SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola de Enfermagem da UFMG
Trabalho com grupos
Profª Drª Sônia Maria Soares
Belo Horizonte
Novembro/ 2008
Por que trabalhar com grupos?
• Possibilita o senso de inclusão,
valorização e identificação
entre os participantes, sendo
que muitos buscam amparo
diante dos seus problemas de
saúde (ZIMERMAN; OSÓRIO,
1997).
Dinâmica de Grupo
• Campo de estudo e pesquisa dedicado ao
desenvolvimento do conhecimento sobre a natureza dos
grupos e da vida coletiva,às leis de seu desenvolvimento
e sua inter-relação com os indivíduos que os compõem,
com outros e com instituições mais amplas.
• ( Busnello, 1986 ).
Quanto aos objetivos um grupo pode
oferecer suporte no período de
crises;
realizar tarefas;
socializar informações,
problemas;
aprender mudanças de
comportamento;
contribuir para o
desenvolvimento de relações
humanas;
oferecer psicoterapia.
PICHON-RIVIÈRE: grupos operativos
Grupos centrados na tarefa
Conceitos importantes:
Tarefa – vínculo – pré-tarefa
Horizontalidade / verticalidade
ABORDAGENS TEÓRICAS
Coordenação do grupo
O papel do
coordenador
É o co-pensor do grupo.
Facilitar o processo grupal.
Papel do coordenador: leitura da
dinâmica visível e invisível.
Apoiar o grupo em sua tarefa interna
tendo como meta o desenvolvimento
da tarefa externa.
Atividade
grupal
Êxito
Fracasso
(MUNARI; FUREGATO, 2003)
... No cotidiano profissional
Estrutura do grupo
Delimitação do problema
por meio do diagnóstico
(demanda)
Traçar objetivos
específicos para alcance
das metas
Atenção
Antes de iniciar o
trabalho grupal deve-
se realizar reunião
com a instituição,
objetivando expor a
proposta de trabalho
– apreciação e
discussão
COLETIVA.
Estrutura do grupo
Estrutura do grupo
Enquadre/setting
(regras do jogo)
Seleção dos
membros
Escolha
apropriada
do local
Grupo homogêneo ou
heterogêno? Fechado ou
aberto? Duração limitada
ou ilimitada? ...
agrupados de acordo com a possibilidade de comprometer
com os objetivos do grupo e por suas
habilidades em participar de regras.
área geográfica,
iluminação,
ventilação,
conforto,
familiaridade e
segurança
Variáveis físicas (local)
Foto 1: Grupo de hipertensos: Vivendo saúde.
Experiência da Fisioterapia.
Fonte: http://images.google.com.br/images.
Utilização dos espaços
extra-muros!
Contrato Grupal
Estabelecimento dos
objetivos e metas
Número de encontros
Duração dos
encontros
Periodicidade dos
encontros
Metas declaradas
CONSTRUÇÃO
COLETIVA
Facilita aderência e
coesão do GRUPO
Clima grupal
coesão/integração
de esforços
conflitos/competição
e desagregação
Afeta a tarefa e desempenho global
Dicas para um ambiente mais harmônico
Clarifique a mensagem
recebida.
Verbalize quando concordar
com o que está sendo dito.
Aceite o direito de a pessoa
ter opinião própria.
Expresse de quem é o
problema.
Descreva o comportamento
que lhe causa problema.
Você nunca me
deixa falar!
Dicas para um ambiente mais harmônico
• Descreva seus sentimentos
verbalmente.
• Verifique a percepção do
outro.
• Aprenda a conversar com
você mesmo.
• Chame a pessoa pelo nome.
Eu não tinha
terminado a frase e
você me interrompeu.
Avaliação do grupo
Considerada à partir de parâmetros que
visualize no mínimo a manutenção dos
objetivos do grupo, o aprendizado de seus
participantes e a mudança do
comportamento inicial (MUNARI;
FUREGATO, 2003).
Vetores de avaliação do processo grupal
pichoniano.
Instrumento para o Trabalho com Grupos
Obs: Os nomes devem ser escritos em letra de forma, inclusive o próprio.
O que é INTERPRETAÇÃO?
Em inglês, significa feed back.
Trata-se de uma forma de ajudar a alguém a pensar em
mudar seu comportamento inefetivo ou negativo.
Consiste em comunicar à pessoa ou ao grupo informação
a respeito de como ela ou ele está agindo sobre os
demais.
Ajuda o indivíduo a perceber melhor seu comportamento
e, dessa forma, conseguir seus propósitos de melhorar as
relações interpessoais.
É descritiva e
não avaliativa
» A pessoa descreve à outra sua
própria reação e deixa a outra
livre para utilizar essa
descrição como melhor
entenda.
» Evitar linguagem avaliativa
deduz a necessidade do
indivíduo de reagir de maneira
defensiva.
Critérios para conseguir uma boa
INTERPRETAÇÃO
A interpretação é
formulada
oportunamente
Critérios para conseguir uma boa
interpretação
» É mais útil se iniciada imediatamente
após terminada a ação de que se cogita.
» Dependendo, é certo, de que a pessoa
esteja disposta a nos ouvir, de que
contemos com o apoio do grupo…
ZIMERMAN, D. E.; OSÓRIO, L. C (Org.). Como trabalhamos com grupos. Porto
Alegre: Artes Médicas, 1997. 424 p.
FERNANDES, M. T. de O. Trabalho com grupos na Saúde da Família:
concepções, estrutura e estratégias para o cuidado transcultural. 2007. 179 f.
Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Escola de Enfermagem, Universidade
Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.
MUNARI, D. B.; FUREGATO, A. R. F. Enfermagem e grupos. 2. ed. Goiânia: AB,
2003. 82 p.
ZIMERMAN, D. E. Fundamentos básicos das grupoterapias. 2. ed. Porto Alegre:
Artes Médicas, 2000. 244 p.
Referências

