SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 50
Baixar para ler offline
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias
Livro: “O Sistema Solar” de Arthur Powell
Os planetas são seres vivos que
nascem, vivem e morrem, pois a
concepção oculta de um planeta é
diferente do que a ciência
convencional consegue ver.
A Teosofia traz uma nova visão
que requer redobrada atenção para
o seu completo entendimento.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias
Assim, um planeta é o corpo
físico de uma entidade
dinâmica
(Logos Planetário ou Manu
Planetário), onde as ondas de
vida evoluem.
Essa evolução se dá de forma
cíclica.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Os Globos
OS GLOBOS
A Terra é um dos 7 planetas que formam a Cadeia Terrestre.
É o mais denso de todos os planetas desta Cadeia, assim formada:
2 Globos Mentais Inferiores
2 Globos Astrais
3 Globos Físicos
Nem todas as Cadeias apresentam a mesma constituição.
Quando chamamos um globo de mental inferior,
nos referimos a um tipo no qual a matéria mais densa ali encontrada é o mental
inferior, isto é, não contém matéria astral ou física.
Da mesma forma, um globo astral não contém nenhuma matéria mais densa do
que a matéria astral, assim, não contém matéria física.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias– Os Globos
Cada globo, entretanto, possui “contrapartes”. Assim se chamam os diversos graus
de matéria mais fina que ela mesma: assim, um globo físico possui sua contraparte
de matéria astral, mental inferior, mental superior, búdica e átmica; um globo astral
possui uma contraparte mental inferior e todas as contrapartes materiais superiores.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Os Globos
As contrapartes de um globo ocupam identicamente a mesma posição no espaço que o
globo mesmo, assim como o corpo astral humano interpenetra o corpo físico e se
estende além do mesmo e assim por diante.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – os Globos
Lembrando que: as esferas de matéria superior ou matéria mais fina, são maiores
que as de matéria inferior, pois se interpenetram e se estendem além da periferia
das esferas materiais inferiores.
Como a física explica, as partículas de
matéria jamais se tocam realmente,
nem mesmo nas substâncias mais
densas.
E os espaços entre as partículas são
sempre muito maiores que o tamanho
das partículas mesmas. Portanto,
entende-se que há um amplo espaço,
em qualquer porção dada de espaço,
para qualquer tipo de átomo, não
apenas para ficar entre os átomos da
matéria mais densa, como também
para mover-se muito livremente entre
eles e
em volta deles.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Os Globos
Consequentemente, um globo
físico tal como a Terra não é
um só mundo, mas 7 mundos
que se interpenetram, ocupando
todos o mesmo espaço, exceto
que, como dissemos, os tipos
mais finos (sutis) de matéria se
estendem mais adiante do
centro que os tipos mais
densos.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Os Globos
Logos Planetário
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Os Globos
Os 7 globos de uma cadeia
são chamados respectiva-
mente de Globos A, B, C, D,
E, F e G.
No caso da cadeia terrestre os
Globos A e G são mentais
inferiores;
B e F são astrais;
C, D e E são físicos;
C é o planeta Marte, D é a
Terra e E é o planeta
Mercúrio.
A, B, F e G não têm nomes.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Os Globos
Cada um dos 7 globos, por
ser um planeta separado e
distinto, pode ser
considerado tendo uma
posição definida no espaço,
girando em torno do Sol,
ou dependendo,
em algum sentido
relacionado ao mesmo.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Os Globos
Observamos que nos diagramas presentes
na obra de POWELL são utilizadas
diversas matizes para designar os
diferentes tipos de matéria: os globos
físicos sendo os mais densos são
representados por linhas cruzadas; os
globos astrais, por linhas inclinadas
horizontal-mente a 45 graus (porque o
astral está entre o físico e o mental); e os
globos mentais inferiores, por linhas
verticais (os mentais superiores, por
linhas similares porém mais separadas).
A matéria búdica é indicada com linhas
horizontais pontilhadas e a matéria
átmica com linhas verticais pontilhadas.
As Rondas
Embora os 7 globos de uma
cadeia existam todos
simultaneamente, nem
todos se acham igualmente
ativos sustentando a vida.
Queremos dizer, em algum
tempo definido, enquanto
apenas 1 globo está ativo e
funcionando plenamente, os
outros 6 estão em estado de
adormecimento.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Rondas
Como inicia?
Primeiro o globo A se torna
ativo: após um vasto período de
tempo a vida nele começa
gradualmente a diminuir e
quase desaparecer, passando ao
globo seguinte: B.
O globo A então adormece
enquanto o globo B começa a
acordar. Após outro vasto
período de tempo, o globo B
por sua vez começa a dormir e
a maior porção da vida do
mesmo passa para o próximo
globo na sequência, o C.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Rondas
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Rondas
Este processo continua até cada
globo na sua vez acordar da sua
condição de adormecimento,
sustentar a principal corrente de
vida durante um eón, e novamente
adormecer.
O período durante o qual um
globo está plenamente ativo,
sustentando a corrente de vida, se
chama período global. A
passagem do ciclo de vida por
todos os 7 globos é chamada de
uma ronda.
Uma ronda portanto consiste de 7
períodos globais.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Rondas
Uma vez que uma ronda tenha sido
completada, todo o processo começa de
novo, com o despertar da vida no globo
A, e assim por diante, até que se
complete uma segunda ronda.
Todo o processo se repetirá até ter
completado 7 rondas.
No diagrama ao lado é possível ver as 7
rondas da cadeia terrestre; a linha em
espiral indica a corrente de vida que
passa 7 vezes completas em torno de
toda a cadeia dos 7 globos.
Assim, percebemos que:
7 períodos globais formam
1 ronda e 49 períodos globais
formam 7 rondas ou
1 período-cadeia.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Rondas
Cabe ressaltar que a corrente
vital que se manifesta em um
determinado globo, dura o
tempo necessário ao
surgimento gradual, seguindo
uma sequência de sete raças-
raíz.
Ou seja, cada
período global
abrange o desenvolvimento de
sete raças e sete sub-raças
para cada raça-raíz (este
assunto será visto mais
adiante).
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias
As Cadeias
Quando um período-cadeia se completa, os globos que a formaram se
desintegram e sua matéria é reaproveitada para formar 7 novos globos. Estes
então passam pelas 7 rondas de atividade, exatamente como antes, e logo a vida
é interrompida somente para reformar-se/ transformar-se em outro conjunto de
7 globos.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias
O processo todo ocorre 7 vezes, com as 7 cadeias,
cada uma consistindo em 7 globos e respectivas 7 rondas de atividade.
Os globos individuais que foram formados com a matéria
desintegrada da cadeia precedente, ainda que formados do mesmo tipo de
partículas, não são compostos dos mesmos graus de matéria, conforme percebemos
no diagrama acima.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias
O ponto central (o meio) de todo o Esquema é a Quarta Cadeia,
na Quarta Ronda, no Quarto Globo, na Quarta Raça-Raiz.
A Terra, portanto, já está passando desta metade pois já
