SlideShare uma empresa Scribd logo
Carta de Belo Horizonte aos Ginecologistas e Obstetras do Brasil

Considerando o atual panorama da Medicina brasileira, no qual encontramos grande
quantidade de problemas e conflitos tanto no sistema privado quanto público – sem que
as autoridades sanitárias ofereçam soluções – e considerando, ainda:
- que a saúde suplementar atende, atualmente, 25% da população brasileira e a Agência
Nacional de Saúde (ANS) não regula relação entre os prestadores de serviços (nós,
médicos) e as operadoras;
- que o número de escolas médicas no Brasil cresceu de forma desordenada e exibe um
universo de recém-formados sem a devida qualificação e capacidade técnica para
prestar os devidos cuidados de saúde à população;
- que a Residência Médica, nos moldes atuais, também apresenta uma série de
deficiências e não tem conseguido formar adequadamente os especialistas, além de
oferecer proporcionalmente reduzido número de vagas para os 17.000 médicos que se
formam atualmente no Brasil;
- que as entidades médicas no plano nacional tem se esforçado para defender os
interesses dos médicos em todos os aspectos, sejam eles financeiros, técnicos,
administrativos ou éticos, mas tem encontrado inúmeras dificuldades diante da melhor
organização das operadoras de saúde e da inoperância do legislativo e do próprio
governo;
- que o cenário atual da nossa especialidade, além de vivenciar todos os problemas
nacionais, possui ainda questões específicas, tais como: alta incidência de processos
éticos e jurídicos; baixa remuneração nos planos de saúde; não valorização da
especialidade; falta de plantonistas nas maternidades; conflitos com outros profissionais
de saúde na assistência obstétrica;
- que, na cadeia de valores do setor saúde os médicos encontram-se em situação
desfavorável na correlação de forças para a precificação de seus honorários que, em
decorrência disso, estão completamente aviltados, pois as operadoras (e o SUS) termi
nam por
definir unilateralmente o preço dos nossos procedimentos;
- que as entidades que regulamentam a Saúde Suplementar (ANS, CADE, ANVISA,
SDE e outras) não têm manifestado interesse algum em nos ajudar ou mesmo de mediar
as relações entre nós, prestadores de serviços de saúde e as operadoras, transmitindo-nos
a sensação de que estão dominadas por ressentimento contra médicos;
- que a ANS, atualmente, tem diversos representantes de planos de saúde na sua
diretoria e nenhum representante das entidades médicas;
- que em vários cenários, como no movimento pela implantação da CBHPM, ou
movimentos isolados de médicos de diferentes especialidades – tentando negociar em
grupo com os planos de saúde – fomos denunciados por diversas entidades ao CADE
como membros de cartel, e ficamos impedidos de negociar, enquanto as operadoras se
organizaram em grupos, sem nenhum impedimento;
- que, hoje, temos plena consciência de que ninguém, ou nenhuma entidade, fará
alguma coisa por nós, a não ser nós mesmos, os médicos, e por mais justas que sejam
nossas reivindicações, temos que sair do papel de vítima e nos tornar protagonistas da
nossa própria história; a SOGIMIG decidiu realizar o II Fórum de Defesa Profissional e
de Honorários Médicos, que ocorreu no dia 06 de novembro de 2010. O evento foi
sucesso de público e muito rico do ponto de vista dos debates dos diversos temas
selecionados para discussão. Houve representativa presença de profissionais de Belo
Horizonte e do interior de Minas Gerais, assim como
representantes de federadas de vários estados do Brasil, entre elas: Rio Grande do Sul,
Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo.
Foram aprovadas várias recomendações nesse II Fórum de Defesa Profissional e de
Honorários Médicos. Os participantes solicitaram que fosse realizada divulgação em
âmbito nacional, para que possamos avançar na busca de melhores honorários e
condições de trabalho e de valorização da nossa especialidade, com o objetivo principal
de resgatarmos nossa dignidade como profissionais que prestam cuidados de saúde às
mulheres brasileiras.
Foram aprovadas as seguintes recomendações:
1- Divulgar o fórum de defesa profissional em todas as federadas e estimular a
Febrasgo a realizar um grande fórum de defesa profissional e de honorários médicos.
2- Cobrar das entidades médicas ações mais eficientes para implementação da
CBHPM por todas as operadoras de saúde.
3- Tendo em vista que as operadoras se profissionalizaram nas negociações com
os prestadores de serviços, devemos, também, nos profissionalizar, criando setores/
departamentos/ grupos de trabalho nas entidades médicas, com profissionais
de diferente formação (advogados, estrategistas, administradores, atuários negociadores,
lobistas e outros) para discutirmos com as operadoras a correção dos valores
dos procedimentos
médicos.
