SlideShare uma empresa Scribd logo
CONSUMISMOTrabalho realizado no âmbito da disciplina de área de projecto, orientado pelo professor Manuel José, pelos alunos do 12ºH (Grupo1):	Ana Sousa nº1		Bernardo Almeida nº4		Gabriel Gonzaga nº9		Hugo Machado nº10
Tratamento dos inquéritos
Consumismo - Apresentação final
No início do século XX, os Estados Unidos da América viviam um período de prosperidade e de pleno desenvolvimento.
No entanto, a partir de 1925, a economia Norte-Americana começou a enfrentar sérias dificuldades.
Dois motivos que despoletaram a crise:O muito desemprego gerado pelo desenvolvimento tecnológico e pela mecanização;
   A recuperação dos países europeus, logo após a 1ª Guerra Mundial, fez com que potenciais compradores de bens produzidos nos Estados Unidos reduzissem o consumo drasticamente, devido à recuperação das suas economias.
Uma crise de superprodução foi originada pela contínua produção e falta de consumidores.
Em consequência, as indústrias foram forçadas a diminuir a sua produção e demitir funcionários, agravando ainda mais a crise.
Consumismo - Apresentação final
A crise acabou por chegar ao mercado de acções. Volumes elevados de transacções eram intervalados com breves períodos de subida de cotações e recuperação, ocasionando o Crash.
Consumismo - Apresentação final
Abalados pela crise, os Estados Unidos reduziram a compra de produtos ao exterior e suspenderam os empréstimos a outros países, ocasionando uma crise mundial.
Para solucionar a crise, Franklin Roosevelt, Presidente Norte-Americano, propôs mudar a política de intervenção americana.
Se antes o Estado não interferia na economia, deixando tudo fluir conforme o mercado, agora passaria a intervir constantemente.
O resultado desta decisão foi a criação de grandes infra-estruturas, fundos de apoio a desempregados, assistência a trabalhadores, concessão de empréstimos, entre outros.
Assim, os Estados Unidos conseguiram retomar seu crescimento económico de forma gradual, tentando esquecer a crise.
Concluindo, toda esta CRISE foi provocada pelo CONSUMISMO.
Os Americanos quiseram aproveitar o espírito consumista para aumentar drasticamente a produtividade e, lógicamente, os lucros.
Contudo, os seus grandes mercados diminuiram consideravelmente a procura, o que despoltou uma enorme acomulação de excedentes.
Essa acomulação de excedentes não podia ser escoada apenas no mercado Americano, o que levou muitas empresas a dificuldades financeiras e logisticas.
Um efeito bola-de-neve foi então desencadeado. Os seus efeitos foram alarmantes para todo o mundo.
Assim o Consumismo não afecta apenas quem o pratica, mas toda a sociedade mundial, através de todos os actos gerados apartir desta generalização.
A PublicidadeRedBull dá-te asasImpossibleIsNothingJust do itDrinkcokeDrink 7 upwithFidoDidoFaz-se nos alpes,desfaz-se na bocaAsk for moreFaz uma pausaMercedesBenzFerrariSegue oque sentesMais perto do que é importante
O Que é a Publicidade?	Publicidade designa qualquer mensagem impressa ou difundida, cujo objectivo seja o de divulgar e persuadir, com fins comerciais, uma ideia, um produto ou serviço, uma marca ou uma organização junto de um determinado mercado-alvo.
Estratégias Publicitárias:Promover a singularidade:Produtos com elevada qualidade;Produtos com preços económicos;Produtos inovadores…
Meios Publicitários:A Publicidade, e consequente propaganda quer à satisfação de necessidades quer à manipulação do público alvo, é feita, essencialmente, através da televisão, internet, rádio e imprensa (jornais, revistas, etc):
A Televisão:Apesar de relativamente recente, a televisão é dos meios publicitários que mais nos influencia:Dependendo do horário, consegue atrair todo o tipo de público (permitindo promover qualquer tipo de produto)Combina o efeito áudio da rádio com o visual da imprensa. Utilizada como objecto de companhia permite a publicidade involuntária
A InternetFenómeno recente mas já de aceitação generalizada. Mesmo assim, não se pode dizer que seja o tipo de publicidade mais frequente.Aumento exponencialdo número de pequenos anúncios quer em sites patrocinados “pop-ups” que nos direccionam ao site oficial do produto.Os e-mail são uma forma particular de publicidade na internet pois é necessário que quem recebe o e-mail o tenha divulgado. 
