SlideShare uma empresa Scribd logo
COOPERATIVAS DE CRÉDITO
Novas Perspectivas de Financiamento para
o seu Negócio
O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO?
Cooperativa de crédito é uma instituição financeira formada pela
associação de pessoas para prestar serviços financeiros exclusivamente
aos seus associados. Os cooperados são ao mesmo tempo donos e
usuários da cooperativa, participando de sua gestão e usufruindo de seus
produtos e serviços (BACEN).
C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 2
O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO?
 Atualmente chamadas de “Cooperativas Financeiras”, pois ofertam mais
que simplesmente crédito: aplicações, empréstimos, seguros, consórcios,
poupança, cartões de crédito e débito, etc (MEINEN; PORT, 2014).
Possuem características próprias, mas são equiparadas às instituições
financeiras ou bancos (Lei nº 4.595/74).
 Contam com um Fundo Garantidor de Crédito, que cobre até R$ 250 mil em
caso de liquidação (FARIA et al, 2015).
 Seu funcionamento é autorizado e regulado pelo Banco Central do Brasil
(BACEN).
C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 3
A ORIGEM
 A primeira organização cooperativa surgiu em 1844, em Rochdale –
Inglaterra, como reflexo da Revolução Industrial (PINHEIRO, 2008, p. 7).
 O cooperativismo de crédito surgiu na Alemanha, em 1848, por iniciativa
de Friedrich W. Raiffeisen, voltada aos ruralistas (MEINEN; PORT, 2014,
p. 8).
 No Brasil, a primeira de crédito foi fundada em 1902, em Nova
Petrópolis – Rio Grande do Sul (PINHEIRO, 2008, p. 8).
C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 4
ESTRUTURA DO COOPERATIVISMO NO BRASIL
Fonte: Faria et al, 2015, p. 28.
C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 5
COMO FUNCIONA?
C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 6
Principais Vantagens
das Cooperativas
Riscos & Alertas
1. Para ingressar na
cooperativa, é preciso
comprar quotas
2. A quota dá direito a
voto na assembleia
para que o cooperado
participe do negócio
3. O dinheiro das quotas
é corrigido pelo juro
básico (Selic) e só pode
ser resgatado uma vez
no ano
4. Só cooperados podem
tomar crédito ou usufruir
os serviços da cooperativa
5. Se ao final do exercício
contábil, houver lucro, a
sobra é distribuída entre os
associados
6. Um sistema de garantias
(o Fundo Garantidor) passa a
cobrir depósitos e
investimentos em caso de
problemas
> Taxas de juros, em geral, são
menores que de bancos
> Taxas de serviços, em geral, são
menores que de bancos
> Menor burocracia
> Associados devem participar das
assembleias
> Como dono, você é solidário à
dívida
> Cota de capital não pode ser
transferida a terceiros
> Conheça as lideranças e conversar
com outros cooperados
> Não assuma compromisso com a
cooperativa se não se identificar com os
princípios
> Acompanhe a gestão da cooperativa
Para evitar problemas
Fonte: Folha, 2013.
COOPERAR, COOPERADO, COOPERATIVISMO...?
“Em A Riqueza das Nações, de 1776, Adam Smith atribui que a
capacidade de produção baseia-se na divisão do trabalho e na
acumulação de capital, uma realidade das cooperativas. (...) As
pessoas não ajudam umas às outras por mera bondade, mas por
interesses pessoais. No modelo cooperativista, a capacidade de
produção só torna-se eficiente se esses interesses forem
compartilhados por todos os cooperados (...)” (JESUS e ALMEIDA,
2015, p. 3).
C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 7
PRINCÍPIOS
Adesão livre e
voluntária
Gestão
democrática
pelos membros
Participação
econômica dos
membros
Autonomia &
Independência
Educação,
Formação &
Informação
Intercooperação
Interesse pela
comunidade
C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 8
DIREITOS DO COOPERADO
 Votar e ser votado (desde que em dia com suas obrigações sociais);
 Participar das operações da cooperativa;
 Opinar e defender suas ideias;
 Propor ao Conselho e Assembleia medidas de interesse para a cooperativa;
 Receber retorno proporcional no fim do ano;
 Examinar, em qualquer tempo, livros e documentos;
 Convocar a assembleia caso seja necessário;
 Pedir esclarecimentos ao Conselho de Administração;
 Pedir a qualquer tempo a sua demissão.
Fonte: Web Site VerboCooperar, 2016.
C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 9
DEVERES DO COOPERADO
 Participar das Assembleias Gerais;
 Subscrever e integralizar as quotas-partes de capital (Estatuto Social);
 Ter sempre em vista que a Cooperativa é obra de interesse comum;
 Operar com a cooperativa;
 Votar nas eleições e acatar a decisão da maioria;
 Cumprir seus compromissos com a Cooperativa;
 Manter-se informado a respeito da cooperativa;
 Denunciar falhas;
 Cobrir sua parte nas perdas apuradas em balanço;
 Zelar pela imagem da Cooperativa.
Fonte: Web Site VerboCooperar, 2016.
C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 1 0
PATRIMÔNIO, SOBRAS E PERDAS
 A composição do capital social é pela soma das quotas-partes (espécie de ações);
 O crescimento da quota se dá à medida que a quota-capital se valoriza, incorpora
juros, ou que novas cotas são adquiridas pelos associados.
 Por ser isenta de IR no resgate, é um bom investimento à longo prazo.
