SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
O Dia Internacio
causto é uma data in
Assembleia Geral das N
aprovada mediante a re
que designa a data 27 de
comemoração anual em
vítimas do Holocausto.
O dia 27 de Janeiro
porque nesta data, em 19
soviético liberou o maio
extermínio nazi, localizad
(Auschwitz–Birkenau).
Os horrores da se
mundial deram lugar a u
mentos da Carta dos Dire
que menciona no artigo 2:
tem todos os direitos e li
clamados nesta Declaraçã
ção alguma de raça, cor,
religião, opinião política o
outra índole, origem nacio
posição económica, na
qualquer outra condição”.
70115
Holocausto
dio executado pelo regi-
zi contra minorias étnico
sas, deficientes, homos-
s e opositores políticos
gime, através de perse-
e extermínio sistemáti-
ime Nazi é responsável
imes contra a HUMANI- AUSCHWITZ
Em nome da Memória
27 de Janeiro de 1945. O exército russo chega a Auschwitz, principa
extermínio nazi. Os nazis já tinham abandonado o campo quando as t
chegaram. Os fornos crematórios tinham sido dinamitados para não res
gios da aberração criminosa. Levaram consigo cerca de 58 mil prisioneir
-os a percorrer inúmeros quilómetros a pé, em condições desumanas. N
da, que ficou conhecida por “Marcha da morte”, morreram muitos pris
que não conseguiam caminhar eram imediatamente fuzilados. Outros
de exaustão.
No campo, ficaram nove mil prisioneiros doentes, abandonados a
comida nem medicamentos. Os primeiros soldados russos pareciam n
no que viam: esqueletos vivos que se arrastavam como sonâmbulos. O
Primo Levi escreveu, mais tarde, na sua obra mais conhecida: “(…) a
todos era extrema; no campo nenhum doente se curava; muitos, pe
adoeciam de pneumonia e diarreia; os que não estavam em condições d
ou não tinham a energia para o fazer, jaziam entorpecidos nas camas,
frio, e ninguém se apercebia do momento em que morriam.” (“Se
homem”).
27 de Janeiro de 2015. Foi há 70 anos. Auschwitz é hoje símbolo de um
singular. Seres humanos foram aniquilados como se fossem objetos
Lembrar o que aconteceu e como se realizou é dever de quem está a
que se passa à sua volta. Também é sinal de decência. O mundo em q
Campo de Concentração de AUSCHWITZ
Entrada
Instala-
ções dos
fornos
cremató-
rios
«A única maneira de sair daqui é pela chaminé». Esta foi a frase que milhão e meio de pessoas ouviram antes
câmara de gás. «Arbeit macht Frei» ( o trabalho liberta ) é outra frase célebre de Auschwitz escrita numa tabul
entrada do campo.
Foi o primeiro campo de extermínio. Foi construído na Polónia onde conseguiram juntar cerca de 155 mil pessoa
u um complexo de morte.
Os primeiros 20.000 que foram recebidos eram criminosos alemães. Dois outros campos foram construídos na s
ximo dos campos existentes funcionavam dezenas de oficinas metalúrgicas, fábricas e minas da região.
execuções em massa de judeus começaram na Primavera de 1942 em Maio, altura em que 1.200 judeus encolh
recém-chegados da Alemanha, Eslováquia e França, foram gaseados. Tinha-se descoberto que para cada
necessário cerca de 1 miligrama de Zyklon. Entre 1942/43 usaram 20.000 kg do produto.
Interior de câma-
ra de gás em
Aushwitz, à
esquerda.
À direita, próte-
ses, óculos, brin-
cos, colares,
alianças e dentes
de ouro retirados
às vítimas.
Um esquadrão especial de preso
os responsáveis pela limpeza dos corp
ravam-lhes as próteses, os óculos, os
colares, alianças, dentes de ouro e ra
lhes o cabelo, e só depois eram levad
os fornos para serem queimados. As
eram deitadas nos rios ou usadas com
me.
Aos sobreviventes eram-lhes at
símbolos próprios que os identificav
judeus usavam a estrela de David ama
prisioneiros políticos um triângulo verm
ciganos um triângulo negro, as testemu
Jeová o violeta, os homossexuais o
édicos do campo seleccionavam quem morreria
s seguintes e quem iria trabalhar nos 6 meses
mandante de Auschwitz formou entre os presos
stra de instrumentos de corda obrigando-os a
carolle» para os acalmar. Depois deu-lhes pos-
dos para escreverem para casa dizendo que
m instalados num campo de trabalho imaginário.
metiam-lhes banhos reconfortantes, pediam-lhes
assem as roupas em cabides numerados e que
numa sala cheia de chuveiros e torneiras mas
alsas. Mal a porta da sala se fechava militares
áscaras de gás subiam ao terraço e introduziam
elas frestas que actuava em 20 minutos. Os mais
m os primeiros a morrer devido ao gás se espa-
prisioneiros eram punidos por todas e nenhuma razão, por fazer e por não fazerem.
engele era um médico do campo e escolheu cerca de 1500 gémeos para usa
servindo um de controle e experimentando no segundo. Mandava matar muitos só
na autópsia. Utilizou também como cobaias sete dos dez anões ciganos que obrigou
para as tropas SS. O único que tentou ajudar os prisioneiros foi o bacteriologista W
unch, dando-lhes medicamentos e alimentos, correndo assim risco de vida.
de cadáveres de seres humanos reduzi-
Para o século XXI
11
a nos campos da morte….
falta de privacidade e higiene, doenças, castigos, fome,…
O HOLOCAUSTO
12
O HOLOCAUSTO
da nos campos da morte….
tratos, falta de privacidade e higiene, doenças, castigos, fome,…
• A vida nos campos da morte….
Experiências Médicas…
O HOLOCAUSTO
• A vida nos campos da morte….
Trabalhos Forçados, Violência...
O HOLOCAUSTO
• A vida nos campos da morte….
Extermínio em Massa – A SOLUÇÃO FINAL
O HOLOCAUSTO
da nos campos da morte….
mínio em Massa – A SOLUÇÃO FINAL
O HOLOCAUSTO
Filmes e Livros na Biblioteca
ARISTIDES SOUSA MENDESARISTIDES SOUSA MENDES
http://www.eb23http://www.eb23--diogodiogo--
cao.rcts.pt/Trabalhos/nonio/xx/portug/arist.htmcao.rcts.pt/Trabalhos/nonio/xx/portug/arist.htm
OSCAR SCHINDLEROSCAR SCHINDLER
http://www.eb23http://www.eb23--diogodiogo--
cao.rcts.pt/Trabalhos/nonio/xx/schind/schin.htmcao.rcts.pt/Trabalhos/nonio/xx/schind/schin.htm
://www.ushmm.org///www.ushmm.org/
SEU ANNE FRANK (AMSTERDÃO)EU ANNE FRANK (AMSTERDÃO)
://www.annefrank.org/splashpage.asp//www.annefrank.org/splashpage.asp

