SlideShare uma empresa Scribd logo
1 MFSF Brito
Exames de apoio diagnóstico: uma reflexão
sobre a prática de solicitação
Maria Fernanda Santos Figueiredo Brito1
1
Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade Estadual de Montes
Claros - UNIMONTES.
mfsfbrito@yahoo.com.br
Os exames de apoio diagnóstico contribuem em muito
para o avanço da assistência à saúde(1-3)
, tendo o importante
papel de auxiliar o profissional médico em sua decisão clínica,
cooperando para a realização de prevenção, diagnóstico,
prognóstico e tratamento das doenças(4,5)
. Diante disso,
colaboram para um atendimento médico seguro, eficaz e
eficiente(1,2)
.
Atualmente, uma grande variedade em relação ao tipo
e à complexidade de exames tem sido disponibilizada aos
médicos(1,2,6)
. Todavia, tal benefício está atrelado a sua
indicação adequada. A prática apropriada de solicitação de
exames pelos médicos possibilita o uso racional dos recursos
diagnósticos, evita gastos desnecessários e a sobrecarga dos
serviços propedêuticos, facilita o funcionamento dos serviços
de saúde, propicia um atendimento médico de maior
segurança ao paciente e uma atuação médica legalmente
respaldada.
EDITORIAL
MFSF Brito
Revista Norte Mineira de Enfermagem. 2014;3(2):01-05 2
No entanto, em muitos momentos, tem-se percebido que a solicitação dos exames de
apoio diagnóstico, na prática médica, tem sido realizada de maneira não padronizada,
indiscriminada e sem critério(3,7)
, deixando o exame de figurar-se, realmente, como complementar
durante o atendimento clínico. Essa situação tem como uma de suas origens a formação do
profissional médico, tanto no âmbito da graduação, como nos processos de aperfeiçoamento
profissional(2,6,8)
, os quais têm sido, geralmente, influenciados pelo modelo flexneriano(2,9)
; nas
políticas de saúde e na conformação da assistência à saúde, historicamente, desenhados para
funcionar em situação de pressão, a fim de estabelecer o diagnóstico e atenuar os sintomas
rapidamente, tendo para isso o uso recorrente dos exames diagnósticos(10)
; no cotidiano dos
serviços de saúde, que lidam com a constante demanda dos pacientes por exames(6,10,11)
e na
oferta, muitas vezes, insuficiente dos recursos propedêuticos à necessidade da população(10)
e;
nos aspectos culturais que envolvem essa prática, no qual, a sociedade, ao longo da história, tem
atribuído um alto valor aos exames(6,12)
, decorrente da concepção biomédica que grande parte dos
usuários possui(10,11,12)
.
Todavia, a preocupação sobre a prática de solicitação de exames e sobre os fatores que a
envolvem, ainda, tem sido incipientes no ensino das escolas de medicina, na atuação médica e na
gestão dos serviços de saúde, o que reflete, em parte, a forma como essa questão é conduzida,
apesar do reconhecimento de que a dinâmica da solicitação e da realização dos exames
diagnósticos constitui uma das principais problemáticas enfrentadas no contexto atual de saúde.
Nesse sentido, a sua discussão precisa ser permeada pela reflexão sobre a necessidade da prática
apropriada da indicação dos exames diagnósticos, o que vai além de apenas diminuir ou não a sua
solicitação.
Algumas medidas têm sido implementadas no âmbito do sistema de saúde, a fim de
aprimorar a prática de se pedir exames, tais como os sistemas de suporte de decisão clínica(13)
, a
instituição de protocolos, de diretrizes clínicas e de sistemas de controle de qualidade(6,14)
, as
cartilhas de orientações sobre os exames para os profissionais e os usuários(6)
dentre outros.
Entretanto, grande parte das medidas instituídas depende do uso voluntário do médico,
apresentando-se insuficientes para mudar a realidade da prática de solicitação de exames(6, 13,14)
.
Portanto, torna-se fundamental obter o conhecimento sobre a realidade da indicação dos
exames diagnósticos pelos médicos e das áreas que os influenciam individualmente. É
imprescindível também, que mudanças sejam realizadas em relação ao ensino da prática de
solicitação de exames durante a formação médica, que precisa ser direcionada pelas necessidades
de aprendizagem dos profissionais, fundamentada em métodos ativos de ensino-aprendizagem, a
MFSF Brito
Revista Norte Mineira de Enfermagem. 2014;3(2):01-05 3
fim de propiciar uma aprendizagem significativa. Ademais, é importante que práticas educativas
em saúde sejam realizadas para a população em geral, com enfoque na promoção e proteção à
saúde, a fim de minimizar a histórica supervalorização dos exames diagnósticos. Os gestores em
saúde também precisam ser capacitados para realizar o gerenciamento apropriado desse recurso
de saúde.
Espero que este editorial contribua para a reflexão da comunidade acadêmica, dos
profissionais de saúde, dos estudantes e dos gestores e da sociedade sobre a necessidade de se
