SlideShare uma empresa Scribd logo
PLANO DE FORMAÇÃO PARA UMA
EMPRESA
          Noções de pedagogia




            Trabalho Final




               Trabalho realizado por: Joana
           Martins
               Formadora: Mafalda Vicente
Dia: 06-01-2011




                              Índice


1-Introdução
2-Diagnóstico de necessidades de formação
3-Designação da acção de formação
4-Definição do público-alvo
5-Definição dos objectivos da formação
6-Definição dos conteúdos programáticos e respectivas cargas
horárias
7-Métodos e técnicas pedagógicas a operacionalizar
8-Metodologia de avaliação da formação
9-Meios materiais e humanos necessário para o desenvolvimento do
curso   de formação
10-Conclusão
11-Referências bibliográficas




1. INTRODUÇÃO


                                                               2
O trabalho que se segue foi proposto e realiza-se no âmbito do Módulo: Noções de
Pedagogia.
Assim sendo, este tem por objectivo aplicar os métodos e técnicas de identificação
de necessidades de formação, tendo em conta os conteúdos abordados ao longo
das sessões de formação.
Um trabalho desta natureza pressupõe então a detecção de uma necessidade e,
consequentemente, a proposta de uma acção correctiva de uma determinada área.
E é sempre mais fácil detectar uma necessidade nos espaços e nas realidades das
quais nos vão chegando informações.




2-DIAGNÓSTICO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO
Constantemente, assistimos à divulgação, nomeadamente, através dos órgãos de
comunicação social e da ACT (Autoridade para as Condições de Trabalho) do
crescente aumento de sinistralidade laboral. Estes acidentes de trabalho, na sua



                                                                                 3
maioria, acontecem por culpa das empresas que não cumprem as normas de
segurança e não agem preventivamente.
Segundo estudos realizados e como se pode constatar através da análise do gráfico
1, em Portugal, a profissão identificada como a susceptível de maior risco de
sinistralidade é a de operário da construção civil (48%), seguida da de operário
pirotécnico (18%), operário metalúrgico (12%), e mineiro (10%).




Gráfico 1 - Profissões com maior risco de sinistralidade.


Podemos então constar que o sector da construção civil é o responsável pelo maior
número de acidentes de trabalho. Mas o elevado nível de sinistralidade não se
circunscreve à construção civil. Os ramos da indústria transformadora são também
causadores de inúmeras vítimas mortais.




Gráfico 2 - Acidentes mortais segundo as causas.




Sendo que o esmagamento foi referido em primeiro lugar, seguido da queda em


                                                                                4
altura como as principais causas desta sinistralidade. Estas surgem, sobretudo,
associadas ao não cumprimento das regras de segurança, à não utilização de
dispositivos   de   segurança,   à   utilização   de   forma    desadequada   destes
equipamentos ou ao seu mau estado de conservação. Precisamente, numa época
em que atravessamos um período de crise económica e esta crise estar afectar o
sector empresarial. Contudo, isto não pode ser desculpa para tal desleixo.
Não devendo, no entanto, deixar de desresponsabilizar também os trabalhadores
uma vez que, a fadiga, a ingestão de bebidas alcoólicas e as hipoglicémias, por
exemplo, quando os trabalhadores não tomam o pequeno-almoço, também são
apontes como algumas das causas de acidentes de trabalho.
A consciencialização e a formação dos trabalhadores no local de trabalho e
também do empregador são a melhor forma de prevenir acidentes. Prevenir, quer
na perspectiva do trabalhador quer na do empregador, é a melhor forma de evitar
que os acidentes aconteçam.
Neste sentido é importante adquirir conhecimentos ao nível da segurança e
higiene no trabalho, embora as acções e medidas destinadas a evitar acidentes de
trabalho estejam directamente dependentes do tipo de actividade exercida, do
ambiente de trabalho e das tecnologias e técnicas utilizadas.
O programa de acção de Segurança e Higiene no Trabalho que ora se apresenta
procura então dar resposta actualizada a tais necessidades.




3. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO


Segurança e Higiene no Trabalho




4. DEFINIÇÃO DO PÚBLICO-ALVO

Esta acção de formação está indicada para ser ministrada a trabalhadores da área
da construção civil.


Tendo como pré-requisitos:



                                                                                   5
. Idade igual ou superior a dezoito anos, do sexo masculino.
. 6º ano de escolaridade.
. Activos empregados.



5. DEFINIÇÃO DE OBJECTIVOS DE FORMAÇÃO

No final da acção de formação Segurança e Higiene no Trabalho os formandos
deverão ter adquirido conhecimentos a nível teórico-prático necessários e
imprescindíveis, no sentido de lhes permitir, um correcto cumprimento do uso de
equipamentos de protecção e regras básicas de segurança.
Em termos específicos, os formandos deverão no final da acção ser capazes de:
1. Identificar os fundamentos de segurança do trabalho;
2. Avaliar os riscos profissionais;
3. Identificar procedimentos de prevenção e correcção de potenciais situações de
acidente;
4. Aplicar os conhecimentos adquiridos no trabalho em obra.




6- DEFINIÇÃO DOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E RESPECTIVAS CARGAS
HORÁRIAS

Módulos                                                                Carga
                                                                       horária

1.Responsabilidades dos trabalhadores e entidades patronais.                2



2.Acidentes de trabalho e doenças profissionais na construção civil.        4


3.Trabalho em altura e riscos associados.                                   6

                                                                            4
                                                                                   6
4.Utilização de máquinas e equipamentos de trabalho e legislação
aplicável.