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Auschwitz
AuschwitzAuschwitz
Auschwitz
 
Campos Nazista - Prof. Altair Aguilar
Campos Nazista - Prof. Altair AguilarCampos Nazista - Prof. Altair Aguilar
Campos Nazista - Prof. Altair Aguilar
 
Holocausto
HolocaustoHolocausto
Holocausto
 
Nazismo 2014-
Nazismo 2014- Nazismo 2014-
Nazismo 2014-
 
Auschwitz Holocausto
Auschwitz HolocaustoAuschwitz Holocausto
Auschwitz Holocausto
 
Dia do holocausto
Dia do holocaustoDia do holocausto
Dia do holocausto
 
O Holocausto Ii
O Holocausto IiO Holocausto Ii
O Holocausto Ii
 
Album auschwitz
Album auschwitzAlbum auschwitz
Album auschwitz
 
Auschwitz holocausto
Auschwitz holocaustoAuschwitz holocausto
Auschwitz holocausto
 
Os Campos de Concentração e de Extermínio
Os Campos de Concentração e de ExtermínioOs Campos de Concentração e de Extermínio
Os Campos de Concentração e de Extermínio
 
A perseguição aos judeus......
A perseguição aos judeus......A perseguição aos judeus......
A perseguição aos judeus......
 
auschwitz
 auschwitz auschwitz
auschwitz
 
Campos De Exterminio
Campos De ExterminioCampos De Exterminio
Campos De Exterminio
 
O holocausto
O holocaustoO holocausto
O holocausto
 
Holocausto brasileiro
Holocausto brasileiroHolocausto brasileiro
Holocausto brasileiro
 