 A rentabilidade individual depende do montante das sobras acumuladas no
exercício, do volume de operações de crédito realizadas.
C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 1 1
CAPTAÇÃO DE
RECURSOS
CONTA
CORRENTE
CHEQUE
ESPECIAL
ADIAN-
TAMENTO
A DEPOSI-
TANTES
DEPÓSITOS
À VISTA E
A PRAZO
FUNDOS
OFICIAIS
DOAÇÕES
REPASSES
DE
INSTITUI-
ÇÕES
Os serviços são
prestados apenas aos
cooperados.
C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 1 2
CONCESSÃO DE BENEFÍCIOS
 Empréstimo pessoal;
 Capital de giro;
 Financiamento de automóvel;
 Antecipação de restituição de IR;
 Desconto de títulos;
 Desconto de cheques;
 Prestar garantias;
 Crédito rural;
 Repasse de recursos obtidos.
Linhas de Crédito Específicas,
definidas em assembleia.
Serviços prestados
exclusivamente aos associados
C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 1 3
APLICAÇÃO DOS RECURSOS
DEPÓSITOS A
PRAZO:
Fundos de investimentos e
R.D.C. DEPÓSITOS À VISTA:
Receita financeira ou sobras ao
final do exercício
C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 1 4
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS
Cobrança; Custódia;
Recebimentos e
pagamentos por
conta de
terceiros. Ex.:
IPTU, INSS, etc.
C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 1 5
P R I N C I PA I S D I F E R E N Ç A S
BANCOS COOPERATIVAS
São sociedades de capital; São sociedades de pessoas;
O poder é exercido na proporção de nº. de ações; O voto tem peso igual (uma pessoa um voto);
As deliberações são concentradas; As decisões são partilhadas;
Os administradores são 3º (homens do mercado); Os administradores são do meio;
O usuário é mero cliente; O usuário é o próprio dono;
O usuário não exerce qualquer influência na definição
dos produtos e na sua precificação;
Toda a política operacional é decidida elos próprios
usuários;
Podem tratar distintamente cada usuário;
O que vale para um vale para todos (art. 37 da Lei nº
5764/71);
Preferem o público de maior renda e as maiores
corporações;
Não discriminam, servindo a todos os públicos;
Fonte: Web Site VerboCooperar, 2016. C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 1 6
P R I N C I PA I S D I F E R E N Ç A S
BANCOS COOPERATIVAS
Priorizam os grandes centros; Não restringem, atuando nos lugares mais remotos;
Tem propostos mercantilistas;
A atividade mercantil não é cogitada (art.79, parágrafo
único, da Lei nº 5764/71);
A remuneração das operações e dos serviços não tem
parâmetro;
O preço das operações e dos serviços tem como
parâmetro as necessidades de reinvestimento;
Atendem em massa, priorizando o autosserviço; O relacionamento é personalizado/pessoal;
Não tem vínculo com a comunidade; Estão comprometidos com as comunidades;
Visam ao lucro; O lucro está fora de seu objeto;
Avançam pela competição; Desenvolvem-se pela cooperação;
O resultado é de poucos donos (nada é dividido com
os cliente).
O excedente (sobras) é distribuído entre todos, na
proporção das operações individuais.
Fonte: Web Site VerboCooperar, 2016. C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 1 7
DADOS DO
COOPERATIVISMO
DE CRÉDITO NO
MUNDO
C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 1 8
Fonte: Web Site VerboCooperar, 2016
C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 1 9Fonte: Web Site VerboCooperar, 2016
REFERÊNCIAS CONSULTADAS
BANCO CENTRAL DO BRASIL. O que é cooperativa de crédito?. Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/?MICROFIN>.
Acesso em: 14 abr. 2016.
BRASIL. Congresso. Senado. Lei nº 4.595, de 31 dezembro de 1964. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 31
dez. 1964. Seção 1, p. 28. (Lei da Reforma Bancária). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4595.htm>.
Acesso em: 12 jun. 2015, às 16h51min.
BRASIL. Congresso. Senado. Lei nº 5.764, de 16 dezembro de 1971. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 16
dez. 1971. Seção 1, p. 10354. (Lei do Cooperativismo). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5764.htm>.
Acesso em: 27 mar. 2016.
FARIA, Lúcio César de; et al. Relatório Anual 2014: Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop). Brasília/DF:
FGCoop, 2015.
FOLHA. Cresce busca por cooperativas de crédito. 2013. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2014/03/1423064-
cresce-busca-por-cooperativa-de-credito.shtml>. Acesso em: 13 abr. 2016.
JESUS, Ariane Saraiva de; ALMEIDA, Carla Letícia de. Diferenciais do Sistema Cooperativo Sicredi: Análise das demonstrações
financeiras nos anos de 2012 a 2014. FATEC-BP: Bragança Paulista, 2015.
MEINEN, Ênio; PORT, Márcio. Cooperativismo Financeiro: percurso histórico, perspectivas e desafios. Brasília: Confebrás, 2014.
PINHEIRO, Marcos Antonio Henriques. Cooperativas de crédito: história da evolução normativa no Brasil. 6ª ed. Brasília:
BACEN, 2008.
VERBO COOPERAR, Web Site. 2016. Disponível em: <www.verbocooperar.com.br>. Acesso em: 14 abr. 2016.
C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 2 0
COOPERATIVAS DE CRÉDITO
Novas Perspectivas de Financiamento para
o seu Negócio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra cooperativismo ni2011
Palestra cooperativismo ni2011Palestra cooperativismo ni2011
Palestra cooperativismo ni2011
Silvia Regina de Almeida
 
