SlideShare uma empresa Scribd logo
La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad
ESTUDO COMPARATIVO ENTRE ENSAIOS EM TÚNEL DE VENTO E DANOS EM
ESTRUTURAS REAIS CAUSADOS POR UM DOWNBURST
COMPARATIVE STUDY OF WIND TUNNEL TESTS AND FULL-SCALE DAMAGES
CAUSED BY A DOWNBURST
Acir M. Loredo-Souza (P) (1); Elias G. Lima (2); Matthew B. Vallis (2); Marcelo M. Rocha (1);
Adrian R. Wittwer (3); Mario G. K. Oliveira (4)
(1) Professor, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil
(2) Doutorando, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil
(3) Professor, Universidad Nacional del Nordeste, Resistencia, Argentina
(4) Diretor, Vento-S Consultoria em Engenharia do Vento, Porto Alegre, RS, Brasil
Dirección para correspondencia: acir@ufrgs.br; (P) Presentador
Resumo
Na noite de 29 de janeiro, 2016, uma tormenta TS foi registrada em Porto Alegre, Brasil. Os ventos
causaram danos na maior parte da cidade, deixando 220.000 residências sem energia elétrica e milhares
sem água. O evento foi definido como um macroburst pelos meteorologistas devido às suas características
e padrões de danos, mas somente registros de três anemômetros estavam disponíveis. Este evento
meteorológico se tornou uma oportunidade para a verificação e comparação, em escala natural e sob
escoamentos oriundos de downburst, do comportamento de edificações previamente testadas em túnel de
vento de camada limite convencional. Seis edifícios de 80m de altura e dois estádios de futebol foram
analisados. Os prédios apresentaram danos em suas fachadas, enquanto os estádios não foram atingidos.
Em três dos prédios mais afetados, as distribuições de pressões nas fachadas obtidas do ensaio em túnel de
vento mostram uma correspondência direta com as zonas danificadas dos edifícios construídos. Embora as
características do escoamento dos ventos oriundos de downbursts possam ser diferentes daquelas de
ventos sinóticos usualmente simulados em túneis de vento, pode-se concluir a partir da análise de campo
que o uso de simulações em túneis de vento de camada limite convencionais ainda são uma ferramenta
valiosa na previsão do carregamento das cargas de vento oriundas dos eventos meteorológicos que geram
velocidades extremas no Brasil.
Palavras-chave: Downburst, Macroburst, Ventos TS, Túnel de Vento, Vento, Acidentes.
Abstract
On the night of January 29, 2016 a thunderstorm event was registered in Porto Alegre, Brazil. The winds
caused damage in the majority of the city, leaving more than 220,000 houses without electricity and
thousands without water. The event was defined as a macroburst by meteorologists due to its
characteristics and destruction patterns, but only three anemometers were available with the event
velocities records. This meteorological event offered an opportunity to check and compare, in full-scale
and under a downburst flow, the behaviour of buildings previously tested in a conventional Boundary
Layer Wind Tunnel. Six 80m tall buildings and two soccer stadiums were analysed. The buildings
presented damage in their façades cladding, while the stadiums remained undamaged. In three of the most
affected buildings the pressure distribution diagrams on the building façades, obtained from the wind
tunnel study, show a direct correspondence with the damaged zones of the analysed full-scale buildings.
Although the flow characteristics of downburst winds and conventional boundary layer simulations of
synoptic winds may be different, it may be concluded from the full-scale survey that the use of current
conventional wind tunnel simulations are still a valuable tool in the prediction of wind loads from most of
the meteorological events that generate extreme winds in Brazil.
Keywords: Downburst, Macroburst, TS Winds, Wind Tunnel, Wind, Full-scale damage.
La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad
1. INTRODUÇÃO
Na noite de 29 de janeiro de 2016, a cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil,
foi afetada por um evento meteorológico severo. Os ventos causaram danos na maioria da cidade
deixando 220.000 casas sem eletricidade e milhares sem água. Os serviços meteorológicos
brasileiros indicaram que uma frente fria encontrou uma massa de ar quente e úmido levou à
formação de uma super-célula sobre toda a região metropolitana. A temperatura atingiu 40º C, o
que é normal para o verão de Porto Alegre e usualmente leva à formação de tormentas TS e à
geração de ventos extremos (Loredo-Souza, 2012), mas este evento em particular teve uma
duração mais longa (mais de 20 minutos) e altas velocidades do vento que se mantiveram durante
o período. Meteorologistas e Engenheiros classificaram o evento como um downburst.
A máxima rajada medida foi de 33,2 m/s, na estação do INMET. No aeroporto, a máxima
rajada registrada foi de 24,2 m/s e no cais do porto a máxima rajada medida foi de 27,2 m/s. A
partir das características dos danos ocorridos, alguns meteorologistas estimaram que em uma
grande área o vento possa ter atingido velocidades em torno de 28 m/s e, em alguns poucos
bairros, em torno de 42 m/s. Árvores e automóveis foram derrubados por toda a cidade. Um
padrão não rotatório foi observado e nada foi realmente “lançado” (exceto pedaços de vidro e
pedras provenientes dos elementos de revestimento das fachadas de prédios), eliminando a
hipótese de um tornado. Além disso, vídeos e testemunhas relatam ventos descendentes
(verticais) extremamente fortes seguidos por ventos horizontais. Vários danos ocorreram em
edificações, especialmente nas fachadas. A Figura 1 mostra alguns exemplos de danos ocorridos
durante o evento. Este fenômeno meteorológico ofereceu uma oportunidade de verificar e
comparar, em escala natural e sob um escoamento gerado por um downburst, o desempenho de
edificações previamente ensaiadas em um túnel de vento de camada limite.
Figura 1. Danos causados pelo downburst que atingiu Porto Alegre em 29 de janeiro de 2016.
La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad
2. DOWNBURSTS NO BRASIL
2.1. Downbursts
Downburst é um termo primeiramente elaborado por Fujita (1985) e é entendido como
uma densa e forte coluna de ar frio causada por uma corrente descendente em direção ao solo, a
qual gera uma “explosão” de ventos divergentes. Em termos de escala espacial, um downburst
pode ser classificado como uma micro-explosão, quando atinge até 4km em torno do epicentro, e
como uma macro-explosão, quando supera esta gama. A Figura 2 mostra um período de duração
típico de uma micro-explosão.
Figura 2. Período de duração típico de uma micro-explosão (Hjelmfelt, 1988).
Em termos de variação vertical, os perfis de velocidade dos downbursts (durante o
processo de expansão horizontal) diferem daqueles tipicamente observados em perfis de camada
limite atmosférica (CLA), conforme indicado na Figura 3. Isto pode ser extremamente
importante para edifícios muito altos, mas para aqueles com altura equivalente aos estudados
neste trabalho (não maiores que 80m) isto não parece muito significativo, embora pouco seja
sabido sobre a estrutura da turbulência em um escoamento oriundo de downburst.
Figura 3. Esquema mostrando um perfil de velocidades de camada limite atmosférica, à
esquerda, e um perfil de velocidades de um downburst durante durante o processo de expansão
horizontal, à direita (Bertsch e Ruck, 2015).
La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad
2.2. O evento de Porto Alegre e ocorrências prévias no Brasil
O downburst é um fenômeno meteorológico muito particular e vários fatores precisam ser
observados antes de sua ocorrência ser confirmada. O evento de clima severo observado em
Porto Alegre pode ser classificado como uma macro-explosão principalmente devido ao seu
padrão de destruição, mas se imagens de radar com melhor resolução estivessem disponíveis o
evento poderia ser melhor entendido. A imagem de satélite da Figura 4 mostra uma super-célula
bem desenvolvida sobre a cidade ao mesmo tempo em que as rajadas mais intensas foram
registradas.
Figura 4. Imagem de satélite de uma super-célula sobre Porto Alegre em 30/01/2016
00:45:51 UTC (REDEMET, 2016).
Conforme Garstang et al. (1989), super-células são sistemas climáticos típicos que podem
ser capazes de gerar downbursts. Mas existem vários parâmetros meteorológicos, tais como
aqueles indicados na Tabela 1, que podem ser usados para identificar valores típicos encontrados
durante uma ocorrência de downburst (Lima and Loredo-Souza, 2015). Também apresentados
são os correspondentes valores característicos obtidos durante o evento em análise, onde é
possível verificar as mudanças abruptas nos parâmetros meteorológicos predominantes. Devido
às limitações de dados das Estações Meteorológicas Automáticas Brasileiras, para a Temperatura
Potencial Equivalente e para a Taxa de Mistura os valores instantâneos na hora em que o
downburst foi registrado, bem como da hora anterior, foram usados. Para os outros parâmetros,
amplitudes máximas e mínimas na hora do evento foram utilizadas, sendo que elas descrevem as
variações repentinas nas condições ambientais durante o evento.
Conforme mostrado na Tabela 2, algumas estações meteorológicas em torno de Porto
Alegre também apresentaram rajadas de vento superiores a 10 m/s, mas somente Campo Bom
(A884), 42 km de Porto Alegre, apresentou picos de pressão substanciais, seguidos por uma
grande diminuição de temperatura, levantando a possibilidade da ocorrência de um outro
downburst na área da “Grande Porto Alegre”. Entretanto, Canela (A879) e Bento Gonçalves
(A840), respectivamente localizados a 85km e a 100km de Porto Alegre, registraram fortes
rajadas de vento, mas nenhum pico de pressão. Reduções de temperatura podem ser justificadas
pela aproximação de ar frio de uma frente de rajadas, o que também explica a mudança na
direção do vento.
La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad
Tabela 1. Valores dos parâmetros meteorológicos típicos para a ocorrência de downbursts e
aqueles observados para a estação meteorológica de Porto Alegre (A801) durante o evento.
Características
Gama de Valores
Típicos de
Downbursts
Referência Porto Alegre
Diminuição de temp. entre a
superfície e a camada fria
próxima a 700hPa (K)
> 20
(Atkins e Wakimoto
1991)
Dados não
disponíveis
Rajada de vento (m/s)
>10 (mín); 25 - 50
(eventos c/ danos
severos)
(Garstang et al. 1998) 33,2
Diminuição efetiva da
temperatura potencial
equivalente instantânea (K)
> 4 (Garstang et al. 1998) 14,93
Diminuição de temperatura (°C) > 5 (Garstang et al. 1998) 5,5
Diminuição do ponto de orvalho
(°C)
- - 1,8
Aumento na pressão
atmosférica (hPa)
> 2,4 (Caracena e Maier 1987) 2,4
Decréscimo da taxa de mistura
instantânea saturada (g/kg)
>3,5 (Garstang et al. 1998) 1,70
Diminuição da umidade relativa
(%)
- - 22
Precipitação registrada (mm/h) > 0,5 (Garstang et al. 1998) 37,4
Table 2. Parâmetros meteorológicos obtidos em estações em torno de Porto Alegre.
Características Canela Campo Bom Bento Gonçalves
Diminuição de temp. entre a superfície
e a camada fria próxima a 700hPa (K)
Dados não
disponíveis
Dados não
disponíveis
Dados não
disponíveis
Rajada de vento (m/s) 17,3 13,8 12,2
Diminuição efetiva da temperatura
potencial equivalente instantânea (K)
17,41 18,84
Nenhum decréscimo
registrado
Diminuição de temperatura (°C) 3,7 7,6 1,4
Diminuição do ponto de orvalho (°C) 4,4 5,0 0,7
Aumento na pressão atmosférica (hPa) 1.2 3,7 1,0
Decréscimo da taxa de mistura
instantânea saturada (g/kg)
4,35 3,67
Nenhum decréscimo
registrado
Diminuição da umidade relativa (%) 8 29 11
Precipitação registrada (mm/h) 0.6 6.4 0
La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad
Os dados disponíveis na Tabela 1 são relevantes para este estudo porque todos os
parâmetros típicos para a ocorrência de um downburst foram registrados (exceto um) durante o
evento de 29 de janeiro de 2016, confirmando a hipótese que um forte fenômeno desta natureza
atingiu a área urbana de Porto Alegre. Estudos prévios já haviam indicado que a região sul do
Brasil é suscetível à ocorrência de downbursts (Lima e Loredo-Souza, 2015). A principal
preocupação em relação a este evento mais recente é em relação à segurança das edificações, pois
ainda não é completamente entendido em que extensão as características dos ventos gerados por
downbursts são diferentes daquelas de tormentas EPS, ou ventos sinóticos (Letchford e Chay,
2002). Isto pode deixar as edificações sucetíveis a falhas, colocando vidas em risco e causando
grandes perdas econômicas, tais como aquelas observadas no evento de downburst de Porto
Alegre.
3. ENSAIOS EM TÚNEL DE VENTO DE CAMADA LIMITE
Este evento meteorológico ofereceu uma oportunidade de verificar e comparar, em escala
natural e sob um escoamento gerado por um downburst, o desempenho de edificações
previamente ensaiadas em um túnel de vento de camada limite. Seis prédios com 80m de altura e
dois estádios de futebol foram analisados. A Figura 5 mostra os modelos no interior do Túnel de
Vento Prof. Joaquim Blessmann da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Blessmann,
1982) e a Fig. 6 as principais características de um dos ventos simulados.
Figura 5. Modelos no interior do túnel de vento: dois estádios de futebol e seis prédios com 80m
de altura.
La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad
Figura 6. Principais características de um dos ventos simulados: perfil de velocidades médias,
intensidade da turbulência e escala integral da componente longitudinal da turbulência.
Todos os modelos foram instrumentados e medições instantâneas de pressões foram
realizadas nas superfícies dos modelos. A Fig. 7 mostra a distribuição dos coeficientes de pressão
médios para um dos edifícios, para um ângulo de incidência do vento. Devido a limitações de
espaço, as distribuições de coeficientes de pressão para outras edificações são mostradas na
próxima seção, junto com as configurações de danos.
Figura 7. Diagramas de pressões médios nas fachadas do prédio em destaque, obtidos em ensaios
em túnel de vento de camada limite (sucção = amarelo, laranja; sobrepressão = azul).
La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad
4. DESEMPENHO DAS EDIFICAÇÕES REAIS
Um mapa com mais de 400 casos de danos em uma grande área da cidade, registrados por
Metroclima (2016), é mostrado na Fig. 8 juntamente com os locais onde medições oficiais de
velocidade estavam disponíveis. Os danos são separados, de acordo com os ícones, em: árvores
caídas, danos a estrutura e revestimento, e fogo. A densidade de danos foi maior do que o mapa
está indicando, mas por clareza somente os mais severos são mostrados. São também indicadas
na Fig. 8 as localizações das estruturas para as quais resultados de ensaios em túnel de vento
estavam disponíveis.
Com relação às velocidades do vento, mesmo se as piores estimativas fossem admitidas,
