SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 47
O ESTADO ISLÂMICO
Onde se situa?
O Estado islâmico controla quase metade do
território da Síria e uma parte do norte do Iraque,
separando o território curdo do resto do Iraque. A
sua capital de fato é Raqqa, perto da qual se situa a
barragem de Tabqa, a maior do rio Eufrates e da
Síria. Controla cidades como Deir es-Zour
(importante centro petrolífero da Síria), Sinjar (a
maior da comunidade yazidi), Mossul, a segunda
cidade do Iraque, com 1,8 milhão de habitantes.
“Não há deus a não ser ALAH, Maomé é o mensageiro de ALAH”.
E.I. ou E.I.I.L. ou I.S.I.S.
 É uma organização política que professa o islamismo
sunita e foi fundada na Jordânia, em1999, com o
nome de Jama'at al-Tawhid wal-Jihad (Grupo de
Monoteísmo e Jihad) por Abu Musab al-Zarqawi;
 O grupo Estado Islâmico nasceu como uma
derivação da Al-Qaeda, fundamentado na ideologia
pan-islâmica de Sayyid Qutb, antigo líder da
Irmandade Muçulmana. Contudo, as ações do EI
ficaram gradativamente mais radicais, até mesmo
para os padrões da Al-Qaeda, o que provocou a
separação entre as duas organizações terroristas.
Surgimento
O Estado Islâmico no Iraque e na Síria (Isis) foi criado
em 2013 e cresceu como um braço da organização
terrorista al-Qaeda no Iraque. No entanto, no início
deste ano, os dois grupos romperam os laços. No final de
junho, os extremistas declararam um califado, mudaram
de nome para o Estado Islâmico (EI) e anunciaram que
iriam impor o monopólio de seu domínio pela força. O
EI é hoje um dos principais grupos jihadistas, e analistas
o consideram um dos mais perigosos do mundo.
Como surgiu?
 A maior ameaça terrorista desde a Al-Qaeda surgiu
lentamente. Existem dois fatores que
significativamente contribuem e que permitiram
grandes partes do Iraque e da Síria para cair em
território jihadista. Um deles é a guerra civil na Síria, o
que permitiu combatentes do Iraque e do resto do
mundo ganhar experiência na guerra, que os ajudou a
encontrar doadores e deu-lhes uma causa pela qual
lutar. A reação tardia da comunidade internacional
para responder ao conflito sírio também desempenhou
um papel importante.
Como surgiu?
 As origens da EI volta à guerra civil iraquiana, no
período que se seguiu à invasão norte-americana em
2003 Não havia como a organização ter crescido tão
rápido como o fez sem o apoio de sunitas iraquianos.
Durante anos, eles foram postos de lado pelo governo
do primeiro-ministro xiita Nouri al-Maliki, e muitos
ainda estão presos no ressentimento nostálgico de ter
perdido a supremacia que gozavam durante a era de
Saddam Hussein, ele mesmo um sunita.
Histórico
 Apesar de fundado na Jordânia, o grupo desenvolveu-se no
Iraque, na resistência à invasão dos Estados Unidos e aliados. Em
2004, o grupo ligou-se a Osama bin Laden e mudou de nome
para Al-Qaeda no Iraque, tornando-se uma das principais forças
da resistência. Os seus objetivos eram forçar a retirada das tropas
ocupantes, derrubar o governo títere iraquiano, assassinar os
colaboracionistas, derrotar as milícias xiitas e estabelecer um
Estado puramente islâmico. Com a morte de al-Zarqawi em
2006, o grupo juntou-se a outras organizações sunitas e formou o
Estado Islâmico do Iraque. Mas a sua influência diminuiu diante
da criação dos conselhos de líderes tribais sunitas Sahwa
(Despertar), que rejeitavam as suas táticas ultraviolentas.
Histórico
 Em 2010, assumiu o comando Abu Bakr Al-Baghdadi que
reorganizou o grupo, e voltou a crescer à medida em que o
próprio governo iraquiano, dominado pelos xiitas, marginalizava
os sunitas e incentivava os conflitos sectários. A nova liderança
levou a organização a envolver-se também na guerra da Síria,
onde combateu o governo de Bashar al-Assad. Em 2013, Abu Bakr
Al-Baghdadi anunciou a unificação das forças do Iraque e da Síria
numa só organização, o Estado Islâmico do Iraque e do Levante
(EIIL, ou ISIS, sigla em inglês).
Em junho de 2014, o EIIL, depois de uma imparável ofensiva que
o levou a conquistar dezenas de cidades, entre elas as estratégicas
Raqqa na Síria e Mossul no Iraque, proclamou a criação de um
Califado, o Estado Islâmico.
Então, o Estado Islâmico é um
estado?
Seria melhor chamar-lhe um protoestado, com uma
existência ainda muito curta e futuro incerto, mas que
procura organizar-se com estado, pondo de pé um
sistema de cobrança de impostos e uma nova legislação
baseada na interpretação mais rigorista da Sharia, a lei
islâmica. O território que controla atualmente não é
desprezível.
Qual é o tamanho do Estado
Islâmico
Como não se trata de um estado consolidado
nem reconhecido e muitas áreas estão em
disputa e uma guerra está em curso, o cálculo
é difícil, calcula-se a área em cerca de 210 mil
quilômetros quadrados, mais ou menos
equivalente à área total da Grã-Bretanha, mas
que inclui territórios desabitados.
Quem é Abu Bakr al-Baghdadi?
O nome de nascimento é Awwad Ibrahim Ali al-Badri al-Samarrai e
nasceu na cidade iraquiana de Samarra. Tem 43 anos e acredita-se
que começou a carreira como pregador salafista. Envolvido na
resistência à ocupação, foi preso pelas tropas norte-americanas na
prisão de Camp Bucca. Mas há versões divergentes quanto a esta
detenção: al-Baghdadi terá estado preso entre fevereiro e dezembro
de 2004; ou entre 2005 e 2009. Seja em que período for, parece
coincidir a versão que diz que foi libertado por decisão de uma
comissão de revisão dos processos dos presos.
Em maio de 2010, o EIIL anunciou que al-Baghdadi era o novo líder
da organização. E em 29 de junho de 2014, o EIIL anunciou a
criação do califado e a sua nomeação como califa, com o nome de
Ibrahim.
De onde vem o financiamento do Estado
Islâmico?
 A maior fonte atual de financiamento do EI é o petróleo iraquiano.
 Mossul, uma das cidades dominadas pelo grupo, produz cerca de 2
milhões de barris de petróleo por dia. O EI também controla a central
de gás de Shaar, e Deir es-Zour, o maior centro petrolífero da Síria.
 Calculam-se que o EI ganhe um milhão de dólares por dia com a
exploração do petróleo iraquiano, vendendo petróleo no mercado
negro a 30,00 $.
 Além disso, o EI está implantando um sistema de impostos nas áreas
conquistadas.
 Quando ainda não possuía território ou poço de petróleo, o
financiamento veio do apoio da Arábia Saudita e dos países do Golfo.
Objetivos
 Os objetivos do Estado Islâmico é expandir o seu
califado por todo o Oriente Médio, que se pautaria pela
Sharia, a Lei Islâmica interpretada a partir do Alcorão,
e estabelecer conexões na Europa e outras regiões do
mundo, com o propósito de realizar atentados que lhes
possam conferir autoridade através do terror. A
concepção de Jihad, ou Guerra Santa para o Islã, que o
EI possui é a mesma de outras organizações
terroristas, como a Al-Qaeda ou o Hamas: expandir o
modelo teocrático radical islâmico de governo pelo
mundo, por meio dos métodos terroristas.
Adesões
 É curiosa a grande adesão de simpatizantes não
islâmicos e, frenquentemente, de origem europeia às
causas do EI. Muitos jovens do Ocidente se oferecem
para integrar o grupo e servir ao seu propósito jhadista.
