SlideShare uma empresa Scribd logo
Fenômeno La Niña de maio de 2007 a abril de 2008 e a
precipitação no Rio Grande do Sul
Elias Galvan de Lima1
; Luiz Carlos Salgueiro Donato Bacelar¹, ²; Júlio Renato Marques³
¹Aluno graduando, Faculdade de Meteorologia elias.gl@hotmail.com - UFPel,
²Bolsista do Programa de Educação Tutorial (PET/MEC/SESu) luiz_bacelar90@hotmail.com
³Professor Adjunto, Faculdade de Meteorologia, jmarques_fmet@ufpel.edu.br Universidade
Federal de Pelotas – UFPel
Campus Universitário s/n – Caixa Postal 354 – CEP 96010-900
ABSTRACT: The El Niño Southern Oscillation (ENSO) is responsible for changes in
precipitation regime in the world, affecting mainly in Brazil the Northeast and South. This
study was made to analyze the rainfall in Rio Grande do Sul in the period of occurrence of
phenomenon La Niña, cold phase of ENSO, from May 2007 to April 2008. The results
showed that only since January 2008 there was a dry spell across the state, characteristic of
the phenomenon.
Palavras-chave: La Nina, precipitação no Rio Grande do Sul
1 – INTRODUÇÃO
Ocorreu entre maio de 2007 a abril de 2008, o fenômeno climático caracterizado por La
Niña. Este fenômeno se dá devido ao resfriamento anormal das águas superficiais e sub-
superficiais do Pacífico Equatorial, representando então uma alteração no sistema oceano-
atmosfera, o que tem conseqüências no tempo e no clima de todo o planeta.
Dentre as diferentes áreas de impactos relacionadas ao fenômeno ENOS, incluem-se
duas grandes áreas, o Sudeste e o Nordeste da América do Sul (ROPELEWSKI &
HALPERT, 1987). Vários estudos têm mostrado que o oceano Pacífico desempenha um papel
significativo nas flutuações climáticas que ocorrem na região Sul do Brasil (FONTANA &
BERLATO, 1997; DIAZ et al., 1998; GRIMM et al., 1998; GRIMM et al., 2000). Marques et
al. (2006) e Gruppelli et al. (2006) identificaram que a precipitação total do bimestre janeiro-
fevereiro apresenta grande relação com a produtividade da soja, arroz e qualidade da uva no
RS.
A finalidade deste estudo é mostrar se houve, ou não, período de seca, característico do
fenômeno, para o estado do Rio Grande do Sul.
2 - MATERIAL E MÉTODOS
Para estudar o período decorrente do fenômeno La Niña foram usados dados de
precipitação, de maio de 2007 a abril de 2008, de cinco estações meteorológicas do Rio
Grande do Sul, obtidos do 8º Distrito de Meteorologia do Instituto Nacional de Meteorologia -
INMET: Bento Gonçalves (latitude: 29,3ºS, longitude: 51,5ºO, altitude: 619m), Caxias do Sul
(latitude: 29,2ºS, longitude: 51,2ºO, altitude: 785m), Passo Fundo (latitude: 28,3ºS, longitude:
52,4ºO, altitude: 676m), Pelotas (latitude: 31,9ºS, longitude: 52,4ºO, altitude: 13m) , Santa
Maria (latitude: 29,7ºS, longitude: 53,7ºO, altitude: 95m) e Uruguaiana (latitude: 29,8ºS,
longitude: 57,1ºO, altitude: 74m).
Para calcular a média climatológica foi feita uma média da precipitação entre anos de
1978 a 2006, de acordo com os dados de cada estação meteorológica. As imagens mostradas
foram obtidas no sitio do NOAA-DCD (National Oceanic and Atmospheric Administration).
3 – RESULTADOS E DISCUSSÃO
De acordo com as Figura 1.1, Figura 1.2, Figura 1.3 e Figura 1.4 podem-se observar
anomalias negativas na Temperatura da Superficie do Mar (TSM) no Pacífico Equatorial
Tropical, constatando assim, a época de La Niña respectivamente para os meses de maio,
junho, julho e agosto de 2007.
Figura 1.1. Anomalia de TSM em Maio de 2007
Fonte: NOAA-CDC/UFPel-CPPMet
Figura 1.2. Anomalia de TSM em Junho de 2007.
Fonte: NOAA-CDC/UFPel-CPPMet
Figura 1.3. Anomalia de TSM em Julho de 2007.
Fonte: NOAA-CDC/UFPel-CPPMet
Figura 1.4. Anomalia de TSM em Agosto de 2007
Fonte: NOAA-CDC/UFPel-CPPMet
Na Figura 2, é mostrado um gráfico de TSM nas regiões do Niño 3 e Niño 3.4, áreas onde a
