SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
agagua
dada
IlustraçõesIlustrações
Maria EugêniaMaria Eugênia
Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto.Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto.
Patrícia Engel SeccoPatrícia Engel Secco
Joao
ISBN 978-85-7694-122-4
"O mundo não nos foi dado por nossos avós."O mundo não nos foi dado por nossos avós.
Ele nos é emprestado por nossos filhos."Ele nos é emprestado por nossos filhos."
Provérbio africanoProvérbio africano
Patrícia Engel Secco
Ilustração
Maria Eugênia
aguaagua
dadaJoaooao
Autora
Patrícia Engel Secco
Coordenação editorial
Sílnia N. Martins Prado
Revisão
Kátia Rossini
Ilustração
Maria Eugênia
Projeto Gráfico
B.J
Realização
Fundação Educar DPaschoal
www.educardpaschoal.org.br
F: (19) 3728-8129
Todos os livros da Fundação Educar DPaschoal são distribuídos gratuitamente
a escolas públicas, organizações sociais e bibliotecas.
Esta obra foi impressa na Gráfica Editora Modelo Ltda. em papel cartão Art Premium
Tech (capa) e papel Couché Suzano Matte (miolo), ambos produzidos pela Suzano Papel
e Celulose a partir de florestas renováveis de eucalipto. Cada árvore foi plantada para
este fim. Esta é a 2ª edição, datada de 2007, com tiragem de 30.000 exemplares.
A tiragem e a prestação de contas referentes
a esta publicação foram conferidas pela Deloitte.
Uma lenda budista recontada por:
JOÃO DA ÁGUA
tinha 19 anos e era o filho mais velho
de dona Maria, mãe de três outras crianças.
22 33
Todos os dias, João acordava bem cedo e,
antes mesmo de o sol raiar, caminhava até o
riacho fundo para pegar água. Levava sempre nos
ombros um pedaço de bambu com dois latões
amarrados, um de cada lado.
Por esta razão, todos o
chamavam de João da Água.
44 55
Ninguém mandava João pegar
água, ninguém pedia. João caminhava
com o bambu nas costas porque sabia
que sua mãe precisava de água para
cozinhar e cuidar dos irmãos.
João adorava o caminho do
rio. Por onde passava, encontrava
pessoas que o cumprimentavam:
– Olá, João da Água! – diziam os amigos.
– Olá, bom dia! – respondia João.
E seguia, feliz, seu caminho para o rio.
Chegando no rio, João enchia os latões
e, alegre como sempre, voltava para casa,
sorrindo, apreciando a vida e a natureza que
o sol começava a colorir.
Entretanto, um dos latões que João
carregava estava furado e vazava por todo
o caminho. Quando João da Água chegava
em casa, só restava um latão e meio de água
para sua mãe usar na cozinha.
66 77
Muitas vezes, os amigos de João avisavam:
– João da Água, seu latão está furado!
E, outras vezes, algumas pessoas zoavam:
– João, João, troque seu latão! Furado desse
jeito, ele não presta mais não!
Mas João da Água, calmo como sempre,
respondia:
– Não se preocupem, amigos, o meu latão está
ótimo!
Todos percebiam o esforço que João da
Água fazia para carregar os latões. Mas ninguém
compreendia por que ele não trocava seu latão
furado, e isso era motivo de brincadeira por
toda a cidade.
– João da Água, João do latão,
pingando assim você parece um bobão!
– caçoavam todos.
88 99
– Queridos irmãozinhos, vocês sabem como eu
gosto de ir todos os dias buscar água para vocês,
não sabem?
– Sim, João, nós sabemos!
– E vocês também sabem que eu gosto muito
do meu latão furado, não sabem?
– Sim, João, mas... Mesmo sabendo que
você gosta muito do seu latão furado, nós não
entendemos por que você o carrega assim,
vazando por todo o caminho – disse o irmão
mais velho.
– Isso mesmo, João. Você não percebe que
o latão chega aqui quase vazio? – perguntou o
irmão do meio.
– E que as pessoas até fazem piada de você,
João? – perguntou o mais novo.
Um belo dia, cansados de ouvirem chamar
o João de bobão, seus irmãos decidiram trocar
o latão e, assim, fazer uma surpresa para ele.
Entretanto, quando João da Água percebeu
a troca, chamou as crianças e perguntou:
1010 1111
– Eu vejo uma estrada de terra, bonita e cheia
de flores... – disse o irmão mais novo.
– Crianças, agradeço muito a preocupação de
vocês. Obrigado. Mas eu não ligo para as piadas
e adoro carregar o meu latão furado. Vou lhes
contar o porquê: prestem atenção no caminho
que eu faço, todos os dias, do rio para nossa casa
– pediu o moço. – O que vocês vêem?
– Bem, eu vejo uma estrada de terra... – disse
o irmão mais velho.
– Eu vejo uma estrada de terra bem bonita...
– disse o irmão do meio.
1212 1313
1414 1515
– E eu – disse João da Água, pensativo –,
eu vejo uma estrada com flores de um lado só,
flores que eu rego todos os dias com a água
do rio, com os pingos que vazam do meu latão
furado, de que eu tanto gosto.
A partir daquele dia, ninguém mais riu de
João da Água.
Seus irmãos mostraram para todos da cidade as
flores do caminho e, assim, João ganhou outro
apelido, o de
JOAO DAS FLORES.JOAO DAS FLORES.
Sobre a Fundação Educar DPaschoal
A Fundação Educar DPaschoal – investimento social do grupo
DPaschoal – foi criada há 17 anos com o objetivo de estimular pes-
soas a adotarem a educação para a cidadania como estratégia de
transformação social e econômica.
Em sete anos, por meio do projeto “Leia Comigo!”, já editou 30
milhões de livros infantis distribuídos gratuitamente a escolas públi-
cas, organizações sociais e bibliotecas. Mais que isso, este projeto
preocupa-se com um conteúdo que estimule o gosto pela leitura,
reforce valores e incentive a atitude cidadã.
Com a “Academia Educar”, promove o desenvolvimento de jovens
do ensino médio, tendo a escola pública como centro de cidadania
na comunidade; com o projeto “Trote da Cidadania”, forma futuros
líderes socialmente responsáveis, que utilizam sua energia para a
mobilização universitária.
1616 1717

