SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Baixar para ler offline
4 projetos sobre bondade, amizade, gratidão e fraternidade
1-Tema da aula: Bondade
Contar a história e ao final fazer a dobradura da joaninha e da sombrinha dela.
Dobradura da joaninha: dois círculos vermelhos dobrados ao meio serãoas
asinhas. Desenhar os detalhes: anteninhas, perninhas e bolinhas das asas.
Dobradura da sombrinha fechada: dobrar um círculo 2 ou 3 vezes. Colar no
papel com a ponta para baixo e desenhar o cabo da sombrinha e a ponteira com
lápis de cor.
História
Dona Joaninha e as abelhas
Era uma vez um lindo jardim onde moravam muitos insetos: abelhas,
mosquitos, besouros, joaninhas, borboletas, etc.
Todos viviam em suas casas muito felizes.
Havia nesse jardim a casa de uma família onde ninguém parava de trabalhar.
Era a casa das abelhas.
Dona Joaninha, que morava numa linda folha de árvore, não se cansava de
admirar o vai-e-vem constante de suas amigas.
Numa linda manhã, Dona Joaninha colocou sua roupa nova, abriu sua
sombrinha para proteger-se dosol e saiu para seu passeio por entre as flores.
Encontrou uma abelha pousada em uma flor e começaram a conversar.
-Como você está apressada Dona Abelha! Vamos conversar um pouco?
-Não posso, disse a Abelha, tenho que levar o néctar dessa flor para fabricar o
mel.
-Mel? perguntou a Joaninha.
-É sim, disse a Abelha, nós recolhemos o néctar das flores, levamos para a nossa
casa que é a colméia e lá fabricamos o mel.
-Muito interessante, disse a Joaninha, quanto mais você fala nesse mel, mais vai
me dando uma vontade de experimentar!
-Bem, não seja por isso, Dona Joaninha!
Vamos até a colméia e lhe darei um pouquinho de mel.
Assim as duas amigas voaram até a colméia.
Lá chegando, logo perceberam que a Joaninha não tinha onde carregar o mel.
Rapidamente a Abelha disse:
-Vire sua sombrinha e eu colocarei um pouco aí dentro.
Assim fazendo, Dona Joaninha recolheu o mel na sombrinha, sentou-se debaixo
de uma árvore e começou a saborear o delicioso alimento produzido pelas
abelhas.
E como ela não era gulosa, guardou um pouco para comer nos dias seguintes,
como sobremesa.
=======================================================
====
2-Projeto Amizade
OBJETIVO GERAL: Nos não vivemos sozinhos. Alem das pessoas da nossa
família existem outras que merecem nosso carinhos e amizade.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Dizer quem são nossos amigos e como devemos
trata-los.
INCENTIVO INICIAL: Levar um pequenocartas que contenha figuras de
animais invertebrados, principalmente insetos como besouro,
joaninha, gafanhoto, etc.; para que os alunos saibam diferencia-los e dizer que
são quase todos da mesma família porque soa parecidos.
DESENVOLVIMENTO DA AULA: Dizer aos alunos que alem de nossa família
existem crianças que brincam juntas na rua ou que freqüentam a
mesma escola, que convivem conosco. Estes são nossos amigos e devemos
sempre trata-los com boas maneiras, com carinho, fazer pequenos favores e não
brigar.
Narrar a historia: O Besouro invejoso
SUGESTAO DE ATIVIDADES: Pintura e colagem.
O BESOURO INVEJOSO
Vocês já foram passear na roça? Vocês já viram que `a noite , em alguns lugares
escuros há um bichinho que tem luz muito bonita?
Ah! E o vaga-lume.
Pois bem, da janela de sua toca, o besouro fungava aborrecido, olhando a
lanterna verde que o vaga-lume acabara de acender.
Quanto brilhava! Parecia uma pequenina estrela caída do céu. Tãolinda!
O besouro era assim. Sempre queria ser igual aos amigos, aos vizinhos, aos
parentes. Quando o gafanhoto comprou uma casaca
verde e apareceu todo bonito na festa dos bichinhos, ele ficou de boca aberta –
querendo ser como o gafanhoto.
Voltou para casa aborrecido e tristonho.
O que aconteceu – perguntou-lhe a mulher. Ele não respondeu e foi dormir todo
zangado.
O mesmo aconteceu quando ele ouviu o canarinho cantando.
Que voz linda. – pensava ele. – E eu não sou capaz de fazer um assobio.
E assim, sempre querendo ser como os outros, era um besouro triste.
Mas, o que mais irritava mesmo era o vaga-lume, pois, pensava ele:
O vaga-lume não e um bichinho como eu? Por que tem ele aquela lanterna verde
tão bonita e eu não tenho?
De tanto se aborrecer com isso, o besouro resolveu abandonar tudo e ir morar
sozinho na floresta. Mas ele ia tão afobado,
tão raivoso, que não vendo os galhos secos de uma arvore, estes lhe feriram os
olhos.
Ah! Que dor nos lhos! Quase não vejo nada... Como poderei caminhar?
E ficou parado por instantes quando ouviu uma vozinha:
Que bichinho bonito, como ele tem as patas bem feitas. São tão bonitinhas as
sua patas! Como e o seu nome?
Mas, o besouro com olhinhos machucados não viu a formiga e como a formiga
havia falado em bichinho bonito, ele não pensou que fosse com ele.
Fale o seu nome, eu sou a formiguinha.
Esta falando comigo? Eu me chamo besouro. Machuquei os olhos nestes galhos.
Espere um pouco, vou buscar água fresquinha para banha-lo e num instante
ficara bom.
Enquanto ele esperava, ouviu outra voz:
Que bichinho interessante! Tão bonitinho! Ele tem o corpo coberto por uma
capa preta!
Isso não e capa preta, são minhas asas...
Ah! Você tem asas! Pode voar. Oh! Como você e feliz!
Enquanto isso, a formiguinha já tinha chegado. Lavou os olhos do besouro, pôs
uma pomadinha e ele passou a enxergar bem.
Pode ver, então, que quem falava com ele era a minhoca. E olhando ao seu redor
viu tantos bichinhos... uns pequenos, outros
rastejando pelo chão, e, apesar de tudo viviam felizes.
Começou a pensar... olhou para as sua patinhas... tão bem feitas. Olhou para
suas asas fortes... sem elas nunca poderia voar. E tão depressa...
E o besouro continuou pensando: - Estes bichinhos não tem nada disso e vivem
contentes, nem ficam irritados por não serem como eu sou... Ah!
Eu também vou procurar viver alegre com o que eu tenho e não ficarei mais
triste com a beleza do vaga-lume, nem de bicho algum.
=======================================================
=====
3-Tema Gratidão
Gratidão (aceitar as coisas que nos apresentam)
Nina, a tartaruguinha
Nina estava triste. Por causa de sua casca não podia brincar com os coelhinhos.
Fez força e saiu da casca. Saiu pulando contente!
Mergulhou no lago, mas veioum peixe e mordeu seu rabinho. Ela deu um pulo
para fora do lago e caiu bem em cima de um porco espinho...
Estava toda molhada! Sentiu frio e entrou dentro de um sapato velho para se
aquecer.
Veio a chuva e o sapato encharcou. Nina sentiu saudade de sua casca. saiu a
procura mas... tinha um gato morando lá.
__ Ei essa é minha casca, disse a tartaruguinha.
O gato se assustou e caiu com as pernas para cina, não conseguindo desvirar,
saiu correndo e abandonou a casca da tartaruguinha alí mesmo.
Nina entrou de novo na casca e falou que nunca mais queria sair dali.
Fraternidade (sei repartir o que me pertence).
=======================================================
=======
4-Tema Fraternidade
OBJETIVO: A criança deverá se sensibilizar para adotar atitudes generosas, pois
a fraternidade com lei universal, é virtude que devemos cultivar.
Incentivação Inicial
Apresentando a figura em forma de fantoche de vareta, conversar com as
crianças:
- Vocês sabem quem é esta menininha? É a Joaninha. Ela tem 4 anos. Hoje ela
está triste, triste. Quem quer perguntar por que ela está chorando?
(Se nenhuma criança perguntar sozinha, pedir que todos perguntem juntos: por
que você esta chorando Joaninha?)
colocando o fantoche à frente do rosto responde: Porque a Maria Helena não
gosta de mim.
Vamos ouvir a estória da:
Joaninha e da Maria Helena
Joaninha era uma menina que morava numa casinha lá no alto do morro, e sua
mamãe – D.Maria era lavadeira.
Ela lavava roupas nas casas dos outros para ganhar dinheiro e comprar comida.
Um dia D. Maria saiu para trabalhar e levou Joaninha.
Ela ia lavar roupa na casa do Dr. Arnaldo, que morava numa casa muito bonita,
lá no centro da cidade.
Quando D.Maria chegou, Maria Helena – filha do Dr. Arnaldo estava passeando
com um carrinho de boneca no jardim
- que linda a sua bonequinha, posso pegar? Perguntou Joaninha.
- Ah, não! Está é a minha boneca nova, só eu posso brincar com ela.
- Vem cá Joaninha – falou D. Teresa, a mãe de Maria Helena.
– eu tenho umas balas muito gostosas que guardei para você. Sabia que eu gosto
muito de você.
O dia passou. À tardinha D.Maria e Joaninha foram embora.
Na hora de sair, Joaninha deu adeus paraa Maria Helena, sorrindo.
Mas a menina que estava na janela com a mãe,virou o rosto e não respondeu.
Só D.Teresa, acenou com a mão, falando bem alto:
- Até amanhã, Joaninha! Até manha D.Maria:
D.Teresa olhando triste para a filha, falou:
- Você foi indelicada com aquela menininha, Maria Helena. Ela é tão boa!
Ela gostou tanto da sua bonequinha e você não a deixou pegar nem um
pouquinho!
E ela tem um coração muito grande que cabe todo mundo. E o seu, minha filha é
pequenino, pequenino...que não cabe nem uma amiguinha.
Passou-se o tempo.
Maria Helena um dia ficou doente, muito fraquinha, sem conseguir andar.
Não podia sair de casa e tinha que ficar o dia inteirinho na cama ela estava
muito triste e queria tanto uma amiga para brincar.
Então que surpresa!...Paradinha na porta,com vergonha de entrar, Joaninha
perguntou:
- Você quer que eu brinque com você Maria Helena?
- Ah, que bom que você veio, Joaninha! Eu pedi a D.Maria para trazer você.
Vamos brincar de casinha aqui na cama? Você vai trazendo os brinquedos para
nós.
E as meninas brincaram o dia inteiro
Na hora de despedir, Maria Helena, bem pertinho de Joaninha, lhe falou:
- Você é a minha melhor amiguinha, por causa do seu coração tão bom!
Eu também quero ter um coração bonito assim como o seu! Agora feche os olhos
que eu tenho uma surpresa para você.
E assim dizendo, Maria Helena colocou nas mãos de Joaninha a boneca nova
É para toda vida. Pode levar e amanhã bem cedinho volta pra gente brincar?
- Esta boneca é para mim? Está bem novinha muito obrigada, respondeu
Joaninha.
E as duas amigas se abraçaram, muitos alegres.
D.Teresa e D. Maria também estavam felizes, vendo como era tão amiguinhas
suas filhinhas queridas!
Fixação: - Distribuir para cada criança as figuras de Joaninha e pedir que eles
pintem ou façam colagem em seu cabelinho.
Distribuir para cada criança a figura da boneca em cartolina, para colagem dos
braços de Joaninha.
Você poderá ainda preparar a boneca com corpo de bala para repartir com as
crianças,
lembrando mais uma vez a atitude fraternal da menina.
Plano de Aula Pronto do Livro "Maria-vai-com-as-outras"
Este plano de aula tem como objetivos trabalhar a
identidade e a autonomia na educação infantil. As
atividades também podem ser incrementadas ainda
mais, basta usar sua criatividade. Espero que
gostem!
Tema do Plano de Aula: Construindo nossa própria identidade
Livro trabalhado: “Maria Vai Com as Outras” de Sylvia Orthoff.
Justificativa
Trabalhar com a história 'Maria Vai Com as Outras', o que possibilitará mostrar
para as crianças que cada um tem a sua própria identidade, a sua opinião e que
não podemos fazer as coisas que os outros fazem sem pensar/questionar se isso
é bom para a gente ou não.
Objetivos gerais
- Despertar nos alunos o gosto pela literatura.
- Estimular a criatividade e o imaginário.
- Refletir sobre a identidade (Quem sou eu?)
1º Momento: Leitura do poema 'Identidade' de Pedro Bandeira. Outra
sugestão: 'O nome da gente', também de PedroBandeira. Na rodinha, conversar
sobre os poemas e sobre a Identidade de cada criança.
2º Momento: Leitura do livro Maria Vai Com as Outras – Sylvia Orthoff
Após contar a história “Maria Vai Com as Outras”, conversar sobre as atitudes
de Maria. Por que Maria acompanhava tudo o que as outras ovelhas faziam? O
que aconteceu para Maria parar de acompanhar tudo o que as outras ovelhas
faziam? Você acompanha tudo o que seus colegas fazem?
3º Momento: Jogo de boliche.
Construir um boliche com garrafa pet, usando um desenho de ovelha colado na
garrafa.
Regras: Formar equipes para jogar (equipe A,B,C e D). Jogar a bola para
derrubar os pinos/ovelhas; Elaborar um gráfico, com as quantidades de pontos
obtidos por cada criança /ou equipe. Vencerá a criança/ou equipe que obtiver
mais pontos.
4º Momento: Teatro/Dramatização/Fantoches/livro de eva
Fazer a dramatização da história “Maria Vai Com as Outras” usando fantoches,
dedoches, aventais de histórias ou outro recursos que preferir.
5º Momento: Finalização com oficina de sucata
Uma linda sugestão é fazer com sua turma ovelhinhas na garrafa pet e encher de
guloseimas ou pipoca. Depois da festa, a ideia ainda serve como porta trecos.
Modo de fazer a ovelhinha de garrafa pet: Para fazer a ovelhinha da
imagem você irá precisar de uma garrafa descartável cortada na altura que
você quiser, EVA atoalhado branco, EVA comum marrom (para as patinhas) e
EVA cor da pele (para a carinha).
Para que o EVA contorne certinho a garrafa, corte no tamanho correto e vá
colando e moldando com as mãos bem apertado ao redor da garrafa. Cole com
cola quente. Logo após cole as patinhas e a cabeça. E para finalizar faça a
carinha da ovelha (o nariz, a boquinha e os olhos), passe um pouco de blush
rosa nas bochechas, e se quiser coloque lacinhos nas orelhas.
Dica: Você também pode reaproveitar outros materiais reciclados para
confeccionar lembrancinhas como caixas de todynho, copos de danoninho e
outros.
OUTRAS SUGESTÕES:
1-Cartaz da história em EVA
2- Ovelha de pipoca para pendurar
Você vai precisar de:
Cartolina ou papel cartão, pipoca branca, fita, cola
Como fazer: Desenhar e cortar uma cabeça da ovelha, corpo e pernas para
fora da cartolina ou papel cartão. Cole a cabeça e as pernas no corpo. Espalhe
uma fina camada de cola branca escolar sobre o corpo da ovelha. Polvilhe
pipoca branca sobre o corpo e deixe secar. Use a fita para criar um gancho e
laço para decorar a ovelha.
3- Saco de pipoca com rosto de ovelha
Para fazer uma ovelhinha porta pipoca você vaiprecisar:
 Uma sacola plástica transparente
 Uma cabecinha de isopor (faça também com EVA ou tampinha pintada,
papelão...)
 Fita para o lacinho
 Pipoca
 e detalhes em EVA.
4-Você também pode montar um livro da história em papel, eva ou
feltro.
ATIVIDADES EXTRAS
AVALIAÇÃO: Acompanhar atentamente o envolvimento dos alunos no
decorrer das atividades propostas,dos jogos, brincadeiras e apresentação teatral.
Extra: Dinâmicas e Brincadeiras
1- Ovelha e Pastor
Local espaçoso
Objetivo: O pastor alcançar a ovelha.
Regras:
Formar uma roda de mãos dadas. A ovelha fica no centro e o pastor de fora.
Dado o sinal o pastor deverá pegar a ovelha.
A roda deverá dificultar a passagem do pastor e facilitar a passagem da ovelha.
Só vale usar para escapar a ajuda da roda ao sair e entrar nela.
Quando a ovelha é agarrada, esta vai para a roda, o pastor vira ovelha e escolhe-
se outro pastor. Termina quando acabar o interesse.
----------------------------------------------------------------------------------------------
--
2- Brincadeira da Ovelha perdida
Uma criança é escolhida e seus olhos vendados. Uma vara é colocada em sua
mão, enquanto os outros formam um círculo ao seu redor. O cego vaiapontando
com a sua vara e pergunta: “você é a minha ovelha perdida?” A pessoa apontada
deve pegar a vara e levá-la pertoda sua boca e emitir um balido, disfarçando a
voz, mas se for reconhecida deverá tomar o lugar do cego. Cada vez que isto
acontece, os jogadores mudam de lugar para não ser reconhecida a sua posição.
Projeto Valores - Amizade
A fábula do porco-espinho
Durante a era glacial, muitos animais morriam por causa do frio.
Os porcos-espinhos, percebendo a situação, resolveram se juntar em grupos,
assim se agasalhavam e se protegiam mutuamente, mas os espinhos de cada um
feriam os companheiros mais próximos, justamente os que ofereciam mais
calor.
Por isso decidiram se afastar uns dos outros e voltaram a morrer congelados,
então precisavam fazer uma escolha: Ou desapareceriam da Terra ou aceitavam
os espinhos dos companheiros.
Com sabedoria, decidiram voltar a ficar juntos.
Aprenderam assim a conviver com as pequenas feridas que a relação com uma
pessoa muito próxima podia causar, já que o mais importante era o calor do
outro.
E assim sobreviveram.
Moral da História
A melhor amizade não é aquela que une pessoas perfeitas, mas aquela onde cada
um aprende a conviver com os defeitos do outro, e admirar suas qualidades.
---------------------------------------------------------------------------------
