SlideShare uma empresa Scribd logo
ÁGUAS SUBTERRÂNEAS
Compreende toda a água que ocorre abaixo da
superfície de uma determinada área-água do
solo, água da zona não saturada, água da zona
saturada, água de camadas aflorantes muito
permeáveis (aqüífero livre), água de camadas
enceradas entre outras relativamente menos
permeáveis (aqüífero confinado), água de
camadas relativamente argilosas (aquitardes),
água de camadas muito argilosas (aquicludes).
Origem das águas subterrâneas
• Meteórica – são águas naturalmente
recarregadas pela infiltração de uma fração das
precipitações – chuvas, neves, neblinas
principalmente – que caem nas superfícies
emersas do globo. Essa fonte representa 97%
do volume de água doce líquida dos
continentes, acessível aos meios tecnológicos e
econômicos disponíveis, para abastecimento
seguro de populações, industrias e atividades
agro-pecuárias, desde que captadas de forma
adequada.
• Águas conatas – estas águas são retidas
ou conatas nos sedimentos desde as
épocas de formação dos depósitos são
por isso, também chamadas de “água de
formação”. As águas de formação
representam um volume de água
subterrânea estimado em 53 milhões de
Km3, que estão estocados na litosfera, em
geral a profundidades superiores aos
4.000 metros
• Água juvenil – é gerada pelos processos
magmáticos da terra e está estimada em
cerca de 0,3 km3 por ano. Esta parcela
integra-se ao ciclo hidrológico por meio
dos mecanismos geológicos de circulação
de massas e energias relacionadas com a
Tectônica de Placas.
Introdução Águas Subterrâneas - Parte I
Introdução Águas Subterrâneas - Parte I
Definição de Aquífero
• Um aquífero é toda formação geológica subterrânea
capaz de armazenar água e que possua permeabilidade
suficiente para permitir que esta se movimente. São
verdadeiros reservatórios subterrâneos de água
formados por rochas com características porosas e
permeáveis que retém a água das chuvas, que se infiltra
pelo solo, e a transmitem, sob a ação de um diferencial
de pressão hidrostática, para que, aos poucos, abasteça
rios e poços artesianos.
• http://www.oeco.org.br/dicionario-ambiental/28001-o-que-e-um-aquifero
TIPOS DE AQUÍFEROS
• Aqüífero Livre (freático ou não confinado) – é aquele
cujo topo é demarcado pelo nível freático, estando em
contato com a atmosfera.
• Aqüífero Confinado – é o aqüífero no qual a pressão da
água no topo é maior do que a pressão atmosférica.
Ocorre quando um estrato permeável (aqüífero) está
confinado entre duas unidades pouco permeáveis
(aquítardes).
• Aqüífero confinado não drenante – é um aqüífero cujas
camadas limítrofes, superior e inferior, são
impermeáveis.
• Aqüífero confinado drenante – é um aqüífero no qual
pelo menos uma das camadas limítrofes é
semipermeável
Condições para Formação de
Aqüífero
• Distribuição e intensidade das precipitações
• História paleogeográfica do seu quadro
geológico
• Características de porosidade e permeabilidade
e formas de ocorrência das formações aqüíferas
• Formas de uso e ocupação do meio físico.
Introdução Águas Subterrâneas - Parte I
Fluxo de Água Subterrânea.
Nível Freático X Drenagem superficial
• Rios efluentes - rios cuja vazão aumenta
para jusante alimentados pela água
subterrânea (regiões úmidas)
• Rios influentes – rios cuja vazão diminui a
jusante em conseqüência da recarga da
água subterrânea pelo escoamento
superficial (regiões semi-áridas ou áridas)
Introdução Águas Subterrâneas - Parte I
Porosidade e Permeabilidade
• Porosidade – é uma
propriedade física
definida pela relação
entre o volume de
poros e o volume total
de um certo material.
• Permeabilidade – é a
propriedade dos
materiais conduzirem
água, depende do
tamanho dos poros e
da conexão entre
eles.
Volume de poros e tamanho de
partículas em sedimentos.
Material Tamanho das
partículas (mm)
Porosidade (%) Permeabilidade
Cascalho 7 a 10 mm 35,2 Muito alta
Areia Grossa 1 a 2 37,4 Alta
Areia Fina 0,3 42 Alta a media
Silte e Argila 0,04 a 0,06 50 a 80 Baixa a muito
baixa
Fonte: Decifrando a terra, 2003
POROSIDADE E PERMEABILIDADE
Introdução Águas Subterrâneas - Parte I
Introdução Águas Subterrâneas - Parte I
Introdução Águas Subterrâneas - Parte I
Introdução Águas Subterrâneas - Parte I
Introdução Águas Subterrâneas - Parte I
SAGA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dimensionamento lagoa anaeróbia
Dimensionamento lagoa anaeróbiaDimensionamento lagoa anaeróbia
Dimensionamento lagoa anaeróbia
Giovanna Ortiz
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradasAula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Giovanna Ortiz
 