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A escolinha do mar, ruth rocha
A escolinha do mar, ruth rochaA escolinha do mar, ruth rocha
A escolinha do mar, ruth rochaemeicantinhodoceu
 
Beleléu e os números - Apresentação das atividades.
Beleléu e os números - Apresentação das atividades.Beleléu e os números - Apresentação das atividades.
Beleléu e os números - Apresentação das atividades.leidianelopes1
 
O frio pode ser quente
O frio pode ser quenteO frio pode ser quente
O frio pode ser quenteNaysa Taboada
 
História infantil- A Amizade
História infantil- A AmizadeHistória infantil- A Amizade
História infantil- A Amizadefprc
 
História um amor de confusão, de dulce rangel
História um amor de confusão, de dulce rangelHistória um amor de confusão, de dulce rangel
História um amor de confusão, de dulce rangelAndreá Perez Leinat
 
marcelo , marmelo, martelo
marcelo , marmelo, martelomarcelo , marmelo, martelo
marcelo , marmelo, martelomariaelidias
 
A colcha de retalhos
A colcha de retalhosA colcha de retalhos
A colcha de retalhostlfleite
 
Atividades seu lobato
Atividades seu lobatoAtividades seu lobato
Atividades seu lobatoLakalondres
 
Reconto escrito da obra joão e o pé de feijão
Reconto escrito da obra    joão e o pé de feijãoReconto escrito da obra    joão e o pé de feijão
Reconto escrito da obra joão e o pé de feijãoHugo Ferreira
 
Minhas férias, pula uma linha parágrafo
Minhas férias, pula uma linha parágrafoMinhas férias, pula uma linha parágrafo
Minhas férias, pula uma linha parágrafoPactoAracatuba
 
