SlideShare uma empresa Scribd logo
Profª Jociane Araujo Peres da Luz. – Língua Portuguesa

                              TENTAÇÃO , de Clarice Lispector

Ela estava com soluço. E como se não bastasse a claridade das duas horas, ela era ruiva.
Na rua vazia as pedras vibravam de calor - a cabeça da menina flamejava. Sentada nos degraus
de sua casa, ela suportava. Ninguém na rua, só uma pessoa esperando inutilmente no ponto
do bonde. E como se não bastasse seu olhar submisso e paciente, o soluço a interrompia de
momento a momento, abalando o queixo que se apoiava conformado na mão. Que fazer de
uma menina ruiva com soluço? Olhamo-nos sem palavras, desalento contra desalento. Na rua
deserta nenhum sinal de bonde. Numa terra de morenos, ser ruivo era uma revolta
involuntária. Que importava se num dia futuro sua marca ia fazê-la erguer insolente uma
cabeça de mulher? Por enquanto ela estava sentada num degrau faiscante da porta, às duas
horas. O que a salvava era uma bolsa velha de senhora, com alça partida. Segurava-a com um
amor conjugal já habituado, apertando-a contra os joelhos.
Foi quando se aproximou a sua outra metade neste mundo, um irmão em Grajaú. A
possibilidade de comunicação surgiu no ângulo quente da esquina, acompanhando uma
senhora, e encarnada na figura de um cão. Era um basset lindo e miserável, doce sob a sua
fatalidade. Era um basset ruivo.
Lá vinha ele trotando, à frente de sua dona, arrastando seu comprimento. Desprevenido,
acostumado, cachorro.
A menina abriu os olhos pasmada. Suavemente avisado, o cachorro estacou diante dela. Sua
língua vibrava. Ambos se olhavam.
Entre tantos seres que estão prontos para se tornarem donos de outro ser, lá estava a menina
que viera ao mundo para ter aquele cachorro. Ele fremia suavemente, sem latir. Ela olhava-o
sob os cabelos, fascinada, séria. Quanto tempo se passava? Um grande soluço sacudiu-a
desafinado. Ele nem sequer tremeu. Também ela passou por cima do soluço e continuou a fitá-
lo.
Os pêlos de ambos eram curtos, vermelhos.
Que foi que se disseram? Não se sabe. Sabe-se apenas que se comunicaram rapidamente, pois
não havia tempo. Sabe-se também que sem falar eles se pediam. Pediam-se com urgência,
com encabulamento, surpreendidos.
No meio de tanta vaga impossibilidade e de tanto sol, ali estava a solução para a criança
vermelha. E no meio de tantas ruas a serem trotadas, de tantos cães maiores, de tantos
esgotos secos - lá estava uma menina, como se fora carne de sua ruiva carne. Eles se fitavam
profundos, entregues, ausentes de Grajaú. Mais um instante e o suspenso sonho se quebraria,
cedendo talvez à gravidade com que se pediam.
Mas ambos eram comprometidos.
Ela com sua infância impossível, o centro da inocência que só se abriria quando ela fosse uma
mulher. Ele, com sua natureza aprisionada.
A dona esperava impaciente sob o guarda-sol. O basset ruivo afinal despregou-se da menina e
saiu sonâmbulo. Ela ficou espantada, com o acontecimento nas mãos, numa mudez que nem
pai nem mãe compreenderiam. Acompanhou-o com olhos pretos que mal acreditavam,
debruçada sobre a bolsa e os joelhos, até vê-la dobrar a outra esquina.
Mas ele foi mais forte que ela. Nem uma só vez olhou para trás
__________________
Conto extraído de LISPECTOR, Clarice. A legião estrangeira. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.
1. O texto retrata uma situação especial vivida por uma menina. A) o que a menina fazia
   sentada na porta de casa, às duas horas da tarde? B) nos trechos “como se não
   bastasse a claridade das duas horas” e “a cabeça da menina flamejava”, a menina é
   associada ao sol ou à luz solar. Em que se baseia essa associação?



2. Releia este trecho: “Numa terra de morenos, ser ruivo era uma revolta involuntária.
   Que importava se num dia futuro sua marca ia fazê-la erguer insolente uma cabeça
   de mulher?” Conforme o ponto de vista do narrador: A) como a menina
   provavelmente se sentia em relação a outras pessoas? B) no futuro, o que a
   característica física da personagem poderia significar para ela?




3. O narrador, em certo momento, deixa transparecer sua participação na história
   narrada, embota num papel secundário. A) identifique no texto um trecho que
   evidencia a presença do narrador como personagem.




