SlideShare uma empresa Scribd logo
Niterói
27/06 a 11/07
www.dizjornal.comwww.dizjornal.com
ZZoonnaa SSuull,, OOcceeâânniiccaa ee CCeennttrroo ddee NNiitteerróóii
BBrruunnaaMMaaggaallhhããeess––FFoottoo::JJuulliiooCCeerriinnoo
CCiirrccuullaaççããoo QQuuiinnzzeennaall 1166 MMiill EExxeemmppllaarreess IImmpprreessssooss
EEddiiççããoo OOnnlliinnee PPaarraa UUmm MMiillhhããoo ee OOiittoocceennttooss MMiill LLeeiittoorreessDDiizz:: AA VVeerrddaaddee EEssccrriittaa
DDiirreettoorr RReessppoonnssáávveell:: EEddggaarrdd FFoonnsseeccaa
22ªª QQuuiinnzzeennaa
NNºº 224488
ddee JJuunnhhoo
AAnnoo 1122
ddee 22002200
AA PPrróóxxiimmaa
ee DDuurraa
TTuuddoo MMaaiiss
DDiiffíícciill..
PPaagg.. 0033
EElleeiiççããoo..
LLeevvaannttaa,,
ee SSeerrvvee
uumm CCaafféé,,
MMuunnddoo
qquuee oo
AAccaabboouu..
PPaagg.. 0066PPaagg.. 0066
Niterói
27/06 a 11/07/20
www.dizjornal.comwww.dizjornal.com
2
Informes
Expediente
Edgard Fonseca Comunicação Ltda.
R Otavio Carneiro 143/704 - Niterói/RJ.
Diretor/Editor
Edgard Fonseca
Registro Profíssional MT 29931/RJ
Edição na internet para Hum milhão e 800 mil leitores
Distribuidora Guadalupe
30 Anos de bons serviços
Jornais Alternativos - Revistas - Folhetos - En-Jornais Alternativos - Revistas - Folhetos - En-
cartes Demonstração de Placas Sinalizadorascartes Demonstração de Placas Sinalizadoras
Entrega de Encomendas e Entregas SeletivasEntrega de Encomendas e Entregas Seletivas
Niterói - Rio de Janeiro - São Gonçalo - Itaboraí - Teresópolis - Petrópolis - Maricá - Macaé
eguada@ar.microlink.com.br
guada@ar.microlink.com.br
21-98111-0289
96474-3808| 96467-3995
97407-9707
DG
Distribuição, circulação e logística:
Ernesto Guadelupe
Diagramação
Eri Alencar
Impressão
Tribuna | Tiragem 16.000 exemplares
Redação do Diz
Tel: 3628-0552 |9613-8634
R. Cônsul Francisco Cruz, nº 3 Centro - Niterói,
RJ | CEP 24.020-270
dizjornal@hotmail.com | www.dizjornal.com.br
Os artigos assinados são de integral e absoluta
responsabilidade dos autores.
O Projeto de Lei 132/2020 – foi votado na Câmara dos
Vereadores de Niterói, (em 24/06) e institui o Programa
Emergencial de Apoio à Cultura em Niterói, com ações
emergenciais destinadas ao setor cultural, inserido nas me-
didas necessárias para mitigação dos impactos econômicos
e sociais decorrentes do Coronavírus. Trabalhadores da
Cultura terão direito a três parcelas de R$ 500 e coletivos
e instituições culturais terão três parcelas de R$ 1.5 mil
- Aprovado em 1ª discussão com dispensa de interstício.
Programa Emergencial
E
stão abertas as inscrições para o curso on-line sobre
técnica de Interação Mediada por Animais, ofereci-
do pela Escola Superior Pestalozzi. As aulas são on-
-line e ministradas pela professora Vivian Gomes, médica
veterinária, doutoranda pela Universidade Federal Flumi-
nense. O investimento é de apenas R$60,00 em uma única
parcela no ato da inscrição. Outras informações podem
ser obtidas no endereço eletrônico www.pestalozzi.edu.br.
Dividido em três módulos e com um total de 13 vídeos-
-aula, o curso é destinado a profissionais e estudantes da
área de saúde, educação e reabilitação que desejam se
aprofundar na técnica do uso de animais como apoio ao
tratamento de pessoas com deficiência ou idosos, além de
familiares desse público. Por ser um curso livre, ele é desti-
nado a qualquer pessoa interessada no tema, independente
de ter graduação ou não. O objetivo é promover um trei-
namento básico sobre a técnica.
“Estamos nesse momento de pandemia e quando a nos-
sa instituição se encontra com suas atividades suspensas,
oferecendo esse curso livre a distância, feito totalmente de
forma on-line e não presencial”, explica o professor José
Raymundo Martins Romeo.
Pestalozzi Niterói
Curso Online
Viviane Almeida
A
Comissão de Assistência às Vítimas de Violência
Doméstica da OAB Niterói apóia a campanha “Si-
nal Vermelho”, lançada no dia 10 de junho, pelo
Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e Associação dos Ma-
gistrados Brasileiros (AMB). O foco da campanha é ajudar
mulheres em situação de violência doméstica a pedirem
ajuda nas drogarias e farmácias brasileiras.
Muitas mulheres se encontram nessa situação e a Cam-
panha busca oferecer um canal silencioso, para que sejam
ajudadas. O protocolo é relativamente simples, exigindo
apenas dois gestos: a vítima mostra para o atendente na
farmácia o X em uma das suas mãos, que pode ser de-
senhado com caneta, batom ou pilot, e o atendente da
farmácia deverá ligar imediatamente para o 190 e reportar
a situação que será de forma anônima. #advogado #ad-
vocacia #oabrj #oabniteroi #cfoab.
OAB Niterói na
Campanha do
‘Sinal Vermelho’
Niterói
27/06 a 11/07
www.dizjornal.comwww.dizjornal.com
3
Documento
Q
uando dizemos “nulidades” é por-
que elas existem em grande número,
infestando as Câmaras de verdadei-
ros parasitas, que muitos passam a legislatu-
ra inteira sem apresentar um único projeto,
e sequer fazem uma fala na tribuna. Entram
mudos e saem calados recebendo seus sa-
lários, pagos com o dinheiro público, para
nada fazerem e muitos ainda se vendem para
o executivo para votarem favoravelmente
projetos oficiais, proteger os desmandos, co-
laborar com a ineficiência e tantas vezes com
a corrupção. Isso n se acrescentando todo
custo da manutenção do gabinete e asses-
sores.
Acreditamos que nas próximas eleições, na
Câmara de Vereadores de Niterói, a renova-
ção poderá chegar 50% ou mais. Dos que
existem, irão ficar os que dispõem de esque-
mas eleitorais, que dominam certas áreas e
passaram seus mandatos cuidando dos seus
eleitores; realmente representando os inte-
resses e direitos dessa gente. Outros, que
dispõem de muitos recursos financeiros, fa-
rão como sempre: vão declarar para Justiça
Eleitoral, (tudo muito bem arrumado) um
valor dentro da absoluta legalidade, e por
“debaixo dos panos”, aplicarão grandes im-
portâncias frias, em campanhas não muito
republicanas, onde vale até a compra de vo-
tos através de líderes (alguns até religiosos);
melhorias em propriedade ou de domínio de
Associações de Moradores, comunidades
populares, ligas de futebol (com doações de
padrões de camisas, chuteiras e bolas), e até
mesmo financiamento de times, bailes em fa-
velas; quando não fazem acordos com líderes
criminosos em favelas.
Num Estado Democrático é preciso estar
vigilantes em relação a estas pessoas inde-
sejáveis. É necessário lembrar que se eles
ocupam uma cadeira na Câmara, lhes serão
dado poderes e influência, e levarão, no mí-
nimo, quatro anos, além de nada produzirem
em benefício do município. Estarão usu-
fruindo de gabinete, assessores, verbas de
representação, que somadas custam muito
dinheiro público, para fazerem uma política
A Próxima e Dura Eleição
As eleições municipais já têm novas datas marcadas. O 1º turno será no dia 15 de
novembro e o 2º turno dia 29 de novembro. Realmente serão as eleições mais difí-
ceis dos últimos tempos. Mudaram as regras e serão possíveis apenas as coligações
partidárias para o cargo de majoritário (prefeito). Ou seja: acabou aquele artifício
de um candidato a vereador sem expressão eleitoral, pegar carona nos votos de
outro muito bem votado. Antes, os votos de todos os candidatos eram compu-
tados num montante único, e divididos internamente entre os mais votados; por
exemplo: cada 14 mil votos elegia um vereador. (que é um coeficiente da divisão
do total de votos de município em relação às 21 cadeiras). Um candidato conse-
guia 6 mil votos era o mais votado entre todos no seu partido. Outros conseguiam
1.500 outros 700 votos e outros até 250 votos apenas. A soma de todos os votos
(pertencentes à legenda) determinava quantos candidatos elegeria. Suponhamos
que a soma total desse 42 mil votos. Elegeria 3 candidatos. O bem votado de 6 mil
votos e mais dois. O 2º lugar que teve 1.500 votos e um 3º que teve 700 votos.
Era aquela farra de ter um “puxador de votos” e outros tantos pendurados nessa
votação geral. O sistema era inteiramente injusto. Em outro partido tinha um can-
didato que teve 3.500 votos, mas, o seu partido, no total, não atingiu o coeficiente
de 14.000 votos necessários para eleição de um representante. Sintetizando, um
candidato se elegia com 750 votos, em detrimento aos 3.500 do outro. Agora é
cada um por si. Eleger-se-á quem tiver mais votos, independente dos milhares de
votos de um “puxador”. A moleza acabou e as nulidades estão com os dias conta-
dos. As legendas menores terão direitos aproximados.
suja, oportunista, corrupta e muitas vezes
criminosa. Um parlamentar é um represen-
tante do povo. Analisem esta frase como
símbolo, e se perguntem quantos nessa casa
legislativa de Niterói, realmente representam
alguém, se não seus próprios interesses e da
sua “cambada”.
É claro que não são todos ruins. Temos
bons vereadores em Niterói. Não são mui-
tos, e até podemos contá-los nos dedos das
mãos. Dentre o bom trabalho desempenha-
do alguns são opositores, uns dos outros, em
tudo. Mas, independentemente da coloração
ideológica, dentro da sua ótica prestam ser-
viços relevantes ao município e seus muní-
cipes.
Estes bons vereadores são, felizmente, os
que mais chances de reeleição. Vereadores
como Paulo Eduardo Gomes (PSOL) e Rena-
to Cariello (PDT), são dois bons parlamenta-
res, muitas vezes em campos opostos, mas
que têm atuação efetiva, e são conhecidos
pela defesa de seus projetos e posições. São
vereadores com reeleição bem encaminhada
e com muitas chances de sucesso. O verea-
dor Bruno Lessa teria grande chance de ree-
leição, pois fez um excelente mandato, mas
apresenta-se como pré candidato a prefeito,
e a sua disputa será outra.
Paulo Bagueira, foi presidente da Câmara,
esteve deputado Estadual e apresenta-se com
pré candidato a vice prefeito na Chapa da
situação. Milton Carlos Lopes – o CAL, che-
gou à presidência da casa, em substituição a
Paulo Bagueira. Tem um eleitorado regiona-
lizado, mas, pela passagem na presidência da
casa, ampliou alguns espaços políticos e tem
possibilidades de mais uma reeleição. Alguns
vereadores, como Luiz Carlos Gallo, Beto
da Pipa e Andrigo, passaram a maior parte
do tempo dos seus mandatos como secretá-
rios municipais da administração de Rodrigo
Neves. Retornaram à Câmara para disputar
novos mandatos. Vão fazer campanhas atre-
ladas à máquina municipal, o que não deixa
de ser vantajoso.
Os vereadores Carlos Macedo e Emanuel
Rocha, Carlos Vaz (Casota), Leonardo Gior-
dano e Paulo Henrique, possuem seus nichos
de atuação e deverão usá-los como meios
de obtenção de novos votos, para garantir
a reeleição. Caso contrário, permitirão que
novos candidatos se apossem e dividam seus
eleitores. Os novatos, na grande maioria,
não se elegerão, mais poderão atrapalhar e
impedir a reeleição de quem já tem mandato.
Uma coisa é certa: é preciso melhorar o nível
intelectual e produtivo da Câmara de Vere-