Aniversário do sr. alfabeto
Aniversário do sr. alfabetoAniversário do sr. alfabeto
Aniversário do sr. alfabetoCélia Reis
 
O nome da gente- PEDRO BANDEIRA
O nome da gente- PEDRO BANDEIRAO nome da gente- PEDRO BANDEIRA
O nome da gente- PEDRO BANDEIRAKarla Karla
 
7 a menina que esquecia de levar a fala para a escola
7  a menina que esquecia de levar a fala para a escola7  a menina que esquecia de levar a fala para a escola
7 a menina que esquecia de levar a fala para a escolatlfleite
 

Mais procurados (20)

A escolinha do mar, ruth rocha
A escolinha do mar, ruth rochaA escolinha do mar, ruth rocha
A escolinha do mar, ruth rocha
 
Beleléu e os números - Apresentação das atividades.
Beleléu e os números - Apresentação das atividades.Beleléu e os números - Apresentação das atividades.
Beleléu e os números - Apresentação das atividades.
 
O frio pode ser quente
O frio pode ser quenteO frio pode ser quente
O frio pode ser quente
 
História infantil- A Amizade
História infantil- A AmizadeHistória infantil- A Amizade
História infantil- A Amizade
 
Chapeuzinho amarelo
Chapeuzinho amareloChapeuzinho amarelo
Chapeuzinho amarelo
 
História um amor de confusão, de dulce rangel
História um amor de confusão, de dulce rangelHistória um amor de confusão, de dulce rangel
História um amor de confusão, de dulce rangel
 
marcelo , marmelo, martelo
marcelo , marmelo, martelomarcelo , marmelo, martelo
marcelo , marmelo, martelo
 
Turma da Mônica - Alimentos saudáveis
Turma da Mônica - Alimentos saudáveisTurma da Mônica - Alimentos saudáveis
Turma da Mônica - Alimentos saudáveis
 
A colcha de retalhos
A colcha de retalhosA colcha de retalhos
A colcha de retalhos
 
Atividades seu lobato
Atividades seu lobatoAtividades seu lobato
Atividades seu lobato
 
Projeto luiz gonzaga
Projeto luiz gonzagaProjeto luiz gonzaga
Projeto luiz gonzaga
 
Reconto escrito da obra joão e o pé de feijão
Reconto escrito da obra    joão e o pé de feijãoReconto escrito da obra    joão e o pé de feijão
Reconto escrito da obra joão e o pé de feijão
 
Minhas férias, pula uma linha parágrafo
Minhas férias, pula uma linha parágrafoMinhas férias, pula uma linha parágrafo
Minhas férias, pula uma linha parágrafo
 
Balas, Bombons, Caramelos
Balas, Bombons, CaramelosBalas, Bombons, Caramelos
Balas, Bombons, Caramelos
 
A familia do marcelo
A familia do marceloA familia do marcelo
A familia do marcelo
 
Galinha choca
Galinha chocaGalinha choca
Galinha choca
 
Aniversário do sr. alfabeto
Aniversário do sr. alfabetoAniversário do sr. alfabeto
Aniversário do sr. alfabeto
 
O príncipe sapo
O príncipe sapoO príncipe sapo
O príncipe sapo
 
O nome da gente- PEDRO BANDEIRA
O nome da gente- PEDRO BANDEIRAO nome da gente- PEDRO BANDEIRA
O nome da gente- PEDRO BANDEIRA
 
7 a menina que esquecia de levar a fala para a escola
7  a menina que esquecia de levar a fala para a escola7  a menina que esquecia de levar a fala para a escola
7 a menina que esquecia de levar a fala para a escola
 

Destaque

Era Uma Vez Uma Gotinha De áGua
Era Uma Vez Uma Gotinha De áGuaEra Uma Vez Uma Gotinha De áGua
Era Uma Vez Uma Gotinha De áGuamaria leite
 