resultando em velocidades mais altas do que aquelas efetivamente medidas, a velocidade de
referência recomendada para Porto Alegre pela Norma Brasileira NBR-6123 é uma rajada de
vento de 46 m/s (Fig. 9), ou seja, não foi ultrapassada. Isto significa que os danos resultantes não
foram devidos a um fenômeno não previsto, mas possivelmente a uma falta de entendimento nas
especificações de projeto e/ou condições operacionais de estruturas e elementos de revestimento.
Analisando o desempenho das edificações estudadas, é possível verificar que os estádios
permaneceram sem nenhum dano, enquanto as árvores e estruturas no entorno foram seriamente
atingidas como pode ser visto na Fig. 10. Durante a fase de projeto, modificações e melhorias
foram realizadas nas estruturas dos estádios com base nos resultados dos ensaios em túnel de
vento, o que certamente resultou em um melhor desempenho em relação à ação do vento.
Figura 8. Mapa indicando danos ocorridos durante o downburst de 29 de janeiro de 2016 em
Porto Alegre (adaptado de Metroclima, 2016), os locais e valores das medições oficiais de
velocidades e as localizações e edificações para as quais resultados de ensaios em túnel de vento
de camada limite estavam disponíveis.
La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad
Figura 9. Mapa com as velocidades de referência do vento (rajada de 3s, em m/s, a 10m de altura,
terreno aberto e plano). A velocidade para Porto Alegre é destacada (NBR-6123).
Figura 10. Danos a árvores e estruturas vizinhas causados pelo downburst e nenhum dano ao
estádio.
Para o grupo de edifícios, o desempenho foi diferente. Todos apresentaram danos em suas
fachadas (Figs. 11 a 13), mas em padrões bem distintos. Para o primeiro grupo de três prédios
mostrado na Fig. 11, para o qual alguns diagramas de coeficientes de pressão são fornecidos na
Fig. 7, as evidências mostraram que as janelas que foram mantidas fechadas e trancadas não
sofreram danos, enquanto aquelas deixadas abertas, ou mesmo fechadas mas não trancadas,
foram arrancadas ou quebradas pela ação do vento.
La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad
Figura 11. Danos a elementos de revestimento: algumas janelas que não estavam trancadas foram
destruídas.
Para o outro grupo, correspondendo aos três dos edifícios mais afetados (Figs. 12 and 13),
as fachadas têm dois tipos de elementos de revestimento: vidro e placas de granito. É possível
observar que os danos mais severos ocorreram no revestimento de granito, o qual tem um uma
configuração específica de suporte e fixação, conforme indicado na Fig. 14. É interessante notar
que os diagramas de distribuições de pressões nas fachadas do prédio indicado, obtidas do estudo
em túnel de vento, mostram uma correspondência direta com as zonas danificadas do edifício
real em análise.
Figura 12. Danos causados pelo downburst e diagramas de coeficientes de pressão médios
(sucção = amarelo, laranja; sobrepressão = azul) nas fachadas da Torre A, obtidos de ensaios em
túnel de vento de camada limite.
Na Fig. 13 a correspondência entre as distribuições de pressão e os danos nas placas de
granite usadas como revestimento é muito evidente. O sistema de suporte das placas de granito,
mostrado na Fig. 14, não parece projetado para suportar pressões da ordem de magnitude
daquelas que ocorreram no evento, lembrando que a velocidade de projeto indicada pela norma
não foi atingida. Com relação ao revestimento de vidro, alguns danos ocorreram, mas em menor
quantidade, sendo que algumas foram arrancadas quando deixadas abertas ou quebradas devido
ao impacto de projéteis lançados pelo vento.
La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad
Figure 13. Danos causados pelo downburst e diagramas de coeficientes de pressão médios
(sucção = amarelo, laranja; sobrepressão = azul) nas fachadas da Torre C, obtidos de ensaios em
túnel de vento de camada limite.
5. CONCLUSÕES
Do que foi exposto acima, é possível concluir que o evento meteorológico que ocorreu em Porto
Alegre em 29 de janeiro de 2016 pode ser classificado como uma macro-explosão (macroburst).
Mas mesmo que danos severos tenham ocorrido em diversas edificações, não há evidência que as
velocidades do vento tenham atingido a magnitude definida pela norma brasileira.
Embora as características de ventos oriundos de downbursts possam diferir daquelas de
simulações convencionais de camada limite de ventos sinóticos, pode-se concluir, a partir das
análises de campo, que o túnel de vento de camada limite convencional é ainda uma valiosa
ferramenta na previsão das cargas de vento geradas pela maioria dos eventos meteorológicos que
geram ventos extremos no Brasil. Esta conclusão é válida para os tipos de edificações estudados
neste trabalho, com alturas até 80m. De qualquer forma, mais pesquisa é necessária para que se
possa entender as diferenças nos carregamentos gerados por ventos não sinóticos.
Figura 14. Danos causados pelo downburst e sistema de suporte das placas de granito.
La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad
AGRADECIMENTOS
Os autores agradecem as equipes do Laboratório de Aerodinâmica das Construções da
UFRGS, Brasil, do Laboratório de Aerodinâmica da UNNE, Argentina, e da empresa Vento-S
Consultoria em Engenharia do Vento.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Associação Brasileira de Normas Técnicas (1988) NBR-6123 – Forças devidas ao vento em
edificações. Rio de Janeiro.
Atkins, N., Wakimoto, R.M. (1991). Wet microburst activity over the southeastern United States:
Implications for forecasting. Weather and Forecasting, v. 6, n. 4, p. 470-482.
Bertsch, A., Ruck, B. (2015). Interaction between convective downdrafts and inner city areas – a
wind tunnel study. In: Proceedings of the 14th International Conference on Wind
Engineering – ICWE14. Porto Alegre, Brazil. June 21-26.
Blessmann, J. (1982) The Boundary Layer Wind Tunnel of UFRGS; J. Wind Eng. Ind.
Aerodynamics, 10 (1982), 231-248.Fujita, T.T., 1985. The Downburst - Microburst and
Macroburst. SMRP-RP-210, Univ. of Chicago, p. 122.
Caracena, F., Maier, M.W. (1987). Analysis of a microburst in the FACE meteorological
mesonetwork in Southern Florida. Monthly Weather Review, v. 115, n. 5, p. 969-985.
Garstang, M. et al. (1998). Convective cloud downdrafts as the cause of large blowdowns in the
Amazon rainforest. Meteorology and Atmospheric Physics, v. 67, n. 1-4, p. 199-212.
Hjelmfelt, M.R. (1988). Structure and life cycle of microburst outflows observed in Colorado.
Journal of Applied Meteorology, v. 27, n. 8, p. 900-927.
Letchford, C. W.; Chay, M. T. (2002). Pressure distributions on a cube in a simulated
thunderstorm downburst. Part B: moving downburst observations. Journal of Wind
Engineering and Industrial Aerodynamics, v. 90, n. 7, p. 733-753.
Lima, E.G., Loredo-Souza, A.M. (2015). Analysis of downbursts occurrence in Brazil. Ciência e
Natura, Santa Maria, v. 37 Ed. Especial SIC, ISSN on-line: 2179-460X, p. 32–38.
Loredo-Souza, A.M. (2012). Meteorological events causing exteme winds in Brazil. Wind and
Structures, Vol. 15, No. 2, 177-188.
Metroclima (2016). , Feb 4. Available on https://pbs.twimg.com/media/
CaYE610WYAAcBJ0.jpgINMET.
REDEMET (2016). Feb 6. Available on thttp://www.redemet.aer.mil.br/?i=produtos&p
=imagens-de-satelite.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Comparative Study of Wind Tunnel Tests and Full-Scale Damages Caused by a Downburst

