SlideShare uma empresa Scribd logo
Cosmogênese e
Antropogênese
Luiz Faias Junior
Você já se perguntou...
• quem somos?
• de onde viemos?
• para onde vamos?
Seus problemas acabaram!
A Doutrina Secreta
• H. P. Blavatsky
• 1888
A Doutrina Secreta
• Contém ensinamentos encontrados nas Estâncias de Dzyan
• são pergaminhos antigos de origem tibetana
• escritos em uma coleção de folhas de palma, resistentes à
água, ao fogo e ao ar
• conteriam registros de toda a evolução da humanidade, em
uma língua desconhecida pelos filólogos denominada
Senzar
Proposições fundamentais
• A existência de um Princípio Onipresente, eterno, sem
limites, imutável e incognoscível, pois sua compreensão
escapa à capacidade da inteligência humana, e que
permanece não-manifestado;
#1
Proposições fundamentais
• A eternidade do universo (e portanto a eternidade da
matéria), que passa por ciclos de atividade e inatividade que
se repetem em sucessão sem início nem fim;
#2
Proposições fundamentais
• A identidade de todas as almas com a alma universal, sendo
esta última um aspecto da raiz desconhecida.
#3
O Princípio Divino em tudo
• O Absoluto, do Infinito, daquele em que tudo se contém, nada
se pode saber, no grau em que nos encontramos, a não ser
que Ele existe; nada se pode dizer que não seja uma limitação
e, por isso mesmo, inexato.
• Inumeráveis universos nele estão contidos; e, em cada
universo sistemas solares incalculáveis.
Cosmogênese
• Cosmos = universo, a totalidade de todas as coisas
• gênese = criação
• Carl Sagan: "tudo o que já foi, tudo o que é e tudo que será"
Triplo Logos Solar
• A manifestação do Divino é sempre tríplice
• Eis porque todas as religiões têm-nO representado como
uma Trindade
Triplo Logos Solar
Triplo Logos Solar
• Divindade Solar
• Sete ministros,“Espíritos Planetários”, ou Dhyan-chohans
• Anjos ou Devas
Ciclos de criação e destruição
• Períodos de atividade: Manvantaras ou Kalpas
• Períodos de inatividade: Pralayas
• “Dias e Noites de Brahman”
Ciclos de criação e destruição
Ciclos de criação e destruição
Ciclos de criação e destruição
Dias e Noites de Brahman
• Um dia = 4.320.000.000 anos mortais
• Uma noite = 4.320.000.000 anos mortais
• 360 destes dias formam um ano = 3.110.400.000.000
• 100 anos representam a vida de um sistema solar
• 311.040.000.000.000 anos mortais
Cosmogênese
• O Universo "acorda" e se expande, até atingir um ponto
máximo. Depois começa a encolher, de tal forma que acaba se
tornando um ponto no espaço vazio. É o chamado 'Ponto
Laya".
Cosmogênese
• Brahman, diferencia-se em duas forças opostas
• Masculino-Feminino
• Positivo-Negativo
• Ativo-Passivo
“Fertilização imaculada”
Expansão do Cosmos
Pense numa célula
Numerologia
• Do zero vem o um
• ...do um vem o dois
• ...e o três
• ...e as “10 mil coisas”
A ilusão da matéria
• Do mesmo modo que o som não pode existir sem o
silêncio, nenhuma coisa pode existir sem o nada, sem o
espaço vazio. Cada objeto material ou cada corpo veio do
nada, é cercado pelo nada e vai voltar para o nada.
• Até mesmo no interior de cada corpo físico existe muito
mais “nada” do que “algo”. Os físicos nos dizem que a solidez
da matéria é uma ilusão.
A ilusão da matéria
A ilusão da matéria
• O que dá sentido a essa sala?
Qual é a essência desta sala?
• Os móveis, os quadros, etc. estão dentro da sala, mas eles
não são a sala. O chão, as paredes, o teto definem os limites
da sala, mas também não são a sala.
• Qual é, então, a essência da sala? O espaço, é claro, o espaço
vazio. Não haveria nenhuma “sala” sem ele. Como o espaço é
“nada”, podemos dizer que aquilo que não está lá é mais
importante do que aquilo que está.
• Portanto, tome consciência do espaço à sua volta. Não pense
a respeito. Sinta-o do jeito que é. Preste atenção ao “nada”.
Por que tudo isso, então?
• O objetivo final do mundo não está dentro do mundo, mas na
transcendência do mundo.
• Assim como nós não teríamos consciência do espaço se não
houvesse objetos no espaço, o mundo é necessário para que
o Não Manifesto seja percebido.
Por que tudo isso, então?
• Você está aqui para possibilitar que o propósito divino do
universo se revele.
• Veja como você é importante!
• Eckart Tolle em “O Poder do Agora”
Antropogênese
• Antropo = homem
• gênese = criação
• tentativa de explicar o surgimento e evolução da humanidade
Constituição Septenária
Constituição Septenária
• Átmico
Constituição Septenária
• Átmico
• Búdico
Constituição Septenária
• Átmico
• Búdico
• Mental Puro
Constituição Septenária
• Átmico
• Búdico
• Mental Puro
• Mental Concreto
Constituição Septenária
• Átmico
• Búdico
• Mental Puro
• Mental Concreto
• Astral
Constituição Septenária
• Átmico
• Búdico
• Mental Puro
• Mental Concreto
• Astral
• Vital
Constituição Septenária
• Átmico
• Búdico
• Mental Puro
• Mental Concreto
• Astral
• Vital
• Étero-físico
Por que sete?
Por que sete?
• É considerado o número da vida, da perfeição, o número
sagrado (segundo Pitágoras).
Por que sete?
• É considerado o número da vida, da perfeição, o número
sagrado (segundo Pitágoras).
• Rege o desenvolvimento do homem e os acontecimentos do
mundo, material e espiritualmente. Representa a lei da
evolução na natureza.
Por que sete?
• É considerado o número da vida, da perfeição, o número
sagrado (segundo Pitágoras).
• Rege o desenvolvimento do homem e os acontecimentos do
mundo, material e espiritualmente. Representa a lei da
evolução na natureza.
• Encontramos este número diversas vezes nos livros sagrados
como a Bíblia, o Torá, a Cabala, etc.
Por que sete?
Por que sete?
• 7 maravilhas do mundo
• 7 mares
• 7 livros do antigo testamento
• 7 pecados capitais
• 7 fases da vida
• 7 anões ;-)
corpos dias da
semana
cores astros
sagrados
notas
musicais
sentidos chakras
vontade domingo violeta Sol si potencial coronário
intuição sábado azul índigo Saturno lá potencial 3º olho
mental puro sexta azul celeste Vênus sol olfato laringo
mental concreto quinta rosa ou verde Júpiter fá paladar coração
emocional quarta amarelo Mercúrio mi visão plexo solar
vital terça alaranjado Marte ré tato abaixo do umbigo
étero-físico segunda vermelho Lua dó audição base da coluna
Os 7 chakras
Os 7 planos
Os 7 planos
• Plano Elemental
• Plano Elemental
