SlideShare uma empresa Scribd logo
IOSR Journal of Electrical and Electronics Engineering (IOSR-JEEE)
e-ISSN: 2278-1676,p-ISSN: 2320-3331, Volume 11, Issue 3Ver. I (May. – Jun. 2016), PP 51-56
www.iosrjournals.org
DOI: 10.9790/1676-1103015156 www.iosrjournals.org 51 | Page
Conhecimentos e Práticas do Homem na Preveção do Câncer de
Próstata
Maria Albertina Rocha Diógenes1
, Francisco Mayron Morais Soares2
;Julyana
Gomes Freitas³
1 -Graduação em Enfermagem pela Escola de Enfermagem São Vicente de Paulo (1976), Mestrado em Saúde
Comunitária pela Universidade Federal do Ceará (2000) e Doutorado em Enfermagem pela Universidade
Federal do Ceará (2004). Docente Adjunto 1 na Universidade de Fortaleza (UNIFOR). Docente da disciplina
Saúde Pública II e Enfermagem no Cuidado à Mulher. Pesquisadora na área: Saúde Coletiva.
2 -Graduando em Enfermagem da Universidade de Fortaleza. Bolsista de Iniciação Científica. Integrante do
Projeto de Pesquisa Enfermagem na Promoção da Saúde Materna da Universidade Federal do Ceará e do
Grupo de Pesquisa Saúde Coletiva da Universidade de Fortaleza. Coordenador do Laboratório de Tecnologia
em Enfermagem – LABTENF da Universidade de Fortaleza.
3 – Graduação, Mestrado e Doutorado em Enfermagem pala Universidade Federal do Ceará. Coordenadora
da Especialização em Urgência e Emergência da 4 Saberes. Docente da Universidade de Fortaleza (UNIFOR)
nas disciplinas de Cuidados Clínicos I, Clínica Geral e Cirúrgica II e Primeiros Socorros. Membro do Grupo
de Estudo GEPAEPC (Grupo de Estudo e Pesquisa em Assistência de Enfermagem a Pacientes Críticos -
UNIFOR. Membro do Grupo de Pesquisa TEAC (Tecnologias na Assistência Clínica) – UNIFOR.
Resumo
Objetivo:descrever conhecimentos e práticas de homens acerca da prevenção do câncer de próstata, identificar
se realizam a prevenção do câncer de próstata e conhecer os motivos/razões que levam à baixa aderência do
homem ao serviço de saúde, especialmente, para realização do exame de toque retal.
Método: Estudo descritivo, com abordagem quantitativa, realizado em instituição de referência em diabetes e
hipertensão, em Fortaleza/CE, de agosto a setembro de 2011. Participaram 33 homens, sendo os dados
coletados através de questionári.
Resultados: Os resultados foram organizados em tabelas e discutidos à luz da literatura que debate o tema. A
pesquisa mostrou que 57,6% procuravam os serviços de saúde; 51,5% desconheciam o câncer de próstata;
33,4% não eram a favor do toque retal, por preconceito e constrangimento frente ao exame.
Conclusão: Esses achados apresentam-se como oportunidade para o debate sobre o tema, oferecendo
subsídios para repensar a prática profissional frente à saúde do homem.
Palavras-chave: Neoplasias da próstata; Saúde do homem; Enfermagem
I. Introdução
O câncer de próstata se traduz hoje em um relevante problema de saúde pública. No Brasil,
ocorrem cerca de 1,1 milhão de casos novos no ano de 2012. Aproximadamente 70% dos casos
diagnosticados no mundo ocorrem em países desenvolvidos(1)
. No Brasil, o aumento da expectativa de
vida, a melhoria e a evolução dos métodos diagnósticos e da qualidade dos sistemas de informação do
país, bem como a ocorrência de sobrediagnóstico, em função da disseminação do rastreamento do
câncer de próstata com Antígeno Prostático Específico (PSA)o e toque retal, podem explicar o
aumento das taxas de incidência (observadas pela análise da série histórica de incidência dos
Registros de Câncer de Base Populacional – RCBP) ao longo dos anos(1)
.
Assim, devido essas altas taxas de câncer de próstata, a lei n. 10.289, de 20 de setembro de
2001 estabelece a implementação do Programa Nacional de Controle do Câncer de Próstata(2).
O único fator de risco bem estabelecido para o desenvolvimento do câncer de próstata é a idade.
Aproximadamente 62% dos casos diagnosticados no mundo ocorrem em homens com 65 anos ou
mais. Com o aumento da expectativa de vida mundial, é esperado que o número de casos novos de
câncer de próstata aumente cerca de 60% até o ano de 2015(1)
.Além disso, a etnia e a história familiar
da doença, a dieta também são consideradas fatores de risco e, mais recentemente, diabetes mellitus
tipo 2, também são considerados potenciais fatores de risco(3)
.
A despeito da maior vulnerabilidade e das altas taxas de morbidade e mortalidade, os homens
não buscam, como as mulheres, os serviços de atenção básica(4)
.A problemática da ausência do
homem no serviço de atenção básica ocorre pela cultura de que o homem exerce papel social de
Conhecimentos e Práticas Do Homem na Preveção do Câncer de Próstata
DOI: 10.9790/1676-1103015156 www.iosrjournals.org 52 | Page
provedor e protetor, o que tende a gerar modelos masculinos pouco aderentes às práticas de
autocuidado. Neste sentido, verifica-se que o processo de adoecimento torna-se de difícil aceitação e,
embora se possa até reconhecer a importância da prevenção para saúde em geral, não há adoção, na
prática, de tais comportamentos, nem tampouco busca para fins preventivos dos serviços de saúde, o
que determina que riscos e doenças, quando existentes, sejam de difícil detecção e tratamento por
profissionais(5)
.
Para isso, o Ministério da Saúde, através do programa Pacto pela Vida, elaborou, publicou e
implantou a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH), com objetivo de
promover a melhoria das condições de saúde da população masculina do Brasil, contribuindo, de
modo efetivo, para redução da morbidade e mortalidade dessa população, através do enfrentamento
racional dos fatores de risco e mediante facilitação ao acesso, ações e serviços de assistência integral à
saúde(4)
. Para o biênio 2010-2011, o Pacto pela Vida teve como meta: implantar a Política de Atenção
Integral à Saúde do Homem nos 26 Estados e Distrito Federal e 26 municípios selecionados; ampliar
em 10% o número de prostatectomiasuprapúbica, em relação ao ano anterior(6)
.
A detecção precoce de um câncer compreende duas diferentes estratégias: aquela destinada ao
diagnóstico em pessoas que apresentam sinais iniciais da doença (diagnóstico precoce) e aquela
voltada para pessoas sem nenhum sintoma e aparentemente saudáveis (rastreamento). Dentre os sinais
iniciais da doença, encontram-se dificuldade de urinar e micção frequente durante o dia ou à noite. No
estágio avançado, pode provocar dor óssea, sintomas urinários ou, quando mais grave, infecção
generalizada ou insuficiência renal(3)
.
Para o rastreamento do câncer de próstata, existem dois grandes estudos internacionais,
oEuropeanStudyofScreening for ProstateCancer (ERSPC) e o Prostate,Lung, ColorectalandOvary
(PLCO), em curso, os quais investigam o impacto do rastreamento na mortalidade por câncer de
próstata. Enquanto isso se recomenda que não se organizem ações de rastreamento para o câncer da
próstata, e que homens que demandam espontaneamente a realização de exames de rastreamento,
sejam informados por seus médicos sobre os riscos e benefícios associados a esta prática(3)
.
O exame de toque retal não pode ser visto apenas como um exame físico que pode
diagnosticar precocemente o câncer de próstata. Esse exame não toca apenas na próstata, abrange
aspectos simbólicos do ser masculino que, se não trabalhados, podem não somente inviabilizar essa
medida de prevenção secundária, como também a atenção à saúde do homem em geral, pois eles
acreditam estar “violando” a masculinidade (7)
.
Além dos aspectos simbólicos que podem estar relacionados com a resistência ao toque retal,
como detecção precoce do câncer prostático, não se pode desconsiderar outros aspectos de ordem
estrutural que, direta ou indiretamente, também comprometem a realização de tal detecção. Logo,
observa-se a insuficiência de serviços de urologia na rede pública de saúde e a dificuldade por parte
dos serviços de lidarem com as demandas do masculino como fatores que podem também fortalecer a
resistência masculina à prevenção do câncer de próstata (8)
.
Assim, esta pesquisa buscou responder aos seguintes questionamentos: os homens conhecem
como se faz a prevenção do câncer de próstata? Buscam os serviços de saúde para cuidar de sua
saúde? Realizam o exame de prevenção do câncer de próstata? Se não o realizam,qual o motivo?
Portanto, objetivou-se descrever conhecimentos e práticas de homens acerca da prevenção do
câncer de próstata, identificar se realizam a prevenção deste, e conhecer os/as motivos/razões que
levam à baixa aderência do homem ao serviço de saúde, especialmente, para realização do câncer de
próstata.
II. Método
Pesquisa do tipo descritiva, com abordagem quantitativa, realizada em instituição de
referência da Secretaria de Saúde do Estado do Ceará em Diabetes e Hipertensão, de Fortaleza/CE-