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Grupo Focal Avaliação de Projetos Cristiane Locatelli
Grupo Focal  Avaliação de Projetos   Cristiane LocatelliGrupo Focal  Avaliação de Projetos   Cristiane Locatelli
Grupo Focal Avaliação de Projetos Cristiane Locatelli
crislocatelli
 
Potencialidades da técnica qualitativa grupo focal em investigações
Potencialidades da técnica qualitativa grupo focal em investigaçõesPotencialidades da técnica qualitativa grupo focal em investigações
Potencialidades da técnica qualitativa grupo focal em investigações
Gabriela Boff
 
Grupo Focal
Grupo FocalGrupo Focal
Grupo Focal
Arely Azuara
 
Módulo 6 catarina
Módulo 6 catarinaMódulo 6 catarina
Módulo 6 catarina
Catarina Nunes
 
Focus Group - O Moderador
Focus Group - O ModeradorFocus Group - O Moderador
Focus Group - O Moderador
Pedro Duque
 
Grupo Focal
Grupo FocalGrupo Focal
Grupo Focal
mateus silva
 
Grupos - Social
Grupos - SocialGrupos - Social
Grupos - Social
Psicologia_2015
 
Focus Group Powerpoint
Focus Group PowerpointFocus Group Powerpoint
Focus Group Powerpoint
benpainter221
 
Apresentação focus group
Apresentação   focus groupApresentação   focus group
Apresentação focus group
Aldeia Coworking
 
Fokus - Focus Group
Fokus - Focus GroupFokus - Focus Group
Fokus - Focus Group
Nacho Poveda
 
Focus Group
Focus GroupFocus Group
Grupo focal
Grupo focalGrupo focal
Grupo focal
mauricio michea
 
Grupo focal
Grupo focalGrupo focal
Grupo focal
Anitha Hernandez
 
Focus group descrição
Focus group descriçãoFocus group descrição
Focus group descrição
presenttense
 
Habilidades sociais
Habilidades sociaisHabilidades sociais
Habilidades sociais
Edith Andrade
 
Psicoterapia De Grupo
Psicoterapia De GrupoPsicoterapia De Grupo
Diseño Multidispositivo (UXSpain 2014)
Diseño Multidispositivo (UXSpain 2014)Diseño Multidispositivo (UXSpain 2014)
Diseño Multidispositivo (UXSpain 2014)
Francisco Garcia Franco
 
Menaxhimi i resureseve njerzore1111
Menaxhimi i resureseve njerzore1111Menaxhimi i resureseve njerzore1111
Menaxhimi i resureseve njerzore1111kulla 2010
 
Grupo E Seus FenôMenos ContribuiçãO Da Psicologia
Grupo E Seus FenôMenos  ContribuiçãO Da PsicologiaGrupo E Seus FenôMenos  ContribuiçãO Da Psicologia
Grupo E Seus FenôMenos ContribuiçãO Da Psicologia
Silvia Marina Anaruma
 
Grupoterapias
GrupoterapiasGrupoterapias
Grupoterapias
Rayanne Chagas
 

Destaque (20)

