SlideShare uma empresa Scribd logo
TIPOS DE LINGUAGEM
Professora Paula Meyer
LINGUAGEM DENOTATIVA
Sentido REAL (Dicionário)
Exemplo: Minha geladeira quebrou.
LINGUAGEM CONOTATIVA
Sentido FIGURADO
Exemplo: Minha namorada é uma geladeira.
Exercícios:
1. Leia as frasesa seguir,observando atentamente a palavra destacada;em seguida,
escreva se ela está no sentido denotativo (literal) ou conotativo (figurado).
a) O doce de leite está uma delícia.
b) Aquela garota é um doce de pessoa.
c) Aquela menina é uma flor.
d) Aquela flor é a mais linda do seu jardim.
e) Eu morro de medo de gato.
f) Meu namorado é um gato.
g) Minha irmã é fera em língua portuguesa.
h) Os domadores conseguiram prender a fera na jaula.
i) O pássaro voava pelo céu da cidade.
j) O carro voava com o seu carro esporte.
k) Eu quero ser uma estrela de cinema.
l) Olha que linda aquela estrela no céu.
m) O Sol é estrela central do Sistema Solar.
n) Você é o sol da minha vida.
o) Estamos estudando os ossos do crânio.
p) Ele é mesmo um crânio!
q) João quebrou a cara com o investimento que fez!
r) Ontem, Rafael quebrou o vaso!
s) Aquela mulher é uma cobra!
t) Eu morro de medo de cobra.
2. As composições abaixo estão no sentido conotativo ou denotativo?
“Chora minh'alma
Como um pássaro
De asas machucadas
Nos meus sonhos
Te procuro
Chora minh'alma”
Choram as Rosas – Bruno e
Marrone
“Cadê sua
responsabilidade?
No seu lugar eu teria
vergonha”
Presepada – Maiara e Maraisa /
Marília Mendonça
“Vou engolir meu
coração pra me amar por
dentro
Que nós dois sabemos
que tanto sofrimento
É perda de tempo, é
perda de tempo”
Ilha - Luan Santana
3. Com base na charge abaixo, faça o que se pede.
a) Qual cena está no sentido conotativo e qual está no denotativo?
b) Utilize as seguintes palavras para criar frases no sentido conotativo e no
sentido denotativo.
LEÃO / CABEÇA / DOCE / TARTARUGA
FIGURAS DE LINGUAGEM
Professora Paula Meyer
ANTÍTESE
Ideias opostas /
contrárias
PROSOPOPEIA
PERSONIFICAÇÃO
Atribui características
humanas a seres
inanimados.
HIPÉRBOLE
Exagero intencional.
Exemplo: Estou morrendo
de sede!
EUFEMISMO
Tenta suavizar a
linguagem.
Exemplo: Ele passou desta
para uma melhor!
METÁFORA
Estabelece uma
aproximação entre dois
termos.
Exemplo: Ela é uma cobra!
METONÍMIA
Substituição de uma
palavra por outra com o
sentido relacionado.
Exercícios:
1. Quais as figuras de linguagem das frases abaixo?
a) Li Machado de Assis ontem. (Metonímia)
b) A casa deles é uma prisão. (Metáfora)
c) Meus sentimentos! Agora, ela está descansando! (Eufemismo)
d) Estou morrendo de fome! (Hipérbole)
e) As ondas beijavam a areia. (Personificação)
g)O leite está quente e o café gelado. (Antítese)
h)As folhas bailavam alegremente. (Personificação)
i) Eu já te falei um milhão de vezes que eu não gosto disso. (Hipérbole)
j) As folhas bailavam alegremente. (Personificação)
k) As pedras andavam vagarosamente. (Personificação)
i) Eu já te falei um milhão de vezes que eu não gosto disso. (Hipérbole)
l) Ele está um pouco cheinho. (Eufemismo)
m) Ele é desprovido de beleza. (Eufemismo)
n)Minha irmã é uma flor! (Metáfora)
o) Ele virou uma estrelinha e estará sempre em nosso coração! (Eufemismo)
p) Vou tirar uma xerox. (Metonímia)
q)Fernanda morria de trabalhar. (Hipérbole)
r)A atriz tirou a sua própria vida. (Eufemismo)
s)Fernanda morria de trabalhar. (Hipérbole)
t) Estou morrendo de dor de cabeça! (Eufemismo)
u)Bonito para mim, feio para ela. (Antítese)
v) Ele é um gato! (Metáfora)
w) Preciso comprar Danone! (Metonímia)
x) Implorei o seu perdão mil vezes! (Hipérbole)
y) As árvores se abraçam! (Personificação)
z) Eu vou morrer de amor! (Hipérbole)
2. DESAFIO DAS MÚSICAS!
DESAFIO DAS MÚSICAS
Professora Paula Meyer
“Cedo ou tarde a gente vai se
encontrar
Tenho certeza, numa bem
melhor”
“Cedo ou Tarde” – NX ZERO
ANTÍTESE
“E toda vez que você sai
O mundo se distrai
Quem ficar, ficou
Quem foi, vai, vai”
“O Sol” – Victor Kley
PERSONIFICAÇÃO
“Eu nunca mais vou respirar
Se você não me notar
Eu posso até morrer de
fome
Se você não me amar”
“Exagerado” – Cazuza
HIPÉRBOLE
“Sei que agora deve estar
Impressionando os anjos
Com sua risada”
“Impressionando os Anjos” – Gustavo Mioto
EUFEMISMO
“Dona Maria
Deixa eu namorar a sua
filha
Vai me desculpando a
ousadia
Essa menina é um desenho
no céu”
“Dona Maria” – Thiago Brava
METÁFORA
“Até ver o seu nome escrito
na lata de Coca-Cola
Em uma cadeira de aço
enferrujada e bebendo
Cada copo americano
enganava o meu sofrimento”
“Cadeira de Aço” – Zé Neto e Cristiano
METONÍMIA
O dono da bola / Ruth Rocha
O nosso time estava cheio de amigos. O que nós não
tínhamos era a bola de futebol. Só bola de meia, mas não é a
mesma coisa.
Bom mesmo é bola de couro, como a do Caloca.
Mas, toda vez que nós íamos jogar com Caloca, acontecia a
mesma coisa. E era só o juiz marcar qualquer falta do Caloca
que ele gritava logo:
– Assim eu não jogo mais! Dá aqui a minha bola!
– Ah, Caloca, não vá embora, tenha espírito esportivo, jogo é
jogo…
– Espírito esportivo, nada! – berrava Caloca. – E não me
chame de Caloca, já falei mil vezes que meu nome é Carlos
Alberto!
E assim, Carlos Alberto acabava com tudo que era jogo.
A coisa começou a complicar mesmo, quando resolvemos
entrar no campeonato do nosso bairro. Nós precisávamos