5. Movimentos de materiais (manual e mecânico).                              4

6. Equipamentos de protecção colectiva.                                      4


7. Equipamentos de protecção individual.
                                                                             4



8.Fadiga, a ingestão de bebidas alcoólicas e hipoglicémia.                   4




9.Procedimentos em caso de emergência                                        2




10.Regulamentos internos da empresa                                          2

                                                             TOTAL         36




7. MÉTODOS E TÉCNICAS PEDAGÓGICAS A OPERACIONALIZAR

Serão utilizados métodos e técnicas diversificadas, que envolverão sessões teóricas
e práticas.
Assim, está prevista a utilização do método expositivo ao longo de toda a acção de
formação, através de exposições teóricas com recurso a meios audiovisuais.
O conteúdo dos módulos de formação ao longo de toda a acção de formação
Segurança e Higiene no Trabalho será apresentado também com recurso ao
método interrogativo, por se considerar fundamental que os formandos
participem activamente, reflictam e também fundamental para o formador uma
vez que permite tomar consciência do nível de conhecimentos de cada formando
sobre a temática.


                                                                                 7
Nos módulos 4, 5, 6, 7 e 9 do curso de formação nos quais se prevê a componente
prática, utilizar-se-á o método activo. Componente prática esta que comporta a
simulação de casos reais, para que individualmente e em grupo, se ponha à prova
a capacidade de acção de cada formando e em evidência as vantagens do trabalho
de equipa.
O método demonstrativo será também uma constante ao longo de toda acção de
formação.
As técnicas a utilizar nesta acção de formação serão:
. Trabalho individual que consistirá na realização de pequenas actividades
individuais.
. Trabalho de grupo que pressupõe a realização de trabalhos de grupo.
. Simulação que consistirá na reprodução de uma ou várias situações de trabalho
no sentido de testar as capacidades técnicas ou os conhecimentos obtidos pelos
formandos, permitindo o aperfeiçoamento de competências e aptidões.
O debate e a troca de experiências serão também uma constante ao longo de toda a
acção.




8. METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO


A avaliação será contínua. Assim, no decurso de cada um dos módulos, será
aferida a apreensão de conhecimentos pelos formandos através da realização de
trabalhos individuais e em grupo.
As simulações efectuadas no local de trabalho serão, obviamente, as mais
valorizadas.
No final de cada módulo haverá lugar à avaliação dos formandos.
No final da acção de formação, será também efectuada pelos formandos uma
apreciação geral à formação que incidirá sobre o desempenho dos formadores, o
modelo organizativo da acção, a estrutura do programa, a metodologia e os
recursos técnicos e materiais utilizados.


                                                                              8
9. MEIOS MATERIAIS E HUMANOS NECESSÁRIOS PARA O DESESENVOLVIMENTO
DO CURSO DE FORMAÇÃO


A formação será ministrada nas instalações da empresa Máquinas e Martelos Lda.
Sendo necessária apenas a disponibilização de uma sala onde irá decorrer a acção
de formação. Deverá ser espaçosa, climatizada e com luminosidade para poder
garantir as condições favoráveis à aprendizagem.
Com vista a facilitar o processo de aprendizagem dos formandos e a dinamizar os
conteúdos programáticos serão utilizados no decurso da formação os seguintes
recursos didácticos:
. Computador Portátil para o Formador com Programa Microsoft PowerPoint
. Projector Multimédia
. Quadro branco.
Aos formandos será fornecida uma pasta contendo papel branco, o cronograma, os
conteúdos programáticos e o regulamento de funcionamento da acção a
desenvolver.




Aos formandos serão também fornecidas fotocópias dos conteúdos desenvolvidos
com recurso a diapositivos. Serão também fornecidas fotocópias dos documentos
de apoio à aprendizagem, actividades a desenvolver e testes de avaliação.
Na sala de formação uma mesa quadrada para o Formador, Projector Multimédia
com bancada de apoio, mesas rectangulares do tipo escolar para os formandos,
distribuídas em forma de U, dezasseis cadeiras e aquecedor.
Uma resma de papel branco de escritório formato A4, quinze esferográficas, dois
furadores, apagador para utilização do quadro branco e canetas para utilização do
mesmo.
Tendo em conta a duração da formação, e sem perder de vista os objectivos
enunciados, a acção será desenvolvida com recurso a um único formador, Joana
Da Silva Martins. A formadora deverá ter conhecimentos e experiência prática nas
temáticas a ministrar, neste caso Técnico de Segurança e Higiene no Trabalho.



                                                                                9
A presente acção terá uma carga horária total de 36 horas/ 9 dias, em sessões com
a duração de 2, 4 e 6 horas. Irá decorrer todas as sextas-feiras das 14 horas às 18
horas.
A acção funcionará com um número de 15 formandos (máximo).




10. CONCLUSÃO


Este projecto é uma solução fácil, e não muito dispendiosa, de implementar um
correcto cumprimento do uso de equipamentos de protecção e regras básicas de
segurança, visto que, como podemos constatar as principais causas dos
acidentes em construção civil são não seguir as regras de segurança e não utilizar
os dispositivos de segurança ou utilizá-los de forma desadequada.
Muitas destas regras passam por:
. Fazer com que o seu local de trabalho seja confortável;
. Ter muito cuidado e seguir todas as regras de segurança na realização de
actividades mais perigosas;
. Organizar o local de trabalho ou o seu posto de trabalho, não deixar objectos fora
dos seus lugares ou mal arrumados. Se tudo estiver no seu lugar não precisa de
improvisar perante imprevistos e isso reduz os acidentes;



