SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA


                       LISTA DE EXERCÍCIOS DE REDES

Disciplina : Comunicação de Dados
Professor : Hugo Santana Lima


1 – Nas afirmações abaixo, marque CERTO (C) ou ERRADO (E).

 (E) Protocolo refere-se à forma como os enlaces físicos e os nós de comutação estão
     organizados.
 (E) No modelo OSI, as entidades da camada N implementam um serviço usado pela
     camada N + 1. Neste caso a camada N é chamada de usuária do serviço e a camada
     N + 1 é chamada de provedora do serviço.
 (E) O modelo OSI tem 7 camadas e é usado na Internet.
 (C) É possível ter um serviço orientado à conexão sem confirmação.
 (C) Serviços orientados à conexão garantem sequenciamento das unidades de
     informação transmitidas.
 (C) Serviço de datagrama é um serviço não orientado à conexão.
 (E) A arquitetura TCP/IP é organizada em 7 camadas conceituais.

2 – Qual a principal diferença entre a comunicação sem conexão e a comunicação
orientada à conexão.
(Tanenbaum) O serviço orientado à conexão se baseia no sistema telefônico, para um
usuário utilizar um serviço de rede orientado à conexão, inicialmente estabelece uma
conexão.
Por outro lado, o serviço sem conexão é baseado no sistema postal. Cada mensagem
carrega o endereço de destino completo e cada um deles é roteado através do sistema
independentemente de todos os outros.

3 – Quais são as principais razões para se usar protocolo em camadas ?
(Tanenbaum) Um conjunto de camadas de protocolos é chamado de arquitetura de rede.
A especificação de uma arquitetura deve conter informações suficientes para permitir que
um implementador desenvolva o programa ou construa o hardware de cada camada de
modo que ela transmita corretamente o protocolo adequado. Nem os detalhes da
implementação nem a especificação das interfaces pertencem à arquitetura, pois tudo fica
escondido dentro da máquina, longe do alcance dos olhos. Não há no entanto, a menor
necessidade de que as interfaces de todas as máquinas de uma rede sejam iguais, desde
que cada uma delas possa usar t6odos os protocolos.

4a – Qual a diferença entre um serviço com confirmação e um serviço sem confirmação ?
Veja as alternativas apresentadas a seguir e diga qual delas pode ser serviço com
confirmação, serviço sem confirmação, ambos ou nenhum deles.




                                                                                      1
a) estabelecimento de conexão
         b) transmissão de dados
         c) liberação de conexão
( Soares pág. 131) Um serviço denominado confirmado ou com confirmação envolve acordo
entre o usuário que solicita o serviço (solicitante) e outro usuário é informado que o
serviço foi solicitado e o aceita (acolhedor). Os serviços confirmados consistem na troca
de quatro primitivas: service.REQUEST (invocada pelo usuário solicitante),
service.INDICATION (entregue pelo fornecedor do serviço ao usuário que aceita o
serviço), service.RESPONSE (invocada pelo usuário que aceita o serviço), e
service.CONFIRMATION) (entregue ao solicitante pelo fornecedor).
Nos serviços não-confirmados ou sem confirmação, não é necessário que os usuários
solicitante e acolhedor acordem sobre a realização do serviço. Esses serviços consistem
em apenas duas primitivas: service.REQUEST (invocada pelo solicitante), e
service.INDICATION (entregue ao acolhedor pelo fornecedor).

   a) estabelecimento de conexão – SERVIÇO COM CONFIRMAÇÃO
   b) transmissão de dados – SERVIÇO SEM CONFIRMAÇÃO
   c) liberação de conexão – SERVIÇO COM ou SEM CONFIRMAÇÃO

4b – Cite duas formas em que os modelos de referência OSI e TCP/IP são iguais. Agora
cite duas formas em que eles são diferentes.
(Tanenbaum) Os dois modelos de referência OSI e TCP/IP têm muito em comum. Os
dois se baseiam no conceito de uma pilha de protocolos independentes. Além disso, as
camadas têm praticamente as mesmas funções.Em ambos os modelos, por exemplo, estão
presentes as camadas que englobam até a camada de transporte. Nesses modelos, são
oferecidos aos processos que desejam se comunicar um serviço de transporte fim a fim
independente do tipo de rede que está sendo usado. Essas camadas formam o provedor de
transporte. Mais uma vez em ambos os modelos, as camadas acima da camada de
transporte dizem respeito aos usuários orientados à aplicação do serviço de transporte.
Apesar dessas semelhanças fundamentais, os dois modelo também têm muitas diferenças.
Algumas delas são:
O modelo OSI tem sete camadas e o TCP/IP, quatro. Ambos têm as camadas de
(inter-) rede, transporte e aplicação, mas as outras s ao diferentes.
Outra diferença está na área da comunicação sem conexão e da comunicação orientada à
conexão. Na camada de rede, o modelo OSI é compatível com a comunicação orientada à
conexão; no entanto, na camada de transporte, o modelo aceita apenas a comunicação
orientada à conexão, onde ela de fato é mais importante (pois o serviço de transporte é
visível para os usuários). O modelo TCP/IP tem apenas um modo na camada de rede
(sem conexão), mas aceita ambos os modelos na camada de transporte, oferecendo aos
usuários uma opção de escolha. Essa escolha é especialmente importante para os
protocolos simples de solicitação/resposta.

5 – Determine em que camadas do modelo OSI são realizadas as seguintes tarefas:
       a) divide o fluxo dos bits transmitidos em quadros
       (Tanenebaum) Camada de Enlace de Dados
       b) determina a rota através da sub-rede que será usada



                                                                                       2
(Tanenebaum) Camada de Rede
       c) provê serviços de sincronização
       (Tanenbaum) Camada de Sessão

6 – Quais são as principais funções das 7 camadas do modelo OSI ?

Nível Físico: fornece as características mecânicas, elétricas, funcionais e de procedimento
para ativar, manter e desativar conexões físicas para a transmissão de bits entre entidades
de nível de enlace.
A função de nível físico é permitir o envio de uma cadeia de bits pela rede sem se
preocupar com o seu significado ou com a forma como esses bits são agrupados. Não é
função deste nível tratar de problemas tais como erros de transmissão.

Nível de Enlace de Dados: O objetivo desse nível é detectar e opcionalmente corrigir
erros que por ventura ocorram no nível físico. O nível de enlace vai assim converter um
canal de transmissão não confiável em um canal confiável para o uso do nível de rede. A
técnica utilizada para conseguirmos isso é a partição da cadeia de bits a serem enviados
ao nível físico, em quadros, cada um contendo alguma forma de redundância para
detecção de erros.
Entre as funções do nível de enlace, encontra-se a de criar e reconhecer os limites dos
quadros. Basicamente quatro métodos são utilizados na delimitação dos quadros:
contagem de caracter, transparência de caracter, transparência de bits e detecção de
quadros pela violação de códigos de sinal no meio físico. A maioria dos protocolos de
nível de enlace, principalmente aqueles para redes geograficamente distribuídos, se
utilizam de transparência de bits.
Em geral quase todos os protocolos de nível de enlace incluem bits de redundância em
seus quadros para detecção de erros, mas não a sua correção.

Nível de Rede: o objetivo do nível de rede é fornecida ao nível de transporte com uma
independência quanto a consideração de chaveamento e roteamento associadas ao
estabelecimento e operação de uma conexão de rede.
Existem duas filosofias quanto ao serviço oferecido pelo nível de redes: datagrama e
circuito virtual.
No serviço de datagrama (serviço não-orientado à conexão), cada pacote não tem relação
alguma de passado ou futuro com qualquer outro pacote, devendo assim carregar seu
endereço de destino. O roteamento é calculado toda vez que um pacote tem que ser
encaminhado por um nó da rede.
No serviço de circuito virtual (serviço orientado à conexão), é necessário que o
transmissor primeiramente envie um pacote de estabelecimento de conexão. A cada
estabelecimento é dado um número, correspondente ao circuito, para uso pelos pacotes
subsequentes com o mesmo destino. Nesse método, os pacotes pertencentes a uma única
conversação não são independentes.