utilizar adequadamente e de forma racional os métodos propedêuticos, com o intuito de produzir
uma prática clínica de maior segurança e eficácia.
Acredito que tal reflexão possa colaborar para uma inquietação dos pesquisadores sobre a
necessidade de se investigar a realidade da prática de solicitação de exames pelos médicos em
seus diversos cenários de atuação e os fatores associados, tendo em vista que, apesar da
magnitude dessa temática, poucos são os estudos que abordam diretamente esse assunto.
Referências
1. Sood R, Sood A, Ghosh AK. Non-evidence-based variables affecting physicians’ test-ordering
tendencies: a systematic review.The Neth J Med. [Internet]. 2007 [citado 2011 Jun 05]; 65(5): 167-
77. Disponível em: http://www.njmonline.nl/getpdf.php?id=10000176.
2. Smith BR, Aguero-Rosenfeld M, Anastasi J, Beverly B, Berg A, Bock JL, et al. Educating medical
students in laboratory medicine: a proposed curriculum. Am J ClinPathol. [Internet]. 2010 [citado
2013 Jun 18]; 133(4): 533-42. Disponível em:http://ajcp.ascpjournals.org/content/133/4/533.long.
3. Capilheira MR, Santos IS. Epidemiologia da solicitação de exame complementar em consultas
médicas. Rev Saúde Pública. [Internet]. 2006 [citado 2013 Set 04];40(2):289-97. Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003489102006000200015&lng=en&nrm
=iso.
4. Campana GA, Oplusutil CP, Faro LB. Tendências em medicina laboratorial. J. Bras. Patol. Med.
Lab.[Internet]. 2011 [citado 2013 Set 11];47(4):399-408. Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S167624442011000400003&lng=en&nrm
=iso.
5. Andriolo A. O laboratório clínico e os intervalos de referência. J. Bras. Patol. Med. Lab.[Internet].
2010 [citado 2014 Mai 30]; 46(6):0-0. Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1676-24442010000600002&lng=en.
MFSF Brito
Revista Norte Mineira de Enfermagem. 2014;3(2):01-05 4
6. Morrison A. Appropriate Utilization of Advanced Diagnostic Imaging Procedures: CT, MRI, and
PET/CT [Environmental Scan, Issue 39] [Internet]. Ottawa: Canadian Agency for Drugs and
Technologies in Health, 2013. [citado 2013 Dez 27]. Disponível em:
http://www.cadth.ca/media/pdf/PFDIESLiteratureScan_e_es.pdf.
7. Sistrom C, McKay NC, Weilburg JB, Atlas SJ, Ferris TG. Determinants of Diagnostic Imaging
Utilization in Primary Care.Am J ManagCare.[Internet]. 2012 [citado 2012 Dez 19];18(4):135-44.
Disponível em: http://www.ajmc.com/publications/issue/2012/2012-4-vol18-n4/determinants-of-
diagnostic-imaging-utilization-in-primary-care.
8. Wilson ML. Educating medical students in laboratory medicine.Am J ClinPathol.[Internet]. 2010
[citado 2013 Jun 18]; 133(4):525–8. Disponível em:
http://ajcp.ascpjournals.org/content/133/4/525.long.
9. Almeida Filho N. Reconhecer Flexner: inquérito sobre produção de mitos na educação médica
no Brasil contemporâneo. Cad. Saúde Pública. [Internet]. 2010 [citado 2013 Dez 09]; 26(12): 2234-
49. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-
311X2010001200003.
10. Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da
consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde;
2012.
11. Gomes, KO, Cotta RMM, Araújo RMA, Cherchiglia ML, Martins TCP. Atenção Primária à Saúde -
a "menina dos olhos" do SUS: sobre as representações sociais dos protagonistas do Sistema Único
de Saúde. Ciênc. saúde coletiva. [Internet]. 2011 [citado 2013 Jul 15]; 16 (1 Suppl): 881-92.
Disponível em: http:// www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-
81232011000700020&lng=en.
12. Hafner MLM, Moraes MAA, Marvulo, MML, Braccialli, LAD, Carvalho MHR, Gomes R. A
formação médica e a clínica ampliada: resultados de uma experiência brasileira. Ciência saúde
coletiva. [Internet]. 2010 [citado 2013 Dez 09]; 15(1 Suppl):1715-24. Disponível em:
http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232010000700083&lng=pt&n
rm=iso.
13. Ferrante JM, Balasubramanian BA, Hudson SV, Crabtree BF. Principles of the patient-centered
medical home and preventive services delivery. Ann Fam Med. [Internet]. 2010 [citado 2011 Set
21]; 8(2):108-16. Disponível em: http://www.annfammed.org/content/8/2/108.full.pdf+html.
14 .Miglioretti DL, Rutter CM, Bradford SC, Zauber AG, Kessler LG, Feuer EJ, et al. Improvement in
the diagnostic evaluation of a positive fecal occult blood test in an integrated health care
MFSF Brito
Revista Norte Mineira de Enfermagem. 2014;3(2):01-05 5
organization. Med Care.[Internet]. 2008 [citado 2011 Set 28]; 46(9 Suppl):S91-6. Disponível em:
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18725839.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao
681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao
681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao
Nemésio Carlos Silva
 