• Plano Elemental
• Plano Hominal
• Plano Animal
• PlanoVegetal
• Plano Mineral
Diferenças entre os
reinos animal e hominal
• O que distingue o homem dos animais e dos vegetais, é que,
somente ele, é verdadeiramente uma alma.
• No homem, esta alma só se pode manifestar no mundo físico
através de um corpo único; ao passo que, no animal e na
planta, a alma reveste simultaneamente vários corpos
diferentes.
Diferenças entre os
reinos animal e hominal
• Conceito de “alma-grupo”
• Exemplo dos leões
• Experiência da jarra com água
Diferenças entre os
reinos animal e hominal
• hereditariedade dos instintos:
• pato chocado pela galinha vai para a água
• aves chocadas artificialmente constroem ninhos
Sub corpos
Sub corpos
• Estamos trabalhando qual corpo?
Sub corpos
• Estamos trabalhando qual corpo?
• Temos pequenos “lampejos” do que seja a mente pura
Sub corpos
• Estamos trabalhando qual corpo?
• Temos pequenos “lampejos” do que seja a mente pura
• Nossa intuição é apenas uma pequena “amostra” do que seja
a verdadeira intuição
Sub corpos
• Estamos trabalhando qual corpo?
• Temos pequenos “lampejos” do que seja a mente pura
• Nossa intuição é apenas uma pequena “amostra” do que seja
a verdadeira intuição
• E a verdadeira vontade?
Sub corpos
• Cada um dos sete corpos, subdivide-se em mais sete, e assim
sucessivamente por sete vezes, criando-se assim uma
estrutura piramidal de linhas de força que caminham pelos
subcorpos.
Subcorpos
Subcorpos
•7 * 7 * 7 * 7 * 7 * 7 * 7
Subcorpos
•7 * 7 * 7 * 7 * 7 * 7 * 7
•= 823.543
Cadeias Planetárias
• O plano que se observa é o seguinte: descer cada vez mais
profundamente na matéria, e, em seguida, pouco a pouco ir-se
desprendendo dela.
Cadeias Planetárias
Cadeias Planetárias
você está aqui
Rondas ou globos
• O plano que se observa é o seguinte: descer cada vez mais
profundamente na matéria, e, em seguida, pouco a pouco ir-se
desprendendo dela.
Rondas ou globos
Rondas ou globos
você está aqui
Rondas ou globos
Raças-raiz
• A evolução do Homem nesta Ronda é composta de sete
Raças-raiz, cada uma delas composta de sete sub-raças, que
são ramos derivados da Raça.
• Na atualidade estamos vivendo o período da Quinta Raça-
raiz, a Raça Ariana.
isso não
tem nada a
ver com o
nazismo
Raças-raiz
1. Polar / Chayas
2. Hiperbórea
3. Lemuriana
4. Atlante
5. Ariana
Evolução dos sentidos
Raça Sentido
1ª: Polar / Chayas Audição
2ª: Hiperbórea Tato
3ª: Lemuriana Visão
4ª:Atlante Paladar
5ª:Ariana Olfato
6ª potencial
7ª potencial
Evolução de consciência
UNIVERSAL
INTUICIONAL
MENTAL
MINERAL VEGETAL HUMANOANIMAL ESPIRITUAL
FÍSICO
EMOCIONAL
Primeira raça: Polar / Chayas
• matéria etérica
• seres assexuados
• mais se assemelhavam a nuvens vagas, flutuantes, quase
informes
Primeira raça: Polar / Chayas
• matéria etérica
• seres assexuados
• mais se assemelhavam a nuvens vagas, flutuantes, quase
informes
Segunda Raça: Hiperbórea
• matéria etérea, partindo para ser mais densa, mais material,
com um corpo com consistência gelatinosa (semelhante a
uma água-viva)
• continente ocupado: Plaksha (norte da Ásia)
Terceira Raça: Lemuriana
• Etnia dominante: negra
• Separação dos sexos
• chegada dos senhores deVênus
Terceira Raça: Lemuriana
Terceira Raça: Lemuriana
• Desenvolvimento dos órgãos visuais (apenas um no começo)
• glândula pineal, cujas funções e secreções os próprios
endocrinólogos ainda desconhecem
• Ciclopes
Terceira Raça: Lemuriana
Terceira Raça: Lemuriana
Quarta Raça:Atlante
• considerada a maior de todos os tempos
• muito além do nosso atual grau de desenvolvimento
tecnológico
• trabalhou o corpo mental concreto, e acabaram sendo
vítimas de sua soberba
Características dos Atlantes
• chegavam a ter três metros de altura
• etnias dominantes: peles vermelha e amarela
• tinham todas as características humanas e uma força física
muito grande
Tecnologia dos Atlantes
• Energia elétrica: as fontes eram a água, plantas e metais
• Edificações: mestres em construção, tinham enorme
precisão e conhecimentos de engenharia
• Metalurgia: produziam tipos de elementos ainda
desconhecidos até hoje
Evidências dos Atlantes
• Pirâmides: há pedras que até hoje não há guindaste que
tenha a capacidade de erguê-las
• Aparelhos muito evoluídos de cálculos como computadores e
relógios
• Obras como o crânio de cristal
Quinta Raça:Ariana
• existe há cerca de 1 milhão de anos
• provém de Ariavarta, conhecida como a Índia Antiga
• signo de Áries
• cinco continentes atuais
Quinta Raça:Ariana
• sub-raças:
• 1. Hindu
• 2. Ário-semítica
• 3. Iraniana
• 4. Céltica
• 5.Teutônica
Sub-raças
• Cada sub-raça é um “degrau” na escada para a formação da
próxima raça
Sub-raças
IV
4
3
2
1 7
6
5
V
4
3
2
1 7
6
5
VI
4
3
2
1 7
6
5
Sub-raças
• Da 2ª sub-raça da 1ª raça, origina-se a 2ª raça
• Da 3ª sub-raça da 2ª raça, origina-se a 3ª raça
• Da 4ª sub-raça da 3ª raça, origina-se a 4 raça
• Da 5ª sub-raça da 4ª raça, origina-se a 5ª raça
• você entendeu...
Substituição de uma sub-raça
• ocorre através de dominação pela sub-raça sucessora
• ou cataclisma que abate total ou parcialmente a sub-raça
antecessora
• "Dia do Juízo": fecha-se a porta aos indivíduos inabilitados
para o próximo ciclo evolutivo
Substituição de uma raça-raiz
• grande cataclisma envolvendo continentais extensões de
terra
• submergem as terras mais povoadas pela raça em declínio
• emergem territórios que servirão de berço de
desenvolvimento para a nova raça que se instala
Aporte deVênus
• Incentivo energético
• sétima ronda da quinta cadeia
• Senhores da Chama
• Seres Augustos
• Filhos da Névoa Ígnea
Grande Fraternidade Branca
• El Morya
• Kuthumi ou Lanto ou Confucio
• PauloVeneziano ou Rowena
• Serapis Bey
• Hilarion
• Jesus ou Nada
• Saint Germain
Grande Fraternidade Branca
• atribui-se surgida no Antigo Egito
• várias outras ordens hoje proclamam-se descendentes:
• Maçonaria
• Ordem Rosacruz (AMORC)
• própria Sociedade Teosófica
Onde estamos afinal?
• 5ª subraça
• 5ª raça
• 4ª globo
• 4ª cadeia planetária
Recapitulando:
5ª sub-raça
Recapitulando:
5ª raça
Recapitulando:
4º globo (D)
Recapitulando:
4º globo (D)
você está aqui
Recapitulando:
4ª cadeia planetária
Recapitulando:
4ª cadeia planetária
você está aqui
Mas não se preocupe!
você ainda está aqui