Grupo Focal Avaliação de Projetos Cristiane Locatelli
Grupo Focal  Avaliação de Projetos   Cristiane LocatelliGrupo Focal  Avaliação de Projetos   Cristiane Locatelli
Grupo Focal Avaliação de Projetos Cristiane Locatelli
 
Potencialidades da técnica qualitativa grupo focal em investigações
Potencialidades da técnica qualitativa grupo focal em investigaçõesPotencialidades da técnica qualitativa grupo focal em investigações
Potencialidades da técnica qualitativa grupo focal em investigações
 
Grupo Focal
Grupo FocalGrupo Focal
Grupo Focal
 
Módulo 6 catarina
Módulo 6 catarinaMódulo 6 catarina
Módulo 6 catarina
 
Focus Group - O Moderador
Focus Group - O ModeradorFocus Group - O Moderador
Focus Group - O Moderador
 
Grupo Focal
Grupo FocalGrupo Focal
Grupo Focal
 
Grupos - Social
Grupos - SocialGrupos - Social
Grupos - Social
 
Focus Group Powerpoint
Focus Group PowerpointFocus Group Powerpoint
Focus Group Powerpoint
 
Apresentação focus group
Apresentação   focus groupApresentação   focus group
Apresentação focus group
 
Fokus - Focus Group
Fokus - Focus GroupFokus - Focus Group
Fokus - Focus Group
 
Focus Group
Focus GroupFocus Group
Focus Group
 
Grupo focal
Grupo focalGrupo focal
Grupo focal
 
Grupo focal
Grupo focalGrupo focal
Grupo focal
 
Focus group descrição
Focus group descriçãoFocus group descrição
Focus group descrição
 
Habilidades sociais
Habilidades sociaisHabilidades sociais
Habilidades sociais
 
Psicoterapia De Grupo
Psicoterapia De GrupoPsicoterapia De Grupo
Psicoterapia De Grupo
 
Diseño Multidispositivo (UXSpain 2014)
Diseño Multidispositivo (UXSpain 2014)Diseño Multidispositivo (UXSpain 2014)
Diseño Multidispositivo (UXSpain 2014)
 
Menaxhimi i resureseve njerzore1111
Menaxhimi i resureseve njerzore1111Menaxhimi i resureseve njerzore1111
Menaxhimi i resureseve njerzore1111
 
Grupo E Seus FenôMenos ContribuiçãO Da Psicologia
Grupo E Seus FenôMenos  ContribuiçãO Da PsicologiaGrupo E Seus FenôMenos  ContribuiçãO Da Psicologia
Grupo E Seus FenôMenos ContribuiçãO Da Psicologia
 
Grupoterapias
GrupoterapiasGrupoterapias
Grupoterapias
 

Semelhante a Como coordenar grupo focal

Teoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupoTeoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
Silvio Custódio Souza Júnior
 
Terapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentaisTerapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentais
Rodrigo Abreu
 
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptxrelacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
ProfYasminBlanco
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacional
CarlaMedeiros47
 
Tcc04deagosto2011
Tcc04deagosto2011Tcc04deagosto2011
Tcc04deagosto2011
Lucille Fanini
 
Enfermagem e grupos
Enfermagem e gruposEnfermagem e grupos
Enfermagem e grupos
Aliny Lima
 
DINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptxDINÂMICA de GRUPO.pptx
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
Leandro Lopes
 
1202661643 janine kieling_monteiro
1202661643 janine kieling_monteiro1202661643 janine kieling_monteiro
1202661643 janine kieling_monteiro
cleusa_1968
 
nicolas quebra galho
nicolas quebra galhonicolas quebra galho
nicolas quebra galho
nikiin
 
Como Montar Grupos Aula 1.pdf
Como Montar Grupos Aula 1.pdfComo Montar Grupos Aula 1.pdf
Como Montar Grupos Aula 1.pdf
ClebersonAndrade4
 
humanização saúde
humanização saúdehumanização saúde
humanização saúde
Aparecido Oliveira
 
Artigo trabalho em equipe pdf
Artigo trabalho em equipe pdfArtigo trabalho em equipe pdf
Artigo trabalho em equipe pdf
EvaniodasGraasDonato
 
Neuro linguistica aplicada
Neuro linguistica aplicadaNeuro linguistica aplicada
Neuro linguistica aplicada
Robson S
 