                                                                                 10
. Saber quais os riscos e cuidados que deve ter na actividade que desenvolve e
quais as formas de protecção para reduzir esses riscos;
. Participar sempre nas acções ou cursos de prevenção de acidentes que a empresa
lhe proporcionar;
. Aplicar as medidas e dispositivos de prevenção de acidentes que lhe são
facultados, designadamente o uso de vestuário de protecção adequado, como as
protecções auriculares para o ruído, óculos, capacetes e dispositivos anti-queda, e
equipamento de protecção respiratória, entre outras;
. Não recear sugerir à empresa onde trabalha a realização de palestras, seminários
e acções de formação sobre prevenção de acidentes.
Concluindo, consciencializar e formar os trabalhadores no local de trabalho são a
melhor forma de prevenir acidentes, sendo esta acção de Segurança e Higiene no
Trabalho uma das melhores formas de formar e informar os trabalhadores. Sendo
que, a melhor forma de prevenir o acidente é com informação.
Ao elaborar este trabalho foi-me permitido uma maior aprendizagem, senti
alguma dificuldade na concretização deste, pois as sessões foram poucas e não nos
permitiu aprofundar mais os conteúdos do módulo.
Foi um trabalho que implicou muita pesquisa e análise de gráficos, e uma
percepção do mercado de trabalho.
Escolhi a área da construção civil por ser uma área em termos de segurança muito
problemática onde se tem verificado muitos acidentes de trabalho e por ser uma
área que me suscita algum interesse.
Este trabalho irá ser muito útil para o meu futuro como técnico, pois concerteza
terei de aplicar os métodos acima referidos.




                                                                                11
11-Referências bibliográficas
http://segurancahigienetrabalho.com/index.php/historia-prevencao-acidentes/06-1-2011
http://www.act.gov.pt 05-1-2011
http://osha.europa.eu05-1-2011
http://segurancahigienetrabalho.com/index.php/historia-prevencao-acidentes/ 28-12-2010




                                                      Joana Martins




                                                                                       12

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

TREINAMENTO DE SEGURANÇA DO TRABALHO MINERAÇÃO NR-22- LAVRA GARIMPEIRA.
TREINAMENTO DE SEGURANÇA DO TRABALHO MINERAÇÃO  NR-22- LAVRA GARIMPEIRA.TREINAMENTO DE SEGURANÇA DO TRABALHO MINERAÇÃO  NR-22- LAVRA GARIMPEIRA.
TREINAMENTO DE SEGURANÇA DO TRABALHO MINERAÇÃO NR-22- LAVRA GARIMPEIRA.
Rodrigo Camilo Araujo
 
Nr 18 comentada
Nr 18   comentada Nr 18   comentada
Nr 18 comentada
Leo Monteiro
 
treinamento nr 18
treinamento nr 18treinamento nr 18
treinamento nr 18
pwolter
 
Nr 11
Nr 11Nr 11
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
José Valfrido
 
Nr20 trein treinamento-nr-20
Nr20 trein treinamento-nr-20Nr20 trein treinamento-nr-20
Nr20 trein treinamento-nr-20
RogrioTorresTorres
 
Curso NR20 Intermediário
Curso NR20 IntermediárioCurso NR20 Intermediário
Curso NR20 Intermediário
Sérgio Roberto Silva
 
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Ana Paula Santos de Jesus Souza
 
Relatório de segurança do trabalho
Relatório de segurança do trabalhoRelatório de segurança do trabalho
Relatório de segurança do trabalho
ACS AULAS PARTICULARES
 
Apresentação NR 35 - Trabalho em altura lino
 Apresentação NR 35 - Trabalho em altura   lino Apresentação NR 35 - Trabalho em altura   lino
Apresentação NR 35 - Trabalho em altura lino
lino1250
 
Insalubridade e Periculosidade
Insalubridade e Periculosidade Insalubridade e Periculosidade
Insalubridade e Periculosidade
Anderson Stoll
 
NR_18_maquinas_equipamentos.pdf
NR_18_maquinas_equipamentos.pdfNR_18_maquinas_equipamentos.pdf
NR_18_maquinas_equipamentos.pdf
Mauro Kowalczuk
 
Manual de segurança da carpintaria
Manual de segurança da carpintariaManual de segurança da carpintaria
Manual de segurança da carpintaria
Eder Ribeiro
 
Treinamento pta
Treinamento ptaTreinamento pta
Treinamento pta
RogrioTorresTorres
 
Espaços Confinados - NR 33
Espaços Confinados - NR 33Espaços Confinados - NR 33
Espaços Confinados - NR 33
FERNANDA CHIO MING
 
Integração de Segurança
Integração de SegurançaIntegração de Segurança
Integração de Segurança
Sergio Roberto Silva
 
NR 35
NR 35NR 35
NR 35
Gil Mendes
 
Ordem de serviço segurança do trabalho (modelo)
Ordem de serviço segurança do trabalho (modelo)Ordem de serviço segurança do trabalho (modelo)
Ordem de serviço segurança do trabalho (modelo)
Roberto Silva
 
Avaliação de riscos profissionais em actividade industial têxtil
Avaliação de riscos profissionais em actividade industial têxtilAvaliação de riscos profissionais em actividade industial têxtil
Avaliação de riscos profissionais em actividade industial têxtil
amilheiro92
 
Pta
PtaPta

Mais procurados (20)

TREINAMENTO DE SEGURANÇA DO TRABALHO MINERAÇÃO NR-22- LAVRA GARIMPEIRA.
TREINAMENTO DE SEGURANÇA DO TRABALHO MINERAÇÃO  NR-22- LAVRA GARIMPEIRA.TREINAMENTO DE SEGURANÇA DO TRABALHO MINERAÇÃO  NR-22- LAVRA GARIMPEIRA.
TREINAMENTO DE SEGURANÇA DO TRABALHO MINERAÇÃO NR-22- LAVRA GARIMPEIRA.
 