Brasil, de agosto a setembro de 2011.Nessa unidade são atendidos, em média, 280 pacientes por mês.
Os sujeitos da pesquisa foram 33 homens, tendo como critérios de inclusão: homens acima de
40 anos, que estivessem sendo atendidos no ambulatório,nos turnos manhã e tarde, do referido centro,
sendoescolhidos de forma aleatória. Foram excluídos os homens que não se enquadraram nestes
critérios.
Conhecimentos e Práticas Do Homem na Preveção do Câncer de Próstata
DOI: 10.9790/1676-1103015156 www.iosrjournals.org 53 | Page
A amostra foi do tipo probabilística e sistemática e foi calculada com base na fórmula para
populações finitas, a qual é indicada para o cálculo da amostra para estudos transversais9
. Admitiu-se
erro amostral (nível de significância) de 6,5% para um intervalo de confiança de 90%. Na amostra
calculada a partir da população de usuários atendidos na unidade, no ano de 2011 nos meses de agosto
e setembro, obteve-se um tamanho amostral igual a 33 homens.
Utilizou-se como instrumento de coleta de dados questionário estruturado, abordando
questões relacionadas aos dados sociodemográficos, com as variáveis: idade, estado civil,
escolaridade, profissão, renda familiar, religião, naturalidade e paternidade, os hábitos de vida
(alcoolismo, tabagismo e exercícios físicos), à saúde e ao câncer de próstata.
A análise de dados foi desenvolvida pelo software estatístico StatisticalPackage for Social
Sciences (SPSS), versão 19, com tratamento estatístico, organizados em tabelas, contendo números
absolutos e relativos, e também de forma descritiva. Para interpretação e discussão dos resultados,
utilizou-se da literatura pertinente ao assunto.
A pesquisa seguiu os princípios éticos e legais da Resolução do Conselho Nacional de Saúde
nº 196/96(10)
,sendo aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Universidade de Fortaleza
(UNIFOR), conforme parecer 224/2011.
III. Resultados
O perfil predominante dos entrevistados foi que 17 (51,5%) eramnaturais de outros
municípios do Ceará, 28 (84,8%)eram casados, 13(39,4%)maiores de 70 anos, 23 (69,7%) tinham
renda entre um a três salários mínimos,12 (36,4%) tinham oito a 10 anos de estudos escolares
concluídos,27 (81,8%) possuíam três ou mais filhos e 28 (84,8%)eram católicos.Em relação aos
hábitos de vida, 29(87,9%) não eram tabagistas, 26(78,8%)não consumiam bebidas alcoólicase
20(60,6%)eram sedentários.
Tabela 1 -Motivações dos homens que buscam ou não os serviços de saúde entre os entrevistados em
centro de referência em Diabetes e Hipertensão. Fortaleza, CE, Brasil, 2011.
Motivos N=33 %
Você costuma a procurar os serviços de saúde para prevenção de doenças
Sim 19 57,6
Não 14 42,4
Sua companheira o incentiva a buscar os serviços de saúde
Sim 22 66,7
Não 4 12,1
Às vezes 2 6,1
Não possuo companheira (solteiro, viúvo) 5 15,1
A Tabela 1 evidencia que a maioria dos pesquisados,19 (57,6%),procurava os serviços de
saúde para prevenção de doenças e que suas parceiras (os) exerciam papel fundamental para esse
comportamento, pois22 (66,7%) dos homens recebiam incentivos dascompanheiras.
Tabela 2 -Conhecimentos acerca do câncer de próstata avaliados em homens em centro de
referência em Diabetes e Hipertensão. Fortaleza, CE, Brasil, 2011
Conhecimentos N=33 %
Tem conhecimento acerca da prevenção do câncer de próstata?
Conhecimento detalhado 6 19,8
Conhecimento parcial 27 80,2
Em sua opinião, com que idade os homens deveriam se preocupar mais em realizar o exame de prevenção
do câncer de próstata?(em anos)
A partir dos 20 1 3,0
A partir dos 40 23 69,7
A partir dos 45 5 15,2
A partir dos 50 4 12,1
Qual exame é feito para descobrir o câncer de próstata?
Exame de sangue (PSA) e toque retal 25 75,3
Exame de sangue (PSA) 2 6,7
Toque retal 3 9,0
Desconhecem 3 9,0
Conhecimentos e Práticas Do Homem na Preveção do Câncer de Próstata
DOI: 10.9790/1676-1103015156 www.iosrjournals.org 54 | Page
Verificou-se, na Tabela 2, que dos 33 entrevistados, seis (19,8%) detinhamconhecimento
detalhado acerca do câncer de próstata e 27 (80,2 %) de conhecimento parcial sobre a doença.
De acordo com a opinião dos entrevistados sobre a idade em que os homens deveriam se
preocupar em realizar o exame de prevenção do câncer de próstata, 23 (69,7%) dos entrevistados, ou
seja, a maioriaconsiderou a partir dos 40 anos. Quando questionados se conheciam algum exame para
descobrir o câncer de próstata, 25 (75,3%) dos entrevistados referiram os exames de sangue (PSA) e
de toque retal. Ainda, quando indagados se realizavam o exame de prevenção do câncer de próstata,
21 (63,6%)afirmaramter se submetido àprevenção do câncer de próstata e12 (36,4%) nunca
realizaram tais exames. Os principais motivos alegados foram:não solicitação domédico, desinteresse
em realizar e ausência de sintomas.
Tabela 3 -Opinião dos entrevistados em relação à prevençãodo câncer de próstata.
Fortaleza,CE, Brasil, 2011
Opiniões relacionadas à detecção do câncer de próstata N=33 %
Você concorda ou não com a realização do exame de toque retal?
Sim 21 63,6
Não 11 33,4
Desconhece o exame 1 3,0
Quando questionados, na Tabela 3, se concordavam ou não com a realização do exame de
toque retal, verificou-se que 21(63,6%) erama favor. Os demais, 11(33,4%),eram contrários ao exame,
e apenas um (3,0%) dos participantesreferiu desconhecê-lo.
IV. Discussão
Ao analisar os dados sociodemográficos dos entrevistados, percebeu-se que a maioria dos
entrevistados possuía fator de risco definido para o câncer de próstata, isto é, a idade.Mais do que
qualquer outro tipo, o câncer de próstata é considerado uma doença da terceira idade, já que cerca de
três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos(1)
.
Em pesquisa realizada em 2010, com 54 homens com câncer de próstata, em Londrina-PR,
com faixa etária de 72 a 79 anos em sua maioria, evidenciou que a história familiar demonstrou que
24% da população do estudo tinham parentes de primeiro grau com diagnóstico de câncer de próstata.
Os sintomas obstrutivos de próstata (43%) e os irritativos (40%) foram os que mais levaram à procura
por cuidado de saúde em 30 dias (55%)(11)
.
Para o desenvolvimento dessa neoplasia, com recente descoberta, tem-sea síndrome
metabólica, caracterizada pela resistência ao hormônio insulina, apontada como fator de risco. Em
geral, os homens com diabetes mellitus tipo 2 possuem deficiência com relação ao hormônio
testosterona. Estudo recente sugere que a terapia de reposição hormonal (testosterona) possa inverter
alguns aspectos da síndrome metabólica, embora a correlação entre essa reposição e o surgimento do
câncer da próstata ainda seja pergunta sem resposta(3)
.Assim, reconheceu-se mais um fator de risco
presente nos sujeitos desta pesquisa, pois os sujeitos pesquisados encontravam-se em tratamento de
Diabetes e Hipertensão.
Quando questionados sobre os hábitos de vida, o perfil predominante era não tabagista, não
etilista e sedentário. Pesquisa realizada sobre outros possíveis fatores de risco, como a ingestão de
gorduras, o consumo de álcool, o tabagismo e a vasectomia, tem apresentado resultados
contraditórios(12)
.
NaTabela 1, percebeu-se que parcela significativa dos homens não procurava o serviço de
saúde, alegando não gostarou porque trabalhavam muito e não dispunhamde tempo, a busca ocorria
somente quando estavam doentes.Esse fato corrobora com a literatura quando reitera que a população
masculina tem esse hábito enraizado de procurar o serviço de saúde apenas quando está em situações
de saúde mais avançadas(13)
.
Ademais dos fatores socioculturais e biológicos, quando se trata de cuidados com a saúde, o
trabalho tem sido considerado barreira para acesso aos serviços de saúde, ou a continuação de
tratamentos já estabelecidos, pois a carga horária do emprego normalmente coincide com o horário de
funcionamento dos serviços de saúde, quase impedindo a procura pela assistência. Tem-se ainda o
tempo extenso para o atendimento, o longo período de espera para efetivação deste, os intervalos
Conhecimentos e Práticas Do Homem na Preveção do Câncer de Próstata
DOI: 10.9790/1676-1103015156 www.iosrjournals.org 55 | Page
prolongados entre a marcação de consulta e a realização do atendimento, e o acolhimento deficiente
por parte dos profissionais(14)
.
Em relação ao conhecimento acerca do câncer de próstata, exposto na Tabela 2, amaioria,27
(80,2%),afirmou conhecer parcialmente a prevenção do câncer de próstata. Entretanto, outrosseis
(19,8%)possuíam conhecimentodetalhadosobre a doença, apesar detodos os entrevistados terem
ouvido falar sobre essa neoplasia. Observou-se que o conhecimento parcial ocorreu entre os
entrevistados com baixa escolaridade, corroborando com estudos que salientam que as condições