TCC - Tecnologia móvel na área da saúde
TCC - Tecnologia móvel na área da saúdeTCC - Tecnologia móvel na área da saúde
TCC - Tecnologia móvel na área da saúde
Caio César
 
Transexualidade e saude publica acumulos consensuais de propostas para atenca...
Transexualidade e saude publica acumulos consensuais de propostas para atenca...Transexualidade e saude publica acumulos consensuais de propostas para atenca...
Transexualidade e saude publica acumulos consensuais de propostas para atenca...
Unidade Temática T3 - blog
 
A fitoterapia no âmbito da atenção básica no sus 2
A fitoterapia no âmbito da atenção básica no sus 2A fitoterapia no âmbito da atenção básica no sus 2
A fitoterapia no âmbito da atenção básica no sus 2
Nayara Dávilla
 
Introdução a pesquisa em APS - V Congresso Mineiro MFC
Introdução a pesquisa em APS - V Congresso Mineiro MFCIntrodução a pesquisa em APS - V Congresso Mineiro MFC
Introdução a pesquisa em APS - V Congresso Mineiro MFC
Leonardo Savassi
 
Sb brasil2010 manual_equipe_campo
Sb brasil2010 manual_equipe_campoSb brasil2010 manual_equipe_campo
Sb brasil2010 manual_equipe_campo
HERALDICA CORRETORA E ADM DE SEGUROS
 
Sistema de informações hospitalares como ajuste de risco em índices de desemp...
Sistema de informações hospitalares como ajuste de risco em índices de desemp...Sistema de informações hospitalares como ajuste de risco em índices de desemp...
Sistema de informações hospitalares como ajuste de risco em índices de desemp...
brunopatcheco
 
A revista angolana de ciências da saúde como contributo para a investigação c...
A revista angolana de ciências da saúde como contributo para a investigação c...A revista angolana de ciências da saúde como contributo para a investigação c...
A revista angolana de ciências da saúde como contributo para a investigação c...
Revista Angolana de Ciências da Saúde
 
A Revista Eletrônica
A Revista EletrônicaA Revista Eletrônica
A Revista Eletrônica
Urovideo.org
 
I Encontro Brasileiro dos Serviços de Residência Médica em Urologia
I Encontro Brasileiro dos Serviços de Residência Médica em UrologiaI Encontro Brasileiro dos Serviços de Residência Médica em Urologia
I Encontro Brasileiro dos Serviços de Residência Médica em Urologia
Urovideo.org
 
Dengue manejo clinico_2013_JEANEXAVIER
Dengue manejo clinico_2013_JEANEXAVIERDengue manejo clinico_2013_JEANEXAVIER
Dengue manejo clinico_2013_JEANEXAVIER
jeane xavier da costa
 