A historia-de-pingo-dagua-o-defensor-das-aguas
A historia-de-pingo-dagua-o-defensor-das-aguasA historia-de-pingo-dagua-o-defensor-das-aguas
A historia-de-pingo-dagua-o-defensor-das-aguasRossita Figueira
 
A MENINA GOTINHA DE ÁGUA
A MENINA GOTINHA DE ÁGUAA MENINA GOTINHA DE ÁGUA
A MENINA GOTINHA DE ÁGUAanabelacorreia
 
História de uma Gotinha de Água
História de uma Gotinha de ÁguaHistória de uma Gotinha de Água
História de uma Gotinha de Águaelisabetemfc
 
Pnaic leituradeleite omenino_e_jogos
Pnaic leituradeleite omenino_e_jogosPnaic leituradeleite omenino_e_jogos
Pnaic leituradeleite omenino_e_jogosClaudio Pessoa
 
Aventura De Gota De áGua
Aventura De Gota De áGuaAventura De Gota De áGua
Aventura De Gota De áGuacatiamfonseca
 
A gota de água que precisava tomar banho
A gota de água que precisava tomar banhoA gota de água que precisava tomar banho
A gota de água que precisava tomar banhoAlfredo Caseiro
 
O camelo, o burro e a água - Sergio Merli
O camelo, o burro e a água - Sergio MerliO camelo, o burro e a água - Sergio Merli
O camelo, o burro e a água - Sergio MerliAna Silva
 
Chua, chua, tchibum. um livro sobre a água
Chua, chua, tchibum. um livro sobre a águaChua, chua, tchibum. um livro sobre a água
Chua, chua, tchibum. um livro sobre a águaemeicantinhodoceu
 
A água slide
A água slideA água slide
A água slidekelrryma
 
A importância da água (aula 2º ano fundamental)
A importância da água (aula 2º ano fundamental)A importância da água (aula 2º ano fundamental)
A importância da água (aula 2º ano fundamental)ElizaDeby
 

Destaque (20)

Era Uma Vez Uma Gotinha De áGua
Era Uma Vez Uma Gotinha De áGuaEra Uma Vez Uma Gotinha De áGua
Era Uma Vez Uma Gotinha De áGua
 
A historia-de-pingo-dagua-o-defensor-das-aguas
A historia-de-pingo-dagua-o-defensor-das-aguasA historia-de-pingo-dagua-o-defensor-das-aguas
A historia-de-pingo-dagua-o-defensor-das-aguas
 
A importância da água
A importância da águaA importância da água
A importância da água
 
A MENINA GOTINHA DE ÁGUA
A MENINA GOTINHA DE ÁGUAA MENINA GOTINHA DE ÁGUA
A MENINA GOTINHA DE ÁGUA
 
História de uma Gotinha de Água
História de uma Gotinha de ÁguaHistória de uma Gotinha de Água
História de uma Gotinha de Água
 
Slides agua
Slides   aguaSlides   agua
Slides agua
 
A importancia da água
A importancia da águaA importancia da água
A importancia da água
 
Pnaic leituradeleite omenino_e_jogos
Pnaic leituradeleite omenino_e_jogosPnaic leituradeleite omenino_e_jogos
Pnaic leituradeleite omenino_e_jogos
 
Aventura De Gota De áGua
Aventura De Gota De áGuaAventura De Gota De áGua
Aventura De Gota De áGua
 
A gota de água que precisava tomar banho
A gota de água que precisava tomar banhoA gota de água que precisava tomar banho
A gota de água que precisava tomar banho
 
O camelo, o burro e a água - Sergio Merli
O camelo, o burro e a água - Sergio MerliO camelo, o burro e a água - Sergio Merli
O camelo, o burro e a água - Sergio Merli
 
Leitura deleite VOCÊ É UM NÚMERO
Leitura deleite  VOCÊ É UM NÚMEROLeitura deleite  VOCÊ É UM NÚMERO
Leitura deleite VOCÊ É UM NÚMERO
 