Nível de Transporte: o nível de rede não garante necessariamente que um pacote chegue a
seu destino, e pacotes podem ser perdidos ou mesmo chegar fora da sequência original de
transmissão. Para fornecer uma comunicação fim a fim verdadeiramente confiável é



                                                                                         3
necessário um outro nível de protocolo, que é justamente o nível de transporte, pois este
vai isolar os níveis superiores a parte de transmissão da rede.
Duas funções importantes desse nível são: multiplexação (várias conexões de transporte
partilhando a mesma conexão de rede) e o splitting (uma conexão de transporte ligada a
várias conexões de rede) de conexões.
O splitting é utilizado para aumentar a vazão de uma conexão de transporte através do
uso de várias conexões de rede simultaneamente. Já a multiplexação é usada quando uma
conexão de transporte não gera tráfego suficiente para ocupar toda a capacidade da
conexão de rede por ela utilizada.
Uma outra função importante do nível de transporte é o controle de fluxo. Como
nenhuma implementação tem um espaço de armazenamento infinito, algum mecanismo
deve ser fornecido de modo a evitar que transmissor envie mensagens numa taxa maior
do que a capacidade que o receptor tem de recebe-las.

Nível de Sessão: O nível de sessão fornece mecanismos que permitem estruturar os
circuitos oferecidos pelo nível de transporte. Os principais serviços fornecidos pelo nível
de sessão são: gerenciamento de token, controle de diálogo e gerenciamento de
atividades.
Em algumas aplicações, um volume muito grande de dados, por exemplo um arquivo
extenso, é transmitido em redes muitas vezes não muito confiáveis. Embora o nível de
transporte tente oferecer um circuito confiável, a rede pode simplesmente deixar de
funcionar. Só resta ao nível de transporte indicar a falha e deixar a aplicação decidir o
que deve ser feito. Eventualmente, a rede, poderá voltar a funcionar, e a conexão ser
reestabelecida. Nesse caso o ideal seria que a transferência dos dados pudesse ser
retomada do ponto inicialmente anterior ao da interrupção. O nível de sessão utiliza o
conceito de ponto de sincronização, que é uma marca lógica posicionada ao longo do
diálogo entre dois usuários do serviço de sessão. Se por algum motivo a conexão for
interrompia e depois reestabelecida, os usuários podem retomar o diálogo a partir do
último ponto de sincronização confirmada.

 Nível de Apresentação: A função do nível de apresentação é a de realizar transformações
adequadas nos dados, antes de seu envio ao nível de sessão. Transformações típicas
dizem respeito à compressão de textos, criptografia, conversão de padrões de terminais e
arquivos para padrões de rede e vice-versa.
O nível de apresentação deve conhecer a sintaxe do seu sistema local bem como a sintaxe
do sistema de transferência. Os serviços oferecidos por este nível são: transformação de
dados, formatação de dados, seleção de sintaxe e estabelecimento e manutenção de
conexões de apresentação.

 Nível de Aplicação: O nível de aplicação oferece aos processos de aplicação os meios
para que estes utilizem o ambiente de comunicação OSI. Nesse nível são definidas as
funções de gerenciamento e mecanismos genéricos que servem de suporte à construção
de aplicações distribuídas.
Além dos elementos de serviço genéricos, que são compartilhados pela maioria das
aplicações, existem elementos de serviço específicos de cad protocolo de aplicação como




                                                                                         4
o FTAM (File Transfer, Acces and Management), o DS (Directory Service), e o MHS
(Message Handling System).
7 – Quais primitivas de serviço são trocadas no estabelecimento de uma conexão?
Descreva este processo de troca de primitivas.
CONNECT.request – Solicita o estabelecimento de uma conexão.
CONNECT.indication – Sinalização da parte para a qual foi feita a chamada
CONNECT.response – Usada pelo receptor da chamada para aceitá-la ou rejeita-la.
CONNECT.confirmation – Permite que a origem da chamada saiba se ela foi aceita.

8 – Defina:

   (a) protocolo
   (Tanenbaum) é um conjunto de regras que controla o formato e o significado dos
   quadros, pacotes ou mensagens trocados pelas entidades pares contidas em uma
   camada.
   (b) interface
   (Tanenbaum) Entre cada par de camadas adjacentes, há uma interface. A interface
   define operações e serviços que a camada inferior tem a oferecer para a camada
   superior a ela.
   (c) camada
   (Tanenbaum) Para reduzir a complexidade do projeto, a maioria das redes foi
   organizada como uma série de camadas ou níveis, que são colocados m em cima do
   outro. O número, o nome, o conteúdo e a função de cada camada difere de uma rede
   para outra. Em todas as redes, no entanto, o objetivo de cada camada é oferecer
   determinados serviços para as camadas superiores, ocultando detalhes da
   implementação desses recursos.
   (d) serviço
   (Tanenbaum) É um conjunto de primitivas (operações) que uma camada oferece para
   a camada acima dela. O serviço define as operações para a camada que está preparada
   para executar e satisfazer a seus usuários, mas ele nada tem a ver com o modo como
   essas operações são implementadas.
   (e) entidade
   (Soares) Os elementos ativos das camadas são denominados entidades. Um entidade
   pode ser uma entidade de software (um processo) ou hardware (uma placa de
   interface de rede).
   (f) entidade par
   (Soares) Entidades da mesma camada em máquinas diferentes são denominadas
   entidades pares ou parceiras.
   (g) camada usuária de serviço
   (Tanenbaum) (ver item h) e a camada N+1 é chamada de camada de usuária de
   serviço.
   (h) camada provedora de serviço.
   (Tanenbaum) Ass entidades da camada N implementam um serviço usado pela
   camada N+1. Nesse caso a camada N é chamada de camada provedora de serviço.
   (i) SAP (Ponto de Acesso a Serviços)




                                                                                    5
(Tanenbaum) Os serviços estão disponíveis em Service Access Points. Os SAPs da
   camada N são locais onde a camada N+1 pode acessar os serviços. Cada SAP tem um
   endereço exclusivo, que o identifica.
   (j) SDU (Unidade de Dados de Serviço)
   (Soares) na transmissão de dados no modelo OSI, o processo começa com a entrega
   dos dados a serem transmitidos pelo usuário para a entidade do nível de aplicação em
   um sistema. Os dados do usuário recebem a denominação Unidade de Dados do
   Serviço (Service Data Unit- SDU).
   (k) PDU (Unidade de Dados do Protocolo)
   (Soares) A entidade da camada de aplicação junta aos dados do usuário um cabeçalho
   denominado Informação de Controle do Protocolo (Protocol Control Information –
   PCI). O objeto resultante da junção é chamado Unidade de Dados do Protocolo
   (Protocol Data Unit – PDU). A PDU é a unidade de informação trocada pelas
   entidades pares, ao executar o protocolo de uma camada, para oferecer o serviço que
   cabe à camada em questão.

9 – Explique as responsabilidades de cada uma das camadas do modelo TCP/IP.
A arquitetura TCP/IP, assim como OSI realiza a divisão de funções do sistema de
comunicação em estruturas de camadas. Em TCP/IP as camadas são:
       Aplicação
       Tranporte
       Inter-Rede
       Rede
A figura 1 ilustra a divisão em camadas da arquitetura TCP/IP:

   Aplicação
                         Mensagens da aplicação

   Transporte

   Inter-rede
                         Datagramas IP

     Rede             HDLC, X.25, PPP, SLIP,
                      Ethernet, Token-Ring, FDDI,
                      ATM, LLC, NDIS, ...