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

COSMOGÊNESE
COSMOGÊNESE COSMOGÊNESE
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância I
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância IA Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância I
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância I
André Ricardo Marcondes
 
(4)a trindade parte iii - teosofia
(4)a trindade   parte iii - teosofia(4)a trindade   parte iii - teosofia
(4)a trindade parte iii - teosofiaGraciette Andrade
 
O Homem, Deus e o Universo - Cap III
O Homem, Deus e o Universo - Cap IIIO Homem, Deus e o Universo - Cap III
O Homem, Deus e o Universo - Cap III
André Ricardo Marcondes
 
A Doutrina Secreta - Proêmio
A Doutrina Secreta - ProêmioA Doutrina Secreta - Proêmio
A Doutrina Secreta - Proêmio
André Ricardo Marcondes
 
O Homem, Deus e o Universo - Cap VIII
O Homem, Deus e o Universo - Cap VIIIO Homem, Deus e o Universo - Cap VIII
O Homem, Deus e o Universo - Cap VIII
André Ricardo Marcondes
 
Fundamentos da Filosofia Esotérica de HPB
Fundamentos da Filosofia Esotérica de HPBFundamentos da Filosofia Esotérica de HPB
Fundamentos da Filosofia Esotérica de HPBAndré Ricardo Marcondes
 
O Homem, Deus e o Universo - Cap V
O Homem, Deus e o Universo - Cap VO Homem, Deus e o Universo - Cap V
O Homem, Deus e o Universo - Cap V
André Ricardo Marcondes
 
Aula 3 - Cosmogênese.ppt
Aula 3 - Cosmogênese.pptAula 3 - Cosmogênese.ppt
Aula 3 - Cosmogênese.ppt
André Ricardo Marcondes
 
A Importância da Doutrina Secreta para a Humanidade
A Importância da Doutrina Secreta para a HumanidadeA Importância da Doutrina Secreta para a Humanidade
A Importância da Doutrina Secreta para a Humanidade
André Ricardo Marcondes
 
A Doutrina Secreta - Estância VII
A Doutrina Secreta - Estância VIIA Doutrina Secreta - Estância VII
A Doutrina Secreta - Estância VII
André Ricardo Marcondes
 
O Homem, Deus e o Universo - Cap II
O Homem, Deus e o Universo - Cap IIO Homem, Deus e o Universo - Cap II
O Homem, Deus e o Universo - Cap II
André Ricardo Marcondes
 
A Doutrina Secreta Vol 1 - Cosmogênese - Estância IV
A Doutrina Secreta   Vol 1 - Cosmogênese - Estância IVA Doutrina Secreta   Vol 1 - Cosmogênese - Estância IV
A Doutrina Secreta Vol 1 - Cosmogênese - Estância IV
André Ricardo Marcondes
 
Os habitantes do plano astral
Os habitantes do plano astralOs habitantes do plano astral
Os habitantes do plano astral
Heitor Costa da Cruz
 
O Homem, Deus e o Universo Cap VI
O Homem, Deus e o Universo   Cap VIO Homem, Deus e o Universo   Cap VI
O Homem, Deus e o Universo Cap VI
André Ricardo Marcondes
 
Lemuria e Atlantida
Lemuria e AtlantidaLemuria e Atlantida
Lemuria e AtlantidaSilvana
 
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância VI
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância VIA Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância VI
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância VI
André Ricardo Marcondes
 
(6) manifestação da consciência(1)
(6) manifestação da consciência(1)(6) manifestação da consciência(1)
(6) manifestação da consciência(1)Graciette Andrade
 
O Poder do Tetragrammaton
O Poder do TetragrammatonO Poder do Tetragrammaton
O Poder do TetragrammatonPaulo Viana
 

Mais procurados (20)

COSMOGÊNESE
COSMOGÊNESE COSMOGÊNESE
COSMOGÊNESE
 
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância I
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância IA Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância I
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância I
 
(4)a trindade parte iii - teosofia
(4)a trindade   parte iii - teosofia(4)a trindade   parte iii - teosofia
(4)a trindade parte iii - teosofia
 
Reencarnação
ReencarnaçãoReencarnação
Reencarnação
 
O Homem, Deus e o Universo - Cap III
O Homem, Deus e o Universo - Cap IIIO Homem, Deus e o Universo - Cap III
O Homem, Deus e o Universo - Cap III
 
A Doutrina Secreta - Proêmio
A Doutrina Secreta - ProêmioA Doutrina Secreta - Proêmio
A Doutrina Secreta - Proêmio
 