adores de Niterói. Esta dificuldade eleitoral
será providencial. Assim acabaremos com
mandatos que poderíamos chamá-los de
“sem noção” e sem propósitos. O melhor
simbolismo desses mandatos esdrúxulos é o
do vereador Renatinho de PSOL. Ele certa-
mente não sabe para que lado deva ir, fala
sobre qualquer tema sempre com improprie-
dade, e quando tem que votar, vota contra
o próprio partido e contra o líder da sua
bancada, o vereador Paulo Eduardo Gomes.
Para que os recursos públicos não sejam
desperdiçados com “mandatos” como este (e
que já se repetiu outras vezes), é nossa obriga-
ção fazer alertas e por em discussão situações
como esta. Já passou de todos os limites do
bom senso. Recursos públicos são preciosos
para que se desperdice em mandatos inócuos
e que só beneficia a que os possui.
Quanto aos candidatos novatos, sugerimos
que estudem muito o assunto. Um manda-
to é algo complexo, e por aí tem muita gen-
te achando que é fácil e simples. Não é não,
e uma eleição não é algo tão simples como
se imagina. Muita gente se perde em ilações
como essa de ser “candidato a vereador”. A
decepção posterior a eleição é sempre muito
cruel. Quem se imagina popular e seguro que
os seus “amigos” certamente votariam sem
pestanejar, se engana. Na hora da verdade a
situação é outra.
Esta será uma eleição disputada voto a voto,
sem muitas chances de “olho no olho” pelos
limites da pandemia e principalmente o receio
de muita gente tem de participar de aglome-
rações. Por mais que melhore a situação do
contágio da Covid 19, ainda não teremos a
normalidade, ou ainda que se diga um “novo
normal”. Esta será a campanha através dos
meios de comunicação, dos veículos na in-
ternet, que não é absolutamente o meio mais
usual das camadas mais populares; que são os
votos mais manipuláveis e imprevistos.
Para o bem de todos, sugerimos muita refle-
xão e calma. Vaidade e pretensão não elegem
ninguém!
Paulo Eduardo Gomes Milton Carlos Lopes - Cal Renato Cariello Luiz Carlos Gallo Casota
Niterói
27/06 a 11/07/20
www.dizjornal.comwww.dizjornal.com
4
Cultura
Paulo Roberto Cecchetti
cecchettipaulo@gmail.com
Internet
- No dia 27/06 (sábado), a partir
das 17h, Acontece a live do Jorge
Vercillo, com transmissão em seu
canal oficial do Youtube. O can-
tor e compositor, que anda sumi-
do, apresenta repertório e cenário
novos.
- Dia 27/06 (sábado), às 20h,
tem “Live do Skank”, com trans-
missão no canal oficial da banda
no Youtube. A apresentação terá
formato acústico e por meio do
Instagram, os fãs podem pedir
músicas.
- Dia 28/06 (domingo), a partir
das 18h30, ocorre a live do can-
tor Milton Nascimento. O show
ao vivo será exibido por meio do
seu canal oficial no Youtube. O
evento faz parte do movimento
"Fique em casa e cante comigo".
Lives
O
Instagram é uma das redes sociais
que se atualiza com mais frequên-
cia, disponibilizando novos recur-
sos e funções. Foi assim que a rede social
incluiu os stories e acabou com o Snapchat,
e agora o novo alvo é acabar com o TikTok.
Foi anunciado no ultimo dia 23, a função
“Reels ’’, uma continuação do recurso
“Cenas” quem vem sendo testado no Bra-
sil. A novidade adiciona uma nova seção
nos perfis, que vai reunir vídeos curtos e
que tenham algum tipo de efeito ou de edi-
ção.
Até então, o Cenas não tinha um espaço
definido para exibição: ele era uma versão
das Stories e aparecia dessa maneira quan-
do publicado. Os pequenos vídeos feitos
pelos usuários também eram inclusos em
uma parte específica da seção Explorar.
Segundo o vice-presidente de produto do
Instagram, há uma necessidade por vídeos
que tenham curta duração que sejam cria-
tivos. Para ele, com o teste do Cenas no
Brasil, o Instagram percebeu que a duração
dos stories (24 horas) não era compatível
com o trabalho por trás de um vídeo edi-
tado. Por isso, escolheram criar uma seção
para que esse tipo de conteúdo ficar arma-
zenado.
Diferente de redes como o TikTok, em que
uma publicação pode ser exibida para to-
dos os usuários, o conteúdo no Instagram
é principalmente distribuído entre os segui-
dores dos usuários. Nesse sentido, o com-
partilhamento do Reels será igual ao do
InstaTOK
TikTok, com o usuário podendo escolher se
quer que o vídeo seja apresentado na aba
Explorar do app.
Segundo o criador, esse conteúdo vai ser
exibido com algoritmo de indicação, com
base nos interesses do usuário. Outra “co-
pia” do TikTok é a possibilidade de ver os
Reels já feitos com um áudio e poder dublá-
-lo ou reagir a ele.
Como funciona?Como funciona?
Para criar, o processo é o mesmo que já
acontecia com o Cenas: existe uma funcio-
nalidade específica para esse conteúdo na
parte da câmera.
• Áudio: é possível selecionar uma música
ou um áudio que já existe na biblioteca do
Instagram;
• Velocidade: permite acelerar ou diminuir
a velocidade dos quadros do vídeo;
Temporizador e contagem regressiva: per-
mite ao usuário gravar com as mãos livres
ou sincronizar a gravação com a música es-
colhida;
• Filtros e efeitos do Instagram: os filtros
que já existem na rede social, como tela
verde, estarão disponíveis;
• Ferramenta de edição: permite fazer cor-
tes e adicionar novas cenas ao vídeo, com
diferentes trechos, que podem ser ordena-
dos. Também é possível revisar o trecho
clicando na imagem, ou excluí-lo e gravá-lo
novamente.
Respeitável público! Não é o circo que nos cerca. O que há é uma ausência cultural
nestes cem dias sem os calorosos aplausos da platéia.
A cultura ainda é o elo entre conhecimento global, desenvolvimento econômico, saúde
assistida e segurança da sociedade. Qualquer outro posicionamento sobre o futuro da
cultura passa a ser mero achismo.
Ignorar esse vazio criado pela pandemia e fomentado pela dor do isolamento, devemos
ter o dever de ocupar o espaço que nos cabe e assumir o momento histórico de uma crise
inédita.
A cultura não necessariamente nos aliviará da angústia que nos aprisiona e que aflora por
toda ausência de afetos. Fato concreto. No dia 22 de junho, fizemos doze anos de inin-
terrupta reunião dominical com poetas e amigos do movimento cultural “Escritores ao ar
Livro”.
Viva a poesia! Viva a extensa produção intelectual e artística de todos os envolvidos que,
certamente, irão sobreviver e fortalecer nossa cultura na cidade de Niterói.
Respeitável Público
Niterói
27/06 a 11/07
www.dizjornal.comwww.dizjornal.com
5
Edgard Fonsecaedgardfonseca22@hotmail.com
E
ste título é uma afirmação profética
(embora poética) de Eduardo Dussek
na sua música “Nostradamus”, com-
posta no final dos anos 70. Esta imagem
retrata bem os dias atuais que vivemos. O
mundo sofreu e sofre as conseqüências da
grande pandemia do Covid 19, e mesmo
aqueles que por ignorância ou medo da
verdade negam a existência do vírus, vêem
as mortes muito próximas e como ratos
assustados riem amarelos. O isolamento
social é transformador e dolorido, além da
assustadora falta de perspectivas reais do
que nos espera num futuro próximo.
Tenho visto pessoas cada vez mais intros-
pectivas e automatizadas, lembrando com-
portamento de zumbis. Perdemos muita
gente querida e a tristeza é conseqüência
lógica. Estamos saindo das “tocas” como
animais assustados e precavidos. É como
se existissem predadores nos espreitando
D
epois de dias tensos com a prisão
do Queiroz, seus “ativistas” sen-
do presos, um advogado delirante
que dá versões inexplicáveis e incabíveis,
Bolsonaro, baixou o tom, buscou aproxima-
ção com o Congresso e com o Supremo.
Muitos disseram que era medo e que ele
estava tentando acrescentar mais uns meses
de sobrevivência na presidência. Medo ou
não, foi uma atitude legítima e inteligente.
Repararam como melhorou? Se ele ficas-
se quietinho e menos arrogante, poderia
tomar suas atitudes sem grandes atritos e
prejuízos. Já teve baixas demais no seu go-
verno e sacrificou tanta gente. Já é hora de
aplanar o terreno para poder governar.
Para quem enfrentou conflitos em todos os
dias do seu governo e agora vendo a cal-
ma que foi esta semana, poderia aprender
e por em prática do comportamento sem
ruídos. Ainda teve uma vitória grandiosa,
U
m pedido do PT tentou retirar de pauta a votação do Marco Regulatório do
Saneamento Básico. Este marco oferece o benefício da coleta de esgoto e forne-
cimento de água tratada para todos os brasileiros. A defesa dessa ideia é que vão
privatizar as “estatais do esgoto”. Ideologias não resolvem o problema secular; enquanto
eles discutem seus pontos de vista, o povo morre de inúmeras doenças.
Não podemos permitir que doenças diversas proliferem pela falta de saneamento básico,
com esgotos a céu aberto, com milhares de crianças padecendo de diarréias, inclusive com
muitos casos fatais. O necessário é fiscalizar para não permitir que o esgoto se transforme
em moeda de troca e mina de ouro para empresas. Resolver o problema do saneamento
no Brasil é urgente, como sempre.
Levanta, e Serve um Café,
que o Mundo Acabou
Saneamento Básico Universalizado
Bolsonaro: Fim de
Semana com Refresco
nos becos e nas esquinas mais disfarçadas.
Ainda estamos reticentes diante do surreal
e gigantesco baile de máscaras, andando
de lado e olhando para o chão. O que será
que será? O que andam sussurrando como
ladainhas surdas, das palavras não ditas aos
nossos mortos quando não podemos nos
despedir. Na realidade, essa é a sensação
de terra arrasada de um pós guerra sem
rendição, sem acertos e nem declarações.
Todos nós perdemos; alguns muito mais e
definitivamente, mas, não há ninguém que
não tenha tido prejuízos. E ainda nos anima
essa vontade de reagir, da insistente espe-
rança de reconstrução daquilo que jamais
será como antes. É como se disséssemos:
“levanta, e serve um café, que o mundo
acabou”. E assim é. Vamos para um mundo
novo, pois o que tínhamos acabou. Certa-
mente seremos melhores e agentes de uma
nova sociedade dos poetas mortos.
quando dois desembargadores livraram a
pele do Flavio Bolsonaro, mandando o seu
processo das “rachadinhas da ALERJ” para
a segunda instância. Vai ganhar um tempi-
nho nisso aí, vai dar uma refrescada no pes-
coço. Mas, o Flavio não se livrou dos fatos
gravados no processo do Juiz Itabaiana. Vai
levar tudo para cima.
Agora é só rezar para o Queiroz continuar
calado e mandar este advogado “angelical”
ficar em silêncio. Ajudaria na refrigeração
das tensões. O final de culpabilidade garan-
tida vai ser difícil de conter. A menos que,
o operador Queiroz, de forma suicida, sen-
te em cima dessa granada livrando o corpo
do “bondoso patrão senador”.
Por hora, é só um fim de semana com re-
fresco. O que virá? Depende da aparição
da mulher do Queiroz. É só manter o venti-
lador desligado, o balde de dejetos tampa-
do e as crianças fora da sala.
Votaram contra a votação do projeto: Jaques Wagner (PT-BA), Humberto Costa (PT-PE),
