMPROVING COLLECTIVE INTELLIGENCE TO PROMOTE BETTER CITIES

  • 1. SMART CIVIC CITIES: IMPROVING COLLECTIVE INTELLIGENCE TO PROMOTE BETTER CITIES 24 OCTOBER 2014 | VNG JOSÉ CARLOS MOTA DOCENTE E INVESTIGADOR DO DCSPT - UNIVERSIDADE DE AVEIRO jcmota@ua.pt LINK
  • 2. 1. DO WE REALY NEED SMART CITIES?
  • 3. 1. SMART CITIES MAINSTREAM APPROACH CITY AS AN URBAN SYSTEM; FOCUS ON HARDWARE NEOLIBERAL AND TECHNOLOGY-PUSH PERSPECTIVE INVESTMENT IN HIGHLY COST INFRA-STRUCTURES APPLIED SPECIALLY TO GLOBAL CITIES OVERVIEW: http://www.smartcitiesitsallaboutpeople.net/ RESULTS / CRITICS INFRASTRUTURE BIG PROJECTS INCREASING SPATIAL INEQUALITIES LACK OF CITIZEN INVOLVEMENT
  • 4. 1. HUMAN SMART CITIES «NEW» APPROACH «governments engage citizens» «peer-to-peer relationship based on reciprocal trust and collaboration» «city where people are the main actors of urban “smartness”» «adopts services that are born from people’s real needs and have been co-designed through interactive, dialogic, and collaborative processes» RESULTS SMALL SCALE AND HIGH IMPACT PROJECTS MORE ROOTED IN THE LOCAL ENVIRONMENT HSC - PERIPHÈRIA PROJECT SOFT TECHNOLOGIES MAY HAVE BETTER ECONOMIC AND SOCIAL RETURNS OVERVIEW: http://www.smartcitiesitsallaboutpeople.net/
  • 5. 2. A NEW «CIVIC AGENDA» FOR SMART CITIES?
  • 6. 2. CIVIC AGENDA FOR SMATER CITIES HOW ARE WE USING OUR CIVIC RIGHTS? AT EUROPEAN LEVEL ELECTIONS & BUDGET AT NATIONAL LEVEL ELECTIONS & POLICY DISCUSSIONS AT LOCAL LEVEL ELECTIONS & POLICY DISCUSSIONS LOCAL ORGANIZATIONS PROJECTS & PLANS AT HOME/WORK LEVEL PERSONAL/FAMILY LIFE JOB «os portugueses são o povo mais desconfiado da Europa Ocidental e ocupam a 25ª posição entre 26 países. Para quase 20 por cento dos portugueses e franceses "para se chegar ao topo, é necessário ser corrupto» OCDE (2007) «45% dos portugueses suspeitam dos outros, mas os números disparam se o alvo for o governo (70%)» Estudo TESE (2010) 25,6% dos inquiridos portugueses assumiam-se como associativistas, o que ainda assim tornava Portugal o país europeu com a mais baixa taxa associativa (Delicado, 2003: 232-5).