treinar com bola de verdade para não estranhar na hora do
jogo.
Mas os treinos nunca chegavam ao fim. Carlos Alberto
estava sempre procurando encrenca:
– Se o Beto jogar de centroavante, eu não jogo!
– Se eu não for o capitão do time, vou embora!
– Se o treino for muito cedo, eu não trago a bola!
E quando não se fazia o que ele queria, já sabe, levava a
bola embora e adeus, treino.
Catapimba, que era o secretário do clube, resolveu fazer
uma reunião:
– Esta reunião é para resolver o caso do Carlos Alberto.
Cada vez que ele se zanga, carrega a bola e acaba com o
treino.
Carlos Alberto pulou, vermelhinho de raiva:
– A bola é minha, eu carrego quantas vezes eu quiser!
– Pois é isso mesmo! – disse o Beto, zangado. – É por isso
que nós não vamos ganhar campeonato nenhum!
– Pois, azar de vocês, eu não jogo mais nessa droga de time,
que nem bola tem.
E Caloca saiu pisando duro, com a bola debaixo do braço.
Aí, Carlos Alberto resolveu jogar bola sozinho. Nós
passávamos pela casa dele e víamos. Ele batia bola com a
parede. Acho que a parede era o único amigo que ele tinha.
Mas eu acho que jogar com a parede não deve ser muito
divertido.
Porque, depois de três dias, o Carlos Alberto não aguentou
mais. Apareceu lá no campinho.
– Se vocês me deixarem jogar, eu empresto a minha bola.
Carlos Alberto estava outro. Jogava direitinho e não criava
caso com ninguém.
E, quando nós ganhamos o jogo final do campeonato, todo
mundo se abraçou gritando:
– Viva o Estrela-d’Alva Futebol Clube!
– Viva!
– Viva o Catapimba!
– Viva!
– Viva o Carlos Alberto!
– Viva!
Então o Carlos Alberto gritou:
– Ei, pessoal, não me chamem de Carlos Alberto! Podem me
chamar de Caloca!
O dono da bola / Ruth Rocha
O nosso time estava cheio de amigos. O que nós não
tínhamos era a bola de futebol. Só bola de meia, mas não é a
mesma coisa.
Bom mesmo é bola de couro, como a do Caloca.
Mas, toda vez que nós íamos jogar com Caloca, acontecia a
mesma coisa. E era só o juiz marcar qualquer falta do Caloca
que ele gritava logo:
– Assim eu não jogo mais! Dá aqui a minha bola!
– Ah, Caloca, não vá embora, tenha espírito esportivo, jogo é
jogo…
– Espírito esportivo, nada! – berrava Caloca. – E não me
chame de Caloca, já falei mil vezes que meu nome é Carlos
Alberto!
E assim, Carlos Alberto acabava com tudo que era jogo.
A coisa começou a complicar mesmo, quando resolvemos
entrar no campeonato do nosso bairro. Nós precisávamos
treinar com bola de verdade para não estranhar na hora do
jogo.
Mas os treinos nunca chegavam ao fim. Carlos Alberto
estava sempre procurando encrenca:
– Se o Beto jogar de centroavante, eu não jogo!
– Se eu não for o capitão do time, vou embora!
– Se o treino for muito cedo, eu não trago a bola!
E quando não se fazia o que ele queria, já sabe, levava a
bola embora e adeus, treino.
Catapimba, que era o secretário do clube, resolveu fazer
uma reunião:
– Esta reunião é para resolver o caso do Carlos Alberto.
Cada vez que ele se zanga, carrega a bola e acaba com o
treino.
Carlos Alberto pulou, vermelhinho de raiva:
– A bola é minha, eu carrego quantas vezes eu quiser!
– Pois é isso mesmo! – disse o Beto, zangado. – É por isso
que nós não vamos ganhar campeonato nenhum!
– Pois, azar de vocês, eu não jogo mais nessa droga de time,
que nem bola tem.
E Caloca saiu pisando duro, com a bola debaixo do braço.
Aí, Carlos Alberto resolveu jogar bola sozinho. Nós
passávamos pela casa dele e víamos. Ele batia bola com a
parede. Acho que a parede era o único amigo que ele tinha.
Mas eu acho que jogar com a parede não deve ser muito
divertido.
Porque, depois de três dias, o Carlos Alberto não aguentou
mais. Apareceu lá no campinho.
– Se vocês me deixarem jogar, eu empresto a minha bola.
Carlos Alberto estava outro. Jogava direitinho e não criava
caso com ninguém.
E, quando nós ganhamos o jogo final do campeonato, todo
mundo se abraçou gritando:
– Viva o Estrela-d’Alva Futebol Clube!
– Viva!
– Viva o Catapimba!
– Viva!
– Viva o Carlos Alberto!
– Viva!
Então o Carlos Alberto gritou:
– Ei, pessoal, não me chamem de Carlos Alberto! Podem me
chamar de Caloca!
Exercícios:
1) Quem narra a história participa dela ou não?
2) Carlos Alberto costumava fazer chantagem e impor condições para emprestar sua bola de
couro. Comprove a afirmação com uma frase retirada do texto.
3) Qual era a finalidade da reunião que Catapimba, o secretário do time, resolveu fazer?
4) Qual era o nome do time?
5) Ao final, o time saiu campeão. Se Carlos Alberto tivesse continuado com o mesmo
comportamento de antes, você acredita que o time sairia vitorioso? Justifique sua resposta.
6) Retire a hipérbole dita por Carlos Alberto.
7) Retire dois substantivos próprios do texto.
8) Retire dois substantivos comuns do texto.
Ruth Machado LousadaRocha é uma escritora brasileira de livros infantis. É membro da Academia
Paulista de Letras desde 25 de outubro de 2007, ocupando a cadeira 38. Formou-se em sociologia
política e começou a trabalhar como orientadora educacional no Colégio Rio Branco.
FIGURAS DE LINGUAGEM
FIGURAS DE LINGUAGEM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ficha de trabalho as conjunções
Ficha de trabalho   as conjunçõesFicha de trabalho   as conjunções
Ficha de trabalho as conjunções
Teresa Rocha
 