socioeconômicas e os baixos níveis de escolaridade são apontados como motivos relevantes para
desconhecimento sobre a patologia e desinformações quanto à prevenção e às práticas de saúde(15-16)
.
Quando questionados se já realizaram exames de prevenção do câncer de próstata, 21
(63,6%)dos entrevistados responderam „sim‟,sendo o principal motivo para realizaçãoa rotina de
prevenção ou a idade. Estes resultados confirmam outro estudo que encontrou achados semelhantes,
no qual 54,3% já realizaram o exame e o principal motivo de solicitação do exame pelo profissional
foi apontado por 61,6% dos entrevistados como rotina de prevenção(15)
.
No estudo, já mencionado, realizado em 2010, com 54 homens com câncer de próstata, em
Londrina-PR, 43% dos entrevistados disseram que sentiram sintomas obstrutivos e 40%irritativos e
foram os sintomas que mais levaram à procura por cuidado de saúde em 30 dias (55%). Uma parcela
(8%) demorou mais de seis anos e um homem esperou 12 anos para procurar por assistência(11)
.
Destaca-se a ausência da solicitação de exames pelo médico, fato que representa perda de
oportunidade de prevenção de câncer relevante para população masculina, pois se propõeque equipes
da Estratégia Saúde da Família (ESF) incorporem a assistência à saúde, através de ações de prevenção
e intervenção sobre os fatores de risco e do desenvolvimento da promoção e qualidade de vidada
população(16)
.Assim, devem realizar atividades educativas sobre esse tema, incentivando a realização
dos exames de prevenção e desmitificando o tabu do toque retal, pois, ao analisar a Tabela 3, quando
perguntados se eram a favor ou não do exame de toque retal, a maioria mostrou-se a favor, com 21
(63,6%), apesar de que11(33,4%) dos pesquisados eram contráriosà realização do exame,
motivadospelo machismo de que o homem não adoece, pelo preconceito e constrangimento frente ao
exame.
O pensamento machista, muitas vezes, é mais forte doque o cuidado com a própria saúde,
prejudicando a saúde do homemqueadia as consultas especializadas, aumentando, assim, o risco do
desenvolvimento das doenças para estágios avançados. Desta forma, esses pensamentos por parte dos
entrevistados denotam sentimentos que na maioria das vezes impedem os homens de realizaremos
exames de prevenção do câncer próstata,principalmente o toque retal.Assim,diagnosticar alguma
alteração na próstata, sem utilizar o método tradicional, o toque retal, tornou-se alternativa difícil.
V. Conclusão
A realização da presente pesquisa foi importante, pois através desta foi obervado que os
entrevistados tinham algum conhecimento sobre o câncer de próstata.Além disso, percebe-sealguns
conhecimentos e práticas dos homens acerca do câncer de próstata, bem como as barreiras para não
realização do exame de prevenção, principalmente quando se trata do toque retal.
Parcela significativa dos homens entrevistados nunca realizou os exames de prevenção do
câncer de próstata,motivados pelo machismo de que o homem não adoece, pelo preconceito e
constrangimento frente ao exame. Tal resultado revela que o estigma acerca do exame de toque retal
ainda persiste, contribuindo para que os homens deixem de buscá-lo, impedindo a prevenção desse
câncer.
O desconhecimento acerca do câncer de próstata, encontrado neste estudo, pode estar
diretamente relacionado ao baixo nível de escolaridade. Para tanto, é necessária atuação efetiva dos
profissionais de saúde, no que diz respeito à promoção da saúde e prevenção de agravos, sobretudo,
tendo o homem como sujeito da ação, melhorando, assim, a qualidade de vida. Logo, seria necessária
qualificação da porta de entrada nos serviços de saúde na atenção primária voltada para o
acolhimento, através da educação em saúde, a fim de sensibilizar o homem para cuidar da própria
saúde.
Ressalta-se a necessidade de estender a pesquisa para outros serviços de saúde, a fim de se
obter maior número de participantes, ideia mais ampliada sobre essa problemática.
Conhecimentos e Práticas Do Homem na Preveção do Câncer de Próstata
DOI: 10.9790/1676-1103015156 www.iosrjournals.org 56 | Page
Por fim, esses achados apresentam-se como oportunidade para o debate sobre o tema,
oferecendo subsídios para repensar a formação do profissional e sua prática ante a saúde do homem,
além de apontar a necessidade de condução de novas pesquisas acerca do tema.
Referências
[1] Instituto Nacional do Câncer. Estimativa 2014: incidência do câncer no Brasil [Internet]. [acesso em 22 ago 2012].
Disponível:http://www.inca.gov.br/estimativa/2014/estimativa2014
[2] Ministério da Saúde (BR). Departamento de Informática do SUS – DATASUS. Indicadores e Dados Básicos – IDB 2011. [acesso
em 22 ago 2012]. Disponível:http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/idb2011/matriz.htm
[3] Instituto Nacional do Câncer. Estimativa 2012: incidência do câncer no Brasil [Internet]. [acesso em 22 ago 2012]. Disponível:
http://www.inca.gov.br/estimativa/2012/estimativa2012
[4] Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, Política Nacional de
Atenção Integral à Saúde do Homem: princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.
[5] Alvarenga WA, Silva SS, Silva MEDC, Barbosa LDCS, Rocha SS.Política de saúde do homem: perspectivas de enfermeiras para
sua implementação. RevBrasEnferm. [Internet] 2012; 65(6):929-35 [acesso em 06 mai 2013].Disponivel:
http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672012000600007
[6] Ministério da Saúde (BR). Portaria Nº 2669, de 3 de novembro de 2009. Estabelece as prioridades, objetivos, metas e indicadores de
monitoramento e avaliação do Pacto pela Saúde, nos componentes pela Vida e de Gestão, e as orientações, prazos e diretrizes do seu
processo de pactuação para o biênio 2010-2011 [Internet]. [acesso em 4 ago 2012]. Disponível:
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2009/prt2669_03_11_2009.html
[7] Gomes Romeu, Nascimento Elaine Ferreira do, Rebello Lúcia Emília Figueiredo de Sousa, Araújo Fábio Carvalho de. As
arranhaduras da masculinidade: uma discussão sobre o toque retal como medida de prevenção do câncer prostático. Ciênc. saúde
coletiva [Internet]. 2008 Dec [cited 2015 June 10] ; 13( 6 ): 1975-1984.
[8] Gomes R, Rebello LEFS, Araújo FC, Nascimento EF. A prevenção do câncer de próstata: uma revisão de literatura. Ciência &
Saúde Coletiva. [Internet] 2008; 13(1):235-46 [acesso em 12 mai 2013]. Disponível: http://www.scielo.br/pdf/csc/v13n1/26.pdf
[9] HULLEY, Stephen B. et al. Delineando a pesquisa clínica - Uma abordagem epidemiológica. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008
[10] Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde Resolução nº 466/12. Dispõe Sobre as Diretrizes e Normas
Regulamentadoras nvolvendo Seres Humanos. [acesso em 12 dez 2013].
Disponível:0020http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf
[11] Fernandes MV, Martins JT, Cardelli AAM, Marcon SS, Ribeiro RP. Perfil epidemiológico do homem com câncer de próstata
atendido em um hospital universitário. CogitareEnferm. [Internet] 2014; 19(2):333-40 [acesso em 10 jul 2014]. Disponível:
http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/cogitare/article/view/31540/22806
[12] Amorim VMSL, Barros MBA, Cesar CLG, Goldbaum M, Carandina L, Alves MCGP. Fatores associados à realização dos exames
de rastreamento para o câncer de próstata: um estudo de base populacional. Cad Saúde Pública. [Internet] 2011; 27(2):347-56
[acesso em 05 mai 2013]. Disponível: http://www.scielosp.org/pdf/csp/v27n2/16.pdf
[13] Gomes R, Moreira MCN, Nascimento EF, Rebello LEFS, Couto MT,Schraiber LB. Os homens não vêm! Ausência e/ou
invisibilidade masculina na atenção primária. Ciênc. saúde Coletiva. [Internet] 2011; 16(supl.1):983-92 [acesso em 06 mai 2013].
Disponível: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232011000700030
[14] Fontes WD, Barboza TM, Leite MC, Fonseca RLS, Santos LCF, Nery TCL.Atenção à saúde do homem: interlocução entre ensino e
serviço. Acta paul. enferm. [Internet] 2011; 24(3):430-3 [acesso em 01 jul 2014]. Disponível:
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-21002011000300020&script=sci_arttext
[15] Paiva EP, Motta MCS,Griep RH.Conhecimentos, atitudes e práticas acerca da detecção do câncer de próstata.Acta paul. enferm.
[Internet] 2010; 23(1):88-93 [acesso em 12 jan 2013]. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002010000100014
[16] Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação de Saúde da Comunidade. Saúde da Família: uma
estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília: Ministério da Saúde; 1997.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Politica nacional homem
Politica nacional homemPolitica nacional homem
Politica nacional homem
guestb6b45808
 
Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem
Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem
Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem
Faculdade União das Américas
 
Politica nacional atencao_homem
Politica nacional atencao_homemPolitica nacional atencao_homem
Politica nacional atencao_homem
Ketinlly
 
PROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRADA AO HOMEM EM CABO VERDE: CRIAÇÃO E DESAFIOS
PROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRADA AO HOMEM EM CABO VERDE: CRIAÇÃO E DESAFIOSPROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRADA AO HOMEM EM CABO VERDE: CRIAÇÃO E DESAFIOS
PROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRADA AO HOMEM EM CABO VERDE: CRIAÇÃO E DESAFIOS
Nuel Ima
 
Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM
Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM
Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Risco de câncer no Brasil
Risco de câncer no BrasilRisco de câncer no Brasil
Risco de câncer no Brasil
Kelly Gonzatto
 
V10n3a21
V10n3a21V10n3a21
V10n3a21
Claudio Borges
 
Ministério da Saúde amplia faixa para rastreamento do câncer do colo de útero
Ministério da Saúde amplia faixa para rastreamento do câncer do colo de úteroMinistério da Saúde amplia faixa para rastreamento do câncer do colo de útero
Ministério da Saúde amplia faixa para rastreamento do câncer do colo de útero
Ministério da Saúde
 
Percepção dos Sintomas da Hiperplasia Prostática Benigna em População Masculi...
Percepção dos Sintomas da Hiperplasia Prostática Benigna em População Masculi...Percepção dos Sintomas da Hiperplasia Prostática Benigna em População Masculi...
Percepção dos Sintomas da Hiperplasia Prostática Benigna em População Masculi...
Laís Lucas
 
saúde do homem
saúde do homemsaúde do homem
saúde do homem
katiletiele
 
Co4221
Co4221Co4221
Co4221
Ketinlly
 
Dificuldades de adesão à mamografia e Papanicolaou
Dificuldades de adesão à mamografia e PapanicolaouDificuldades de adesão à mamografia e Papanicolaou
Dificuldades de adesão à mamografia e Papanicolaou
Oncoguia
 
PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...
PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...
PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...
Conceição Amorim
 
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de FarmáciaAnais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Instituto Racine
 
Menezes, 2011 - Fatores associados ao diabetes
Menezes, 2011 - Fatores associados ao diabetesMenezes, 2011 - Fatores associados ao diabetes
Menezes, 2011 - Fatores associados ao diabetes
Mariana Menezes
 
Doencas Etnicas
Doencas EtnicasDoencas Etnicas
Doencas Etnicas
cipasap
 
Os cuidados masculinos voltados para a saúde sexual, a reprodução e a PATERNI...
Os cuidados masculinos voltados para a saúde sexual, a reprodução e a PATERNI...Os cuidados masculinos voltados para a saúde sexual, a reprodução e a PATERNI...
Os cuidados masculinos voltados para a saúde sexual, a reprodução e a PATERNI...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Estudos observacionais
Estudos observacionais Estudos observacionais
Estudos observacionais
Centro Universitário Ages
 
Exames de apoio diagnostico
Exames de apoio diagnosticoExames de apoio diagnostico
Exames de apoio diagnostico
Aline Silva
 
Sb brasil2010 manual_equipe_campo
Sb brasil2010 manual_equipe_campoSb brasil2010 manual_equipe_campo
Sb brasil2010 manual_equipe_campo
HERALDICA CORRETORA E ADM DE SEGUROS
 

Mais procurados (20)

Politica nacional homem
Politica nacional homemPolitica nacional homem
Politica nacional homem
 
Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem
Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem
Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem
 
Politica nacional atencao_homem
Politica nacional atencao_homemPolitica nacional atencao_homem
Politica nacional atencao_homem
 
PROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRADA AO HOMEM EM CABO VERDE: CRIAÇÃO E DESAFIOS
PROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRADA AO HOMEM EM CABO VERDE: CRIAÇÃO E DESAFIOSPROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRADA AO HOMEM EM CABO VERDE: CRIAÇÃO E DESAFIOS
PROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRADA AO HOMEM EM CABO VERDE: CRIAÇÃO E DESAFIOS
 
Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM
Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM
Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM
 
Risco de câncer no Brasil
Risco de câncer no BrasilRisco de câncer no Brasil
Risco de câncer no Brasil
 
V10n3a21
V10n3a21V10n3a21
V10n3a21
 
Ministério da Saúde amplia faixa para rastreamento do câncer do colo de útero
Ministério da Saúde amplia faixa para rastreamento do câncer do colo de úteroMinistério da Saúde amplia faixa para rastreamento do câncer do colo de útero
Ministério da Saúde amplia faixa para rastreamento do câncer do colo de útero
 
Percepção dos Sintomas da Hiperplasia Prostática Benigna em População Masculi...
Percepção dos Sintomas da Hiperplasia Prostática Benigna em População Masculi...Percepção dos Sintomas da Hiperplasia Prostática Benigna em População Masculi...
Percepção dos Sintomas da Hiperplasia Prostática Benigna em População Masculi...
 
saúde do homem
saúde do homemsaúde do homem
saúde do homem
 
Co4221
Co4221Co4221
Co4221
 
Dificuldades de adesão à mamografia e Papanicolaou
Dificuldades de adesão à mamografia e PapanicolaouDificuldades de adesão à mamografia e Papanicolaou
Dificuldades de adesão à mamografia e Papanicolaou
 
PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...
PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...
PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...
 
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de FarmáciaAnais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
 
Menezes, 2011 - Fatores associados ao diabetes
Menezes, 2011 - Fatores associados ao diabetesMenezes, 2011 - Fatores associados ao diabetes
Menezes, 2011 - Fatores associados ao diabetes
 
Doencas Etnicas
Doencas EtnicasDoencas Etnicas
Doencas Etnicas
 
Os cuidados masculinos voltados para a saúde sexual, a reprodução e a PATERNI...
Os cuidados masculinos voltados para a saúde sexual, a reprodução e a PATERNI...Os cuidados masculinos voltados para a saúde sexual, a reprodução e a PATERNI...
Os cuidados masculinos voltados para a saúde sexual, a reprodução e a PATERNI...
 
Estudos observacionais
Estudos observacionais Estudos observacionais
Estudos observacionais
 
Exames de apoio diagnostico
Exames de apoio diagnosticoExames de apoio diagnostico
Exames de apoio diagnostico
 
Sb brasil2010 manual_equipe_campo
Sb brasil2010 manual_equipe_campoSb brasil2010 manual_equipe_campo
Sb brasil2010 manual_equipe_campo
 

Destaque

H018124360
H018124360H018124360
H018124360
IOSR Journals
 
L1802037276
L1802037276L1802037276
L1802037276
IOSR Journals
 
Q01821111115
Q01821111115Q01821111115
Q01821111115
IOSR Journals
 
R01765113122
R01765113122R01765113122
R01765113122
IOSR Journals
 
K017655963
K017655963K017655963
K017655963
IOSR Journals
 
F1103033439
F1103033439F1103033439
F1103033439
IOSR Journals
 
B012221015
B012221015B012221015
B012221015
IOSR Journals
 
Effectiveness of Strain Counterstrain Technique on Quadratus Lumborum Trigger...
Effectiveness of Strain Counterstrain Technique on Quadratus Lumborum Trigger...Effectiveness of Strain Counterstrain Technique on Quadratus Lumborum Trigger...
Effectiveness of Strain Counterstrain Technique on Quadratus Lumborum Trigger...
IOSR Journals
 
B018140813
B018140813B018140813
B018140813
IOSR Journals
 
Static and Dynamic Behavior of Reinforced Concrete Framed Building: A Compara...
Static and Dynamic Behavior of Reinforced Concrete Framed Building: A Compara...Static and Dynamic Behavior of Reinforced Concrete Framed Building: A Compara...
Static and Dynamic Behavior of Reinforced Concrete Framed Building: A Compara...
IOSR Journals
 
L1102017479
L1102017479L1102017479
L1102017479
IOSR Journals
 
E0812730
E0812730E0812730
E0812730
IOSR Journals
 
N017259396
N017259396N017259396
N017259396
IOSR Journals
 
I017114347
I017114347I017114347
I017114347
IOSR Journals
 
L1803016468
L1803016468L1803016468
L1803016468
IOSR Journals
 
D011122934
D011122934D011122934
D011122934
IOSR Journals
 
G0813841
G0813841G0813841
G0813841
IOSR Journals
 
K1802036171
K1802036171K1802036171
K1802036171
IOSR Journals
 
E017523439
E017523439E017523439
E017523439
IOSR Journals
 
C011141018
C011141018C011141018
C011141018
IOSR Journals
 

Destaque (20)

H018124360
H018124360H018124360
H018124360
 
L1802037276
L1802037276L1802037276
L1802037276
 
Q01821111115
Q01821111115Q01821111115
Q01821111115
 
R01765113122
R01765113122R01765113122
R01765113122
 
K017655963
K017655963K017655963
K017655963
 
F1103033439
F1103033439F1103033439
F1103033439
 
B012221015
B012221015B012221015
B012221015
 
Effectiveness of Strain Counterstrain Technique on Quadratus Lumborum Trigger...
Effectiveness of Strain Counterstrain Technique on Quadratus Lumborum Trigger...Effectiveness of Strain Counterstrain Technique on Quadratus Lumborum Trigger...
Effectiveness of Strain Counterstrain Technique on Quadratus Lumborum Trigger...
 