Camada de rede

A camada de rede é responsável pelo envio de datagramas construídos pela camada Inter-
Rede. Esta camada realiza também o mapeamento entre um endereço de identificação de
nível Inter-rede para um endereço físico ou lógico do nível de Rede. A camada Inter-
Rede é independente do nível de Rede.
Alguns protocolos existentes nesta camada são:
• Protocolos com estrutura de rede própria (X.25, Frame-Relay, ATM)
• Protocolos de Enlace OSI (PPP, Ethernet, Token-Ring, FDDI, HDLC, SLIP, …)
• Protocolos de Nível Físico (V.24, X.21)
• Protocolos de barramento de alta-velocidade (SCSI, HIPPI, …)
• Protocolos de mapeamento de endereços (ARP - Address Resolution Protocol) - Este
   protocolo pode ser considerado também como parte da camada Inter-Rede.



                                                                                     6
Os protocolos deste nível possuem um esquema de identificação das máquinas
interligadas por este protocolo. Por exemplo, cada máquina situada em uma rede
Ethernet, Token-Ring ou FDDI possui um identificador único chamado endereço MAC
ou endereço físico que permite distinguir uma máquina de outra, possibilitando o envio
de mensagens específicas para cada uma delas. Tais rede são chamadas redes locais de
computadores.
Da mesma forma, estações em redes X.25, Frame-Relay ou ATM também possuem
endereços que as distinguem uma das outras.
As redes ponto-a-ponto, formadas pela interligação entre duas máquinas não possuem,
geralmente, um endereçamento de nível de rede (modelo TCP/IP), uma vez que não há
necessidade de identificar várias estações.


Camada Inter-Rede

Esta camada realiza a comunicação entre máquinas vizinhas através do protocolo IP. Para
identificar cada máquina e a própria rede onde estas estão situadas, é definido um
identificador, chamado endereço IP, que é independente de outras formas de
endereçamento que possam existir nos níveis inferiores. No caso de existir
endereçamento nos níveis inferiores é realizado um mapeamento para possibilitar a
conversão de um endereço IP em um endereço deste nível.
Os protocolos existentes nesta camada são:
• Protocolo de transporte de dados: IP - Internet Protocol
• Protocolo de controle e erro: ICMP - Internet Control Message Protocol
• Protocolo de controle de grupo de endereços: IGMP - Internet Group Management
   Protocol
• Protocolos de controle de informações de roteamento
O protocolo IP realiza a função mais importante desta camada que é a própria
comunicação inter-redes. Para isto ele realiza a função de roteamento que consiste no
transporte de mensagens entre redes e na decisão de qual rota uma mensagem deve seguir
através da estrutura de rede para chegar ao destino.
O protocolo IP utiliza a própria estrutura de rede dos níveis inferiores para entregar uma
mensagem destinada a uma máquina que está situada na mesma rede que a máquina
origem. Por outro lado, para enviar mensagem para máquinas situadas em redes distintas,
ele utiliza a função de roteamento IP. Isto ocorre através do envio da mensagem para uma
máquina que executa a função de roteador. Esta, por sua vez, repassa a mensagem para o
destino ou a repassa para outros roteadores até chegar no destino.




                                                                                        7
Host A                                                    Host A
                               Mensagem
 Aplicação                      idêntica                     Aplicação
                                 Pacote
                                idêntico
Transporte                                                   Transporte
                               Roteador
Inter-Rede       Datagrama    Inter-rede      Datagrama      Inter-Rede
                  idêntico                     idêntico


  Rede                       Rede     Rede                     Rede
                 Quadro                         Quadro
                 idêntico                       idêntico



             Rede Física 1                   Rede Física 2

Camada de Transporte

Esta camada reúne os protocolos que realizam as funções de transporte de dados fim-a-
fim, ou seja, considerando apenas a origem e o destino da comunicação, sem se
preocupar com os elementos intermediários. A camada de transporte possui dois
protocolos que são o UDP (User Datagram Protocol) e TCP (Transmission Control
Protocol).
O protocolo UDP realiza apenas a multiplexação para que várias aplicações possam
acessar o sistema de comunicação de forma coerente.
O protocolo TCP realiza, além da multiplexação, uma série de funções para tornar a
comunicação entre origem e destino mais confiável. São responsabilidades do protocolo
TCP: o controle de fluxo, o controle de erro, a sequenciação e a multiplexação de
mensagens.
A camada de transporte oferece para o nível de aplicação um conjunto de funções e
procedimentos para acesso ao sistema de comunicação de modo a permitir a criação e a
utilização de aplicações de forma independente da implementação. Desta forma, as
interfaces socket ou TLI (ambiente Unix) e Winsock (ambiente Windows) fornecem um
conjunto de funções-padrão para permitir que as aplicações possam ser desenvolvidas
independentemente do sistema operacional no qual rodarão.
Camada de Aplicação

A camada de aplicação reúne os protocolos que fornecem serviços de comunicação ao
sistema ou ao usuário. Pode-se separar os protocolos de aplicação em protocolos de
serviços básicos ou protocolos de serviços para o usuário:
Protocolos de serviços básicos, que fornecem serviços para atender as próprias
necessidades do sistema de comunicação TCP/IP: DNS, BOOTP, DHCP
Protocolos de serviços para o usuário: FTP, HTTP, Telnet, SMTP, POP3, IMAP, TFTP,
NFS, NIS, LPR, LPD, ICQ, RealAudio, Gopher, Archie, Finger, SNMP e outros

10 – Qual a diferença entre protocolos e interfaces.
   Protocolo: é um conjunto de regras que controla o formato e o significado dos
   quadros, pacotes ou mensagens trocados pelas entidades pares contidas em uma
   camada.
   Interface: define as operações e serviços que a camada inferior tem a oferecer para a
   camada superior a ela.



                                                                                      8
11 – Qual a função dos cabeçalhos de uma PDU?
(Tanenbaum) Os cabeçalhos da PDU (Protocol Data Unit), são utilizados pelas entidades
pares para executar seu protocolo. Eles identificam as PDUs que contêm dados e as que
contêm informaçõees de controloe, além de oferecerem contagens e números de
seqüência.

12 – Descreva os protocolos definidos pelos padrões:

   (a) IEEE 802.1
   (b) IEEE 802.2
   (c) IEEE 802.3
   (d) IEEE 802.4
   (e) IEEE 802.6

13 – Descreva as três fases de operação de uma transmissão orientada à conexão.
(Tanenebaum)
1º. Estabelecimento da conexão:
CONNECT.request – Solicita o estabelecimento de uma conexão.
CONNECT.indication – Sinalização da parte para a qual foi feita a chamada
CONNECT.response – Usada pelo receptor da chamada para aceitá-la ou rejeita-la.
CONNECT.confirmation – Permite que a origem da chamada saiba se ela foi aceita.

2º Transferência de Dados:
DATA.request – Solicita o envio de dados.
DATA.indication –Sinal de chegada dos dados

3º Liberação da conexão
DISCONNECT.request – Solicita o encerramento de uma conexão
DISCONNECT.indication – Sinal do par sobre a solicitação.

   12) Qual a diferença entre uma rede de pacotes datagrama e uma rede orientada por
       circuitos virtuais? Dê sua resposta com base em parâmetros gerais de Qualidade
       de Serviço aplicados para transferência de dados em tempo real.

Em uma rede de pacotes o roteamento é realizado com base no endereço IP e no roteador
os pacotes são analisados antes de serem encaminhados para o nó de saída ( o roteamento
pode ser do tipo store and forwarding ou cut-trought). Notar que os pacotes de uma
determinada informaç~çao podem seguir por caminhos diferentes na rede, gerando assim
maior atraso e perda de qualidade na entrega da informação.

Em uma rede orientada por circuitos virtuais, os comutadores definem um determinado
canal virtual de comutação entre a porta de entrada e saída, e o mantém de forma
permanente o comutada (PVC ou SVC ) durante o tráfego de informação. Isto gera um
atraso menor na transmissão da informação ao longo da rede.




                                                                                        9
Em pacotes de tempo real, o parâmetro atraso é de extrema relevância, assim redes com
circuitos virtuais oferecem maior qualidade de serviço pelo fato de possuírem menor
atraso de comutação no nós e ainda por garantir um canal dedicado de comunicação fim-
a-fim.


