SlideShare uma empresa Scribd logo
Inf. 846 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 8
INFORMATIVO ESTRATÉGICO
INFORMATIVO STF 846
INFORMATIVO STF 846
Destaques comentados pelos
Professores Estratégia
Sumário
Sumário ..........................................................................................................1	
1 – Direito Internacional Público .........................................................................1	
2 – Direito Tributário.........................................................................................4	
1 – Direito Internacional Público
Crimes contra a humanidade e prescrição - 2
O Plenário, em conclusão e julgamento e por maioria, indeferiu pedido de extradição
formulado pelo Governo da Argentina em desfavor de um nacional, ao qual imputada
a suposta prática de delitos de lesa-humanidade. Ele é investigado por crimes
correspondentes, no Código Penal brasileiro, aos de homicídio qualificado, sequestro e
associação criminosa. Os delitos teriam sido cometidos quando o extraditando
integrava o grupo terrorista “Triple A”, em atividade entre os anos 1973 e 1975, cujo
objetivo era o sequestro e o assassinato de cidadãos argentinos contrários ao governo
então vigente naquele país — v. Informativos 842 e 844.
STF. Plenário. Ext 1362/DF, rel. Min. Edson Fachin, red. p/ o ac. Min. Teori Zavascki, julgamento em
9.11.2016. (Ext-1362)
Comentários pelo Prof. Ricardo Vale:
a) Apresentação resumida do caso:
Salvador Siciliano, argentino integrante do grupo terrorista “Triple A”, após praticar
crimes de homicídio qualificado, sequestro e associação criminosa, fugiu para o Brasil.
A Argentina, então, solicitou ao Brasil a extradição de Salvador Siciliano, por força de
ordem de prisão preventiva decretada pelo juízo criminal de Buenos Aires.
b) Conteúdo teórico pertinente:
A extradição é um instituto de cooperação jurídica internacional em matéria penal.
Por meio da extradição, um Estado entrega a outro Estado indivíduo que foi
condenado ou está sendo processado pela prática de crimes. As normas aplicáveis à
extradição estão previstas na Constituição Federal de 1988 (CF/88) e no Estatuto do
Estrangeiro (Lei nº 6.815/80).
A Constituição Federal de 1988 atribui ao STF a competência originária para
processar e julgar a extradição solicitada por Estado estrangeiro. Observe que
a “palavra final” sobre a extradição não é do STF, mas sim do Presidente da
República. O STF apenas autoriza a extradição, o que não vincula o Presidente da
República.
O texto constitucional prevê certos limites à extradição, quais sejam:
Inf. 846 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 2 de 8
INFORMATIVO ESTRATÉGICO
INFORMATIVO STF 846
1) Os brasileiros natos não podem ser extraditados.
2) Os brasileiros naturalizados podem ser extraditados em duas hipóteses: i)
crime comum praticado antes da naturalização e; ii) comprovado envolvimento
com tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins.
3) Nenhum estrangeiro será extraditado por crime político ou de opinião.
O Estatuto do Estrangeiro (Lei nº 6.815/80), por sua vez, também elenca certos
limites à extradição. Veja:
Art. 77. Não se concederá a extradição quando:
I - se tratar de brasileiro, salvo se a aquisição dessa nacionalidade verificar-se após o fato que
motivar o pedido;
II - o fato que motivar o pedido não for considerado crime no Brasil ou no Estado requerente;
III - o Brasil for competente, segundo suas leis, para julgar o crime imputado ao extraditando;
IV - a lei brasileira impuser ao crime a pena de prisão igual ou inferior a 1 (um) ano;
V - o extraditando estiver a responder a processo ou já houver sido condenado ou absolvido no
Brasil pelo mesmo fato em que se fundar o pedido;
VI - estiver extinta a punibilidade pela prescrição segundo a lei brasileira ou a do Estado
requerente;
VII - o fato constituir crime político; e
VIII - o extraditando houver de responder, no Estado requerente, perante Tribunal ou Juízo de
exceção.
Observe que a extradição somente será possível quando forem cumpridos os
requisitos de “dupla tipicidade” (art. 77, II) e “dupla punibilidade” (art. 77, VI).
A “dupla tipicidade” resta caracterizada quando o fato que motivou a o pedido for
considerado crime tanto no Brasil quanto no Estado requerente. Por sua vez, a “dupla
punibilidade” irá existir quando o fato delituoso não tiver sido atingido pela prescrição
no Brasil e no Estado requerente.
Feitas essas considerações, cabe-nos trazer à luz o grande problema enfrentando na
Extradição 1.362/DF. O Poder Judiciário argentino imputou a Salvador Siciliano a
prática de crimes de lesa-humanidade, que seriam imprescritíveis, o que decorreria
de norma jus cogens. Reforçando esse argumento, faz-se menção ao fato de que o
Estatuto de Roma prevê que os crimes contra a humanidade são imprescritíveis.
O STF, ao analisar o caso, fez as seguintes ponderações:
1) O Brasil não é signatário da Convenção sobre a Imprescritibilidade dos
Crimes de Guerra dos Crimes contra a Humanidade.
2) Apenas lei interna pode dispor sobre prescritibilidade ou imprescritibilidade
da pretensão estatal de punir. Isso porque, no âmbito do Direito Penal
incriminador, vigora o princípio da reserva legal absoluta de lei formal. Dessa
forma, o Estatuto de Roma, internalizado por decreto executivo, não é
instrumento competente para estabelecer a imprescritibilidade de crimes.
3) Mesmo que se admitisse a existência de norma de direito internacional
cogente estabelecendo a imprescritibilidade de crimes, isso não afastaria o
art. 5º, XV, CF/88, que prevê que “a lei penal não retroagirá, salvo para
beneficiar o réu”. Considerando-se que os crimes foram praticados por Salvador
Siciliano bem antes da internalização do Estatuto de Roma pelo Brasil, não
poderia retroagir a lei penal para prejudicar o réu.
Inf. 846 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 3 de 8
INFORMATIVO ESTRATÉGICO
INFORMATIVO STF 846
Com base nesses argumentos, a Corte concluiu que os crimes imputados a Salvador
Siciliano prescreveram no Brasil e, portanto, não seria atendido o requisito da
“dupla punibilidade”. Assim, o STF decidiu por indeferir a extradição do argentino.
c) Questão de prova:
O conteúdo que acabamos de estudar poderia ser cobrado nas seguintes questões de
prova.
A extradição não será autorizada quando presentes os requisitos da dupla
tipicidade e da dupla punibilidade.
A assertiva está errada. É exatamente o contrário. A extradição somente será
autorizada quando presentes os requisitos de dupla tipicidade e dupla punibilidade.
O Estatuto de Roma é instrumento suficiente para estabelecer a
imprescritibilidade dos crimes contra a humanidade no ordenamento jurídico
brasileiro. Como consequência, não pode ser afastada a punibilidade de
extraditando que houver praticado crime de lesa humanidade.
Mais uma vez a assertiva está errada. No Brasil, apenas a lei formal pode dispor
sobre prescrição. Assim, o Estatuto de Roma não é instrumento suficiente para
estabelecer a imprescritibilidade de crimes contra a humanidade. É possível, portanto,
que seja afastada a punibilidade de extraditando que tiver praticado crime contra a
humanidade.
Do informativo:
Crimes contra a humanidade e prescrição - 2
O Plenário, em conclusão e julgamento e por maioria, indeferiu pedido de extradição formulado
pelo Governo da Argentina em desfavor de um nacional, ao qual imputada a suposta prática de
delitos de lesa-humanidade. Ele é investigado por crimes correspondentes, no Código Penal
brasileiro, aos de homicídio qualificado, sequestro e associação criminosa. Os delitos teriam sido
cometidos quando o extraditando integrava o grupo terrorista “Triple A”, em atividade entre os
anos 1973 e 1975, cujo objetivo era o sequestro e o assassinato de cidadãos argentinos
contrários ao governo então vigente naquele país — v. Informativos 842 e 844.
O Colegiado considerou estar extinta a punibilidade dos crimes imputados ao extraditando, nos
termos da legislação brasileira, e de não ter sido atendido, portanto, o requisito da dupla
punibilidade.
Destacou a jurisprudência nesse sentido, e relembrou o art. 77, VI, do Estatuto do Estrangeiro e
o art. III, “c”, do tratado de extradição entre Brasil e Argentina quanto à vedação do pleito
extradicional quando extinta a punibilidade pela prescrição.
Apresentou também o posicionamento da Corte em casos semelhantes, nos quais o pedido de
extradição teria sido deferido apenas quanto aos crimes reputados de natureza permanente e