4- O “Termo de Consentimento Livre e Esclarecido” não impede que exista
“processo” contra médicos, mas devemos aplicá-lo, sobretudo, nas intervenções
cirúrgicas, de
modo individual e não geral, como os que existem nos hospitais. Se a paciente e
sua(s) testemunha(s) assinarem o Termo de Consentimento, não poderão alegar que
desconheciam os riscos. Assim, em caso de processo judicial, a defesa do médico
se torna mais embasada. Deve ser destacado que o Termo de Consentimento não
pode se sobrepor à expertise profissional, jamais negligenciando a boa relação
médicopaciente.
O Termo de Consentimento, quando utilizado, deve estar pautado nos pilares da
atenção, conhecimento, cuidado, lealdade e paciência para com as necessidades da
paciente.
5- Faz-se necessária, com urgência, a organização do atendimento obstétrico na
saúde suplementar, com normas claras para a organização de plantões nas maternidades
privadas, incentivando equipes e serviços que melhorem os resultados obstétricos
e neonatais.
6- Tendo em vista que a aposentadoria especial já não mais existe para todos
os médicos, foi sugerido que façamos nossas contribuições sempre no teto máximo e
pelo
máximo tempo possível, para que possamos ter melhor remuneração no futuro.
7- Para aposentarem recebendo o teto máximo do INSS, que hoje é de R$3.467,40,
as mulheres necessitam contribuir por 30 anos, ou mais, e ter pelo menos 60 anos de
idade; e os homens devem contribuir por 35 anos, ou mais, e ter pelo menos 65 anos de
idade. Além disso, é necessário que tenham recolhido pelo menos durante 156
meses (13 anos) para o INSS com o teto máximo mensal (veja com seu contador qual o
valor correto). A aposentadoria especial (aos 20 anos de contribuição para as
mulheres e aos 25 para os homens) somente existe para médicos que trabalham
em ambientes de risco durante todo o tempo de contribuição.
8- Foram enumeradas várias ações que devemos implementar junto às operadoras
e planos de saúde com o intuito de melhorar nossos honorários, tais como:
a) Manter vigilância contínua;
b) promover fóruns constantes para discussões sobre Saúde Pública e Suplementar;
c) procurar decidir conjuntamente, médicos, hospitais, cooperativas e entidades
médicas;
d) defender a negociação conjunta, não permitindo desvincular reajuste de con
sultas e procedimentos;
e) lutar pela implantação e precificação da CBHPM em toda a saúde suplementar e tamb
ém no SUS;
f) acompanhar constantemente a política da ANS;
g) sensibilizar a população em favor do médico;
h) trabalhar na tentativa de diminuição de custos;
i) não assinar novos contratos com operadoras de saúde que se recusem a atender nossas
reivindicações.
9- Criar o “lobby do bem”, o que significa estabelecer relações políticas nos
planos municipal, estadual e federal, no sentido de fortalecer contatos com políticos
favoráveis às nossas reivindicações. Ao mesmo tempo, foi também aprovado que as
relações que já tenham porventura sido estabelecidas entre médicos e personalidades
públicas em cargos estratégicos e de poder no país sejam mapeadas e também utilizadas
para essa finalidade.
10- Criar grupo técnico para produção, organização e divulgação de
indicadores/índices nacionais de desempenho do setor saúde, ligado a honorários
médicos, em âmbito
regional e nacional.
11- Para o médico ter salário mensal de R$7.503,00, defendido pela Federação Nacional
dos Médicos (FENAM) como o mínimo para a categoria, por 20 horas de trabalho
por semana, a consulta em ambulatório, no qual o médico não tem custo algum,
atendendo consulta de 40 em 40 minutos, incluindo os retornos, não remunerados,
deverá ser de R$67,50. No consultório do médico, este valor depende de suas despesas
(secretária, telefone, energia elétrica, material de consumo, impostos, taxas, etc.) e do
imobilizado (imóvel, moveis, equipamentos, etc.). Para um consultório de nível médio,
na região hospitalar de Belo Horizonte, deveria ser de pelo menos R$95,00. Quanto
você está recebendo? Sabe qual é o resultado de seu trabalho? Veja os cálculos no
Portal da SOGIMIG (www.sogimig@sogimig.org.br).
12- A respeito da disponibilidade e exclusividade do atendimento obstétrico na
assistência ao parto, concluiu-se que é uma relação autônoma entre o médico e a cliente
que o escolheu, o que permite a livre contratação do seu trabalho sem a interferência dos
planos de saú
de. Ficou claro nas discussões que o obstetra tem relação de trabalho que difere
das outras especialidades e os planos de saúde devem deixar muito claro para as
pacientes que eles GARANTEM O PARTO COM O MÉDICO DE PLANTÃO e que
nenhum médico conveniado tem obrigação de prestar atendimento fora do seu horário
de trabalho no consultório.
13- Definir orçamento nas Federadas e Febrasgo para a Defesa Profissional.
14- Cobrar regulamentação da profissão do médico em âmbito nacional, para a
aprovação da Lei do Ato Médico.