   13) Comente seu entendimento sobre PVC e SVC. Quais protocolos podem
       implementar tal facilidade ?

PVC Permanent Virtual Circuit ; conexão permanentemente programada fim-a-fim entre
os elementos de uma rede que utiliza tal facilidade.
SVC Switched Virtual Circuit : conexão comutada apenas no instante de transmissão da
informação. As switches da rede entram em comunicação (através do canal de
sinalização) e estabelecem um caminho fixo para a transmissão de informação.
Terminada a transmissão o circuito é desfeito.
Protocolo como ATM, X.25 e Frame Relay




                                                                                   10

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho de informatica
Trabalho de informaticaTrabalho de informatica
Trabalho de informatica
acmr20
 
Como montar uma rede cabeada
Como montar uma rede cabeadaComo montar uma rede cabeada
Como montar uma rede cabeada
Mangaka Junior Domingos Domingos
 
Apresentacao em Power Point
Apresentacao em Power PointApresentacao em Power Point
Apresentacao em Power Point
guest559b0163
 
Const. gráficos termop. final
Const. gráficos termop. finalConst. gráficos termop. final
Const. gráficos termop. final
Gina Espenica
 
Ccna -modulo1 conceitos basicos de redes
Ccna  -modulo1 conceitos basicos  de redesCcna  -modulo1 conceitos basicos  de redes
Ccna -modulo1 conceitos basicos de redes
Diego Rodrigues
 
Powerpoint tipologia de rede
Powerpoint tipologia de redePowerpoint tipologia de rede
Powerpoint tipologia de rede
jose-ferreirabaptista
 
Coordenação. Subordinação
Coordenação. SubordinaçãoCoordenação. Subordinação
Coordenação. Subordinação
Rosalina Simão Nunes
 
Recursos estilísticos
Recursos estilísticosRecursos estilísticos
Recursos estilísticos
Ana Arminda Moreira
 
Placas de rede
Placas de redePlacas de rede
Placas de rede
Patrícia Morais
 
Cheklist manutenção de computadores v2
Cheklist   manutenção de computadores v2Cheklist   manutenção de computadores v2
Cheklist manutenção de computadores v2
grgerenciaba
 
Palestra manutenção de smarts
Palestra manutenção de smartsPalestra manutenção de smarts
Palestra manutenção de smarts
Marcos Jerônimo dos Santos
 
Rede de computadores_-_conceitos
Rede de computadores_-_conceitosRede de computadores_-_conceitos
Rede de computadores_-_conceitos
cristiano_infosys
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
home
 
Arquitetura de Computadores: Conceitos básicos
Arquitetura de Computadores: Conceitos básicosArquitetura de Computadores: Conceitos básicos
Arquitetura de Computadores: Conceitos básicos
Alex Camargo
 
Packet Tracer
Packet TracerPacket Tracer
Packet Tracer
danists
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
1 antigo regime e revolução inglesa
1  antigo regime e revolução inglesa1  antigo regime e revolução inglesa
1 antigo regime e revolução inglesa
Marilia Pimentel
 
Sistemas digitais e analógicos
Sistemas digitais e analógicosSistemas digitais e analógicos
Sistemas digitais e analógicos
Carlos Pereira
 
Hardware e redes de computadores (Componente, tipos de redes e topologias)
Hardware e redes de computadores (Componente, tipos de redes e topologias)Hardware e redes de computadores (Componente, tipos de redes e topologias)
Hardware e redes de computadores (Componente, tipos de redes e topologias)
Augusto Nogueira
 
Comunicação de dados!
Comunicação de dados!Comunicação de dados!
Comunicação de dados!
Armando Rivarola
 

Mais procurados (20)

Trabalho de informatica
Trabalho de informaticaTrabalho de informatica
Trabalho de informatica
 
Como montar uma rede cabeada
Como montar uma rede cabeadaComo montar uma rede cabeada
Como montar uma rede cabeada
 
Apresentacao em Power Point
Apresentacao em Power PointApresentacao em Power Point
Apresentacao em Power Point
 
Const. gráficos termop. final
Const. gráficos termop. finalConst. gráficos termop. final
Const. gráficos termop. final
 
Ccna -modulo1 conceitos basicos de redes
Ccna  -modulo1 conceitos basicos  de redesCcna  -modulo1 conceitos basicos  de redes
Ccna -modulo1 conceitos basicos de redes
 
Powerpoint tipologia de rede
Powerpoint tipologia de redePowerpoint tipologia de rede
Powerpoint tipologia de rede
 
Coordenação. Subordinação
Coordenação. SubordinaçãoCoordenação. Subordinação
Coordenação. Subordinação
 
Recursos estilísticos
Recursos estilísticosRecursos estilísticos
Recursos estilísticos
 
Placas de rede
Placas de redePlacas de rede
Placas de rede
 
Cheklist manutenção de computadores v2
Cheklist   manutenção de computadores v2Cheklist   manutenção de computadores v2
Cheklist manutenção de computadores v2
 
Palestra manutenção de smarts
Palestra manutenção de smartsPalestra manutenção de smarts
Palestra manutenção de smarts
 
Rede de computadores_-_conceitos
Rede de computadores_-_conceitosRede de computadores_-_conceitos
Rede de computadores_-_conceitos
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
 
Arquitetura de Computadores: Conceitos básicos
Arquitetura de Computadores: Conceitos básicosArquitetura de Computadores: Conceitos básicos
Arquitetura de Computadores: Conceitos básicos
 
Packet Tracer
Packet TracerPacket Tracer
Packet Tracer
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
1 antigo regime e revolução inglesa
1  antigo regime e revolução inglesa1  antigo regime e revolução inglesa
1 antigo regime e revolução inglesa
 
Sistemas digitais e analógicos
Sistemas digitais e analógicosSistemas digitais e analógicos
Sistemas digitais e analógicos
 
Hardware e redes de computadores (Componente, tipos de redes e topologias)
Hardware e redes de computadores (Componente, tipos de redes e topologias)Hardware e redes de computadores (Componente, tipos de redes e topologias)
Hardware e redes de computadores (Componente, tipos de redes e topologias)
 
Comunicação de dados!
Comunicação de dados!Comunicação de dados!
Comunicação de dados!
 

Destaque

Redes comunicacao de_dados_pr
Redes comunicacao de_dados_prRedes comunicacao de_dados_pr
Redes comunicacao de_dados_pr
redesinforma
 
Semfio
SemfioSemfio
Semfio
redesinforma
 
Aula01
Aula01Aula01
Aula01
redesinforma
 
Aula03
Aula03Aula03
Aula03
redesinforma
 
Unidade iv comunicação de dados
Unidade iv   comunicação de dadosUnidade iv   comunicação de dados
Unidade iv comunicação de dados
Daniel Moura
 
Redes de computadoras
Redes de computadorasRedes de computadoras
Redes de computadoras
8DEENERO
 
PowerPoint-Comunicação de Dados
PowerPoint-Comunicação de DadosPowerPoint-Comunicação de Dados
PowerPoint-Comunicação de Dados
Leo Louro
 
Redes2
Redes2Redes2
Redes2
redesinforma
 
Noções de redes de computadores para concursos
Noções de redes de computadores para concursosNoções de redes de computadores para concursos
Noções de redes de computadores para concursos
CDIM Daniel
 

Destaque (9)

Redes comunicacao de_dados_pr
Redes comunicacao de_dados_prRedes comunicacao de_dados_pr
Redes comunicacao de_dados_pr
 
Semfio
SemfioSemfio
Semfio
 
Aula01
Aula01Aula01
Aula01
 
Aula03
Aula03Aula03
Aula03
 
Unidade iv comunicação de dados
Unidade iv   comunicação de dadosUnidade iv   comunicação de dados
Unidade iv comunicação de dados
 
Redes de computadoras
Redes de computadorasRedes de computadoras
Redes de computadoras
 
