SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola Secundária da Moita
   CEF- informática
Escola Secundária da Moita
                              Manual de redes (G.R.I.I)

Índice

  ÍNDICE ___________________________________________________________________________2
1.HISTORIA DAS TELECOMUNICAÇÕES ____________________________________________5
  INTERNET ________________________________________________________________________6
  WORLD WIDE WEB _________________________________________________________________7
  INTRANET ________________________________________________________________________8
2. FUTURO DE REDES INFORMÁTICAS______________________________________________9
  POR LADO IRÁ SURGIR PROBLEMAS: ____________________________________________________9
3. TIPOS DE REDES _______________________________________________________________10
  REDES MOVEIS: ___________________________________________________________________10
  REDES DE DADOS __________________________________________________________________11
  REDES DE TV CABO ________________________________________________________________11
4. CLASSIFICAÇÃO DE REDES _____________________________________________________12
  LAN ___________________________________________________________________________12
  MAN___________________________________________________________________________12
  WAN___________________________________________________________________________12
5.TOPOLOGIAS DE REDES ________________________________________________________13
  BARRAMENTO ____________________________________________________________________13
  ANEL ___________________________________________________________________________14
  ESTRELA ________________________________________________________________________15
  ARVORE ________________________________________________________________________16
6.MEIOS DE TRANSMISSÃO DE INFORMAÇÃO _____________________________________17
  MEIOS GUIADOS: __________________________________________________________________17
  LINHA BIFILAR ___________________________________________________________________17
  CABO COAXIAL ___________________________________________________________________17
  PAR ENTRANÇADO _________________________________________________________________18
  FIBRA ÓPTICA ____________________________________________________________________18
  MEIOS NÃO GUIADOS _______________________________________________________________19
  ONDAS DE RÁDIO __________________________________________________________________19
  INFRAVERMELHOS _________________________________________________________________20
  MICROONDAS ____________________________________________________________________21
  BLUETOOTH _____________________________________________________________________21
  LIGAÇÕES TERRESTRES E LIGAÇÕES TERRA-SATELITE ______________________________________22
  LASER __________________________________________________________________________22
7. LARGURA DE BANDA ___________________________________________________________23
  ORIGENS DOS NÚMEROS ____________________________________________________________23
8. BASES NUMÉRICAS_____________________________________________________________24
  BASE OCTOGONAL ________________________________________________________________24
  BASE HEXADECIMAL _______________________________________________________________24
  BASE BINÁRIO: ___________________________________________________________________25
  CONVERSÕES ENTRE BASES NUMÉRICAS ________________________________________________25
9.BYTES__________________________________________________________________________26
  POTENCIAÇÃO EM BASE BINÁRIA ______________________________________________________27
  CONTAGEM DE BYTES ______________________________________________________________28
10. O SISTEMA OCTOGONAL E HEXADECIMAL ____________________________________29
11. MODOS DE TRANSMISSÃO _____________________________________________________30
  TRANSFERÊNCIA DE DADOS SÉRIE E PARALELO. __________________________________________30

______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                              2
Escola Secundária da Moita
                              Manual de redes (G.R.I.I)
  SÍNCRONOS E ASSÍNCRONOS _________________________________________________________32
  PARIDADE _______________________________________________________________________33
12. MODOS DE COMUNICAÇÃO____________________________________________________34
  SIMPLEX ________________________________________________________________________34
  HALF-DUPLEX ____________________________________________________________________34
  FULL-DUPLEX ____________________________________________________________________34
13. LIGAÇÕES DE ACESSO À REDE_________________________________________________35
  MODEMS ________________________________________________________________________35
  RDIS ___________________________________________________________________________36
  DSL ___________________________________________________________________________37
  TIPOS DE DSL ____________________________________________________________________38
  14.INTERNET POR CABO _____________________________________________________________40
  MODEM POR CABO_________________________________________________________________40
15.OUTRAS TECNOLOGIAS DE TRANSMISSÃO MAIS USUAIS. _______________________41
  X.25 ___________________________________________________________________________41
  FRAME-RELAY ___________________________________________________________________41
  ATM ___________________________________________________________________________41
16.DISPOSITIVOS DE REDE ________________________________________________________42
  MODEM _________________________________________________________________________42
  PLACA DE REDE ___________________________________________________________________42
  SWITCH _________________________________________________________________________43
  HUB ____________________________________________________________________________44
  BRIDGE (PONTES) _________________________________________________________________45
  ROUTER _________________________________________________________________________46

17.ORGANISMOS NORMALIZADORES LOCAIS _____________________________________47
  ANACOM ______________________________________________________________________47
  FCCN __________________________________________________________________________48
18.OS STANDARDS ________________________________________________________________49
19.CÓDIGOS DE REPRESENTAÇÃO DE CARACTERES _______________________________50
  UNICODE ______________________________________________________________________50
  ASCII __________________________________________________________________________50
  EBCDIC ________________________________________________________________________51
  ALFABETO GSM __________________________________________________________________51
  UTF-X _________________________________________________________________________51
20.PROTOCOLOS DE REDES _______________________________________________________52
  O MODELO OSI ___________________________________________________________________52
  CAMADAS INFERIORES – O PROTOCOLO ETHERNET _______________________________________53
  TRAMA ETHERNET ________________________________________________________________54
  ENDEREÇOS DE ACESSOS AO MEIO _____________________________________________________55
  CABOS ETHERNET _________________________________________________________________55
  TRANSMISSION CONTROLO PROTOCOLO / INTERNET PROTOCOL ______________________________57
21.PROTOCOLOS DO TCP/IP_______________________________________________________58
  INTERNET PROTOCOLO _____________________________________________________________59
  ENDEREÇAMENTO IP _______________________________________________________________59
  SEGMENTAÇÃO DE REDES ___________________________________________________________60
  REGISTO DE ENDEREÇAMENTO IP _____________________________________________________60
  IPV6 ___________________________________________________________________________61
  FERRAMENTAS IP _________________________________________________________________62
22.PROTOCOLOS DA CAMADA 4 – TCP _____________________________________________63
  TRAMA TCP _____________________________________________________________________63


______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                              3
Escola Secundária da Moita
                             Manual de redes (G.R.I.I)
  PORTOS _________________________________________________________________________64
23.ROUTERS______________________________________________________________________65
  PROPRIEDADES DOS ROUTERS ______________________________________________________65
  PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO _____________________________________________________65
  AS ROTAS DO WINDOWS ___________________________________________________________66
24. INTERNET ____________________________________________________________________67
  SERVIÇOS DA INTERNET ____________________________________________________________67
       E-MAIL ____________________________________________________________________67
       FTP _______________________________________________________________________67
       CHAT ______________________________________________________________________67
       NEWSGROUP _______________________________________________________________67
       WWW _____________________________________________________________________67
       TELNET ____________________________________________________________________67
  VISUALIZAÇÃO E PESQUISA DA INFORMAÇÃO ___________________________________________67
25.COMUNICAÇÃO _______________________________________________________________69
  GRUPOS DE DISCUSSÃO- NEWS GROUPS ________________________________________________69
  CORREIO ELECTRÓNICO ____________________________________________________________69
26.TRANSFERENCIA DE FICHEIROS _______________________________________________70
  ACESSO REMOTO __________________________________________________________________71
27.OS NOMES NA INTERNET – DNS_________________________________________________72
  OPERAÇÃO ______________________________________________________________________73
28.PROTOCOLOS NO WINDOWS – NETBIOS ________________________________________74
29.SEGURANÇA NA INTERNET ____________________________________________________75
  FIREWALLS ______________________________________________________________________76
  DMZ ___________________________________________________________________________77
BIBLIOGRAFIA ___________________________________________________________________78




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                              4
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)

1.Historia das telecomunicações



                   O primeiro método de comunicação a ser
                   utilizado em larga escala foi o telégrafo.
                   Foi inventado e 1937 por George Morse,
                   utilizava o código com o nome do seu
                   criador para transmitir informação,
                   Em 1876, alexander Bell regista a patente
                   do telefone.
                 Em Portugal a 1ª comunicação telefónica
foi realizada em 1877 tem sido estabelecida pelo rei D. Luís
1º entra a população de Carcavelos e a estação do cabo
em Lisboa.
Em 1901 Marconi demonstrou que as ondas da rádio
podiam ser usadas para transmitir informação a longas
distancias.
A rádio é ainda hoje um dos principais métodos de
transmiçao e é a base das telecomunicações móveis.
Foi em 1947 que inventaram os transístores foi esse
pequeno passe que proporcionou a revolução electrónica
que a partir daí tem vindo a acontecer, e que forneceu a
base para uma rede telefónica computorizada ou em vez
da mecânica.
Em 1965 Charles Kao avança com a teoria de que
informação pode ser transmitida por sinais luminosos,
utilizando os cabos de fibra óptica, esta teoria teve
sucessivos desenvolvimentos até aos dias de hoje, de
modo a facultar um meio de transmitir grandes quantidades
de informação a taxas de transmissão em grandes
velocidades.


______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                              5
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)



Internet

A Internet é um conglomerado de redes em escala mundial
de milhões de computadores interligados que permite o
acesso a informações e todo tipo de transferência de
dados. A World Wide Web, que utiliza hipermídia na
formação básica, um dos muitos serviços oferecidos na
Internet. A Web é um sistema de informação mais recente
que emprega a Internet como meio de transmissão.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                              6
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




World Wide Web




A World Wide Web - “a Web” ou “WWW” para encurtar --
(“rede do tamanho do mundo”, traduzindo literalmente) é
uma rede de computadores na Internet que fornece
informação em forma de hiper texto.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                              7
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)



Intranet


Intranet é uma rede de computadores privativa que utiliza
as mesmas tecnologias que são utilizadas na Internet. O
protocolo de transmissão de dados de uma intranet é o
TCP/IP e sobre ele podemos encontrar vários tipos de
serviços de rede comuns na Internet, como por exemplo o
e-mail, chat, grupo de notícias, HTTP, FTP entre outros.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                              8
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)



2. Futuro de Redes Informáticas

O futuro da Net afigura-se auspicioso e a prova disso é o
número de cibernautas a aumentar todos os dias, a
multiplicação de fornecedores de acesso e o acesso grátis
à gigantesca rede.
Há poucos anos dificilmente poderíamos imaginar-nos a
consultar a Net enquanto viajávamos de comboio ou a tirar
uma fotografia digital e enviá-la, em apenas alguns
segundos, através do nosso telemóvel, a um amigo
distante.
Não é só a quantidade de informação, mas também a sua
qualidade, que está cada vez mais presente nas nossas
vidas e prevê-se que, nos próximos anos, ambas –
quantidade e qualidade – aumentarão drasticamente.
Ou seja, hoje em dia há cada vês mais pessoas aderir a
net, o que faz aumentar as tecnologias, fazendo com que
as redes sejam também mais alargadas, e que haja cada
vês mais tecnologias novas.
O aparecimento de muitas e inovadoras ofertas no que diz
respeito ao acesso à Internet – como a Net by Tv da
Telepac e a rede digital da Tv cabo – vem auxiliar este
progresso auspicioso e há cada vez mais pessoas a
encontrar resposta para (quase) tudo na rede.
Por lado irá surgir problemas:

A capacidade de tráfego e o controlo do mesmo serão os
problemas mais graves com que a Net se debaterá nos
próximos tempos, pois o aumento da velocidade das
transmissões não se revela suficiente para responder ao
aumento do número de utilizadores e às exigências dos
mesmos (jogos, músicas e vídeos).

______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                              9
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)



3. Tipos de redes
 Redes moveis:
GSM (Global System for Mobile Communications, ou
Sistema Global para Comunicações Móveis) é uma
tecnologia móvel e o padrão mais popular para celulares do
mundo. Telefones GSM são usados por mais de um bilhão
de pessoas em mais de 200 países. A onipresença do
sistema GSM faz com que o roaming internacional seja
muito comum através de “acordos de roaming” entre
operadoras de celular. O GSM diferencia-se muito de seus
predecessores sendo que o sinal e os canais de voz são
digitais, o que significa que o GSM é visto como um
sistema de celular de segunda geração (2.5G).
UMTS (acrónimo de Universal Mobile Telecommunication
System) é uma das tecnologias de terceira geração (3G)
dos telemóveis. O termo é adoptado para designar o
padrão de 3ª Geração estabelecido como evolução para
operadoras de GSM e que utiliza como interface rádio o
WCDMA ou o EDGE.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             10
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




 Redes de dados

O modelo TCP/IP - como muitos outros modelos de
protocolos - pode ser visto como um grupo de camadas,
em que cada uma resolve um grupo de problemas da
transmissão de dados, fornecendo um serviço bem definido
para os protocolos da camada superior.
Protocolo TCP - Transmission Control Protocol (Protocolo
de Controle de Transmissão) - e o IP - Internet Protocolo
(Protocolo Internet). Esses dois protocolos foram os
primeiros a serem definidos.
ATM é um protocolo de redes de computadores para
comunicação de alto nível, que encapsula os dados em
pacotes de tamanho fixo (53 bytes; 48 bytes de dados e 5
de cabeçalho),



  Redes de TV cabo


A partir do momento que a Internet atraiu uma audiência de
massa, as operadoras de redes de TV a cabo, começaram
a perceber que, com algumas mudanças no sistema, elas
poderiam oferecer serviços da Internet de mão dupla em
partes não utilizadas do espectro.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             11
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




4. Classificação de redes


 LAN
Em computação, LANs (ou redes locais, ou redes privadas)
são redes utilizadas na inter conexão de equipamentos
processadores com a finalidade de troca de dados. Tais
redes são denominadas locais por cobrirem apenas uma
área limitada (10 Km no máximo), visto que, fisicamente,
quanto maior a distância de um nó da rede ao outro, maior
a taxa de erros que ocorrerão devido à degradação do
sinal.
O modelo cliente servidor é uma base de aplicações que
aproveita as características das LAN, pois são aplicações
que funcionam num ambiente local.


  MAN
Rede de Área Metropolitana é uma rede de comunicação
que abrange uma cidade. O exemplo mais conhecido de
uma MAN é a rede de televisão a cabo disponível em
muitas cidades.


  WAN
A Wide Area Network (WAN), Rede de área alargada ou
Rede de longa distância, também conhecida como Rede
geograficamente distribuída, é uma rede de computadores
que abrange uma grande área geográfica, com frequência
um país ou continente.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             12
Escola Secundária da Moita
                           Manual de redes (G.R.I.I)



5.Topologias de redes


 Barramento

Consiste num único canal central ao longo do qual se ligam
os computadores que formarão a rede local.
É partilhado por todas as estações de rede.


    Vantagens:
  - Pouco equipamento;
  - Ligação aparentemente fácil;
  - Facilidade ao inserir um novo computador.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             13
Escola Secundária da Moita
                          Manual de redes (G.R.I.I)




 Anel
Todas as estações ligam-se a um canal comum que se
fecha em forma de anel.
Apenas um computador pode transmitir de cada vez e para
isso terá de possuir o token.
Cada mensagem enviada por uma estação passa por todas
as estações que se encontram no caminho entre a estação
transmissora e receptora.
Cada estação pela qual passa uma determinada
mensagem lê-a e controla-a se for dirigida a ela, caso
contrário volta a colocar a mensagem no canal.

    Vantagens:
    - A passagem é realizada sequencialmente entre cada computador
      evitando colisões,
    - Velocidade de transmissão de sinal


    Desvantagens:
    - É complicado adicionar um novo elemento à rede.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             14
Escola Secundária da Moita
                             Manual de redes (G.R.I.I)




 Estrela
Consiste numa estação central, à qual se ligam as
diferentes estações, ou seja, temos um conjunto de
computadores que liga a um hub ou switch.
O cabo das ligações é do tipo entrelaçado UTP ou STP.
Toda a informação entre as estações deve passar
obrigatoriamente pela estação central.



    Vantagens:

    - É expandida muito facilmente;
    - Tamanho do meio de transmissão é virtualmente ilimitado.