B018140813
B018140813B018140813
B018140813
 
Static and Dynamic Behavior of Reinforced Concrete Framed Building: A Compara...
Static and Dynamic Behavior of Reinforced Concrete Framed Building: A Compara...Static and Dynamic Behavior of Reinforced Concrete Framed Building: A Compara...
Static and Dynamic Behavior of Reinforced Concrete Framed Building: A Compara...
 
L1102017479
L1102017479L1102017479
L1102017479
 
E0812730
E0812730E0812730
E0812730
 
N017259396
N017259396N017259396
N017259396
 
I017114347
I017114347I017114347
I017114347
 
L1803016468
L1803016468L1803016468
L1803016468
 
D011122934
D011122934D011122934
D011122934
 
G0813841
G0813841G0813841
G0813841
 
K1802036171
K1802036171K1802036171
K1802036171
 
E017523439
E017523439E017523439
E017523439
 
C011141018
C011141018C011141018
C011141018
 

Semelhante a G1103015156

Cancer-de-Prostata.pptx
 Cancer-de-Prostata.pptx Cancer-de-Prostata.pptx
Cancer-de-Prostata.pptx
mirlanerg1508
 
Trabalho final
Trabalho finalTrabalho final
Trabalho final
Alysson Milton
 
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
Ieda Noronha
 
slide novembro azul para diretoria.ppt
slide novembro azul para diretoria.pptslide novembro azul para diretoria.ppt
slide novembro azul para diretoria.ppt
christianne54
 
Osvaldo Muchanga- Artigo Planificao, Monit e Avaliacao- Planific Gestao 2022.pdf
Osvaldo Muchanga- Artigo Planificao, Monit e Avaliacao- Planific Gestao 2022.pdfOsvaldo Muchanga- Artigo Planificao, Monit e Avaliacao- Planific Gestao 2022.pdf
Osvaldo Muchanga- Artigo Planificao, Monit e Avaliacao- Planific Gestao 2022.pdf
Osvaldo Bernardo Muchanga
 
Obesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicasObesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicas
Oncoguia
 
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do ÚteroDiretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Politica nacional homem
Politica nacional homemPolitica nacional homem
Politica nacional homem
Cida Ilha
 
Assistencia de enfermagem saude mulher 1. campinas 2023.pptx
Assistencia de enfermagem saude mulher 1. campinas 2023.pptxAssistencia de enfermagem saude mulher 1. campinas 2023.pptx
Assistencia de enfermagem saude mulher 1. campinas 2023.pptx
gizaraposo
 
Livro cancroprostataspreed
Livro cancroprostataspreedLivro cancroprostataspreed
Livro cancroprostataspreed
Sandra Ramos
 
Câncer do colo do útero
Câncer do colo do úteroCâncer do colo do útero
Câncer do colo do útero
CssioCamposConceio
 
Novembro Azul - Troque o preconceito pela vida
Novembro Azul - Troque o preconceito pela vidaNovembro Azul - Troque o preconceito pela vida
Novembro Azul - Troque o preconceito pela vida
Rosilene Carmo
 
Novembro azul troque o preconceito pela vida
Novembro azul troque o preconceito pela vidaNovembro azul troque o preconceito pela vida
Novembro azul troque o preconceito pela vida
Emilio Matos Rocha
 
Saúde do homem e câncer de próstata
Saúde do homem e câncer de próstataSaúde do homem e câncer de próstata
Saúde do homem e câncer de próstata
Marcos Soares
 
Falando sobre câncer de colo de útero
Falando sobre câncer de colo de úteroFalando sobre câncer de colo de útero
Falando sobre câncer de colo de útero
Letícia Spina Tapia
 
Aumento Peniano Natural
Aumento Peniano NaturalAumento Peniano Natural
Aumento Peniano Natural
e8xrjwf630
 
Teste rápido por que não 2007
Teste rápido   por que não 2007Teste rápido   por que não 2007
Teste rápido por que não 2007
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
SAÚDE DO HOMEM.pptx
SAÚDE DO HOMEM.pptxSAÚDE DO HOMEM.pptx
SAÚDE DO HOMEM.pptx
CristianeSouza339313
 
Os benefícios da atividade física e ou físico para prevenção e tratamento do ...
Os benefícios da atividade física e ou físico para prevenção e tratamento do ...Os benefícios da atividade física e ou físico para prevenção e tratamento do ...
Os benefícios da atividade física e ou físico para prevenção e tratamento do ...
marcelosilveirazero1
 
D1103032328
D1103032328D1103032328
D1103032328
IOSR Journals
 

Semelhante a G1103015156 (20)

Cancer-de-Prostata.pptx
 Cancer-de-Prostata.pptx Cancer-de-Prostata.pptx
Cancer-de-Prostata.pptx
 
Trabalho final
Trabalho finalTrabalho final
Trabalho final
 
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
 
slide novembro azul para diretoria.ppt
slide novembro azul para diretoria.pptslide novembro azul para diretoria.ppt
slide novembro azul para diretoria.ppt
 
Osvaldo Muchanga- Artigo Planificao, Monit e Avaliacao- Planific Gestao 2022.pdf
Osvaldo Muchanga- Artigo Planificao, Monit e Avaliacao- Planific Gestao 2022.pdfOsvaldo Muchanga- Artigo Planificao, Monit e Avaliacao- Planific Gestao 2022.pdf
Osvaldo Muchanga- Artigo Planificao, Monit e Avaliacao- Planific Gestao 2022.pdf
 
Obesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicasObesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicas
 
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do ÚteroDiretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
 
Politica nacional homem
Politica nacional homemPolitica nacional homem
Politica nacional homem
 
Assistencia de enfermagem saude mulher 1. campinas 2023.pptx
Assistencia de enfermagem saude mulher 1. campinas 2023.pptxAssistencia de enfermagem saude mulher 1. campinas 2023.pptx
Assistencia de enfermagem saude mulher 1. campinas 2023.pptx
 
Livro cancroprostataspreed
Livro cancroprostataspreedLivro cancroprostataspreed
Livro cancroprostataspreed
 
Câncer do colo do útero
Câncer do colo do úteroCâncer do colo do útero
Câncer do colo do útero
 
Novembro Azul - Troque o preconceito pela vida
Novembro Azul - Troque o preconceito pela vidaNovembro Azul - Troque o preconceito pela vida
Novembro Azul - Troque o preconceito pela vida
 
Novembro azul troque o preconceito pela vida
Novembro azul troque o preconceito pela vidaNovembro azul troque o preconceito pela vida
Novembro azul troque o preconceito pela vida
 
Saúde do homem e câncer de próstata
Saúde do homem e câncer de próstataSaúde do homem e câncer de próstata
Saúde do homem e câncer de próstata
 
Falando sobre câncer de colo de útero
Falando sobre câncer de colo de úteroFalando sobre câncer de colo de útero
Falando sobre câncer de colo de útero
 
Aumento Peniano Natural
Aumento Peniano NaturalAumento Peniano Natural
Aumento Peniano Natural
 
Teste rápido por que não 2007
Teste rápido   por que não 2007Teste rápido   por que não 2007
Teste rápido por que não 2007
 
SAÚDE DO HOMEM.pptx
SAÚDE DO HOMEM.pptxSAÚDE DO HOMEM.pptx
SAÚDE DO HOMEM.pptx
 
Os benefícios da atividade física e ou físico para prevenção e tratamento do ...
Os benefícios da atividade física e ou físico para prevenção e tratamento do ...Os benefícios da atividade física e ou físico para prevenção e tratamento do ...
Os benefícios da atividade física e ou físico para prevenção e tratamento do ...
 
D1103032328
D1103032328D1103032328
D1103032328
 

Mais de IOSR Journals

A011140104
A011140104A011140104
A011140104
IOSR Journals
 
M0111397100
M0111397100M0111397100
M0111397100
IOSR Journals
 
L011138596
L011138596L011138596
L011138596
IOSR Journals
 
K011138084
K011138084K011138084
K011138084
IOSR Journals
 
J011137479
J011137479J011137479
J011137479
IOSR Journals
 
I011136673
I011136673I011136673
I011136673
IOSR Journals
 
G011134454
G011134454G011134454
G011134454
IOSR Journals
 
H011135565
H011135565H011135565
H011135565
IOSR Journals
 
F011134043
F011134043F011134043
F011134043
IOSR Journals
 
E011133639
E011133639E011133639
E011133639
IOSR Journals
 
D011132635
D011132635D011132635
D011132635
IOSR Journals
 
C011131925
C011131925C011131925
C011131925
IOSR Journals
 
B011130918
B011130918B011130918
B011130918
IOSR Journals
 
A011130108
A011130108A011130108
A011130108
IOSR Journals
 
I011125160
I011125160I011125160
I011125160
IOSR Journals
 
H011124050
H011124050H011124050
H011124050
IOSR Journals
 
G011123539
G011123539G011123539
G011123539
IOSR Journals
 
F011123134
F011123134F011123134
F011123134
IOSR Journals
 
E011122530
E011122530E011122530
E011122530
IOSR Journals
 
D011121524
D011121524D011121524
D011121524
IOSR Journals
 

Mais de IOSR Journals (20)