O Homem, Deus e o Universo - Cap VIII
O Homem, Deus e o Universo - Cap VIIIO Homem, Deus e o Universo - Cap VIII
O Homem, Deus e o Universo - Cap VIII
 
Fundamentos da Filosofia Esotérica de HPB
Fundamentos da Filosofia Esotérica de HPBFundamentos da Filosofia Esotérica de HPB
Fundamentos da Filosofia Esotérica de HPB
 
O Homem, Deus e o Universo - Cap V
O Homem, Deus e o Universo - Cap VO Homem, Deus e o Universo - Cap V
O Homem, Deus e o Universo - Cap V
 
Aula 3 - Cosmogênese.ppt
Aula 3 - Cosmogênese.pptAula 3 - Cosmogênese.ppt
Aula 3 - Cosmogênese.ppt
 
A Importância da Doutrina Secreta para a Humanidade
A Importância da Doutrina Secreta para a HumanidadeA Importância da Doutrina Secreta para a Humanidade
A Importância da Doutrina Secreta para a Humanidade
 
A Doutrina Secreta - Estância VII
A Doutrina Secreta - Estância VIIA Doutrina Secreta - Estância VII
A Doutrina Secreta - Estância VII
 
O Homem, Deus e o Universo - Cap II
O Homem, Deus e o Universo - Cap IIO Homem, Deus e o Universo - Cap II
O Homem, Deus e o Universo - Cap II
 
A Doutrina Secreta Vol 1 - Cosmogênese - Estância IV
A Doutrina Secreta   Vol 1 - Cosmogênese - Estância IVA Doutrina Secreta   Vol 1 - Cosmogênese - Estância IV
A Doutrina Secreta Vol 1 - Cosmogênese - Estância IV
 
Os habitantes do plano astral
Os habitantes do plano astralOs habitantes do plano astral
Os habitantes do plano astral
 
O Homem, Deus e o Universo Cap VI
O Homem, Deus e o Universo   Cap VIO Homem, Deus e o Universo   Cap VI
O Homem, Deus e o Universo Cap VI
 
Lemuria e Atlantida
Lemuria e AtlantidaLemuria e Atlantida
Lemuria e Atlantida
 
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância VI
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância VIA Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância VI
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância VI
 
(6) manifestação da consciência(1)
(6) manifestação da consciência(1)(6) manifestação da consciência(1)
(6) manifestação da consciência(1)
 
O Poder do Tetragrammaton
O Poder do TetragrammatonO Poder do Tetragrammaton
O Poder do Tetragrammaton
 

Destaque

Os sete níveis do ser humano
Os  sete níveis do ser humanoOs  sete níveis do ser humano
Os sete níveis do ser humano
Irene Aguiar
 
Karma e dharma
Karma e dharmaKarma e dharma
Karma e dharma
Graciette Andrade
 
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogenese - Estancia II
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogenese - Estancia IIA Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogenese - Estancia II
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogenese - Estancia II
André Ricardo Marcondes
 
(3)sociedade teosófica parte iv - blavatsky
(3)sociedade teosófica   parte iv - blavatsky(3)sociedade teosófica   parte iv - blavatsky
(3)sociedade teosófica parte iv - blavatsky
Graciette Andrade
 
A Doutrina Secreta - Prefácio e Introdução
A Doutrina Secreta -  Prefácio e IntroduçãoA Doutrina Secreta -  Prefácio e Introdução
A Doutrina Secreta - Prefácio e Introdução
André Ricardo Marcondes
 
(1) sociedade teosófica parte i - apresentação
(1) sociedade teosófica   parte i - apresentação(1) sociedade teosófica   parte i - apresentação
(1) sociedade teosófica parte i - apresentação
Graciette Andrade
 
Cadenas y rondas
Cadenas y rondasCadenas y rondas
Cadenas y rondas
Jaime Martell
 
A teosofia do sinal da cruz h.p. blavatsky
A teosofia do sinal da cruz  h.p. blavatskyA teosofia do sinal da cruz  h.p. blavatsky
A teosofia do sinal da cruz h.p. blavatsky
Rosana Dalla Piazza
 
Jinarajadasa fundamentos de teosofia
Jinarajadasa   fundamentos de teosofiaJinarajadasa   fundamentos de teosofia
Jinarajadasa fundamentos de teosofiahavatar
 
Apresentação da monografia - PRONTO
Apresentação da monografia - PRONTOApresentação da monografia - PRONTO
Apresentação da monografia - PRONTO
Luiz Faias Junior
 
O que é yoga?
O que é yoga?O que é yoga?
O que é yoga?
YOGAWAY.COM
 
Obreiros da-vida-eterna
Obreiros da-vida-eternaObreiros da-vida-eterna
Obreiros da-vida-eterna
Casa Aura Quartz
 
Sistema operativo
Sistema operativo Sistema operativo
Sistema operativo
katyaroxanameza
 

Destaque (16)

Os sete níveis do ser humano
Os  sete níveis do ser humanoOs  sete níveis do ser humano
Os sete níveis do ser humano
 
Karma e dharma
Karma e dharmaKarma e dharma
Karma e dharma
 
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogenese - Estancia II
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogenese - Estancia IIA Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogenese - Estancia II
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogenese - Estancia II
 
(3)sociedade teosófica parte iv - blavatsky
(3)sociedade teosófica   parte iv - blavatsky(3)sociedade teosófica   parte iv - blavatsky
(3)sociedade teosófica parte iv - blavatsky
 
A Doutrina Secreta - Prefácio e Introdução
A Doutrina Secreta -  Prefácio e IntroduçãoA Doutrina Secreta -  Prefácio e Introdução
A Doutrina Secreta - Prefácio e Introdução
 
Reencarnação (Portuguese)
Reencarnação (Portuguese)Reencarnação (Portuguese)
Reencarnação (Portuguese)
 
(1) sociedade teosófica parte i - apresentação
(1) sociedade teosófica   parte i - apresentação(1) sociedade teosófica   parte i - apresentação
(1) sociedade teosófica parte i - apresentação
 
Cadenas y rondas
Cadenas y rondasCadenas y rondas
Cadenas y rondas
 
A teosofia do sinal da cruz h.p. blavatsky
A teosofia do sinal da cruz  h.p. blavatskyA teosofia do sinal da cruz  h.p. blavatsky
A teosofia do sinal da cruz h.p. blavatsky
 
Jinarajadasa fundamentos de teosofia
Jinarajadasa   fundamentos de teosofiaJinarajadasa   fundamentos de teosofia
Jinarajadasa fundamentos de teosofia
 
Apresentação da monografia - PRONTO
Apresentação da monografia - PRONTOApresentação da monografia - PRONTO
Apresentação da monografia - PRONTO
 
O que é yoga?
O que é yoga?O que é yoga?
O que é yoga?
 