Reflexões orais e escritas sobre a história:
Leia a fábula e responda :
1- O que os porcos-espinhos fizeram para sobreviver?
2-Faça uma comparação da moral da história com sua realidade:
3-Qual era o defeito dos porcos-espinhos ?
4-Qual era a qualidade dos porcos-espinhos?
5-Vamos falar de nossos defeitos e qualidades!
6- Será que sabemos conviver com pequenas feridas que a relação com uma
outra pessoa próxima pode causar? Que pequenas feridas são essas,comparando
ao nosso grupo?
7- Que lição tiramos dessa fábula?
Plano de Aula - Fábula O Pastorzinho e o Lobo
FÁBULA: O PASTORZINHO E O LOBO
OBJETIVOS:
• Retomar e aprofundar o trabalho com o gênero textual fábula.
• Favorecer a reescrita de um textoconhecido.
• Retomar e aprofundar o trabalho com uso do dicionário
1º MOMENTO:
Formar 5 círculos com grupos de 4 alunos.
Apresentar aos alunos, em uma faixa, o nome da fábula: O Pastorzinho e o Lobo
A partir do título, fazer uma sondagem:
• o que faz um pastor;
• onde poderá acontecer esta história;
• quem serão as personagens;
• o que irá acontecer na história;
• qual será o final da história para o Pastorzinho;
• qual será o final para o Lobo;
• qual o gênero textual que estaremos trabalhando;
• Quais as outras fábulas conhecem e já estudamos;
• Quais as características de uma fábula.
2º MOMENTO:
Apresentar a leitura em xerox , para leitura individual e silenciosa.
3º MOMENTO:
Leitura pelo professor.
4º MOMENTO:
Solicitar que alguns alunos façam a leitura, acompanhando os demais.
5º MOMENTO:
Realização da atividade de escrita, conforme Xerox.
6º MOMENTO:
Preparar para reconto e reescrita na 6ª feira.
Lá para aqueles lados, na ilha de Samos, na Grécia, havia um menino chamado
Pedro. Sua tarefa diária era levar a ovelhada para pastar e, à noitinha, recolher e
guiar o re anho para o morro. Ali, o menino juntava-se a outros pastores e
descansavam.
Dia após dia... tudo se repetia. As ovelhas, o cão, os pastores. Tudo igual, tudo
igual. Que monotonia!
Num certo dia, o menino repentinamente gritou:
____ Looooooobo! Loooooooooobo!
Todos largaram seus afazeres e armados de paus correram em direção aos gritos
do menino. O cão que guardava as ovelhas num sobressalto agitou-se e rosnou.
As ovelhas baliram desesperadamente.
Os homens perguntaram ao menino:
___ Onde está ele? É feroz? Está faminto?
Pedro, perspicaz, respondeu:
___ Era muito grande, enorme! Amarelo-amarronzado! Eu o despistei! Eu o
afugentei!
Todos, muito agradecidos, saudaram o pastorzinho.
Mas no dia seguinte... As nuvens continuavam passeando calmamente, as
ovelhas mastigando, o cachorro ressonando ao sol, as poucas pessoas do vilarejo
caminhando lentamente de cá para lá, de lá para cá...
____ Looooooobo! ___ o menino gritou bem alto.
A ovelhada baliu, o ovelheiro latiu, o povo todo subiu o morro, munido de
pedaços de paus.
____ Cadê ele? Cadê? ____ Olharam ao redor e nada viram. Homens e
mulheres voltaram aos seus afazeres, desconfiados e pensativos.
Após alguns dias, o menino resolveu divertir-se novamente. Gritou com todas as
letras e bem mais alto:
____ Loooooooooooooooooooobo! Loooooooooooobo!
As ovelhas continuaram mastigando, as nuvens passeando calmamente, o cão
ressonou em sonhos tranqüilos. Ninguém se moveu.
De repente, com um movimento brusco, o cachorro rosnou, seus pelos
arrepiaram-se e as orelhas ficaram em pé. As ovelhas, amedrontadas, agitaram-
se e tentaram se agrupar.
O menino viu um grande e ameaçador lobo amarelo-amarronzado. O lobo se
aproximou, chegou mais perto, mais pertoe o menino gritando:
____ Lobo! Lobo! Socorro! Lo...
Nada aconteceu. Ninguém apareceu. O menino correu para cima de uma árvore,
o cachorro fugiu e as ovelhas... as ovelhas viraram alimento de lobo.
No dia seguinte, não havia ovelha para contar a história, só o menino que lá de
cima da árvore soluçava:
___ Nunca mais vou gritar lobo! Nunca mais!
Texto recontado pelas autoras, a partir de Esopo.
I – PROCEDIMENTOS DE LEITURA
Descritor: Localizar informações explícitas em um texto.
1. Releia o primeiro parágrafo do textoe responda:
a) Que personagem é apresentada?
b) O que faz essa personagem?
c) Onde se passa a história?
Descritor: Inferir o sentido de uma palavra ou expressão.
2. Releia o segundo parágrafo.
“Dia após dia... tudo se repetia. As ovelhas, o cão, os pastores.
Tudo igual, tudo igual. Que monotonia!”
Que expressões desse trechocombinam com o significado da palavra
monotonia?
(___) tudo se transformava
(___) todo dia uma surpresa
(___) cada uma fazia uma coisa
(___) tudo se repetia
Descritor: Inferir uma informação implícita em um texto.
“Todos largaram seus afazeres e armados de paus correram em direção aos
gritos do menino.”
A palavra “afazeres” quer dizer:
(___) alimento
(___) trabalho
(___) brincadeira
(___) tipo de agrado
Descritor: Identificar o tema de um texto.
Este textofala sobre:
(___) um lobo que gostava de caçar ovelhas
(___) um pastor que mentiu para brincar com os outros
(___) uma ovelha que correu do lobo
(___) um pastor que não gostava de ovelhas
II – IMPLICAÇÕES DO SUPORTE, GÊNERO E/OU ENUNCIADOR NA
COMPREENSÃO DO TEXTO.
Descritor: Identificar a finalidade de textos de diferentes gêneros.
O texto“O pastorzinho e o lobo” procura ensinar que:
(___) Os pastores cuidam bem das ovelhas e as deixam pelos campos
(___) As ovelhas têm medo de pastor
(___) As pessoas que têm o hábito de mentir ficam desacreditadas
(___) O lobo é amigo do pastor
III – COERÊNCIA E COESÃO NO PROCESSAMENTO DO TEXTO
Descritor: Identificar o conflito gerador do enredo e os elementos que
constroem a narrativa.
No texto, acontece um fato novo que quebra a monotonia.
a) Que fato foi esse?
Descritor: Estabelecer relação causa/conseqüência entre partes e elementos do
texto.
b) A partir desse fato, qual foi a reação:
• das ovelhas?
• Do cachorro?
• Das pessoas do vilarejo?
Descritor: Inferir uma informação implícita em um texto.
Va mos relembrar a reação das pessoas da aldeia quando o pastorzinho gritou
lobo pela segunda vez.
“Cadê ele? Cadê? ___ Olharam ao redor e nada viram. Homens e mulheres
voltaram aos seus afazeres, desconfiados e pensativos”.
Agora responda: Por que homens e mulheres ficaram desconfiados e
pensativos?
IV – RELAÇÕES ENTRE RECURSOS EXPRESSIVOS E FEITOS DE
SENTIDO.
Descritor: Identificar o efeito de sentido decorrente do uso da pontuação e de
outras notações.
No final da história, o menino resolveu divertir-se novamente e “gritou com
todas as letras e bem mais alto: ___ Loooooooooobo! Looooooooooooobo!”
A repetição da letra “o” foi usada nesse textopara indicar:
(___) lobo escreve com “o”
(___) a fala do personagem
(___) que o pastor estava gritando para todos ouvirem
(___) a emoção do pastor
Das morais abaixo, marque aquela que mais A fábula O pastorzinho e o lobo
apresenta:
(___) Não faça para os outros aquilo que você não quer que lhe façam.
(___) Devagar se vaiao longe.
(___) Quem tudo quer, tudo perde.
(___) Ninguém acredita em um mentiroso, mesmo quando ele diz a verdade.
Projeto viajando na sacola mágica da leitura
APRESENTAÇÃO
Visando aperfeiçoar e valorizar o cidadão através das linguagens artística,
literária e histórica, a partir da compreensão do seu papel enquanto sujeito
histórico, o projeto enfoca o ato de ler como ponto de partida para a construção
do pensamento lógico, com isso, possibilitando a capacitação do aluno em
construir suas relações diante do mundo.
Trata-se de um projeto de prática de leitura onde os alunos levarão para casa
uma sacola contendo alguns livros de estórias infantis e um
caderno de registro, onde terão que registrar e recontar a estória lida; usando
escrita, colagem, desenhos e tudo que a imaginação mandar. Depois, cada aluno
apresentará sua criação aos colegas
JUSTIFICATIVA:
As estórias estão presentes em nossa cultura há muito tempo e o hábito de
contá-las e ouvi-las tem inúmeros significados. Está relacionado ao cuidado
afetivo, à construção da identidade, ao desenvolvimento da imaginação, à
capacidade de ouvir o outro e à de se expressar. Além disso, a leitura de estórias
aproxima a criança do universo letrado e colabora para a democratização de um
de nossos mais valiosos patrimônios culturais: a escrita.
Por isso, é importante favorecermos a familiaridade das crianças com as estórias
e a ampliação de seu repertório. Isso só é possível por meio do contato regular
dos pequenos com os textos, desde cedo, e de sua participação frequente em
situações diversas de conto e leitura.
Sabe-se que os professores são os principais agentes na promoção dessa prática
– e a escola, o principal espaço para isso.
Esse projeto visa fazer com que o aluno tenha prazer em ler e consiga transmitir
ao outro o que leu.
Assim, o livro deve ser mostrado e abertocom dimensão do prazer e da alegria,
para que o aluno perceba que ler é uma viagem maravilhosa e não apenas mais
uma das atividades de escola.
PÚBLICO-ALVO
Todos os alunos do ensino fundamental.
OBJETIVOS:
• Proporcionar situações de leitura compartilhada.
• Aproximar os alunos do universo escrito e dos portadores de escrita (livros e
revistas) para que eles possam manuseá-los, reparar na beleza das imagens,
relacionarem textoe ilustração, manifestar sentimentos, experiências, ideias e
opiniões, definindo preferências e construindo critérios próprios para selecionar
o que vão ler.
• Fazer com que construam o hábito de ouvir e sentir prazer nas situações que
envolvem a leitura de estórias.
• Familiarizá-los com estórias e ampliar seus repertórios.
• Participação em situação de conto e leitura de estórias.
• Escuta atenta e interessada de estórias.
• Observação e manuseio de livros.
• Desenvolver no aluno a facilidade de se expressar em público, inicialmente,
perante aos colegas de sala.
METODOLOGIA BÁSICA
Haverá uma sacola com diferentes livros de estórias e um caderno de registros.
Os alunos, que serão sorteados, levarãoa sacola para casa, por três dias. O aluno
deverá ler um ou mais livros da sacola e depois fazer um registrono caderno,
que poderá ser através da escrita, de desenhos, montagem, colagem ou alguma
outra forma criativa que ele preferir.
Depois, na sala de aula, o aluno poderá apresentar para os colegas o livro que
leu e o seu registro. Também poderá ser apresentado na forma teatral, se o
aluno quiser.
CONTEÚDO DOS TRABALHADOS
• Português – literatura através da leitura e do registroque ele terá que fazer.
• Produção textual – o aluno poderá produzir outros textos usando o que foi
lido, em forma de poesia, narrativa e teatro.
CRONOGRAMA
• Durante todo o ano letivo
AVALIAÇÃO
Ocorrerá durante todo o processo, a partir da observaçãodireta das atitudes do
aluno-leitor no seu cotidiano, e da avaliação de leitura e interpretação de texto
do aluno, no dia-a-dia
Construindo regrinhas em sala de aula
A Laranjeira
Dados da Aula
O que o aluno poderá aprender com esta aula
· Organizar o trabalho e os tempos em sala de aula.
· Construir os combinados da sala
· Desenvolver noções de respeito e amizade
· Levar a criança a se expressar oralmente e plasticamente
· Construir aprendizado sobre plantio e cuidado de sementes
Duração das atividades
5 horas aulas
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno.
O professor pode trabalhar algumas noções de respeito e normas de
convivência.
Estratégias e recursos da aula
Introdução:
Todo início de ano letivo as crianças necessitam reconstruir alguns combinados
importantes para a organização do tempo e do espaço na sala de aula. Tais
combinados auxiliarão no processo educativo e por isso também trarão
rebatimento na aprendizagem das crianças, porém é importante que elas
possam falar sobre eles e participarem da construção dos mesmos.
Primeiro Momento: Leve para a sala de aula uma história para estimular o
debate e esquentar a discussão. A sugestão é o livro “A laranja Colorida” Autor:
Ronaldo Simões Coelho, Ed. Lê.
O livro conta a história de duas crianças que admiravam um pé de laranjas
carregado de laranjas e que pensavam em dividir a laranja mais bonita do lugar.
A laranja desejada gostou da ideia e fez de tudo, até se disfarçou, para que os
pássaros não a encontrassem só para se guardar para o dia em que seria
partilhada pelas crianças. Disfarçou-se tanto que quase não foi percebida no dia
tão especial da partilha! Ainda bem que uma chuvinha a ajudou e deu tudo
certo.
Numa rodinha de conversa – todas as crianças assentadas em círculo a fim de
que possam se ver simultaneamente - leia a história para as crianças e proponha
um debate. Converse com elas sobre o desejo da laranja de ser partilhada e seu
empenho em se disfarçar para chegar o grande dia. Pergunte às crianças o que
acham da atitude das borboletas em ajudar a laranja a se disfarçar.
Construa um textocoletivo com as respostas das crianças. Escreva o textoem
letra caixa alta num cartaz grande e peça que as crianças façam a ilustração.
Segundo Momento: Combine com as crianças de levarem laranjas para dividir
entre os colegas E as convide a plantar as sementinhas na escola. Nesse dia leve
para a sala a réplica da obra de arte: Nove papagaios em uma laranjeira de Lucy
Autrey Wilson, para que as crianças façam uma releitura da imagem. A releitura
pode ser feita com tinta guache e papel sulfite e os desenhos devem ser expostos
no varal da sala a fim de serem apreciados por todos da turma.
Terceiro Momento: Como todos concordaram em plantar as sementinhas de
laranja, proponha então esse momento perguntando: Como se planta uma
semente?. Muitas hipóteses surgirão e você professor então leva a informação
de que para plantar é preciso adubar a terra primeiro e preparar a cova do
plantio. É claro que os materiais para esse preparo já devem ter sido
organizados por você anteriormente. Faça o plantio com as crianças e comecem
um ciclo de observação dessa semente.
Caso o professor queira, pode ainda trabalhar a poesia:
Laranjeira
Baltazar de Godoy Moreira (SP 1898) Poeta, contista, professor, pedagogo.
Uma linda sementinha
Em meu quintal descobri
Alva! Macia, limpinha!
– Minha linda sementinha Que posso fazer de ti?
Faze uma covinha rasa Com boa vontade e amor, No quintal de tua casa,
Onde haja luz e calor.
Deixa-me lá, por favor.
Um dia quando tu fores moça, formosa e faceira.
Tereium tronco encorpado, e uma ramada altaneira.
Cheia de frutos e flores
Então, com maior agrado
Darei para o teu noivado,
Os botões de laranjeira
Depois do plantio da semente construa com as crianças a linha do tempo com os
seguintes dados
Ex.:
DATA DO PLANTIO /OBSERVAÇÃO DO CRESCIMENTO /OBSERVAÇÃO DO
CRESCIMENTO
12/_____________20/__________________30/________________
__
A linha do tempo deve ser construída de acordo com os acontecimentos mais
importantes desde o plantio até o brotar ou não da plantinha.
Quarto Momento: Como o cuidado com a sementinha plantada será diário,
retome com as crianças a importância de regar, adubar, tirar um tempo para
esse cuidado em sala e converse com as crianças sobre as relações que estão
estabelecendo.
Faça os seguintes questionamentos: para crescer forte, uma sementinha não
precisa de cuidado? E a sementinha da nossa amizade em sala precisa de que
para crescer?
Será que nós estamos cuidando do nosso coleguinha? O que podemos fazer para
que nossos dias em sala de aula fiquem mais prazerosos e nossos coleguinhas
mais felizes?
Na medida em que as crianças forem falando, vá fazendo uma lista das
sugestões.
As sugestões dadas pelas crianças passarão a ser os combinados da turminha. O
professor complementa a lista com o que achar conveniente, como os horários
em que fazem cada coisa, tal como brincar, atividades, parque, lanche. Explique
que existem horários definidos para cada atividade etc. Convide as crianças a
construírem a Laranjeira da Amizade da turma. Peça que cada criança escolha
uma das sugestões para ilustrar. Dê para as crianças a imagem de uma laranja
para que elas façam a ilustração do combinado escolhido.
Elas podem fazer a ilustração por meio de desenho ou pintura.
Projeto "Educação de Valores"
Para melhorar os problemas com a disciplina, na minha humilde opinião,
devemos começar por mudar nossas próprias atitudes frente aos alunos.
Inicialmente colocar para nós mesmos professores e demais adultos da escola,
um roteiro a ser seguido rigorosamente. Como acredito que as palavras
convencem, mas os exemplos arrastam, acredito que a postura dos professores
seja a mola propulsora para uma melhoria nas posturas dos alunos. O professor