Apostila de programaçao neurolinguistica lair ribeiro - pnl(2)
Apostila de programaçao neurolinguistica   lair ribeiro - pnl(2)Apostila de programaçao neurolinguistica   lair ribeiro - pnl(2)
Apostila de programaçao neurolinguistica lair ribeiro - pnl(2)
vanessa_campinas
 
Din mica de_grupo__apostila
Din mica de_grupo__apostilaDin mica de_grupo__apostila
Din mica de_grupo__apostila
Solange Montosa
 
Teoria Humanista
Teoria HumanistaTeoria Humanista
Teoria Humanista
Silvia Marina Anaruma
 
Comunicação intra e interpessoal como fatores diferenciais no crescimento pro...
Comunicação intra e interpessoal como fatores diferenciais no crescimento pro...Comunicação intra e interpessoal como fatores diferenciais no crescimento pro...
Comunicação intra e interpessoal como fatores diferenciais no crescimento pro...
tdc-globalcode
 
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
Thayane Victoriano
 
Psicologia ciência do comportamento.pdf
Psicologia ciência do comportamento.pdfPsicologia ciência do comportamento.pdf
Psicologia ciência do comportamento.pdf
KellyCristianyRodrig
 

Semelhante a Como coordenar grupo focal (20)

Teoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupoTeoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
 
Terapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentaisTerapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentais
 
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptxrelacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacional
 
Tcc04deagosto2011
Tcc04deagosto2011Tcc04deagosto2011
Tcc04deagosto2011
 
Enfermagem e grupos
Enfermagem e gruposEnfermagem e grupos
Enfermagem e grupos
 
DINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptxDINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptx
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
 
1202661643 janine kieling_monteiro
1202661643 janine kieling_monteiro1202661643 janine kieling_monteiro
1202661643 janine kieling_monteiro
 
nicolas quebra galho
nicolas quebra galhonicolas quebra galho
nicolas quebra galho
 
Como Montar Grupos Aula 1.pdf
Como Montar Grupos Aula 1.pdfComo Montar Grupos Aula 1.pdf
Como Montar Grupos Aula 1.pdf
 
humanização saúde
humanização saúdehumanização saúde
humanização saúde
 
Artigo trabalho em equipe pdf
Artigo trabalho em equipe pdfArtigo trabalho em equipe pdf
Artigo trabalho em equipe pdf
 
Neuro linguistica aplicada
Neuro linguistica aplicadaNeuro linguistica aplicada
Neuro linguistica aplicada
 
Apostila de programaçao neurolinguistica lair ribeiro - pnl(2)
Apostila de programaçao neurolinguistica   lair ribeiro - pnl(2)Apostila de programaçao neurolinguistica   lair ribeiro - pnl(2)
Apostila de programaçao neurolinguistica lair ribeiro - pnl(2)
 
Din mica de_grupo__apostila
Din mica de_grupo__apostilaDin mica de_grupo__apostila
Din mica de_grupo__apostila
 
Teoria Humanista
Teoria HumanistaTeoria Humanista
Teoria Humanista
 
Comunicação intra e interpessoal como fatores diferenciais no crescimento pro...
Comunicação intra e interpessoal como fatores diferenciais no crescimento pro...Comunicação intra e interpessoal como fatores diferenciais no crescimento pro...
Comunicação intra e interpessoal como fatores diferenciais no crescimento pro...
 
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
 
Psicologia ciência do comportamento.pdf
Psicologia ciência do comportamento.pdfPsicologia ciência do comportamento.pdf
Psicologia ciência do comportamento.pdf
 

Último

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 

Último (20)