                     Belo Horizonte, 6 de novembro de 2010.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Edição nº 34 1º semestre 2014
Edição nº 34 1º semestre 2014Edição nº 34 1º semestre 2014
Edição nº 34 1º semestre 2014
seesp
 
Edição 40 setembro
Edição 40 setembroEdição 40 setembro
Edição 40 setembro
Niick Couto
 
Santa Casa de Misericórdia de Itabuna Nº 29 / Agosto 2016
Santa Casa de Misericórdia de Itabuna Nº 29 / Agosto 2016Santa Casa de Misericórdia de Itabuna Nº 29 / Agosto 2016
Santa Casa de Misericórdia de Itabuna Nº 29 / Agosto 2016
Roberto Rabat Chame
 
O papel dos Protocolos de Enfermagem no município de Jaraguá do Sul (SC) co...
O papel dos Protocolos de  Enfermagem no município de  Jaraguá do Sul (SC) co...O papel dos Protocolos de  Enfermagem no município de  Jaraguá do Sul (SC) co...
O papel dos Protocolos de Enfermagem no município de Jaraguá do Sul (SC) co...
Portal da Inovação em Saúde
 
FGV / IBRE – Estratégias inovadoras de Gestão Hospitalar: A experiência do mu...
FGV / IBRE – Estratégias inovadoras de Gestão Hospitalar: A experiência do mu...FGV / IBRE – Estratégias inovadoras de Gestão Hospitalar: A experiência do mu...
FGV / IBRE – Estratégias inovadoras de Gestão Hospitalar: A experiência do mu...
FGV | Fundação Getulio Vargas
 
Projeto linhas de cuidado
Projeto linhas de cuidadoProjeto linhas de cuidado
Projeto linhas de cuidado
Lucas Matos
 
Plataforma de Modernização da Saúde
Plataforma de Modernização da Saúde Plataforma de Modernização da Saúde
Plataforma de Modernização da Saúde
Governo do Estado do Ceará
 
BOLETIM ESPECIAL: SOS SAÚDE PÚBLICA
BOLETIM ESPECIAL: SOS SAÚDE PÚBLICABOLETIM ESPECIAL: SOS SAÚDE PÚBLICA
BOLETIM ESPECIAL: SOS SAÚDE PÚBLICA
SindServ Sjc
 
Sp Prepara Regra Para Cobrar Planos De Saude Binder
Sp Prepara Regra Para Cobrar Planos De Saude BinderSp Prepara Regra Para Cobrar Planos De Saude Binder
Sp Prepara Regra Para Cobrar Planos De Saude Binder
IBGC Chapter Parana
 
Plano de Governo - Saúde
Plano de Governo - SaúdePlano de Governo - Saúde
Plano de Governo - Saúde
Blumenau Quem Ama Cuida
 
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Aroldo Gavioli
 
Ama
AmaAma
Serviços de saúde pública da atenção secundária ausentes em Divinópolis
Serviços de saúde pública da atenção secundária ausentes em DivinópolisServiços de saúde pública da atenção secundária ausentes em Divinópolis
Serviços de saúde pública da atenção secundária ausentes em Divinópolis
MovSaúde Divinópolis
 
Politica Nacional de Urgencias
Politica Nacional de UrgenciasPolitica Nacional de Urgencias
Politica Nacional de Urgencias
Valderi Ferreira
 
Linha cuidado integral conceito como fazer
Linha cuidado integral   conceito como fazerLinha cuidado integral   conceito como fazer
Linha cuidado integral conceito como fazer
multicentrica
 
Rede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à SaúdeRede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à Saúde
feraps
 
Roda de Conversa Infância e Adolescência. Rede Sampa - Saúde Mental Paulistana
Roda de Conversa Infância e Adolescência. Rede Sampa - Saúde Mental PaulistanaRoda de Conversa Infância e Adolescência. Rede Sampa - Saúde Mental Paulistana
Roda de Conversa Infância e Adolescência. Rede Sampa - Saúde Mental Paulistana
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - BrasilRede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 

Mais procurados (18)

Edição nº 34 1º semestre 2014
Edição nº 34 1º semestre 2014Edição nº 34 1º semestre 2014
Edição nº 34 1º semestre 2014
 
Edição 40 setembro
Edição 40 setembroEdição 40 setembro
Edição 40 setembro
 
Santa Casa de Misericórdia de Itabuna Nº 29 / Agosto 2016
Santa Casa de Misericórdia de Itabuna Nº 29 / Agosto 2016Santa Casa de Misericórdia de Itabuna Nº 29 / Agosto 2016
Santa Casa de Misericórdia de Itabuna Nº 29 / Agosto 2016
 
O papel dos Protocolos de Enfermagem no município de Jaraguá do Sul (SC) co...
O papel dos Protocolos de  Enfermagem no município de  Jaraguá do Sul (SC) co...O papel dos Protocolos de  Enfermagem no município de  Jaraguá do Sul (SC) co...
O papel dos Protocolos de Enfermagem no município de Jaraguá do Sul (SC) co...
 