  • 7. 2. CIVIC AGENDA FOR SMATER CITIES WE REALLY DON’T HAVE A TRADITION OF PUBLIC PARTICIPATION ALTHOUGHT… SOCIAL MEDIA AND PUBLIC SPACE THE POWE OF SOCIAL NETWORKS (REAL AND VIRTUAL) ALBOI NEIGHBOURHOOD PROJECT http://contraoalboicortadoaomeio.blogs.sapo.pt/
  • 8. 2. CIVIC AGENDA FOR SMATER CITIES WE REALLY DON’T HAVE A TRADITION OF PUBLIC PARTICIPATION A SMALL CORNER OF THE WORLD ALTHOUGHT! ALBOI NEIGHBOURHOOD PROJECT THE POWE OF SOCIAL NETWORKS (REAL AND VIRTUAL) http://www.youtube.com/watch?v=dX_sEWp1Yh0
  • 9. 2. CIVIC AGENDA FOR SMATER CITIES WE REALLY DON’T HAVE A TRADITION OF PUBLIC PARTICIPATION ALTHOUGHT! FOOTH BRIDGE IN A WATER CHANNEL CROWDED PUBLIC MEETING PRODUCE OPINION COLLECTIVITY CAN WE BUILT A CITY AGAINST THEIR INHABITANTS? http://contrapontepedonalnocanalcentral.blogs.sapo.pt/
  • 10. 2. CIVIC AGENDA FOR SMATER CITIES WE REALLY DON’T HAVE A TRADITION OF PUBLIC PARTICIPATION ALTHOUGHT! CAFFE MEETING’S CAN A WATER CHANNEL BE IN THE HART OF THE COMMUNITY? CREATE ARENAS FOR DEBATE http://contrapontepedonalnocanalcentral.blogs.sapo.pt/
  • 11. 2. CIVIC AGENDA FOR SMATER CITIES WE REALLY DON’T HAVE A TRADITION OF PUBLIC PARTICIPATION ALTHOUGHT! USE THE PUBLIC SPACE CELEBRATING PUBLIC SPACE MANIFESTO FOR THE PUBLIC SPACE http://programadasfestas.blogs.sapo.pt/
  • 12. 2. CIVIC AGENDA FOR SMATER CITIES PEOPLE DO PARTICIPATE IF COLLECTIVE ISSUES/CONCERNS ADEQUATE ARENAS (VIRTUAL & FACE2FACE) COLLABORATIVE ENVIRONMENT (TRUST & EMPATHY) THEY HAVE ACCESS TO INFORMATION (EXPERTISE) THERE IS A COMMON SHARE OF IDEAS (CO-CREATE) THEY FEEL THEIR VOICES CAN BE HEARD (INFLUENCE) MYTHS AND PREJUDICES DESPITE DIFICULTIES AND LIMITATIONS LACK TRADITION ALL CHANGES ARE EPHEMERAL AND REVERSIBLE PERSERVERANCE IS A KEY FACTOR!
  • 13. 2. CIVIC AGENDA WHY DO WE NEED A CIVIC AGENDA (IN PORTUGAL)? WE NEED ACTION AND HOPE! DEMOCRACY PREVENT CAPTURE OF PUBLIC INTEREST ENVIROMENT CONTROL EMISSIONS / CLIMATE CHANGE SOCIAL HEALTH, SOLIDARITY, INCLUSIVE ECONOMY GROWTH AND CREATE JOBS
  • 14. 2. CIVIC AGENDA WHY DO WE NEED A CIVIC AGENDA (IN PORTUGAL)? WE HAVE RESOURCES THAT WE DON’T USE REDISCOVER RESOURCES IN CITIES (DEVALUED OR UNKNOWN) KNOWLEDGE ABOUT CITIES AND ITS RESOURCES SPACES VACANT UNDERUTILIZED OR (AND NOT BUILT BUILT, PUBLIC AND PRIVATE) NETWORKS OF PROXIMITY (ORGANIZATIONS AND EQUIPMENT) CIVIC AND INSTITUTIONAL CAPACITY ICT INFRASTRUCTURES / KNOWLEDGE
  • 15. 2. CIVIC AGENDA KNOWLEDGE ABOUT CITIES AND ITS RESOURCES ‘Temos de ir caminhando pelas ruas e conversando com as pessoas para ir à procura dessas micro-histórias‘ LOCAL KNOWLEDGE + SCIENTIFIC KNOWLEDGE MAPPING, SHARING, LINKING CO-PRODUCING
  • 16. VACANT OR UNDERUTILIZED SPACES (PUBLIC AND PRIVATE) a imaginação para preencher o vazio, em Aveiro! LINK: https://www.facebook.com/vivacidade.aveiro Antiga garagem na Covilhã transformada em espaço de arte e cultura (SIC) LINK: http://sicnoticias.sapo.pt/cultura/2014-06-09- antiga-garagem-na-covilha-transformada-em-espaco-de-arte- e-cultura 2. CIVIC AGENDA
  • 17. 2. CIVIC AGENDA NETWORKS OF PROXIMITY (ORGANIZATIONS AND EQUIPMENT) produzir o seu adequado mapeamento e sistematização para permitir construir colaborativamente uma nova narrativa sobre as questões críticas locais, valorizando esses recursos, e com isso produzir um outro tipo de políticas.