oscilação de TSM tem maior influência no Rio Grande do Sul (MARQUES et al., 2006),
constatando assim, anomalias negativas na TSM para os meses de setembro de 2007 a abril de
2008.
Figura 2. Gráfico da Anomalia da TSM de setembro de 2007 a agosto de 2008
Fonte: NOAA/CPC/NCEP
Para avaliar se houve precipitação abaixo da média no estado do Rio Grande do Sul, foi feita
a média climatológica entre os anos de 1978 a 2006 para as estações meteorológicas das
cidades de Bento Gonçalves, Caxias do Sul, Passo Fundo, Pelotas, Santa Maria e Uruguaiana.
Tabela 1: Normal Climatológica entre os anos de 1978 a 2006
Estações JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ
Bento
Gonçalves
153,2 169,1 118,2 155,1 122,9 168,7 189,3 139,o 163,6 176,9 151,3 145,7
Caxias do
Sul
150,1 157,9 155,2 146,2 132,0 171,8 183,0 144,8 168,9 187,9 160,1 158,2
Passo
Fundo
160,7 135,5 126,7 146,2 166,3 145,8 165,8 128,7 186,9 220,1 171,3 157,8
Pelotas 109,5 169,1 116,7 134,2 144,0 115,1 131,2 100,7 139,1 105,3 110,4 117,9
Santa Maria 157,4 134,2 157,1 178,1 154,2 158,7 166,2 113,6 167,7 180,3 138,2 147,1
Uruguaiana 132,8 154,5 170,4 215,3 132,8 106,2 78,5 60,6 104,9 167,2 139,4 114,0
Depois de feita a média (normal climatológica), a mesma foi comparada com os dados
de precipitação do mês de maio de 2007 a abril de 2008 (Tabela 2).
Tabela 2: Comparação dos dados de precipitação de maio de 2007 a abril de 2008 com a
normal climatológica de 1978 a 2006.
Estações Mai/07 Jun/07 Jul/07 Ago/07 Set/07 Out/07 Nov/07 Dez/07 Jan/08 Fev/08 Mar/08 Abr/08
Bento
Gonçalves
218,1¹ 75,2² 280,1¹ 126,9² 233,8¹ 105² 209,4¹ 161¹ 106,4² 154,3² 180,4² 159,3¹
Caxias do
Sul
186,8¹ 61,5² 272,5¹ 131,7² 271¹ 87,4² 182,1¹ 200,6¹ 150³ 138² 134² 133²
Passo
Fundo
295,3¹ 68,2² 325,7¹ 128,7³ 268,6¹ 246¹ 186,5¹ 218,4¹ 151² 140¹ 120² 122²
Pelotas 104² 226,4¹ 90,4² 183,8¹ 93² 95,6² 110,1³ 129,8² 118¹ 145² 120¹ 100²
Santa
Maria
102,8² 131,6² 75,6² 112,2² 211,3¹ 113² 105² 202,1¹ 148² 135² 137² 144²
Uruguaiana 20,5² 55,5² 27,8² 112,5¹ 94,2² 198¹ 114,5² 52,8² 128² 143² 156² 186²
¹ Acima da média climatológica
² Abaixo da média climatológica
³ Próximo da média climatológica
4 – CONCLUSÕES
A análise dos resultados indica que no período de La Niña em estudo, somente a partir
de janeiro de 2008, a precipitação ficou abaixo da média no Rio Grande do Sul, característico
de La Niña, mostrando que é possível ocorrer chuvas acima da média na região estudada,
originadas de outros eventos meteorológicos, mesmo nas épocas desse fenômeno.
Para estudos futuros, a interação entre os episódios de ENOS e outros sistemas, como a
Zona de Convergência Intertropical e Zona de Convergência do Atlântico Sul, podem ser
levados em conta para uma melhor analise da precipitação no Rio Grande do Sul.
5 – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
FONTANA, D.C.; BERLATO, M.A. Influência do El Niño Oscilação Sul sobre a
precipitação do Estado do Rio grande do Sul. Revista Brasileira de Agrometeorologia, Santa
Maria, v.5, n.1, p.127-132, 1997.
DIAZ, A. E.. et al. Relationship between precipitation anomalies in Uruguay and Southern
Brazil and sea temperature in the Pacific and Atlantic oceans. Journal of Climate, Boston
v.11, n.2, p. 251-271, 1998.
GRIMM, A. M. et al. Precipitation anomalies in Southern Brazil associated with El Niño and
La Niña events. Journal of Climate, Boston, v.11, n.11, p. 2863-2880, 1998.
GRIMM, A. M. et al. Climate variability in Southern South America associated with El Niño
and La Niña events. Journal of Climate, Boston, v.13, n.1, p. 35-58, 2000.
MARQUES, J. R.; DINIZ, G. B.; PRESTES, S. D. Anomalia na TSM associadas às fortes
anomalias na produtividade da soja no Rio Grande do Sul. In: Congresso Brasileiro de
Meteorologia, 14, 2006, Florianópolis. C-2047.