considerados não prescritos, em virtude da não cessação da permanência, situação diversa da
ora analisada.
Relativamente à qualificação dos delitos imputados ao extraditando como de lesa-humanidade,
entendeu que essa circunstância não afasta a aplicação da citada jurisprudência.
A Corte se referiu a fundamentos expostos na ADPF 153/DF, no sentido da não aplicação, no
Brasil, da imprescritibilidade dos crimes dessa natureza, haja vista o País não ter subscrito a
Convenção sobre a Imprescritibilidade dos Crimes de Guerra e dos Crimes contra a Humanidade,
nem ter a ela aderido, e, ainda, em razão de somente lei interna poder dispor sobre
prescritibilidade ou imprescritibilidade da pretensão estatal de punir.
Ponderou que, mesmo se houvesse norma de direito internacional de caráter cogente a
estabelecer a imprescritibilidade dos crimes contra a humanidade, ela não seria aplicável no
Inf. 846 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 4 de 8
INFORMATIVO ESTRATÉGICO
INFORMATIVO STF 846
Brasil, por não ter sido ainda reproduzida no direito interno. Portanto, o Estatuto de Roma,
considerado norma de estatura supralegal ou constitucional, não elidiria a força normativa do art.
5º, XV, da Constituição da República, que veda a retroatividade da lei penal, salvo para beneficiar
o réu.
Em seguida, o Plenário afastou a ofensa ao art. 27 da Convenção de Viena sobre o Direito dos
Tratados. Não ocorre, no caso, invocação de limitações de direito interno para justificar o
inadimplemento do tratado de extradição entre Brasil e Argentina, mas simples incidência de
limitação prevista nesse tratado.
Concluiu que, estando prescritos os crimes, segundo o ordenamento jurídico brasileiro, eventual
acolhimento do pedido extradicional ofenderia o próprio tratado de extradição, que demanda a
observância do requisito da dupla punibilidade.
Vencidos os ministros Edson Fachin (relator), Roberto Barroso, Rosa Weber, que reajustou o
voto, Ricardo Lewandowski e Cármen Lúcia (presidente), todos pelo indeferimento do pedido. Em
seguida, o Tribunal determinou a expedição de alvará de soltura em favor do extraditando.
Ext 1362/DF, rel. Min. Edson Fachin, red. p/ o ac. Min. Teori Zavascki, julgamento em
9.11.2016. (Ext-1362)
2 – Direito Tributário
Protesto de CDA e sanção política
O protesto das Certidões de Dívida Ativa (CDA) constitui mecanismo constitucional e
legítimo, por não restringir de forma desproporcional quaisquer direitos fundamentais
garantidos aos contribuintes e, assim, não constituir sanção política.
STF. Plenário. ADI 5135/DF, rel. Min. Roberto Barroso, 3 e 9.11.2016. (ADI-5135)
Comentários pelo Prof. Fábio Dutra:
a) Apresentação resumida do caso:
Trata-se de pedido formulado em ação direta ajuizada contra o parágrafo único do
art. 1º da Lei 9.492/1997, incluído pela Lei 12.767/2012, que previu que se incluem
entre os títulos sujeitos a protesto as certidões de dívida ativa da União, dos Estados,
do Distrito Federal, dos Municípios e das respectivas autarquias e fundações públicas.
b) Conteúdo teórico pertinente:
É importante sabermos que o protesto, pela definição legal, é o ato formal e solene
pelo qual se prova a inadimplência e o descumprimento de obrigação
originada em títulos e outros documentos de dívida. É um meio de cobrança
extrajudicial do crédito tributário, utilizado, sobretudo, nos casos de crédito de
pequeno valor, para os quais se torna inviável o ajuizamento de ação judicial de
cobrança.
Acerca do protesto da CDA, o Plenário do STF, por maioria, julgou improcedente o
pedido formulado na ação direta, esclarecendo diversos pontos acerca do
protesto, que podem ser sintetizados do seguinte modo:
• a Lei 6.830/80, que dispõe sobre a execução fiscal, não exclui a possibilidade
de instituição e manejo de mecanismos extrajudiciais de cobrança;
• se a cobrança pela via do protesto for frustrada, o executivo fiscal poderá ser
normalmente ajuizado pelo fisco;
• a principal finalidade do protesto da CDA é dar ao mercado conhecimento a
respeito da existência de débitos fiscais e permitir a sua cobrança
extrajudicial;
Inf. 846 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 5 de 8
INFORMATIVO ESTRATÉGICO
INFORMATIVO STF 846
• o protesto confere maior publicidade ao descumprimento das obrigações
tributárias e serve como importante mecanismo extrajudicial de cobrança,
contribuindo para estimular a adimplência, incrementar a arrecadação e
promover a justiça fiscal;
• o protesto é, em regra, mecanismo que causa menor sacrifício ao
contribuinte, se comparado aos demais instrumentos de cobrança
disponíveis, em especial a Execução Fiscal;
• o protesto não configura uma “sanção política”, já que não constitui medida
coercitiva indireta que restrinja, de modo irrazoável ou desproporcional, direitos
fundamentais dos contribuintes, com o objetivo de forçá-los a quitar seus débitos
tributários.
Desse modo, decidiu o STF que a utilização do protesto pela Fazenda Pública não
viola o princípio do devido processo legal, não é incompatível com a execução fiscal,
não viola o princípio da inafastabilidade do controle judicial, não importa em
qualquer restrição ao devido processo legal. Diante disso, a Suprema Corte
decidiu que a utilização do protesto instrumento de cobrança de CDA é
constitucional.
c) Questão de prova:
Diante desta relevante decisão, acreditamos que o tema será cobrado com frequência
em provas de concurso público. Uma possível questão seria a seguinte:
De acordo com decisão recente do STF, o protesto das Certidões de Dívida Ativa
(CDA) configura sanção política, considerado flagrantemente inconstitucional
para tal finalidade.
O STF decidiu exatamente o contrário, isto é, o protesto das Certidões de Dívida Ativa
(CDA) constitui mecanismo constitucional e legítimo, por não restringir de forma
desproporcional quaisquer direitos fundamentais garantidos aos contribuintes e,
assim, não constituir sanção política. Assertiva errada.
Do informativo:
Protesto de CDA e sanção política
O protesto das Certidões de Dívida Ativa (CDA) constitui mecanismo constitucional e legítimo, por
não restringir de forma desproporcional quaisquer direitos fundamentais garantidos aos
contribuintes e, assim, não constituir sanção política.
Com base nesse entendimento, o Plenário, por maioria, julgou improcedente o pedido formulado
em ação direta ajuizada contra o parágrafo único do art. 1º da Lei 9.492/1997, incluído pela Lei
12.767/2012 (“Parágrafo único. Incluem-se entre os títulos sujeitos a protesto as Certidões de
Dívida Ativa da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios e das respectivas
autarquias e fundações públicas”).
O Tribunal afastou a alegação de inconstitucionalidade formal do dispositivo atacado. A
requerente aduzia ter havido afronta ao devido processo legislativo e à separação de poderes, em
virtude de ter sido inserido por emenda na Medida Provisória 577/2012, que versava sobre
questões totalmente diversas, relativas ao serviço público de energia elétrica.
Observou que o Supremo Tribunal Federal, ao julgar a ADI 5.127 (DJE de 27.9.2016), entendeu
que a prática de introduzir emendas sobre matérias estranhas às medidas provisórias,
consolidada no Congresso Nacional, constitui costume contrário à Constituição.
Entretanto, diante dos consideráveis efeitos adversos que adviriam da declaração de
inconstitucionalidade de todas as medidas provisórias já aprovadas, ou ainda em tramitação, com
vício semelhante, e do fato de estar-se a afirmar um novo entendimento sobre a matéria, a Corte
Inf. 846 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 6 de 8
INFORMATIVO ESTRATÉGICO
INFORMATIVO STF 846
atribuiu eficácia “ex nunc” à decisão. Ficaram, assim, preservadas, até a data daquele
julgamento, todas as leis oriundas de projetos de conversão de medidas provisórias com
semelhante vício, já aprovadas ou em tramitação no Congresso Nacional, incluindo o dispositivo
impugnado na presente ação direta.
No que se refere às impugnações materiais, a tese central defendida é a de que o protesto da
Certidão de Dívida Ativa pelo fisco constitui “sanção política” – pois seria uma medida
extrajudicial que restringe de forma desproporcional os direitos fundamentais dos contribuintes
ao devido processo legal, à livre iniciativa e ao livre exercício profissional – imposta, de forma
indireta, para pressioná-los a quitar seus débitos tributários.
Ponderou que, de acordo com a jurisprudência desta Corte sobre o tema, é possível concluir não
bastar que uma medida coercitiva do recolhimento do crédito tributário restrinja direitos dos