4. A chegada de um cão basset provoca uma mudança na cena inicial. A) qual a reação da
   menina e do cão quando se veem? Justifique sua resposta com elementos do texto. B)
   qual o motivo dessa reação? C) Que palavras ou expressões do 7º parágrafo
   confirmam sua resposta anterior, sugerindo uma identificação total entre as duas
   personagens?




5. Com base nos dois últimos parágrafos, responda: A) o que o encontro representou
   para a menina? B) Que palavras dão a entender que a menina também exerceu uma
   forte atração no cão? C) a menina acompanhou com o olhar a partida do cão. Por que,
   entretanto, ele não olhou para trás?




6. Entre as afirmações a seguir, qual se aplica melhor ao texto lido?

    a) Assim como as narrativas do século XIX, o texto lido está preocupado em recriar
       com precisão as ações das personagens, os diálogos, o tempo e o espaço.

    b) Mais do que as ações, o texto valoriza a riqueza interior das personagens –
       destacando como a solidão e a descoberta do outro – e a beleza poética de
       instantes do cotidiano.

    c) Embora seja uma história ficcional, a finalidade principal do texto é denunciar o
       problema do preconceito vivido por pessoas consideradas diferentes da maioria.

    d) De modo simbólico, o texto acaba promovendo uma reflexão sobre o amor entre
       duas pessoas.
e)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Amor, conto de Clarice Lispector
Amor, conto de Clarice LispectorAmor, conto de Clarice Lispector
Amor, conto de Clarice Lispector
Faço livros por encomenda
 
D7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdf
D7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdfD7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdf
D7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdf
Rayanne Costa
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
Gracita Fraga
 
Atividades cordel (1)
Atividades cordel (1)Atividades cordel (1)
Atividades cordel (1)
Atividades Diversas Cláudia
 
Sonetos . Produção Textual de Alunos do 8° ano do Ensino Fundamental da Escol...
Sonetos . Produção Textual de Alunos do 8° ano do Ensino Fundamental da Escol...Sonetos . Produção Textual de Alunos do 8° ano do Ensino Fundamental da Escol...
Sonetos . Produção Textual de Alunos do 8° ano do Ensino Fundamental da Escol...
Seduc MT
 
Atividades sobre substantivo, adjetivo, numeral
Atividades sobre substantivo, adjetivo, numeralAtividades sobre substantivo, adjetivo, numeral
Atividades sobre substantivo, adjetivo, numeral
Professora sonhadora
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
GernciadeProduodeMat
 
HUMOR, IRONIA E CRÍTICA EM TEXTOS MULTISSEMIÓTICOS.pptx
HUMOR, IRONIA E CRÍTICA EM TEXTOS MULTISSEMIÓTICOS.pptxHUMOR, IRONIA E CRÍTICA EM TEXTOS MULTISSEMIÓTICOS.pptx
HUMOR, IRONIA E CRÍTICA EM TEXTOS MULTISSEMIÓTICOS.pptx
Marcela Apolonio
 
4. generos textuais aula 3
4. generos textuais   aula 34. generos textuais   aula 3
4. generos textuais aula 3
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
Myllenne Abreu
 
Poema e poesia - 7º ano.pdf
Poema e poesia - 7º ano.pdfPoema e poesia - 7º ano.pdf
Poema e poesia - 7º ano.pdf
Caroline Assis
 
FIGURAS DE LINGUAGEM
FIGURAS DE LINGUAGEM FIGURAS DE LINGUAGEM
FIGURAS DE LINGUAGEM
Paula Meyer Piagentini
 
Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...
Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...
Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...
JohnJeffersonAlves1
 
Plano de curso produção textual - 7ºano
Plano de curso   produção textual - 7ºanoPlano de curso   produção textual - 7ºano
Plano de curso produção textual - 7ºano
nandatinoco
 
Cora coralina
Cora coralinaCora coralina
Cora coralina
Diego Alcantara
 
Jogo Pedagógico sobre "Advérbios".
Jogo Pedagógico sobre "Advérbios". Jogo Pedagógico sobre "Advérbios".
Jogo Pedagógico sobre "Advérbios".
Paula Meyer Piagentini
 
Texto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativoTexto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativo
Cicero Luciano
 
Figuras de Linguagem
Figuras de Linguagem Figuras de Linguagem
Figuras de Linguagem
lumeloczs
 
Carta do leitor
Carta do leitorCarta do leitor
Carta do leitor
Rosângela Ferreira Luz
 
Exercicio variacao linguistica_2
Exercicio variacao linguistica_2Exercicio variacao linguistica_2
Exercicio variacao linguistica_2
Isabella Silva
 