Holocausto
HolocaustoHolocausto
Holocausto
 
Holocausto
HolocaustoHolocausto
Holocausto
 
«A ler+ o holocausto» ebook 9.º f
«A ler+ o holocausto»  ebook 9.º f«A ler+ o holocausto»  ebook 9.º f
«A ler+ o holocausto» ebook 9.º f
 
Livro Holocausto Brasileiro
Livro Holocausto BrasileiroLivro Holocausto Brasileiro
Livro Holocausto Brasileiro
 
Holocausto Imagens Chocantes
Holocausto Imagens ChocantesHolocausto Imagens Chocantes
Holocausto Imagens Chocantes
 

Destaque (20)

Planeacion uabc
Planeacion uabcPlaneacion uabc
Planeacion uabc
 
Jalkain froga 7
Jalkain froga 7Jalkain froga 7
Jalkain froga 7
 
Riyaziyyat 1 sumqayit_7_memishova sevinc
Riyaziyyat 1 sumqayit_7_memishova sevincRiyaziyyat 1 sumqayit_7_memishova sevinc
Riyaziyyat 1 sumqayit_7_memishova sevinc
 
Proyecto de clase...Xitxarel·lo
Proyecto de clase...Xitxarel·loProyecto de clase...Xitxarel·lo
Proyecto de clase...Xitxarel·lo
 
Testando Slide Share 2
Testando Slide Share 2Testando Slide Share 2
Testando Slide Share 2
 
Primeras planas 31032014
Primeras planas 31032014Primeras planas 31032014
Primeras planas 31032014
 
DevInCachu 2012 LT: Ext Gwt 3: GXT 3
DevInCachu 2012 LT: Ext Gwt 3: GXT 3DevInCachu 2012 LT: Ext Gwt 3: GXT 3
DevInCachu 2012 LT: Ext Gwt 3: GXT 3
 
123
123123
123
 
Avances tecnológicos
Avances tecnológicosAvances tecnológicos
Avances tecnológicos
 
Generalidades
GeneralidadesGeneralidades
Generalidades
 
C mando
C mandoC mando
C mando
 
Que es excel
Que es excelQue es excel
Que es excel
 
90460103
9046010390460103
90460103
 
Deber carta lista (1)
Deber carta lista (1)Deber carta lista (1)
Deber carta lista (1)
 
WEB 2.0
WEB 2.0WEB 2.0
WEB 2.0
 
Traveling through time by music
Traveling through time by musicTraveling through time by music
Traveling through time by music
 
Amizadeeamoramizade 1220028240713177 8
Amizadeeamoramizade 1220028240713177 8Amizadeeamoramizade 1220028240713177 8
Amizadeeamoramizade 1220028240713177 8
 
Protocolos del modelo osi
Protocolos del modelo osiProtocolos del modelo osi
Protocolos del modelo osi
 
Ley 594 2000
Ley 594 2000Ley 594 2000
Ley 594 2000
 
Foto2 sarikartini(sk)
Foto2 sarikartini(sk)Foto2 sarikartini(sk)
Foto2 sarikartini(sk)
 

Semelhante a Boletim da BE Holocausto jan 2015

Becre holocausto jan 2014
Becre holocausto jan 2014Becre holocausto jan 2014
Becre holocausto jan 2014Dores Pinto
 
Auschwitz - Holocausto Nazi
Auschwitz - Holocausto NaziAuschwitz - Holocausto Nazi
Auschwitz - Holocausto NaziGonçalo
 
Auschwitz - Holocausto Nazi
Auschwitz - Holocausto NaziAuschwitz - Holocausto Nazi
Auschwitz - Holocausto NaziGonçalo
 
Auschwitz holocausto
Auschwitz  holocaustoAuschwitz  holocausto
Auschwitz holocaustopastorlinaldo
 
Holocausto
HolocaustoHolocausto
HolocaustoRui Neto
 
Dia internacional em memória das vítimas do holocausto
Dia internacional em memória das vítimas do holocaustoDia internacional em memória das vítimas do holocausto
Dia internacional em memória das vítimas do holocaustoMaria Paredes
 
Aula Palestra Segunda Guerra Mundial - História
Aula Palestra Segunda Guerra Mundial - HistóriaAula Palestra Segunda Guerra Mundial - História
Aula Palestra Segunda Guerra Mundial - HistóriaKevin Mattos Mariano
 
