SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 53
CRESCIMENTO E
DESENVOLVIMENTO INFANTIL
Aula 05
Professora: Heloisy Tavares
Política Nacional de Atenção Integral a Saúde da
Criança (PNAISC)
Instituída pela portaria nº 1.130 de agosto de 2015;
 A PNAISC tem por objetivo promover e proteger a saúde
da criança e do aleitamento materno, mediante a atenção
e cuidados integrais e integrados da gestação aos 9 (nove)
anos de vida;
 Com especial a primeira infância e as
populações de maior vulnerabilidade;
 Visando a redução da morbimortalidade e um ambiente
facilitador a vida com condições dignas de existência e
pleno desenvolvimento.
Para fins da PNAISC, considera-se:
I. Criança: pessoa na faixa etária de 0 a 9 anos, ou
seja, de 0 a 120 meses;
II. Primeira infância: pessoa na faixa etária de 0 a 5
anos, ou seja de 0 a 72 meses
Paragrafo único:
Para fins de atendimento em serviços de pediatria no
SUS, a PNAISC contemplara crianças e adolescentes ate a
idade de 15 anos, ou seja, 192 meses, sendo este limite
etário passível de alteração de acordo com as normas e
rotinas do estabelecimento de saúde responsável pelo
atendimento.
Crescimento e Desenvolvimento Infantil
 A melhor forma de analisar o crescimento é a
partir dos registros periódicos do perímetro
cefálico, do peso, do comprimento ou da estatura
e do índice de massa corpórea (IMC) na caderneta
de saúde da criança.
 O acompanhamento
desenvolvimento está
do crescimento e
baseado em um método
simples, de baixo custo e de grande eficácia e que
deve ser implementado pelas equipes da atenção
primária à saúde.
Linhas de Cuidados Atenção Primária a Saúde
 Promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno;
 Atenção à saúde do recém-nascido (RN), em especial aqueles
em situação de vulnerabilidade;
 Atenção integral às doenças prevalentes na infância (AIDPI);
 Incentivo e qualificação da vigilância do crescimento e
desenvolvimento;
 Prevenção de violências e promoção da cultura de paz e
Vigilância e monitoramento do óbito fetal e infantil.
A melhor forma de analisar o crescimento é a partir
dos registros periódicos do perímetro cefálico, do
peso, do comprimento ou da estatura e do índice de
massa corpórea (IMC) a caderneta de saúde da
criança.
DefiniçãodeCrescimento
Crescimento
Considerado um bom parâmetro para a avaliação do
crescimento por ser cumulativo, progressivo e não
sofrer regressão.
Processo dinâmico e contínuo;
Aumento do tamanho corporal;
Constitui um dos indicadores de saúde da criança
Caderneta de Saúde da Criança
Parâmetros para avaliar o crescimento de crianças (≤ 10 anos):
 Perímetro cefálico (de zero a 2 anos);
 Peso para a idade (de zero a 2 anos, de 2 a 5 anos e de 5 a 10
anos);
 Comprimento/estatura para a idade (de zero a 2 anos, de 2 a
5 anos e de 5 a 10 anos);
Índice de Massa Corporal (IMC) para a idade (de zero a 2
anos, de 2 a 5 anos e de 5 a 10 anos).
Pontos de Corte de Peso para Idade
(crianças < de 10 anos)
Pontos de Corte de Peso para Idade
(crianças > de 10 anos)
Pontos de corte de IMC por idade < de
10anos
Perímetro Cefálico
É a medição da circunferência da cabeça do bebê,
feita com uma fita métrica para saber se o
tamanho é o ideal para a idade da criança.
DADOS DE REFERÊNCIA
ou inferior a
 Para menino, a medida será igual
31,9cm;
 Para menina, igualouinferior a 31,5cm.
Fonte: OMS, 2016
Perímetro Cefálico
Acompanhe o ganho esperado de Perímetro
Cefálico no primeiro ano devida:
 0 a 3 meses: 2 cm por mês;
 3 a 6 meses: 1 cm por mês;
 6 a 9 meses: 0,5 cm por mês;
 9 a 12 meses: 0,5 cm por mês.
10, março de 2016
O Ministério da Saúde passa a adotar, a partir desta quarta-feira (09),
novos parâmetros para medir o perímetro cefálico e identificar casos
suspeitos de bebês com microcefalia. Para menino, a medida será igual
ou inferior a 31,9 cm e, para menina, igual ou inferior a 31,5 cm. A
mudança está de acordo com a recomendação anunciada recentemente
pela Organização Mundial de Saúde (OMS), e tem como objetivo
padronizar as referências para todos os países, valendo para bebês
nascidos com 37 ou mais semanas de gestação.
Estamos caminhando juntos e no caminho certo para descobrir e
definir de forma cada vez mais específica todas as orientações em torno
da microcefalia e do vírus Zika”, afirmou o ministro da Saúde, Marcelo
Castro.
https://www.unasus.gov.br/noticia/brasil-adota-recomendacao-da-oms-e-
reduz-medida-para-microcefalia
Importância da Medição do
Perímetro Cefálico
Esta matriz é importante poque oferece informações
sobre o desenvolvimento do cérebro do bebê.
No recém nascido, o perímetro cefálico pode ser
diminuído pela pressão produzida ao passar pelo
canal do parto.
Uma mudança no crescimento anormal da cabeça
do bebê pode alertar para um possível problema.
Hidrocefalia
Consiste no acúmulo de
quantidades excessivas deliquido
cefalorraquidiano, com ele um
aumento na pressão e uma
expansão do crânio para um
tamanho maior do que o normal.
Hidrocefalia
Pode ocorrer o surgimento da hidrocefalia se:
 O líquor for produzido em excesso;
 Existir um bloqueio no caminho do líquor