PowerPoint-Comunicação de Dados
PowerPoint-Comunicação de DadosPowerPoint-Comunicação de Dados
PowerPoint-Comunicação de Dados
 
Redes2
Redes2Redes2
Redes2
 
Noções de redes de computadores para concursos
Noções de redes de computadores para concursosNoções de redes de computadores para concursos
Noções de redes de computadores para concursos
 

Semelhante a Exercicio parte1

Camadasrede
CamadasredeCamadasrede
Camadasrede
Elisabete Pantoja
 
As camadas do modelo OSI
As camadas do modelo OSIAs camadas do modelo OSI
As camadas do modelo OSI
Bruno David
 
Redes de Computadores
Redes de ComputadoresRedes de Computadores
Redes de Computadores
deisiweg
 
Ccna exploration fundamentos de rede - 4 camada de transporte osi
Ccna exploration   fundamentos de rede - 4 camada de transporte osiCcna exploration   fundamentos de rede - 4 camada de transporte osi
Ccna exploration fundamentos de rede - 4 camada de transporte osi
veruzkavaz
 
Rui simao
Rui simaoRui simao
Rui simao
RUIGRANDE
 
Modelo osi
Modelo osiModelo osi
Modelo osi
Carlosvunge Vunge
 
Aulas frc 04
Aulas frc  04Aulas frc  04
Modelo OSI
Modelo OSIModelo OSI
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Ruihardy Hardy
 
Lista01
Lista01Lista01
Lista01
redesinforma
 
Redes - Camada Enlace
Redes - Camada EnlaceRedes - Camada Enlace
Redes - Camada Enlace
Luiz Arthur
 
Protocolos e interconectividade
Protocolos e interconectividadeProtocolos e interconectividade
Protocolos e interconectividade
redesinforma
 
Modelo de Referência OSI
Modelo de Referência OSIModelo de Referência OSI
Modelo de Referência OSI
Alberto Felipe Friderichs Barros
 
TCP/IP
TCP/IPTCP/IP
3ª Unidade Modelo OSI e TCP/IP
3ª Unidade Modelo OSI e TCP/IP3ª Unidade Modelo OSI e TCP/IP
3ª Unidade Modelo OSI e TCP/IP
Cleiton Cunha
 
Lista exerc conceitos-mod-ref
Lista exerc conceitos-mod-refLista exerc conceitos-mod-ref
Lista exerc conceitos-mod-ref
redesinforma
 
Apostilaredes
ApostilaredesApostilaredes
Apostilaredes
Alexandre Unterstell
 
2ª Unidade Modelo OSI
2ª Unidade Modelo OSI2ª Unidade Modelo OSI
2ª Unidade Modelo OSI
Cleiton Cunha
 
ICC:
ICC:ICC:
ICC:
vbassani
 
Modelos TCP/IP e OSI para CCNA
Modelos TCP/IP e OSI para CCNAModelos TCP/IP e OSI para CCNA
Modelos TCP/IP e OSI para CCNA
wolkartt_18
 

Semelhante a Exercicio parte1 (20)

Camadasrede
CamadasredeCamadasrede
Camadasrede
 
As camadas do modelo OSI
As camadas do modelo OSIAs camadas do modelo OSI
As camadas do modelo OSI
 
Redes de Computadores
Redes de ComputadoresRedes de Computadores
Redes de Computadores
 
Ccna exploration fundamentos de rede - 4 camada de transporte osi
Ccna exploration   fundamentos de rede - 4 camada de transporte osiCcna exploration   fundamentos de rede - 4 camada de transporte osi
Ccna exploration fundamentos de rede - 4 camada de transporte osi
 
Rui simao
Rui simaoRui simao
Rui simao
 
Modelo osi
Modelo osiModelo osi
Modelo osi
 
Aulas frc 04
Aulas frc  04Aulas frc  04
Aulas frc 04
 
Modelo OSI
Modelo OSIModelo OSI
Modelo OSI
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Lista01
Lista01Lista01
Lista01
 
Redes - Camada Enlace
Redes - Camada EnlaceRedes - Camada Enlace
Redes - Camada Enlace
 
Protocolos e interconectividade
Protocolos e interconectividadeProtocolos e interconectividade
Protocolos e interconectividade
 
Modelo de Referência OSI
Modelo de Referência OSIModelo de Referência OSI
Modelo de Referência OSI
 
TCP/IP
TCP/IPTCP/IP
TCP/IP
 
3ª Unidade Modelo OSI e TCP/IP
3ª Unidade Modelo OSI e TCP/IP3ª Unidade Modelo OSI e TCP/IP
3ª Unidade Modelo OSI e TCP/IP
 
Lista exerc conceitos-mod-ref
Lista exerc conceitos-mod-refLista exerc conceitos-mod-ref
Lista exerc conceitos-mod-ref
 
Apostilaredes
ApostilaredesApostilaredes
Apostilaredes
 
2ª Unidade Modelo OSI
2ª Unidade Modelo OSI2ª Unidade Modelo OSI
2ª Unidade Modelo OSI
 
ICC:
ICC:ICC:
ICC:
 
Modelos TCP/IP e OSI para CCNA
Modelos TCP/IP e OSI para CCNAModelos TCP/IP e OSI para CCNA
Modelos TCP/IP e OSI para CCNA
 

Mais de redesinforma

Completas
CompletasCompletas
Completas
redesinforma
 
Redes3
Redes3Redes3
Redes3
redesinforma
 
Redes osi
Redes osiRedes osi
Redes osi
redesinforma
 
Basico de protocolos_2009
Basico de protocolos_2009Basico de protocolos_2009
Basico de protocolos_2009
redesinforma
 
Questoes
QuestoesQuestoes
Questoes
redesinforma
 
Redes lista exercicios
Redes lista exerciciosRedes lista exercicios
Redes lista exercicios
redesinforma
 
Exercícios para semestre
Exercícios para semestreExercícios para semestre
Exercícios para semestre
redesinforma
 
Redes4
Redes4Redes4
Redes4
redesinforma
 
Redes5
Redes5Redes5
Redes5
redesinforma
 
Tcp transmission control protocol e ip internet protocol
Tcp  transmission control protocol e ip internet protocolTcp  transmission control protocol e ip internet protocol
Tcp transmission control protocol e ip internet protocol
redesinforma
 
Roteament
RoteamentRoteament
Roteament
redesinforma
 
Ri l5 052
Ri l5 052Ri l5 052
Ri l5 052
redesinforma
 
Ri a9
Ri a9Ri a9
Ri a8
Ri a8Ri a8
Ri a7
Ri a7Ri a7
Ri a6
Ri a6Ri a6
Ri a3
Ri a3Ri a3
Redes aula4
Redes aula4Redes aula4
Redes aula4
redesinforma
 
Redes de computadores_-_apostila_completa
Redes de computadores_-_apostila_completaRedes de computadores_-_apostila_completa
Redes de computadores_-_apostila_completa
redesinforma
 

Mais de redesinforma (20)

Completas
CompletasCompletas
Completas
 
Redes3
Redes3Redes3
Redes3
 
Redes osi
Redes osiRedes osi
Redes osi
 
Basico de protocolos_2009
Basico de protocolos_2009Basico de protocolos_2009
Basico de protocolos_2009
 
Questoes
QuestoesQuestoes
Questoes
 
Redes lista exercicios
Redes lista exerciciosRedes lista exercicios
Redes lista exercicios
 
Exercícios para semestre
Exercícios para semestreExercícios para semestre
Exercícios para semestre
 
Redes4
Redes4Redes4
Redes4
 
Redes5
Redes5Redes5
Redes5
 
Tcp transmission control protocol e ip internet protocol
Tcp  transmission control protocol e ip internet protocolTcp  transmission control protocol e ip internet protocol
Tcp transmission control protocol e ip internet protocol
 