Mais procurados (20)

Amor, conto de Clarice Lispector
Amor, conto de Clarice LispectorAmor, conto de Clarice Lispector
Amor, conto de Clarice Lispector
 
D7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdf
D7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdfD7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdf
D7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdf
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
 
Atividades cordel (1)
Atividades cordel (1)Atividades cordel (1)
Atividades cordel (1)
 
Sonetos . Produção Textual de Alunos do 8° ano do Ensino Fundamental da Escol...
Sonetos . Produção Textual de Alunos do 8° ano do Ensino Fundamental da Escol...Sonetos . Produção Textual de Alunos do 8° ano do Ensino Fundamental da Escol...
Sonetos . Produção Textual de Alunos do 8° ano do Ensino Fundamental da Escol...
 
Atividades sobre substantivo, adjetivo, numeral
Atividades sobre substantivo, adjetivo, numeralAtividades sobre substantivo, adjetivo, numeral
Atividades sobre substantivo, adjetivo, numeral
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
 
HUMOR, IRONIA E CRÍTICA EM TEXTOS MULTISSEMIÓTICOS.pptx
HUMOR, IRONIA E CRÍTICA EM TEXTOS MULTISSEMIÓTICOS.pptxHUMOR, IRONIA E CRÍTICA EM TEXTOS MULTISSEMIÓTICOS.pptx
HUMOR, IRONIA E CRÍTICA EM TEXTOS MULTISSEMIÓTICOS.pptx
 
4. generos textuais aula 3
4. generos textuais   aula 34. generos textuais   aula 3
4. generos textuais aula 3
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
 
Poema e poesia - 7º ano.pdf
Poema e poesia - 7º ano.pdfPoema e poesia - 7º ano.pdf
Poema e poesia - 7º ano.pdf
 
FIGURAS DE LINGUAGEM
FIGURAS DE LINGUAGEM FIGURAS DE LINGUAGEM
FIGURAS DE LINGUAGEM
 
Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...
Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...
Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...
 
Plano de curso produção textual - 7ºano
Plano de curso   produção textual - 7ºanoPlano de curso   produção textual - 7ºano
Plano de curso produção textual - 7ºano
 
Cora coralina
Cora coralinaCora coralina
Cora coralina
 
Jogo Pedagógico sobre "Advérbios".
Jogo Pedagógico sobre "Advérbios". Jogo Pedagógico sobre "Advérbios".
Jogo Pedagógico sobre "Advérbios".
 
Texto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativoTexto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativo
 
Figuras de Linguagem
Figuras de Linguagem Figuras de Linguagem
Figuras de Linguagem
 
Carta do leitor
Carta do leitorCarta do leitor
Carta do leitor
 
Exercicio variacao linguistica_2
Exercicio variacao linguistica_2Exercicio variacao linguistica_2
Exercicio variacao linguistica_2
 

Destaque

Apresentação do Núcleo Felicidade Clandestina
Apresentação do Núcleo Felicidade ClandestinaApresentação do Núcleo Felicidade Clandestina
Apresentação do Núcleo Felicidade Clandestina
Colabori
 
Exercicio tabela periodica
Exercicio tabela periodicaExercicio tabela periodica
Exercicio tabela periodica
Luiz Carlos Vieira
 
Tentação (1)
Tentação (1)Tentação (1)
Tentação (1)
Giulliana Vieira Rocha
 
Hídrias: Dora Ferreira da Silva e os mitos gregos
Hídrias: Dora Ferreira da Silva e os mitos gregosHídrias: Dora Ferreira da Silva e os mitos gregos
Hídrias: Dora Ferreira da Silva e os mitos gregos
Jamille Rabelo
 
Mito e poesia
Mito e poesiaMito e poesia
Mito e poesia
Jamille Rabelo
 
Preconceito linguístico
Preconceito linguísticoPreconceito linguístico
Preconceito linguístico
Jamille Rabelo
 
Prática de metodologia do ensino de leitura
Prática de metodologia do ensino de leituraPrática de metodologia do ensino de leitura
Prática de metodologia do ensino de leitura
Jamille Rabelo
 
Clarice Lispector
Clarice Lispector Clarice Lispector
Clarice Lispector
Tomás Pinto
 
Slide clarice lispector -
Slide clarice lispector -Slide clarice lispector -
Slide clarice lispector -
Joice Holanda
 
Conceito generos-e-poetica
Conceito generos-e-poeticaConceito generos-e-poetica
Conceito generos-e-poetica
Ludmiilaa
 