contribuintes devedores para que ela seja considerada uma sanção política. Exige-se, além disso,
que tais restrições sejam reprovadas no exame de proporcionalidade e razoabilidade.
Afirmou que a utilização do instituto pela Fazenda Pública não viola o princípio do devido
processo legal. Rememorou que, no regime jurídico atual, a execução fiscal constitui o
mecanismo próprio de cobrança judicial da Dívida Ativa (Lei 6.830/1980, art. 38). No entanto,
embora a Lei 6.830/1980 eleja o executivo fiscal como instrumento típico para a cobrança da
Dívida Ativa em sede judicial, ela não exclui a possibilidade de instituição e manejo de
mecanismos extrajudiciais de cobrança. Por sua vez, o protesto é justamente um instrumento
extrajudicial que pode ser empregado para a cobrança de certidões de dívida, com expressa
previsão legal, nos termos do parágrafo único do art. 1º da Lei 9.492/1997.
Segundo assentou, não há, assim, qualquer incompatibilidade entre ambos os instrumentos. Eles
são até mesmo complementares. Frustrada a cobrança pela via do protesto, o executivo fiscal
poderá ser normalmente ajuizado pelo fisco. E mais: em relação à cobrança de créditos de
pequeno valor, o protesto será, muitas vezes, a única via possível. Diversas Fazendas optaram
por autorizar o não ajuizamento de execuções fiscais nos casos em que o custo da cobrança
judicial seja superior ao próprio valor do crédito. Mesmo na ausência de lei sobre o tema, alguns
juízes e tribunais locais passaram a extinguir execuções fiscais por falta de interesse processual
na hipótese.
Além disso, o protesto não impede o devedor de acessar o Poder Judiciário para discutir a
validade do crédito tributário ou para sustar o protesto. Tampouco exclui a possibilidade de o
protestado pleitear judicialmente uma indenização, caso o protesto seja indevido. Inexiste,
assim, qualquer mácula à inafastabilidade do controle judicial. Por esses motivos, não se
vislumbra fundamento constitucional ou legal que impeça o Poder Público de estabelecer, por via
de lei, o protesto como modalidade extrajudicial e alternativa de cobrança de créditos tributários.
Portanto, o protesto de Certidões da Dívida Ativa não importa em qualquer restrição ao devido
processo legal.
Ademais, o protesto de Certidões de Dívida Ativa não representa um efetivo embaraço ao regular
exercício das atividades empresariais e ao cumprimento dos objetos sociais dos administrados.
Sua principal finalidade é dar ao mercado conhecimento a respeito da existência de débitos
fiscais e permitir a sua cobrança extrajudicial. Desse modo, a medida não impacta diretamente a
vida da empresa. Diversamente dos casos julgados por esta Corte em que se concluiu pela
violação à livre iniciativa, o protesto não compromete a organização e a condução das atividades
societárias – tal como ocorre nas hipóteses de interdição de estabelecimento, apreensão de
mercadorias, restrições à expedição de notas fiscais e limitações à obtenção de registros ou à
prática de atos necessários ao seu funcionamento – nem restringe, efetivamente, a livre iniciativa
e a liberdade de exercício profissional. Quando muito, ele pode promover uma pequena restrição
a tais direitos pela restrição creditícia, que, justamente por ser eventual e indireta, não atinge
seus núcleos essenciais.
A última alegação da requerente é a de que o protesto de CDAs violaria o princípio da
proporcionalidade, pois tal instrumento constituiria meio inadequado para alcançar as finalidades
do instituto, e desnecessário, uma vez que o fisco teria meios especiais e menos gravosos para a
satisfação do crédito tributário.
Em relação à adequação da medida, cabe verificar se o protesto de Certidões de Dívida Ativa é
idôneo para atingir os fins pretendidos, isto é, se as restrições impostas aos direitos
fundamentais dos devedores são aptas a promover os interesses contrapostos.
Inf. 846 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 7 de 8
INFORMATIVO ESTRATÉGICO
INFORMATIVO STF 846
Com a edição da Lei 9.492/1997, registrou-se sensível ampliação do rol de títulos sujeitos a
protesto, que passou a incluir, além dos cambiais, “títulos e outros documentos de dívida”. Hoje,
portanto, podem ser protestados quaisquer títulos executivos, judiciais ou extrajudiciais, desde
que dotados de liquidez, certeza e exigibilidade, nos termos do art. 783 do Código de Processo
Civil de 2015.
A partir dessa alteração legislativa, o protesto passou também a desempenhar outras funções
além da meramente probatória. De um lado, ele representa instrumento para constituir o
devedor em mora e comprovar o descumprimento da obrigação. De outro, confere ampla
publicidade ao inadimplemento e consiste em meio alternativo e extrajudicial para a cobrança da
dívida.
Portanto, a remessa da Certidão da Dívida Ativa a protesto é medida plenamente adequada às
novas finalidades do instituto. Ela confere maior publicidade ao descumprimento das obrigações
tributárias e serve como importante mecanismo extrajudicial de cobrança, contribuindo para
estimular a adimplência, incrementar a arrecadação e promover a justiça fiscal, impedindo que
devedores contumazes possam extrair vantagens competitivas indevidas da sonegação de
tributos. Por evidente, a origem cambiária do instituto não pode representar um óbice à evolução
e à utilização do instituto em sua feição jurídica atual.
O protesto é, em regra, mecanismo que causa menor sacrifício ao contribuinte, se comparado aos
demais instrumentos de cobrança disponíveis, em especial a Execução Fiscal. Por meio dele,
exclui-se o risco de penhora de bens, rendas e faturamentos e de expropriação do patrimônio do
devedor, assim como se dispensa o pagamento de diversos valores, como custas, honorários
sucumbenciais, registro da distribuição da execução fiscal e se possibilita a redução do encargo
legal.
Assim, o protesto de Certidões de Dívida Ativa proporciona ganhos que compensam largamente
as leves e eventuais restrições aos direitos fundamentais dos devedores. Daí por que, além de
adequada e necessária, a medida é também proporcional em sentido estrito. Ademais, não
configura uma “sanção política”, já que não constitui medida coercitiva indireta que restrinja, de
modo irrazoável ou desproporcional, direitos fundamentais dos contribuintes, com o objetivo de
forçá-los a quitar seus débitos tributários. Tal instrumento de cobrança é, portanto,
constitucional.
Por fim, em atenção aos princípios da impessoalidade e da isonomia, é recomendável a edição de
regulamentação, por ato infralegal que explicite os parâmetros utilizados para a distinção a ser
feita entre os administrados e as diversas situações de fato existentes.
A declaração de constitucionalidade do protesto de Certidões de Dívida Ativa pela Administração
Tributária traz como contrapartida o dever de utilizá-lo de forma responsável e consentânea com
os ditames constitucionais. Assim, nas hipóteses de má utilização do instrumento, permanecem
os juízes de primeiro grau e os demais tribunais do País com a prerrogativa de promoverem a
revisão de eventuais atos de protesto que, à luz do caso concreto, estejam em desacordo com a
Constituição e com a legislação tributária, sem prejuízo do arbitramento de uma indenização
compatível com o dano sofrido pelo administrado.
Vencidos os ministros Edson Fachin, Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio, que julgavam
procedente o pedido. Pontuavam tratar-se de sanção política a afrontar a atividade econômica
lícita, o devido processo legal e o direito de ampla defesa do contribuinte. Ressaltavam que o
protesto seria um ato unilateral da administração, sem qualquer participação do contribuinte e
teria como único objetivo constranger o devedor. Frisavam haver outros meios menos onerosos
para a cobrança dos débitos. Ademais, no momento que a CDA fosse submetida a um protesto, o
contribuinte sofreria cerceamento de crédito, o que restringiria suas atividades do dia a dia.
O ministro Marco Aurélio, além do aspecto material, reconhecia a inconstitucionalidade formal da
norma em razão de ofensa ao devido processo legislativo, pois a emenda que resultou no
dispositivo atacado não tinha pertinência com a matéria tratada na medida provisória. Além
disso, não participou da fixação da tese.
ADI 5135/DF, rel. Min. Roberto Barroso, 3 e 9.11.2016. (ADI-5135)
Inf. 846 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 8 de 8
INFORMATIVO ESTRATÉGICO
INFORMATIVO STF 846
Quer receber o Informativo Estratégico diretamente no
seu e-mail? Inscreva-se em https://goo.gl/5qilqQ

