SlideShare uma empresa Scribd logo
Ana Cristina d’Andretta Tanaka
Cláudia de Azevedo Aguiar
2013
Universidade de São Paulo
Faculdade de Saúde Pública
Curso de Nutrição
http://www.youtube.com/watch?v=XSXVmdJCoqs
Perpetuação
e/ou
agravamento da situação
Violência contra mulheres
adolescentes e jovens no Brasil
Problema invisível
Banalização
Senso comum
O número de adolescentes que sofreram
abuso sexual seguido de gravidez é
incerto. Há grande subnotificação!
• Ascensão social;
• Independência;
• Ausência de outras
expectativas;
• Simples desejo de se
tornar mãe.
• Ele: 13 anos
(aparentando menos idade)
• Ela: 15 anos
(Jornal THE SUN)
DATASUS (2001)
Nascidos vivos: 3.115.474
10-14 anos: 0,9%
(n=27.931)
15-19 anos: 23,4%
(n= 696.955)
DATASUS (2010)
Nascidos vivos: 2.861.868
10-14 anos: 0,8%
(n=27.049)
15-19 anos: 18,4%
(n= 525.581)
M o r t e
fases de crescimento
c
r i
anç
i
d
o
s
o
adoles-
cente
jovem adulto 
climatério
n
a
s
c
ido
re
cé
m
-
a
Na Idade média não existia distinção entre crianças
e adultos. A ideia de criança estava ligada à ser
dependente. No momento em que tinha condições
de viver sem a solicitude constante de sua mãe /
seu cuidador, a criança ingressava no mundo dos
adultos sem se distinguir deles.
A partir dos séculos XVIII e XIX, sobretudo com a
industrialização (organização dos trabalhos), houve uma
redefinição do papel social das crianças. Estas:
 passaram a receber investimentos dos pais, pois
seriam o “futuro da família” e
 passaram a receber mais cuidado de sua família.
Toda essa atenção culminou na ideia de adolescência.
Primeiras definições de adolescência:
 Meninos: período entre a 1ª comunhão e o bacharelato.
 Meninas: período entre a 1ª comunhão ao casamento.
Século XIX: a adolescência é reconhecida como um
período crítico, com potencial risco ao indivíduo e à
sociedade. Passa, então, a ser estudada por médicos e
educadores.
Século XX - Inglaterra: Tanner desenvolve o primeiro
Serviço de Crescimento Humano. Consideravam-se
constituintes do estudo do crescimento os aspectos
biológicos (predeterminados pela herança genética e
modificados pelo meio).
O estudo do crescimento humano desconstruiu a ideia
de que o adolescente é um ser estático e, portanto,
passa a reconhecê-lo como um ser biopsicossocial.
 Década de 1970: inicia-se a luta para a conquista
dos direitos das crianças e dos adolescentes.
 13 de julho de 1990: Sancionado o Estatuto da
Criança e do Adolescente (ECA).
Reconhecimento legal de que os adolescentes são sujeitos
de direitos e que requerem atenção e cuidados específicos,
contemplando suas mudanças biológicas, psicológicas e
sociais.
A adolescência é o período de transição entre a
infância e a fase adulta.
Limites Cronológicos*
 OMS: entre 10 e 19 anos de idade
 ONU: entre 15 e 24 anos (critério de juventude)
 ECA: entre 12 e 18 anos
*O início e o fim da adolescência variam de pessoa para pessoa,
porém, na maioria dos indivíduos, ela ocorre nesse período.
 Na adolescência, a pessoa vivenciará mudanças
físicas marcantes relacionadas ao amadurecimento
sexual e físico, ao estabelecimento das relações de
grupo, ao desenvolvimento de novas
responsabilidades e à construção de valores
pessoais relacionados ao seu ambiente social.
 É nesta fase que o individuo constrói a sua
identidade.
Durante a adolescência ocorrem, no organismo, significativas
mudanças hormonais. Além de favorecerem diversas mudanças
corporais (algumas indesejadas, como as acnes), estes
hormônios acabam influenciando diretamente no
comportamento dos adolescentes.
Nesta fase, os adolescentes podem variar muito e rapidamente
em relação ao humor e ao comportamento. Agressividade,
tristeza, felicidade, agitação, preguiça são comuns neste
período.
A adolescência é um momento de transição que pode ser
difícil e custoso, porque o adulto que virá ainda “não nasceu” e
a criança que existia ainda “não morreu”.
(Freguglia e Fonseca, 2012)
Infância Puberdade
Vida
Adulta
Aspectos biológicos
Aspectos
biopsicossociais
Adolescência
A puberdade é a fase inicial da adolescência, caracterizada
por transformações físicas e biológicas no corpo dos
meninos e das meninas.
Início da Puberdade: Aparecimento dos caracteres sexuais
secundários (broto mamário, aumento dos testículos,
aparecimento dos pelos pubianos)
 Meninas: entre 10 e 13 anos
 Meninos: entre 12 e 14 anos
É durante a puberdade que ocorrem:
 A primeira menstruação nas meninas = menarca;
 O aparecimento de pelos na região pubiana e axilar;
 O desenvolvimento das glândulas mamárias;
 O crescimento e a rotação da região da bacia óssea.
Fim da Puberdade: quando o desenvolvimento físico
e sexual está completo.
 Desenvolvimento sexual completo: o indivíduo está
apto para se reproduzir.
 Desenvolvimento físico completo: soldagem das
cartilagens de conjugação na epífise dos ossos
longos, o que determina o fim do crescimento
esquelético.
A maturação sexual ocorre paralelamente à aceleração do