Jean- Paul Prates (PT-RN), Paulo Rocha (PT-PA), Paulo Paim (PT-RS), Rogério Carva-
lho (PT-SE), Mecias de Jesus (Republicanos-RR), Cid Gomes (PDT-CE), Weverton Rocha
(PDT-MA), Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB), Zenaide Maia (PROS-RN) e Randolfe Ro-
drigues (Rede-AP). Inacreditável...
Entretanto, o Marco Regulatório do Saneamento, foi aprovado no dia 24 de junho, tornan-
do-se uma data histórica para o Brasil. O Marco Regulatório vai universalizar os serviços
de água e esgoto até 2033. O Projeto de Lei recebeu 65 votos a favor e fatídicos 13 votos
contra.
Niterói
27/06 a 11/07/20
www.dizjornal.comwww.dizjornal.com
6
Fernando Mello - fmelloadv@gmail.com
Fernando de Farias Mello
Fernando Mello, Advogado
www.fariasmelloberanger.com.br
e-mail: fmelloadv@gmail.com
Liberdade em Perigo
T
udo indica que estamos caminhan-
do para o bloqueio total de nossas
liberdades individuais. O pior disso
tudo é que a origem do cancelamento de
nossas liberdades não poderia ser mais sur-
preendente: o STF.
Logo esse tribunal, criado para defender a
nossa Constituição, onde está escrito que
somos livres para manifestar nossos pensa-
mentos, artigo 5°, inciso IV.
Ora, podemos nos manifestar sobre o que
quisermos. Estamos livres para isso.
Se chamarmos os ministros do STF de va-
gabundos ou bandidos pode ferir a sensibi-
lidade de algum deles, que processem pe-
dindo para que o acusador prove sob pena
de indenização, calúnia ou difamação.
O que não pode é sair prendendo manifes-
tantes como acontecia nos regimes milita-
res.
Agindo assim, o STF, com a devida vênia,
está destruindo as nossas liberdades e ras-
gando a própria constituição que deveria
defender.
O mais impressionante disso tudo foi ler o
jornal O Globo concordar com a censura.
Sei que o arrependimento será, infelizmen-
te, tardio.
Assistir a TV Globo enaltecer as figuras do
Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre também
deve estar deixando sua platéia pisando na
lama da velha política.
Nosso presidente da república é um ogro,
grosseiro e de palavras duras e muitas vezes
agressivas e intempestivas, mas em nenhum
momento assisti o tal Bolsonaro defender
a censura ou a perda das liberdades indi-
viduais.
Na verdade, se formos prestar a atenção
no momento “meu passado me condena”,
vemos que quem tem um
passado sujo está aí, na te-
linha, defendendo e piso-
teando nossas liberdades.
Incrível, não é?
O único que tem um pas-
sado sem condenações
é exatamente o ogro, o
grosseiro e cheio de pa-
lavrões. Não conheço um
político 171 antipático.
Não posso dizer o mes-
mo do seu filho senador,
que pelo visto tem os pés
sujos da mesma lama da
Assembléia do RJ, com os
seus outros colegas então
deputados aplicando a ra-
chadinha.
Todos devem ser conde-
nados, inclusive o Flávio,
com certeza. E que não
investiguem a nossa Câ-
mara de Vereadores. Será
que são todos santinhos
também?
Considero as fake news
uma praga e que será di-
fícil resolver por que vai
depender de cada um,
pensar e analisar se vale à
pena passar adiante uma
notícia que parece ser
bombástica.
Temos mesmo é que con-
trolar o clique do mouse ou o dedo na tela
do celular na hora de “encaminhar” essa
notícia que você não tem certeza se é ver-
dadeira.
Mas acho que nós todos temos o direito
constitucional de externar nossa opinião,
nos manifestarmos podendo ser sobre
qualquer assunto, menos propagar a terrí-
vel suástica nazista porque é ilegal.
Por tudo isso, tenho que me manifestar:
basta de mimimi!
Tenho como exemplo máximo da liberdade
de imprensa aquele jornal francês, o Chalie
Hebdo, que até fez e publicou uma charge
com o seu próprio atentado terrorista (um
exagero, diga-se). Mas é assim a tal liberda-
de. Não pode é ter mimimi.
O jornal O Globo e outros certamente
irão chorar a falta de liberdade lá no futuro
(estou torcendo para que isso não aconte-
ça), pois se esqueceram do passado negro
quando abríamos o Jornal do Brasil e en-
contrávamos receitas para bolo no lugar de
notícias contra o governo militar.
A nossa democracia, com o STF legislando,
atuando como Executivo e não oferecendo
a segurança jurídica (algo comum nos pa-
íses com a sociedade organizada e cons-
ciente de seus deveres e liberdades), acho
que o horizonte está sombrio.
Coitada da nossa complicada constituição
nas mãos desse STF.
Niterói
27/06 a 11/07
www.dizjornal.comwww.dizjornal.com
7
Conexões contato@agenciastilo.com
E! Games
dizjornal@hotmail.com
U
m fato inegável, é que as indústrias
de games e de conteúdo adulto
têm crescido muito desde o come-
ço da pandemia do coronavírus. Com as
pessoas de quarentena em suas casas, faz
até sentido que uma plataforma de jogos
“adultos” siga essa tendência.
A Nutaku, um dos maiores serviços de ga-
mes pornô do mundo, conseguiu um au-
mento de 40% em seus usuários cadastra-
dos desde janeiro. Em maio, já eram mais
de 56 milhões de pessoas. O Brasil é parte
importante da estratégia da Nutaku. Afinal,
é um dos dez países com o maior número
de usuários na plataforma, em lista liderada
pelos Estados Unidos.
Apesar de pertencer à MindGeek (dona de
sites pornográficos como Pornhub e de es-
túdios de conteúdo adulto como Brazzers)
a Nutaku é uma plataforma de games. Exis-
te inclusive uma equipe que recruta estú-
dios com games "normais" para o desen-
volvimento de versões adultas.
Com cerca de 400 games gratuitos e pa-
gos, que podem ser jogados no navegador
ou em celulares, a plataforma tem parceria
de publicação e distribuição com mais de
Games 18+
300 estúdios de todo o mundo.
No catálogo, há desde jogos de RPG ou
ação, a games de plataforma mais casuais
e até realidade virtual. A ideia é que todo
tipo de usuário possa ser contemplado. A
maioria tem temática claramente direciona-
da ao público hétero masculino, mas ses-
sões com conteúdo para gays, lésbicas e
transgêneros tentam aumentar a represen-
tatividade.
Todos, no entanto, devem seguir as regras
de responsabilidade da plataforma. Ou
seja, não podem apresentar personagens
menores de idade ou qualquer tipo de abu-
so.
A maioria dos idealizadores que recrutam
os studios novos nunca sequer trabalhou
na área, por isso a Nutaku ajuda no de-
senvolvimento dos aspectos nos quais são
especialistas. As ideias partem dos desen-
volvedores, mas a plataforma indica o me-
lhor caminho a seguir, além de artistas para
tornar o plano realidade.
É visível o crescimento desse mercado e
sua abertura para novos postos de traba-
lho. Vale ressaltar que todo o conteúdo
produzido é proibido para menores de 18
anos.
Perderam a Noção de TudoPerderam a Noção de Tudo
Fico impressionado com a quantidade de energias jogadas fora por tanta gente, apenas
para fazer prevalecer o seu ponto de vista ideológico. São modelos de discussão tão pre-
visíveis, principalmente pela manutenção do formato de raciocínio, linguagem e estratégia
(se podemos chamar assim) de condução da disputa. É o modelo existente, desgastado e
ineficiente, mas repetitivamente condicionado à defesa de padrões particulares, como se
houvesse apenas um molde disponível; a aí fica tudo muito chato e acima de tudo pobre
e tendencioso.
Não agüento mais estas discussões partidarizadas por extremistas dos dois lados. É insu-
portável essa situação de “nós contra eles”, sem lógica ou meio termo. Não existe um cer-
ne de referência, e para vencer a discussão dizem qualquer coisa, com tanto que torçam
a situação para seu lado.
Fazem especulações imaginárias e aí se perdem dizendo absurdos. Vi esta semana um
desses “ativistas” postando no Facebook que “a China criou este vírus para derrubar o
presidente Bolsonaro”. É não ter noção de nada para postar uma sandice dessas! Imaginar
que a China, para derrubar um presidente da America do Sul, cria uma pandemia que
atinge o mundo inteiro, principalmente os Estados Unidos, mata milhares de pessoas na
Rússia, Coréia, Reino Unido, Espanha e muitos outros países; devasta Itália onde eles têm
interesses econômicos e onde residem milhares de chineses, trabalhando em suas fábricas,
só para “atrapalhar” o Jair Bolsonaro. Quanta boçalidade! Quanta burrice irresponsável! É
como a imbecilidade do presidente Hugo Chaves, que acusou os Estados Unidos de man-
dar de forma supersônica um câncer para atingi-lo. Idiotices no atacado... Quem aguenta
tanta estupidez?
Refazendo PerspectivasRefazendo Perspectivas
Com muita surpresa e dor perdemos uma tia de mais de oitenta anos, mas, saudável e
ativa, que sofreu uma queda batendo a cabeça e foi levada ao hospital para exame. Os
médicos aconselharam a internação para observação. No dia seguinte apareceu uma febre
que evoluiu rapidamente, Era uma contaminação hospitalar do Corona Vírus. Faleceu 12
dias depois. Foi desolador e tudo muito rápido.
Atônitos, os filhos voltaram ao apartamento que ela morava sozinha, e descobriram nos
muitos armários, uma imensa quantidade de “tudo”. Centenas de panos de pratos, nun-
ca usados; lençóis, edredons, louças e talheres, e principalmente sabonetes, colônias e
perfumes importados. Tudo intacto nas embalagens. O curioso era existência de muitos
“presentes”, para todo tipo de pessoas e idades. Ela gostava de presentear amigas, filhas,
sobrinhos e netos.
Acompanhei esta maratona de revisão, até para apoiar minhas primas, e fiquei também
impactada com o que vi. Daria para montar uma pequena loja de variedades e presentes.
Ficou em mim a reflexão: a tia era uma pessoa muito boa, gentil e afetuosa com todos, o
que justifica a quantidade de presentes para oferecer. Mas, numa síntese prática, mostrou-
-se uma acumuladora contumaz.
E a reflexão que fiz está ecoando na minha cabeça: Para que tanta coisa guardada e sem
utilidade prática? Lembrei da minha falecida mãe que tinha jogos de louças para cada
ocasião. Morreu sem usar todas, que foram parar nas mãos de noras que nunca deram o
mínimo valor ou importância para aquelas “porcelanas inglesas”.
Daí, meus amigos, fica a sugestão: “a vida foi feita para ser vivida nos mínimos detalhes.
Tudo, absolutamente tudo, deve ser usado e aproveitado na sua integra utilidade. Quando
partimos, principalmente de forma repentina, nossos pertences ficam tão perdidos como
quem os encontra em inesperada situação. O lema deve ser, viver e aproveitar como se
fosse o último momento. O Convid 19 vai passar, como todos nós, assim com passou a
querida tia e os entes queridos de tanta gente.
Niterói
27/06 a 11/07/20
www.dizjornal.comwww.dizjornal.com
Renda Fina
8
Edição na internet para Hum milhão e 800 mil leitores
Aniversariantes da Edição
Mariah Puksfeld Thiago Goés Soraya Maria Abreu Miranda Adroaldo Peixoto Garani Beth Leal Domingos de Almeida
O Prefeitáveis 2020 Para Niterói
Adroaldo Peixoto - Rede Axel Grael - PDT Felipe Peixoto - PSD
Bruno Lessa - DEM Flavio Serafini - PSOL Juliana Benicio-Novo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