Obreiros da-vida-eterna
Obreiros da-vida-eternaObreiros da-vida-eterna
Obreiros da-vida-eterna
 
Plano astral
Plano astralPlano astral
Plano astral
 
Sistema operativo
Sistema operativo Sistema operativo
Sistema operativo
 
05 01 09 paracelso obras completas www.gftaognosticaespiritual.org
05 01 09 paracelso obras completas www.gftaognosticaespiritual.org05 01 09 paracelso obras completas www.gftaognosticaespiritual.org
05 01 09 paracelso obras completas www.gftaognosticaespiritual.org
 

Semelhante a Cosmogênese e antropogênese

Visão Espírita do Sono e dos Sonhos. Fontes de pesquisa_.pdf
Visão Espírita do Sono e dos Sonhos. Fontes de pesquisa_.pdfVisão Espírita do Sono e dos Sonhos. Fontes de pesquisa_.pdf
Visão Espírita do Sono e dos Sonhos. Fontes de pesquisa_.pdf
LucianoSantos460804
 
Caibalion por Alexandre Cezário
Caibalion por Alexandre CezárioCaibalion por Alexandre Cezário
Caibalion por Alexandre Cezário
Alexandre Cezário
 
Caibalion
CaibalionCaibalion
Falando do mundo espiritual
Falando do mundo espiritualFalando do mundo espiritual
Falando do mundo espiritual
andrademarko
 
O Significado das Histórias do Pentateuco
O Significado das Histórias do PentateucoO Significado das Histórias do Pentateuco
O Significado das Histórias do Pentateuco
RODRIGO ORION
 
Aula 06 - Introdução do Livro dos Espíritos
Aula 06 - Introdução do Livro dos EspíritosAula 06 - Introdução do Livro dos Espíritos
Aula 06 - Introdução do Livro dos Espíritoscontatodoutrina2013
 
Livro dos Espíritos e Irvênia Prada
Livro dos Espíritos e Irvênia PradaLivro dos Espíritos e Irvênia Prada
Livro dos Espíritos e Irvênia Pradacontatodoutrina2013
 
A lei de deus revisitando pietro ubaldi 1
A lei de deus revisitando pietro ubaldi 1A lei de deus revisitando pietro ubaldi 1
A lei de deus revisitando pietro ubaldi 1Silvânio Barcelos
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Bruno Cechinel Filho
 
KSSF Aula Ciclo I - Os Espíritos - Rosana De Rosa
KSSF Aula Ciclo I - Os Espíritos - Rosana De RosaKSSF Aula Ciclo I - Os Espíritos - Rosana De Rosa
KSSF Aula Ciclo I - Os Espíritos - Rosana De Rosa
Kardecian Spiritist Society of Florida
 
Astronomia geral
Astronomia geralAstronomia geral
Astronomia geralDalila Melo
 
Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8
Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8
Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8Lucia Andrade
 
Masters’ reincarnation handbook journey of the soul
Masters’ reincarnation handbook journey of the soulMasters’ reincarnation handbook journey of the soul
Masters’ reincarnation handbook journey of the soulThelma Belmonte
 
Aula 02 princípios
Aula 02   princípiosAula 02   princípios
Aula 02 princípios
Acacio de Carvalho
 
Períspirito ni 1 aula11
Períspirito ni 1 aula11Períspirito ni 1 aula11
Períspirito ni 1 aula11
Nivea Vogel Segato
 
Síntese de palestras xamãsconet
Síntese de palestras xamãsconetSíntese de palestras xamãsconet
Síntese de palestras xamãsconet
Tai Santos
 
Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1
Denise Aguiar
 
ESE_03_Capitulo_III - Há muitas moradas na casa do meu Pai.ppt
ESE_03_Capitulo_III - Há muitas moradas na casa do meu Pai.pptESE_03_Capitulo_III - Há muitas moradas na casa do meu Pai.ppt
ESE_03_Capitulo_III - Há muitas moradas na casa do meu Pai.ppt
LuizHenriqueTDias
 
Livro dos Espíritos Q456 ESE cap 3 item3
Livro dos Espíritos Q456 ESE cap 3 item3Livro dos Espíritos Q456 ESE cap 3 item3
Livro dos Espíritos Q456 ESE cap 3 item3
Patricia Farias
 
Copia de astrologia_cabalistica
Copia de astrologia_cabalisticaCopia de astrologia_cabalistica
Copia de astrologia_cabalistica
Paulo Dutra
 

Semelhante a Cosmogênese e antropogênese (20)

Visão Espírita do Sono e dos Sonhos. Fontes de pesquisa_.pdf
Visão Espírita do Sono e dos Sonhos. Fontes de pesquisa_.pdfVisão Espírita do Sono e dos Sonhos. Fontes de pesquisa_.pdf
Visão Espírita do Sono e dos Sonhos. Fontes de pesquisa_.pdf
 
Caibalion por Alexandre Cezário
Caibalion por Alexandre CezárioCaibalion por Alexandre Cezário
Caibalion por Alexandre Cezário
 
Caibalion
CaibalionCaibalion
Caibalion
 
Falando do mundo espiritual
Falando do mundo espiritualFalando do mundo espiritual
Falando do mundo espiritual
 
O Significado das Histórias do Pentateuco
O Significado das Histórias do PentateucoO Significado das Histórias do Pentateuco
O Significado das Histórias do Pentateuco
 
Aula 06 - Introdução do Livro dos Espíritos
Aula 06 - Introdução do Livro dos EspíritosAula 06 - Introdução do Livro dos Espíritos
Aula 06 - Introdução do Livro dos Espíritos
 
Livro dos Espíritos e Irvênia Prada
Livro dos Espíritos e Irvênia PradaLivro dos Espíritos e Irvênia Prada
Livro dos Espíritos e Irvênia Prada
 
A lei de deus revisitando pietro ubaldi 1
A lei de deus revisitando pietro ubaldi 1A lei de deus revisitando pietro ubaldi 1
A lei de deus revisitando pietro ubaldi 1
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
 