até o local onde ele será reabsorvido na
parte mais externa do cérebro;
 Se existir algum problema na reabsorção do
líquor;
Hidrocefalia Congênita
 Está presente no nascimento.
 Estima-se que cerca de 1 a cada 1000 bebês
nascem com este problema.
 Pode estar associada a outros problemas
congênitos, ou pode resultar de uma infecção
materna durante a gestação, como rubéola, sífilis,
citomegalovírus, toxoplasmose, entre outros.
Sintomas em RNs e Bebês
 Crescimento rápido da cabeça do bebê;
 A moleira do bebê pode ficar abaulada (“inchada”);
 Irritabilidade/Agitação;
 Vômitos;
 Dificuldade de se desenvolver / de se alimentar;
 Convulsões.
Microcefalia
A microcefalia é uma anomalia congênita caracterizada pela
redução do perímetro cefálico. A Organização Mundial da
Saúde (OMS) define a microcefalia com base nos seguintes
critérios:
 Microcefalia: recém-nascidos com perímetro cefálico
inferior a 2 desvios-padrão, ou seja, mais de 2 desvios-
padrão abaixo da média para idade gestacional e sexo;
 Microcefalia grave: recém-nascidos com perímetro
cefálico inferior a 3 desvios-padrão, ou seja, mais de 3
desvios-padrão abaixo da média para idade gestacional e
sexo.
Macrocefalia
É uma condição mais comum e, na maioria dos
casos, costuma desaparecer conforme o
desenvolvimento do bebê.
Causas: hidrocefalia (acúmulo de líquidos na
cabeça), infecção, meningite, tumor cerebral,
doenças metabólicas ou sindrômicas.
Macrocefalia
Pode ser classificada como:
 Desproporcional: A cabeça é maior que o
proporcional para o tamanho geral da criança.
 Proporcional: A cabeça parece ser proporcional
ao corpo (ou seja, a criança tem um corpo
grande e uma cabeça grande).
Macrocefalia
 A macrocefalia anômala pode ser causada por
um aumento no cérebro (megaloencefalia),
água no cérebro (hidrocefalia), crescimento
excessivo dos ossos do crânio (hiperostose
craniana) ou outros problemas de saúde.
 Esses problemas de saúde podem ser causados
por doenças genéticas ou distúrbios que a
criança desenvolveu antes ou após o
nascimento.
Definição desenvolvimento
 Transformação complexa, contínua, dinâmica e progressiva, que inclui,
além do crescimento, maturação, aprendizagem e aspectos psíquicos e
sociais.
 Tudo em um ser humano (suas características, seus modos de agir,
pensar, sentir, seus valores, etc.) depende da sua interação com o meio
social em que vive.
 Portanto, o desenvolvimento da criança será sempre mediado por outras
pessoas, pelas famílias, pelos profissionais de saúde, da educação, entre
outros, que delimitam e atribuem significados à sua realidade
Acompanhamento e Avaliação do
Desenvolvimento Infantil
 A criança deve atravessar cada estádio segundo uma sequência regular,
ou seja, os estádios de desenvolvimento cognitivo são sequenciais.
 Se a criança não for estimulada ou motivada no devido momento, ela
não conseguirá superar o atraso do seu desenvolvimento.
 Afinal, o desenvolvimento infantil se dá à medida que a criança vai
crescendo e vai se desenvolvendo de acordo com os meios onde vive e
os estímulos deles recebido.
Divisão dos Marcos de
Desenvolvimento Infantil
 Sócio emocional: capacidade de expressar emoções de forma
eficaz, seguir regras e instruções e formar relacionamentos
positivos e saudáveis.
 Linguagem: capacidade de absorver e aprender a usar a
linguagem.
 Cognitivo: capacidade de pensar, aprender e resolver problemas.
 Motor: capacidade de aprender habilidades motoras grossas e
finas, como sentar, engatinhar e andar
Derivação Ventrículo-Peritoneal (DVP)
 Colocação de um fino cateter tubular no interior do
ventrículo que será conectado a uma Válvula e será
responsável por regular o fluxo de drenagem do LCR,
evitando hiperdrenagem ou drenagem insuficiente do
LCR.
 Este cateter final será colocado na cavidade abdominal.
Assim, o LCR será reabsorvido pelo peritônio
(membrana que reveste toda cavidade abdominal) e
devolvido à circulação sanguínea.
Alterações no Desenvolvimento
Frequência de Consulta por Faixa Etária
ESTUDO DO AIDIPI
 A estratégia Atenção Integrada das Doenças Prevalentes na
Infância (AIDPI) foi desenvolvida originalmente pela Organização
Mundial da Saúde (OMS) e pelo Fundo das Nações Unidas para
a Infância e a Adolescência (UNICEF).
 Criada em 1992;
 Brasil 1996;
 Objetivo: Não é estabelecer diagnóstico de doença, mas,
identificar sinais clínicos que permitam avaliação e triagem
rápida da criança de 2 a 5 anos.
Manejo dos Casos
 Avaliação do estado geral de saúde da criança:
perguntar e examinar;
 Classificação de doença em um sistema de triagem
codificado por cores, especificando a necessidade;
 Recomendações práticas sobre como cuidar da
criança doente, sinais de gravidade e retorno para o
seguimento;
Manejo dos Casos
 Identificar o tratamento e tratar;
 Referir quando houver necessidade;
 Obter medidas antropométricas.
TOSSE
DOR DE OUVIDO
DOR DE GARGANTA
Vamos Praticar
Como deve ser o manejo clínico dos casos de:
1. Pneumonia;
2. Diarréia;
3. Desnutrição;
4. Malária.
Obrigada!
Heloisy Tavares
helerilima@gmail.com
9. 8845-4380
@saudedelas_
@maternarconsultoria