Clarice lispector
Clarice lispectorClarice lispector
Clarice lispector
Liz Blascovich
 
Miguel Torga (ExposiçãO Com Poemas Com Estrofes Dos Alunos Do 10 º Ano Em 200...
Miguel Torga (ExposiçãO Com Poemas Com Estrofes Dos Alunos Do 10 º Ano Em 200...Miguel Torga (ExposiçãO Com Poemas Com Estrofes Dos Alunos Do 10 º Ano Em 200...
Miguel Torga (ExposiçãO Com Poemas Com Estrofes Dos Alunos Do 10 º Ano Em 200...
luisprista
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
Taty Ny
 
CURSO COMPLETO DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
CURSO COMPLETO DE INTERPRETAÇÃO TEXTUALCURSO COMPLETO DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
CURSO COMPLETO DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
Antônio Fernandes
 
Caderno do Aluno Física 1 Ano vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno Física 1 Ano vol 2 2014-2017Caderno do Aluno Física 1 Ano vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno Física 1 Ano vol 2 2014-2017
Diogo Santos
 
A (nova) literatura marginal (das periferias)
A (nova) literatura marginal (das periferias)A (nova) literatura marginal (das periferias)
A (nova) literatura marginal (das periferias)
ma.no.el.ne.ves
 
O realismo e o naturalismo no brasil
O realismo e o naturalismo no brasilO realismo e o naturalismo no brasil
O realismo e o naturalismo no brasil
hipolitus
 
O tropicalismo
O tropicalismoO tropicalismo
O tropicalismo
ma.no.el.ne.ves
 
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machado
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machadoLirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machado
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machado
ma.no.el.ne.ves
 
Questões de figuras de linguagem na aocp 2
Questões de figuras de linguagem na aocp 2Questões de figuras de linguagem na aocp 2
Questões de figuras de linguagem na aocp 2
ma.no.el.ne.ves
 

Destaque (20)

Apresentação do Núcleo Felicidade Clandestina
Apresentação do Núcleo Felicidade ClandestinaApresentação do Núcleo Felicidade Clandestina
Apresentação do Núcleo Felicidade Clandestina
 
Exercicio tabela periodica
Exercicio tabela periodicaExercicio tabela periodica
Exercicio tabela periodica
 
Tentação (1)
Tentação (1)Tentação (1)
Tentação (1)
 
Hídrias: Dora Ferreira da Silva e os mitos gregos
Hídrias: Dora Ferreira da Silva e os mitos gregosHídrias: Dora Ferreira da Silva e os mitos gregos
Hídrias: Dora Ferreira da Silva e os mitos gregos
 
Mito e poesia
Mito e poesiaMito e poesia
Mito e poesia
 
Preconceito linguístico
Preconceito linguísticoPreconceito linguístico
Preconceito linguístico
 
Prática de metodologia do ensino de leitura
Prática de metodologia do ensino de leituraPrática de metodologia do ensino de leitura
Prática de metodologia do ensino de leitura
 
Clarice Lispector
Clarice Lispector Clarice Lispector
Clarice Lispector
 
Slide clarice lispector -
Slide clarice lispector -Slide clarice lispector -
Slide clarice lispector -
 
Conceito generos-e-poetica
Conceito generos-e-poeticaConceito generos-e-poetica
Conceito generos-e-poetica
 
Clarice lispector
Clarice lispectorClarice lispector
Clarice lispector
 
Miguel Torga (ExposiçãO Com Poemas Com Estrofes Dos Alunos Do 10 º Ano Em 200...
Miguel Torga (ExposiçãO Com Poemas Com Estrofes Dos Alunos Do 10 º Ano Em 200...Miguel Torga (ExposiçãO Com Poemas Com Estrofes Dos Alunos Do 10 º Ano Em 200...
Miguel Torga (ExposiçãO Com Poemas Com Estrofes Dos Alunos Do 10 º Ano Em 200...
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
CURSO COMPLETO DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
CURSO COMPLETO DE INTERPRETAÇÃO TEXTUALCURSO COMPLETO DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
CURSO COMPLETO DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
 
Caderno do Aluno Física 1 Ano vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno Física 1 Ano vol 2 2014-2017Caderno do Aluno Física 1 Ano vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno Física 1 Ano vol 2 2014-2017
 
A (nova) literatura marginal (das periferias)
A (nova) literatura marginal (das periferias)A (nova) literatura marginal (das periferias)
A (nova) literatura marginal (das periferias)
 
O realismo e o naturalismo no brasil
O realismo e o naturalismo no brasilO realismo e o naturalismo no brasil
O realismo e o naturalismo no brasil
 
