SlideShare uma empresa Scribd logo
1º Princípio: Raízes culturais- 1ª semana

  1ª semana: Eu

  · Atividades:

  Ler a oração das drogas com as crianças

   Papai do céu, guiai os pensamentos dos meus pais, parentes, amigos, familiares, professores e
dirigentes deste país, para que combatam o uso das drogas, afim de que eu possa crescer mais livre e
muito mais feliz.

  (EXTRAÍDA DA CARTILHA DO BRASILEIRINHO)

  LIÇÕES DA INFÂNCIA

   Quando pequena, Isabel era uma menina um pouco preguiçosa, egoísta e não aceitava opiniões dos
outros, achava-se sempre com a razão.

   Brigava muito com seu irmão Pedro que também por sua vez, tinha seus “defeitinhos”, até bem
próprios das crianças da mesma idade. Seus pais, tinham muita paciência com eles, e quando tinham
que repreendê-los, sempre o faziam com palavras e exemplos.

   Hoje, já adultos, Isabel e Pedro, resolveram contar alguns dos exemplos dados por seus pais, que
consideram os bens mais preciosos que puderam receber deles. A cada um deram um nome.

  1º Exemplo: A CESTA

   Uma das tarefas que deixava Isabel sempre mal-humorada, era pegar uma cesta e ir comprar pão
para o jantar. Um dia seu pai chegou e encontrou-a discutindo com Pedro, porque achava injusto ter
essa tarefa. Apesar de cansado, seu pai, ao invés de se sentar um pouco para descansar, voltou-se para
Isabel e disse:

  -Filha, dê-me a cesta.

  Ela entregou rápido, certa de que tinha levado a melhor e que Pedro ia ser mandado à padaria. Mas
não foi isso o que conteceu. Dirigindo-se aos dois, seu pai propôs o seguinte:

   -Filhos, até aqui eu tenho dado o dinheiro e vocês têm feito feito as compras. Vamos mudar um
pouco. Vocês vão dar o dinheiro e eu irei fazer as compras. Já estou com a cesta e vou à padaria buscar
o pão. Vocês, por favor, me dêem o dinheiro para pagá-lo.

    Aquela mudança inesperada assustou a todos e ficaram por um instante olhando-se sem dizer uma
palavra. Sem suportar por mais tempo a situação,Isabel pegou a cesta de sua mão, pegou o dinheiro e
foi buscar os pães,muito pensativa, deixando Pedro também em silêncio.

  Na hora do jantar seu pai disse:

   -Filhos, a refeição representa uma benção de Deus e o esforço de cada um de nós. Deus nos
abençoou para que eu pudesse trabalhar e ganhar o dinheiro, vocês fizessem as compras com ele e sua
mãe cozinhasse a comida.
Assim, todos nos alimentamos e nos sentimos satisfeitos.

  A COOPERAÇÃO é a garantia do lar e da Humanidade inteira. Quando ela falta a benção de Deus
não pode ser realizada.
Depois disso suas atitudes mudaram. A lição serviu para todos e ainda hoje,quando reunem-se,
lembram-se de seu pai e daquele jantar.

  2º EXEMPLO: O BOLO

   Isabel e Pedro chegavam sempre com muita fome da escola. Um dia , sua mãe colocou diante dos
dois, meio bolo e uma faca, dizendo:

  -Um de vocês vai cortar o bolo, mas o outro vai poder escolher, em primeiro lugar, o seu pedaço.

   Pedro querendo fazer-se de esperto, pegou a faca e ia, evidentemente, cortar o bolo em dois pedaços
desiguais. Mas de repente, parou. Olhando primeiramente para sua mãe e, depois, para Isabel, cortou o
bolo exatamente no meio. Esperou que Isabel se servisse. Qualquer pedaço que ela escolhesse daria no
mesmo: ninguém sairia prejudicado. E assim, ambos
comeram alegremente as porções idênticas. Desde então, fosse o que fosse que houvesse a repartir -
pão com manteiga, arroz e feijão, bolachas -,tudo era sempre dividido em partes conscienciosamente
iguais.

   Isso lhes ensinou o RESPEITO para com os direitos daqueles com quem tinham que compartilhar
alguma coisa.

  Grupo de Crianças pequenas

   Cada criança vai fechar os olhinhos,vai pensar em si mesma( Procurem lembrar,...como eu sou...que
cor são meus olhos...e meus cabelos...sou alto ou baixo...gordo ou magro...sou bom...sou mau...

  Vamos pensar nas qualidades ou coisas boas que fazemos...

  Vamos pensar em nossos defeitos ou coisas ruins que fazemos...

  Agora cada um vai fazer o desenho de si mesmo e cada um respeitando o outro vamos ouvir as
qualidades e defeitos do amigo e ver que metas podemos tomar para melhorar.

  è Deixar metas

                                                 Voltar



  2ª semana do 1º princípio

  Enfoque:- o outro ( família)

  à Ler a oração das drogas

    à Falar sobre o relacionamento familiar,sobre as implicâncias,o que fazer para fazer a vida mais
feliz e melhorar a relação familiar

  ATIVIDADE
Ler a historia: O BALAIO

   Rosinha era uma menina muito inteligente;contava apenas oito anos e amava muito seus pais.
Uma tarde, cisma va ela diante de seu balainho,presente da mãe no dia de seu aniversário. O
balainho estava cheio de ovos botados por sua galinha carijó, a Mimosa. Depois de muito pensar,
chamou seu irmão Roberto e disse-lhe:
__ Roberto, tenho uma idéia e, para pô-la em prática, preciso de tua ajuda. Quero que me auxilies
a pôr a chocar estes ovos da Mimosa. Uma vez chocados, nascerão frangos. Será uma linda
ninhada como aquela que mamãe tirou da galinha ruiva, lembras-te? Mamãe disse que ganhou
bom dinheiro com aquela ninhada. Venderemos os nossos franguinhos e com o dinheiro que
apurarmos compraremos um jaleco para o papai. Mimosa continuará a botar e com o que
ganharmos da segunda ninhada compraremos uma bonita blusa e um avental branco para mamãe.
__ E depois? perguntou Roberto.
__ Nunca faltará o que comprar: um par de sapatinhos para Toniquinha, um bonito livro para ti,
uma fita para mim...
Roberto ouviu tudo pacientemente, olhou para o balainho, para os ovos, para a Mimosa, que
passou cacarejando atrás de uma içá, riu e disse:
__ Sabes de quanto tempo necessitarás para fazer tudo o que disseste? Talvez anos, Rosinha. O
melhor que tens a fazer é levar o balaio de ovos para a mamãe, e ela que faça deles uma boa fritada.
Ajudar-te-ei a comê-los.
Rosinha, muito contristada, levou o balaio à dona Laura. Dona Laura notou a tristeza de sua
filhinha e perguntou-lhe o motivo. Rosinha, muito desapontada, contou-lhe seus planos e a
resposta de Roberto. Dona Laura chamou Roberto e disse-lhe:
__ Meu filho, como ousaste proceder desta maneira para com tua irmã? Assim procedendo,
erraste três vezes: a primeira, porque lançaste em seu coraçãozinho o desânimo; a
segunda,menosprezaste o valor de tão bela iniciativa; e a terceira, demonstraste ser um menino
preguiçoso. Depois do jantar vou contar-te a história de um menino preguiçoso e o que lhe
sucedeu.
E dona Laura contou-lhe a história do menino preguiçoso. Rosinha e Roberto gostavam muito de
ouvir histórias. E os dois ali estavam a ouvir atentamente.
Dona Laura nem mesmo chegara ao meio da história, quando Roberto se levantou e disse-lhe:
__ Basta, mamãe! Não é preciso que a senhora termine; já compreendi tudo. Amanhã, logo cedo,
colaborarei com Rosinha, ajudando-a em seu projeto com o meu trabalho.
No dia seguinte, Roberto levantou-se cedo e chamou Rosinha em seu quarto.
__ Assim tão cedo, Roberto?
Sim, Rosinha, o tempo passa depressa, o inverno vem aí; e se não te apressares, não comprarás o
jaleco para o papai usá-lo ainda este ano.
Prometido é devido. Aqui estou para te ajudar. E os dois irmãos saíram para o quintal fresquinho e
cheiroso pelo ar da manhã e foram procurar um bom lugar onde Mimosa chocasse os ovos.
Roberto fez o ninho e forrou-o com paina macia; com que cuidado a pequenina colocava um por
um os ovos, até que o balainho ficou vazio! Era preciso cuidado para não quebrarem; eles
representavam o jaleco para o papai vestir durante o tempo de frio e uma porção de coisas mais
para todos os de casa. Todos aplaudiram a história. E Carolina Maria prometeu:
__ Nas próximas férias, vocês verão a "frangaiada" que estará ciscando aí no quintal.

  Pedir para as crianças comentarem o que

  entenderam e pensarem no que podem fazer para

  ajudar o outro a continuar a sonhar e realizar seu

  sonho dentro de casa.

  Desenhar a pessoa da sua família que irá ajudar e em que.

  à Perguntar se cumpriram suas metas e anotar a meta da próxima semana

   MATERIAL
xerox da oração

  xerox da história

  lápis preto e colorido
folha de sulfite



                                                Voltar



  3ª semana do 1º princípio


Enfoque:-O grupo /a sociedade

  Ler a oração das drogas

  Considerar 3 aspectos:

  Conhecimento, Comunicação, Desprendimento

  ATIVIDADES

  Dar o desenho ( Polícia ) para as crianças colorir e falar sobre a importância de conhecer as
pessoas quando precisa de informação,não ter medo da polícia...




  Perguntar se cumpriram as metas e quais as que vão ser deixadas para a próxima semana

  MATERIAL
Oração das drogas

  Xerox do desenho

  Lápis preto e colorido

                                                Voltar
4ª semana do 1º princípio

  Enfoque: Avaliação

  ATIVIDADE:

  àLer a oração das drogas

  àLer a História: Estrelinhas

   Olá amiguinhos!!
Hoje vou contar para vocês a estória de Gabriela, uma menina, carinhosa, obediente e muito esperta!
Gabriela morava com seus pais,mas todos os domingos falava para sua mãe levá-la para casa dos avós.
Ela adorava, pois sua avó fazia doces maravilhosos e seu avô contava cada domingo uma estória
diferente para ela.Todo dia ela perguntava:
Mamãe ... mamãe... já esta chegando o Domingo?!
Ainda não Gabriela, só mais alguns dias!!
Mamãe ... o Domingo é amanhã?!
Ainda não Gabriela... tenha paciência minha filha!!
Chegado o dia tão esperado, Gabriela ficava toda contente... dentro do carro ficava toda eufórica
Ainda falta muito para chegarmos na casa da vovó mamãe?!
Não Gabriela, só mais um pouquinho!!
Chegando ela corria para dentro da casa, gritando toda alegre...
Vó! Cheguei!!! Os doces já estão prontos?! O que a Sra fez hoje?!
Tem Chocolatada? Tem bolo de banana?! Têm...
Calma...calma...Gabriela...tenha paciência minha querida.
Neste dia... depois de ter comido um delicioso bolo de
chocolate feito pela sua avó, sentou-se no chão da sala
onde estava o seu avô e pediu para ele lhe contar uma estória..
Hoje não Gabriela, o vô está cansado conto outro dia.
Gabriela ficou triste e pedia sem parar para o avô contar...
Ah Vô conta uma historinha...conta vai...só uma...
bem curtinha...qualquer uma...conta...
Esta bem...você é insistente heim minha neta.
Vamos lá...você sabia que todos nós possuímos
estrelas ao nosso redor?!
E o mesmo tanto de estrelas para cada um...por exemplo...se eu tenho 15, você também terá 15.
Estrelas? Como as brilhantes que tem no céu?Perguntou Gabriela.
Sim, iguais a elas...só que com uma diferença.
Tem pessoas que deixam algumas de suas estrelas apagadas.
Respondeu seu Avó.
Como assim?!Perguntou Gabriela.
Então seu avô explicou.
Cada estrela tem um nome...amizade, amor, educação,
carinho, colaboração, paciência...
Quem briga com seu amiguinho deixa a sua estrela da amizade apagada.
Quem não respeita as pessoas deixa a sua estrela da educação apagada.
Quem vive fazendo bagunça em casa deixa a estrela da colaboração apagada.
Quem não ajuda os outros deixa a sua estrela do amor apagada
Gabriela ficou preocupada...e perguntou a seu avô:
Nossa vô!!O Senhor está vendo minhas estrelinhas?!
E dando risadas seu avô respondeu.
Hehehe estou vendo sim Gabriela...mas tem uma sua que está apagada!!
Têm ?! Qual é ?! Me conta vô...me conta por favor!!
Amanhã eu te falo qual é filha!!!
Não eu não aquento esperar...me conte agora...por favor vô..eu não tenho paciência de...
Nisso Gabriela pára... dá uma risadinha para seu avô dizendo...
é vô o senhor está certo ...a minha estrelinha da paciência anda meio apagadinha né?! heheheh!!
Os dois deram, risadas...e Gabriela prometeu tentar todos os dias acender um pouquinho sua
estrelinha!

  E você amiguinho?! Como estão as suas estrelinhas?!

  Regina Amélia de Oliveira

   Pedir para as crianças se algumas de suas estrelinhas está apagada, para pensarem e desenharem “
elas e suas estrelinhas em volta”e deixar sem colorir as estrelinhas que estão apagadas.

  MATERIAL
Xerox da oração das drogas

  Xerox da história

  Folhas de sulfite

  Lápis preto e colorido

                                                 Voltar

  5ª semana do 1º princípio


Atividades:

  Ler a oração das drogas

  Falar sobre o perigo das drogas e responder sobre as perguntas que surgirem

               à Dar o desenho para as crianças colorirem, ler a frase escrita para elas.




  MATERIAL
Xerox da oração das drogas

  Xerox do desenho
Lápis preto e colorido

                                               Voltar



  2º Princípio: Pais também são gente

  Professores também são gentes

  Eu também sou gente

   Enfoque: a si mesmo - eu
Ler a oração das drogas
· ATIVIDADES
Ler a história :Nina a tartaruguinha

  Tema: Valorização do que temos

  Nina a tartaruguinha

           Nina estava triste.Por causa da sua casca, não podia brincar com os coelhinhos.




  Fez força e saiu da casca. Saiu pulando contente:
Mergulhou no lago, mas veio um peixe e ... mordeu seu rabinho.




Ela deu um pulo e caiu bem em cima de um porco espinho!




Sentiu frio e entrou dentro de um sapato velho.
Veio a chuva e o sapato encharcou. Nina quis achar de novo a sua casca, mas...




  ... tinha um gato morando lá. Ele só saiu porque caiu e não conseguia desvirar a casca.




  Nina então, pode entrar na sua casca e falou que nunca mais queria sair dali.

  Fazer algumas reflexões

  v Você tem sido você mesmo?

   v Respeita as pessoas e as considera? E ensinando-lhes assim a respeitarem-se e considerar-se
também.

   v Como avaliar e definir sua posição, assumindo seu papel de modo claro,bem definido,cheio de
tranqüilidade e

  O que fazer para crescer no amor e no respeito a si mesmo?

  O que a historinha nos ensina?

  Pedir para as crianças colorirem a história
Verificar se as crianças cumpriram metas e deixarem metas para a próxima semana.

  MATERIAL

  Xerox da oração

  Xerox da historia para as crianças

  Lápis colorido

                                                Voltar

  2ª semana do 2º princípio


Enfoque: O outro

  Ler a oração das drogas

  ATIVIDADES

  Fazer algumas reflexões com as crianças:Pedir para elas fecharem os olhos e :

   Pensar em seus pais, professores, pessoas que convivem muito e tente uma maneira de o ajudar e o
ajude,também a ser gente.Olhe para ele como pessoa humana...não aquele que lhe deu alguma coisa...
mas uma pessoa que você quer mesmo ajudar.

        Entregar o desenho da família para todas as crianças e ler junto a mensagem do desenho.




  Pedir para colorir

   Rever a meta da semana anterior e deixar a meta da próxima semana que faça o outro sentir
respeito por si mesmo, que resgate sua auto-estima,sua dignidade.
MATERIAL

   Xerox da oração

   Xerox do desenho

                                                  Voltar



   3ª semana do 2º princípio


Enfoque: Ajudar alguém fora do círculo familiar

   ATIVIDADES

   Ler a oração das drogas

   Ler a história:




   A GALINHA AFETUOSA

   "Gentil galinha, cheia de instintos maternais, encontrou um ovo de regular tamanho e espalmou as
asas sobre ele, aquecendo-o carinhosamente. De quando em quando, beijava-o enternecida. Se saía a
buscar alimento, voltava apressada, para que lhe não faltasse calor vitalizante. E pensava, garbosa:_
Será meu pintainho! Será meu filho!Em formosa manhã de céu claro, notou que o filhotinho nascia,
robusto. Criou-o , com todos os cuidados. No entanto, em dourado crepúsculo de verão, viu-o fugir
pelas águas de um lago, sobre as quais deslizava contente. Chamou-o, como louca, mas não obteve
resposta. O bichinho era um pato arisco e fujão.

    A galinha, desalentada por haver chocado um ovo que lhe não pertencia à família, voltou muito
triste, ao velho poleiro; todavia, decorrido algum tempo e encontrando outro ovo, repetiu a
experiência.

   Nova criaturinha frágil veio à luz. Protegeu-a, com ternura, dedicou-se ao filho com todas as forças,
mas , em breve, reparou que não era um pintainho qual fora, ela mesma, na infância. Tratava-se dum
corvo esperto que a deixou em doloroso abatimento, voando a pleno céu, para juntar-se aos escuros
bandos de aves iguais a ele.

