SlideShare uma empresa Scribd logo
Diodo
Diodo
Ao se juntar um elemento P a um elemento N, temos a seguinte situação: o elemento
P tem excesso de lacunas; o elemento N tem excesso de elétrons. No ponto onde os
dois cristais se tocam, tende a haver uma migração de elétrons e lacunas, até que se
estabeleça um equilíbrio.
Observe que se forma um equilíbrio na região da junção, deixando de existir
portadores majoritários (elétrons livres ou lacunas). Essa camada, chamada camada de
depleção (sinônimo de diminuição), impede que se gere um equilíbrio completo entre
os cristais P e N. Isto porque os elétrons do cristal N não encontram lacunas para se
movimentar pela camada de depleção. O mesmo ocorre com as lacunas que ficaram
isoladas no lado P. Ou seja, a camada de depleção é uma espécie de "zona morta" onde
não há espaço para movimentação de elétrons e lacunas.




                           Formação da camada de depleção
Polarização direta
  Vamos agora submeter nosso diodo a uma tensão, ou seja, colocar uma bateria em
  seus terminais. Vamos conectar o terminal negativo (fluxo de elétrons) da bateria à
  porção N do diodo e o terminal positivo (fluxo de lacunas) à porção P. Desta forma, a
  região N, com excesso de elétrons, recebe ainda mais elétrons, e a porção P recebe
  ainda mais lacunas. Observe o que acontece:




Os elétrons do lado N recebem toda a energia do pólo negativo da fonte, ganhando força
suficiente para expulsar os elétrons que estão alojados na camada de depleção.
Rompendo essa camada, eles encontram um terreno fértil em lacunas no lado P. Mas não
param por aí: como eles são atraídos pelo pólo positivo da fonte, eles continuam a pular
de lacuna em lacuna, abrindo espaço para que outros elétrons possam vir atrás deles.
Com esse movimento, forma-se uma corrente elétrica. O semicondutor passa a se
comportar como um condutor normal.

Um dado técnico importante: para que ocorra o que está descrito na figura, é necessário
que a bateria supra mais do que 0,7 volts, que é o valor da barreira de potencial que se
forma na camada de depleção de um diodo de silício
Polarização inversa
  Vamos agora inverter a polaridade da bateria. Vamos conectar o terminal positivo da
  bateria à porção N do diodo e o terminal negativo à porção P. Desta forma, os elétrons
  da região N são atraídos pelas lacunas do pólo positivo da bateria e as lacunas da região
  P são completadas pelos elétrons do pólo negativo. Observe o que acontece:




A camada de depleção aumenta sensivelmente. Se ela já dificultava a passagem de
corrente, agora torna-se virtualmente impossível transpô-la. Os portadores majoritários de
cada lado ficam ainda mais isolados. O semicondutor, então, passa a se comportar como
um isolante. Não há passagem de corrente elétrica.

Esse foi um grande passo no desenvolvimento da eletrônica. As válvulas diodo puderam ser
substituídas com muitas vantagens pelo diodo semicondutor. E foi dado o passo definitivo
para a construção do transístor.
Diodo
Tipos de Diodo
Diodo Zener


Diodo Zener (também conhecido como diodo regulador de tensão , diodo de tensão
constante, diodo de ruptura ou diodo de condução reversa) é um dispositivo ou
componente eletrônico semelhante a um diodo semicondutor, especialmente
projetado para trabalhar sob o regime de condução inversa, ou seja, acima da tensão
de ruptura da junção PN, neste caso há dois fenômenos envolvidos o efeito Zener e o
efeito avalanche. O dispositivo leva o nome em homenagem a Clarence Zener, que
descobriu esta propriedade elétrica.

O diodo Zener difere do diodo convencional pelo fato de receber uma dopagem (tipo N
                                                          ZONA DE
                                                          TRABALHO
ou P) maior, o que provoca a aproximação da curva na região de avalanche ao eixo
vertical. Isto reduz consideravelmente a tensão de ruptura e evidencia o efeito Zener
que é mais notável à tensões relativamente baixas (em torno de 5,5 Volts)
Funcionamento e Aplicação do Diodo
             Varicap
O nome Varicap é derivado das palavras em inglês: Voltage Variable Capacitance, isto
é, diodo com capacitância variável por tensão. Apesar de ser pouco conhecido pela
maioria dos técnicos de eletrônica, ele aparece em muitos equipamentos eletrônicos,
sempre no estágio de RF, tanto na transmissão como na recepção. Está presente
principalmente na sintonia dos receptores de última geração, com frequência
sintetizada, sintonizados por controle remoto, assim como nos receptores de AM, FM
e aparelhos de TV. Também é muito usado nos moduladores lineares de uma maneira
geral, nos equipamentos profissionais, como por exemplo nos transmissores de FM e
som de TV. Além dessas aplicações, ele aparece em uma infinidade de outras, entre as
quais:
•          Amplificadores paramétricos
•          Osciladores controlados por tensão (VCO)
•          Geradores de sinais com frequência sintetizada
•          Filtros passa faixa, com largura de banda ajustável
•          Geradores de frequências harmônicas.
Para que os técnicos possam consertar os equipamentos citados acima, precisam
primeiro conhecerem o seu funcionamento e suas principais características, que serão
vistos na sequência.
Diodo túnel