Cooperativas Agropecuarias
Cooperativas AgropecuariasCooperativas Agropecuarias
Cooperativas Agropecuarias
cgf1234
 
Palestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de Cambará
Palestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de CambaráPalestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de Cambará
Palestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de Cambará
Pedro Manoel Rosa Domingues Santos
 
CURSO ASSOCIATIVISMO 1
CURSO ASSOCIATIVISMO 1CURSO ASSOCIATIVISMO 1
CURSO ASSOCIATIVISMO 1
Karlla Costa
 
Associativismo
AssociativismoAssociativismo
Associativismo
Vanessa Cunha
 
Adm. rural 3
Adm. rural 3Adm. rural 3
Adm. rural 3
Bruno Rodrigues
 
Curso noções de cooperativismo
Curso noções de cooperativismoCurso noções de cooperativismo
Curso noções de cooperativismo
corevisa
 
Associativismo Aula I IFGoiano Campus Ceres
Associativismo Aula I IFGoiano Campus CeresAssociativismo Aula I IFGoiano Campus Ceres
Associativismo Aula I IFGoiano Campus Ceres
escola_associativismo
 
Associativismo
AssociativismoAssociativismo
Associativismo
Rafael Maurício
 
Aula 4 Prof Júlia
Aula 4 Prof JúliaAula 4 Prof Júlia
Aula 4 Prof Júlia
Matheus Yuri
 
Analise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de EquilibrioAnalise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de Equilibrio
Filipe Mello
 
Agricultura sustentável
Agricultura sustentávelAgricultura sustentável
Agricultura sustentável
Kelwin Souza
 