FGV / IBRE – Estratégias inovadoras de Gestão Hospitalar: A experiência do mu...
FGV / IBRE – Estratégias inovadoras de Gestão Hospitalar: A experiência do mu...FGV / IBRE – Estratégias inovadoras de Gestão Hospitalar: A experiência do mu...
FGV / IBRE – Estratégias inovadoras de Gestão Hospitalar: A experiência do mu...
 
Projeto linhas de cuidado
Projeto linhas de cuidadoProjeto linhas de cuidado
Projeto linhas de cuidado
 
Plataforma de Modernização da Saúde
Plataforma de Modernização da Saúde Plataforma de Modernização da Saúde
Plataforma de Modernização da Saúde
 
BOLETIM ESPECIAL: SOS SAÚDE PÚBLICA
BOLETIM ESPECIAL: SOS SAÚDE PÚBLICABOLETIM ESPECIAL: SOS SAÚDE PÚBLICA
BOLETIM ESPECIAL: SOS SAÚDE PÚBLICA
 
Sp Prepara Regra Para Cobrar Planos De Saude Binder
Sp Prepara Regra Para Cobrar Planos De Saude BinderSp Prepara Regra Para Cobrar Planos De Saude Binder
Sp Prepara Regra Para Cobrar Planos De Saude Binder
 
Plano de Governo - Saúde
Plano de Governo - SaúdePlano de Governo - Saúde
Plano de Governo - Saúde
 
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
 
Ama
AmaAma
Ama
 
Serviços de saúde pública da atenção secundária ausentes em Divinópolis
Serviços de saúde pública da atenção secundária ausentes em DivinópolisServiços de saúde pública da atenção secundária ausentes em Divinópolis
Serviços de saúde pública da atenção secundária ausentes em Divinópolis
 
Politica Nacional de Urgencias
Politica Nacional de UrgenciasPolitica Nacional de Urgencias
Politica Nacional de Urgencias
 
Linha cuidado integral conceito como fazer
Linha cuidado integral   conceito como fazerLinha cuidado integral   conceito como fazer
Linha cuidado integral conceito como fazer
 
Rede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à SaúdeRede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à Saúde
 
Roda de Conversa Infância e Adolescência. Rede Sampa - Saúde Mental Paulistana
Roda de Conversa Infância e Adolescência. Rede Sampa - Saúde Mental PaulistanaRoda de Conversa Infância e Adolescência. Rede Sampa - Saúde Mental Paulistana
Roda de Conversa Infância e Adolescência. Rede Sampa - Saúde Mental Paulistana
 
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - BrasilRede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
 

Semelhante a Carta sogimig

Novas formas de remuneração na saúde: tendências e realidades
Novas formas de remuneração na saúde: tendências e realidadesNovas formas de remuneração na saúde: tendências e realidades
Novas formas de remuneração na saúde: tendências e realidades
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Como atrair pacientes particulares
Como atrair pacientes particularesComo atrair pacientes particulares
Como atrair pacientes particulares
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 
Programa eleitoral 2015 - Saúde - PSD/CDS
Programa eleitoral 2015 - Saúde - PSD/CDSPrograma eleitoral 2015 - Saúde - PSD/CDS
Programa eleitoral 2015 - Saúde - PSD/CDS
Mgfamiliar Net
 
01 aula de-auditoria_2
01 aula de-auditoria_201 aula de-auditoria_2
01 aula de-auditoria_2
andressa bonn
 
Humanização na saude
Humanização na saudeHumanização na saude
Humanização na saude
Juliermeson Morais
 
Reflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwC
Reflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwCReflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwC
Reflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwC
Empreender Saúde
 
Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde
Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da SaúdeReaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde
Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Humanizacao da medicina
Humanizacao da medicinaHumanizacao da medicina
Como o médico pode diminuir a dependência dos planos de saúde
Como o médico pode diminuir a dependência dos planos de saúdeComo o médico pode diminuir a dependência dos planos de saúde
Como o médico pode diminuir a dependência dos planos de saúde
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Claudio Lottenberg
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Claudio LottenbergO Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Claudio Lottenberg
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Claudio Lottenberg
Fundação Fernando Henrique Cardoso
 
Sus
SusSus
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia
Acolhimento classificaao risco_servico_urgenciaAcolhimento classificaao risco_servico_urgencia
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia
Alice Costa
 
Entenda o movimento
Entenda o movimentoEntenda o movimento
Entenda o movimento
azimutecomunicacao
 