   A desventurada mãe sofreu muitíssimo. Entretanto,, embora resolvida a viver só, foi surpreendida ,
certo dia, por outro ovo , de delicada feição.

    Recapitulou as esperanças maternas e chocou-o. Dentro em pouco, filhote surgia. A galinha afagou-
o, feliz, com o transcurso de algumas semanas , observou que o filho já crescido perseguia ratos à
sombra. Durante o dia, dava mostras de perturbado e cego; no entanto, em se fazendo a treva, exibia
olhos coruscantes que a amedrontavam. Em noite mais escura, fugiu para uma torre muito alta e não
mais voltou. Era uma coruja nova, sedenta de aventuras.
A abnegada mãe chorou amargamente. Porém, encontrando outro ovo, buscou ampará-lo. Aninhou-
se, aqueceu-o e, findos trinta dias, veio à luz corpulento filhote. A galinha ajudou-o como pôde, mas,
emb reve, o filho revelou crescimento descomunal. Passou a mirá-lade alto a baixo. Fez-se superior e
desconheceu-a. Era um pavãozinho orgulhoso que chegou mesmo a maltratá-la.

   A carinhosa ave, dessa vez, desesperou em definitivo. Saiu do galinheiro gritando e dispunha-se a
cair nas águas de rio próximo, em sinal de protesto contra o destino, quando grande galinha mais velha
a abordou, curiosa, a indagar dos motivos que a segregavam em tamanha dor. A mísera respondeu,
historiando o próprio caso.

  A irmã experiente estampou no olhar linda expressão de complacência e considerou, cacarejando:

   _ Que é isto, amiga? não desespere. A obra do mundo é de Deus, nosso Pai. Há ovos de gansos,
perus, marrecos, andorinhas e até de sapos e serpentes, tanto quanto existem nossos próprios ovos.
Continue chocando e ajudando em nome do Poder Criador; entretanto, não se prenda aos resultados
do serviço que pertencem a Ele e não a nós, mesmo porque a escada para o Céu é infinita e os degraus
são diferentes. Não podemos obrigar os outros a serem iguais a nós, mas é possível auxiliar a todos, de
acordo com as nossas possibilidades. Entendeu?

   A galinha sofredora aceitou o argumento, resignou-se e voltou, mais calma, ao grande parque
avícola a que se filiava.

    O caminho humano estende-se, repleto de dramas iguais a este. Temos filhos, irmãos e parentes
diversos que de modo algum se afinam com as nossas tendências e sentimentos. Trazem consigo
inibições e particularidades de outras vidas que não podemos eliminar de pronto. Estimaríamos que
nos dessem compreensão e carinho, mas permanecem imantados a outras pessoas e situações, com as
quais assumiram inadiáveis compromissos. De outras vezes, respiram noutros climas Não nos
aflijamos, porém.

   A cada criatura pertence a claridade ou a sombra, a alegria ou a tristeza do degrau em que se
colocou.

  Amemos sem o egoísmo da posse e sem qualquer propósito de recompensa, convencidos de que
Deus fará o resto."

  Refletir

  O que faria para levar alguém se sentir gente?

  O que entenderam da história?

  Pedir para as crianças fazerem um desenho da história e colorir.

   Rever as metas da semana anterior e que as crianças proponham metas com
criatividade,disponibilidade e amor.Acham metas para que ajudem alguém a ser gente.

  MATERIAL

  Xerox da oração

  Xerox da história;folhas de sulfite; Lápis preto e colorido

                                                   Voltar

  4ª semana do 2º princípio

  Enfoque: Observar, avaliando
ATIVIDADES
Ler a oração das drogas

  Ler o texto:

   “Lembre-se de guardar a caixa”
O velho trabalhou a vida inteira.Ao se aposentar comprou uma fazenda,para que o filho a
administrasse,

  e resolveu passar o resto de seus dias na varanda da casa principal.

  O filho trabalhou durante 3 anos.Então começou a ficar com raiva.

  _Meu pai não faz nada !-comentava com os amigos.

   _Passa a vida olhando o jardim e me deixando trabalhar como um escravo, para que eu possa
alimenta-lo.

  Um dia resolveu acabar com aquela situação

  injusta.Construiu uma grande caixa de madeira, foi até a varanda e pediu:

  _Papai, por favor, entre aí.

  O pai obedeceu.O filho colocou a caixa em seu caminhão e foi até a beira de um precipício.

  Quando se preparava para joga- l a lá em baixo, escutou a voz do pai:

   _Meu filho, lembre-se de guardar a caixa...Você está dando o exemplo, e seus filhos, na
certa,também vão

  precisá-la com você.

  Faça comentários sobre o texto.

  Entregar o desenho e ler com as crianças
Pintar o desenho

   Rever as metas da semana anterior e rever a meta que mais o ajudou a se sentir bem e daí em diante
viver esta atitude.

  Observação: Se sobrar tempo,ler a história :” A raposa e o Coelho “

  A Raposa e o Coelho

  Caminhando com um discípulo,um mestre Zen apontou-lhe uma raposa que perseguia um coelho.

  -Segundo uma fábula antiga, o coelho escapa da raposa -disse o mestre.

  -Não acho comentou o discípulo. –A raposa é mais rápida.

  -Mas o coelho vai engana-la –insistiu o mestre.

  -Porque o senhor tem tanta certeza mestre ? – Perguntou o discípulo.

  -Porque a raposa corre pela sua refeição e o coelho corre pela sua vida - respondeu o mestre.

                                                 Voltar



  3º Princípio: Os recursos são limitados-1ª semana

  Enfoque: Eu
ATIVIDADES

   Ler a oração das drogas
Ler a história: “Faça o que eu faço”
Uma mãe levou o filho até Mahatma Gandhi e implorou-lhe:

  __Pó favor, Mahatma, diga a meu filho para não comer mais açúcar...

  Depois de uma pausa Gandhi pediu à mãe:

  __ Traga seu filho de volta daqui a duas semanas.

  Duas semanas depois, ela voltou com o filho.

  Gandhi olhou bem no fundo dos olhos do garoto e lhe disse:

  __Não coma açúcar...

  Agradecida, porém perplexa, a mulher perguntou a Gandhi:

  __Por que me pediu duas semanas? Podia ter dito a mesma coisa a ele antes!

  E Gandhi respondeu-lhe:

  __Há duas semanas eu estava comendo açúcar.

  ÚPerguntar as crianças o que entenderam e falar sobre os seus recursos tanto materiais como
emocionais, como eu vejo,aceito e qual é minha maior limitação.
ÚFaça um desenho sobre a história

   ÚRever a meta da semana anterior e através das idéias que surgirem ver alguma que lhe serviu e
vive-la todos os dias desta semana.

   MATERIAL

   · Xerox da oração

   · Xerox da história, Papel sulfite , Lápis preto e colorido

                                                     Voltar

   2ª semana do 3º princípio
Enfoque: O outro

   ATIVIDADES

   Ler a oração das drogas
Ler a história: O Cavalinho e a Borboleta
Esta é a história de duas criaturas de Deus que viviam numa floresta distante há muitos anos atrás.

   Eram elas, um cavalinho e uma borboleta.

   Na verdade, não tinham praticamente nada em comum, mas em certo momento de suas vidas se
aproximaram e criaram um elo.

   A borboleta era livre, voava por todos os cantos da floresta enfeitando a paisagem.

   Já o cavalinho, tinha grandes limitações, não era bicho solto que pudesse viver entregue à natureza.

   Nele, certa vez, foi colocado um cabresto por alguém que visitou a floresta e a partir daí sua
liberdade foi cercada.

  A borboleta, no entanto, embora tivesse a amizade de muitos outros animais e a liberdade de voar
por toda a floresta, gostava de fazer companhia ao cavalinho, agradava-lhe ficar ao seu lado e não era
por pena, era por companheirismo, afeição, dedicação e carinho.

   Assim, todos os dias, ia visitá-lo e lá chegando levava sempre um coice, depois então um sorriso.

   Entre um e outro ela optava por esquecer o coice e guardar dentro do seu coração o sorriso.

   Sempre o cavalinho insistia com a borboleta que lhe ajudasse a carregar o seu cabresto por causa do
seu enorme peso.

  Ela, muito carinhosamente, tentava de todas as formas ajudá-lo, mas isso nem sempre era possível
por ser ela uma criaturinha tão frágil.

  Os anos se passaram e numa manhã de verão a borboleta não apareceu para visitar o seu
companheiro.

   Ele nem percebeu, preocupado que ainda estava em se livrar do cabresto.

   E vieram outras manhãs e mais outras e milhares de outras, até que chegou o inverno e o cavalinho
sentiu-se só e finalmente percebeu a ausência da borboleta.
Resolveu então sair do seu canto e procurar por ela.

   Caminhou por toda a floresta a observar cada cantinho onde ela poderia ter se escondido e não a
encontrou.

  Cansado se deitou embaixo de uma árvore.

  Logo em seguida um elefante se aproximou e lhe perguntou quem era ele e o que fazia por ali.

  -Eu sou o cavalinho do cabresto e estou a procura de uma borboleta que sumiu.

  -Ah, é você então o famoso cavalinho?

  -Famoso, eu?

   -É que eu tive uma grande amiga que me disse que também era sua amiga e falava muito bem de
você.

  Mas afinal, qual borboleta que você está procurando?

  -É uma borboleta colorida, alegre, que sobrevoa a floresta todos os

  dias visitando todos os animais amigos.

  -Nossa, mas era justamente dela que eu estava falando.

  Não ficou sabendo?

  Ela morreu e já faz muito tempo.

  - Morreu? Como foi isso?

   -Dizem que ela conhecia, aqui na floresta, um cavalinho, assim como você e todos os dias quando
ela ia visitá-lo, ele dava-lhe um coice.

  Ela sempre voltava com marcas horríveis e todos perguntavam a ela

  quem havia feito aquilo, mas ela jamais contou a ninguém.

   Insistíamos muito para saber quem era o autor daquela malvadeza e ela respondia que só ia falar
das visitas boas que tinha feito

  naquela manhã e era aí que ela falava com a maior alegria de você.

  Nesse momento o cavalinho já estava derramando muitas lágrimas de tristeza e de arrependimento.

  - Não chore meu amigo, sei o quanto você deve estar sofrendo.

   Ela sempre me disse que você era um grande amigo, mas entenda, foram tantos os coices que ela
recebeu desse outro cavalinho,

  que ela acabou perdendo as asinhas, depois ficou muito doente,

  triste e sucumbiu e morreu.

  -E ela não mandou me chamar nos seus últimos dias?
-Não, todos os animais da floresta quiseram lhe avisar, mas ela disse o seguinte:

   "Não perturbem meu amigo com coisas pequenas, ele tem um grande problema que eu nunca pude
ajudá-lo a resolver. Carrega no seu dorso um cabresto, então será cansativo demais pra ele vir até
aqui."

  Você pode até aceitar os coices que lhe derem quando eles vierem

  acompanhados de beijos, mas em algum momento da sua vida,

  as feridas que eles vão lhe causar, não serão mais possíveis

  de serem cicatrizadas.

   Quanto ao cabresto que você tiver que carregar durante a sua existência, não culpe ninguém por
isso, afinal muitas vezes,

  foi você mesmo que o colocou no seu dorso.

  Reflexão

  Ú O que entenderam da história?

  Tem alguém de nossa família que queremos ajudar

  Como cada um vê suas limitações( recursos materiais e emocionais ),oculta ,sem revolta,qual sua
maior limitação.

  O que posso fazer para ajudar ?

  Fazer o desenho da história

  Rever a meta da semana anterior e através das idéias que surgirem ver alguma que lhe serviu e

  todos adotá-la todos os dias desta semana.

  MATERIAL

  Xerox da oração

  Xerox da história

  Papel sulfite

  Lápis preto e colorido

                                                  Voltar

  3ª semana do 3º princípio


Enfoque: A Comunidade

  Ler a oração das drogas
Entregar o desenho para as crianças.




   Ler para elas e explicar a importância de sermos informados e informar os outros do perigo das
drogas...

  Esclarecer dúvidas que surgirem

   Pedir para as crianças colorir e preencher seus dados, e preencher para aquelas que não sabem
escrever.

  Questionar se conhecem alguém que usa drogas, como ajudar, como ficar longe delas...

  Rever as metas e anotar as novas .

  Material

  Xerox da oração

  Xerox do desenho

  Lápis preto e colorido

                                                 Voltar

  4ª semana do 3º princípio

  4ª semana: Avaliação.

  Atividade:

  Ler a oração das drogas

  Fazer a dinâmica ”Caiu em mim”

  Objetivo:
Esta dinâmica pode ser considerada um exercício de integração, no entanto, é mais adequada para
grupos que já se conhecem, objetivando o laser e a descontração.

     Procedimentos:

     a) Orientar para que todos fiquem assentados em círculo;

     b) Distribuir papeletas e lápis para cada participante;

  c) Cada pessoa escreverá na sua papeleta alguma coisa que o vizinho da direita realizasse. Pode ser
qualquer coisa: imitar alguém, cantar uma música, imitar um animal, etc;

     d) Deverão assinar o nome nas papeletas

     e) O facilitador recolhe todas as papeletas;

     f) Após recolher as papeletas, dá o mote: "Aquilo que você não quiser para si não deve desejar para
os

     outros... Portanto, o que você escreveu na sua papeleta, quem vai executar é você!

     g) Iniciar por voluntários, até que todos tenham concluído.

   Reflexão: Aquilo que não quiser para si não deve desejar para os outros...Portanto, o que você
escreveu na sua papeleta, quem vai executar é você!

     Fazer uma avaliação de sua limitação e enxergar as dos outros e ajudar a si e aos outros.

     Material

     Xerox da oração

     Papeletas

     Lápis preto e borracha

                                                     Voltar

     4º Princípio: Pais e filhos não são iguais -

     Professores e alunos não são iguais

     Eu e você não somos iguais

     1ª semana

     Enfoque: Eu

   ATIVIDADE
Ler para as crianças, os direitos e deveres dos
pais e dos filhos.

     Deveres de um filho:

     __O filho deve obediência a seus pais.

     Obediência é questão de justiça, porque ele é um dependente dos pais.
E tanto é assim que o 4º mandamento das leis de Deus é “Honrar Pai e Mãe”

   __O que é honrar?

   É considerar, distinguir, respeitar, dar significado, dar crédito, estimar.

   E isso é tão importante, que Deus, junto com seu mandado, nos faz uma promessa:

   “Honra teu Pai e tua Mãe para seres feliz e teres vida longa sobre a terra”

   Portanto, dar crédito, considerar, respeitar os pais é dever do filho.

   __Mas os filhos devem também amar a seus pais?

  __Não me parece importante amar os pais.Necessário, isto sim, é respeitar, é honrar pai e mãe,
dando a eles o lugar que lhes é devido.

   E o direito dos filhos quais são?

São direitos dos filhos:

   Ser bem tratado e respeitado:

  Fisicamente
Emocionalmente
Social e espiritualmente

   Quais os deveres dos pais?

   Os pais devem promover:

   Bem estar físico, proporcionando casa, comida, vacinas, cuidados com alimentação, sono e
disciplina de modo que, naquilo que depende dos pais, os filhos venham ter um corpo saudável

   Bem estar emocional, dando condições para que os filhos se desenvolvam num ambiente normal,
alegre, que tenha paz e equilíbrio visando a saúde mental deles.

   Bem estar social, permitindo que os filhos tenham espaço para conhecer pessoas, se relacionarem
com elas e possam viver e partilhar com os outros, de modo que aprendam a apreciar e respeitar os
diferentes.

   Bem estar espiritual, lembrando-se que é muito difícil desenvolver na pessoa já adulta uma
dimensão espiritual; proporcionar aos filhos o conhecimento de Deus para despertar neles a
consciência do respeito ao Criador e a suas criaturas.Desenvolver também a dimensão humana da
espiritualidade, que da suporte básico para o desenvolvimento da religiosidade.

   A educação dos filhos.Os adultos, os pais devem agir no sentido de estimular e desenvolver as
aptidões, as potencialidades dos filhos, ajudando-os, assim, a se realizarem.Vale, também, lembrar
que, por terem sido cuidados e educados, os filhos nada devem a seus pais.É dever dos pais para com
os filhos oferecer-lhes isso. E seu filho só terá deveres com os filhos deles. Neste sentido ele passará

   a educação aos filhos deles. Não é dever, ao contrário, é um erro do pai, sustentar um filho que não
faz nada e vive às custas de seus pais.

   Você conhecia os deveres dos pais? Lembre-se que um dia também serão pais! E pais também têm
direitos.
Quais os direitos dos pais?

  Os pais têm direito a uma noite de sono sem:

  Ter que ficar se preocupando sobre onde seu filho está...

  Ser acordado por seu adolescente que chega em casa bêbado, drogado, etc....

  Receber telefonema da polícia, dos hospitais, sobre seu adolescente problemático;

  Os pais têm direito a:

  Receber cooperação e cortesia em sua própria casa;

  Esperar que seus filhos tenham um comportamento responsável na escola;

  Parar de pagar fiança para os outros;

  Parar de ajudar seu adolescente a tomar mais cuidado consigo mesmo;

  Mudar seu comportamento, mesmo que seu adolescente não goste;

  Você tem direito a não ser nem desconsiderado nem maltratado por seu adolescente;

   Amar seu filho não é desculpa para aceitar um comportamento rude, violento, sem nenhuma
consideração pelo outro.