O diodo túnel ou díodo Esaki é um tipo de diodo semicondutor extremamente rápido,
que opera na casa dos GHz, através da utilização dos efeitos da mecânica quântica.
Recebeu o nome do físico Leo Esaki, que em 1973 recebeu o Prêmio Nobel em Física
pela descoberta do efeito túnel utilizado neste tipo de diodo semicondutor.
Ele funciona somente na área de resistência negativa, ou seja diminui a tensão aumenta
a corrente, somente quando tem-se uma tensão muito próxima de zero (chamada de
avalanche, do diodo zener), ou seja, ele só funciona como diodo túnel quando
polarizado diretamente e sob tensões bem baixas, para tensões fora dessa região ele
funciona como um diodo comum.
Resumidamente, o diodo túnel só atua com propriedades especificas em baixas tensões.
Diodo schottky
Diodo Schottky
é um tipo de diodo que utiliza o efeito Schottky na semicondução. Seu nome é uma
homenagem ao físico alemão Walter Schottky. Esse Diodo serve para diminuir a
carga "armadilha" no diodo. Um diodo comum ao passar da região direta de
condução para a reversa, produz em um curto tempo uma corrente reversa alta,
resultante de cargas armadilhas, tendo um efeito importante no uso de diodos
através de frequência alta, com a fabricação de um diodo utilizando-se ao invés do
material P um metal, não haverá lacunas que possam armadilhar elétrons vindos dos
outros materiais durante a corrente direta, de forma que na passagem para corrente
reversa haverá este aumento de corrente.
O principal destaque do diodo schottky é o menor tempo de recuperação, pois não
há recombinação de cargas do diodo de junção. Outra vantagem é a maior densidade
decorrente, o que significa uma queda de tensão direta menor que a do diodo
comum de junção. A contrapartida é uma corrente inversa maior, o que pode
impedir o uso em alguns circuitos. São usados principalmente em circuitos de alta
frequência, de alta velocidade de comutação
Diodos emissores de luz (LED)


Ao passar por uma junção PN, elétrons sofrem transições de níveis de energia e, de
acordo com princípios da física quântica, devem emitir alguma radiação.
Semicondutores de germânio, de silício e outros comuns não emitem radiação
visível.
Mas ela é emitida por alguns semicondutores de compostos químicos, como
arsenieto de gálio, fosfeto de gálio e índio, etc
O diodo led deve ser diretamente polarizado para emitir luz. A Figura dá um circuito
básico. Para a determinação de R uma vez conhecido V, pode-se supor corrente
máxima de 20 mA


A tensão inversa máxima da maioria dos leds é pequena, de forma que uma
inversão de polaridade com alguns volts pode ser suficiente para danificar.
Fotodiodo


O fotodíodo é um díodo semicondutor no qual a corrente inversa varia com a
iluminação que incide sobre a sua junção PN.
A corrente que existirá sem nenhuma iluminação aplicada é geralmente da ordem dos
10mA nos fotodíodos de germânio e de 1mA nos fotodíodos de silício




Características de um fotodíodo:         Aplicações dos fotodíodos:
·Comprimento de onda (l) da luz que      ·Sistemas de segurança anti-roubo.
accionará o dispositivo.                 ·Abertura automática de portas.
·Área sensível do componente que         ·Regulação automática de contraste e
deverá receber o feixe de luz.           brilho na TV.
SCR - Tiristor
O Tiristor SCR (Silicon Controlled Rectifier) foi
desenvolvido por um grupo de engenheiros
do Bell Telephone Laboratory (EUA) em 1957.
É o mais conhecido e aplicado dos Tiristores
existentes. Tiristor é o nome genérico dado à
família dos componentes compostos por
quatro camadas semicondutoras (PNPN).
Os Tiristores SCR’s funcionam analogamente a
um diodo, porém possuem um terceiro
terminal conhecido como Gatilho (Gate ou
Porta). Este terminal é responsável pelo
controle da condução (disparo). Em condições
normais de operação, para um SCR conduzir,
além de polarizado adequadamente (tensão
positiva no Ânodo), deve receber um sinal de
corrente no gatilho, geralmente um pulso.
Experiências
      O que fazemos é ligar o diodo em série
      com uma lâmpada de modo que a
      corrente tenha de passar através dele
      para alimentá-la..
      Assim, conforme ilustra a figura,
      observamos que quando ligamos o
      diodo de modo que ele seja polarizado
      no sentido direto, a corrente pode
      passar com facilidade e a lâmpada
      acenderá.