COOPERATIVAS DE CRÉDITO
COOPERATIVAS DE CRÉDITOCOOPERATIVAS DE CRÉDITO
COOPERATIVAS DE CRÉDITO
INSTITUTO VOZ POPULAR
 
Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Matheus Yuri
 
Aula politicas publicas e desenvolvimento rural
Aula politicas publicas e desenvolvimento ruralAula politicas publicas e desenvolvimento rural
Aula politicas publicas e desenvolvimento rural
Cris Godoy
 
Agricultura familiar iica
Agricultura familiar   iicaAgricultura familiar   iica
Agricultura familiar iica
Universidade Estadual de Santa Cruz
 
Sistema de gestão de responsabilidade social
Sistema de gestão de responsabilidade socialSistema de gestão de responsabilidade social
Sistema de gestão de responsabilidade social
Alessandra Ferreira Soares
 
Administração rural
Administração ruralAdministração rural
Administração rural
Bruno Rodrigues
 
eco aula 1 - Disciplina de economia e administração rural
eco aula 1 - Disciplina de economia e administração ruraleco aula 1 - Disciplina de economia e administração rural
eco aula 1 - Disciplina de economia e administração rural
Carol Castro
 

Mais procurados (20)

Palestra cooperativismo ni2011
Palestra cooperativismo ni2011Palestra cooperativismo ni2011
Palestra cooperativismo ni2011
 
Cooperativas Agropecuarias
Cooperativas AgropecuariasCooperativas Agropecuarias
Cooperativas Agropecuarias
 
Palestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de Cambará
Palestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de CambaráPalestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de Cambará
Palestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de Cambará
 
CURSO ASSOCIATIVISMO 1
CURSO ASSOCIATIVISMO 1CURSO ASSOCIATIVISMO 1
CURSO ASSOCIATIVISMO 1
 
Associativismo
AssociativismoAssociativismo
Associativismo
 
Adm. rural 3
Adm. rural 3Adm. rural 3
Adm. rural 3
 
Curso noções de cooperativismo
Curso noções de cooperativismoCurso noções de cooperativismo
Curso noções de cooperativismo
 
Associativismo Aula I IFGoiano Campus Ceres
Associativismo Aula I IFGoiano Campus CeresAssociativismo Aula I IFGoiano Campus Ceres
Associativismo Aula I IFGoiano Campus Ceres
 
Associativismo
AssociativismoAssociativismo
Associativismo
 
Gestão de pessoas chiavenato
Gestão de pessoas   chiavenatoGestão de pessoas   chiavenato
Gestão de pessoas chiavenato
 
Aula 4 Prof Júlia
Aula 4 Prof JúliaAula 4 Prof Júlia
Aula 4 Prof Júlia
 
Analise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de EquilibrioAnalise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de Equilibrio
 
Agricultura sustentável
Agricultura sustentávelAgricultura sustentável
Agricultura sustentável
 
COOPERATIVAS DE CRÉDITO
COOPERATIVAS DE CRÉDITOCOOPERATIVAS DE CRÉDITO
COOPERATIVAS DE CRÉDITO
 
Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
 
Aula politicas publicas e desenvolvimento rural
Aula politicas publicas e desenvolvimento ruralAula politicas publicas e desenvolvimento rural
Aula politicas publicas e desenvolvimento rural
 
Agricultura familiar iica
Agricultura familiar   iicaAgricultura familiar   iica
Agricultura familiar iica
 
Sistema de gestão de responsabilidade social
Sistema de gestão de responsabilidade socialSistema de gestão de responsabilidade social
Sistema de gestão de responsabilidade social
 
Administração rural
Administração ruralAdministração rural
Administração rural
 
eco aula 1 - Disciplina de economia e administração rural
eco aula 1 - Disciplina de economia e administração ruraleco aula 1 - Disciplina de economia e administração rural
eco aula 1 - Disciplina de economia e administração rural
 

Destaque

Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
CRA - MG
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
liceo3
 
Curso Básico de Cooperativismo
Curso Básico de CooperativismoCurso Básico de Cooperativismo
Curso Básico de Cooperativismo
jaimetiz
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
MARIA JOSE ESPOSITO
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
marisela elizet
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
marcevillanuevablog
 

Destaque (6)

Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
 
Curso Básico de Cooperativismo
Curso Básico de CooperativismoCurso Básico de Cooperativismo
Curso Básico de Cooperativismo
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
 