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Informativo Estratégico - STF 834
Informativo Estratégico - STF 834Informativo Estratégico - STF 834
Informativo Estratégico - STF 834
Estratégia Concursos
 
Informativo STF 868 - Informativo Estratégico
Informativo STF 868 - Informativo EstratégicoInformativo STF 868 - Informativo Estratégico
Informativo STF 868 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STF 882 - Informativo Estratégico
Informativo STF 882 - Informativo EstratégicoInformativo STF 882 - Informativo Estratégico
Informativo STF 882 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo stj 591
Informativo stj 591Informativo stj 591
Informativo STJ 599
Informativo STJ 599Informativo STJ 599
Informativo STF 864
Informativo STF 864Informativo STF 864
Informativo stj 593 vp
Informativo stj 593   vpInformativo stj 593   vp
Informativo stj 593 vp
Ricardo Torques
 
Informativo STF 867 - Informativo Estratégico
Informativo STF 867 - Informativo EstratégicoInformativo STF 867 - Informativo Estratégico
Informativo STF 867 - Informativo Estratégico
Paulo André Caminha Guimarães Filho
 
Informativo stf 863
Informativo stf 863Informativo stf 863
Informativo STJ 603 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 603 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 603 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 603 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo stf 852
Informativo stf 852Informativo stf 852
Informativo stf 852
Ricardo Torques
 
Informativo STF 845
Informativo STF 845Informativo STF 845
Informativo STJ 610 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 610 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 610 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 610 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STF 841
Informativo STF 841Informativo STF 841
Informativo STJ 877 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 877 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 877 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 877 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STJ 601 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 601 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 601 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 601 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STF 860 - Informativo Estratégico
Informativo STF 860 - Informativo EstratégicoInformativo STF 860 - Informativo Estratégico
Informativo STF 860 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STJ 606 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 606 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 606 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 606 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STJ 596 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 596 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 596 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 596 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STF 876 - Informativo Estratégico
Informativo STF 876 - Informativo EstratégicoInformativo STF 876 - Informativo Estratégico
Informativo STF 876 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 

Mais procurados (20)

Informativo Estratégico - STF 834
Informativo Estratégico - STF 834Informativo Estratégico - STF 834
Informativo Estratégico - STF 834
 
Informativo STF 868 - Informativo Estratégico
Informativo STF 868 - Informativo EstratégicoInformativo STF 868 - Informativo Estratégico
Informativo STF 868 - Informativo Estratégico
 
Informativo STF 882 - Informativo Estratégico
Informativo STF 882 - Informativo EstratégicoInformativo STF 882 - Informativo Estratégico
Informativo STF 882 - Informativo Estratégico
 
Informativo stj 591
Informativo stj 591Informativo stj 591
Informativo stj 591
 
Informativo STJ 599
Informativo STJ 599Informativo STJ 599
Informativo STJ 599
 
Informativo STF 864
Informativo STF 864Informativo STF 864
Informativo STF 864
 
Informativo stj 593 vp
Informativo stj 593   vpInformativo stj 593   vp
Informativo stj 593 vp
 
Informativo STF 867 - Informativo Estratégico
Informativo STF 867 - Informativo EstratégicoInformativo STF 867 - Informativo Estratégico
Informativo STF 867 - Informativo Estratégico
 
Informativo stf 863
Informativo stf 863Informativo stf 863
Informativo stf 863
 
Informativo STJ 603 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 603 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 603 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 603 - Informativo Estratégico
 
Informativo stf 852
Informativo stf 852Informativo stf 852
Informativo stf 852
 
Informativo STF 845
Informativo STF 845Informativo STF 845
Informativo STF 845
 
Informativo STJ 610 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 610 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 610 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 610 - Informativo Estratégico
 
Informativo STF 841
Informativo STF 841Informativo STF 841
Informativo STF 841
 
Informativo STJ 877 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 877 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 877 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 877 - Informativo Estratégico
 
Informativo STJ 601 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 601 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 601 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 601 - Informativo Estratégico
 
Informativo STF 860 - Informativo Estratégico
Informativo STF 860 - Informativo EstratégicoInformativo STF 860 - Informativo Estratégico
Informativo STF 860 - Informativo Estratégico
 
Informativo STJ 606 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 606 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 606 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 606 - Informativo Estratégico
 
Informativo STJ 596 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 596 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 596 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 596 - Informativo Estratégico
 
Informativo STF 876 - Informativo Estratégico
Informativo STF 876 - Informativo EstratégicoInformativo STF 876 - Informativo Estratégico
Informativo STF 876 - Informativo Estratégico
 

Destaque

Informativo STF 849 - Informativo Estratégico
Informativo STF 849 - Informativo EstratégicoInformativo STF 849 - Informativo Estratégico
Informativo STF 849 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STF 853 - Informativo Estratégico
Informativo STF 853 - Informativo EstratégicoInformativo STF 853 - Informativo Estratégico
Informativo STF 853 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STF 842
Informativo STF 842Informativo STF 842
Informativo STF 842
Ricardo Torques
 
Informativo STF 851
Informativo STF 851Informativo STF 851
Informativo stf 844
Informativo stf 844Informativo stf 844
Informativo stf 844
Ricardo Torques
 
Informativo STJ Comentado - nº 588
Informativo STJ Comentado - nº 588Informativo STJ Comentado - nº 588
Informativo STJ Comentado - nº 588
Ricardo Torques
 
Informativo stf 843
Informativo stf 843Informativo stf 843
Informativo STF 848 - Informativo Estratégico
Informativo STF 848 - Informativo EstratégicoInformativo STF 848 - Informativo Estratégico
Informativo STF 848 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STJ 595 Comentado
Informativo STJ 595 ComentadoInformativo STJ 595 Comentado
Informativo STJ 595 Comentado
Ricardo Torques
 
Informativo STJ 592 – Informativo Estratégico
 Informativo STJ 592 – Informativo Estratégico Informativo STJ 592 – Informativo Estratégico
Informativo STJ 592 – Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STF 839 Comentado
Informativo STF 839 ComentadoInformativo STF 839 Comentado
Informativo STF 839 Comentado
Ricardo Torques
 
Informativo STF 854 Comentado
Informativo STF 854 ComentadoInformativo STF 854 Comentado
Informativo STF 854 Comentado
Ricardo Torques
 
Informativo STJ 589 Comentado
Informativo STJ 589 ComentadoInformativo STJ 589 Comentado
Informativo STJ 589 Comentado
Estratégia Concursos
 
Informativo STF 838 Comentado
Informativo STF 838 ComentadoInformativo STF 838 Comentado
Informativo STF 838 Comentado
Estratégia Concursos
 

Destaque (14)

Informativo STF 849 - Informativo Estratégico
Informativo STF 849 - Informativo EstratégicoInformativo STF 849 - Informativo Estratégico
Informativo STF 849 - Informativo Estratégico
 
Informativo STF 853 - Informativo Estratégico
Informativo STF 853 - Informativo EstratégicoInformativo STF 853 - Informativo Estratégico
Informativo STF 853 - Informativo Estratégico
 
Informativo STF 842
Informativo STF 842Informativo STF 842
Informativo STF 842
 
Informativo STF 851
Informativo STF 851Informativo STF 851
Informativo STF 851
 
Informativo stf 844
Informativo stf 844Informativo stf 844
Informativo stf 844
 
Informativo STJ Comentado - nº 588
Informativo STJ Comentado - nº 588Informativo STJ Comentado - nº 588
Informativo STJ Comentado - nº 588
 
Informativo stf 843
Informativo stf 843Informativo stf 843
Informativo stf 843
 
Informativo STF 848 - Informativo Estratégico
Informativo STF 848 - Informativo EstratégicoInformativo STF 848 - Informativo Estratégico
Informativo STF 848 - Informativo Estratégico
 
Informativo STJ 595 Comentado
Informativo STJ 595 ComentadoInformativo STJ 595 Comentado
Informativo STJ 595 Comentado
 
Informativo STJ 592 – Informativo Estratégico
 Informativo STJ 592 – Informativo Estratégico Informativo STJ 592 – Informativo Estratégico
Informativo STJ 592 – Informativo Estratégico
 
Informativo STF 839 Comentado
Informativo STF 839 ComentadoInformativo STF 839 Comentado
Informativo STF 839 Comentado
 