      No entanto, se o diodo for invertido a
      lâmpada não acenderá, pois ele estará
      polarizado no sentido inverso, condição na
      qual a corrente não passa.
Aplicações Simples
Protetor de Aparelhos          Qualquer Polaridade: A Ponte de Graetz




Redutor de Tensão
                               Circuito de “Reforço” de Potência

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.
Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.
Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.
Fred Pacheco
 
inversor de frequencia
inversor de frequenciainversor de frequencia
inversor de frequencia
Renato Amorim
 
ufcd_6033_-_transformadores.pptx
ufcd_6033_-_transformadores.pptxufcd_6033_-_transformadores.pptx
ufcd_6033_-_transformadores.pptx
Ricardo Santos
 
Díodo zener
Díodo zenerDíodo zener
Díodo zener
Evaldo Savio Araujo
 
Gabarito v2
Gabarito v2Gabarito v2
Gabarito v2
Leandro Rezende
 
Sinais senoidais
Sinais senoidaisSinais senoidais
Sinais senoidais
Cassio Gonçalves Costa
 
Eletrônica Básica
Eletrônica BásicaEletrônica Básica
Eletrônica Básica
Desiree Santos
 
Dispositivos Utilizados em Comandos Elétricos
Dispositivos Utilizados em Comandos ElétricosDispositivos Utilizados em Comandos Elétricos
Dispositivos Utilizados em Comandos Elétricos
Jadson Caetano
 
eletrônica de potência
eletrônica de potênciaeletrônica de potência
eletrônica de potência
John Kennedy
 
Apresentação motores de indução
Apresentação motores de induçãoApresentação motores de indução
Apresentação motores de indução
Luiz Carlos Farkas
 
Corrente alternada
Corrente alternadaCorrente alternada
Corrente alternada
Palloma Cidrim
 
Amplificadores operacionais
Amplificadores operacionaisAmplificadores operacionais
Amplificadores operacionais
GIGLLIARA SEGANTINI DE MENEZES
 
Eletricidade
EletricidadeEletricidade
Eletricidade
Leonardo Muniz
 
Amplificador operacional
Amplificador operacionalAmplificador operacional
Amplificador operacional
Lucelio de Oliveira Lemos
 
Instalacoes eletricas 1
Instalacoes eletricas 1Instalacoes eletricas 1
Instalacoes eletricas 1
Eduardo Teixeira
 
Amplificador operacional
Amplificador operacionalAmplificador operacional
Amplificador operacional
Reinaldo Squillante Jr, MSc
 
Aula 11-fet
Aula 11-fetAula 11-fet
Aula 11-fet
Matheus Bezerra
 
Circuitos de corrente alternada
Circuitos de corrente alternadaCircuitos de corrente alternada
Circuitos de corrente alternada
Rammon Carvalho
 
Diodos especiais
Diodos especiaisDiodos especiais
Diodos especiais
Alan de Souza
 
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
ragrellos
 

Mais procurados (20)

Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.
Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.
Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.
 
inversor de frequencia
inversor de frequenciainversor de frequencia
inversor de frequencia
 
ufcd_6033_-_transformadores.pptx
ufcd_6033_-_transformadores.pptxufcd_6033_-_transformadores.pptx
ufcd_6033_-_transformadores.pptx
 
Díodo zener
Díodo zenerDíodo zener
Díodo zener
 
Gabarito v2
Gabarito v2Gabarito v2
Gabarito v2
 
Sinais senoidais
Sinais senoidaisSinais senoidais
Sinais senoidais
 
Eletrônica Básica
Eletrônica BásicaEletrônica Básica
Eletrônica Básica
 
Dispositivos Utilizados em Comandos Elétricos
Dispositivos Utilizados em Comandos ElétricosDispositivos Utilizados em Comandos Elétricos
Dispositivos Utilizados em Comandos Elétricos
 
eletrônica de potência
eletrônica de potênciaeletrônica de potência
eletrônica de potência
 