O tropicalismo
O tropicalismoO tropicalismo
O tropicalismo
 
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machado
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machadoLirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machado
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machado
 
Questões de figuras de linguagem na aocp 2
Questões de figuras de linguagem na aocp 2Questões de figuras de linguagem na aocp 2
Questões de figuras de linguagem na aocp 2
 

Semelhante a Conto "Tentação", de Clarice Lispector

Exame final
Exame finalExame final
Exame final
Juh Bezerra
 
Atividades de leitura e interpretação de textos profª clarice
Atividades de leitura e interpretação de textos   profª clariceAtividades de leitura e interpretação de textos   profª clarice
Atividades de leitura e interpretação de textos profª clarice
Clarice Escouto Santos
 
Atividades Portugues
Atividades PortuguesAtividades Portugues
Atividades Portugues
Helene Tatsch
 
Capitulo primavera inicio
Capitulo primavera inicioCapitulo primavera inicio
Capitulo primavera inicio
Ofélia Franco
 
Aula 2 pdf.pdf
Aula 2 pdf.pdfAula 2 pdf.pdf
Aula 2 pdf.pdf
EdmarCarlos7
 
Academia ENEM - Aulão de Véspera ENEM 2020.pptx
Academia ENEM - Aulão de Véspera ENEM 2020.pptxAcademia ENEM - Aulão de Véspera ENEM 2020.pptx
Academia ENEM - Aulão de Véspera ENEM 2020.pptx
ClaudioMarcio34
 
1 4918339399097254230
1 49183393990972542301 4918339399097254230
1 4918339399097254230
Professora sonhadora
 
Mayrant gallo por costa pinto
Mayrant gallo por costa pintoMayrant gallo por costa pinto
Mayrant gallo por costa pinto
gabriellealano
 
Dias de verão a4
Dias de verão a4Dias de verão a4
Dias de verão a4
rgrecia
 
Universidade estadual da paraíba pibid
Universidade estadual da paraíba   pibidUniversidade estadual da paraíba   pibid
Universidade estadual da paraíba pibid
Maria das Dores Justo
 
Conto
ContoConto
Roteiro de atividades
Roteiro de atividadesRoteiro de atividades
Roteiro de atividades
LeleMendes
 
O reino das vozes que não se calam
O reino das vozes que não se calamO reino das vozes que não se calam
O reino das vozes que não se calam
f t
 
A maquina de contar historias trecho
A maquina de contar historias trechoA maquina de contar historias trecho
A maquina de contar historias trecho
LuhFigueiredos
 
Modernismo_Brasileiro_3a_Fase_Lista_de_Exercicios_Literatura_ENEM (1).pdf
Modernismo_Brasileiro_3a_Fase_Lista_de_Exercicios_Literatura_ENEM (1).pdfModernismo_Brasileiro_3a_Fase_Lista_de_Exercicios_Literatura_ENEM (1).pdf
Modernismo_Brasileiro_3a_Fase_Lista_de_Exercicios_Literatura_ENEM (1).pdf
CyntiaJorge
 
O outro lado da Cidade
O outro lado da CidadeO outro lado da Cidade
O outro lado da Cidade
Aquário Editorial
 
174626
174626174626
174626
Fabio callou
 
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos Reis
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos ReisTrabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos Reis
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos Reis
Marcus Rodrigues
 
7 artigo _ebe_maria_e_goiandira_formatado_rafa
7 artigo _ebe_maria_e_goiandira_formatado_rafa7 artigo _ebe_maria_e_goiandira_formatado_rafa
7 artigo _ebe_maria_e_goiandira_formatado_rafa
Franciele Rosa
 
Simulado 11 (port. 5º ano)
Simulado 11 (port. 5º ano)Simulado 11 (port. 5º ano)
Simulado 11 (port. 5º ano)
Cidinha Paulo
 

Semelhante a Conto "Tentação", de Clarice Lispector (20)

Exame final
Exame finalExame final
Exame final
 
Atividades de leitura e interpretação de textos profª clarice
Atividades de leitura e interpretação de textos   profª clariceAtividades de leitura e interpretação de textos   profª clarice
Atividades de leitura e interpretação de textos profª clarice
 
Atividades Portugues
Atividades PortuguesAtividades Portugues
Atividades Portugues
 
Capitulo primavera inicio
Capitulo primavera inicioCapitulo primavera inicio
Capitulo primavera inicio
 