Esse tipo de comportamento preocupa vários chefes de
estado da Europa, sobretudo pela possibilidade de
infiltração que tais jovens, treinados como terroristas,
possam realizar em solo europeu ou de outras
localidades.
Os E.U.A.
 Em agosto de 2014, os Estados Unidos da América
fizeram cerca de 120 ataques aéreos contra instalações
do Estado Islâmico no Iraque. Os EUA também
preveem ataque ao EI em solo sírio, formando mais
uma frente, com o auxílio de combatentes iraquianos e
do exército da Síria.
Combatentes do E.I.
 Nacionalidades
Na Síria, a maioria dos combatentes em terra são sírios,
mas seus comandantes costumam chegar do exterior e
lutaram no Iraque, Chechênia e Afeganistão. No
Iraque, a maioria dos combatentes são iraquianos.
 Muitos de seus chefes militares são iraquianos ou
líbios, enquanto os líderes religiosos são sauditas ou
tunisianos.
 O EI também conta com centenas de combatentes
francófonos, como franceses, belgas e magrebinos.
Ideologia
O E.I. nunca jurou lealdade ao chefe
da Al-Qaeda, mas o grupo defende o
mesmo tipo de ideologia jihadista,
baseado na SHARIA (lei islâmica,
baseada no corão).
Na Síria
• Na Síria é considerado a força combatente mais eficaz
contra o regime do presidente Bashar al-Assad.
 Mas depois de ter sido acolhido favoravelmente por
alguns rebeldes sírios, acabou pegando em armas
contra eles.
 Esta mudança se deveu a sua vontade hegemônica e às
atrocidades que são atribuídas ao grupo, sobretudo o
sequestro e a execução de civis e de rebeldes de
movimentos rivais.
Decapitações
 Em menos de um mês, entre agosto e setembro de
2014, o grupo divulgou três vídeos em que seus
combatentes decapitam reféns ocidentais que estavam
presos na Síria - dois jornalistas norte-americanos e
um agente humanitário britânico - e ameaçam
executar mais reféns, em retalização aos ataques
aéreos promovidos pelos Estados Unidos contra
posições do grupo no Iraque.
Combatentes ocidentais
O Estado Islâmico conta com um vasto
grupo de extremistas: entre 3 mil e 5 mil
milicianos, muitos deles estrangeiros.
Vídeos divulgados pelo grupo jihadista
mostram britânicos que aderiam à causa
islâmica e à luta armada.
Ações cruéis
Nos conflitos nos quais participou, o grupo
foi acusado de diversas atrocidades, como
sequestros, assassinato de civis e torturas. A
milícia é considerada extremamente
agressiva e eficiente em combate. O avanço
dos jihadistas levou os EUA a
bombardearem alvos rebeldes.
Perseguição religiosa
O ISIS obriga as pessoas que vivem nas áreas que
controla, sob ameaça de pena de morte, tortura ou
mutilação, a se converter ao islamismo e viver de
acordo com a sua interpretação do islã sunita e a lei
sharia. O grupo direciona a violência principalmente
contra muçulmanos xiitas, assírios, caldeus, siríacos,
cristãos armênios, Yazidis, drusos, shabacks e
mandeanos.
A Anistia Internacional acusou o ISIS de promover
uma limpeza étnica dos grupos minoritários que vivem
no norte do Iraque.
Tratamento dado aos civis
Durante o conflito no Iraque em 2014, o ISIS
lançou vídeos mostrando maus-tratos contra
civis, direcionados com base na religião ou
etnia das pessoas.
Todas as mulheres da cidade são obrigados a
usar o véu niqab e calças são proibidas.
Ladrões têm suas mãos decepadas e os
adversários são crucificados ou decapitados
publicamente, as imagens destes atos horríveis
depois são postadas em redes sociais.
Tratamento dado aos civis.
 Os poucos salões de beleza que ainda estão abertos são
obrigados a cobrirem de preto as fotos de mulheres na
embalagem para soluções de coloração capilar.
Casamentos só estão autorizados sem música. E nos
mercados de gado, as partes traseiras de caprinos e
ovinos devem ser cobertos, a fim de impedir os
homens de visualização de seus órgãos genitais e ter
pensamentos impróprios.
 Qualquer pessoa apanhada na rua durante os cinco
momentos de oração diários está arriscando sua vida.
Tratamento dado aos civis.
 Além da proibição da venda e uso de álcool ;proibiram
a venda e uso de cigarros ; "música e canções em
carros, em festas, em lojas e em público, assim como
fotografias de pessoas nas vitrines das lojas“;
 Os cristãos que vivem em áreas sob controle ISIS que
queiram permanecer no território do "califado" tem
apenas três opções: se converter ao islamismo; pagar
um imposto religioso (o jizya); ou morrer.
Denúncias de violência sexual
De acordo com um relatório, a captura de cidades
iraquianas pelo ISIS em junho 2014 foi acompanhada
por um aumento nos crimes contra as mulheres,
incluindo sequestro e estupro.
 "Eles costumam levar as mulheres mais velhas a um
mercado de escravos improvisado e tentam vendê-las.
As meninas mais jovens ... são estupradas ou forçadas a
casar com os combatentes. É baseando-se nesses
casamentos temporários e que esses militantes têm
feito sexo com essas meninas, quando então eles
simplesmente as passam para outros combatentes“.
O Estado Islâmico veio trazer alterações no panorama
geoestratégico da região?
 Sem dúvida. Mesmo sem uma aliança
formal, os Estados Unidos e o Irã estão lado
a lado contra o inimigo comum, o EI; os EUA
estão a bombardear o EI, para satisfação de
Bashar al-Assad, inimigo declarado de
Washington.
O que virá em seguida? E quem vai aproveitar-se
deste realinhamento?
 A curto prazo, parece haver três óbvios vencedores. O
primeiro é o próprio Califado. A reentrada dos Estados
Unidos no conflito militar do Iraque permite que o Califado
se apresente como uma força fundamental para desafiar o
demónio incarnado, os Estados Unidos. Servirá para atrair
muitos novos recrutas, especialmente do mundo ocidental.
E pode-se esperar que tentará envolver-se em atividades
hostis no interior dos Estados Unidos e na Europa
ocidental. Esta vantagem de curto prazo irá evidentemente
entrar em colapso se o Califado sofrer revezes militares
pesados. Mas vai demorar algum tempo antes que isto
ocorra, se é que vai acontecer. O exército do Califado parece
ainda ser a força militar mais moralizada e treinada na
região.
O que virá em seguida? E quem vai aproveitar-se
deste realinhamento?
 Um segundo grande vencedor é Bashar al-Assad. O
apoio externo às forças anti-Assad foi sempre inferior
ao decisivo, e é provável que diminua mais ainda a
curto prazo, à medida em que mais e mais opositores
sírios se alinhem com o Califado.
 O terceiro grande vencedor são os curdos, que
consolidaram a sua posição no Iraque e melhoraram as
suas relações com os curdos da Síria. Irão agora receber
mais armas dos países ocidentais e possivelmente de
outros, fortalecendo ainda mais as suas forças
militares.
Ações Externas
 Países como Arábia Saudita, Irã e Rússia, em grande
parte responsáveis pelo caos no Oriente Médio,
seguem em silêncio. Estados Unidos, França e Turquia,
igualmente culpados, cogitam ações humanitárias,
uma forma de aplacar a ambiguidade moral gerada
pela convivência entre seus regimes democráticos e
seus interesses geopolíticos. Geralmente, o termo
genocídio é carregado de significado político e usado
de forma equivocada.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Revolução chinesa
Revolução chinesaRevolução chinesa
Revolução chinesa
 