Nr 18 comentada
Nr 18   comentada Nr 18   comentada
Nr 18 comentada
 
treinamento nr 18
treinamento nr 18treinamento nr 18
treinamento nr 18
 
Nr 11
Nr 11Nr 11
Nr 11
 
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
 
Nr20 trein treinamento-nr-20
Nr20 trein treinamento-nr-20Nr20 trein treinamento-nr-20
Nr20 trein treinamento-nr-20
 
Curso NR20 Intermediário
Curso NR20 IntermediárioCurso NR20 Intermediário
Curso NR20 Intermediário
 
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
 
Relatório de segurança do trabalho
Relatório de segurança do trabalhoRelatório de segurança do trabalho
Relatório de segurança do trabalho
 
Apresentação NR 35 - Trabalho em altura lino
 Apresentação NR 35 - Trabalho em altura   lino Apresentação NR 35 - Trabalho em altura   lino
Apresentação NR 35 - Trabalho em altura lino
 
Insalubridade e Periculosidade
Insalubridade e Periculosidade Insalubridade e Periculosidade
Insalubridade e Periculosidade
 
NR_18_maquinas_equipamentos.pdf
NR_18_maquinas_equipamentos.pdfNR_18_maquinas_equipamentos.pdf
NR_18_maquinas_equipamentos.pdf
 
Manual de segurança da carpintaria
Manual de segurança da carpintariaManual de segurança da carpintaria
Manual de segurança da carpintaria
 
Treinamento pta
Treinamento ptaTreinamento pta
Treinamento pta
 
Espaços Confinados - NR 33
Espaços Confinados - NR 33Espaços Confinados - NR 33
Espaços Confinados - NR 33
 
Integração de Segurança
Integração de SegurançaIntegração de Segurança
Integração de Segurança
 
NR 35
NR 35NR 35
NR 35
 
Ordem de serviço segurança do trabalho (modelo)
Ordem de serviço segurança do trabalho (modelo)Ordem de serviço segurança do trabalho (modelo)
Ordem de serviço segurança do trabalho (modelo)
 
Avaliação de riscos profissionais em actividade industial têxtil
Avaliação de riscos profissionais em actividade industial têxtilAvaliação de riscos profissionais em actividade industial têxtil
Avaliação de riscos profissionais em actividade industial têxtil
 
Pta
PtaPta
Pta
 

Destaque

Manual de Avaliação das Necessidades de Formação em Organismos Públicos, Hele...
Manual de Avaliação das Necessidades de Formação em Organismos Públicos, Hele...Manual de Avaliação das Necessidades de Formação em Organismos Públicos, Hele...
Manual de Avaliação das Necessidades de Formação em Organismos Públicos, Hele...
David Ferraz
 
Planos de Formação
Planos de FormaçãoPlanos de Formação
Planos de Formação
Rosario Cação
 
Diagnostico de necessidades
Diagnostico de necessidadesDiagnostico de necessidades
Diagnostico de necessidades
ElisabeteRolanda
 
Diagnóstico de Necessidades de Formação
Diagnóstico de Necessidades de FormaçãoDiagnóstico de Necessidades de Formação
Diagnóstico de Necessidades de Formação
Lidia Proj
 
Govenrnação integrada e Administração Pública e Problemas Complexos
Govenrnação integrada e Administração Pública e Problemas Complexos Govenrnação integrada e Administração Pública e Problemas Complexos
Govenrnação integrada e Administração Pública e Problemas Complexos
David Ferraz
 
Marketing digital
Marketing digitalMarketing digital
Marketing digital
Joyce Kelly Campos
 
Etapas de um trabalho projecto
Etapas de um trabalho projectoEtapas de um trabalho projecto
Etapas de um trabalho projecto
Rosarinho Carrilho
 
Relatório Prática I - Diagnóstico e Projeto
Relatório Prática I - Diagnóstico e ProjetoRelatório Prática I - Diagnóstico e Projeto
Relatório Prática I - Diagnóstico e Projeto
Ricardo da Palma
 
Apresentaçao diagnostico
Apresentaçao diagnosticoApresentaçao diagnostico
Apresentaçao diagnostico
Steves Rocha
 
Slide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogiaSlide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogia
Camilla Follador
 
Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Cátia Elias
 

Destaque (11)

Manual de Avaliação das Necessidades de Formação em Organismos Públicos, Hele...
Manual de Avaliação das Necessidades de Formação em Organismos Públicos, Hele...Manual de Avaliação das Necessidades de Formação em Organismos Públicos, Hele...
Manual de Avaliação das Necessidades de Formação em Organismos Públicos, Hele...
 
Planos de Formação
Planos de FormaçãoPlanos de Formação
Planos de Formação
 
Diagnostico de necessidades
Diagnostico de necessidadesDiagnostico de necessidades
Diagnostico de necessidades
 
Diagnóstico de Necessidades de Formação
Diagnóstico de Necessidades de FormaçãoDiagnóstico de Necessidades de Formação
Diagnóstico de Necessidades de Formação
 
Govenrnação integrada e Administração Pública e Problemas Complexos
Govenrnação integrada e Administração Pública e Problemas Complexos Govenrnação integrada e Administração Pública e Problemas Complexos
Govenrnação integrada e Administração Pública e Problemas Complexos
 
Marketing digital
Marketing digitalMarketing digital
Marketing digital
 
Etapas de um trabalho projecto
Etapas de um trabalho projectoEtapas de um trabalho projecto
Etapas de um trabalho projecto
 
Relatório Prática I - Diagnóstico e Projeto
Relatório Prática I - Diagnóstico e ProjetoRelatório Prática I - Diagnóstico e Projeto
Relatório Prática I - Diagnóstico e Projeto
 
Apresentaçao diagnostico
Apresentaçao diagnosticoApresentaçao diagnostico
Apresentaçao diagnostico
 