Aula 2 pdf.pdf
Aula 2 pdf.pdfAula 2 pdf.pdf
Aula 2 pdf.pdf
 
Academia ENEM - Aulão de Véspera ENEM 2020.pptx
Academia ENEM - Aulão de Véspera ENEM 2020.pptxAcademia ENEM - Aulão de Véspera ENEM 2020.pptx
Academia ENEM - Aulão de Véspera ENEM 2020.pptx
 
1 4918339399097254230
1 49183393990972542301 4918339399097254230
1 4918339399097254230
 
Mayrant gallo por costa pinto
Mayrant gallo por costa pintoMayrant gallo por costa pinto
Mayrant gallo por costa pinto
 
Dias de verão a4
Dias de verão a4Dias de verão a4
Dias de verão a4
 
Universidade estadual da paraíba pibid
Universidade estadual da paraíba   pibidUniversidade estadual da paraíba   pibid
Universidade estadual da paraíba pibid
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Roteiro de atividades
Roteiro de atividadesRoteiro de atividades
Roteiro de atividades
 
O reino das vozes que não se calam
O reino das vozes que não se calamO reino das vozes que não se calam
O reino das vozes que não se calam
 
A maquina de contar historias trecho
A maquina de contar historias trechoA maquina de contar historias trecho
A maquina de contar historias trecho
 
Modernismo_Brasileiro_3a_Fase_Lista_de_Exercicios_Literatura_ENEM (1).pdf
Modernismo_Brasileiro_3a_Fase_Lista_de_Exercicios_Literatura_ENEM (1).pdfModernismo_Brasileiro_3a_Fase_Lista_de_Exercicios_Literatura_ENEM (1).pdf
Modernismo_Brasileiro_3a_Fase_Lista_de_Exercicios_Literatura_ENEM (1).pdf
 
O outro lado da Cidade
O outro lado da CidadeO outro lado da Cidade
O outro lado da Cidade
 
174626
174626174626
174626
 
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos Reis
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos ReisTrabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos Reis
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos Reis
 
7 artigo _ebe_maria_e_goiandira_formatado_rafa
7 artigo _ebe_maria_e_goiandira_formatado_rafa7 artigo _ebe_maria_e_goiandira_formatado_rafa
7 artigo _ebe_maria_e_goiandira_formatado_rafa
 
Simulado 11 (port. 5º ano)
Simulado 11 (port. 5º ano)Simulado 11 (port. 5º ano)
Simulado 11 (port. 5º ano)
 

Mais de Jomari

O Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
O Jovem e o seu Direito de AprendizagemO Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
O Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
Jomari
 
Período Literário Romantismo Português
Período Literário Romantismo PortuguêsPeríodo Literário Romantismo Português
Período Literário Romantismo Português
Jomari
 
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino MédioConteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
Jomari
 
Conteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino MédioConteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino Médio
Jomari
 
Slide Gênero Textual Notícia
Slide Gênero Textual NotíciaSlide Gênero Textual Notícia
Slide Gênero Textual Notícia
Jomari
 
Prova 2 bim - ENSINO MÉDIO
Prova 2  bim - ENSINO MÉDIOProva 2  bim - ENSINO MÉDIO
Prova 2 bim - ENSINO MÉDIO
Jomari
 
Prova 1 bim - ENSINO MÉDIO
Prova 1  bim - ENSINO MÉDIOProva 1  bim - ENSINO MÉDIO
Prova 1 bim - ENSINO MÉDIO
Jomari
 
Estrutura das Palavras
Estrutura das PalavrasEstrutura das Palavras
Estrutura das Palavras
Jomari
 
Slide Regras Acentuação Língua Portuguesa
Slide Regras Acentuação Língua PortuguesaSlide Regras Acentuação Língua Portuguesa
Slide Regras Acentuação Língua Portuguesa
Jomari
 
Atividades de Revisão de Ortografia
Atividades de Revisão de OrtografiaAtividades de Revisão de Ortografia
Atividades de Revisão de Ortografia
Jomari
 
Aula Gênero Textual Lenda
Aula Gênero Textual LendaAula Gênero Textual Lenda
Aula Gênero Textual Lenda
Jomari
 
Slide Genero Textual Estatuto
Slide Genero Textual EstatutoSlide Genero Textual Estatuto
Slide Genero Textual Estatuto
Jomari
 
Prova frase oração período
Prova frase oração períodoProva frase oração período
Prova frase oração período
Jomari
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Jomari
 
Literatura Portuguesa Trovadorismo
Literatura Portuguesa TrovadorismoLiteratura Portuguesa Trovadorismo
Literatura Portuguesa Trovadorismo
Jomari
 