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Guía de análisis de fuentes para usuarios de
Guía de análisis de fuentes para usuarios deGuía de análisis de fuentes para usuarios de
Guía de análisis de fuentes para usuarios de
Veronica Vico Tristante
 
Letter of Recommendation from Banks
Letter of Recommendation from BanksLetter of Recommendation from Banks
Letter of Recommendation from BanksKevin St. Laurent
 
Sesion inicial
Sesion inicialSesion inicial
Sesion inicial
Tonny Pariona
 
Jjjjjjjjjjj
JjjjjjjjjjjJjjjjjjjjjj
Jjjjjjjjjjj
JezzAisalla
 
Kevin Wren Journal Entry 2
Kevin Wren Journal Entry 2Kevin Wren Journal Entry 2
Kevin Wren Journal Entry 2
Kevin Wren
 

Destaque (6)

Guía de análisis de fuentes para usuarios de
Guía de análisis de fuentes para usuarios deGuía de análisis de fuentes para usuarios de
Guía de análisis de fuentes para usuarios de
 
Letter of Recommendation from Banks
Letter of Recommendation from BanksLetter of Recommendation from Banks
Letter of Recommendation from Banks
 
Sesion inicial
Sesion inicialSesion inicial
Sesion inicial
 
Avcr The Doc
Avcr The DocAvcr The Doc
Avcr The Doc
 
Jjjjjjjjjjj
JjjjjjjjjjjJjjjjjjjjjj
Jjjjjjjjjjj
 
Kevin Wren Journal Entry 2
Kevin Wren Journal Entry 2Kevin Wren Journal Entry 2
Kevin Wren Journal Entry 2
 

Semelhante a Fenômeno la niña de maio de 2007 a abril de 2008 e a precipitação no rio grande do sul

Evapotranspiracao do nordeste
Evapotranspiracao do nordesteEvapotranspiracao do nordeste
Evapotranspiracao do nordeste
Engagro
 
2015_Precipitação pluvial de diamantino-mt em anos.pdf
2015_Precipitação pluvial de diamantino-mt em anos.pdf2015_Precipitação pluvial de diamantino-mt em anos.pdf
2015_Precipitação pluvial de diamantino-mt em anos.pdf
ANTONIOCARDOSOFERREI
 
Informações do-el-niño
Informações do-el-niñoInformações do-el-niño
Informações do-el-niño
joao paulo
 
Relatório Hidrometeorológico 2015
Relatório Hidrometeorológico 2015Relatório Hidrometeorológico 2015
Relatório Hidrometeorológico 2015
Casa Rústica Web News
 
download.pdf
download.pdfdownload.pdf
download.pdf
PatriciaFerreiradaSi9
 
2011_Distribuição da Chuvas no ..._.pdf
2011_Distribuição da Chuvas no ..._.pdf2011_Distribuição da Chuvas no ..._.pdf
2011_Distribuição da Chuvas no ..._.pdf
ANTONIOCARDOSOFERREI
 
2011_Caracterização do regime pluviometrico no arco das nascentes do rio para...
2011_Caracterização do regime pluviometrico no arco das nascentes do rio para...2011_Caracterização do regime pluviometrico no arco das nascentes do rio para...
2011_Caracterização do regime pluviometrico no arco das nascentes do rio para...
ANTONIOCARDOSOFERREI
 
05 el nino
05 el nino05 el nino
05 el nino
Dayane Lopes
 
2014_Variabilidade da Temperatura e das Chuvas de Cáceres.pdf
2014_Variabilidade da Temperatura e das Chuvas de Cáceres.pdf2014_Variabilidade da Temperatura e das Chuvas de Cáceres.pdf
2014_Variabilidade da Temperatura e das Chuvas de Cáceres.pdf
ANTONIOCARDOSOFERREI
 
163 479-1-pb
163 479-1-pb163 479-1-pb
Seca no Semiárido e Aquecimento Global ?
Seca no Semiárido e Aquecimento Global ?Seca no Semiárido e Aquecimento Global ?
Seca no Semiárido e Aquecimento Global ?
Silvio Araujo de Sousa
 
Infoclima
InfoclimaInfoclima
Infoclima
BeefPoint
 
Clima
ClimaClima
Artigo_Bioterra_V22_N2_04
Artigo_Bioterra_V22_N2_04Artigo_Bioterra_V22_N2_04
Artigo_Bioterra_V22_N2_04
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo regimes de_precipitacao_na_america_do_sul
Artigo regimes de_precipitacao_na_america_do_sulArtigo regimes de_precipitacao_na_america_do_sul
Artigo regimes de_precipitacao_na_america_do_sul
UNIVASF
 
Artigo regimes de_precipitacao_na_america_do_sul
Artigo regimes de_precipitacao_na_america_do_sulArtigo regimes de_precipitacao_na_america_do_sul
Artigo regimes de_precipitacao_na_america_do_sul
UNIVASF
 