KSSF Aula Ciclo I - Os Espíritos - Rosana De Rosa
KSSF Aula Ciclo I - Os Espíritos - Rosana De RosaKSSF Aula Ciclo I - Os Espíritos - Rosana De Rosa
KSSF Aula Ciclo I - Os Espíritos - Rosana De Rosa
 
Astronomia geral
Astronomia geralAstronomia geral
Astronomia geral
 
Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8
Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8
Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8
 
Masters’ reincarnation handbook journey of the soul
Masters’ reincarnation handbook journey of the soulMasters’ reincarnation handbook journey of the soul
Masters’ reincarnation handbook journey of the soul
 
Aula 02 princípios
Aula 02   princípiosAula 02   princípios
Aula 02 princípios
 
Períspirito ni 1 aula11
Períspirito ni 1 aula11Períspirito ni 1 aula11
Períspirito ni 1 aula11
 
Síntese de palestras xamãsconet
Síntese de palestras xamãsconetSíntese de palestras xamãsconet
Síntese de palestras xamãsconet
 
Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1
 
ESE_03_Capitulo_III - Há muitas moradas na casa do meu Pai.ppt
ESE_03_Capitulo_III - Há muitas moradas na casa do meu Pai.pptESE_03_Capitulo_III - Há muitas moradas na casa do meu Pai.ppt
ESE_03_Capitulo_III - Há muitas moradas na casa do meu Pai.ppt
 
Livro dos Espíritos Q456 ESE cap 3 item3
Livro dos Espíritos Q456 ESE cap 3 item3Livro dos Espíritos Q456 ESE cap 3 item3
Livro dos Espíritos Q456 ESE cap 3 item3
 
Copia de astrologia_cabalistica
Copia de astrologia_cabalisticaCopia de astrologia_cabalistica
Copia de astrologia_cabalistica
 

Mais de Luiz Faias Junior

Apresentação do Ghost.org
Apresentação do Ghost.orgApresentação do Ghost.org
Apresentação do Ghost.org
Luiz Faias Junior
 
Palestra APAS 2005
Palestra APAS 2005Palestra APAS 2005
Palestra APAS 2005
Luiz Faias Junior
 
Enchantment
EnchantmentEnchantment
Enchantment
Luiz Faias Junior
 
Os 10 mandamentos do insucesso
Os 10 mandamentos do insucessoOs 10 mandamentos do insucesso
Os 10 mandamentos do insucesso
Luiz Faias Junior
 
Reggae do node
Reggae do nodeReggae do node
Reggae do node
Luiz Faias Junior
 
Pensando Lean
Pensando LeanPensando Lean
Pensando Lean
Luiz Faias Junior
 
Remember the milk
Remember the milkRemember the milk
Remember the milk
Luiz Faias Junior
 
Certified Scrum Product Owner
Certified Scrum Product OwnerCertified Scrum Product Owner
Certified Scrum Product Owner
Luiz Faias Junior
 
Lean software and systems conference 2010
Lean software and systems conference 2010Lean software and systems conference 2010
Lean software and systems conference 2010Luiz Faias Junior
 
Implementing lean software development
Implementing lean software developmentImplementing lean software development
Implementing lean software development
Luiz Faias Junior
 
Scrum feito com soluções simples e de baixo custo
Scrum feito com soluções simples e de baixo custoScrum feito com soluções simples e de baixo custo
Scrum feito com soluções simples e de baixo custo
Luiz Faias Junior
 
Restrospectiva Bluesoft 2008
Restrospectiva Bluesoft 2008Restrospectiva Bluesoft 2008
Restrospectiva Bluesoft 2008
Luiz Faias Junior
 

Mais de Luiz Faias Junior (13)

Apresentação do Ghost.org
Apresentação do Ghost.orgApresentação do Ghost.org
Apresentação do Ghost.org
 
Palestra APAS 2005
Palestra APAS 2005Palestra APAS 2005
Palestra APAS 2005
 
Enchantment
EnchantmentEnchantment
Enchantment
 
Blueprint CSS
Blueprint CSSBlueprint CSS
Blueprint CSS
 
Os 10 mandamentos do insucesso
Os 10 mandamentos do insucessoOs 10 mandamentos do insucesso
Os 10 mandamentos do insucesso
 
Reggae do node
Reggae do nodeReggae do node
Reggae do node
 
Pensando Lean
Pensando LeanPensando Lean
Pensando Lean
 
Remember the milk
Remember the milkRemember the milk
Remember the milk
 
Certified Scrum Product Owner
Certified Scrum Product OwnerCertified Scrum Product Owner
Certified Scrum Product Owner
 
Lean software and systems conference 2010
Lean software and systems conference 2010Lean software and systems conference 2010
Lean software and systems conference 2010
 
Implementing lean software development
Implementing lean software developmentImplementing lean software development
Implementing lean software development
 
Scrum feito com soluções simples e de baixo custo
Scrum feito com soluções simples e de baixo custoScrum feito com soluções simples e de baixo custo
Scrum feito com soluções simples e de baixo custo
 
Restrospectiva Bluesoft 2008
Restrospectiva Bluesoft 2008Restrospectiva Bluesoft 2008
Restrospectiva Bluesoft 2008
 

Último

Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxZacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
lindalva da cruz
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Janilson Noca
 
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsxBíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Igreja Jesus é o Verbo
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhorCultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
MasaCalixto2
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
ceciliafonseca16
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introduçãoEstudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 

Último (18)

Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxZacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
 
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsxBíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhorCultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
 
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introduçãoEstudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 