E-BOOK SOBRE COMO CONTRATAR UM BOM PLANO DE SAÚDE - CANVAS.pdf
E-BOOK SOBRE COMO CONTRATAR UM BOM PLANO DE SAÚDE  - CANVAS.pdfE-BOOK SOBRE COMO CONTRATAR UM BOM PLANO DE SAÚDE  - CANVAS.pdf
E-BOOK SOBRE COMO CONTRATAR UM BOM PLANO DE SAÚDE - CANVAS.pdf
POLÍCIA MILITAR DO AMAZONAS
 
Pacto pela saúde sus
Pacto pela saúde   susPacto pela saúde   sus
Pacto pela saúde sus
feraps
 
Cartanacao
CartanacaoCartanacao
Cartanacao
azimutecomunicacao
 
DEFESA PROFISSIONAL XV CONGRESSO MINEIRO DE UROLOGIA TIRADENTES MG 29 A 31 DE...
DEFESA PROFISSIONAL XV CONGRESSO MINEIRO DE UROLOGIA TIRADENTES MG 29 A 31 DE...DEFESA PROFISSIONAL XV CONGRESSO MINEIRO DE UROLOGIA TIRADENTES MG 29 A 31 DE...
DEFESA PROFISSIONAL XV CONGRESSO MINEIRO DE UROLOGIA TIRADENTES MG 29 A 31 DE...
Urovideo.org
 
25/04 - Dia Nacional de Advertência aos Planos de Saúde
25/04 - Dia Nacional de Advertência aos Planos de Saúde25/04 - Dia Nacional de Advertência aos Planos de Saúde
25/04 - Dia Nacional de Advertência aos Planos de Saúde
azimutecomunicacao
 
Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013
Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013
Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013
Vanessa Cerutti
 
A oferta de serviços
A oferta de serviços    A oferta de serviços

Semelhante a Carta sogimig (20)

Novas formas de remuneração na saúde: tendências e realidades
Novas formas de remuneração na saúde: tendências e realidadesNovas formas de remuneração na saúde: tendências e realidades
Novas formas de remuneração na saúde: tendências e realidades
 
Como atrair pacientes particulares
Como atrair pacientes particularesComo atrair pacientes particulares
Como atrair pacientes particulares
 
Programa eleitoral 2015 - Saúde - PSD/CDS
Programa eleitoral 2015 - Saúde - PSD/CDSPrograma eleitoral 2015 - Saúde - PSD/CDS
Programa eleitoral 2015 - Saúde - PSD/CDS
 
01 aula de-auditoria_2
01 aula de-auditoria_201 aula de-auditoria_2
01 aula de-auditoria_2
 
Humanização na saude
Humanização na saudeHumanização na saude
Humanização na saude
 
Reflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwC
Reflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwCReflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwC
Reflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwC
 
Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde
Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da SaúdeReaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde
Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde
 
Humanizacao da medicina
Humanizacao da medicinaHumanizacao da medicina
Humanizacao da medicina
 
Como o médico pode diminuir a dependência dos planos de saúde
Como o médico pode diminuir a dependência dos planos de saúdeComo o médico pode diminuir a dependência dos planos de saúde
Como o médico pode diminuir a dependência dos planos de saúde
 
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Claudio Lottenberg
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Claudio LottenbergO Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Claudio Lottenberg
O Futuro do SUS: Desafios e Mudanças Necessárias - Claudio Lottenberg
 
Sus
SusSus
Sus
 
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia
Acolhimento classificaao risco_servico_urgenciaAcolhimento classificaao risco_servico_urgencia
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia
 
Entenda o movimento
Entenda o movimentoEntenda o movimento
Entenda o movimento
 
E-BOOK SOBRE COMO CONTRATAR UM BOM PLANO DE SAÚDE - CANVAS.pdf
E-BOOK SOBRE COMO CONTRATAR UM BOM PLANO DE SAÚDE  - CANVAS.pdfE-BOOK SOBRE COMO CONTRATAR UM BOM PLANO DE SAÚDE  - CANVAS.pdf
E-BOOK SOBRE COMO CONTRATAR UM BOM PLANO DE SAÚDE - CANVAS.pdf
 
Pacto pela saúde sus
Pacto pela saúde   susPacto pela saúde   sus
Pacto pela saúde sus
 
Cartanacao
CartanacaoCartanacao
Cartanacao
 
DEFESA PROFISSIONAL XV CONGRESSO MINEIRO DE UROLOGIA TIRADENTES MG 29 A 31 DE...
DEFESA PROFISSIONAL XV CONGRESSO MINEIRO DE UROLOGIA TIRADENTES MG 29 A 31 DE...DEFESA PROFISSIONAL XV CONGRESSO MINEIRO DE UROLOGIA TIRADENTES MG 29 A 31 DE...
DEFESA PROFISSIONAL XV CONGRESSO MINEIRO DE UROLOGIA TIRADENTES MG 29 A 31 DE...
 