Slide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogiaSlide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogia
 
Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]
 

Semelhante a Diagnóstico de necessidades de formação final

Plano de formação para uma empresa mafalda
Plano de formação para uma empresa mafaldaPlano de formação para uma empresa mafalda
Plano de formação para uma empresa mafalda
joanatoky
 
Mala pedagógica de apoio à formação manual do formador
Mala pedagógica de apoio à formação   manual do formadorMala pedagógica de apoio à formação   manual do formador
Mala pedagógica de apoio à formação manual do formador
Hugo Monteiro
 
Mala pedagógica de apoio à formação manual do formando
Mala pedagógica de apoio à formação   manual do formandoMala pedagógica de apoio à formação   manual do formando
Mala pedagógica de apoio à formação manual do formando
Hugo Monteiro
 
Programa sht
Programa sht Programa sht
Programa sht
Ant�nio Ferreira
 
Cipa plano de_curso
Cipa plano de_cursoCipa plano de_curso
Cipa plano de_curso
diowcos
 
Manual Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho
Manual Higiene, Saúde e Segurança no TrabalhoManual Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho
Manual Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho
Pedro Santos
 
Manual curso trabalhadores_designados
Manual curso trabalhadores_designadosManual curso trabalhadores_designados
Manual curso trabalhadores_designados
Luísa Bessa
 
Manual formador hst
Manual formador hstManual formador hst
Manual formador hst
Sandra Pedro
 
Projeto pedagogico seguranca proposta do presidente da comissão
Projeto pedagogico seguranca   proposta do presidente da comissãoProjeto pedagogico seguranca   proposta do presidente da comissão
Projeto pedagogico seguranca proposta do presidente da comissão
Zacarias Junior
 
Conecimento em Segurança 2024 Trabalho.pdf
Conecimento em Segurança 2024 Trabalho.pdfConecimento em Segurança 2024 Trabalho.pdf
Conecimento em Segurança 2024 Trabalho.pdf
EletricistaTrader
 
Novo programa do curso Técnico Superior de Segurança no Trabalho
Novo programa do curso Técnico Superior de Segurança no TrabalhoNovo programa do curso Técnico Superior de Segurança no Trabalho
Novo programa do curso Técnico Superior de Segurança no Trabalho
in formação | INRH - Consultadoria em Recursos Humanos, Lda.
 
SGS-Técnico Superior de Higiene e Segurança no Trabalho
SGS-Técnico Superior de Higiene e Segurança no TrabalhoSGS-Técnico Superior de Higiene e Segurança no Trabalho
SGS-Técnico Superior de Higiene e Segurança no Trabalho
SGS Portugal
 
Tcc pinheiro madeiras-pdf
Tcc  pinheiro madeiras-pdfTcc  pinheiro madeiras-pdf
Tcc pinheiro madeiras-pdf
Cristiano Ricardo Oliveira
 
Curso Rigging & Hoist Industrial - Informações
Curso Rigging & Hoist Industrial - Informações Curso Rigging & Hoist Industrial - Informações
Curso Rigging & Hoist Industrial - Informações
eugeniorocha
 
Segurança e saúde no trabalho portuário
Segurança e saúde no trabalho portuárioSegurança e saúde no trabalho portuário
Segurança e saúde no trabalho portuário
FIRE SUL PROTECTION
 
SGS Madeira- Técnico Superior de Segurança e Saúde no Trabalho - bLearning
SGS Madeira- Técnico Superior de Segurança e Saúde no Trabalho - bLearningSGS Madeira- Técnico Superior de Segurança e Saúde no Trabalho - bLearning
SGS Madeira- Técnico Superior de Segurança e Saúde no Trabalho - bLearning
SGS Portugal
 
Programa hsst
Programa hsstPrograma hsst
Programa hsst
Lídio Jesus Fernandes
 
143 meio ambiente_para_tst
143 meio ambiente_para_tst143 meio ambiente_para_tst
143 meio ambiente_para_tst
Luis Araujo
 
Manual de práticas STR (2).pdf
Manual de práticas STR (2).pdfManual de práticas STR (2).pdf
Manual de práticas STR (2).pdf
Tħiago Ivo Pereira
 
Nr 35
Nr   35Nr   35

Semelhante a Diagnóstico de necessidades de formação final (20)

Plano de formação para uma empresa mafalda
Plano de formação para uma empresa mafaldaPlano de formação para uma empresa mafalda
Plano de formação para uma empresa mafalda
 
Mala pedagógica de apoio à formação manual do formador
Mala pedagógica de apoio à formação   manual do formadorMala pedagógica de apoio à formação   manual do formador
Mala pedagógica de apoio à formação manual do formador
 
Mala pedagógica de apoio à formação manual do formando
Mala pedagógica de apoio à formação   manual do formandoMala pedagógica de apoio à formação   manual do formando
Mala pedagógica de apoio à formação manual do formando
 
Programa sht
Programa sht Programa sht
Programa sht
 
Cipa plano de_curso
Cipa plano de_cursoCipa plano de_curso
Cipa plano de_curso
 
Manual Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho
Manual Higiene, Saúde e Segurança no TrabalhoManual Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho
Manual Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho
 
Manual curso trabalhadores_designados
Manual curso trabalhadores_designadosManual curso trabalhadores_designados
Manual curso trabalhadores_designados
 
Manual formador hst
Manual formador hstManual formador hst
Manual formador hst
 
Projeto pedagogico seguranca proposta do presidente da comissão
Projeto pedagogico seguranca   proposta do presidente da comissãoProjeto pedagogico seguranca   proposta do presidente da comissão
Projeto pedagogico seguranca proposta do presidente da comissão
 