A Rádio:Centra o seu pico de utilização na população activa mais propriamente nas viaturas particulares e em locais de trabalho com música de fundo.As suas principais vantagens são:Gratuitidade, portanto, acessível a toda a gente,a facilidade de utilização, já que permite outras ocupações em simultâneo e,essencialmente, a grande interactividade emissor-receptor.Gera-se publicidade com um tom íntimo e personalizado que cativa os ouvintes.
A Imprensa:A imprensa utiliza anúncios de tamanhos variados à base de textos, fotografias e figuras onde cor, logótipos e slogans são fulcrais para despertar ou não o interesse do leitor.Esta chega hoje a todas as classes sociais com jornais e revistas de carácter nacional, regional ou local.
O Cinema:Hoje em dia, todos os minutos antecedentes a um filme são reservados para publicidades a outros filmes e a anúncios particulares.Também na generalidade dos filmes e séries é possível identificar fortes campanhas publicitárias a roupas, carros, bebidas, etc.
Mensagem Publicitária:Podemos dizer que hoje a publicidade está em todo o lado quase que piscando-nos o olho.Ninguém imagina o mundo hoje sem publicidade. As imagens atraentes e as palavras insinuantes convidam-nos a imaginar, por momentos, a nossa vida com o que está a ser anunciado. A publicidade é, assim, a arte de seduzir, de convencer e, por isso, nada num anúncio acontece por acaso…
Estratégias e características PublicitáriasAspiração à felicidade e bem-estar, Vaidade, Sexualidade, Princípio do menor esforço, Gosto pela economia,Necessidade de certezacom testemunhos reaisgarantindo a plena satisfação do consumidor ou, somente, o total apoio ao clienteSensibilidade,Ambiente familiar, Criação de personagem.
Cada anúncio publicitário deve:despertar a atenção,criar interesse,estimular desejo,permitir a memorizaçãoE, FUNDAMENTALMENTEprovocar a acção (aquisição).
Elementos fulcrais de um anúncio::a marca, como elemento fundamental;a imagem, que deve “prender” o olhar;o slogan, que deve ser original, conciso, fácil de memorizar e capaz de despertar a simpatia da marca;o texto de argumentação, que dá a credibilidade ao anúncio, deve apontar as vantagens da aquisição do produto e a sua superioridade.
Hoje, o conceito de riqueza em vez de assentar no princípio de acumulação de capital, passou a assentar no princípio do consumo. Ou seja, a evolução da sociedade está dependente, sobretudo, da evolução do consumo.Quanto mais determinada a consumir estiver a sociedade mais lucro terá e mais riqueza obterá.MAS MAIS RECUSROS DESPERDIÇARÁ!!
	O consumismo e, logo, a exagerada publicidade aos produtos e fomentação do consumo levam e continuarão a levar o homem para a sua destruição e, até, para a destruição do mundo!!
“À dolorosa luz das grandes lâmpadas eléctricas da fábricaTenho febre e escrevo. Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto,Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos.”Álvaro de Campos, in ODE TRIUNFAL
A origem da crise actualSubprimeCrédito à habitação de alto risco Destinado a uma fatia da     população com rendimentos     mais baixos e com uma situação     económica mais instável. Única garantia exigida nestes     empréstimos é o imóvel. Segmento do mercado de crédito     exclusivo dos EUA.
Como surgiu o ‘subprime’?O ‘subprime’ surge quando:A Reserva Federal norte-americana começa a baixar as taxas de juro para estimular o mercado imobiliário. A criação de emprego e o investimento empresarial estavam em níveis baixos e a taxa de juro descia para 1%. As várias instituições bancárias deixaram de ser tão exigentes nas condições requeridas para conceder créditos.
Conclusão:Quando a reserva federal começa a subir de novo os juros o problema instala-se. Juros altos + Queda dos preços das casasFamílias sem capacidade para saldar as suas dívidas.
Como se dá o contágio para a Europa?Mercados interligados      Bancos e fundos europeus com investimentos em produtos das instituições norte-americanas que operam no segmento ‘subprime’. Levam a crise de liquidez na Europa.
SoluçãoInjecção de capital por parte do BCE.Os bancos solicitam ao BCE o   empréstimo de determinado montante para fazer face às necessidades de liquidez.    O BCE analisa a gravidade da situação    faz o empréstimo com uma taxa de    juro baixa.     A injecção de capital tem o objectivo de      assegurar as condições normais dos      mercados, e assegurar a robustez da zona euro.