  Ajude seu adolescente a aprender sobre os direitos dos pais;

    Se você não fizer seus direitos serem respeitados, não poderá exigir que outros, nem mesmo seus
filhos o respeitem

  Perguntar para as crianças:

  __De que forma eu estou assumindo meu papel de filho?

  __Em que aspecto devo me corrigir, considerando meus direitos e deveres?

  __Como venho vivendo a hierarquia de minha posição?
Ler com as crianças a oração das drogas e pedir para colorirem:




                                                                          Rever as metas da semana
anterior e fazer novas para a próxima semana.

  Material

  Xerox da oração

  Xerox da apostila do 4º princípio ( Direitos e deveres dos pais e filhos )

  Lápis colorido

                                                   Voltar




  2ª semana do 4º princípio

  Enfoque: O outro.

  Atividades:

  Ler a oração das drogas com as crianças.

  Ler o texto: “O Eco”

   Um filho e um pai caminhavam por uma montanha. De repente o menino cai, se machuca e grita:
- Ai!!!
Para a sua surpresa, escuta sua voz se repetindo, em algum lugar da montanha:
- Ai, ai, ai...
Curioso, pergunta:
- Quem é você? E recebe como resposta:
- Quem é você?
Contrariado, grita:
- Seu covarde! Escuta como resposta:
- Seu covarde!
Olha para o pai e pergunta, aflito:
- O que é isso? O homem sorri e fala:
- Meu filho, preste atenção. Então, o pai grita em direção à montanha:
- Eu amo você! Percebe a resposta.
- Eu amo você! Fala mais alto.
- Eu admiro sua garra!A voz responde:
- Eu admiro sua garra! Mais alto, ele fala:
- Você é um campeão! A voz repete:
- Você é um campeão! De novo, o homem grita:
- O Brasil é um país de campeões! A voz responde:
- O Brasil é um país de campeões!
O menino fica surpreso e pergunta:
- Pai, o que é isso?
- Filho, as pessoas chamam isso de eco, mas, na verdade, isso é a vida. Não gaste sua energia querendo
mudar as palavras do vento. Mude as palavras que saem do seu coração. A vida, filho, é como um
espelho, não adianta querer quebrá-lo se ele mostra um rosto que não lhe agrada.
Mude suas posturas, suas emoções, suas atitudes e você terá a vida do jeito que merece.
Nossa vida é simplesmente o reflexo das nossas ações. Se você quer mais amor no mundo, crie mais
amor no seu coração. Se você quer mais competência de sua equipe, desenvolva a sua própria
competência.
O mundo é somente a prova da nossa capacidade. Tanto no plano pessoal quanto no profissional, a
vida vai lhe devolver o que você deu a ela.
Sua empresa é você. Sua vida não é uma coincidência mas consequência do que você é. Tem a sua cara,
e é exatamente do tamanho da sua visão de mundo.
Não se iluda. A empresa é o retrato do líder. Tudo o que seus colaboradores fazem é de sua
responsabilidade. É você quem os contrata, orienta e treina. O trabalho deles tem sempre um objetivo:
agradar você. Se eles percebem que você valoriza a criatividade, ousam. Ao entender que você despreza
a organização, se desorganizam. Quando descobrem que você é centralizador, largam tudo nas suas
mãos para "alimentar" sua fome de poder e deixar que você assuma tudo sozinho. Acertos e erros
começam sempre em você.
Você troca de colaboradores, muda controles, grita com todo mundo, mas as situações se repetem. As
mesmas. Sempre. A repetição é um aviso de que uma grande mudança se faz necessária. A única saída
que realmente funciona é mudar você mesmo.
Espero que estes momentos de reflexão tenham motivado você a buscar dentro de si próprio a força
para colocar sua vida num nível melhor. Vamos apresentar idéias que irão diferenciar você da maioria
dos profissionais. Amadureça seus sonhos e vá atrás deles. Viver é a arte de realizar sonhos. E cuidado
com o baixo-astral, porque ele é mais contagioso do que gripe. (Roberto Shinyashiki)

  Perguntar o que elas entenderam e explicar.

  Pensar quem elas poderiam ajudar a assumir seu papel.

  Pedir para as crianças fazerem um desenho sobre a história.

  Rever metas da semana anterior e pedir para fazerem novas metas.

  Material:

  Xerox da oração das drogas

  Xerox do texto “O Eco”

  Papel sulfite

  Lápis colorido e preto

                                                  Voltar

  3ª semana do 4º princípio
Enfoque: A comunidade

  Atividades

  Ler a oração das drogas

  Pedir para as crianças pensarem, como podem ajudar a Igreja, o Grupo de Apoio, a Comunidade.

  Como podem levar o que estão aprendendo ao outro.

  Lembrar o princípio do mês.

  Falar sobre “A Páscoa”

   CANTO: PÁSCOA
( adaptação da música mexicana "Está chegando a hora")

   Na Páscoa nos festejamos
A vida de Jesus
Que lá no céu foi morar, foi morar
Naquela estrelinha azul
Jesus, o anjo querido
Que pelo mundo passou
Nós somos as lindas crianças, crianças
Que ele tanto amou
Ensinava que os bichinhos
As flores e os passarinhos
Deviam ser bem cuidados, cuidados
Pois são nossos amiguinhos
Sentia muita pena
Dos pobres e dos pequeninos
De todos ele cuidava, cuidava
Com grande amor e carinho
Neste dia maravilhoso
O Mestre ressuscitou
Trazendo paz e alegria, alegria
E para o céu voltou

  (letra e autoria de Tia Angelina)

  Rever as metas deixadas e deixar novas metas.

  Fazer a dobradura do coelho

  Material
Xerox da oração

  Xerox da música

  Folha de sulfite

                                                  Voltar

  4ª semana do 4º princípio

  Atividades
Ler a oração das drogas

  Fazer com as crianças a dinâmica:

  ”Não querer as coisas depressa demais”

  Grupo: No máximo 25 crianças.

  Objetivos: Respeitaras diferenças individuais de cada um.

   Reconhecer quando alguém está lutando por um problema pessoal; perceber sua luta e suas
vitórias, por menores que sejam.

  Incentivar a continuar lutando

  Tempo: 50 minutos

  Local: Numa sala

  Material: Reunir a turma em círculo e contar a seguinte história:

   José e Ricardo iam caminhando de volta para a casa depois da aula.São muito amigos e sentem-se
perfeitamente à vontade, um com o outro.

  Neste dia porém, José estava um pouco triste.

   __O que há com você? - perguntou Ricardo.Desde que saímos da escola não disse uma só
palavra.Durante a aula ficou sem falar absolutamente nada.Mesmo no recreio, somente falou algumas
palavras , com uma outra pessoa,Parecia um caramujo;todo encolhido.

   __Você sabe muito bem que sou tímido e demoro a enturmar-me, respondeu José.Diante de um
grupo sinto-me intimidado.Estou tentando melhorar.Hoje consegui falar com três pessoas,já é um
progresso,coce não acha?

   __Talvez,disse Ricardo, visivelmente impaciente.Você ainda tem muito para crescer, nesta área, já é
“grandinho” e está na hora de dominar este acanhamento idiota.

  José abaixou a cabeça e depois disto houve um longo período de silêncio.

   __Muito bem, retrucou José, quebrando o silêncio. Eu não vou mais falar com ninguém. Desisto de
tentar, pois por mais que eu me esforce, só ouço críticas !

  Após a realização da leitura, separe a turma em grupos ( 3 a 5 crianças ).

  Distribua as folhas com o texto, onde cada um deverá ler cuidadosamente o caso narrado e discutir
com o grupo, procurando responder as seguintes perguntas:

  1- Qual era o problema de José?

  2- Por que o comentário de Ricardo fez com que José reagisse de modo tão negativo?

  3- Você acha que devemos esperar mudanças nas pessoas com a mesma pressa que Ricardo
demonstrou?

  4- O que você diria a José para incentiva-lo a tornar-se mais sociável?
Depois de uns 15 minutos, os grupos se reúnem novamente e cada um, através de um relator
escolhido, expõe suas conclusões.

  Aplicar na sua vivência as descobertas desta dinâmica.

  Conclusão:

  Às vezes queremos que as coisas aconteçam muito depressa.

   Quando alguém está conscientemente lutando com um problema pessoal, deve saber que estamos
percebendo sua luta e suas vitórias, por menores que sejam.

  Esta atitude irá incentivá-lo a continuar lutando.

  Um elogio tem grande poder.

  Rever a meta anterior e pedir para deixarem novas metas pensando em ajudar os outros.

  Caso sobre tempo ler a história “João e o pé de feijão”

  Era uma vez um menino chamado João, que vivia com sua mãe, uma pobre viúva, numa cabana
bem longe da cidade.

  Um dia, a mãe de João disse: - Joãozinho, acabou a comida e o dinheiro. Vá até a cidade e venda a
nossa vaquinha, o único bem que nos resta.

  João foi para a cidade e, no caminho, encontrou um homem que o convenceu a trocar a vaquinha
por sementes de feijão. O homem disse:

   - Com estas sementes de feijão jamais passarão fome. - João acreditou e trouxe as sementes para
casa. Quando a mãe de João viu as sementes, ficou furiosa. Jogou tudo pela janela.

   Na manhã seguinte, João levantou com muita fome e foi até o quintal. ficou espantado quando viu
uma enorme árvore que ia até o céu. Nem chamou sua mãe. Decidiu subir pelo pé de feijão até chegar à
copa.

  João ficou maravilhado ao encontrar um castelo nas nuvens e quis vê-lo de perto. De repente, uma
mulher enorme surgiu de dentro do castelo e o agarrou: - O que faz aqui, menino? Será o meu escravo.
Mas o gigante não pode saber, por isso, vou escondê-lo. Se ele ver você, com certeza vai comê-lo.

   O gigante chegou fazendo muito barulho. A mulher havia escondido joão num armário. O gigante
rugiu:

   - Sinto cheiro de criança! E farejou em todos os cantos à procura de uma criança que estivesse
escondida ali. A mulher adiantou-se e respondeu para o gigante: - Este cheiro é da comida que irei
serví-lo. Sente-se à mesa, meu senhor.

  O gigante comeu o saboroso alimento. Depois, ordenou à uma galinha prisioneira que pusesse um
ovo de ouro, e a uma harpa que tocasse uma bela melodia. Então, o gigante adormeceu em poucos
minutos.

   Vendo que a mulher havia se esquecido dele, João saiu do armário e, rapidamente, libertou a
galinha e também a harpa. Mas a galinha cacarejou e a harpa fez um som estridente. Por isso, o gigante
despertou.

Com a galinha debaixo do braço e a harpa na outra mão, João correu e o gigante foi atrás dele. João
chegou primeiro ao tronco do pé de feijão e deslizou pelos ramos. Quando estava quase chegando ao
chão, gritou para sua mãe, que o esperava: - Mamãe, vá buscar um machado, tem um gigante atrás de
mim !

  Com o machado, João cortou o tronco, que caiu com um estrondo. Foi o fim do gigante. E todas as
manhãs, a galinha põe ovos de ouro e a harpa toca para João e sua mãe, que viveram felizes para
sempre e nunca mais sentiram fome.

  Material
Xerox da oração

      Xerox da dinâmica

      Xerox do texto José e Ricardo

      História “João e o pé de feijão”

                                                     Voltar

      5ª semana do 4º princípio

      Apresentação do teatro e comemoração do dia das mães

      ANJO PROTETOR

   Narrador: Algumas crianças prontas para nascer, perguntaram a Deus:
1ª Criança: - Nos disseram que vamos nascer amanhã, em outro lar? Como vamos viver lá sendo tão
pequeninos e indefesos?

   Deus: - Entre muitos anjos, eu escolhi um especial para cada um de vocês. Ele estará lhes esperando
e tomarão conta de vocês.

      2ª Criança: - Aqui, junto ao Senhor, nós cantamos, sorrimos e somos felizes. Como seremos felizes
lá?

   Deus: - Seu anjo cantará e sorrirá para você. A cada dia, a cada instante, você sentirá o amor de seu
anjo e será feliz.

   3ª Criança: - Como poderemos entender quando falarem conosco se não conhecemos a língua que
as pessoas falam?

      Deus: - Com muita paciência e carinho, seu anjo lhe ensinará a falar.

      4ª Criança: - E o que faremos quando quisermos falar Contigo?

      Deus: - Seu anjo juntará suas mãos e lhe ensinará a orar.

      5ª Criança: - Ouvimos que na Terra há homens maus. Quem nos protegerá?

      Deus: - Seu anjo lhe defenderá mesmo que signifique arriscar a sua própria vida.

      6ª Criança: - Mas seremos tristes, porque não te veremos mais.

  Deus: - Seu anjo sempre lhe falará de mim e lhe ensinará a maneira de vir a Mim e eu estarei
sempre em seu coração.

      7ª Criança: Nosso anjo estará sempre conosco?
Deus: Seu anjo nunca deixará de estar com vocês, mesmo que seja em pensamento

   Narrador: - Nesse momento, havia muita paz junto ao Senhor, mas as vozes do novo lar já podiam
ser ouvidas. Uma criança apressada, pediu suavemente.

   8ª Criança: - Senhor, se estivermos a ponto nascermos agora, diga-me, por favor, o nome de meu
anjo.

  Deus: - Vocês chamarão seu anjo de Mãe.

  TODOS : Como vamos chamar o anjo????

  Deus: - Vocês chamarão seu anjo de Mãe!!!!

  TODOS: Feliz dia das mães, mamãe!

  1) Paz 2) Saúde 3) alegrias 4) felicidades

  5) bênçãos divinas 6) Jesus juntinho de você! 7) Beijos

  8) Nenhuma lágrima 9) Somente amor 10) muito amor

  TODOS: Agradecemos a Deus pelo nosso anjo!

  Nós te amamos mamãe!

                                                CARTÃO




   Cole no lugar da flor uma forminha de papel laminado e faça bolinhas amarelas e cole como miolo
da flor.

  música para cantar para a mamãe

  Letra: Silvia Cristina Puglia-(meu limão meu limoeiro)

  Minha mãe,
Minha querida
Tesouro
Da minha vida
Uma vez
Vou te abraçar
Outra vez
Eu vou te beijar.

   bis

   Eu te amo
Te agradeço
Teu amorNão tem preço

   bis

  Uma vez
Vou te abraçar
Outra vez
Vou te beijar.

   bis

                                                   Voltar

   5º Princípio: Culpa

   Enfoque: Eu

   ATIVIDADE:

   Ler a oração das drogas com as crianças

   Ler o texto “A Caverna”

   Conta à lenda que certa mulher pobre com uma criança no colo, passando diante de uma caverna
escutou uma voz misteriosa que lá dentro lhe dizia:
"Entre e apanhe tudo o que você desejar, mas não se esqueça do principal.
Lembre-se, porém, de uma coisa: Depois que você sair, a porta se fechará
para sempre. Portanto, aproveite a oportunidade, mas não se esqueça do principal...." ·
A mulher entrou na caverna e encontrou muitas riquezas. Fascinada pelo ouro e pelas jóias, pôs a
criança no chão e começou a juntar, ansiosamente, tudo o que podia no seu avental.
A voz misteriosa falou novamente:
"Você agora só tem oito minutos." ·Esgotados os oito minutos, a mulher carregada de ouro e pedras
preciosas,
correu para fora da caverna e a porta de fechou...
Lembrou-se, então, que a criança lá ficara e a porta estava fechada para
sempre!
A riqueza durou pouco e o desespero, sempre. O mesmo acontece, às vezes, conosco.
Temos uns oitenta anos para viver, neste mundo, e uma voz sempre nos adverte:
"Não se esqueça do principal!" ·E o principal são os valores espirituais, a oração, a vigilância, a vida!
Mas a ganância, a riqueza, os prazeres materiais nos fascinam tanto que o principal vai ficando sempre
de lado...
Assim, esgotamos o nosso tempo aqui, e deixamos de lado o essencial:
"Os tesouros da alma!"
Que jamais nos esqueçamos que a vida, neste mundo, passa breve e que
a morte chega de inesperado. E quando a porta desta vida se fechar para nós,
de nada valerão as lamentações.
Portanto, que jamais esqueçamos do principal!
E os principais são os valores espirituais: a oração; a vigilância; a família; os amigos; a vida! Mas a
ganância; a riqueza; os prazeres materiais nos fascinam tanto que o principal vai ficando sempre de
lado.

   Assim ,esgotamos o nosso tempo aqui e deixamos de lado o essencial.

   Analisar

   O que é culpa?

   Questione sua culpa.

   A culpa interior de cada um e busque soluções.

   O que fazer para se libertar

   Como assumir minha responsabilidade

   Fazer a dinâmica : Pessoas-Balão

   1. Levar para o encontro ou palestra um balão cheio de ar.

   2. Explicar aos participantes por que certas pessoas, em determinados momentos de sua vida, se
parecem com os balões:

   a) alguns estão aparentemente cheios de vida, mas por dentro nada mais têm do que ar;

   b) outros parecem ter opinião própria, mas se deixam levar pela mais suave brisa;

   c) por fim, alguns vivem como se fossem balões cheios, prestes a explodir; basta que alguém os
provoque com alguma ofensa para que (neste momento estoura-se um balão com um alfinete)
"estourem".

   3. Pedir que todos dêem sua opinião e falem sobre suas dificuldades em superar críticas e ofensas.

   Lição: Que nosso interior seja cheio de vida e não de coisas mesquinhas e egoístas.

   Rever as netas deixadas e fazer novas para a próxima semana.