25/04 - Dia Nacional de Advertência aos Planos de Saúde
25/04 - Dia Nacional de Advertência aos Planos de Saúde25/04 - Dia Nacional de Advertência aos Planos de Saúde
25/04 - Dia Nacional de Advertência aos Planos de Saúde
 
Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013
Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013
Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013
 
A oferta de serviços
A oferta de serviços    A oferta de serviços
A oferta de serviços
 

Mais de febrasgo

Comunicados febrasgo
Comunicados febrasgoComunicados febrasgo
Comunicados febrasgo
febrasgo
 
Geraldez tomaz febrasgo 2011
Geraldez tomaz  febrasgo 2011Geraldez tomaz  febrasgo 2011
Geraldez tomaz febrasgo 2011
febrasgo
 
Resposta luciano pompei
Resposta   luciano pompeiResposta   luciano pompei
Resposta luciano pompei
febrasgo
 
Mineiros da atual e de diretorias anteriores da sogimig apoiam a chapa integr...
Mineiros da atual e de diretorias anteriores da sogimig apoiam a chapa integr...Mineiros da atual e de diretorias anteriores da sogimig apoiam a chapa integr...
Mineiros da atual e de diretorias anteriores da sogimig apoiam a chapa integr...
febrasgo
 
Mineiros apoiam a Integração Nacional
Mineiros apoiam a Integração NacionalMineiros apoiam a Integração Nacional
Mineiros apoiam a Integração Nacional
febrasgo
 
Relatorio cf
Relatorio cfRelatorio cf
Relatorio cf
febrasgo
 
Apoio à chapa sogimig
Apoio  à chapa sogimigApoio  à chapa sogimig
Apoio à chapa sogimig
febrasgo
 
Título de especialista em reprodução humana
Título de especialista em reprodução humanaTítulo de especialista em reprodução humana
Título de especialista em reprodução humana
febrasgo
 
Carta dr. washington 23 02 2011
Carta dr. washington 23 02 2011Carta dr. washington 23 02 2011
Carta dr. washington 23 02 2011
febrasgo
 
Sbrh fevereiro-de-2011
Sbrh fevereiro-de-2011Sbrh fevereiro-de-2011
Sbrh fevereiro-de-2011
febrasgo
 
Sbrh 11
Sbrh 11Sbrh 11
Sbrh 11
febrasgo
 
Relatório sobre a agf de 12.02.11 1
Relatório sobre a agf de 12.02.11 1Relatório sobre a agf de 12.02.11 1
Relatório sobre a agf de 12.02.11 1
febrasgo
 
Documento sogiba
Documento sogibaDocumento sogiba
Documento sogiba
febrasgo
 
Circular n. 3/2011
Circular n. 3/2011Circular n. 3/2011
Circular n. 3/2011
febrasgo
 
Circular nº 02
Circular nº 02Circular nº 02
Circular nº 02
febrasgo
 
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomarGravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
febrasgo
 
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonaisBenefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
febrasgo
 

Mais de febrasgo (18)

Comunicados febrasgo
Comunicados febrasgoComunicados febrasgo
Comunicados febrasgo
 
Certidoes
CertidoesCertidoes
Certidoes
 
Geraldez tomaz febrasgo 2011
Geraldez tomaz  febrasgo 2011Geraldez tomaz  febrasgo 2011
Geraldez tomaz febrasgo 2011
 
Resposta luciano pompei
Resposta   luciano pompeiResposta   luciano pompei
Resposta luciano pompei
 
Mineiros da atual e de diretorias anteriores da sogimig apoiam a chapa integr...
Mineiros da atual e de diretorias anteriores da sogimig apoiam a chapa integr...Mineiros da atual e de diretorias anteriores da sogimig apoiam a chapa integr...
Mineiros da atual e de diretorias anteriores da sogimig apoiam a chapa integr...
 
Mineiros apoiam a Integração Nacional
Mineiros apoiam a Integração NacionalMineiros apoiam a Integração Nacional
Mineiros apoiam a Integração Nacional
 
Relatorio cf
Relatorio cfRelatorio cf
Relatorio cf
 
Apoio à chapa sogimig
Apoio  à chapa sogimigApoio  à chapa sogimig
Apoio à chapa sogimig
 
Título de especialista em reprodução humana
Título de especialista em reprodução humanaTítulo de especialista em reprodução humana
Título de especialista em reprodução humana
 
Carta dr. washington 23 02 2011
Carta dr. washington 23 02 2011Carta dr. washington 23 02 2011
Carta dr. washington 23 02 2011
 
Sbrh fevereiro-de-2011
Sbrh fevereiro-de-2011Sbrh fevereiro-de-2011
Sbrh fevereiro-de-2011
 
Sbrh 11
Sbrh 11Sbrh 11
Sbrh 11
 
Relatório sobre a agf de 12.02.11 1
Relatório sobre a agf de 12.02.11 1Relatório sobre a agf de 12.02.11 1
Relatório sobre a agf de 12.02.11 1
 