crescimento.
Estirão do crescimento: A velocidade de crescimento
praticamente dobra durante a puberdade (8-9 cm/ano),
quando comparada ao crescimento pré-puberal (4-5
cm/ano).
• Meninas: ocorrerá no início da puberdade, antes da menarca
• Meninos: mais tardiamente.
O Estirão do crescimento está dividido em 4 fases:
1. Pré-aceleração
2. Aceleração máxima
3. Desaceleração
4. Crescimento final
Ao final da última fase, ocorrerão a menarca e o aumento
da massa gordurosa no corpo feminino.
(Eisenstein et al, 2000)
A maturação sexual constitui-se numa série de
modificações universais e ordenadas que culminarão
na capacidade reprodutora do indivíduo.
Hormônios responsáveis pela maturação sexual:
 Meninas: estrogênio e progesterona
 Meninos: testosterona.
Assincronia de maturação
Idade ginecológica zero = idade da menarca
Ex.: Se a menarca de uma adolescente ocorreu aos
11 anos, no ano de 2011, hoje, em 2013, sua idade
ginecológica é de 02 anos.
Idade ginecológica < 2 anos = mudanças físicas e
hormonais intensas; ciclos menstruais irregulares e
desconhecimento sobre o próprio corpo.
O desenvolvimento mamário (mamogênese) é um dos
primeiros sinais da puberdade. Começa em torno dos 9
anos de idade e depende da ação de esteróides sexuais
(estrogênios e progestogênios) e de outros hormônios,
como prolactina, somatotropina, tireoxina, insulina e
corticóides.
Tanner (1989) divide o desenvolvimento mamar em
cinco fases:
Primeira fase – elevação da papila, sem o crescimento da
aréola e do parênquima.
Segunda fase – aumento da aréola e início do crescimento
do parênquima, sob a forma de “broto mamário”.
Terceira fase – aumento da pigmentação areolar e
desenvolvimento do parênquima.
Quarta fase – elevação da aréola em placa, acima do
parênquima; esboça-se a conformação do órgão adulto,
porém de pequenas proporções.
Quinta fase – a mama assume forma adulta, a papila se
torna erétil e aparecem as glândulas areolares.
Na puberdade:
• a mama rudimentar começa a
demonstrar um aumento tanto na
atividade do epitélio glandular, quanto
no estroma circundante (tecido
adiposo).
• O aumento no tamanho das mamas
também se deve ao crescimento e
divisão dos pequenos ductos primários
originados durante a vida intrauterina.
Lobos
Então, uma adolescente com pouca idade ginecológica
não estaria preparada biologicamente para amamentar?
Não. Durante a gravidez, há a aceleração do processo de
mamogênese, graças à produção de estrogênios e
progestênios.
(REZENDE, 2008)
 Com a tendência secular de diminuição na idade da
menarca, as meninas estão se tornado aptas para a
reprodução mais precocemente.
(FUZII, 1989; TAVARES,1999)
 Com o início da atividade sexual mais cedo, é comum
que a adolescente não seja acompanhada de métodos
adequados para a prevenção da gravidez e de DST.
RISCOS BIOLÓGICOS?
ou
PSICOSSOCIAIS ?
O Ministério da Saúde (2006) caracteriza a
idade inferior a 15 anos como um fator de
risco para a gravidez.
Estatura
Adolescente grávida
com idade ginecológica
< 2 anos
Adolescente não
grávida
A ação dos
hormônios
gravídicos
consolidariam
mais
rapidamente a
cartilagem de
conjugação
óssea.
Puberdade e Adolescência
Estirão do
Crescimento
Vida Adulta
Infância
Do ponto de vista nutricional, considerando que a
adolescência pressupõe desenvolvimento físico, há uma
demanda aumentada de nutrientes inerentes ao
crescimento do indivíduo, em conjunto com as novas
demandas da gravidez.
Diante de uma dieta inadequada, o risco de instalação de
deficiências nutricionais aumenta de forma substancial e
as consequências podem ser sérias.
Demandas do
crescimento
+
Demandas da
gravidez
ANEMIA
Frutuoso et al (2003) têm recomendado atenção ao
grupo de adolescentes, devido ao aumento da
necessidade de ferro durante o estirão de crescimento.
Assim, nas meninas grávidas, considerando que há em
seu organismo um aumento volêmico fisiológico da
gravidez, a suscetibilidade à anemia pode ser maior.
Baixo peso ao nascer / RCIU
Santos et al (2008) analisaram a associação da gravidez na
adolescência com o baixo peso ao nascer.
 Separaram dois grupos de grávidas, um deles de
adolescentes entre 10-19 anos e outro de mulheres entre
20-34 anos.
 Resultados Nas adolescentes houve menor nº de consultas
no pré-natal, início tardio das consultas do pré-natal, BPN e
prematuridade.
Baixo peso ao nascer / RCIU
Kassar et al (2005) verificaram a influência da idade materna no
peso ao nascer e de outros possíveis fatores associados.
 Estudaram 250 gestantes adolescentes entre 12 e 19 anos e
250 gestantes com idade entre 20 a 30 anos
 Resultados: a gravidez na adolescência esteve
significantemente associada à inadequada assistência ao pré-
natal, à baixa renda per capita e ao inadequado estado
nutricional materno. Não houve significância no BPN.
Gontijo e Medeiros (2004)
Revisaram estudos que caracterizam a gravidez / maternidade