estamos na Quinta Raça Raiz.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias
Assim, dos 49 globos da série total de 7 cadeias temos:
4 globos átmicos
8 globos búdicos
12 globos mentais superiores
12 globos mentais inferiores
8 globos astrais
5 globos físicos
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias
Portanto, apenas a primeira e a sétima cadeias possuem
globos puramente átmicos; somente a segunda e a sexta cadeias
possuem globos puramente búdicos; todas exceto a quarta cadeia
possuem globos mentais superiores; todas exceto a primeira e a
sétima cadeias possuem globos mentais inferiores; somente a
terceira, quarta e quinta cadeias possuem globos físicos.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias
O plano central dos cinco planos é o mental, e este plano sozinho é dividido
em duas partes. Todas as sete cadeias possuem globos no plano mental;
todas exceto a quarta cadeia, na verdade, possuem globos tanto no mental
superior como no mental inferior. A partir disso, fica claro que o plano mental
exerce uma grande importância na evolução do homem: porque do total de
49 globos, 24 - praticamente metade - estão no plano mental.
LEMBRETE: Manas, deriva da raiz sânscrita man, “pensar”, e
significa a mente propriamente dita, o Pensador, o que pensa em nós,
o Ego Superior que se reencarna inúmeras vezes, acumulando em si
as experiências recolhidas na vida terrestre. Este princípio é dual em
sua essência e daí a divisão em Manas ou Inteligência inferior,
terrestre, que está intimamente ligada com a alma animal (Kâma) e o
Manas ou Inteligência superior, relacionada com Âtma e Buddhi e
veículo ou instrumento da alma espiritual (Buddhi). O Manas
inferior, unido aos princípios inferiores (corpo físico, duplo etérico,
princípio vital e alma animal), forma o quaternário inferior, isto é, a
personalidade transitória. O Manas, no homem, é o reflexo da Mente
Universal, ou seja, o terceiro princípio constituinte do Universo,
contado de baixo para cima. (Glossário Teosófico)
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias
Isto corrobora com a definição ocultista acerca do homem como:
“aquele ser no universo, esteja em qualquer parte do universo,
em quem o espírito supremo e a matéria mais baixa (inferior) se
juntam por meio da Inteligência”. Assim podemos dizer também
que numa série de 7 cadeias, o mais alto espírito junta-se à
matéria mais inferior, a substância da inteligência.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias
A desintegração dos
globos em componentes
de matéria, e a sua
reintegração em 7
novos globos em níveis
mais baixos ou altos,
conforme o caso,
aparecem no diagrama
ao lado.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias
O período entre duas
cadeias sucessivas,
durante a qual a
matéria da cadeia
anterior está em
estado de
desintegração, é
chamado de pralaya da
cadeia, ou pralaya
intercatenário.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias
A série total de 7 cadeias constituem o que se denomina de Esquema Evolutivo,
ou às vezes meramente Esquema. Conforme a tabela:
7 períodos globais = 1 ronda
49 períodos globais = 7 rondas = 1 cadeia (ou cadeia planetária)
343 períodos globais = 49 rondas = 7 cadeias ou 1 Esquema de Evolução
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias
Retomando: estamos atualmente na quarta cadeia do
nosso Esquema de Evolução, e assim, no período mais
denso entre todas as cadeias.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias
As 7 cadeias sucessivas são às vezes chamadas de “encarnações” do
Logos. A cadeia pode ser considerada como o Upadhi ou veículo
do Logos Planetário. Podemos pensar no Logos Planetário
reencarnando-se nas 7 cadeias sucessivas, cada cadeia se
iniciando com o fruto da predecessora.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias
Nas primeiras 3 cadeias podemos dizer que o Espírito da Vida
desce na matéria; na quarta cadeia o Espírito e a Matéria se
entrelaçam e formam inumeráveis relações; as últimas 3 cadeias
são as de desprendimento, ascendentes, ao final das quais
todas retornarão ao Logos Planetário, para fundir-se em
Ishvara com o fruto da evolução.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Os Esquemas da Evolução
O desenho acima mostra as 7 cadeias, cada uma contendo 7 globos, as
7 rondas de cada cadeia sendo indicadas pelos círculos que correm
através dos globos. Devemos observar, no entanto, que embora a
totalidade de 49 globos do Esquema seja mostrada no diagrama, não
mais do que um conjunto de 7 se acha usualmente em existência em
algum tempo dado (exceto por alguns “cadáveres”, como a nossa Lua,
que ainda não se desintegrou completamente).
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Os Esquemas da Evolução
Marte, Terra e Mercúrio aparecem como pertencentes à
quarta cadeia e a Lua, à terceira cadeia.
O que nós atualmente chamamos de Lua é o último resíduo
de um globo muito maior, que foi o planeta físico da terceira
cadeia, mantendo a mesma posição na terceira cadeia que
aquela mantida pela Terra na quarta cadeia.
OS 10 ESQUEMAS
EVOLUTIVOS
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – O Sistema Solar
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – O Sistema Solar
O nosso sistema solar é
composto de 10 Esquemas
Evolutivos separados e
distintos. Os nomes pelos quais
são conhecidos, são os nomes
dos planetas físicos que,
atualmente, fazem parte dos
mesmos esquemas:
1) O esquema Vulcano
2) O esquema Vênus
3) O esquema Terra
4) O esquema Júpiter
5) O esquema Saturno
6) O esquema Urano
7) O esquema Netuno
8, 9 e 10) Precisam de nomes,
pois atualmente não possuem
planetas físicos.
O 8 é às vezes chamado
Esquema “Asteróides”.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – O Sistema Solar
Os esquemas que
aparecem no Diagrama
estão ordenados conforme
a proximidade dos seus
planetas físicos com o Sol.
A afirmação de que em
nossa sétima ronda nosso
satélite, a Lua, desaparecerá
por inteiro, pode ser
comparada a um fenômeno
similar, que é o caso da
Cadeia de Vênus, que está
atualmente em sua Sétima
Ronda, na Quinta Cadeia e
não possui satélite...
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – O Sistema Solar
...mas há 150 anos uma
quantidade de astrônomos
registrou observações de um
satélite em Vênus, com um
diâmetro estimado em 2000
milhas (3218 quilômetros
aproximadamente).
Ainda que se suponha que
aqueles astrônomos se
equivocaram, parece mais
provável que o satélite
existiu quando foram feitas
as observações, mas depois
desapareceu como ocorrerá
com o nosso satélite.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – O Sistema Solar
O Diagrama ao lado
representa o sistema solar
com seus 10 esquemas de
evolução, cada um
consistindo de 7 cadeias
de 7 globos, as 7 rondas de
cada cadeia sendo
indicadas, como antes,
pelos círculos desenhados
nos globos.
Como as 7 cadeias de cada
esquema vem à existência
de forma sucessiva,
percebe-se que este
Diagrama não representa
o sistema solar no
momento presente, mas é
uma figura coletiva dos
estágios pelos quais o
sistema todo passa...
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – O Sistema Solar
...o estado atual do
sistema solar é
mostrado neste
diagrama.
A ronda na qual cada
cadeia está no
momento efetiva é
mostrada conforme é
conhecida; onde não
são conhecidas, as
rondas estão
pontilhadas.
Obs.: Além destes 10
esquemas, há também
outras evoluções
ocorrendo no sistema
solar, sendo utilizado
cada milímetro do
espaço.
No. Esquema Cadeia Ronda No. de
planetas
físicos
Observação