Holocausto (Miguel Salgueiro Meira)
Holocausto   (Miguel Salgueiro Meira)Holocausto   (Miguel Salgueiro Meira)
Holocausto (Miguel Salgueiro Meira)miguelsalgueiromeira
 
Holocausto miguelsalgueiromeira-120508083632-phpapp02
Holocausto miguelsalgueiromeira-120508083632-phpapp02Holocausto miguelsalgueiromeira-120508083632-phpapp02
Holocausto miguelsalgueiromeira-120508083632-phpapp02becastanheiradepera
 
Zai Gezunt - Edição Nº 23
Zai Gezunt - Edição Nº 23Zai Gezunt - Edição Nº 23
Zai Gezunt - Edição Nº 23PLETZ.com -
 
JORNAL – AUTOFAGIA INDEPENDENTE: HOLOCAUSTO JUDAICO.
JORNAL – AUTOFAGIA INDEPENDENTE: HOLOCAUSTO JUDAICO.JORNAL – AUTOFAGIA INDEPENDENTE: HOLOCAUSTO JUDAICO.
JORNAL – AUTOFAGIA INDEPENDENTE: HOLOCAUSTO JUDAICO.Tissiane Gomes
 

Semelhante a Boletim da BE Holocausto jan 2015 (20)

Becre holocausto jan 2014
Becre holocausto jan 2014Becre holocausto jan 2014
Becre holocausto jan 2014
 
Nazismo
Nazismo Nazismo
Nazismo
 
Auschwitz
AuschwitzAuschwitz
Auschwitz
 
Auschwitz holocausto
Auschwitz holocaustoAuschwitz holocausto
Auschwitz holocausto
 
Auschwitz - Holocausto Nazi
Auschwitz - Holocausto NaziAuschwitz - Holocausto Nazi
Auschwitz - Holocausto Nazi
 
Auschwitz - Holocausto Nazi
Auschwitz - Holocausto NaziAuschwitz - Holocausto Nazi
Auschwitz - Holocausto Nazi
 
Auschwitz
AuschwitzAuschwitz
Auschwitz
 
Auschwitz holocausto
Auschwitz  holocaustoAuschwitz  holocausto
Auschwitz holocausto
 
Auschwitz holocausto
Auschwitz  holocaustoAuschwitz  holocausto
Auschwitz holocausto
 
Holocausto
HolocaustoHolocausto
Holocausto
 
Dia internacional em memória das vítimas do holocausto
Dia internacional em memória das vítimas do holocaustoDia internacional em memória das vítimas do holocausto
Dia internacional em memória das vítimas do holocausto
 
Aula Palestra Segunda Guerra Mundial - História
Aula Palestra Segunda Guerra Mundial - HistóriaAula Palestra Segunda Guerra Mundial - História
Aula Palestra Segunda Guerra Mundial - História
 
Alemanha
AlemanhaAlemanha
Alemanha
 
Holocausto (Miguel Salgueiro Meira)
Holocausto   (Miguel Salgueiro Meira)Holocausto   (Miguel Salgueiro Meira)
Holocausto (Miguel Salgueiro Meira)
 
Holocausto miguelsalgueiromeira-120508083632-phpapp02
Holocausto miguelsalgueiromeira-120508083632-phpapp02Holocausto miguelsalgueiromeira-120508083632-phpapp02
Holocausto miguelsalgueiromeira-120508083632-phpapp02
 
Zai Gezunt - Edição Nº 23
Zai Gezunt - Edição Nº 23Zai Gezunt - Edição Nº 23
Zai Gezunt - Edição Nº 23
 
Holocausto
HolocaustoHolocausto
Holocausto
 
Auschwitz
AuschwitzAuschwitz
Auschwitz
 
Nazismo
NazismoNazismo
Nazismo
 
JORNAL – AUTOFAGIA INDEPENDENTE: HOLOCAUSTO JUDAICO.
JORNAL – AUTOFAGIA INDEPENDENTE: HOLOCAUSTO JUDAICO.JORNAL – AUTOFAGIA INDEPENDENTE: HOLOCAUSTO JUDAICO.
JORNAL – AUTOFAGIA INDEPENDENTE: HOLOCAUSTO JUDAICO.
 