Cosmogênese e antropogênese

  • 2. Você já se perguntou... • quem somos? • de onde viemos? • para onde vamos?
  • 4. A Doutrina Secreta • H. P. Blavatsky • 1888
  • 5. A Doutrina Secreta • Contém ensinamentos encontrados nas Estâncias de Dzyan • são pergaminhos antigos de origem tibetana • escritos em uma coleção de folhas de palma, resistentes à água, ao fogo e ao ar • conteriam registros de toda a evolução da humanidade, em uma língua desconhecida pelos filólogos denominada Senzar
  • 6. Proposições fundamentais • A existência de um Princípio Onipresente, eterno, sem limites, imutável e incognoscível, pois sua compreensão escapa à capacidade da inteligência humana, e que permanece não-manifestado; #1
  • 7. Proposições fundamentais • A eternidade do universo (e portanto a eternidade da matéria), que passa por ciclos de atividade e inatividade que se repetem em sucessão sem início nem fim; #2
  • 8. Proposições fundamentais • A identidade de todas as almas com a alma universal, sendo esta última um aspecto da raiz desconhecida. #3
  • 9. O Princípio Divino em tudo • O Absoluto, do Infinito, daquele em que tudo se contém, nada se pode saber, no grau em que nos encontramos, a não ser que Ele existe; nada se pode dizer que não seja uma limitação e, por isso mesmo, inexato. • Inumeráveis universos nele estão contidos; e, em cada universo sistemas solares incalculáveis.
  • 10. Cosmogênese • Cosmos = universo, a totalidade de todas as coisas • gênese = criação • Carl Sagan: "tudo o que já foi, tudo o que é e tudo que será"
  • 11. Triplo Logos Solar • A manifestação do Divino é sempre tríplice • Eis porque todas as religiões têm-nO representado como uma Trindade
  • 13. Triplo Logos Solar • Divindade Solar • Sete ministros,“Espíritos Planetários”, ou Dhyan-chohans • Anjos ou Devas
  • 14. Ciclos de criação e destruição • Períodos de atividade: Manvantaras ou Kalpas • Períodos de inatividade: Pralayas • “Dias e Noites de Brahman”
  • 15. Ciclos de criação e destruição
  • 16. Ciclos de criação e destruição
  • 17. Ciclos de criação e destruição
  • 18. Dias e Noites de Brahman • Um dia = 4.320.000.000 anos mortais • Uma noite = 4.320.000.000 anos mortais • 360 destes dias formam um ano = 3.110.400.000.000 • 100 anos representam a vida de um sistema solar • 311.040.000.000.000 anos mortais
  • 19. Cosmogênese • O Universo "acorda" e se expande, até atingir um ponto máximo. Depois começa a encolher, de tal forma que acaba se tornando um ponto no espaço vazio. É o chamado 'Ponto Laya".
  • 20. Cosmogênese • Brahman, diferencia-se em duas forças opostas • Masculino-Feminino • Positivo-Negativo • Ativo-Passivo
  • 21.
  • 25. Numerologia • Do zero vem o um • ...do um vem o dois • ...e o três • ...e as “10 mil coisas”
  • 26. A ilusão da matéria • Do mesmo modo que o som não pode existir sem o silêncio, nenhuma coisa pode existir sem o nada, sem o espaço vazio. Cada objeto material ou cada corpo veio do nada, é cercado pelo nada e vai voltar para o nada. • Até mesmo no interior de cada corpo físico existe muito mais “nada” do que “algo”. Os físicos nos dizem que a solidez da matéria é uma ilusão.
  • 27. A ilusão da matéria
  • 28. A ilusão da matéria • O que dá sentido a essa sala?
  • 29. Qual é a essência desta sala? • Os móveis, os quadros, etc. estão dentro da sala, mas eles não são a sala. O chão, as paredes, o teto definem os limites da sala, mas também não são a sala. • Qual é, então, a essência da sala? O espaço, é claro, o espaço vazio. Não haveria nenhuma “sala” sem ele. Como o espaço é “nada”, podemos dizer que aquilo que não está lá é mais importante do que aquilo que está. • Portanto, tome consciência do espaço à sua volta. Não pense a respeito. Sinta-o do jeito que é. Preste atenção ao “nada”.
  • 30. Por que tudo isso, então? • O objetivo final do mundo não está dentro do mundo, mas na transcendência do mundo. • Assim como nós não teríamos consciência do espaço se não houvesse objetos no espaço, o mundo é necessário para que o Não Manifesto seja percebido.
  • 31. Por que tudo isso, então? • Você está aqui para possibilitar que o propósito divino do universo se revele. • Veja como você é importante! • Eckart Tolle em “O Poder do Agora”
  • 32. Antropogênese • Antropo = homem • gênese = criação • tentativa de explicar o surgimento e evolução da humanidade
  • 37. Constituição Septenária • Átmico • Búdico • Mental Puro • Mental Concreto
  • 38. Constituição Septenária • Átmico • Búdico • Mental Puro • Mental Concreto • Astral
  • 39. Constituição Septenária • Átmico • Búdico • Mental Puro • Mental Concreto • Astral • Vital
  • 40. Constituição Septenária • Átmico • Búdico • Mental Puro • Mental Concreto • Astral • Vital • Étero-físico
  • 42. Por que sete? • É considerado o número da vida, da perfeição, o número sagrado (segundo Pitágoras).
  • 43. Por que sete? • É considerado o número da vida, da perfeição, o número sagrado (segundo Pitágoras). • Rege o desenvolvimento do homem e os acontecimentos do mundo, material e espiritualmente. Representa a lei da evolução na natureza.
  • 44. Por que sete? • É considerado o número da vida, da perfeição, o número sagrado (segundo Pitágoras). • Rege o desenvolvimento do homem e os acontecimentos do mundo, material e espiritualmente. Representa a lei da evolução na natureza. • Encontramos este número diversas vezes nos livros sagrados como a Bíblia, o Torá, a Cabala, etc.
  • 46. Por que sete? • 7 maravilhas do mundo • 7 mares • 7 livros do antigo testamento • 7 pecados capitais • 7 fases da vida • 7 anões ;-)
  • 47. corpos dias da semana cores astros sagrados notas musicais sentidos chakras vontade domingo violeta Sol si potencial coronário intuição sábado azul índigo Saturno lá potencial 3º olho mental puro sexta azul celeste Vênus sol olfato laringo mental concreto quinta rosa ou verde Júpiter fá paladar coração emocional quarta amarelo Mercúrio mi visão plexo solar vital terça alaranjado Marte ré tato abaixo do umbigo étero-físico segunda vermelho Lua dó audição base da coluna
