SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
A Origem da Filosofia
Professor: Herbert Galeno
Blog: herbertgaleno.blogspot.com.br
www.youtube.com.br/herbertmiguel
Transição do saber Mítico para o saber
Racional
 Mitos constituem valores sociais ou morais
questionáveis, porém decisivos para o comportamento
dos grupos humanos em determinadas épocas.
 Lenda é a narrativa ou crendice popular acerca de seres
maravilhosos e encantados, de origem humana,
frequentemente explicando fenômeno da natureza.
Transição do saber Mítico para o saber
Racional
 A Filosofia, no olhar de Platão, é a investigação da
dimensão essencial e ontológica do mundo real, que
ultrapassa a opinião refletida do senso comum, presa a
realidade empírica e à aparências sensíveis. Na Filosofia a
sabedoria é questionada e investigada, no mito ela é
apenas aceita.
Transição do saber Mítico para o saber
Racional
Período Pré - Socrático
 A Filosofia começou na antiga Grécia. A intenção era
entender a realidade que estava diante daqueles que
seriam os primeiros filósofos do mundo.
 Os argumentos iniciais se baseavam na existência
aparente e no que realmente existia, como a origem do
mundo por exemplo.
 Eles observavam e anotavam detalhes da natureza,
exploravam os rios e os mares, estudavam as chuvas, o
sol, o movimento dos astros e tudo que era imperceptível
aos olhos humanos.
Cosmologia
 Os filósofos centraram sua atenção na natureza e
elaboraram diversas concepções cosmológicas, procurando
explicar racionalmente o Universo.
 Os pré-socráticos buscavam o princípio de todas as coisas
e o denominaram de arché (arquê) . Seu objetivo era
descobrir qual o elemento constitutivo de todas as coisas.
Os filósofos pré-socráticos.
 Tales de Mileto (624-546 a.C) Pertencente a escola
Jônica, deduziu que toda a matéria é derivada da água.
Segundo ele, tudo consistia em água: água como uma
existência primordial, e como princípio fundamental,
primário.
 Anaximandro (610-547 a.C) Escola Jônica. Entendeu que o
princípio de tudo era algo material, não uma coisa
determinada, mas um apeiron – um indefinido gerador de
coisas indefinidas. Esse algo indefinido não era a água,
terra, fogo, rocha ou a lama, mas tinha em si certa
possibilidade de gerar as demais coisas.
 Empédocles (492-430 a.C) Todas as coisas derivam de
quatro elementos principais: a água, o fogo, a terra e o
ar. Tais coisas eram chamadas de elementos. Esse teoria
tornou-se a mais aceita até Lavoisier no século XVIII.
 Demócrito (460-370 a.C) Maior expoente da teoria
atômica. Tudo que existe é composto por elementos
indivisíveis chamado átomos, depois avançou para a teoria
do Universo infinito e de que existe muitos outros mundo
como o nosso. Segundo esse Filósofo existe infinitos
mundos e tudo o que existe é fruto do acaso. As teorias de
Demócrito também são aceitas por outros pensadores.
 Pitágoras (570-497 a.C) filósofo e matemático, fundador
da escola pitagórica, discordava da ideia do acaso ao
afirmar que a melhor maneira que o homem dispõe para
aperfeiçoar-se é aproximar-se do ser supremo. Afirmava
que o Universo é uma “harmonia de contrários”. Outra
grande contribuição é o domínio da Geometria.
 Heráclito de Éfeso (540-470 a.C) Escola Jônica. O
princípio de tudo era o fogo, o fluir da realidade. Na visão
desse filósofo tudo está sempre fluindo em todo lugar, ou
seja, tudo se encontra num estado de vir a ser, oposto ao
estado de ser. Por isso ele conclui “ o ser não é porque
está sempre sendo”. Acreditava que o universo é
ordenado por um Deus que é ao mesmo tempo, impessoal
e intelectual na forma de um logos (fogo), do qual todo
movimento é produto.
 Parmênides o Grande (530-460 a.C) fundou a escola
eleata. Ao contrário de Heráclito acreditava que todas as
coisas “têm um ser” e esse ser “é”. Na sua perspectiva
tudo o que é absoluto não pode mudar “tudo o que é, é”.
O conceito de Archê para Parmênides também está ligado
as ideias de razão e de conhecimento. Para ele o ato de
conhecer depende da realidade do objeto.
Sofistas
Termo grego que significa “sábio”. Grupo de pensadores que elaboram
teorias sobre o Cosmos. Receberam críticas de Sócrates e Platão.
Os Sofistas eram professores que vendiam os seus
ensinamentos de Filosofia. Foram os primeiros a
sistematizar o ensino, formando um currículo de
estudos: Gramática, Retórica, Dialética,
Aritmética, Geometria, Astronomia, e Música.
Para Sócrates e Platão, os sofistas eram
falsos sábios pois consideravam os erros e
as mentiras tão válidos quanto as verdades.
Implacáveis em suas
acusações esses dois
filósofos os
chamavam de
mercenários do
saber, capciosos de
discursos vazios,
moralistas
superficiais, desde
que houvesse
alguma vantagem.
 Protágoras de Abdera (480-410 a.C) era um sofista. Ele
afirmava que o homem é a medida de todas as coisas, que
não há verdade absoluta e que o conceito de moral é
convencional. Em sua ótica o logos deveria sair da esfera
divina para a esfera humana.
Sócrates
Infelizmente, não escreveu nada. Suas ideias são conhecidas principalmente
por causa de Platão. Em sua Apologia de Sócrates. Sócrates jamais se