Conhecimento e intenção de uso da fitoterapia
Conhecimento e intenção de uso da fitoterapiaConhecimento e intenção de uso da fitoterapia
Conhecimento e intenção de uso da fitoterapia
Nayara Dávilla
 
Resultados sb 2010
Resultados sb 2010Resultados sb 2010
Dengue manejo clinico_4ed_2013
Dengue manejo clinico_4ed_2013Dengue manejo clinico_4ed_2013
Dengue manejo clinico_4ed_2013
José Ripardo
 
Tra
TraTra
O Papel da APS na Organização das Redes de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
O Papel da APS na Organização das Redes de Atenção à Saúde_Eugenio VilaçaO Papel da APS na Organização das Redes de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
O Papel da APS na Organização das Redes de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
1ª tentativa subjetividade na atenção à saúde - proficiência ok
1ª tentativa   subjetividade na atenção à saúde - proficiência ok1ª tentativa   subjetividade na atenção à saúde - proficiência ok
1ª tentativa subjetividade na atenção à saúde - proficiência ok
Roberto Antonio da Costa Dutra
 
Dissertação final
Dissertação final Dissertação final
Dissertação final
Diego Brito
 
Total
TotalTotal
Factores associados à insatisfação dos médicos dos hospitais de nível terciár...
Factores associados à insatisfação dos médicos dos hospitais de nível terciár...Factores associados à insatisfação dos médicos dos hospitais de nível terciár...
Factores associados à insatisfação dos médicos dos hospitais de nível terciár...
Revista Angolana de Ciências da Saúde
 

Mais procurados (20)

681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao
681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao
681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao
 
TCC - Tecnologia móvel na área da saúde
TCC - Tecnologia móvel na área da saúdeTCC - Tecnologia móvel na área da saúde
TCC - Tecnologia móvel na área da saúde
 
Transexualidade e saude publica acumulos consensuais de propostas para atenca...
Transexualidade e saude publica acumulos consensuais de propostas para atenca...Transexualidade e saude publica acumulos consensuais de propostas para atenca...
Transexualidade e saude publica acumulos consensuais de propostas para atenca...
 
A fitoterapia no âmbito da atenção básica no sus 2
A fitoterapia no âmbito da atenção básica no sus 2A fitoterapia no âmbito da atenção básica no sus 2
A fitoterapia no âmbito da atenção básica no sus 2
 
Introdução a pesquisa em APS - V Congresso Mineiro MFC
Introdução a pesquisa em APS - V Congresso Mineiro MFCIntrodução a pesquisa em APS - V Congresso Mineiro MFC
Introdução a pesquisa em APS - V Congresso Mineiro MFC
 
Sb brasil2010 manual_equipe_campo
Sb brasil2010 manual_equipe_campoSb brasil2010 manual_equipe_campo
Sb brasil2010 manual_equipe_campo
 
Sistema de informações hospitalares como ajuste de risco em índices de desemp...
Sistema de informações hospitalares como ajuste de risco em índices de desemp...Sistema de informações hospitalares como ajuste de risco em índices de desemp...
Sistema de informações hospitalares como ajuste de risco em índices de desemp...
 
A revista angolana de ciências da saúde como contributo para a investigação c...
A revista angolana de ciências da saúde como contributo para a investigação c...A revista angolana de ciências da saúde como contributo para a investigação c...
A revista angolana de ciências da saúde como contributo para a investigação c...
 
A Revista Eletrônica
A Revista EletrônicaA Revista Eletrônica
A Revista Eletrônica
 
I Encontro Brasileiro dos Serviços de Residência Médica em Urologia
I Encontro Brasileiro dos Serviços de Residência Médica em UrologiaI Encontro Brasileiro dos Serviços de Residência Médica em Urologia
I Encontro Brasileiro dos Serviços de Residência Médica em Urologia
 
Dengue manejo clinico_2013_JEANEXAVIER
Dengue manejo clinico_2013_JEANEXAVIERDengue manejo clinico_2013_JEANEXAVIER
Dengue manejo clinico_2013_JEANEXAVIER
 
Conhecimento e intenção de uso da fitoterapia
Conhecimento e intenção de uso da fitoterapiaConhecimento e intenção de uso da fitoterapia
Conhecimento e intenção de uso da fitoterapia
 