EDIÇÃO 341
EDIÇÃO 341EDIÇÃO 341
EDIÇÃO 341
Afonso Pena
 
Jornal Paraná Notícias
Jornal Paraná NotíciasJornal Paraná Notícias
Jornal Paraná Notícias
Ed Claudio Cruz
 
Jornal digital 4896_qua_13042016
Jornal digital 4896_qua_13042016Jornal digital 4896_qua_13042016
Jornal digital 4896_qua_13042016
Jornal Correio do Sul
 
Esboço das mudanças que desejamos .
Esboço das  mudanças que desejamos . Esboço das  mudanças que desejamos .
Esboço das mudanças que desejamos .
João Florentino
 
Jornal digital 5040_ter_08112016
Jornal digital 5040_ter_08112016Jornal digital 5040_ter_08112016
Jornal digital 5040_ter_08112016
Jornal Correio do Sul
 
Jornal a hora (72) janeiro 2014 - São Francisco do Brejão - MA
Jornal a hora (72) janeiro 2014 - São Francisco do Brejão - MAJornal a hora (72) janeiro 2014 - São Francisco do Brejão - MA
Jornal a hora (72) janeiro 2014 - São Francisco do Brejão - MA
jornalahorabrejao
 
Jornal digital 10 08-17
Jornal digital 10 08-17Jornal digital 10 08-17
Jornal digital 10 08-17
Jornal Correio do Sul
 
Praças e oficiais em guerra
Praças e oficiais em guerraPraças e oficiais em guerra
Praças e oficiais em guerra
Rede Democrática PMDF
 
Jornal digital 25 10-2018
Jornal digital 25 10-2018Jornal digital 25 10-2018
Jornal digital 25 10-2018
Jornal Correio do Sul
 

Mais procurados (9)

EDIÇÃO 341
EDIÇÃO 341EDIÇÃO 341
EDIÇÃO 341
 
Jornal Paraná Notícias
Jornal Paraná NotíciasJornal Paraná Notícias
Jornal Paraná Notícias
 
Jornal digital 4896_qua_13042016
Jornal digital 4896_qua_13042016Jornal digital 4896_qua_13042016
Jornal digital 4896_qua_13042016
 
Esboço das mudanças que desejamos .
Esboço das  mudanças que desejamos . Esboço das  mudanças que desejamos .
Esboço das mudanças que desejamos .
 
Jornal digital 5040_ter_08112016
Jornal digital 5040_ter_08112016Jornal digital 5040_ter_08112016
Jornal digital 5040_ter_08112016
 
Jornal a hora (72) janeiro 2014 - São Francisco do Brejão - MA
Jornal a hora (72) janeiro 2014 - São Francisco do Brejão - MAJornal a hora (72) janeiro 2014 - São Francisco do Brejão - MA
Jornal a hora (72) janeiro 2014 - São Francisco do Brejão - MA
 
Jornal digital 10 08-17
Jornal digital 10 08-17Jornal digital 10 08-17
Jornal digital 10 08-17
 
Praças e oficiais em guerra
Praças e oficiais em guerraPraças e oficiais em guerra
Praças e oficiais em guerra
 
Jornal digital 25 10-2018
Jornal digital 25 10-2018Jornal digital 25 10-2018
Jornal digital 25 10-2018
 

Semelhante a Diz Jornal 248

Diz Jornal 254
Diz Jornal 254Diz Jornal 254
Diz Jornal 254
dizjornal jornal
 
Diz Jornal - Edição 253
Diz Jornal - Edição 253Diz Jornal - Edição 253
Diz Jornal - Edição 253
dizjornal jornal
 
Diz Jornal - Edição 223
Diz Jornal - Edição 223Diz Jornal - Edição 223
Diz Jornal - Edição 223
dizjornal jornal
 
Diz114
Diz114Diz114
Jornal Com Social edição de Setembro 2013 n. 02
Jornal Com Social edição de Setembro 2013 n. 02Jornal Com Social edição de Setembro 2013 n. 02
Jornal Com Social edição de Setembro 2013 n. 02
Lauro Andrade Oliveira
 
Diz Jornal - Edição 256
Diz Jornal - Edição 256Diz Jornal - Edição 256
Diz Jornal - Edição 256
dizjornal jornal
 
Diz Jornal - Edição 255
Diz Jornal - Edição 255Diz Jornal - Edição 255
Diz Jornal - Edição 255
dizjornal jornal
 
Jornal digital 14 07-17
Jornal digital 14 07-17Jornal digital 14 07-17
Jornal digital 14 07-17
Jornal Correio do Sul
 
Brasil sem amanhã
Brasil sem amanhãBrasil sem amanhã
Brasil sem amanhã
Claudio Alves de Oliveira
 
Plebiscito Jornal
Plebiscito JornalPlebiscito Jornal
Plebiscito Jornal
Julio Turra
 
IRPF 2024: Se prepare e não se assuste com o Leão
IRPF 2024: Se prepare e não se assuste com o LeãoIRPF 2024: Se prepare e não se assuste com o Leão
IRPF 2024: Se prepare e não se assuste com o Leão
Oscar Lopes da Silva
 
Diz Jornal Edição 175
Diz Jornal Edição 175Diz Jornal Edição 175
Diz Jornal Edição 175
dizjornal jornal
 
Reforma política brasileira
Reforma política brasileiraReforma política brasileira
Reforma política brasileira
Sidney Pedrosa
 
Palestra femicídio publicado
Palestra femicídio publicadoPalestra femicídio publicado
Palestra femicídio publicado
Atualidades Do Direito
 
Diz Jornal - Edição 232
Diz Jornal - Edição 232Diz Jornal - Edição 232
Diz Jornal - Edição 232
dizjornal jornal
 
Diz Jornal - Edição 195
Diz Jornal - Edição 195Diz Jornal - Edição 195
Diz Jornal - Edição 195
dizjornal jornal
 
Cartilha Voto-limpo
Cartilha Voto-limpoCartilha Voto-limpo
Cartilha Voto-limpo
Portal NE10
 
Reforma politica brasileira___2_versao_q[1]sidney pedrosa
Reforma politica brasileira___2_versao_q[1]sidney pedrosaReforma politica brasileira___2_versao_q[1]sidney pedrosa
Reforma politica brasileira___2_versao_q[1]sidney pedrosa
Sidney Pedrosa
 
Trablho para pdf novo
Trablho para pdf novoTrablho para pdf novo
Trablho para pdf novo
fernando_tavora
 
Diz Jornal - Edição 211
Diz Jornal - Edição 211Diz Jornal - Edição 211
Diz Jornal - Edição 211
dizjornal jornal
 

Semelhante a Diz Jornal 248 (20)

Diz Jornal 254
Diz Jornal 254Diz Jornal 254
Diz Jornal 254
 
Diz Jornal - Edição 253
Diz Jornal - Edição 253Diz Jornal - Edição 253
Diz Jornal - Edição 253
 