    Desvantagens:
    - Pode haver colisões;
    - Fiabilidade é muito o inferior;
    - Risco de congestionamento;




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             15
Escola Secundária da Moita
                              Manual de redes (G.R.I.I)



 Arvore

  •   Consiste numa estrutura hierárquica de várias redes e sub-redes.
  •   A rede está ligada a um ou mais controladores que se ligam cada rede local.
  •   Detecta com facilidade os problemas.
  •   É muito utilizada nas redes LAN.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             16
Escola Secundária da Moita
                           Manual de redes (G.R.I.I)




6.Meios de transmissão de informação


 Meios guiados:

Linha bifilar


È composta por dois condutores paralelos, geralmente em
forma cilíndrica.
Cabo coaxial
Este tipo de cabo, muito utilizado
nos dias de hoje, tem o seu nome
devido ao facto dos dois condutores
que o constituem partilharem o
mesmo eixo.
O cabo coaxial para baseband é
usado para transmissão digitais entre grandes distancias
comprimento (500m 1GB/seg.)
Tecnicamente o cabo coaxial broadband é considerado de
qualidade inferior ao cabo baseband na transmissão de
dados.
    Vantagens:
         •   Barato
         •   Já este instalado em todo o lado.

     Desvantagens:
        • A ligação das fichas tem maus contactos após pouco tempo de
          utilização.
        • Devido ao cabo ser um pouco rígido o que dificulta a sua
          instalação




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             17
Escola Secundária da Moita
                                Manual de redes (G.R.I.I)



Par entrançado


O par entrançado é ainda hoje o meio de
transmissão mais usado para aplicações de
comunicações. Consiste em dois fios
idênticos cobertos por um material isolante.
Esta característica ajuda a diminuir a
susceptibilidade do cabo a ruídos de cabos vizinhos e de
fontes externas
     Vantagens:

           •    Simplicidade e facilidade de instalação
           •    É fisicamente flexível
           •    Leve e pode ser facilmente conectado

    Desvantagens:

       • É incapaz de transportar informação para longas distâncias

Fibra óptica
no caso da fibra óptica é similar em
forma ao cabo coaxial. É dominado core.
    Vantagens:

       •       Grande capacidade de transmissão;
       •       Seu custo ter diminuído enormemente na última década;


    Desvantagens:

           •    Fragilidade das fibras ópticas sem encapsulamento
           •    Dificuldade de conexões das fibras ópticas
           •    Impossibilidade de alimentação remota de repetidores
           •    Falta de padronização dos componentes ópticos




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             18
Escola Secundária da Moita
                          Manual de redes (G.R.I.I)




Meios não guiados


Os meios não guiados são caracterizados por não
conduzirem as ondas electromagnéticas.
São meus de propagamentos de ondas, mas estas não têm
uma direcção pré-definida.




Ondas de rádio

Hoje em dia as ondas de radio são muito utilizadas porque
são fáceis de gerir. Propagam-se em todos os sentidos



    Desvantagens

              - Não é meio fiável de transmissão;




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             19
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)



Infravermelhos

Os infravermelhos são utilizados nos equipamentos de
visão nocturna quando a quantidade de luz visível é
insuficiente para ver os objectos. A radiação é detectada e
depois reflectida numa tela. Os objectos mais quentes se
convertem nos mais luminosos. Um uso muito comum do
infravermelho é para a efectuação de comandos à distância
(telecomandos), preferíveis em relação as ondas de rádio
por que não sofrem interferências de outras ondas
electromagnéticas como, por exemplo, os sinais de
televisão.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             20
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)



Microondas


Microondas (também designadas SHF- Super High
Frequency)     são   ondas      electromagnéticas   com
comprimentos de onda maiores que os dos raios
infravermelhos, mas menores que o comprimento de onda
das ondas de rádio variando, consoante os autores, de 30
cm (1 GHz de frequência) até 1 cm (30 GHz de frequência).



Bluetooth


É uma tecnologia de baixo custo para a comunicação sem
fio entre dispositivos electrónicos a curtas distâncias.
Os dispositivos Bluetooth se comunicam entre si e formam
uma rede denominada piconet, na qual podem existir até
oito dispositivos interligados, sendo um deles o mestre
(master) e os outros dispositivos escravos (slave); uma
rede formada por diversos "masters" (com um numero
máximo de 10) pode ser obtida para maximizar o número
de conexões




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             21
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)



Ligações terrestres e ligações terra-satelite

As ligações terrestres são utilizadas na interligação de
redes privadas, desde que exista
Linha de vista entre os locais a interligar. É usual em
utilizações até aos 3 km, suportando débitos de 2 ou 10
Mbps.


As ligações terra-satélite são normalmente utilizadas nas
intercontinentais das redes dos operadores de
telecomunicações, sendo também usual a utilização deste
tipo de ligações em redes informáticas com elevada
dispersão geográfica ou localizadas em locais remotos.


Laser


É um dispositivo que produz radiação electromagnética
com características muito especiais: ela é monocromática
(possui frequência muito bem definida) e coerente (possui
relações de fase bem definidas), além de ser colimada
(propaga-se como um feixe).




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             22
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)



7. Largura de Banda

O significado de largura de banda varia com o contexto em
que é utilizado. Ao analisarmos um sinal representado em
frequência, vemos que existem frequências em que a
amplitude é significativa. À diferença entre a frequência
máxima e a frequência mínima que compõem um sinal,
seja ela analógico ou digital, chama-se largura de banda.


Origens dos números


No sistema de numeração utilizado no dia a dia, usamos
um sistema com dez símbolos para representar os
números existentes. Esses símbolos vão de 0 a 9 e
representam o sistema de numeração decimal,
precisamente por conter 10 símbolos diferentes,
denominados algarismos. Para os números superiores a 9
é usada uma convenção de escrita.
Por exemplo, em virtude das posições ocupadas o número
6903 tem um significado
Numérico calculado da forma:
6903 = 6 x 1000 + 9 x 100 + 0 x 10 + 3




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             23
Escola Secundária da Moita
                          Manual de redes (G.R.I.I)




8. Bases numéricas


Base Octogonal

Como o próprio nome indica, a base octogonal utiliza o 8
como raiz. Existem, assim, 8
Algarismos diferentes, que variam desde o 0 até ao 7. A
representação do número 8 será então
10o, e assim sucessivamente.
A base octogonal utiliza-se na representação de sistemas
de numeração de
Computadores,        e      em      programação       de    sistemas
informáticos.


Base hexadecimal

A base hexadecimal (16) é frequentemente utilizada pelos
programadores porque é bastante fácil converter de binário
para hexadecimal (e vice-versa) e porque é bastante mais
fácil ler um número em hexadecimal do que em binário.
São utilizados 16 dígitos: 0, 1,..., 9, A, B, C, D, E, F.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             24
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




Base binário:

Como todo mundo actualmente sabe, a base binária é o
fundamento da tecnologia computacional moderna.


Junto com a binária, a ciência da computação emprega as
bases 8 e 16 já que é muito fácil para um computador
converter entre estas três bases e usar as bases 8 e 16
encurta consideravelmente as representações de números.


Conversões entre bases numéricas

Podemos considerar, que base numérica é um conjunto de
símbolos (ou algarismos) com o qual podemos representar
uma certa quantidade ou número.
 No dia a dia costuma-se utilizar a base dez, ou base
decimal, que como o próprio nome já diz é composta por 10
algarismos diferentes: 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 e 9. Dessa
forma, uma sequência de contagem para a base decimal
pode ser expressa através da seguinte sequência de
números:
0    1     2     3     4      5     6      7         8   9




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             25
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)



9.Bytes



Um byte é um dos tipos de dados integrais em
computação. É usado com frequência para especificar o
tamanho ou quantidade da memória ou da capacidade de
armazenamento de um computador, independentemente
do tipo de dados lá armazenados. Nos computadores
modernos, um byte de oito bits




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             26
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




Potenciação em base binária


Tomando como exemplo a base binária, com
dois bits poderemos representar 22 números, ou seja, 4.
Com três bits poderemos representar
23 números, ou seja 8. E assim sucessivamente.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             27
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




Contagem de Bytes

Quando nos dirigimos a um ponto de venda de hardware, a
quantificação da informação que pode ser guardada em
disco ou em memória parece em bytes e não em bits.
Como um byte é nada mais nada menos que 8 bits, a
informação não deixa de estar correcta, uma vez que são
raras as vezes em que um bit aparece sozinho. Assim, e à
medida que aumentamos a quantidade de bytes, vamos
utilizando prefixos, tal como utilizamos no sistema de base
natural.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             28
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




10. O sistema Octogonal e Hexadecimal


Os sistemas de representação octogonal e hexadecimal
são, ao contrário dos outros sistemas de numeração que
possam ser utilizados, bastante importantes, devido à sua
relação directa com o sistema de numeração binária. A
relação é que 3 bits representam 8 valores, os mesmos
valores existentes no sistema octogonal, enquanto que 4
bits representam 16 valores, os mesmos que a numeração
hexadecimal.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             29
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




11. Modos de transmissão


Transferência de dados série e paralelo.



A    comunicação paralela é um método de enviar
informação (sob a forma de sequências de bits) entre dois
dispositivos, tais como um computador e um modem, no
qual vários bits de informação são transmitidos
paralelamente, ao invés do que acontece na comunicação
série.
Os computadores costumam possuir uma porta paralela de
modo a poderem enviar informação para dispositivos tais
como impressoras.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             30
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




A comunicação série é um método de enviar informação
(sob a forma de sequências de bits) entre dois dispositivos,
tais como um computador e um modem, no qual os bits de
informação são enviados sequencialmente, uns atrás dos
outros.
Os computadores costumam possuir uma ou mais portas
série que permitem a comunicação série entre o
computador e dispositivos externos.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             31
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




Síncronos e assíncronos


Chamar uma função de forma síncrona significa que quem
chamou a função deve esperar o retorno antes de
prosseguir. Esta é a maneira mais comum de chamar
qualquer função, mesmo um WebMethod.
Em uma chamada assíncrona, não esperamos que a
função chamada retorne antes de continuar, mantendo
mais de uma "linha de execução" no código. Esta maneira
não é muito usada, pois é mais complexa e, na maioria dos
casos, ou a função retorna rapidamente ou, mesmo que
demore, não temos o que fazer antes da função retornar.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             32
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




Paridade

A paridade é vulgarmente utilizada para detectar erros nas
transmissões, já que o seu cálculo é extremamente
simples. Por exemplo, se anexar um bit de paridade extra a
cada byte transmitido, um erro pode ser detectado se a
paridade do byte não coincidir com o bit de paridade.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             33
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




12. Modos de comunicação

Simplex

Uma comunicação é dita simplex quando temos um
dispositivo Transmissor e outro dispositivo Receptor, sendo
que este papel não se inverte no período de transmissão. A
transmissão tem sentido unidireccional, não havendo
retorno do receptor.


Half-Duplex

Uma comunicação é dita half-duplex quando temos um
dispositivo Transmissor e outro Receptor, sendo que
ambos podem transmitir e receber dados, porém não
simultaneamente, a transmissão tem sentido bidirecional.
Durante uma transmissão half-duplex, em determinado
instante um dispositivo A será transmissor e o outro B será
receptor, em outro instante os papéis podem se inverter.


Full-Duplex

Uma comunicação é dita full-duplex quando temos um
dispositivo Transmissor e outro Receptor, sendo que os
dois podem transmitir dados simultaneamente em ambos
os sentidos (a transmissão é bidirecional). Poderíamos
entender uma linha full-duplex como funcionalmente
equivalente a duas linhas simplex, uma em cada direcção.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             34
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)



13. Ligações de acesso à rede

Modems

Modem, de modulador, demodulador, é um dispositivo
electrónico que modula um sinal digital numa onda
analógica, pronta a ser transmitida pela linha telefónica, e
que demodula o sinal analógico e o reconverte para o
formato digital original. Utilizado para conexão à Internet,
BBS, ou a outro computador.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             35
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)



RDIS

A conexão pode ser realizada até uma taxa de 128Kbps,
através de duas linhas de até 64 Kbps, que são usadas
tanto para conexão com a Internet quanto para chamadas
telefónicas de voz normais. É possível efectuar a conexão
em apenas 64Kbps e deixando a outra linha disponível
para chamadas de voz. Caso esteja conectado a 128 Kbps,
ou seja, usando as duas linhas, não será possível realizar
ou receber chamadas telefónicas. É possível também fazer
duas chamadas telefónicas simultâneas, cada uma usando
uma linha de 64 Kbps.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             36
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




DSL

DSL é uma família de tecnologias que fornecem um meio
de transmissão digital de dados, aproveitando a própria
rede de telefonia que chega na maioria das residências. As
velocidades típicas de download de uma linha DSL variam
de 128 kilobits por segundo (kbit/s) até 24 mil kbits/s
dependendo da tecnologia implementada e oferecida aos
clientes.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             37
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




Tipos de DSL



HDSL (High-Bit-Rate digital Subscriber Line) foi
desenvolvido como uma tecnologia alternativa sem
repetidores para disponibilização de serviços T1. HDSL
opera Full-duplex através de cada par de fios em cabos de
2 pares. Isto é conhecido como Dual-duplex. Cada par de
fios carrega 784 Kbps – metade de 1544 Kbps da largura
de banda do T1.



IDSL é uma tecnologia de conexão à internet da Rede
Digital de Serviços Integrados (ISDN, em inglês), baseado
em DSL e que foi desenvolvida pela empresa Ascend
Communications. Tem uma baixa taxa de transmissão, da
ordem de 128 Kbps.



MSDSL Um acesso DSL simétrico que pode ter várias
taxas de transferência de dados, estabelecidas no contrato
com o operador, de acordo com o nível de serviço (preço)
pretendido.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             38
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




SDSL é uma variante do HDSL que permite taxas iguais às
de ligações T1 ou E1, mas requer apenas um par metálico.
A sua taxa de transmissão varia entre 72Kbps e 2320Kbps,
em uma distância máxima de até 3,4Km.




     VDSL opera com transmissões assimétricas (taxa de
upload sempre menos que a de download) variando de 13
a 52 Mbps de download, e 1,5 a 2,3 Mbps de upload, e isto
em apenas um par metálico de até 330 metros, podendo
chegar até 1,5Km em taxas mais baixas (alcançando por
volta de 13Mbps)




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             39
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)



14.Internet por cabo


Modem por cabo

Um modem por cabo pode ser externo ao computador ou
interno, ou ainda estar integrado na set-top box da
televisão por cabo. Em qualquer dos casos, é composto
pelos seguintes componentes:
- Sintonizador;
- Desmodulador;

- Modulador;
- Controlo de acesso ao meio;
- Processador;




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             40
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)



15.Outras tecnologias de transmissão mais usuais.


X.25

As suas especificações são Desenhadas de modo a
funcionar sob qualquer meio de transmissão. A grande
vantagem do X.25 é a sua internacionalização, uma vez
que o protocolo é regulado pelas entidades Internacionais.
Apesar dos seus ritmos de transmissão muito baixos, na
ordem dos 64 kbps, e a sua elevada latência, na ordem dos
150 ms, o X.25 proporciona uma ligação fiável sobre meios
de Transmissão pouco fiáveis e altamente degradados.


Frame-Relay

É uma eficiente tecnologia de comunicação de dados
usada para transmitir de maneira rápida e barata a
informação digital através de uma rede de dados, dividindo
essas informações em frames (quadros) a um ou muitos
destinos de um ou muitos end-points. Em 2006, a internet
baseada em ATM e IP nativo começam, lentamente, a
impelir o desuso da frame relay.


ATM

Tecnologia de transmissão de qualquer tipo de informação
(dados, voz, imagem e vídeo) em redes de computadores
com taxas de velocidade que podem variar entre 2 Mbps
até a faixa dos Gigabits.



______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             41
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




16.Dispositivos de rede

Modem
Os modems conectam o seu computador à Internet.
Existem modems de diferentes velocidades. Um modem de
velocidade mais rápida transfere informações da Internet
para o seu computador com maior rapidez. Nós
recomendamos que você use um modem de pelo menos
28.8kbps. Um modem de 56K, uma linha DSL ou ISDN ou
um modem a cabo fornecerão conexões ainda mais
rápidas.