Mais de Dores Pinto

Entrepalavras - os 12 números do jornal
Entrepalavras - os 12 números do jornalEntrepalavras - os 12 números do jornal
Entrepalavras - os 12 números do jornalDores Pinto
 
Entrepalavras12 julho2017.pub
Entrepalavras12  julho2017.pubEntrepalavras12  julho2017.pub
Entrepalavras12 julho2017.pubDores Pinto
 
Divulgação do livro " A Oliveira Mágica" pps. Autoria: Celeste de Almeida Gon...
Divulgação do livro " A Oliveira Mágica" pps. Autoria: Celeste de Almeida Gon...Divulgação do livro " A Oliveira Mágica" pps. Autoria: Celeste de Almeida Gon...
Divulgação do livro " A Oliveira Mágica" pps. Autoria: Celeste de Almeida Gon...Dores Pinto
 
Divulgação do livro " A Oliveira Mágica" pdf - autoria: Celeste de Almeida Go...
Divulgação do livro " A Oliveira Mágica" pdf - autoria: Celeste de Almeida Go...Divulgação do livro " A Oliveira Mágica" pdf - autoria: Celeste de Almeida Go...
Divulgação do livro " A Oliveira Mágica" pdf - autoria: Celeste de Almeida Go...Dores Pinto
 
Entrepalavras10 dezembro 2016 final
Entrepalavras10 dezembro 2016 final Entrepalavras10 dezembro 2016 final
Entrepalavras10 dezembro 2016 final Dores Pinto
 
Newsletter - ler, interpretar e desenhar - novembro 2016
Newsletter -  ler, interpretar e  desenhar - novembro 2016Newsletter -  ler, interpretar e  desenhar - novembro 2016
Newsletter - ler, interpretar e desenhar - novembro 2016Dores Pinto
 
Newsletter colaboração Projeto Afirma te + BECRE2016: dia da Tolerância com a...
Newsletter colaboração Projeto Afirma te + BECRE2016: dia da Tolerância com a...Newsletter colaboração Projeto Afirma te + BECRE2016: dia da Tolerância com a...
Newsletter colaboração Projeto Afirma te + BECRE2016: dia da Tolerância com a...Dores Pinto
 
Newsletter BEJSR ação pordatakids outubro 2016
Newsletter BEJSR ação pordatakids outubro 2016Newsletter BEJSR ação pordatakids outubro 2016
Newsletter BEJSR ação pordatakids outubro 2016Dores Pinto
 
Entrepalavras9 julho 2016
Entrepalavras9 julho 2016Entrepalavras9 julho 2016
Entrepalavras9 julho 2016Dores Pinto
 
Newsletter inauguração da requalificação da Biblioteca Escolar José Silvestre...
Newsletter inauguração da requalificação da Biblioteca Escolar José Silvestre...Newsletter inauguração da requalificação da Biblioteca Escolar José Silvestre...
Newsletter inauguração da requalificação da Biblioteca Escolar José Silvestre...Dores Pinto
 
Dia da europa 2016
Dia da europa 2016Dia da europa 2016
Dia da europa 2016Dores Pinto
 
10ª Concurso Nacional de Leitura - Belmonte 2016
10ª Concurso Nacional de Leitura - Belmonte 201610ª Concurso Nacional de Leitura - Belmonte 2016
10ª Concurso Nacional de Leitura - Belmonte 2016Dores Pinto
 
Boletim BECRE José Silvestre Ribeiro 1 novembro 2006
Boletim  BECRE José Silvestre Ribeiro 1 novembro 2006Boletim  BECRE José Silvestre Ribeiro 1 novembro 2006
Boletim BECRE José Silvestre Ribeiro 1 novembro 2006Dores Pinto
 
À conversa com Manuela Ribeiro
À conversa com Manuela Ribeiro À conversa com Manuela Ribeiro
À conversa com Manuela Ribeiro Dores Pinto
 
Entrepalavras8 marco2016
Entrepalavras8 marco2016Entrepalavras8 marco2016
Entrepalavras8 marco2016Dores Pinto
 
Newsletter Encontro com o escritor e ilustrador Pedro Seromenho
Newsletter Encontro com o escritor e ilustrador Pedro SeromenhoNewsletter Encontro com o escritor e ilustrador Pedro Seromenho
Newsletter Encontro com o escritor e ilustrador Pedro SeromenhoDores Pinto
 