Informativo STF 854 Comentado
Informativo STF 854 ComentadoInformativo STF 854 Comentado
Informativo STF 854 Comentado
 
Informativo STJ 589 Comentado
Informativo STJ 589 ComentadoInformativo STJ 589 Comentado
Informativo STJ 589 Comentado
 
Informativo STF 838 Comentado
Informativo STF 838 ComentadoInformativo STF 838 Comentado
Informativo STF 838 Comentado
 

Semelhante a Informativo stf 846

Roteiro codigo penal
Roteiro codigo penalRoteiro codigo penal
Roteiro codigo penal
mana 5066
 
Codigo processo_penal
Codigo  processo_penalCodigo  processo_penal
Codigo processo_penal
mana 5066
 
Legislacao especial
Legislacao especialLegislacao especial
Legislacao especial
mana 5066
 
Dir. constitucional teoria dos direitos fundamentais compressed (1)
Dir. constitucional   teoria dos direitos fundamentais compressed (1)Dir. constitucional   teoria dos direitos fundamentais compressed (1)
Dir. constitucional teoria dos direitos fundamentais compressed (1)
Alexandre Bento
 
Direito penal
Direito penalDireito penal
Código de Processo Penal para Concursos (CPP) - 5a ed.: Rev., amp. e atualiza...
Código de Processo Penal para Concursos (CPP) - 5a ed.: Rev., amp. e atualiza...Código de Processo Penal para Concursos (CPP) - 5a ed.: Rev., amp. e atualiza...
Código de Processo Penal para Concursos (CPP) - 5a ed.: Rev., amp. e atualiza...
Editora Juspodivm
 
Trabalho tgp
Trabalho tgpTrabalho tgp
Trabalho tgp
Agassis Rodrigues
 
Estudando direito constitucional
Estudando  direito constitucionalEstudando  direito constitucional
Estudando direito constitucional
Verônica Felix
 
Jurisdição penal em mar territorial brasileiro
Jurisdição penal em mar territorial brasileiroJurisdição penal em mar territorial brasileiro
Jurisdição penal em mar territorial brasileiro
Tiago Zanella
 
Questões de Direito Penal comentadas FCC e CESPE
Questões de Direito Penal comentadas FCC e CESPEQuestões de Direito Penal comentadas FCC e CESPE
Questões de Direito Penal comentadas FCC e CESPE
Gabriel Revoredo
 
Pl 370 2007 (1)
Pl 370 2007 (1)Pl 370 2007 (1)
Pl 370 2007 (1)
Jornal do Commercio
 
Novo código de processo civil
Novo código de processo civilNovo código de processo civil
Novo código de processo civil
Salmus Balieiro
 
STJ - decisão Brilhante Ustra - Família Teles
STJ - decisão Brilhante Ustra - Família TelesSTJ - decisão Brilhante Ustra - Família Teles
STJ - decisão Brilhante Ustra - Família Teles
Conversa Afiada
 
Noções de direito aula 04
Noções de direito   aula 04Noções de direito   aula 04
Noções de direito aula 04
Nadsonea Azevedo
 
O tribunal e de justiça, mas o juíz e de direito silva jr (1)
O tribunal e de justiça, mas o juíz e de direito silva jr (1)O tribunal e de justiça, mas o juíz e de direito silva jr (1)
O tribunal e de justiça, mas o juíz e de direito silva jr (1)
Autônomo
 
Aula 02 direito constitucional
Aula 02   direito constitucionalAula 02   direito constitucional
Aula 02 direito constitucional
cra3689
 
Apresentação do artigo "Igualdade Processual no Contexto Internacional e Naci...
Apresentação do artigo "Igualdade Processual no Contexto Internacional e Naci...Apresentação do artigo "Igualdade Processual no Contexto Internacional e Naci...
Apresentação do artigo "Igualdade Processual no Contexto Internacional e Naci...
Lorena Ferreira de Araújo
 
Aula 02 Dir. Constitucional - Federação Brasileira
Aula 02  Dir. Constitucional - Federação BrasileiraAula 02  Dir. Constitucional - Federação Brasileira
Aula 02 Dir. Constitucional - Federação Brasileira
Tércio De Santana
 
862662
862662862662
PENAL: Recurso – Apelação
PENAL: Recurso – ApelaçãoPENAL: Recurso – Apelação
PENAL: Recurso – Apelação
Consultor JRSantana
 

Semelhante a Informativo stf 846 (20)

Roteiro codigo penal
Roteiro codigo penalRoteiro codigo penal
Roteiro codigo penal
 
Codigo processo_penal
Codigo  processo_penalCodigo  processo_penal
Codigo processo_penal
 
Legislacao especial
Legislacao especialLegislacao especial
Legislacao especial
 
Dir. constitucional teoria dos direitos fundamentais compressed (1)
Dir. constitucional   teoria dos direitos fundamentais compressed (1)Dir. constitucional   teoria dos direitos fundamentais compressed (1)
Dir. constitucional teoria dos direitos fundamentais compressed (1)
 
Direito penal
Direito penalDireito penal
Direito penal
 
Código de Processo Penal para Concursos (CPP) - 5a ed.: Rev., amp. e atualiza...
Código de Processo Penal para Concursos (CPP) - 5a ed.: Rev., amp. e atualiza...Código de Processo Penal para Concursos (CPP) - 5a ed.: Rev., amp. e atualiza...
Código de Processo Penal para Concursos (CPP) - 5a ed.: Rev., amp. e atualiza...
 
Trabalho tgp
Trabalho tgpTrabalho tgp
Trabalho tgp
 
Estudando direito constitucional
Estudando  direito constitucionalEstudando  direito constitucional
Estudando direito constitucional
 
Jurisdição penal em mar territorial brasileiro
Jurisdição penal em mar territorial brasileiroJurisdição penal em mar territorial brasileiro
Jurisdição penal em mar territorial brasileiro
 
Questões de Direito Penal comentadas FCC e CESPE
Questões de Direito Penal comentadas FCC e CESPEQuestões de Direito Penal comentadas FCC e CESPE
Questões de Direito Penal comentadas FCC e CESPE
 
Pl 370 2007 (1)
Pl 370 2007 (1)Pl 370 2007 (1)
Pl 370 2007 (1)
 
Novo código de processo civil
Novo código de processo civilNovo código de processo civil
Novo código de processo civil
 
STJ - decisão Brilhante Ustra - Família Teles
STJ - decisão Brilhante Ustra - Família TelesSTJ - decisão Brilhante Ustra - Família Teles
STJ - decisão Brilhante Ustra - Família Teles
 
Noções de direito aula 04
Noções de direito   aula 04Noções de direito   aula 04
Noções de direito aula 04
 
O tribunal e de justiça, mas o juíz e de direito silva jr (1)
O tribunal e de justiça, mas o juíz e de direito silva jr (1)O tribunal e de justiça, mas o juíz e de direito silva jr (1)
O tribunal e de justiça, mas o juíz e de direito silva jr (1)
 
Aula 02 direito constitucional
Aula 02   direito constitucionalAula 02   direito constitucional
Aula 02 direito constitucional
 
Apresentação do artigo "Igualdade Processual no Contexto Internacional e Naci...
Apresentação do artigo "Igualdade Processual no Contexto Internacional e Naci...Apresentação do artigo "Igualdade Processual no Contexto Internacional e Naci...
Apresentação do artigo "Igualdade Processual no Contexto Internacional e Naci...
 