Placa de rede
Uma placa de rede (também chamada adaptador de rede
ou NIC) é um dispositivo de hardware responsável pela
comunicação entre os computadores em uma rede, hoje
em dia também já há placas de rede wireless.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             42
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




Switch


Um switch, que em gíria aportuguesada foi traduzido para
comutador, é um dispositivo utilizado em redes de
computadores para reencaminhar quadros (ou tramas em
Portugal, e 'frames' em inglês) entre os diversos nós.
Possuem diversas portas, assim como os hubs, e operam
na camada acima dos hubs. A diferença entre o Switch e o
hub é que o Switch segmenta a rede internamente, sendo
que a cada porta corresponde um segmento diferente, o
que significa que não haverá colisões entre pacotes de
segmentos diferentes — ao contrário dos hubs, cujas
portas partilham o mesmo domínio de colisão.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             43
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




Hub


Concentrador (também chamado HUB) em linguagem de
informática é o aparelho que interliga diversas máquinas
(computadores) que pode ligar externamente redes TAN,
LAN, MAN e WAN.
O Hub é indicado para redes com poucos terminais de
rede, pois o mesmo não comporta um grande volume de
informações passando por ele ao mesmo tempo devido sua
metodologia de trabalho por broadcast, que envia a mesma
informação dentro de uma rede para todas as máquinas
interligadas. Devido a isto, sua aplicação para uma rede
maior é desaconselhada, pois geraria lentidão na troca de
informações.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             44
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




Bridge (pontes)



Bridge ou ponte, é o termo utilizado em informática para
designar um dispositivo que liga duas redes informáticas
que usam protocolos distintos, ou dois segmentos da
mesma rede que usam o mesmo protocolo, por exemplo
ethernet ou token ring.
Uma bridge ignora os protocolos utilizados nos dois
segmentos que liga, já que opera a um nível muito baixo do
modelo OSI (nível 2); somente envia dados de acordo com
o endereço do pacote




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             45
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




router



 Roteador ou router ou encaminhador é um equipamento
usado para fazer a comunicação entre diferentes redes de
computadores. Este equipamento provê a comunição entre
computadores distantes entre si e até mesmo com
protocolos de comunicação diferentes.
Roteadores são dispositivos que operam na camada 3 do
modelo OSI de referência de estudos. A principal
característica dos roteadores é selecionar a porta mais
apropriada para repassar os pacotes recebidos. Ou seja,
encaminhar os pacotes para o melhor caminho disponível
para um determinado destino.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             46
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




17.Organismos Normalizadores locais


ANACOM

A Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) é a
entidade cuja função é a regulação, supervisão e
representação do sector das comunicações em Portugal.
ICP -Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) é,
desde 6 de Janeiro de 2002, a nova designação do Instituto
das Comunicações de Portugal, em resultado da entrada
em vigor dos seus novos estatutos.
Com a publicação, a 7 de Dezembro, do Decreto-Lei n.º
309/2001, visou-se, antes de mais, congregar num único
texto legal um conjunto de atribuições consagradas em
diplomas avulsos, nomeadamente na sequência da
transposição do acervo comunitário, definidor de novas
funções atribuídas acessoriamente às autoridades
reguladoras nacionais, ao longo da última década, em que
se preparou e consolidou a liberalização, em particular, do
sector das telecomunicações.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             47
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




FCCN

A Fundação para a Computação Científica Nacional
(FCCN) é uma instituição privada portuguesa sem fins
lucrativos de utilidade pública fundada a Janeiro de 1987. A
principal actividade da FCCN é a gestão e planeamento da
Rede Ciência, Tecnologia e Sociedade (RCTS) — o
backbone de Portugal; e a gestão do serviço de registo do
domínio de topo. pt.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             48
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




18.Os standards

Os organismos descritos anteriormente, juntamente com
muitos outros, desenvolvem constantemente protocolos e
normas de forma a facilitar as telecomunicações a todos os
níveis aos utilizadores. A nível das telecomunicações são
definidas normas e standards que possibilitam essas
comunicações, quer em redes móveis, quer em redes fixas.
Como exemplo, temos o GSM, o GPRS e o UMTS, normas
que foram ou estão a ser desenvolvidas por organismos
competentes na área, de modo a torná-las o mais
genéricas e úteis possíveis.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             49
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)



19.Códigos de Representação de Caracteres


UNICODE

O UNICODE utiliza um código de 16 bits para
representação de caracteres. Consegue, assim 65535
caracteres possíveis, que correspondem às várias
linguagens de escrita existentes no mundo.


ASCII

ASCII (acrônimo para American Standard Code for
Information Interchange) é um conjunto de códigos para o
computador representar números, letras, pontuação e
outros caracteres. Surgido em 1961, um dos seus
inventores foi Robert W. Bemer.
Arte ASCII é aquela na qual os únicos elementos utilizados
são os caracteres disponíveis no teclado do computador.
ASCII é uma padronização da indústria de computadores,
onde cada carácter é manipulado na memória discos etc,
sob forma de código binário. O código ASCII é formado por
todas as combinações possíveis de 7 bits, sendo que
existem várias extensões que abrangem 8 ou mais bits.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             50
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




EBCDIC

O Extended Binary Coded Decimal Interchange Code é um
código criado pela IBM que igualmente representa
caracteres como números. Utiliza, tal como o ASCII, 8 bits
de representação de caracteres e tem várias páginas de
código. É apenas utilizado entre computadores mainframe
IBM de modo a manter coerência no texto transferido entre
estes.


Alfabeto GSM

Também o protocolo GSM utiliza caracteres para a
comunicação. Estes são bastante mais utilizados quando
enviamos SMS ou quando acedemos à Internet via WAP. O
Alfabeto GSM é um subconjunto do UNICODE com 7 bits
de representação.


UTF-X

O UNICODE Transfer Format representa subconjuntos do
UNICODE. O X é utilizado para indicar quantos bits de
representação são utilizados. O mais utilizado é o UTF-8,
com 8 bits de representação. É este alfabeto que é utilizado
por omissão no Internet Explorer para visualização de
páginas HTML.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             51
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)



20.Protocolos de Redes
O modelo OSI

OSI (Open Systems Interconnection), Camadas OSI ou
Interconexão de Sistemas Abertos, é um conjunto de
padrões ISO relativo à comunicação de dados. Um sistema
aberto é um sistema que não depende de uma arquitetura
específica.
Para facilitar o processo de padronização e obter
interconectividade entre máquinas de diferentes sistemas
operativos, a Organização Internacional de Padronização
(ISO - International Organization for Standardization)
aprovou, no início dos anos 80, um modelo de referência
para permitir a comunicação entre máquinas heterogêneas,
denominado OSI (Open Systems Interconnection). Esse
modelo serve de base para qualquer tipo de rede, seja de
curta, média ou longa distância.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             52
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)



Camadas inferiores – O protocolo Ethernet


 As especificações Ethernet cobrem as camadas 1 e 2 do
modelo OSI, e as camadas MAC e Física do CSMA/CD.
Especificam um barramento com o máximo de 2,5 km de
comprimento, ligado em segmentos de 500 metros, uma
taxa de transferência de 10 Mb/s ou 100 Mb/s, e um
máximo de 1024 estações por barramento.
Em relação à camada física, as funções de um controlador
Ethernet (vulgarmente chamado de placa de rede),
incluem:
- Codificação de dados
- Acesso ao canal
Em relação à camada de ligação lógica, as suas principais
funções são:
- Encapsulamento de dados
- Gestão da ligação




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             53
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)



Trama Ethernet


As redes Ethernet utilizam o protocolo CSMA/CD para
coordenar o acesso ao meio de transmissão. O
endereçamento é feito com base numa sequência de 6
bytes (48 bits) habitualmente conhecida por endereço
físico, endereço MAC ou endereço “ethernet”. Alguns tipos
de rede 802.3 mais antigos (ex.: StarLan) usam apenas
dois bytes para endereço físico.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             54
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




Endereços de acessos ao meio



Uma curiosidade no Windows XP é que toda a
configuração da rede pode ser feita via linha de comando,
através do prompt do MS-DOS, como no Linux. Na prática,
não existe nenhuma grande vantagem sobre configurar
pelo Painel de controlo, mas não deixa de ser um truque
interessante, que vale à pena aprender.



Cabos ethernet


São utilizados basicamente dois tipos de
cabos, em redes Ethernet. Cabo
Crossover, Cross , Cruzado ou
Invertido, utilizado para conexão entre
duas placas de rede ou entre dois Hubs.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             55
Cabo Direto ou Patch Cable




Utilizado para conexão entre uma placa de rede e um Hub:




Também é muito utilizado um cabo direto padrão 568 B nas duas
pontas:
Transmission controlo protocolo / Internet protocol



O TCP é um dos protocolos sob os quais assenta o núcleo
da Internet nos dias de hoje. A versatilidade e robustez
deste protocolo tornaram adequado para redes globais, já
que este verifica se os dados são enviados de forma
correcta, na sequência apropriada e sem erros, pela rede.
O TCP é um protocolo do nível da camada de transporte
(camada 4) do Modelo OSI e é sobre o qual assentam a
maioria das aplicações cibernéticas, como o SSH, FTP,
HTTP — portanto, a World Wide Web.


   Camadas da pilha dos protocolos Internet


O modelo TCP/IP de encapsulamento busca fornecer
abstracção aos protocolos e serviços para diferentes
camadas de uma pilha de estruturas de dados (ou
simplesmente pilha).
21.Protocolos do TCP/IP


TCP/IP é o nome que se dá a toda a família de protocolos
utilizados pela Internet. Esta família de protocolos foi
desenvolvida pela DARPA (Defense Advanced Research
Project Agency) no DoD (Departamento de Defensa dos
Estados Unidos).
Este conjunto de protocolos foi desenvolvido para permitir
aos computadores compartilharem recursos numa rede.
Toda a família de protocolos inclui um conjunto de padrões
que especificam os detalhes de como comunicar
computadores, assim como também convenções para inter
conectar redes e rotear o tráfego.
Oficialmente esta família de protocolos é chamada,
Protocolo Internet TCP/IP, comummente referenciada só
como TCP/IP, devido a seus dois protocolos mais
importantes (TCP: Transport Control Protocol e IP: Internet
Protocol).
Internet Protocolo



O protocolo IP teve origem em 1970 no desenvolvimento
da ARPANET, esta rede foi depois interligada a outras
formando em 1980 um vasto conjunto que passou a ser
conhecido por Internet. Com a inclusão do protocolo IP no
UNIX, em 1982, um grande número de universidades
passou a formar as suas redes que por sua vez também
foram ligadas à Internet.
O protocolo IP fornece um serviço de data gramas que é
depois usado por outros protocolos de nível superior, tais
como o TCP (Transmission Control Protocol) e o UDP
(User Datagram Protocol).


Endereçamento IP



O endereço IP, de forma genérica, pode ser considerado
como um conjunto de números que representa o local de
um     determinado      equipamento       (normalmente
computadores) em uma rede privada ou pública.
O endereço IP, na versão 4 (IPv4), é um número de 32 bits
escrito com quatro octetos e no formato decimal (exemplo:
128.6.4.7). A primeira parte do endereço identifica uma
rede específica na inter-rede, a segunda parte identifica um
host dentro dessa rede. Devemos notar que um endereço
IP não identifica uma máquina individual, mas uma
conexão à inter-rede. Assim, um gateway conectando à n
redes tem 'n' endereços IP diferentes, um para cada
conexão.
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)



Segmentação de redes
Para melhorar a velocidade da rede, diminuindo o número
de colisões e permitindo que várias estações possam
transmitir dados (desde que não para o mesmo
destinatário) podemos utilizar switches ou roteadores, que
dividem a rede em vários segmentos e são capazes de ler
os pacotes de dados e enviá-los apenas ao destinatário
correcto.


Registo de endereçamento IP



A iminência de um colapso na Internet não é um facto
novo. É o que afirma o administrador de redes da RNP
(Rede Nacional de Ensino e Pesquisa), Marcos Frota.
Segundo ele, desde 1995 o esgotamento dos endereços IP
é uma realidade com a qual os administradores de rede
convivem na Internet. Um endereço IP completo, chamado
‘‘Classe C’’, possui 255 números IP válidos para serem
distribuídos. Esse tipo de endereço não é facilmente
adquirido. ‘‘Para conseguir um Classe C, é preciso provar a
necessidade do uso desses números’’, afirma Marcos.
No caso da necessidade de mais números IP, surgiu a
solução ‘‘NAT’’ de endereços IP não-válidos. A conexão
directa com a Internet só é possível através de IPs válidos.
Servidores e máquinas que precisam de acesso directo à
rede utilizam acesso por meio desses endereços válidos.
Para o usuário final, seja em empresas, universidades ou
até mesmo em casa, o IP não-válido é a solução
encontrada.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             60
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




IPv6




O IPv6 é a versão 6 do
protocolo IP. O IPv6 tem
como objectivo substituir o
padrão anterior, o IPv4,
que só suporta cerca de 4
bilhões ( 4 x 109) de
endereços, enquanto que
o IPv6 suporta 3.4 x 1038
endereços. A previsão
actual para a exaustão de
todos os endereços IPv4
livres para atribuição a
operadores é de Janeiro
de 2014, o que significa
que a transição da versão
do IPv4 para o IPv6 é
inevitável num futuro próximo. O governo dos Estados
Unidos da América determinou que todas as suas agências
federais devem suportar o protocolo IPv6 até 2008.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             61
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




Ferramentas IP



ping é um programa de computador de rede de
computadores usada em redes TCP/IP (como a Internet).
Ele faz um teste básico se determinado equipamento de
rede está a funcionar e é alcançável pela rede do
equipamento de que está a ser feito o teste. Ele funciona
enviando pacotes ICMP para o equipamento de destino e
escutando as respostas.
Traceroute é uma ferramenta que permite descobrir o
caminho feito pelos pacotes desde a sua origem até o seu
destino. Ele é usado para            testes, medidas e
gerenciamento da rede. O traceroute pode ser utilizado
para detectar falhas como, por exemplo, gateways
intermediários     que descartam pacotes ou rotas que
excedem a capacidade de um datagrama IP. Com esta
ferramenta, o atraso da "viagem" do pacote entre a origem
e gateways intermediários são reportados, permitindo
determinar a contribuição de cada gateway para o atraso
total da "viagem" do pacote desde a origem até o seu
destino.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             62
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




22.Protocolos da Camada 4 – TCP


Trama TCP

O TCP (acrónimo para o inglês Transmission Control
Protocol) é um dos protocolos sob os quais assenta o
núcleo da Internet nos dias de hoje. A versatilidade e
robustez deste protocolo tornou-o adequado para redes
globais, já que este verifica se os dados são enviados de
forma correcta, na sequência apropriada e sem erros, pela
rede.
O TCP é um protocolo do nível da camada de transporte
(camada 4) do Modelo OSI e é sobre o qual assentam a
maioria das aplicações cibernéticas, como o SSH, FTP,
HTTP — portanto, a World Wide Web.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             63
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




Portos



um porto é uma localização especificada por software nos
elementos da rede, que serve para a transmissão de dados
e que especifica o final da ligação. Sempre que existe uma
comunicação no TCP ou UDP, estão sempre dois portos a
ser utilizados, um em cada sistema, de modo a executar
essa comunicação.
Os mais importantes são:
FTP- significa File Transfer Protocol (Protocolo de
Transferência de Arquivos), e é uma forma bastante rápida
e versátil de transferir arquivos (também conhecidos como
ficheiros), sendo uma das mais usadas na Internet.
Pode referir-se tanto ao protocolo quanto ao programa que
implementa este protocolo (neste caso, tradicionalmente
aparece em letras minúsculas, por influência do programa
de transferência de arquivos do Unix).


http- significa HyperText Transfer Protocol (Protocolo de
Transferência de Hipertexto) e é um protocolo da camada
de "Aplicação" do modelo OSI, utilizado para transferência
de dados na World Wide Web.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             64
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




23.Routers

Propriedades dos routers




Protocolos de Roteamento


A autenticação é um aspecto fundamental do sistema de
segurança. Confirma a identidade dos utilizadores que
estejam a tentar iniciar sessão num domínio ou a aceder a
recursos na rede. A autenticação da família do Windows
Server 2003 permite o início de sessão único em todos os
recursos. Com o início de sessão único, um utilizador pode
iniciar sessão num domínio uma vez, utilizando uma
palavra-passe única ou um cartão Smart Card, e proceder
à autenticação em qualquer computador no domínio.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             65
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




As rotas do Windows


O utilitário ping (analogia com o jogo de ping-pong) serve
para verificar a resposta de um outro servidor na rede até a
camada de rede. O ping envia pacotes ICMP (Internet
Control Message Protocol) requisitando uma resposta do
servidor remoto. A resposta do servidor normalmente é o
mesmo pacote enviado. Ou seja, a máquina remota
simplesmente devolve os dados que ela recebeu. O
objetivo é testar se além da rede estar funcionando
corretamente até a camada de rede, a mesma não está
fazendo nenhuma tradução nos bytes enviados.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             66
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




24. Internet

Interessante é observar que, na história da Internet,
diversos tipos de programas desenvolvidos foram sendo
criados, melhorados e se espalhado gradualmente, sem
nenhum controle.