considerou um sofista, mas, vivia no meio deles, geralmente em discórdia.
Ele se opunha aos poderosos de
sua época, e acabou sendo usado
e condenado à morte por não crer
nos deuses e “corromper” os
jovens.
O método socrático de investigação partia
da ironia (pergunta) para a maiêutica (dar
a luz). Essa técnica de “parir o
conhecimento” recebeu esse nome em
homenagem a sua mãe que era parteira.
A partir de sua máxima “sei que
nada sei”, surgia a consciência da
própria ignorância, que é o
princípio da filosofia.
Suas perguntas eram hábeis e
seguras. Para ele, antes de
conhecer a natureza ou persuadir
os outros, era conhecer a si
mesmo.
Sócrates acreditava num
mundo espiritual e
contrariava o relativismo
sofista. Ele afirmava que a
vida humana deve ser vivida
em obediência, mesmo que
isso exija grande sacrifício.
Nesse mundo ninguém pode
ser feliz plenamente.
Platão
(428-347 a.C) Nasceu em Atenas – Grécia. É considerado um dos principais
pensadores gregos, pois influenciou profundamente a filosofia ocidental.
Suas ideias baseiam-se na diferenciação do mundo entre as coisas
sensíveis (mundo das ideias e a inteligência) e as coisas visíveis (seres
vivos e a matéria).
O pensamento mais conhecido de
Platão é o “Mito da Caverna”. Ele
imaginava uma caverna cheia de
pessoas acorrentadas desde a
infância, de maneira que não
pudessem ver sua entrada mas apenas
o seu fundo onde são projetadas as
sombras do que há lá fora. A sombra
projetada numa caverna retrata o
abismo entre o real e o ilusório.
Em sua teoria das ideias, o
mito da caverna é uma
espécie de parábola das
duas principais formas de
conhecimento: o sensível e
o intelectual.
Vê o quadril,
Mas enxerga a pureza.
Vê o peito,
Mas enxerga a coragem.
Vê os lábios
Mas enxerga as palavras.
Vê os olhos
Mas enxerga a alma.
Vê o coração
Mas enxerga o sentimento.
Vê a mente,
Mas enxerga o SABER.
O olhar filosófico
O olhar filosófico
 Amor platônico é qualquer tipo de relação afetuosa ou idealizada em que se abstrai
o elemento sexual, por vários gêneros diferentes, como em um caso de amizade
pura, entre duas pessoas.
 Amor platônico também pode ser um amor impossível, difícil ou que não é
correspondido. Muitas vezes uma pessoa tem um amor platônico e nunca tenta sair
dessa fase porque tem medo de se machucar ou medo de verificar que as suas
fantasias e expectativas não correspondem à realidade.
 As duas expressões dizem respeito a um amor focado na beleza do caráter e na
inteligência de uma pessoa, e não no seu aspeto físico. A expressão viu o seu conceito
mudar graças à obra de Sr. William Davenant, "Platonic Lovers" (Amantes Platônicos -
1636), onde o poeta inglês se refere ao amor como é retratado no Simpósio de Platão,
que afirma que o amor é a raiz de todas as virtudes e da verdade.
 O amor platônico é entendido como um amor à distância, que não se aproxima, não
toca, não envolve, é feito de fantasias e de idealização, onde o objeto do amor é o
ser perfeito, detentor de todas as boas qualidades e sem defeitos.
Para o filósofo grego Platão, o amor era algo
essencialmente puro e desprovido de paixões, ao
passo em que estas são essencialmente cegas,
materiais, efêmeras e falsas. O amor platônico, não
se fundamenta num interesse, e sim na virtude.
Platão criou também a teoria do mundo das idéias,
onde tudo era perfeito e que no mundo real tudo era
uma cópia imperfeita desse mundo das idéias.
Portanto amor platônico, ou qualquer coisa platônica,
se refere a algo que seja perfeito, mas que não
existe no mundo real, apenas no mundo das idéias.
O Conhecimento
 De acordo com Platão o conhecimento é adquirido pela luta
dialética, onde a mente é conduzida, do mundo sensível,
para uma intuição intelectual do mundo inteligível.
 A existência de dois mundos nessa concepção é chamado de
dualismo platônico.
 Esse conhecimento só encontrado acima do ilusório mundo
sensível, no mundo das ideias, das essências imutáveis, que
o homem atinge pela contemplação e a depuração dos
enganos e sentidos.
Aristóteles
Segundo a teoria de Aristóteles (384 a 3222 a.C), conhecida
como eudaimonéo (“ter êxito”), todas as atividades humanas
aspiram a algum bem, sendo o maior deles a felicidade.
Para Aristóteles a Felicidade não se encontra
nos prazeres nem nas riquezas, mas na
atividades racional. Pensar no seu entender,
é a principal característica humana, e a
felicidade consiste na atividade da alma
segundo a razão.
Conhecimento e realidade
 Aristóteles retomou a problemática do conhecimento,
afirmando a Ciência como conhecimento verdadeiro, um
conhecimento estabelecido pelas causas e capaz de superar os
enganos da opinião e compreender a natureza do “devir”.
 Criticou o mundo separado das ideias de Platão, afirmando ser
amigo de Platão, mas, mais amigo da verdade.
 Aristóteles criou a lógica como instrumento do conhecimento
em qualquer campo do saber. Sua filosofia captou a realidade do
modo unitário, contrariando o dualismo de Platão.
 Preocupou-se em encontrar as causas últimas, o princípio único
e transcedente de tudo aquilo que é finito e mutável.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA
 