Hilton silveira - palestra IX Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil
Hilton silveira - palestra IX Simpósio de Pesquisa dos Cafés do BrasilHilton silveira - palestra IX Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil
Hilton silveira - palestra IX Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil
Revista Cafeicultura
 
Hilton silveira alterações climaticas e a cafeicultura
Hilton silveira alterações climaticas e a cafeicultura Hilton silveira alterações climaticas e a cafeicultura
Hilton silveira alterações climaticas e a cafeicultura
Revista Cafeicultura
 
Variabilidade espacial e temporal da chuva na unidade de gerenciamento do pardo
Variabilidade espacial e temporal da chuva na unidade de gerenciamento do pardoVariabilidade espacial e temporal da chuva na unidade de gerenciamento do pardo
Variabilidade espacial e temporal da chuva na unidade de gerenciamento do pardo
deborahfss
 
Mudanças Climáticas globais e seus efeitos sobre a biodiversidade
Mudanças Climáticas globais e seus efeitos sobre a biodiversidadeMudanças Climáticas globais e seus efeitos sobre a biodiversidade
Mudanças Climáticas globais e seus efeitos sobre a biodiversidade
Suellen Oliveira
 

Semelhante a Fenômeno la niña de maio de 2007 a abril de 2008 e a precipitação no rio grande do sul (20)

Evapotranspiracao do nordeste
Evapotranspiracao do nordesteEvapotranspiracao do nordeste
Evapotranspiracao do nordeste
 
2015_Precipitação pluvial de diamantino-mt em anos.pdf
2015_Precipitação pluvial de diamantino-mt em anos.pdf2015_Precipitação pluvial de diamantino-mt em anos.pdf
2015_Precipitação pluvial de diamantino-mt em anos.pdf
 
Informações do-el-niño
Informações do-el-niñoInformações do-el-niño
Informações do-el-niño
 
Relatório Hidrometeorológico 2015
Relatório Hidrometeorológico 2015Relatório Hidrometeorológico 2015
Relatório Hidrometeorológico 2015
 
download.pdf
download.pdfdownload.pdf
download.pdf
 
2011_Distribuição da Chuvas no ..._.pdf
2011_Distribuição da Chuvas no ..._.pdf2011_Distribuição da Chuvas no ..._.pdf
2011_Distribuição da Chuvas no ..._.pdf
 
2011_Caracterização do regime pluviometrico no arco das nascentes do rio para...
2011_Caracterização do regime pluviometrico no arco das nascentes do rio para...2011_Caracterização do regime pluviometrico no arco das nascentes do rio para...
2011_Caracterização do regime pluviometrico no arco das nascentes do rio para...
 
05 el nino
05 el nino05 el nino
05 el nino
 
2014_Variabilidade da Temperatura e das Chuvas de Cáceres.pdf
2014_Variabilidade da Temperatura e das Chuvas de Cáceres.pdf2014_Variabilidade da Temperatura e das Chuvas de Cáceres.pdf
2014_Variabilidade da Temperatura e das Chuvas de Cáceres.pdf
 
163 479-1-pb
163 479-1-pb163 479-1-pb
163 479-1-pb
 
Seca no Semiárido e Aquecimento Global ?
Seca no Semiárido e Aquecimento Global ?Seca no Semiárido e Aquecimento Global ?
Seca no Semiárido e Aquecimento Global ?
 
Infoclima
InfoclimaInfoclima
Infoclima
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Artigo_Bioterra_V22_N2_04
Artigo_Bioterra_V22_N2_04Artigo_Bioterra_V22_N2_04
Artigo_Bioterra_V22_N2_04
 
Artigo regimes de_precipitacao_na_america_do_sul
Artigo regimes de_precipitacao_na_america_do_sulArtigo regimes de_precipitacao_na_america_do_sul
Artigo regimes de_precipitacao_na_america_do_sul
 
Artigo regimes de_precipitacao_na_america_do_sul
Artigo regimes de_precipitacao_na_america_do_sulArtigo regimes de_precipitacao_na_america_do_sul
Artigo regimes de_precipitacao_na_america_do_sul
 
Hilton silveira - palestra IX Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil
Hilton silveira - palestra IX Simpósio de Pesquisa dos Cafés do BrasilHilton silveira - palestra IX Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil
Hilton silveira - palestra IX Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil
 
Hilton silveira alterações climaticas e a cafeicultura
Hilton silveira alterações climaticas e a cafeicultura Hilton silveira alterações climaticas e a cafeicultura
Hilton silveira alterações climaticas e a cafeicultura
 
Variabilidade espacial e temporal da chuva na unidade de gerenciamento do pardo
Variabilidade espacial e temporal da chuva na unidade de gerenciamento do pardoVariabilidade espacial e temporal da chuva na unidade de gerenciamento do pardo
Variabilidade espacial e temporal da chuva na unidade de gerenciamento do pardo
 