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos erros Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Mary Alvarenga
 
52887103 sujeito-e-predicado-exercicios-6º-ano
52887103 sujeito-e-predicado-exercicios-6º-ano52887103 sujeito-e-predicado-exercicios-6º-ano
52887103 sujeito-e-predicado-exercicios-6º-anoSimone de Souza
 
D20 (5º ano mat.)
D20  (5º ano   mat.)D20  (5º ano   mat.)
D20 (5º ano mat.)
Cidinha Paulo
 
Lista de exercício - Numeral
Lista de exercício - NumeralLista de exercício - Numeral
Lista de exercício - Numeral
Prof Palmito Rocha
 
Exercícios vocativo com gabarito
Exercícios vocativo com gabaritoExercícios vocativo com gabarito
Exercícios vocativo com gabarito
Carolina Souza
 
Gabaritooo 8 ano
Gabaritooo 8 anoGabaritooo 8 ano
Gabaritooo 8 ano
Luciane Xavier
 
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
João Medeiros
 
Adverbios e locuções adverbiais
Adverbios e locuções adverbiaisAdverbios e locuções adverbiais
Adverbios e locuções adverbiais
Ana Paula Mendes
 
Discurso direto e indireto
Discurso direto e indiretoDiscurso direto e indireto
Discurso direto e indireto
Neeilman Cassimiro
 
Avaliação figuras de linguagem
Avaliação figuras de linguagem Avaliação figuras de linguagem
Avaliação figuras de linguagem
Isa ...
 