Sincronas
SincronasSincronas
Sincronas
 
Roteament
RoteamentRoteament
Roteament
 
Ri l5 052
Ri l5 052Ri l5 052
Ri l5 052
 
Ri a9
Ri a9Ri a9
Ri a9
 
Ri a8
Ri a8Ri a8
Ri a8
 
Ri a7
Ri a7Ri a7
Ri a7
 
Ri a6
Ri a6Ri a6
Ri a6
 
Ri a3
Ri a3Ri a3
Ri a3
 
Redes aula4
Redes aula4Redes aula4
Redes aula4
 
Redes de computadores_-_apostila_completa
Redes de computadores_-_apostila_completaRedes de computadores_-_apostila_completa
Redes de computadores_-_apostila_completa
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 

Exercicio parte1

  • 1. UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA LISTA DE EXERCÍCIOS DE REDES Disciplina : Comunicação de Dados Professor : Hugo Santana Lima 1 – Nas afirmações abaixo, marque CERTO (C) ou ERRADO (E). (E) Protocolo refere-se à forma como os enlaces físicos e os nós de comutação estão organizados. (E) No modelo OSI, as entidades da camada N implementam um serviço usado pela camada N + 1. Neste caso a camada N é chamada de usuária do serviço e a camada N + 1 é chamada de provedora do serviço. (E) O modelo OSI tem 7 camadas e é usado na Internet. (C) É possível ter um serviço orientado à conexão sem confirmação. (C) Serviços orientados à conexão garantem sequenciamento das unidades de informação transmitidas. (C) Serviço de datagrama é um serviço não orientado à conexão. (E) A arquitetura TCP/IP é organizada em 7 camadas conceituais. 2 – Qual a principal diferença entre a comunicação sem conexão e a comunicação orientada à conexão. (Tanenbaum) O serviço orientado à conexão se baseia no sistema telefônico, para um usuário utilizar um serviço de rede orientado à conexão, inicialmente estabelece uma conexão. Por outro lado, o serviço sem conexão é baseado no sistema postal. Cada mensagem carrega o endereço de destino completo e cada um deles é roteado através do sistema independentemente de todos os outros. 3 – Quais são as principais razões para se usar protocolo em camadas ? (Tanenbaum) Um conjunto de camadas de protocolos é chamado de arquitetura de rede. A especificação de uma arquitetura deve conter informações suficientes para permitir que um implementador desenvolva o programa ou construa o hardware de cada camada de modo que ela transmita corretamente o protocolo adequado. Nem os detalhes da implementação nem a especificação das interfaces pertencem à arquitetura, pois tudo fica escondido dentro da máquina, longe do alcance dos olhos. Não há no entanto, a menor necessidade de que as interfaces de todas as máquinas de uma rede sejam iguais, desde que cada uma delas possa usar t6odos os protocolos. 4a – Qual a diferença entre um serviço com confirmação e um serviço sem confirmação ? Veja as alternativas apresentadas a seguir e diga qual delas pode ser serviço com confirmação, serviço sem confirmação, ambos ou nenhum deles. 1
  • 2. a) estabelecimento de conexão b) transmissão de dados c) liberação de conexão ( Soares pág. 131) Um serviço denominado confirmado ou com confirmação envolve acordo entre o usuário que solicita o serviço (solicitante) e outro usuário é informado que o serviço foi solicitado e o aceita (acolhedor). Os serviços confirmados consistem na troca de quatro primitivas: service.REQUEST (invocada pelo usuário solicitante), service.INDICATION (entregue pelo fornecedor do serviço ao usuário que aceita o serviço), service.RESPONSE (invocada pelo usuário que aceita o serviço), e service.CONFIRMATION) (entregue ao solicitante pelo fornecedor). Nos serviços não-confirmados ou sem confirmação, não é necessário que os usuários solicitante e acolhedor acordem sobre a realização do serviço. Esses serviços consistem em apenas duas primitivas: service.REQUEST (invocada pelo solicitante), e service.INDICATION (entregue ao acolhedor pelo fornecedor). a) estabelecimento de conexão – SERVIÇO COM CONFIRMAÇÃO b) transmissão de dados – SERVIÇO SEM CONFIRMAÇÃO c) liberação de conexão – SERVIÇO COM ou SEM CONFIRMAÇÃO 4b – Cite duas formas em que os modelos de referência OSI e TCP/IP são iguais. Agora cite duas formas em que eles são diferentes. (Tanenbaum) Os dois modelos de referência OSI e TCP/IP têm muito em comum. Os dois se baseiam no conceito de uma pilha de protocolos independentes. Além disso, as camadas têm praticamente as mesmas funções.Em ambos os modelos, por exemplo, estão presentes as camadas que englobam até a camada de transporte. Nesses modelos, são oferecidos aos processos que desejam se comunicar um serviço de transporte fim a fim independente do tipo de rede que está sendo usado. Essas camadas formam o provedor de transporte. Mais uma vez em ambos os modelos, as camadas acima da camada de transporte dizem respeito aos usuários orientados à aplicação do serviço de transporte. Apesar dessas semelhanças fundamentais, os dois modelo também têm muitas diferenças. Algumas delas são: O modelo OSI tem sete camadas e o TCP/IP, quatro. Ambos têm as camadas de (inter-) rede, transporte e aplicação, mas as outras s ao diferentes. Outra diferença está na área da comunicação sem conexão e da comunicação orientada à conexão. Na camada de rede, o modelo OSI é compatível com a comunicação orientada à conexão; no entanto, na camada de transporte, o modelo aceita apenas a comunicação orientada à conexão, onde ela de fato é mais importante (pois o serviço de transporte é visível para os usuários). O modelo TCP/IP tem apenas um modo na camada de rede (sem conexão), mas aceita ambos os modelos na camada de transporte, oferecendo aos usuários uma opção de escolha. Essa escolha é especialmente importante para os protocolos simples de solicitação/resposta. 5 – Determine em que camadas do modelo OSI são realizadas as seguintes tarefas: a) divide o fluxo dos bits transmitidos em quadros (Tanenebaum) Camada de Enlace de Dados b) determina a rota através da sub-rede que será usada 2
  • 3. (Tanenebaum) Camada de Rede c) provê serviços de sincronização (Tanenbaum) Camada de Sessão 6 – Quais são as principais funções das 7 camadas do modelo OSI ? Nível Físico: fornece as características mecânicas, elétricas, funcionais e de procedimento para ativar, manter e desativar conexões físicas para a transmissão de bits entre entidades de nível de enlace. A função de nível físico é permitir o envio de uma cadeia de bits pela rede sem se preocupar com o seu significado ou com a forma como esses bits são agrupados. Não é função deste nível tratar de problemas tais como erros de transmissão. Nível de Enlace de Dados: O objetivo desse nível é detectar e opcionalmente corrigir erros que por ventura ocorram no nível físico. O nível de enlace vai assim converter um canal de transmissão não confiável em um canal confiável para o uso do nível de rede. A técnica utilizada para conseguirmos isso é a partição da cadeia de bits a serem enviados ao nível físico, em quadros, cada um contendo alguma forma de redundância para detecção de erros. Entre as funções do nível de enlace, encontra-se a de criar e reconhecer os limites dos quadros. Basicamente quatro métodos são utilizados na delimitação dos quadros: contagem de caracter, transparência de caracter, transparência de bits e detecção de quadros pela violação de códigos de sinal no meio físico. A maioria dos protocolos de nível de enlace, principalmente aqueles para redes geograficamente distribuídos, se utilizam de transparência de bits. Em geral quase todos os protocolos de nível de enlace incluem bits de redundância em seus quadros para detecção de erros, mas não a sua correção. Nível de Rede: o objetivo do nível de rede é fornecida ao nível de transporte com uma independência quanto a consideração de chaveamento e roteamento associadas ao estabelecimento e operação de uma conexão de rede. Existem duas filosofias quanto ao serviço oferecido pelo nível de redes: datagrama e circuito virtual. No serviço de datagrama (serviço não-orientado à conexão), cada pacote não tem relação alguma de passado ou futuro com qualquer outro pacote, devendo assim carregar seu endereço de destino. O roteamento é calculado toda vez que um pacote tem que ser encaminhado por um nó da rede. No serviço de circuito virtual (serviço orientado à conexão), é necessário que o transmissor primeiramente envie um pacote de estabelecimento de conexão. A cada estabelecimento é dado um número, correspondente ao circuito, para uso pelos pacotes subsequentes com o mesmo destino. Nesse método, os pacotes pertencentes a uma única conversação não são independentes. Nível de Transporte: o nível de rede não garante necessariamente que um pacote chegue a seu destino, e pacotes podem ser perdidos ou mesmo chegar fora da sequência original de transmissão. Para fornecer uma comunicação fim a fim verdadeiramente confiável é 3