Hidrologia aula introdutória
Hidrologia   aula introdutóriaHidrologia   aula introdutória
Hidrologia aula introdutória
marciotecsoma
 
Saneamento - captação
Saneamento - captaçãoSaneamento - captação
Saneamento - captação
wendellnml
 
Hidrologia Aula 1
Hidrologia Aula 1Hidrologia Aula 1
Hidrologia Aula 1
Ronaldo Cesar
 
Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2)
Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2)Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2)
Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2)
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Águas Subterrâneas
Águas SubterrâneasÁguas Subterrâneas
Águas Subterrâneas
Carlos Gomes
 
Regularização de Vazões (Parte I)
Regularização de Vazões (Parte I)Regularização de Vazões (Parte I)
Regularização de Vazões (Parte I)
Hidrologia UFC
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiras
Rita Oliveira
 
Evaporação e Evapotranspiração
Evaporação e Evapotranspiração Evaporação e Evapotranspiração
Evaporação e Evapotranspiração
Hidrologia UFC
 
Agua subterrânea aquíferos
Agua subterrânea   aquíferosAgua subterrânea   aquíferos
Agua subterrânea aquíferos
marciotecsoma
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
Ezequias Guimaraes
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
Aula 2 hidrologia( ciclo hidrologico)
Aula 2 hidrologia( ciclo hidrologico)Aula 2 hidrologia( ciclo hidrologico)
Aula 2 hidrologia( ciclo hidrologico)
Gilson Adao
 
Hidrologia aula 02
Hidrologia aula 02Hidrologia aula 02
Hidrologia aula 02
Ronaldo Cesar
 
Aula hidrilogia exercicio
Aula hidrilogia exercicioAula hidrilogia exercicio
Aula hidrilogia exercicio
propria
 
Evaporação e Evapotranspiração (Parte 1)
Evaporação e Evapotranspiração (Parte 1)Evaporação e Evapotranspiração (Parte 1)
Evaporação e Evapotranspiração (Parte 1)
Hidrologia UFC
 
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
karolpoa
 

Mais procurados (20)

Dimensionamento lagoa anaeróbia
Dimensionamento lagoa anaeróbiaDimensionamento lagoa anaeróbia
Dimensionamento lagoa anaeróbia
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradasAula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
 
Hidrologia aula introdutória
Hidrologia   aula introdutóriaHidrologia   aula introdutória
Hidrologia aula introdutória
 
Saneamento - captação
Saneamento - captaçãoSaneamento - captação
Saneamento - captação
 
Hidrologia Aula 1
Hidrologia Aula 1Hidrologia Aula 1
Hidrologia Aula 1
 
Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2)
Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2)Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2)
Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2)
 