Resultados sb 2010
Resultados sb 2010Resultados sb 2010
Resultados sb 2010
 
Dengue manejo clinico_4ed_2013
Dengue manejo clinico_4ed_2013Dengue manejo clinico_4ed_2013
Dengue manejo clinico_4ed_2013
 
Tra
TraTra
Tra
 
O Papel da APS na Organização das Redes de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
O Papel da APS na Organização das Redes de Atenção à Saúde_Eugenio VilaçaO Papel da APS na Organização das Redes de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
O Papel da APS na Organização das Redes de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
 
1ª tentativa subjetividade na atenção à saúde - proficiência ok
1ª tentativa   subjetividade na atenção à saúde - proficiência ok1ª tentativa   subjetividade na atenção à saúde - proficiência ok
1ª tentativa subjetividade na atenção à saúde - proficiência ok
 
Dissertação final
Dissertação final Dissertação final
Dissertação final
 
Total
TotalTotal
Total
 
Factores associados à insatisfação dos médicos dos hospitais de nível terciár...
Factores associados à insatisfação dos médicos dos hospitais de nível terciár...Factores associados à insatisfação dos médicos dos hospitais de nível terciár...
Factores associados à insatisfação dos médicos dos hospitais de nível terciár...
 

Semelhante a Exames de apoio diagnostico

Práticas de enfermagem baseadas em evidências
Práticas de enfermagem baseadas em evidênciasPráticas de enfermagem baseadas em evidências
Práticas de enfermagem baseadas em evidências
gisorte
 
Ressumo do ary professora karol
Ressumo do ary  professora karolRessumo do ary  professora karol
Ressumo do ary professora karol
Jose Maciel Dos Anjos
 
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
bibliotecasaude
 
01 a pesquisa clínica no brasil 2004
01   a pesquisa clínica no brasil 200401   a pesquisa clínica no brasil 2004
01 a pesquisa clínica no brasil 2004
gisa_legal
 
Teste rápido por que não 2007
Teste rápido   por que não 2007Teste rápido   por que não 2007
Teste rápido por que não 2007
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
{10254b6a-d471-4a85-b953-72fd49c1c10e}_Os_impactos_da_tecnologia_para_uma_med...
{10254b6a-d471-4a85-b953-72fd49c1c10e}_Os_impactos_da_tecnologia_para_uma_med...{10254b6a-d471-4a85-b953-72fd49c1c10e}_Os_impactos_da_tecnologia_para_uma_med...
{10254b6a-d471-4a85-b953-72fd49c1c10e}_Os_impactos_da_tecnologia_para_uma_med...
ssusera96d6e
 
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
Angelina Lessa
 
Política nacional de atenção à saúde do homem
Política nacional de atenção à saúde do homemPolítica nacional de atenção à saúde do homem
Política nacional de atenção à saúde do homem
eriiclima
 
Puericultura em Angola
Puericultura em AngolaPuericultura em Angola
Territorialização: Base para a Organização e Planejamento em Saúde
Territorialização: Base para a Organização e Planejamento em SaúdeTerritorialização: Base para a Organização e Planejamento em Saúde
Territorialização: Base para a Organização e Planejamento em Saúde
renatasbk
 
Dialnet o protocolo-demanchesternosistemaunicodesaudeeaatuac-4901268
Dialnet o protocolo-demanchesternosistemaunicodesaudeeaatuac-4901268Dialnet o protocolo-demanchesternosistemaunicodesaudeeaatuac-4901268
Dialnet o protocolo-demanchesternosistemaunicodesaudeeaatuac-4901268
Bruna Almeida
 
G1103015156
G1103015156G1103015156
G1103015156
IOSR Journals
 
Ensino em atencao_oncologica_no_brasil
Ensino em atencao_oncologica_no_brasilEnsino em atencao_oncologica_no_brasil
Ensino em atencao_oncologica_no_brasil
Fabiana Oliveira
 
Diretrizes abem sbmfc_2012
Diretrizes abem sbmfc_2012Diretrizes abem sbmfc_2012
Diretrizes abem sbmfc_2012
Thiago Sarti
 
Roncalli
RoncalliRoncalli
Roncalli
roseanecordeiro
 
Artigo
ArtigoArtigo
Residencia Uerj Donato
Residencia Uerj DonatoResidencia Uerj Donato
Residencia Uerj Donato
Inaiara Bragante
 