A crise a longo prazoA injecção de capital do BCE não resolve todo o problema.     Tudo depende do grau de exposição dos bancos ao mercado norte-americano.     Se a falta de confiança se alastrar ao resto dos mercados de crédito, as consequências poderão adquirir uma dimensão muito gravosa
O crescimento económico mundial está ameaçado?    Bancos congelam activos Prova da grandiosa seriedade do problema      Os problemas do sistema financeiro acabam por se reflectir na economia:     		1.Os bancos centrais são confrontados com a necessidade de restringir as condições de concessão de crédito.                           2.Famílias e empresas são afectadas com consequente quebra do consumo e do investimento.
Como é que Portugal foi afectado?A crise no mercado hipotecário dos EUA leva a que, em Portugal, o sector financeiro suspenda os seus fundos expostos ao segmento de ‘subprime’.     Cotação dos fundos:ParvestDynamic ABS       BNP Paribas ABS Euribor                            BNP Paribas ABS EoniaporEstes fundos são distribuídos pelo Banco Best, Barclays,  ActivoBank   …  Mas estas instituições não revelaram ainda quantos clientes foram afectados.
Porque se afundam as bolsas europeias?Venda de acções de forma maciça pois temem o surgimento de novos sintomas que ponham em causa o funcionamento do sistema financeiro global.     Naturalmente as acções dos bancos são as mais castigadas.
Padrões de ConsumoPadrões de Consumo são modelos específicos, comuns a determinados grupos sociais, a que o consumo obedece.
Factores explicativosEconómicos:Extra-económicos:Rendimento dos consumidores;Preço dos bens;Inovação tecnológica;Idade;Sexo;Moda;Publicidade;Localização geográfica;Tradição
Rendimento dos consumidoresFonte: INE
Preço dos bensFonte: Diário Económico
Inovação TecnológicaOs novos bens, tecnologicamente mais sofisticados, apresentavelmente mais atractivos, leva a um aumento da capacidade aquisitiva dos consumidores.
IdadeFonte: INE
SexoFonte: DECO
ModaPode condicionar a capacidade de escolha, ao criar motivações desajustadas das necessidades efectivas do indivíduo.
Publicidade
Localização geográficaFonte: INE
TradiçãoInfluencia os modos de vida das populaçõesTraduz um hábito adquirido por gerações sucessivasDificulta a inovação, a mudança e a modernidade.
Conclusão:Após a execução deste trabalho, podemos afirmar que o consumismo é uma tendência bastante recente.Este tem por base o egocentrismo do Homem e, embora de origem americana, rapidamente se alastrou à Europa e ao resto do mundo com o contributo das técnicas de publicidade e marketing.
O consumismo está na base das mudanças mais profundas a que a sociedade actual assistiu afectando directamente todos os países desenvolvidos e as suas relações com o resto do mundo.Por sua vez, este fenómeno definiu modos de vida, comportamentos sociais e o modo de organização dos alicerces das economias mundiais.
Conselhos para um consumo responsávelPara colaborarmos todos num consumo mais responsável temos que começar por reduzir o consumo excessivo. Se o nosso acto de consumo For reflectido podemos mudar os nossos hábitos, tendo como base algumas etapas que nos colocam várias interrogações.
Antes de comprarNo momento da compraO que é que preciso ou quero exactamente?Que opções tenho para satisfazer essanecessidade ou desejo? De certeza que tenhoque comprar para conseguir o que quero?Como posso gastar menos quantidadedesse produto?Quais são os meios de produção e materiais mais ecológicos para o fabrico deste produto? Quem são os fabricantes das diferentes marcas do produto?Quem o vende? Que outros negócios tem? No que é que investe e a quem financia? A que classe de sociedade faz tender o seu modelo empresarial?
Enquanto o uso ou consumoQuando acabei de consumirO que posso fazer para que cause o menor impactopossível quando se converta em resíduo? Como tenho que cuidar o produto enquanto o usopara que dure o máximo tempo possível e assimconsumir menos e gerar menos resíduos?
Agradecimentos:Ao Professor Manuel José pela colaboração na elaboração do nosso trabalho;À DECO, em especial à responsável Tatiana Mendonça e ao jurista André Regueiro;Ao 12ºH;Aos alunos e professores da escola que colaboraram na elaboração dos inquéritos;Ao Professor Raul e à direcção da escola, pela ajuda nos contactos com a DECO