como sendo de risco para o desenvolvimento pessoal e social da
adolescente e seu filho, contrapondo-os às pesquisas que trazem
a perspectiva da adolescente sobre esta vivência.
 A maternidade pode ser vista de forma positiva pela
adolescente, especialmente para aquelas em situação de
risco social e pessoal.
Muito se fala que em adolescentes os riscos de algumas
intercorrências durante a gravidez são maiores, como
anemias, hipertensão gestacional (DHEG),
prematuridade e infecção urinária. Mas, estes riscos se
fazem presentes em função do baixo nº de consultas
no pré-natal. Problemas na adesão ou de evasão da
adolescente ao serviço de saúde favorecem um
rastreamento precário e uma terapêutica falha sobre
essas intercorrências na gravidez.
A adolescência, por si só, não representa riscos biológicos
à vida materna e fetal durante a gravidez. Podem existir
riscos sociais e psicológicos, de modo que a atenção
multiprofissional deve estar voltada:
• Ao contexto no qual a adolescente grávida está inserida,
• O que significa aquela gestação para ela e sua família?
• O que isto lhe trouxe de mudanças (físicas, emocionais,
sociais), e se essas mudanças estão, de alguma forma,
influenciando negativamente o seu bem estar.
Relação peso-estatura
Ganho total de peso
recomendado
Categoria IMC Kg
Baixo < 19,8 12,5 a 18
Normal 19,8 a 26 11,5 a 16
Sobrepeso 26 a 29 7 a 11,5
Obeso > 29 7
Recomendação de ganho ponderal para as gestantes de feto
único em função do IMC antes da gravidez a.
(Cunningham et al, 2012)
a Adolescentes jovens (< 2 anos após a menarca) devem tentar
se manter com ganho de peso na extremidade superior do intervalo.
As necessidades nutricionais da adolescente grávida estão
ligadas diretamente à idade ginecológica.
 > 2 anos  Maturidade biológica
 < de 2 anos  Apresentam o fenômeno chamado de
duplo anabolismo, transferindo menor proporção dos
nutrientes e do ganho de peso gestacional para o feto.
(Eisenstein et al, 2000)
Necessidades nutricionais e energéticas às adolescentes
grávidas com idade ginecológica < 2 anos:
 Proteínas: total de 60*-70 g/dia, durante toda a gestação
 Necessidades energéticas: adicional de 300* a 500 kcal/dia
(de acordo com idade, peso pré-gravídico, altura e tempo
de gestação).
(Eisenstein et al, 2000)
* Valores recomendados às gestantes não adolescentes ou com idade ginecológica > 2 anos.
Cunningham et al (2012)
“Lidar com adolescentes pode ser ao mesmo
tempo um desafio de enfrentar problemas ou uma
alavanca para promover hábitos de saúde.”
(Eisenstein et al, 2000)
...e isto se estende à adolescente grávida, que tem uma
chance aumentada de melhorar seus hábitos
nutricionais por meio de sua entrada no serviço de
saúde para realização do pré-natal!
 Bouzas I, Miranda AT. Gravidez na adolescência. Rev.Adolescência e
Saúde; 1(1), mar-2004.
 Cunningham et al. Obstetrícia de Williams. 23ª ed. Artmed. 2012.
 Eisenstein E et al. Nutrição na Adolescência. Jornal da Pediatria.
v.76.sup.3, 2000.
 Freguglia J, Fonseca M. Mudanças na adolescência. Disponível em:
http://crv.educacao.mg.gov.br/sistema_crv/banco_objetos_crv/Mud
ancas_na_Adolescencia.pdf
 Frutuoso MFP et al. Níveis séricos de hemoglobina em adolescentes
segundo estágio de maturação sexual. Rev. nutr;16(2):155-162, abr.-
jun. 2003
 Fuzii HH. Estudo epidemiológico da idade da menarca no município
de Ribeirão Preto [dissertação]. Ribeirão Preto (SP): Faculdade de
Medicina de Ribeirão Preto da USP, 1989.
 Gontijo DT, Medeiros M. Gravidez / maternidade e adolescentes em situação de
risco social e pessoal: algumas considerações. Rev.Eletron.Enfermagem. v. 6, n. 3
(2004) 2004. Disponível em:
http://www.revistas.ufg.br/index.php/fen/article/view/830/973
 Kassar SB et al. Peso ao nascer de recém-nascidos de mães adolescentes
comparados com o de puérperas adultas jovens . Rev. bras. saúde matern. infant;
5(3):293-299, jul.-set. 2005.
 MINISTÉRIO DA SAÚDE. Pré-natal e puerpério – Atenção qualificada e humanizada.
Manual Técnico. Série A: Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos. Caderno nº 5.
Brasília, 2006. 160 p.
 Rezende Filho JF. Obstetrícia Fundamental. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan.
2008.
 Santos GHN, Martins MG, Sousa MS. Gravidez na adolescência e fatores associados
com o baixo peso ao nascer. Rev.Bras.Ginecol.Obstet.: 30(5), 2008.
 Tavares CHF. Estudo epidemiológico da idade da menarca nas escolares do
município de Barrinha [dissertação]. Ribeirão Preto (SP): Faculdade de Medicina de
Ribeirão Preto da USP, 1999.
1. Qual é a diferença entre adolescência e puberdade?
2. Como se caracterizam o início e o fim da puberdade?
3. Quando a idade ginecológica da gestante é inferior a 2
anos, suas necessidades nutricionais poderão estar
ainda mais aumentadas. Qual é a recomendação de
ingesta adicional diária para esta população?
4. Qual é o ganho de peso total recomendado para
gestantes cuja idade ginecológica é inferior a 2 anos?