Mudanças Climáticas globais e seus efeitos sobre a biodiversidade
Mudanças Climáticas globais e seus efeitos sobre a biodiversidadeMudanças Climáticas globais e seus efeitos sobre a biodiversidade
Mudanças Climáticas globais e seus efeitos sobre a biodiversidade
 

Mais de Elias Galvan

Happy Children Project
Happy Children Project Happy Children Project
Happy Children Project
Elias Galvan
 
Comparative Study of Wind Tunnel Tests and Full-Scale Damages Caused by a Dow...
Comparative Study of Wind Tunnel Tests and Full-Scale Damages Caused by a Dow...Comparative Study of Wind Tunnel Tests and Full-Scale Damages Caused by a Dow...
Comparative Study of Wind Tunnel Tests and Full-Scale Damages Caused by a Dow...
Elias Galvan
 
Full-scale downburst damage versus boundary layer wind tunnel pressures: a su...
Full-scale downburst damage versus boundary layer wind tunnel pressures: a su...Full-scale downburst damage versus boundary layer wind tunnel pressures: a su...
Full-scale downburst damage versus boundary layer wind tunnel pressures: a su...
Elias Galvan
 
Analysis of Downburst Occurrences in Brazil
Analysis of Downburst Occurrences in BrazilAnalysis of Downburst Occurrences in Brazil
Analysis of Downburst Occurrences in Brazil
Elias Galvan
 
Downburst Occurence in Brazil
Downburst Occurence in BrazilDownburst Occurence in Brazil
Downburst Occurence in Brazil
Elias Galvan
 
Análise da ocorrência de downbursts no Brasil
Análise da ocorrência de downbursts no BrasilAnálise da ocorrência de downbursts no Brasil
Análise da ocorrência de downbursts no Brasil
Elias Galvan
 
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Elias Galvan
 
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Elias Galvan
 
Poster - Estudo da Simulação Física de Downbursts e Análise da Ocorrência do ...
Poster - Estudo da Simulação Física de Downbursts e Análise da Ocorrência do ...Poster - Estudo da Simulação Física de Downbursts e Análise da Ocorrência do ...
Poster - Estudo da Simulação Física de Downbursts e Análise da Ocorrência do ...
Elias Galvan
 
Analysis of an environment favorable to the occurrence of Downburst
Analysis of an environment favorable to the occurrence of Downburst Analysis of an environment favorable to the occurrence of Downburst
Analysis of an environment favorable to the occurrence of Downburst
Elias Galvan
 
Análise de um Ambiente Favorável à Ocorrência de Downbursts
Análise de um Ambiente Favorável à Ocorrência de DownburstsAnálise de um Ambiente Favorável à Ocorrência de Downbursts
Análise de um Ambiente Favorável à Ocorrência de Downbursts
Elias Galvan
 
Estudo de um caso de dispersão de poluentes a partir de uma fonte pontual na...
Estudo de um caso de dispersão de poluentes a partir de uma fonte pontual na...Estudo de um caso de dispersão de poluentes a partir de uma fonte pontual na...
Estudo de um caso de dispersão de poluentes a partir de uma fonte pontual na...
Elias Galvan
 
Comparação entre a análise objetiva e subjetiva dos dados gerados pelo Mod...
Comparação entre a análise objetiva e subjetiva dos dados gerados pelo Mod...Comparação entre a análise objetiva e subjetiva dos dados gerados pelo Mod...
Comparação entre a análise objetiva e subjetiva dos dados gerados pelo Mod...
Elias Galvan
 
Verificação das Variáveis Reais e Contínuas de Superfície Geradas Pelo M...
Verificação das Variáveis Reais e Contínuas de Superfície Geradas Pelo M...Verificação das Variáveis Reais e Contínuas de Superfície Geradas Pelo M...
Verificação das Variáveis Reais e Contínuas de Superfície Geradas Pelo M...
Elias Galvan
 
Resultados Preliminares sobre a Verificacão das Previsões do Modelo WRF Ins...
Resultados Preliminares sobre a Verificacão das Previsões do Modelo WRF Ins...Resultados Preliminares sobre a Verificacão das Previsões do Modelo WRF Ins...
Resultados Preliminares sobre a Verificacão das Previsões do Modelo WRF Ins...
Elias Galvan
 
Verificação da Pressão Atmosférica ao Nível Médio do Mar na Região Sul do Bra...
Verificação da Pressão Atmosférica ao Nível Médio do Mar na Região Sul do Bra...Verificação da Pressão Atmosférica ao Nível Médio do Mar na Região Sul do Bra...
Verificação da Pressão Atmosférica ao Nível Médio do Mar na Região Sul do Bra...
Elias Galvan
 
Verificação da Temperatura de Superfície na Região Sul do Brasil Estimada pel...
Verificação da Temperatura de Superfície na Região Sul do Brasil Estimada pel...Verificação da Temperatura de Superfície na Região Sul do Brasil Estimada pel...
Verificação da Temperatura de Superfície na Região Sul do Brasil Estimada pel...
Elias Galvan
 