D13 (5º ano l.p.)
D13 (5º ano   l.p.)D13 (5º ano   l.p.)
D13 (5º ano l.p.)
Cidinha Paulo
 
Gênero textual - anúncio
Gênero textual - anúncio Gênero textual - anúncio
Gênero textual - anúncio
Mary Alvarenga
 
Simulado de Matemática 5º ano
Simulado de Matemática 5º anoSimulado de Matemática 5º ano
Simulado de Matemática 5º ano
Mary Alvarenga
 
VERBOS 6 ANO !!!!
VERBOS 6 ANO !!!!VERBOS 6 ANO !!!!
VERBOS 6 ANO !!!!
Edmara Costa
 
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANOCOLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
Mara Sueli
 
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos errosAtividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Mary Alvarenga
 
Atividades de português sobre variação linguística
Atividades de português sobre variação linguísticaAtividades de português sobre variação linguística
Atividades de português sobre variação linguística
Nivea Neves
 
Simulado 7 (port. 5º ano)
Simulado 7 (port. 5º ano)Simulado 7 (port. 5º ano)
Simulado 7 (port. 5º ano)
Cidinha Paulo
 
Atividade Substantivos 6 ano.docx
Atividade Substantivos 6 ano.docxAtividade Substantivos 6 ano.docx
Atividade Substantivos 6 ano.docx
Fabiola Cerqueira
 

Mais procurados (20)

Ficha de trabalho as conjunções
Ficha de trabalho   as conjunçõesFicha de trabalho   as conjunções
Ficha de trabalho as conjunções
 
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos erros Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
 
52887103 sujeito-e-predicado-exercicios-6º-ano
52887103 sujeito-e-predicado-exercicios-6º-ano52887103 sujeito-e-predicado-exercicios-6º-ano
52887103 sujeito-e-predicado-exercicios-6º-ano
 
D20 (5º ano mat.)
D20  (5º ano   mat.)D20  (5º ano   mat.)
D20 (5º ano mat.)
 
Lista de exercício - Numeral
Lista de exercício - NumeralLista de exercício - Numeral
Lista de exercício - Numeral
 
Exercícios vocativo com gabarito
Exercícios vocativo com gabaritoExercícios vocativo com gabarito
Exercícios vocativo com gabarito
 
Gabaritooo 8 ano
Gabaritooo 8 anoGabaritooo 8 ano
Gabaritooo 8 ano
 
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
 
Adverbios e locuções adverbiais
Adverbios e locuções adverbiaisAdverbios e locuções adverbiais
Adverbios e locuções adverbiais
 
Discurso direto e indireto
Discurso direto e indiretoDiscurso direto e indireto
Discurso direto e indireto
 
Avaliação figuras de linguagem
Avaliação figuras de linguagem Avaliação figuras de linguagem
Avaliação figuras de linguagem
 
D13 (5º ano l.p.)
D13 (5º ano   l.p.)D13 (5º ano   l.p.)
D13 (5º ano l.p.)
 
Gênero textual - anúncio
Gênero textual - anúncio Gênero textual - anúncio
Gênero textual - anúncio
 
Simulado de Matemática 5º ano
Simulado de Matemática 5º anoSimulado de Matemática 5º ano
Simulado de Matemática 5º ano
 
VERBOS 6 ANO !!!!
VERBOS 6 ANO !!!!VERBOS 6 ANO !!!!
VERBOS 6 ANO !!!!
 
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANOCOLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
 
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos errosAtividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
 
Atividades de português sobre variação linguística
Atividades de português sobre variação linguísticaAtividades de português sobre variação linguística
Atividades de português sobre variação linguística
 
Simulado 7 (port. 5º ano)
Simulado 7 (port. 5º ano)Simulado 7 (port. 5º ano)
Simulado 7 (port. 5º ano)
 
Atividade Substantivos 6 ano.docx
Atividade Substantivos 6 ano.docxAtividade Substantivos 6 ano.docx
Atividade Substantivos 6 ano.docx
 

Semelhante a FIGURAS DE LINGUAGEM

7315396 ruth-rocha-o-dono-da-bola
7315396 ruth-rocha-o-dono-da-bola7315396 ruth-rocha-o-dono-da-bola
7315396 ruth-rocha-o-dono-da-bola
Daniel Comparini
 
Texto "O Dono da Bola"
Texto "O Dono da Bola"Texto "O Dono da Bola"
Texto "O Dono da Bola"
Paula Meyer Piagentini
 
O dono da bola
O dono da bolaO dono da bola
O dono da bola
Aline Cristina
 
Conto de esperteza ou artimanha
Conto de esperteza ou artimanhaConto de esperteza ou artimanha
Conto de esperteza ou artimanha
AndriaRodrigues57
 
Interpretações de textos variados
Interpretações de textos variadosInterpretações de textos variados
Interpretações de textos variados
Nivea Neves
 
13. retalhos
13. retalhos13. retalhos
13. retalhos
Julio Carrara
 
Apresentação 8 simulado alfabetização
Apresentação 8 simulado alfabetizaçãoApresentação 8 simulado alfabetização
Apresentação 8 simulado alfabetização
pvassoler86
 
Apresentação 8 simulado alfabetização
Apresentação 8 simulado alfabetizaçãoApresentação 8 simulado alfabetização
Apresentação 8 simulado alfabetização
pvassoler86
 

Semelhante a FIGURAS DE LINGUAGEM (8)

7315396 ruth-rocha-o-dono-da-bola
7315396 ruth-rocha-o-dono-da-bola7315396 ruth-rocha-o-dono-da-bola
7315396 ruth-rocha-o-dono-da-bola
 