Quadro geral do desenvolvimento das literaturas portuguesa e
Quadro geral do desenvolvimento das literaturas portuguesa eQuadro geral do desenvolvimento das literaturas portuguesa e
Quadro geral do desenvolvimento das literaturas portuguesa e
Jomari
 
Slide os gêneros literários
Slide os gêneros literáriosSlide os gêneros literários
Slide os gêneros literários
Jomari
 
Estrutura das palavras
Estrutura das palavrasEstrutura das palavras
Estrutura das palavras
Jomari
 
Como Escrever um Artigo
Como Escrever um ArtigoComo Escrever um Artigo
Como Escrever um Artigo
Jomari
 
Intertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e ParáfraseIntertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e Paráfrase
Jomari
 

Mais de Jomari (20)

O Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
O Jovem e o seu Direito de AprendizagemO Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
O Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
 
Período Literário Romantismo Português
Período Literário Romantismo PortuguêsPeríodo Literário Romantismo Português
Período Literário Romantismo Português
 
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino MédioConteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
 
Conteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino MédioConteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 1o. Ano Ensino Médio
 
Slide Gênero Textual Notícia
Slide Gênero Textual NotíciaSlide Gênero Textual Notícia
Slide Gênero Textual Notícia
 
Prova 2 bim - ENSINO MÉDIO
Prova 2  bim - ENSINO MÉDIOProva 2  bim - ENSINO MÉDIO
Prova 2 bim - ENSINO MÉDIO
 
Prova 1 bim - ENSINO MÉDIO
Prova 1  bim - ENSINO MÉDIOProva 1  bim - ENSINO MÉDIO
Prova 1 bim - ENSINO MÉDIO
 
Estrutura das Palavras
Estrutura das PalavrasEstrutura das Palavras
Estrutura das Palavras
 
Slide Regras Acentuação Língua Portuguesa
Slide Regras Acentuação Língua PortuguesaSlide Regras Acentuação Língua Portuguesa
Slide Regras Acentuação Língua Portuguesa
 
Atividades de Revisão de Ortografia
Atividades de Revisão de OrtografiaAtividades de Revisão de Ortografia
Atividades de Revisão de Ortografia
 
Aula Gênero Textual Lenda
Aula Gênero Textual LendaAula Gênero Textual Lenda
Aula Gênero Textual Lenda
 
Slide Genero Textual Estatuto
Slide Genero Textual EstatutoSlide Genero Textual Estatuto
Slide Genero Textual Estatuto
 
Prova frase oração período
Prova frase oração períodoProva frase oração período
Prova frase oração período
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Literatura Portuguesa Trovadorismo
Literatura Portuguesa TrovadorismoLiteratura Portuguesa Trovadorismo
Literatura Portuguesa Trovadorismo
 
Quadro geral do desenvolvimento das literaturas portuguesa e
Quadro geral do desenvolvimento das literaturas portuguesa eQuadro geral do desenvolvimento das literaturas portuguesa e
Quadro geral do desenvolvimento das literaturas portuguesa e
 
Slide os gêneros literários
Slide os gêneros literáriosSlide os gêneros literários
Slide os gêneros literários
 
Estrutura das palavras
Estrutura das palavrasEstrutura das palavras
Estrutura das palavras
 
Como Escrever um Artigo
Como Escrever um ArtigoComo Escrever um Artigo
Como Escrever um Artigo
 
Intertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e ParáfraseIntertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e Paráfrase
 