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros da Primavera de 2009
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros da Primavera de 2009Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros da Primavera de 2009
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros da Primavera de 2009
Elias Galvan
 
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros do Inverno de 2009
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros do Inverno de 2009Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros do Inverno de 2009
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros do Inverno de 2009
Elias Galvan
 

Mais de Elias Galvan (19)

Happy Children Project
Happy Children Project Happy Children Project
Happy Children Project
 
Comparative Study of Wind Tunnel Tests and Full-Scale Damages Caused by a Dow...
Comparative Study of Wind Tunnel Tests and Full-Scale Damages Caused by a Dow...Comparative Study of Wind Tunnel Tests and Full-Scale Damages Caused by a Dow...
Comparative Study of Wind Tunnel Tests and Full-Scale Damages Caused by a Dow...
 
Full-scale downburst damage versus boundary layer wind tunnel pressures: a su...
Full-scale downburst damage versus boundary layer wind tunnel pressures: a su...Full-scale downburst damage versus boundary layer wind tunnel pressures: a su...
Full-scale downburst damage versus boundary layer wind tunnel pressures: a su...
 
Analysis of Downburst Occurrences in Brazil
Analysis of Downburst Occurrences in BrazilAnalysis of Downburst Occurrences in Brazil
Analysis of Downburst Occurrences in Brazil
 
Downburst Occurence in Brazil
Downburst Occurence in BrazilDownburst Occurence in Brazil
Downburst Occurence in Brazil
 
Análise da ocorrência de downbursts no Brasil
Análise da ocorrência de downbursts no BrasilAnálise da ocorrência de downbursts no Brasil
Análise da ocorrência de downbursts no Brasil
 
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
 
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
 
Poster - Estudo da Simulação Física de Downbursts e Análise da Ocorrência do ...
Poster - Estudo da Simulação Física de Downbursts e Análise da Ocorrência do ...Poster - Estudo da Simulação Física de Downbursts e Análise da Ocorrência do ...
Poster - Estudo da Simulação Física de Downbursts e Análise da Ocorrência do ...
 
Analysis of an environment favorable to the occurrence of Downburst
Analysis of an environment favorable to the occurrence of Downburst Analysis of an environment favorable to the occurrence of Downburst
Analysis of an environment favorable to the occurrence of Downburst
 
Análise de um Ambiente Favorável à Ocorrência de Downbursts
Análise de um Ambiente Favorável à Ocorrência de DownburstsAnálise de um Ambiente Favorável à Ocorrência de Downbursts
Análise de um Ambiente Favorável à Ocorrência de Downbursts
 
Estudo de um caso de dispersão de poluentes a partir de uma fonte pontual na...
Estudo de um caso de dispersão de poluentes a partir de uma fonte pontual na...Estudo de um caso de dispersão de poluentes a partir de uma fonte pontual na...
Estudo de um caso de dispersão de poluentes a partir de uma fonte pontual na...
 
Comparação entre a análise objetiva e subjetiva dos dados gerados pelo Mod...
Comparação entre a análise objetiva e subjetiva dos dados gerados pelo Mod...Comparação entre a análise objetiva e subjetiva dos dados gerados pelo Mod...
Comparação entre a análise objetiva e subjetiva dos dados gerados pelo Mod...
 
Verificação das Variáveis Reais e Contínuas de Superfície Geradas Pelo M...
Verificação das Variáveis Reais e Contínuas de Superfície Geradas Pelo M...Verificação das Variáveis Reais e Contínuas de Superfície Geradas Pelo M...
Verificação das Variáveis Reais e Contínuas de Superfície Geradas Pelo M...
 
Resultados Preliminares sobre a Verificacão das Previsões do Modelo WRF Ins...
Resultados Preliminares sobre a Verificacão das Previsões do Modelo WRF Ins...Resultados Preliminares sobre a Verificacão das Previsões do Modelo WRF Ins...
Resultados Preliminares sobre a Verificacão das Previsões do Modelo WRF Ins...
 
Verificação da Pressão Atmosférica ao Nível Médio do Mar na Região Sul do Bra...
Verificação da Pressão Atmosférica ao Nível Médio do Mar na Região Sul do Bra...Verificação da Pressão Atmosférica ao Nível Médio do Mar na Região Sul do Bra...
Verificação da Pressão Atmosférica ao Nível Médio do Mar na Região Sul do Bra...
 
Verificação da Temperatura de Superfície na Região Sul do Brasil Estimada pel...
Verificação da Temperatura de Superfície na Região Sul do Brasil Estimada pel...Verificação da Temperatura de Superfície na Região Sul do Brasil Estimada pel...
Verificação da Temperatura de Superfície na Região Sul do Brasil Estimada pel...
 