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Gravidez_Adolescência.pdf

Crescimento Pré-Puberal, Puberal Infanto-Juvenil
Crescimento Pré-Puberal, Puberal Infanto-JuvenilCrescimento Pré-Puberal, Puberal Infanto-Juvenil
Crescimento Pré-Puberal, Puberal Infanto-Juvenil
Van Der Häägen Brazil
 
Infância...
Infância...Infância...
Infância...
Guima2011
 
Puberdade powerpoint 2
Puberdade powerpoint 2Puberdade powerpoint 2
Puberdade powerpoint 2
luis97filipe
 
Puberdade .pptx;d
Puberdade .pptx;dPuberdade .pptx;d
Puberdade .pptx;d
Monica Alves
 
Crescimento e mudança 8°b
Crescimento e mudança  8°bCrescimento e mudança  8°b
Crescimento e mudança 8°b
Rosário Souza
 
Crescimento e mudança 8°b
Crescimento e mudança  8°bCrescimento e mudança  8°b
Crescimento e mudança 8°b
Rosário Souza
 
Crescimento e mudança 8°b
Crescimento e mudança  8°bCrescimento e mudança  8°b
Crescimento e mudança 8°b
Rosário Souza
 
Crescimento juvenil e puberdade tendência secular, ambiental e fatores genéticos
Crescimento juvenil e puberdade tendência secular, ambiental e fatores genéticosCrescimento juvenil e puberdade tendência secular, ambiental e fatores genéticos
Crescimento juvenil e puberdade tendência secular, ambiental e fatores genéticos
Van Der Häägen Brazil
 
A adolescencia
A adolescenciaA adolescencia
A adolescencia
gustavo antunes
 
Estirão em Infantil Juvenil, compatível com crescer pré e pubertário na menar...
Estirão em Infantil Juvenil, compatível com crescer pré e pubertário na menar...Estirão em Infantil Juvenil, compatível com crescer pré e pubertário na menar...
Estirão em Infantil Juvenil, compatível com crescer pré e pubertário na menar...
Van Der Häägen Brazil
 
Infância...
Infância...Infância...
Infância...
Guima2011
 
TransmissãO Da Vida 1
TransmissãO Da Vida  1TransmissãO Da Vida  1
TransmissãO Da Vida 1
clvr
 
Transmissão da Vida - Parte I
Transmissão da Vida - Parte ITransmissão da Vida - Parte I
Transmissão da Vida - Parte I
clvr
 
TransmissãO Da Vida II
TransmissãO Da Vida  IITransmissãO Da Vida  II
TransmissãO Da Vida II
clvr
 
Fatores Influenciam o Crescimento Somático Maturação
Fatores Influenciam o Crescimento Somático MaturaçãoFatores Influenciam o Crescimento Somático Maturação
Fatores Influenciam o Crescimento Somático Maturação
Van Der Häägen Brazil
 
Determinantes do Crescer e Maturação Crianças,Infantil,Juvenil e Subst. Metab...
Determinantes do Crescer e Maturação Crianças,Infantil,Juvenil e Subst. Metab...Determinantes do Crescer e Maturação Crianças,Infantil,Juvenil e Subst. Metab...
Determinantes do Crescer e Maturação Crianças,Infantil,Juvenil e Subst. Metab...
Van Der Häägen Brazil
 
A puberdade é o processo de mudanças físicas
A puberdade é o processo de mudanças físicasA puberdade é o processo de mudanças físicas
A puberdade é o processo de mudanças físicas
Van Der Häägen Brazil
 