  • 4. necessário um outro nível de protocolo, que é justamente o nível de transporte, pois este vai isolar os níveis superiores a parte de transmissão da rede. Duas funções importantes desse nível são: multiplexação (várias conexões de transporte partilhando a mesma conexão de rede) e o splitting (uma conexão de transporte ligada a várias conexões de rede) de conexões. O splitting é utilizado para aumentar a vazão de uma conexão de transporte através do uso de várias conexões de rede simultaneamente. Já a multiplexação é usada quando uma conexão de transporte não gera tráfego suficiente para ocupar toda a capacidade da conexão de rede por ela utilizada. Uma outra função importante do nível de transporte é o controle de fluxo. Como nenhuma implementação tem um espaço de armazenamento infinito, algum mecanismo deve ser fornecido de modo a evitar que transmissor envie mensagens numa taxa maior do que a capacidade que o receptor tem de recebe-las. Nível de Sessão: O nível de sessão fornece mecanismos que permitem estruturar os circuitos oferecidos pelo nível de transporte. Os principais serviços fornecidos pelo nível de sessão são: gerenciamento de token, controle de diálogo e gerenciamento de atividades. Em algumas aplicações, um volume muito grande de dados, por exemplo um arquivo extenso, é transmitido em redes muitas vezes não muito confiáveis. Embora o nível de transporte tente oferecer um circuito confiável, a rede pode simplesmente deixar de funcionar. Só resta ao nível de transporte indicar a falha e deixar a aplicação decidir o que deve ser feito. Eventualmente, a rede, poderá voltar a funcionar, e a conexão ser reestabelecida. Nesse caso o ideal seria que a transferência dos dados pudesse ser retomada do ponto inicialmente anterior ao da interrupção. O nível de sessão utiliza o conceito de ponto de sincronização, que é uma marca lógica posicionada ao longo do diálogo entre dois usuários do serviço de sessão. Se por algum motivo a conexão for interrompia e depois reestabelecida, os usuários podem retomar o diálogo a partir do último ponto de sincronização confirmada. Nível de Apresentação: A função do nível de apresentação é a de realizar transformações adequadas nos dados, antes de seu envio ao nível de sessão. Transformações típicas dizem respeito à compressão de textos, criptografia, conversão de padrões de terminais e arquivos para padrões de rede e vice-versa. O nível de apresentação deve conhecer a sintaxe do seu sistema local bem como a sintaxe do sistema de transferência. Os serviços oferecidos por este nível são: transformação de dados, formatação de dados, seleção de sintaxe e estabelecimento e manutenção de conexões de apresentação. Nível de Aplicação: O nível de aplicação oferece aos processos de aplicação os meios para que estes utilizem o ambiente de comunicação OSI. Nesse nível são definidas as funções de gerenciamento e mecanismos genéricos que servem de suporte à construção de aplicações distribuídas. Além dos elementos de serviço genéricos, que são compartilhados pela maioria das aplicações, existem elementos de serviço específicos de cad protocolo de aplicação como 4
  • 5. o FTAM (File Transfer, Acces and Management), o DS (Directory Service), e o MHS (Message Handling System). 7 – Quais primitivas de serviço são trocadas no estabelecimento de uma conexão? Descreva este processo de troca de primitivas. CONNECT.request – Solicita o estabelecimento de uma conexão. CONNECT.indication – Sinalização da parte para a qual foi feita a chamada CONNECT.response – Usada pelo receptor da chamada para aceitá-la ou rejeita-la. CONNECT.confirmation – Permite que a origem da chamada saiba se ela foi aceita. 8 – Defina: (a) protocolo (Tanenbaum) é um conjunto de regras que controla o formato e o significado dos quadros, pacotes ou mensagens trocados pelas entidades pares contidas em uma camada. (b) interface (Tanenbaum) Entre cada par de camadas adjacentes, há uma interface. A interface define operações e serviços que a camada inferior tem a oferecer para a camada superior a ela. (c) camada (Tanenbaum) Para reduzir a complexidade do projeto, a maioria das redes foi organizada como uma série de camadas ou níveis, que são colocados m em cima do outro. O número, o nome, o conteúdo e a função de cada camada difere de uma rede para outra. Em todas as redes, no entanto, o objetivo de cada camada é oferecer determinados serviços para as camadas superiores, ocultando detalhes da implementação desses recursos. (d) serviço (Tanenbaum) É um conjunto de primitivas (operações) que uma camada oferece para a camada acima dela. O serviço define as operações para a camada que está preparada para executar e satisfazer a seus usuários, mas ele nada tem a ver com o modo como essas operações são implementadas. (e) entidade (Soares) Os elementos ativos das camadas são denominados entidades. Um entidade pode ser uma entidade de software (um processo) ou hardware (uma placa de interface de rede). (f) entidade par (Soares) Entidades da mesma camada em máquinas diferentes são denominadas entidades pares ou parceiras. (g) camada usuária de serviço (Tanenbaum) (ver item h) e a camada N+1 é chamada de camada de usuária de serviço. (h) camada provedora de serviço. (Tanenbaum) Ass entidades da camada N implementam um serviço usado pela camada N+1. Nesse caso a camada N é chamada de camada provedora de serviço. (i) SAP (Ponto de Acesso a Serviços) 5
  • 6. (Tanenbaum) Os serviços estão disponíveis em Service Access Points. Os SAPs da camada N são locais onde a camada N+1 pode acessar os serviços. Cada SAP tem um endereço exclusivo, que o identifica. (j) SDU (Unidade de Dados de Serviço) (Soares) na transmissão de dados no modelo OSI, o processo começa com a entrega dos dados a serem transmitidos pelo usuário para a entidade do nível de aplicação em um sistema. Os dados do usuário recebem a denominação Unidade de Dados do Serviço (Service Data Unit- SDU). (k) PDU (Unidade de Dados do Protocolo) (Soares) A entidade da camada de aplicação junta aos dados do usuário um cabeçalho denominado Informação de Controle do Protocolo (Protocol Control Information – PCI). O objeto resultante da junção é chamado Unidade de Dados do Protocolo (Protocol Data Unit – PDU). A PDU é a unidade de informação trocada pelas entidades pares, ao executar o protocolo de uma camada, para oferecer o serviço que cabe à camada em questão. 9 – Explique as responsabilidades de cada uma das camadas do modelo TCP/IP. A arquitetura TCP/IP, assim como OSI realiza a divisão de funções do sistema de comunicação em estruturas de camadas. Em TCP/IP as camadas são: Aplicação Tranporte Inter-Rede Rede A figura 1 ilustra a divisão em camadas da arquitetura TCP/IP: Aplicação Mensagens da aplicação Transporte Inter-rede Datagramas IP Rede HDLC, X.25, PPP, SLIP, Ethernet, Token-Ring, FDDI, ATM, LLC, NDIS, ... Camada de rede A camada de rede é responsável pelo envio de datagramas construídos pela camada Inter- Rede. Esta camada realiza também o mapeamento entre um endereço de identificação de nível Inter-rede para um endereço físico ou lógico do nível de Rede. A camada Inter- Rede é independente do nível de Rede. Alguns protocolos existentes nesta camada são: • Protocolos com estrutura de rede própria (X.25, Frame-Relay, ATM) • Protocolos de Enlace OSI (PPP, Ethernet, Token-Ring, FDDI, HDLC, SLIP, …) • Protocolos de Nível Físico (V.24, X.21) • Protocolos de barramento de alta-velocidade (SCSI, HIPPI, …) • Protocolos de mapeamento de endereços (ARP - Address Resolution Protocol) - Este protocolo pode ser considerado também como parte da camada Inter-Rede. 6