   Material

   Xerox da oração

   Xerox da história

   Xerox da dinâmica

   1 balão e 1 alfinete

                                                    Voltar

   2ª semana do 5º princípio

   Enfoque: O outro

   ATIVIDADE:
Ler a oração das drogas com as crianças

  Ler a história: “O MONSTRO PÉ DE GALINHA

   Essa Menina, as vezes era obediente, as vezes malcriada, mas acho que no fundo ela tinha um bom
coração.
Era muito mimada e as vezes só fazia o que queria fazer e pronto...
Hoje Ela vai descobrir duas coisas muito importantes...quando sair da Escola.

   Ela era uma Menina mais ou menos obediente, mas naquele dia, ao sair da Escola, disse:
- Hoje não vou esperar minha Mãe. Como minha casa é perto daqui e eu já conheço o caminho acho
que vou embora sozinha...
E foi mesmo

   Então ela descobriu algo que a deixou assustada...
Como estava acostumada a ir e vir todo dia com a Mãe, confiava nela e por isso mesmo nunca havia
prestado atenção direito ao caminho.
Nesse momento, deu um estalo dentro dela e ela achou que tinha se perdido...

   Descobriu que havia entrado num lugar estranho e deserto...
Nesse momento dois meninos grandes, com cara de malvados, apareceram na sua frente rindo muito.
Então um deles disse:
- Humm, vejam só uma menininha sozinha, perdidinha, sem dono; que tal se a gente levasse ela com a
gente?

   Ela começou a chorar, e os meninos, com cara de poucos amigos disseram de novo:
- Já que ela está sozinha, vamos ficar com ela. Ela pode ser nossa escrava para sempre e se chorar leva
uns cascudos...
- Tenho uma idéia melhor - disse o outro garoto - Acho melhor a gente vender ela para aquele Papa
Figo lá do Beco... Assim podemos ganhar uma nota preta...

   - Legal - concordou o outro - vendendo ela ganhamos um bom dinheiro e ainda nos livramos dessa
piralha idiota. Vamos lá...
Então ele pegou a mão dela com violência e começou a arrastá-la.
Nesse momento, sem que ninguém visse, um pouco mais adiante, um estranho vulto surgiu do nada.
Parecia um menino pequeno, só que não tinha uma cara muito amigável...

    - Saindo das sombras, o estranho e pequeno ser, abriu sua imensa e assustadora boca e falou de um
jeito que todos ficaram petrificados de medo sem conseguirem se mexer.
- Muito bonito... quer dizer que vocês gostam de fazer maldades? Então acho que vão gostar muito do
lugar para onde vou levar os dois...O estranho ser era do tamanho de um menino, com a cabeça
enorme e azul e os pés de galinha.
Os dois desordeiros ficaram com tanto medo e sairam numa correria tão grande, que naquele dia não
conseguiriam parar de correr por nada nesse mundo.
A menina, mal conseguia falar de tão contente. Ela ao contrário não havia ficado com nenhum medo.

   - E ela emocionada e agradecida, não quiz nem saber e deu um grande abraço no seu novo amigo e
disse:
- Meu amigo, você me salvou dos malvados. Como é seu nome?
- Meu nome é Pé de Galinha, e todos tem medo de mim porque sou feio... ninguém nunca me chamou
de amigo... você é a primeira pessoa que faz isso...

   - Não, você não é feio - disse a menina - você é lindo. É apenas diferente das outras pessoas...
Muito feliz, ele explicou para ela que sempre aparecia para proteger as crianças que estavam em
perigo, e que ficava azul nessas horas. Disse também que gostava muito de comer pão com chá. Então a
menina disse:

  - Vamos para minha casa fazer um lanche maravilhoso! (-fim-)
Pedir a todas as crianças se entenderam e o que entenderam

   Fazer o desenho sobre a história

   Refletir sobre:

   Quando temos problemas em casa

   De quem é a culpa?

   O que eu e vc sentimos em relação a culpa?

   Este sentimento ajuda a trazer de volta a pessoa que amamos e queremos ajudar?

   Entregar o cartão do dia das mães para que escrevam uma mensagem.

   Rever as metas anteriores e deixar novas.

   Xerox do cartão

   Xerox da história

   Lápis de cor.

                                                   Voltar

   3ª semana do 5º princípio


Enfoque: A sociedade, a igreja, o governo, a mídia, a televisão.

   ATIVIDADE:

   Ler a oração das drogas com as crianças

   Distribuir a cada três crianças a cópia da história e ler com as mesmas.

   As Codornas
Há tempos um bando de mais de mil codornas habitava uma floresta da Índia. Seriam felizes, mas
temiam enormemente seu inimigo, o apanhador de codornas. Ele imitava seu chamado e, quando se
reuniam para atendê-lo, jogava sobre elas uma enorme rede e as levava numa cesta para vender.Mas
uma das codornas era muito sábia e disse:

   - Irmãs! Elaborei um plano muito bom. No futuro, assim que o caçador jogar a rede, cada uma de
nós enfiará a cabeça por dentro de uma malha e todas alçaremos vôo juntas, levando-a conosco. Depois
de tomarmos uma boa distância, deixaremos cair a rede sobre um espinheiro e fugiremos. Todas
concordaram com o plano.

   No dia seguinte, quando o caçador jogou a rede, todas juntas a içaram conforme a sábia codorna
havia instruído, jogaram-na sobre um espinheiro e fugiram. Enquanto o caçador tentava retirar a rede
de cima do espinheiro, escureceu e ele teve que voltar para casa. Isso aconteceu durante vários dias, até
que afinal a mulher do caçador se aborreceu e indagou:

   - Por que você nunca mais conseguiu pegar nenhuma codorna?O caçador respondeu:

   - O problema é que todas as aves estão trabalhando juntas, ajudando-se entre si. Se ao menos elas
começassem a discutir, eu teria tempo de pegá-las.Dias depois, uma das codornas acidentalmente
esbarrou na cabeça de uma das irmãs quando pousaram para ciscar o chão.

   - Quem esbarrou na minha cabeça? Perguntou raivosamente a codorna ferida.

   - Não se aborreça. Não tive a intenção de esbarrar em você - disse a primeira.

   Mas a irmã codorna continuou a discutir.

   - Eu sustentei todo o peso da rede! Você não ajudou nem um pouquinho! - gritou a outra.

   A primeira então se aborreceu e em pouco tempo estavam todas envolvidas na disputa. Foi quando
o caçador percebeu sua chance. Imitou o chamado das codornas e jogou a rede sobre as que se
aproximaram. Elas ainda estavam contando vantagem e discutindo, e não se ajudaram a içar a rede.

   Portanto, o caçador a ergueu sozinho e enfiou as codornas dentro da cesta. Mas a sábia codorna
reuniu as amigas e juntas voaram para bem longe, pois ela sabia que discussões dão origem a
infortúnios.

   Do livro: O Livro das Virtudes II -

   Pedir a todas as crianças se entenderam e o que entenderam

   Pedir para as crianças desenharem algo que lembre:

   Raiva

   Medo

   Auto piedade

   Auto permissão

   Explicar o que são estas palavras

   Rever as metas anteriores e deixar novas.

   Material
Xerox da oração

  Xerox da história

  Lápis preto e colorido

  Papel sulfite

                                                  Voltar

  4ªsemana do 5º princípio

  Enfoque: O jogo da culpa.

  ATIVIDADE:

  Ler a oração das drogas com as crianças

  Fazer com as crianças o jogo: “O Jogo da culpa”

   Escolher 2 crianças para serem os personagens da história: uma será o Marcelo e a outra a
professora.

    A verdadeira culpa acontece quando praticamos o mal premeditadamente, de vontade própria,
livres, conscientes, agindo para prejudicar o outro. Muitas vezes ficamos paralisados diante de
emoções muito fortes como o medo, raiva, auto piedade ou mesmo culpa.

  O A.E. propõe: Esvazie-se de qualquer tipo de emoção negativa. Elas além de tornarem indefeso e
sem ação. Distorcem a realidade, não transferem nem dividem responsabilidades, não são a solução.

   Achar culpados também não resolve.Mostra apenas que estamos – consciente ou inconsciente _ nos
achando melhores que os outros.

   Pode-se culpar: pais, políticos, professores, membro do corpo docente, a política, os estudantes,
crianças mal educadas, a vizinhança, os traficantes, a TV e o cinema, a pessoa que deixou de avisar o
que deveríamos esperar, as que esperam muito de nós, o excesso de alunos numa classe, a papelada em
demasia para preencher, as pouquíssimas facilidades, o equipamento pobre, a falta de material
necessário, ou você mesmo.

  Quando não podemos resolver um problema acusamos.Acusamos ou racionalizamos nosso próprio
comportamento.

   Isso se chama jogo da culpa , o resultado do jogo da culpa é que toda sua energia e esforço
concentra-se em achar quem ou o que causou a crise,em vez de tentar descobrir o que fazer para
resolve-la.

   Ficar envolvido no jogo da culpa impede que você toma atitudes, impede que você experimente algo
novo e que confronte o comportamento que prende o jovem numa qualidade de vida realmente
destrutiva.

  Trabalhar com o grupo como sair desse jogo.

   Resposta: Parar de jogar, entender que não se pode salvar, que não se perseguirá, e que é preciso se
recusar a ser vítima e pagar pelo comportamento do outro. Isso não é a mesma coisa que ajudar
quando alguém realmente precisa de ajuda, ficar bravo quando for apropriado ou reconhecer que
coisas injustas estão acontecendo.
“Sem culpa, auto piedade , raiva, vamos estar livres para ajudar e receber ajuda”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O vestido azul(1)
O vestido azul(1)O vestido azul(1)
O vestido azul(1)
LuciaFrana4
 
Vera.lucia.m.de.carvalho. .espiritismo.-.novamente juntos.
Vera.lucia.m.de.carvalho. .espiritismo.-.novamente juntos.Vera.lucia.m.de.carvalho. .espiritismo.-.novamente juntos.
Vera.lucia.m.de.carvalho. .espiritismo.-.novamente juntos.
PMP
 
Enquanto espero, eu tenho guardado o meu amor: o livro
Enquanto espero, eu tenho guardado o meu amor: o livroEnquanto espero, eu tenho guardado o meu amor: o livro
Enquanto espero, eu tenho guardado o meu amor: o livro
prgerio
 
Billy e a fera
Billy e a feraBilly e a fera
Billy e a fera
Freekidstories
 
Planejamento de páscoa
Planejamento de páscoaPlanejamento de páscoa
Planejamento de páscoa
kekinhaborges
 
Avós
AvósAvós
Trabalhando um projeto
Trabalhando um projetoTrabalhando um projeto
Trabalhando um projeto
Ana Antunes
 
Marcelo Marmelo Martelo Ruth Rocha
Marcelo Marmelo Martelo Ruth RochaMarcelo Marmelo Martelo Ruth Rocha
Marcelo Marmelo Martelo Ruth Rocha
Nadia Gal Stabile
 
Ruth rocha marcelo marmelo martelo
Ruth rocha   marcelo marmelo marteloRuth rocha   marcelo marmelo martelo
Ruth rocha marcelo marmelo martelo
Patrícia Fernanda da Costa Santos
 
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo
Roseli Aparecida Tavares
 
Ovelhaperdidajuniores
OvelhaperdidajunioresOvelhaperdidajuniores
Ovelhaperdidajuniores
Sandra Fuso
 
" O amor é a melhor herança. Educação para as crianças"
 " O amor é a melhor herança. Educação para as crianças" " O amor é a melhor herança. Educação para as crianças"
" O amor é a melhor herança. Educação para as crianças"
Iva Pavan
 
Semana de 07 a 11 de fevereiro
Semana de 07 a 11 de fevereiroSemana de 07 a 11 de fevereiro
Semana de 07 a 11 de fevereiro
kekinhaborges
 
Marcelo,marmelo,martelo
Marcelo,marmelo,marteloMarcelo,marmelo,martelo
Marcelo,marmelo,martelo
Yvana Costa
 
Marcelo marmelo martelo livro
Marcelo marmelo martelo livroMarcelo marmelo martelo livro
Marcelo marmelo martelo livro
Andréa Silveira
 

Mais procurados (15)

O vestido azul(1)
O vestido azul(1)O vestido azul(1)
O vestido azul(1)
 
Vera.lucia.m.de.carvalho. .espiritismo.-.novamente juntos.
Vera.lucia.m.de.carvalho. .espiritismo.-.novamente juntos.Vera.lucia.m.de.carvalho. .espiritismo.-.novamente juntos.
Vera.lucia.m.de.carvalho. .espiritismo.-.novamente juntos.
 
Enquanto espero, eu tenho guardado o meu amor: o livro
Enquanto espero, eu tenho guardado o meu amor: o livroEnquanto espero, eu tenho guardado o meu amor: o livro
Enquanto espero, eu tenho guardado o meu amor: o livro
 
Billy e a fera
Billy e a feraBilly e a fera
Billy e a fera
 
Planejamento de páscoa
Planejamento de páscoaPlanejamento de páscoa
Planejamento de páscoa
 
Avós
AvósAvós
Avós
 
Trabalhando um projeto
Trabalhando um projetoTrabalhando um projeto
Trabalhando um projeto
 
Marcelo Marmelo Martelo Ruth Rocha
Marcelo Marmelo Martelo Ruth RochaMarcelo Marmelo Martelo Ruth Rocha
Marcelo Marmelo Martelo Ruth Rocha
 
Ruth rocha marcelo marmelo martelo
Ruth rocha   marcelo marmelo marteloRuth rocha   marcelo marmelo martelo
Ruth rocha marcelo marmelo martelo
 
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo
 
Ovelhaperdidajuniores
OvelhaperdidajunioresOvelhaperdidajuniores
Ovelhaperdidajuniores
 
" O amor é a melhor herança. Educação para as crianças"
 " O amor é a melhor herança. Educação para as crianças" " O amor é a melhor herança. Educação para as crianças"
" O amor é a melhor herança. Educação para as crianças"
 
Semana de 07 a 11 de fevereiro
Semana de 07 a 11 de fevereiroSemana de 07 a 11 de fevereiro
Semana de 07 a 11 de fevereiro
 
Marcelo,marmelo,martelo
Marcelo,marmelo,marteloMarcelo,marmelo,martelo
Marcelo,marmelo,martelo
 
Marcelo marmelo martelo livro
Marcelo marmelo martelo livroMarcelo marmelo martelo livro
Marcelo marmelo martelo livro
 

Semelhante a Ensino religioso 2

( Espiritismo) a irmazinha de mauricio
( Espiritismo)   a irmazinha de mauricio( Espiritismo)   a irmazinha de mauricio
( Espiritismo) a irmazinha de mauricio
Alice Lirio
 
PRINCESA DO DESEJO: desventuras de uma jovem
PRINCESA DO DESEJO: desventuras de uma jovemPRINCESA DO DESEJO: desventuras de uma jovem
PRINCESA DO DESEJO: desventuras de uma jovem
CamilaSGaspar
 
17287535 Espiritismo Infantil Historia 52
17287535 Espiritismo Infantil Historia 5217287535 Espiritismo Infantil Historia 52
17287535 Espiritismo Infantil Historia 52
Ana Cristina Freitas
 
A árvore do enforcado
A árvore do enforcadoA árvore do enforcado
A árvore do enforcado
Jardinera Msf
 
Apostilafeiradeideias 100303084132-phpapp01
Apostilafeiradeideias 100303084132-phpapp01Apostilafeiradeideias 100303084132-phpapp01
Apostilafeiradeideias 100303084132-phpapp01
Alice Lirio
 
Evangelho no lar com crianças (67)
Evangelho no lar com crianças (67)Evangelho no lar com crianças (67)
Evangelho no lar com crianças (67)
Fatoze
 
1141295 perfeitamente imperfeito
1141295 perfeitamente imperfeito1141295 perfeitamente imperfeito
1141295 perfeitamente imperfeito
Elisangela Santos
 
Retalhos de historias e memorias
Retalhos de historias e memoriasRetalhos de historias e memorias
Retalhos de historias e memorias
10-09-61
 
Avaliação de língua portuguesa 8º ano .
Avaliação de língua portuguesa 8º ano .Avaliação de língua portuguesa 8º ano .
Avaliação de língua portuguesa 8º ano .
GlaucoRobertoBertucc
 
Slaides contos infantis na pré escola
Slaides contos infantis na pré escolaSlaides contos infantis na pré escola
Slaides contos infantis na pré escola
anaparecidaraca
 
T Extos Do 5 F
T Extos Do 5 FT Extos Do 5 F
T Extos Do 5 F
veroleal
 
Hora do conto
Hora do contoHora do conto
Hora do conto
António Pires
 
Tem pao velho
Tem pao velhoTem pao velho
4 projetos sobre bondade
4 projetos sobre bondade4 projetos sobre bondade
4 projetos sobre bondade
Meikiane Dias E Lucas Martins
 
E book historias infantis
E book historias infantisE book historias infantis
E book historias infantis
MariGiopato
 
2 relacionamento familiar
2   relacionamento familiar2   relacionamento familiar
2 relacionamento familiar
Alice Lirio
 
Livro infantil "CHUTANDO PEDRINHAS" Pro Mundo
Livro infantil "CHUTANDO PEDRINHAS" Pro MundoLivro infantil "CHUTANDO PEDRINHAS" Pro Mundo
Livro infantil "CHUTANDO PEDRINHAS" Pro Mundo
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Interpretaçao portugues portu
Interpretaçao portugues portuInterpretaçao portugues portu
Interpretaçao portugues portu
Atividades Diversas Cláudia
 
Roteiro dij ciclo 1¬ infôncia
Roteiro dij   ciclo 1¬ infônciaRoteiro dij   ciclo 1¬ infôncia
Roteiro dij ciclo 1¬ infôncia
Alice Lirio
 
A arvore dos desejos em Quadrinhos
A arvore dos desejos em Quadrinhos A arvore dos desejos em Quadrinhos
A arvore dos desejos em Quadrinhos
SabrinaVieira43
 

Semelhante a Ensino religioso 2 (20)

( Espiritismo) a irmazinha de mauricio
( Espiritismo)   a irmazinha de mauricio( Espiritismo)   a irmazinha de mauricio
( Espiritismo) a irmazinha de mauricio
 
PRINCESA DO DESEJO: desventuras de uma jovem
PRINCESA DO DESEJO: desventuras de uma jovemPRINCESA DO DESEJO: desventuras de uma jovem
PRINCESA DO DESEJO: desventuras de uma jovem
 
17287535 Espiritismo Infantil Historia 52
17287535 Espiritismo Infantil Historia 5217287535 Espiritismo Infantil Historia 52
17287535 Espiritismo Infantil Historia 52
 
A árvore do enforcado
A árvore do enforcadoA árvore do enforcado
A árvore do enforcado
 
Apostilafeiradeideias 100303084132-phpapp01
Apostilafeiradeideias 100303084132-phpapp01Apostilafeiradeideias 100303084132-phpapp01
Apostilafeiradeideias 100303084132-phpapp01
 
Evangelho no lar com crianças (67)
Evangelho no lar com crianças (67)Evangelho no lar com crianças (67)
Evangelho no lar com crianças (67)
 
1141295 perfeitamente imperfeito
1141295 perfeitamente imperfeito1141295 perfeitamente imperfeito
1141295 perfeitamente imperfeito
 
Retalhos de historias e memorias
Retalhos de historias e memoriasRetalhos de historias e memorias
Retalhos de historias e memorias
 
Avaliação de língua portuguesa 8º ano .
Avaliação de língua portuguesa 8º ano .Avaliação de língua portuguesa 8º ano .
Avaliação de língua portuguesa 8º ano .
 