AFEGANISTÃO: Guerras e Conflitos
AFEGANISTÃO: Guerras e ConflitosAFEGANISTÃO: Guerras e Conflitos
AFEGANISTÃO: Guerras e Conflitos
 
A guerra da iugoslávia
A guerra da iugosláviaA guerra da iugoslávia
A guerra da iugoslávia
 
Guerra ao Terror
Guerra ao TerrorGuerra ao Terror
Guerra ao Terror
 
A Revolução Russa
A Revolução RussaA Revolução Russa
A Revolução Russa
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Terrorismo
TerrorismoTerrorismo
Terrorismo
 
Guerra da coreia
Guerra da coreiaGuerra da coreia
Guerra da coreia
 
URSS E A CEI
URSS E A CEIURSS E A CEI
URSS E A CEI
 
Revolucão Chinesa
Revolucão ChinesaRevolucão Chinesa
Revolucão Chinesa
 
O mundo pos guerra fria
O mundo pos guerra friaO mundo pos guerra fria
O mundo pos guerra fria
 
Estrutura geológica do brasil
Estrutura geológica do brasilEstrutura geológica do brasil
Estrutura geológica do brasil
 
Capitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismoCapitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismo
 
Os Atos Institucionais e a Ditadura Militar no Brasil
Os Atos Institucionais e a Ditadura Militar no BrasilOs Atos Institucionais e a Ditadura Militar no Brasil
Os Atos Institucionais e a Ditadura Militar no Brasil
 
A nova ordem mundial ou mulitpolaridade
A nova ordem mundial ou mulitpolaridadeA nova ordem mundial ou mulitpolaridade
A nova ordem mundial ou mulitpolaridade
 
Aula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabeAula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabe
 
Conflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médioConflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médio
 
Mundo árabe
Mundo árabeMundo árabe
Mundo árabe
 
A Redemocratização do Brasil
A Redemocratização do BrasilA Redemocratização do Brasil
A Redemocratização do Brasil
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 