Apresentação motores de indução
Apresentação motores de induçãoApresentação motores de indução
Apresentação motores de indução
 
Corrente alternada
Corrente alternadaCorrente alternada
Corrente alternada
 
Amplificadores operacionais
Amplificadores operacionaisAmplificadores operacionais
Amplificadores operacionais
 
Eletricidade
EletricidadeEletricidade
Eletricidade
 
Amplificador operacional
Amplificador operacionalAmplificador operacional
Amplificador operacional
 
Instalacoes eletricas 1
Instalacoes eletricas 1Instalacoes eletricas 1
Instalacoes eletricas 1
 
Amplificador operacional
Amplificador operacionalAmplificador operacional
Amplificador operacional
 
Aula 11-fet
Aula 11-fetAula 11-fet
Aula 11-fet
 
Circuitos de corrente alternada
Circuitos de corrente alternadaCircuitos de corrente alternada
Circuitos de corrente alternada
 
Diodos especiais
Diodos especiaisDiodos especiais
Diodos especiais
 
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
 

Destaque

Diodos
DiodosDiodos
Díodos
DíodosDíodos
Díodos
aless2056
 
Fotodiodo expo
Fotodiodo expoFotodiodo expo
Fotodiodo expo
joselin33
 
Diodo
DiodoDiodo
Presentacion rectificacion de potencia
Presentacion rectificacion de potenciaPresentacion rectificacion de potencia
Presentacion rectificacion de potencia
Jose Canelon
 
Circuitos com Diodos
Circuitos com DiodosCircuitos com Diodos
Circuitos com Diodos
Lucelio de Oliveira Lemos
 
Diodo
DiodoDiodo
Diodo
DiodoDiodo
Diodo
fsilvac
 
Diodos
DiodosDiodos
Medidas eletricas
Medidas eletricasMedidas eletricas
Medidas eletricas
jessicacarrano
 
Aula 04 noçoes de eletrônica - diodos e transistores
Aula 04   noçoes de eletrônica - diodos e transistoresAula 04   noçoes de eletrônica - diodos e transistores
Aula 04 noçoes de eletrônica - diodos e transistores
viktordwarf
 
Cap26 circuitos de corrente continua
Cap26 circuitos de corrente continuaCap26 circuitos de corrente continua
Cap26 circuitos de corrente continua
Rodrigo Alves Dias
 
Corrente alternada
Corrente alternadaCorrente alternada
Corrente alternada
pacosantos
 
Fotodiodo de avalancha
Fotodiodo de avalanchaFotodiodo de avalancha
Fotodiodo de avalancha
Daniel Paez
 
92549158 08-medidas-eletricas
92549158 08-medidas-eletricas92549158 08-medidas-eletricas
92549158 08-medidas-eletricas
Leonardo Ferreira
 
Aula 02 princípios de corrente alternada
Aula 02   princípios de corrente alternadaAula 02   princípios de corrente alternada
Aula 02 princípios de corrente alternada
Delirose Ramos
 
Circuitos de corrente continua
Circuitos de corrente continuaCircuitos de corrente continua
Circuitos de corrente continua
Ualasse Fernando Santos Silva
 
Fotodiodo
FotodiodoFotodiodo
Fotodiodo
Erik Romo
 
Relatório diodos
Relatório diodos Relatório diodos
Relatório diodos
Victor Said
 
Introdução à corrente contínua
Introdução à corrente contínuaIntrodução à corrente contínua
Introdução à corrente contínua
Vítor Folgado
 

Destaque (20)

Diodos
DiodosDiodos
Diodos
 
Díodos
DíodosDíodos
Díodos
 
Fotodiodo expo
Fotodiodo expoFotodiodo expo
Fotodiodo expo
 
Diodo
DiodoDiodo
Diodo
 
Presentacion rectificacion de potencia
Presentacion rectificacion de potenciaPresentacion rectificacion de potencia
Presentacion rectificacion de potencia
 
Circuitos com Diodos
Circuitos com DiodosCircuitos com Diodos
Circuitos com Diodos
 
Diodo
DiodoDiodo
Diodo
 
Diodo
DiodoDiodo
Diodo
 
Diodos
DiodosDiodos
Diodos
 
Medidas eletricas
Medidas eletricasMedidas eletricas
Medidas eletricas
 
Aula 04 noçoes de eletrônica - diodos e transistores
Aula 04   noçoes de eletrônica - diodos e transistoresAula 04   noçoes de eletrônica - diodos e transistores
Aula 04 noçoes de eletrônica - diodos e transistores
 