Acoes do vento
Acoes do ventoAcoes do vento
Acoes do vento
André Zardo Bonaldo
 
Acoes vento
Acoes ventoAcoes vento
SPDA Energylux 14112022.pdf
SPDA Energylux 14112022.pdfSPDA Energylux 14112022.pdf
SPDA Energylux 14112022.pdf
LuizMarcosdeOliveira
 
Barragens sandroni - 2006 - 2 acidentes
Barragens   sandroni - 2006 - 2 acidentesBarragens   sandroni - 2006 - 2 acidentes
Barragens sandroni - 2006 - 2 acidentes
Alex Duarte
 
Tornado em macapa
Tornado em macapaTornado em macapa
Tornado em macapa
adson232
 
Valas tacitano
Valas tacitanoValas tacitano
Valas tacitano
Fernanda Checchinato
 
1º EMET - UNESP Bauru
1º EMET - UNESP Bauru1º EMET - UNESP Bauru
1º EMET - UNESP Bauru
Jéssica Soares
 
Artigo_Santoro et al
Artigo_Santoro et alArtigo_Santoro et al
Artigo_Santoro et al
Maria José Brollo
 
Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116
Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116
Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116
ERI - "Engineering and Research Institute" Pesquisas Ltda
 
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptxQuestione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Análise da ocorrência de downbursts no Brasil
Análise da ocorrência de downbursts no BrasilAnálise da ocorrência de downbursts no Brasil
Análise da ocorrência de downbursts no Brasil
Elias Galvan
 
Artigo IPOG Procedimento para Análise Estática das Ações de Vento em Torres...
Artigo IPOG Procedimento para Análise Estática das Ações de Vento em Torres...Artigo IPOG Procedimento para Análise Estática das Ações de Vento em Torres...
Artigo IPOG Procedimento para Análise Estática das Ações de Vento em Torres...
Alamo Vaz
 
Poster diego campos_ok
Poster diego campos_okPoster diego campos_ok
Poster diego campos_ok
DigoCampos7
 
Survivability nas Operações em Helipontos Elevados na Cidade de São Paulo
Survivability nas Operações em Helipontos Elevados na Cidade de São PauloSurvivability nas Operações em Helipontos Elevados na Cidade de São Paulo
Survivability nas Operações em Helipontos Elevados na Cidade de São Paulo
Jeferson Espindola
 
Apêndice 2 - Vulnerabilidades da zona costeira brasileira às mudanças climáticas
Apêndice 2 - Vulnerabilidades da zona costeira brasileira às mudanças climáticasApêndice 2 - Vulnerabilidades da zona costeira brasileira às mudanças climáticas
Apêndice 2 - Vulnerabilidades da zona costeira brasileira às mudanças climáticas
SAE - Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República
 
Material extraído do site
Material extraído do siteMaterial extraído do site
Material extraído do site
rolonluiz
 
Material extraído do site
Material extraído do siteMaterial extraído do site
Material extraído do site
rolonluiz
 
Geração de Energias Alternativas: Potencial Eólico e Complementaridade Solar
Geração de Energias Alternativas: Potencial Eólico e Complementaridade SolarGeração de Energias Alternativas: Potencial Eólico e Complementaridade Solar
Geração de Energias Alternativas: Potencial Eólico e Complementaridade Solar
Marc Valente
 
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBALINUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
Fernando Alcoforado
 
Analysis of an environment favorable to the occurrence of Downburst
Analysis of an environment favorable to the occurrence of Downburst Analysis of an environment favorable to the occurrence of Downburst
Analysis of an environment favorable to the occurrence of Downburst
Elias Galvan
 

Semelhante a Comparative Study of Wind Tunnel Tests and Full-Scale Damages Caused by a Downburst (20)

Acoes do vento
Acoes do ventoAcoes do vento
Acoes do vento
 
Acoes vento
Acoes ventoAcoes vento
Acoes vento
 
SPDA Energylux 14112022.pdf
SPDA Energylux 14112022.pdfSPDA Energylux 14112022.pdf
SPDA Energylux 14112022.pdf
 
Barragens sandroni - 2006 - 2 acidentes
Barragens   sandroni - 2006 - 2 acidentesBarragens   sandroni - 2006 - 2 acidentes
Barragens sandroni - 2006 - 2 acidentes
 
Tornado em macapa
Tornado em macapaTornado em macapa
Tornado em macapa
 
Valas tacitano
Valas tacitanoValas tacitano
Valas tacitano
 
1º EMET - UNESP Bauru
1º EMET - UNESP Bauru1º EMET - UNESP Bauru
1º EMET - UNESP Bauru
 
Artigo_Santoro et al
Artigo_Santoro et alArtigo_Santoro et al
Artigo_Santoro et al
 
Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116
Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116
Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116
 
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptxQuestione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
 
Análise da ocorrência de downbursts no Brasil
Análise da ocorrência de downbursts no BrasilAnálise da ocorrência de downbursts no Brasil
Análise da ocorrência de downbursts no Brasil
 
Artigo IPOG Procedimento para Análise Estática das Ações de Vento em Torres...
Artigo IPOG Procedimento para Análise Estática das Ações de Vento em Torres...Artigo IPOG Procedimento para Análise Estática das Ações de Vento em Torres...
Artigo IPOG Procedimento para Análise Estática das Ações de Vento em Torres...
 
Poster diego campos_ok
Poster diego campos_okPoster diego campos_ok
Poster diego campos_ok
 
Survivability nas Operações em Helipontos Elevados na Cidade de São Paulo
Survivability nas Operações em Helipontos Elevados na Cidade de São PauloSurvivability nas Operações em Helipontos Elevados na Cidade de São Paulo
Survivability nas Operações em Helipontos Elevados na Cidade de São Paulo
 
Apêndice 2 - Vulnerabilidades da zona costeira brasileira às mudanças climáticas
Apêndice 2 - Vulnerabilidades da zona costeira brasileira às mudanças climáticasApêndice 2 - Vulnerabilidades da zona costeira brasileira às mudanças climáticas
Apêndice 2 - Vulnerabilidades da zona costeira brasileira às mudanças climáticas
 
Material extraído do site
Material extraído do siteMaterial extraído do site
Material extraído do site
 
Material extraído do site
Material extraído do siteMaterial extraído do site
Material extraído do site
 
Geração de Energias Alternativas: Potencial Eólico e Complementaridade Solar
Geração de Energias Alternativas: Potencial Eólico e Complementaridade SolarGeração de Energias Alternativas: Potencial Eólico e Complementaridade Solar
Geração de Energias Alternativas: Potencial Eólico e Complementaridade Solar
 
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBALINUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
 
Analysis of an environment favorable to the occurrence of Downburst
Analysis of an environment favorable to the occurrence of Downburst Analysis of an environment favorable to the occurrence of Downburst
Analysis of an environment favorable to the occurrence of Downburst
 

Mais de Elias Galvan

Happy Children Project
Happy Children Project Happy Children Project
Happy Children Project
Elias Galvan
 