Destaque

O Estado Islâmico
O Estado IslâmicoO Estado Islâmico
O Estado IslâmicoElton Zanoni
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre ViolênciaSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre ViolênciaTurma Olímpica
 
9º ano - Segunda guerra mundial
9º ano - Segunda guerra mundial9º ano - Segunda guerra mundial
9º ano - Segunda guerra mundialJanaína Bindá
 
O Terrorismo
O TerrorismoO Terrorismo
O Terrorismojojopipi
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do TrabalhoSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do TrabalhoTurma Olímpica
 
Karl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de SociologiaKarl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de SociologiaJosias Vitor
 
O Islamismo
O IslamismoO Islamismo
O IslamismoRosário
 
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii   aula 1 - Cultura e SociedadeSociologia ii   aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii aula 1 - Cultura e SociedadeCarmem Rocha
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Over Lane
 
O brasil ainda é católico
O brasil ainda é católicoO brasil ainda é católico
O brasil ainda é católicoAldenei Barros
 
Atualidade Conflitos Internacionais
Atualidade Conflitos InternacionaisAtualidade Conflitos Internacionais
Atualidade Conflitos InternacionaisBruna Azevedo
 
Vivendo na contramão da vida
Vivendo na contramão da vidaVivendo na contramão da vida
Vivendo na contramão da vidaJean Francesco
 
Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)Daniel Nunes
 

Destaque (20)

O Estado Islâmico
O Estado IslâmicoO Estado Islâmico
O Estado Islâmico
 
Estado Islâmico
Estado IslâmicoEstado Islâmico
Estado Islâmico
 
Estado islâmico
Estado islâmicoEstado islâmico
Estado islâmico
 
Estado Islamico
Estado IslamicoEstado Islamico
Estado Islamico
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre ViolênciaSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
 
9º ano - Segunda guerra mundial
9º ano - Segunda guerra mundial9º ano - Segunda guerra mundial
9º ano - Segunda guerra mundial
 
O Terrorismo
O TerrorismoO Terrorismo
O Terrorismo
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do TrabalhoSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
 
Karl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de SociologiaKarl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de Sociologia
 
O Islamismo
O IslamismoO Islamismo
O Islamismo
 
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii   aula 1 - Cultura e SociedadeSociologia ii   aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
 
Estado Islâmico
Estado IslâmicoEstado Islâmico
Estado Islâmico
 
Dissertação_Violência_no _futebol
Dissertação_Violência_no _futebolDissertação_Violência_no _futebol
Dissertação_Violência_no _futebol
 
O brasil ainda é católico
O brasil ainda é católicoO brasil ainda é católico
O brasil ainda é católico
 
Atualidade Conflitos Internacionais
Atualidade Conflitos InternacionaisAtualidade Conflitos Internacionais
Atualidade Conflitos Internacionais
 
Vivendo na contramão da vida
Vivendo na contramão da vidaVivendo na contramão da vida
Vivendo na contramão da vida
 
Aula de sociologia
Aula de sociologia Aula de sociologia
Aula de sociologia
 
Conflitos Mudiais
Conflitos MudiaisConflitos Mudiais
Conflitos Mudiais
 
Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)
 

Semelhante a O Estado Islâmico: origem, ideologia e ações do grupo terrorista

Origem do estado islâmico
Origem do estado islâmicoOrigem do estado islâmico
Origem do estado islâmicoobjetivo 2ano
 
Conflitos na Síria (03): Estado Islâmico e a questão dos refugiados
Conflitos na Síria (03): Estado Islâmico e a questão dos refugiadosConflitos na Síria (03): Estado Islâmico e a questão dos refugiados
Conflitos na Síria (03): Estado Islâmico e a questão dos refugiadosMunis Pedro
 
atualidades completo aula 00
atualidades completo aula 00atualidades completo aula 00
atualidades completo aula 00ssuserfe4121
 
Janelas para o futuro #2
Janelas para o futuro #2Janelas para o futuro #2
Janelas para o futuro #2Leonardo Houch
 
atualidades aula 00 simplificado
atualidades aula 00 simplificadoatualidades aula 00 simplificado
atualidades aula 00 simplificadossuserfe4121
 
Oriente médio com primavera
Oriente médio com primaveraOriente médio com primavera
Oriente médio com primaverabruno rangel
 
Oriente médio e estado islâmico
Oriente médio e estado islâmicoOriente médio e estado islâmico
Oriente médio e estado islâmicoArtur Lara
 
Conflitos na Síria (02): grupos políticos, seitas e etnias
Conflitos na Síria (02): grupos políticos, seitas e etniasConflitos na Síria (02): grupos políticos, seitas e etnias
Conflitos na Síria (02): grupos políticos, seitas e etniasMunis Pedro
 
Trabalho de história
Trabalho de históriaTrabalho de história
Trabalho de históriajess rios
 
O intervencionismo americano (vitória oliveira, camila b, laura barros, julia...
O intervencionismo americano (vitória oliveira, camila b, laura barros, julia...O intervencionismo americano (vitória oliveira, camila b, laura barros, julia...
O intervencionismo americano (vitória oliveira, camila b, laura barros, julia...Camila Bertoglio
 
Guerra contra o terrorismo
Guerra contra o terrorismoGuerra contra o terrorismo
Guerra contra o terrorismojacqueliine2
 
O significado da intervenção militar na siria
O significado da intervenção militar na siriaO significado da intervenção militar na siria
O significado da intervenção militar na siriaFernando Alcoforado
 

Semelhante a O Estado Islâmico: origem, ideologia e ações do grupo terrorista (20)

Origem do estado islâmico
Origem do estado islâmicoOrigem do estado islâmico
Origem do estado islâmico
 