  • 18. 2. CIVIC AGENDA CIVIC AND INSTITUTIONAL CAPACITY Manuel Assunção, A Universidade de Aveiro como universidade cívica
  • 19. 2. CIVIC AGENDA ICT INFRASTRUCTURE AND KNOWLEDGE 'urbanização da tecnologia' - uma forma particular transformar, adaptar ou mesmo ‘hackear’ a 'tecnologia' para responder a problemas e necessidades da comunidade (empresarial, artística, científica, associativa e cívica). A tecnologia vai desde o carro, a bicicleta, mobiliário urbano, edifícios, passando pelos dispositivosmóveis, redes, etc.., A cidade (em particular os seus utilizadores, residentes, organizações, ecologias) pode ser o palco da identificação de novas necessidades de resposta e da adequação bem sucedida ('hackear') da tecnologia a essas necessidades (Sassen, 2012) verhttp://www.engagetv.com/webcast_Saskia-Sassen-Urbanizing-Technology-PICNIC-Festival-2011
  • 20. 3. HOW ARE WE USING OUR COLLECTIVE INTELIGENCE?
  • 21. 3.1 WHAT DO WE MEAN BY COLLECTIVE INTELIGENCE? COLLECTIVE INTELIGENCE CONCEPT «Empowerment through the development and pooling of intelligence to attain common goals or to resolve common problems» Brown and Lauder (2000) «Social glue that holds societies together» Brown and Lauder (2000) V. IMP. «the extent to which people are institutionally encouraged («trust») to pool their capacity (knowledge, technology and intellectual resources) for intelligent action (solve collective problems)» Brown and Lauder (2000)
  • 22. 3.2 WHY SHOULD WE USE COLLECTIVE INTELIGENCE? LIDERANÇAS QUE AJUDAM OS GRUPOS A AGIR COLECTIVAMENTE DE MODO MAIS INTELIGENTE http://cci.mit.edu/malone/ http://vimeo.com/37389182 THOMAS MALONE, MIT (2011) ESTUDO MIT CONCLUIU QUE A IC está fracamente correlacionado com a média e máxima inteligência do grupo; não está correlacionada com a satiafação do grupo, motivação coesão; está significativamente correlacionada com: PERCEPÇÃO SOCIAL (capacidade dos membros lerem as expressões e emoções dos outros); IGUALDADE DE PARTICIPAÇÃO NA CONVERSAÇÃO; PROPORÇÃO DE MULHERES NO GRUPO (relacionado com o 1.º); IMPORTA NÃO SÓ A INTELIGÊNCIA INDIDIVUAL DAS PESSOAS MAS A INTELIGÊNCIA COLECTIVA DOS GRUPOS
  • 23. SHARING PLATFORMS TRIPLE-HELIX PLATFORMS TECHNOLOGICAL PARKS UNIVERSITIES ENTERPRISES CENTRAL REGIONAL LOCAL AUTHORITIES PROJECTS INDUSTRIAL PARKS TETRA-HELIX PLATFORMS CIVIC UNIVERSITIY SUB- ENTERPRISES REGIONAL LOCAL AUTHORITIES NGO CITIZENS URBAN LAB LIVING LAB PARTNERSHIPS TECHNOLOGICAL PLATFORMS 3.3 HOW ARE WE USING C.I.? DIY CO-CREATION CROWDFUNDING COLLABORATIVE MAPPING
