Diagnóstico Estadual de Risco
26 de junho de 2012
I Seminário Técnico de Planejamento e
Mobilidade Urbana
Tema: Condiciona...
GESTÃO DE RISCO – REGIÃO DA
GRANDE FLORIANÓPOLIS
Indações bruscasIndações graduais
Escorregamentos Erosão marinha
DESASTRES – REGIÃO DA GRANDE
FLORIANÓPOLIS
AVALIAÇÃO DE RISCO
AVALIAÇÃO DE RISCO
Metodologia que permite identificar uma ameaça,
caracterizar e estimar sua importânc...
GESTÃO DE RISCO – REGIÃO DA
GRANDE FLORIANÓPOLIS
Não possui
Possui
Planos de Contigência
Não possui
Possui
Mapas de Risco
...
MAPEAMENTO DE RISCO
PELA CPRM
Mapa 1 – Complexo Vila aparecida
Mapa 2 – Costeira
Mapa 3 – Maciço setor sul
Mapa 4 – Maciço setor Norte
Mapa 5 – Morro da...
Tipificação MACIÇO 2009 MACIÇO 2011 REDUÇÃO
Rocha 30 2 93,33%
Alagamento 0 0 -
Deslizamento 160 48 70%
Falta de Infraestru...
RESSACAS E EROSÃO COSTEIRA
AVALIAÇÃO DEVULNERABILIDADE
PROJETO “Rede Integrada de Previsão e Monitoramento de Eventos
Extremos na Região Sul” (RIMPEE...
ESTADO EROSIONAL
ESTADO EROSIONAL
ESTADO EROSIONAL Erosão Severa Erosão Estabilidade/Acresção
SETOR TOTAL
LITORAL NORTE 8 20 13 41
(% no se...
ESTADO EROSIONAL
ESTADO EROSIONAL
Morro das Pedras
Armação
Moçambique
LEI N. 12.608/2012
DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 2
É dever da União, dos Estados, do Distrito Federal e
dos Municípios adotar as...
OBRIGADO!
www.defesacivil.sc.gov.br
frederico@sdc.sc.gov.br
Defesa civil  diagnóstico estadual de risco - 26/06/2012
Defesa civil  diagnóstico estadual de risco - 26/06/2012
Defesa civil  diagnóstico estadual de risco - 26/06/2012
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Defesa civil diagnóstico estadual de risco - 26/06/2012

258 visualizações

Publicada em

Apresentação feita na mesa sobre Áreas de Risco e Saneamento Básico no primeiro SEMINÁRIO TÉCNICO DE PLANEJAMENTO E MOBILIDADE URBANA em 26 DE JUNHO DE 2012

Publicada em: Governo e ONGs
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
258
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
24
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Defesa civil diagnóstico estadual de risco - 26/06/2012