Serviços da Internet
      E-Mail

      FTP

      Chat

      NewsGroup

      WWW

      Telnet



Visualização e Pesquisa da Informação
    Word wide web


É a World Wide Web, o serviço que disseminou a Internet
pelo mundo. É uma grande teia mundial onde é possível
acessar hipertextos (documentos que podem ter textos,
imagens, sons e vídeos), que são documentos que
possuem a característica de ter "links" (ligações) pelos
quais se pode saltar de uma parte para outra de um mesmo
documento, ou para outro documento.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             67
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)



    Finger


O Finger é um comando de troca de informação sobre
utilizadores. O protocolo descrito no RFC é um protocolo
muito simples que permite aceder à informação sobre
utilizadores de uma maquina remota. (o comando Finger
também funciona numa maquina local, efectuando pedidos
sobre utilizadores à própria maquina. Mas neste caso não é
usado o protocolo de comunicação de redes)
De uma forma genérica o funcionamento do Finger resume-
se a efectuar uma conexão à porta 79 do servidor, e a
realizar um pedido. O servidor envia a resposta de acordo
com os dados do pedido.
Os dados enviados são em formato ASCII com os códigos
de CR e LF no final.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             68
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




25.Comunicação

Grupos de Discussão- News Groups


Este serviço é uma variação do E-Mail, mas lhe adiciona
um recurso: a coordenação de grupos de discussão, com
divulgação de boletins de assuntos específicos. O usuário
deve se associar a um grupo de discussão de determinado
assunto para que possa enviar/receber mensagens deste
grupo.


Correio electrónico


O correio electrónico (e-mail) é um dos principais serviços
suportados pelo CIUC, tendo vindo a afirmar-se como uma
das formas de comunicação mais eficazes na interacção
entre docentes, funcionários, serviços e alunos da UC.
Este serviço possibilita a recepção/envio de mensagens
de/para qualquer parte do Mundo, de uma forma simples,
rápida e segura, suportando a troca dos mais variados tipos
de informação.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             69
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




26.Transferencia de ficheiros


FTP significa File Transfer Protocol (Protocolo de
Transferência de Arquivos), e é uma forma bastante rápida
e versátil de transferir arquivos (também conhecidos como
ficheiros), sendo uma das mais usadas na Internet.
Pode referir-se tanto ao protocolo quanto ao programa que
implementa este protocolo (neste caso, tradicionalmente
aparece em letras minúsculas, por influência do programa
de transferência de arquivos do Unix).




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             70
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)



Acesso remoto




    telnet


É um meio alternativo para usar alguns serviços da rede,
útil quando se deseja alterar alguma senha de acesso, ou
acessar algum serviço do servidor em seu provedor. O
Telnet permite apenas aplicações em modo texto.

    R-tools


Permite aos clientes corporativos a consulta de
informações dos planos de previdência de seus
funcionários pela Instituidora ou Averbadora. As consultas
podem ser feitas via Internet, garantindo uma melhor
performance nos processos internos e a redução de custos
relacionados à estrutura de atendimento.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             71
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




27.Os nomes na Internet – DNS


O DNS (Domain Name System - Sistema de Nomes de
Domínios) é um sistema de gerenciamento de nomes
hierárquico e distribuído operando segundo duas
definições:
Examinar e actualizar sua base de dados.
Resolver nomes de servidores em endereços de rede (Ips).
O sistema de distribuição de nomes de domínio foi
introduzido em 1984 e com ele os nomes de hosts
residentes em um banco de dados pôde ser distribuído
entre servidores múltiplos, baixando assim a carga em
qualquer servidor que provê administração no sistema de
nomeação de domínios. Ele baseia-se em nomes
hierárquicos e permite a inscrição de vários dados digitados
além do nome do host e seu IP.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             72
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




Operação


O propósito do DNS é oferecer um meio adequado para
encontrar os sites disponíveis na Internet. Ao oferecer aos
usuários uma maneira confiável e fácil de usar para
encontrar sites, servidores de e-mail e os muitos outros
serviços da Internet sem deixar margem para dúvidas, o
DNS ajudou a Internet a cumprir sua promessa como meio
de comunicação global para o comércio, pesquisa,
educação, cultura e outras actividades de expressão.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             73
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




28.Protocolos no Windows – NetBios

NetBIOS é uma interface de programa que foi desenvolvida
para permitir a comunicação entre máquinas. Nesta
estrutura foi implementado o conceito de nome de serviço,
o que possibilita que uma máquina conecte-se à rede
reservando um nome para sua utilização. Não há um
servidor central para tratar os nomes definidos e qualquer
máquina pode utilizar quantos nomes deseje, desde que
ele não esteja em uso.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             74
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)




29.Segurança na Internet

A Internet não é completamente segura
Disponibilidade do conhecimento.
A segurança como uma tarefa não produtiva.
Avaliação dos riscos.
Número cada vez maior de problemas.
Muita facilidade para “hackear”.
Muitos administradores inexperientes ou negligentes.
Situação não é de pânico, mas de alerta.
Infinidade de tópicos.
Grande consumo de temp.o
Desinformação.
Dificuldade de receber apoio ou cooperação.
Falta de legislação específica.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             75
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)



Firewalls



Um foco para decisões de segurança - Pense no firewall
como um funil onde todo o trafego deve passar por ele. Isto
permite que sejam concentradas todas as medidas de
segurança neste ponto onde a rede interna conecta-se com
a Internet.
Fortalecer a política de segurança - Muitos serviços são
inseguros e o firewall pode filtrá-lo de acordo com um
conjunto de regras, permitindo que apenas serviços
aprovados passem por ele. Por exemplo, serviços como
NFS e NIS são muito perigosos para serem usados fora da
rede interna. O firewall manterá serviços perigosos como
estes estritamente dentro da rede interna.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             76
Escola Secundária da Moita
                         Manual de redes (G.R.I.I)



DMZ


DMZ, em ciência da computação, é uma sigla para de De
Militarize de Zone ou "zona desmilitarizada", em português.
Também conhecida como Rede de Perímetro, a DMZ é
uma pequena rede situada entre uma rede confiável e uma
não confiável, geralmente entre a rede local e a Internet.
A função de uma DMZ é manter todos os serviços que
possuem acesso externo (HTTP, FTP, etc) separados da
rede local limitando o dano em caso de comprometimento
de algum serviço nela presente por algum invasor. Para
atingir este objetivo os computadores presentes uma DMZ
não devem conter nenhuma rota de acesso à rede local.




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             77
Escola Secundária da Moita
                               Manual de redes (G.R.I.I)



Bibliografia


Topologias de rede
http://esmf.drealentejo.pt/pgescola/cti10_05/Redes/Html/fisica2.htm

Meios guiados:

http://student.dei.uc.pt/~pcsantos/trav/trav_1/meio2.html;

http://www.pucsp.br/~paulino/as2001/meios.html;

Meios não guiados:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Radia%C3%A7%C3%A3o_infravermelha

http://pt.wikipedia.org/wiki/Microondas

http://pt.wikipedia.org/wiki/Bluetooth



Bases numéricas:

http://gec.di.uminho.pt/discip/TextoAC/anexoA.html

http://www.dainf.cefetpr.br/~robson/prof/aulas/common/bases.htm

Modos de transmissão:

http://images.google.pt/images?hl=pt-PT&q=+transmissao+serie+paralelo


Modos de comunicação:

http://www.rederio.br/downloads/pdf/nt00202.pdf

Ligações de acesso a rede:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Modem

http://pt.wikipedia.org/wiki/RDIS




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             78
Escola Secundária da Moita
                                Manual de redes (G.R.I.I)




Dispositivos de rede:

http://www.tryscience.org/pt/DZIE-4Y4K2Q.html


http://pt.wikipedia.org/wiki/Placa_de_rede

http://pt.wikipedia.org/wiki/Comutador_(redes)

http://pt.wikipedia.org/wiki/Concentrador

Organismos Normalizadores locais


http://pt.wikipedia.org/wiki/ANACOM

http://pt.wikipedia.org/wiki/FCCN

ASCII

http://pt.wikipedia.org/wiki/ASCII

Trama ethernet

http://www.dei.isep.ipp.pt/~andre/documentos/ethernet.html

Transmission controlo protocolo / Internet protocol

http://pt.wikipedia.org/wiki/Transmission_Control_Protocol


Internet Protocolo

http://www.dei.isep.ipp.pt/~andre/documentos/ip.html

Endereçamento IP

http://pt.wikipedia.org/wiki/Endere%C3%A7o_IP



Registo de endereçamento IP:

http://www.rnp.br/noticias/imprensa/2004/not-imp-041018b.html




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             79
Escola Secundária da Moita
                               Manual de redes (G.R.I.I)

IPv6

http://pt.wikipedia.org/wiki/IPv6

Ferramentas IP
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ping
http://penta.ufrgs.br/uel/graziela/graznw13.htm
Trama TCP
http://pt.wikipedia.org/wiki/Transmission_Control_Protocol
Portos
http://pt.wikipedia.org/wiki/File_Transfer_Protocol




______________________________________________________________________
Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007                             80

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lingc
LingcLingc
Desenho tecnico
Desenho tecnicoDesenho tecnico
Desenho tecnico
Sidney Guimarães
 
Apostila Criação de Sites I
Apostila Criação de Sites IApostila Criação de Sites I
Apostila Criação de Sites I
info_cimol
 
Curso de Direito Empresarial para Defensoria Pública Estadual 2019
Curso de Direito Empresarial para Defensoria Pública Estadual 2019Curso de Direito Empresarial para Defensoria Pública Estadual 2019
Curso de Direito Empresarial para Defensoria Pública Estadual 2019
Estratégia Carreira Jurídica
 
Matemática – razão e proporção 01 – 2013
Matemática – razão e proporção 01 – 2013Matemática – razão e proporção 01 – 2013
Matemática – razão e proporção 01 – 2013
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Apostila Criação de Sites
Apostila Criação de SitesApostila Criação de Sites
Apostila Criação de Sites
info_cimol
 
Cultivo limão ricardo costa
Cultivo limão ricardo costaCultivo limão ricardo costa
Cultivo limão ricardo costa
Ricardo Costa
 
Construção civil abnt pintura
Construção civil abnt   pinturaConstrução civil abnt   pintura
Construção civil abnt pintura
Fernanda Bianchi Deleprani
 
Apostila de esgoto
Apostila de esgoto Apostila de esgoto
Apostila de esgoto
Alexandre Cabral Cavalcanti
 
Apostila de-matemática com potencia
Apostila de-matemática com potenciaApostila de-matemática com potencia
Apostila de-matemática com potencia
Bruna Luiz Rabello
 

Mais procurados (10)

Lingc
LingcLingc
Lingc
 
Desenho tecnico
Desenho tecnicoDesenho tecnico
Desenho tecnico
 
Apostila Criação de Sites I
Apostila Criação de Sites IApostila Criação de Sites I
Apostila Criação de Sites I
 
Curso de Direito Empresarial para Defensoria Pública Estadual 2019
Curso de Direito Empresarial para Defensoria Pública Estadual 2019Curso de Direito Empresarial para Defensoria Pública Estadual 2019
Curso de Direito Empresarial para Defensoria Pública Estadual 2019
 
Matemática – razão e proporção 01 – 2013
Matemática – razão e proporção 01 – 2013Matemática – razão e proporção 01 – 2013
Matemática – razão e proporção 01 – 2013
 
Apostila Criação de Sites
Apostila Criação de SitesApostila Criação de Sites
Apostila Criação de Sites
 
Cultivo limão ricardo costa
Cultivo limão ricardo costaCultivo limão ricardo costa
Cultivo limão ricardo costa
 
Construção civil abnt pintura
Construção civil abnt   pinturaConstrução civil abnt   pintura
Construção civil abnt pintura
 
Apostila de esgoto
Apostila de esgoto Apostila de esgoto
Apostila de esgoto
 
Apostila de-matemática com potencia
Apostila de-matemática com potenciaApostila de-matemática com potencia
Apostila de-matemática com potencia
 

Destaque

Pararaio
PararaioPararaio
Pararaio
Yasmim Morais
 
Plano de manutenção transformadores 13.8 kv
Plano de manutenção   transformadores 13.8 kvPlano de manutenção   transformadores 13.8 kv
Plano de manutenção transformadores 13.8 kv
Alexandre Grossi
 
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio becoEstruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
Jonatas Ramos
 
Controle de manutenção preventiva dos equipamentos 1
Controle de manutenção preventiva dos equipamentos 1Controle de manutenção preventiva dos equipamentos 1
Controle de manutenção preventiva dos equipamentos 1
Biela_123456
 
Roteira de Manutenção
Roteira de ManutençãoRoteira de Manutenção
Roteira de Manutenção
jccabral
 
Palestra 1/1 - Postes e Cruzetas
Palestra 1/1 - Postes e CruzetasPalestra 1/1 - Postes e Cruzetas
Palestra 1/1 - Postes e Cruzetas
CorreaMateriais
 
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primariaProcedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
jccabral
 
Plano de Manutenção - Transformadores 13.8 kv
Plano de Manutenção - Transformadores 13.8 kvPlano de Manutenção - Transformadores 13.8 kv
Plano de Manutenção - Transformadores 13.8 kv
Alexandre Grossi
 
Plano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
Plano de Manutenção em Equipamentos ElétricosPlano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
Plano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
jccabral
 
plano-de-manutencao
 plano-de-manutencao plano-de-manutencao
plano-de-manutencao
Thais Vieira
 
Manutenção de ar condicionado
Manutenção de ar condicionadoManutenção de ar condicionado
Manutenção de ar condicionado
mjmcreatore
 
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Bruno Pires
 
Plano Manutenção Operação e Controle
Plano Manutenção Operação e ControlePlano Manutenção Operação e Controle
Plano Manutenção Operação e Controle
Jaime Filho
 

Destaque (13)

Pararaio
PararaioPararaio
Pararaio
 
Plano de manutenção transformadores 13.8 kv
Plano de manutenção   transformadores 13.8 kvPlano de manutenção   transformadores 13.8 kv
Plano de manutenção transformadores 13.8 kv
 
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio becoEstruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
 
Controle de manutenção preventiva dos equipamentos 1
Controle de manutenção preventiva dos equipamentos 1Controle de manutenção preventiva dos equipamentos 1
Controle de manutenção preventiva dos equipamentos 1
 
Roteira de Manutenção
Roteira de ManutençãoRoteira de Manutenção
Roteira de Manutenção
 
Palestra 1/1 - Postes e Cruzetas
Palestra 1/1 - Postes e CruzetasPalestra 1/1 - Postes e Cruzetas
Palestra 1/1 - Postes e Cruzetas
 
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primariaProcedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
 
Plano de Manutenção - Transformadores 13.8 kv
Plano de Manutenção - Transformadores 13.8 kvPlano de Manutenção - Transformadores 13.8 kv
Plano de Manutenção - Transformadores 13.8 kv
 
Plano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
Plano de Manutenção em Equipamentos ElétricosPlano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
Plano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
 
plano-de-manutencao
 plano-de-manutencao plano-de-manutencao
plano-de-manutencao
 
Manutenção de ar condicionado
Manutenção de ar condicionadoManutenção de ar condicionado
Manutenção de ar condicionado
 
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
 
Plano Manutenção Operação e Controle
Plano Manutenção Operação e ControlePlano Manutenção Operação e Controle
Plano Manutenção Operação e Controle
 

Semelhante a Redes2

Almeida maquinas automacao
Almeida maquinas automacaoAlmeida maquinas automacao
Almeida maquinas automacao
PierreMacedo
 
Cópia de 03_checklist-iii-pcmat.doc
Cópia de 03_checklist-iii-pcmat.docCópia de 03_checklist-iii-pcmat.doc
Cópia de 03_checklist-iii-pcmat.doc
Ednaldo Tavares Tavares
 
Training networking-tcpip
Training networking-tcpipTraining networking-tcpip
Training networking-tcpip
Hélio Silva
 
Manual_G4_VZ & VH - 1.1.4.pdf
Manual_G4_VZ & VH - 1.1.4.pdfManual_G4_VZ & VH - 1.1.4.pdf
Manual_G4_VZ & VH - 1.1.4.pdf
AlexandreBAUNTECNICO
 
Apostilade vb.net
Apostilade vb.netApostilade vb.net
Apostilade vb.net
Rafael Ora
 
Apostila de vb.net
Apostila de vb.netApostila de vb.net
Apostila de vb.net
lricx
 
Clp [automação residencial com clp]
Clp [automação residencial com clp]Clp [automação residencial com clp]
Clp [automação residencial com clp]
Josemar Pereira
 
Apostila de-matemática com potencia
Apostila de-matemática com potenciaApostila de-matemática com potencia
Apostila de-matemática com potencia
Isa ...
 