Documento sogiba
Documento sogibaDocumento sogiba
Documento sogiba
 
Circular n. 3/2011
Circular n. 3/2011Circular n. 3/2011
Circular n. 3/2011
 
Circular nº 02
Circular nº 02Circular nº 02
Circular nº 02
 
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomarGravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
 
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonaisBenefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
 

Carta sogimig

  • 1. Carta de Belo Horizonte aos Ginecologistas e Obstetras do Brasil Considerando o atual panorama da Medicina brasileira, no qual encontramos grande quantidade de problemas e conflitos tanto no sistema privado quanto público – sem que as autoridades sanitárias ofereçam soluções – e considerando, ainda: - que a saúde suplementar atende, atualmente, 25% da população brasileira e a Agência Nacional de Saúde (ANS) não regula relação entre os prestadores de serviços (nós, médicos) e as operadoras; - que o número de escolas médicas no Brasil cresceu de forma desordenada e exibe um universo de recém-formados sem a devida qualificação e capacidade técnica para prestar os devidos cuidados de saúde à população; - que a Residência Médica, nos moldes atuais, também apresenta uma série de deficiências e não tem conseguido formar adequadamente os especialistas, além de oferecer proporcionalmente reduzido número de vagas para os 17.000 médicos que se formam atualmente no Brasil; - que as entidades médicas no plano nacional tem se esforçado para defender os interesses dos médicos em todos os aspectos, sejam eles financeiros, técnicos, administrativos ou éticos, mas tem encontrado inúmeras dificuldades diante da melhor organização das operadoras de saúde e da inoperância do legislativo e do próprio governo; - que o cenário atual da nossa especialidade, além de vivenciar todos os problemas nacionais, possui ainda questões específicas, tais como: alta incidência de processos éticos e jurídicos; baixa remuneração nos planos de saúde; não valorização da especialidade; falta de plantonistas nas maternidades; conflitos com outros profissionais de saúde na assistência obstétrica; - que, na cadeia de valores do setor saúde os médicos encontram-se em situação desfavorável na correlação de forças para a precificação de seus honorários que, em decorrência disso, estão completamente aviltados, pois as operadoras (e o SUS) termi nam por definir unilateralmente o preço dos nossos procedimentos; - que as entidades que regulamentam a Saúde Suplementar (ANS, CADE, ANVISA, SDE e outras) não têm manifestado interesse algum em nos ajudar ou mesmo de mediar as relações entre nós, prestadores de serviços de saúde e as operadoras, transmitindo-nos a sensação de que estão dominadas por ressentimento contra médicos; - que a ANS, atualmente, tem diversos representantes de planos de saúde na sua diretoria e nenhum representante das entidades médicas; - que em vários cenários, como no movimento pela implantação da CBHPM, ou movimentos isolados de médicos de diferentes especialidades – tentando negociar em grupo com os planos de saúde – fomos denunciados por diversas entidades ao CADE
  • 2. como membros de cartel, e ficamos impedidos de negociar, enquanto as operadoras se organizaram em grupos, sem nenhum impedimento; - que, hoje, temos plena consciência de que ninguém, ou nenhuma entidade, fará alguma coisa por nós, a não ser nós mesmos, os médicos, e por mais justas que sejam nossas reivindicações, temos que sair do papel de vítima e nos tornar protagonistas da nossa própria história; a SOGIMIG decidiu realizar o II Fórum de Defesa Profissional e de Honorários Médicos, que ocorreu no dia 06 de novembro de 2010. O evento foi sucesso de público e muito rico do ponto de vista dos debates dos diversos temas selecionados para discussão. Houve representativa presença de profissionais de Belo Horizonte e do interior de Minas Gerais, assim como representantes de federadas de vários estados do Brasil, entre elas: Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo. Foram aprovadas várias recomendações nesse II Fórum de Defesa Profissional e de Honorários Médicos. Os participantes solicitaram que fosse realizada divulgação em âmbito nacional, para que possamos avançar na busca de melhores honorários e condições de trabalho e de valorização da nossa especialidade, com o objetivo principal de resgatarmos nossa dignidade como profissionais que prestam cuidados de saúde às mulheres brasileiras. Foram aprovadas as seguintes recomendações: 1- Divulgar o fórum de defesa profissional em todas as federadas e estimular a Febrasgo a realizar um grande fórum de defesa profissional e de honorários médicos. 2- Cobrar das entidades médicas ações mais eficientes para implementação da CBHPM por todas as operadoras de saúde. 3- Tendo em vista que as operadoras se profissionalizaram nas negociações com os prestadores de serviços, devemos, também, nos profissionalizar, criando setores/ departamentos/ grupos de trabalho nas entidades médicas, com profissionais de diferente formação (advogados, estrategistas, administradores, atuários negociadores, lobistas e outros) para discutirmos com as operadoras a correção dos valores dos procedimentos médicos. 