Filosofia antiga
Filosofia antigaFilosofia antiga
Filosofia antiga
 
Aristóteles
AristótelesAristóteles
Aristóteles
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sócrates
Aula de filosofia antiga, tema: SócratesAula de filosofia antiga, tema: Sócrates
Aula de filosofia antiga, tema: Sócrates
 
Aula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
Aula 04 e 05 - Os Pré-SocráticosAula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
Aula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
 
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e  AristótelesFilosofia 02 - Sócrates, Platão e  Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
 
A busca da verdade
A busca da verdadeA busca da verdade
A busca da verdade
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Mito e Filosofia
Mito e FilosofiaMito e Filosofia
Mito e Filosofia
 
Sofistas e socrates
Sofistas e socratesSofistas e socrates
Sofistas e socrates
 
O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Aula 03 - Sócrates e o Nascimento da Filosofia
Aula 03 - Sócrates e o Nascimento da FilosofiaAula 03 - Sócrates e o Nascimento da Filosofia
Aula 03 - Sócrates e o Nascimento da Filosofia
 
Aulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platãoAulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platão
 

Destaque

Slide a origem da filosofia
Slide a origem da filosofiaSlide a origem da filosofia
Slide a origem da filosofiairanildespm
 
Origem da Filosofia
Origem da FilosofiaOrigem da Filosofia
Origem da Filosofiajuniorex1009
 
Aula 3 a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe Assunção
Aula 3   a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe AssunçãoAula 3   a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe Assunção
Aula 3 a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Ubuntu 8.04 LTS 2008
Ubuntu 8.04 LTS 2008Ubuntu 8.04 LTS 2008
Ubuntu 8.04 LTS 2008SergioSouza
 