Águas Subterrâneas
Águas SubterrâneasÁguas Subterrâneas
Águas Subterrâneas
 
Regularização de Vazões (Parte I)
Regularização de Vazões (Parte I)Regularização de Vazões (Parte I)
Regularização de Vazões (Parte I)
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiras
 
Evaporação e Evapotranspiração
Evaporação e Evapotranspiração Evaporação e Evapotranspiração
Evaporação e Evapotranspiração
 
Agua subterrânea aquíferos
Agua subterrânea   aquíferosAgua subterrânea   aquíferos
Agua subterrânea aquíferos
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
Aula 2 hidrologia( ciclo hidrologico)
Aula 2 hidrologia( ciclo hidrologico)Aula 2 hidrologia( ciclo hidrologico)
Aula 2 hidrologia( ciclo hidrologico)
 
Hidrologia aula 02
Hidrologia aula 02Hidrologia aula 02
Hidrologia aula 02
 
Aula hidrilogia exercicio
Aula hidrilogia exercicioAula hidrilogia exercicio
Aula hidrilogia exercicio
 
Evaporação e Evapotranspiração (Parte 1)
Evaporação e Evapotranspiração (Parte 1)Evaporação e Evapotranspiração (Parte 1)
Evaporação e Evapotranspiração (Parte 1)
 
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
 

Destaque

Bacias Hidrográficas - Parte I
Bacias Hidrográficas - Parte IBacias Hidrográficas - Parte I
Bacias Hidrográficas - Parte I
LCGRH UFC
 
Aula 02: Recursos Hídricos
Aula 02: Recursos HídricosAula 02: Recursos Hídricos
Aula 02: Recursos Hídricos
Lucas Soares
 
Aula 01: Água x Recursos Hídricos
Aula 01: Água x Recursos HídricosAula 01: Água x Recursos Hídricos
Aula 01: Água x Recursos Hídricos
Lucas Soares
 
Bacias Hidrográficas - Parte II
Bacias Hidrográficas - Parte IIBacias Hidrográficas - Parte II
Bacias Hidrográficas - Parte II
LCGRH UFC
 
Águas Subterrâneas - Parte 2
Águas Subterrâneas - Parte 2Águas Subterrâneas - Parte 2
Águas Subterrâneas - Parte 2
LCGRH UFC
 
Introdução Limnologia
Introdução LimnologiaIntrodução Limnologia
Introdução Limnologia
LCGRH UFC
 
Qualidade de água
Qualidade de água Qualidade de água
Qualidade de água
LCGRH UFC
 
Balanço Hídrico
Balanço Hídrico Balanço Hídrico
Balanço Hídrico
LCGRH UFC
 
Trabalho aguas subterraneas (1)
Trabalho aguas subterraneas (1)Trabalho aguas subterraneas (1)
Trabalho aguas subterraneas (1)
superkhada
 
Recursos hídricos
Recursos hídricosRecursos hídricos
Recursos hídricos
Ingrid Bispo
 
Panorama qualidade aguas_superficiais_br_2012
Panorama qualidade aguas_superficiais_br_2012Panorama qualidade aguas_superficiais_br_2012
Panorama qualidade aguas_superficiais_br_2012
Samanta Tolentino
 
Manual abastecimento agua
Manual abastecimento aguaManual abastecimento agua
Manual abastecimento agua
Bruno Bonifácio
 
Abastecimento de água
Abastecimento de águaAbastecimento de água
Abastecimento de água
Manu Guimarães
 
Aguas Subterraneas
Aguas SubterraneasAguas Subterraneas
Aguas Subterraneas
Limnos Ufsc
 
Aula captação adutoras.rev
Aula captação adutoras.revAula captação adutoras.rev
Aula captação adutoras.rev
Carlos Elson Cunha
 
Águas superficiais
Águas superficiaisÁguas superficiais
Águas superficiais
Mayjö .
 