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros da Primavera de 2009
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros da Primavera de 2009Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros da Primavera de 2009
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros da Primavera de 2009
 
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros do Inverno de 2009
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros do Inverno de 2009Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros do Inverno de 2009
Verificação do Modelo WRF para a Temperatura em 2 metros do Inverno de 2009
 

Fenômeno la niña de maio de 2007 a abril de 2008 e a precipitação no rio grande do sul

  • 1. Fenômeno La Niña de maio de 2007 a abril de 2008 e a precipitação no Rio Grande do Sul Elias Galvan de Lima1 ; Luiz Carlos Salgueiro Donato Bacelar¹, ²; Júlio Renato Marques³ ¹Aluno graduando, Faculdade de Meteorologia elias.gl@hotmail.com - UFPel, ²Bolsista do Programa de Educação Tutorial (PET/MEC/SESu) luiz_bacelar90@hotmail.com ³Professor Adjunto, Faculdade de Meteorologia, jmarques_fmet@ufpel.edu.br Universidade Federal de Pelotas – UFPel Campus Universitário s/n – Caixa Postal 354 – CEP 96010-900 ABSTRACT: The El Niño Southern Oscillation (ENSO) is responsible for changes in precipitation regime in the world, affecting mainly in Brazil the Northeast and South. This study was made to analyze the rainfall in Rio Grande do Sul in the period of occurrence of phenomenon La Niña, cold phase of ENSO, from May 2007 to April 2008. The results showed that only since January 2008 there was a dry spell across the state, characteristic of the phenomenon. Palavras-chave: La Nina, precipitação no Rio Grande do Sul 1 – INTRODUÇÃO Ocorreu entre maio de 2007 a abril de 2008, o fenômeno climático caracterizado por La Niña. Este fenômeno se dá devido ao resfriamento anormal das águas superficiais e sub- superficiais do Pacífico Equatorial, representando então uma alteração no sistema oceano- atmosfera, o que tem conseqüências no tempo e no clima de todo o planeta. Dentre as diferentes áreas de impactos relacionadas ao fenômeno ENOS, incluem-se duas grandes áreas, o Sudeste e o Nordeste da América do Sul (ROPELEWSKI & HALPERT, 1987). Vários estudos têm mostrado que o oceano Pacífico desempenha um papel significativo nas flutuações climáticas que ocorrem na região Sul do Brasil (FONTANA & BERLATO, 1997; DIAZ et al., 1998; GRIMM et al., 1998; GRIMM et al., 2000). Marques et al. (2006) e Gruppelli et al. (2006) identificaram que a precipitação total do bimestre janeiro- fevereiro apresenta grande relação com a produtividade da soja, arroz e qualidade da uva no RS. A finalidade deste estudo é mostrar se houve, ou não, período de seca, característico do fenômeno, para o estado do Rio Grande do Sul. 2 - MATERIAL E MÉTODOS Para estudar o período decorrente do fenômeno La Niña foram usados dados de precipitação, de maio de 2007 a abril de 2008, de cinco estações meteorológicas do Rio Grande do Sul, obtidos do 8º Distrito de Meteorologia do Instituto Nacional de Meteorologia - INMET: Bento Gonçalves (latitude: 29,3ºS, longitude: 51,5ºO, altitude: 619m), Caxias do Sul (latitude: 29,2ºS, longitude: 51,2ºO, altitude: 785m), Passo Fundo (latitude: 28,3ºS, longitude: 52,4ºO, altitude: 676m), Pelotas (latitude: 31,9ºS, longitude: 52,4ºO, altitude: 13m) , Santa Maria (latitude: 29,7ºS, longitude: 53,7ºO, altitude: 95m) e Uruguaiana (latitude: 29,8ºS, longitude: 57,1ºO, altitude: 74m). Para calcular a média climatológica foi feita uma média da precipitação entre anos de 1978 a 2006, de acordo com os dados de cada estação meteorológica. As imagens mostradas foram obtidas no sitio do NOAA-DCD (National Oceanic and Atmospheric Administration).
  • 2. 3 – RESULTADOS E DISCUSSÃO De acordo com as Figura 1.1, Figura 1.2, Figura 1.3 e Figura 1.4 podem-se observar anomalias negativas na Temperatura da Superficie do Mar (TSM) no Pacífico Equatorial Tropical, constatando assim, a época de La Niña respectivamente para os meses de maio, junho, julho e agosto de 2007. Figura 1.1. Anomalia de TSM em Maio de 2007 Fonte: NOAA-CDC/UFPel-CPPMet Figura 1.2. Anomalia de TSM em Junho de 2007. Fonte: NOAA-CDC/UFPel-CPPMet Figura 1.3. Anomalia de TSM em Julho de 2007. Fonte: NOAA-CDC/UFPel-CPPMet