I Vulcano 3 6 (?) 1 Produzirá entidades em um nível inferior ao do Esquema
Terrestre
II Vênus 5 7 1 O Esquema mais avançado
III Terra 4 4 3 Os 3 planetas são Marte, Terra e Mercúrio
IV Júpiter 3 2 1 Júpiter não está habitado, mas suas luas estão. Chegará a
um nível muito desenvolvido.
V Saturno 3 Próxima 1 Evolui lentamente, mas chegará a um nível muito
desenvolvido.
VI Urano 3 1
VII Netuno 4 3 Os 3 planetas são Netuno e outros 2 mais adiante de sua
órbita.
VIII Sem nome 0
IX Sem nome 0
X Sem nome 0
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – O Sistema Solar
ESQUEMAS COM AS RESPECTIVAS CADEIAS E RONDAS
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – O Sistema Solar
O sistema solar atualmente tem 70 planetas que
Possuem localização definida no espaço, girando em torno
do sol ou relacionados a ele de algum modo, conforme
mostra o diagrama abaixo.
Os planetas Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter, Saturno,
entre outros, são visíveis para nós porque se acham todos
no mesmo plano da Terra. Os números no centro de cada
esquema, indicam em qual ronda (ou encarnação) está cada globo
físico. Os últimos três esquemas não possuem globos físicos.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – O Sistema Solar
Assim, podemos retomar as seguintes informações:
7 períodos globais = 1 ronda
49 períodos globais = 7 rondas = 1 cadeia (ou cadeia planetária)
343 períodos globais = 49 rondas = 7 cadeias = 1 Esquema de Evolução
10 Esquemas de Evolutivos = nosso Sistema Solar.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – O Sistema Solar
O primeiro planeta físico a aparecer no Esquema Terrestre foi a Lua e não
a Terra. A terceira Cadeia geralmente é denominada Lunar *. Quando se
esgotou a vida ativa da Lua (em sua sétima Ronda), criou-se perto dela um
novo vórtice (a Terra), atraindo para si toda a matéria da Lua. Antes de se
tornarem planetas físicos, todos os globos passam pelo estado gasoso. É
comum haver explosões e colisões durante este processo, até o resfriamento
e o condensamento que permitirá a solidificação dos globos.
* LEADBEATER. Um manual de teosofia.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – O Sistema Solar
Enquanto esta massa condensada combinada entre os dois vórtices se esfriava,
a maior porção de matéria foi atraída para o vórtice novo que se transformou na
Terra, deixando a Lua muito menor do que já fora e totalmente desprovida de ar
e água. Hoje, é provável que a Lua esteja ainda sofrendo um desgaste devagar e,
ao que parece, no decorrer da nossa sétima ronda desagregar-se-á de todo, e sua
matéria será utilizada (presumivelmente com alguma matéria da Terra) na
construção de um novo mundo, que será o único globo físico da quinta cadeia do
nosso esquema evolutivo. O que restar da Terra até lá, poderá ser o satélite de
um novo globo.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias
Manus
Manu é um termo genérico usado para uma classe de Inteligências
dirigentes de muitos graus ou categorias diferentes. Cada Manu tem a
seu cargo o departamento de evolução que lhe foi destinado, e deve
dirigir a formação e o crescimento do citado departamento.
São exemplos:
Manu (ou Logos) de um Esquema de Evolução;
Manu (ou Logos) da Cadeia Planetária;
Manu da Ronda;
Manu de uma Raça-Raiz;
Há também: o Manu-semente - tem como função dirigir todos os
preparativos para a transferência da população de uma Cadeia para a
próxima Cadeia e o Manu-raiz - tem como função fazer todos os arranjos
para a recepção daquela população e introduzir as muitas classes de
entidades dentro da Sua Cadeia na sequência apropriada nos tempos
apropriados
Assim, a palavra sânscrita manvantara significa literalmente o período
entre dois Manus.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Tempos e Datas
Tempos e Datas
Dispomos de pouquíssimas informações sobre os tempos ocupados por
Cadeias, Rondas, Períodos Globais, ou mesmo Raças. Portanto, não há
como calcular as medidas exatas dessas enormes extensões de tempo.
Há livros exotéricos hindus que apresentam números definidos,
mas H. P. Blavatsky afirma ser impossível confiar neles,
porque se acham implícitas outras considerações esotéricas,
que os autores não levaram em conta.
Além disso, o tempo das Rondas pode ser variável, pois algumas são mais
curtas do que outras. Pelo que as investigações indicam, as primeiras
Rondas levaram mais tempo por implicarem mudanças radicais na
constituição do homem, ao passo que as últimas, transcorrem de forma
mais rápida, ligada ao desenvolvimento das civilizações.
Por ora, podemos apenas enumerar alguns tempos e datas...
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Tempos e Datas
● De acordo com registros ocultistas, a vida do sistema solar conta, até
agora, com uns 1.955.884.703 anos, ou seja, um pouco menos de 2
bilhões de anos.
● No Globo D (a Terra), diz-se, já se passaram 300 milhões de anos
nesta Quarta Ronda.
● Os Senhores de Vênus chegaram à Terra há 16 ½ milhões de anos.
Segundo a Doutrina Secreta - Vol. II (1938):
● Os dias e noites de Brahmâ são os nomes dados aos períodos do
Manvantara (Manu-antara ou entre Manus) e do Pralaya (ou
Dissolução): o primeiro corresponde aos Períodos ativos do Universo; o
outro aos tempos de repouso que devem ocorrer ao terminar um Dia, ou
uma Idade ou vida de Brahmâ.
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Tempos e Datas
Ainda segundo a DS, vamos à correspondência em anos solares:
- Existem quatro Yugas (Idades) que se sucedem durante o ciclo
manvantárico:
Krita Yuga = 1.728.000 a (a idade de ouro, a "idade da alegria", ou
inocência espiritual do homem)
Trêta Yuga = 1.296.000 a (a idade da prata, ou do fogo - o período da
supremacia do homem)
Dwâpara Yuga = 864.000 a (a idade do bronze - uma mistura, já de
pureza e de impureza [ espírito e matéria ],
a idade da dúvida)
Kali Yuga = 432.000 a (a idade de ferro, ou escuridão, miséria e
tristeza; teve início em 3.102 a.C. com o
desaparecimento de Krishna).
Todas estas etapas juntas perfazem um total de:
Maha Yuga = 4.320.000 a
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Tempos e Datas
71 Maha Yugas formam o período do reinado de um Manu, que
corresponde a = 306.720.000 a
O reinado de 14 Manus abrange a duração de 994 Maha Yugas, que
corresponde a = 4. 294.080.000 a
Somem-se Sandhis (são os intervalos entre o reinado de cada Manu),
que perfazem 6 Maha Yugas, ou = 25.920.000 a
Total de reinados e períodos entre reinos de 14 Manus são 1.000 Maha
Yugas, que constituem um Kalpa (= 1 eon), isto é um Dia de Brahmâ
= 4.320.000.000 a
Acrescente-se uma Noite de Brahmâ = 4.320.000.000 a
Um Dia e uma Noite de Brahmâ = 8.640.000.000 a
360 Dias e Noites assim perfazem um Ano de Brahmâ
= 3.110.400.000.000 a
100 Anos constituem todo o período da Época de Brahmâ, isto é, uma
Maha Kalpa = 311.040.000.000.000 a
Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Tempos e Datas
Mas não devemos esquecer que:
“O ‘Tempo’ não mais é que uma ilusão ocasionada pela
sucessão dos nossos estados de consciência, à medida que
viajamos através da Duração Eterna; e deixa de existir quando
a consciência em que tal ilusão se produz já não existia: então
ele "jaz adormecido".
O Presente não é senão uma linha matemática que separa
aquela parte da Duração Eterna, que chamamos Futuro,
daquela outra a que damos o nome de Passado. Nada há sobre
a Terra que tenha uma duração real, pois nada permanece sem
mutação, ou no mesmo estado, durante um bilhonésimo de
segundo que seja (...) “.
(HPB. DS, Vol. I, Estância I)
Continua .......