Aula 02 Dir. Constitucional - Federação Brasileira
Aula 02  Dir. Constitucional - Federação BrasileiraAula 02  Dir. Constitucional - Federação Brasileira
Aula 02 Dir. Constitucional - Federação Brasileira
 
862662
862662862662
862662
 
PENAL: Recurso – Apelação
PENAL: Recurso – ApelaçãoPENAL: Recurso – Apelação
PENAL: Recurso – Apelação
 

Mais de Paulo André Caminha Guimarães Filho

Informativo STJ 597
Informativo STJ 597Informativo STJ 597
Informativo stf 847
Informativo stf 847Informativo stf 847
Informativo stj 590
Informativo stj 590Informativo stj 590
Comentários delegado pcpa
Comentários delegado pcpaComentários delegado pcpa
Comentários delegado pcpa
Paulo André Caminha Guimarães Filho
 
Comentários às questões da prova
Comentários às questões da provaComentários às questões da prova
Comentários às questões da prova
Paulo André Caminha Guimarães Filho
 
Informativo stf 836
Informativo stf 836Informativo stf 836

Mais de Paulo André Caminha Guimarães Filho (6)

Informativo STJ 597
Informativo STJ 597Informativo STJ 597
Informativo STJ 597
 
Informativo stf 847
Informativo stf 847Informativo stf 847
Informativo stf 847
 
Informativo stj 590
Informativo stj 590Informativo stj 590
Informativo stj 590
 
Comentários delegado pcpa
Comentários delegado pcpaComentários delegado pcpa
Comentários delegado pcpa
 
Comentários às questões da prova
Comentários às questões da provaComentários às questões da prova
Comentários às questões da prova
 
Informativo stf 836
Informativo stf 836Informativo stf 836
Informativo stf 836
 

Último

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 

Último (20)