A011140104
A011140104A011140104
A011140104
 
M0111397100
M0111397100M0111397100
M0111397100
 
L011138596
L011138596L011138596
L011138596
 
K011138084
K011138084K011138084
K011138084
 
J011137479
J011137479J011137479
J011137479
 
I011136673
I011136673I011136673
I011136673
 
G011134454
G011134454G011134454
G011134454
 
H011135565
H011135565H011135565
H011135565
 
F011134043
F011134043F011134043
F011134043
 
E011133639
E011133639E011133639
E011133639
 
D011132635
D011132635D011132635
D011132635
 
C011131925
C011131925C011131925
C011131925
 
B011130918
B011130918B011130918
B011130918
 
A011130108
A011130108A011130108
A011130108
 
I011125160
I011125160I011125160
I011125160
 
H011124050
H011124050H011124050
H011124050
 
G011123539
G011123539G011123539
G011123539
 
F011123134
F011123134F011123134
F011123134
 
E011122530
E011122530E011122530
E011122530
 
D011121524
D011121524D011121524
D011121524
 

Último

Aula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústriaAula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
zetec10
 
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimizaçãoApresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
snerdct
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Ismael Ash
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ismael Ash
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
ronaldos10
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
Faga1939
 

Último (6)

Aula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústriaAula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
 
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimizaçãoApresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
 