Os Efeitos do Tamanho ao Nascer o Crescimento Durante Infância
Os Efeitos do Tamanho ao Nascer  o Crescimento Durante InfânciaOs Efeitos do Tamanho ao Nascer  o Crescimento Durante Infância
Os Efeitos do Tamanho ao Nascer o Crescimento Durante Infância
Van Der Häägen Brazil
 
Sexualidade na adolescencia
Sexualidade na adolescenciaSexualidade na adolescencia
Sexualidade na adolescencia
Lasianny
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
gabrielmonteiroborges
 

Semelhante a Gravidez_Adolescência.pdf (20)

Crescimento Pré-Puberal, Puberal Infanto-Juvenil
Crescimento Pré-Puberal, Puberal Infanto-JuvenilCrescimento Pré-Puberal, Puberal Infanto-Juvenil
Crescimento Pré-Puberal, Puberal Infanto-Juvenil
 
Infância...
Infância...Infância...
Infância...
 
Puberdade powerpoint 2
Puberdade powerpoint 2Puberdade powerpoint 2
Puberdade powerpoint 2
 
Puberdade .pptx;d
Puberdade .pptx;dPuberdade .pptx;d
Puberdade .pptx;d
 
Crescimento e mudança 8°b
Crescimento e mudança  8°bCrescimento e mudança  8°b
Crescimento e mudança 8°b
 
Crescimento e mudança 8°b
Crescimento e mudança  8°bCrescimento e mudança  8°b
Crescimento e mudança 8°b
 
Crescimento e mudança 8°b
Crescimento e mudança  8°bCrescimento e mudança  8°b
Crescimento e mudança 8°b
 
Crescimento juvenil e puberdade tendência secular, ambiental e fatores genéticos
Crescimento juvenil e puberdade tendência secular, ambiental e fatores genéticosCrescimento juvenil e puberdade tendência secular, ambiental e fatores genéticos
Crescimento juvenil e puberdade tendência secular, ambiental e fatores genéticos
 
A adolescencia
A adolescenciaA adolescencia
A adolescencia
 
Estirão em Infantil Juvenil, compatível com crescer pré e pubertário na menar...
Estirão em Infantil Juvenil, compatível com crescer pré e pubertário na menar...Estirão em Infantil Juvenil, compatível com crescer pré e pubertário na menar...
Estirão em Infantil Juvenil, compatível com crescer pré e pubertário na menar...
 
Infância...
Infância...Infância...
Infância...
 
TransmissãO Da Vida 1
TransmissãO Da Vida  1TransmissãO Da Vida  1
TransmissãO Da Vida 1
 
Transmissão da Vida - Parte I
Transmissão da Vida - Parte ITransmissão da Vida - Parte I
Transmissão da Vida - Parte I
 
TransmissãO Da Vida II
TransmissãO Da Vida  IITransmissãO Da Vida  II
TransmissãO Da Vida II
 
Fatores Influenciam o Crescimento Somático Maturação
Fatores Influenciam o Crescimento Somático MaturaçãoFatores Influenciam o Crescimento Somático Maturação
Fatores Influenciam o Crescimento Somático Maturação
 
Determinantes do Crescer e Maturação Crianças,Infantil,Juvenil e Subst. Metab...
Determinantes do Crescer e Maturação Crianças,Infantil,Juvenil e Subst. Metab...Determinantes do Crescer e Maturação Crianças,Infantil,Juvenil e Subst. Metab...
Determinantes do Crescer e Maturação Crianças,Infantil,Juvenil e Subst. Metab...
 
A puberdade é o processo de mudanças físicas
A puberdade é o processo de mudanças físicasA puberdade é o processo de mudanças físicas
A puberdade é o processo de mudanças físicas
 
Os Efeitos do Tamanho ao Nascer o Crescimento Durante Infância
Os Efeitos do Tamanho ao Nascer  o Crescimento Durante InfânciaOs Efeitos do Tamanho ao Nascer  o Crescimento Durante Infância
Os Efeitos do Tamanho ao Nascer o Crescimento Durante Infância
 
Sexualidade na adolescencia
Sexualidade na adolescenciaSexualidade na adolescencia
Sexualidade na adolescencia
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 

Último

A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagemSaúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
DavyllaVerasMenezes
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AntonioXavier35
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
DavyllaVerasMenezes
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdfaula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
ADRIANEGOMESDASILVA
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 

Último (11)

A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagemSaúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdfaula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 