Slaides contos infantis na pré escola
Slaides contos infantis na pré escolaSlaides contos infantis na pré escola
Slaides contos infantis na pré escola
 
T Extos Do 5 F
T Extos Do 5 FT Extos Do 5 F
T Extos Do 5 F
 
Hora do conto
Hora do contoHora do conto
Hora do conto
 
Tem pao velho
Tem pao velhoTem pao velho
Tem pao velho
 
4 projetos sobre bondade
4 projetos sobre bondade4 projetos sobre bondade
4 projetos sobre bondade
 
E book historias infantis
E book historias infantisE book historias infantis
E book historias infantis
 
2 relacionamento familiar
2   relacionamento familiar2   relacionamento familiar
2 relacionamento familiar
 
Livro infantil "CHUTANDO PEDRINHAS" Pro Mundo
Livro infantil "CHUTANDO PEDRINHAS" Pro MundoLivro infantil "CHUTANDO PEDRINHAS" Pro Mundo
Livro infantil "CHUTANDO PEDRINHAS" Pro Mundo
 
Interpretaçao portugues portu
Interpretaçao portugues portuInterpretaçao portugues portu
Interpretaçao portugues portu
 
Roteiro dij ciclo 1¬ infôncia
Roteiro dij   ciclo 1¬ infônciaRoteiro dij   ciclo 1¬ infôncia
Roteiro dij ciclo 1¬ infôncia
 
A arvore dos desejos em Quadrinhos
A arvore dos desejos em Quadrinhos A arvore dos desejos em Quadrinhos
A arvore dos desejos em Quadrinhos
 

Mais de Atividades Diversas Cláudia

Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre familia.doc
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre  familia.docAtividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre  familia.doc
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre familia.doc
Atividades Diversas Cláudia
 
FILME nao olhe para cima.doc
FILME nao olhe para cima.docFILME nao olhe para cima.doc
FILME nao olhe para cima.doc
Atividades Diversas Cláudia
 
1 guerra Russia Ucrania atividade interdisciplinar historia geografia portugu...
1 guerra Russia Ucrania atividade interdisciplinar historia geografia portugu...1 guerra Russia Ucrania atividade interdisciplinar historia geografia portugu...
1 guerra Russia Ucrania atividade interdisciplinar historia geografia portugu...
Atividades Diversas Cláudia
 
Atividades campanha da fraternidade 2022 e
Atividades campanha da fraternidade 2022 eAtividades campanha da fraternidade 2022 e
Atividades campanha da fraternidade 2022 e
Atividades Diversas Cláudia
 
Atividades sobre fake news
Atividades sobre fake newsAtividades sobre fake news
Atividades sobre fake news
Atividades Diversas Cláudia
 
1 primeiro dia de aula novo melhor
1 primeiro dia de aula novo melhor1 primeiro dia de aula novo melhor
1 primeiro dia de aula novo melhor
Atividades Diversas Cláudia
 
2 primeiro dia de aula novo amanha
2 primeiro dia de aula novo amanha2 primeiro dia de aula novo amanha
2 primeiro dia de aula novo amanha
Atividades Diversas Cláudia
 
3 primeiro dia de aula novo
3 primeiro dia de aula novo3 primeiro dia de aula novo
3 primeiro dia de aula novo
Atividades Diversas Cláudia
 
4 primeiro dia de aula novo hoje
4 primeiro dia de aula novo hoje4 primeiro dia de aula novo hoje
4 primeiro dia de aula novo hoje
Atividades Diversas Cláudia
 
5 primeiro dia de aula novo desafios
5 primeiro dia de aula novo desafios5 primeiro dia de aula novo desafios
5 primeiro dia de aula novo desafios
Atividades Diversas Cláudia
 
6 primeiro dia de aula novo motivacao
6 primeiro dia de aula novo motivacao6 primeiro dia de aula novo motivacao
6 primeiro dia de aula novo motivacao
Atividades Diversas Cláudia
 
Prova de geografia 9 ano 4b pet 4 (1)
Prova de geografia 9 ano 4b pet 4 (1)Prova de geografia 9 ano 4b pet 4 (1)
Prova de geografia 9 ano 4b pet 4 (1)
Atividades Diversas Cláudia
 
Prova de geografia 8 ano 4b pet 4
Prova de geografia 8 ano 4b pet 4Prova de geografia 8 ano 4b pet 4
Prova de geografia 8 ano 4b pet 4
Atividades Diversas Cláudia
 
Prova de geografia 9 ano 4b pet 4
Prova de geografia 9 ano 4b pet 4Prova de geografia 9 ano 4b pet 4
Prova de geografia 9 ano 4b pet 4
Atividades Diversas Cláudia
 
Prova de ensino religioso 8 ano 4b pet 4
Prova de ensino religioso 8 ano 4b pet 4Prova de ensino religioso 8 ano 4b pet 4
Prova de ensino religioso 8 ano 4b pet 4
Atividades Diversas Cláudia
 
Prova historia 1ano pet4
Prova historia 1ano pet4Prova historia 1ano pet4
Prova historia 1ano pet4
Atividades Diversas Cláudia
 
Prova de historia 2ano 4bimestre
Prova de historia 2ano 4bimestreProva de historia 2ano 4bimestre
Prova de historia 2ano 4bimestre
Atividades Diversas Cláudia
 
Prova de arte 4b 9 ano1
Prova de arte 4b 9 ano1Prova de arte 4b 9 ano1
Prova de arte 4b 9 ano1
Atividades Diversas Cláudia
 
Prova de arte 4b 8 ano
Prova de arte 4b 8 anoProva de arte 4b 8 ano
Prova de arte 4b 8 ano
Atividades Diversas Cláudia
 
Prova de arte 4b 7 ano (reparado)
Prova de arte 4b 7 ano (reparado)Prova de arte 4b 7 ano (reparado)
Prova de arte 4b 7 ano (reparado)
Atividades Diversas Cláudia
 

Mais de Atividades Diversas Cláudia (20)

Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre familia.doc
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre  familia.docAtividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre  familia.doc
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre familia.doc
 
FILME nao olhe para cima.doc
FILME nao olhe para cima.docFILME nao olhe para cima.doc
FILME nao olhe para cima.doc
 
1 guerra Russia Ucrania atividade interdisciplinar historia geografia portugu...
1 guerra Russia Ucrania atividade interdisciplinar historia geografia portugu...1 guerra Russia Ucrania atividade interdisciplinar historia geografia portugu...
1 guerra Russia Ucrania atividade interdisciplinar historia geografia portugu...
 
Atividades campanha da fraternidade 2022 e
Atividades campanha da fraternidade 2022 eAtividades campanha da fraternidade 2022 e
Atividades campanha da fraternidade 2022 e
 
Atividades sobre fake news
Atividades sobre fake newsAtividades sobre fake news
Atividades sobre fake news
 
1 primeiro dia de aula novo melhor
1 primeiro dia de aula novo melhor1 primeiro dia de aula novo melhor
1 primeiro dia de aula novo melhor
 
2 primeiro dia de aula novo amanha
2 primeiro dia de aula novo amanha2 primeiro dia de aula novo amanha
2 primeiro dia de aula novo amanha
 
3 primeiro dia de aula novo
3 primeiro dia de aula novo3 primeiro dia de aula novo
3 primeiro dia de aula novo
 
4 primeiro dia de aula novo hoje
4 primeiro dia de aula novo hoje4 primeiro dia de aula novo hoje
4 primeiro dia de aula novo hoje
 
5 primeiro dia de aula novo desafios
5 primeiro dia de aula novo desafios5 primeiro dia de aula novo desafios
5 primeiro dia de aula novo desafios
 
6 primeiro dia de aula novo motivacao
6 primeiro dia de aula novo motivacao6 primeiro dia de aula novo motivacao
6 primeiro dia de aula novo motivacao
 
Prova de geografia 9 ano 4b pet 4 (1)
Prova de geografia 9 ano 4b pet 4 (1)Prova de geografia 9 ano 4b pet 4 (1)
Prova de geografia 9 ano 4b pet 4 (1)
 
Prova de geografia 8 ano 4b pet 4
Prova de geografia 8 ano 4b pet 4Prova de geografia 8 ano 4b pet 4
Prova de geografia 8 ano 4b pet 4
 
Prova de geografia 9 ano 4b pet 4
Prova de geografia 9 ano 4b pet 4Prova de geografia 9 ano 4b pet 4
Prova de geografia 9 ano 4b pet 4
 
Prova de ensino religioso 8 ano 4b pet 4
Prova de ensino religioso 8 ano 4b pet 4Prova de ensino religioso 8 ano 4b pet 4
Prova de ensino religioso 8 ano 4b pet 4
 
Prova historia 1ano pet4
Prova historia 1ano pet4Prova historia 1ano pet4
Prova historia 1ano pet4
 
Prova de historia 2ano 4bimestre
Prova de historia 2ano 4bimestreProva de historia 2ano 4bimestre
Prova de historia 2ano 4bimestre
 
Prova de arte 4b 9 ano1
Prova de arte 4b 9 ano1Prova de arte 4b 9 ano1
Prova de arte 4b 9 ano1
 
Prova de arte 4b 8 ano
Prova de arte 4b 8 anoProva de arte 4b 8 ano
Prova de arte 4b 8 ano
 
Prova de arte 4b 7 ano (reparado)
Prova de arte 4b 7 ano (reparado)Prova de arte 4b 7 ano (reparado)
Prova de arte 4b 7 ano (reparado)
 