Mais conteúdo relacionado

Destaque

consumismo(imagens)
consumismo(imagens)consumismo(imagens)
consumismo(imagens)
lehleh
 
Consumismo 8 B
Consumismo 8 BConsumismo 8 B
Consumismo 8 B
Michele Pó
 
Consumo Sustentável
Consumo SustentávelConsumo Sustentável
Consumo Sustentável
Marco Santos
 
CONSUMISMO
CONSUMISMOCONSUMISMO
CONSUMISMO
anto_dom
 
Consumo e consumismo
Consumo e  consumismoConsumo e  consumismo
Consumo e consumismo
sextoD
 
Consumismo
ConsumismoConsumismo
Consumismo
Larissa Pereira
 
Imagens do consumo
Imagens do consumoImagens do consumo
Imagens do consumo
jolevy10
 
Consumismo
Consumismo Consumismo
Consumismo
Layla Aquino
 
Trab consumismo 1
Trab consumismo 1Trab consumismo 1
Trab consumismo 1
emefbompastor
 
Consumismo'
Consumismo'Consumismo'
Consumismo'
julian585426
 
Slide consumo-e-consumismo
Slide consumo-e-consumismoSlide consumo-e-consumismo
Slide consumo-e-consumismo
Cristina Meireles
 
Consumismo e consumerismo
Consumismo e consumerismoConsumismo e consumerismo
Consumismo e consumerismo
Tiago Soares
 
Aquecimento global e as mudanças climáticas
Aquecimento global e as mudanças climáticasAquecimento global e as mudanças climáticas
Aquecimento global e as mudanças climáticas
gallenoambiental
 
Consumismo
ConsumismoConsumismo
Consumismo
Zé Stinson
 
Aspectos e Impactos
Aspectos e Impactos  Aspectos e Impactos
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ PnumaO Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
Instituto Besc
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
Patrícia Silva
 
Recursos Naturais Utilização E Consequências
Recursos Naturais   Utilização E ConsequênciasRecursos Naturais   Utilização E Consequências
Recursos Naturais Utilização E Consequências
verasanches
 
Questão Ambiental
Questão AmbientalQuestão Ambiental
Questão Ambiental
Rogerio Silveira
 

Destaque (19)

consumismo(imagens)
consumismo(imagens)consumismo(imagens)
consumismo(imagens)
 
Consumismo 8 B
Consumismo 8 BConsumismo 8 B
Consumismo 8 B
 
Consumo Sustentável
Consumo SustentávelConsumo Sustentável
Consumo Sustentável
 
CONSUMISMO
CONSUMISMOCONSUMISMO
CONSUMISMO
 
Consumo e consumismo
Consumo e  consumismoConsumo e  consumismo
Consumo e consumismo
 
Consumismo
ConsumismoConsumismo
Consumismo
 
Imagens do consumo
Imagens do consumoImagens do consumo
Imagens do consumo
 
Consumismo
Consumismo Consumismo
Consumismo
 
Trab consumismo 1
Trab consumismo 1Trab consumismo 1
Trab consumismo 1
 
Consumismo'
Consumismo'Consumismo'
Consumismo'
 
Slide consumo-e-consumismo
Slide consumo-e-consumismoSlide consumo-e-consumismo
Slide consumo-e-consumismo
 
Consumismo e consumerismo
Consumismo e consumerismoConsumismo e consumerismo
Consumismo e consumerismo
 
Aquecimento global e as mudanças climáticas
Aquecimento global e as mudanças climáticasAquecimento global e as mudanças climáticas
Aquecimento global e as mudanças climáticas
 
Consumismo
ConsumismoConsumismo
Consumismo
 
Aspectos e Impactos
Aspectos e Impactos  Aspectos e Impactos
Aspectos e Impactos
 
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ PnumaO Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
 
Recursos Naturais Utilização E Consequências
Recursos Naturais   Utilização E ConsequênciasRecursos Naturais   Utilização E Consequências
Recursos Naturais Utilização E Consequências
 
Questão Ambiental
Questão AmbientalQuestão Ambiental
Questão Ambiental
 

Semelhante a Consumismo - Apresentação final

CURSO DE ATUALIDADES INICIO
CURSO DE ATUALIDADES INICIOCURSO DE ATUALIDADES INICIO
CURSO DE ATUALIDADES INICIO
ProfMario De Mori
 
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
Aléxia Fortes
 
Crise de 29
Crise de 29Crise de 29
Crise de 29
CSD
 
A crise financeira mundial 2008
A crise financeira mundial   2008A crise financeira mundial   2008
A crise financeira mundial 2008
Fernando Pinto Coelho
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
Margarida Moreira
 
CRISES FINANCEIRAS E PANDEMIAS 3 SERIE.pptx
CRISES FINANCEIRAS E PANDEMIAS 3 SERIE.pptxCRISES FINANCEIRAS E PANDEMIAS 3 SERIE.pptx
CRISES FINANCEIRAS E PANDEMIAS 3 SERIE.pptx
IracemaCristinaFerna
 
O Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB Consultores
O Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB ConsultoresO Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB Consultores
O Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB Consultores
Ronaldo Tenório
 
Como surgiu a crise econômica mundial
Como surgiu a crise econômica mundialComo surgiu a crise econômica mundial
Como surgiu a crise econômica mundial
letieri11
 