Diz Jornal - Edição 223
Diz Jornal - Edição 223Diz Jornal - Edição 223
Diz Jornal - Edição 223
 
Diz114
Diz114Diz114
Diz114
 
Jornal Com Social edição de Setembro 2013 n. 02
Jornal Com Social edição de Setembro 2013 n. 02Jornal Com Social edição de Setembro 2013 n. 02
Jornal Com Social edição de Setembro 2013 n. 02
 
Diz Jornal - Edição 256
Diz Jornal - Edição 256Diz Jornal - Edição 256
Diz Jornal - Edição 256
 
Diz Jornal - Edição 255
Diz Jornal - Edição 255Diz Jornal - Edição 255
Diz Jornal - Edição 255
 
Jornal digital 14 07-17
Jornal digital 14 07-17Jornal digital 14 07-17
Jornal digital 14 07-17
 
Brasil sem amanhã
Brasil sem amanhãBrasil sem amanhã
Brasil sem amanhã
 
Plebiscito Jornal
Plebiscito JornalPlebiscito Jornal
Plebiscito Jornal
 
IRPF 2024: Se prepare e não se assuste com o Leão
IRPF 2024: Se prepare e não se assuste com o LeãoIRPF 2024: Se prepare e não se assuste com o Leão
IRPF 2024: Se prepare e não se assuste com o Leão
 
Diz Jornal Edição 175
Diz Jornal Edição 175Diz Jornal Edição 175
Diz Jornal Edição 175
 
Reforma política brasileira
Reforma política brasileiraReforma política brasileira
Reforma política brasileira
 
Palestra femicídio publicado
Palestra femicídio publicadoPalestra femicídio publicado
Palestra femicídio publicado
 
Diz Jornal - Edição 232
Diz Jornal - Edição 232Diz Jornal - Edição 232
Diz Jornal - Edição 232
 
Diz Jornal - Edição 195
Diz Jornal - Edição 195Diz Jornal - Edição 195
Diz Jornal - Edição 195
 
Cartilha Voto-limpo
Cartilha Voto-limpoCartilha Voto-limpo
Cartilha Voto-limpo
 
Reforma politica brasileira___2_versao_q[1]sidney pedrosa
Reforma politica brasileira___2_versao_q[1]sidney pedrosaReforma politica brasileira___2_versao_q[1]sidney pedrosa
Reforma politica brasileira___2_versao_q[1]sidney pedrosa
 
Trablho para pdf novo
Trablho para pdf novoTrablho para pdf novo
Trablho para pdf novo
 
Diz Jornal - Edição 211
Diz Jornal - Edição 211Diz Jornal - Edição 211
Diz Jornal - Edição 211
 

Mais de dizjornal jornal

Diz Jornal - Edição 266
Diz Jornal - Edição 266Diz Jornal - Edição 266
Diz Jornal - Edição 266
dizjornal jornal
 
Diz Jornal - Edição 265
Diz Jornal - Edição 265Diz Jornal - Edição 265
Diz Jornal - Edição 265
dizjornal jornal
 
Diz Jornal - Edição 264
Diz Jornal - Edição 264Diz Jornal - Edição 264
Diz Jornal - Edição 264
dizjornal jornal
 
Diz Jornal - Edição 263
Diz Jornal - Edição 263Diz Jornal - Edição 263
Diz Jornal - Edição 263
dizjornal jornal
 
Diz Jornal 262
Diz Jornal 262Diz Jornal 262
Diz Jornal 262
dizjornal jornal
 
Diz Jornal - Edição 261
Diz Jornal - Edição 261Diz Jornal - Edição 261
Diz Jornal - Edição 261
dizjornal jornal
 
Diz Jornal Edição 260
Diz Jornal Edição 260Diz Jornal Edição 260
Diz Jornal Edição 260
dizjornal jornal
 
Diz Jornal 259
Diz Jornal 259Diz Jornal 259
Diz Jornal 259
dizjornal jornal
 
Diz Jornal - Edição 258
Diz Jornal - Edição 258Diz Jornal - Edição 258
Diz Jornal - Edição 258
dizjornal jornal
 
Diz Jornal - Edição 252
Diz Jornal - Edição 252Diz Jornal - Edição 252
Diz Jornal - Edição 252
dizjornal jornal
 
Diz jornal - Edição 251
Diz jornal - Edição 251Diz jornal - Edição 251
Diz jornal - Edição 251
dizjornal jornal
 
Diz Jornal - Edição 249
Diz Jornal - Edição 249Diz Jornal - Edição 249
Diz Jornal - Edição 249
dizjornal jornal
 
Diz Jornal - Edição 247
Diz Jornal - Edição 247Diz Jornal - Edição 247
Diz Jornal - Edição 247
dizjornal jornal
 
Diz Jornal - Edição 246
Diz Jornal - Edição 246Diz Jornal - Edição 246
Diz Jornal - Edição 246
dizjornal jornal
 
Diz Jornal Edição 245
Diz Jornal Edição 245Diz Jornal Edição 245
Diz Jornal Edição 245
dizjornal jornal
 
Diz Jornal - Edição 244
Diz Jornal - Edição 244Diz Jornal - Edição 244
Diz Jornal - Edição 244
dizjornal jornal
 
Diz Jornal - 243
Diz Jornal - 243Diz Jornal - 243
Diz Jornal - 243
dizjornal jornal
 
Diz Jornal - Edição 242
Diz Jornal - Edição 242Diz Jornal - Edição 242
Diz Jornal - Edição 242
dizjornal jornal
 
Diz JORNAL - EDIÇÃO 241
Diz JORNAL - EDIÇÃO 241Diz JORNAL - EDIÇÃO 241
Diz JORNAL - EDIÇÃO 241
dizjornal jornal
 
Diz Jornal - Edição 240
Diz Jornal - Edição 240Diz Jornal - Edição 240
Diz Jornal - Edição 240
dizjornal jornal
 

Mais de dizjornal jornal (20)

Diz Jornal - Edição 266
Diz Jornal - Edição 266Diz Jornal - Edição 266
Diz Jornal - Edição 266
 
Diz Jornal - Edição 265
Diz Jornal - Edição 265Diz Jornal - Edição 265
Diz Jornal - Edição 265
 
Diz Jornal - Edição 264
Diz Jornal - Edição 264Diz Jornal - Edição 264
Diz Jornal - Edição 264
 
Diz Jornal - Edição 263
Diz Jornal - Edição 263Diz Jornal - Edição 263
Diz Jornal - Edição 263
 
Diz Jornal 262
Diz Jornal 262Diz Jornal 262
Diz Jornal 262
 
Diz Jornal - Edição 261
Diz Jornal - Edição 261Diz Jornal - Edição 261
Diz Jornal - Edição 261
 
Diz Jornal Edição 260
Diz Jornal Edição 260Diz Jornal Edição 260
Diz Jornal Edição 260
 
Diz Jornal 259
Diz Jornal 259Diz Jornal 259
Diz Jornal 259
 
Diz Jornal - Edição 258
Diz Jornal - Edição 258Diz Jornal - Edição 258
Diz Jornal - Edição 258
 
Diz Jornal - Edição 252
Diz Jornal - Edição 252Diz Jornal - Edição 252
Diz Jornal - Edição 252
 
Diz jornal - Edição 251
Diz jornal - Edição 251Diz jornal - Edição 251
Diz jornal - Edição 251
 
Diz Jornal - Edição 249
Diz Jornal - Edição 249Diz Jornal - Edição 249
Diz Jornal - Edição 249
 
Diz Jornal - Edição 247
Diz Jornal - Edição 247Diz Jornal - Edição 247
Diz Jornal - Edição 247
 
Diz Jornal - Edição 246
Diz Jornal - Edição 246Diz Jornal - Edição 246
Diz Jornal - Edição 246
 
Diz Jornal Edição 245
Diz Jornal Edição 245Diz Jornal Edição 245
Diz Jornal Edição 245
 
Diz Jornal - Edição 244
Diz Jornal - Edição 244Diz Jornal - Edição 244
Diz Jornal - Edição 244
 
Diz Jornal - 243
Diz Jornal - 243Diz Jornal - 243
Diz Jornal - 243
 
Diz Jornal - Edição 242
Diz Jornal - Edição 242Diz Jornal - Edição 242
Diz Jornal - Edição 242
 
Diz JORNAL - EDIÇÃO 241
Diz JORNAL - EDIÇÃO 241Diz JORNAL - EDIÇÃO 241
Diz JORNAL - EDIÇÃO 241
 
Diz Jornal - Edição 240
Diz Jornal - Edição 240Diz Jornal - Edição 240
Diz Jornal - Edição 240
 