Chua, chua, tchibum. um livro sobre a água
Chua, chua, tchibum. um livro sobre a águaChua, chua, tchibum. um livro sobre a água
Chua, chua, tchibum. um livro sobre a água
 
A água slide
A água slideA água slide
A água slide
 
A importância da água (aula 2º ano fundamental)
A importância da água (aula 2º ano fundamental)A importância da água (aula 2º ano fundamental)
A importância da água (aula 2º ano fundamental)
 
Sequência Didática ÁGUA
Sequência Didática   ÁGUASequência Didática   ÁGUA
Sequência Didática ÁGUA
 
Ciclo Da Agua
Ciclo Da AguaCiclo Da Agua
Ciclo Da Agua
 
ApresentaçãO Alexandre
ApresentaçãO  AlexandreApresentaçãO  Alexandre
ApresentaçãO Alexandre
 
Dinheiro
DinheiroDinheiro
Dinheiro
 
A menina da mar
A menina da marA menina da mar
A menina da mar
 

Semelhante a Joao da agua

Semelhante a Joao da agua (20)

João da água
João da águaJoão da água
João da água
 
Joao da agua(1)
Joao da agua(1)Joao da agua(1)
Joao da agua(1)
 
O vestido azul(1).pdf
O vestido azul(1).pdfO vestido azul(1).pdf
O vestido azul(1).pdf
 
O vestido azul
O vestido azulO vestido azul
O vestido azul
 
O vestido azul(1)
O vestido azul(1)O vestido azul(1)
O vestido azul(1)
 
A PRAÇA É DE GRAÇA
A PRAÇA É DE GRAÇAA PRAÇA É DE GRAÇA
A PRAÇA É DE GRAÇA
 
Soletrar n.º 1 2012 2013
Soletrar n.º 1   2012 2013Soletrar n.º 1   2012 2013
Soletrar n.º 1 2012 2013
 
Jornal Agrupamento "Baú das Letras"
Jornal Agrupamento "Baú das Letras"Jornal Agrupamento "Baú das Letras"
Jornal Agrupamento "Baú das Letras"
 
2ºedição 2017
2ºedição 20172ºedição 2017
2ºedição 2017
 
Aula 2 água - importância e utilidade
Aula 2   água - importância e utilidadeAula 2   água - importância e utilidade
Aula 2 água - importância e utilidade
 
DeClara nº44 junho 2021
DeClara nº44 junho 2021DeClara nº44 junho 2021
DeClara nº44 junho 2021
 
Tagarela
TagarelaTagarela
Tagarela
 
Livro hora da leitura santillana
Livro hora da leitura santillanaLivro hora da leitura santillana
Livro hora da leitura santillana
 
e-book sucatinha amazon - .pdf
e-book sucatinha amazon - .pdfe-book sucatinha amazon - .pdf
e-book sucatinha amazon - .pdf
 
úLtimo tema
úLtimo temaúLtimo tema
úLtimo tema
 
De volta para o para
De volta para o paraDe volta para o para
De volta para o para
 
Balança Leonel Edição nº1/2012
Balança Leonel Edição nº1/2012Balança Leonel Edição nº1/2012
Balança Leonel Edição nº1/2012
 
Jornal do centro 2013 edição nº 3
Jornal do centro 2013   edição nº 3Jornal do centro 2013   edição nº 3
Jornal do centro 2013 edição nº 3
 
Palavras do mundo 10 ct8 prof.ª fátima carvalho
Palavras do mundo   10 ct8 prof.ª fátima carvalhoPalavras do mundo   10 ct8 prof.ª fátima carvalho
Palavras do mundo 10 ct8 prof.ª fátima carvalho
 
Quem Sou Eu
Quem Sou EuQuem Sou Eu
Quem Sou Eu
 

Mais de tlfleite

Pnaic unidade 8 sintesep
Pnaic unidade 8 sintesepPnaic unidade 8 sintesep
Pnaic unidade 8 sinteseptlfleite
 