Gravidez_Adolescência.pdf

  • 1. Ana Cristina d’Andretta Tanaka Cláudia de Azevedo Aguiar 2013 Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Curso de Nutrição
  • 3. Perpetuação e/ou agravamento da situação Violência contra mulheres adolescentes e jovens no Brasil Problema invisível Banalização Senso comum O número de adolescentes que sofreram abuso sexual seguido de gravidez é incerto. Há grande subnotificação!
  • 4.
  • 5. • Ascensão social; • Independência; • Ausência de outras expectativas; • Simples desejo de se tornar mãe.
  • 6. • Ele: 13 anos (aparentando menos idade) • Ela: 15 anos (Jornal THE SUN)
  • 7. DATASUS (2001) Nascidos vivos: 3.115.474 10-14 anos: 0,9% (n=27.931) 15-19 anos: 23,4% (n= 696.955) DATASUS (2010) Nascidos vivos: 2.861.868 10-14 anos: 0,8% (n=27.049) 15-19 anos: 18,4% (n= 525.581)
  • 8. M o r t e fases de crescimento c r i anç i d o s o adoles- cente jovem adulto  climatério n a s c ido re cé m - a
  • 9. Na Idade média não existia distinção entre crianças e adultos. A ideia de criança estava ligada à ser dependente. No momento em que tinha condições de viver sem a solicitude constante de sua mãe / seu cuidador, a criança ingressava no mundo dos adultos sem se distinguir deles.
  • 10. A partir dos séculos XVIII e XIX, sobretudo com a industrialização (organização dos trabalhos), houve uma redefinição do papel social das crianças. Estas:  passaram a receber investimentos dos pais, pois seriam o “futuro da família” e  passaram a receber mais cuidado de sua família. Toda essa atenção culminou na ideia de adolescência.
  • 11. Primeiras definições de adolescência:  Meninos: período entre a 1ª comunhão e o bacharelato.  Meninas: período entre a 1ª comunhão ao casamento. Século XIX: a adolescência é reconhecida como um período crítico, com potencial risco ao indivíduo e à sociedade. Passa, então, a ser estudada por médicos e educadores.
  • 12. Século XX - Inglaterra: Tanner desenvolve o primeiro Serviço de Crescimento Humano. Consideravam-se constituintes do estudo do crescimento os aspectos biológicos (predeterminados pela herança genética e modificados pelo meio). O estudo do crescimento humano desconstruiu a ideia de que o adolescente é um ser estático e, portanto, passa a reconhecê-lo como um ser biopsicossocial.
  • 13.  Década de 1970: inicia-se a luta para a conquista dos direitos das crianças e dos adolescentes.  13 de julho de 1990: Sancionado o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Reconhecimento legal de que os adolescentes são sujeitos de direitos e que requerem atenção e cuidados específicos, contemplando suas mudanças biológicas, psicológicas e sociais.
  • 14. A adolescência é o período de transição entre a infância e a fase adulta. Limites Cronológicos*  OMS: entre 10 e 19 anos de idade  ONU: entre 15 e 24 anos (critério de juventude)  ECA: entre 12 e 18 anos *O início e o fim da adolescência variam de pessoa para pessoa, porém, na maioria dos indivíduos, ela ocorre nesse período.
  • 15.  Na adolescência, a pessoa vivenciará mudanças físicas marcantes relacionadas ao amadurecimento sexual e físico, ao estabelecimento das relações de grupo, ao desenvolvimento de novas responsabilidades e à construção de valores pessoais relacionados ao seu ambiente social.  É nesta fase que o individuo constrói a sua identidade.
  • 16. Durante a adolescência ocorrem, no organismo, significativas mudanças hormonais. Além de favorecerem diversas mudanças corporais (algumas indesejadas, como as acnes), estes hormônios acabam influenciando diretamente no comportamento dos adolescentes. Nesta fase, os adolescentes podem variar muito e rapidamente em relação ao humor e ao comportamento. Agressividade, tristeza, felicidade, agitação, preguiça são comuns neste período. A adolescência é um momento de transição que pode ser difícil e custoso, porque o adulto que virá ainda “não nasceu” e a criança que existia ainda “não morreu”. (Freguglia e Fonseca, 2012)
  • 17.
  • 19. A puberdade é a fase inicial da adolescência, caracterizada por transformações físicas e biológicas no corpo dos meninos e das meninas. Início da Puberdade: Aparecimento dos caracteres sexuais secundários (broto mamário, aumento dos testículos, aparecimento dos pelos pubianos)  Meninas: entre 10 e 13 anos  Meninos: entre 12 e 14 anos
  • 20. É durante a puberdade que ocorrem:  A primeira menstruação nas meninas = menarca;  O aparecimento de pelos na região pubiana e axilar;  O desenvolvimento das glândulas mamárias;  O crescimento e a rotação da região da bacia óssea.
  • 21. Fim da Puberdade: quando o desenvolvimento físico e sexual está completo.  Desenvolvimento sexual completo: o indivíduo está apto para se reproduzir.  Desenvolvimento físico completo: soldagem das cartilagens de conjugação na epífise dos ossos longos, o que determina o fim do crescimento esquelético.