Full-scale downburst damage versus boundary layer wind tunnel pressures: a su...
Full-scale downburst damage versus boundary layer wind tunnel pressures: a su...Full-scale downburst damage versus boundary layer wind tunnel pressures: a su...
Full-scale downburst damage versus boundary layer wind tunnel pressures: a su...
Elias Galvan
 
Analysis of Downburst Occurrences in Brazil
Analysis of Downburst Occurrences in BrazilAnalysis of Downburst Occurrences in Brazil
Analysis of Downburst Occurrences in Brazil
Elias Galvan
 
Downburst Occurence in Brazil
Downburst Occurence in BrazilDownburst Occurence in Brazil
Downburst Occurence in Brazil
Elias Galvan
 
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Elias Galvan
 
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Elias Galvan
 
Estudo de um caso de dispersão de poluentes a partir de uma fonte pontual na...
Estudo de um caso de dispersão de poluentes a partir de uma fonte pontual na...Estudo de um caso de dispersão de poluentes a partir de uma fonte pontual na...
Estudo de um caso de dispersão de poluentes a partir de uma fonte pontual na...
Elias Galvan
 
Comparação entre a análise objetiva e subjetiva dos dados gerados pelo Mod...
Comparação entre a análise objetiva e subjetiva dos dados gerados pelo Mod...Comparação entre a análise objetiva e subjetiva dos dados gerados pelo Mod...
Comparação entre a análise objetiva e subjetiva dos dados gerados pelo Mod...
Elias Galvan
 
Verificação das Variáveis Reais e Contínuas de Superfície Geradas Pelo M...
Verificação das Variáveis Reais e Contínuas de Superfície Geradas Pelo M...Verificação das Variáveis Reais e Contínuas de Superfície Geradas Pelo M...
Verificação das Variáveis Reais e Contínuas de Superfície Geradas Pelo M...
Elias Galvan
 
Resultados Preliminares sobre a Verificacão das Previsões do Modelo WRF Ins...
Resultados Preliminares sobre a Verificacão das Previsões do Modelo WRF Ins...Resultados Preliminares sobre a Verificacão das Previsões do Modelo WRF Ins...
Resultados Preliminares sobre a Verificacão das Previsões do Modelo WRF Ins...
Elias Galvan
 
Verificação da Pressão Atmosférica ao Nível Médio do Mar na Região Sul do Bra...
Verificação da Pressão Atmosférica ao Nível Médio do Mar na Região Sul do Bra...Verificação da Pressão Atmosférica ao Nível Médio do Mar na Região Sul do Bra...
Verificação da Pressão Atmosférica ao Nível Médio do Mar na Região Sul do Bra...
Elias Galvan
 
Verificação da Temperatura de Superfície na Região Sul do Brasil Estimada pel...
Verificação da Temperatura de Superfície na Região Sul do Brasil Estimada pel...Verificação da Temperatura de Superfície na Região Sul do Brasil Estimada pel...
Verificação da Temperatura de Superfície na Região Sul do Brasil Estimada pel...
Elias Galvan
 
Fenômeno la niña de maio de 2007 a abril de 2008 e a precipitação no rio ...
Fenômeno la niña de maio de 2007 a abril de 2008 e a precipitação no rio ...Fenômeno la niña de maio de 2007 a abril de 2008 e a precipitação no rio ...
Fenômeno la niña de maio de 2007 a abril de 2008 e a precipitação no rio ...
Elias Galvan
 
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros da Primavera de 2009
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros da Primavera de 2009Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros da Primavera de 2009
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros da Primavera de 2009
Elias Galvan
 
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros do Inverno de 2009
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros do Inverno de 2009Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros do Inverno de 2009
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros do Inverno de 2009
Elias Galvan
 

Mais de Elias Galvan (15)

Happy Children Project
Happy Children Project Happy Children Project
Happy Children Project
 
Full-scale downburst damage versus boundary layer wind tunnel pressures: a su...
Full-scale downburst damage versus boundary layer wind tunnel pressures: a su...Full-scale downburst damage versus boundary layer wind tunnel pressures: a su...
Full-scale downburst damage versus boundary layer wind tunnel pressures: a su...
 
Analysis of Downburst Occurrences in Brazil
Analysis of Downburst Occurrences in BrazilAnalysis of Downburst Occurrences in Brazil
Analysis of Downburst Occurrences in Brazil
 
Downburst Occurence in Brazil
Downburst Occurence in BrazilDownburst Occurence in Brazil
Downburst Occurence in Brazil
 
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
 
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
 
Estudo de um caso de dispersão de poluentes a partir de uma fonte pontual na...
Estudo de um caso de dispersão de poluentes a partir de uma fonte pontual na...Estudo de um caso de dispersão de poluentes a partir de uma fonte pontual na...
Estudo de um caso de dispersão de poluentes a partir de uma fonte pontual na...
 
Comparação entre a análise objetiva e subjetiva dos dados gerados pelo Mod...
Comparação entre a análise objetiva e subjetiva dos dados gerados pelo Mod...Comparação entre a análise objetiva e subjetiva dos dados gerados pelo Mod...
Comparação entre a análise objetiva e subjetiva dos dados gerados pelo Mod...
 
Verificação das Variáveis Reais e Contínuas de Superfície Geradas Pelo M...
Verificação das Variáveis Reais e Contínuas de Superfície Geradas Pelo M...Verificação das Variáveis Reais e Contínuas de Superfície Geradas Pelo M...
Verificação das Variáveis Reais e Contínuas de Superfície Geradas Pelo M...
 
Resultados Preliminares sobre a Verificacão das Previsões do Modelo WRF Ins...
Resultados Preliminares sobre a Verificacão das Previsões do Modelo WRF Ins...Resultados Preliminares sobre a Verificacão das Previsões do Modelo WRF Ins...
Resultados Preliminares sobre a Verificacão das Previsões do Modelo WRF Ins...
 
Verificação da Pressão Atmosférica ao Nível Médio do Mar na Região Sul do Bra...
Verificação da Pressão Atmosférica ao Nível Médio do Mar na Região Sul do Bra...Verificação da Pressão Atmosférica ao Nível Médio do Mar na Região Sul do Bra...
Verificação da Pressão Atmosférica ao Nível Médio do Mar na Região Sul do Bra...
 
Verificação da Temperatura de Superfície na Região Sul do Brasil Estimada pel...
Verificação da Temperatura de Superfície na Região Sul do Brasil Estimada pel...Verificação da Temperatura de Superfície na Região Sul do Brasil Estimada pel...
Verificação da Temperatura de Superfície na Região Sul do Brasil Estimada pel...
 
Fenômeno la niña de maio de 2007 a abril de 2008 e a precipitação no rio ...
Fenômeno la niña de maio de 2007 a abril de 2008 e a precipitação no rio ...Fenômeno la niña de maio de 2007 a abril de 2008 e a precipitação no rio ...
Fenômeno la niña de maio de 2007 a abril de 2008 e a precipitação no rio ...
 