Tendências de marketing
Tendências de marketing Tendências de marketing
Tendências de marketing
Patricia Frota Machado
 
Crise Subprime 171008
Crise Subprime 171008Crise Subprime 171008
Crise Subprime 171008
guest55f91d
 
Trendwatching 3 4
Trendwatching 3 4Trendwatching 3 4
Trendwatching 3 4
Bruno Grieco
 
As crises do Capitalismo e a Crise de 29
As crises do Capitalismo e a Crise de 29As crises do Capitalismo e a Crise de 29
As crises do Capitalismo e a Crise de 29
DanilloBarros5
 
Trendwatching 3 4
Trendwatching 3 4Trendwatching 3 4
Trendwatching 3 4
Bruno Grieco
 
4º crise financeirainternacionalunicamp
4º   crise financeirainternacionalunicamp4º   crise financeirainternacionalunicamp
4º crise financeirainternacionalunicamp
claudio alfonso
 
Economia 2008
Economia 2008Economia 2008
Economia 2008
Luis Alberto Bassoli
 
A tragédia do euro
A tragédia do euroA tragédia do euro
A tragédia do euro
Angela Rojo
 
Café com Lojistas 28/04/2016 - Comportamento do Consumidor | Palestrante: Lui...
Café com Lojistas 28/04/2016 - Comportamento do Consumidor | Palestrante: Lui...Café com Lojistas 28/04/2016 - Comportamento do Consumidor | Palestrante: Lui...
Café com Lojistas 28/04/2016 - Comportamento do Consumidor | Palestrante: Lui...
Sindilojas Porto Alegre
 
Geo globalização 9º
Geo  globalização 9ºGeo  globalização 9º
Geo globalização 9º
Ana Wronski
 
Globalização Econômica - Internacionalização da Economia
Globalização Econômica - Internacionalização da EconomiaGlobalização Econômica - Internacionalização da Economia
Globalização Econômica - Internacionalização da Economia
Wicthor Cruz
 
Crise 29 e 2008
Crise 29 e 2008Crise 29 e 2008
Crise 29 e 2008
Mario Lopes
 

Semelhante a Consumismo - Apresentação final (20)

CURSO DE ATUALIDADES INICIO
CURSO DE ATUALIDADES INICIOCURSO DE ATUALIDADES INICIO
CURSO DE ATUALIDADES INICIO
 
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
 
Crise de 29
Crise de 29Crise de 29
Crise de 29
 
A crise financeira mundial 2008
A crise financeira mundial   2008A crise financeira mundial   2008
A crise financeira mundial 2008
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
 
CRISES FINANCEIRAS E PANDEMIAS 3 SERIE.pptx
CRISES FINANCEIRAS E PANDEMIAS 3 SERIE.pptxCRISES FINANCEIRAS E PANDEMIAS 3 SERIE.pptx
CRISES FINANCEIRAS E PANDEMIAS 3 SERIE.pptx
 
O Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB Consultores
O Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB ConsultoresO Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB Consultores
O Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB Consultores
 
Como surgiu a crise econômica mundial
Como surgiu a crise econômica mundialComo surgiu a crise econômica mundial
Como surgiu a crise econômica mundial
 
Tendências de marketing
Tendências de marketing Tendências de marketing
Tendências de marketing
 
Crise Subprime 171008
Crise Subprime 171008Crise Subprime 171008
Crise Subprime 171008
 
Trendwatching 3 4
Trendwatching 3 4Trendwatching 3 4
Trendwatching 3 4
 
As crises do Capitalismo e a Crise de 29
As crises do Capitalismo e a Crise de 29As crises do Capitalismo e a Crise de 29
As crises do Capitalismo e a Crise de 29
 
Trendwatching 3 4
Trendwatching 3 4Trendwatching 3 4
Trendwatching 3 4
 
4º crise financeirainternacionalunicamp
4º   crise financeirainternacionalunicamp4º   crise financeirainternacionalunicamp
4º crise financeirainternacionalunicamp
 
Economia 2008
Economia 2008Economia 2008
Economia 2008
 
A tragédia do euro
A tragédia do euroA tragédia do euro
A tragédia do euro
 
Café com Lojistas 28/04/2016 - Comportamento do Consumidor | Palestrante: Lui...
Café com Lojistas 28/04/2016 - Comportamento do Consumidor | Palestrante: Lui...Café com Lojistas 28/04/2016 - Comportamento do Consumidor | Palestrante: Lui...
Café com Lojistas 28/04/2016 - Comportamento do Consumidor | Palestrante: Lui...
 