Ensino religioso 2

  • 1. 1º Princípio: Raízes culturais- 1ª semana 1ª semana: Eu · Atividades: Ler a oração das drogas com as crianças Papai do céu, guiai os pensamentos dos meus pais, parentes, amigos, familiares, professores e dirigentes deste país, para que combatam o uso das drogas, afim de que eu possa crescer mais livre e muito mais feliz. (EXTRAÍDA DA CARTILHA DO BRASILEIRINHO) LIÇÕES DA INFÂNCIA Quando pequena, Isabel era uma menina um pouco preguiçosa, egoísta e não aceitava opiniões dos outros, achava-se sempre com a razão. Brigava muito com seu irmão Pedro que também por sua vez, tinha seus “defeitinhos”, até bem próprios das crianças da mesma idade. Seus pais, tinham muita paciência com eles, e quando tinham que repreendê-los, sempre o faziam com palavras e exemplos. Hoje, já adultos, Isabel e Pedro, resolveram contar alguns dos exemplos dados por seus pais, que consideram os bens mais preciosos que puderam receber deles. A cada um deram um nome. 1º Exemplo: A CESTA Uma das tarefas que deixava Isabel sempre mal-humorada, era pegar uma cesta e ir comprar pão para o jantar. Um dia seu pai chegou e encontrou-a discutindo com Pedro, porque achava injusto ter essa tarefa. Apesar de cansado, seu pai, ao invés de se sentar um pouco para descansar, voltou-se para Isabel e disse: -Filha, dê-me a cesta. Ela entregou rápido, certa de que tinha levado a melhor e que Pedro ia ser mandado à padaria. Mas não foi isso o que conteceu. Dirigindo-se aos dois, seu pai propôs o seguinte: -Filhos, até aqui eu tenho dado o dinheiro e vocês têm feito feito as compras. Vamos mudar um pouco. Vocês vão dar o dinheiro e eu irei fazer as compras. Já estou com a cesta e vou à padaria buscar o pão. Vocês, por favor, me dêem o dinheiro para pagá-lo. Aquela mudança inesperada assustou a todos e ficaram por um instante olhando-se sem dizer uma palavra. Sem suportar por mais tempo a situação,Isabel pegou a cesta de sua mão, pegou o dinheiro e foi buscar os pães,muito pensativa, deixando Pedro também em silêncio. Na hora do jantar seu pai disse: -Filhos, a refeição representa uma benção de Deus e o esforço de cada um de nós. Deus nos abençoou para que eu pudesse trabalhar e ganhar o dinheiro, vocês fizessem as compras com ele e sua mãe cozinhasse a comida. Assim, todos nos alimentamos e nos sentimos satisfeitos. A COOPERAÇÃO é a garantia do lar e da Humanidade inteira. Quando ela falta a benção de Deus não pode ser realizada.
  • 2. Depois disso suas atitudes mudaram. A lição serviu para todos e ainda hoje,quando reunem-se, lembram-se de seu pai e daquele jantar. 2º EXEMPLO: O BOLO Isabel e Pedro chegavam sempre com muita fome da escola. Um dia , sua mãe colocou diante dos dois, meio bolo e uma faca, dizendo: -Um de vocês vai cortar o bolo, mas o outro vai poder escolher, em primeiro lugar, o seu pedaço. Pedro querendo fazer-se de esperto, pegou a faca e ia, evidentemente, cortar o bolo em dois pedaços desiguais. Mas de repente, parou. Olhando primeiramente para sua mãe e, depois, para Isabel, cortou o bolo exatamente no meio. Esperou que Isabel se servisse. Qualquer pedaço que ela escolhesse daria no mesmo: ninguém sairia prejudicado. E assim, ambos comeram alegremente as porções idênticas. Desde então, fosse o que fosse que houvesse a repartir - pão com manteiga, arroz e feijão, bolachas -,tudo era sempre dividido em partes conscienciosamente iguais. Isso lhes ensinou o RESPEITO para com os direitos daqueles com quem tinham que compartilhar alguma coisa. Grupo de Crianças pequenas Cada criança vai fechar os olhinhos,vai pensar em si mesma( Procurem lembrar,...como eu sou...que cor são meus olhos...e meus cabelos...sou alto ou baixo...gordo ou magro...sou bom...sou mau... Vamos pensar nas qualidades ou coisas boas que fazemos... Vamos pensar em nossos defeitos ou coisas ruins que fazemos... Agora cada um vai fazer o desenho de si mesmo e cada um respeitando o outro vamos ouvir as qualidades e defeitos do amigo e ver que metas podemos tomar para melhorar. è Deixar metas Voltar 2ª semana do 1º princípio Enfoque:- o outro ( família) à Ler a oração das drogas à Falar sobre o relacionamento familiar,sobre as implicâncias,o que fazer para fazer a vida mais feliz e melhorar a relação familiar ATIVIDADE Ler a historia: O BALAIO Rosinha era uma menina muito inteligente;contava apenas oito anos e amava muito seus pais. Uma tarde, cisma va ela diante de seu balainho,presente da mãe no dia de seu aniversário. O balainho estava cheio de ovos botados por sua galinha carijó, a Mimosa. Depois de muito pensar, chamou seu irmão Roberto e disse-lhe: __ Roberto, tenho uma idéia e, para pô-la em prática, preciso de tua ajuda. Quero que me auxilies
  • 3. a pôr a chocar estes ovos da Mimosa. Uma vez chocados, nascerão frangos. Será uma linda ninhada como aquela que mamãe tirou da galinha ruiva, lembras-te? Mamãe disse que ganhou bom dinheiro com aquela ninhada. Venderemos os nossos franguinhos e com o dinheiro que apurarmos compraremos um jaleco para o papai. Mimosa continuará a botar e com o que ganharmos da segunda ninhada compraremos uma bonita blusa e um avental branco para mamãe. __ E depois? perguntou Roberto. __ Nunca faltará o que comprar: um par de sapatinhos para Toniquinha, um bonito livro para ti, uma fita para mim... Roberto ouviu tudo pacientemente, olhou para o balainho, para os ovos, para a Mimosa, que passou cacarejando atrás de uma içá, riu e disse: __ Sabes de quanto tempo necessitarás para fazer tudo o que disseste? Talvez anos, Rosinha. O melhor que tens a fazer é levar o balaio de ovos para a mamãe, e ela que faça deles uma boa fritada. Ajudar-te-ei a comê-los. Rosinha, muito contristada, levou o balaio à dona Laura. Dona Laura notou a tristeza de sua filhinha e perguntou-lhe o motivo. Rosinha, muito desapontada, contou-lhe seus planos e a resposta de Roberto. Dona Laura chamou Roberto e disse-lhe: __ Meu filho, como ousaste proceder desta maneira para com tua irmã? Assim procedendo, erraste três vezes: a primeira, porque lançaste em seu coraçãozinho o desânimo; a segunda,menosprezaste o valor de tão bela iniciativa; e a terceira, demonstraste ser um menino preguiçoso. Depois do jantar vou contar-te a história de um menino preguiçoso e o que lhe sucedeu. E dona Laura contou-lhe a história do menino preguiçoso. Rosinha e Roberto gostavam muito de ouvir histórias. E os dois ali estavam a ouvir atentamente. Dona Laura nem mesmo chegara ao meio da história, quando Roberto se levantou e disse-lhe: __ Basta, mamãe! Não é preciso que a senhora termine; já compreendi tudo. Amanhã, logo cedo, colaborarei com Rosinha, ajudando-a em seu projeto com o meu trabalho. No dia seguinte, Roberto levantou-se cedo e chamou Rosinha em seu quarto. __ Assim tão cedo, Roberto? Sim, Rosinha, o tempo passa depressa, o inverno vem aí; e se não te apressares, não comprarás o jaleco para o papai usá-lo ainda este ano. Prometido é devido. Aqui estou para te ajudar. E os dois irmãos saíram para o quintal fresquinho e cheiroso pelo ar da manhã e foram procurar um bom lugar onde Mimosa chocasse os ovos. Roberto fez o ninho e forrou-o com paina macia; com que cuidado a pequenina colocava um por um os ovos, até que o balainho ficou vazio! Era preciso cuidado para não quebrarem; eles representavam o jaleco para o papai vestir durante o tempo de frio e uma porção de coisas mais para todos os de casa. Todos aplaudiram a história. E Carolina Maria prometeu: __ Nas próximas férias, vocês verão a "frangaiada" que estará ciscando aí no quintal. Pedir para as crianças comentarem o que entenderam e pensarem no que podem fazer para ajudar o outro a continuar a sonhar e realizar seu sonho dentro de casa. Desenhar a pessoa da sua família que irá ajudar e em que. à Perguntar se cumpriram suas metas e anotar a meta da próxima semana MATERIAL xerox da oração xerox da história lápis preto e colorido
  • 4. folha de sulfite Voltar 3ª semana do 1º princípio Enfoque:-O grupo /a sociedade Ler a oração das drogas Considerar 3 aspectos: Conhecimento, Comunicação, Desprendimento ATIVIDADES Dar o desenho ( Polícia ) para as crianças colorir e falar sobre a importância de conhecer as pessoas quando precisa de informação,não ter medo da polícia... Perguntar se cumpriram as metas e quais as que vão ser deixadas para a próxima semana MATERIAL Oração das drogas Xerox do desenho Lápis preto e colorido Voltar
  • 5. 4ª semana do 1º princípio Enfoque: Avaliação ATIVIDADE: àLer a oração das drogas àLer a História: Estrelinhas Olá amiguinhos!! Hoje vou contar para vocês a estória de Gabriela, uma menina, carinhosa, obediente e muito esperta! Gabriela morava com seus pais,mas todos os domingos falava para sua mãe levá-la para casa dos avós. Ela adorava, pois sua avó fazia doces maravilhosos e seu avô contava cada domingo uma estória diferente para ela.Todo dia ela perguntava: Mamãe ... mamãe... já esta chegando o Domingo?! Ainda não Gabriela, só mais alguns dias!! Mamãe ... o Domingo é amanhã?! Ainda não Gabriela... tenha paciência minha filha!! Chegado o dia tão esperado, Gabriela ficava toda contente... dentro do carro ficava toda eufórica Ainda falta muito para chegarmos na casa da vovó mamãe?! Não Gabriela, só mais um pouquinho!! Chegando ela corria para dentro da casa, gritando toda alegre... Vó! Cheguei!!! Os doces já estão prontos?! O que a Sra fez hoje?! Tem Chocolatada? Tem bolo de banana?! Têm... Calma...calma...Gabriela...tenha paciência minha querida. Neste dia... depois de ter comido um delicioso bolo de chocolate feito pela sua avó, sentou-se no chão da sala onde estava o seu avô e pediu para ele lhe contar uma estória.. Hoje não Gabriela, o vô está cansado conto outro dia. Gabriela ficou triste e pedia sem parar para o avô contar... Ah Vô conta uma historinha...conta vai...só uma... bem curtinha...qualquer uma...conta... Esta bem...você é insistente heim minha neta. Vamos lá...você sabia que todos nós possuímos estrelas ao nosso redor?! E o mesmo tanto de estrelas para cada um...por exemplo...se eu tenho 15, você também terá 15. Estrelas? Como as brilhantes que tem no céu?Perguntou Gabriela. Sim, iguais a elas...só que com uma diferença. Tem pessoas que deixam algumas de suas estrelas apagadas. Respondeu seu Avó. Como assim?!Perguntou Gabriela. Então seu avô explicou. Cada estrela tem um nome...amizade, amor, educação, carinho, colaboração, paciência... Quem briga com seu amiguinho deixa a sua estrela da amizade apagada. Quem não respeita as pessoas deixa a sua estrela da educação apagada. Quem vive fazendo bagunça em casa deixa a estrela da colaboração apagada. Quem não ajuda os outros deixa a sua estrela do amor apagada Gabriela ficou preocupada...e perguntou a seu avô: Nossa vô!!O Senhor está vendo minhas estrelinhas?! E dando risadas seu avô respondeu. Hehehe estou vendo sim Gabriela...mas tem uma sua que está apagada!! Têm ?! Qual é ?! Me conta vô...me conta por favor!! Amanhã eu te falo qual é filha!!! Não eu não aquento esperar...me conte agora...por favor vô..eu não tenho paciência de... Nisso Gabriela pára... dá uma risadinha para seu avô dizendo... é vô o senhor está certo ...a minha estrelinha da paciência anda meio apagadinha né?! heheheh!!
  • 6. Os dois deram, risadas...e Gabriela prometeu tentar todos os dias acender um pouquinho sua estrelinha! E você amiguinho?! Como estão as suas estrelinhas?! Regina Amélia de Oliveira Pedir para as crianças se algumas de suas estrelinhas está apagada, para pensarem e desenharem “ elas e suas estrelinhas em volta”e deixar sem colorir as estrelinhas que estão apagadas. MATERIAL Xerox da oração das drogas Xerox da história Folhas de sulfite Lápis preto e colorido Voltar 5ª semana do 1º princípio Atividades: Ler a oração das drogas Falar sobre o perigo das drogas e responder sobre as perguntas que surgirem à Dar o desenho para as crianças colorirem, ler a frase escrita para elas. MATERIAL Xerox da oração das drogas Xerox do desenho
  • 7. Lápis preto e colorido Voltar 2º Princípio: Pais também são gente Professores também são gentes Eu também sou gente Enfoque: a si mesmo - eu Ler a oração das drogas · ATIVIDADES Ler a história :Nina a tartaruguinha Tema: Valorização do que temos Nina a tartaruguinha Nina estava triste.Por causa da sua casca, não podia brincar com os coelhinhos. Fez força e saiu da casca. Saiu pulando contente:
  • 8. Mergulhou no lago, mas veio um peixe e ... mordeu seu rabinho. Ela deu um pulo e caiu bem em cima de um porco espinho! Sentiu frio e entrou dentro de um sapato velho.
  • 9. Veio a chuva e o sapato encharcou. Nina quis achar de novo a sua casca, mas... ... tinha um gato morando lá. Ele só saiu porque caiu e não conseguia desvirar a casca. Nina então, pode entrar na sua casca e falou que nunca mais queria sair dali. Fazer algumas reflexões v Você tem sido você mesmo? v Respeita as pessoas e as considera? E ensinando-lhes assim a respeitarem-se e considerar-se também. v Como avaliar e definir sua posição, assumindo seu papel de modo claro,bem definido,cheio de tranqüilidade e O que fazer para crescer no amor e no respeito a si mesmo? O que a historinha nos ensina? Pedir para as crianças colorirem a história
  • 10. Verificar se as crianças cumpriram metas e deixarem metas para a próxima semana. MATERIAL Xerox da oração Xerox da historia para as crianças Lápis colorido Voltar 2ª semana do 2º princípio Enfoque: O outro Ler a oração das drogas ATIVIDADES Fazer algumas reflexões com as crianças:Pedir para elas fecharem os olhos e : Pensar em seus pais, professores, pessoas que convivem muito e tente uma maneira de o ajudar e o ajude,também a ser gente.Olhe para ele como pessoa humana...não aquele que lhe deu alguma coisa... mas uma pessoa que você quer mesmo ajudar. Entregar o desenho da família para todas as crianças e ler junto a mensagem do desenho. Pedir para colorir Rever a meta da semana anterior e deixar a meta da próxima semana que faça o outro sentir respeito por si mesmo, que resgate sua auto-estima,sua dignidade.
  • 11. MATERIAL Xerox da oração Xerox do desenho Voltar 3ª semana do 2º princípio Enfoque: Ajudar alguém fora do círculo familiar ATIVIDADES Ler a oração das drogas Ler a história: A GALINHA AFETUOSA "Gentil galinha, cheia de instintos maternais, encontrou um ovo de regular tamanho e espalmou as asas sobre ele, aquecendo-o carinhosamente. De quando em quando, beijava-o enternecida. Se saía a buscar alimento, voltava apressada, para que lhe não faltasse calor vitalizante. E pensava, garbosa:_ Será meu pintainho! Será meu filho!Em formosa manhã de céu claro, notou que o filhotinho nascia, robusto. Criou-o , com todos os cuidados. No entanto, em dourado crepúsculo de verão, viu-o fugir pelas águas de um lago, sobre as quais deslizava contente. Chamou-o, como louca, mas não obteve resposta. O bichinho era um pato arisco e fujão. A galinha, desalentada por haver chocado um ovo que lhe não pertencia à família, voltou muito triste, ao velho poleiro; todavia, decorrido algum tempo e encontrando outro ovo, repetiu a experiência. Nova criaturinha frágil veio à luz. Protegeu-a, com ternura, dedicou-se ao filho com todas as forças, mas , em breve, reparou que não era um pintainho qual fora, ela mesma, na infância. Tratava-se dum corvo esperto que a deixou em doloroso abatimento, voando a pleno céu, para juntar-se aos escuros bandos de aves iguais a ele. A desventurada mãe sofreu muitíssimo. Entretanto,, embora resolvida a viver só, foi surpreendida , certo dia, por outro ovo , de delicada feição. Recapitulou as esperanças maternas e chocou-o. Dentro em pouco, filhote surgia. A galinha afagou- o, feliz, com o transcurso de algumas semanas , observou que o filho já crescido perseguia ratos à sombra. Durante o dia, dava mostras de perturbado e cego; no entanto, em se fazendo a treva, exibia olhos coruscantes que a amedrontavam. Em noite mais escura, fugiu para uma torre muito alta e não mais voltou. Era uma coruja nova, sedenta de aventuras.
  • 12. A abnegada mãe chorou amargamente. Porém, encontrando outro ovo, buscou ampará-lo. Aninhou- se, aqueceu-o e, findos trinta dias, veio à luz corpulento filhote. A galinha ajudou-o como pôde, mas, emb reve, o filho revelou crescimento descomunal. Passou a mirá-lade alto a baixo. Fez-se superior e desconheceu-a. Era um pavãozinho orgulhoso que chegou mesmo a maltratá-la. A carinhosa ave, dessa vez, desesperou em definitivo. Saiu do galinheiro gritando e dispunha-se a cair nas águas de rio próximo, em sinal de protesto contra o destino, quando grande galinha mais velha a abordou, curiosa, a indagar dos motivos que a segregavam em tamanha dor. A mísera respondeu, historiando o próprio caso. A irmã experiente estampou no olhar linda expressão de complacência e considerou, cacarejando: _ Que é isto, amiga? não desespere. A obra do mundo é de Deus, nosso Pai. Há ovos de gansos, perus, marrecos, andorinhas e até de sapos e serpentes, tanto quanto existem nossos próprios ovos. Continue chocando e ajudando em nome do Poder Criador; entretanto, não se prenda aos resultados do serviço que pertencem a Ele e não a nós, mesmo porque a escada para o Céu é infinita e os degraus são diferentes. Não podemos obrigar os outros a serem iguais a nós, mas é possível auxiliar a todos, de acordo com as nossas possibilidades. Entendeu? A galinha sofredora aceitou o argumento, resignou-se e voltou, mais calma, ao grande parque avícola a que se filiava. O caminho humano estende-se, repleto de dramas iguais a este. Temos filhos, irmãos e parentes diversos que de modo algum se afinam com as nossas tendências e sentimentos. Trazem consigo inibições e particularidades de outras vidas que não podemos eliminar de pronto. Estimaríamos que nos dessem compreensão e carinho, mas permanecem imantados a outras pessoas e situações, com as quais assumiram inadiáveis compromissos. De outras vezes, respiram noutros climas Não nos aflijamos, porém. A cada criatura pertence a claridade ou a sombra, a alegria ou a tristeza do degrau em que se colocou. Amemos sem o egoísmo da posse e sem qualquer propósito de recompensa, convencidos de que Deus fará o resto." Refletir O que faria para levar alguém se sentir gente? O que entenderam da história? Pedir para as crianças fazerem um desenho da história e colorir. Rever as metas da semana anterior e que as crianças proponham metas com criatividade,disponibilidade e amor.Acham metas para que ajudem alguém a ser gente. MATERIAL Xerox da oração Xerox da história;folhas de sulfite; Lápis preto e colorido Voltar 4ª semana do 2º princípio Enfoque: Observar, avaliando