Semelhante a Cooperativismo

Artigo cooperativas de crédito
Artigo cooperativas de créditoArtigo cooperativas de crédito
Artigo cooperativas de crédito
Julio Cesar
 
Apresentação da milicred 29 09-05
Apresentação da milicred 29 09-05Apresentação da milicred 29 09-05
Apresentação da milicred 29 09-05
POLÍCIA MILITAR DO AMAZONAS
 
Apresentação sicredi - problemas
Apresentação sicredi - problemasApresentação sicredi - problemas
Apresentação sicredi - problemas
coop10203040
 
Instituição financeira cooperativa alternativa nota 10
Instituição financeira cooperativa   alternativa nota 10Instituição financeira cooperativa   alternativa nota 10
Instituição financeira cooperativa alternativa nota 10
Andréa Hollerbach Athayde
 
Guia completo consorcio
Guia completo consorcioGuia completo consorcio
Guia completo consorcio
Talmir Mendes
 
Apresentação Gratuita
Apresentação Gratuita Apresentação Gratuita
Apresentação Gratuita
taissafeitosa
 
Apresentação Gratuita
Apresentação Gratuita Apresentação Gratuita
Apresentação Gratuita
taissafeitosa
 
Apresentação Gratuita
Apresentação Gratuita Apresentação Gratuita
Apresentação Gratuita
taissafeitosa
 
Tipologia Cooperativista
Tipologia CooperativistaTipologia Cooperativista
Tipologia Cooperativista
ejaes
 
O mercado de consórcios andré
O mercado de consórcios   andréO mercado de consórcios   andré
O mercado de consórcios andré
adilsonmatheus
 
Apresentação Gratuita
Apresentação Gratuita Apresentação Gratuita
Apresentação Gratuita
taissaviolet
 
Sicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! ComunicaçãoSicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! Comunicação
Vai Totó
 
Sicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! ComunicaçãoSicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! Comunicação
Vai Totó
 
Orientação para constituição de cooperativas
Orientação para constituição de cooperativasOrientação para constituição de cooperativas
Orientação para constituição de cooperativas
razonetecontabil
 
Apresentação 1 jornada de negócios inclusivos
Apresentação 1   jornada de negócios inclusivosApresentação 1   jornada de negócios inclusivos
Apresentação 1 jornada de negócios inclusivos
ecosol
 
Curso de Formação em Tipologia Cooperativista Módulo II
Curso de Formação em Tipologia Cooperativista Módulo IICurso de Formação em Tipologia Cooperativista Módulo II
Curso de Formação em Tipologia Cooperativista Módulo II
ejaes
 
Informativo sicredijustica junho_2011
Informativo sicredijustica junho_2011Informativo sicredijustica junho_2011
Informativo sicredijustica junho_2011
Vai Totó
 
Diagnótico Empresarial - Cooptrans
Diagnótico Empresarial - CooptransDiagnótico Empresarial - Cooptrans
Diagnótico Empresarial - Cooptrans
Gustavo Sartori
 
Atitudes Vencedoras
Atitudes VencedorasAtitudes Vencedoras
Atitudes Vencedoras
Rapport Assessoria
 
4º Fórum Sicoob Norte - Expansão, Inovação e Solidez
4º Fórum Sicoob Norte - Expansão, Inovação e Solidez4º Fórum Sicoob Norte - Expansão, Inovação e Solidez
4º Fórum Sicoob Norte - Expansão, Inovação e Solidez
SICOOB NORTE
 

Semelhante a Cooperativismo (20)

Artigo cooperativas de crédito
Artigo cooperativas de créditoArtigo cooperativas de crédito
Artigo cooperativas de crédito
 
Apresentação da milicred 29 09-05
Apresentação da milicred 29 09-05Apresentação da milicred 29 09-05
Apresentação da milicred 29 09-05
 
Apresentação sicredi - problemas
Apresentação sicredi - problemasApresentação sicredi - problemas
Apresentação sicredi - problemas
 
Instituição financeira cooperativa alternativa nota 10
Instituição financeira cooperativa   alternativa nota 10Instituição financeira cooperativa   alternativa nota 10
Instituição financeira cooperativa alternativa nota 10
 
Guia completo consorcio
Guia completo consorcioGuia completo consorcio
Guia completo consorcio
 