Diz Jornal 248

  • 1. Niterói 27/06 a 11/07 www.dizjornal.comwww.dizjornal.com ZZoonnaa SSuull,, OOcceeâânniiccaa ee CCeennttrroo ddee NNiitteerróóii BBrruunnaaMMaaggaallhhããeess––FFoottoo::JJuulliiooCCeerriinnoo CCiirrccuullaaççããoo QQuuiinnzzeennaall 1166 MMiill EExxeemmppllaarreess IImmpprreessssooss EEddiiççããoo OOnnlliinnee PPaarraa UUmm MMiillhhããoo ee OOiittoocceennttooss MMiill LLeeiittoorreessDDiizz:: AA VVeerrddaaddee EEssccrriittaa DDiirreettoorr RReessppoonnssáávveell:: EEddggaarrdd FFoonnsseeccaa 22ªª QQuuiinnzzeennaa NNºº 224488 ddee JJuunnhhoo AAnnoo 1122 ddee 22002200 AA PPrróóxxiimmaa ee DDuurraa TTuuddoo MMaaiiss DDiiffíícciill.. PPaagg.. 0033 EElleeiiççããoo.. LLeevvaannttaa,, ee SSeerrvvee uumm CCaafféé,, MMuunnddoo qquuee oo AAccaabboouu.. PPaagg.. 0066PPaagg.. 0066
  • 2. Niterói 27/06 a 11/07/20 www.dizjornal.comwww.dizjornal.com 2 Informes Expediente Edgard Fonseca Comunicação Ltda. R Otavio Carneiro 143/704 - Niterói/RJ. Diretor/Editor Edgard Fonseca Registro Profíssional MT 29931/RJ Edição na internet para Hum milhão e 800 mil leitores Distribuidora Guadalupe 30 Anos de bons serviços Jornais Alternativos - Revistas - Folhetos - En-Jornais Alternativos - Revistas - Folhetos - En- cartes Demonstração de Placas Sinalizadorascartes Demonstração de Placas Sinalizadoras Entrega de Encomendas e Entregas SeletivasEntrega de Encomendas e Entregas Seletivas Niterói - Rio de Janeiro - São Gonçalo - Itaboraí - Teresópolis - Petrópolis - Maricá - Macaé eguada@ar.microlink.com.br guada@ar.microlink.com.br 21-98111-0289 96474-3808| 96467-3995 97407-9707 DG Distribuição, circulação e logística: Ernesto Guadelupe Diagramação Eri Alencar Impressão Tribuna | Tiragem 16.000 exemplares Redação do Diz Tel: 3628-0552 |9613-8634 R. Cônsul Francisco Cruz, nº 3 Centro - Niterói, RJ | CEP 24.020-270 dizjornal@hotmail.com | www.dizjornal.com.br Os artigos assinados são de integral e absoluta responsabilidade dos autores. O Projeto de Lei 132/2020 – foi votado na Câmara dos Vereadores de Niterói, (em 24/06) e institui o Programa Emergencial de Apoio à Cultura em Niterói, com ações emergenciais destinadas ao setor cultural, inserido nas me- didas necessárias para mitigação dos impactos econômicos e sociais decorrentes do Coronavírus. Trabalhadores da Cultura terão direito a três parcelas de R$ 500 e coletivos e instituições culturais terão três parcelas de R$ 1.5 mil - Aprovado em 1ª discussão com dispensa de interstício. Programa Emergencial E stão abertas as inscrições para o curso on-line sobre técnica de Interação Mediada por Animais, ofereci- do pela Escola Superior Pestalozzi. As aulas são on- -line e ministradas pela professora Vivian Gomes, médica veterinária, doutoranda pela Universidade Federal Flumi- nense. O investimento é de apenas R$60,00 em uma única parcela no ato da inscrição. Outras informações podem ser obtidas no endereço eletrônico www.pestalozzi.edu.br. Dividido em três módulos e com um total de 13 vídeos- -aula, o curso é destinado a profissionais e estudantes da área de saúde, educação e reabilitação que desejam se aprofundar na técnica do uso de animais como apoio ao tratamento de pessoas com deficiência ou idosos, além de familiares desse público. Por ser um curso livre, ele é desti- nado a qualquer pessoa interessada no tema, independente de ter graduação ou não. O objetivo é promover um trei- namento básico sobre a técnica. “Estamos nesse momento de pandemia e quando a nos- sa instituição se encontra com suas atividades suspensas, oferecendo esse curso livre a distância, feito totalmente de forma on-line e não presencial”, explica o professor José Raymundo Martins Romeo. Pestalozzi Niterói Curso Online Viviane Almeida A Comissão de Assistência às Vítimas de Violência Doméstica da OAB Niterói apóia a campanha “Si- nal Vermelho”, lançada no dia 10 de junho, pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e Associação dos Ma- gistrados Brasileiros (AMB). O foco da campanha é ajudar mulheres em situação de violência doméstica a pedirem ajuda nas drogarias e farmácias brasileiras. Muitas mulheres se encontram nessa situação e a Cam- panha busca oferecer um canal silencioso, para que sejam ajudadas. O protocolo é relativamente simples, exigindo apenas dois gestos: a vítima mostra para o atendente na farmácia o X em uma das suas mãos, que pode ser de- senhado com caneta, batom ou pilot, e o atendente da farmácia deverá ligar imediatamente para o 190 e reportar a situação que será de forma anônima. #advogado #ad- vocacia #oabrj #oabniteroi #cfoab. OAB Niterói na Campanha do ‘Sinal Vermelho’
  • 3. Niterói 27/06 a 11/07 www.dizjornal.comwww.dizjornal.com 3 Documento Q uando dizemos “nulidades” é por- que elas existem em grande número, infestando as Câmaras de verdadei- ros parasitas, que muitos passam a legislatu- ra inteira sem apresentar um único projeto, e sequer fazem uma fala na tribuna. Entram mudos e saem calados recebendo seus sa- lários, pagos com o dinheiro público, para nada fazerem e muitos ainda se vendem para o executivo para votarem favoravelmente projetos oficiais, proteger os desmandos, co- laborar com a ineficiência e tantas vezes com a corrupção. Isso n se acrescentando todo custo da manutenção do gabinete e asses- sores. Acreditamos que nas próximas eleições, na Câmara de Vereadores de Niterói, a renova- ção poderá chegar 50% ou mais. Dos que existem, irão ficar os que dispõem de esque- mas eleitorais, que dominam certas áreas e passaram seus mandatos cuidando dos seus eleitores; realmente representando os inte- resses e direitos dessa gente. Outros, que dispõem de muitos recursos financeiros, fa- rão como sempre: vão declarar para Justiça Eleitoral, (tudo muito bem arrumado) um valor dentro da absoluta legalidade, e por “debaixo dos panos”, aplicarão grandes im- portâncias frias, em campanhas não muito republicanas, onde vale até a compra de vo- tos através de líderes (alguns até religiosos); melhorias em propriedade ou de domínio de Associações de Moradores, comunidades populares, ligas de futebol (com doações de padrões de camisas, chuteiras e bolas), e até mesmo financiamento de times, bailes em fa- velas; quando não fazem acordos com líderes criminosos em favelas. Num Estado Democrático é preciso estar vigilantes em relação a estas pessoas inde- sejáveis. É necessário lembrar que se eles ocupam uma cadeira na Câmara, lhes serão dado poderes e influência, e levarão, no mí- nimo, quatro anos, além de nada produzirem em benefício do município. Estarão usu- fruindo de gabinete, assessores, verbas de representação, que somadas custam muito dinheiro público, para fazerem uma política A Próxima e Dura Eleição As eleições municipais já têm novas datas marcadas. O 1º turno será no dia 15 de novembro e o 2º turno dia 29 de novembro. Realmente serão as eleições mais difí- ceis dos últimos tempos. Mudaram as regras e serão possíveis apenas as coligações partidárias para o cargo de majoritário (prefeito). Ou seja: acabou aquele artifício de um candidato a vereador sem expressão eleitoral, pegar carona nos votos de outro muito bem votado. Antes, os votos de todos os candidatos eram compu- tados num montante único, e divididos internamente entre os mais votados; por exemplo: cada 14 mil votos elegia um vereador. (que é um coeficiente da divisão do total de votos de município em relação às 21 cadeiras). Um candidato conse- guia 6 mil votos era o mais votado entre todos no seu partido. Outros conseguiam 1.500 outros 700 votos e outros até 250 votos apenas. A soma de todos os votos (pertencentes à legenda) determinava quantos candidatos elegeria. Suponhamos que a soma total desse 42 mil votos. Elegeria 3 candidatos. O bem votado de 6 mil votos e mais dois. O 2º lugar que teve 1.500 votos e um 3º que teve 700 votos. Era aquela farra de ter um “puxador de votos” e outros tantos pendurados nessa votação geral. O sistema era inteiramente injusto. Em outro partido tinha um can- didato que teve 3.500 votos, mas, o seu partido, no total, não atingiu o coeficiente de 14.000 votos necessários para eleição de um representante. Sintetizando, um candidato se elegia com 750 votos, em detrimento aos 3.500 do outro. Agora é cada um por si. Eleger-se-á quem tiver mais votos, independente dos milhares de votos de um “puxador”. A moleza acabou e as nulidades estão com os dias conta- dos. As legendas menores terão direitos aproximados. suja, oportunista, corrupta e muitas vezes criminosa. Um parlamentar é um represen- tante do povo. Analisem esta frase como símbolo, e se perguntem quantos nessa casa legislativa de Niterói, realmente representam alguém, se não seus próprios interesses e da sua “cambada”. É claro que não são todos ruins. Temos bons vereadores em Niterói. Não são mui- tos, e até podemos contá-los nos dedos das mãos. Dentre o bom trabalho desempenha- do alguns são opositores, uns dos outros, em tudo. Mas, independentemente da coloração ideológica, dentro da sua ótica prestam ser- viços relevantes ao município e seus muní- cipes. Estes bons vereadores são, felizmente, os que mais chances de reeleição. Vereadores como Paulo Eduardo Gomes (PSOL) e Rena- to Cariello (PDT), são dois bons parlamenta- res, muitas vezes em campos opostos, mas que têm atuação efetiva, e são conhecidos pela defesa de seus projetos e posições. São vereadores com reeleição bem encaminhada e com muitas chances de sucesso. O verea- dor Bruno Lessa teria grande chance de ree- leição, pois fez um excelente mandato, mas apresenta-se como pré candidato a prefeito, e a sua disputa será outra. Paulo Bagueira, foi presidente da Câmara, esteve deputado Estadual e apresenta-se com pré candidato a vice prefeito na Chapa da situação. Milton Carlos Lopes – o CAL, che- gou à presidência da casa, em substituição a Paulo Bagueira. Tem um eleitorado regiona- lizado, mas, pela passagem na presidência da casa, ampliou alguns espaços políticos e tem possibilidades de mais uma reeleição. Alguns vereadores, como Luiz Carlos Gallo, Beto da Pipa e Andrigo, passaram a maior parte do tempo dos seus mandatos como secretá- rios municipais da administração de Rodrigo Neves. Retornaram à Câmara para disputar novos mandatos. Vão fazer campanhas atre- ladas à máquina municipal, o que não deixa de ser vantajoso. Os vereadores Carlos Macedo e Emanuel Rocha, Carlos Vaz (Casota), Leonardo Gior- dano e Paulo Henrique, possuem seus nichos de atuação e deverão usá-los como meios de obtenção de novos votos, para garantir a reeleição. Caso contrário, permitirão que novos candidatos se apossem e dividam seus eleitores. Os novatos, na grande maioria, não se elegerão, mais poderão atrapalhar e impedir a reeleição de quem já tem mandato. Uma coisa é certa: é preciso melhorar o nível intelectual e