Geo globalização 9º
Geo  globalização 9ºGeo  globalização 9º
Geo globalização 9º
 
Globalização Econômica - Internacionalização da Economia
Globalização Econômica - Internacionalização da EconomiaGlobalização Econômica - Internacionalização da Economia
Globalização Econômica - Internacionalização da Economia
 
Crise 29 e 2008
Crise 29 e 2008Crise 29 e 2008
Crise 29 e 2008
 

Consumismo - Apresentação final

  • 1. CONSUMISMOTrabalho realizado no âmbito da disciplina de área de projecto, orientado pelo professor Manuel José, pelos alunos do 12ºH (Grupo1): Ana Sousa nº1 Bernardo Almeida nº4 Gabriel Gonzaga nº9 Hugo Machado nº10
  • 4. No início do século XX, os Estados Unidos da América viviam um período de prosperidade e de pleno desenvolvimento.
  • 5. No entanto, a partir de 1925, a economia Norte-Americana começou a enfrentar sérias dificuldades.
  • 6. Dois motivos que despoletaram a crise:O muito desemprego gerado pelo desenvolvimento tecnológico e pela mecanização;
  • 7. A recuperação dos países europeus, logo após a 1ª Guerra Mundial, fez com que potenciais compradores de bens produzidos nos Estados Unidos reduzissem o consumo drasticamente, devido à recuperação das suas economias.
  • 8. Uma crise de superprodução foi originada pela contínua produção e falta de consumidores.
  • 9. Em consequência, as indústrias foram forçadas a diminuir a sua produção e demitir funcionários, agravando ainda mais a crise.
  • 11. A crise acabou por chegar ao mercado de acções. Volumes elevados de transacções eram intervalados com breves períodos de subida de cotações e recuperação, ocasionando o Crash.
  • 13. Abalados pela crise, os Estados Unidos reduziram a compra de produtos ao exterior e suspenderam os empréstimos a outros países, ocasionando uma crise mundial.
  • 14. Para solucionar a crise, Franklin Roosevelt, Presidente Norte-Americano, propôs mudar a política de intervenção americana.
  • 15. Se antes o Estado não interferia na economia, deixando tudo fluir conforme o mercado, agora passaria a intervir constantemente.
  • 16. O resultado desta decisão foi a criação de grandes infra-estruturas, fundos de apoio a desempregados, assistência a trabalhadores, concessão de empréstimos, entre outros.
  • 17. Assim, os Estados Unidos conseguiram retomar seu crescimento económico de forma gradual, tentando esquecer a crise.
  • 18. Concluindo, toda esta CRISE foi provocada pelo CONSUMISMO.
  • 19. Os Americanos quiseram aproveitar o espírito consumista para aumentar drasticamente a produtividade e, lógicamente, os lucros.
  • 20. Contudo, os seus grandes mercados diminuiram consideravelmente a procura, o que despoltou uma enorme acomulação de excedentes.
  • 21. Essa acomulação de excedentes não podia ser escoada apenas no mercado Americano, o que levou muitas empresas a dificuldades financeiras e logisticas.
  • 22. Um efeito bola-de-neve foi então desencadeado. Os seus efeitos foram alarmantes para todo o mundo.
  • 23. Assim o Consumismo não afecta apenas quem o pratica, mas toda a sociedade mundial, através de todos os actos gerados apartir desta generalização.
  • 24. A PublicidadeRedBull dá-te asasImpossibleIsNothingJust do itDrinkcokeDrink 7 upwithFidoDidoFaz-se nos alpes,desfaz-se na bocaAsk for moreFaz uma pausaMercedesBenzFerrariSegue oque sentesMais perto do que é importante
  • 25. O Que é a Publicidade? Publicidade designa qualquer mensagem impressa ou difundida, cujo objectivo seja o de divulgar e persuadir, com fins comerciais, uma ideia, um produto ou serviço, uma marca ou uma organização junto de um determinado mercado-alvo.
  • 26. Estratégias Publicitárias:Promover a singularidade:Produtos com elevada qualidade;Produtos com preços económicos;Produtos inovadores…
  • 27. Meios Publicitários:A Publicidade, e consequente propaganda quer à satisfação de necessidades quer à manipulação do público alvo, é feita, essencialmente, através da televisão, internet, rádio e imprensa (jornais, revistas, etc):
  • 28. A Televisão:Apesar de relativamente recente, a televisão é dos meios publicitários que mais nos influencia:Dependendo do horário, consegue atrair todo o tipo de público (permitindo promover qualquer tipo de produto)Combina o efeito áudio da rádio com o visual da imprensa. Utilizada como objecto de companhia permite a publicidade involuntária