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 

Como coordenar grupo focal

  • 1. Escola de Enfermagem da UFMG Trabalho com grupos Profª Drª Sônia Maria Soares Belo Horizonte Novembro/ 2008
  • 2. Por que trabalhar com grupos? • Possibilita o senso de inclusão, valorização e identificação entre os participantes, sendo que muitos buscam amparo diante dos seus problemas de saúde (ZIMERMAN; OSÓRIO, 1997).
  • 3. Dinâmica de Grupo • Campo de estudo e pesquisa dedicado ao desenvolvimento do conhecimento sobre a natureza dos grupos e da vida coletiva,às leis de seu desenvolvimento e sua inter-relação com os indivíduos que os compõem, com outros e com instituições mais amplas. • ( Busnello, 1986 ).
  • 4. Quanto aos objetivos um grupo pode oferecer suporte no período de crises; realizar tarefas; socializar informações, problemas; aprender mudanças de comportamento; contribuir para o desenvolvimento de relações humanas; oferecer psicoterapia.
  • 5. PICHON-RIVIÈRE: grupos operativos Grupos centrados na tarefa Conceitos importantes: Tarefa – vínculo – pré-tarefa Horizontalidade / verticalidade ABORDAGENS TEÓRICAS
  • 6. Coordenação do grupo O papel do coordenador É o co-pensor do grupo. Facilitar o processo grupal. Papel do coordenador: leitura da dinâmica visível e invisível. Apoiar o grupo em sua tarefa interna tendo como meta o desenvolvimento da tarefa externa.
  • 8. Estrutura do grupo Delimitação do problema por meio do diagnóstico (demanda) Traçar objetivos específicos para alcance das metas
  • 9. Atenção Antes de iniciar o trabalho grupal deve- se realizar reunião com a instituição, objetivando expor a proposta de trabalho – apreciação e discussão COLETIVA. Estrutura do grupo
  • 10. Estrutura do grupo Enquadre/setting (regras do jogo) Seleção dos membros Escolha apropriada do local Grupo homogêneo ou heterogêno? Fechado ou aberto? Duração limitada ou ilimitada? ... agrupados de acordo com a possibilidade de comprometer com os objetivos do grupo e por suas habilidades em participar de regras. área geográfica, iluminação, ventilação, conforto, familiaridade e segurança
  • 11. Variáveis físicas (local) Foto 1: Grupo de hipertensos: Vivendo saúde. Experiência da Fisioterapia. Fonte: http://images.google.com.br/images. Utilização dos espaços extra-muros!
  • 12. Contrato Grupal Estabelecimento dos objetivos e metas Número de encontros Duração dos encontros Periodicidade dos encontros Metas declaradas CONSTRUÇÃO COLETIVA Facilita aderência e coesão do GRUPO
  • 13. Clima grupal coesão/integração de esforços conflitos/competição e desagregação Afeta a tarefa e desempenho global
  • 14. Dicas para um ambiente mais harmônico Clarifique a mensagem recebida. Verbalize quando concordar com o que está sendo dito. Aceite o direito de a pessoa ter opinião própria. Expresse de quem é o problema. Descreva o comportamento que lhe causa problema. Você nunca me deixa falar!
  • 15. Dicas para um ambiente mais harmônico • Descreva seus sentimentos verbalmente. • Verifique a percepção do outro. • Aprenda a conversar com você mesmo. • Chame a pessoa pelo nome. Eu não tinha terminado a frase e você me interrompeu.
  • 16. Avaliação do grupo Considerada à partir de parâmetros que visualize no mínimo a manutenção dos objetivos do grupo, o aprendizado de seus participantes e a mudança do comportamento inicial (MUNARI; FUREGATO, 2003). Vetores de avaliação do processo grupal pichoniano.
  • 17. Instrumento para o Trabalho com Grupos Obs: Os nomes devem ser escritos em letra de forma, inclusive o próprio.
  • 18. O que é INTERPRETAÇÃO? Em inglês, significa feed back. Trata-se de uma forma de ajudar a alguém a pensar em mudar seu comportamento inefetivo ou negativo. Consiste em comunicar à pessoa ou ao grupo informação a respeito de como ela ou ele está agindo sobre os demais. Ajuda o indivíduo a perceber melhor seu comportamento e, dessa forma, conseguir seus propósitos de melhorar as relações interpessoais.
  • 19. É descritiva e não avaliativa » A pessoa descreve à outra sua própria reação e deixa a outra livre para utilizar essa descrição como melhor entenda. » Evitar linguagem avaliativa deduz a necessidade do indivíduo de reagir de maneira defensiva. Critérios para conseguir uma boa INTERPRETAÇÃO
  • 20. A interpretação é formulada oportunamente Critérios para conseguir uma boa interpretação » É mais útil se iniciada imediatamente após terminada a ação de que se cogita. » Dependendo, é certo, de que a pessoa esteja disposta a nos ouvir, de que contemos com o apoio do grupo…
  • 21. ZIMERMAN, D. E.; OSÓRIO, L. C (Org.). Como trabalhamos com grupos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997. 424 p. FERNANDES, M. T. de O. Trabalho com grupos na Saúde da Família: concepções, estrutura e estratégias para o cuidado transcultural. 2007. 179 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Escola de Enfermagem, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007. MUNARI, D. B.; FUREGATO, A. R. F. Enfermagem e grupos. 2. ed. Goiânia: AB, 2003. 82 p. ZIMERMAN, D. E. Fundamentos básicos das grupoterapias. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000. 244 p. Referências