Conto "Tentação", de Clarice Lispector

  • 1. Profª Jociane Araujo Peres da Luz. – Língua Portuguesa TENTAÇÃO , de Clarice Lispector Ela estava com soluço. E como se não bastasse a claridade das duas horas, ela era ruiva. Na rua vazia as pedras vibravam de calor - a cabeça da menina flamejava. Sentada nos degraus de sua casa, ela suportava. Ninguém na rua, só uma pessoa esperando inutilmente no ponto do bonde. E como se não bastasse seu olhar submisso e paciente, o soluço a interrompia de momento a momento, abalando o queixo que se apoiava conformado na mão. Que fazer de uma menina ruiva com soluço? Olhamo-nos sem palavras, desalento contra desalento. Na rua deserta nenhum sinal de bonde. Numa terra de morenos, ser ruivo era uma revolta involuntária. Que importava se num dia futuro sua marca ia fazê-la erguer insolente uma cabeça de mulher? Por enquanto ela estava sentada num degrau faiscante da porta, às duas horas. O que a salvava era uma bolsa velha de senhora, com alça partida. Segurava-a com um amor conjugal já habituado, apertando-a contra os joelhos. Foi quando se aproximou a sua outra metade neste mundo, um irmão em Grajaú. A possibilidade de comunicação surgiu no ângulo quente da esquina, acompanhando uma senhora, e encarnada na figura de um cão. Era um basset lindo e miserável, doce sob a sua fatalidade. Era um basset ruivo. Lá vinha ele trotando, à frente de sua dona, arrastando seu comprimento. Desprevenido, acostumado, cachorro. A menina abriu os olhos pasmada. Suavemente avisado, o cachorro estacou diante dela. Sua língua vibrava. Ambos se olhavam. Entre tantos seres que estão prontos para se tornarem donos de outro ser, lá estava a menina que viera ao mundo para ter aquele cachorro. Ele fremia suavemente, sem latir. Ela olhava-o sob os cabelos, fascinada, séria. Quanto tempo se passava? Um grande soluço sacudiu-a desafinado. Ele nem sequer tremeu. Também ela passou por cima do soluço e continuou a fitá- lo. Os pêlos de ambos eram curtos, vermelhos. Que foi que se disseram? Não se sabe. Sabe-se apenas que se comunicaram rapidamente, pois não havia tempo. Sabe-se também que sem falar eles se pediam. Pediam-se com urgência, com encabulamento, surpreendidos. No meio de tanta vaga impossibilidade e de tanto sol, ali estava a solução para a criança vermelha. E no meio de tantas ruas a serem trotadas, de tantos cães maiores, de tantos esgotos secos - lá estava uma menina, como se fora carne de sua ruiva carne. Eles se fitavam profundos, entregues, ausentes de Grajaú. Mais um instante e o suspenso sonho se quebraria, cedendo talvez à gravidade com que se pediam. Mas ambos eram comprometidos. Ela com sua infância impossível, o centro da inocência que só se abriria quando ela fosse uma mulher. Ele, com sua natureza aprisionada. A dona esperava impaciente sob o guarda-sol. O basset ruivo afinal despregou-se da menina e saiu sonâmbulo. Ela ficou espantada, com o acontecimento nas mãos, numa mudez que nem pai nem mãe compreenderiam. Acompanhou-o com olhos pretos que mal acreditavam, debruçada sobre a bolsa e os joelhos, até vê-la dobrar a outra esquina. Mas ele foi mais forte que ela. Nem uma só vez olhou para trás __________________ Conto extraído de LISPECTOR, Clarice. A legião estrangeira. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.
  • 2. 1. O texto retrata uma situação especial vivida por uma menina. A) o que a menina fazia sentada na porta de casa, às duas horas da tarde? B) nos trechos “como se não bastasse a claridade das duas horas” e “a cabeça da menina flamejava”, a menina é associada ao sol ou à luz solar. Em que se baseia essa associação? 2. Releia este trecho: “Numa terra de morenos, ser ruivo era uma revolta involuntária. Que importava se num dia futuro sua marca ia fazê-la erguer insolente uma cabeça de mulher?” Conforme o ponto de vista do narrador: A) como a menina provavelmente se sentia em relação a outras pessoas? B) no futuro, o que a característica física da personagem poderia significar para ela? 3. O narrador, em certo momento, deixa transparecer sua participação na história narrada, embota num papel secundário. A) identifique no texto um trecho que evidencia a presença do narrador como personagem. 4. A chegada de um cão basset provoca uma mudança na cena inicial. A) qual a reação da menina e do cão quando se veem? Justifique sua resposta com elementos do texto. B) qual o motivo dessa reação? C) Que palavras ou expressões do 7º parágrafo confirmam sua resposta anterior, sugerindo uma identificação total entre as duas personagens? 5. Com base nos dois últimos parágrafos, responda: A) o que o encontro representou para a menina? B) Que palavras dão a entender que a menina também exerceu uma forte atração no cão? C) a menina acompanhou com o olhar a partida do cão. Por que, entretanto, ele não olhou para trás? 6. Entre as afirmações a seguir, qual se aplica melhor ao texto lido? a) Assim como as narrativas do século XIX, o texto lido está preocupado em recriar com precisão as ações das personagens, os diálogos, o tempo e o espaço. b) Mais do que as ações, o texto valoriza a riqueza interior das personagens – destacando como a solidão e a descoberta do outro – e a beleza poética de instantes do cotidiano. c) Embora seja uma história ficcional, a finalidade principal do texto é denunciar o problema do preconceito vivido por pessoas consideradas diferentes da maioria. d) De modo simbólico, o texto acaba promovendo uma reflexão sobre o amor entre duas pessoas.
  • 3. e)