Residecnia uerj donato
Residecnia uerj donatoResidecnia uerj donato
Residecnia uerj donato
Inaiara Bragante
 
1075
10751075
Nir
NirNir

Semelhante a Exames de apoio diagnostico (20)

Práticas de enfermagem baseadas em evidências
Práticas de enfermagem baseadas em evidênciasPráticas de enfermagem baseadas em evidências
Práticas de enfermagem baseadas em evidências
 
Ressumo do ary professora karol
Ressumo do ary  professora karolRessumo do ary  professora karol
Ressumo do ary professora karol
 
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
 
01 a pesquisa clínica no brasil 2004
01   a pesquisa clínica no brasil 200401   a pesquisa clínica no brasil 2004
01 a pesquisa clínica no brasil 2004
 
Teste rápido por que não 2007
Teste rápido   por que não 2007Teste rápido   por que não 2007
Teste rápido por que não 2007
 
{10254b6a-d471-4a85-b953-72fd49c1c10e}_Os_impactos_da_tecnologia_para_uma_med...
{10254b6a-d471-4a85-b953-72fd49c1c10e}_Os_impactos_da_tecnologia_para_uma_med...{10254b6a-d471-4a85-b953-72fd49c1c10e}_Os_impactos_da_tecnologia_para_uma_med...
{10254b6a-d471-4a85-b953-72fd49c1c10e}_Os_impactos_da_tecnologia_para_uma_med...
 
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
 
Política nacional de atenção à saúde do homem
Política nacional de atenção à saúde do homemPolítica nacional de atenção à saúde do homem
Política nacional de atenção à saúde do homem
 
Puericultura em Angola
Puericultura em AngolaPuericultura em Angola
Puericultura em Angola
 
Territorialização: Base para a Organização e Planejamento em Saúde
Territorialização: Base para a Organização e Planejamento em SaúdeTerritorialização: Base para a Organização e Planejamento em Saúde
Territorialização: Base para a Organização e Planejamento em Saúde
 
Dialnet o protocolo-demanchesternosistemaunicodesaudeeaatuac-4901268
Dialnet o protocolo-demanchesternosistemaunicodesaudeeaatuac-4901268Dialnet o protocolo-demanchesternosistemaunicodesaudeeaatuac-4901268
Dialnet o protocolo-demanchesternosistemaunicodesaudeeaatuac-4901268
 
G1103015156
G1103015156G1103015156
G1103015156
 
Ensino em atencao_oncologica_no_brasil
Ensino em atencao_oncologica_no_brasilEnsino em atencao_oncologica_no_brasil
Ensino em atencao_oncologica_no_brasil
 
Diretrizes abem sbmfc_2012
Diretrizes abem sbmfc_2012Diretrizes abem sbmfc_2012
Diretrizes abem sbmfc_2012
 
Roncalli
RoncalliRoncalli
Roncalli
 
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
 
Residencia Uerj Donato
Residencia Uerj DonatoResidencia Uerj Donato
Residencia Uerj Donato
 
Residecnia uerj donato
Residecnia uerj donatoResidecnia uerj donato
Residecnia uerj donato
 