004 1 – antes da filosofia propriamente dita
004   1 – antes da filosofia propriamente dita004   1 – antes da filosofia propriamente dita
004 1 – antes da filosofia propriamente ditaFábio Amorim
 
Cuadrocomparativ oupch (1)
Cuadrocomparativ oupch (1)Cuadrocomparativ oupch (1)
Cuadrocomparativ oupch (1)DORIS BROCA
 
Prova filosofia 1º ano / I bimestre
Prova filosofia 1º ano /  I bimestreProva filosofia 1º ano /  I bimestre
Prova filosofia 1º ano / I bimestreMary Alvarenga
 
Revisão de história 2º ano 2º bimestre
Revisão de história 2º ano 2º bimestreRevisão de história 2º ano 2º bimestre
Revisão de história 2º ano 2º bimestreeunamahcado
 
Spaece 2015 aula 1 terra e universo e vida e ambiente
Spaece 2015 aula 1 terra e universo e vida e ambienteSpaece 2015 aula 1 terra e universo e vida e ambiente
Spaece 2015 aula 1 terra e universo e vida e ambienteMarcos Santos
 
Revisão de história 3º ano
Revisão de história 3º anoRevisão de história 3º ano
Revisão de história 3º anoeunamahcado
 

Destaque (20)

Capitulo 1 a origem da filosofia
Capitulo 1   a origem da filosofiaCapitulo 1   a origem da filosofia
Capitulo 1 a origem da filosofia
 
Origem e divisão da filosofia
Origem e divisão da filosofiaOrigem e divisão da filosofia
Origem e divisão da filosofia
 
Slide a origem da filosofia
Slide a origem da filosofiaSlide a origem da filosofia
Slide a origem da filosofia
 
Origem da Filosofia
Origem da FilosofiaOrigem da Filosofia
Origem da Filosofia
 
Prova filosofia-1b-
Prova filosofia-1b-Prova filosofia-1b-
Prova filosofia-1b-
 
Filosofía
FilosofíaFilosofía
Filosofía
 
Principais filósofos.
Principais filósofos.Principais filósofos.
Principais filósofos.
 
Aula 3 a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe Assunção
Aula 3   a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe AssunçãoAula 3   a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe Assunção
Aula 3 a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe Assunção
 
Ubuntu 8.04 LTS 2008
Ubuntu 8.04 LTS 2008Ubuntu 8.04 LTS 2008
Ubuntu 8.04 LTS 2008
 
004 1 – antes da filosofia propriamente dita
004   1 – antes da filosofia propriamente dita004   1 – antes da filosofia propriamente dita
004 1 – antes da filosofia propriamente dita
 
Ubuntu
UbuntuUbuntu
Ubuntu
 
Filosofía
FilosofíaFilosofía
Filosofía
 
Cuadrocomparativ oupch (1)
Cuadrocomparativ oupch (1)Cuadrocomparativ oupch (1)
Cuadrocomparativ oupch (1)
 
Ubuntu
UbuntuUbuntu
Ubuntu
 
Regulamento afro 2013
Regulamento afro 2013Regulamento afro 2013
Regulamento afro 2013
 
Prova filosofia 1º ano / I bimestre
Prova filosofia 1º ano /  I bimestreProva filosofia 1º ano /  I bimestre
Prova filosofia 1º ano / I bimestre
 
Revisão de história 2º ano 2º bimestre
Revisão de história 2º ano 2º bimestreRevisão de história 2º ano 2º bimestre
Revisão de história 2º ano 2º bimestre
 
Aula de filosofia sobre o conhecimento
Aula de filosofia sobre o conhecimentoAula de filosofia sobre o conhecimento
Aula de filosofia sobre o conhecimento
 
Spaece 2015 aula 1 terra e universo e vida e ambiente
Spaece 2015 aula 1 terra e universo e vida e ambienteSpaece 2015 aula 1 terra e universo e vida e ambiente
Spaece 2015 aula 1 terra e universo e vida e ambiente
 
Revisão de história 3º ano
Revisão de história 3º anoRevisão de história 3º ano
Revisão de história 3º ano
 

Semelhante a A origem da filosofia

A metafísica na época clássica
A metafísica na época clássicaA metafísica na época clássica
A metafísica na época clássicamaria bertoldi
 