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

(4)a trindade parte iii - teosofia
(4)a trindade   parte iii - teosofia(4)a trindade   parte iii - teosofia
(4)a trindade parte iii - teosofiaGraciette Andrade
 
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância I
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância IA Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância I
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância IAndré Ricardo Marcondes
 
A Importância da Doutrina Secreta para a Humanidade
A Importância da Doutrina Secreta para a HumanidadeA Importância da Doutrina Secreta para a Humanidade
A Importância da Doutrina Secreta para a HumanidadeAndré Ricardo Marcondes
 
(6) manifestação da consciência(1)
(6) manifestação da consciência(1)(6) manifestação da consciência(1)
(6) manifestação da consciência(1)Graciette Andrade
 
Fundamentos da Filosofia Esotérica de HPB
Fundamentos da Filosofia Esotérica de HPBFundamentos da Filosofia Esotérica de HPB
Fundamentos da Filosofia Esotérica de HPBAndré Ricardo Marcondes
 
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogenese - Estancia II
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogenese - Estancia IIA Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogenese - Estancia II
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogenese - Estancia IIAndré Ricardo Marcondes
 
Descubra seu arcano pessoal
Descubra seu arcano pessoalDescubra seu arcano pessoal
Descubra seu arcano pessoalPaulo Viana
 
Workshop cabala 2013
Workshop cabala 2013Workshop cabala 2013
Workshop cabala 2013Paulo Viana
 

Mais procurados (20)

COSMOGÊNESE
COSMOGÊNESE COSMOGÊNESE
COSMOGÊNESE
 
(4)a trindade parte iii - teosofia
(4)a trindade   parte iii - teosofia(4)a trindade   parte iii - teosofia
(4)a trindade parte iii - teosofia
 
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância I
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância IA Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância I
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogênese - Estância I
 
O Homem, Deus e o Universo Cap VI
O Homem, Deus e o Universo   Cap VIO Homem, Deus e o Universo   Cap VI
O Homem, Deus e o Universo Cap VI
 
A Importância da Doutrina Secreta para a Humanidade
A Importância da Doutrina Secreta para a HumanidadeA Importância da Doutrina Secreta para a Humanidade
A Importância da Doutrina Secreta para a Humanidade
 
O Homem, Deus e o Universo - Cap I
O Homem, Deus e o Universo - Cap IO Homem, Deus e o Universo - Cap I
O Homem, Deus e o Universo - Cap I
 
O Homem, Deus e o Universo - Cap IV
O Homem, Deus e o Universo - Cap IVO Homem, Deus e o Universo - Cap IV
O Homem, Deus e o Universo - Cap IV
 
(6) manifestação da consciência(1)
(6) manifestação da consciência(1)(6) manifestação da consciência(1)
(6) manifestação da consciência(1)
 
O Homem, Deus e o Universo - Cap II
O Homem, Deus e o Universo - Cap IIO Homem, Deus e o Universo - Cap II
O Homem, Deus e o Universo - Cap II
 
Fundamentos da Filosofia Esotérica de HPB
Fundamentos da Filosofia Esotérica de HPBFundamentos da Filosofia Esotérica de HPB
Fundamentos da Filosofia Esotérica de HPB
 
A Doutrina Secreta - Proêmio
A Doutrina Secreta - ProêmioA Doutrina Secreta - Proêmio
A Doutrina Secreta - Proêmio
 
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogenese - Estancia II
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogenese - Estancia IIA Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogenese - Estancia II
A Doutrina Secreta - Vol 1 - Cosmogenese - Estancia II
 
O Homem, Deus e o Universo - Cap VIII
O Homem, Deus e o Universo - Cap VIIIO Homem, Deus e o Universo - Cap VIII
O Homem, Deus e o Universo - Cap VIII
 
124569312 37672976-apostila-mr-antiga
124569312 37672976-apostila-mr-antiga124569312 37672976-apostila-mr-antiga
124569312 37672976-apostila-mr-antiga
 
Descubra seu arcano pessoal
Descubra seu arcano pessoalDescubra seu arcano pessoal
Descubra seu arcano pessoal
 
Cti apometria a medicina espiritual
Cti   apometria a medicina espiritualCti   apometria a medicina espiritual
Cti apometria a medicina espiritual
 
conexao
conexaoconexao
conexao
 
Workshop cabala 2013
Workshop cabala 2013Workshop cabala 2013
Workshop cabala 2013
 
22 raios
22 raios22 raios
22 raios
 
Reencarnação
ReencarnaçãoReencarnação
Reencarnação
 

Destaque

Os sete níveis do ser humano
Os  sete níveis do ser humanoOs  sete níveis do ser humano
Os sete níveis do ser humanoIrene Aguiar
 
(3)sociedade teosófica parte iv - blavatsky
(3)sociedade teosófica   parte iv - blavatsky(3)sociedade teosófica   parte iv - blavatsky
(3)sociedade teosófica parte iv - blavatskyGraciette Andrade
 
(1) sociedade teosófica parte i - apresentação
(1) sociedade teosófica   parte i - apresentação(1) sociedade teosófica   parte i - apresentação
(1) sociedade teosófica parte i - apresentaçãoGraciette Andrade
 
A Doutrina Secreta - Prefácio e Introdução
A Doutrina Secreta -  Prefácio e IntroduçãoA Doutrina Secreta -  Prefácio e Introdução
A Doutrina Secreta - Prefácio e IntroduçãoAndré Ricardo Marcondes
 
Corpos Espirituais
Corpos EspirituaisCorpos Espirituais
Corpos Espirituaispaikachambi
 
Apostila de chakras e mediunidade (autoria desconhecida)
Apostila de chakras e mediunidade (autoria desconhecida)Apostila de chakras e mediunidade (autoria desconhecida)
Apostila de chakras e mediunidade (autoria desconhecida)Natalia Conrado
 
Curso Básico de Cosmologia Energética online aula 1
Curso Básico de Cosmologia Energética online  aula 1Curso Básico de Cosmologia Energética online  aula 1
Curso Básico de Cosmologia Energética online aula 1Cosmologia
 
Curso básico de cosmologia energética online aula 1
Curso básico de cosmologia energética online  aula 1Curso básico de cosmologia energética online  aula 1
Curso básico de cosmologia energética online aula 1Cosmologia
 
UFOGNOSE workshop2
UFOGNOSE workshop2UFOGNOSE workshop2
UFOGNOSE workshop2UFOGNOSE
 
Sobre a quinta dimensao dos seres espirituais
Sobre a quinta dimensao dos seres espirituaisSobre a quinta dimensao dos seres espirituais
Sobre a quinta dimensao dos seres espirituaisMarcelo Monteiro
 
A teosofia do sinal da cruz h.p. blavatsky
A teosofia do sinal da cruz  h.p. blavatskyA teosofia do sinal da cruz  h.p. blavatsky
A teosofia do sinal da cruz h.p. blavatskyRosana Dalla Piazza
 
Jinarajadasa fundamentos de teosofia
Jinarajadasa   fundamentos de teosofiaJinarajadasa   fundamentos de teosofia
Jinarajadasa fundamentos de teosofiahavatar
 
Lemuria e Atlantida
Lemuria e AtlantidaLemuria e Atlantida
Lemuria e AtlantidaSilvana
 

Destaque (17)

Os sete níveis do ser humano
Os  sete níveis do ser humanoOs  sete níveis do ser humano
Os sete níveis do ser humano
 
(3)sociedade teosófica parte iv - blavatsky
(3)sociedade teosófica   parte iv - blavatsky(3)sociedade teosófica   parte iv - blavatsky
(3)sociedade teosófica parte iv - blavatsky
 
Karma e dharma
Karma e dharmaKarma e dharma
Karma e dharma
 
Cadenas y rondas
Cadenas y rondasCadenas y rondas
Cadenas y rondas
 
(1) sociedade teosófica parte i - apresentação
(1) sociedade teosófica   parte i - apresentação(1) sociedade teosófica   parte i - apresentação
(1) sociedade teosófica parte i - apresentação
 