Pnaic unidade 6 projeto e sequencia didatica final
Pnaic unidade 6 projeto e sequencia didatica  finalPnaic unidade 6 projeto e sequencia didatica  final
Pnaic unidade 6 projeto e sequencia didatica finaltlfleite
 
Pnaic unidade 6 sintese
Pnaic unidade 6   sintesePnaic unidade 6   sintese
Pnaic unidade 6 sintesetlfleite
 
Pnaic unidade 6 sintese
Pnaic unidade 6   sintesePnaic unidade 6   sintese
Pnaic unidade 6 sintesetlfleite
 
Pnaic unidade 5 gêneros e tipos textuais
Pnaic unidade 5  gêneros e tipos textuaisPnaic unidade 5  gêneros e tipos textuais
Pnaic unidade 5 gêneros e tipos textuaistlfleite
 
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevanePnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevanetlfleite
 
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alterações
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alteraçõesPnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alterações
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alteraçõestlfleite
 
Pnaic unidade 5 diversidade textual generos_ler_cap_2
Pnaic unidade 5 diversidade textual generos_ler_cap_2Pnaic unidade 5 diversidade textual generos_ler_cap_2
Pnaic unidade 5 diversidade textual generos_ler_cap_2tlfleite
 
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernosPnaic unidade 5 sintese dos cadernos
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernostlfleite
 
As três partes
As três partesAs três partes
As três partestlfleite
 
Alice viaja nas histórias
Alice viaja nas históriasAlice viaja nas histórias
Alice viaja nas históriastlfleite
 
A verdadeira história dos três porquinhos
A verdadeira  história dos três porquinhosA verdadeira  história dos três porquinhos
A verdadeira história dos três porquinhostlfleite
 
A reinvencao da alfabetizacao
A reinvencao da alfabetizacaoA reinvencao da alfabetizacao
A reinvencao da alfabetizacaotlfleite
 
A casa que pedro fez
A casa que pedro fezA casa que pedro fez
A casa que pedro feztlfleite
 
Livro o coelhinho que não era da páscoa
Livro o coelhinho que não era da páscoaLivro o coelhinho que não era da páscoa
Livro o coelhinho que não era da páscoatlfleite
 
364 ameninaeossaroencantado-rubemalves-090723142839-phpapp02
364 ameninaeossaroencantado-rubemalves-090723142839-phpapp02364 ameninaeossaroencantado-rubemalves-090723142839-phpapp02
364 ameninaeossaroencantado-rubemalves-090723142839-phpapp02tlfleite
 
4 menino poti
4 menino poti4 menino poti
4 menino potitlfleite
 
2. voce troca livro. (1)
2. voce troca livro. (1)2. voce troca livro. (1)
2. voce troca livro. (1)tlfleite
 
Orelha de limão
Orelha de limãoOrelha de limão
Orelha de limãotlfleite
 
Olha o olho da menina
Olha o olho da meninaOlha o olho da menina
Olha o olho da meninatlfleite
 

Mais de tlfleite (20)

Pnaic unidade 8 sintesep
Pnaic unidade 8 sintesepPnaic unidade 8 sintesep
Pnaic unidade 8 sintesep
 
Pnaic unidade 6 projeto e sequencia didatica final
Pnaic unidade 6 projeto e sequencia didatica  finalPnaic unidade 6 projeto e sequencia didatica  final
Pnaic unidade 6 projeto e sequencia didatica final
 
Pnaic unidade 6 sintese
Pnaic unidade 6   sintesePnaic unidade 6   sintese
Pnaic unidade 6 sintese
 
Pnaic unidade 6 sintese
Pnaic unidade 6   sintesePnaic unidade 6   sintese
Pnaic unidade 6 sintese
 
Pnaic unidade 5 gêneros e tipos textuais
Pnaic unidade 5  gêneros e tipos textuaisPnaic unidade 5  gêneros e tipos textuais
Pnaic unidade 5 gêneros e tipos textuais
 
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevanePnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevane
 
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alterações
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alteraçõesPnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alterações
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alterações
 