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros da Primavera de 2009
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros da Primavera de 2009Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros da Primavera de 2009
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros da Primavera de 2009
 
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros do Inverno de 2009
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros do Inverno de 2009Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros do Inverno de 2009
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros do Inverno de 2009
 

Último

Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de PosicionamentoIntrodução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
GeraldoGouveia2
 
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.docAnálise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
cristiano docarmo
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
marcosmpereira
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
Consultoria Acadêmica
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Sandro Marques Solidario
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
bentosst
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
Consultoria Acadêmica
 
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificaçãoEstruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
caduelaia
 

Último (11)

Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de PosicionamentoIntrodução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
 
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.docAnálise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
 
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
 
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificaçãoEstruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
 

Comparative Study of Wind Tunnel Tests and Full-Scale Damages Caused by a Downburst

  • 1. La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad ESTUDO COMPARATIVO ENTRE ENSAIOS EM TÚNEL DE VENTO E DANOS EM ESTRUTURAS REAIS CAUSADOS POR UM DOWNBURST COMPARATIVE STUDY OF WIND TUNNEL TESTS AND FULL-SCALE DAMAGES CAUSED BY A DOWNBURST Acir M. Loredo-Souza (P) (1); Elias G. Lima (2); Matthew B. Vallis (2); Marcelo M. Rocha (1); Adrian R. Wittwer (3); Mario G. K. Oliveira (4) (1) Professor, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil (2) Doutorando, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil (3) Professor, Universidad Nacional del Nordeste, Resistencia, Argentina (4) Diretor, Vento-S Consultoria em Engenharia do Vento, Porto Alegre, RS, Brasil Dirección para correspondencia: acir@ufrgs.br; (P) Presentador Resumo Na noite de 29 de janeiro, 2016, uma tormenta TS foi registrada em Porto Alegre, Brasil. Os ventos causaram danos na maior parte da cidade, deixando 220.000 residências sem energia elétrica e milhares sem água. O evento foi definido como um macroburst pelos meteorologistas devido às suas características e padrões de danos, mas somente registros de três anemômetros estavam disponíveis. Este evento meteorológico se tornou uma oportunidade para a verificação e comparação, em escala natural e sob escoamentos oriundos de downburst, do comportamento de edificações previamente testadas em túnel de vento de camada limite convencional. Seis edifícios de 80m de altura e dois estádios de futebol foram analisados. Os prédios apresentaram danos em suas fachadas, enquanto os estádios não foram atingidos. Em três dos prédios mais afetados, as distribuições de pressões nas fachadas obtidas do ensaio em túnel de vento mostram uma correspondência direta com as zonas danificadas dos edifícios construídos. Embora as características do escoamento dos ventos oriundos de downbursts possam ser diferentes daquelas de ventos sinóticos usualmente simulados em túneis de vento, pode-se concluir a partir da análise de campo que o uso de simulações em túneis de vento de camada limite convencionais ainda são uma ferramenta valiosa na previsão do carregamento das cargas de vento oriundas dos eventos meteorológicos que geram velocidades extremas no Brasil. Palavras-chave: Downburst, Macroburst, Ventos TS, Túnel de Vento, Vento, Acidentes. Abstract On the night of January 29, 2016 a thunderstorm event was registered in Porto Alegre, Brazil. The winds caused damage in the majority of the city, leaving more than 220,000 houses without electricity and thousands without water. The event was defined as a macroburst by meteorologists due to its characteristics and destruction patterns, but only three anemometers were available with the event velocities records. This meteorological event offered an opportunity to check and compare, in full-scale and under a downburst flow, the behaviour of buildings previously tested in a conventional Boundary Layer Wind Tunnel. Six 80m tall buildings and two soccer stadiums were analysed. The buildings presented damage in their façades cladding, while the stadiums remained undamaged. In three of the most affected buildings the pressure distribution diagrams on the building façades, obtained from the wind tunnel study, show a direct correspondence with the damaged zones of the analysed full-scale buildings. Although the flow characteristics of downburst winds and conventional boundary layer simulations of synoptic winds may be different, it may be concluded from the full-scale survey that the use of current conventional wind tunnel simulations are still a valuable tool in the prediction of wind loads from most of the meteorological events that generate extreme winds in Brazil. Keywords: Downburst, Macroburst, TS Winds, Wind Tunnel, Wind, Full-scale damage.
  • 2. La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad 1. INTRODUÇÃO Na noite de 29 de janeiro de 2016, a cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, foi afetada por um evento meteorológico severo. Os ventos causaram danos na maioria da cidade deixando 220.000 casas sem eletricidade e milhares sem água. Os serviços meteorológicos brasileiros indicaram que uma frente fria encontrou uma massa de ar quente e úmido levou à formação de uma super-célula sobre toda a região metropolitana. A temperatura atingiu 40º C, o que é normal para o verão de Porto Alegre e usualmente leva à formação de tormentas TS e à geração de ventos extremos (Loredo-Souza, 2012), mas este evento em particular teve uma duração mais longa (mais de 20 minutos) e altas velocidades do vento que se mantiveram durante o período. Meteorologistas e Engenheiros classificaram o evento como um downburst. A máxima rajada medida foi de 33,2 m/s, na estação do INMET. No aeroporto, a máxima rajada registrada foi de 24,2 m/s e no cais do porto a máxima rajada medida foi de 27,2 m/s. A partir das características dos danos ocorridos, alguns meteorologistas estimaram que em uma grande área o vento possa ter atingido velocidades em torno de 28 m/s e, em alguns poucos bairros, em torno de 42 m/s. Árvores e automóveis foram derrubados por toda a cidade. Um padrão não rotatório foi observado e nada foi realmente “lançado” (exceto pedaços de vidro e pedras provenientes dos elementos de revestimento das fachadas de prédios), eliminando a hipótese de um tornado. Além disso, vídeos e testemunhas relatam ventos descendentes (verticais) extremamente fortes seguidos por ventos horizontais. Vários danos ocorreram em edificações, especialmente nas fachadas. A Figura 1 mostra alguns exemplos de danos ocorridos durante o evento. Este fenômeno meteorológico ofereceu uma oportunidade de verificar e comparar, em escala natural e sob um escoamento gerado por um downburst, o desempenho de edificações previamente ensaiadas em um túnel de vento de camada limite. Figura 1. Danos causados pelo downburst que atingiu Porto Alegre em 29 de janeiro de 2016.