  • 24. 3.4 COLLECTIVE INTELLIGENCE IN AVEIRO BICYCLE INOVATIVE ECOSSISTEM BICYCLE TECHN. PLATF. UNIVERSITY AVEIRO BICYCLE INDUSTRY ASSOCIATION ABIMOTA CIRA AVEIRO REGION INTERMUNICIPAL COMMUNITY NGO CITIZENS INOVARIA ICT CLUSTER ASSOCIATION CYCLING FEDERATION PUBLIC ORGANIZATIONS MIRALAGO BEWEGEN LARUS REVIGRÉS AMORIM CORK PONTO .C MICRO-IO UBIWHERE BIKEEMOTION (…) PARENT ASSOCIATIONS TRANSITION GROUPS ENVIRONMENTAL ASSOCIATIONS POLICE – PSP SCHOOLS BICYCLE DESIGNERS CYCLE TOURISM OPERATORS TEXTIL MANUFACTORS OTHER UNIVERSITIES AND RESEARCH CENTRES SPORT FACILITIES VELODROME COMMON GOAL BICYCLE ACCESSORIES MIRANDA IRMÃO RODI POLISPORT INTERNATIONAL NETWORKS LIVEABLE CITIES
  • 25. 3.4 COLLECTIVE INTELLIGENCE IN AVEIRO BICYCLE INOVATIVE ECOSSISTEM
  • 26. 3.4 COLLECTIVE INTELLIGENCE IN AVEIRO BICYCLE INOVATIVE ECOSSISTEM
  • 27. 3.4 COLLECTIVE INTELLIGENCE IN AVEIRO BICYCLE INOVATIVE ECOSSISTEM SISTEMAS PARTILHADOS DE BICICLETAS COLECTIVAS FIRST BIKE
  • 28. 3.4 COLLECTIVE INTELLIGENCE IN AVEIRO BICYCLE INOVATIVE ECOSSISTEM BIKE DATA c/ ESTGA MAPEAMENTO DO VALOR ECONÓMICO DA BICICLETA c/ ESTGA
  • 29. 4. FRAMEWORK FOR A SMART CIVIC CITY!
  • 30. 4.1 SMART CIVIC CITY CONCEPT TETRA-HELIX PLATFORMS CENTRED IN CITIES IDENTIFY, VALUE AND USE RESOURCES (DEVALUED OR UNKNOWN) TO ANSWER TO NEEDS, PROBLEMS AND DREAMS ABILITY TO WORK COLLABORATIVELY AND TO USE THE COLLECTIVE INTELLIGENCE LEARNING COMMUNITY (ENVIRONMENT, INFRASTRUCTURES, IDEAS AND PRACTICES) CREATING PARTNERSHIPS WITH A SHARED LEADERSHIP Inspired: http://www.publicsphereproject.org/
  • 31. 4.2. CIVIC CHALLENGE KNOWLEDGE -> DEVELOPMENT ARE WE READY? HOPE SO! CHALLENGES PUBLIC MEDIATION – TRUST ARENAS/PLATFORMS – EMPATHY COLLECTIVE IDEAS -> PUBLIC POLICIES/ CO-OPERATIVE BUSINESSES COMMUNICATE THE PROCESS
  • 32. JOSÉ CARLOS MOTA – DOCENTE E INVESTIGADOR DO DCSPT - UNIVERSIDADE DE AVEIRO jcmota@ua.pt | josecarlosmota@gmail.com | https://www.facebook.com/josecarlosmota SUGESTÕES DE REFLEXÃO http://estadosocial.blogs.sapo.pt http://cidadescomaspessoas.blogs.sapo.pt/ http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/ http://www.ua.pt/ptbicicleta/ https://www.facebook.com/ptbicicleta http://planeamentoregionaleurbano.blogs.sapo.pt/ https://www.facebook.com/PlaneamentoRegionaleUrbano https://www.facebook.com/DCSPT