não pode JAMAIS gritar com seus alunos, deve ser ORGANIZADO, PONTUAL
e RESPONSÁVEL. O professor deve ser AMIGO dos alunos sem deixar de ser
PROFESSOR, deve RESPEITAR seus alunos e nunca HUMILHÁ-LOS. A
ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO é fundamental.
Se tivermos o hábito de colocar num cantinho da lousa tudo o que foi planejado
para a aula, será bom para o professor e excelente para os
alunos.COMBINADOS - as regras de boa convivência, tão explorada na
educação Infantil é praticamente esquecida no ensino fundamental, porque
será? Se usássemos essa prática em todos os níveis tudo poderia mudar. O
importante é que todos participem da elaboração das regras que poderá ser
diferente de uma sala para outra. E mais importante ainda é que se resolva em
grupo também as "punições" para aqueles que transgredirem as regras. O
professor deve ter PALAVRA - ou seja, deve cumprir com aquilo que falar. Nada
mais irritante e desestimulante para os alunos que um professor que nunca
cumpre com o que fala: programa passeios que nunca dão certo, programa
filmes e o vídeo tá quebrado, programa , programa...
Finalmente encerro minha opinião tomando a fala inicial. As mudanças devem
começar no professor. Ser mais aberto, escutar mais seu aluno, envolver-se
positivamente com seus problemas, conhecer sua história de vida, valorizar seus
saberes. Essas mudanças são internas, não apenas uma casca, um verniz. Mas
vamos refletir mais uma coisa: não adiantará o professor tomar uma postura
ABERTA e continuar esperando de seus alunos respostas FECHADAS - ou seja
aquelas que contemplam apenas a opinião dele próprio ou da maioria da classe.
TODOS têm o direito de terem suas próprias opiniões desde que devidamente
justificada.
Ah, só mais uma coisinha: de nada adiantará trabalhar projeto "Educação de
Valores" esperando mudanças apenas nos alunos.
=======================================================
=======
1-PROJETO AMIZADE - EDUCAÇÃO INFANTIL
OBJETIVOS
•Desenvolver competências sociais em crianças de quatro a seis anos
• Mostrar como serem amigas
•Exercitar a identificação, sensibilidade e fala pública sobre diferentes
sentimentos
•Destacar como lidarem com as quatro emoções básicas: medo, alegria, tristeza
e ira
•Ajudar a expressarem sentimentos que lhes desagradam
PÚBLICO-ALVO: Crianças de 4 a 6 anos
RECURSOS MATERIAIS E HUMANOS
•Recursos materiais: cartolinas, canetas hidro-cor, revistas velhas
•Outros recursos materiais, caso se faça opção por um treinamento e expressão
das múltiplas inteligências
•Recursos Humanos: um a dois Mediadores previamente treinados
QUESTÕES RELEVANTES
•O que é a amizade?
•Amizade é o mesmo que amor?
•O que é um amigo de verdade?
•Qual a importância de um amigo?
•O que é o medo?•Que coisas nos fazem felizes?
•Por quê ficamos tristes?
•O que nos deixa com raiva?
•Como não falar a um amigo?
•Como falar a um amigo?
E inúmeras outras do mesmo tipo, levantadas pelas próprias crianças
COMPETÊNCIAS DESENVOLVIDAS
Afetividade, Auto-estima, Otimismo, Controle dos impulsos, Empatia -
Compreensão do outro, Prestatividade e solidariedade, Sinceridade, Empatia no
ouvir, Comunicação Interpessoal, Pensamento dirigido, Autoconhecimento e
Administração das Emoções.
FASES DO PROJETO
ABERTURA: Mediadores, pais, professores, pessoas da comunidade
especialmente convidadas discutem e elegem as competências desejadas e a
seleção de questões que a culminância do projeto deverá responder.
O TRABALHO PRÁTICO - ESTRATÉGIAS
PREPARAÇÃO DO ROTEIRO: Os professores e os Mediadores escreverão
roteiros de apresentações teatrais simples, cuja duração não deve exceder 15
minutos e que devem vivenciar cenas do cotidiano dos alunos envolvendo temas
de relações interpessoais para ajudarem as crianças aprenderem como serem
amigas, reconhecerem e falarem sobre diferentes sentimentos, lidarem com
verdade e com a mentira, com a ira e com a dor, com o medo e a tristeza, com a
alegria e com a felicidade e como expressarem oque lhes agrada e desagrada.
Essas pequenas peças podem simular situações do pátio da escola, disputa por
lugares, formas de abordagem, etc.
ENSAIO: Para cada encenação haverá um grupo de "atores" e outro de
"espectadores", mas todos os alunos nas diferentes peças desenvolverãoambos
papeis. Durante o ensaio não deve ocorrer a prioridade de "lições de conduta"
ou julgamento sobre "atitudes certas ou erradas" ainda que o aparecimento
destas, possa gerar uma resposta serena e coerente por parte do(s)
intermedializador(es). Os Mediadores poderão ou não introduzir o "ponto" com
um ator que não aparece, ajudando os atores nas falas a serem praticadas.
APRESENTAÇÃO: A apresentação de cada peça se dará de forma similar a
qualquer apresentação teatral.
DEBATES: Após a encenação deverãoocorrer os debates, envolvendo
inicialmente apenas os alunos e os Mediadores. Nesse debate deve prevalecer a
solicitação de opiniões sobre atitudes, gestos, posturas, ações ainda que as
mesmas não devam suscitar julgamentos morais por parte dos professores. Não
existe um tempo prescrito previamente para a duração dos debates, embora os
Mediadores devam mostrar sensibilidade para não o prolongarem além dos
limites do interesse por parte dos alunos envolvidos.
SÍNTESE CONCLUSIVA:Concluído os debates os Mediadores sintetizarão as
conclusões gerais, enfatizando o que se levou os alunos a aprenderem com a
atividade.
FECHAMENTO:É extremamente importante destacar que os valores e os
ensinamentos conquistados necessitem ser retomados em momentos e
circunstâncias diferentes, internalizando-se nas atitudes dos professores,
contextualizando-se aos temas curriculares desenvolvidos. Em verdade, a
encenação, debate e síntese conclusiva jamais deve "encerrar" a atividade, antes
abrir espaço para práticas sobre novas formas de relacionamento e emprego
constante das habilidades sociais no cotidiano dos alunos.
LINGUAGENS APLICADAS:Importante atividade de reforço é, em outra
oportunidade, reunir-se os participantes do Projeto solicitando que expressem
através de diferentes linguagens - pinturas, paródias, colagens, desenhos, corais,
etc. - os valores desenvolvidos e supostamente apreendidos durante a
atividade.Atividade extremamente enriquecedora é utilizar diferentes
estratégias de comunicação, conforme as inteligências humanas suscitadas -
lingüistica, lógico-matemática, visuo-espacial, sonora, cinestésico-corporal,
naturalista, intra e interpessoal - e organizar painéis ou murais expressandoos
valores assumidos.
AVALIAÇÃO: A forma de avaliação será desenvolvida através da comparação
de relatórios organizados por todos os elementos da equipe docente avaliando
as atitudes dos alunos em sala de aula e no pátio da escola, antes e depois da
realização de cada encenação, enfatizando a eventual permanência, após seis
meses ou mais, de valores eventualmente assumidos.
=======================================================
======
2-Projeto Construindo Relações
Justificativa: Estabelecer ocontato com a criança e seus familiares,
despertando o hábito do dialogo, do toque e do respeito mútuo.
Objetivos:Experimentar e utilizar os recursos de que dispõe para a satisfação
de suas necessidades, expressandoseus desejos sentimentos, vontades e
desagrado e agindo com progressiva autonomia. Familiarizar-se com a imagem
do próprio corpo, conhecendo progressivamente seus limites, sua unidade e a
satisfação que ela produz. Brincar, Relacionar-se progressivamente com mais
crianças, com seus professores e com demais funcionários da instituição,
demonstrando suas necessidade e interesses.
Conteúdo:Comunicação e expressãodos desejos, desagrado, necessidades,
preferências, e vontades, em brincadeiras e nas atividades do cotidiano.
Reconhecimento progressivodo próprio corpo e das diferentes sensações e
ritmo que produz. Iniciativa para pedir ajuda nas situações em que isso se faz
necessário. Participação em brincadeiras de “esconder e achar” e em
brincadeiras de imitação. Participação e interesse em situações que envolvam a
relação com o outro. Respeito às regras simples de convívio social
Operacionalização: Brincadeiras diversas: Bater palmas, Dançar,
Brincadeiras no espelho, Gesticular, Lançar bolas, Ouvir e cantar músicas,
Manusear livros, Ouvir histórias, Carimbo de mãos e pés, Imitação, Integração
com crianças de outras turmas, Parque.
Encerramento: Apresentação do registrode fotos, realizados durante o
projeto.
Duração: Durante todo ano letivo
=======================================================
==
3-PROJETO AFETIVIDADE
Amar e ensinar os alunos a demonstrar amor uns aos outros; isto só os ajudará a
crescer seguros e felizes. Vivemos numa época em que tudo é novo; um mundo
de mudanças e transformações. Precisamos encontrar uma nova forma de
conviver e de resolver os problemas. Mas, para que isto aconteça é fundamental
a presença de um sentimento nobre: o afeto. “São os nossos afetos e emoções
que dão colorido ás nossas vidas e expressam-se nos desejos, nos sonhos, nas
emoções e nos sentimentos. É o que nos faz viver”. Nãosó a criança, mas todo o
ser humano gosta de receber um agrado. A criança entende esse agrado no tom
de voz, no olhar e no toque. A base para o sucesso da criança é receber essa
carga afetiva. Receber carinho é vital para sua auto-estima. As palavras também
podem estar carregadas de afeto. As emoções são expressões de afeto, que vêm
acompanhadas de reações orgânicas, em resposta a um acontecimento. Essas
reações fogem do nosso controle e são de fundamental importância para a
descarga das tensões e emoções.Eles serão educados para respeitar o direito do
outro e ao mesmo tempo em que poderá usufruir o seu. Sem receio, devemos
educar nossas crianças, pois isso favorece o desenvolvimento. Devemos ser
firmes sem ser indelicados. O fato de impor limites, no momento certo, não
significa punição e sim demonstração de afeto.
O que deverá ser feito: Junto com a classe, escolher um aluno para deitar
sobre a folha de um papel pardo e contorná-lo formando uma silhueta. A partir
de então recortar e usar de molde para cortar no t.n.t, 2 vezes (frente e versodo
boneco). Costurar os membros, tronco e cabeça. Pedir para que as crianças
tragam roupas para o boneco. Quando o boneco estiver pronto, organizar uma
eleição para escolher um nome para ele. Cada criança deve dar uma sugestão e
explicar o motivo. Anotar as opções na lousa. Depois, falar os nomes propostos e
ir perguntando: “quem gostou desse?”. Anotar o número de votos para cada
nome e ver qual foi o preferido das crianças. Deixar o boneco em sala de aula.
Ele pode participar das atividades realizadas com os alunos, ouvirem histórias,
ser levado para o parque na hora da brincadeira ou para passeios fora da escola,
como se fosse um integrante da turma. A partir de então as crianças levarãoo
boneco para passar um dia em sua casa junto com um caderno como diário onde
os pais registram a rotina da criança com o boneco. Antes explique que serão
responsáveis por ele naquele dia e que deverãoter cuidado. No dia seguinte, a
criança relata como foi a estadia do boneco em sua casa. Dessa forma
trabalhamos também a oralidade.“as crianças entram no mundo do faz de conta
e imaginam que o boneco é um amigo de verdade”.
Avaliação: A avaliação será realizada através da observaçãodo relato feito
pelas crianças (roda de conversa) diariamente demonstrando seus sentimentos
e atitudes tomadas depois das atividades realizadas. E por intermédio do
relatório dos pais no diário.
Atividade: Combinados da amizade
Objetivo: Levar as crianças a demonstrar, verbalizar e valorizar atitudes
afetivas.
Justificativa: O toque é umas das maneiras mais sinceras de demonstrar
Afeto.
Material: papel cartão, caneta piloto
Desenvolvimento: Em roda conversar com as crianças, sobre a importância
da amizade. Num cartaz a professora irá escrever oque as crianças
determinarão que fará parte do “combinados da Amizade” da turma. Esses
combinados deverãoser lidos e/ou acrescentados novos, sempre que necessário.
Alguns exemplos:-Fazer Carinhos-Abraçar-Dar beijo no Rosto-Brincar-Dar Boa
Tarde-Arrepender com fez algo errado-Ajudar-Ter Paciência-Esperar nossa vez
de falar e brincar.
Avaliação: A atividade proporcionou as crianças oportunidades para
demonstrar, verbalizar, e valorizar atitudes afetivas.
Jogo: Corrida da Vida
Como fazer:
Para fazer o tabuleiro, copie a imagem para um editor de texto(Word, por
exemplo) e redimensione para o tamanho desejado. Eu tirei cópia no papel A3
para ficar maior. Caso não seja possível, imprima e cole em papel mais duro,
como cartolina, papel cartão etc.
Regras do jogo:
Após decidir quem iniciará a partida, joga-se o dado. O professor andará o
número de casas correspondentes. As casas em preto trazem perguntas
relacionadas ao cotidiano (ver abaixo). Dependendo da resposta, há um prêmio
ou uma punição.
Perguntas:
4 – Você está com a viagem dos seus sonhos marcada, mas com o caos nos
aeroportos, ela está por um fio. O que você faria numa situação assim?
a) Torceria para conseguir viajar (Fique onde está)
b) Discutiria com o funcionário da companhia área, pois é obrigação deles
arrumar um vôo para você (Volte 2 espaços)
c) Não há nada a fazer (Fique onde está)
8 – Na escola, todos tiram sarro de um colega. O que você faz?
a) O mesmo (Volte 2 espaços)
b) Tentoconvencer o pessoal a parar, pois sei que ele fica ofendido e chateado
(avance 3 espaços)
c) Nada (Fique onde está)
16 – Com que freqüência você come salada e outros elementos saudáveis?
Sempre (Avance 2 espaços)
Nunca (Volte 2 espaços)
Às vezes (Avance um espaço)
21 – Fazer perguntas da aula anterior.
Certo – Avance 3 espaços
Errado – Volte 2 espaços
26 – Você briga com seus irmãos?
Não (Vá para a casa 30)
Só quando ele(a) começa (volte 2 espaços)
Todo dia e toda hora (Volte para a casa 22)
35 – Na escola, você:
a) Só presta atenção nas aulas que você gosta. Nas outras fica conversando e
brincando com os colegas. (Volte 3 casas)
b) Procura prestar atenção em todas as aulas (Avance 3 casas)
c) Não presta atenção em nada. (Volte para a casa 27)
39 – Quando você é contrariado, você costuma xingar as pessoas?
a) Sim (Volte 2 casas)
b) Não (Avance uma casa)
c) De vez em quando (Volte uma casa)
43 – O que você acha de brincadeiras como tirar a cadeira antes do outro
sentar?
a) Não faço, mas acho engraçado (Volte 2 casas)
b) Não gosto desse tipo de brincadeira (Avance uma casa)
c) Gosto e faço (Volte um espaço e perca uma rodada)
45 – Fazer perguntas da aula anterior.
Certo – Avance 3 espaços
Errado – Volte 1 espaço
49 - Você descobre que tem como abrir o cofrinho do seu irmão sem precisar
quebrar e sem precisar de chave. O que você faria numa situação assim:
a)Nada. O cofre não é meu. (Fique onde está)
b)Pegaria só umas moedinhas de vez em quando. Não iria fazer falta (Volte 3
casas)
c)Pegaria dinheiro, mas avisaria depois. (Volte uma casa)
53 – As regras de trânsito são aplicáveis a motoristas, ciclistas e pedestres. Ao
atravessar a rua, você:
a) procura atravessar nosinal, nas passarelas, optando pelo mais seguro (avance
2 espaços)
b) atravessa em qualquer lugar. Se não houver sinal, corre. (perca sua vez)
c) Depende do momento e do horário (volte um espaço)
56 – Você precisa subir pro seu apartamentode escada. No caminho, encontra
uma senhora com compras na mão. O que você faz:
a)Nada. Passa direto (Volte 2 casas)
b)Oferece ajuda (Avance 3 casas)
c)Chama alguém para ajudá-la. (Fique onde está)
62 – É seu aniversário e você ganhou um presente que não gostou. O que faz:
a) Não fala nada, mas faz uma cara... (Volte uma casa)
b) Agradece (Fique onde está)
c) Dependendo de quem deu o presente, reclama na hora. (Volte 2 espaços)
67 – Você caiu numa área duvidosa. Volte 2 espaços.
IMPORTANTE: O professor deve destacar que o mais importante nesse jogo
não é ganhar e sim refletir como agiríamos em situações semelhantes. Isso
porque algumas vezes mais de um jogador cairá na mesma casa e já saberá o
‘prêmio’ ou o ‘castigo’.
Conclusão:Ensine valores com esse jogo! Lembrando que a nossa vida é feita
de escolhas. E são as nossas escolhas que vãodeterminar o que somos hoje e
amanhã.
Outros temas possíveis: Amor à verdade, Liberdade e limites; Relações do
homem com a sociedade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Simulado prova-brasil- 2º ano
Simulado prova-brasil- 2º ano Simulado prova-brasil- 2º ano
Simulado prova-brasil- 2º ano Mara Sueli
 