  • 7. Os protocolos deste nível possuem um esquema de identificação das máquinas interligadas por este protocolo. Por exemplo, cada máquina situada em uma rede Ethernet, Token-Ring ou FDDI possui um identificador único chamado endereço MAC ou endereço físico que permite distinguir uma máquina de outra, possibilitando o envio de mensagens específicas para cada uma delas. Tais rede são chamadas redes locais de computadores. Da mesma forma, estações em redes X.25, Frame-Relay ou ATM também possuem endereços que as distinguem uma das outras. As redes ponto-a-ponto, formadas pela interligação entre duas máquinas não possuem, geralmente, um endereçamento de nível de rede (modelo TCP/IP), uma vez que não há necessidade de identificar várias estações. Camada Inter-Rede Esta camada realiza a comunicação entre máquinas vizinhas através do protocolo IP. Para identificar cada máquina e a própria rede onde estas estão situadas, é definido um identificador, chamado endereço IP, que é independente de outras formas de endereçamento que possam existir nos níveis inferiores. No caso de existir endereçamento nos níveis inferiores é realizado um mapeamento para possibilitar a conversão de um endereço IP em um endereço deste nível. Os protocolos existentes nesta camada são: • Protocolo de transporte de dados: IP - Internet Protocol • Protocolo de controle e erro: ICMP - Internet Control Message Protocol • Protocolo de controle de grupo de endereços: IGMP - Internet Group Management Protocol • Protocolos de controle de informações de roteamento O protocolo IP realiza a função mais importante desta camada que é a própria comunicação inter-redes. Para isto ele realiza a função de roteamento que consiste no transporte de mensagens entre redes e na decisão de qual rota uma mensagem deve seguir através da estrutura de rede para chegar ao destino. O protocolo IP utiliza a própria estrutura de rede dos níveis inferiores para entregar uma mensagem destinada a uma máquina que está situada na mesma rede que a máquina origem. Por outro lado, para enviar mensagem para máquinas situadas em redes distintas, ele utiliza a função de roteamento IP. Isto ocorre através do envio da mensagem para uma máquina que executa a função de roteador. Esta, por sua vez, repassa a mensagem para o destino ou a repassa para outros roteadores até chegar no destino. 7
  • 8. Host A Host A Mensagem Aplicação idêntica Aplicação Pacote idêntico Transporte Transporte Roteador Inter-Rede Datagrama Inter-rede Datagrama Inter-Rede idêntico idêntico Rede Rede Rede Rede Quadro Quadro idêntico idêntico Rede Física 1 Rede Física 2 Camada de Transporte Esta camada reúne os protocolos que realizam as funções de transporte de dados fim-a- fim, ou seja, considerando apenas a origem e o destino da comunicação, sem se preocupar com os elementos intermediários. A camada de transporte possui dois protocolos que são o UDP (User Datagram Protocol) e TCP (Transmission Control Protocol). O protocolo UDP realiza apenas a multiplexação para que várias aplicações possam acessar o sistema de comunicação de forma coerente. O protocolo TCP realiza, além da multiplexação, uma série de funções para tornar a comunicação entre origem e destino mais confiável. São responsabilidades do protocolo TCP: o controle de fluxo, o controle de erro, a sequenciação e a multiplexação de mensagens. A camada de transporte oferece para o nível de aplicação um conjunto de funções e procedimentos para acesso ao sistema de comunicação de modo a permitir a criação e a utilização de aplicações de forma independente da implementação. Desta forma, as interfaces socket ou TLI (ambiente Unix) e Winsock (ambiente Windows) fornecem um conjunto de funções-padrão para permitir que as aplicações possam ser desenvolvidas independentemente do sistema operacional no qual rodarão. Camada de Aplicação A camada de aplicação reúne os protocolos que fornecem serviços de comunicação ao sistema ou ao usuário. Pode-se separar os protocolos de aplicação em protocolos de serviços básicos ou protocolos de serviços para o usuário: Protocolos de serviços básicos, que fornecem serviços para atender as próprias necessidades do sistema de comunicação TCP/IP: DNS, BOOTP, DHCP Protocolos de serviços para o usuário: FTP, HTTP, Telnet, SMTP, POP3, IMAP, TFTP, NFS, NIS, LPR, LPD, ICQ, RealAudio, Gopher, Archie, Finger, SNMP e outros 10 – Qual a diferença entre protocolos e interfaces. Protocolo: é um conjunto de regras que controla o formato e o significado dos quadros, pacotes ou mensagens trocados pelas entidades pares contidas em uma camada. Interface: define as operações e serviços que a camada inferior tem a oferecer para a camada superior a ela. 8
  • 9. 11 – Qual a função dos cabeçalhos de uma PDU? (Tanenbaum) Os cabeçalhos da PDU (Protocol Data Unit), são utilizados pelas entidades pares para executar seu protocolo. Eles identificam as PDUs que contêm dados e as que contêm informaçõees de controloe, além de oferecerem contagens e números de seqüência. 12 – Descreva os protocolos definidos pelos padrões: (a) IEEE 802.1 (b) IEEE 802.2 (c) IEEE 802.3 (d) IEEE 802.4 (e) IEEE 802.6 13 – Descreva as três fases de operação de uma transmissão orientada à conexão. (Tanenebaum) 1º. Estabelecimento da conexão: CONNECT.request – Solicita o estabelecimento de uma conexão. CONNECT.indication – Sinalização da parte para a qual foi feita a chamada CONNECT.response – Usada pelo receptor da chamada para aceitá-la ou rejeita-la. CONNECT.confirmation – Permite que a origem da chamada saiba se ela foi aceita. 2º Transferência de Dados: DATA.request – Solicita o envio de dados. DATA.indication –Sinal de chegada dos dados 3º Liberação da conexão DISCONNECT.request – Solicita o encerramento de uma conexão DISCONNECT.indication – Sinal do par sobre a solicitação. 12) Qual a diferença entre uma rede de pacotes datagrama e uma rede orientada por circuitos virtuais? Dê sua resposta com base em parâmetros gerais de Qualidade de Serviço aplicados para transferência de dados em tempo real. Em uma rede de pacotes o roteamento é realizado com base no endereço IP e no roteador os pacotes são analisados antes de serem encaminhados para o nó de saída ( o roteamento pode ser do tipo store and forwarding ou cut-trought). Notar que os pacotes de uma determinada informaç~çao podem seguir por caminhos diferentes na rede, gerando assim maior atraso e perda de qualidade na entrega da informação. Em uma rede orientada por circuitos virtuais, os comutadores definem um determinado canal virtual de comutação entre a porta de entrada e saída, e o mantém de forma permanente o comutada (PVC ou SVC ) durante o tráfego de informação. Isto gera um atraso menor na transmissão da informação ao longo da rede. 9
  • 10. Em pacotes de tempo real, o parâmetro atraso é de extrema relevância, assim redes com circuitos virtuais oferecem maior qualidade de serviço pelo fato de possuírem menor atraso de comutação no nós e ainda por garantir um canal dedicado de comunicação fim- a-fim. 13) Comente seu entendimento sobre PVC e SVC. Quais protocolos podem implementar tal facilidade ? PVC Permanent Virtual Circuit ; conexão permanentemente programada fim-a-fim entre os elementos de uma rede que utiliza tal facilidade. SVC Switched Virtual Circuit : conexão comutada apenas no instante de transmissão da informação. As switches da rede entram em comunicação (através do canal de sinalização) e estabelecem um caminho fixo para a transmissão de informação. Terminada a transmissão o circuito é desfeito. Protocolo como ATM, X.25 e Frame Relay 10