Cap26 circuitos de corrente continua
Cap26 circuitos de corrente continuaCap26 circuitos de corrente continua
Cap26 circuitos de corrente continua
 
Corrente alternada
Corrente alternadaCorrente alternada
Corrente alternada
 
Fotodiodo de avalancha
Fotodiodo de avalanchaFotodiodo de avalancha
Fotodiodo de avalancha
 
92549158 08-medidas-eletricas
92549158 08-medidas-eletricas92549158 08-medidas-eletricas
92549158 08-medidas-eletricas
 
Aula 02 princípios de corrente alternada
Aula 02   princípios de corrente alternadaAula 02   princípios de corrente alternada
Aula 02 princípios de corrente alternada
 
Circuitos de corrente continua
Circuitos de corrente continuaCircuitos de corrente continua
Circuitos de corrente continua
 
Fotodiodo
FotodiodoFotodiodo
Fotodiodo
 
Relatório diodos
Relatório diodos Relatório diodos
Relatório diodos
 
Introdução à corrente contínua
Introdução à corrente contínuaIntrodução à corrente contínua
Introdução à corrente contínua
 

Semelhante a Diodo

DIODOS SEMICONDUTORES
DIODOS SEMICONDUTORESDIODOS SEMICONDUTORES
DIODOS SEMICONDUTORES
Jadde Caroline
 
Experiência 01 diodo retificador
Experiência 01  diodo retificadorExperiência 01  diodo retificador
Experiência 01 diodo retificador
Matheus Selis
 
Tema#1 el diodo semiconductor. conf1
Tema#1 el diodo semiconductor. conf1Tema#1 el diodo semiconductor. conf1
Tema#1 el diodo semiconductor. conf1
Rui Romeu Fiapiola
 
apostila-eletronica-basica-II-UFES.pdf
apostila-eletronica-basica-II-UFES.pdfapostila-eletronica-basica-II-UFES.pdf
apostila-eletronica-basica-II-UFES.pdf
josiel_monteiro
 
Apostila eletronica-basica-ii-ufes
Apostila eletronica-basica-ii-ufesApostila eletronica-basica-ii-ufes
Apostila eletronica-basica-ii-ufes
João Marques
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
Josh Santos
 
Apostila eletronica-basica-ii-ufes
Apostila eletronica-basica-ii-ufesApostila eletronica-basica-ii-ufes
Apostila eletronica-basica-ii-ufes
Andre Robson Oliveira
 
Apostila eletronica-basica-ii-ufes
Apostila eletronica-basica-ii-ufesApostila eletronica-basica-ii-ufes
Apostila eletronica-basica-ii-ufes
José Donizeti Lázaro
 
003 apostila de eletrônica analógica 08_unid04
003 apostila de eletrônica analógica 08_unid04003 apostila de eletrônica analógica 08_unid04
003 apostila de eletrônica analógica 08_unid04
Jorge Ferraz
 
Curso de eletrônica completo
Curso de eletrônica completoCurso de eletrônica completo
Curso de eletrônica completo
Luiz Avelar
 
Retificadores monofásicos
Retificadores monofásicosRetificadores monofásicos
Retificadores monofásicos
João Félix
 
Fontes chaveadas
Fontes chaveadasFontes chaveadas
Fontes chaveadas
EMSNEWS
 
Outros diodos
Outros diodos Outros diodos
Fonte simples 5,6 volts regulada com zener e transistor
Fonte simples 5,6 volts regulada com zener e transistorFonte simples 5,6 volts regulada com zener e transistor
Fonte simples 5,6 volts regulada com zener e transistor
Zeca Leite
 
Diodos aula
Diodos aulaDiodos aula
Diodos aula
Eletronica2017
 
LED (Light Emitter Diode)
LED (Light Emitter Diode)LED (Light Emitter Diode)
LED (Light Emitter Diode)
MarcusHenriqueTeixeira
 
Eletronica analógica - diodo , trasistor
Eletronica analógica - diodo , trasistorEletronica analógica - diodo , trasistor
Eletronica analógica - diodo , trasistor
Wálmada Santos da Silva
 
Electronica - Modulo 4 - Semicondutores
Electronica - Modulo 4 - SemicondutoresElectronica - Modulo 4 - Semicondutores
Electronica - Modulo 4 - Semicondutores
Mariana Hiyori
 