G1103015156

  • 1. IOSR Journal of Electrical and Electronics Engineering (IOSR-JEEE) e-ISSN: 2278-1676,p-ISSN: 2320-3331, Volume 11, Issue 3Ver. I (May. – Jun. 2016), PP 51-56 www.iosrjournals.org DOI: 10.9790/1676-1103015156 www.iosrjournals.org 51 | Page Conhecimentos e Práticas do Homem na Preveção do Câncer de Próstata Maria Albertina Rocha Diógenes1 , Francisco Mayron Morais Soares2 ;Julyana Gomes Freitas³ 1 -Graduação em Enfermagem pela Escola de Enfermagem São Vicente de Paulo (1976), Mestrado em Saúde Comunitária pela Universidade Federal do Ceará (2000) e Doutorado em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará (2004). Docente Adjunto 1 na Universidade de Fortaleza (UNIFOR). Docente da disciplina Saúde Pública II e Enfermagem no Cuidado à Mulher. Pesquisadora na área: Saúde Coletiva. 2 -Graduando em Enfermagem da Universidade de Fortaleza. Bolsista de Iniciação Científica. Integrante do Projeto de Pesquisa Enfermagem na Promoção da Saúde Materna da Universidade Federal do Ceará e do Grupo de Pesquisa Saúde Coletiva da Universidade de Fortaleza. Coordenador do Laboratório de Tecnologia em Enfermagem – LABTENF da Universidade de Fortaleza. 3 – Graduação, Mestrado e Doutorado em Enfermagem pala Universidade Federal do Ceará. Coordenadora da Especialização em Urgência e Emergência da 4 Saberes. Docente da Universidade de Fortaleza (UNIFOR) nas disciplinas de Cuidados Clínicos I, Clínica Geral e Cirúrgica II e Primeiros Socorros. Membro do Grupo de Estudo GEPAEPC (Grupo de Estudo e Pesquisa em Assistência de Enfermagem a Pacientes Críticos - UNIFOR. Membro do Grupo de Pesquisa TEAC (Tecnologias na Assistência Clínica) – UNIFOR. Resumo Objetivo:descrever conhecimentos e práticas de homens acerca da prevenção do câncer de próstata, identificar se realizam a prevenção do câncer de próstata e conhecer os motivos/razões que levam à baixa aderência do homem ao serviço de saúde, especialmente, para realização do exame de toque retal. Método: Estudo descritivo, com abordagem quantitativa, realizado em instituição de referência em diabetes e hipertensão, em Fortaleza/CE, de agosto a setembro de 2011. Participaram 33 homens, sendo os dados coletados através de questionári. Resultados: Os resultados foram organizados em tabelas e discutidos à luz da literatura que debate o tema. A pesquisa mostrou que 57,6% procuravam os serviços de saúde; 51,5% desconheciam o câncer de próstata; 33,4% não eram a favor do toque retal, por preconceito e constrangimento frente ao exame. Conclusão: Esses achados apresentam-se como oportunidade para o debate sobre o tema, oferecendo subsídios para repensar a prática profissional frente à saúde do homem. Palavras-chave: Neoplasias da próstata; Saúde do homem; Enfermagem I. Introdução O câncer de próstata se traduz hoje em um relevante problema de saúde pública. No Brasil, ocorrem cerca de 1,1 milhão de casos novos no ano de 2012. Aproximadamente 70% dos casos diagnosticados no mundo ocorrem em países desenvolvidos(1) . No Brasil, o aumento da expectativa de vida, a melhoria e a evolução dos métodos diagnósticos e da qualidade dos sistemas de informação do país, bem como a ocorrência de sobrediagnóstico, em função da disseminação do rastreamento do câncer de próstata com Antígeno Prostático Específico (PSA)o e toque retal, podem explicar o aumento das taxas de incidência (observadas pela análise da série histórica de incidência dos Registros de Câncer de Base Populacional – RCBP) ao longo dos anos(1) . Assim, devido essas altas taxas de câncer de próstata, a lei n. 10.289, de 20 de setembro de 2001 estabelece a implementação do Programa Nacional de Controle do Câncer de Próstata(2). O único fator de risco bem estabelecido para o desenvolvimento do câncer de próstata é a idade. Aproximadamente 62% dos casos diagnosticados no mundo ocorrem em homens com 65 anos ou mais. Com o aumento da expectativa de vida mundial, é esperado que o número de casos novos de câncer de próstata aumente cerca de 60% até o ano de 2015(1) .Além disso, a etnia e a história familiar da doença, a dieta também são consideradas fatores de risco e, mais recentemente, diabetes mellitus tipo 2, também são considerados potenciais fatores de risco(3) . A despeito da maior vulnerabilidade e das altas taxas de morbidade e mortalidade, os homens não buscam, como as mulheres, os serviços de atenção básica(4) .A problemática da ausência do homem no serviço de atenção básica ocorre pela cultura de que o homem exerce papel social de
  • 2. Conhecimentos e Práticas Do Homem na Preveção do Câncer de Próstata DOI: 10.9790/1676-1103015156 www.iosrjournals.org 52 | Page provedor e protetor, o que tende a gerar modelos masculinos pouco aderentes às práticas de autocuidado. Neste sentido, verifica-se que o processo de adoecimento torna-se de difícil aceitação e, embora se possa até reconhecer a importância da prevenção para saúde em geral, não há adoção, na prática, de tais comportamentos, nem tampouco busca para fins preventivos dos serviços de saúde, o que determina que riscos e doenças, quando existentes, sejam de difícil detecção e tratamento por profissionais(5) . Para isso, o Ministério da Saúde, através do programa Pacto pela Vida, elaborou, publicou e implantou a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH), com objetivo de promover a melhoria das condições de saúde da população masculina do Brasil, contribuindo, de modo efetivo, para redução da morbidade e mortalidade dessa população, através do enfrentamento racional dos fatores de risco e mediante facilitação ao acesso, ações e serviços de assistência integral à saúde(4) . Para o biênio 2010-2011, o Pacto pela Vida teve como meta: implantar a Política de Atenção Integral à Saúde do Homem nos 26 Estados e Distrito Federal e 26 municípios selecionados; ampliar em 10% o número de prostatectomiasuprapúbica, em relação ao ano anterior(6) . A detecção precoce de um câncer compreende duas diferentes estratégias: aquela destinada ao diagnóstico em pessoas que apresentam sinais iniciais da doença (diagnóstico precoce) e aquela voltada para pessoas sem nenhum sintoma e aparentemente saudáveis (rastreamento). Dentre os sinais iniciais da doença, encontram-se dificuldade de urinar e micção frequente durante o dia ou à noite. No estágio avançado, pode provocar dor óssea, sintomas urinários ou, quando mais grave, infecção generalizada ou insuficiência renal(3) . Para o rastreamento do câncer de próstata, existem dois grandes estudos internacionais, oEuropeanStudyofScreening for ProstateCancer (ERSPC) e o Prostate,Lung, ColorectalandOvary (PLCO), em curso, os quais investigam o impacto do rastreamento na mortalidade por câncer de próstata. Enquanto isso se recomenda que não se organizem ações de rastreamento para o câncer da próstata, e que homens que demandam espontaneamente a realização de exames de rastreamento, sejam informados por seus médicos sobre os riscos e benefícios associados a esta prática(3) . O exame de toque retal não pode ser visto apenas como um exame físico que pode diagnosticar precocemente o câncer de próstata. Esse exame não toca apenas na próstata, abrange aspectos simbólicos do ser masculino que, se não trabalhados, podem não somente inviabilizar essa medida de prevenção secundária, como também a atenção à saúde do homem em geral, pois eles acreditam estar “violando” a masculinidade (7) . Além dos aspectos simbólicos que podem estar relacionados com a resistência ao toque retal, como detecção precoce do câncer prostático, não se pode desconsiderar outros aspectos de ordem estrutural que, direta ou indiretamente, também comprometem a realização de tal detecção. Logo, observa-se a insuficiência de serviços de urologia na rede pública de saúde e a dificuldade por parte dos serviços de lidarem com as demandas do masculino como fatores que podem também fortalecer a resistência masculina à prevenção do câncer de próstata (8) . Assim, esta pesquisa buscou responder aos seguintes questionamentos: os homens conhecem como se faz a prevenção do câncer de próstata? Buscam os serviços de saúde para cuidar de sua saúde? Realizam o exame de prevenção do câncer de próstata? Se não o realizam,qual o motivo? Portanto, objetivou-se descrever conhecimentos e práticas de homens acerca da prevenção do câncer de próstata, identificar se realizam a prevenção deste, e conhecer os/as motivos/razões que levam à baixa aderência do homem ao serviço de saúde, especialmente, para realização do câncer de próstata. II. Método Pesquisa do tipo descritiva, com abordagem quantitativa, realizada em instituição de referência da Secretaria de Saúde do Estado do Ceará em Diabetes e Hipertensão, de Fortaleza/CE- Brasil, de agosto a setembro de 2011.Nessa unidade são atendidos, em média, 280 pacientes por mês. Os sujeitos da pesquisa foram 33 homens, tendo como critérios de inclusão: homens acima de 40 anos, que estivessem sendo atendidos no ambulatório,nos turnos manhã e tarde, do referido centro, sendoescolhidos de forma aleatória. Foram excluídos os homens que não se enquadraram nestes critérios.
  • 3. Conhecimentos e Práticas Do Homem na Preveção do Câncer de Próstata DOI: 10.9790/1676-1103015156 www.iosrjournals.org 53 | Page A amostra foi do tipo probabilística e sistemática e foi calculada com base na fórmula para populações finitas, a qual é indicada para o cálculo da amostra para estudos transversais9 . Admitiu-se erro amostral (nível de significância) de 6,5% para um intervalo de confiança de 90%. Na amostra calculada a partir da população de usuários atendidos na unidade, no ano de 2011 nos meses de agosto e setembro, obteve-se um tamanho amostral igual a 33 homens. Utilizou-se como instrumento de coleta de dados questionário estruturado, abordando questões relacionadas aos dados sociodemográficos, com as variáveis: idade, estado civil, escolaridade, profissão, renda familiar, religião, naturalidade e paternidade, os hábitos de vida (alcoolismo, tabagismo e exercícios físicos), à saúde e ao câncer de próstata. A análise de dados foi desenvolvida pelo software estatístico StatisticalPackage for Social Sciences (SPSS), versão 19, com tratamento estatístico, organizados em tabelas, contendo números absolutos e relativos, e também de forma descritiva. Para interpretação e discussão dos resultados, utilizou-se da literatura pertinente ao assunto. A pesquisa seguiu os princípios éticos e legais da Resolução do Conselho Nacional de Saúde nº 196/96(10) ,sendo aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Universidade de Fortaleza (UNIFOR), conforme parecer 224/2011. III. Resultados O perfil predominante dos entrevistados foi que 17 (51,5%) eramnaturais de outros municípios do Ceará, 28 (84,8%)eram casados, 13(39,4%)maiores de 70 anos, 23 (69,7%) tinham renda entre um a três salários mínimos,12 (36,4%) tinham oito a 10 anos de estudos escolares concluídos,27 (81,8%) possuíam três ou mais filhos e 28 (84,8%)eram católicos.Em relação aos hábitos de vida, 29(87,9%) não eram tabagistas, 26(78,8%)não consumiam bebidas alcoólicase 20(60,6%)eram sedentários. Tabela 1 -Motivações dos homens que buscam ou não os serviços de saúde entre os entrevistados em centro de referência em Diabetes e Hipertensão. Fortaleza, CE, Brasil, 2011. Motivos N=33 % Você costuma a procurar os serviços de saúde para prevenção de doenças Sim 19 57,6 Não 14 42,4 Sua companheira o incentiva a buscar os serviços de saúde Sim 22 66,7 Não 4 12,1 Às vezes 2 6,1 Não possuo companheira (solteiro, viúvo) 5 15,1 A Tabela 1 evidencia que a maioria dos pesquisados,19 (57,6%),procurava os serviços de saúde para prevenção de doenças e que suas parceiras (os) exerciam papel fundamental para esse comportamento, pois22 (66,7%) dos homens recebiam incentivos dascompanheiras. Tabela 2 -Conhecimentos acerca do câncer de próstata avaliados em homens em centro de referência em Diabetes e Hipertensão. Fortaleza, CE, Brasil, 2011 Conhecimentos N=33 % Tem conhecimento acerca da prevenção do câncer de próstata? Conhecimento detalhado 6 19,8 Conhecimento parcial 27 80,2 Em sua opinião, com que idade os homens deveriam se preocupar mais em realizar o exame de prevenção do câncer de próstata?(em anos) A partir dos 20 1 3,0 A partir dos 40 23 69,7 A partir dos 45 5 15,2 A partir dos 50 4 12,1 Qual exame é feito para descobrir o câncer de próstata? Exame de sangue (PSA) e toque retal 25 75,3 Exame de sangue (PSA) 2 6,7 Toque retal 3 9,0 Desconhecem 3 9,0