Nutricao
Nutricao Nutricao
Nutricao
Eliane Souza
 
Curso de programação de PLC Omron
Curso de programação de PLC OmronCurso de programação de PLC Omron
Curso de programação de PLC Omron
Gerson Roberto da Silva
 
Ap curso+de+linguagem+c
Ap   curso+de+linguagem+cAp   curso+de+linguagem+c
Ap curso+de+linguagem+c
ariferreira3
 
Ficha de avaliação accc
Ficha de avaliação acccFicha de avaliação accc
Ficha de avaliação accc
Trabalhos de Fabrício Ramos
 
Pedido cessao de uso 2011
Pedido cessao de uso 2011 Pedido cessao de uso 2011
Pedido cessao de uso 2011
Ronan Vieira
 
Lista de Verificação para inspeções de Caminhões Munck
Lista de Verificação para inspeções de Caminhões MunckLista de Verificação para inspeções de Caminhões Munck
Lista de Verificação para inspeções de Caminhões Munck
Universidade Federal Fluminense
 
Check list caminhão munck
Check list   caminhão munckCheck list   caminhão munck
Check list caminhão munck
Universidade Federal Fluminense
 
SAP Inside Track Sao Paulo 09 - Output Message
SAP Inside Track Sao Paulo 09 - Output MessageSAP Inside Track Sao Paulo 09 - Output Message
SAP Inside Track Sao Paulo 09 - Output Message
Marcelo Ramos
 
Manual pss etec-25-06-2019-1
Manual pss etec-25-06-2019-1Manual pss etec-25-06-2019-1
Manual pss etec-25-06-2019-1
Christian924318
 
Manual pratico de tecnicas de enfermagem
Manual pratico de tecnicas de enfermagemManual pratico de tecnicas de enfermagem
Manual pratico de tecnicas de enfermagem
Edna Rúbia Paulino de Oliveira
 
Manualprticodetcnicasdeenfermagem
ManualprticodetcnicasdeenfermagemManualprticodetcnicasdeenfermagem
Manualprticodetcnicasdeenfermagem
Zeza Baltazar
 
Controle
ControleControle
Controle
Ednelson Costa
 

Semelhante a Redes2 (20)

Almeida maquinas automacao
Almeida maquinas automacaoAlmeida maquinas automacao
Almeida maquinas automacao
 
Cópia de 03_checklist-iii-pcmat.doc
Cópia de 03_checklist-iii-pcmat.docCópia de 03_checklist-iii-pcmat.doc
Cópia de 03_checklist-iii-pcmat.doc
 
Training networking-tcpip
Training networking-tcpipTraining networking-tcpip
Training networking-tcpip
 
Manual_G4_VZ & VH - 1.1.4.pdf
Manual_G4_VZ & VH - 1.1.4.pdfManual_G4_VZ & VH - 1.1.4.pdf
Manual_G4_VZ & VH - 1.1.4.pdf
 
Apostilade vb.net
Apostilade vb.netApostilade vb.net
Apostilade vb.net
 
Apostila de vb.net
Apostila de vb.netApostila de vb.net
Apostila de vb.net
 
Clp [automação residencial com clp]
Clp [automação residencial com clp]Clp [automação residencial com clp]
Clp [automação residencial com clp]
 
Apostila de-matemática com potencia
Apostila de-matemática com potenciaApostila de-matemática com potencia
Apostila de-matemática com potencia
 
Nutricao
Nutricao Nutricao
Nutricao
 
Curso de programação de PLC Omron
Curso de programação de PLC OmronCurso de programação de PLC Omron
Curso de programação de PLC Omron
 
Ap curso+de+linguagem+c
Ap   curso+de+linguagem+cAp   curso+de+linguagem+c
Ap curso+de+linguagem+c
 
Ficha de avaliação accc
Ficha de avaliação acccFicha de avaliação accc
Ficha de avaliação accc
 
Pedido cessao de uso 2011
Pedido cessao de uso 2011 Pedido cessao de uso 2011
Pedido cessao de uso 2011
 
Lista de Verificação para inspeções de Caminhões Munck
Lista de Verificação para inspeções de Caminhões MunckLista de Verificação para inspeções de Caminhões Munck
Lista de Verificação para inspeções de Caminhões Munck
 
Check list caminhão munck
Check list   caminhão munckCheck list   caminhão munck
Check list caminhão munck
 
SAP Inside Track Sao Paulo 09 - Output Message
SAP Inside Track Sao Paulo 09 - Output MessageSAP Inside Track Sao Paulo 09 - Output Message
SAP Inside Track Sao Paulo 09 - Output Message
 
Manual pss etec-25-06-2019-1
Manual pss etec-25-06-2019-1Manual pss etec-25-06-2019-1
Manual pss etec-25-06-2019-1
 
Manual pratico de tecnicas de enfermagem
Manual pratico de tecnicas de enfermagemManual pratico de tecnicas de enfermagem
Manual pratico de tecnicas de enfermagem
 
Manualprticodetcnicasdeenfermagem
ManualprticodetcnicasdeenfermagemManualprticodetcnicasdeenfermagem
Manualprticodetcnicasdeenfermagem
 
Controle
ControleControle
Controle
 

Mais de redesinforma

Completas
CompletasCompletas
Completas
redesinforma
 
Redes3
Redes3Redes3
Redes3
redesinforma
 
Redes osi
Redes osiRedes osi
Redes osi
redesinforma
 
Basico de protocolos_2009
Basico de protocolos_2009Basico de protocolos_2009
Basico de protocolos_2009
redesinforma
 
Questoes
QuestoesQuestoes
Questoes
redesinforma
 
Redes lista exercicios
Redes lista exerciciosRedes lista exercicios
Redes lista exercicios
redesinforma
 
Lista exerc conceitos-mod-ref
Lista exerc conceitos-mod-refLista exerc conceitos-mod-ref
Lista exerc conceitos-mod-ref
redesinforma
 
Exercícios para semestre
Exercícios para semestreExercícios para semestre
Exercícios para semestre
redesinforma
 
Exercicio parte1
Exercicio parte1Exercicio parte1
Exercicio parte1
redesinforma
 
Redes4
Redes4Redes4
Redes4
redesinforma
 
Redes5
Redes5Redes5
Redes5
redesinforma
 
Tcp transmission control protocol e ip internet protocol
Tcp  transmission control protocol e ip internet protocolTcp  transmission control protocol e ip internet protocol
Tcp transmission control protocol e ip internet protocol
redesinforma
 
Semfio
SemfioSemfio
Semfio
redesinforma
 
Roteament
RoteamentRoteament
Roteament
redesinforma
 
Ri l5 052
Ri l5 052Ri l5 052
Ri l5 052
redesinforma
 
Ri a9
Ri a9Ri a9
Ri a8
Ri a8Ri a8
Ri a7
Ri a7Ri a7
Ri a6
Ri a6Ri a6

Mais de redesinforma (20)

Completas
CompletasCompletas
Completas
 
Redes3
Redes3Redes3
Redes3
 
Redes osi
Redes osiRedes osi
Redes osi
 
Basico de protocolos_2009
Basico de protocolos_2009Basico de protocolos_2009
Basico de protocolos_2009
 
Questoes
QuestoesQuestoes
Questoes
 
Redes lista exercicios
Redes lista exerciciosRedes lista exercicios
Redes lista exercicios
 
Lista exerc conceitos-mod-ref
Lista exerc conceitos-mod-refLista exerc conceitos-mod-ref
Lista exerc conceitos-mod-ref
 
Exercícios para semestre
Exercícios para semestreExercícios para semestre
Exercícios para semestre
 
Exercicio parte1
Exercicio parte1Exercicio parte1
Exercicio parte1
 
Redes4
Redes4Redes4
Redes4
 
Redes5
Redes5Redes5
Redes5
 
Tcp transmission control protocol e ip internet protocol
Tcp  transmission control protocol e ip internet protocolTcp  transmission control protocol e ip internet protocol
Tcp transmission control protocol e ip internet protocol
 