produtivo da Câmara de Vere- adores de Niterói. Esta dificuldade eleitoral será providencial. Assim acabaremos com mandatos que poderíamos chamá-los de “sem noção” e sem propósitos. O melhor simbolismo desses mandatos esdrúxulos é o do vereador Renatinho de PSOL. Ele certa- mente não sabe para que lado deva ir, fala sobre qualquer tema sempre com improprie- dade, e quando tem que votar, vota contra o próprio partido e contra o líder da sua bancada, o vereador Paulo Eduardo Gomes. Para que os recursos públicos não sejam desperdiçados com “mandatos” como este (e que já se repetiu outras vezes), é nossa obriga- ção fazer alertas e por em discussão situações como esta. Já passou de todos os limites do bom senso. Recursos públicos são preciosos para que se desperdice em mandatos inócuos e que só beneficia a que os possui. Quanto aos candidatos novatos, sugerimos que estudem muito o assunto. Um manda- to é algo complexo, e por aí tem muita gen- te achando que é fácil e simples. Não é não, e uma eleição não é algo tão simples como se imagina. Muita gente se perde em ilações como essa de ser “candidato a vereador”. A decepção posterior a eleição é sempre muito cruel. Quem se imagina popular e seguro que os seus “amigos” certamente votariam sem pestanejar, se engana. Na hora da verdade a situação é outra. Esta será uma eleição disputada voto a voto, sem muitas chances de “olho no olho” pelos limites da pandemia e principalmente o receio de muita gente tem de participar de aglome- rações. Por mais que melhore a situação do contágio da Covid 19, ainda não teremos a normalidade, ou ainda que se diga um “novo normal”. Esta será a campanha através dos meios de comunicação, dos veículos na in- ternet, que não é absolutamente o meio mais usual das camadas mais populares; que são os votos mais manipuláveis e imprevistos. Para o bem de todos, sugerimos muita refle- xão e calma. Vaidade e pretensão não elegem ninguém! Paulo Eduardo Gomes Milton Carlos Lopes - Cal Renato Cariello Luiz Carlos Gallo Casota
  • 4. Niterói 27/06 a 11/07/20 www.dizjornal.comwww.dizjornal.com 4 Cultura Paulo Roberto Cecchetti cecchettipaulo@gmail.com Internet - No dia 27/06 (sábado), a partir das 17h, Acontece a live do Jorge Vercillo, com transmissão em seu canal oficial do Youtube. O can- tor e compositor, que anda sumi- do, apresenta repertório e cenário novos. - Dia 27/06 (sábado), às 20h, tem “Live do Skank”, com trans- missão no canal oficial da banda no Youtube. A apresentação terá formato acústico e por meio do Instagram, os fãs podem pedir músicas. - Dia 28/06 (domingo), a partir das 18h30, ocorre a live do can- tor Milton Nascimento. O show ao vivo será exibido por meio do seu canal oficial no Youtube. O evento faz parte do movimento "Fique em casa e cante comigo". Lives O Instagram é uma das redes sociais que se atualiza com mais frequên- cia, disponibilizando novos recur- sos e funções. Foi assim que a rede social incluiu os stories e acabou com o Snapchat, e agora o novo alvo é acabar com o TikTok. Foi anunciado no ultimo dia 23, a função “Reels ’’, uma continuação do recurso “Cenas” quem vem sendo testado no Bra- sil. A novidade adiciona uma nova seção nos perfis, que vai reunir vídeos curtos e que tenham algum tipo de efeito ou de edi- ção. Até então, o Cenas não tinha um espaço definido para exibição: ele era uma versão das Stories e aparecia dessa maneira quan- do publicado. Os pequenos vídeos feitos pelos usuários também eram inclusos em uma parte específica da seção Explorar. Segundo o vice-presidente de produto do Instagram, há uma necessidade por vídeos que tenham curta duração que sejam cria- tivos. Para ele, com o teste do Cenas no Brasil, o Instagram percebeu que a duração dos stories (24 horas) não era compatível com o trabalho por trás de um vídeo edi- tado. Por isso, escolheram criar uma seção para que esse tipo de conteúdo ficar arma- zenado. Diferente de redes como o TikTok, em que uma publicação pode ser exibida para to- dos os usuários, o conteúdo no Instagram é principalmente distribuído entre os segui- dores dos usuários. Nesse sentido, o com- partilhamento do Reels será igual ao do InstaTOK TikTok, com o usuário podendo escolher se quer que o vídeo seja apresentado na aba Explorar do app. Segundo o criador, esse conteúdo vai ser exibido com algoritmo de indicação, com base nos interesses do usuário. Outra “co- pia” do TikTok é a possibilidade de ver os Reels já feitos com um áudio e poder dublá- -lo ou reagir a ele. Como funciona?Como funciona? Para criar, o processo é o mesmo que já acontecia com o Cenas: existe uma funcio- nalidade específica para esse conteúdo na parte da câmera. • Áudio: é possível selecionar uma música ou um áudio que já existe na biblioteca do Instagram; • Velocidade: permite acelerar ou diminuir a velocidade dos quadros do vídeo; Temporizador e contagem regressiva: per- mite ao usuário gravar com as mãos livres ou sincronizar a gravação com a música es- colhida; • Filtros e efeitos do Instagram: os filtros que já existem na rede social, como tela verde, estarão disponíveis; • Ferramenta de edição: permite fazer cor- tes e adicionar novas cenas ao vídeo, com diferentes trechos, que podem ser ordena- dos. Também é possível revisar o trecho clicando na imagem, ou excluí-lo e gravá-lo novamente. Respeitável público! Não é o circo que nos cerca. O que há é uma ausência cultural nestes cem dias sem os calorosos aplausos da platéia. A cultura ainda é o elo entre conhecimento global, desenvolvimento econômico, saúde assistida e segurança da sociedade. Qualquer outro posicionamento sobre o futuro da cultura passa a ser mero achismo. Ignorar esse vazio criado pela pandemia e fomentado pela dor do isolamento, devemos ter o dever de ocupar o espaço que nos cabe e assumir o momento histórico de uma crise inédita. A cultura não necessariamente nos aliviará da angústia que nos aprisiona e que aflora por toda ausência de afetos. Fato concreto. No dia 22 de junho, fizemos doze anos de inin- terrupta reunião dominical com poetas e amigos do movimento cultural “Escritores ao ar Livro”. Viva a poesia! Viva a extensa produção intelectual e artística de todos os envolvidos que, certamente, irão sobreviver e fortalecer nossa cultura na cidade de Niterói. Respeitável Público
  • 5. Niterói 27/06 a 11/07 www.dizjornal.comwww.dizjornal.com 5 Edgard Fonsecaedgardfonseca22@hotmail.com E ste título é uma afirmação profética (embora poética) de Eduardo Dussek na sua música “Nostradamus”, com- posta no final dos anos 70. Esta imagem retrata bem os dias atuais que vivemos. O mundo sofreu e sofre as conseqüências da grande pandemia do Covid 19, e mesmo aqueles que por ignorância ou medo da verdade negam a existência do vírus, vêem as mortes muito próximas e como ratos assustados riem amarelos. O isolamento social é transformador e dolorido, além da assustadora falta de perspectivas reais do que nos espera num futuro próximo. Tenho visto pessoas cada vez mais intros- pectivas e automatizadas, lembrando com- portamento de zumbis. Perdemos muita gente querida e a tristeza é conseqüência lógica. Estamos saindo das “tocas” como animais assustados e precavidos. É como se existissem predadores nos espreitando D epois de dias tensos com a prisão do Queiroz, seus “ativistas” sen- do presos, um advogado delirante que dá versões inexplicáveis e incabíveis, Bolsonaro, baixou o tom, buscou aproxima- ção com o Congresso e com o Supremo. Muitos disseram que era medo e que ele estava tentando acrescentar mais uns meses de sobrevivência na presidência. Medo ou não, foi uma atitude legítima e inteligente. Repararam como melhorou? Se ele ficas- se quietinho e menos arrogante, poderia tomar suas atitudes sem grandes atritos e prejuízos. Já teve baixas demais no seu go- verno e sacrificou tanta gente. Já é hora de aplanar o terreno para poder governar. Para quem enfrentou conflitos em todos os dias do seu governo e agora vendo a cal- ma que foi esta semana, poderia aprender e por em prática do comportamento sem ruídos. Ainda teve uma vitória grandiosa, U m pedido do PT tentou retirar de pauta a votação do Marco Regulatório do Saneamento Básico. Este marco oferece o benefício da coleta de esgoto e forne- cimento de água tratada para todos os brasileiros. A defesa dessa ideia é que vão privatizar as “estatais do esgoto”. Ideologias não resolvem o problema secular; enquanto eles discutem seus pontos de vista, o povo morre de inúmeras doenças. Não podemos permitir que doenças diversas proliferem pela falta de saneamento básico, com esgotos a céu aberto, com milhares de crianças padecendo de diarréias, inclusive com muitos casos fatais. O necessário é fiscalizar para não permitir que o esgoto se transforme em moeda de troca e mina de ouro para empresas. Resolver o problema do saneamento no Brasil é urgente, como sempre. Levanta, e Serve um Café, que o Mundo Acabou Saneamento Básico Universalizado Bolsonaro: Fim de Semana com Refresco nos becos e nas esquinas mais disfarçadas. Ainda estamos reticentes diante do surreal e gigantesco baile de máscaras, andando de lado e olhando para o chão. O que será que será? O que andam sussurrando como ladainhas surdas, das palavras não ditas aos nossos mortos quando não podemos nos despedir. Na realidade, essa é a sensação de terra arrasada de um pós guerra sem rendição, sem acertos e nem declarações. Todos nós perdemos; alguns muito mais e definitivamente, mas, não há ninguém que não tenha tido prejuízos. E ainda nos anima essa vontade de reagir, da insistente espe- rança de reconstrução daquilo que jamais será como antes. É como se disséssemos: “levanta, e serve um café, que o mundo acabou”. E assim é. Vamos para um mundo novo, pois o que tínhamos acabou. Certa- mente seremos melhores e agentes de uma nova sociedade dos poetas mortos. quando dois desembargadores livraram a pele do Flavio Bolsonaro, mandando o seu processo das “rachadinhas da ALERJ” para a segunda instância. Vai ganhar um tempi- nho nisso aí, vai dar uma refrescada no pes- coço. Mas, o Flavio não se livrou dos fatos gravados no processo do Juiz Itabaiana. Vai levar tudo para cima. Agora é só rezar para o Queiroz continuar calado e mandar este advogado “angelical” ficar em silêncio. Ajudaria na refrigeração das tensões. O final de culpabilidade garan- tida vai ser difícil de conter. A menos que, o operador Queiroz, de forma suicida, sen- te em cima dessa granada livrando o corpo do “bondoso patrão senador”. Por hora, é só um fim de semana com re- fresco. O que virá? Depende da aparição da mulher do Queiroz. É só manter o venti- lador desligado, o balde de dejetos tampa- do e as crianças fora da sala. Votaram contra a votação do projeto: Jaques Wagner (PT-BA), Humberto Costa (PT-PE), Jean- Paul Prates (PT-RN), Paulo Rocha (PT-PA), Paulo Paim (PT-RS), Rogério Carva- lho (PT-SE), Mecias de Jesus (Republicanos-RR), Cid Gomes (PDT-CE), Weverton Rocha (PDT-MA), Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB), Zenaide Maia (PROS-RN) e Randolfe Ro- drigues (Rede-AP). Inacreditável... Entretanto, o Marco Regulatório do Saneamento, foi aprovado no dia 24 de junho, tornan- do-se uma data histórica para o Brasil. O Marco Regulatório vai universalizar os serviços de água e esgoto até 2033. O Projeto de Lei recebeu 65 votos a favor e fatídicos 13 votos contra.