Texto "O Dono da Bola"
Texto "O Dono da Bola"Texto "O Dono da Bola"
Texto "O Dono da Bola"
 
O dono da bola
O dono da bolaO dono da bola
O dono da bola
 
Conto de esperteza ou artimanha
Conto de esperteza ou artimanhaConto de esperteza ou artimanha
Conto de esperteza ou artimanha
 
Interpretações de textos variados
Interpretações de textos variadosInterpretações de textos variados
Interpretações de textos variados
 
13. retalhos
13. retalhos13. retalhos
13. retalhos
 
Apresentação 8 simulado alfabetização
Apresentação 8 simulado alfabetizaçãoApresentação 8 simulado alfabetização
Apresentação 8 simulado alfabetização
 
Apresentação 8 simulado alfabetização
Apresentação 8 simulado alfabetizaçãoApresentação 8 simulado alfabetização
Apresentação 8 simulado alfabetização
 

Mais de Paula Meyer Piagentini

Slides sobre o Romantismo (Primeira, Segunda e Terceira Fase)
Slides sobre o Romantismo (Primeira, Segunda e Terceira Fase)Slides sobre o Romantismo (Primeira, Segunda e Terceira Fase)
Slides sobre o Romantismo (Primeira, Segunda e Terceira Fase)
Paula Meyer Piagentini
 
Modernismo em Portugal e os Heterônimos de Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal e os Heterônimos de Fernando PessoaModernismo em Portugal e os Heterônimos de Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal e os Heterônimos de Fernando Pessoa
Paula Meyer Piagentini
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Paula Meyer Piagentini
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Paula Meyer Piagentini
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Paula Meyer Piagentini
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Paula Meyer Piagentini
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Paula Meyer Piagentini
 
Jogo Literário: Do Trovadorismo ao Romantismo
Jogo Literário: Do Trovadorismo ao RomantismoJogo Literário: Do Trovadorismo ao Romantismo
Jogo Literário: Do Trovadorismo ao Romantismo
Paula Meyer Piagentini
 
Arcadismo (Contexto Histórico, Arte, Literatura)
Arcadismo (Contexto Histórico, Arte, Literatura)Arcadismo (Contexto Histórico, Arte, Literatura)
Arcadismo (Contexto Histórico, Arte, Literatura)
Paula Meyer Piagentini
 
Barroco (Contexto Histórico, Arte, Literatura)
Barroco (Contexto Histórico, Arte, Literatura)Barroco (Contexto Histórico, Arte, Literatura)
Barroco (Contexto Histórico, Arte, Literatura)
Paula Meyer Piagentini
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Paula Meyer Piagentini
 
Escritores pertencentes ao Pré-Modernismo no Brasil
Escritores pertencentes ao Pré-Modernismo no BrasilEscritores pertencentes ao Pré-Modernismo no Brasil
Escritores pertencentes ao Pré-Modernismo no Brasil
Paula Meyer Piagentini
 
Tabela Escolas Literárias Segunda Metade do século XIX
Tabela Escolas Literárias Segunda Metade do século XIXTabela Escolas Literárias Segunda Metade do século XIX
Tabela Escolas Literárias Segunda Metade do século XIX
Paula Meyer Piagentini
 
Escolas Literárias (Segunda Metade do século XIX)
Escolas Literárias (Segunda Metade do século XIX)Escolas Literárias (Segunda Metade do século XIX)
Escolas Literárias (Segunda Metade do século XIX)
Paula Meyer Piagentini
 
Mapa Mental (Humanismo e Classicismo) / Ensino Médio
Mapa Mental (Humanismo e Classicismo) / Ensino MédioMapa Mental (Humanismo e Classicismo) / Ensino Médio
Mapa Mental (Humanismo e Classicismo) / Ensino Médio
Paula Meyer Piagentini
 
Mapa Conceitual Trovadorismo / Literatura Ensino Médio
Mapa Conceitual Trovadorismo / Literatura Ensino MédioMapa Conceitual Trovadorismo / Literatura Ensino Médio
Mapa Conceitual Trovadorismo / Literatura Ensino Médio
Paula Meyer Piagentini
 
Interpretação Textual (Sétimo Ano)
Interpretação Textual (Sétimo Ano)Interpretação Textual (Sétimo Ano)
Interpretação Textual (Sétimo Ano)
Paula Meyer Piagentini
 
Síndromes
Síndromes Síndromes
Dia Internacional das Mulheres
Dia Internacional das MulheresDia Internacional das Mulheres
Dia Internacional das Mulheres
Paula Meyer Piagentini
 
Atividade de Interpretação (Projeto Poesia)
Atividade de Interpretação (Projeto Poesia)Atividade de Interpretação (Projeto Poesia)
Atividade de Interpretação (Projeto Poesia)
Paula Meyer Piagentini
 

Mais de Paula Meyer Piagentini (20)

Slides sobre o Romantismo (Primeira, Segunda e Terceira Fase)
Slides sobre o Romantismo (Primeira, Segunda e Terceira Fase)Slides sobre o Romantismo (Primeira, Segunda e Terceira Fase)
Slides sobre o Romantismo (Primeira, Segunda e Terceira Fase)
 