1075
10751075
1075
 
Nir
NirNir
Nir
 

Exames de apoio diagnostico

  • 1. 1 MFSF Brito Exames de apoio diagnóstico: uma reflexão sobre a prática de solicitação Maria Fernanda Santos Figueiredo Brito1 1 Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES. mfsfbrito@yahoo.com.br Os exames de apoio diagnóstico contribuem em muito para o avanço da assistência à saúde(1-3) , tendo o importante papel de auxiliar o profissional médico em sua decisão clínica, cooperando para a realização de prevenção, diagnóstico, prognóstico e tratamento das doenças(4,5) . Diante disso, colaboram para um atendimento médico seguro, eficaz e eficiente(1,2) . Atualmente, uma grande variedade em relação ao tipo e à complexidade de exames tem sido disponibilizada aos médicos(1,2,6) . Todavia, tal benefício está atrelado a sua indicação adequada. A prática apropriada de solicitação de exames pelos médicos possibilita o uso racional dos recursos diagnósticos, evita gastos desnecessários e a sobrecarga dos serviços propedêuticos, facilita o funcionamento dos serviços de saúde, propicia um atendimento médico de maior segurança ao paciente e uma atuação médica legalmente respaldada. EDITORIAL
  • 2. MFSF Brito Revista Norte Mineira de Enfermagem. 2014;3(2):01-05 2 No entanto, em muitos momentos, tem-se percebido que a solicitação dos exames de apoio diagnóstico, na prática médica, tem sido realizada de maneira não padronizada, indiscriminada e sem critério(3,7) , deixando o exame de figurar-se, realmente, como complementar durante o atendimento clínico. Essa situação tem como uma de suas origens a formação do profissional médico, tanto no âmbito da graduação, como nos processos de aperfeiçoamento profissional(2,6,8) , os quais têm sido, geralmente, influenciados pelo modelo flexneriano(2,9) ; nas políticas de saúde e na conformação da assistência à saúde, historicamente, desenhados para funcionar em situação de pressão, a fim de estabelecer o diagnóstico e atenuar os sintomas rapidamente, tendo para isso o uso recorrente dos exames diagnósticos(10) ; no cotidiano dos serviços de saúde, que lidam com a constante demanda dos pacientes por exames(6,10,11) e na oferta, muitas vezes, insuficiente dos recursos propedêuticos à necessidade da população(10) e; nos aspectos culturais que envolvem essa prática, no qual, a sociedade, ao longo da história, tem atribuído um alto valor aos exames(6,12) , decorrente da concepção biomédica que grande parte dos usuários possui(10,11,12) . Todavia, a preocupação sobre a prática de solicitação de exames e sobre os fatores que a envolvem, ainda, tem sido incipientes no ensino das escolas de medicina, na atuação médica e na gestão dos serviços de saúde, o que reflete, em parte, a forma como essa questão é conduzida, apesar do reconhecimento de que a dinâmica da solicitação e da realização dos exames diagnósticos constitui uma das principais problemáticas enfrentadas no contexto atual de saúde. Nesse sentido, a sua discussão precisa ser permeada pela reflexão sobre a necessidade da prática apropriada da indicação dos exames diagnósticos, o que vai além de apenas diminuir ou não a sua solicitação. Algumas medidas têm sido implementadas no âmbito do sistema de saúde, a fim de aprimorar a prática de se pedir exames, tais como os sistemas de suporte de decisão clínica(13) , a instituição de protocolos, de diretrizes clínicas e de sistemas de controle de qualidade(6,14) , as cartilhas de orientações sobre os exames para os profissionais e os usuários(6) dentre outros. Entretanto, grande parte das medidas instituídas depende do uso voluntário do médico, apresentando-se insuficientes para mudar a realidade da prática de solicitação de exames(6, 13,14) . Portanto, torna-se fundamental obter o conhecimento sobre a realidade da indicação dos exames diagnósticos pelos médicos e das áreas que os influenciam individualmente. É imprescindível também, que mudanças sejam realizadas em relação ao ensino da prática de solicitação de exames durante a formação médica, que precisa ser direcionada pelas necessidades de aprendizagem dos profissionais, fundamentada em métodos ativos de ensino-aprendizagem, a