Pnaic unidade 5 diversidade textual generos_ler_cap_2
Pnaic unidade 5 diversidade textual generos_ler_cap_2Pnaic unidade 5 diversidade textual generos_ler_cap_2
Pnaic unidade 5 diversidade textual generos_ler_cap_2
 
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernosPnaic unidade 5 sintese dos cadernos
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos
 
As três partes
As três partesAs três partes
As três partes
 
Alice viaja nas histórias
Alice viaja nas históriasAlice viaja nas histórias
Alice viaja nas histórias
 
A verdadeira história dos três porquinhos
A verdadeira  história dos três porquinhosA verdadeira  história dos três porquinhos
A verdadeira história dos três porquinhos
 
A reinvencao da alfabetizacao
A reinvencao da alfabetizacaoA reinvencao da alfabetizacao
A reinvencao da alfabetizacao
 
A casa que pedro fez
A casa que pedro fezA casa que pedro fez
A casa que pedro fez
 
Livro o coelhinho que não era da páscoa
Livro o coelhinho que não era da páscoaLivro o coelhinho que não era da páscoa
Livro o coelhinho que não era da páscoa
 
364 ameninaeossaroencantado-rubemalves-090723142839-phpapp02
364 ameninaeossaroencantado-rubemalves-090723142839-phpapp02364 ameninaeossaroencantado-rubemalves-090723142839-phpapp02
364 ameninaeossaroencantado-rubemalves-090723142839-phpapp02
 
4 menino poti
4 menino poti4 menino poti
4 menino poti
 
2. voce troca livro. (1)
2. voce troca livro. (1)2. voce troca livro. (1)
2. voce troca livro. (1)
 
Orelha de limão
Orelha de limãoOrelha de limão
Orelha de limão
 
Olha o olho da menina
Olha o olho da meninaOlha o olho da menina
Olha o olho da menina
 