  • 22. A maturação sexual ocorre paralelamente à aceleração do crescimento. Estirão do crescimento: A velocidade de crescimento praticamente dobra durante a puberdade (8-9 cm/ano), quando comparada ao crescimento pré-puberal (4-5 cm/ano). • Meninas: ocorrerá no início da puberdade, antes da menarca • Meninos: mais tardiamente.
  • 23. O Estirão do crescimento está dividido em 4 fases: 1. Pré-aceleração 2. Aceleração máxima 3. Desaceleração 4. Crescimento final Ao final da última fase, ocorrerão a menarca e o aumento da massa gordurosa no corpo feminino. (Eisenstein et al, 2000)
  • 24. A maturação sexual constitui-se numa série de modificações universais e ordenadas que culminarão na capacidade reprodutora do indivíduo. Hormônios responsáveis pela maturação sexual:  Meninas: estrogênio e progesterona  Meninos: testosterona.
  • 26. Idade ginecológica zero = idade da menarca Ex.: Se a menarca de uma adolescente ocorreu aos 11 anos, no ano de 2011, hoje, em 2013, sua idade ginecológica é de 02 anos. Idade ginecológica < 2 anos = mudanças físicas e hormonais intensas; ciclos menstruais irregulares e desconhecimento sobre o próprio corpo.
  • 27. O desenvolvimento mamário (mamogênese) é um dos primeiros sinais da puberdade. Começa em torno dos 9 anos de idade e depende da ação de esteróides sexuais (estrogênios e progestogênios) e de outros hormônios, como prolactina, somatotropina, tireoxina, insulina e corticóides.
  • 28. Tanner (1989) divide o desenvolvimento mamar em cinco fases: Primeira fase – elevação da papila, sem o crescimento da aréola e do parênquima. Segunda fase – aumento da aréola e início do crescimento do parênquima, sob a forma de “broto mamário”. Terceira fase – aumento da pigmentação areolar e desenvolvimento do parênquima. Quarta fase – elevação da aréola em placa, acima do parênquima; esboça-se a conformação do órgão adulto, porém de pequenas proporções. Quinta fase – a mama assume forma adulta, a papila se torna erétil e aparecem as glândulas areolares.
  • 29. Na puberdade: • a mama rudimentar começa a demonstrar um aumento tanto na atividade do epitélio glandular, quanto no estroma circundante (tecido adiposo). • O aumento no tamanho das mamas também se deve ao crescimento e divisão dos pequenos ductos primários originados durante a vida intrauterina. Lobos
  • 30. Então, uma adolescente com pouca idade ginecológica não estaria preparada biologicamente para amamentar? Não. Durante a gravidez, há a aceleração do processo de mamogênese, graças à produção de estrogênios e progestênios. (REZENDE, 2008)
  • 31.
  • 32.  Com a tendência secular de diminuição na idade da menarca, as meninas estão se tornado aptas para a reprodução mais precocemente. (FUZII, 1989; TAVARES,1999)  Com o início da atividade sexual mais cedo, é comum que a adolescente não seja acompanhada de métodos adequados para a prevenção da gravidez e de DST.
  • 34. O Ministério da Saúde (2006) caracteriza a idade inferior a 15 anos como um fator de risco para a gravidez.
  • 35. Estatura Adolescente grávida com idade ginecológica < 2 anos Adolescente não grávida A ação dos hormônios gravídicos consolidariam mais rapidamente a cartilagem de conjugação óssea. Puberdade e Adolescência Estirão do Crescimento Vida Adulta Infância
  • 36. Do ponto de vista nutricional, considerando que a adolescência pressupõe desenvolvimento físico, há uma demanda aumentada de nutrientes inerentes ao crescimento do indivíduo, em conjunto com as novas demandas da gravidez. Diante de uma dieta inadequada, o risco de instalação de deficiências nutricionais aumenta de forma substancial e as consequências podem ser sérias. Demandas do crescimento + Demandas da gravidez
  • 37. ANEMIA Frutuoso et al (2003) têm recomendado atenção ao grupo de adolescentes, devido ao aumento da necessidade de ferro durante o estirão de crescimento. Assim, nas meninas grávidas, considerando que há em seu organismo um aumento volêmico fisiológico da gravidez, a suscetibilidade à anemia pode ser maior.
  • 38. Baixo peso ao nascer / RCIU Santos et al (2008) analisaram a associação da gravidez na adolescência com o baixo peso ao nascer.  Separaram dois grupos de grávidas, um deles de adolescentes entre 10-19 anos e outro de mulheres entre 20-34 anos.  Resultados Nas adolescentes houve menor nº de consultas no pré-natal, início tardio das consultas do pré-natal, BPN e prematuridade.
  • 39. Baixo peso ao nascer / RCIU Kassar et al (2005) verificaram a influência da idade materna no peso ao nascer e de outros possíveis fatores associados.  Estudaram 250 gestantes adolescentes entre 12 e 19 anos e 250 gestantes com idade entre 20 a 30 anos  Resultados: a gravidez na adolescência esteve significantemente associada à inadequada assistência ao pré- natal, à baixa renda per capita e ao inadequado estado nutricional materno. Não houve significância no BPN.