Texto períodos da filosofia
Texto   períodos da filosofiaTexto   períodos da filosofia
Texto períodos da filosofiaWilli Roger
 
Captulo13 Em busca da Verdade
Captulo13 Em busca da VerdadeCaptulo13 Em busca da Verdade
Captulo13 Em busca da VerdadeMarcos Mororó
 
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição HumanaEvolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição HumanaIuri Guedes
 
2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptxFlavioCandido8
 
Capítulo 13 em busca da verdade
Capítulo 13   em busca da verdadeCapítulo 13   em busca da verdade
Capítulo 13 em busca da verdadeEdirlene Fraga
 
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.Altair Moisés Aguilar
 
Platão e sua filosofia
Platão e sua filosofiaPlatão e sua filosofia
Platão e sua filosofiaBruno Carrasco
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesBruno Carrasco
 
2 cap.13
2 cap.132 cap.13
2 cap.13edna2
 
2 filosofia antiga e medieval filosofia
2 filosofia antiga e medieval   filosofia2 filosofia antiga e medieval   filosofia
2 filosofia antiga e medieval filosofiaDaniele Rubim
 
2 filosofia antiga e medieval filosofia
2 filosofia antiga e medieval   filosofia2 filosofia antiga e medieval   filosofia
2 filosofia antiga e medieval filosofiaDaniele Rubim
 
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo
Filosofia Grega Clássica ao HelenismoFilosofia Grega Clássica ao Helenismo
Filosofia Grega Clássica ao HelenismoCarson Souza
 
Slides Antropologia
Slides AntropologiaSlides Antropologia
Slides AntropologiaMisterios10
 
Miinha apresentacao platao
Miinha apresentacao plataoMiinha apresentacao platao
Miinha apresentacao plataoArthurGomes93
 

Semelhante a A origem da filosofia (20)

A metafísica na época clássica
A metafísica na época clássicaA metafísica na época clássica
A metafísica na época clássica
 
Texto períodos da filosofia
Texto   períodos da filosofiaTexto   períodos da filosofia
Texto períodos da filosofia
 
Captulo13 Em busca da Verdade
Captulo13 Em busca da VerdadeCaptulo13 Em busca da Verdade
Captulo13 Em busca da Verdade
 
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição HumanaEvolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
 
2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx
 
Capítulo 13 em busca da verdade
Capítulo 13   em busca da verdadeCapítulo 13   em busca da verdade
Capítulo 13 em busca da verdade
 
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
 
VisãO Geral da Filosofia
VisãO Geral da FilosofiaVisãO Geral da Filosofia
VisãO Geral da Filosofia
 
Platão e sua filosofia
Platão e sua filosofiaPlatão e sua filosofia
Platão e sua filosofia
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e Aristóteles
 
Antropologia Filosófica
Antropologia FilosóficaAntropologia Filosófica
Antropologia Filosófica
 
2 cap.13
2 cap.132 cap.13
2 cap.13
 
2 filosofia antiga e medieval filosofia
2 filosofia antiga e medieval   filosofia2 filosofia antiga e medieval   filosofia
2 filosofia antiga e medieval filosofia
 
2 filosofia antiga e medieval filosofia
2 filosofia antiga e medieval   filosofia2 filosofia antiga e medieval   filosofia
2 filosofia antiga e medieval filosofia
 
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo
Filosofia Grega Clássica ao HelenismoFilosofia Grega Clássica ao Helenismo
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo
 
Slides Antropologia
Slides AntropologiaSlides Antropologia
Slides Antropologia
 
Filosofia Unidade 2
Filosofia Unidade 2Filosofia Unidade 2
Filosofia Unidade 2
 
Platão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideiasPlatão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideias
 
Miinha apresentacao platao
Miinha apresentacao plataoMiinha apresentacao platao
Miinha apresentacao platao
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 

Mais de Colégio Nova Geração COC

A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundial
A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundialA nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundial
A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundialColégio Nova Geração COC
 

Mais de Colégio Nova Geração COC (20)

China comunismo e economia
China   comunismo e economiaChina   comunismo e economia
China comunismo e economia
 
As estruturas do relevo brasileiro
As estruturas do relevo brasileiroAs estruturas do relevo brasileiro
As estruturas do relevo brasileiro
 
A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundial
A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundialA nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundial
A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundial
 