A Doutrina Secreta - Prefácio e Introdução
A Doutrina Secreta -  Prefácio e IntroduçãoA Doutrina Secreta -  Prefácio e Introdução
A Doutrina Secreta - Prefácio e Introdução
 
Reencarnação (Portuguese)
Reencarnação (Portuguese)Reencarnação (Portuguese)
Reencarnação (Portuguese)
 
Os sonhos c w leadbeater
Os sonhos   c w leadbeaterOs sonhos   c w leadbeater
Os sonhos c w leadbeater
 
Corpos Espirituais
Corpos EspirituaisCorpos Espirituais
Corpos Espirituais
 
Apostila de chakras e mediunidade (autoria desconhecida)
Apostila de chakras e mediunidade (autoria desconhecida)Apostila de chakras e mediunidade (autoria desconhecida)
Apostila de chakras e mediunidade (autoria desconhecida)
 
Curso Básico de Cosmologia Energética online aula 1
Curso Básico de Cosmologia Energética online  aula 1Curso Básico de Cosmologia Energética online  aula 1
Curso Básico de Cosmologia Energética online aula 1
 
Curso básico de cosmologia energética online aula 1
Curso básico de cosmologia energética online  aula 1Curso básico de cosmologia energética online  aula 1
Curso básico de cosmologia energética online aula 1
 
UFOGNOSE workshop2
UFOGNOSE workshop2UFOGNOSE workshop2
UFOGNOSE workshop2
 
Sobre a quinta dimensao dos seres espirituais
Sobre a quinta dimensao dos seres espirituaisSobre a quinta dimensao dos seres espirituais
Sobre a quinta dimensao dos seres espirituais
 
A teosofia do sinal da cruz h.p. blavatsky
A teosofia do sinal da cruz  h.p. blavatskyA teosofia do sinal da cruz  h.p. blavatsky
A teosofia do sinal da cruz h.p. blavatsky
 
Jinarajadasa fundamentos de teosofia
Jinarajadasa   fundamentos de teosofiaJinarajadasa   fundamentos de teosofia
Jinarajadasa fundamentos de teosofia
 
Lemuria e Atlantida
Lemuria e AtlantidaLemuria e Atlantida
Lemuria e Atlantida
 

Semelhante a Rondas cósmicas e cadeias planetárias

Capitulo III criacao
Capitulo III   criacaoCapitulo III   criacao
Capitulo III criacaoMarta Gomes
 
Astronomia - Introdução aos estudos para sextos anos do EF
Astronomia - Introdução aos estudos para sextos anos do EF Astronomia - Introdução aos estudos para sextos anos do EF
Astronomia - Introdução aos estudos para sextos anos do EF Elizabeth Terra Lasmar
 
Vivência de Saturno em 2012
Vivência de Saturno em 2012Vivência de Saturno em 2012
Vivência de Saturno em 2012Paulo Viana
 
A terra no espaço
A terra no espaço A terra no espaço
A terra no espaço Maria Sedas
 
Capítulo 01 – O planeta terra
Capítulo 01 – O planeta terraCapítulo 01 – O planeta terra
Capítulo 01 – O planeta terraJarson Marcel
 
A terra no espaço
A terra no espaço A terra no espaço
A terra no espaço Maria Sedas
 
Física e Química 7º Ano - Resumo
Física e Química 7º Ano - ResumoFísica e Química 7º Ano - Resumo
Física e Química 7º Ano - Resumoricardodavidtt
 
Palestra Vivência de Júpiter
Palestra   Vivência de JúpiterPalestra   Vivência de Júpiter
Palestra Vivência de JúpiterPaulo Viana
 
Rodrigo sistema solar
Rodrigo sistema solarRodrigo sistema solar
Rodrigo sistema solarflaviopb
 
O Ano Novo Astrológico 2012
O Ano Novo Astrológico 2012O Ano Novo Astrológico 2012
O Ano Novo Astrológico 2012Paulo Viana
 
Universo e Sistema Solar
Universo e Sistema SolarUniverso e Sistema Solar
Universo e Sistema Solarrobertoaabfilho
 
REFERENCIA PARA OS ALUNDOS - EAE 2 - OS 7 DIAS DA CRIAÇÃO
REFERENCIA PARA OS ALUNDOS - EAE 2 - OS 7 DIAS DA CRIAÇÃOREFERENCIA PARA OS ALUNDOS - EAE 2 - OS 7 DIAS DA CRIAÇÃO
REFERENCIA PARA OS ALUNDOS - EAE 2 - OS 7 DIAS DA CRIAÇÃONorberto Scavone Augusto
 
Astronomia geral
Astronomia geralAstronomia geral
Astronomia geralDalila Melo
 
Astronomia - Sistema Solar - Terra - Rotação - Translação - Fases da Lua
Astronomia  - Sistema Solar - Terra - Rotação - Translação - Fases da LuaAstronomia  - Sistema Solar - Terra - Rotação - Translação - Fases da Lua
Astronomia - Sistema Solar - Terra - Rotação - Translação - Fases da LuaRaquel Morales
 
astroa11auhuhauhawwww11-191023125420.pdf
astroa11auhuhauhawwww11-191023125420.pdfastroa11auhuhauhawwww11-191023125420.pdf
astroa11auhuhauhawwww11-191023125420.pdfcarolinadecarvalhoma1
 

Semelhante a Rondas cósmicas e cadeias planetárias (20)

Capitulo III criacao
Capitulo III   criacaoCapitulo III   criacao
Capitulo III criacao
 
Astronomia - Introdução aos estudos para sextos anos do EF
Astronomia - Introdução aos estudos para sextos anos do EF Astronomia - Introdução aos estudos para sextos anos do EF
Astronomia - Introdução aos estudos para sextos anos do EF
 
Corpos celestes
Corpos celestesCorpos celestes
Corpos celestes
 
Vivência de Saturno em 2012
Vivência de Saturno em 2012Vivência de Saturno em 2012
Vivência de Saturno em 2012
 
A terra no espaço
A terra no espaço A terra no espaço
A terra no espaço
 
Capítulo 01 – O planeta terra
Capítulo 01 – O planeta terraCapítulo 01 – O planeta terra
Capítulo 01 – O planeta terra
 
A terra no espaço
A terra no espaço A terra no espaço
A terra no espaço
 
Física e Química 7º Ano - Resumo
Física e Química 7º Ano - ResumoFísica e Química 7º Ano - Resumo
Física e Química 7º Ano - Resumo
 
Palestra Vivência de Júpiter
Palestra   Vivência de JúpiterPalestra   Vivência de Júpiter
Palestra Vivência de Júpiter
 
Rodrigo sistema solar
Rodrigo sistema solarRodrigo sistema solar
Rodrigo sistema solar
 
Daniel sistema solar
Daniel sistema solarDaniel sistema solar
Daniel sistema solar
 
A Doutrina Secreta - Estância VII
A Doutrina Secreta - Estância VIIA Doutrina Secreta - Estância VII
A Doutrina Secreta - Estância VII
 
O Ano Novo Astrológico 2012
O Ano Novo Astrológico 2012O Ano Novo Astrológico 2012
O Ano Novo Astrológico 2012
 
Universo e Sistema Solar
Universo e Sistema SolarUniverso e Sistema Solar
Universo e Sistema Solar
 
REFERENCIA PARA OS ALUNDOS - EAE 2 - OS 7 DIAS DA CRIAÇÃO
REFERENCIA PARA OS ALUNDOS - EAE 2 - OS 7 DIAS DA CRIAÇÃOREFERENCIA PARA OS ALUNDOS - EAE 2 - OS 7 DIAS DA CRIAÇÃO
REFERENCIA PARA OS ALUNDOS - EAE 2 - OS 7 DIAS DA CRIAÇÃO
 