  • 4. Conhecimentos e Práticas Do Homem na Preveção do Câncer de Próstata DOI: 10.9790/1676-1103015156 www.iosrjournals.org 54 | Page Verificou-se, na Tabela 2, que dos 33 entrevistados, seis (19,8%) detinhamconhecimento detalhado acerca do câncer de próstata e 27 (80,2 %) de conhecimento parcial sobre a doença. De acordo com a opinião dos entrevistados sobre a idade em que os homens deveriam se preocupar em realizar o exame de prevenção do câncer de próstata, 23 (69,7%) dos entrevistados, ou seja, a maioriaconsiderou a partir dos 40 anos. Quando questionados se conheciam algum exame para descobrir o câncer de próstata, 25 (75,3%) dos entrevistados referiram os exames de sangue (PSA) e de toque retal. Ainda, quando indagados se realizavam o exame de prevenção do câncer de próstata, 21 (63,6%)afirmaramter se submetido àprevenção do câncer de próstata e12 (36,4%) nunca realizaram tais exames. Os principais motivos alegados foram:não solicitação domédico, desinteresse em realizar e ausência de sintomas. Tabela 3 -Opinião dos entrevistados em relação à prevençãodo câncer de próstata. Fortaleza,CE, Brasil, 2011 Opiniões relacionadas à detecção do câncer de próstata N=33 % Você concorda ou não com a realização do exame de toque retal? Sim 21 63,6 Não 11 33,4 Desconhece o exame 1 3,0 Quando questionados, na Tabela 3, se concordavam ou não com a realização do exame de toque retal, verificou-se que 21(63,6%) erama favor. Os demais, 11(33,4%),eram contrários ao exame, e apenas um (3,0%) dos participantesreferiu desconhecê-lo. IV. Discussão Ao analisar os dados sociodemográficos dos entrevistados, percebeu-se que a maioria dos entrevistados possuía fator de risco definido para o câncer de próstata, isto é, a idade.Mais do que qualquer outro tipo, o câncer de próstata é considerado uma doença da terceira idade, já que cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos(1) . Em pesquisa realizada em 2010, com 54 homens com câncer de próstata, em Londrina-PR, com faixa etária de 72 a 79 anos em sua maioria, evidenciou que a história familiar demonstrou que 24% da população do estudo tinham parentes de primeiro grau com diagnóstico de câncer de próstata. Os sintomas obstrutivos de próstata (43%) e os irritativos (40%) foram os que mais levaram à procura por cuidado de saúde em 30 dias (55%)(11) . Para o desenvolvimento dessa neoplasia, com recente descoberta, tem-sea síndrome metabólica, caracterizada pela resistência ao hormônio insulina, apontada como fator de risco. Em geral, os homens com diabetes mellitus tipo 2 possuem deficiência com relação ao hormônio testosterona. Estudo recente sugere que a terapia de reposição hormonal (testosterona) possa inverter alguns aspectos da síndrome metabólica, embora a correlação entre essa reposição e o surgimento do câncer da próstata ainda seja pergunta sem resposta(3) .Assim, reconheceu-se mais um fator de risco presente nos sujeitos desta pesquisa, pois os sujeitos pesquisados encontravam-se em tratamento de Diabetes e Hipertensão. Quando questionados sobre os hábitos de vida, o perfil predominante era não tabagista, não etilista e sedentário. Pesquisa realizada sobre outros possíveis fatores de risco, como a ingestão de gorduras, o consumo de álcool, o tabagismo e a vasectomia, tem apresentado resultados contraditórios(12) . NaTabela 1, percebeu-se que parcela significativa dos homens não procurava o serviço de saúde, alegando não gostarou porque trabalhavam muito e não dispunhamde tempo, a busca ocorria somente quando estavam doentes.Esse fato corrobora com a literatura quando reitera que a população masculina tem esse hábito enraizado de procurar o serviço de saúde apenas quando está em situações de saúde mais avançadas(13) . Ademais dos fatores socioculturais e biológicos, quando se trata de cuidados com a saúde, o trabalho tem sido considerado barreira para acesso aos serviços de saúde, ou a continuação de tratamentos já estabelecidos, pois a carga horária do emprego normalmente coincide com o horário de funcionamento dos serviços de saúde, quase impedindo a procura pela assistência. Tem-se ainda o tempo extenso para o atendimento, o longo período de espera para efetivação deste, os intervalos
  • 5. Conhecimentos e Práticas Do Homem na Preveção do Câncer de Próstata DOI: 10.9790/1676-1103015156 www.iosrjournals.org 55 | Page prolongados entre a marcação de consulta e a realização do atendimento, e o acolhimento deficiente por parte dos profissionais(14) . Em relação ao conhecimento acerca do câncer de próstata, exposto na Tabela 2, amaioria,27 (80,2%),afirmou conhecer parcialmente a prevenção do câncer de próstata. Entretanto, outrosseis (19,8%)possuíam conhecimentodetalhadosobre a doença, apesar detodos os entrevistados terem ouvido falar sobre essa neoplasia. Observou-se que o conhecimento parcial ocorreu entre os entrevistados com baixa escolaridade, corroborando com estudos que salientam que as condições socioeconômicas e os baixos níveis de escolaridade são apontados como motivos relevantes para desconhecimento sobre a patologia e desinformações quanto à prevenção e às práticas de saúde(15-16) . Quando questionados se já realizaram exames de prevenção do câncer de próstata, 21 (63,6%)dos entrevistados responderam „sim‟,sendo o principal motivo para realizaçãoa rotina de prevenção ou a idade. Estes resultados confirmam outro estudo que encontrou achados semelhantes, no qual 54,3% já realizaram o exame e o principal motivo de solicitação do exame pelo profissional foi apontado por 61,6% dos entrevistados como rotina de prevenção(15) . No estudo, já mencionado, realizado em 2010, com 54 homens com câncer de próstata, em Londrina-PR, 43% dos entrevistados disseram que sentiram sintomas obstrutivos e 40%irritativos e foram os sintomas que mais levaram à procura por cuidado de saúde em 30 dias (55%). Uma parcela (8%) demorou mais de seis anos e um homem esperou 12 anos para procurar por assistência(11) . Destaca-se a ausência da solicitação de exames pelo médico, fato que representa perda de oportunidade de prevenção de câncer relevante para população masculina, pois se propõeque equipes da Estratégia Saúde da Família (ESF) incorporem a assistência à saúde, através de ações de prevenção e intervenção sobre os fatores de risco e do desenvolvimento da promoção e qualidade de vidada população(16) .Assim, devem realizar atividades educativas sobre esse tema, incentivando a realização dos exames de prevenção e desmitificando o tabu do toque retal, pois, ao analisar a Tabela 3, quando perguntados se eram a favor ou não do exame de toque retal, a maioria mostrou-se a favor, com 21 (63,6%), apesar de que11(33,4%) dos pesquisados eram contráriosà realização do exame, motivadospelo machismo de que o homem não adoece, pelo preconceito e constrangimento frente ao exame. O pensamento machista, muitas vezes, é mais forte doque o cuidado com a própria saúde, prejudicando a saúde do homemqueadia as consultas especializadas, aumentando, assim, o risco do desenvolvimento das doenças para estágios avançados. Desta forma, esses pensamentos por parte dos entrevistados denotam sentimentos que na maioria das vezes impedem os homens de realizaremos exames de prevenção do câncer próstata,principalmente o toque retal.Assim,diagnosticar alguma alteração na próstata, sem utilizar o método tradicional, o toque retal, tornou-se alternativa difícil. V. Conclusão A realização da presente pesquisa foi importante, pois através desta foi obervado que os entrevistados tinham algum conhecimento sobre o câncer de próstata.Além disso, percebe-sealguns conhecimentos e práticas dos homens acerca do câncer de próstata, bem como as barreiras para não realização do exame de prevenção, principalmente quando se trata do toque retal. Parcela significativa dos homens entrevistados nunca realizou os exames de prevenção do câncer de próstata,motivados pelo machismo de que o homem não adoece, pelo preconceito e constrangimento frente ao exame. Tal resultado revela que o estigma acerca do exame de toque retal ainda persiste, contribuindo para que os homens deixem de buscá-lo, impedindo a prevenção desse câncer. O desconhecimento acerca do câncer de próstata, encontrado neste estudo, pode estar diretamente relacionado ao baixo nível de escolaridade. Para tanto, é necessária atuação efetiva dos profissionais de saúde, no que diz respeito à promoção da saúde e prevenção de agravos, sobretudo, tendo o homem como sujeito da ação, melhorando, assim, a qualidade de vida. Logo, seria necessária qualificação da porta de entrada nos serviços de saúde na atenção primária voltada para o acolhimento, através da educação em saúde, a fim de sensibilizar o homem para cuidar da própria saúde. Ressalta-se a necessidade de estender a pesquisa para outros serviços de saúde, a fim de se obter maior número de participantes, ideia mais ampliada sobre essa problemática.
  • 6. Conhecimentos e Práticas Do Homem na Preveção do Câncer de Próstata DOI: 10.9790/1676-1103015156 www.iosrjournals.org 56 | Page Por fim, esses achados apresentam-se como oportunidade para o debate sobre o tema, oferecendo subsídios para repensar a formação do profissional e sua prática ante a saúde do homem, além de apontar a necessidade de condução de novas pesquisas acerca do tema. Referências [1] Instituto Nacional do Câncer. Estimativa 2014: incidência do câncer no Brasil [Internet]. [acesso em 22 ago 2012]. Disponível:http://www.inca.gov.br/estimativa/2014/estimativa2014 [2] Ministério da Saúde (BR). Departamento de Informática do SUS – DATASUS. Indicadores e Dados Básicos – IDB 2011. [acesso em 22 ago 2012]. Disponível:http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/idb2011/matriz.htm [3] Instituto Nacional do Câncer. Estimativa 2012: incidência do câncer no Brasil [Internet]. [acesso em 22 ago 2012]. Disponível: http://www.inca.gov.br/estimativa/2012/estimativa2012 [4] Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde; 2008. [5] Alvarenga WA, Silva SS, Silva MEDC, Barbosa LDCS, Rocha SS.Política de saúde do homem: perspectivas de enfermeiras para sua implementação. RevBrasEnferm. [Internet] 2012; 65(6):929-35 [acesso em 06 mai 2013].Disponivel: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672012000600007 [6] Ministério da Saúde (BR). Portaria Nº 2669, de 3 de novembro de 2009. Estabelece as prioridades, objetivos, metas e indicadores de monitoramento e avaliação do Pacto pela Saúde, nos componentes pela Vida e de Gestão, e as orientações, prazos e diretrizes do seu processo de pactuação para o biênio 2010-2011 [Internet]. [acesso em 4 ago 2012]. Disponível: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2009/prt2669_03_11_2009.html [7] Gomes Romeu, Nascimento Elaine Ferreira do, Rebello Lúcia Emília Figueiredo de Sousa, Araújo Fábio Carvalho de. As arranhaduras da masculinidade: uma discussão sobre o toque retal como medida de prevenção do câncer prostático. Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2008 Dec [cited 2015 June 10] ; 13( 6 ): 1975-1984. [8] Gomes R, Rebello LEFS, Araújo FC, Nascimento EF. A prevenção do câncer de próstata: uma revisão de literatura. Ciência & Saúde Coletiva. [Internet] 2008; 13(1):235-46 [acesso em 12 mai 2013]. Disponível: http://www.scielo.br/pdf/csc/v13n1/26.pdf [9] HULLEY, Stephen B. et al. Delineando a pesquisa clínica - Uma abordagem epidemiológica. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008 [10] Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde Resolução nº 466/12. Dispõe Sobre as Diretrizes e Normas Regulamentadoras nvolvendo Seres Humanos. [acesso em 12 dez 2013]. Disponível:0020http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf [11] Fernandes MV, Martins JT, Cardelli AAM, Marcon SS, Ribeiro RP. Perfil epidemiológico do homem com câncer de próstata atendido em um hospital universitário. CogitareEnferm. [Internet] 2014; 19(2):333-40 [acesso em 10 jul 2014]. Disponível: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/cogitare/article/view/31540/22806 [12] Amorim VMSL, Barros MBA, Cesar CLG, Goldbaum M, Carandina L, Alves MCGP. Fatores associados à realização dos exames de rastreamento para o câncer de próstata: um estudo de base populacional. Cad Saúde Pública. [Internet] 2011; 27(2):347-56 [acesso em 05 mai 2013]. Disponível: http://www.scielosp.org/pdf/csp/v27n2/16.pdf [13] Gomes R, Moreira MCN, Nascimento EF, Rebello LEFS, Couto MT,Schraiber LB. Os homens não vêm! Ausência e/ou invisibilidade masculina na atenção primária. Ciênc. saúde Coletiva. [Internet] 2011; 16(supl.1):983-92 [acesso em 06 mai 2013]. Disponível: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232011000700030 [14] Fontes WD, Barboza TM, Leite MC, Fonseca RLS, Santos LCF, Nery TCL.Atenção à saúde do homem: interlocução entre ensino e serviço. Acta paul. enferm. [Internet] 2011; 24(3):430-3 [acesso em 01 jul 2014]. Disponível: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-21002011000300020&script=sci_arttext [15] Paiva EP, Motta MCS,Griep RH.Conhecimentos, atitudes e práticas acerca da detecção do câncer de próstata.Acta paul. enferm. [Internet] 2010; 23(1):88-93 [acesso em 12 jan 2013]. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002010000100014 [16] Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação de Saúde da Comunidade. Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília: Ministério da Saúde; 1997.