Conflitos na Síria (03): Estado Islâmico e a questão dos refugiados
Conflitos na Síria (03): Estado Islâmico e a questão dos refugiadosConflitos na Síria (03): Estado Islâmico e a questão dos refugiados
Conflitos na Síria (03): Estado Islâmico e a questão dos refugiados
 
2º Mb Grupo 04
2º Mb   Grupo 042º Mb   Grupo 04
2º Mb Grupo 04
 
Estado Islâmico
Estado IslâmicoEstado Islâmico
Estado Islâmico
 
2º Md Grupo 04
2º Md   Grupo 042º Md   Grupo 04
2º Md Grupo 04
 
Guerrilhas, terrorismo e conflitos regionais
Guerrilhas, terrorismo e conflitos regionaisGuerrilhas, terrorismo e conflitos regionais
Guerrilhas, terrorismo e conflitos regionais
 
atualidades completo aula 00
atualidades completo aula 00atualidades completo aula 00
atualidades completo aula 00
 
Janelas para o futuro #2
Janelas para o futuro #2Janelas para o futuro #2
Janelas para o futuro #2
 
atualidades aula 00 simplificado
atualidades aula 00 simplificadoatualidades aula 00 simplificado
atualidades aula 00 simplificado
 
Sudoeste Asiático - PARTE 1
Sudoeste Asiático - PARTE 1Sudoeste Asiático - PARTE 1
Sudoeste Asiático - PARTE 1
 
Oriente médio com primavera
Oriente médio com primaveraOriente médio com primavera
Oriente médio com primavera
 
Oriente médio e estado islâmico
Oriente médio e estado islâmicoOriente médio e estado islâmico
Oriente médio e estado islâmico
 
ISIS
ISISISIS
ISIS
 
Conflitos na Síria (02): grupos políticos, seitas e etnias
Conflitos na Síria (02): grupos políticos, seitas e etniasConflitos na Síria (02): grupos políticos, seitas e etnias
Conflitos na Síria (02): grupos políticos, seitas e etnias
 
Trabalho de história
Trabalho de históriaTrabalho de história
Trabalho de história
 
2º Ma Grupo 04
2º Ma   Grupo 042º Ma   Grupo 04
2º Ma Grupo 04
 
O intervencionismo americano (vitória oliveira, camila b, laura barros, julia...
O intervencionismo americano (vitória oliveira, camila b, laura barros, julia...O intervencionismo americano (vitória oliveira, camila b, laura barros, julia...
O intervencionismo americano (vitória oliveira, camila b, laura barros, julia...
 
Guerra contra o terrorismo
Guerra contra o terrorismoGuerra contra o terrorismo
Guerra contra o terrorismo
 
2º Mc Grupo 04
2º Mc   Grupo 042º Mc   Grupo 04
2º Mc Grupo 04
 
O significado da intervenção militar na siria
O significado da intervenção militar na siriaO significado da intervenção militar na siria
O significado da intervenção militar na siria
 

Mais de Turma Olímpica

Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Células-Tronco
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Células-TroncoSlides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Células-Tronco
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Células-TroncoTurma Olímpica
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos Invertebrados
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos InvertebradosSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos Invertebrados
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos InvertebradosTurma Olímpica
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino ProtistaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino ProtistaTurma Olímpica
 
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Reações Orgânicas
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Reações OrgânicasSlides da aula de Química (Manoel) sobre Reações Orgânicas
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Reações OrgânicasTurma Olímpica
 
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética Química
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética QuímicaSlides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética Química
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética QuímicaTurma Olímpica
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre O que é Linguagem?
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre O que é Linguagem?Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre O que é Linguagem?
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre O que é Linguagem?Turma Olímpica
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Filosofia, Linguagem, Conhecime...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Filosofia, Linguagem, Conhecime...Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Filosofia, Linguagem, Conhecime...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Filosofia, Linguagem, Conhecime...Turma Olímpica
 
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Respiratório
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema RespiratórioSlides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Respiratório
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema RespiratórioTurma Olímpica
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Introdução à Ecologia
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Introdução à EcologiaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Introdução à Ecologia
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Introdução à EcologiaTurma Olímpica
 
Slides da aula de História (Daniel) sobre Revolução Francesa
Slides da aula de História (Daniel) sobre Revolução FrancesaSlides da aula de História (Daniel) sobre Revolução Francesa
Slides da aula de História (Daniel) sobre Revolução FrancesaTurma Olímpica
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre História e Filosofia
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre História e FilosofiaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre História e Filosofia
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre História e FilosofiaTurma Olímpica
 
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Digestório
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema DigestórioSlides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Digestório
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema DigestórioTurma Olímpica
 
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Química Orgânica
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Química OrgânicaSlides da aula de Química (Manoel) sobre Química Orgânica
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Química OrgânicaTurma Olímpica
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Fitormônios
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre FitormôniosSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Fitormônios
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre FitormôniosTurma Olímpica
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade Social
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade SocialSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade Social
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade SocialTurma Olímpica
 
Slides da aula de Sociologia (João Luís) sobre Cultura e Sociedade
Slides da aula de Sociologia (João Luís) sobre Cultura e SociedadeSlides da aula de Sociologia (João Luís) sobre Cultura e Sociedade
Slides da aula de Sociologia (João Luís) sobre Cultura e SociedadeTurma Olímpica
 
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Imunológico
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema ImunológicoSlides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Imunológico
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema ImunológicoTurma Olímpica
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Fisiologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Fisiologia VegetalSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Fisiologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Fisiologia VegetalTurma Olímpica
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e Frutos
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e FrutosSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e Frutos
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e FrutosTurma Olímpica
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Bacterioses
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre BacteriosesSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Bacterioses
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre BacteriosesTurma Olímpica
 

Mais de Turma Olímpica (20)

Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Células-Tronco
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Células-TroncoSlides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Células-Tronco
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Células-Tronco
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos Invertebrados
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos InvertebradosSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos Invertebrados
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos Invertebrados
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino ProtistaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
 
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Reações Orgânicas
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Reações OrgânicasSlides da aula de Química (Manoel) sobre Reações Orgânicas
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Reações Orgânicas
 
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética Química
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética QuímicaSlides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética Química
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética Química
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre O que é Linguagem?
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre O que é Linguagem?Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre O que é Linguagem?
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre O que é Linguagem?
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Filosofia, Linguagem, Conhecime...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Filosofia, Linguagem, Conhecime...Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Filosofia, Linguagem, Conhecime...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Filosofia, Linguagem, Conhecime...
 