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 

Informativo stf 846

  • 1. Inf. 846 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 8 INFORMATIVO ESTRATÉGICO INFORMATIVO STF 846 INFORMATIVO STF 846 Destaques comentados pelos Professores Estratégia Sumário Sumário ..........................................................................................................1 1 – Direito Internacional Público .........................................................................1 2 – Direito Tributário.........................................................................................4 1 – Direito Internacional Público Crimes contra a humanidade e prescrição - 2 O Plenário, em conclusão e julgamento e por maioria, indeferiu pedido de extradição formulado pelo Governo da Argentina em desfavor de um nacional, ao qual imputada a suposta prática de delitos de lesa-humanidade. Ele é investigado por crimes correspondentes, no Código Penal brasileiro, aos de homicídio qualificado, sequestro e associação criminosa. Os delitos teriam sido cometidos quando o extraditando integrava o grupo terrorista “Triple A”, em atividade entre os anos 1973 e 1975, cujo objetivo era o sequestro e o assassinato de cidadãos argentinos contrários ao governo então vigente naquele país — v. Informativos 842 e 844. STF. Plenário. Ext 1362/DF, rel. Min. Edson Fachin, red. p/ o ac. Min. Teori Zavascki, julgamento em 9.11.2016. (Ext-1362) Comentários pelo Prof. Ricardo Vale: a) Apresentação resumida do caso: Salvador Siciliano, argentino integrante do grupo terrorista “Triple A”, após praticar crimes de homicídio qualificado, sequestro e associação criminosa, fugiu para o Brasil. A Argentina, então, solicitou ao Brasil a extradição de Salvador Siciliano, por força de ordem de prisão preventiva decretada pelo juízo criminal de Buenos Aires. b) Conteúdo teórico pertinente: A extradição é um instituto de cooperação jurídica internacional em matéria penal. Por meio da extradição, um Estado entrega a outro Estado indivíduo que foi condenado ou está sendo processado pela prática de crimes. As normas aplicáveis à extradição estão previstas na Constituição Federal de 1988 (CF/88) e no Estatuto do Estrangeiro (Lei nº 6.815/80). A Constituição Federal de 1988 atribui ao STF a competência originária para processar e julgar a extradição solicitada por Estado estrangeiro. Observe que a “palavra final” sobre a extradição não é do STF, mas sim do Presidente da República. O STF apenas autoriza a extradição, o que não vincula o Presidente da República. O texto constitucional prevê certos limites à extradição, quais sejam:
  • 2. Inf. 846 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 2 de 8 INFORMATIVO ESTRATÉGICO INFORMATIVO STF 846 1) Os brasileiros natos não podem ser extraditados. 2) Os brasileiros naturalizados podem ser extraditados em duas hipóteses: i) crime comum praticado antes da naturalização e; ii) comprovado envolvimento com tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins. 3) Nenhum estrangeiro será extraditado por crime político ou de opinião. O Estatuto do Estrangeiro (Lei nº 6.815/80), por sua vez, também elenca certos limites à extradição. Veja: Art. 77. Não se concederá a extradição quando: I - se tratar de brasileiro, salvo se a aquisição dessa nacionalidade verificar-se após o fato que motivar o pedido; II - o fato que motivar o pedido não for considerado crime no Brasil ou no Estado requerente; III - o Brasil for competente, segundo suas leis, para julgar o crime imputado ao extraditando; IV - a lei brasileira impuser ao crime a pena de prisão igual ou inferior a 1 (um) ano; V - o extraditando estiver a responder a processo ou já houver sido condenado ou absolvido no Brasil pelo mesmo fato em que se fundar o pedido; VI - estiver extinta a punibilidade pela prescrição segundo a lei brasileira ou a do Estado requerente; VII - o fato constituir crime político; e VIII - o extraditando houver de responder, no Estado requerente, perante Tribunal ou Juízo de exceção. Observe que a extradição somente será possível quando forem cumpridos os requisitos de “dupla tipicidade” (art. 77, II) e “dupla punibilidade” (art. 77, VI). A “dupla tipicidade” resta caracterizada quando o fato que motivou a o pedido for considerado crime tanto no Brasil quanto no Estado requerente. Por sua vez, a “dupla punibilidade” irá existir quando o fato delituoso não tiver sido atingido pela prescrição no Brasil e no Estado requerente. Feitas essas considerações, cabe-nos trazer à luz o grande problema enfrentando na Extradição 1.362/DF. O Poder Judiciário argentino imputou a Salvador Siciliano a prática de crimes de lesa-humanidade, que seriam imprescritíveis, o que decorreria de norma jus cogens. Reforçando esse argumento, faz-se menção ao fato de que o Estatuto de Roma prevê que os crimes contra a humanidade são imprescritíveis. O STF, ao analisar o caso, fez as seguintes ponderações: 1) O Brasil não é signatário da Convenção sobre a Imprescritibilidade dos Crimes de Guerra dos Crimes contra a Humanidade. 2) Apenas lei interna pode dispor sobre prescritibilidade ou imprescritibilidade da pretensão estatal de punir. Isso porque, no âmbito do Direito Penal incriminador, vigora o princípio da reserva legal absoluta de lei formal. Dessa forma, o Estatuto de Roma, internalizado por decreto executivo, não é instrumento competente para estabelecer a imprescritibilidade de crimes. 3) Mesmo que se admitisse a existência de norma de direito internacional cogente estabelecendo a imprescritibilidade de crimes, isso não afastaria o art. 5º, XV, CF/88, que prevê que “a lei penal não retroagirá, salvo para beneficiar o réu”. Considerando-se que os crimes foram praticados por Salvador Siciliano bem antes da internalização do Estatuto de Roma pelo Brasil, não poderia retroagir a lei penal para prejudicar o réu.
  • 3. Inf. 846 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 3 de 8 INFORMATIVO ESTRATÉGICO INFORMATIVO STF 846 Com base nesses argumentos, a Corte concluiu que os crimes imputados a Salvador Siciliano prescreveram no Brasil e, portanto, não seria atendido o requisito da “dupla punibilidade”. Assim, o STF decidiu por indeferir a extradição do argentino. c) Questão de prova: O conteúdo que acabamos de estudar poderia ser cobrado nas seguintes questões de prova. A extradição não será autorizada quando presentes os requisitos da dupla tipicidade e da dupla punibilidade. A assertiva está errada. É exatamente o contrário. A extradição somente será autorizada quando presentes os requisitos de dupla tipicidade e dupla punibilidade. O Estatuto de Roma é instrumento suficiente para estabelecer a imprescritibilidade dos crimes contra a humanidade no ordenamento jurídico brasileiro. Como consequência, não pode ser afastada a punibilidade de extraditando que houver praticado crime de lesa humanidade. Mais uma vez a assertiva está errada. No Brasil, apenas a lei formal pode dispor sobre prescrição. Assim, o Estatuto de Roma não é instrumento suficiente para estabelecer a imprescritibilidade de crimes contra a humanidade. É possível, portanto, que seja afastada a punibilidade de extraditando que tiver praticado crime contra a humanidade. Do informativo: Crimes contra a humanidade e prescrição - 2 O Plenário, em conclusão e julgamento e por maioria, indeferiu pedido de extradição formulado pelo Governo da Argentina em desfavor de um nacional, ao qual imputada a suposta prática de delitos de lesa-humanidade. Ele é investigado por crimes correspondentes, no Código Penal brasileiro, aos de homicídio qualificado, sequestro e associação criminosa. Os delitos teriam sido cometidos quando o extraditando integrava o grupo terrorista “Triple A”, em atividade entre os anos 1973 e 1975, cujo objetivo era o sequestro e o assassinato de cidadãos argentinos contrários ao governo então vigente naquele país — v. Informativos 842 e 844. O Colegiado considerou estar extinta a punibilidade dos crimes imputados ao extraditando, nos termos da legislação brasileira, e de não ter sido atendido, portanto, o requisito da dupla punibilidade. Destacou a jurisprudência nesse sentido, e relembrou o art. 77, VI, do Estatuto do Estrangeiro e o art. III, “c”, do tratado de extradição entre Brasil e Argentina quanto à vedação do pleito extradicional quando extinta a punibilidade pela prescrição. Apresentou também o posicionamento da Corte em casos semelhantes, nos quais o pedido de extradição teria sido deferido apenas quanto aos crimes reputados de natureza permanente e considerados não prescritos, em virtude da não cessação da permanência, situação diversa da ora analisada. Relativamente à qualificação dos delitos imputados ao extraditando como de lesa-humanidade, entendeu que essa circunstância não afasta a aplicação da citada jurisprudência. A Corte se referiu a fundamentos expostos na ADPF 153/DF, no sentido da não aplicação, no Brasil, da imprescritibilidade dos crimes dessa natureza, haja vista o País não ter subscrito a Convenção sobre a Imprescritibilidade dos Crimes de Guerra e dos Crimes contra a Humanidade, nem ter a ela aderido, e, ainda, em razão de somente lei interna poder dispor sobre prescritibilidade ou imprescritibilidade da pretensão estatal de punir. Ponderou que, mesmo se houvesse norma de direito internacional de caráter cogente a estabelecer a imprescritibilidade dos crimes contra a humanidade, ela não seria aplicável no
  • 4. Inf. 846 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 4 de 8 INFORMATIVO ESTRATÉGICO INFORMATIVO STF 846 Brasil, por não ter sido ainda reproduzida no direito interno. Portanto, o Estatuto de Roma, considerado norma de estatura supralegal ou constitucional, não elidiria a força normativa do art. 5º, XV, da Constituição da República, que veda a retroatividade da lei penal, salvo para beneficiar o réu. Em seguida, o Plenário afastou a ofensa ao art. 27 da Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados. Não ocorre, no caso, invocação de limitações de direito interno para justificar o inadimplemento do tratado de extradição entre Brasil e Argentina, mas simples incidência de limitação prevista nesse tratado. Concluiu que, estando prescritos os crimes, segundo o ordenamento jurídico brasileiro, eventual acolhimento do pedido extradicional ofenderia o próprio tratado de extradição, que demanda a observância do requisito da dupla punibilidade. Vencidos os ministros Edson Fachin (relator), Roberto Barroso, Rosa Weber, que reajustou o voto, Ricardo Lewandowski e Cármen Lúcia (presidente), todos pelo indeferimento do pedido. Em seguida, o Tribunal determinou a expedição de alvará de soltura em favor do extraditando. Ext 1362/DF, rel. Min. Edson Fachin, red. p/ o ac. Min. Teori Zavascki, julgamento em 9.11.2016. (Ext-1362) 2 – Direito Tributário Protesto de CDA e sanção política O protesto das Certidões de Dívida Ativa (CDA) constitui mecanismo constitucional e legítimo, por não restringir de forma desproporcional quaisquer direitos fundamentais garantidos aos contribuintes e, assim, não constituir sanção política. STF. Plenário. ADI 5135/DF, rel. Min. Roberto Barroso, 3 e 9.11.2016. (ADI-5135) Comentários pelo Prof. Fábio Dutra: a) Apresentação resumida do caso: Trata-se de pedido formulado em ação direta ajuizada contra o parágrafo único do art. 1º da Lei 9.492/1997, incluído pela Lei 12.767/2012, que previu que se incluem entre os títulos sujeitos a protesto as certidões de dívida ativa da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios e das respectivas autarquias e fundações públicas. b) Conteúdo teórico pertinente: É importante sabermos que o protesto, pela definição legal, é o ato formal e solene pelo qual se prova a inadimplência e o descumprimento de obrigação originada em títulos e outros documentos de dívida. É um meio de cobrança extrajudicial do crédito tributário, utilizado, sobretudo, nos casos de crédito de pequeno valor, para os quais se torna inviável o ajuizamento de ação judicial de cobrança. Acerca do protesto da CDA, o Plenário do STF, por maioria, julgou improcedente o pedido formulado na ação direta, esclarecendo diversos pontos acerca do protesto, que podem ser sintetizados do seguinte modo: • a Lei 6.830/80, que dispõe sobre a execução fiscal, não exclui a possibilidade de instituição e manejo de mecanismos extrajudiciais de cobrança; • se a cobrança pela via do protesto for frustrada, o executivo fiscal poderá ser normalmente ajuizado pelo fisco; • a principal finalidade do protesto da CDA é dar ao mercado conhecimento a respeito da existência de débitos fiscais e permitir a sua cobrança extrajudicial;