Apresentação Gratuita
Apresentação Gratuita Apresentação Gratuita
Apresentação Gratuita
 
Apresentação Gratuita
Apresentação Gratuita Apresentação Gratuita
Apresentação Gratuita
 
Apresentação Gratuita
Apresentação Gratuita Apresentação Gratuita
Apresentação Gratuita
 
Tipologia Cooperativista
Tipologia CooperativistaTipologia Cooperativista
Tipologia Cooperativista
 
O mercado de consórcios andré
O mercado de consórcios   andréO mercado de consórcios   andré
O mercado de consórcios andré
 
Apresentação Gratuita
Apresentação Gratuita Apresentação Gratuita
Apresentação Gratuita
 
Sicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! ComunicaçãoSicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! Comunicação
 
Sicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! ComunicaçãoSicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! Comunicação
 
Orientação para constituição de cooperativas
Orientação para constituição de cooperativasOrientação para constituição de cooperativas
Orientação para constituição de cooperativas
 
Apresentação 1 jornada de negócios inclusivos
Apresentação 1   jornada de negócios inclusivosApresentação 1   jornada de negócios inclusivos
Apresentação 1 jornada de negócios inclusivos
 
Curso de Formação em Tipologia Cooperativista Módulo II
Curso de Formação em Tipologia Cooperativista Módulo IICurso de Formação em Tipologia Cooperativista Módulo II
Curso de Formação em Tipologia Cooperativista Módulo II
 
Informativo sicredijustica junho_2011
Informativo sicredijustica junho_2011Informativo sicredijustica junho_2011
Informativo sicredijustica junho_2011
 
Diagnótico Empresarial - Cooptrans
Diagnótico Empresarial - CooptransDiagnótico Empresarial - Cooptrans
Diagnótico Empresarial - Cooptrans
 
Atitudes Vencedoras
Atitudes VencedorasAtitudes Vencedoras
Atitudes Vencedoras
 
4º Fórum Sicoob Norte - Expansão, Inovação e Solidez
4º Fórum Sicoob Norte - Expansão, Inovação e Solidez4º Fórum Sicoob Norte - Expansão, Inovação e Solidez
4º Fórum Sicoob Norte - Expansão, Inovação e Solidez
 