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Respiratório
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema RespiratórioSlides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Respiratório
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Respiratório
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Introdução à Ecologia
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Introdução à EcologiaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Introdução à Ecologia
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Introdução à Ecologia
 
Slides da aula de História (Daniel) sobre Revolução Francesa
Slides da aula de História (Daniel) sobre Revolução FrancesaSlides da aula de História (Daniel) sobre Revolução Francesa
Slides da aula de História (Daniel) sobre Revolução Francesa
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre História e Filosofia
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre História e FilosofiaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre História e Filosofia
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre História e Filosofia
 
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Digestório
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema DigestórioSlides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Digestório
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Digestório
 
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Química Orgânica
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Química OrgânicaSlides da aula de Química (Manoel) sobre Química Orgânica
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Química Orgânica
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Fitormônios
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre FitormôniosSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Fitormônios
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Fitormônios
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade Social
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade SocialSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade Social
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade Social
 
Slides da aula de Sociologia (João Luís) sobre Cultura e Sociedade
Slides da aula de Sociologia (João Luís) sobre Cultura e SociedadeSlides da aula de Sociologia (João Luís) sobre Cultura e Sociedade
Slides da aula de Sociologia (João Luís) sobre Cultura e Sociedade
 
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Imunológico
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema ImunológicoSlides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Imunológico
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Imunológico
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Fisiologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Fisiologia VegetalSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Fisiologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Fisiologia Vegetal
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e Frutos
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e FrutosSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e Frutos
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e Frutos
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Bacterioses
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre BacteriosesSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Bacterioses
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Bacterioses
 

Último

c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 

Último (20)