Astronomia geral
Astronomia geralAstronomia geral
Astronomia geral
 
Universo
UniversoUniverso
Universo
 
2012 Maia
2012 Maia2012 Maia
2012 Maia
 
Astronomia - Sistema Solar - Terra - Rotação - Translação - Fases da Lua
Astronomia  - Sistema Solar - Terra - Rotação - Translação - Fases da LuaAstronomia  - Sistema Solar - Terra - Rotação - Translação - Fases da Lua
Astronomia - Sistema Solar - Terra - Rotação - Translação - Fases da Lua
 
astroa11auhuhauhawwww11-191023125420.pdf
astroa11auhuhauhawwww11-191023125420.pdfastroa11auhuhauhawwww11-191023125420.pdf
astroa11auhuhauhawwww11-191023125420.pdf
 

Rondas cósmicas e cadeias planetárias

  • 1. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias Livro: “O Sistema Solar” de Arthur Powell
  • 2. Os planetas são seres vivos que nascem, vivem e morrem, pois a concepção oculta de um planeta é diferente do que a ciência convencional consegue ver. A Teosofia traz uma nova visão que requer redobrada atenção para o seu completo entendimento. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias
  • 3. Assim, um planeta é o corpo físico de uma entidade dinâmica (Logos Planetário ou Manu Planetário), onde as ondas de vida evoluem. Essa evolução se dá de forma cíclica. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias
  • 4. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Os Globos OS GLOBOS A Terra é um dos 7 planetas que formam a Cadeia Terrestre. É o mais denso de todos os planetas desta Cadeia, assim formada: 2 Globos Mentais Inferiores 2 Globos Astrais 3 Globos Físicos Nem todas as Cadeias apresentam a mesma constituição.
  • 5. Quando chamamos um globo de mental inferior, nos referimos a um tipo no qual a matéria mais densa ali encontrada é o mental inferior, isto é, não contém matéria astral ou física. Da mesma forma, um globo astral não contém nenhuma matéria mais densa do que a matéria astral, assim, não contém matéria física. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias– Os Globos
  • 6. Cada globo, entretanto, possui “contrapartes”. Assim se chamam os diversos graus de matéria mais fina que ela mesma: assim, um globo físico possui sua contraparte de matéria astral, mental inferior, mental superior, búdica e átmica; um globo astral possui uma contraparte mental inferior e todas as contrapartes materiais superiores. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Os Globos
  • 7. As contrapartes de um globo ocupam identicamente a mesma posição no espaço que o globo mesmo, assim como o corpo astral humano interpenetra o corpo físico e se estende além do mesmo e assim por diante. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – os Globos Lembrando que: as esferas de matéria superior ou matéria mais fina, são maiores que as de matéria inferior, pois se interpenetram e se estendem além da periferia das esferas materiais inferiores.
  • 8. Como a física explica, as partículas de matéria jamais se tocam realmente, nem mesmo nas substâncias mais densas. E os espaços entre as partículas são sempre muito maiores que o tamanho das partículas mesmas. Portanto, entende-se que há um amplo espaço, em qualquer porção dada de espaço, para qualquer tipo de átomo, não apenas para ficar entre os átomos da matéria mais densa, como também para mover-se muito livremente entre eles e em volta deles. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Os Globos
  • 9. Consequentemente, um globo físico tal como a Terra não é um só mundo, mas 7 mundos que se interpenetram, ocupando todos o mesmo espaço, exceto que, como dissemos, os tipos mais finos (sutis) de matéria se estendem mais adiante do centro que os tipos mais densos. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Os Globos Logos Planetário
  • 10. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Os Globos Os 7 globos de uma cadeia são chamados respectiva- mente de Globos A, B, C, D, E, F e G. No caso da cadeia terrestre os Globos A e G são mentais inferiores; B e F são astrais; C, D e E são físicos; C é o planeta Marte, D é a Terra e E é o planeta Mercúrio. A, B, F e G não têm nomes.
  • 11. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Os Globos Cada um dos 7 globos, por ser um planeta separado e distinto, pode ser considerado tendo uma posição definida no espaço, girando em torno do Sol, ou dependendo, em algum sentido relacionado ao mesmo.
  • 12. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Os Globos Observamos que nos diagramas presentes na obra de POWELL são utilizadas diversas matizes para designar os diferentes tipos de matéria: os globos físicos sendo os mais densos são representados por linhas cruzadas; os globos astrais, por linhas inclinadas horizontal-mente a 45 graus (porque o astral está entre o físico e o mental); e os globos mentais inferiores, por linhas verticais (os mentais superiores, por linhas similares porém mais separadas). A matéria búdica é indicada com linhas horizontais pontilhadas e a matéria átmica com linhas verticais pontilhadas.
  • 13. As Rondas Embora os 7 globos de uma cadeia existam todos simultaneamente, nem todos se acham igualmente ativos sustentando a vida. Queremos dizer, em algum tempo definido, enquanto apenas 1 globo está ativo e funcionando plenamente, os outros 6 estão em estado de adormecimento. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Rondas
  • 14. Como inicia? Primeiro o globo A se torna ativo: após um vasto período de tempo a vida nele começa gradualmente a diminuir e quase desaparecer, passando ao globo seguinte: B. O globo A então adormece enquanto o globo B começa a acordar. Após outro vasto período de tempo, o globo B por sua vez começa a dormir e a maior porção da vida do mesmo passa para o próximo globo na sequência, o C. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Rondas
  • 15. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Rondas Este processo continua até cada globo na sua vez acordar da sua condição de adormecimento, sustentar a principal corrente de vida durante um eón, e novamente adormecer. O período durante o qual um globo está plenamente ativo, sustentando a corrente de vida, se chama período global. A passagem do ciclo de vida por todos os 7 globos é chamada de uma ronda. Uma ronda portanto consiste de 7 períodos globais.
  • 16. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Rondas Uma vez que uma ronda tenha sido completada, todo o processo começa de novo, com o despertar da vida no globo A, e assim por diante, até que se complete uma segunda ronda. Todo o processo se repetirá até ter completado 7 rondas. No diagrama ao lado é possível ver as 7 rondas da cadeia terrestre; a linha em espiral indica a corrente de vida que passa 7 vezes completas em torno de toda a cadeia dos 7 globos. Assim, percebemos que: 7 períodos globais formam 1 ronda e 49 períodos globais formam 7 rondas ou 1 período-cadeia.
  • 17. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Rondas Cabe ressaltar que a corrente vital que se manifesta em um determinado globo, dura o tempo necessário ao surgimento gradual, seguindo uma sequência de sete raças- raíz. Ou seja, cada período global abrange o desenvolvimento de sete raças e sete sub-raças para cada raça-raíz (este assunto será visto mais adiante).
  • 18. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias As Cadeias Quando um período-cadeia se completa, os globos que a formaram se desintegram e sua matéria é reaproveitada para formar 7 novos globos. Estes então passam pelas 7 rondas de atividade, exatamente como antes, e logo a vida é interrompida somente para reformar-se/ transformar-se em outro conjunto de 7 globos.
  • 19. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias O processo todo ocorre 7 vezes, com as 7 cadeias, cada uma consistindo em 7 globos e respectivas 7 rondas de atividade. Os globos individuais que foram formados com a matéria desintegrada da cadeia precedente, ainda que formados do mesmo tipo de partículas, não são compostos dos mesmos graus de matéria, conforme percebemos no diagrama acima.