  • 50. Os 7 planos • Plano Elemental • Plano Elemental • Plano Elemental • Plano Hominal • Plano Animal • PlanoVegetal • Plano Mineral
  • 51. Diferenças entre os reinos animal e hominal • O que distingue o homem dos animais e dos vegetais, é que, somente ele, é verdadeiramente uma alma. • No homem, esta alma só se pode manifestar no mundo físico através de um corpo único; ao passo que, no animal e na planta, a alma reveste simultaneamente vários corpos diferentes.
  • 52. Diferenças entre os reinos animal e hominal • Conceito de “alma-grupo” • Exemplo dos leões • Experiência da jarra com água
  • 53. Diferenças entre os reinos animal e hominal • hereditariedade dos instintos: • pato chocado pela galinha vai para a água • aves chocadas artificialmente constroem ninhos
  • 55. Sub corpos • Estamos trabalhando qual corpo?
  • 56. Sub corpos • Estamos trabalhando qual corpo? • Temos pequenos “lampejos” do que seja a mente pura
  • 57. Sub corpos • Estamos trabalhando qual corpo? • Temos pequenos “lampejos” do que seja a mente pura • Nossa intuição é apenas uma pequena “amostra” do que seja a verdadeira intuição
  • 58. Sub corpos • Estamos trabalhando qual corpo? • Temos pequenos “lampejos” do que seja a mente pura • Nossa intuição é apenas uma pequena “amostra” do que seja a verdadeira intuição • E a verdadeira vontade?
  • 59. Sub corpos • Cada um dos sete corpos, subdivide-se em mais sete, e assim sucessivamente por sete vezes, criando-se assim uma estrutura piramidal de linhas de força que caminham pelos subcorpos.
  • 60.
  • 62. Subcorpos •7 * 7 * 7 * 7 * 7 * 7 * 7
  • 63. Subcorpos •7 * 7 * 7 * 7 * 7 * 7 * 7 •= 823.543
  • 64. Cadeias Planetárias • O plano que se observa é o seguinte: descer cada vez mais profundamente na matéria, e, em seguida, pouco a pouco ir-se desprendendo dela.
  • 67. Rondas ou globos • O plano que se observa é o seguinte: descer cada vez mais profundamente na matéria, e, em seguida, pouco a pouco ir-se desprendendo dela.
  • 71. Raças-raiz • A evolução do Homem nesta Ronda é composta de sete Raças-raiz, cada uma delas composta de sete sub-raças, que são ramos derivados da Raça. • Na atualidade estamos vivendo o período da Quinta Raça- raiz, a Raça Ariana.
  • 72. isso não tem nada a ver com o nazismo
  • 73. Raças-raiz 1. Polar / Chayas 2. Hiperbórea 3. Lemuriana 4. Atlante 5. Ariana
  • 74. Evolução dos sentidos Raça Sentido 1ª: Polar / Chayas Audição 2ª: Hiperbórea Tato 3ª: Lemuriana Visão 4ª:Atlante Paladar 5ª:Ariana Olfato 6ª potencial 7ª potencial
  • 75. Evolução de consciência UNIVERSAL INTUICIONAL MENTAL MINERAL VEGETAL HUMANOANIMAL ESPIRITUAL FÍSICO EMOCIONAL
  • 76. Primeira raça: Polar / Chayas • matéria etérica • seres assexuados • mais se assemelhavam a nuvens vagas, flutuantes, quase informes
  • 77.
  • 78. Primeira raça: Polar / Chayas • matéria etérica • seres assexuados • mais se assemelhavam a nuvens vagas, flutuantes, quase informes
  • 79. Segunda Raça: Hiperbórea • matéria etérea, partindo para ser mais densa, mais material, com um corpo com consistência gelatinosa (semelhante a uma água-viva) • continente ocupado: Plaksha (norte da Ásia)
  • 80. Terceira Raça: Lemuriana • Etnia dominante: negra • Separação dos sexos • chegada dos senhores deVênus
  • 82. Terceira Raça: Lemuriana • Desenvolvimento dos órgãos visuais (apenas um no começo) • glândula pineal, cujas funções e secreções os próprios endocrinólogos ainda desconhecem • Ciclopes
  • 85. Quarta Raça:Atlante • considerada a maior de todos os tempos • muito além do nosso atual grau de desenvolvimento tecnológico • trabalhou o corpo mental concreto, e acabaram sendo vítimas de sua soberba
  • 86. Características dos Atlantes • chegavam a ter três metros de altura • etnias dominantes: peles vermelha e amarela • tinham todas as características humanas e uma força física muito grande
  • 87. Tecnologia dos Atlantes • Energia elétrica: as fontes eram a água, plantas e metais • Edificações: mestres em construção, tinham enorme precisão e conhecimentos de engenharia • Metalurgia: produziam tipos de elementos ainda desconhecidos até hoje
  • 88. Evidências dos Atlantes • Pirâmides: há pedras que até hoje não há guindaste que tenha a capacidade de erguê-las • Aparelhos muito evoluídos de cálculos como computadores e relógios • Obras como o crânio de cristal
  • 89. Quinta Raça:Ariana • existe há cerca de 1 milhão de anos • provém de Ariavarta, conhecida como a Índia Antiga • signo de Áries • cinco continentes atuais
  • 90. Quinta Raça:Ariana • sub-raças: • 1. Hindu • 2. Ário-semítica • 3. Iraniana • 4. Céltica • 5.Teutônica
  • 91. Sub-raças • Cada sub-raça é um “degrau” na escada para a formação da próxima raça
  • 92.
  • 94. Sub-raças • Da 2ª sub-raça da 1ª raça, origina-se a 2ª raça • Da 3ª sub-raça da 2ª raça, origina-se a 3ª raça • Da 4ª sub-raça da 3ª raça, origina-se a 4 raça • Da 5ª sub-raça da 4ª raça, origina-se a 5ª raça • você entendeu...
  • 95. Substituição de uma sub-raça • ocorre através de dominação pela sub-raça sucessora • ou cataclisma que abate total ou parcialmente a sub-raça antecessora • "Dia do Juízo": fecha-se a porta aos indivíduos inabilitados para o próximo ciclo evolutivo
  • 96. Substituição de uma raça-raiz • grande cataclisma envolvendo continentais extensões de terra • submergem as terras mais povoadas pela raça em declínio • emergem territórios que servirão de berço de desenvolvimento para a nova raça que se instala
  • 97. Aporte deVênus • Incentivo energético • sétima ronda da quinta cadeia • Senhores da Chama • Seres Augustos • Filhos da Névoa Ígnea
  • 98. Grande Fraternidade Branca • El Morya • Kuthumi ou Lanto ou Confucio • PauloVeneziano ou Rowena • Serapis Bey • Hilarion • Jesus ou Nada • Saint Germain
  • 99. Grande Fraternidade Branca • atribui-se surgida no Antigo Egito • várias outras ordens hoje proclamam-se descendentes: • Maçonaria • Ordem Rosacruz (AMORC) • própria Sociedade Teosófica
  • 100. Onde estamos afinal? • 5ª subraça • 5ª raça • 4ª globo • 4ª cadeia planetária
  • 107. Mas não se preocupe!
  • 108.