  1. 1. Diagnóstico Estadual de Risco 26 de junho de 2012 I Seminário Técnico de Planejamento e Mobilidade Urbana Tema: Condicionantes Ambientais Mesa: Áreas de Risco Frederico de Moraes Rudorff Gerente de Monitoramento e Alerta Caroline Margarida Gerente de Prevenção e Preparação Emerson Neri Emerin Diretor de Prevenção
  2. 2. GESTÃO DE RISCO – REGIÃO DA GRANDE FLORIANÓPOLIS Indações bruscasIndações graduais Escorregamentos Erosão marinha
  3. 3. DESASTRES – REGIÃO DA GRANDE FLORIANÓPOLIS
  4. 4. AVALIAÇÃO DE RISCO AVALIAÇÃO DE RISCO Metodologia que permite identificar uma ameaça, caracterizar e estimar sua importância, com a finalidade de definir alternativas de gestão do processo. Compreende: 1. Identificação da ameaça — identificação do agente ou evento adverso, de seus efeitos desfavoráveis 2. Caracterização do risco — descrição dos diferentes efeitos potenciais relacionados com a ameaça, comodanos esperados; quantificação e definição da proporçã entre a magnitude do evento e a intensidade dos danos esperados (causa/efeito); definição da área e da população em risco. 3. Avaliação da exposição — estudo da evolução do fenômeno, considerando-se a variável tempo; definição de parâmetros que permitam o acompanhamento do fenômeno; definição das variações e médias de longo período (MLP), relacionadas com o evento, e dos níveis de alerta e alarme. 4. Estimativa de risco — conclusão sobre a importância do risco a que uma área ou um grupo populacional específico está submetido. 5. Definição de alternativas de gestão — processo que consiste em desenvolver e analisar alternativas, com o objetivo de controlar e minimizar os riscos e as vulnerabilidades. Glossario (SEDEC)
  5. 5. GESTÃO DE RISCO – REGIÃO DA GRANDE FLORIANÓPOLIS Não possui Possui Planos de Contigência Não possui Possui Mapas de Risco Não possui Possui Planos Diretores
  6. 6. MAPEAMENTO DE RISCO PELA CPRM
  7. 7. Mapa 1 – Complexo Vila aparecida Mapa 2 – Costeira Mapa 3 – Maciço setor sul Mapa 4 – Maciço setor Norte Mapa 5 – Morro da Caixa e Monte Cristo Mapa 6 – Saco Grande
  8. 8. Tipificação MACIÇO 2009 MACIÇO 2011 REDUÇÃO Rocha 30 2 93,33% Alagamento 0 0 - Deslizamento 160 48 70% Falta de Infraestrutura 63 24 61,90% Árvore 14 1 92,85% Telhado 14 5 64,28% TOTAL 281 80 71,53 % Geral
  9. 9. RESSACAS E EROSÃO COSTEIRA
  10. 10. AVALIAÇÃO DEVULNERABILIDADE PROJETO “Rede Integrada de Previsão e Monitoramento de Eventos Extremos na Região Sul” (RIMPEEX-SUL) – FINEP 14/2008 Meta 5 – Avaliação de riscos à ocorrência de fenômenos extremos na zona costeira do Estado de Santa Catarina
  11. 11. ESTADO EROSIONAL
  12. 12. ESTADO EROSIONAL ESTADO EROSIONAL Erosão Severa Erosão Estabilidade/Acresção SETOR TOTAL LITORAL NORTE 8 20 13 41 (% no setor) (20%) (49%) (32%) LITORAL CENTRO-NORTE 10 52 22 84 (% no setor) (12%) (62%) (26%) LITORAL CENTRAL 10 50 27 87 (% no setor) (11%) (57%) (31%) LITORAL CENTRO-SUL 6 16 43 65 (% no setor) (9%) (25%) (66%) LITORAL SUL 0 3 22 25 (% no setor) (0%) (12%) (88%) Litoral de Santa Catarina - Total 34 141 127 302 (% do TOTAL de 302 pontos) (11%) (47%) (42%)
  13. 13. ESTADO EROSIONAL
  14. 14. ESTADO EROSIONAL Morro das Pedras Armação Moçambique
  15. 15. LEI N. 12.608/2012 DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 2 É dever da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios adotar as medidas necessárias à redução dos riscos de desastre. Art. 4 São diretrizes da PNPDEC: IV - adoção da bacia hidrográfica como unidade de análise das ações de prevenção de desastres relacionados a corpos d'água; Art. 7 Compete aos Estados: IV - identificar e mapear as áreas de risco e realizar estudos de identificação de ameaças, suscetibilidades e vulnerabilidades, em articulação com a União e os Municípios; V - realizar o monitoramento meteorológico, hidrológico e geológico das áreas de risco, em articulação com a União e os Municípios; VIII - apoiar, sempre que necessário, os Municípios no levantamento das áreas de risco, na elaboração dos Planos de Contingência de Proteção e Defesa Civil e na divulgação de protocolos de prevenção e alerta e de ações emergenciais. V - elaborar carta geotécnica de aptidão à urbanização, estabelecendo diretrizes urbanísticas voltadas para a segurança dos novos parcelamentos do solo e para o aproveitamento de agregados para a construção civil. Art. 23. É vedada a concessão de licença ou alvará de construção em áreas de risco indicadas como não edificáveis no plano diretor ou legislação dele derivada.
  16. 16. OBRIGADO! www.defesacivil.sc.gov.br frederico@sdc.sc.gov.br

×