  • 3. La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad 2. DOWNBURSTS NO BRASIL 2.1. Downbursts Downburst é um termo primeiramente elaborado por Fujita (1985) e é entendido como uma densa e forte coluna de ar frio causada por uma corrente descendente em direção ao solo, a qual gera uma “explosão” de ventos divergentes. Em termos de escala espacial, um downburst pode ser classificado como uma micro-explosão, quando atinge até 4km em torno do epicentro, e como uma macro-explosão, quando supera esta gama. A Figura 2 mostra um período de duração típico de uma micro-explosão. Figura 2. Período de duração típico de uma micro-explosão (Hjelmfelt, 1988). Em termos de variação vertical, os perfis de velocidade dos downbursts (durante o processo de expansão horizontal) diferem daqueles tipicamente observados em perfis de camada limite atmosférica (CLA), conforme indicado na Figura 3. Isto pode ser extremamente importante para edifícios muito altos, mas para aqueles com altura equivalente aos estudados neste trabalho (não maiores que 80m) isto não parece muito significativo, embora pouco seja sabido sobre a estrutura da turbulência em um escoamento oriundo de downburst. Figura 3. Esquema mostrando um perfil de velocidades de camada limite atmosférica, à esquerda, e um perfil de velocidades de um downburst durante durante o processo de expansão horizontal, à direita (Bertsch e Ruck, 2015).
  • 4. La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad 2.2. O evento de Porto Alegre e ocorrências prévias no Brasil O downburst é um fenômeno meteorológico muito particular e vários fatores precisam ser observados antes de sua ocorrência ser confirmada. O evento de clima severo observado em Porto Alegre pode ser classificado como uma macro-explosão principalmente devido ao seu padrão de destruição, mas se imagens de radar com melhor resolução estivessem disponíveis o evento poderia ser melhor entendido. A imagem de satélite da Figura 4 mostra uma super-célula bem desenvolvida sobre a cidade ao mesmo tempo em que as rajadas mais intensas foram registradas. Figura 4. Imagem de satélite de uma super-célula sobre Porto Alegre em 30/01/2016 00:45:51 UTC (REDEMET, 2016). Conforme Garstang et al. (1989), super-células são sistemas climáticos típicos que podem ser capazes de gerar downbursts. Mas existem vários parâmetros meteorológicos, tais como aqueles indicados na Tabela 1, que podem ser usados para identificar valores típicos encontrados durante uma ocorrência de downburst (Lima and Loredo-Souza, 2015). Também apresentados são os correspondentes valores característicos obtidos durante o evento em análise, onde é possível verificar as mudanças abruptas nos parâmetros meteorológicos predominantes. Devido às limitações de dados das Estações Meteorológicas Automáticas Brasileiras, para a Temperatura Potencial Equivalente e para a Taxa de Mistura os valores instantâneos na hora em que o downburst foi registrado, bem como da hora anterior, foram usados. Para os outros parâmetros, amplitudes máximas e mínimas na hora do evento foram utilizadas, sendo que elas descrevem as variações repentinas nas condições ambientais durante o evento. Conforme mostrado na Tabela 2, algumas estações meteorológicas em torno de Porto Alegre também apresentaram rajadas de vento superiores a 10 m/s, mas somente Campo Bom (A884), 42 km de Porto Alegre, apresentou picos de pressão substanciais, seguidos por uma grande diminuição de temperatura, levantando a possibilidade da ocorrência de um outro downburst na área da “Grande Porto Alegre”. Entretanto, Canela (A879) e Bento Gonçalves (A840), respectivamente localizados a 85km e a 100km de Porto Alegre, registraram fortes rajadas de vento, mas nenhum pico de pressão. Reduções de temperatura podem ser justificadas pela aproximação de ar frio de uma frente de rajadas, o que também explica a mudança na direção do vento.
  • 5. La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad Tabela 1. Valores dos parâmetros meteorológicos típicos para a ocorrência de downbursts e aqueles observados para a estação meteorológica de Porto Alegre (A801) durante o evento. Características Gama de Valores Típicos de Downbursts Referência Porto Alegre Diminuição de temp. entre a superfície e a camada fria próxima a 700hPa (K) > 20 (Atkins e Wakimoto 1991) Dados não disponíveis Rajada de vento (m/s) >10 (mín); 25 - 50 (eventos c/ danos severos) (Garstang et al. 1998) 33,2 Diminuição efetiva da temperatura potencial equivalente instantânea (K) > 4 (Garstang et al. 1998) 14,93 Diminuição de temperatura (°C) > 5 (Garstang et al. 1998) 5,5 Diminuição do ponto de orvalho (°C) - - 1,8 Aumento na pressão atmosférica (hPa) > 2,4 (Caracena e Maier 1987) 2,4 Decréscimo da taxa de mistura instantânea saturada (g/kg) >3,5 (Garstang et al. 1998) 1,70 Diminuição da umidade relativa (%) - - 22 Precipitação registrada (mm/h) > 0,5 (Garstang et al. 1998) 37,4 Table 2. Parâmetros meteorológicos obtidos em estações em torno de Porto Alegre. Características Canela Campo Bom Bento Gonçalves Diminuição de temp. entre a superfície e a camada fria próxima a 700hPa (K) Dados não disponíveis Dados não disponíveis Dados não disponíveis Rajada de vento (m/s) 17,3 13,8 12,2 Diminuição efetiva da temperatura potencial equivalente instantânea (K) 17,41 18,84 Nenhum decréscimo registrado Diminuição de temperatura (°C) 3,7 7,6 1,4 Diminuição do ponto de orvalho (°C) 4,4 5,0 0,7 Aumento na pressão atmosférica (hPa) 1.2 3,7 1,0 Decréscimo da taxa de mistura instantânea saturada (g/kg) 4,35 3,67 Nenhum decréscimo registrado Diminuição da umidade relativa (%) 8 29 11 Precipitação registrada (mm/h) 0.6 6.4 0
  • 6. La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad Os dados disponíveis na Tabela 1 são relevantes para este estudo porque todos os parâmetros típicos para a ocorrência de um downburst foram registrados (exceto um) durante o evento de 29 de janeiro de 2016, confirmando a hipótese que um forte fenômeno desta natureza atingiu a área urbana de Porto Alegre. Estudos prévios já haviam indicado que a região sul do Brasil é suscetível à ocorrência de downbursts (Lima e Loredo-Souza, 2015). A principal preocupação em relação a este evento mais recente é em relação à segurança das edificações, pois ainda não é completamente entendido em que extensão as características dos ventos gerados por downbursts são diferentes daquelas de tormentas EPS, ou ventos sinóticos (Letchford e Chay, 2002). Isto pode deixar as edificações sucetíveis a falhas, colocando vidas em risco e causando grandes perdas econômicas, tais como aquelas observadas no evento de downburst de Porto Alegre. 3. ENSAIOS EM TÚNEL DE VENTO DE CAMADA LIMITE Este evento meteorológico ofereceu uma oportunidade de verificar e comparar, em escala natural e sob um escoamento gerado por um downburst, o desempenho de edificações previamente ensaiadas em um túnel de vento de camada limite. Seis prédios com 80m de altura e dois estádios de futebol foram analisados. A Figura 5 mostra os modelos no interior do Túnel de Vento Prof. Joaquim Blessmann da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Blessmann, 1982) e a Fig. 6 as principais características de um dos ventos simulados. Figura 5. Modelos no interior do túnel de vento: dois estádios de futebol e seis prédios com 80m de altura.
  • 7. La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad Figura 6. Principais características de um dos ventos simulados: perfil de velocidades médias, intensidade da turbulência e escala integral da componente longitudinal da turbulência. Todos os modelos foram instrumentados e medições instantâneas de pressões foram realizadas nas superfícies dos modelos. A Fig. 7 mostra a distribuição dos coeficientes de pressão médios para um dos edifícios, para um ângulo de incidência do vento. Devido a limitações de espaço, as distribuições de coeficientes de pressão para outras edificações são mostradas na próxima seção, junto com as configurações de danos. Figura 7. Diagramas de pressões médios nas fachadas do prédio em destaque, obtidos em ensaios em túnel de vento de camada limite (sucção = amarelo, laranja; sobrepressão = azul).