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx

Programa de saúde da criança no brasil
Programa de saúde da criança no brasilPrograma de saúde da criança no brasil
Programa de saúde da criança no brasilLeandro Silva
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAmanda Corrêa
 
cartilha---desenvolvimento-da-gestacao.pdf
cartilha---desenvolvimento-da-gestacao.pdfcartilha---desenvolvimento-da-gestacao.pdf
cartilha---desenvolvimento-da-gestacao.pdfMichelSantos814684
 
Aula 01- Crescimento e Desenvolvimento da Criança.pdf
Aula 01- Crescimento e Desenvolvimento da Criança.pdfAula 01- Crescimento e Desenvolvimento da Criança.pdf
Aula 01- Crescimento e Desenvolvimento da Criança.pdfTHAINALIMA25
 
A Obesidade já está afetando os Bebês com Aplausos da Família, Adverte OMS
A Obesidade já está afetando os Bebês com Aplausos da Família, Adverte OMSA Obesidade já está afetando os Bebês com Aplausos da Família, Adverte OMS
A Obesidade já está afetando os Bebês com Aplausos da Família, Adverte OMSVan Der Häägen Brazil
 
3 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-2012
3 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-20123 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-2012
3 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-2012Denise Andrade
 
CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO 1.pdf
CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO 1.pdfCRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO 1.pdf
CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO 1.pdfGlaubePereira1
 
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmamebibliotecasaude
 
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptxAula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptxMárcio Cristiano de Melo
 
E-book EuSaúde - Obesidade Infanto
E-book EuSaúde - Obesidade InfantoE-book EuSaúde - Obesidade Infanto
E-book EuSaúde - Obesidade InfantoEuSaúde
 