Aniversário do sr. alfabeto
Aniversário do sr. alfabetoAniversário do sr. alfabeto
Aniversário do sr. alfabetoCélia Reis
 
Interpretação de tirinhas menino maluquinho
Interpretação de tirinhas menino maluquinhoInterpretação de tirinhas menino maluquinho
Interpretação de tirinhas menino maluquinhoRose Tavares
 
Arte - O Direirto das Crianças, Ruth Rocha
Arte -  O Direirto das Crianças, Ruth RochaArte -  O Direirto das Crianças, Ruth Rocha
Arte - O Direirto das Crianças, Ruth RochaMary Alvarenga
 
O coelhinho que não queria estudar
O coelhinho que não queria estudarO coelhinho que não queria estudar
O coelhinho que não queria estudarMarisa Seara
 
Qual é a cor do amor
Qual é a cor do amorQual é a cor do amor
Qual é a cor do amorElisete Nunes
 
Apostila quem canta seus males espanta vol1
Apostila quem canta seus males espanta vol1Apostila quem canta seus males espanta vol1
Apostila quem canta seus males espanta vol1SimoneHelenDrumond
 
A gotinha Plim Plim, de Gerusa Rodrigues Pinto
A gotinha Plim Plim, de Gerusa Rodrigues PintoA gotinha Plim Plim, de Gerusa Rodrigues Pinto
A gotinha Plim Plim, de Gerusa Rodrigues PintoElisangela Terra
 
Livro - Contos de terror - 5º ano "E"
Livro - Contos de terror - 5º ano "E"Livro - Contos de terror - 5º ano "E"
Livro - Contos de terror - 5º ano "E"Guilherme Leão
 
Bom dia todas as cores
Bom dia todas as coresBom dia todas as cores
Bom dia todas as coresweleslima
 
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.SimoneHelenDrumond
 
A paz - Análise e entendimento da música
A paz   - Análise e entendimento da músicaA paz   - Análise e entendimento da música
A paz - Análise e entendimento da músicaMary Alvarenga
 
Baixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino Fundamental
Baixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino FundamentalBaixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino Fundamental
Baixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino FundamentalAugusto Bertotto
 
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém  que precisa de limitesParecer de um bom aluno porém  que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limitesSimoneHelenDrumond
 

Mais procurados (20)

Sequência didática a casa e seu dono (1)
Sequência didática a casa e seu dono (1)Sequência didática a casa e seu dono (1)
Sequência didática a casa e seu dono (1)
 
Simulado prova-brasil- 2º ano
Simulado prova-brasil- 2º ano Simulado prova-brasil- 2º ano
Simulado prova-brasil- 2º ano
 
Aniversário do sr. alfabeto
Aniversário do sr. alfabetoAniversário do sr. alfabeto
Aniversário do sr. alfabeto
 
Interpretação de tirinhas menino maluquinho
Interpretação de tirinhas menino maluquinhoInterpretação de tirinhas menino maluquinho
Interpretação de tirinhas menino maluquinho
 
Arte - O Direirto das Crianças, Ruth Rocha
Arte -  O Direirto das Crianças, Ruth RochaArte -  O Direirto das Crianças, Ruth Rocha
Arte - O Direirto das Crianças, Ruth Rocha
 
Produção textual
Produção textualProdução textual
Produção textual
 
O coelhinho que não queria estudar
O coelhinho que não queria estudarO coelhinho que não queria estudar
O coelhinho que não queria estudar
 
Qual é a cor do amor
Qual é a cor do amorQual é a cor do amor
Qual é a cor do amor
 
Apostila quem canta seus males espanta vol1
Apostila quem canta seus males espanta vol1Apostila quem canta seus males espanta vol1
Apostila quem canta seus males espanta vol1
 
Atividades letra cursiva
Atividades letra cursivaAtividades letra cursiva
Atividades letra cursiva
 
A gotinha Plim Plim, de Gerusa Rodrigues Pinto
A gotinha Plim Plim, de Gerusa Rodrigues PintoA gotinha Plim Plim, de Gerusa Rodrigues Pinto
A gotinha Plim Plim, de Gerusa Rodrigues Pinto
 
Livro - Contos de terror - 5º ano "E"
Livro - Contos de terror - 5º ano "E"Livro - Contos de terror - 5º ano "E"
Livro - Contos de terror - 5º ano "E"
 
Bom dia todas as cores
Bom dia todas as coresBom dia todas as cores
Bom dia todas as cores
 
AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA: SITUAÇÕES-PROBLEMA
AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA: SITUAÇÕES-PROBLEMAAVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA: SITUAÇÕES-PROBLEMA
AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA: SITUAÇÕES-PROBLEMA
 
Simulado de Matemática para o 3° ano do Ensino Fundamental I - Teste Final
Simulado de Matemática para o 3° ano do Ensino Fundamental I - Teste FinalSimulado de Matemática para o 3° ano do Ensino Fundamental I - Teste Final
Simulado de Matemática para o 3° ano do Ensino Fundamental I - Teste Final
 
Slide sítio com atividades
Slide sítio com atividadesSlide sítio com atividades
Slide sítio com atividades
 
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
 
A paz - Análise e entendimento da música
A paz   - Análise e entendimento da músicaA paz   - Análise e entendimento da música
A paz - Análise e entendimento da música
 
Baixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino Fundamental
Baixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino FundamentalBaixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino Fundamental
Baixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino Fundamental
 
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém  que precisa de limitesParecer de um bom aluno porém  que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
 

Destaque

Projeto generosidade em sala de aula 2014_Autora: Andreia Pessoa
Projeto generosidade em sala de aula 2014_Autora: Andreia PessoaProjeto generosidade em sala de aula 2014_Autora: Andreia Pessoa
Projeto generosidade em sala de aula 2014_Autora: Andreia PessoaAndreia Pessôa de Oliveira
 
Valores humanos
Valores humanosValores humanos
Valores humanosVera Gama
 
Projeto Educação e Valores
Projeto Educação e ValoresProjeto Educação e Valores
Projeto Educação e Valoresceliaregiane
 
Projeto gentileza gera gentileza
Projeto gentileza gera gentilezaProjeto gentileza gera gentileza
Projeto gentileza gera gentilezaDani Macedo
 
atividade 2 maria vai com as outras
atividade 2 maria vai com as outrasatividade 2 maria vai com as outras
atividade 2 maria vai com as outrasfernanda lima
 
Projeto Valores para a vida
Projeto Valores para a vidaProjeto Valores para a vida
Projeto Valores para a vidaDeniseGA
 
Projeto didático valores humanos
Projeto didático valores humanosProjeto didático valores humanos
Projeto didático valores humanosMarcio Haubricht
 
PROJETO INCLUSÃO E SOLIDARIEDADE, QUANDO INCLUIR É AMAR
PROJETO INCLUSÃO E SOLIDARIEDADE, QUANDO INCLUIR É AMARPROJETO INCLUSÃO E SOLIDARIEDADE, QUANDO INCLUIR É AMAR
PROJETO INCLUSÃO E SOLIDARIEDADE, QUANDO INCLUIR É AMARMilena Barbosa
 
HISTÓRIA INFANTL:Conte comigo amigo
HISTÓRIA INFANTL:Conte comigo amigoHISTÓRIA INFANTL:Conte comigo amigo
HISTÓRIA INFANTL:Conte comigo amigoroessencia
 
História infantil- A Amizade
História infantil- A AmizadeHistória infantil- A Amizade
História infantil- A Amizadefprc
 
17302200 Espiritismo Infantil Historia 63
17302200 Espiritismo Infantil Historia 6317302200 Espiritismo Infantil Historia 63
17302200 Espiritismo Infantil Historia 63Ana Cristina Freitas
 
"Encanto dos bichos" parte do livro digitalizado
"Encanto dos bichos" parte do livro digitalizado"Encanto dos bichos" parte do livro digitalizado
"Encanto dos bichos" parte do livro digitalizadoprofesaocarlos
 
Plano de aula acentuacao
Plano de aula acentuacaoPlano de aula acentuacao
Plano de aula acentuacaoJuliano Macedo
 

Destaque (20)

Projeto Páscoa da Amizade.
Projeto Páscoa da Amizade.Projeto Páscoa da Amizade.
Projeto Páscoa da Amizade.
 