Newsletter CNL(1ª fase)
Newsletter CNL(1ª fase)Newsletter CNL(1ª fase)
Newsletter CNL(1ª fase)Dores Pinto
 
entrepalavras 7- jornal do Agrupamento de Escolas José Silvestre Ribeiro - d...
 entrepalavras 7- jornal do Agrupamento de Escolas José Silvestre Ribeiro - d... entrepalavras 7- jornal do Agrupamento de Escolas José Silvestre Ribeiro - d...
entrepalavras 7- jornal do Agrupamento de Escolas José Silvestre Ribeiro - d...Dores Pinto
 
6 entrepalavras julho 2015 final
6 entrepalavras julho 2015 final6 entrepalavras julho 2015 final
6 entrepalavras julho 2015 finalDores Pinto
 
Ivo Rocha - Workshop de Escrita Criativa no Agrupamento de Escolas José Silve...
Ivo Rocha - Workshop de Escrita Criativa no Agrupamento de Escolas José Silve...Ivo Rocha - Workshop de Escrita Criativa no Agrupamento de Escolas José Silve...
Ivo Rocha - Workshop de Escrita Criativa no Agrupamento de Escolas José Silve...Dores Pinto
 

Mais de Dores Pinto (20)

Entrepalavras - os 12 números do jornal
Entrepalavras - os 12 números do jornalEntrepalavras - os 12 números do jornal
Entrepalavras - os 12 números do jornal
 
Entrepalavras12 julho2017.pub
Entrepalavras12  julho2017.pubEntrepalavras12  julho2017.pub
Entrepalavras12 julho2017.pub
 
Divulgação do livro " A Oliveira Mágica" pps. Autoria: Celeste de Almeida Gon...
Divulgação do livro " A Oliveira Mágica" pps. Autoria: Celeste de Almeida Gon...Divulgação do livro " A Oliveira Mágica" pps. Autoria: Celeste de Almeida Gon...
Divulgação do livro " A Oliveira Mágica" pps. Autoria: Celeste de Almeida Gon...
 
Divulgação do livro " A Oliveira Mágica" pdf - autoria: Celeste de Almeida Go...
Divulgação do livro " A Oliveira Mágica" pdf - autoria: Celeste de Almeida Go...Divulgação do livro " A Oliveira Mágica" pdf - autoria: Celeste de Almeida Go...
Divulgação do livro " A Oliveira Mágica" pdf - autoria: Celeste de Almeida Go...
 
Entrepalavras10 dezembro 2016 final
Entrepalavras10 dezembro 2016 final Entrepalavras10 dezembro 2016 final
Entrepalavras10 dezembro 2016 final
 
Newsletter - ler, interpretar e desenhar - novembro 2016
Newsletter -  ler, interpretar e  desenhar - novembro 2016Newsletter -  ler, interpretar e  desenhar - novembro 2016
Newsletter - ler, interpretar e desenhar - novembro 2016
 
Newsletter colaboração Projeto Afirma te + BECRE2016: dia da Tolerância com a...
Newsletter colaboração Projeto Afirma te + BECRE2016: dia da Tolerância com a...Newsletter colaboração Projeto Afirma te + BECRE2016: dia da Tolerância com a...
Newsletter colaboração Projeto Afirma te + BECRE2016: dia da Tolerância com a...
 
Newsletter BEJSR ação pordatakids outubro 2016
Newsletter BEJSR ação pordatakids outubro 2016Newsletter BEJSR ação pordatakids outubro 2016
Newsletter BEJSR ação pordatakids outubro 2016
 
Entrepalavras9 julho 2016
Entrepalavras9 julho 2016Entrepalavras9 julho 2016
Entrepalavras9 julho 2016
 
Newsletter inauguração da requalificação da Biblioteca Escolar José Silvestre...
Newsletter inauguração da requalificação da Biblioteca Escolar José Silvestre...Newsletter inauguração da requalificação da Biblioteca Escolar José Silvestre...
Newsletter inauguração da requalificação da Biblioteca Escolar José Silvestre...
 