4- O “Termo de Consentimento Livre e Esclarecido” não impede que exista “processo” contra médicos, mas devemos aplicá-lo, sobretudo, nas intervenções cirúrgicas, de modo individual e não geral, como os que existem nos hospitais. Se a paciente e sua(s) testemunha(s) assinarem o Termo de Consentimento, não poderão alegar que desconheciam os riscos. Assim, em caso de processo judicial, a defesa do médico se torna mais embasada. Deve ser destacado que o Termo de Consentimento não pode se sobrepor à expertise profissional, jamais negligenciando a boa relação médicopaciente. O Termo de Consentimento, quando utilizado, deve estar pautado nos pilares da atenção, conhecimento, cuidado, lealdade e paciência para com as necessidades da paciente. 5- Faz-se necessária, com urgência, a organização do atendimento obstétrico na saúde suplementar, com normas claras para a organização de plantões nas maternidades privadas, incentivando equipes e serviços que melhorem os resultados obstétricos e neonatais. 6- Tendo em vista que a aposentadoria especial já não mais existe para todos os médicos, foi sugerido que façamos nossas contribuições sempre no teto máximo e pelo máximo tempo possível, para que possamos ter melhor remuneração no futuro.
  • 3. 7- Para aposentarem recebendo o teto máximo do INSS, que hoje é de R$3.467,40, as mulheres necessitam contribuir por 30 anos, ou mais, e ter pelo menos 60 anos de idade; e os homens devem contribuir por 35 anos, ou mais, e ter pelo menos 65 anos de idade. Além disso, é necessário que tenham recolhido pelo menos durante 156 meses (13 anos) para o INSS com o teto máximo mensal (veja com seu contador qual o valor correto). A aposentadoria especial (aos 20 anos de contribuição para as mulheres e aos 25 para os homens) somente existe para médicos que trabalham em ambientes de risco durante todo o tempo de contribuição. 8- Foram enumeradas várias ações que devemos implementar junto às operadoras e planos de saúde com o intuito de melhorar nossos honorários, tais como: a) Manter vigilância contínua; b) promover fóruns constantes para discussões sobre Saúde Pública e Suplementar; c) procurar decidir conjuntamente, médicos, hospitais, cooperativas e entidades médicas; d) defender a negociação conjunta, não permitindo desvincular reajuste de con sultas e procedimentos; e) lutar pela implantação e precificação da CBHPM em toda a saúde suplementar e tamb ém no SUS; f) acompanhar constantemente a política da ANS; g) sensibilizar a população em favor do médico; h) trabalhar na tentativa de diminuição de custos; i) não assinar novos contratos com operadoras de saúde que se recusem a atender nossas reivindicações. 9- Criar o “lobby do bem”, o que significa estabelecer relações políticas nos planos municipal, estadual e federal, no sentido de fortalecer contatos com políticos favoráveis às nossas reivindicações. Ao mesmo tempo, foi também aprovado que as relações que já tenham porventura sido estabelecidas entre médicos e personalidades públicas em cargos estratégicos e de poder no país sejam mapeadas e também utilizadas para essa finalidade. 10- Criar grupo técnico para produção, organização e divulgação de indicadores/índices nacionais de desempenho do setor saúde, ligado a honorários médicos, em âmbito regional e nacional. 11- Para o médico ter salário mensal de R$7.503,00, defendido pela Federação Nacional dos Médicos (FENAM) como o mínimo para a categoria, por 20 horas de trabalho por semana, a consulta em ambulatório, no qual o médico não tem custo algum, atendendo consulta de 40 em 40 minutos, incluindo os retornos, não remunerados, deverá ser de R$67,50. No consultório do médico, este valor depende de suas despesas (secretária, telefone, energia elétrica, material de consumo, impostos, taxas, etc.) e do imobilizado (imóvel, moveis, equipamentos, etc.). Para um consultório de nível médio, na região hospitalar de Belo Horizonte, deveria ser de pelo menos R$95,00. Quanto você está recebendo? Sabe qual é o resultado de seu trabalho? Veja os cálculos no Portal da SOGIMIG (www.sogimig@sogimig.org.br). 12- A respeito da disponibilidade e exclusividade do atendimento obstétrico na assistência ao parto, concluiu-se que é uma relação autônoma entre o médico e a cliente que o escolheu, o que permite a livre contratação do seu trabalho sem a interferência dos planos de saú de. Ficou claro nas discussões que o obstetra tem relação de trabalho que difere das outras especialidades e os planos de saúde devem deixar muito claro para as pacientes que eles GARANTEM O PARTO COM O MÉDICO DE PLANTÃO e que
  • 4. nenhum médico conveniado tem obrigação de prestar atendimento fora do seu horário de trabalho no consultório. 13- Definir orçamento nas Federadas e Febrasgo para a Defesa Profissional. 14- Cobrar regulamentação da profissão do médico em âmbito nacional, para a aprovação da Lei do Ato Médico. Belo Horizonte, 6 de novembro de 2010.