BioGeo11-aquiferos
BioGeo11-aquiferosBioGeo11-aquiferos
BioGeo11-aquiferos
Rita Rainho
 
Captação e Adutoras
Captação e AdutorasCaptação e Adutoras
Captação e Adutoras
Carlos Elson Cunha
 
A rede hidrográfica
A rede hidrográficaA rede hidrográfica
A rede hidrográfica
Rosária Zamith
 
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escritoComo redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Biblioteca Escolar Ourique
 

Destaque (20)

Bacias Hidrográficas - Parte I
Bacias Hidrográficas - Parte IBacias Hidrográficas - Parte I
Bacias Hidrográficas - Parte I
 
Aula 02: Recursos Hídricos
Aula 02: Recursos HídricosAula 02: Recursos Hídricos
Aula 02: Recursos Hídricos
 
Aula 01: Água x Recursos Hídricos
Aula 01: Água x Recursos HídricosAula 01: Água x Recursos Hídricos
Aula 01: Água x Recursos Hídricos
 
Bacias Hidrográficas - Parte II
Bacias Hidrográficas - Parte IIBacias Hidrográficas - Parte II
Bacias Hidrográficas - Parte II
 
Águas Subterrâneas - Parte 2
Águas Subterrâneas - Parte 2Águas Subterrâneas - Parte 2
Águas Subterrâneas - Parte 2
 
Introdução Limnologia
Introdução LimnologiaIntrodução Limnologia
Introdução Limnologia
 
Qualidade de água
Qualidade de água Qualidade de água
Qualidade de água
 
Balanço Hídrico
Balanço Hídrico Balanço Hídrico
Balanço Hídrico
 
Trabalho aguas subterraneas (1)
Trabalho aguas subterraneas (1)Trabalho aguas subterraneas (1)
Trabalho aguas subterraneas (1)
 
Recursos hídricos
Recursos hídricosRecursos hídricos
Recursos hídricos
 
Panorama qualidade aguas_superficiais_br_2012
Panorama qualidade aguas_superficiais_br_2012Panorama qualidade aguas_superficiais_br_2012
Panorama qualidade aguas_superficiais_br_2012
 
Manual abastecimento agua
Manual abastecimento aguaManual abastecimento agua
Manual abastecimento agua
 
Abastecimento de água
Abastecimento de águaAbastecimento de água
Abastecimento de água
 
Aguas Subterraneas
Aguas SubterraneasAguas Subterraneas
Aguas Subterraneas
 
Aula captação adutoras.rev
Aula captação adutoras.revAula captação adutoras.rev
Aula captação adutoras.rev
 
Águas superficiais
Águas superficiaisÁguas superficiais
Águas superficiais
 
BioGeo11-aquiferos
BioGeo11-aquiferosBioGeo11-aquiferos
BioGeo11-aquiferos
 
Captação e Adutoras
Captação e AdutorasCaptação e Adutoras
Captação e Adutoras
 
A rede hidrográfica
A rede hidrográficaA rede hidrográfica
A rede hidrográfica
 
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escritoComo redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
 

Semelhante a Introdução Águas Subterrâneas - Parte I

Recursos subterrâneos helena_silvia(2)
Recursos subterrâneos helena_silvia(2)Recursos subterrâneos helena_silvia(2)
Recursos subterrâneos helena_silvia(2)
helenasvdias
 
Hidrologia aquíferos
Hidrologia   aquíferosHidrologia   aquíferos
Hidrologia aquíferos
marciotecsoma
 
Aquiferos ppt-Recursos hidricos
Aquiferos ppt-Recursos hidricosAquiferos ppt-Recursos hidricos
Aquiferos ppt-Recursos hidricos
IrisFF
 
Geomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvialGeomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvial
Achansen
 
Cap. 8 - A hidrosfera
Cap. 8 - A hidrosferaCap. 8 - A hidrosfera
Cap. 8 - A hidrosfera
Acácio Netto
 