Modernismo em Portugal e os Heterônimos de Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal e os Heterônimos de Fernando PessoaModernismo em Portugal e os Heterônimos de Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal e os Heterônimos de Fernando Pessoa
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Jogo Literário: Do Trovadorismo ao Romantismo
Jogo Literário: Do Trovadorismo ao RomantismoJogo Literário: Do Trovadorismo ao Romantismo
Jogo Literário: Do Trovadorismo ao Romantismo
 
Arcadismo (Contexto Histórico, Arte, Literatura)
Arcadismo (Contexto Histórico, Arte, Literatura)Arcadismo (Contexto Histórico, Arte, Literatura)
Arcadismo (Contexto Histórico, Arte, Literatura)
 
Barroco (Contexto Histórico, Arte, Literatura)
Barroco (Contexto Histórico, Arte, Literatura)Barroco (Contexto Histórico, Arte, Literatura)
Barroco (Contexto Histórico, Arte, Literatura)
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
 
Escritores pertencentes ao Pré-Modernismo no Brasil
Escritores pertencentes ao Pré-Modernismo no BrasilEscritores pertencentes ao Pré-Modernismo no Brasil
Escritores pertencentes ao Pré-Modernismo no Brasil
 
Tabela Escolas Literárias Segunda Metade do século XIX
Tabela Escolas Literárias Segunda Metade do século XIXTabela Escolas Literárias Segunda Metade do século XIX
Tabela Escolas Literárias Segunda Metade do século XIX
 
Escolas Literárias (Segunda Metade do século XIX)
Escolas Literárias (Segunda Metade do século XIX)Escolas Literárias (Segunda Metade do século XIX)
Escolas Literárias (Segunda Metade do século XIX)
 
Mapa Mental (Humanismo e Classicismo) / Ensino Médio
Mapa Mental (Humanismo e Classicismo) / Ensino MédioMapa Mental (Humanismo e Classicismo) / Ensino Médio
Mapa Mental (Humanismo e Classicismo) / Ensino Médio
 
Mapa Conceitual Trovadorismo / Literatura Ensino Médio
Mapa Conceitual Trovadorismo / Literatura Ensino MédioMapa Conceitual Trovadorismo / Literatura Ensino Médio
Mapa Conceitual Trovadorismo / Literatura Ensino Médio
 
Interpretação Textual (Sétimo Ano)
Interpretação Textual (Sétimo Ano)Interpretação Textual (Sétimo Ano)
Interpretação Textual (Sétimo Ano)
 
Síndromes
Síndromes Síndromes
Síndromes
 
Dia Internacional das Mulheres
Dia Internacional das MulheresDia Internacional das Mulheres
Dia Internacional das Mulheres
 
Atividade de Interpretação (Projeto Poesia)
Atividade de Interpretação (Projeto Poesia)Atividade de Interpretação (Projeto Poesia)
Atividade de Interpretação (Projeto Poesia)
 

Último

1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 

Último (20)