  • 29. A InternetFenómeno recente mas já de aceitação generalizada. Mesmo assim, não se pode dizer que seja o tipo de publicidade mais frequente.Aumento exponencialdo número de pequenos anúncios quer em sites patrocinados “pop-ups” que nos direccionam ao site oficial do produto.Os e-mail são uma forma particular de publicidade na internet pois é necessário que quem recebe o e-mail o tenha divulgado. 
  • 30. A Rádio:Centra o seu pico de utilização na população activa mais propriamente nas viaturas particulares e em locais de trabalho com música de fundo.As suas principais vantagens são:Gratuitidade, portanto, acessível a toda a gente,a facilidade de utilização, já que permite outras ocupações em simultâneo e,essencialmente, a grande interactividade emissor-receptor.Gera-se publicidade com um tom íntimo e personalizado que cativa os ouvintes.
  • 31. A Imprensa:A imprensa utiliza anúncios de tamanhos variados à base de textos, fotografias e figuras onde cor, logótipos e slogans são fulcrais para despertar ou não o interesse do leitor.Esta chega hoje a todas as classes sociais com jornais e revistas de carácter nacional, regional ou local.
  • 32. O Cinema:Hoje em dia, todos os minutos antecedentes a um filme são reservados para publicidades a outros filmes e a anúncios particulares.Também na generalidade dos filmes e séries é possível identificar fortes campanhas publicitárias a roupas, carros, bebidas, etc.
  • 33. Mensagem Publicitária:Podemos dizer que hoje a publicidade está em todo o lado quase que piscando-nos o olho.Ninguém imagina o mundo hoje sem publicidade. As imagens atraentes e as palavras insinuantes convidam-nos a imaginar, por momentos, a nossa vida com o que está a ser anunciado. A publicidade é, assim, a arte de seduzir, de convencer e, por isso, nada num anúncio acontece por acaso…
  • 34. Estratégias e características PublicitáriasAspiração à felicidade e bem-estar, Vaidade, Sexualidade, Princípio do menor esforço, Gosto pela economia,Necessidade de certezacom testemunhos reaisgarantindo a plena satisfação do consumidor ou, somente, o total apoio ao clienteSensibilidade,Ambiente familiar, Criação de personagem.
  • 35. Cada anúncio publicitário deve:despertar a atenção,criar interesse,estimular desejo,permitir a memorizaçãoE, FUNDAMENTALMENTEprovocar a acção (aquisição).
  • 36. Elementos fulcrais de um anúncio::a marca, como elemento fundamental;a imagem, que deve “prender” o olhar;o slogan, que deve ser original, conciso, fácil de memorizar e capaz de despertar a simpatia da marca;o texto de argumentação, que dá a credibilidade ao anúncio, deve apontar as vantagens da aquisição do produto e a sua superioridade.
  • 37. Hoje, o conceito de riqueza em vez de assentar no princípio de acumulação de capital, passou a assentar no princípio do consumo. Ou seja, a evolução da sociedade está dependente, sobretudo, da evolução do consumo.Quanto mais determinada a consumir estiver a sociedade mais lucro terá e mais riqueza obterá.MAS MAIS RECUSROS DESPERDIÇARÁ!!
  • 38. O consumismo e, logo, a exagerada publicidade aos produtos e fomentação do consumo levam e continuarão a levar o homem para a sua destruição e, até, para a destruição do mundo!!
  • 39. “À dolorosa luz das grandes lâmpadas eléctricas da fábricaTenho febre e escrevo. Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto,Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos.”Álvaro de Campos, in ODE TRIUNFAL
  • 40. A origem da crise actualSubprimeCrédito à habitação de alto risco Destinado a uma fatia da população com rendimentos mais baixos e com uma situação económica mais instável. Única garantia exigida nestes empréstimos é o imóvel. Segmento do mercado de crédito exclusivo dos EUA.
  • 41. Como surgiu o ‘subprime’?O ‘subprime’ surge quando:A Reserva Federal norte-americana começa a baixar as taxas de juro para estimular o mercado imobiliário. A criação de emprego e o investimento empresarial estavam em níveis baixos e a taxa de juro descia para 1%. As várias instituições bancárias deixaram de ser tão exigentes nas condições requeridas para conceder créditos.
  • 42. Conclusão:Quando a reserva federal começa a subir de novo os juros o problema instala-se. Juros altos + Queda dos preços das casasFamílias sem capacidade para saldar as suas dívidas.
  • 43. Como se dá o contágio para a Europa?Mercados interligados Bancos e fundos europeus com investimentos em produtos das instituições norte-americanas que operam no segmento ‘subprime’. Levam a crise de liquidez na Europa.