A bondade de pita livro
A bondade de pita livroA bondade de pita livro
A bondade de pita livro
 
Projeto Cidadania e Valores
Projeto Cidadania e ValoresProjeto Cidadania e Valores
Projeto Cidadania e Valores
 
Projeto generosidade em sala de aula 2014_Autora: Andreia Pessoa
Projeto generosidade em sala de aula 2014_Autora: Andreia PessoaProjeto generosidade em sala de aula 2014_Autora: Andreia Pessoa
Projeto generosidade em sala de aula 2014_Autora: Andreia Pessoa
 
Valores humanos
Valores humanosValores humanos
Valores humanos
 
Projeto Educação e Valores
Projeto Educação e ValoresProjeto Educação e Valores
Projeto Educação e Valores
 
Projeto gentileza gera gentileza
Projeto gentileza gera gentilezaProjeto gentileza gera gentileza
Projeto gentileza gera gentileza
 
atividade 2 maria vai com as outras
atividade 2 maria vai com as outrasatividade 2 maria vai com as outras
atividade 2 maria vai com as outras
 
Projeto Valores para a vida
Projeto Valores para a vidaProjeto Valores para a vida
Projeto Valores para a vida
 
Projeto animais da fazenda 2 anos 2014
Projeto animais da fazenda 2 anos 2014Projeto animais da fazenda 2 anos 2014
Projeto animais da fazenda 2 anos 2014
 
Projeto didático valores humanos
Projeto didático valores humanosProjeto didático valores humanos
Projeto didático valores humanos
 
Projeto EducaçãO E Valores
Projeto EducaçãO E ValoresProjeto EducaçãO E Valores
Projeto EducaçãO E Valores
 
PROJETO INCLUSÃO E SOLIDARIEDADE, QUANDO INCLUIR É AMAR
PROJETO INCLUSÃO E SOLIDARIEDADE, QUANDO INCLUIR É AMARPROJETO INCLUSÃO E SOLIDARIEDADE, QUANDO INCLUIR É AMAR
PROJETO INCLUSÃO E SOLIDARIEDADE, QUANDO INCLUIR É AMAR
 
HISTÓRIA INFANTL:Conte comigo amigo
HISTÓRIA INFANTL:Conte comigo amigoHISTÓRIA INFANTL:Conte comigo amigo
HISTÓRIA INFANTL:Conte comigo amigo
 
História infantil- A Amizade
História infantil- A AmizadeHistória infantil- A Amizade
História infantil- A Amizade
 
O que cabe no meu mundo
O que cabe no meu mundoO que cabe no meu mundo
O que cabe no meu mundo
 
17302200 Espiritismo Infantil Historia 63
17302200 Espiritismo Infantil Historia 6317302200 Espiritismo Infantil Historia 63
17302200 Espiritismo Infantil Historia 63
 
"Encanto dos bichos" parte do livro digitalizado
"Encanto dos bichos" parte do livro digitalizado"Encanto dos bichos" parte do livro digitalizado
"Encanto dos bichos" parte do livro digitalizado
 
O demonio familiar
O demonio familiarO demonio familiar
O demonio familiar
 
Plano de aula acentuacao
Plano de aula acentuacaoPlano de aula acentuacao
Plano de aula acentuacao
 

Semelhante a 4 projetos sobre bondade, amizade, gratidão e fraternidade

Slaides contos infantis na pré escola
Slaides contos infantis na pré escolaSlaides contos infantis na pré escola
Slaides contos infantis na pré escolaanaparecidaraca
 
Nx zero e chapeuzinho[1]
Nx zero e chapeuzinho[1]Nx zero e chapeuzinho[1]
Nx zero e chapeuzinho[1]sallesz
 
Oficina de leitura atividades
Oficina de leitura   atividadesOficina de leitura   atividades
Oficina de leitura atividadesJunior Pereira
 
Oficina de leitura atividades
Oficina de leitura   atividadesOficina de leitura   atividades
Oficina de leitura atividadesMeire Lopes
 
Bondade e caridade 2015
Bondade e caridade   2015Bondade e caridade   2015
Bondade e caridade 2015Alice Lirio
 
Fadas e Borboletas
Fadas e BorboletasFadas e Borboletas
Fadas e BorboletasGraça Sousa
 
Atividades férias
Atividades fériasAtividades férias
Atividades fériassibelems
 
A gritadeira + atividades
A gritadeira + atividades A gritadeira + atividades
A gritadeira + atividades LuciaFrana4
 
projeto nossos amigos, os animais
projeto nossos amigos,  os animaisprojeto nossos amigos,  os animais
projeto nossos amigos, os animaissimonennascimento
 
Retalhos de historias e memorias
Retalhos de historias e memoriasRetalhos de historias e memorias
Retalhos de historias e memorias10-09-61
 
Mascotes da turma - 4.º A
Mascotes da turma - 4.º AMascotes da turma - 4.º A
Mascotes da turma - 4.º Aprofigor
 
Sapo apaixonado power point
Sapo apaixonado   power pointSapo apaixonado   power point
Sapo apaixonado power pointmsantosbarracosa
 
Ficheiro lp casos de ortografia
Ficheiro lp casos de ortografiaFicheiro lp casos de ortografia
Ficheiro lp casos de ortografiaIsa Crowe
 

Semelhante a 4 projetos sobre bondade, amizade, gratidão e fraternidade (20)

Slaides contos infantis na pré escola
Slaides contos infantis na pré escolaSlaides contos infantis na pré escola
Slaides contos infantis na pré escola
 
Nx zero e chapeuzinho[1]
Nx zero e chapeuzinho[1]Nx zero e chapeuzinho[1]
Nx zero e chapeuzinho[1]
 
A gritadeira
A gritadeiraA gritadeira
A gritadeira
 
A gritadeira
A gritadeiraA gritadeira
A gritadeira
 
Oficina de leitura atividades
Oficina de leitura   atividadesOficina de leitura   atividades
Oficina de leitura atividades
 
Oficina de leitura atividades
Oficina de leitura   atividadesOficina de leitura   atividades
Oficina de leitura atividades
 
Textos alunos para jornal (1)
Textos alunos para jornal (1)Textos alunos para jornal (1)
Textos alunos para jornal (1)
 
Textos a pares
Textos a paresTextos a pares
Textos a pares
 
Bondade e caridade 2015
Bondade e caridade   2015Bondade e caridade   2015
Bondade e caridade 2015
 
Fadas e Borboletas
Fadas e BorboletasFadas e Borboletas
Fadas e Borboletas
 
Atividades férias
Atividades fériasAtividades férias
Atividades férias
 
Adivinhe o que_e_folclore_web
Adivinhe o que_e_folclore_webAdivinhe o que_e_folclore_web
Adivinhe o que_e_folclore_web
 
A história do pinda
A história do pindaA história do pinda
A história do pinda
 
A gritadeira + atividades
A gritadeira + atividades A gritadeira + atividades
A gritadeira + atividades
 
projeto nossos amigos, os animais
projeto nossos amigos,  os animaisprojeto nossos amigos,  os animais
projeto nossos amigos, os animais
 
Retalhos de historias e memorias
Retalhos de historias e memoriasRetalhos de historias e memorias
Retalhos de historias e memorias
 
Ensino religioso 2
Ensino religioso 2Ensino religioso 2
Ensino religioso 2
 
Mascotes da turma - 4.º A
Mascotes da turma - 4.º AMascotes da turma - 4.º A
Mascotes da turma - 4.º A
 
Sapo apaixonado power point
Sapo apaixonado   power pointSapo apaixonado   power point
Sapo apaixonado power point
 
Ficheiro lp casos de ortografia
Ficheiro lp casos de ortografiaFicheiro lp casos de ortografia
Ficheiro lp casos de ortografia
 

Último

HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024SamiraMiresVieiradeM
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 

Último (20)

HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 

4 projetos sobre bondade, amizade, gratidão e fraternidade

  • 1. 4 projetos sobre bondade, amizade, gratidão e fraternidade 1-Tema da aula: Bondade Contar a história e ao final fazer a dobradura da joaninha e da sombrinha dela. Dobradura da joaninha: dois círculos vermelhos dobrados ao meio serãoas asinhas. Desenhar os detalhes: anteninhas, perninhas e bolinhas das asas. Dobradura da sombrinha fechada: dobrar um círculo 2 ou 3 vezes. Colar no papel com a ponta para baixo e desenhar o cabo da sombrinha e a ponteira com lápis de cor. História Dona Joaninha e as abelhas Era uma vez um lindo jardim onde moravam muitos insetos: abelhas, mosquitos, besouros, joaninhas, borboletas, etc. Todos viviam em suas casas muito felizes. Havia nesse jardim a casa de uma família onde ninguém parava de trabalhar. Era a casa das abelhas. Dona Joaninha, que morava numa linda folha de árvore, não se cansava de admirar o vai-e-vem constante de suas amigas. Numa linda manhã, Dona Joaninha colocou sua roupa nova, abriu sua sombrinha para proteger-se dosol e saiu para seu passeio por entre as flores. Encontrou uma abelha pousada em uma flor e começaram a conversar. -Como você está apressada Dona Abelha! Vamos conversar um pouco? -Não posso, disse a Abelha, tenho que levar o néctar dessa flor para fabricar o mel.
  • 2. -Mel? perguntou a Joaninha. -É sim, disse a Abelha, nós recolhemos o néctar das flores, levamos para a nossa casa que é a colméia e lá fabricamos o mel. -Muito interessante, disse a Joaninha, quanto mais você fala nesse mel, mais vai me dando uma vontade de experimentar! -Bem, não seja por isso, Dona Joaninha! Vamos até a colméia e lhe darei um pouquinho de mel. Assim as duas amigas voaram até a colméia. Lá chegando, logo perceberam que a Joaninha não tinha onde carregar o mel. Rapidamente a Abelha disse: -Vire sua sombrinha e eu colocarei um pouco aí dentro. Assim fazendo, Dona Joaninha recolheu o mel na sombrinha, sentou-se debaixo de uma árvore e começou a saborear o delicioso alimento produzido pelas abelhas. E como ela não era gulosa, guardou um pouco para comer nos dias seguintes, como sobremesa. ======================================================= ==== 2-Projeto Amizade OBJETIVO GERAL: Nos não vivemos sozinhos. Alem das pessoas da nossa família existem outras que merecem nosso carinhos e amizade. OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Dizer quem são nossos amigos e como devemos trata-los. INCENTIVO INICIAL: Levar um pequenocartas que contenha figuras de animais invertebrados, principalmente insetos como besouro, joaninha, gafanhoto, etc.; para que os alunos saibam diferencia-los e dizer que são quase todos da mesma família porque soa parecidos.
  • 3. DESENVOLVIMENTO DA AULA: Dizer aos alunos que alem de nossa família existem crianças que brincam juntas na rua ou que freqüentam a mesma escola, que convivem conosco. Estes são nossos amigos e devemos sempre trata-los com boas maneiras, com carinho, fazer pequenos favores e não brigar. Narrar a historia: O Besouro invejoso SUGESTAO DE ATIVIDADES: Pintura e colagem. O BESOURO INVEJOSO Vocês já foram passear na roça? Vocês já viram que `a noite , em alguns lugares escuros há um bichinho que tem luz muito bonita? Ah! E o vaga-lume. Pois bem, da janela de sua toca, o besouro fungava aborrecido, olhando a lanterna verde que o vaga-lume acabara de acender. Quanto brilhava! Parecia uma pequenina estrela caída do céu. Tãolinda! O besouro era assim. Sempre queria ser igual aos amigos, aos vizinhos, aos parentes. Quando o gafanhoto comprou uma casaca verde e apareceu todo bonito na festa dos bichinhos, ele ficou de boca aberta – querendo ser como o gafanhoto. Voltou para casa aborrecido e tristonho. O que aconteceu – perguntou-lhe a mulher. Ele não respondeu e foi dormir todo zangado. O mesmo aconteceu quando ele ouviu o canarinho cantando. Que voz linda. – pensava ele. – E eu não sou capaz de fazer um assobio. E assim, sempre querendo ser como os outros, era um besouro triste. Mas, o que mais irritava mesmo era o vaga-lume, pois, pensava ele: O vaga-lume não e um bichinho como eu? Por que tem ele aquela lanterna verde tão bonita e eu não tenho? De tanto se aborrecer com isso, o besouro resolveu abandonar tudo e ir morar sozinho na floresta. Mas ele ia tão afobado, tão raivoso, que não vendo os galhos secos de uma arvore, estes lhe feriram os olhos.
  • 4. Ah! Que dor nos lhos! Quase não vejo nada... Como poderei caminhar? E ficou parado por instantes quando ouviu uma vozinha: Que bichinho bonito, como ele tem as patas bem feitas. São tão bonitinhas as sua patas! Como e o seu nome? Mas, o besouro com olhinhos machucados não viu a formiga e como a formiga havia falado em bichinho bonito, ele não pensou que fosse com ele. Fale o seu nome, eu sou a formiguinha. Esta falando comigo? Eu me chamo besouro. Machuquei os olhos nestes galhos. Espere um pouco, vou buscar água fresquinha para banha-lo e num instante ficara bom. Enquanto ele esperava, ouviu outra voz: Que bichinho interessante! Tão bonitinho! Ele tem o corpo coberto por uma capa preta! Isso não e capa preta, são minhas asas... Ah! Você tem asas! Pode voar. Oh! Como você e feliz! Enquanto isso, a formiguinha já tinha chegado. Lavou os olhos do besouro, pôs uma pomadinha e ele passou a enxergar bem. Pode ver, então, que quem falava com ele era a minhoca. E olhando ao seu redor viu tantos bichinhos... uns pequenos, outros rastejando pelo chão, e, apesar de tudo viviam felizes. Começou a pensar... olhou para as sua patinhas... tão bem feitas. Olhou para suas asas fortes... sem elas nunca poderia voar. E tão depressa... E o besouro continuou pensando: - Estes bichinhos não tem nada disso e vivem contentes, nem ficam irritados por não serem como eu sou... Ah! Eu também vou procurar viver alegre com o que eu tenho e não ficarei mais triste com a beleza do vaga-lume, nem de bicho algum. ======================================================= =====
  • 5. 3-Tema Gratidão Gratidão (aceitar as coisas que nos apresentam) Nina, a tartaruguinha Nina estava triste. Por causa de sua casca não podia brincar com os coelhinhos. Fez força e saiu da casca. Saiu pulando contente! Mergulhou no lago, mas veioum peixe e mordeu seu rabinho. Ela deu um pulo para fora do lago e caiu bem em cima de um porco espinho... Estava toda molhada! Sentiu frio e entrou dentro de um sapato velho para se aquecer. Veio a chuva e o sapato encharcou. Nina sentiu saudade de sua casca. saiu a procura mas... tinha um gato morando lá. __ Ei essa é minha casca, disse a tartaruguinha. O gato se assustou e caiu com as pernas para cina, não conseguindo desvirar, saiu correndo e abandonou a casca da tartaruguinha alí mesmo. Nina entrou de novo na casca e falou que nunca mais queria sair dali. Fraternidade (sei repartir o que me pertence). ======================================================= =======
  • 6. 4-Tema Fraternidade OBJETIVO: A criança deverá se sensibilizar para adotar atitudes generosas, pois a fraternidade com lei universal, é virtude que devemos cultivar. Incentivação Inicial Apresentando a figura em forma de fantoche de vareta, conversar com as crianças: - Vocês sabem quem é esta menininha? É a Joaninha. Ela tem 4 anos. Hoje ela está triste, triste. Quem quer perguntar por que ela está chorando? (Se nenhuma criança perguntar sozinha, pedir que todos perguntem juntos: por que você esta chorando Joaninha?) colocando o fantoche à frente do rosto responde: Porque a Maria Helena não gosta de mim. Vamos ouvir a estória da: Joaninha e da Maria Helena Joaninha era uma menina que morava numa casinha lá no alto do morro, e sua mamãe – D.Maria era lavadeira. Ela lavava roupas nas casas dos outros para ganhar dinheiro e comprar comida. Um dia D. Maria saiu para trabalhar e levou Joaninha. Ela ia lavar roupa na casa do Dr. Arnaldo, que morava numa casa muito bonita, lá no centro da cidade. Quando D.Maria chegou, Maria Helena – filha do Dr. Arnaldo estava passeando com um carrinho de boneca no jardim - que linda a sua bonequinha, posso pegar? Perguntou Joaninha. - Ah, não! Está é a minha boneca nova, só eu posso brincar com ela.
  • 7. - Vem cá Joaninha – falou D. Teresa, a mãe de Maria Helena. – eu tenho umas balas muito gostosas que guardei para você. Sabia que eu gosto muito de você. O dia passou. À tardinha D.Maria e Joaninha foram embora. Na hora de sair, Joaninha deu adeus paraa Maria Helena, sorrindo. Mas a menina que estava na janela com a mãe,virou o rosto e não respondeu. Só D.Teresa, acenou com a mão, falando bem alto: - Até amanhã, Joaninha! Até manha D.Maria: D.Teresa olhando triste para a filha, falou: - Você foi indelicada com aquela menininha, Maria Helena. Ela é tão boa! Ela gostou tanto da sua bonequinha e você não a deixou pegar nem um pouquinho! E ela tem um coração muito grande que cabe todo mundo. E o seu, minha filha é pequenino, pequenino...que não cabe nem uma amiguinha. Passou-se o tempo. Maria Helena um dia ficou doente, muito fraquinha, sem conseguir andar. Não podia sair de casa e tinha que ficar o dia inteirinho na cama ela estava muito triste e queria tanto uma amiga para brincar. Então que surpresa!...Paradinha na porta,com vergonha de entrar, Joaninha perguntou: - Você quer que eu brinque com você Maria Helena? - Ah, que bom que você veio, Joaninha! Eu pedi a D.Maria para trazer você. Vamos brincar de casinha aqui na cama? Você vai trazendo os brinquedos para nós. E as meninas brincaram o dia inteiro Na hora de despedir, Maria Helena, bem pertinho de Joaninha, lhe falou: - Você é a minha melhor amiguinha, por causa do seu coração tão bom! Eu também quero ter um coração bonito assim como o seu! Agora feche os olhos que eu tenho uma surpresa para você.
  • 8. E assim dizendo, Maria Helena colocou nas mãos de Joaninha a boneca nova É para toda vida. Pode levar e amanhã bem cedinho volta pra gente brincar? - Esta boneca é para mim? Está bem novinha muito obrigada, respondeu Joaninha. E as duas amigas se abraçaram, muitos alegres. D.Teresa e D. Maria também estavam felizes, vendo como era tão amiguinhas suas filhinhas queridas! Fixação: - Distribuir para cada criança as figuras de Joaninha e pedir que eles pintem ou façam colagem em seu cabelinho. Distribuir para cada criança a figura da boneca em cartolina, para colagem dos braços de Joaninha. Você poderá ainda preparar a boneca com corpo de bala para repartir com as crianças, lembrando mais uma vez a atitude fraternal da menina. Plano de Aula Pronto do Livro "Maria-vai-com-as-outras" Este plano de aula tem como objetivos trabalhar a identidade e a autonomia na educação infantil. As atividades também podem ser incrementadas ainda mais, basta usar sua criatividade. Espero que
  • 9. gostem! Tema do Plano de Aula: Construindo nossa própria identidade Livro trabalhado: “Maria Vai Com as Outras” de Sylvia Orthoff. Justificativa Trabalhar com a história 'Maria Vai Com as Outras', o que possibilitará mostrar para as crianças que cada um tem a sua própria identidade, a sua opinião e que não podemos fazer as coisas que os outros fazem sem pensar/questionar se isso é bom para a gente ou não. Objetivos gerais - Despertar nos alunos o gosto pela literatura. - Estimular a criatividade e o imaginário. - Refletir sobre a identidade (Quem sou eu?) 1º Momento: Leitura do poema 'Identidade' de Pedro Bandeira. Outra sugestão: 'O nome da gente', também de PedroBandeira. Na rodinha, conversar sobre os poemas e sobre a Identidade de cada criança.
  • 10. 2º Momento: Leitura do livro Maria Vai Com as Outras – Sylvia Orthoff Após contar a história “Maria Vai Com as Outras”, conversar sobre as atitudes de Maria. Por que Maria acompanhava tudo o que as outras ovelhas faziam? O que aconteceu para Maria parar de acompanhar tudo o que as outras ovelhas faziam? Você acompanha tudo o que seus colegas fazem? 3º Momento: Jogo de boliche. Construir um boliche com garrafa pet, usando um desenho de ovelha colado na garrafa. Regras: Formar equipes para jogar (equipe A,B,C e D). Jogar a bola para derrubar os pinos/ovelhas; Elaborar um gráfico, com as quantidades de pontos obtidos por cada criança /ou equipe. Vencerá a criança/ou equipe que obtiver mais pontos. 4º Momento: Teatro/Dramatização/Fantoches/livro de eva Fazer a dramatização da história “Maria Vai Com as Outras” usando fantoches, dedoches, aventais de histórias ou outro recursos que preferir.
  • 11.
  • 12. 5º Momento: Finalização com oficina de sucata Uma linda sugestão é fazer com sua turma ovelhinhas na garrafa pet e encher de guloseimas ou pipoca. Depois da festa, a ideia ainda serve como porta trecos. Modo de fazer a ovelhinha de garrafa pet: Para fazer a ovelhinha da imagem você irá precisar de uma garrafa descartável cortada na altura que você quiser, EVA atoalhado branco, EVA comum marrom (para as patinhas) e EVA cor da pele (para a carinha). Para que o EVA contorne certinho a garrafa, corte no tamanho correto e vá colando e moldando com as mãos bem apertado ao redor da garrafa. Cole com cola quente. Logo após cole as patinhas e a cabeça. E para finalizar faça a carinha da ovelha (o nariz, a boquinha e os olhos), passe um pouco de blush rosa nas bochechas, e se quiser coloque lacinhos nas orelhas. Dica: Você também pode reaproveitar outros materiais reciclados para confeccionar lembrancinhas como caixas de todynho, copos de danoninho e outros.
  • 13. OUTRAS SUGESTÕES: 1-Cartaz da história em EVA 2- Ovelha de pipoca para pendurar
  • 14. Você vai precisar de: Cartolina ou papel cartão, pipoca branca, fita, cola Como fazer: Desenhar e cortar uma cabeça da ovelha, corpo e pernas para fora da cartolina ou papel cartão. Cole a cabeça e as pernas no corpo. Espalhe uma fina camada de cola branca escolar sobre o corpo da ovelha. Polvilhe pipoca branca sobre o corpo e deixe secar. Use a fita para criar um gancho e laço para decorar a ovelha. 3- Saco de pipoca com rosto de ovelha
  • 15. Para fazer uma ovelhinha porta pipoca você vaiprecisar:  Uma sacola plástica transparente  Uma cabecinha de isopor (faça também com EVA ou tampinha pintada, papelão...)  Fita para o lacinho  Pipoca  e detalhes em EVA. 4-Você também pode montar um livro da história em papel, eva ou feltro.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20. AVALIAÇÃO: Acompanhar atentamente o envolvimento dos alunos no decorrer das atividades propostas,dos jogos, brincadeiras e apresentação teatral. Extra: Dinâmicas e Brincadeiras 1- Ovelha e Pastor Local espaçoso Objetivo: O pastor alcançar a ovelha. Regras: Formar uma roda de mãos dadas. A ovelha fica no centro e o pastor de fora. Dado o sinal o pastor deverá pegar a ovelha. A roda deverá dificultar a passagem do pastor e facilitar a passagem da ovelha. Só vale usar para escapar a ajuda da roda ao sair e entrar nela. Quando a ovelha é agarrada, esta vai para a roda, o pastor vira ovelha e escolhe- se outro pastor. Termina quando acabar o interesse. ---------------------------------------------------------------------------------------------- -- 2- Brincadeira da Ovelha perdida Uma criança é escolhida e seus olhos vendados. Uma vara é colocada em sua mão, enquanto os outros formam um círculo ao seu redor. O cego vaiapontando com a sua vara e pergunta: “você é a minha ovelha perdida?” A pessoa apontada deve pegar a vara e levá-la pertoda sua boca e emitir um balido, disfarçando a voz, mas se for reconhecida deverá tomar o lugar do cego. Cada vez que isto acontece, os jogadores mudam de lugar para não ser reconhecida a sua posição.
  • 21. Projeto Valores - Amizade A fábula do porco-espinho Durante a era glacial, muitos animais morriam por causa do frio. Os porcos-espinhos, percebendo a situação, resolveram se juntar em grupos, assim se agasalhavam e se protegiam mutuamente, mas os espinhos de cada um feriam os companheiros mais próximos, justamente os que ofereciam mais calor. Por isso decidiram se afastar uns dos outros e voltaram a morrer congelados, então precisavam fazer uma escolha: Ou desapareceriam da Terra ou aceitavam os espinhos dos companheiros. Com sabedoria, decidiram voltar a ficar juntos. Aprenderam assim a conviver com as pequenas feridas que a relação com uma pessoa muito próxima podia causar, já que o mais importante era o calor do outro. E assim sobreviveram. Moral da História A melhor amizade não é aquela que une pessoas perfeitas, mas aquela onde cada um aprende a conviver com os defeitos do outro, e admirar suas qualidades. --------------------------------------------------------------------------------- Reflexões orais e escritas sobre a história: Leia a fábula e responda : 1- O que os porcos-espinhos fizeram para sobreviver? 2-Faça uma comparação da moral da história com sua realidade: 3-Qual era o defeito dos porcos-espinhos ? 4-Qual era a qualidade dos porcos-espinhos?