Conecimento em Segurança 2024 Trabalho.pdf
Conecimento em Segurança 2024 Trabalho.pdfConecimento em Segurança 2024 Trabalho.pdf
Conecimento em Segurança 2024 Trabalho.pdf
 
Novo programa do curso Técnico Superior de Segurança no Trabalho
Novo programa do curso Técnico Superior de Segurança no TrabalhoNovo programa do curso Técnico Superior de Segurança no Trabalho
Novo programa do curso Técnico Superior de Segurança no Trabalho
 
SGS-Técnico Superior de Higiene e Segurança no Trabalho
SGS-Técnico Superior de Higiene e Segurança no TrabalhoSGS-Técnico Superior de Higiene e Segurança no Trabalho
SGS-Técnico Superior de Higiene e Segurança no Trabalho
 
Tcc pinheiro madeiras-pdf
Tcc  pinheiro madeiras-pdfTcc  pinheiro madeiras-pdf
Tcc pinheiro madeiras-pdf
 
Curso Rigging & Hoist Industrial - Informações
Curso Rigging & Hoist Industrial - Informações Curso Rigging & Hoist Industrial - Informações
Curso Rigging & Hoist Industrial - Informações
 
Segurança e saúde no trabalho portuário
Segurança e saúde no trabalho portuárioSegurança e saúde no trabalho portuário
Segurança e saúde no trabalho portuário
 
SGS Madeira- Técnico Superior de Segurança e Saúde no Trabalho - bLearning
SGS Madeira- Técnico Superior de Segurança e Saúde no Trabalho - bLearningSGS Madeira- Técnico Superior de Segurança e Saúde no Trabalho - bLearning
SGS Madeira- Técnico Superior de Segurança e Saúde no Trabalho - bLearning
 
Programa hsst
Programa hsstPrograma hsst
Programa hsst
 
143 meio ambiente_para_tst
143 meio ambiente_para_tst143 meio ambiente_para_tst
143 meio ambiente_para_tst
 
Manual de práticas STR (2).pdf
Manual de práticas STR (2).pdfManual de práticas STR (2).pdf
Manual de práticas STR (2).pdf
 
Nr 35
Nr   35Nr   35
Nr 35
 

Mais de joanatoky

Visita ao intermarché de mortágua
Visita ao intermarché de mortáguaVisita ao intermarché de mortágua
Visita ao intermarché de mortágua
joanatoky
 
Folheto final elaborado na sessao josé costa
Folheto final elaborado na sessao josé costaFolheto final elaborado na sessao josé costa
Folheto final elaborado na sessao josé costa
joanatoky
 
Tabela
TabelaTabela
Tabela
joanatoky
 
Fotos inéditas trabalho p blog
Fotos inéditas trabalho p blogFotos inéditas trabalho p blog
Fotos inéditas trabalho p blog
joanatoky
 
Paineis solares pdf
Paineis solares pdfPaineis solares pdf
Paineis solares pdf
joanatoky
 
Situação avaliada do posto de trabalho (guardado automaticamente) paula neves
Situação avaliada do posto de trabalho (guardado automaticamente) paula nevesSituação avaliada do posto de trabalho (guardado automaticamente) paula neves
Situação avaliada do posto de trabalho (guardado automaticamente) paula neves
joanatoky
 
Paineis solares
Paineis solaresPaineis solares
Paineis solares
joanatoky
 
Desporto & diferença
Desporto & diferençaDesporto & diferença
Desporto & diferença
joanatoky
 
Desporto & diferença
Desporto & diferençaDesporto & diferença
Desporto & diferença
joanatoky
 
Desporto & diferença
Desporto & diferençaDesporto & diferença
Desporto & diferença
joanatoky
 

Mais de joanatoky (10)

Visita ao intermarché de mortágua
Visita ao intermarché de mortáguaVisita ao intermarché de mortágua
Visita ao intermarché de mortágua
 
Folheto final elaborado na sessao josé costa
Folheto final elaborado na sessao josé costaFolheto final elaborado na sessao josé costa
Folheto final elaborado na sessao josé costa
 
Tabela
TabelaTabela
Tabela
 
Fotos inéditas trabalho p blog
Fotos inéditas trabalho p blogFotos inéditas trabalho p blog
Fotos inéditas trabalho p blog
 
Paineis solares pdf
Paineis solares pdfPaineis solares pdf
Paineis solares pdf
 
Situação avaliada do posto de trabalho (guardado automaticamente) paula neves
Situação avaliada do posto de trabalho (guardado automaticamente) paula nevesSituação avaliada do posto de trabalho (guardado automaticamente) paula neves
Situação avaliada do posto de trabalho (guardado automaticamente) paula neves
 
Paineis solares
Paineis solaresPaineis solares
Paineis solares
 
Desporto & diferença
Desporto & diferençaDesporto & diferença
Desporto & diferença
 
Desporto & diferença
Desporto & diferençaDesporto & diferença
Desporto & diferença
 
Desporto & diferença
Desporto & diferençaDesporto & diferença
Desporto & diferença
 