c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 

O Estado Islâmico: origem, ideologia e ações do grupo terrorista

  • 2.
  • 3.
  • 4. Onde se situa? O Estado islâmico controla quase metade do território da Síria e uma parte do norte do Iraque, separando o território curdo do resto do Iraque. A sua capital de fato é Raqqa, perto da qual se situa a barragem de Tabqa, a maior do rio Eufrates e da Síria. Controla cidades como Deir es-Zour (importante centro petrolífero da Síria), Sinjar (a maior da comunidade yazidi), Mossul, a segunda cidade do Iraque, com 1,8 milhão de habitantes.
  • 5. “Não há deus a não ser ALAH, Maomé é o mensageiro de ALAH”.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20. E.I. ou E.I.I.L. ou I.S.I.S.  É uma organização política que professa o islamismo sunita e foi fundada na Jordânia, em1999, com o nome de Jama'at al-Tawhid wal-Jihad (Grupo de Monoteísmo e Jihad) por Abu Musab al-Zarqawi;  O grupo Estado Islâmico nasceu como uma derivação da Al-Qaeda, fundamentado na ideologia pan-islâmica de Sayyid Qutb, antigo líder da Irmandade Muçulmana. Contudo, as ações do EI ficaram gradativamente mais radicais, até mesmo para os padrões da Al-Qaeda, o que provocou a separação entre as duas organizações terroristas.
  • 21. Surgimento O Estado Islâmico no Iraque e na Síria (Isis) foi criado em 2013 e cresceu como um braço da organização terrorista al-Qaeda no Iraque. No entanto, no início deste ano, os dois grupos romperam os laços. No final de junho, os extremistas declararam um califado, mudaram de nome para o Estado Islâmico (EI) e anunciaram que iriam impor o monopólio de seu domínio pela força. O EI é hoje um dos principais grupos jihadistas, e analistas o consideram um dos mais perigosos do mundo.
  • 22. Como surgiu?  A maior ameaça terrorista desde a Al-Qaeda surgiu lentamente. Existem dois fatores que significativamente contribuem e que permitiram grandes partes do Iraque e da Síria para cair em território jihadista. Um deles é a guerra civil na Síria, o que permitiu combatentes do Iraque e do resto do mundo ganhar experiência na guerra, que os ajudou a encontrar doadores e deu-lhes uma causa pela qual lutar. A reação tardia da comunidade internacional para responder ao conflito sírio também desempenhou um papel importante.
  • 23. Como surgiu?  As origens da EI volta à guerra civil iraquiana, no período que se seguiu à invasão norte-americana em 2003 Não havia como a organização ter crescido tão rápido como o fez sem o apoio de sunitas iraquianos. Durante anos, eles foram postos de lado pelo governo do primeiro-ministro xiita Nouri al-Maliki, e muitos ainda estão presos no ressentimento nostálgico de ter perdido a supremacia que gozavam durante a era de Saddam Hussein, ele mesmo um sunita.
  • 24. Histórico  Apesar de fundado na Jordânia, o grupo desenvolveu-se no Iraque, na resistência à invasão dos Estados Unidos e aliados. Em 2004, o grupo ligou-se a Osama bin Laden e mudou de nome para Al-Qaeda no Iraque, tornando-se uma das principais forças da resistência. Os seus objetivos eram forçar a retirada das tropas ocupantes, derrubar o governo títere iraquiano, assassinar os colaboracionistas, derrotar as milícias xiitas e estabelecer um Estado puramente islâmico. Com a morte de al-Zarqawi em 2006, o grupo juntou-se a outras organizações sunitas e formou o Estado Islâmico do Iraque. Mas a sua influência diminuiu diante da criação dos conselhos de líderes tribais sunitas Sahwa (Despertar), que rejeitavam as suas táticas ultraviolentas.
  • 25. Histórico  Em 2010, assumiu o comando Abu Bakr Al-Baghdadi que reorganizou o grupo, e voltou a crescer à medida em que o próprio governo iraquiano, dominado pelos xiitas, marginalizava os sunitas e incentivava os conflitos sectários. A nova liderança levou a organização a envolver-se também na guerra da Síria, onde combateu o governo de Bashar al-Assad. Em 2013, Abu Bakr Al-Baghdadi anunciou a unificação das forças do Iraque e da Síria numa só organização, o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL, ou ISIS, sigla em inglês). Em junho de 2014, o EIIL, depois de uma imparável ofensiva que o levou a conquistar dezenas de cidades, entre elas as estratégicas Raqqa na Síria e Mossul no Iraque, proclamou a criação de um Califado, o Estado Islâmico.
  • 26. Então, o Estado Islâmico é um estado? Seria melhor chamar-lhe um protoestado, com uma existência ainda muito curta e futuro incerto, mas que procura organizar-se com estado, pondo de pé um sistema de cobrança de impostos e uma nova legislação baseada na interpretação mais rigorista da Sharia, a lei islâmica. O território que controla atualmente não é desprezível.
  • 27. Qual é o tamanho do Estado Islâmico Como não se trata de um estado consolidado nem reconhecido e muitas áreas estão em disputa e uma guerra está em curso, o cálculo é difícil, calcula-se a área em cerca de 210 mil quilômetros quadrados, mais ou menos equivalente à área total da Grã-Bretanha, mas que inclui territórios desabitados.
  • 28. Quem é Abu Bakr al-Baghdadi? O nome de nascimento é Awwad Ibrahim Ali al-Badri al-Samarrai e nasceu na cidade iraquiana de Samarra. Tem 43 anos e acredita-se que começou a carreira como pregador salafista. Envolvido na resistência à ocupação, foi preso pelas tropas norte-americanas na prisão de Camp Bucca. Mas há versões divergentes quanto a esta detenção: al-Baghdadi terá estado preso entre fevereiro e dezembro de 2004; ou entre 2005 e 2009. Seja em que período for, parece coincidir a versão que diz que foi libertado por decisão de uma comissão de revisão dos processos dos presos. Em maio de 2010, o EIIL anunciou que al-Baghdadi era o novo líder da organização. E em 29 de junho de 2014, o EIIL anunciou a criação do califado e a sua nomeação como califa, com o nome de Ibrahim.
  • 29. De onde vem o financiamento do Estado Islâmico?  A maior fonte atual de financiamento do EI é o petróleo iraquiano.  Mossul, uma das cidades dominadas pelo grupo, produz cerca de 2 milhões de barris de petróleo por dia. O EI também controla a central de gás de Shaar, e Deir es-Zour, o maior centro petrolífero da Síria.  Calculam-se que o EI ganhe um milhão de dólares por dia com a exploração do petróleo iraquiano, vendendo petróleo no mercado negro a 30,00 $.  Além disso, o EI está implantando um sistema de impostos nas áreas conquistadas.  Quando ainda não possuía território ou poço de petróleo, o financiamento veio do apoio da Arábia Saudita e dos países do Golfo.
  • 30. Objetivos  Os objetivos do Estado Islâmico é expandir o seu califado por todo o Oriente Médio, que se pautaria pela Sharia, a Lei Islâmica interpretada a partir do Alcorão, e estabelecer conexões na Europa e outras regiões do mundo, com o propósito de realizar atentados que lhes possam conferir autoridade através do terror. A concepção de Jihad, ou Guerra Santa para o Islã, que o EI possui é a mesma de outras organizações terroristas, como a Al-Qaeda ou o Hamas: expandir o modelo teocrático radical islâmico de governo pelo mundo, por meio dos métodos terroristas.