  • 22. 5-Vamos falar de nossos defeitos e qualidades! 6- Será que sabemos conviver com pequenas feridas que a relação com uma outra pessoa próxima pode causar? Que pequenas feridas são essas,comparando ao nosso grupo? 7- Que lição tiramos dessa fábula? Plano de Aula - Fábula O Pastorzinho e o Lobo FÁBULA: O PASTORZINHO E O LOBO OBJETIVOS: • Retomar e aprofundar o trabalho com o gênero textual fábula. • Favorecer a reescrita de um textoconhecido. • Retomar e aprofundar o trabalho com uso do dicionário 1º MOMENTO: Formar 5 círculos com grupos de 4 alunos. Apresentar aos alunos, em uma faixa, o nome da fábula: O Pastorzinho e o Lobo A partir do título, fazer uma sondagem: • o que faz um pastor;
  • 23. • onde poderá acontecer esta história; • quem serão as personagens; • o que irá acontecer na história; • qual será o final da história para o Pastorzinho; • qual será o final para o Lobo; • qual o gênero textual que estaremos trabalhando; • Quais as outras fábulas conhecem e já estudamos; • Quais as características de uma fábula. 2º MOMENTO: Apresentar a leitura em xerox , para leitura individual e silenciosa. 3º MOMENTO: Leitura pelo professor. 4º MOMENTO: Solicitar que alguns alunos façam a leitura, acompanhando os demais. 5º MOMENTO: Realização da atividade de escrita, conforme Xerox. 6º MOMENTO: Preparar para reconto e reescrita na 6ª feira. Lá para aqueles lados, na ilha de Samos, na Grécia, havia um menino chamado Pedro. Sua tarefa diária era levar a ovelhada para pastar e, à noitinha, recolher e guiar o re anho para o morro. Ali, o menino juntava-se a outros pastores e descansavam. Dia após dia... tudo se repetia. As ovelhas, o cão, os pastores. Tudo igual, tudo igual. Que monotonia! Num certo dia, o menino repentinamente gritou: ____ Looooooobo! Loooooooooobo! Todos largaram seus afazeres e armados de paus correram em direção aos gritos do menino. O cão que guardava as ovelhas num sobressalto agitou-se e rosnou. As ovelhas baliram desesperadamente. Os homens perguntaram ao menino: ___ Onde está ele? É feroz? Está faminto? Pedro, perspicaz, respondeu: ___ Era muito grande, enorme! Amarelo-amarronzado! Eu o despistei! Eu o afugentei! Todos, muito agradecidos, saudaram o pastorzinho. Mas no dia seguinte... As nuvens continuavam passeando calmamente, as ovelhas mastigando, o cachorro ressonando ao sol, as poucas pessoas do vilarejo caminhando lentamente de cá para lá, de lá para cá...
  • 24. ____ Looooooobo! ___ o menino gritou bem alto. A ovelhada baliu, o ovelheiro latiu, o povo todo subiu o morro, munido de pedaços de paus. ____ Cadê ele? Cadê? ____ Olharam ao redor e nada viram. Homens e mulheres voltaram aos seus afazeres, desconfiados e pensativos. Após alguns dias, o menino resolveu divertir-se novamente. Gritou com todas as letras e bem mais alto: ____ Loooooooooooooooooooobo! Loooooooooooobo! As ovelhas continuaram mastigando, as nuvens passeando calmamente, o cão ressonou em sonhos tranqüilos. Ninguém se moveu. De repente, com um movimento brusco, o cachorro rosnou, seus pelos arrepiaram-se e as orelhas ficaram em pé. As ovelhas, amedrontadas, agitaram- se e tentaram se agrupar. O menino viu um grande e ameaçador lobo amarelo-amarronzado. O lobo se aproximou, chegou mais perto, mais pertoe o menino gritando: ____ Lobo! Lobo! Socorro! Lo... Nada aconteceu. Ninguém apareceu. O menino correu para cima de uma árvore, o cachorro fugiu e as ovelhas... as ovelhas viraram alimento de lobo. No dia seguinte, não havia ovelha para contar a história, só o menino que lá de cima da árvore soluçava: ___ Nunca mais vou gritar lobo! Nunca mais! Texto recontado pelas autoras, a partir de Esopo. I – PROCEDIMENTOS DE LEITURA Descritor: Localizar informações explícitas em um texto. 1. Releia o primeiro parágrafo do textoe responda: a) Que personagem é apresentada? b) O que faz essa personagem? c) Onde se passa a história? Descritor: Inferir o sentido de uma palavra ou expressão. 2. Releia o segundo parágrafo. “Dia após dia... tudo se repetia. As ovelhas, o cão, os pastores. Tudo igual, tudo igual. Que monotonia!” Que expressões desse trechocombinam com o significado da palavra monotonia? (___) tudo se transformava (___) todo dia uma surpresa (___) cada uma fazia uma coisa
  • 25. (___) tudo se repetia Descritor: Inferir uma informação implícita em um texto. “Todos largaram seus afazeres e armados de paus correram em direção aos gritos do menino.” A palavra “afazeres” quer dizer: (___) alimento (___) trabalho (___) brincadeira (___) tipo de agrado Descritor: Identificar o tema de um texto. Este textofala sobre: (___) um lobo que gostava de caçar ovelhas (___) um pastor que mentiu para brincar com os outros (___) uma ovelha que correu do lobo (___) um pastor que não gostava de ovelhas II – IMPLICAÇÕES DO SUPORTE, GÊNERO E/OU ENUNCIADOR NA COMPREENSÃO DO TEXTO. Descritor: Identificar a finalidade de textos de diferentes gêneros. O texto“O pastorzinho e o lobo” procura ensinar que: (___) Os pastores cuidam bem das ovelhas e as deixam pelos campos (___) As ovelhas têm medo de pastor (___) As pessoas que têm o hábito de mentir ficam desacreditadas (___) O lobo é amigo do pastor III – COERÊNCIA E COESÃO NO PROCESSAMENTO DO TEXTO Descritor: Identificar o conflito gerador do enredo e os elementos que constroem a narrativa. No texto, acontece um fato novo que quebra a monotonia. a) Que fato foi esse? Descritor: Estabelecer relação causa/conseqüência entre partes e elementos do texto. b) A partir desse fato, qual foi a reação: • das ovelhas? • Do cachorro? • Das pessoas do vilarejo? Descritor: Inferir uma informação implícita em um texto. Va mos relembrar a reação das pessoas da aldeia quando o pastorzinho gritou
  • 26. lobo pela segunda vez. “Cadê ele? Cadê? ___ Olharam ao redor e nada viram. Homens e mulheres voltaram aos seus afazeres, desconfiados e pensativos”. Agora responda: Por que homens e mulheres ficaram desconfiados e pensativos? IV – RELAÇÕES ENTRE RECURSOS EXPRESSIVOS E FEITOS DE SENTIDO. Descritor: Identificar o efeito de sentido decorrente do uso da pontuação e de outras notações. No final da história, o menino resolveu divertir-se novamente e “gritou com todas as letras e bem mais alto: ___ Loooooooooobo! Looooooooooooobo!” A repetição da letra “o” foi usada nesse textopara indicar: (___) lobo escreve com “o” (___) a fala do personagem (___) que o pastor estava gritando para todos ouvirem (___) a emoção do pastor Das morais abaixo, marque aquela que mais A fábula O pastorzinho e o lobo apresenta: (___) Não faça para os outros aquilo que você não quer que lhe façam. (___) Devagar se vaiao longe. (___) Quem tudo quer, tudo perde. (___) Ninguém acredita em um mentiroso, mesmo quando ele diz a verdade. Projeto viajando na sacola mágica da leitura
  • 27. APRESENTAÇÃO Visando aperfeiçoar e valorizar o cidadão através das linguagens artística, literária e histórica, a partir da compreensão do seu papel enquanto sujeito histórico, o projeto enfoca o ato de ler como ponto de partida para a construção do pensamento lógico, com isso, possibilitando a capacitação do aluno em construir suas relações diante do mundo. Trata-se de um projeto de prática de leitura onde os alunos levarão para casa uma sacola contendo alguns livros de estórias infantis e um caderno de registro, onde terão que registrar e recontar a estória lida; usando escrita, colagem, desenhos e tudo que a imaginação mandar. Depois, cada aluno apresentará sua criação aos colegas JUSTIFICATIVA: As estórias estão presentes em nossa cultura há muito tempo e o hábito de contá-las e ouvi-las tem inúmeros significados. Está relacionado ao cuidado afetivo, à construção da identidade, ao desenvolvimento da imaginação, à capacidade de ouvir o outro e à de se expressar. Além disso, a leitura de estórias aproxima a criança do universo letrado e colabora para a democratização de um de nossos mais valiosos patrimônios culturais: a escrita. Por isso, é importante favorecermos a familiaridade das crianças com as estórias e a ampliação de seu repertório. Isso só é possível por meio do contato regular dos pequenos com os textos, desde cedo, e de sua participação frequente em situações diversas de conto e leitura. Sabe-se que os professores são os principais agentes na promoção dessa prática – e a escola, o principal espaço para isso. Esse projeto visa fazer com que o aluno tenha prazer em ler e consiga transmitir ao outro o que leu. Assim, o livro deve ser mostrado e abertocom dimensão do prazer e da alegria, para que o aluno perceba que ler é uma viagem maravilhosa e não apenas mais uma das atividades de escola. PÚBLICO-ALVO Todos os alunos do ensino fundamental. OBJETIVOS:
  • 28. • Proporcionar situações de leitura compartilhada. • Aproximar os alunos do universo escrito e dos portadores de escrita (livros e revistas) para que eles possam manuseá-los, reparar na beleza das imagens, relacionarem textoe ilustração, manifestar sentimentos, experiências, ideias e opiniões, definindo preferências e construindo critérios próprios para selecionar o que vão ler. • Fazer com que construam o hábito de ouvir e sentir prazer nas situações que envolvem a leitura de estórias. • Familiarizá-los com estórias e ampliar seus repertórios. • Participação em situação de conto e leitura de estórias. • Escuta atenta e interessada de estórias. • Observação e manuseio de livros. • Desenvolver no aluno a facilidade de se expressar em público, inicialmente, perante aos colegas de sala. METODOLOGIA BÁSICA Haverá uma sacola com diferentes livros de estórias e um caderno de registros. Os alunos, que serão sorteados, levarãoa sacola para casa, por três dias. O aluno deverá ler um ou mais livros da sacola e depois fazer um registrono caderno, que poderá ser através da escrita, de desenhos, montagem, colagem ou alguma outra forma criativa que ele preferir. Depois, na sala de aula, o aluno poderá apresentar para os colegas o livro que leu e o seu registro. Também poderá ser apresentado na forma teatral, se o aluno quiser. CONTEÚDO DOS TRABALHADOS • Português – literatura através da leitura e do registroque ele terá que fazer. • Produção textual – o aluno poderá produzir outros textos usando o que foi lido, em forma de poesia, narrativa e teatro. CRONOGRAMA • Durante todo o ano letivo AVALIAÇÃO Ocorrerá durante todo o processo, a partir da observaçãodireta das atitudes do aluno-leitor no seu cotidiano, e da avaliação de leitura e interpretação de texto do aluno, no dia-a-dia
  • 29. Construindo regrinhas em sala de aula A Laranjeira Dados da Aula O que o aluno poderá aprender com esta aula · Organizar o trabalho e os tempos em sala de aula. · Construir os combinados da sala · Desenvolver noções de respeito e amizade · Levar a criança a se expressar oralmente e plasticamente · Construir aprendizado sobre plantio e cuidado de sementes Duração das atividades 5 horas aulas Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno. O professor pode trabalhar algumas noções de respeito e normas de convivência. Estratégias e recursos da aula Introdução: Todo início de ano letivo as crianças necessitam reconstruir alguns combinados importantes para a organização do tempo e do espaço na sala de aula. Tais combinados auxiliarão no processo educativo e por isso também trarão rebatimento na aprendizagem das crianças, porém é importante que elas possam falar sobre eles e participarem da construção dos mesmos. Primeiro Momento: Leve para a sala de aula uma história para estimular o debate e esquentar a discussão. A sugestão é o livro “A laranja Colorida” Autor: Ronaldo Simões Coelho, Ed. Lê. O livro conta a história de duas crianças que admiravam um pé de laranjas carregado de laranjas e que pensavam em dividir a laranja mais bonita do lugar. A laranja desejada gostou da ideia e fez de tudo, até se disfarçou, para que os pássaros não a encontrassem só para se guardar para o dia em que seria partilhada pelas crianças. Disfarçou-se tanto que quase não foi percebida no dia tão especial da partilha! Ainda bem que uma chuvinha a ajudou e deu tudo certo.
  • 30. Numa rodinha de conversa – todas as crianças assentadas em círculo a fim de que possam se ver simultaneamente - leia a história para as crianças e proponha um debate. Converse com elas sobre o desejo da laranja de ser partilhada e seu empenho em se disfarçar para chegar o grande dia. Pergunte às crianças o que acham da atitude das borboletas em ajudar a laranja a se disfarçar. Construa um textocoletivo com as respostas das crianças. Escreva o textoem letra caixa alta num cartaz grande e peça que as crianças façam a ilustração. Segundo Momento: Combine com as crianças de levarem laranjas para dividir entre os colegas E as convide a plantar as sementinhas na escola. Nesse dia leve para a sala a réplica da obra de arte: Nove papagaios em uma laranjeira de Lucy Autrey Wilson, para que as crianças façam uma releitura da imagem. A releitura pode ser feita com tinta guache e papel sulfite e os desenhos devem ser expostos no varal da sala a fim de serem apreciados por todos da turma. Terceiro Momento: Como todos concordaram em plantar as sementinhas de laranja, proponha então esse momento perguntando: Como se planta uma semente?. Muitas hipóteses surgirão e você professor então leva a informação de que para plantar é preciso adubar a terra primeiro e preparar a cova do plantio. É claro que os materiais para esse preparo já devem ter sido organizados por você anteriormente. Faça o plantio com as crianças e comecem um ciclo de observação dessa semente. Caso o professor queira, pode ainda trabalhar a poesia: Laranjeira Baltazar de Godoy Moreira (SP 1898) Poeta, contista, professor, pedagogo. Uma linda sementinha Em meu quintal descobri Alva! Macia, limpinha! – Minha linda sementinha Que posso fazer de ti? Faze uma covinha rasa Com boa vontade e amor, No quintal de tua casa, Onde haja luz e calor. Deixa-me lá, por favor. Um dia quando tu fores moça, formosa e faceira. Tereium tronco encorpado, e uma ramada altaneira. Cheia de frutos e flores Então, com maior agrado Darei para o teu noivado, Os botões de laranjeira Depois do plantio da semente construa com as crianças a linha do tempo com os seguintes dados Ex.: DATA DO PLANTIO /OBSERVAÇÃO DO CRESCIMENTO /OBSERVAÇÃO DO CRESCIMENTO
  • 31. 12/_____________20/__________________30/________________ __ A linha do tempo deve ser construída de acordo com os acontecimentos mais importantes desde o plantio até o brotar ou não da plantinha. Quarto Momento: Como o cuidado com a sementinha plantada será diário, retome com as crianças a importância de regar, adubar, tirar um tempo para esse cuidado em sala e converse com as crianças sobre as relações que estão estabelecendo. Faça os seguintes questionamentos: para crescer forte, uma sementinha não precisa de cuidado? E a sementinha da nossa amizade em sala precisa de que para crescer? Será que nós estamos cuidando do nosso coleguinha? O que podemos fazer para que nossos dias em sala de aula fiquem mais prazerosos e nossos coleguinhas mais felizes? Na medida em que as crianças forem falando, vá fazendo uma lista das sugestões. As sugestões dadas pelas crianças passarão a ser os combinados da turminha. O professor complementa a lista com o que achar conveniente, como os horários em que fazem cada coisa, tal como brincar, atividades, parque, lanche. Explique que existem horários definidos para cada atividade etc. Convide as crianças a construírem a Laranjeira da Amizade da turma. Peça que cada criança escolha uma das sugestões para ilustrar. Dê para as crianças a imagem de uma laranja para que elas façam a ilustração do combinado escolhido. Elas podem fazer a ilustração por meio de desenho ou pintura.