Hidrosfera 6º ano
Hidrosfera 6º anoHidrosfera 6º ano
Hidrosfera 6º ano
Márcia Dutra
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
flaviocosac
 
Agua subterrânea
Agua subterrâneaAgua subterrânea
Agua subterrânea
José Gois
 
Disponibilidades hídricas
Disponibilidades hídricasDisponibilidades hídricas
Disponibilidades hídricas
Anabelafernandes
 
Samuel Barrêto
Samuel BarrêtoSamuel Barrêto
Samuel Barrêto
ambev
 
áGua nos continentes
áGua nos continentesáGua nos continentes
Cfakepathmicrosoftword propostawwf-ambevnascentesdobrasildfsite1-100311080249...
Cfakepathmicrosoftword propostawwf-ambevnascentesdobrasildfsite1-100311080249...Cfakepathmicrosoftword propostawwf-ambevnascentesdobrasildfsite1-100311080249...
Cfakepathmicrosoftword propostawwf-ambevnascentesdobrasildfsite1-100311080249...
Bernardete Guimaraes
 
hidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptx
hidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptxhidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptx
hidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptx
alessandraoliveira324
 
hidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptx
hidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptxhidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptx
hidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptx
alessandraoliveira324
 
Apresentação - O Conceito de Bioma Deve Ser Modificado - Economia da Natureza...
Apresentação - O Conceito de Bioma Deve Ser Modificado - Economia da Natureza...Apresentação - O Conceito de Bioma Deve Ser Modificado - Economia da Natureza...
Apresentação - O Conceito de Bioma Deve Ser Modificado - Economia da Natureza...
Janaina Alves
 
hidrosfera-140825140645-phpapp02.pdf
hidrosfera-140825140645-phpapp02.pdfhidrosfera-140825140645-phpapp02.pdf
hidrosfera-140825140645-phpapp02.pdf
ROSANGELABAHLS
 
Hidrosfera -- Revisão 6º ano
Hidrosfera -- Revisão 6º anoHidrosfera -- Revisão 6º ano
Hidrosfera -- Revisão 6º ano
Josecler Rocha
 
Hidrogafia Geral
Hidrogafia GeralHidrogafia Geral
Hidrogafia Geral
williandadalto
 
Hidrografia2
Hidrografia2Hidrografia2
Hidrografia
HidrografiaHidrografia

Semelhante a Introdução Águas Subterrâneas - Parte I (20)

Recursos subterrâneos helena_silvia(2)
Recursos subterrâneos helena_silvia(2)Recursos subterrâneos helena_silvia(2)
Recursos subterrâneos helena_silvia(2)
 
Hidrologia aquíferos
Hidrologia   aquíferosHidrologia   aquíferos
Hidrologia aquíferos
 
Aquiferos ppt-Recursos hidricos
Aquiferos ppt-Recursos hidricosAquiferos ppt-Recursos hidricos
Aquiferos ppt-Recursos hidricos
 
Geomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvialGeomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvial
 
Cap. 8 - A hidrosfera
Cap. 8 - A hidrosferaCap. 8 - A hidrosfera
Cap. 8 - A hidrosfera
 
Hidrosfera 6º ano
Hidrosfera 6º anoHidrosfera 6º ano
Hidrosfera 6º ano
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Agua subterrânea
Agua subterrâneaAgua subterrânea
Agua subterrânea
 
Disponibilidades hídricas
Disponibilidades hídricasDisponibilidades hídricas
Disponibilidades hídricas
 
Samuel Barrêto
Samuel BarrêtoSamuel Barrêto
Samuel Barrêto
 
áGua nos continentes
áGua nos continentesáGua nos continentes
áGua nos continentes
 