Sincronas
SincronasSincronas
Sincronas
 
Semfio
SemfioSemfio
Semfio
 
Roteament
RoteamentRoteament
Roteament
 
Ri l5 052
Ri l5 052Ri l5 052
Ri l5 052
 
Ri a9
Ri a9Ri a9
Ri a9
 
Ri a8
Ri a8Ri a8
Ri a8
 
Ri a7
Ri a7Ri a7
Ri a7
 
Ri a6
Ri a6Ri a6
Ri a6
 

Último

Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 

Redes2

  • 1. Escola Secundária da Moita CEF- informática
  • 2. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Índice ÍNDICE ___________________________________________________________________________2 1.HISTORIA DAS TELECOMUNICAÇÕES ____________________________________________5 INTERNET ________________________________________________________________________6 WORLD WIDE WEB _________________________________________________________________7 INTRANET ________________________________________________________________________8 2. FUTURO DE REDES INFORMÁTICAS______________________________________________9 POR LADO IRÁ SURGIR PROBLEMAS: ____________________________________________________9 3. TIPOS DE REDES _______________________________________________________________10 REDES MOVEIS: ___________________________________________________________________10 REDES DE DADOS __________________________________________________________________11 REDES DE TV CABO ________________________________________________________________11 4. CLASSIFICAÇÃO DE REDES _____________________________________________________12 LAN ___________________________________________________________________________12 MAN___________________________________________________________________________12 WAN___________________________________________________________________________12 5.TOPOLOGIAS DE REDES ________________________________________________________13 BARRAMENTO ____________________________________________________________________13 ANEL ___________________________________________________________________________14 ESTRELA ________________________________________________________________________15 ARVORE ________________________________________________________________________16 6.MEIOS DE TRANSMISSÃO DE INFORMAÇÃO _____________________________________17 MEIOS GUIADOS: __________________________________________________________________17 LINHA BIFILAR ___________________________________________________________________17 CABO COAXIAL ___________________________________________________________________17 PAR ENTRANÇADO _________________________________________________________________18 FIBRA ÓPTICA ____________________________________________________________________18 MEIOS NÃO GUIADOS _______________________________________________________________19 ONDAS DE RÁDIO __________________________________________________________________19 INFRAVERMELHOS _________________________________________________________________20 MICROONDAS ____________________________________________________________________21 BLUETOOTH _____________________________________________________________________21 LIGAÇÕES TERRESTRES E LIGAÇÕES TERRA-SATELITE ______________________________________22 LASER __________________________________________________________________________22 7. LARGURA DE BANDA ___________________________________________________________23 ORIGENS DOS NÚMEROS ____________________________________________________________23 8. BASES NUMÉRICAS_____________________________________________________________24 BASE OCTOGONAL ________________________________________________________________24 BASE HEXADECIMAL _______________________________________________________________24 BASE BINÁRIO: ___________________________________________________________________25 CONVERSÕES ENTRE BASES NUMÉRICAS ________________________________________________25 9.BYTES__________________________________________________________________________26 POTENCIAÇÃO EM BASE BINÁRIA ______________________________________________________27 CONTAGEM DE BYTES ______________________________________________________________28 10. O SISTEMA OCTOGONAL E HEXADECIMAL ____________________________________29 11. MODOS DE TRANSMISSÃO _____________________________________________________30 TRANSFERÊNCIA DE DADOS SÉRIE E PARALELO. __________________________________________30 ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 2
  • 3. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) SÍNCRONOS E ASSÍNCRONOS _________________________________________________________32 PARIDADE _______________________________________________________________________33 12. MODOS DE COMUNICAÇÃO____________________________________________________34 SIMPLEX ________________________________________________________________________34 HALF-DUPLEX ____________________________________________________________________34 FULL-DUPLEX ____________________________________________________________________34 13. LIGAÇÕES DE ACESSO À REDE_________________________________________________35 MODEMS ________________________________________________________________________35 RDIS ___________________________________________________________________________36 DSL ___________________________________________________________________________37 TIPOS DE DSL ____________________________________________________________________38 14.INTERNET POR CABO _____________________________________________________________40 MODEM POR CABO_________________________________________________________________40 15.OUTRAS TECNOLOGIAS DE TRANSMISSÃO MAIS USUAIS. _______________________41 X.25 ___________________________________________________________________________41 FRAME-RELAY ___________________________________________________________________41 ATM ___________________________________________________________________________41 16.DISPOSITIVOS DE REDE ________________________________________________________42 MODEM _________________________________________________________________________42 PLACA DE REDE ___________________________________________________________________42 SWITCH _________________________________________________________________________43 HUB ____________________________________________________________________________44 BRIDGE (PONTES) _________________________________________________________________45 ROUTER _________________________________________________________________________46 17.ORGANISMOS NORMALIZADORES LOCAIS _____________________________________47 ANACOM ______________________________________________________________________47 FCCN __________________________________________________________________________48 18.OS STANDARDS ________________________________________________________________49 19.CÓDIGOS DE REPRESENTAÇÃO DE CARACTERES _______________________________50 UNICODE ______________________________________________________________________50 ASCII __________________________________________________________________________50 EBCDIC ________________________________________________________________________51 ALFABETO GSM __________________________________________________________________51 UTF-X _________________________________________________________________________51 20.PROTOCOLOS DE REDES _______________________________________________________52 O MODELO OSI ___________________________________________________________________52 CAMADAS INFERIORES – O PROTOCOLO ETHERNET _______________________________________53 TRAMA ETHERNET ________________________________________________________________54 ENDEREÇOS DE ACESSOS AO MEIO _____________________________________________________55 CABOS ETHERNET _________________________________________________________________55 TRANSMISSION CONTROLO PROTOCOLO / INTERNET PROTOCOL ______________________________57 21.PROTOCOLOS DO TCP/IP_______________________________________________________58 INTERNET PROTOCOLO _____________________________________________________________59 ENDEREÇAMENTO IP _______________________________________________________________59 SEGMENTAÇÃO DE REDES ___________________________________________________________60 REGISTO DE ENDEREÇAMENTO IP _____________________________________________________60 IPV6 ___________________________________________________________________________61 FERRAMENTAS IP _________________________________________________________________62 22.PROTOCOLOS DA CAMADA 4 – TCP _____________________________________________63 TRAMA TCP _____________________________________________________________________63 ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 3
  • 4. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) PORTOS _________________________________________________________________________64 23.ROUTERS______________________________________________________________________65 PROPRIEDADES DOS ROUTERS ______________________________________________________65 PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO _____________________________________________________65 AS ROTAS DO WINDOWS ___________________________________________________________66 24. INTERNET ____________________________________________________________________67 SERVIÇOS DA INTERNET ____________________________________________________________67 E-MAIL ____________________________________________________________________67 FTP _______________________________________________________________________67 CHAT ______________________________________________________________________67 NEWSGROUP _______________________________________________________________67 WWW _____________________________________________________________________67 TELNET ____________________________________________________________________67 VISUALIZAÇÃO E PESQUISA DA INFORMAÇÃO ___________________________________________67 25.COMUNICAÇÃO _______________________________________________________________69 GRUPOS DE DISCUSSÃO- NEWS GROUPS ________________________________________________69 CORREIO ELECTRÓNICO ____________________________________________________________69 26.TRANSFERENCIA DE FICHEIROS _______________________________________________70 ACESSO REMOTO __________________________________________________________________71 27.OS NOMES NA INTERNET – DNS_________________________________________________72 OPERAÇÃO ______________________________________________________________________73 28.PROTOCOLOS NO WINDOWS – NETBIOS ________________________________________74 29.SEGURANÇA NA INTERNET ____________________________________________________75 FIREWALLS ______________________________________________________________________76 DMZ ___________________________________________________________________________77 BIBLIOGRAFIA ___________________________________________________________________78 ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 4
  • 5. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 1.Historia das telecomunicações O primeiro método de comunicação a ser utilizado em larga escala foi o telégrafo. Foi inventado e 1937 por George Morse, utilizava o código com o nome do seu criador para transmitir informação, Em 1876, alexander Bell regista a patente do telefone. Em Portugal a 1ª comunicação telefónica foi realizada em 1877 tem sido estabelecida pelo rei D. Luís 1º entra a população de Carcavelos e a estação do cabo em Lisboa. Em 1901 Marconi demonstrou que as ondas da rádio podiam ser usadas para transmitir informação a longas distancias. A rádio é ainda hoje um dos principais métodos de transmiçao e é a base das telecomunicações móveis. Foi em 1947 que inventaram os transístores foi esse pequeno passe que proporcionou a revolução electrónica que a partir daí tem vindo a acontecer, e que forneceu a base para uma rede telefónica computorizada ou em vez da mecânica. Em 1965 Charles Kao avança com a teoria de que informação pode ser transmitida por sinais luminosos, utilizando os cabos de fibra óptica, esta teoria teve sucessivos desenvolvimentos até aos dias de hoje, de modo a facultar um meio de transmitir grandes quantidades de informação a taxas de transmissão em grandes velocidades. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 5
  • 6. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Internet A Internet é um conglomerado de redes em escala mundial de milhões de computadores interligados que permite o acesso a informações e todo tipo de transferência de dados. A World Wide Web, que utiliza hipermídia na formação básica, um dos muitos serviços oferecidos na Internet. A Web é um sistema de informação mais recente que emprega a Internet como meio de transmissão. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 6
  • 7. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) World Wide Web A World Wide Web - “a Web” ou “WWW” para encurtar -- (“rede do tamanho do mundo”, traduzindo literalmente) é uma rede de computadores na Internet que fornece informação em forma de hiper texto. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 7
  • 8. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Intranet Intranet é uma rede de computadores privativa que utiliza as mesmas tecnologias que são utilizadas na Internet. O protocolo de transmissão de dados de uma intranet é o TCP/IP e sobre ele podemos encontrar vários tipos de serviços de rede comuns na Internet, como por exemplo o e-mail, chat, grupo de notícias, HTTP, FTP entre outros. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 8
  • 9. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 2. Futuro de Redes Informáticas O futuro da Net afigura-se auspicioso e a prova disso é o número de cibernautas a aumentar todos os dias, a multiplicação de fornecedores de acesso e o acesso grátis à gigantesca rede. Há poucos anos dificilmente poderíamos imaginar-nos a consultar a Net enquanto viajávamos de comboio ou a tirar uma fotografia digital e enviá-la, em apenas alguns segundos, através do nosso telemóvel, a um amigo distante. Não é só a quantidade de informação, mas também a sua qualidade, que está cada vez mais presente nas nossas vidas e prevê-se que, nos próximos anos, ambas – quantidade e qualidade – aumentarão drasticamente. Ou seja, hoje em dia há cada vês mais pessoas aderir a net, o que faz aumentar as tecnologias, fazendo com que as redes sejam também mais alargadas, e que haja cada vês mais tecnologias novas. O aparecimento de muitas e inovadoras ofertas no que diz respeito ao acesso à Internet – como a Net by Tv da Telepac e a rede digital da Tv cabo – vem auxiliar este progresso auspicioso e há cada vez mais pessoas a encontrar resposta para (quase) tudo na rede. Por lado irá surgir problemas: A capacidade de tráfego e o controlo do mesmo serão os problemas mais graves com que a Net se debaterá nos próximos tempos, pois o aumento da velocidade das transmissões não se revela suficiente para responder ao aumento do número de utilizadores e às exigências dos mesmos (jogos, músicas e vídeos). ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 9
  • 10. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 3. Tipos de redes Redes moveis: GSM (Global System for Mobile Communications, ou Sistema Global para Comunicações Móveis) é uma tecnologia móvel e o padrão mais popular para celulares do mundo. Telefones GSM são usados por mais de um bilhão de pessoas em mais de 200 países. A onipresença do sistema GSM faz com que o roaming internacional seja muito comum através de “acordos de roaming” entre operadoras de celular. O GSM diferencia-se muito de seus predecessores sendo que o sinal e os canais de voz são digitais, o que significa que o GSM é visto como um sistema de celular de segunda geração (2.5G). UMTS (acrónimo de Universal Mobile Telecommunication System) é uma das tecnologias de terceira geração (3G) dos telemóveis. O termo é adoptado para designar o padrão de 3ª Geração estabelecido como evolução para operadoras de GSM e que utiliza como interface rádio o WCDMA ou o EDGE. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 10
  • 11. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Redes de dados O modelo TCP/IP - como muitos outros modelos de protocolos - pode ser visto como um grupo de camadas, em que cada uma resolve um grupo de problemas da transmissão de dados, fornecendo um serviço bem definido para os protocolos da camada superior. Protocolo TCP - Transmission Control Protocol (Protocolo de Controle de Transmissão) - e o IP - Internet Protocolo (Protocolo Internet). Esses dois protocolos foram os primeiros a serem definidos. ATM é um protocolo de redes de computadores para comunicação de alto nível, que encapsula os dados em pacotes de tamanho fixo (53 bytes; 48 bytes de dados e 5 de cabeçalho), Redes de TV cabo A partir do momento que a Internet atraiu uma audiência de massa, as operadoras de redes de TV a cabo, começaram a perceber que, com algumas mudanças no sistema, elas poderiam oferecer serviços da Internet de mão dupla em partes não utilizadas do espectro. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 11
  • 12. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 4. Classificação de redes LAN Em computação, LANs (ou redes locais, ou redes privadas) são redes utilizadas na inter conexão de equipamentos processadores com a finalidade de troca de dados. Tais redes são denominadas locais por cobrirem apenas uma área limitada (10 Km no máximo), visto que, fisicamente, quanto maior a distância de um nó da rede ao outro, maior a taxa de erros que ocorrerão devido à degradação do sinal. O modelo cliente servidor é uma base de aplicações que aproveita as características das LAN, pois são aplicações que funcionam num ambiente local. MAN Rede de Área Metropolitana é uma rede de comunicação que abrange uma cidade. O exemplo mais conhecido de uma MAN é a rede de televisão a cabo disponível em muitas cidades. WAN A Wide Area Network (WAN), Rede de área alargada ou Rede de longa distância, também conhecida como Rede geograficamente distribuída, é uma rede de computadores que abrange uma grande área geográfica, com frequência um país ou continente. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 12
  • 13. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 5.Topologias de redes Barramento Consiste num único canal central ao longo do qual se ligam os computadores que formarão a rede local. É partilhado por todas as estações de rede. Vantagens: - Pouco equipamento; - Ligação aparentemente fácil; - Facilidade ao inserir um novo computador. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 13
  • 14. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Anel Todas as estações ligam-se a um canal comum que se fecha em forma de anel. Apenas um computador pode transmitir de cada vez e para isso terá de possuir o token. Cada mensagem enviada por uma estação passa por todas as estações que se encontram no caminho entre a estação transmissora e receptora. Cada estação pela qual passa uma determinada mensagem lê-a e controla-a se for dirigida a ela, caso contrário volta a colocar a mensagem no canal. Vantagens: - A passagem é realizada sequencialmente entre cada computador evitando colisões, - Velocidade de transmissão de sinal Desvantagens: - É complicado adicionar um novo elemento à rede. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 14
  • 15. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Estrela Consiste numa estação central, à qual se ligam as diferentes estações, ou seja, temos um conjunto de computadores que liga a um hub ou switch. O cabo das ligações é do tipo entrelaçado UTP ou STP. Toda a informação entre as estações deve passar obrigatoriamente pela estação central. Vantagens: - É expandida muito facilmente; - Tamanho do meio de transmissão é virtualmente ilimitado. Desvantagens: - Pode haver colisões; - Fiabilidade é muito o inferior; - Risco de congestionamento; ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 15
  • 16. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Arvore • Consiste numa estrutura hierárquica de várias redes e sub-redes. • A rede está ligada a um ou mais controladores que se ligam cada rede local. • Detecta com facilidade os problemas. • É muito utilizada nas redes LAN. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 16
  • 17. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 6.Meios de transmissão de informação Meios guiados: Linha bifilar È composta por dois condutores paralelos, geralmente em forma cilíndrica. Cabo coaxial Este tipo de cabo, muito utilizado nos dias de hoje, tem o seu nome devido ao facto dos dois condutores que o constituem partilharem o mesmo eixo. O cabo coaxial para baseband é usado para transmissão digitais entre grandes distancias comprimento (500m 1GB/seg.) Tecnicamente o cabo coaxial broadband é considerado de qualidade inferior ao cabo baseband na transmissão de dados. Vantagens: • Barato • Já este instalado em todo o lado. Desvantagens: • A ligação das fichas tem maus contactos após pouco tempo de utilização. • Devido ao cabo ser um pouco rígido o que dificulta a sua instalação ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 17
  • 18. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Par entrançado O par entrançado é ainda hoje o meio de transmissão mais usado para aplicações de comunicações. Consiste em dois fios idênticos cobertos por um material isolante. Esta característica ajuda a diminuir a susceptibilidade do cabo a ruídos de cabos vizinhos e de fontes externas Vantagens: • Simplicidade e facilidade de instalação • É fisicamente flexível • Leve e pode ser facilmente conectado Desvantagens: • É incapaz de transportar informação para longas distâncias Fibra óptica no caso da fibra óptica é similar em forma ao cabo coaxial. É dominado core. Vantagens: • Grande capacidade de transmissão; • Seu custo ter diminuído enormemente na última década; Desvantagens: • Fragilidade das fibras ópticas sem encapsulamento • Dificuldade de conexões das fibras ópticas • Impossibilidade de alimentação remota de repetidores • Falta de padronização dos componentes ópticos ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 18