1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 

FIGURAS DE LINGUAGEM

  • 1. TIPOS DE LINGUAGEM Professora Paula Meyer LINGUAGEM DENOTATIVA Sentido REAL (Dicionário) Exemplo: Minha geladeira quebrou. LINGUAGEM CONOTATIVA Sentido FIGURADO Exemplo: Minha namorada é uma geladeira. Exercícios: 1. Leia as frasesa seguir,observando atentamente a palavra destacada;em seguida, escreva se ela está no sentido denotativo (literal) ou conotativo (figurado). a) O doce de leite está uma delícia. b) Aquela garota é um doce de pessoa. c) Aquela menina é uma flor. d) Aquela flor é a mais linda do seu jardim. e) Eu morro de medo de gato. f) Meu namorado é um gato. g) Minha irmã é fera em língua portuguesa. h) Os domadores conseguiram prender a fera na jaula. i) O pássaro voava pelo céu da cidade. j) O carro voava com o seu carro esporte. k) Eu quero ser uma estrela de cinema. l) Olha que linda aquela estrela no céu. m) O Sol é estrela central do Sistema Solar. n) Você é o sol da minha vida. o) Estamos estudando os ossos do crânio. p) Ele é mesmo um crânio! q) João quebrou a cara com o investimento que fez! r) Ontem, Rafael quebrou o vaso! s) Aquela mulher é uma cobra! t) Eu morro de medo de cobra.
  • 2. 2. As composições abaixo estão no sentido conotativo ou denotativo? “Chora minh'alma Como um pássaro De asas machucadas Nos meus sonhos Te procuro Chora minh'alma” Choram as Rosas – Bruno e Marrone “Cadê sua responsabilidade? No seu lugar eu teria vergonha” Presepada – Maiara e Maraisa / Marília Mendonça “Vou engolir meu coração pra me amar por dentro Que nós dois sabemos que tanto sofrimento É perda de tempo, é perda de tempo” Ilha - Luan Santana 3. Com base na charge abaixo, faça o que se pede. a) Qual cena está no sentido conotativo e qual está no denotativo? b) Utilize as seguintes palavras para criar frases no sentido conotativo e no sentido denotativo. LEÃO / CABEÇA / DOCE / TARTARUGA
  • 3. FIGURAS DE LINGUAGEM Professora Paula Meyer ANTÍTESE Ideias opostas / contrárias PROSOPOPEIA PERSONIFICAÇÃO Atribui características humanas a seres inanimados. HIPÉRBOLE Exagero intencional. Exemplo: Estou morrendo de sede! EUFEMISMO Tenta suavizar a linguagem. Exemplo: Ele passou desta para uma melhor! METÁFORA Estabelece uma aproximação entre dois termos. Exemplo: Ela é uma cobra! METONÍMIA Substituição de uma palavra por outra com o sentido relacionado. Exercícios: 1. Quais as figuras de linguagem das frases abaixo? a) Li Machado de Assis ontem. (Metonímia) b) A casa deles é uma prisão. (Metáfora) c) Meus sentimentos! Agora, ela está descansando! (Eufemismo) d) Estou morrendo de fome! (Hipérbole) e) As ondas beijavam a areia. (Personificação) g)O leite está quente e o café gelado. (Antítese) h)As folhas bailavam alegremente. (Personificação) i) Eu já te falei um milhão de vezes que eu não gosto disso. (Hipérbole) j) As folhas bailavam alegremente. (Personificação) k) As pedras andavam vagarosamente. (Personificação) i) Eu já te falei um milhão de vezes que eu não gosto disso. (Hipérbole) l) Ele está um pouco cheinho. (Eufemismo)
  • 4. m) Ele é desprovido de beleza. (Eufemismo) n)Minha irmã é uma flor! (Metáfora) o) Ele virou uma estrelinha e estará sempre em nosso coração! (Eufemismo) p) Vou tirar uma xerox. (Metonímia) q)Fernanda morria de trabalhar. (Hipérbole) r)A atriz tirou a sua própria vida. (Eufemismo) s)Fernanda morria de trabalhar. (Hipérbole) t) Estou morrendo de dor de cabeça! (Eufemismo) u)Bonito para mim, feio para ela. (Antítese) v) Ele é um gato! (Metáfora) w) Preciso comprar Danone! (Metonímia) x) Implorei o seu perdão mil vezes! (Hipérbole) y) As árvores se abraçam! (Personificação) z) Eu vou morrer de amor! (Hipérbole) 2. DESAFIO DAS MÚSICAS! DESAFIO DAS MÚSICAS Professora Paula Meyer “Cedo ou tarde a gente vai se encontrar Tenho certeza, numa bem melhor” “Cedo ou Tarde” – NX ZERO ANTÍTESE “E toda vez que você sai O mundo se distrai Quem ficar, ficou Quem foi, vai, vai” “O Sol” – Victor Kley PERSONIFICAÇÃO “Eu nunca mais vou respirar Se você não me notar Eu posso até morrer de fome Se você não me amar” “Exagerado” – Cazuza HIPÉRBOLE “Sei que agora deve estar Impressionando os anjos Com sua risada” “Impressionando os Anjos” – Gustavo Mioto EUFEMISMO “Dona Maria Deixa eu namorar a sua filha Vai me desculpando a ousadia Essa menina é um desenho no céu” “Dona Maria” – Thiago Brava METÁFORA “Até ver o seu nome escrito na lata de Coca-Cola Em uma cadeira de aço enferrujada e bebendo Cada copo americano enganava o meu sofrimento” “Cadeira de Aço” – Zé Neto e Cristiano METONÍMIA