  • 5. Inf. 846 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 5 de 8 INFORMATIVO ESTRATÉGICO INFORMATIVO STF 846 • o protesto confere maior publicidade ao descumprimento das obrigações tributárias e serve como importante mecanismo extrajudicial de cobrança, contribuindo para estimular a adimplência, incrementar a arrecadação e promover a justiça fiscal; • o protesto é, em regra, mecanismo que causa menor sacrifício ao contribuinte, se comparado aos demais instrumentos de cobrança disponíveis, em especial a Execução Fiscal; • o protesto não configura uma “sanção política”, já que não constitui medida coercitiva indireta que restrinja, de modo irrazoável ou desproporcional, direitos fundamentais dos contribuintes, com o objetivo de forçá-los a quitar seus débitos tributários. Desse modo, decidiu o STF que a utilização do protesto pela Fazenda Pública não viola o princípio do devido processo legal, não é incompatível com a execução fiscal, não viola o princípio da inafastabilidade do controle judicial, não importa em qualquer restrição ao devido processo legal. Diante disso, a Suprema Corte decidiu que a utilização do protesto instrumento de cobrança de CDA é constitucional. c) Questão de prova: Diante desta relevante decisão, acreditamos que o tema será cobrado com frequência em provas de concurso público. Uma possível questão seria a seguinte: De acordo com decisão recente do STF, o protesto das Certidões de Dívida Ativa (CDA) configura sanção política, considerado flagrantemente inconstitucional para tal finalidade. O STF decidiu exatamente o contrário, isto é, o protesto das Certidões de Dívida Ativa (CDA) constitui mecanismo constitucional e legítimo, por não restringir de forma desproporcional quaisquer direitos fundamentais garantidos aos contribuintes e, assim, não constituir sanção política. Assertiva errada. Do informativo: Protesto de CDA e sanção política O protesto das Certidões de Dívida Ativa (CDA) constitui mecanismo constitucional e legítimo, por não restringir de forma desproporcional quaisquer direitos fundamentais garantidos aos contribuintes e, assim, não constituir sanção política. Com base nesse entendimento, o Plenário, por maioria, julgou improcedente o pedido formulado em ação direta ajuizada contra o parágrafo único do art. 1º da Lei 9.492/1997, incluído pela Lei 12.767/2012 (“Parágrafo único. Incluem-se entre os títulos sujeitos a protesto as Certidões de Dívida Ativa da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios e das respectivas autarquias e fundações públicas”). O Tribunal afastou a alegação de inconstitucionalidade formal do dispositivo atacado. A requerente aduzia ter havido afronta ao devido processo legislativo e à separação de poderes, em virtude de ter sido inserido por emenda na Medida Provisória 577/2012, que versava sobre questões totalmente diversas, relativas ao serviço público de energia elétrica. Observou que o Supremo Tribunal Federal, ao julgar a ADI 5.127 (DJE de 27.9.2016), entendeu que a prática de introduzir emendas sobre matérias estranhas às medidas provisórias, consolidada no Congresso Nacional, constitui costume contrário à Constituição. Entretanto, diante dos consideráveis efeitos adversos que adviriam da declaração de inconstitucionalidade de todas as medidas provisórias já aprovadas, ou ainda em tramitação, com vício semelhante, e do fato de estar-se a afirmar um novo entendimento sobre a matéria, a Corte
  • 6. Inf. 846 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 6 de 8 INFORMATIVO ESTRATÉGICO INFORMATIVO STF 846 atribuiu eficácia “ex nunc” à decisão. Ficaram, assim, preservadas, até a data daquele julgamento, todas as leis oriundas de projetos de conversão de medidas provisórias com semelhante vício, já aprovadas ou em tramitação no Congresso Nacional, incluindo o dispositivo impugnado na presente ação direta. No que se refere às impugnações materiais, a tese central defendida é a de que o protesto da Certidão de Dívida Ativa pelo fisco constitui “sanção política” – pois seria uma medida extrajudicial que restringe de forma desproporcional os direitos fundamentais dos contribuintes ao devido processo legal, à livre iniciativa e ao livre exercício profissional – imposta, de forma indireta, para pressioná-los a quitar seus débitos tributários. Ponderou que, de acordo com a jurisprudência desta Corte sobre o tema, é possível concluir não bastar que uma medida coercitiva do recolhimento do crédito tributário restrinja direitos dos contribuintes devedores para que ela seja considerada uma sanção política. Exige-se, além disso, que tais restrições sejam reprovadas no exame de proporcionalidade e razoabilidade. Afirmou que a utilização do instituto pela Fazenda Pública não viola o princípio do devido processo legal. Rememorou que, no regime jurídico atual, a execução fiscal constitui o mecanismo próprio de cobrança judicial da Dívida Ativa (Lei 6.830/1980, art. 38). No entanto, embora a Lei 6.830/1980 eleja o executivo fiscal como instrumento típico para a cobrança da Dívida Ativa em sede judicial, ela não exclui a possibilidade de instituição e manejo de mecanismos extrajudiciais de cobrança. Por sua vez, o protesto é justamente um instrumento extrajudicial que pode ser empregado para a cobrança de certidões de dívida, com expressa previsão legal, nos termos do parágrafo único do art. 1º da Lei 9.492/1997. Segundo assentou, não há, assim, qualquer incompatibilidade entre ambos os instrumentos. Eles são até mesmo complementares. Frustrada a cobrança pela via do protesto, o executivo fiscal poderá ser normalmente ajuizado pelo fisco. E mais: em relação à cobrança de créditos de pequeno valor, o protesto será, muitas vezes, a única via possível. Diversas Fazendas optaram por autorizar o não ajuizamento de execuções fiscais nos casos em que o custo da cobrança judicial seja superior ao próprio valor do crédito. Mesmo na ausência de lei sobre o tema, alguns juízes e tribunais locais passaram a extinguir execuções fiscais por falta de interesse processual na hipótese. Além disso, o protesto não impede o devedor de acessar o Poder Judiciário para discutir a validade do crédito tributário ou para sustar o protesto. Tampouco exclui a possibilidade de o protestado pleitear judicialmente uma indenização, caso o protesto seja indevido. Inexiste, assim, qualquer mácula à inafastabilidade do controle judicial. Por esses motivos, não se vislumbra fundamento constitucional ou legal que impeça o Poder Público de estabelecer, por via de lei, o protesto como modalidade extrajudicial e alternativa de cobrança de créditos tributários. Portanto, o protesto de Certidões da Dívida Ativa não importa em qualquer restrição ao devido processo legal. Ademais, o protesto de Certidões de Dívida Ativa não representa um efetivo embaraço ao regular exercício das atividades empresariais e ao cumprimento dos objetos sociais dos administrados. Sua principal finalidade é dar ao mercado conhecimento a respeito da existência de débitos fiscais e permitir a sua cobrança extrajudicial. Desse modo, a medida não impacta diretamente a vida da empresa. Diversamente dos casos julgados por esta Corte em que se concluiu pela violação à livre iniciativa, o protesto não compromete a organização e a condução das atividades societárias – tal como ocorre nas hipóteses de interdição de estabelecimento, apreensão de mercadorias, restrições à expedição de notas fiscais e limitações à obtenção de registros ou à prática de atos necessários ao seu funcionamento – nem restringe, efetivamente, a livre iniciativa e a liberdade de exercício profissional. Quando muito, ele pode promover uma pequena restrição a tais direitos pela restrição creditícia, que, justamente por ser eventual e indireta, não atinge seus núcleos essenciais. A última alegação da requerente é a de que o protesto de CDAs violaria o princípio da proporcionalidade, pois tal instrumento constituiria meio inadequado para alcançar as finalidades do instituto, e desnecessário, uma vez que o fisco teria meios especiais e menos gravosos para a satisfação do crédito tributário. Em relação à adequação da medida, cabe verificar se o protesto de Certidões de Dívida Ativa é idôneo para atingir os fins pretendidos, isto é, se as restrições impostas aos direitos fundamentais dos devedores são aptas a promover os interesses contrapostos.
  • 7. Inf. 846 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 7 de 8 INFORMATIVO ESTRATÉGICO INFORMATIVO STF 846 Com a edição da Lei 9.492/1997, registrou-se sensível ampliação do rol de títulos sujeitos a protesto, que passou a incluir, além dos cambiais, “títulos e outros documentos de dívida”. Hoje, portanto, podem ser protestados quaisquer títulos executivos, judiciais ou extrajudiciais, desde que dotados de liquidez, certeza e exigibilidade, nos termos do art. 783 do Código de Processo Civil de 2015. A partir dessa alteração legislativa, o protesto passou também a desempenhar outras funções além da meramente probatória. De um lado, ele representa instrumento para constituir o devedor em mora e comprovar o descumprimento da obrigação. De outro, confere ampla publicidade ao inadimplemento e consiste em meio alternativo e extrajudicial para a cobrança da dívida. Portanto, a remessa da Certidão da Dívida Ativa a protesto é medida plenamente adequada às novas finalidades do instituto. Ela confere maior publicidade ao descumprimento das obrigações tributárias e serve como importante mecanismo extrajudicial de cobrança, contribuindo para estimular a adimplência, incrementar a arrecadação e promover a justiça fiscal, impedindo que devedores contumazes possam extrair vantagens competitivas indevidas da sonegação de tributos. Por evidente, a origem cambiária do instituto não pode representar um óbice à evolução e à utilização do instituto em sua feição jurídica atual. O protesto é, em regra, mecanismo que causa menor sacrifício ao contribuinte, se comparado aos demais instrumentos de cobrança disponíveis, em especial a Execução Fiscal. Por meio dele, exclui-se o risco de penhora de bens, rendas e faturamentos e de expropriação do patrimônio do devedor, assim como se dispensa o pagamento de diversos valores, como custas, honorários sucumbenciais, registro da distribuição da execução fiscal e se possibilita a redução do encargo legal. Assim, o protesto de Certidões de Dívida Ativa proporciona ganhos que compensam largamente as leves e eventuais restrições aos direitos fundamentais dos devedores. Daí por que, além de adequada e necessária, a medida é também proporcional em sentido estrito. Ademais, não configura uma “sanção política”, já que não constitui medida coercitiva indireta que restrinja, de modo irrazoável ou desproporcional, direitos fundamentais dos contribuintes, com o objetivo de forçá-los a quitar seus débitos tributários. Tal instrumento de cobrança é, portanto, constitucional. Por fim, em atenção aos princípios da impessoalidade e da isonomia, é recomendável a edição de regulamentação, por ato infralegal que explicite os parâmetros utilizados para a distinção a ser feita entre os administrados e as diversas situações de fato existentes. A declaração de constitucionalidade do protesto de Certidões de Dívida Ativa pela Administração Tributária traz como contrapartida o dever de utilizá-lo de forma responsável e consentânea com os ditames constitucionais. Assim, nas hipóteses de má utilização do instrumento, permanecem os juízes de primeiro grau e os demais tribunais do País com a prerrogativa de promoverem a revisão de eventuais atos de protesto que, à luz do caso concreto, estejam em desacordo com a Constituição e com a legislação tributária, sem prejuízo do arbitramento de uma indenização compatível com o dano sofrido pelo administrado. Vencidos os ministros Edson Fachin, Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio, que julgavam procedente o pedido. Pontuavam tratar-se de sanção política a afrontar a atividade econômica lícita, o devido processo legal e o direito de ampla defesa do contribuinte. Ressaltavam que o protesto seria um ato unilateral da administração, sem qualquer participação do contribuinte e teria como único objetivo constranger o devedor. Frisavam haver outros meios menos onerosos para a cobrança dos débitos. Ademais, no momento que a CDA fosse submetida a um protesto, o contribuinte sofreria cerceamento de crédito, o que restringiria suas atividades do dia a dia. O ministro Marco Aurélio, além do aspecto material, reconhecia a inconstitucionalidade formal da norma em razão de ofensa ao devido processo legislativo, pois a emenda que resultou no dispositivo atacado não tinha pertinência com a matéria tratada na medida provisória. Além disso, não participou da fixação da tese. ADI 5135/DF, rel. Min. Roberto Barroso, 3 e 9.11.2016. (ADI-5135)
  • 8. Inf. 846 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 8 de 8 INFORMATIVO ESTRATÉGICO INFORMATIVO STF 846 Quer receber o Informativo Estratégico diretamente no seu e-mail? Inscreva-se em https://goo.gl/5qilqQ