  • 20. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias O ponto central (o meio) de todo o Esquema é a Quarta Cadeia, na Quarta Ronda, no Quarto Globo, na Quarta Raça-Raiz. A Terra, portanto, já está passando desta metade pois já estamos na Quinta Raça Raiz.
  • 21. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias Assim, dos 49 globos da série total de 7 cadeias temos: 4 globos átmicos 8 globos búdicos 12 globos mentais superiores 12 globos mentais inferiores 8 globos astrais 5 globos físicos
  • 22. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias Portanto, apenas a primeira e a sétima cadeias possuem globos puramente átmicos; somente a segunda e a sexta cadeias possuem globos puramente búdicos; todas exceto a quarta cadeia possuem globos mentais superiores; todas exceto a primeira e a sétima cadeias possuem globos mentais inferiores; somente a terceira, quarta e quinta cadeias possuem globos físicos.
  • 23. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias O plano central dos cinco planos é o mental, e este plano sozinho é dividido em duas partes. Todas as sete cadeias possuem globos no plano mental; todas exceto a quarta cadeia, na verdade, possuem globos tanto no mental superior como no mental inferior. A partir disso, fica claro que o plano mental exerce uma grande importância na evolução do homem: porque do total de 49 globos, 24 - praticamente metade - estão no plano mental.
  • 24. LEMBRETE: Manas, deriva da raiz sânscrita man, “pensar”, e significa a mente propriamente dita, o Pensador, o que pensa em nós, o Ego Superior que se reencarna inúmeras vezes, acumulando em si as experiências recolhidas na vida terrestre. Este princípio é dual em sua essência e daí a divisão em Manas ou Inteligência inferior, terrestre, que está intimamente ligada com a alma animal (Kâma) e o Manas ou Inteligência superior, relacionada com Âtma e Buddhi e veículo ou instrumento da alma espiritual (Buddhi). O Manas inferior, unido aos princípios inferiores (corpo físico, duplo etérico, princípio vital e alma animal), forma o quaternário inferior, isto é, a personalidade transitória. O Manas, no homem, é o reflexo da Mente Universal, ou seja, o terceiro princípio constituinte do Universo, contado de baixo para cima. (Glossário Teosófico) Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias Isto corrobora com a definição ocultista acerca do homem como: “aquele ser no universo, esteja em qualquer parte do universo, em quem o espírito supremo e a matéria mais baixa (inferior) se juntam por meio da Inteligência”. Assim podemos dizer também que numa série de 7 cadeias, o mais alto espírito junta-se à matéria mais inferior, a substância da inteligência.
  • 25. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias A desintegração dos globos em componentes de matéria, e a sua reintegração em 7 novos globos em níveis mais baixos ou altos, conforme o caso, aparecem no diagrama ao lado.
  • 26. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias O período entre duas cadeias sucessivas, durante a qual a matéria da cadeia anterior está em estado de desintegração, é chamado de pralaya da cadeia, ou pralaya intercatenário.
  • 27. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias A série total de 7 cadeias constituem o que se denomina de Esquema Evolutivo, ou às vezes meramente Esquema. Conforme a tabela: 7 períodos globais = 1 ronda 49 períodos globais = 7 rondas = 1 cadeia (ou cadeia planetária) 343 períodos globais = 49 rondas = 7 cadeias ou 1 Esquema de Evolução
  • 28. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias Retomando: estamos atualmente na quarta cadeia do nosso Esquema de Evolução, e assim, no período mais denso entre todas as cadeias.
  • 29. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias As 7 cadeias sucessivas são às vezes chamadas de “encarnações” do Logos. A cadeia pode ser considerada como o Upadhi ou veículo do Logos Planetário. Podemos pensar no Logos Planetário reencarnando-se nas 7 cadeias sucessivas, cada cadeia se iniciando com o fruto da predecessora.
  • 30. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – As Cadeias Nas primeiras 3 cadeias podemos dizer que o Espírito da Vida desce na matéria; na quarta cadeia o Espírito e a Matéria se entrelaçam e formam inumeráveis relações; as últimas 3 cadeias são as de desprendimento, ascendentes, ao final das quais todas retornarão ao Logos Planetário, para fundir-se em Ishvara com o fruto da evolução.
  • 31. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Os Esquemas da Evolução O desenho acima mostra as 7 cadeias, cada uma contendo 7 globos, as 7 rondas de cada cadeia sendo indicadas pelos círculos que correm através dos globos. Devemos observar, no entanto, que embora a totalidade de 49 globos do Esquema seja mostrada no diagrama, não mais do que um conjunto de 7 se acha usualmente em existência em algum tempo dado (exceto por alguns “cadáveres”, como a nossa Lua, que ainda não se desintegrou completamente).
  • 32. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Os Esquemas da Evolução Marte, Terra e Mercúrio aparecem como pertencentes à quarta cadeia e a Lua, à terceira cadeia. O que nós atualmente chamamos de Lua é o último resíduo de um globo muito maior, que foi o planeta físico da terceira cadeia, mantendo a mesma posição na terceira cadeia que aquela mantida pela Terra na quarta cadeia.
  • 33. OS 10 ESQUEMAS EVOLUTIVOS Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – O Sistema Solar
  • 34. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – O Sistema Solar O nosso sistema solar é composto de 10 Esquemas Evolutivos separados e distintos. Os nomes pelos quais são conhecidos, são os nomes dos planetas físicos que, atualmente, fazem parte dos mesmos esquemas: 1) O esquema Vulcano 2) O esquema Vênus 3) O esquema Terra 4) O esquema Júpiter 5) O esquema Saturno 6) O esquema Urano 7) O esquema Netuno 8, 9 e 10) Precisam de nomes, pois atualmente não possuem planetas físicos. O 8 é às vezes chamado Esquema “Asteróides”.
  • 35. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – O Sistema Solar Os esquemas que aparecem no Diagrama estão ordenados conforme a proximidade dos seus planetas físicos com o Sol. A afirmação de que em nossa sétima ronda nosso satélite, a Lua, desaparecerá por inteiro, pode ser comparada a um fenômeno similar, que é o caso da Cadeia de Vênus, que está atualmente em sua Sétima Ronda, na Quinta Cadeia e não possui satélite...
  • 36. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – O Sistema Solar ...mas há 150 anos uma quantidade de astrônomos registrou observações de um satélite em Vênus, com um diâmetro estimado em 2000 milhas (3218 quilômetros aproximadamente). Ainda que se suponha que aqueles astrônomos se equivocaram, parece mais provável que o satélite existiu quando foram feitas as observações, mas depois desapareceu como ocorrerá com o nosso satélite.
  • 37. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – O Sistema Solar O Diagrama ao lado representa o sistema solar com seus 10 esquemas de evolução, cada um consistindo de 7 cadeias de 7 globos, as 7 rondas de cada cadeia sendo indicadas, como antes, pelos círculos desenhados nos globos. Como as 7 cadeias de cada esquema vem à existência de forma sucessiva, percebe-se que este Diagrama não representa o sistema solar no momento presente, mas é uma figura coletiva dos estágios pelos quais o sistema todo passa...
  • 38. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – O Sistema Solar ...o estado atual do sistema solar é mostrado neste diagrama. A ronda na qual cada cadeia está no momento efetiva é mostrada conforme é conhecida; onde não são conhecidas, as rondas estão pontilhadas. Obs.: Além destes 10 esquemas, há também outras evoluções ocorrendo no sistema solar, sendo utilizado cada milímetro do espaço.