  • 31. Adesões  É curiosa a grande adesão de simpatizantes não islâmicos e, frenquentemente, de origem europeia às causas do EI. Muitos jovens do Ocidente se oferecem para integrar o grupo e servir ao seu propósito jhadista. Esse tipo de comportamento preocupa vários chefes de estado da Europa, sobretudo pela possibilidade de infiltração que tais jovens, treinados como terroristas, possam realizar em solo europeu ou de outras localidades.
  • 32. Os E.U.A.  Em agosto de 2014, os Estados Unidos da América fizeram cerca de 120 ataques aéreos contra instalações do Estado Islâmico no Iraque. Os EUA também preveem ataque ao EI em solo sírio, formando mais uma frente, com o auxílio de combatentes iraquianos e do exército da Síria.
  • 33. Combatentes do E.I.  Nacionalidades Na Síria, a maioria dos combatentes em terra são sírios, mas seus comandantes costumam chegar do exterior e lutaram no Iraque, Chechênia e Afeganistão. No Iraque, a maioria dos combatentes são iraquianos.  Muitos de seus chefes militares são iraquianos ou líbios, enquanto os líderes religiosos são sauditas ou tunisianos.  O EI também conta com centenas de combatentes francófonos, como franceses, belgas e magrebinos.
  • 34. Ideologia O E.I. nunca jurou lealdade ao chefe da Al-Qaeda, mas o grupo defende o mesmo tipo de ideologia jihadista, baseado na SHARIA (lei islâmica, baseada no corão).
  • 35. Na Síria • Na Síria é considerado a força combatente mais eficaz contra o regime do presidente Bashar al-Assad.  Mas depois de ter sido acolhido favoravelmente por alguns rebeldes sírios, acabou pegando em armas contra eles.  Esta mudança se deveu a sua vontade hegemônica e às atrocidades que são atribuídas ao grupo, sobretudo o sequestro e a execução de civis e de rebeldes de movimentos rivais.
  • 36. Decapitações  Em menos de um mês, entre agosto e setembro de 2014, o grupo divulgou três vídeos em que seus combatentes decapitam reféns ocidentais que estavam presos na Síria - dois jornalistas norte-americanos e um agente humanitário britânico - e ameaçam executar mais reféns, em retalização aos ataques aéreos promovidos pelos Estados Unidos contra posições do grupo no Iraque.
  • 37. Combatentes ocidentais O Estado Islâmico conta com um vasto grupo de extremistas: entre 3 mil e 5 mil milicianos, muitos deles estrangeiros. Vídeos divulgados pelo grupo jihadista mostram britânicos que aderiam à causa islâmica e à luta armada.
  • 38. Ações cruéis Nos conflitos nos quais participou, o grupo foi acusado de diversas atrocidades, como sequestros, assassinato de civis e torturas. A milícia é considerada extremamente agressiva e eficiente em combate. O avanço dos jihadistas levou os EUA a bombardearem alvos rebeldes.
  • 39. Perseguição religiosa O ISIS obriga as pessoas que vivem nas áreas que controla, sob ameaça de pena de morte, tortura ou mutilação, a se converter ao islamismo e viver de acordo com a sua interpretação do islã sunita e a lei sharia. O grupo direciona a violência principalmente contra muçulmanos xiitas, assírios, caldeus, siríacos, cristãos armênios, Yazidis, drusos, shabacks e mandeanos. A Anistia Internacional acusou o ISIS de promover uma limpeza étnica dos grupos minoritários que vivem no norte do Iraque.
  • 40. Tratamento dado aos civis Durante o conflito no Iraque em 2014, o ISIS lançou vídeos mostrando maus-tratos contra civis, direcionados com base na religião ou etnia das pessoas. Todas as mulheres da cidade são obrigados a usar o véu niqab e calças são proibidas. Ladrões têm suas mãos decepadas e os adversários são crucificados ou decapitados publicamente, as imagens destes atos horríveis depois são postadas em redes sociais.
  • 41. Tratamento dado aos civis.  Os poucos salões de beleza que ainda estão abertos são obrigados a cobrirem de preto as fotos de mulheres na embalagem para soluções de coloração capilar. Casamentos só estão autorizados sem música. E nos mercados de gado, as partes traseiras de caprinos e ovinos devem ser cobertos, a fim de impedir os homens de visualização de seus órgãos genitais e ter pensamentos impróprios.  Qualquer pessoa apanhada na rua durante os cinco momentos de oração diários está arriscando sua vida.
  • 42. Tratamento dado aos civis.  Além da proibição da venda e uso de álcool ;proibiram a venda e uso de cigarros ; "música e canções em carros, em festas, em lojas e em público, assim como fotografias de pessoas nas vitrines das lojas“;  Os cristãos que vivem em áreas sob controle ISIS que queiram permanecer no território do "califado" tem apenas três opções: se converter ao islamismo; pagar um imposto religioso (o jizya); ou morrer.
  • 43. Denúncias de violência sexual De acordo com um relatório, a captura de cidades iraquianas pelo ISIS em junho 2014 foi acompanhada por um aumento nos crimes contra as mulheres, incluindo sequestro e estupro.  "Eles costumam levar as mulheres mais velhas a um mercado de escravos improvisado e tentam vendê-las. As meninas mais jovens ... são estupradas ou forçadas a casar com os combatentes. É baseando-se nesses casamentos temporários e que esses militantes têm feito sexo com essas meninas, quando então eles simplesmente as passam para outros combatentes“.
  • 44. O Estado Islâmico veio trazer alterações no panorama geoestratégico da região?  Sem dúvida. Mesmo sem uma aliança formal, os Estados Unidos e o Irã estão lado a lado contra o inimigo comum, o EI; os EUA estão a bombardear o EI, para satisfação de Bashar al-Assad, inimigo declarado de Washington.
  • 45. O que virá em seguida? E quem vai aproveitar-se deste realinhamento?  A curto prazo, parece haver três óbvios vencedores. O primeiro é o próprio Califado. A reentrada dos Estados Unidos no conflito militar do Iraque permite que o Califado se apresente como uma força fundamental para desafiar o demónio incarnado, os Estados Unidos. Servirá para atrair muitos novos recrutas, especialmente do mundo ocidental. E pode-se esperar que tentará envolver-se em atividades hostis no interior dos Estados Unidos e na Europa ocidental. Esta vantagem de curto prazo irá evidentemente entrar em colapso se o Califado sofrer revezes militares pesados. Mas vai demorar algum tempo antes que isto ocorra, se é que vai acontecer. O exército do Califado parece ainda ser a força militar mais moralizada e treinada na região.
  • 46. O que virá em seguida? E quem vai aproveitar-se deste realinhamento?  Um segundo grande vencedor é Bashar al-Assad. O apoio externo às forças anti-Assad foi sempre inferior ao decisivo, e é provável que diminua mais ainda a curto prazo, à medida em que mais e mais opositores sírios se alinhem com o Califado.  O terceiro grande vencedor são os curdos, que consolidaram a sua posição no Iraque e melhoraram as suas relações com os curdos da Síria. Irão agora receber mais armas dos países ocidentais e possivelmente de outros, fortalecendo ainda mais as suas forças militares.
  • 47. Ações Externas  Países como Arábia Saudita, Irã e Rússia, em grande parte responsáveis pelo caos no Oriente Médio, seguem em silêncio. Estados Unidos, França e Turquia, igualmente culpados, cogitam ações humanitárias, uma forma de aplacar a ambiguidade moral gerada pela convivência entre seus regimes democráticos e seus interesses geopolíticos. Geralmente, o termo genocídio é carregado de significado político e usado de forma equivocada.