Semicondutores
SemicondutoresSemicondutores
Semicondutores
Luis Santos
 
grupkwdsrgihs8qeqicq-signature-827a258a8fbc2a42bbc196ab0168b5ef81d4971ce8f254...
grupkwdsrgihs8qeqicq-signature-827a258a8fbc2a42bbc196ab0168b5ef81d4971ce8f254...grupkwdsrgihs8qeqicq-signature-827a258a8fbc2a42bbc196ab0168b5ef81d4971ce8f254...
grupkwdsrgihs8qeqicq-signature-827a258a8fbc2a42bbc196ab0168b5ef81d4971ce8f254...
FelisbertoCorreiaC
 

Semelhante a Diodo (20)

DIODOS SEMICONDUTORES
DIODOS SEMICONDUTORESDIODOS SEMICONDUTORES
DIODOS SEMICONDUTORES
 
Experiência 01 diodo retificador
Experiência 01  diodo retificadorExperiência 01  diodo retificador
Experiência 01 diodo retificador
 
Tema#1 el diodo semiconductor. conf1
Tema#1 el diodo semiconductor. conf1Tema#1 el diodo semiconductor. conf1
Tema#1 el diodo semiconductor. conf1
 
apostila-eletronica-basica-II-UFES.pdf
apostila-eletronica-basica-II-UFES.pdfapostila-eletronica-basica-II-UFES.pdf
apostila-eletronica-basica-II-UFES.pdf
 
Apostila eletronica-basica-ii-ufes
Apostila eletronica-basica-ii-ufesApostila eletronica-basica-ii-ufes
Apostila eletronica-basica-ii-ufes
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
 
Apostila eletronica-basica-ii-ufes
Apostila eletronica-basica-ii-ufesApostila eletronica-basica-ii-ufes
Apostila eletronica-basica-ii-ufes
 
Apostila eletronica-basica-ii-ufes
Apostila eletronica-basica-ii-ufesApostila eletronica-basica-ii-ufes
Apostila eletronica-basica-ii-ufes
 
003 apostila de eletrônica analógica 08_unid04
003 apostila de eletrônica analógica 08_unid04003 apostila de eletrônica analógica 08_unid04
003 apostila de eletrônica analógica 08_unid04
 
Curso de eletrônica completo
Curso de eletrônica completoCurso de eletrônica completo
Curso de eletrônica completo
 
Retificadores monofásicos
Retificadores monofásicosRetificadores monofásicos
Retificadores monofásicos
 
Fontes chaveadas
Fontes chaveadasFontes chaveadas
Fontes chaveadas
 
Outros diodos
Outros diodos Outros diodos
Outros diodos
 
Fonte simples 5,6 volts regulada com zener e transistor
Fonte simples 5,6 volts regulada com zener e transistorFonte simples 5,6 volts regulada com zener e transistor
Fonte simples 5,6 volts regulada com zener e transistor
 
Diodos aula
Diodos aulaDiodos aula
Diodos aula
 
LED (Light Emitter Diode)
LED (Light Emitter Diode)LED (Light Emitter Diode)
LED (Light Emitter Diode)
 
Eletronica analógica - diodo , trasistor
Eletronica analógica - diodo , trasistorEletronica analógica - diodo , trasistor
Eletronica analógica - diodo , trasistor
 
Electronica - Modulo 4 - Semicondutores
Electronica - Modulo 4 - SemicondutoresElectronica - Modulo 4 - Semicondutores
Electronica - Modulo 4 - Semicondutores
 
Semicondutores
SemicondutoresSemicondutores
Semicondutores
 
grupkwdsrgihs8qeqicq-signature-827a258a8fbc2a42bbc196ab0168b5ef81d4971ce8f254...
grupkwdsrgihs8qeqicq-signature-827a258a8fbc2a42bbc196ab0168b5ef81d4971ce8f254...grupkwdsrgihs8qeqicq-signature-827a258a8fbc2a42bbc196ab0168b5ef81d4971ce8f254...
grupkwdsrgihs8qeqicq-signature-827a258a8fbc2a42bbc196ab0168b5ef81d4971ce8f254...
 