  • 3. MFSF Brito Revista Norte Mineira de Enfermagem. 2014;3(2):01-05 3 fim de propiciar uma aprendizagem significativa. Ademais, é importante que práticas educativas em saúde sejam realizadas para a população em geral, com enfoque na promoção e proteção à saúde, a fim de minimizar a histórica supervalorização dos exames diagnósticos. Os gestores em saúde também precisam ser capacitados para realizar o gerenciamento apropriado desse recurso de saúde. Espero que este editorial contribua para a reflexão da comunidade acadêmica, dos profissionais de saúde, dos estudantes e dos gestores e da sociedade sobre a necessidade de se utilizar adequadamente e de forma racional os métodos propedêuticos, com o intuito de produzir uma prática clínica de maior segurança e eficácia. Acredito que tal reflexão possa colaborar para uma inquietação dos pesquisadores sobre a necessidade de se investigar a realidade da prática de solicitação de exames pelos médicos em seus diversos cenários de atuação e os fatores associados, tendo em vista que, apesar da magnitude dessa temática, poucos são os estudos que abordam diretamente esse assunto. Referências 1. Sood R, Sood A, Ghosh AK. Non-evidence-based variables affecting physicians’ test-ordering tendencies: a systematic review.The Neth J Med. [Internet]. 2007 [citado 2011 Jun 05]; 65(5): 167- 77. Disponível em: http://www.njmonline.nl/getpdf.php?id=10000176. 2. Smith BR, Aguero-Rosenfeld M, Anastasi J, Beverly B, Berg A, Bock JL, et al. Educating medical students in laboratory medicine: a proposed curriculum. Am J ClinPathol. [Internet]. 2010 [citado 2013 Jun 18]; 133(4): 533-42. Disponível em:http://ajcp.ascpjournals.org/content/133/4/533.long. 3. Capilheira MR, Santos IS. Epidemiologia da solicitação de exame complementar em consultas médicas. Rev Saúde Pública. [Internet]. 2006 [citado 2013 Set 04];40(2):289-97. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003489102006000200015&lng=en&nrm =iso. 4. Campana GA, Oplusutil CP, Faro LB. Tendências em medicina laboratorial. J. Bras. Patol. Med. Lab.[Internet]. 2011 [citado 2013 Set 11];47(4):399-408. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S167624442011000400003&lng=en&nrm =iso. 5. Andriolo A. O laboratório clínico e os intervalos de referência. J. Bras. Patol. Med. Lab.[Internet]. 2010 [citado 2014 Mai 30]; 46(6):0-0. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1676-24442010000600002&lng=en.
  • 4. MFSF Brito Revista Norte Mineira de Enfermagem. 2014;3(2):01-05 4 6. Morrison A. Appropriate Utilization of Advanced Diagnostic Imaging Procedures: CT, MRI, and PET/CT [Environmental Scan, Issue 39] [Internet]. Ottawa: Canadian Agency for Drugs and Technologies in Health, 2013. [citado 2013 Dez 27]. Disponível em: http://www.cadth.ca/media/pdf/PFDIESLiteratureScan_e_es.pdf. 7. Sistrom C, McKay NC, Weilburg JB, Atlas SJ, Ferris TG. Determinants of Diagnostic Imaging Utilization in Primary Care.Am J ManagCare.[Internet]. 2012 [citado 2012 Dez 19];18(4):135-44. Disponível em: http://www.ajmc.com/publications/issue/2012/2012-4-vol18-n4/determinants-of- diagnostic-imaging-utilization-in-primary-care. 8. Wilson ML. Educating medical students in laboratory medicine.Am J ClinPathol.[Internet]. 2010 [citado 2013 Jun 18]; 133(4):525–8. Disponível em: http://ajcp.ascpjournals.org/content/133/4/525.long. 9. Almeida Filho N. Reconhecer Flexner: inquérito sobre produção de mitos na educação médica no Brasil contemporâneo. Cad. Saúde Pública. [Internet]. 2010 [citado 2013 Dez 09]; 26(12): 2234- 49. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102- 311X2010001200003. 10. Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2012. 11. Gomes, KO, Cotta RMM, Araújo RMA, Cherchiglia ML, Martins TCP. Atenção Primária à Saúde - a "menina dos olhos" do SUS: sobre as representações sociais dos protagonistas do Sistema Único de Saúde. Ciênc. saúde coletiva. [Internet]. 2011 [citado 2013 Jul 15]; 16 (1 Suppl): 881-92. Disponível em: http:// www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413- 81232011000700020&lng=en. 12. Hafner MLM, Moraes MAA, Marvulo, MML, Braccialli, LAD, Carvalho MHR, Gomes R. A formação médica e a clínica ampliada: resultados de uma experiência brasileira. Ciência saúde coletiva. [Internet]. 2010 [citado 2013 Dez 09]; 15(1 Suppl):1715-24. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232010000700083&lng=pt&n rm=iso. 13. Ferrante JM, Balasubramanian BA, Hudson SV, Crabtree BF. Principles of the patient-centered medical home and preventive services delivery. Ann Fam Med. [Internet]. 2010 [citado 2011 Set 21]; 8(2):108-16. Disponível em: http://www.annfammed.org/content/8/2/108.full.pdf+html. 14 .Miglioretti DL, Rutter CM, Bradford SC, Zauber AG, Kessler LG, Feuer EJ, et al. Improvement in the diagnostic evaluation of a positive fecal occult blood test in an integrated health care
  • 5. MFSF Brito Revista Norte Mineira de Enfermagem. 2014;3(2):01-05 5 organization. Med Care.[Internet]. 2008 [citado 2011 Set 28]; 46(9 Suppl):S91-6. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18725839.