Dia da europa 2016
Dia da europa 2016Dia da europa 2016
Dia da europa 2016
 
10ª Concurso Nacional de Leitura - Belmonte 2016
10ª Concurso Nacional de Leitura - Belmonte 201610ª Concurso Nacional de Leitura - Belmonte 2016
10ª Concurso Nacional de Leitura - Belmonte 2016
 
Boletim BECRE José Silvestre Ribeiro 1 novembro 2006
Boletim  BECRE José Silvestre Ribeiro 1 novembro 2006Boletim  BECRE José Silvestre Ribeiro 1 novembro 2006
Boletim BECRE José Silvestre Ribeiro 1 novembro 2006
 
À conversa com Manuela Ribeiro
À conversa com Manuela Ribeiro À conversa com Manuela Ribeiro
À conversa com Manuela Ribeiro
 
Entrepalavras8 marco2016
Entrepalavras8 marco2016Entrepalavras8 marco2016
Entrepalavras8 marco2016
 
Newsletter Encontro com o escritor e ilustrador Pedro Seromenho
Newsletter Encontro com o escritor e ilustrador Pedro SeromenhoNewsletter Encontro com o escritor e ilustrador Pedro Seromenho
Newsletter Encontro com o escritor e ilustrador Pedro Seromenho
 
Newsletter CNL(1ª fase)
Newsletter CNL(1ª fase)Newsletter CNL(1ª fase)
Newsletter CNL(1ª fase)
 
entrepalavras 7- jornal do Agrupamento de Escolas José Silvestre Ribeiro - d...
 entrepalavras 7- jornal do Agrupamento de Escolas José Silvestre Ribeiro - d... entrepalavras 7- jornal do Agrupamento de Escolas José Silvestre Ribeiro - d...
entrepalavras 7- jornal do Agrupamento de Escolas José Silvestre Ribeiro - d...
 
6 entrepalavras julho 2015 final
6 entrepalavras julho 2015 final6 entrepalavras julho 2015 final
6 entrepalavras julho 2015 final
 
Ivo Rocha - Workshop de Escrita Criativa no Agrupamento de Escolas José Silve...
Ivo Rocha - Workshop de Escrita Criativa no Agrupamento de Escolas José Silve...Ivo Rocha - Workshop de Escrita Criativa no Agrupamento de Escolas José Silve...
Ivo Rocha - Workshop de Escrita Criativa no Agrupamento de Escolas José Silve...
 

Último

Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptElifabio Sobreira Pereira
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 

Último (20)

Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 

Boletim da BE Holocausto jan 2015

  • 1. O Dia Internacio causto é uma data in Assembleia Geral das N aprovada mediante a re que designa a data 27 de comemoração anual em vítimas do Holocausto. O dia 27 de Janeiro porque nesta data, em 19 soviético liberou o maio extermínio nazi, localizad (Auschwitz–Birkenau). Os horrores da se mundial deram lugar a u mentos da Carta dos Dire que menciona no artigo 2: tem todos os direitos e li clamados nesta Declaraçã ção alguma de raça, cor, religião, opinião política o outra índole, origem nacio posição económica, na qualquer outra condição”. 70115 Holocausto dio executado pelo regi- zi contra minorias étnico sas, deficientes, homos- s e opositores políticos gime, através de perse- e extermínio sistemáti- ime Nazi é responsável imes contra a HUMANI- AUSCHWITZ Em nome da Memória 27 de Janeiro de 1945. O exército russo chega a Auschwitz, principa extermínio nazi. Os nazis já tinham abandonado o campo quando as t chegaram. Os fornos crematórios tinham sido dinamitados para não res gios da aberração criminosa. Levaram consigo cerca de 58 mil prisioneir -os a percorrer inúmeros quilómetros a pé, em condições desumanas. N da, que ficou conhecida por “Marcha da morte”, morreram muitos pris que não conseguiam caminhar eram imediatamente fuzilados. Outros de exaustão. No campo, ficaram nove mil prisioneiros doentes, abandonados a comida nem medicamentos. Os primeiros soldados russos pareciam n no que viam: esqueletos vivos que se arrastavam como sonâmbulos. O Primo Levi escreveu, mais tarde, na sua obra mais conhecida: “(…) a todos era extrema; no campo nenhum doente se curava; muitos, pe adoeciam de pneumonia e diarreia; os que não estavam em condições d ou não tinham a energia para o fazer, jaziam entorpecidos nas camas, frio, e ninguém se apercebia do momento em que morriam.” (“Se homem”). 27 de Janeiro de 2015. Foi há 70 anos. Auschwitz é hoje símbolo de um singular. Seres humanos foram aniquilados como se fossem objetos Lembrar o que aconteceu e como se realizou é dever de quem está a que se passa à sua volta. Também é sinal de decência. O mundo em q
  • 2. Campo de Concentração de AUSCHWITZ Entrada Instala- ções dos fornos cremató- rios «A única maneira de sair daqui é pela chaminé». Esta foi a frase que milhão e meio de pessoas ouviram antes câmara de gás. «Arbeit macht Frei» ( o trabalho liberta ) é outra frase célebre de Auschwitz escrita numa tabul entrada do campo. Foi o primeiro campo de extermínio. Foi construído na Polónia onde conseguiram juntar cerca de 155 mil pessoa u um complexo de morte. Os primeiros 20.000 que foram recebidos eram criminosos alemães. Dois outros campos foram construídos na s
  • 3. ximo dos campos existentes funcionavam dezenas de oficinas metalúrgicas, fábricas e minas da região. execuções em massa de judeus começaram na Primavera de 1942 em Maio, altura em que 1.200 judeus encolh recém-chegados da Alemanha, Eslováquia e França, foram gaseados. Tinha-se descoberto que para cada necessário cerca de 1 miligrama de Zyklon. Entre 1942/43 usaram 20.000 kg do produto. Interior de câma- ra de gás em Aushwitz, à esquerda. À direita, próte- ses, óculos, brin- cos, colares, alianças e dentes de ouro retirados às vítimas. Um esquadrão especial de preso os responsáveis pela limpeza dos corp ravam-lhes as próteses, os óculos, os colares, alianças, dentes de ouro e ra lhes o cabelo, e só depois eram levad os fornos para serem queimados. As eram deitadas nos rios ou usadas com me. Aos sobreviventes eram-lhes at símbolos próprios que os identificav judeus usavam a estrela de David ama prisioneiros políticos um triângulo verm ciganos um triângulo negro, as testemu Jeová o violeta, os homossexuais o édicos do campo seleccionavam quem morreria s seguintes e quem iria trabalhar nos 6 meses mandante de Auschwitz formou entre os presos stra de instrumentos de corda obrigando-os a carolle» para os acalmar. Depois deu-lhes pos- dos para escreverem para casa dizendo que m instalados num campo de trabalho imaginário. metiam-lhes banhos reconfortantes, pediam-lhes assem as roupas em cabides numerados e que numa sala cheia de chuveiros e torneiras mas alsas. Mal a porta da sala se fechava militares áscaras de gás subiam ao terraço e introduziam elas frestas que actuava em 20 minutos. Os mais m os primeiros a morrer devido ao gás se espa-
  • 4. prisioneiros eram punidos por todas e nenhuma razão, por fazer e por não fazerem. engele era um médico do campo e escolheu cerca de 1500 gémeos para usa servindo um de controle e experimentando no segundo. Mandava matar muitos só na autópsia. Utilizou também como cobaias sete dos dez anões ciganos que obrigou para as tropas SS. O único que tentou ajudar os prisioneiros foi o bacteriologista W unch, dando-lhes medicamentos e alimentos, correndo assim risco de vida. de cadáveres de seres humanos reduzi-
  • 6. 11 a nos campos da morte…. falta de privacidade e higiene, doenças, castigos, fome,… O HOLOCAUSTO 12 O HOLOCAUSTO da nos campos da morte…. tratos, falta de privacidade e higiene, doenças, castigos, fome,… • A vida nos campos da morte…. Experiências Médicas… O HOLOCAUSTO • A vida nos campos da morte…. Trabalhos Forçados, Violência... O HOLOCAUSTO • A vida nos campos da morte…. Extermínio em Massa – A SOLUÇÃO FINAL O HOLOCAUSTO da nos campos da morte…. mínio em Massa – A SOLUÇÃO FINAL O HOLOCAUSTO
  • 7. Filmes e Livros na Biblioteca ARISTIDES SOUSA MENDESARISTIDES SOUSA MENDES http://www.eb23http://www.eb23--diogodiogo-- cao.rcts.pt/Trabalhos/nonio/xx/portug/arist.htmcao.rcts.pt/Trabalhos/nonio/xx/portug/arist.htm OSCAR SCHINDLEROSCAR SCHINDLER http://www.eb23http://www.eb23--diogodiogo-- cao.rcts.pt/Trabalhos/nonio/xx/schind/schin.htmcao.rcts.pt/Trabalhos/nonio/xx/schind/schin.htm ://www.ushmm.org///www.ushmm.org/ SEU ANNE FRANK (AMSTERDÃO)EU ANNE FRANK (AMSTERDÃO) ://www.annefrank.org/splashpage.asp//www.annefrank.org/splashpage.asp