A desordem mundial
A desordem mundialA desordem mundial
A desordem mundial
 
A crise de 1929 e o keynesianismo
A crise de 1929 e o keynesianismoA crise de 1929 e o keynesianismo
A crise de 1929 e o keynesianismo
 
Filosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidadeFilosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidade
 
Filosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidadeFilosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidade
 
Filosofia e arte no medievo
Filosofia e arte no medievoFilosofia e arte no medievo
Filosofia e arte no medievo
 
Filosofia e arte na antiguidade
Filosofia e arte na antiguidadeFilosofia e arte na antiguidade
Filosofia e arte na antiguidade
 
John Rawls
John RawlsJohn Rawls
John Rawls
 
Michel Foucalt e o biopoder
Michel Foucalt e o biopoderMichel Foucalt e o biopoder
Michel Foucalt e o biopoder
 
Immanuel Kant e o criticismo kantiano
Immanuel Kant e o criticismo kantianoImmanuel Kant e o criticismo kantiano
Immanuel Kant e o criticismo kantiano
 
Guerrilhas, terrorismo e conflitos regionais
Guerrilhas, terrorismo e conflitos regionaisGuerrilhas, terrorismo e conflitos regionais
Guerrilhas, terrorismo e conflitos regionais
 
Estados Unidos economia
Estados Unidos economiaEstados Unidos economia
Estados Unidos economia
 
Francis Bacon
Francis BaconFrancis Bacon
Francis Bacon
 
Direitos e cidadania no Brasil
Direitos e cidadania no BrasilDireitos e cidadania no Brasil
Direitos e cidadania no Brasil
 
David Hume
David HumeDavid Hume
David Hume
 
O conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologiaO conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologia
 
Fenomenologia
FenomenologiaFenomenologia
Fenomenologia
 
Nietzsche - tragédia e existência
Nietzsche - tragédia e existênciaNietzsche - tragédia e existência
Nietzsche - tragédia e existência
 

Último

Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 

Último (20)

Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 

A origem da filosofia

  • 1. A Origem da Filosofia Professor: Herbert Galeno Blog: herbertgaleno.blogspot.com.br www.youtube.com.br/herbertmiguel
  • 2. Transição do saber Mítico para o saber Racional  Mitos constituem valores sociais ou morais questionáveis, porém decisivos para o comportamento dos grupos humanos em determinadas épocas.
  • 3.  Lenda é a narrativa ou crendice popular acerca de seres maravilhosos e encantados, de origem humana, frequentemente explicando fenômeno da natureza. Transição do saber Mítico para o saber Racional
  • 4.  A Filosofia, no olhar de Platão, é a investigação da dimensão essencial e ontológica do mundo real, que ultrapassa a opinião refletida do senso comum, presa a realidade empírica e à aparências sensíveis. Na Filosofia a sabedoria é questionada e investigada, no mito ela é apenas aceita. Transição do saber Mítico para o saber Racional
  • 5. Período Pré - Socrático  A Filosofia começou na antiga Grécia. A intenção era entender a realidade que estava diante daqueles que seriam os primeiros filósofos do mundo.  Os argumentos iniciais se baseavam na existência aparente e no que realmente existia, como a origem do mundo por exemplo.  Eles observavam e anotavam detalhes da natureza, exploravam os rios e os mares, estudavam as chuvas, o sol, o movimento dos astros e tudo que era imperceptível aos olhos humanos.
  • 6. Cosmologia  Os filósofos centraram sua atenção na natureza e elaboraram diversas concepções cosmológicas, procurando explicar racionalmente o Universo.  Os pré-socráticos buscavam o princípio de todas as coisas e o denominaram de arché (arquê) . Seu objetivo era descobrir qual o elemento constitutivo de todas as coisas.
  • 7. Os filósofos pré-socráticos.  Tales de Mileto (624-546 a.C) Pertencente a escola Jônica, deduziu que toda a matéria é derivada da água. Segundo ele, tudo consistia em água: água como uma existência primordial, e como princípio fundamental, primário.
  • 8.  Anaximandro (610-547 a.C) Escola Jônica. Entendeu que o princípio de tudo era algo material, não uma coisa determinada, mas um apeiron – um indefinido gerador de coisas indefinidas. Esse algo indefinido não era a água, terra, fogo, rocha ou a lama, mas tinha em si certa possibilidade de gerar as demais coisas.
  • 9.  Empédocles (492-430 a.C) Todas as coisas derivam de quatro elementos principais: a água, o fogo, a terra e o ar. Tais coisas eram chamadas de elementos. Esse teoria tornou-se a mais aceita até Lavoisier no século XVIII.
  • 10.  Demócrito (460-370 a.C) Maior expoente da teoria atômica. Tudo que existe é composto por elementos indivisíveis chamado átomos, depois avançou para a teoria do Universo infinito e de que existe muitos outros mundo como o nosso. Segundo esse Filósofo existe infinitos mundos e tudo o que existe é fruto do acaso. As teorias de Demócrito também são aceitas por outros pensadores.
  • 11.  Pitágoras (570-497 a.C) filósofo e matemático, fundador da escola pitagórica, discordava da ideia do acaso ao afirmar que a melhor maneira que o homem dispõe para aperfeiçoar-se é aproximar-se do ser supremo. Afirmava que o Universo é uma “harmonia de contrários”. Outra grande contribuição é o domínio da Geometria.
  • 12.  Heráclito de Éfeso (540-470 a.C) Escola Jônica. O princípio de tudo era o fogo, o fluir da realidade. Na visão desse filósofo tudo está sempre fluindo em todo lugar, ou seja, tudo se encontra num estado de vir a ser, oposto ao estado de ser. Por isso ele conclui “ o ser não é porque está sempre sendo”. Acreditava que o universo é ordenado por um Deus que é ao mesmo tempo, impessoal e intelectual na forma de um logos (fogo), do qual todo movimento é produto.
  • 13.  Parmênides o Grande (530-460 a.C) fundou a escola eleata. Ao contrário de Heráclito acreditava que todas as coisas “têm um ser” e esse ser “é”. Na sua perspectiva tudo o que é absoluto não pode mudar “tudo o que é, é”. O conceito de Archê para Parmênides também está ligado as ideias de razão e de conhecimento. Para ele o ato de conhecer depende da realidade do objeto.
  • 14. Sofistas Termo grego que significa “sábio”. Grupo de pensadores que elaboram teorias sobre o Cosmos. Receberam críticas de Sócrates e Platão. Os Sofistas eram professores que vendiam os seus ensinamentos de Filosofia. Foram os primeiros a sistematizar o ensino, formando um currículo de estudos: Gramática, Retórica, Dialética, Aritmética, Geometria, Astronomia, e Música. Para Sócrates e Platão, os sofistas eram falsos sábios pois consideravam os erros e as mentiras tão válidos quanto as verdades. Implacáveis em suas acusações esses dois filósofos os chamavam de mercenários do saber, capciosos de discursos vazios, moralistas superficiais, desde que houvesse alguma vantagem.
  • 15.  Protágoras de Abdera (480-410 a.C) era um sofista. Ele afirmava que o homem é a medida de todas as coisas, que não há verdade absoluta e que o conceito de moral é convencional. Em sua ótica o logos deveria sair da esfera divina para a esfera humana.