  • 3. Figura 1.4. Anomalia de TSM em Agosto de 2007 Fonte: NOAA-CDC/UFPel-CPPMet Na Figura 2, é mostrado um gráfico de TSM nas regiões do Niño 3 e Niño 3.4, áreas onde a oscilação de TSM tem maior influência no Rio Grande do Sul (MARQUES et al., 2006), constatando assim, anomalias negativas na TSM para os meses de setembro de 2007 a abril de 2008. Figura 2. Gráfico da Anomalia da TSM de setembro de 2007 a agosto de 2008 Fonte: NOAA/CPC/NCEP Para avaliar se houve precipitação abaixo da média no estado do Rio Grande do Sul, foi feita a média climatológica entre os anos de 1978 a 2006 para as estações meteorológicas das cidades de Bento Gonçalves, Caxias do Sul, Passo Fundo, Pelotas, Santa Maria e Uruguaiana.
  • 4. Tabela 1: Normal Climatológica entre os anos de 1978 a 2006 Estações JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Bento Gonçalves 153,2 169,1 118,2 155,1 122,9 168,7 189,3 139,o 163,6 176,9 151,3 145,7 Caxias do Sul 150,1 157,9 155,2 146,2 132,0 171,8 183,0 144,8 168,9 187,9 160,1 158,2 Passo Fundo 160,7 135,5 126,7 146,2 166,3 145,8 165,8 128,7 186,9 220,1 171,3 157,8 Pelotas 109,5 169,1 116,7 134,2 144,0 115,1 131,2 100,7 139,1 105,3 110,4 117,9 Santa Maria 157,4 134,2 157,1 178,1 154,2 158,7 166,2 113,6 167,7 180,3 138,2 147,1 Uruguaiana 132,8 154,5 170,4 215,3 132,8 106,2 78,5 60,6 104,9 167,2 139,4 114,0 Depois de feita a média (normal climatológica), a mesma foi comparada com os dados de precipitação do mês de maio de 2007 a abril de 2008 (Tabela 2). Tabela 2: Comparação dos dados de precipitação de maio de 2007 a abril de 2008 com a normal climatológica de 1978 a 2006. Estações Mai/07 Jun/07 Jul/07 Ago/07 Set/07 Out/07 Nov/07 Dez/07 Jan/08 Fev/08 Mar/08 Abr/08 Bento Gonçalves 218,1¹ 75,2² 280,1¹ 126,9² 233,8¹ 105² 209,4¹ 161¹ 106,4² 154,3² 180,4² 159,3¹ Caxias do Sul 186,8¹ 61,5² 272,5¹ 131,7² 271¹ 87,4² 182,1¹ 200,6¹ 150³ 138² 134² 133² Passo Fundo 295,3¹ 68,2² 325,7¹ 128,7³ 268,6¹ 246¹ 186,5¹ 218,4¹ 151² 140¹ 120² 122² Pelotas 104² 226,4¹ 90,4² 183,8¹ 93² 95,6² 110,1³ 129,8² 118¹ 145² 120¹ 100² Santa Maria 102,8² 131,6² 75,6² 112,2² 211,3¹ 113² 105² 202,1¹ 148² 135² 137² 144² Uruguaiana 20,5² 55,5² 27,8² 112,5¹ 94,2² 198¹ 114,5² 52,8² 128² 143² 156² 186² ¹ Acima da média climatológica ² Abaixo da média climatológica ³ Próximo da média climatológica 4 – CONCLUSÕES A análise dos resultados indica que no período de La Niña em estudo, somente a partir de janeiro de 2008, a precipitação ficou abaixo da média no Rio Grande do Sul, característico de La Niña, mostrando que é possível ocorrer chuvas acima da média na região estudada, originadas de outros eventos meteorológicos, mesmo nas épocas desse fenômeno. Para estudos futuros, a interação entre os episódios de ENOS e outros sistemas, como a Zona de Convergência Intertropical e Zona de Convergência do Atlântico Sul, podem ser levados em conta para uma melhor analise da precipitação no Rio Grande do Sul. 5 – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FONTANA, D.C.; BERLATO, M.A. Influência do El Niño Oscilação Sul sobre a precipitação do Estado do Rio grande do Sul. Revista Brasileira de Agrometeorologia, Santa Maria, v.5, n.1, p.127-132, 1997.
  • 5. DIAZ, A. E.. et al. Relationship between precipitation anomalies in Uruguay and Southern Brazil and sea temperature in the Pacific and Atlantic oceans. Journal of Climate, Boston v.11, n.2, p. 251-271, 1998. GRIMM, A. M. et al. Precipitation anomalies in Southern Brazil associated with El Niño and La Niña events. Journal of Climate, Boston, v.11, n.11, p. 2863-2880, 1998. GRIMM, A. M. et al. Climate variability in Southern South America associated with El Niño and La Niña events. Journal of Climate, Boston, v.13, n.1, p. 35-58, 2000. MARQUES, J. R.; DINIZ, G. B.; PRESTES, S. D. Anomalia na TSM associadas às fortes anomalias na produtividade da soja no Rio Grande do Sul. In: Congresso Brasileiro de Meteorologia, 14, 2006, Florianópolis. C-2047.