Diagnóstico de necessidades de formação final

  • 1. PLANO DE FORMAÇÃO PARA UMA EMPRESA Noções de pedagogia Trabalho Final Trabalho realizado por: Joana Martins Formadora: Mafalda Vicente
  • 2. Dia: 06-01-2011 Índice 1-Introdução 2-Diagnóstico de necessidades de formação 3-Designação da acção de formação 4-Definição do público-alvo 5-Definição dos objectivos da formação 6-Definição dos conteúdos programáticos e respectivas cargas horárias 7-Métodos e técnicas pedagógicas a operacionalizar 8-Metodologia de avaliação da formação 9-Meios materiais e humanos necessário para o desenvolvimento do curso de formação 10-Conclusão 11-Referências bibliográficas 1. INTRODUÇÃO 2
  • 3. O trabalho que se segue foi proposto e realiza-se no âmbito do Módulo: Noções de Pedagogia. Assim sendo, este tem por objectivo aplicar os métodos e técnicas de identificação de necessidades de formação, tendo em conta os conteúdos abordados ao longo das sessões de formação. Um trabalho desta natureza pressupõe então a detecção de uma necessidade e, consequentemente, a proposta de uma acção correctiva de uma determinada área. E é sempre mais fácil detectar uma necessidade nos espaços e nas realidades das quais nos vão chegando informações. 2-DIAGNÓSTICO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO Constantemente, assistimos à divulgação, nomeadamente, através dos órgãos de comunicação social e da ACT (Autoridade para as Condições de Trabalho) do crescente aumento de sinistralidade laboral. Estes acidentes de trabalho, na sua 3
  • 4. maioria, acontecem por culpa das empresas que não cumprem as normas de segurança e não agem preventivamente. Segundo estudos realizados e como se pode constatar através da análise do gráfico 1, em Portugal, a profissão identificada como a susceptível de maior risco de sinistralidade é a de operário da construção civil (48%), seguida da de operário pirotécnico (18%), operário metalúrgico (12%), e mineiro (10%). Gráfico 1 - Profissões com maior risco de sinistralidade. Podemos então constar que o sector da construção civil é o responsável pelo maior número de acidentes de trabalho. Mas o elevado nível de sinistralidade não se circunscreve à construção civil. Os ramos da indústria transformadora são também causadores de inúmeras vítimas mortais. Gráfico 2 - Acidentes mortais segundo as causas. Sendo que o esmagamento foi referido em primeiro lugar, seguido da queda em 4
  • 5. altura como as principais causas desta sinistralidade. Estas surgem, sobretudo, associadas ao não cumprimento das regras de segurança, à não utilização de dispositivos de segurança, à utilização de forma desadequada destes equipamentos ou ao seu mau estado de conservação. Precisamente, numa época em que atravessamos um período de crise económica e esta crise estar afectar o sector empresarial. Contudo, isto não pode ser desculpa para tal desleixo. Não devendo, no entanto, deixar de desresponsabilizar também os trabalhadores uma vez que, a fadiga, a ingestão de bebidas alcoólicas e as hipoglicémias, por exemplo, quando os trabalhadores não tomam o pequeno-almoço, também são apontes como algumas das causas de acidentes de trabalho. A consciencialização e a formação dos trabalhadores no local de trabalho e também do empregador são a melhor forma de prevenir acidentes. Prevenir, quer na perspectiva do trabalhador quer na do empregador, é a melhor forma de evitar que os acidentes aconteçam. Neste sentido é importante adquirir conhecimentos ao nível da segurança e higiene no trabalho, embora as acções e medidas destinadas a evitar acidentes de trabalho estejam directamente dependentes do tipo de actividade exercida, do ambiente de trabalho e das tecnologias e técnicas utilizadas. O programa de acção de Segurança e Higiene no Trabalho que ora se apresenta procura então dar resposta actualizada a tais necessidades. 3. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Segurança e Higiene no Trabalho 4. DEFINIÇÃO DO PÚBLICO-ALVO Esta acção de formação está indicada para ser ministrada a trabalhadores da área da construção civil. Tendo como pré-requisitos: 5
  • 6. . Idade igual ou superior a dezoito anos, do sexo masculino. . 6º ano de escolaridade. . Activos empregados. 5. DEFINIÇÃO DE OBJECTIVOS DE FORMAÇÃO No final da acção de formação Segurança e Higiene no Trabalho os formandos deverão ter adquirido conhecimentos a nível teórico-prático necessários e imprescindíveis, no sentido de lhes permitir, um correcto cumprimento do uso de equipamentos de protecção e regras básicas de segurança. Em termos específicos, os formandos deverão no final da acção ser capazes de: 1. Identificar os fundamentos de segurança do trabalho; 2. Avaliar os riscos profissionais; 3. Identificar procedimentos de prevenção e correcção de potenciais situações de acidente; 4. Aplicar os conhecimentos adquiridos no trabalho em obra. 6- DEFINIÇÃO DOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E RESPECTIVAS CARGAS HORÁRIAS Módulos Carga horária 1.Responsabilidades dos trabalhadores e entidades patronais. 2 2.Acidentes de trabalho e doenças profissionais na construção civil. 4 3.Trabalho em altura e riscos associados. 6 4 6
  • 7. 4.Utilização de máquinas e equipamentos de trabalho e legislação aplicável. 5. Movimentos de materiais (manual e mecânico). 4 6. Equipamentos de protecção colectiva. 4 7. Equipamentos de protecção individual. 4 8.Fadiga, a ingestão de bebidas alcoólicas e hipoglicémia. 4 9.Procedimentos em caso de emergência 2 10.Regulamentos internos da empresa 2 TOTAL 36 7. MÉTODOS E TÉCNICAS PEDAGÓGICAS A OPERACIONALIZAR Serão utilizados métodos e técnicas diversificadas, que envolverão sessões teóricas e práticas. Assim, está prevista a utilização do método expositivo ao longo de toda a acção de formação, através de exposições teóricas com recurso a meios audiovisuais. O conteúdo dos módulos de formação ao longo de toda a acção de formação Segurança e Higiene no Trabalho será apresentado também com recurso ao método interrogativo, por se considerar fundamental que os formandos participem activamente, reflictam e também fundamental para o formador uma vez que permite tomar consciência do nível de conhecimentos de cada formando sobre a temática. 7