  • 19. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Meios não guiados Os meios não guiados são caracterizados por não conduzirem as ondas electromagnéticas. São meus de propagamentos de ondas, mas estas não têm uma direcção pré-definida. Ondas de rádio Hoje em dia as ondas de radio são muito utilizadas porque são fáceis de gerir. Propagam-se em todos os sentidos Desvantagens - Não é meio fiável de transmissão; ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 19
  • 20. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Infravermelhos Os infravermelhos são utilizados nos equipamentos de visão nocturna quando a quantidade de luz visível é insuficiente para ver os objectos. A radiação é detectada e depois reflectida numa tela. Os objectos mais quentes se convertem nos mais luminosos. Um uso muito comum do infravermelho é para a efectuação de comandos à distância (telecomandos), preferíveis em relação as ondas de rádio por que não sofrem interferências de outras ondas electromagnéticas como, por exemplo, os sinais de televisão. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 20
  • 21. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Microondas Microondas (também designadas SHF- Super High Frequency) são ondas electromagnéticas com comprimentos de onda maiores que os dos raios infravermelhos, mas menores que o comprimento de onda das ondas de rádio variando, consoante os autores, de 30 cm (1 GHz de frequência) até 1 cm (30 GHz de frequência). Bluetooth É uma tecnologia de baixo custo para a comunicação sem fio entre dispositivos electrónicos a curtas distâncias. Os dispositivos Bluetooth se comunicam entre si e formam uma rede denominada piconet, na qual podem existir até oito dispositivos interligados, sendo um deles o mestre (master) e os outros dispositivos escravos (slave); uma rede formada por diversos "masters" (com um numero máximo de 10) pode ser obtida para maximizar o número de conexões ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 21
  • 22. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Ligações terrestres e ligações terra-satelite As ligações terrestres são utilizadas na interligação de redes privadas, desde que exista Linha de vista entre os locais a interligar. É usual em utilizações até aos 3 km, suportando débitos de 2 ou 10 Mbps. As ligações terra-satélite são normalmente utilizadas nas intercontinentais das redes dos operadores de telecomunicações, sendo também usual a utilização deste tipo de ligações em redes informáticas com elevada dispersão geográfica ou localizadas em locais remotos. Laser É um dispositivo que produz radiação electromagnética com características muito especiais: ela é monocromática (possui frequência muito bem definida) e coerente (possui relações de fase bem definidas), além de ser colimada (propaga-se como um feixe). ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 22
  • 23. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 7. Largura de Banda O significado de largura de banda varia com o contexto em que é utilizado. Ao analisarmos um sinal representado em frequência, vemos que existem frequências em que a amplitude é significativa. À diferença entre a frequência máxima e a frequência mínima que compõem um sinal, seja ela analógico ou digital, chama-se largura de banda. Origens dos números No sistema de numeração utilizado no dia a dia, usamos um sistema com dez símbolos para representar os números existentes. Esses símbolos vão de 0 a 9 e representam o sistema de numeração decimal, precisamente por conter 10 símbolos diferentes, denominados algarismos. Para os números superiores a 9 é usada uma convenção de escrita. Por exemplo, em virtude das posições ocupadas o número 6903 tem um significado Numérico calculado da forma: 6903 = 6 x 1000 + 9 x 100 + 0 x 10 + 3 ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 23
  • 24. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 8. Bases numéricas Base Octogonal Como o próprio nome indica, a base octogonal utiliza o 8 como raiz. Existem, assim, 8 Algarismos diferentes, que variam desde o 0 até ao 7. A representação do número 8 será então 10o, e assim sucessivamente. A base octogonal utiliza-se na representação de sistemas de numeração de Computadores, e em programação de sistemas informáticos. Base hexadecimal A base hexadecimal (16) é frequentemente utilizada pelos programadores porque é bastante fácil converter de binário para hexadecimal (e vice-versa) e porque é bastante mais fácil ler um número em hexadecimal do que em binário. São utilizados 16 dígitos: 0, 1,..., 9, A, B, C, D, E, F. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 24
  • 25. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Base binário: Como todo mundo actualmente sabe, a base binária é o fundamento da tecnologia computacional moderna. Junto com a binária, a ciência da computação emprega as bases 8 e 16 já que é muito fácil para um computador converter entre estas três bases e usar as bases 8 e 16 encurta consideravelmente as representações de números. Conversões entre bases numéricas Podemos considerar, que base numérica é um conjunto de símbolos (ou algarismos) com o qual podemos representar uma certa quantidade ou número. No dia a dia costuma-se utilizar a base dez, ou base decimal, que como o próprio nome já diz é composta por 10 algarismos diferentes: 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 e 9. Dessa forma, uma sequência de contagem para a base decimal pode ser expressa através da seguinte sequência de números: 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 25
  • 26. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 9.Bytes Um byte é um dos tipos de dados integrais em computação. É usado com frequência para especificar o tamanho ou quantidade da memória ou da capacidade de armazenamento de um computador, independentemente do tipo de dados lá armazenados. Nos computadores modernos, um byte de oito bits ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 26
  • 27. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Potenciação em base binária Tomando como exemplo a base binária, com dois bits poderemos representar 22 números, ou seja, 4. Com três bits poderemos representar 23 números, ou seja 8. E assim sucessivamente. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 27
  • 28. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Contagem de Bytes Quando nos dirigimos a um ponto de venda de hardware, a quantificação da informação que pode ser guardada em disco ou em memória parece em bytes e não em bits. Como um byte é nada mais nada menos que 8 bits, a informação não deixa de estar correcta, uma vez que são raras as vezes em que um bit aparece sozinho. Assim, e à medida que aumentamos a quantidade de bytes, vamos utilizando prefixos, tal como utilizamos no sistema de base natural. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 28
  • 29. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 10. O sistema Octogonal e Hexadecimal Os sistemas de representação octogonal e hexadecimal são, ao contrário dos outros sistemas de numeração que possam ser utilizados, bastante importantes, devido à sua relação directa com o sistema de numeração binária. A relação é que 3 bits representam 8 valores, os mesmos valores existentes no sistema octogonal, enquanto que 4 bits representam 16 valores, os mesmos que a numeração hexadecimal. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 29
  • 30. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 11. Modos de transmissão Transferência de dados série e paralelo. A comunicação paralela é um método de enviar informação (sob a forma de sequências de bits) entre dois dispositivos, tais como um computador e um modem, no qual vários bits de informação são transmitidos paralelamente, ao invés do que acontece na comunicação série. Os computadores costumam possuir uma porta paralela de modo a poderem enviar informação para dispositivos tais como impressoras. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 30
  • 31. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) A comunicação série é um método de enviar informação (sob a forma de sequências de bits) entre dois dispositivos, tais como um computador e um modem, no qual os bits de informação são enviados sequencialmente, uns atrás dos outros. Os computadores costumam possuir uma ou mais portas série que permitem a comunicação série entre o computador e dispositivos externos. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 31
  • 32. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Síncronos e assíncronos Chamar uma função de forma síncrona significa que quem chamou a função deve esperar o retorno antes de prosseguir. Esta é a maneira mais comum de chamar qualquer função, mesmo um WebMethod. Em uma chamada assíncrona, não esperamos que a função chamada retorne antes de continuar, mantendo mais de uma "linha de execução" no código. Esta maneira não é muito usada, pois é mais complexa e, na maioria dos casos, ou a função retorna rapidamente ou, mesmo que demore, não temos o que fazer antes da função retornar. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 32
  • 33. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Paridade A paridade é vulgarmente utilizada para detectar erros nas transmissões, já que o seu cálculo é extremamente simples. Por exemplo, se anexar um bit de paridade extra a cada byte transmitido, um erro pode ser detectado se a paridade do byte não coincidir com o bit de paridade. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 33
  • 34. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 12. Modos de comunicação Simplex Uma comunicação é dita simplex quando temos um dispositivo Transmissor e outro dispositivo Receptor, sendo que este papel não se inverte no período de transmissão. A transmissão tem sentido unidireccional, não havendo retorno do receptor. Half-Duplex Uma comunicação é dita half-duplex quando temos um dispositivo Transmissor e outro Receptor, sendo que ambos podem transmitir e receber dados, porém não simultaneamente, a transmissão tem sentido bidirecional. Durante uma transmissão half-duplex, em determinado instante um dispositivo A será transmissor e o outro B será receptor, em outro instante os papéis podem se inverter. Full-Duplex Uma comunicação é dita full-duplex quando temos um dispositivo Transmissor e outro Receptor, sendo que os dois podem transmitir dados simultaneamente em ambos os sentidos (a transmissão é bidirecional). Poderíamos entender uma linha full-duplex como funcionalmente equivalente a duas linhas simplex, uma em cada direcção. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 34
  • 35. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 13. Ligações de acesso à rede Modems Modem, de modulador, demodulador, é um dispositivo electrónico que modula um sinal digital numa onda analógica, pronta a ser transmitida pela linha telefónica, e que demodula o sinal analógico e o reconverte para o formato digital original. Utilizado para conexão à Internet, BBS, ou a outro computador. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 35
  • 36. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) RDIS A conexão pode ser realizada até uma taxa de 128Kbps, através de duas linhas de até 64 Kbps, que são usadas tanto para conexão com a Internet quanto para chamadas telefónicas de voz normais. É possível efectuar a conexão em apenas 64Kbps e deixando a outra linha disponível para chamadas de voz. Caso esteja conectado a 128 Kbps, ou seja, usando as duas linhas, não será possível realizar ou receber chamadas telefónicas. É possível também fazer duas chamadas telefónicas simultâneas, cada uma usando uma linha de 64 Kbps. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 36
  • 37. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) DSL DSL é uma família de tecnologias que fornecem um meio de transmissão digital de dados, aproveitando a própria rede de telefonia que chega na maioria das residências. As velocidades típicas de download de uma linha DSL variam de 128 kilobits por segundo (kbit/s) até 24 mil kbits/s dependendo da tecnologia implementada e oferecida aos clientes. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 37
  • 38. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Tipos de DSL HDSL (High-Bit-Rate digital Subscriber Line) foi desenvolvido como uma tecnologia alternativa sem repetidores para disponibilização de serviços T1. HDSL opera Full-duplex através de cada par de fios em cabos de 2 pares. Isto é conhecido como Dual-duplex. Cada par de fios carrega 784 Kbps – metade de 1544 Kbps da largura de banda do T1. IDSL é uma tecnologia de conexão à internet da Rede Digital de Serviços Integrados (ISDN, em inglês), baseado em DSL e que foi desenvolvida pela empresa Ascend Communications. Tem uma baixa taxa de transmissão, da ordem de 128 Kbps. MSDSL Um acesso DSL simétrico que pode ter várias taxas de transferência de dados, estabelecidas no contrato com o operador, de acordo com o nível de serviço (preço) pretendido. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 38
  • 39. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) SDSL é uma variante do HDSL que permite taxas iguais às de ligações T1 ou E1, mas requer apenas um par metálico. A sua taxa de transmissão varia entre 72Kbps e 2320Kbps, em uma distância máxima de até 3,4Km. VDSL opera com transmissões assimétricas (taxa de upload sempre menos que a de download) variando de 13 a 52 Mbps de download, e 1,5 a 2,3 Mbps de upload, e isto em apenas um par metálico de até 330 metros, podendo chegar até 1,5Km em taxas mais baixas (alcançando por volta de 13Mbps) ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 39
  • 40. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 14.Internet por cabo Modem por cabo Um modem por cabo pode ser externo ao computador ou interno, ou ainda estar integrado na set-top box da televisão por cabo. Em qualquer dos casos, é composto pelos seguintes componentes: - Sintonizador; - Desmodulador; - Modulador; - Controlo de acesso ao meio; - Processador; ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 40
  • 41. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 15.Outras tecnologias de transmissão mais usuais. X.25 As suas especificações são Desenhadas de modo a funcionar sob qualquer meio de transmissão. A grande vantagem do X.25 é a sua internacionalização, uma vez que o protocolo é regulado pelas entidades Internacionais. Apesar dos seus ritmos de transmissão muito baixos, na ordem dos 64 kbps, e a sua elevada latência, na ordem dos 150 ms, o X.25 proporciona uma ligação fiável sobre meios de Transmissão pouco fiáveis e altamente degradados. Frame-Relay É uma eficiente tecnologia de comunicação de dados usada para transmitir de maneira rápida e barata a informação digital através de uma rede de dados, dividindo essas informações em frames (quadros) a um ou muitos destinos de um ou muitos end-points. Em 2006, a internet baseada em ATM e IP nativo começam, lentamente, a impelir o desuso da frame relay. ATM Tecnologia de transmissão de qualquer tipo de informação (dados, voz, imagem e vídeo) em redes de computadores com taxas de velocidade que podem variar entre 2 Mbps até a faixa dos Gigabits. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 41
  • 42. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 16.Dispositivos de rede Modem Os modems conectam o seu computador à Internet. Existem modems de diferentes velocidades. Um modem de velocidade mais rápida transfere informações da Internet para o seu computador com maior rapidez. Nós recomendamos que você use um modem de pelo menos 28.8kbps. Um modem de 56K, uma linha DSL ou ISDN ou um modem a cabo fornecerão conexões ainda mais rápidas. Placa de rede Uma placa de rede (também chamada adaptador de rede ou NIC) é um dispositivo de hardware responsável pela comunicação entre os computadores em uma rede, hoje em dia também já há placas de rede wireless. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 42
  • 43. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Switch Um switch, que em gíria aportuguesada foi traduzido para comutador, é um dispositivo utilizado em redes de computadores para reencaminhar quadros (ou tramas em Portugal, e 'frames' em inglês) entre os diversos nós. Possuem diversas portas, assim como os hubs, e operam na camada acima dos hubs. A diferença entre o Switch e o hub é que o Switch segmenta a rede internamente, sendo que a cada porta corresponde um segmento diferente, o que significa que não haverá colisões entre pacotes de segmentos diferentes — ao contrário dos hubs, cujas portas partilham o mesmo domínio de colisão. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 43
  • 44. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Hub Concentrador (também chamado HUB) em linguagem de informática é o aparelho que interliga diversas máquinas (computadores) que pode ligar externamente redes TAN, LAN, MAN e WAN. O Hub é indicado para redes com poucos terminais de rede, pois o mesmo não comporta um grande volume de informações passando por ele ao mesmo tempo devido sua metodologia de trabalho por broadcast, que envia a mesma informação dentro de uma rede para todas as máquinas interligadas. Devido a isto, sua aplicação para uma rede maior é desaconselhada, pois geraria lentidão na troca de informações. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 44
  • 45. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Bridge (pontes) Bridge ou ponte, é o termo utilizado em informática para designar um dispositivo que liga duas redes informáticas que usam protocolos distintos, ou dois segmentos da mesma rede que usam o mesmo protocolo, por exemplo ethernet ou token ring. Uma bridge ignora os protocolos utilizados nos dois segmentos que liga, já que opera a um nível muito baixo do modelo OSI (nível 2); somente envia dados de acordo com o endereço do pacote ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 45
  • 46. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) router Roteador ou router ou encaminhador é um equipamento usado para fazer a comunicação entre diferentes redes de computadores. Este equipamento provê a comunição entre computadores distantes entre si e até mesmo com protocolos de comunicação diferentes. Roteadores são dispositivos que operam na camada 3 do modelo OSI de referência de estudos. A principal característica dos roteadores é selecionar a porta mais apropriada para repassar os pacotes recebidos. Ou seja, encaminhar os pacotes para o melhor caminho disponível para um determinado destino. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 46
  • 47. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 17.Organismos Normalizadores locais ANACOM A Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) é a entidade cuja função é a regulação, supervisão e representação do sector das comunicações em Portugal. ICP -Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) é, desde 6 de Janeiro de 2002, a nova designação do Instituto das Comunicações de Portugal, em resultado da entrada em vigor dos seus novos estatutos. Com a publicação, a 7 de Dezembro, do Decreto-Lei n.º 309/2001, visou-se, antes de mais, congregar num único texto legal um conjunto de atribuições consagradas em diplomas avulsos, nomeadamente na sequência da transposição do acervo comunitário, definidor de novas funções atribuídas acessoriamente às autoridades reguladoras nacionais, ao longo da última década, em que se preparou e consolidou a liberalização, em particular, do sector das telecomunicações. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 47
  • 48. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) FCCN A Fundação para a Computação Científica Nacional (FCCN) é uma instituição privada portuguesa sem fins lucrativos de utilidade pública fundada a Janeiro de 1987. A principal actividade da FCCN é a gestão e planeamento da Rede Ciência, Tecnologia e Sociedade (RCTS) — o backbone de Portugal; e a gestão do serviço de registo do domínio de topo. pt. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 48
  • 49. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 18.Os standards Os organismos descritos anteriormente, juntamente com muitos outros, desenvolvem constantemente protocolos e normas de forma a facilitar as telecomunicações a todos os níveis aos utilizadores. A nível das telecomunicações são definidas normas e standards que possibilitam essas comunicações, quer em redes móveis, quer em redes fixas. Como exemplo, temos o GSM, o GPRS e o UMTS, normas que foram ou estão a ser desenvolvidas por organismos competentes na área, de modo a torná-las o mais genéricas e úteis possíveis. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 49
  • 50. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 19.Códigos de Representação de Caracteres UNICODE O UNICODE utiliza um código de 16 bits para representação de caracteres. Consegue, assim 65535 caracteres possíveis, que correspondem às várias linguagens de escrita existentes no mundo. ASCII ASCII (acrônimo para American Standard Code for Information Interchange) é um conjunto de códigos para o computador representar números, letras, pontuação e outros caracteres. Surgido em 1961, um dos seus inventores foi Robert W. Bemer. Arte ASCII é aquela na qual os únicos elementos utilizados são os caracteres disponíveis no teclado do computador. ASCII é uma padronização da indústria de computadores, onde cada carácter é manipulado na memória discos etc, sob forma de código binário. O código ASCII é formado por todas as combinações possíveis de 7 bits, sendo que existem várias extensões que abrangem 8 ou mais bits. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 50
  • 51. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) EBCDIC O Extended Binary Coded Decimal Interchange Code é um código criado pela IBM que igualmente representa caracteres como números. Utiliza, tal como o ASCII, 8 bits de representação de caracteres e tem várias páginas de código. É apenas utilizado entre computadores mainframe IBM de modo a manter coerência no texto transferido entre estes. Alfabeto GSM Também o protocolo GSM utiliza caracteres para a comunicação. Estes são bastante mais utilizados quando enviamos SMS ou quando acedemos à Internet via WAP. O Alfabeto GSM é um subconjunto do UNICODE com 7 bits de representação. UTF-X O UNICODE Transfer Format representa subconjuntos do UNICODE. O X é utilizado para indicar quantos bits de representação são utilizados. O mais utilizado é o UTF-8, com 8 bits de representação. É este alfabeto que é utilizado por omissão no Internet Explorer para visualização de páginas HTML. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 51