Cooperativismo

  • 1. COOPERATIVAS DE CRÉDITO Novas Perspectivas de Financiamento para o seu Negócio
  • 2. O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO? Cooperativa de crédito é uma instituição financeira formada pela associação de pessoas para prestar serviços financeiros exclusivamente aos seus associados. Os cooperados são ao mesmo tempo donos e usuários da cooperativa, participando de sua gestão e usufruindo de seus produtos e serviços (BACEN). C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 2
  • 3. O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO?  Atualmente chamadas de “Cooperativas Financeiras”, pois ofertam mais que simplesmente crédito: aplicações, empréstimos, seguros, consórcios, poupança, cartões de crédito e débito, etc (MEINEN; PORT, 2014). Possuem características próprias, mas são equiparadas às instituições financeiras ou bancos (Lei nº 4.595/74).  Contam com um Fundo Garantidor de Crédito, que cobre até R$ 250 mil em caso de liquidação (FARIA et al, 2015).  Seu funcionamento é autorizado e regulado pelo Banco Central do Brasil (BACEN). C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 3
  • 4. A ORIGEM  A primeira organização cooperativa surgiu em 1844, em Rochdale – Inglaterra, como reflexo da Revolução Industrial (PINHEIRO, 2008, p. 7).  O cooperativismo de crédito surgiu na Alemanha, em 1848, por iniciativa de Friedrich W. Raiffeisen, voltada aos ruralistas (MEINEN; PORT, 2014, p. 8).  No Brasil, a primeira de crédito foi fundada em 1902, em Nova Petrópolis – Rio Grande do Sul (PINHEIRO, 2008, p. 8). C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 4
  • 5. ESTRUTURA DO COOPERATIVISMO NO BRASIL Fonte: Faria et al, 2015, p. 28. C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 5
  • 6. COMO FUNCIONA? C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 6 Principais Vantagens das Cooperativas Riscos & Alertas 1. Para ingressar na cooperativa, é preciso comprar quotas 2. A quota dá direito a voto na assembleia para que o cooperado participe do negócio 3. O dinheiro das quotas é corrigido pelo juro básico (Selic) e só pode ser resgatado uma vez no ano 4. Só cooperados podem tomar crédito ou usufruir os serviços da cooperativa 5. Se ao final do exercício contábil, houver lucro, a sobra é distribuída entre os associados 6. Um sistema de garantias (o Fundo Garantidor) passa a cobrir depósitos e investimentos em caso de problemas > Taxas de juros, em geral, são menores que de bancos > Taxas de serviços, em geral, são menores que de bancos > Menor burocracia > Associados devem participar das assembleias > Como dono, você é solidário à dívida > Cota de capital não pode ser transferida a terceiros > Conheça as lideranças e conversar com outros cooperados > Não assuma compromisso com a cooperativa se não se identificar com os princípios > Acompanhe a gestão da cooperativa Para evitar problemas Fonte: Folha, 2013.
  • 7. COOPERAR, COOPERADO, COOPERATIVISMO...? “Em A Riqueza das Nações, de 1776, Adam Smith atribui que a capacidade de produção baseia-se na divisão do trabalho e na acumulação de capital, uma realidade das cooperativas. (...) As pessoas não ajudam umas às outras por mera bondade, mas por interesses pessoais. No modelo cooperativista, a capacidade de produção só torna-se eficiente se esses interesses forem compartilhados por todos os cooperados (...)” (JESUS e ALMEIDA, 2015, p. 3). C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 7
  • 8. PRINCÍPIOS Adesão livre e voluntária Gestão democrática pelos membros Participação econômica dos membros Autonomia & Independência Educação, Formação & Informação Intercooperação Interesse pela comunidade C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 8
  • 9. DIREITOS DO COOPERADO  Votar e ser votado (desde que em dia com suas obrigações sociais);  Participar das operações da cooperativa;  Opinar e defender suas ideias;  Propor ao Conselho e Assembleia medidas de interesse para a cooperativa;  Receber retorno proporcional no fim do ano;  Examinar, em qualquer tempo, livros e documentos;  Convocar a assembleia caso seja necessário;  Pedir esclarecimentos ao Conselho de Administração;  Pedir a qualquer tempo a sua demissão. Fonte: Web Site VerboCooperar, 2016. C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 9
  • 10. DEVERES DO COOPERADO  Participar das Assembleias Gerais;  Subscrever e integralizar as quotas-partes de capital (Estatuto Social);  Ter sempre em vista que a Cooperativa é obra de interesse comum;  Operar com a cooperativa;  Votar nas eleições e acatar a decisão da maioria;  Cumprir seus compromissos com a Cooperativa;  Manter-se informado a respeito da cooperativa;  Denunciar falhas;  Cobrir sua parte nas perdas apuradas em balanço;  Zelar pela imagem da Cooperativa. Fonte: Web Site VerboCooperar, 2016. C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 1 0
  • 11. PATRIMÔNIO, SOBRAS E PERDAS  A composição do capital social é pela soma das quotas-partes (espécie de ações);  O crescimento da quota se dá à medida que a quota-capital se valoriza, incorpora juros, ou que novas cotas são adquiridas pelos associados.  Por ser isenta de IR no resgate, é um bom investimento à longo prazo.  A rentabilidade individual depende do montante das sobras acumuladas no exercício, do volume de operações de crédito realizadas. C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 1 1