Joao da agua

  • 1. agagua dada IlustraçõesIlustrações Maria EugêniaMaria Eugênia Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto.Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. Patrícia Engel SeccoPatrícia Engel Secco Joao ISBN 978-85-7694-122-4 "O mundo não nos foi dado por nossos avós."O mundo não nos foi dado por nossos avós. Ele nos é emprestado por nossos filhos."Ele nos é emprestado por nossos filhos." Provérbio africanoProvérbio africano
  • 2. Patrícia Engel Secco Ilustração Maria Eugênia aguaagua dadaJoaooao Autora Patrícia Engel Secco Coordenação editorial Sílnia N. Martins Prado Revisão Kátia Rossini Ilustração Maria Eugênia Projeto Gráfico B.J Realização Fundação Educar DPaschoal www.educardpaschoal.org.br F: (19) 3728-8129 Todos os livros da Fundação Educar DPaschoal são distribuídos gratuitamente a escolas públicas, organizações sociais e bibliotecas. Esta obra foi impressa na Gráfica Editora Modelo Ltda. em papel cartão Art Premium Tech (capa) e papel Couché Suzano Matte (miolo), ambos produzidos pela Suzano Papel e Celulose a partir de florestas renováveis de eucalipto. Cada árvore foi plantada para este fim. Esta é a 2ª edição, datada de 2007, com tiragem de 30.000 exemplares. A tiragem e a prestação de contas referentes a esta publicação foram conferidas pela Deloitte. Uma lenda budista recontada por:
  • 3. JOÃO DA ÁGUA tinha 19 anos e era o filho mais velho de dona Maria, mãe de três outras crianças. 22 33
  • 4. Todos os dias, João acordava bem cedo e, antes mesmo de o sol raiar, caminhava até o riacho fundo para pegar água. Levava sempre nos ombros um pedaço de bambu com dois latões amarrados, um de cada lado. Por esta razão, todos o chamavam de João da Água. 44 55 Ninguém mandava João pegar água, ninguém pedia. João caminhava com o bambu nas costas porque sabia que sua mãe precisava de água para cozinhar e cuidar dos irmãos.
  • 5. João adorava o caminho do rio. Por onde passava, encontrava pessoas que o cumprimentavam: – Olá, João da Água! – diziam os amigos. – Olá, bom dia! – respondia João. E seguia, feliz, seu caminho para o rio. Chegando no rio, João enchia os latões e, alegre como sempre, voltava para casa, sorrindo, apreciando a vida e a natureza que o sol começava a colorir. Entretanto, um dos latões que João carregava estava furado e vazava por todo o caminho. Quando João da Água chegava em casa, só restava um latão e meio de água para sua mãe usar na cozinha. 66 77
  • 6. Muitas vezes, os amigos de João avisavam: – João da Água, seu latão está furado! E, outras vezes, algumas pessoas zoavam: – João, João, troque seu latão! Furado desse jeito, ele não presta mais não! Mas João da Água, calmo como sempre, respondia: – Não se preocupem, amigos, o meu latão está ótimo! Todos percebiam o esforço que João da Água fazia para carregar os latões. Mas ninguém compreendia por que ele não trocava seu latão furado, e isso era motivo de brincadeira por toda a cidade. – João da Água, João do latão, pingando assim você parece um bobão! – caçoavam todos. 88 99
  • 7. – Queridos irmãozinhos, vocês sabem como eu gosto de ir todos os dias buscar água para vocês, não sabem? – Sim, João, nós sabemos! – E vocês também sabem que eu gosto muito do meu latão furado, não sabem? – Sim, João, mas... Mesmo sabendo que você gosta muito do seu latão furado, nós não entendemos por que você o carrega assim, vazando por todo o caminho – disse o irmão mais velho. – Isso mesmo, João. Você não percebe que o latão chega aqui quase vazio? – perguntou o irmão do meio. – E que as pessoas até fazem piada de você, João? – perguntou o mais novo. Um belo dia, cansados de ouvirem chamar o João de bobão, seus irmãos decidiram trocar o latão e, assim, fazer uma surpresa para ele. Entretanto, quando João da Água percebeu a troca, chamou as crianças e perguntou: 1010 1111
  • 8. – Eu vejo uma estrada de terra, bonita e cheia de flores... – disse o irmão mais novo. – Crianças, agradeço muito a preocupação de vocês. Obrigado. Mas eu não ligo para as piadas e adoro carregar o meu latão furado. Vou lhes contar o porquê: prestem atenção no caminho que eu faço, todos os dias, do rio para nossa casa – pediu o moço. – O que vocês vêem? – Bem, eu vejo uma estrada de terra... – disse o irmão mais velho. – Eu vejo uma estrada de terra bem bonita... – disse o irmão do meio. 1212 1313
  • 9. 1414 1515 – E eu – disse João da Água, pensativo –, eu vejo uma estrada com flores de um lado só, flores que eu rego todos os dias com a água do rio, com os pingos que vazam do meu latão furado, de que eu tanto gosto. A partir daquele dia, ninguém mais riu de João da Água.
  • 10. Seus irmãos mostraram para todos da cidade as flores do caminho e, assim, João ganhou outro apelido, o de JOAO DAS FLORES.JOAO DAS FLORES. Sobre a Fundação Educar DPaschoal A Fundação Educar DPaschoal – investimento social do grupo DPaschoal – foi criada há 17 anos com o objetivo de estimular pes- soas a adotarem a educação para a cidadania como estratégia de transformação social e econômica. Em sete anos, por meio do projeto “Leia Comigo!”, já editou 30 milhões de livros infantis distribuídos gratuitamente a escolas públi- cas, organizações sociais e bibliotecas. Mais que isso, este projeto preocupa-se com um conteúdo que estimule o gosto pela leitura, reforce valores e incentive a atitude cidadã. Com a “Academia Educar”, promove o desenvolvimento de jovens do ensino médio, tendo a escola pública como centro de cidadania na comunidade; com o projeto “Trote da Cidadania”, forma futuros líderes socialmente responsáveis, que utilizam sua energia para a mobilização universitária. 1616 1717