  • 40. Gontijo e Medeiros (2004) Revisaram estudos que caracterizam a gravidez / maternidade como sendo de risco para o desenvolvimento pessoal e social da adolescente e seu filho, contrapondo-os às pesquisas que trazem a perspectiva da adolescente sobre esta vivência.  A maternidade pode ser vista de forma positiva pela adolescente, especialmente para aquelas em situação de risco social e pessoal.
  • 41. Muito se fala que em adolescentes os riscos de algumas intercorrências durante a gravidez são maiores, como anemias, hipertensão gestacional (DHEG), prematuridade e infecção urinária. Mas, estes riscos se fazem presentes em função do baixo nº de consultas no pré-natal. Problemas na adesão ou de evasão da adolescente ao serviço de saúde favorecem um rastreamento precário e uma terapêutica falha sobre essas intercorrências na gravidez.
  • 42. A adolescência, por si só, não representa riscos biológicos à vida materna e fetal durante a gravidez. Podem existir riscos sociais e psicológicos, de modo que a atenção multiprofissional deve estar voltada: • Ao contexto no qual a adolescente grávida está inserida, • O que significa aquela gestação para ela e sua família? • O que isto lhe trouxe de mudanças (físicas, emocionais, sociais), e se essas mudanças estão, de alguma forma, influenciando negativamente o seu bem estar.
  • 43. Relação peso-estatura Ganho total de peso recomendado Categoria IMC Kg Baixo < 19,8 12,5 a 18 Normal 19,8 a 26 11,5 a 16 Sobrepeso 26 a 29 7 a 11,5 Obeso > 29 7 Recomendação de ganho ponderal para as gestantes de feto único em função do IMC antes da gravidez a. (Cunningham et al, 2012) a Adolescentes jovens (< 2 anos após a menarca) devem tentar se manter com ganho de peso na extremidade superior do intervalo.
  • 44. As necessidades nutricionais da adolescente grávida estão ligadas diretamente à idade ginecológica.  > 2 anos  Maturidade biológica  < de 2 anos  Apresentam o fenômeno chamado de duplo anabolismo, transferindo menor proporção dos nutrientes e do ganho de peso gestacional para o feto. (Eisenstein et al, 2000)
  • 45. Necessidades nutricionais e energéticas às adolescentes grávidas com idade ginecológica < 2 anos:  Proteínas: total de 60*-70 g/dia, durante toda a gestação  Necessidades energéticas: adicional de 300* a 500 kcal/dia (de acordo com idade, peso pré-gravídico, altura e tempo de gestação). (Eisenstein et al, 2000) * Valores recomendados às gestantes não adolescentes ou com idade ginecológica > 2 anos.
  • 47. “Lidar com adolescentes pode ser ao mesmo tempo um desafio de enfrentar problemas ou uma alavanca para promover hábitos de saúde.” (Eisenstein et al, 2000) ...e isto se estende à adolescente grávida, que tem uma chance aumentada de melhorar seus hábitos nutricionais por meio de sua entrada no serviço de saúde para realização do pré-natal!
  • 48.  Bouzas I, Miranda AT. Gravidez na adolescência. Rev.Adolescência e Saúde; 1(1), mar-2004.  Cunningham et al. Obstetrícia de Williams. 23ª ed. Artmed. 2012.  Eisenstein E et al. Nutrição na Adolescência. Jornal da Pediatria. v.76.sup.3, 2000.  Freguglia J, Fonseca M. Mudanças na adolescência. Disponível em: http://crv.educacao.mg.gov.br/sistema_crv/banco_objetos_crv/Mud ancas_na_Adolescencia.pdf  Frutuoso MFP et al. Níveis séricos de hemoglobina em adolescentes segundo estágio de maturação sexual. Rev. nutr;16(2):155-162, abr.- jun. 2003  Fuzii HH. Estudo epidemiológico da idade da menarca no município de Ribeirão Preto [dissertação]. Ribeirão Preto (SP): Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP, 1989.
  • 49.  Gontijo DT, Medeiros M. Gravidez / maternidade e adolescentes em situação de risco social e pessoal: algumas considerações. Rev.Eletron.Enfermagem. v. 6, n. 3 (2004) 2004. Disponível em: http://www.revistas.ufg.br/index.php/fen/article/view/830/973  Kassar SB et al. Peso ao nascer de recém-nascidos de mães adolescentes comparados com o de puérperas adultas jovens . Rev. bras. saúde matern. infant; 5(3):293-299, jul.-set. 2005.  MINISTÉRIO DA SAÚDE. Pré-natal e puerpério – Atenção qualificada e humanizada. Manual Técnico. Série A: Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos. Caderno nº 5. Brasília, 2006. 160 p.  Rezende Filho JF. Obstetrícia Fundamental. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan. 2008.  Santos GHN, Martins MG, Sousa MS. Gravidez na adolescência e fatores associados com o baixo peso ao nascer. Rev.Bras.Ginecol.Obstet.: 30(5), 2008.  Tavares CHF. Estudo epidemiológico da idade da menarca nas escolares do município de Barrinha [dissertação]. Ribeirão Preto (SP): Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP, 1999.
  • 50. 1. Qual é a diferença entre adolescência e puberdade? 2. Como se caracterizam o início e o fim da puberdade? 3. Quando a idade ginecológica da gestante é inferior a 2 anos, suas necessidades nutricionais poderão estar ainda mais aumentadas. Qual é a recomendação de ingesta adicional diária para esta população? 4. Qual é o ganho de peso total recomendado para gestantes cuja idade ginecológica é inferior a 2 anos?