  • 13. ATIVIDADES Ler a oração das drogas Ler o texto: “Lembre-se de guardar a caixa” O velho trabalhou a vida inteira.Ao se aposentar comprou uma fazenda,para que o filho a administrasse, e resolveu passar o resto de seus dias na varanda da casa principal. O filho trabalhou durante 3 anos.Então começou a ficar com raiva. _Meu pai não faz nada !-comentava com os amigos. _Passa a vida olhando o jardim e me deixando trabalhar como um escravo, para que eu possa alimenta-lo. Um dia resolveu acabar com aquela situação injusta.Construiu uma grande caixa de madeira, foi até a varanda e pediu: _Papai, por favor, entre aí. O pai obedeceu.O filho colocou a caixa em seu caminhão e foi até a beira de um precipício. Quando se preparava para joga- l a lá em baixo, escutou a voz do pai: _Meu filho, lembre-se de guardar a caixa...Você está dando o exemplo, e seus filhos, na certa,também vão precisá-la com você. Faça comentários sobre o texto. Entregar o desenho e ler com as crianças
  • 14. Pintar o desenho Rever as metas da semana anterior e rever a meta que mais o ajudou a se sentir bem e daí em diante viver esta atitude. Observação: Se sobrar tempo,ler a história :” A raposa e o Coelho “ A Raposa e o Coelho Caminhando com um discípulo,um mestre Zen apontou-lhe uma raposa que perseguia um coelho. -Segundo uma fábula antiga, o coelho escapa da raposa -disse o mestre. -Não acho comentou o discípulo. –A raposa é mais rápida. -Mas o coelho vai engana-la –insistiu o mestre. -Porque o senhor tem tanta certeza mestre ? – Perguntou o discípulo. -Porque a raposa corre pela sua refeição e o coelho corre pela sua vida - respondeu o mestre. Voltar 3º Princípio: Os recursos são limitados-1ª semana Enfoque: Eu ATIVIDADES Ler a oração das drogas Ler a história: “Faça o que eu faço” Uma mãe levou o filho até Mahatma Gandhi e implorou-lhe: __Pó favor, Mahatma, diga a meu filho para não comer mais açúcar... Depois de uma pausa Gandhi pediu à mãe: __ Traga seu filho de volta daqui a duas semanas. Duas semanas depois, ela voltou com o filho. Gandhi olhou bem no fundo dos olhos do garoto e lhe disse: __Não coma açúcar... Agradecida, porém perplexa, a mulher perguntou a Gandhi: __Por que me pediu duas semanas? Podia ter dito a mesma coisa a ele antes! E Gandhi respondeu-lhe: __Há duas semanas eu estava comendo açúcar. ÚPerguntar as crianças o que entenderam e falar sobre os seus recursos tanto materiais como emocionais, como eu vejo,aceito e qual é minha maior limitação.
  • 15. ÚFaça um desenho sobre a história ÚRever a meta da semana anterior e através das idéias que surgirem ver alguma que lhe serviu e vive-la todos os dias desta semana. MATERIAL · Xerox da oração · Xerox da história, Papel sulfite , Lápis preto e colorido Voltar 2ª semana do 3º princípio Enfoque: O outro ATIVIDADES Ler a oração das drogas Ler a história: O Cavalinho e a Borboleta Esta é a história de duas criaturas de Deus que viviam numa floresta distante há muitos anos atrás. Eram elas, um cavalinho e uma borboleta. Na verdade, não tinham praticamente nada em comum, mas em certo momento de suas vidas se aproximaram e criaram um elo. A borboleta era livre, voava por todos os cantos da floresta enfeitando a paisagem. Já o cavalinho, tinha grandes limitações, não era bicho solto que pudesse viver entregue à natureza. Nele, certa vez, foi colocado um cabresto por alguém que visitou a floresta e a partir daí sua liberdade foi cercada. A borboleta, no entanto, embora tivesse a amizade de muitos outros animais e a liberdade de voar por toda a floresta, gostava de fazer companhia ao cavalinho, agradava-lhe ficar ao seu lado e não era por pena, era por companheirismo, afeição, dedicação e carinho. Assim, todos os dias, ia visitá-lo e lá chegando levava sempre um coice, depois então um sorriso. Entre um e outro ela optava por esquecer o coice e guardar dentro do seu coração o sorriso. Sempre o cavalinho insistia com a borboleta que lhe ajudasse a carregar o seu cabresto por causa do seu enorme peso. Ela, muito carinhosamente, tentava de todas as formas ajudá-lo, mas isso nem sempre era possível por ser ela uma criaturinha tão frágil. Os anos se passaram e numa manhã de verão a borboleta não apareceu para visitar o seu companheiro. Ele nem percebeu, preocupado que ainda estava em se livrar do cabresto. E vieram outras manhãs e mais outras e milhares de outras, até que chegou o inverno e o cavalinho sentiu-se só e finalmente percebeu a ausência da borboleta.
  • 16. Resolveu então sair do seu canto e procurar por ela. Caminhou por toda a floresta a observar cada cantinho onde ela poderia ter se escondido e não a encontrou. Cansado se deitou embaixo de uma árvore. Logo em seguida um elefante se aproximou e lhe perguntou quem era ele e o que fazia por ali. -Eu sou o cavalinho do cabresto e estou a procura de uma borboleta que sumiu. -Ah, é você então o famoso cavalinho? -Famoso, eu? -É que eu tive uma grande amiga que me disse que também era sua amiga e falava muito bem de você. Mas afinal, qual borboleta que você está procurando? -É uma borboleta colorida, alegre, que sobrevoa a floresta todos os dias visitando todos os animais amigos. -Nossa, mas era justamente dela que eu estava falando. Não ficou sabendo? Ela morreu e já faz muito tempo. - Morreu? Como foi isso? -Dizem que ela conhecia, aqui na floresta, um cavalinho, assim como você e todos os dias quando ela ia visitá-lo, ele dava-lhe um coice. Ela sempre voltava com marcas horríveis e todos perguntavam a ela quem havia feito aquilo, mas ela jamais contou a ninguém. Insistíamos muito para saber quem era o autor daquela malvadeza e ela respondia que só ia falar das visitas boas que tinha feito naquela manhã e era aí que ela falava com a maior alegria de você. Nesse momento o cavalinho já estava derramando muitas lágrimas de tristeza e de arrependimento. - Não chore meu amigo, sei o quanto você deve estar sofrendo. Ela sempre me disse que você era um grande amigo, mas entenda, foram tantos os coices que ela recebeu desse outro cavalinho, que ela acabou perdendo as asinhas, depois ficou muito doente, triste e sucumbiu e morreu. -E ela não mandou me chamar nos seus últimos dias?
  • 17. -Não, todos os animais da floresta quiseram lhe avisar, mas ela disse o seguinte: "Não perturbem meu amigo com coisas pequenas, ele tem um grande problema que eu nunca pude ajudá-lo a resolver. Carrega no seu dorso um cabresto, então será cansativo demais pra ele vir até aqui." Você pode até aceitar os coices que lhe derem quando eles vierem acompanhados de beijos, mas em algum momento da sua vida, as feridas que eles vão lhe causar, não serão mais possíveis de serem cicatrizadas. Quanto ao cabresto que você tiver que carregar durante a sua existência, não culpe ninguém por isso, afinal muitas vezes, foi você mesmo que o colocou no seu dorso. Reflexão Ú O que entenderam da história? Tem alguém de nossa família que queremos ajudar Como cada um vê suas limitações( recursos materiais e emocionais ),oculta ,sem revolta,qual sua maior limitação. O que posso fazer para ajudar ? Fazer o desenho da história Rever a meta da semana anterior e através das idéias que surgirem ver alguma que lhe serviu e todos adotá-la todos os dias desta semana. MATERIAL Xerox da oração Xerox da história Papel sulfite Lápis preto e colorido Voltar 3ª semana do 3º princípio Enfoque: A Comunidade Ler a oração das drogas
  • 18. Entregar o desenho para as crianças. Ler para elas e explicar a importância de sermos informados e informar os outros do perigo das drogas... Esclarecer dúvidas que surgirem Pedir para as crianças colorir e preencher seus dados, e preencher para aquelas que não sabem escrever. Questionar se conhecem alguém que usa drogas, como ajudar, como ficar longe delas... Rever as metas e anotar as novas . Material Xerox da oração Xerox do desenho Lápis preto e colorido Voltar 4ª semana do 3º princípio 4ª semana: Avaliação. Atividade: Ler a oração das drogas Fazer a dinâmica ”Caiu em mim” Objetivo:
  • 19. Esta dinâmica pode ser considerada um exercício de integração, no entanto, é mais adequada para grupos que já se conhecem, objetivando o laser e a descontração. Procedimentos: a) Orientar para que todos fiquem assentados em círculo; b) Distribuir papeletas e lápis para cada participante; c) Cada pessoa escreverá na sua papeleta alguma coisa que o vizinho da direita realizasse. Pode ser qualquer coisa: imitar alguém, cantar uma música, imitar um animal, etc; d) Deverão assinar o nome nas papeletas e) O facilitador recolhe todas as papeletas; f) Após recolher as papeletas, dá o mote: "Aquilo que você não quiser para si não deve desejar para os outros... Portanto, o que você escreveu na sua papeleta, quem vai executar é você! g) Iniciar por voluntários, até que todos tenham concluído. Reflexão: Aquilo que não quiser para si não deve desejar para os outros...Portanto, o que você escreveu na sua papeleta, quem vai executar é você! Fazer uma avaliação de sua limitação e enxergar as dos outros e ajudar a si e aos outros. Material Xerox da oração Papeletas Lápis preto e borracha Voltar 4º Princípio: Pais e filhos não são iguais - Professores e alunos não são iguais Eu e você não somos iguais 1ª semana Enfoque: Eu ATIVIDADE Ler para as crianças, os direitos e deveres dos pais e dos filhos. Deveres de um filho: __O filho deve obediência a seus pais. Obediência é questão de justiça, porque ele é um dependente dos pais.
  • 20. E tanto é assim que o 4º mandamento das leis de Deus é “Honrar Pai e Mãe” __O que é honrar? É considerar, distinguir, respeitar, dar significado, dar crédito, estimar. E isso é tão importante, que Deus, junto com seu mandado, nos faz uma promessa: “Honra teu Pai e tua Mãe para seres feliz e teres vida longa sobre a terra” Portanto, dar crédito, considerar, respeitar os pais é dever do filho. __Mas os filhos devem também amar a seus pais? __Não me parece importante amar os pais.Necessário, isto sim, é respeitar, é honrar pai e mãe, dando a eles o lugar que lhes é devido. E o direito dos filhos quais são? São direitos dos filhos: Ser bem tratado e respeitado: Fisicamente Emocionalmente Social e espiritualmente Quais os deveres dos pais? Os pais devem promover: Bem estar físico, proporcionando casa, comida, vacinas, cuidados com alimentação, sono e disciplina de modo que, naquilo que depende dos pais, os filhos venham ter um corpo saudável Bem estar emocional, dando condições para que os filhos se desenvolvam num ambiente normal, alegre, que tenha paz e equilíbrio visando a saúde mental deles. Bem estar social, permitindo que os filhos tenham espaço para conhecer pessoas, se relacionarem com elas e possam viver e partilhar com os outros, de modo que aprendam a apreciar e respeitar os diferentes. Bem estar espiritual, lembrando-se que é muito difícil desenvolver na pessoa já adulta uma dimensão espiritual; proporcionar aos filhos o conhecimento de Deus para despertar neles a consciência do respeito ao Criador e a suas criaturas.Desenvolver também a dimensão humana da espiritualidade, que da suporte básico para o desenvolvimento da religiosidade. A educação dos filhos.Os adultos, os pais devem agir no sentido de estimular e desenvolver as aptidões, as potencialidades dos filhos, ajudando-os, assim, a se realizarem.Vale, também, lembrar que, por terem sido cuidados e educados, os filhos nada devem a seus pais.É dever dos pais para com os filhos oferecer-lhes isso. E seu filho só terá deveres com os filhos deles. Neste sentido ele passará a educação aos filhos deles. Não é dever, ao contrário, é um erro do pai, sustentar um filho que não faz nada e vive às custas de seus pais. Você conhecia os deveres dos pais? Lembre-se que um dia também serão pais! E pais também têm direitos.
  • 21. Quais os direitos dos pais? Os pais têm direito a uma noite de sono sem: Ter que ficar se preocupando sobre onde seu filho está... Ser acordado por seu adolescente que chega em casa bêbado, drogado, etc.... Receber telefonema da polícia, dos hospitais, sobre seu adolescente problemático; Os pais têm direito a: Receber cooperação e cortesia em sua própria casa; Esperar que seus filhos tenham um comportamento responsável na escola; Parar de pagar fiança para os outros; Parar de ajudar seu adolescente a tomar mais cuidado consigo mesmo; Mudar seu comportamento, mesmo que seu adolescente não goste; Você tem direito a não ser nem desconsiderado nem maltratado por seu adolescente; Amar seu filho não é desculpa para aceitar um comportamento rude, violento, sem nenhuma consideração pelo outro. Ajude seu adolescente a aprender sobre os direitos dos pais; Se você não fizer seus direitos serem respeitados, não poderá exigir que outros, nem mesmo seus filhos o respeitem Perguntar para as crianças: __De que forma eu estou assumindo meu papel de filho? __Em que aspecto devo me corrigir, considerando meus direitos e deveres? __Como venho vivendo a hierarquia de minha posição?
  • 22. Ler com as crianças a oração das drogas e pedir para colorirem: Rever as metas da semana anterior e fazer novas para a próxima semana. Material Xerox da oração Xerox da apostila do 4º princípio ( Direitos e deveres dos pais e filhos ) Lápis colorido Voltar 2ª semana do 4º princípio Enfoque: O outro. Atividades: Ler a oração das drogas com as crianças. Ler o texto: “O Eco” Um filho e um pai caminhavam por uma montanha. De repente o menino cai, se machuca e grita: - Ai!!! Para a sua surpresa, escuta sua voz se repetindo, em algum lugar da montanha: - Ai, ai, ai... Curioso, pergunta: - Quem é você? E recebe como resposta: - Quem é você? Contrariado, grita: - Seu covarde! Escuta como resposta: - Seu covarde! Olha para o pai e pergunta, aflito:
  • 23. - O que é isso? O homem sorri e fala: - Meu filho, preste atenção. Então, o pai grita em direção à montanha: - Eu amo você! Percebe a resposta. - Eu amo você! Fala mais alto. - Eu admiro sua garra!A voz responde: - Eu admiro sua garra! Mais alto, ele fala: - Você é um campeão! A voz repete: - Você é um campeão! De novo, o homem grita: - O Brasil é um país de campeões! A voz responde: - O Brasil é um país de campeões! O menino fica surpreso e pergunta: - Pai, o que é isso? - Filho, as pessoas chamam isso de eco, mas, na verdade, isso é a vida. Não gaste sua energia querendo mudar as palavras do vento. Mude as palavras que saem do seu coração. A vida, filho, é como um espelho, não adianta querer quebrá-lo se ele mostra um rosto que não lhe agrada. Mude suas posturas, suas emoções, suas atitudes e você terá a vida do jeito que merece. Nossa vida é simplesmente o reflexo das nossas ações. Se você quer mais amor no mundo, crie mais amor no seu coração. Se você quer mais competência de sua equipe, desenvolva a sua própria competência. O mundo é somente a prova da nossa capacidade. Tanto no plano pessoal quanto no profissional, a vida vai lhe devolver o que você deu a ela. Sua empresa é você. Sua vida não é uma coincidência mas consequência do que você é. Tem a sua cara, e é exatamente do tamanho da sua visão de mundo. Não se iluda. A empresa é o retrato do líder. Tudo o que seus colaboradores fazem é de sua responsabilidade. É você quem os contrata, orienta e treina. O trabalho deles tem sempre um objetivo: agradar você. Se eles percebem que você valoriza a criatividade, ousam. Ao entender que você despreza a organização, se desorganizam. Quando descobrem que você é centralizador, largam tudo nas suas mãos para "alimentar" sua fome de poder e deixar que você assuma tudo sozinho. Acertos e erros começam sempre em você. Você troca de colaboradores, muda controles, grita com todo mundo, mas as situações se repetem. As mesmas. Sempre. A repetição é um aviso de que uma grande mudança se faz necessária. A única saída que realmente funciona é mudar você mesmo. Espero que estes momentos de reflexão tenham motivado você a buscar dentro de si próprio a força para colocar sua vida num nível melhor. Vamos apresentar idéias que irão diferenciar você da maioria dos profissionais. Amadureça seus sonhos e vá atrás deles. Viver é a arte de realizar sonhos. E cuidado com o baixo-astral, porque ele é mais contagioso do que gripe. (Roberto Shinyashiki) Perguntar o que elas entenderam e explicar. Pensar quem elas poderiam ajudar a assumir seu papel. Pedir para as crianças fazerem um desenho sobre a história. Rever metas da semana anterior e pedir para fazerem novas metas. Material: Xerox da oração das drogas Xerox do texto “O Eco” Papel sulfite Lápis colorido e preto Voltar 3ª semana do 4º princípio
  • 24. Enfoque: A comunidade Atividades Ler a oração das drogas Pedir para as crianças pensarem, como podem ajudar a Igreja, o Grupo de Apoio, a Comunidade. Como podem levar o que estão aprendendo ao outro. Lembrar o princípio do mês. Falar sobre “A Páscoa” CANTO: PÁSCOA ( adaptação da música mexicana "Está chegando a hora") Na Páscoa nos festejamos A vida de Jesus Que lá no céu foi morar, foi morar Naquela estrelinha azul Jesus, o anjo querido Que pelo mundo passou Nós somos as lindas crianças, crianças Que ele tanto amou Ensinava que os bichinhos As flores e os passarinhos Deviam ser bem cuidados, cuidados Pois são nossos amiguinhos Sentia muita pena Dos pobres e dos pequeninos De todos ele cuidava, cuidava Com grande amor e carinho Neste dia maravilhoso O Mestre ressuscitou Trazendo paz e alegria, alegria E para o céu voltou (letra e autoria de Tia Angelina) Rever as metas deixadas e deixar novas metas. Fazer a dobradura do coelho Material Xerox da oração Xerox da música Folha de sulfite Voltar 4ª semana do 4º princípio Atividades