Cfakepathmicrosoftword propostawwf-ambevnascentesdobrasildfsite1-100311080249...
Cfakepathmicrosoftword propostawwf-ambevnascentesdobrasildfsite1-100311080249...Cfakepathmicrosoftword propostawwf-ambevnascentesdobrasildfsite1-100311080249...
Cfakepathmicrosoftword propostawwf-ambevnascentesdobrasildfsite1-100311080249...
 
hidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptx
hidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptxhidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptx
hidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptx
 
hidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptx
hidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptxhidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptx
hidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptx
 
Apresentação - O Conceito de Bioma Deve Ser Modificado - Economia da Natureza...
Apresentação - O Conceito de Bioma Deve Ser Modificado - Economia da Natureza...Apresentação - O Conceito de Bioma Deve Ser Modificado - Economia da Natureza...
Apresentação - O Conceito de Bioma Deve Ser Modificado - Economia da Natureza...
 
hidrosfera-140825140645-phpapp02.pdf
hidrosfera-140825140645-phpapp02.pdfhidrosfera-140825140645-phpapp02.pdf
hidrosfera-140825140645-phpapp02.pdf
 
Hidrosfera -- Revisão 6º ano
Hidrosfera -- Revisão 6º anoHidrosfera -- Revisão 6º ano
Hidrosfera -- Revisão 6º ano
 
Hidrogafia Geral
Hidrogafia GeralHidrogafia Geral
Hidrogafia Geral
 
Hidrografia2
Hidrografia2Hidrografia2
Hidrografia2
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 

Mais de LCGRH UFC

Ayoade,j.o. introdução à climatologia para os trópicos cópia
Ayoade,j.o. introdução à climatologia para os trópicos   cópiaAyoade,j.o. introdução à climatologia para os trópicos   cópia
Ayoade,j.o. introdução à climatologia para os trópicos cópia
LCGRH UFC
 
Apostila de climatologia
Apostila de climatologiaApostila de climatologia
Apostila de climatologia
LCGRH UFC
 
Aula 4 monitoria pressão atmosférica
Aula 4 monitoria pressão atmosféricaAula 4 monitoria pressão atmosférica
Aula 4 monitoria pressão atmosférica
LCGRH UFC
 
Aula 3 monitoria balanço de radiação
Aula 3 monitoria   balanço de radiaçãoAula 3 monitoria   balanço de radiação
Aula 3 monitoria balanço de radiação
LCGRH UFC
 
Aula 2 monitoria
Aula 2 monitoriaAula 2 monitoria
Aula 2 monitoria
LCGRH UFC
 
Aula 1 monitoria
Aula 1 monitoriaAula 1 monitoria
Aula 1 monitoria
LCGRH UFC
 

Mais de LCGRH UFC (6)

Ayoade,j.o. introdução à climatologia para os trópicos cópia
Ayoade,j.o. introdução à climatologia para os trópicos   cópiaAyoade,j.o. introdução à climatologia para os trópicos   cópia
Ayoade,j.o. introdução à climatologia para os trópicos cópia
 
Apostila de climatologia
Apostila de climatologiaApostila de climatologia
Apostila de climatologia
 
Aula 4 monitoria pressão atmosférica
Aula 4 monitoria pressão atmosféricaAula 4 monitoria pressão atmosférica
Aula 4 monitoria pressão atmosférica
 
Aula 3 monitoria balanço de radiação
Aula 3 monitoria   balanço de radiaçãoAula 3 monitoria   balanço de radiação
Aula 3 monitoria balanço de radiação
 
Aula 2 monitoria
Aula 2 monitoriaAula 2 monitoria
Aula 2 monitoria
 
Aula 1 monitoria
Aula 1 monitoriaAula 1 monitoria
Aula 1 monitoria
 

Último

Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
IsaiasJohaneSimango
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 