  • 12. CAPTAÇÃO DE RECURSOS CONTA CORRENTE CHEQUE ESPECIAL ADIAN- TAMENTO A DEPOSI- TANTES DEPÓSITOS À VISTA E A PRAZO FUNDOS OFICIAIS DOAÇÕES REPASSES DE INSTITUI- ÇÕES Os serviços são prestados apenas aos cooperados. C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 1 2
  • 13. CONCESSÃO DE BENEFÍCIOS  Empréstimo pessoal;  Capital de giro;  Financiamento de automóvel;  Antecipação de restituição de IR;  Desconto de títulos;  Desconto de cheques;  Prestar garantias;  Crédito rural;  Repasse de recursos obtidos. Linhas de Crédito Específicas, definidas em assembleia. Serviços prestados exclusivamente aos associados C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 1 3
  • 14. APLICAÇÃO DOS RECURSOS DEPÓSITOS A PRAZO: Fundos de investimentos e R.D.C. DEPÓSITOS À VISTA: Receita financeira ou sobras ao final do exercício C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 1 4
  • 15. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Cobrança; Custódia; Recebimentos e pagamentos por conta de terceiros. Ex.: IPTU, INSS, etc. C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 1 5
  • 16. P R I N C I PA I S D I F E R E N Ç A S BANCOS COOPERATIVAS São sociedades de capital; São sociedades de pessoas; O poder é exercido na proporção de nº. de ações; O voto tem peso igual (uma pessoa um voto); As deliberações são concentradas; As decisões são partilhadas; Os administradores são 3º (homens do mercado); Os administradores são do meio; O usuário é mero cliente; O usuário é o próprio dono; O usuário não exerce qualquer influência na definição dos produtos e na sua precificação; Toda a política operacional é decidida elos próprios usuários; Podem tratar distintamente cada usuário; O que vale para um vale para todos (art. 37 da Lei nº 5764/71); Preferem o público de maior renda e as maiores corporações; Não discriminam, servindo a todos os públicos; Fonte: Web Site VerboCooperar, 2016. C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 1 6
  • 17. P R I N C I PA I S D I F E R E N Ç A S BANCOS COOPERATIVAS Priorizam os grandes centros; Não restringem, atuando nos lugares mais remotos; Tem propostos mercantilistas; A atividade mercantil não é cogitada (art.79, parágrafo único, da Lei nº 5764/71); A remuneração das operações e dos serviços não tem parâmetro; O preço das operações e dos serviços tem como parâmetro as necessidades de reinvestimento; Atendem em massa, priorizando o autosserviço; O relacionamento é personalizado/pessoal; Não tem vínculo com a comunidade; Estão comprometidos com as comunidades; Visam ao lucro; O lucro está fora de seu objeto; Avançam pela competição; Desenvolvem-se pela cooperação; O resultado é de poucos donos (nada é dividido com os cliente). O excedente (sobras) é distribuído entre todos, na proporção das operações individuais. Fonte: Web Site VerboCooperar, 2016. C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 1 7
  • 18. DADOS DO COOPERATIVISMO DE CRÉDITO NO MUNDO C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 1 8 Fonte: Web Site VerboCooperar, 2016
  • 19. C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 1 9Fonte: Web Site VerboCooperar, 2016
  • 20. REFERÊNCIAS CONSULTADAS BANCO CENTRAL DO BRASIL. O que é cooperativa de crédito?. Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/?MICROFIN>. Acesso em: 14 abr. 2016. BRASIL. Congresso. Senado. Lei nº 4.595, de 31 dezembro de 1964. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 31 dez. 1964. Seção 1, p. 28. (Lei da Reforma Bancária). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4595.htm>. Acesso em: 12 jun. 2015, às 16h51min. BRASIL. Congresso. Senado. Lei nº 5.764, de 16 dezembro de 1971. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 16 dez. 1971. Seção 1, p. 10354. (Lei do Cooperativismo). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5764.htm>. Acesso em: 27 mar. 2016. FARIA, Lúcio César de; et al. Relatório Anual 2014: Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop). Brasília/DF: FGCoop, 2015. FOLHA. Cresce busca por cooperativas de crédito. 2013. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2014/03/1423064- cresce-busca-por-cooperativa-de-credito.shtml>. Acesso em: 13 abr. 2016. JESUS, Ariane Saraiva de; ALMEIDA, Carla Letícia de. Diferenciais do Sistema Cooperativo Sicredi: Análise das demonstrações financeiras nos anos de 2012 a 2014. FATEC-BP: Bragança Paulista, 2015. MEINEN, Ênio; PORT, Márcio. Cooperativismo Financeiro: percurso histórico, perspectivas e desafios. Brasília: Confebrás, 2014. PINHEIRO, Marcos Antonio Henriques. Cooperativas de crédito: história da evolução normativa no Brasil. 6ª ed. Brasília: BACEN, 2008. VERBO COOPERAR, Web Site. 2016. Disponível em: <www.verbocooperar.com.br>. Acesso em: 14 abr. 2016. C o o p e r a t i v i s m o d e C r é d i t o 2 0
  • 21. COOPERATIVAS DE CRÉDITO Novas Perspectivas de Financiamento para o seu Negócio