  • 5. O dono da bola / Ruth Rocha O nosso time estava cheio de amigos. O que nós não tínhamos era a bola de futebol. Só bola de meia, mas não é a mesma coisa. Bom mesmo é bola de couro, como a do Caloca. Mas, toda vez que nós íamos jogar com Caloca, acontecia a mesma coisa. E era só o juiz marcar qualquer falta do Caloca que ele gritava logo: – Assim eu não jogo mais! Dá aqui a minha bola! – Ah, Caloca, não vá embora, tenha espírito esportivo, jogo é jogo… – Espírito esportivo, nada! – berrava Caloca. – E não me chame de Caloca, já falei mil vezes que meu nome é Carlos Alberto! E assim, Carlos Alberto acabava com tudo que era jogo. A coisa começou a complicar mesmo, quando resolvemos entrar no campeonato do nosso bairro. Nós precisávamos treinar com bola de verdade para não estranhar na hora do jogo. Mas os treinos nunca chegavam ao fim. Carlos Alberto estava sempre procurando encrenca: – Se o Beto jogar de centroavante, eu não jogo! – Se eu não for o capitão do time, vou embora! – Se o treino for muito cedo, eu não trago a bola! E quando não se fazia o que ele queria, já sabe, levava a bola embora e adeus, treino. Catapimba, que era o secretário do clube, resolveu fazer uma reunião: – Esta reunião é para resolver o caso do Carlos Alberto. Cada vez que ele se zanga, carrega a bola e acaba com o treino. Carlos Alberto pulou, vermelhinho de raiva: – A bola é minha, eu carrego quantas vezes eu quiser! – Pois é isso mesmo! – disse o Beto, zangado. – É por isso que nós não vamos ganhar campeonato nenhum! – Pois, azar de vocês, eu não jogo mais nessa droga de time, que nem bola tem. E Caloca saiu pisando duro, com a bola debaixo do braço. Aí, Carlos Alberto resolveu jogar bola sozinho. Nós passávamos pela casa dele e víamos. Ele batia bola com a parede. Acho que a parede era o único amigo que ele tinha. Mas eu acho que jogar com a parede não deve ser muito divertido. Porque, depois de três dias, o Carlos Alberto não aguentou mais. Apareceu lá no campinho. – Se vocês me deixarem jogar, eu empresto a minha bola. Carlos Alberto estava outro. Jogava direitinho e não criava caso com ninguém. E, quando nós ganhamos o jogo final do campeonato, todo mundo se abraçou gritando: – Viva o Estrela-d’Alva Futebol Clube! – Viva! – Viva o Catapimba! – Viva! – Viva o Carlos Alberto! – Viva! Então o Carlos Alberto gritou: – Ei, pessoal, não me chamem de Carlos Alberto! Podem me chamar de Caloca! O dono da bola / Ruth Rocha O nosso time estava cheio de amigos. O que nós não tínhamos era a bola de futebol. Só bola de meia, mas não é a mesma coisa. Bom mesmo é bola de couro, como a do Caloca. Mas, toda vez que nós íamos jogar com Caloca, acontecia a mesma coisa. E era só o juiz marcar qualquer falta do Caloca que ele gritava logo: – Assim eu não jogo mais! Dá aqui a minha bola! – Ah, Caloca, não vá embora, tenha espírito esportivo, jogo é jogo… – Espírito esportivo, nada! – berrava Caloca. – E não me chame de Caloca, já falei mil vezes que meu nome é Carlos Alberto! E assim, Carlos Alberto acabava com tudo que era jogo. A coisa começou a complicar mesmo, quando resolvemos entrar no campeonato do nosso bairro. Nós precisávamos treinar com bola de verdade para não estranhar na hora do jogo. Mas os treinos nunca chegavam ao fim. Carlos Alberto estava sempre procurando encrenca: – Se o Beto jogar de centroavante, eu não jogo! – Se eu não for o capitão do time, vou embora! – Se o treino for muito cedo, eu não trago a bola! E quando não se fazia o que ele queria, já sabe, levava a bola embora e adeus, treino. Catapimba, que era o secretário do clube, resolveu fazer uma reunião: – Esta reunião é para resolver o caso do Carlos Alberto. Cada vez que ele se zanga, carrega a bola e acaba com o treino. Carlos Alberto pulou, vermelhinho de raiva: – A bola é minha, eu carrego quantas vezes eu quiser! – Pois é isso mesmo! – disse o Beto, zangado. – É por isso que nós não vamos ganhar campeonato nenhum! – Pois, azar de vocês, eu não jogo mais nessa droga de time, que nem bola tem. E Caloca saiu pisando duro, com a bola debaixo do braço. Aí, Carlos Alberto resolveu jogar bola sozinho. Nós passávamos pela casa dele e víamos. Ele batia bola com a parede. Acho que a parede era o único amigo que ele tinha. Mas eu acho que jogar com a parede não deve ser muito divertido. Porque, depois de três dias, o Carlos Alberto não aguentou mais. Apareceu lá no campinho. – Se vocês me deixarem jogar, eu empresto a minha bola. Carlos Alberto estava outro. Jogava direitinho e não criava caso com ninguém. E, quando nós ganhamos o jogo final do campeonato, todo mundo se abraçou gritando: – Viva o Estrela-d’Alva Futebol Clube! – Viva! – Viva o Catapimba! – Viva! – Viva o Carlos Alberto! – Viva! Então o Carlos Alberto gritou: – Ei, pessoal, não me chamem de Carlos Alberto! Podem me chamar de Caloca!
  • 6. Exercícios: 1) Quem narra a história participa dela ou não? 2) Carlos Alberto costumava fazer chantagem e impor condições para emprestar sua bola de couro. Comprove a afirmação com uma frase retirada do texto. 3) Qual era a finalidade da reunião que Catapimba, o secretário do time, resolveu fazer? 4) Qual era o nome do time? 5) Ao final, o time saiu campeão. Se Carlos Alberto tivesse continuado com o mesmo comportamento de antes, você acredita que o time sairia vitorioso? Justifique sua resposta. 6) Retire a hipérbole dita por Carlos Alberto. 7) Retire dois substantivos próprios do texto. 8) Retire dois substantivos comuns do texto. Ruth Machado LousadaRocha é uma escritora brasileira de livros infantis. É membro da Academia Paulista de Letras desde 25 de outubro de 2007, ocupando a cadeira 38. Formou-se em sociologia política e começou a trabalhar como orientadora educacional no Colégio Rio Branco.