  • 16. Sócrates Infelizmente, não escreveu nada. Suas ideias são conhecidas principalmente por causa de Platão. Em sua Apologia de Sócrates. Sócrates jamais se considerou um sofista, mas, vivia no meio deles, geralmente em discórdia. Ele se opunha aos poderosos de sua época, e acabou sendo usado e condenado à morte por não crer nos deuses e “corromper” os jovens. O método socrático de investigação partia da ironia (pergunta) para a maiêutica (dar a luz). Essa técnica de “parir o conhecimento” recebeu esse nome em homenagem a sua mãe que era parteira.
  • 17. A partir de sua máxima “sei que nada sei”, surgia a consciência da própria ignorância, que é o princípio da filosofia. Suas perguntas eram hábeis e seguras. Para ele, antes de conhecer a natureza ou persuadir os outros, era conhecer a si mesmo. Sócrates acreditava num mundo espiritual e contrariava o relativismo sofista. Ele afirmava que a vida humana deve ser vivida em obediência, mesmo que isso exija grande sacrifício. Nesse mundo ninguém pode ser feliz plenamente.
  • 18. Platão (428-347 a.C) Nasceu em Atenas – Grécia. É considerado um dos principais pensadores gregos, pois influenciou profundamente a filosofia ocidental. Suas ideias baseiam-se na diferenciação do mundo entre as coisas sensíveis (mundo das ideias e a inteligência) e as coisas visíveis (seres vivos e a matéria). O pensamento mais conhecido de Platão é o “Mito da Caverna”. Ele imaginava uma caverna cheia de pessoas acorrentadas desde a infância, de maneira que não pudessem ver sua entrada mas apenas o seu fundo onde são projetadas as sombras do que há lá fora. A sombra projetada numa caverna retrata o abismo entre o real e o ilusório. Em sua teoria das ideias, o mito da caverna é uma espécie de parábola das duas principais formas de conhecimento: o sensível e o intelectual.
  • 19. Vê o quadril, Mas enxerga a pureza. Vê o peito, Mas enxerga a coragem. Vê os lábios Mas enxerga as palavras. Vê os olhos Mas enxerga a alma. Vê o coração Mas enxerga o sentimento. Vê a mente, Mas enxerga o SABER. O olhar filosófico
  • 20. O olhar filosófico  Amor platônico é qualquer tipo de relação afetuosa ou idealizada em que se abstrai o elemento sexual, por vários gêneros diferentes, como em um caso de amizade pura, entre duas pessoas.  Amor platônico também pode ser um amor impossível, difícil ou que não é correspondido. Muitas vezes uma pessoa tem um amor platônico e nunca tenta sair dessa fase porque tem medo de se machucar ou medo de verificar que as suas fantasias e expectativas não correspondem à realidade.  As duas expressões dizem respeito a um amor focado na beleza do caráter e na inteligência de uma pessoa, e não no seu aspeto físico. A expressão viu o seu conceito mudar graças à obra de Sr. William Davenant, "Platonic Lovers" (Amantes Platônicos - 1636), onde o poeta inglês se refere ao amor como é retratado no Simpósio de Platão, que afirma que o amor é a raiz de todas as virtudes e da verdade.  O amor platônico é entendido como um amor à distância, que não se aproxima, não toca, não envolve, é feito de fantasias e de idealização, onde o objeto do amor é o ser perfeito, detentor de todas as boas qualidades e sem defeitos. Para o filósofo grego Platão, o amor era algo essencialmente puro e desprovido de paixões, ao passo em que estas são essencialmente cegas, materiais, efêmeras e falsas. O amor platônico, não se fundamenta num interesse, e sim na virtude. Platão criou também a teoria do mundo das idéias, onde tudo era perfeito e que no mundo real tudo era uma cópia imperfeita desse mundo das idéias. Portanto amor platônico, ou qualquer coisa platônica, se refere a algo que seja perfeito, mas que não existe no mundo real, apenas no mundo das idéias.
  • 21. O Conhecimento  De acordo com Platão o conhecimento é adquirido pela luta dialética, onde a mente é conduzida, do mundo sensível, para uma intuição intelectual do mundo inteligível.  A existência de dois mundos nessa concepção é chamado de dualismo platônico.  Esse conhecimento só encontrado acima do ilusório mundo sensível, no mundo das ideias, das essências imutáveis, que o homem atinge pela contemplação e a depuração dos enganos e sentidos.
  • 22. Aristóteles Segundo a teoria de Aristóteles (384 a 3222 a.C), conhecida como eudaimonéo (“ter êxito”), todas as atividades humanas aspiram a algum bem, sendo o maior deles a felicidade. Para Aristóteles a Felicidade não se encontra nos prazeres nem nas riquezas, mas na atividades racional. Pensar no seu entender, é a principal característica humana, e a felicidade consiste na atividade da alma segundo a razão.
  • 23. Conhecimento e realidade  Aristóteles retomou a problemática do conhecimento, afirmando a Ciência como conhecimento verdadeiro, um conhecimento estabelecido pelas causas e capaz de superar os enganos da opinião e compreender a natureza do “devir”.  Criticou o mundo separado das ideias de Platão, afirmando ser amigo de Platão, mas, mais amigo da verdade.  Aristóteles criou a lógica como instrumento do conhecimento em qualquer campo do saber. Sua filosofia captou a realidade do modo unitário, contrariando o dualismo de Platão.  Preocupou-se em encontrar as causas últimas, o princípio único e transcedente de tudo aquilo que é finito e mutável.