  • 25. Ler a oração das drogas Fazer com as crianças a dinâmica: ”Não querer as coisas depressa demais” Grupo: No máximo 25 crianças. Objetivos: Respeitaras diferenças individuais de cada um. Reconhecer quando alguém está lutando por um problema pessoal; perceber sua luta e suas vitórias, por menores que sejam. Incentivar a continuar lutando Tempo: 50 minutos Local: Numa sala Material: Reunir a turma em círculo e contar a seguinte história: José e Ricardo iam caminhando de volta para a casa depois da aula.São muito amigos e sentem-se perfeitamente à vontade, um com o outro. Neste dia porém, José estava um pouco triste. __O que há com você? - perguntou Ricardo.Desde que saímos da escola não disse uma só palavra.Durante a aula ficou sem falar absolutamente nada.Mesmo no recreio, somente falou algumas palavras , com uma outra pessoa,Parecia um caramujo;todo encolhido. __Você sabe muito bem que sou tímido e demoro a enturmar-me, respondeu José.Diante de um grupo sinto-me intimidado.Estou tentando melhorar.Hoje consegui falar com três pessoas,já é um progresso,coce não acha? __Talvez,disse Ricardo, visivelmente impaciente.Você ainda tem muito para crescer, nesta área, já é “grandinho” e está na hora de dominar este acanhamento idiota. José abaixou a cabeça e depois disto houve um longo período de silêncio. __Muito bem, retrucou José, quebrando o silêncio. Eu não vou mais falar com ninguém. Desisto de tentar, pois por mais que eu me esforce, só ouço críticas ! Após a realização da leitura, separe a turma em grupos ( 3 a 5 crianças ). Distribua as folhas com o texto, onde cada um deverá ler cuidadosamente o caso narrado e discutir com o grupo, procurando responder as seguintes perguntas: 1- Qual era o problema de José? 2- Por que o comentário de Ricardo fez com que José reagisse de modo tão negativo? 3- Você acha que devemos esperar mudanças nas pessoas com a mesma pressa que Ricardo demonstrou? 4- O que você diria a José para incentiva-lo a tornar-se mais sociável?
  • 26. Depois de uns 15 minutos, os grupos se reúnem novamente e cada um, através de um relator escolhido, expõe suas conclusões. Aplicar na sua vivência as descobertas desta dinâmica. Conclusão: Às vezes queremos que as coisas aconteçam muito depressa. Quando alguém está conscientemente lutando com um problema pessoal, deve saber que estamos percebendo sua luta e suas vitórias, por menores que sejam. Esta atitude irá incentivá-lo a continuar lutando. Um elogio tem grande poder. Rever a meta anterior e pedir para deixarem novas metas pensando em ajudar os outros. Caso sobre tempo ler a história “João e o pé de feijão” Era uma vez um menino chamado João, que vivia com sua mãe, uma pobre viúva, numa cabana bem longe da cidade. Um dia, a mãe de João disse: - Joãozinho, acabou a comida e o dinheiro. Vá até a cidade e venda a nossa vaquinha, o único bem que nos resta. João foi para a cidade e, no caminho, encontrou um homem que o convenceu a trocar a vaquinha por sementes de feijão. O homem disse: - Com estas sementes de feijão jamais passarão fome. - João acreditou e trouxe as sementes para casa. Quando a mãe de João viu as sementes, ficou furiosa. Jogou tudo pela janela. Na manhã seguinte, João levantou com muita fome e foi até o quintal. ficou espantado quando viu uma enorme árvore que ia até o céu. Nem chamou sua mãe. Decidiu subir pelo pé de feijão até chegar à copa. João ficou maravilhado ao encontrar um castelo nas nuvens e quis vê-lo de perto. De repente, uma mulher enorme surgiu de dentro do castelo e o agarrou: - O que faz aqui, menino? Será o meu escravo. Mas o gigante não pode saber, por isso, vou escondê-lo. Se ele ver você, com certeza vai comê-lo. O gigante chegou fazendo muito barulho. A mulher havia escondido joão num armário. O gigante rugiu: - Sinto cheiro de criança! E farejou em todos os cantos à procura de uma criança que estivesse escondida ali. A mulher adiantou-se e respondeu para o gigante: - Este cheiro é da comida que irei serví-lo. Sente-se à mesa, meu senhor. O gigante comeu o saboroso alimento. Depois, ordenou à uma galinha prisioneira que pusesse um ovo de ouro, e a uma harpa que tocasse uma bela melodia. Então, o gigante adormeceu em poucos minutos. Vendo que a mulher havia se esquecido dele, João saiu do armário e, rapidamente, libertou a galinha e também a harpa. Mas a galinha cacarejou e a harpa fez um som estridente. Por isso, o gigante despertou. Com a galinha debaixo do braço e a harpa na outra mão, João correu e o gigante foi atrás dele. João chegou primeiro ao tronco do pé de feijão e deslizou pelos ramos. Quando estava quase chegando ao
  • 27. chão, gritou para sua mãe, que o esperava: - Mamãe, vá buscar um machado, tem um gigante atrás de mim ! Com o machado, João cortou o tronco, que caiu com um estrondo. Foi o fim do gigante. E todas as manhãs, a galinha põe ovos de ouro e a harpa toca para João e sua mãe, que viveram felizes para sempre e nunca mais sentiram fome. Material Xerox da oração Xerox da dinâmica Xerox do texto José e Ricardo História “João e o pé de feijão” Voltar 5ª semana do 4º princípio Apresentação do teatro e comemoração do dia das mães ANJO PROTETOR Narrador: Algumas crianças prontas para nascer, perguntaram a Deus: 1ª Criança: - Nos disseram que vamos nascer amanhã, em outro lar? Como vamos viver lá sendo tão pequeninos e indefesos? Deus: - Entre muitos anjos, eu escolhi um especial para cada um de vocês. Ele estará lhes esperando e tomarão conta de vocês. 2ª Criança: - Aqui, junto ao Senhor, nós cantamos, sorrimos e somos felizes. Como seremos felizes lá? Deus: - Seu anjo cantará e sorrirá para você. A cada dia, a cada instante, você sentirá o amor de seu anjo e será feliz. 3ª Criança: - Como poderemos entender quando falarem conosco se não conhecemos a língua que as pessoas falam? Deus: - Com muita paciência e carinho, seu anjo lhe ensinará a falar. 4ª Criança: - E o que faremos quando quisermos falar Contigo? Deus: - Seu anjo juntará suas mãos e lhe ensinará a orar. 5ª Criança: - Ouvimos que na Terra há homens maus. Quem nos protegerá? Deus: - Seu anjo lhe defenderá mesmo que signifique arriscar a sua própria vida. 6ª Criança: - Mas seremos tristes, porque não te veremos mais. Deus: - Seu anjo sempre lhe falará de mim e lhe ensinará a maneira de vir a Mim e eu estarei sempre em seu coração. 7ª Criança: Nosso anjo estará sempre conosco?
  • 28. Deus: Seu anjo nunca deixará de estar com vocês, mesmo que seja em pensamento Narrador: - Nesse momento, havia muita paz junto ao Senhor, mas as vozes do novo lar já podiam ser ouvidas. Uma criança apressada, pediu suavemente. 8ª Criança: - Senhor, se estivermos a ponto nascermos agora, diga-me, por favor, o nome de meu anjo. Deus: - Vocês chamarão seu anjo de Mãe. TODOS : Como vamos chamar o anjo???? Deus: - Vocês chamarão seu anjo de Mãe!!!! TODOS: Feliz dia das mães, mamãe! 1) Paz 2) Saúde 3) alegrias 4) felicidades 5) bênçãos divinas 6) Jesus juntinho de você! 7) Beijos 8) Nenhuma lágrima 9) Somente amor 10) muito amor TODOS: Agradecemos a Deus pelo nosso anjo! Nós te amamos mamãe! CARTÃO Cole no lugar da flor uma forminha de papel laminado e faça bolinhas amarelas e cole como miolo da flor. música para cantar para a mamãe Letra: Silvia Cristina Puglia-(meu limão meu limoeiro) Minha mãe, Minha querida Tesouro Da minha vida
  • 29. Uma vez Vou te abraçar Outra vez Eu vou te beijar. bis Eu te amo Te agradeço Teu amorNão tem preço bis Uma vez Vou te abraçar Outra vez Vou te beijar. bis Voltar 5º Princípio: Culpa Enfoque: Eu ATIVIDADE: Ler a oração das drogas com as crianças Ler o texto “A Caverna” Conta à lenda que certa mulher pobre com uma criança no colo, passando diante de uma caverna escutou uma voz misteriosa que lá dentro lhe dizia: "Entre e apanhe tudo o que você desejar, mas não se esqueça do principal. Lembre-se, porém, de uma coisa: Depois que você sair, a porta se fechará para sempre. Portanto, aproveite a oportunidade, mas não se esqueça do principal...." · A mulher entrou na caverna e encontrou muitas riquezas. Fascinada pelo ouro e pelas jóias, pôs a criança no chão e começou a juntar, ansiosamente, tudo o que podia no seu avental. A voz misteriosa falou novamente: "Você agora só tem oito minutos." ·Esgotados os oito minutos, a mulher carregada de ouro e pedras preciosas, correu para fora da caverna e a porta de fechou... Lembrou-se, então, que a criança lá ficara e a porta estava fechada para sempre! A riqueza durou pouco e o desespero, sempre. O mesmo acontece, às vezes, conosco. Temos uns oitenta anos para viver, neste mundo, e uma voz sempre nos adverte: "Não se esqueça do principal!" ·E o principal são os valores espirituais, a oração, a vigilância, a vida! Mas a ganância, a riqueza, os prazeres materiais nos fascinam tanto que o principal vai ficando sempre de lado... Assim, esgotamos o nosso tempo aqui, e deixamos de lado o essencial: "Os tesouros da alma!" Que jamais nos esqueçamos que a vida, neste mundo, passa breve e que a morte chega de inesperado. E quando a porta desta vida se fechar para nós, de nada valerão as lamentações. Portanto, que jamais esqueçamos do principal!
  • 30. E os principais são os valores espirituais: a oração; a vigilância; a família; os amigos; a vida! Mas a ganância; a riqueza; os prazeres materiais nos fascinam tanto que o principal vai ficando sempre de lado. Assim ,esgotamos o nosso tempo aqui e deixamos de lado o essencial. Analisar O que é culpa? Questione sua culpa. A culpa interior de cada um e busque soluções. O que fazer para se libertar Como assumir minha responsabilidade Fazer a dinâmica : Pessoas-Balão 1. Levar para o encontro ou palestra um balão cheio de ar. 2. Explicar aos participantes por que certas pessoas, em determinados momentos de sua vida, se parecem com os balões: a) alguns estão aparentemente cheios de vida, mas por dentro nada mais têm do que ar; b) outros parecem ter opinião própria, mas se deixam levar pela mais suave brisa; c) por fim, alguns vivem como se fossem balões cheios, prestes a explodir; basta que alguém os provoque com alguma ofensa para que (neste momento estoura-se um balão com um alfinete) "estourem". 3. Pedir que todos dêem sua opinião e falem sobre suas dificuldades em superar críticas e ofensas. Lição: Que nosso interior seja cheio de vida e não de coisas mesquinhas e egoístas. Rever as netas deixadas e fazer novas para a próxima semana. Material Xerox da oração Xerox da história Xerox da dinâmica 1 balão e 1 alfinete Voltar 2ª semana do 5º princípio Enfoque: O outro ATIVIDADE:
  • 31. Ler a oração das drogas com as crianças Ler a história: “O MONSTRO PÉ DE GALINHA Essa Menina, as vezes era obediente, as vezes malcriada, mas acho que no fundo ela tinha um bom coração. Era muito mimada e as vezes só fazia o que queria fazer e pronto... Hoje Ela vai descobrir duas coisas muito importantes...quando sair da Escola. Ela era uma Menina mais ou menos obediente, mas naquele dia, ao sair da Escola, disse: - Hoje não vou esperar minha Mãe. Como minha casa é perto daqui e eu já conheço o caminho acho que vou embora sozinha... E foi mesmo Então ela descobriu algo que a deixou assustada... Como estava acostumada a ir e vir todo dia com a Mãe, confiava nela e por isso mesmo nunca havia prestado atenção direito ao caminho. Nesse momento, deu um estalo dentro dela e ela achou que tinha se perdido... Descobriu que havia entrado num lugar estranho e deserto... Nesse momento dois meninos grandes, com cara de malvados, apareceram na sua frente rindo muito. Então um deles disse: - Humm, vejam só uma menininha sozinha, perdidinha, sem dono; que tal se a gente levasse ela com a gente? Ela começou a chorar, e os meninos, com cara de poucos amigos disseram de novo: - Já que ela está sozinha, vamos ficar com ela. Ela pode ser nossa escrava para sempre e se chorar leva uns cascudos... - Tenho uma idéia melhor - disse o outro garoto - Acho melhor a gente vender ela para aquele Papa Figo lá do Beco... Assim podemos ganhar uma nota preta... - Legal - concordou o outro - vendendo ela ganhamos um bom dinheiro e ainda nos livramos dessa piralha idiota. Vamos lá... Então ele pegou a mão dela com violência e começou a arrastá-la. Nesse momento, sem que ninguém visse, um pouco mais adiante, um estranho vulto surgiu do nada. Parecia um menino pequeno, só que não tinha uma cara muito amigável... - Saindo das sombras, o estranho e pequeno ser, abriu sua imensa e assustadora boca e falou de um jeito que todos ficaram petrificados de medo sem conseguirem se mexer. - Muito bonito... quer dizer que vocês gostam de fazer maldades? Então acho que vão gostar muito do lugar para onde vou levar os dois...O estranho ser era do tamanho de um menino, com a cabeça enorme e azul e os pés de galinha. Os dois desordeiros ficaram com tanto medo e sairam numa correria tão grande, que naquele dia não conseguiriam parar de correr por nada nesse mundo. A menina, mal conseguia falar de tão contente. Ela ao contrário não havia ficado com nenhum medo. - E ela emocionada e agradecida, não quiz nem saber e deu um grande abraço no seu novo amigo e disse: - Meu amigo, você me salvou dos malvados. Como é seu nome? - Meu nome é Pé de Galinha, e todos tem medo de mim porque sou feio... ninguém nunca me chamou de amigo... você é a primeira pessoa que faz isso... - Não, você não é feio - disse a menina - você é lindo. É apenas diferente das outras pessoas... Muito feliz, ele explicou para ela que sempre aparecia para proteger as crianças que estavam em perigo, e que ficava azul nessas horas. Disse também que gostava muito de comer pão com chá. Então a menina disse: - Vamos para minha casa fazer um lanche maravilhoso! (-fim-)
  • 32. Pedir a todas as crianças se entenderam e o que entenderam Fazer o desenho sobre a história Refletir sobre: Quando temos problemas em casa De quem é a culpa? O que eu e vc sentimos em relação a culpa? Este sentimento ajuda a trazer de volta a pessoa que amamos e queremos ajudar? Entregar o cartão do dia das mães para que escrevam uma mensagem. Rever as metas anteriores e deixar novas. Xerox do cartão Xerox da história Lápis de cor. Voltar 3ª semana do 5º princípio Enfoque: A sociedade, a igreja, o governo, a mídia, a televisão. ATIVIDADE: Ler a oração das drogas com as crianças Distribuir a cada três crianças a cópia da história e ler com as mesmas. As Codornas
  • 33. Há tempos um bando de mais de mil codornas habitava uma floresta da Índia. Seriam felizes, mas temiam enormemente seu inimigo, o apanhador de codornas. Ele imitava seu chamado e, quando se reuniam para atendê-lo, jogava sobre elas uma enorme rede e as levava numa cesta para vender.Mas uma das codornas era muito sábia e disse: - Irmãs! Elaborei um plano muito bom. No futuro, assim que o caçador jogar a rede, cada uma de nós enfiará a cabeça por dentro de uma malha e todas alçaremos vôo juntas, levando-a conosco. Depois de tomarmos uma boa distância, deixaremos cair a rede sobre um espinheiro e fugiremos. Todas concordaram com o plano. No dia seguinte, quando o caçador jogou a rede, todas juntas a içaram conforme a sábia codorna havia instruído, jogaram-na sobre um espinheiro e fugiram. Enquanto o caçador tentava retirar a rede de cima do espinheiro, escureceu e ele teve que voltar para casa. Isso aconteceu durante vários dias, até que afinal a mulher do caçador se aborreceu e indagou: - Por que você nunca mais conseguiu pegar nenhuma codorna?O caçador respondeu: - O problema é que todas as aves estão trabalhando juntas, ajudando-se entre si. Se ao menos elas começassem a discutir, eu teria tempo de pegá-las.Dias depois, uma das codornas acidentalmente esbarrou na cabeça de uma das irmãs quando pousaram para ciscar o chão. - Quem esbarrou na minha cabeça? Perguntou raivosamente a codorna ferida. - Não se aborreça. Não tive a intenção de esbarrar em você - disse a primeira. Mas a irmã codorna continuou a discutir. - Eu sustentei todo o peso da rede! Você não ajudou nem um pouquinho! - gritou a outra. A primeira então se aborreceu e em pouco tempo estavam todas envolvidas na disputa. Foi quando o caçador percebeu sua chance. Imitou o chamado das codornas e jogou a rede sobre as que se aproximaram. Elas ainda estavam contando vantagem e discutindo, e não se ajudaram a içar a rede. Portanto, o caçador a ergueu sozinho e enfiou as codornas dentro da cesta. Mas a sábia codorna reuniu as amigas e juntas voaram para bem longe, pois ela sabia que discussões dão origem a infortúnios. Do livro: O Livro das Virtudes II - Pedir a todas as crianças se entenderam e o que entenderam Pedir para as crianças desenharem algo que lembre: Raiva Medo Auto piedade Auto permissão Explicar o que são estas palavras Rever as metas anteriores e deixar novas. Material
  • 34. Xerox da oração Xerox da história Lápis preto e colorido Papel sulfite Voltar 4ªsemana do 5º princípio Enfoque: O jogo da culpa. ATIVIDADE: Ler a oração das drogas com as crianças Fazer com as crianças o jogo: “O Jogo da culpa” Escolher 2 crianças para serem os personagens da história: uma será o Marcelo e a outra a professora. A verdadeira culpa acontece quando praticamos o mal premeditadamente, de vontade própria, livres, conscientes, agindo para prejudicar o outro. Muitas vezes ficamos paralisados diante de emoções muito fortes como o medo, raiva, auto piedade ou mesmo culpa. O A.E. propõe: Esvazie-se de qualquer tipo de emoção negativa. Elas além de tornarem indefeso e sem ação. Distorcem a realidade, não transferem nem dividem responsabilidades, não são a solução. Achar culpados também não resolve.Mostra apenas que estamos – consciente ou inconsciente _ nos achando melhores que os outros. Pode-se culpar: pais, políticos, professores, membro do corpo docente, a política, os estudantes, crianças mal educadas, a vizinhança, os traficantes, a TV e o cinema, a pessoa que deixou de avisar o que deveríamos esperar, as que esperam muito de nós, o excesso de alunos numa classe, a papelada em demasia para preencher, as pouquíssimas facilidades, o equipamento pobre, a falta de material necessário, ou você mesmo. Quando não podemos resolver um problema acusamos.Acusamos ou racionalizamos nosso próprio comportamento. Isso se chama jogo da culpa , o resultado do jogo da culpa é que toda sua energia e esforço concentra-se em achar quem ou o que causou a crise,em vez de tentar descobrir o que fazer para resolve-la. Ficar envolvido no jogo da culpa impede que você toma atitudes, impede que você experimente algo novo e que confronte o comportamento que prende o jovem numa qualidade de vida realmente destrutiva. Trabalhar com o grupo como sair desse jogo. Resposta: Parar de jogar, entender que não se pode salvar, que não se perseguirá, e que é preciso se recusar a ser vítima e pagar pelo comportamento do outro. Isso não é a mesma coisa que ajudar quando alguém realmente precisa de ajuda, ficar bravo quando for apropriado ou reconhecer que coisas injustas estão acontecendo.
  • 35. “Sem culpa, auto piedade , raiva, vamos estar livres para ajudar e receber ajuda”