  • 52. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 20.Protocolos de Redes O modelo OSI OSI (Open Systems Interconnection), Camadas OSI ou Interconexão de Sistemas Abertos, é um conjunto de padrões ISO relativo à comunicação de dados. Um sistema aberto é um sistema que não depende de uma arquitetura específica. Para facilitar o processo de padronização e obter interconectividade entre máquinas de diferentes sistemas operativos, a Organização Internacional de Padronização (ISO - International Organization for Standardization) aprovou, no início dos anos 80, um modelo de referência para permitir a comunicação entre máquinas heterogêneas, denominado OSI (Open Systems Interconnection). Esse modelo serve de base para qualquer tipo de rede, seja de curta, média ou longa distância. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 52
  • 53. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Camadas inferiores – O protocolo Ethernet As especificações Ethernet cobrem as camadas 1 e 2 do modelo OSI, e as camadas MAC e Física do CSMA/CD. Especificam um barramento com o máximo de 2,5 km de comprimento, ligado em segmentos de 500 metros, uma taxa de transferência de 10 Mb/s ou 100 Mb/s, e um máximo de 1024 estações por barramento. Em relação à camada física, as funções de um controlador Ethernet (vulgarmente chamado de placa de rede), incluem: - Codificação de dados - Acesso ao canal Em relação à camada de ligação lógica, as suas principais funções são: - Encapsulamento de dados - Gestão da ligação ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 53
  • 54. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Trama Ethernet As redes Ethernet utilizam o protocolo CSMA/CD para coordenar o acesso ao meio de transmissão. O endereçamento é feito com base numa sequência de 6 bytes (48 bits) habitualmente conhecida por endereço físico, endereço MAC ou endereço “ethernet”. Alguns tipos de rede 802.3 mais antigos (ex.: StarLan) usam apenas dois bytes para endereço físico. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 54
  • 55. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Endereços de acessos ao meio Uma curiosidade no Windows XP é que toda a configuração da rede pode ser feita via linha de comando, através do prompt do MS-DOS, como no Linux. Na prática, não existe nenhuma grande vantagem sobre configurar pelo Painel de controlo, mas não deixa de ser um truque interessante, que vale à pena aprender. Cabos ethernet São utilizados basicamente dois tipos de cabos, em redes Ethernet. Cabo Crossover, Cross , Cruzado ou Invertido, utilizado para conexão entre duas placas de rede ou entre dois Hubs. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 55
  • 56. Cabo Direto ou Patch Cable Utilizado para conexão entre uma placa de rede e um Hub: Também é muito utilizado um cabo direto padrão 568 B nas duas pontas:
  • 57. Transmission controlo protocolo / Internet protocol O TCP é um dos protocolos sob os quais assenta o núcleo da Internet nos dias de hoje. A versatilidade e robustez deste protocolo tornaram adequado para redes globais, já que este verifica se os dados são enviados de forma correcta, na sequência apropriada e sem erros, pela rede. O TCP é um protocolo do nível da camada de transporte (camada 4) do Modelo OSI e é sobre o qual assentam a maioria das aplicações cibernéticas, como o SSH, FTP, HTTP — portanto, a World Wide Web. Camadas da pilha dos protocolos Internet O modelo TCP/IP de encapsulamento busca fornecer abstracção aos protocolos e serviços para diferentes camadas de uma pilha de estruturas de dados (ou simplesmente pilha).
  • 58. 21.Protocolos do TCP/IP TCP/IP é o nome que se dá a toda a família de protocolos utilizados pela Internet. Esta família de protocolos foi desenvolvida pela DARPA (Defense Advanced Research Project Agency) no DoD (Departamento de Defensa dos Estados Unidos). Este conjunto de protocolos foi desenvolvido para permitir aos computadores compartilharem recursos numa rede. Toda a família de protocolos inclui um conjunto de padrões que especificam os detalhes de como comunicar computadores, assim como também convenções para inter conectar redes e rotear o tráfego. Oficialmente esta família de protocolos é chamada, Protocolo Internet TCP/IP, comummente referenciada só como TCP/IP, devido a seus dois protocolos mais importantes (TCP: Transport Control Protocol e IP: Internet Protocol).
  • 59. Internet Protocolo O protocolo IP teve origem em 1970 no desenvolvimento da ARPANET, esta rede foi depois interligada a outras formando em 1980 um vasto conjunto que passou a ser conhecido por Internet. Com a inclusão do protocolo IP no UNIX, em 1982, um grande número de universidades passou a formar as suas redes que por sua vez também foram ligadas à Internet. O protocolo IP fornece um serviço de data gramas que é depois usado por outros protocolos de nível superior, tais como o TCP (Transmission Control Protocol) e o UDP (User Datagram Protocol). Endereçamento IP O endereço IP, de forma genérica, pode ser considerado como um conjunto de números que representa o local de um determinado equipamento (normalmente computadores) em uma rede privada ou pública. O endereço IP, na versão 4 (IPv4), é um número de 32 bits escrito com quatro octetos e no formato decimal (exemplo: 128.6.4.7). A primeira parte do endereço identifica uma rede específica na inter-rede, a segunda parte identifica um host dentro dessa rede. Devemos notar que um endereço IP não identifica uma máquina individual, mas uma conexão à inter-rede. Assim, um gateway conectando à n redes tem 'n' endereços IP diferentes, um para cada conexão.
  • 60. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Segmentação de redes Para melhorar a velocidade da rede, diminuindo o número de colisões e permitindo que várias estações possam transmitir dados (desde que não para o mesmo destinatário) podemos utilizar switches ou roteadores, que dividem a rede em vários segmentos e são capazes de ler os pacotes de dados e enviá-los apenas ao destinatário correcto. Registo de endereçamento IP A iminência de um colapso na Internet não é um facto novo. É o que afirma o administrador de redes da RNP (Rede Nacional de Ensino e Pesquisa), Marcos Frota. Segundo ele, desde 1995 o esgotamento dos endereços IP é uma realidade com a qual os administradores de rede convivem na Internet. Um endereço IP completo, chamado ‘‘Classe C’’, possui 255 números IP válidos para serem distribuídos. Esse tipo de endereço não é facilmente adquirido. ‘‘Para conseguir um Classe C, é preciso provar a necessidade do uso desses números’’, afirma Marcos. No caso da necessidade de mais números IP, surgiu a solução ‘‘NAT’’ de endereços IP não-válidos. A conexão directa com a Internet só é possível através de IPs válidos. Servidores e máquinas que precisam de acesso directo à rede utilizam acesso por meio desses endereços válidos. Para o usuário final, seja em empresas, universidades ou até mesmo em casa, o IP não-válido é a solução encontrada. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 60
  • 61. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) IPv6 O IPv6 é a versão 6 do protocolo IP. O IPv6 tem como objectivo substituir o padrão anterior, o IPv4, que só suporta cerca de 4 bilhões ( 4 x 109) de endereços, enquanto que o IPv6 suporta 3.4 x 1038 endereços. A previsão actual para a exaustão de todos os endereços IPv4 livres para atribuição a operadores é de Janeiro de 2014, o que significa que a transição da versão do IPv4 para o IPv6 é inevitável num futuro próximo. O governo dos Estados Unidos da América determinou que todas as suas agências federais devem suportar o protocolo IPv6 até 2008. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 61
  • 62. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Ferramentas IP ping é um programa de computador de rede de computadores usada em redes TCP/IP (como a Internet). Ele faz um teste básico se determinado equipamento de rede está a funcionar e é alcançável pela rede do equipamento de que está a ser feito o teste. Ele funciona enviando pacotes ICMP para o equipamento de destino e escutando as respostas. Traceroute é uma ferramenta que permite descobrir o caminho feito pelos pacotes desde a sua origem até o seu destino. Ele é usado para testes, medidas e gerenciamento da rede. O traceroute pode ser utilizado para detectar falhas como, por exemplo, gateways intermediários que descartam pacotes ou rotas que excedem a capacidade de um datagrama IP. Com esta ferramenta, o atraso da "viagem" do pacote entre a origem e gateways intermediários são reportados, permitindo determinar a contribuição de cada gateway para o atraso total da "viagem" do pacote desde a origem até o seu destino. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 62
  • 63. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 22.Protocolos da Camada 4 – TCP Trama TCP O TCP (acrónimo para o inglês Transmission Control Protocol) é um dos protocolos sob os quais assenta o núcleo da Internet nos dias de hoje. A versatilidade e robustez deste protocolo tornou-o adequado para redes globais, já que este verifica se os dados são enviados de forma correcta, na sequência apropriada e sem erros, pela rede. O TCP é um protocolo do nível da camada de transporte (camada 4) do Modelo OSI e é sobre o qual assentam a maioria das aplicações cibernéticas, como o SSH, FTP, HTTP — portanto, a World Wide Web. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 63
  • 64. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Portos um porto é uma localização especificada por software nos elementos da rede, que serve para a transmissão de dados e que especifica o final da ligação. Sempre que existe uma comunicação no TCP ou UDP, estão sempre dois portos a ser utilizados, um em cada sistema, de modo a executar essa comunicação. Os mais importantes são: FTP- significa File Transfer Protocol (Protocolo de Transferência de Arquivos), e é uma forma bastante rápida e versátil de transferir arquivos (também conhecidos como ficheiros), sendo uma das mais usadas na Internet. Pode referir-se tanto ao protocolo quanto ao programa que implementa este protocolo (neste caso, tradicionalmente aparece em letras minúsculas, por influência do programa de transferência de arquivos do Unix). http- significa HyperText Transfer Protocol (Protocolo de Transferência de Hipertexto) e é um protocolo da camada de "Aplicação" do modelo OSI, utilizado para transferência de dados na World Wide Web. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 64
  • 65. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 23.Routers Propriedades dos routers Protocolos de Roteamento A autenticação é um aspecto fundamental do sistema de segurança. Confirma a identidade dos utilizadores que estejam a tentar iniciar sessão num domínio ou a aceder a recursos na rede. A autenticação da família do Windows Server 2003 permite o início de sessão único em todos os recursos. Com o início de sessão único, um utilizador pode iniciar sessão num domínio uma vez, utilizando uma palavra-passe única ou um cartão Smart Card, e proceder à autenticação em qualquer computador no domínio. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 65
  • 66. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) As rotas do Windows O utilitário ping (analogia com o jogo de ping-pong) serve para verificar a resposta de um outro servidor na rede até a camada de rede. O ping envia pacotes ICMP (Internet Control Message Protocol) requisitando uma resposta do servidor remoto. A resposta do servidor normalmente é o mesmo pacote enviado. Ou seja, a máquina remota simplesmente devolve os dados que ela recebeu. O objetivo é testar se além da rede estar funcionando corretamente até a camada de rede, a mesma não está fazendo nenhuma tradução nos bytes enviados. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 66
  • 67. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 24. Internet Interessante é observar que, na história da Internet, diversos tipos de programas desenvolvidos foram sendo criados, melhorados e se espalhado gradualmente, sem nenhum controle. Serviços da Internet E-Mail FTP Chat NewsGroup WWW Telnet Visualização e Pesquisa da Informação Word wide web É a World Wide Web, o serviço que disseminou a Internet pelo mundo. É uma grande teia mundial onde é possível acessar hipertextos (documentos que podem ter textos, imagens, sons e vídeos), que são documentos que possuem a característica de ter "links" (ligações) pelos quais se pode saltar de uma parte para outra de um mesmo documento, ou para outro documento. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 67
  • 68. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Finger O Finger é um comando de troca de informação sobre utilizadores. O protocolo descrito no RFC é um protocolo muito simples que permite aceder à informação sobre utilizadores de uma maquina remota. (o comando Finger também funciona numa maquina local, efectuando pedidos sobre utilizadores à própria maquina. Mas neste caso não é usado o protocolo de comunicação de redes) De uma forma genérica o funcionamento do Finger resume- se a efectuar uma conexão à porta 79 do servidor, e a realizar um pedido. O servidor envia a resposta de acordo com os dados do pedido. Os dados enviados são em formato ASCII com os códigos de CR e LF no final. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 68
  • 69. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 25.Comunicação Grupos de Discussão- News Groups Este serviço é uma variação do E-Mail, mas lhe adiciona um recurso: a coordenação de grupos de discussão, com divulgação de boletins de assuntos específicos. O usuário deve se associar a um grupo de discussão de determinado assunto para que possa enviar/receber mensagens deste grupo. Correio electrónico O correio electrónico (e-mail) é um dos principais serviços suportados pelo CIUC, tendo vindo a afirmar-se como uma das formas de comunicação mais eficazes na interacção entre docentes, funcionários, serviços e alunos da UC. Este serviço possibilita a recepção/envio de mensagens de/para qualquer parte do Mundo, de uma forma simples, rápida e segura, suportando a troca dos mais variados tipos de informação. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 69
  • 70. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 26.Transferencia de ficheiros FTP significa File Transfer Protocol (Protocolo de Transferência de Arquivos), e é uma forma bastante rápida e versátil de transferir arquivos (também conhecidos como ficheiros), sendo uma das mais usadas na Internet. Pode referir-se tanto ao protocolo quanto ao programa que implementa este protocolo (neste caso, tradicionalmente aparece em letras minúsculas, por influência do programa de transferência de arquivos do Unix). ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 70
  • 71. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Acesso remoto telnet É um meio alternativo para usar alguns serviços da rede, útil quando se deseja alterar alguma senha de acesso, ou acessar algum serviço do servidor em seu provedor. O Telnet permite apenas aplicações em modo texto. R-tools Permite aos clientes corporativos a consulta de informações dos planos de previdência de seus funcionários pela Instituidora ou Averbadora. As consultas podem ser feitas via Internet, garantindo uma melhor performance nos processos internos e a redução de custos relacionados à estrutura de atendimento. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 71
  • 72. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 27.Os nomes na Internet – DNS O DNS (Domain Name System - Sistema de Nomes de Domínios) é um sistema de gerenciamento de nomes hierárquico e distribuído operando segundo duas definições: Examinar e actualizar sua base de dados. Resolver nomes de servidores em endereços de rede (Ips). O sistema de distribuição de nomes de domínio foi introduzido em 1984 e com ele os nomes de hosts residentes em um banco de dados pôde ser distribuído entre servidores múltiplos, baixando assim a carga em qualquer servidor que provê administração no sistema de nomeação de domínios. Ele baseia-se em nomes hierárquicos e permite a inscrição de vários dados digitados além do nome do host e seu IP. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 72
  • 73. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Operação O propósito do DNS é oferecer um meio adequado para encontrar os sites disponíveis na Internet. Ao oferecer aos usuários uma maneira confiável e fácil de usar para encontrar sites, servidores de e-mail e os muitos outros serviços da Internet sem deixar margem para dúvidas, o DNS ajudou a Internet a cumprir sua promessa como meio de comunicação global para o comércio, pesquisa, educação, cultura e outras actividades de expressão. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 73
  • 74. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 28.Protocolos no Windows – NetBios NetBIOS é uma interface de programa que foi desenvolvida para permitir a comunicação entre máquinas. Nesta estrutura foi implementado o conceito de nome de serviço, o que possibilita que uma máquina conecte-se à rede reservando um nome para sua utilização. Não há um servidor central para tratar os nomes definidos e qualquer máquina pode utilizar quantos nomes deseje, desde que ele não esteja em uso. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 74
  • 75. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) 29.Segurança na Internet A Internet não é completamente segura Disponibilidade do conhecimento. A segurança como uma tarefa não produtiva. Avaliação dos riscos. Número cada vez maior de problemas. Muita facilidade para “hackear”. Muitos administradores inexperientes ou negligentes. Situação não é de pânico, mas de alerta. Infinidade de tópicos. Grande consumo de temp.o Desinformação. Dificuldade de receber apoio ou cooperação. Falta de legislação específica. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 75
  • 76. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Firewalls Um foco para decisões de segurança - Pense no firewall como um funil onde todo o trafego deve passar por ele. Isto permite que sejam concentradas todas as medidas de segurança neste ponto onde a rede interna conecta-se com a Internet. Fortalecer a política de segurança - Muitos serviços são inseguros e o firewall pode filtrá-lo de acordo com um conjunto de regras, permitindo que apenas serviços aprovados passem por ele. Por exemplo, serviços como NFS e NIS são muito perigosos para serem usados fora da rede interna. O firewall manterá serviços perigosos como estes estritamente dentro da rede interna. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 76
  • 77. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) DMZ DMZ, em ciência da computação, é uma sigla para de De Militarize de Zone ou "zona desmilitarizada", em português. Também conhecida como Rede de Perímetro, a DMZ é uma pequena rede situada entre uma rede confiável e uma não confiável, geralmente entre a rede local e a Internet. A função de uma DMZ é manter todos os serviços que possuem acesso externo (HTTP, FTP, etc) separados da rede local limitando o dano em caso de comprometimento de algum serviço nela presente por algum invasor. Para atingir este objetivo os computadores presentes uma DMZ não devem conter nenhuma rota de acesso à rede local. ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 77
  • 78. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Bibliografia Topologias de rede http://esmf.drealentejo.pt/pgescola/cti10_05/Redes/Html/fisica2.htm Meios guiados: http://student.dei.uc.pt/~pcsantos/trav/trav_1/meio2.html; http://www.pucsp.br/~paulino/as2001/meios.html; Meios não guiados: http://pt.wikipedia.org/wiki/Radia%C3%A7%C3%A3o_infravermelha http://pt.wikipedia.org/wiki/Microondas http://pt.wikipedia.org/wiki/Bluetooth Bases numéricas: http://gec.di.uminho.pt/discip/TextoAC/anexoA.html http://www.dainf.cefetpr.br/~robson/prof/aulas/common/bases.htm Modos de transmissão: http://images.google.pt/images?hl=pt-PT&q=+transmissao+serie+paralelo Modos de comunicação: http://www.rederio.br/downloads/pdf/nt00202.pdf Ligações de acesso a rede: http://pt.wikipedia.org/wiki/Modem http://pt.wikipedia.org/wiki/RDIS ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 78
  • 79. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) Dispositivos de rede: http://www.tryscience.org/pt/DZIE-4Y4K2Q.html http://pt.wikipedia.org/wiki/Placa_de_rede http://pt.wikipedia.org/wiki/Comutador_(redes) http://pt.wikipedia.org/wiki/Concentrador Organismos Normalizadores locais http://pt.wikipedia.org/wiki/ANACOM http://pt.wikipedia.org/wiki/FCCN ASCII http://pt.wikipedia.org/wiki/ASCII Trama ethernet http://www.dei.isep.ipp.pt/~andre/documentos/ethernet.html Transmission controlo protocolo / Internet protocol http://pt.wikipedia.org/wiki/Transmission_Control_Protocol Internet Protocolo http://www.dei.isep.ipp.pt/~andre/documentos/ip.html Endereçamento IP http://pt.wikipedia.org/wiki/Endere%C3%A7o_IP Registo de endereçamento IP: http://www.rnp.br/noticias/imprensa/2004/not-imp-041018b.html ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 79
  • 80. Escola Secundária da Moita Manual de redes (G.R.I.I) IPv6 http://pt.wikipedia.org/wiki/IPv6 Ferramentas IP http://pt.wikipedia.org/wiki/Ping http://penta.ufrgs.br/uel/graziela/graznw13.htm Trama TCP http://pt.wikipedia.org/wiki/Transmission_Control_Protocol Portos http://pt.wikipedia.org/wiki/File_Transfer_Protocol ______________________________________________________________________ Alina Sofia 11º f2 n.º1 4/5/2007 80