  • 39. No. Esquema Cadeia Ronda No. de planetas físicos Observação I Vulcano 3 6 (?) 1 Produzirá entidades em um nível inferior ao do Esquema Terrestre II Vênus 5 7 1 O Esquema mais avançado III Terra 4 4 3 Os 3 planetas são Marte, Terra e Mercúrio IV Júpiter 3 2 1 Júpiter não está habitado, mas suas luas estão. Chegará a um nível muito desenvolvido. V Saturno 3 Próxima 1 Evolui lentamente, mas chegará a um nível muito desenvolvido. VI Urano 3 1 VII Netuno 4 3 Os 3 planetas são Netuno e outros 2 mais adiante de sua órbita. VIII Sem nome 0 IX Sem nome 0 X Sem nome 0 Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – O Sistema Solar ESQUEMAS COM AS RESPECTIVAS CADEIAS E RONDAS
  • 40. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – O Sistema Solar O sistema solar atualmente tem 70 planetas que Possuem localização definida no espaço, girando em torno do sol ou relacionados a ele de algum modo, conforme mostra o diagrama abaixo. Os planetas Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter, Saturno, entre outros, são visíveis para nós porque se acham todos no mesmo plano da Terra. Os números no centro de cada esquema, indicam em qual ronda (ou encarnação) está cada globo físico. Os últimos três esquemas não possuem globos físicos.
  • 41. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – O Sistema Solar Assim, podemos retomar as seguintes informações: 7 períodos globais = 1 ronda 49 períodos globais = 7 rondas = 1 cadeia (ou cadeia planetária) 343 períodos globais = 49 rondas = 7 cadeias = 1 Esquema de Evolução 10 Esquemas de Evolutivos = nosso Sistema Solar.
  • 42. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – O Sistema Solar O primeiro planeta físico a aparecer no Esquema Terrestre foi a Lua e não a Terra. A terceira Cadeia geralmente é denominada Lunar *. Quando se esgotou a vida ativa da Lua (em sua sétima Ronda), criou-se perto dela um novo vórtice (a Terra), atraindo para si toda a matéria da Lua. Antes de se tornarem planetas físicos, todos os globos passam pelo estado gasoso. É comum haver explosões e colisões durante este processo, até o resfriamento e o condensamento que permitirá a solidificação dos globos. * LEADBEATER. Um manual de teosofia.
  • 43. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – O Sistema Solar Enquanto esta massa condensada combinada entre os dois vórtices se esfriava, a maior porção de matéria foi atraída para o vórtice novo que se transformou na Terra, deixando a Lua muito menor do que já fora e totalmente desprovida de ar e água. Hoje, é provável que a Lua esteja ainda sofrendo um desgaste devagar e, ao que parece, no decorrer da nossa sétima ronda desagregar-se-á de todo, e sua matéria será utilizada (presumivelmente com alguma matéria da Terra) na construção de um novo mundo, que será o único globo físico da quinta cadeia do nosso esquema evolutivo. O que restar da Terra até lá, poderá ser o satélite de um novo globo.
  • 44. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias Manus Manu é um termo genérico usado para uma classe de Inteligências dirigentes de muitos graus ou categorias diferentes. Cada Manu tem a seu cargo o departamento de evolução que lhe foi destinado, e deve dirigir a formação e o crescimento do citado departamento. São exemplos: Manu (ou Logos) de um Esquema de Evolução; Manu (ou Logos) da Cadeia Planetária; Manu da Ronda; Manu de uma Raça-Raiz; Há também: o Manu-semente - tem como função dirigir todos os preparativos para a transferência da população de uma Cadeia para a próxima Cadeia e o Manu-raiz - tem como função fazer todos os arranjos para a recepção daquela população e introduzir as muitas classes de entidades dentro da Sua Cadeia na sequência apropriada nos tempos apropriados Assim, a palavra sânscrita manvantara significa literalmente o período entre dois Manus.
  • 45. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Tempos e Datas Tempos e Datas Dispomos de pouquíssimas informações sobre os tempos ocupados por Cadeias, Rondas, Períodos Globais, ou mesmo Raças. Portanto, não há como calcular as medidas exatas dessas enormes extensões de tempo. Há livros exotéricos hindus que apresentam números definidos, mas H. P. Blavatsky afirma ser impossível confiar neles, porque se acham implícitas outras considerações esotéricas, que os autores não levaram em conta. Além disso, o tempo das Rondas pode ser variável, pois algumas são mais curtas do que outras. Pelo que as investigações indicam, as primeiras Rondas levaram mais tempo por implicarem mudanças radicais na constituição do homem, ao passo que as últimas, transcorrem de forma mais rápida, ligada ao desenvolvimento das civilizações. Por ora, podemos apenas enumerar alguns tempos e datas...
  • 46. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Tempos e Datas ● De acordo com registros ocultistas, a vida do sistema solar conta, até agora, com uns 1.955.884.703 anos, ou seja, um pouco menos de 2 bilhões de anos. ● No Globo D (a Terra), diz-se, já se passaram 300 milhões de anos nesta Quarta Ronda. ● Os Senhores de Vênus chegaram à Terra há 16 ½ milhões de anos. Segundo a Doutrina Secreta - Vol. II (1938): ● Os dias e noites de Brahmâ são os nomes dados aos períodos do Manvantara (Manu-antara ou entre Manus) e do Pralaya (ou Dissolução): o primeiro corresponde aos Períodos ativos do Universo; o outro aos tempos de repouso que devem ocorrer ao terminar um Dia, ou uma Idade ou vida de Brahmâ.
  • 47. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Tempos e Datas Ainda segundo a DS, vamos à correspondência em anos solares: - Existem quatro Yugas (Idades) que se sucedem durante o ciclo manvantárico: Krita Yuga = 1.728.000 a (a idade de ouro, a "idade da alegria", ou inocência espiritual do homem) Trêta Yuga = 1.296.000 a (a idade da prata, ou do fogo - o período da supremacia do homem) Dwâpara Yuga = 864.000 a (a idade do bronze - uma mistura, já de pureza e de impureza [ espírito e matéria ], a idade da dúvida) Kali Yuga = 432.000 a (a idade de ferro, ou escuridão, miséria e tristeza; teve início em 3.102 a.C. com o desaparecimento de Krishna). Todas estas etapas juntas perfazem um total de: Maha Yuga = 4.320.000 a
  • 48. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Tempos e Datas 71 Maha Yugas formam o período do reinado de um Manu, que corresponde a = 306.720.000 a O reinado de 14 Manus abrange a duração de 994 Maha Yugas, que corresponde a = 4. 294.080.000 a Somem-se Sandhis (são os intervalos entre o reinado de cada Manu), que perfazem 6 Maha Yugas, ou = 25.920.000 a Total de reinados e períodos entre reinos de 14 Manus são 1.000 Maha Yugas, que constituem um Kalpa (= 1 eon), isto é um Dia de Brahmâ = 4.320.000.000 a Acrescente-se uma Noite de Brahmâ = 4.320.000.000 a Um Dia e uma Noite de Brahmâ = 8.640.000.000 a 360 Dias e Noites assim perfazem um Ano de Brahmâ = 3.110.400.000.000 a 100 Anos constituem todo o período da Época de Brahmâ, isto é, uma Maha Kalpa = 311.040.000.000.000 a
  • 49. Rondas Cósmicas e Cadeias Planetárias – Tempos e Datas Mas não devemos esquecer que: “O ‘Tempo’ não mais é que uma ilusão ocasionada pela sucessão dos nossos estados de consciência, à medida que viajamos através da Duração Eterna; e deixa de existir quando a consciência em que tal ilusão se produz já não existia: então ele "jaz adormecido". O Presente não é senão uma linha matemática que separa aquela parte da Duração Eterna, que chamamos Futuro, daquela outra a que damos o nome de Passado. Nada há sobre a Terra que tenha uma duração real, pois nada permanece sem mutação, ou no mesmo estado, durante um bilhonésimo de segundo que seja (...) “. (HPB. DS, Vol. I, Estância I)