  • 8. La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad 4. DESEMPENHO DAS EDIFICAÇÕES REAIS Um mapa com mais de 400 casos de danos em uma grande área da cidade, registrados por Metroclima (2016), é mostrado na Fig. 8 juntamente com os locais onde medições oficiais de velocidade estavam disponíveis. Os danos são separados, de acordo com os ícones, em: árvores caídas, danos a estrutura e revestimento, e fogo. A densidade de danos foi maior do que o mapa está indicando, mas por clareza somente os mais severos são mostrados. São também indicadas na Fig. 8 as localizações das estruturas para as quais resultados de ensaios em túnel de vento estavam disponíveis. Com relação às velocidades do vento, mesmo se as piores estimativas fossem admitidas, resultando em velocidades mais altas do que aquelas efetivamente medidas, a velocidade de referência recomendada para Porto Alegre pela Norma Brasileira NBR-6123 é uma rajada de vento de 46 m/s (Fig. 9), ou seja, não foi ultrapassada. Isto significa que os danos resultantes não foram devidos a um fenômeno não previsto, mas possivelmente a uma falta de entendimento nas especificações de projeto e/ou condições operacionais de estruturas e elementos de revestimento. Analisando o desempenho das edificações estudadas, é possível verificar que os estádios permaneceram sem nenhum dano, enquanto as árvores e estruturas no entorno foram seriamente atingidas como pode ser visto na Fig. 10. Durante a fase de projeto, modificações e melhorias foram realizadas nas estruturas dos estádios com base nos resultados dos ensaios em túnel de vento, o que certamente resultou em um melhor desempenho em relação à ação do vento. Figura 8. Mapa indicando danos ocorridos durante o downburst de 29 de janeiro de 2016 em Porto Alegre (adaptado de Metroclima, 2016), os locais e valores das medições oficiais de velocidades e as localizações e edificações para as quais resultados de ensaios em túnel de vento de camada limite estavam disponíveis.
  • 9. La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad Figura 9. Mapa com as velocidades de referência do vento (rajada de 3s, em m/s, a 10m de altura, terreno aberto e plano). A velocidade para Porto Alegre é destacada (NBR-6123). Figura 10. Danos a árvores e estruturas vizinhas causados pelo downburst e nenhum dano ao estádio. Para o grupo de edifícios, o desempenho foi diferente. Todos apresentaram danos em suas fachadas (Figs. 11 a 13), mas em padrões bem distintos. Para o primeiro grupo de três prédios mostrado na Fig. 11, para o qual alguns diagramas de coeficientes de pressão são fornecidos na Fig. 7, as evidências mostraram que as janelas que foram mantidas fechadas e trancadas não sofreram danos, enquanto aquelas deixadas abertas, ou mesmo fechadas mas não trancadas, foram arrancadas ou quebradas pela ação do vento.
  • 10. La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad Figura 11. Danos a elementos de revestimento: algumas janelas que não estavam trancadas foram destruídas. Para o outro grupo, correspondendo aos três dos edifícios mais afetados (Figs. 12 and 13), as fachadas têm dois tipos de elementos de revestimento: vidro e placas de granito. É possível observar que os danos mais severos ocorreram no revestimento de granito, o qual tem um uma configuração específica de suporte e fixação, conforme indicado na Fig. 14. É interessante notar que os diagramas de distribuições de pressões nas fachadas do prédio indicado, obtidas do estudo em túnel de vento, mostram uma correspondência direta com as zonas danificadas do edifício real em análise. Figura 12. Danos causados pelo downburst e diagramas de coeficientes de pressão médios (sucção = amarelo, laranja; sobrepressão = azul) nas fachadas da Torre A, obtidos de ensaios em túnel de vento de camada limite. Na Fig. 13 a correspondência entre as distribuições de pressão e os danos nas placas de granite usadas como revestimento é muito evidente. O sistema de suporte das placas de granito, mostrado na Fig. 14, não parece projetado para suportar pressões da ordem de magnitude daquelas que ocorreram no evento, lembrando que a velocidade de projeto indicada pela norma não foi atingida. Com relação ao revestimento de vidro, alguns danos ocorreram, mas em menor quantidade, sendo que algumas foram arrancadas quando deixadas abertas ou quebradas devido ao impacto de projéteis lançados pelo vento.
  • 11. La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad Figure 13. Danos causados pelo downburst e diagramas de coeficientes de pressão médios (sucção = amarelo, laranja; sobrepressão = azul) nas fachadas da Torre C, obtidos de ensaios em túnel de vento de camada limite. 5. CONCLUSÕES Do que foi exposto acima, é possível concluir que o evento meteorológico que ocorreu em Porto Alegre em 29 de janeiro de 2016 pode ser classificado como uma macro-explosão (macroburst). Mas mesmo que danos severos tenham ocorrido em diversas edificações, não há evidência que as velocidades do vento tenham atingido a magnitude definida pela norma brasileira. Embora as características de ventos oriundos de downbursts possam diferir daquelas de simulações convencionais de camada limite de ventos sinóticos, pode-se concluir, a partir das análises de campo, que o túnel de vento de camada limite convencional é ainda uma valiosa ferramenta na previsão das cargas de vento geradas pela maioria dos eventos meteorológicos que geram ventos extremos no Brasil. Esta conclusão é válida para os tipos de edificações estudados neste trabalho, com alturas até 80m. De qualquer forma, mais pesquisa é necessária para que se possa entender as diferenças nos carregamentos gerados por ventos não sinóticos. Figura 14. Danos causados pelo downburst e sistema de suporte das placas de granito.
  • 12. La Ingeniería Estructural, motor del desarrollo en América, en un marco de Integración y Sustentabilidad AGRADECIMENTOS Os autores agradecem as equipes do Laboratório de Aerodinâmica das Construções da UFRGS, Brasil, do Laboratório de Aerodinâmica da UNNE, Argentina, e da empresa Vento-S Consultoria em Engenharia do Vento. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Associação Brasileira de Normas Técnicas (1988) NBR-6123 – Forças devidas ao vento em edificações. Rio de Janeiro. Atkins, N., Wakimoto, R.M. (1991). Wet microburst activity over the southeastern United States: Implications for forecasting. Weather and Forecasting, v. 6, n. 4, p. 470-482. Bertsch, A., Ruck, B. (2015). Interaction between convective downdrafts and inner city areas – a wind tunnel study. In: Proceedings of the 14th International Conference on Wind Engineering – ICWE14. Porto Alegre, Brazil. June 21-26. Blessmann, J. (1982) The Boundary Layer Wind Tunnel of UFRGS; J. Wind Eng. Ind. Aerodynamics, 10 (1982), 231-248.Fujita, T.T., 1985. The Downburst - Microburst and Macroburst. SMRP-RP-210, Univ. of Chicago, p. 122. Caracena, F., Maier, M.W. (1987). Analysis of a microburst in the FACE meteorological mesonetwork in Southern Florida. Monthly Weather Review, v. 115, n. 5, p. 969-985. Garstang, M. et al. (1998). Convective cloud downdrafts as the cause of large blowdowns in the Amazon rainforest. Meteorology and Atmospheric Physics, v. 67, n. 1-4, p. 199-212. Hjelmfelt, M.R. (1988). Structure and life cycle of microburst outflows observed in Colorado. Journal of Applied Meteorology, v. 27, n. 8, p. 900-927. Letchford, C. W.; Chay, M. T. (2002). Pressure distributions on a cube in a simulated thunderstorm downburst. Part B: moving downburst observations. Journal of Wind Engineering and Industrial Aerodynamics, v. 90, n. 7, p. 733-753. Lima, E.G., Loredo-Souza, A.M. (2015). Analysis of downbursts occurrence in Brazil. Ciência e Natura, Santa Maria, v. 37 Ed. Especial SIC, ISSN on-line: 2179-460X, p. 32–38. Loredo-Souza, A.M. (2012). Meteorological events causing exteme winds in Brazil. Wind and Structures, Vol. 15, No. 2, 177-188. Metroclima (2016). , Feb 4. Available on https://pbs.twimg.com/media/ CaYE610WYAAcBJ0.jpgINMET. REDEMET (2016). Feb 6. Available on thttp://www.redemet.aer.mil.br/?i=produtos&p =imagens-de-satelite.