Diodo

  • 2. Diodo Ao se juntar um elemento P a um elemento N, temos a seguinte situação: o elemento P tem excesso de lacunas; o elemento N tem excesso de elétrons. No ponto onde os dois cristais se tocam, tende a haver uma migração de elétrons e lacunas, até que se estabeleça um equilíbrio. Observe que se forma um equilíbrio na região da junção, deixando de existir portadores majoritários (elétrons livres ou lacunas). Essa camada, chamada camada de depleção (sinônimo de diminuição), impede que se gere um equilíbrio completo entre os cristais P e N. Isto porque os elétrons do cristal N não encontram lacunas para se movimentar pela camada de depleção. O mesmo ocorre com as lacunas que ficaram isoladas no lado P. Ou seja, a camada de depleção é uma espécie de "zona morta" onde não há espaço para movimentação de elétrons e lacunas. Formação da camada de depleção
  • 3. Polarização direta Vamos agora submeter nosso diodo a uma tensão, ou seja, colocar uma bateria em seus terminais. Vamos conectar o terminal negativo (fluxo de elétrons) da bateria à porção N do diodo e o terminal positivo (fluxo de lacunas) à porção P. Desta forma, a região N, com excesso de elétrons, recebe ainda mais elétrons, e a porção P recebe ainda mais lacunas. Observe o que acontece: Os elétrons do lado N recebem toda a energia do pólo negativo da fonte, ganhando força suficiente para expulsar os elétrons que estão alojados na camada de depleção. Rompendo essa camada, eles encontram um terreno fértil em lacunas no lado P. Mas não param por aí: como eles são atraídos pelo pólo positivo da fonte, eles continuam a pular de lacuna em lacuna, abrindo espaço para que outros elétrons possam vir atrás deles. Com esse movimento, forma-se uma corrente elétrica. O semicondutor passa a se comportar como um condutor normal. Um dado técnico importante: para que ocorra o que está descrito na figura, é necessário que a bateria supra mais do que 0,7 volts, que é o valor da barreira de potencial que se forma na camada de depleção de um diodo de silício
  • 4. Polarização inversa Vamos agora inverter a polaridade da bateria. Vamos conectar o terminal positivo da bateria à porção N do diodo e o terminal negativo à porção P. Desta forma, os elétrons da região N são atraídos pelas lacunas do pólo positivo da bateria e as lacunas da região P são completadas pelos elétrons do pólo negativo. Observe o que acontece: A camada de depleção aumenta sensivelmente. Se ela já dificultava a passagem de corrente, agora torna-se virtualmente impossível transpô-la. Os portadores majoritários de cada lado ficam ainda mais isolados. O semicondutor, então, passa a se comportar como um isolante. Não há passagem de corrente elétrica. Esse foi um grande passo no desenvolvimento da eletrônica. As válvulas diodo puderam ser substituídas com muitas vantagens pelo diodo semicondutor. E foi dado o passo definitivo para a construção do transístor.
  • 7. Diodo Zener Diodo Zener (também conhecido como diodo regulador de tensão , diodo de tensão constante, diodo de ruptura ou diodo de condução reversa) é um dispositivo ou componente eletrônico semelhante a um diodo semicondutor, especialmente projetado para trabalhar sob o regime de condução inversa, ou seja, acima da tensão de ruptura da junção PN, neste caso há dois fenômenos envolvidos o efeito Zener e o efeito avalanche. O dispositivo leva o nome em homenagem a Clarence Zener, que descobriu esta propriedade elétrica. O diodo Zener difere do diodo convencional pelo fato de receber uma dopagem (tipo N ZONA DE TRABALHO ou P) maior, o que provoca a aproximação da curva na região de avalanche ao eixo vertical. Isto reduz consideravelmente a tensão de ruptura e evidencia o efeito Zener que é mais notável à tensões relativamente baixas (em torno de 5,5 Volts)
  • 8. Funcionamento e Aplicação do Diodo Varicap O nome Varicap é derivado das palavras em inglês: Voltage Variable Capacitance, isto é, diodo com capacitância variável por tensão. Apesar de ser pouco conhecido pela maioria dos técnicos de eletrônica, ele aparece em muitos equipamentos eletrônicos, sempre no estágio de RF, tanto na transmissão como na recepção. Está presente principalmente na sintonia dos receptores de última geração, com frequência sintetizada, sintonizados por controle remoto, assim como nos receptores de AM, FM e aparelhos de TV. Também é muito usado nos moduladores lineares de uma maneira geral, nos equipamentos profissionais, como por exemplo nos transmissores de FM e som de TV. Além dessas aplicações, ele aparece em uma infinidade de outras, entre as quais: • Amplificadores paramétricos • Osciladores controlados por tensão (VCO) • Geradores de sinais com frequência sintetizada • Filtros passa faixa, com largura de banda ajustável • Geradores de frequências harmônicas. Para que os técnicos possam consertar os equipamentos citados acima, precisam primeiro conhecerem o seu funcionamento e suas principais características, que serão vistos na sequência.