Introdução Águas Subterrâneas - Parte I

  • 1. ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Compreende toda a água que ocorre abaixo da superfície de uma determinada área-água do solo, água da zona não saturada, água da zona saturada, água de camadas aflorantes muito permeáveis (aqüífero livre), água de camadas enceradas entre outras relativamente menos permeáveis (aqüífero confinado), água de camadas relativamente argilosas (aquitardes), água de camadas muito argilosas (aquicludes).
  • 2. Origem das águas subterrâneas • Meteórica – são águas naturalmente recarregadas pela infiltração de uma fração das precipitações – chuvas, neves, neblinas principalmente – que caem nas superfícies emersas do globo. Essa fonte representa 97% do volume de água doce líquida dos continentes, acessível aos meios tecnológicos e econômicos disponíveis, para abastecimento seguro de populações, industrias e atividades agro-pecuárias, desde que captadas de forma adequada.
  • 3. • Águas conatas – estas águas são retidas ou conatas nos sedimentos desde as épocas de formação dos depósitos são por isso, também chamadas de “água de formação”. As águas de formação representam um volume de água subterrânea estimado em 53 milhões de Km3, que estão estocados na litosfera, em geral a profundidades superiores aos 4.000 metros
  • 4. • Água juvenil – é gerada pelos processos magmáticos da terra e está estimada em cerca de 0,3 km3 por ano. Esta parcela integra-se ao ciclo hidrológico por meio dos mecanismos geológicos de circulação de massas e energias relacionadas com a Tectônica de Placas.
  • 7. Definição de Aquífero • Um aquífero é toda formação geológica subterrânea capaz de armazenar água e que possua permeabilidade suficiente para permitir que esta se movimente. São verdadeiros reservatórios subterrâneos de água formados por rochas com características porosas e permeáveis que retém a água das chuvas, que se infiltra pelo solo, e a transmitem, sob a ação de um diferencial de pressão hidrostática, para que, aos poucos, abasteça rios e poços artesianos. • http://www.oeco.org.br/dicionario-ambiental/28001-o-que-e-um-aquifero
  • 8. TIPOS DE AQUÍFEROS • Aqüífero Livre (freático ou não confinado) – é aquele cujo topo é demarcado pelo nível freático, estando em contato com a atmosfera. • Aqüífero Confinado – é o aqüífero no qual a pressão da água no topo é maior do que a pressão atmosférica. Ocorre quando um estrato permeável (aqüífero) está confinado entre duas unidades pouco permeáveis (aquítardes). • Aqüífero confinado não drenante – é um aqüífero cujas camadas limítrofes, superior e inferior, são impermeáveis. • Aqüífero confinado drenante – é um aqüífero no qual pelo menos uma das camadas limítrofes é semipermeável
  • 9. Condições para Formação de Aqüífero • Distribuição e intensidade das precipitações • História paleogeográfica do seu quadro geológico • Características de porosidade e permeabilidade e formas de ocorrência das formações aqüíferas • Formas de uso e ocupação do meio físico.
  • 11. Fluxo de Água Subterrânea. Nível Freático X Drenagem superficial • Rios efluentes - rios cuja vazão aumenta para jusante alimentados pela água subterrânea (regiões úmidas) • Rios influentes – rios cuja vazão diminui a jusante em conseqüência da recarga da água subterrânea pelo escoamento superficial (regiões semi-áridas ou áridas)
  • 13. Porosidade e Permeabilidade • Porosidade – é uma propriedade física definida pela relação entre o volume de poros e o volume total de um certo material. • Permeabilidade – é a propriedade dos materiais conduzirem água, depende do tamanho dos poros e da conexão entre eles.
  • 14. Volume de poros e tamanho de partículas em sedimentos. Material Tamanho das partículas (mm) Porosidade (%) Permeabilidade Cascalho 7 a 10 mm 35,2 Muito alta Areia Grossa 1 a 2 37,4 Alta Areia Fina 0,3 42 Alta a media Silte e Argila 0,04 a 0,06 50 a 80 Baixa a muito baixa Fonte: Decifrando a terra, 2003
  • 21. SAGA