  • 32. Projeto "Educação de Valores" Para melhorar os problemas com a disciplina, na minha humilde opinião, devemos começar por mudar nossas próprias atitudes frente aos alunos. Inicialmente colocar para nós mesmos professores e demais adultos da escola, um roteiro a ser seguido rigorosamente. Como acredito que as palavras convencem, mas os exemplos arrastam, acredito que a postura dos professores seja a mola propulsora para uma melhoria nas posturas dos alunos. O professor não pode JAMAIS gritar com seus alunos, deve ser ORGANIZADO, PONTUAL e RESPONSÁVEL. O professor deve ser AMIGO dos alunos sem deixar de ser PROFESSOR, deve RESPEITAR seus alunos e nunca HUMILHÁ-LOS. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO é fundamental. Se tivermos o hábito de colocar num cantinho da lousa tudo o que foi planejado para a aula, será bom para o professor e excelente para os alunos.COMBINADOS - as regras de boa convivência, tão explorada na educação Infantil é praticamente esquecida no ensino fundamental, porque será? Se usássemos essa prática em todos os níveis tudo poderia mudar. O importante é que todos participem da elaboração das regras que poderá ser diferente de uma sala para outra. E mais importante ainda é que se resolva em grupo também as "punições" para aqueles que transgredirem as regras. O professor deve ter PALAVRA - ou seja, deve cumprir com aquilo que falar. Nada mais irritante e desestimulante para os alunos que um professor que nunca cumpre com o que fala: programa passeios que nunca dão certo, programa filmes e o vídeo tá quebrado, programa , programa... Finalmente encerro minha opinião tomando a fala inicial. As mudanças devem começar no professor. Ser mais aberto, escutar mais seu aluno, envolver-se positivamente com seus problemas, conhecer sua história de vida, valorizar seus saberes. Essas mudanças são internas, não apenas uma casca, um verniz. Mas vamos refletir mais uma coisa: não adiantará o professor tomar uma postura ABERTA e continuar esperando de seus alunos respostas FECHADAS - ou seja aquelas que contemplam apenas a opinião dele próprio ou da maioria da classe. TODOS têm o direito de terem suas próprias opiniões desde que devidamente justificada. Ah, só mais uma coisinha: de nada adiantará trabalhar projeto "Educação de
  • 33. Valores" esperando mudanças apenas nos alunos. ======================================================= ======= 1-PROJETO AMIZADE - EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS •Desenvolver competências sociais em crianças de quatro a seis anos • Mostrar como serem amigas •Exercitar a identificação, sensibilidade e fala pública sobre diferentes sentimentos •Destacar como lidarem com as quatro emoções básicas: medo, alegria, tristeza e ira •Ajudar a expressarem sentimentos que lhes desagradam PÚBLICO-ALVO: Crianças de 4 a 6 anos RECURSOS MATERIAIS E HUMANOS •Recursos materiais: cartolinas, canetas hidro-cor, revistas velhas •Outros recursos materiais, caso se faça opção por um treinamento e expressão das múltiplas inteligências •Recursos Humanos: um a dois Mediadores previamente treinados QUESTÕES RELEVANTES •O que é a amizade? •Amizade é o mesmo que amor? •O que é um amigo de verdade? •Qual a importância de um amigo? •O que é o medo?•Que coisas nos fazem felizes? •Por quê ficamos tristes? •O que nos deixa com raiva? •Como não falar a um amigo? •Como falar a um amigo? E inúmeras outras do mesmo tipo, levantadas pelas próprias crianças COMPETÊNCIAS DESENVOLVIDAS Afetividade, Auto-estima, Otimismo, Controle dos impulsos, Empatia - Compreensão do outro, Prestatividade e solidariedade, Sinceridade, Empatia no ouvir, Comunicação Interpessoal, Pensamento dirigido, Autoconhecimento e Administração das Emoções. FASES DO PROJETO ABERTURA: Mediadores, pais, professores, pessoas da comunidade especialmente convidadas discutem e elegem as competências desejadas e a seleção de questões que a culminância do projeto deverá responder. O TRABALHO PRÁTICO - ESTRATÉGIAS PREPARAÇÃO DO ROTEIRO: Os professores e os Mediadores escreverão roteiros de apresentações teatrais simples, cuja duração não deve exceder 15 minutos e que devem vivenciar cenas do cotidiano dos alunos envolvendo temas
  • 34. de relações interpessoais para ajudarem as crianças aprenderem como serem amigas, reconhecerem e falarem sobre diferentes sentimentos, lidarem com verdade e com a mentira, com a ira e com a dor, com o medo e a tristeza, com a alegria e com a felicidade e como expressarem oque lhes agrada e desagrada. Essas pequenas peças podem simular situações do pátio da escola, disputa por lugares, formas de abordagem, etc. ENSAIO: Para cada encenação haverá um grupo de "atores" e outro de "espectadores", mas todos os alunos nas diferentes peças desenvolverãoambos papeis. Durante o ensaio não deve ocorrer a prioridade de "lições de conduta" ou julgamento sobre "atitudes certas ou erradas" ainda que o aparecimento destas, possa gerar uma resposta serena e coerente por parte do(s) intermedializador(es). Os Mediadores poderão ou não introduzir o "ponto" com um ator que não aparece, ajudando os atores nas falas a serem praticadas. APRESENTAÇÃO: A apresentação de cada peça se dará de forma similar a qualquer apresentação teatral. DEBATES: Após a encenação deverãoocorrer os debates, envolvendo inicialmente apenas os alunos e os Mediadores. Nesse debate deve prevalecer a solicitação de opiniões sobre atitudes, gestos, posturas, ações ainda que as mesmas não devam suscitar julgamentos morais por parte dos professores. Não existe um tempo prescrito previamente para a duração dos debates, embora os Mediadores devam mostrar sensibilidade para não o prolongarem além dos limites do interesse por parte dos alunos envolvidos. SÍNTESE CONCLUSIVA:Concluído os debates os Mediadores sintetizarão as conclusões gerais, enfatizando o que se levou os alunos a aprenderem com a atividade. FECHAMENTO:É extremamente importante destacar que os valores e os ensinamentos conquistados necessitem ser retomados em momentos e circunstâncias diferentes, internalizando-se nas atitudes dos professores, contextualizando-se aos temas curriculares desenvolvidos. Em verdade, a encenação, debate e síntese conclusiva jamais deve "encerrar" a atividade, antes abrir espaço para práticas sobre novas formas de relacionamento e emprego constante das habilidades sociais no cotidiano dos alunos. LINGUAGENS APLICADAS:Importante atividade de reforço é, em outra oportunidade, reunir-se os participantes do Projeto solicitando que expressem através de diferentes linguagens - pinturas, paródias, colagens, desenhos, corais, etc. - os valores desenvolvidos e supostamente apreendidos durante a atividade.Atividade extremamente enriquecedora é utilizar diferentes estratégias de comunicação, conforme as inteligências humanas suscitadas - lingüistica, lógico-matemática, visuo-espacial, sonora, cinestésico-corporal, naturalista, intra e interpessoal - e organizar painéis ou murais expressandoos valores assumidos. AVALIAÇÃO: A forma de avaliação será desenvolvida através da comparação de relatórios organizados por todos os elementos da equipe docente avaliando as atitudes dos alunos em sala de aula e no pátio da escola, antes e depois da
  • 35. realização de cada encenação, enfatizando a eventual permanência, após seis meses ou mais, de valores eventualmente assumidos. ======================================================= ====== 2-Projeto Construindo Relações Justificativa: Estabelecer ocontato com a criança e seus familiares, despertando o hábito do dialogo, do toque e do respeito mútuo. Objetivos:Experimentar e utilizar os recursos de que dispõe para a satisfação de suas necessidades, expressandoseus desejos sentimentos, vontades e desagrado e agindo com progressiva autonomia. Familiarizar-se com a imagem do próprio corpo, conhecendo progressivamente seus limites, sua unidade e a satisfação que ela produz. Brincar, Relacionar-se progressivamente com mais crianças, com seus professores e com demais funcionários da instituição, demonstrando suas necessidade e interesses. Conteúdo:Comunicação e expressãodos desejos, desagrado, necessidades, preferências, e vontades, em brincadeiras e nas atividades do cotidiano. Reconhecimento progressivodo próprio corpo e das diferentes sensações e ritmo que produz. Iniciativa para pedir ajuda nas situações em que isso se faz necessário. Participação em brincadeiras de “esconder e achar” e em brincadeiras de imitação. Participação e interesse em situações que envolvam a relação com o outro. Respeito às regras simples de convívio social Operacionalização: Brincadeiras diversas: Bater palmas, Dançar, Brincadeiras no espelho, Gesticular, Lançar bolas, Ouvir e cantar músicas, Manusear livros, Ouvir histórias, Carimbo de mãos e pés, Imitação, Integração com crianças de outras turmas, Parque. Encerramento: Apresentação do registrode fotos, realizados durante o projeto. Duração: Durante todo ano letivo ======================================================= == 3-PROJETO AFETIVIDADE Amar e ensinar os alunos a demonstrar amor uns aos outros; isto só os ajudará a crescer seguros e felizes. Vivemos numa época em que tudo é novo; um mundo de mudanças e transformações. Precisamos encontrar uma nova forma de conviver e de resolver os problemas. Mas, para que isto aconteça é fundamental a presença de um sentimento nobre: o afeto. “São os nossos afetos e emoções que dão colorido ás nossas vidas e expressam-se nos desejos, nos sonhos, nas emoções e nos sentimentos. É o que nos faz viver”. Nãosó a criança, mas todo o ser humano gosta de receber um agrado. A criança entende esse agrado no tom de voz, no olhar e no toque. A base para o sucesso da criança é receber essa carga afetiva. Receber carinho é vital para sua auto-estima. As palavras também
  • 36. podem estar carregadas de afeto. As emoções são expressões de afeto, que vêm acompanhadas de reações orgânicas, em resposta a um acontecimento. Essas reações fogem do nosso controle e são de fundamental importância para a descarga das tensões e emoções.Eles serão educados para respeitar o direito do outro e ao mesmo tempo em que poderá usufruir o seu. Sem receio, devemos educar nossas crianças, pois isso favorece o desenvolvimento. Devemos ser firmes sem ser indelicados. O fato de impor limites, no momento certo, não significa punição e sim demonstração de afeto. O que deverá ser feito: Junto com a classe, escolher um aluno para deitar sobre a folha de um papel pardo e contorná-lo formando uma silhueta. A partir de então recortar e usar de molde para cortar no t.n.t, 2 vezes (frente e versodo boneco). Costurar os membros, tronco e cabeça. Pedir para que as crianças tragam roupas para o boneco. Quando o boneco estiver pronto, organizar uma eleição para escolher um nome para ele. Cada criança deve dar uma sugestão e explicar o motivo. Anotar as opções na lousa. Depois, falar os nomes propostos e ir perguntando: “quem gostou desse?”. Anotar o número de votos para cada nome e ver qual foi o preferido das crianças. Deixar o boneco em sala de aula. Ele pode participar das atividades realizadas com os alunos, ouvirem histórias, ser levado para o parque na hora da brincadeira ou para passeios fora da escola, como se fosse um integrante da turma. A partir de então as crianças levarãoo boneco para passar um dia em sua casa junto com um caderno como diário onde os pais registram a rotina da criança com o boneco. Antes explique que serão responsáveis por ele naquele dia e que deverãoter cuidado. No dia seguinte, a criança relata como foi a estadia do boneco em sua casa. Dessa forma trabalhamos também a oralidade.“as crianças entram no mundo do faz de conta e imaginam que o boneco é um amigo de verdade”. Avaliação: A avaliação será realizada através da observaçãodo relato feito pelas crianças (roda de conversa) diariamente demonstrando seus sentimentos e atitudes tomadas depois das atividades realizadas. E por intermédio do relatório dos pais no diário. Atividade: Combinados da amizade Objetivo: Levar as crianças a demonstrar, verbalizar e valorizar atitudes afetivas. Justificativa: O toque é umas das maneiras mais sinceras de demonstrar Afeto. Material: papel cartão, caneta piloto Desenvolvimento: Em roda conversar com as crianças, sobre a importância da amizade. Num cartaz a professora irá escrever oque as crianças determinarão que fará parte do “combinados da Amizade” da turma. Esses combinados deverãoser lidos e/ou acrescentados novos, sempre que necessário. Alguns exemplos:-Fazer Carinhos-Abraçar-Dar beijo no Rosto-Brincar-Dar Boa Tarde-Arrepender com fez algo errado-Ajudar-Ter Paciência-Esperar nossa vez de falar e brincar.
  • 37. Avaliação: A atividade proporcionou as crianças oportunidades para demonstrar, verbalizar, e valorizar atitudes afetivas. Jogo: Corrida da Vida Como fazer: Para fazer o tabuleiro, copie a imagem para um editor de texto(Word, por exemplo) e redimensione para o tamanho desejado. Eu tirei cópia no papel A3 para ficar maior. Caso não seja possível, imprima e cole em papel mais duro, como cartolina, papel cartão etc. Regras do jogo: Após decidir quem iniciará a partida, joga-se o dado. O professor andará o número de casas correspondentes. As casas em preto trazem perguntas relacionadas ao cotidiano (ver abaixo). Dependendo da resposta, há um prêmio ou uma punição.
  • 38. Perguntas: 4 – Você está com a viagem dos seus sonhos marcada, mas com o caos nos aeroportos, ela está por um fio. O que você faria numa situação assim? a) Torceria para conseguir viajar (Fique onde está) b) Discutiria com o funcionário da companhia área, pois é obrigação deles arrumar um vôo para você (Volte 2 espaços) c) Não há nada a fazer (Fique onde está) 8 – Na escola, todos tiram sarro de um colega. O que você faz? a) O mesmo (Volte 2 espaços) b) Tentoconvencer o pessoal a parar, pois sei que ele fica ofendido e chateado (avance 3 espaços) c) Nada (Fique onde está) 16 – Com que freqüência você come salada e outros elementos saudáveis? Sempre (Avance 2 espaços) Nunca (Volte 2 espaços) Às vezes (Avance um espaço) 21 – Fazer perguntas da aula anterior. Certo – Avance 3 espaços Errado – Volte 2 espaços 26 – Você briga com seus irmãos? Não (Vá para a casa 30) Só quando ele(a) começa (volte 2 espaços) Todo dia e toda hora (Volte para a casa 22) 35 – Na escola, você:
  • 39. a) Só presta atenção nas aulas que você gosta. Nas outras fica conversando e brincando com os colegas. (Volte 3 casas) b) Procura prestar atenção em todas as aulas (Avance 3 casas) c) Não presta atenção em nada. (Volte para a casa 27) 39 – Quando você é contrariado, você costuma xingar as pessoas? a) Sim (Volte 2 casas) b) Não (Avance uma casa) c) De vez em quando (Volte uma casa) 43 – O que você acha de brincadeiras como tirar a cadeira antes do outro sentar? a) Não faço, mas acho engraçado (Volte 2 casas) b) Não gosto desse tipo de brincadeira (Avance uma casa) c) Gosto e faço (Volte um espaço e perca uma rodada) 45 – Fazer perguntas da aula anterior. Certo – Avance 3 espaços Errado – Volte 1 espaço 49 - Você descobre que tem como abrir o cofrinho do seu irmão sem precisar quebrar e sem precisar de chave. O que você faria numa situação assim: a)Nada. O cofre não é meu. (Fique onde está) b)Pegaria só umas moedinhas de vez em quando. Não iria fazer falta (Volte 3 casas) c)Pegaria dinheiro, mas avisaria depois. (Volte uma casa) 53 – As regras de trânsito são aplicáveis a motoristas, ciclistas e pedestres. Ao atravessar a rua, você: a) procura atravessar nosinal, nas passarelas, optando pelo mais seguro (avance 2 espaços) b) atravessa em qualquer lugar. Se não houver sinal, corre. (perca sua vez) c) Depende do momento e do horário (volte um espaço) 56 – Você precisa subir pro seu apartamentode escada. No caminho, encontra uma senhora com compras na mão. O que você faz: a)Nada. Passa direto (Volte 2 casas) b)Oferece ajuda (Avance 3 casas) c)Chama alguém para ajudá-la. (Fique onde está) 62 – É seu aniversário e você ganhou um presente que não gostou. O que faz: a) Não fala nada, mas faz uma cara... (Volte uma casa) b) Agradece (Fique onde está) c) Dependendo de quem deu o presente, reclama na hora. (Volte 2 espaços)
  • 40. 67 – Você caiu numa área duvidosa. Volte 2 espaços. IMPORTANTE: O professor deve destacar que o mais importante nesse jogo não é ganhar e sim refletir como agiríamos em situações semelhantes. Isso porque algumas vezes mais de um jogador cairá na mesma casa e já saberá o ‘prêmio’ ou o ‘castigo’. Conclusão:Ensine valores com esse jogo! Lembrando que a nossa vida é feita de escolhas. E são as nossas escolhas que vãodeterminar o que somos hoje e amanhã. Outros temas possíveis: Amor à verdade, Liberdade e limites; Relações do homem com a sociedade.