  • 6. Niterói 27/06 a 11/07/20 www.dizjornal.comwww.dizjornal.com 6 Fernando Mello - fmelloadv@gmail.com Fernando de Farias Mello Fernando Mello, Advogado www.fariasmelloberanger.com.br e-mail: fmelloadv@gmail.com Liberdade em Perigo T udo indica que estamos caminhan- do para o bloqueio total de nossas liberdades individuais. O pior disso tudo é que a origem do cancelamento de nossas liberdades não poderia ser mais sur- preendente: o STF. Logo esse tribunal, criado para defender a nossa Constituição, onde está escrito que somos livres para manifestar nossos pensa- mentos, artigo 5°, inciso IV. Ora, podemos nos manifestar sobre o que quisermos. Estamos livres para isso. Se chamarmos os ministros do STF de va- gabundos ou bandidos pode ferir a sensibi- lidade de algum deles, que processem pe- dindo para que o acusador prove sob pena de indenização, calúnia ou difamação. O que não pode é sair prendendo manifes- tantes como acontecia nos regimes milita- res. Agindo assim, o STF, com a devida vênia, está destruindo as nossas liberdades e ras- gando a própria constituição que deveria defender. O mais impressionante disso tudo foi ler o jornal O Globo concordar com a censura. Sei que o arrependimento será, infelizmen- te, tardio. Assistir a TV Globo enaltecer as figuras do Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre também deve estar deixando sua platéia pisando na lama da velha política. Nosso presidente da república é um ogro, grosseiro e de palavras duras e muitas vezes agressivas e intempestivas, mas em nenhum momento assisti o tal Bolsonaro defender a censura ou a perda das liberdades indi- viduais. Na verdade, se formos prestar a atenção no momento “meu passado me condena”, vemos que quem tem um passado sujo está aí, na te- linha, defendendo e piso- teando nossas liberdades. Incrível, não é? O único que tem um pas- sado sem condenações é exatamente o ogro, o grosseiro e cheio de pa- lavrões. Não conheço um político 171 antipático. Não posso dizer o mes- mo do seu filho senador, que pelo visto tem os pés sujos da mesma lama da Assembléia do RJ, com os seus outros colegas então deputados aplicando a ra- chadinha. Todos devem ser conde- nados, inclusive o Flávio, com certeza. E que não investiguem a nossa Câ- mara de Vereadores. Será que são todos santinhos também? Considero as fake news uma praga e que será di- fícil resolver por que vai depender de cada um, pensar e analisar se vale à pena passar adiante uma notícia que parece ser bombástica. Temos mesmo é que con- trolar o clique do mouse ou o dedo na tela do celular na hora de “encaminhar” essa notícia que você não tem certeza se é ver- dadeira. Mas acho que nós todos temos o direito constitucional de externar nossa opinião, nos manifestarmos podendo ser sobre qualquer assunto, menos propagar a terrí- vel suástica nazista porque é ilegal. Por tudo isso, tenho que me manifestar: basta de mimimi! Tenho como exemplo máximo da liberdade de imprensa aquele jornal francês, o Chalie Hebdo, que até fez e publicou uma charge com o seu próprio atentado terrorista (um exagero, diga-se). Mas é assim a tal liberda- de. Não pode é ter mimimi. O jornal O Globo e outros certamente irão chorar a falta de liberdade lá no futuro (estou torcendo para que isso não aconte- ça), pois se esqueceram do passado negro quando abríamos o Jornal do Brasil e en- contrávamos receitas para bolo no lugar de notícias contra o governo militar. A nossa democracia, com o STF legislando, atuando como Executivo e não oferecendo a segurança jurídica (algo comum nos pa- íses com a sociedade organizada e cons- ciente de seus deveres e liberdades), acho que o horizonte está sombrio. Coitada da nossa complicada constituição nas mãos desse STF.
  • 7. Niterói 27/06 a 11/07 www.dizjornal.comwww.dizjornal.com 7 Conexões contato@agenciastilo.com E! Games dizjornal@hotmail.com U m fato inegável, é que as indústrias de games e de conteúdo adulto têm crescido muito desde o come- ço da pandemia do coronavírus. Com as pessoas de quarentena em suas casas, faz até sentido que uma plataforma de jogos “adultos” siga essa tendência. A Nutaku, um dos maiores serviços de ga- mes pornô do mundo, conseguiu um au- mento de 40% em seus usuários cadastra- dos desde janeiro. Em maio, já eram mais de 56 milhões de pessoas. O Brasil é parte importante da estratégia da Nutaku. Afinal, é um dos dez países com o maior número de usuários na plataforma, em lista liderada pelos Estados Unidos. Apesar de pertencer à MindGeek (dona de sites pornográficos como Pornhub e de es- túdios de conteúdo adulto como Brazzers) a Nutaku é uma plataforma de games. Exis- te inclusive uma equipe que recruta estú- dios com games "normais" para o desen- volvimento de versões adultas. Com cerca de 400 games gratuitos e pa- gos, que podem ser jogados no navegador ou em celulares, a plataforma tem parceria de publicação e distribuição com mais de Games 18+ 300 estúdios de todo o mundo. No catálogo, há desde jogos de RPG ou ação, a games de plataforma mais casuais e até realidade virtual. A ideia é que todo tipo de usuário possa ser contemplado. A maioria tem temática claramente direciona- da ao público hétero masculino, mas ses- sões com conteúdo para gays, lésbicas e transgêneros tentam aumentar a represen- tatividade. Todos, no entanto, devem seguir as regras de responsabilidade da plataforma. Ou seja, não podem apresentar personagens menores de idade ou qualquer tipo de abu- so. A maioria dos idealizadores que recrutam os studios novos nunca sequer trabalhou na área, por isso a Nutaku ajuda no de- senvolvimento dos aspectos nos quais são especialistas. As ideias partem dos desen- volvedores, mas a plataforma indica o me- lhor caminho a seguir, além de artistas para tornar o plano realidade. É visível o crescimento desse mercado e sua abertura para novos postos de traba- lho. Vale ressaltar que todo o conteúdo produzido é proibido para menores de 18 anos. Perderam a Noção de TudoPerderam a Noção de Tudo Fico impressionado com a quantidade de energias jogadas fora por tanta gente, apenas para fazer prevalecer o seu ponto de vista ideológico. São modelos de discussão tão pre- visíveis, principalmente pela manutenção do formato de raciocínio, linguagem e estratégia (se podemos chamar assim) de condução da disputa. É o modelo existente, desgastado e ineficiente, mas repetitivamente condicionado à defesa de padrões particulares, como se houvesse apenas um molde disponível; a aí fica tudo muito chato e acima de tudo pobre e tendencioso. Não agüento mais estas discussões partidarizadas por extremistas dos dois lados. É insu- portável essa situação de “nós contra eles”, sem lógica ou meio termo. Não existe um cer- ne de referência, e para vencer a discussão dizem qualquer coisa, com tanto que torçam a situação para seu lado. Fazem especulações imaginárias e aí se perdem dizendo absurdos. Vi esta semana um desses “ativistas” postando no Facebook que “a China criou este vírus para derrubar o presidente Bolsonaro”. É não ter noção de nada para postar uma sandice dessas! Imaginar que a China, para derrubar um presidente da America do Sul, cria uma pandemia que atinge o mundo inteiro, principalmente os Estados Unidos, mata milhares de pessoas na Rússia, Coréia, Reino Unido, Espanha e muitos outros países; devasta Itália onde eles têm interesses econômicos e onde residem milhares de chineses, trabalhando em suas fábricas, só para “atrapalhar” o Jair Bolsonaro. Quanta boçalidade! Quanta burrice irresponsável! É como a imbecilidade do presidente Hugo Chaves, que acusou os Estados Unidos de man- dar de forma supersônica um câncer para atingi-lo. Idiotices no atacado... Quem aguenta tanta estupidez? Refazendo PerspectivasRefazendo Perspectivas Com muita surpresa e dor perdemos uma tia de mais de oitenta anos, mas, saudável e ativa, que sofreu uma queda batendo a cabeça e foi levada ao hospital para exame. Os médicos aconselharam a internação para observação. No dia seguinte apareceu uma febre que evoluiu rapidamente, Era uma contaminação hospitalar do Corona Vírus. Faleceu 12 dias depois. Foi desolador e tudo muito rápido. Atônitos, os filhos voltaram ao apartamento que ela morava sozinha, e descobriram nos muitos armários, uma imensa quantidade de “tudo”. Centenas de panos de pratos, nun- ca usados; lençóis, edredons, louças e talheres, e principalmente sabonetes, colônias e perfumes importados. Tudo intacto nas embalagens. O curioso era existência de muitos “presentes”, para todo tipo de pessoas e idades. Ela gostava de presentear amigas, filhas, sobrinhos e netos. Acompanhei esta maratona de revisão, até para apoiar minhas primas, e fiquei também impactada com o que vi. Daria para montar uma pequena loja de variedades e presentes. Ficou em mim a reflexão: a tia era uma pessoa muito boa, gentil e afetuosa com todos, o que justifica a quantidade de presentes para oferecer. Mas, numa síntese prática, mostrou- -se uma acumuladora contumaz. E a reflexão que fiz está ecoando na minha cabeça: Para que tanta coisa guardada e sem utilidade prática? Lembrei da minha falecida mãe que tinha jogos de louças para cada ocasião. Morreu sem usar todas, que foram parar nas mãos de noras que nunca deram o mínimo valor ou importância para aquelas “porcelanas inglesas”. Daí, meus amigos, fica a sugestão: “a vida foi feita para ser vivida nos mínimos detalhes. Tudo, absolutamente tudo, deve ser usado e aproveitado na sua integra utilidade. Quando partimos, principalmente de forma repentina, nossos pertences ficam tão perdidos como quem os encontra em inesperada situação. O lema deve ser, viver e aproveitar como se fosse o último momento. O Convid 19 vai passar, como todos nós, assim com passou a querida tia e os entes queridos de tanta gente.
  • 8. Niterói 27/06 a 11/07/20 www.dizjornal.comwww.dizjornal.com Renda Fina 8 Edição na internet para Hum milhão e 800 mil leitores Aniversariantes da Edição Mariah Puksfeld Thiago Goés Soraya Maria Abreu Miranda Adroaldo Peixoto Garani Beth Leal Domingos de Almeida O Prefeitáveis 2020 Para Niterói Adroaldo Peixoto - Rede Axel Grael - PDT Felipe Peixoto - PSD Bruno Lessa - DEM Flavio Serafini - PSOL Juliana Benicio-Novo