  • 9. Diodo túnel O diodo túnel ou díodo Esaki é um tipo de diodo semicondutor extremamente rápido, que opera na casa dos GHz, através da utilização dos efeitos da mecânica quântica. Recebeu o nome do físico Leo Esaki, que em 1973 recebeu o Prêmio Nobel em Física pela descoberta do efeito túnel utilizado neste tipo de diodo semicondutor. Ele funciona somente na área de resistência negativa, ou seja diminui a tensão aumenta a corrente, somente quando tem-se uma tensão muito próxima de zero (chamada de avalanche, do diodo zener), ou seja, ele só funciona como diodo túnel quando polarizado diretamente e sob tensões bem baixas, para tensões fora dessa região ele funciona como um diodo comum. Resumidamente, o diodo túnel só atua com propriedades especificas em baixas tensões.
  • 10. Diodo schottky Diodo Schottky é um tipo de diodo que utiliza o efeito Schottky na semicondução. Seu nome é uma homenagem ao físico alemão Walter Schottky. Esse Diodo serve para diminuir a carga "armadilha" no diodo. Um diodo comum ao passar da região direta de condução para a reversa, produz em um curto tempo uma corrente reversa alta, resultante de cargas armadilhas, tendo um efeito importante no uso de diodos através de frequência alta, com a fabricação de um diodo utilizando-se ao invés do material P um metal, não haverá lacunas que possam armadilhar elétrons vindos dos outros materiais durante a corrente direta, de forma que na passagem para corrente reversa haverá este aumento de corrente. O principal destaque do diodo schottky é o menor tempo de recuperação, pois não há recombinação de cargas do diodo de junção. Outra vantagem é a maior densidade decorrente, o que significa uma queda de tensão direta menor que a do diodo comum de junção. A contrapartida é uma corrente inversa maior, o que pode impedir o uso em alguns circuitos. São usados principalmente em circuitos de alta frequência, de alta velocidade de comutação
  • 11. Diodos emissores de luz (LED) Ao passar por uma junção PN, elétrons sofrem transições de níveis de energia e, de acordo com princípios da física quântica, devem emitir alguma radiação. Semicondutores de germânio, de silício e outros comuns não emitem radiação visível. Mas ela é emitida por alguns semicondutores de compostos químicos, como arsenieto de gálio, fosfeto de gálio e índio, etc O diodo led deve ser diretamente polarizado para emitir luz. A Figura dá um circuito básico. Para a determinação de R uma vez conhecido V, pode-se supor corrente máxima de 20 mA A tensão inversa máxima da maioria dos leds é pequena, de forma que uma inversão de polaridade com alguns volts pode ser suficiente para danificar.
  • 12. Fotodiodo O fotodíodo é um díodo semicondutor no qual a corrente inversa varia com a iluminação que incide sobre a sua junção PN. A corrente que existirá sem nenhuma iluminação aplicada é geralmente da ordem dos 10mA nos fotodíodos de germânio e de 1mA nos fotodíodos de silício Características de um fotodíodo: Aplicações dos fotodíodos: ·Comprimento de onda (l) da luz que ·Sistemas de segurança anti-roubo. accionará o dispositivo. ·Abertura automática de portas. ·Área sensível do componente que ·Regulação automática de contraste e deverá receber o feixe de luz. brilho na TV.
  • 13. SCR - Tiristor O Tiristor SCR (Silicon Controlled Rectifier) foi desenvolvido por um grupo de engenheiros do Bell Telephone Laboratory (EUA) em 1957. É o mais conhecido e aplicado dos Tiristores existentes. Tiristor é o nome genérico dado à família dos componentes compostos por quatro camadas semicondutoras (PNPN). Os Tiristores SCR’s funcionam analogamente a um diodo, porém possuem um terceiro terminal conhecido como Gatilho (Gate ou Porta). Este terminal é responsável pelo controle da condução (disparo). Em condições normais de operação, para um SCR conduzir, além de polarizado adequadamente (tensão positiva no Ânodo), deve receber um sinal de corrente no gatilho, geralmente um pulso.
  • 14. Experiências O que fazemos é ligar o diodo em série com uma lâmpada de modo que a corrente tenha de passar através dele para alimentá-la.. Assim, conforme ilustra a figura, observamos que quando ligamos o diodo de modo que ele seja polarizado no sentido direto, a corrente pode passar com facilidade e a lâmpada acenderá. No entanto, se o diodo for invertido a lâmpada não acenderá, pois ele estará polarizado no sentido inverso, condição na qual a corrente não passa.
  • 15. Aplicações Simples Protetor de Aparelhos Qualquer Polaridade: A Ponte de Graetz Redutor de Tensão Circuito de “Reforço” de Potência