  • 8. Nos módulos 4, 5, 6, 7 e 9 do curso de formação nos quais se prevê a componente prática, utilizar-se-á o método activo. Componente prática esta que comporta a simulação de casos reais, para que individualmente e em grupo, se ponha à prova a capacidade de acção de cada formando e em evidência as vantagens do trabalho de equipa. O método demonstrativo será também uma constante ao longo de toda acção de formação. As técnicas a utilizar nesta acção de formação serão: . Trabalho individual que consistirá na realização de pequenas actividades individuais. . Trabalho de grupo que pressupõe a realização de trabalhos de grupo. . Simulação que consistirá na reprodução de uma ou várias situações de trabalho no sentido de testar as capacidades técnicas ou os conhecimentos obtidos pelos formandos, permitindo o aperfeiçoamento de competências e aptidões. O debate e a troca de experiências serão também uma constante ao longo de toda a acção. 8. METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO A avaliação será contínua. Assim, no decurso de cada um dos módulos, será aferida a apreensão de conhecimentos pelos formandos através da realização de trabalhos individuais e em grupo. As simulações efectuadas no local de trabalho serão, obviamente, as mais valorizadas. No final de cada módulo haverá lugar à avaliação dos formandos. No final da acção de formação, será também efectuada pelos formandos uma apreciação geral à formação que incidirá sobre o desempenho dos formadores, o modelo organizativo da acção, a estrutura do programa, a metodologia e os recursos técnicos e materiais utilizados. 8
  • 9. 9. MEIOS MATERIAIS E HUMANOS NECESSÁRIOS PARA O DESESENVOLVIMENTO DO CURSO DE FORMAÇÃO A formação será ministrada nas instalações da empresa Máquinas e Martelos Lda. Sendo necessária apenas a disponibilização de uma sala onde irá decorrer a acção de formação. Deverá ser espaçosa, climatizada e com luminosidade para poder garantir as condições favoráveis à aprendizagem. Com vista a facilitar o processo de aprendizagem dos formandos e a dinamizar os conteúdos programáticos serão utilizados no decurso da formação os seguintes recursos didácticos: . Computador Portátil para o Formador com Programa Microsoft PowerPoint . Projector Multimédia . Quadro branco. Aos formandos será fornecida uma pasta contendo papel branco, o cronograma, os conteúdos programáticos e o regulamento de funcionamento da acção a desenvolver. Aos formandos serão também fornecidas fotocópias dos conteúdos desenvolvidos com recurso a diapositivos. Serão também fornecidas fotocópias dos documentos de apoio à aprendizagem, actividades a desenvolver e testes de avaliação. Na sala de formação uma mesa quadrada para o Formador, Projector Multimédia com bancada de apoio, mesas rectangulares do tipo escolar para os formandos, distribuídas em forma de U, dezasseis cadeiras e aquecedor. Uma resma de papel branco de escritório formato A4, quinze esferográficas, dois furadores, apagador para utilização do quadro branco e canetas para utilização do mesmo. Tendo em conta a duração da formação, e sem perder de vista os objectivos enunciados, a acção será desenvolvida com recurso a um único formador, Joana Da Silva Martins. A formadora deverá ter conhecimentos e experiência prática nas temáticas a ministrar, neste caso Técnico de Segurança e Higiene no Trabalho. 9
  • 10. A presente acção terá uma carga horária total de 36 horas/ 9 dias, em sessões com a duração de 2, 4 e 6 horas. Irá decorrer todas as sextas-feiras das 14 horas às 18 horas. A acção funcionará com um número de 15 formandos (máximo). 10. CONCLUSÃO Este projecto é uma solução fácil, e não muito dispendiosa, de implementar um correcto cumprimento do uso de equipamentos de protecção e regras básicas de segurança, visto que, como podemos constatar as principais causas dos acidentes em construção civil são não seguir as regras de segurança e não utilizar os dispositivos de segurança ou utilizá-los de forma desadequada. Muitas destas regras passam por: . Fazer com que o seu local de trabalho seja confortável; . Ter muito cuidado e seguir todas as regras de segurança na realização de actividades mais perigosas; . Organizar o local de trabalho ou o seu posto de trabalho, não deixar objectos fora dos seus lugares ou mal arrumados. Se tudo estiver no seu lugar não precisa de improvisar perante imprevistos e isso reduz os acidentes; 10
  • 11. . Saber quais os riscos e cuidados que deve ter na actividade que desenvolve e quais as formas de protecção para reduzir esses riscos; . Participar sempre nas acções ou cursos de prevenção de acidentes que a empresa lhe proporcionar; . Aplicar as medidas e dispositivos de prevenção de acidentes que lhe são facultados, designadamente o uso de vestuário de protecção adequado, como as protecções auriculares para o ruído, óculos, capacetes e dispositivos anti-queda, e equipamento de protecção respiratória, entre outras; . Não recear sugerir à empresa onde trabalha a realização de palestras, seminários e acções de formação sobre prevenção de acidentes. Concluindo, consciencializar e formar os trabalhadores no local de trabalho são a melhor forma de prevenir acidentes, sendo esta acção de Segurança e Higiene no Trabalho uma das melhores formas de formar e informar os trabalhadores. Sendo que, a melhor forma de prevenir o acidente é com informação. Ao elaborar este trabalho foi-me permitido uma maior aprendizagem, senti alguma dificuldade na concretização deste, pois as sessões foram poucas e não nos permitiu aprofundar mais os conteúdos do módulo. Foi um trabalho que implicou muita pesquisa e análise de gráficos, e uma percepção do mercado de trabalho. Escolhi a área da construção civil por ser uma área em termos de segurança muito problemática onde se tem verificado muitos acidentes de trabalho e por ser uma área que me suscita algum interesse. Este trabalho irá ser muito útil para o meu futuro como técnico, pois concerteza terei de aplicar os métodos acima referidos. 11