  • 44. SoluçãoInjecção de capital por parte do BCE.Os bancos solicitam ao BCE o empréstimo de determinado montante para fazer face às necessidades de liquidez. O BCE analisa a gravidade da situação faz o empréstimo com uma taxa de juro baixa. A injecção de capital tem o objectivo de assegurar as condições normais dos mercados, e assegurar a robustez da zona euro.
  • 45. A crise a longo prazoA injecção de capital do BCE não resolve todo o problema. Tudo depende do grau de exposição dos bancos ao mercado norte-americano. Se a falta de confiança se alastrar ao resto dos mercados de crédito, as consequências poderão adquirir uma dimensão muito gravosa
  • 46. O crescimento económico mundial está ameaçado? Bancos congelam activos Prova da grandiosa seriedade do problema Os problemas do sistema financeiro acabam por se reflectir na economia: 1.Os bancos centrais são confrontados com a necessidade de restringir as condições de concessão de crédito. 2.Famílias e empresas são afectadas com consequente quebra do consumo e do investimento.
  • 47. Como é que Portugal foi afectado?A crise no mercado hipotecário dos EUA leva a que, em Portugal, o sector financeiro suspenda os seus fundos expostos ao segmento de ‘subprime’. Cotação dos fundos:ParvestDynamic ABS BNP Paribas ABS Euribor BNP Paribas ABS EoniaporEstes fundos são distribuídos pelo Banco Best, Barclays,  ActivoBank … Mas estas instituições não revelaram ainda quantos clientes foram afectados.
  • 48. Porque se afundam as bolsas europeias?Venda de acções de forma maciça pois temem o surgimento de novos sintomas que ponham em causa o funcionamento do sistema financeiro global. Naturalmente as acções dos bancos são as mais castigadas.
  • 49. Padrões de ConsumoPadrões de Consumo são modelos específicos, comuns a determinados grupos sociais, a que o consumo obedece.
  • 50. Factores explicativosEconómicos:Extra-económicos:Rendimento dos consumidores;Preço dos bens;Inovação tecnológica;Idade;Sexo;Moda;Publicidade;Localização geográfica;Tradição
  • 52. Preço dos bensFonte: Diário Económico
  • 53. Inovação TecnológicaOs novos bens, tecnologicamente mais sofisticados, apresentavelmente mais atractivos, leva a um aumento da capacidade aquisitiva dos consumidores.
  • 56. ModaPode condicionar a capacidade de escolha, ao criar motivações desajustadas das necessidades efectivas do indivíduo.
  • 59. TradiçãoInfluencia os modos de vida das populaçõesTraduz um hábito adquirido por gerações sucessivasDificulta a inovação, a mudança e a modernidade.
  • 60. Conclusão:Após a execução deste trabalho, podemos afirmar que o consumismo é uma tendência bastante recente.Este tem por base o egocentrismo do Homem e, embora de origem americana, rapidamente se alastrou à Europa e ao resto do mundo com o contributo das técnicas de publicidade e marketing.
  • 61. O consumismo está na base das mudanças mais profundas a que a sociedade actual assistiu afectando directamente todos os países desenvolvidos e as suas relações com o resto do mundo.Por sua vez, este fenómeno definiu modos de vida, comportamentos sociais e o modo de organização dos alicerces das economias mundiais.
  • 62. Conselhos para um consumo responsávelPara colaborarmos todos num consumo mais responsável temos que começar por reduzir o consumo excessivo. Se o nosso acto de consumo For reflectido podemos mudar os nossos hábitos, tendo como base algumas etapas que nos colocam várias interrogações.
  • 63. Antes de comprarNo momento da compraO que é que preciso ou quero exactamente?Que opções tenho para satisfazer essanecessidade ou desejo? De certeza que tenhoque comprar para conseguir o que quero?Como posso gastar menos quantidadedesse produto?Quais são os meios de produção e materiais mais ecológicos para o fabrico deste produto? Quem são os fabricantes das diferentes marcas do produto?Quem o vende? Que outros negócios tem? No que é que investe e a quem financia? A que classe de sociedade faz tender o seu modelo empresarial?
  • 64. Enquanto o uso ou consumoQuando acabei de consumirO que posso fazer para que cause o menor impactopossível quando se converta em resíduo? Como tenho que cuidar o produto enquanto o usopara que dure o máximo tempo possível e assimconsumir menos e gerar menos resíduos?
  • 65. Agradecimentos:Ao Professor Manuel José pela colaboração na elaboração do nosso trabalho;À DECO, em especial à responsável Tatiana Mendonça e ao jurista André Regueiro;Ao 12ºH;Aos alunos e professores da escola que colaboraram na elaboração dos inquéritos;Ao Professor Raul e à direcção da escola, pela ajuda nos contactos com a DECO