A obesidade Infantil já está Afetando os Bebês, Adverte OMS
A obesidade Infantil já está Afetando os Bebês, Adverte OMSA obesidade Infantil já está Afetando os Bebês, Adverte OMS
A obesidade Infantil já está Afetando os Bebês, Adverte OMSVan Der Häägen Brazil
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilAlexandre Donha
 
Resgate do Pediatra Geral
Resgate do Pediatra GeralResgate do Pediatra Geral
Resgate do Pediatra GeralLaped Ufrn
 
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)Neto Pontes
 
Os Novos PadrõEs De Crescimento Da Oms
Os Novos PadrõEs De Crescimento Da OmsOs Novos PadrõEs De Crescimento Da Oms
Os Novos PadrõEs De Crescimento Da OmsBiblioteca Virtual
 
Apresentação policlínica infantil 2012
Apresentação policlínica infantil 2012Apresentação policlínica infantil 2012
Apresentação policlínica infantil 2012Liene Campos
 

Semelhante a Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx (20)

Programa de saúde da criança no brasil
Programa de saúde da criança no brasilPrograma de saúde da criança no brasil
Programa de saúde da criança no brasil
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
 
cartilha---desenvolvimento-da-gestacao.pdf
cartilha---desenvolvimento-da-gestacao.pdfcartilha---desenvolvimento-da-gestacao.pdf
cartilha---desenvolvimento-da-gestacao.pdf
 
Aula 01- Crescimento e Desenvolvimento da Criança.pdf
Aula 01- Crescimento e Desenvolvimento da Criança.pdfAula 01- Crescimento e Desenvolvimento da Criança.pdf
Aula 01- Crescimento e Desenvolvimento da Criança.pdf
 
A Obesidade já está afetando os Bebês com Aplausos da Família, Adverte OMS
A Obesidade já está afetando os Bebês com Aplausos da Família, Adverte OMSA Obesidade já está afetando os Bebês com Aplausos da Família, Adverte OMS
A Obesidade já está afetando os Bebês com Aplausos da Família, Adverte OMS
 
slides.ppt
slides.pptslides.ppt
slides.ppt
 
3 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-2012
3 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-20123 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-2012
3 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-2012
 
ADOLESCENTE - AULA
ADOLESCENTE - AULA ADOLESCENTE - AULA
ADOLESCENTE - AULA
 
CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO 1.pdf
CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO 1.pdfCRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO 1.pdf
CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO 1.pdf
 
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
 
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptxAula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
 
O que não pode faltar na Primeira Visita Domiciliar ao Recém Nascido e à sua ...
O que não pode faltar na Primeira Visita Domiciliar ao Recém Nascido e à sua ...O que não pode faltar na Primeira Visita Domiciliar ao Recém Nascido e à sua ...
O que não pode faltar na Primeira Visita Domiciliar ao Recém Nascido e à sua ...
 
E-book EuSaúde - Obesidade Infanto
E-book EuSaúde - Obesidade InfantoE-book EuSaúde - Obesidade Infanto
E-book EuSaúde - Obesidade Infanto
 
A obesidade Infantil já está Afetando os Bebês, Adverte OMS
A obesidade Infantil já está Afetando os Bebês, Adverte OMSA obesidade Infantil já está Afetando os Bebês, Adverte OMS
A obesidade Infantil já está Afetando os Bebês, Adverte OMS
 
aula AIDP 2020.docx
aula AIDP  2020.docxaula AIDP  2020.docx
aula AIDP 2020.docx
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
 
Resgate do Pediatra Geral
Resgate do Pediatra GeralResgate do Pediatra Geral
Resgate do Pediatra Geral
 
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
 
Os Novos PadrõEs De Crescimento Da Oms
Os Novos PadrõEs De Crescimento Da OmsOs Novos PadrõEs De Crescimento Da Oms
Os Novos PadrõEs De Crescimento Da Oms
 
Apresentação policlínica infantil 2012
Apresentação policlínica infantil 2012Apresentação policlínica infantil 2012
Apresentação policlínica infantil 2012
 

Último

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosThaiseGerber2
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfDanieldaSade
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfDanieldaSade
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasProf. Marcus Renato de Carvalho
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 

Último (10)

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 

Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx

  • 1. CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL Aula 05 Professora: Heloisy Tavares
  • 2. Política Nacional de Atenção Integral a Saúde da Criança (PNAISC) Instituída pela portaria nº 1.130 de agosto de 2015;  A PNAISC tem por objetivo promover e proteger a saúde da criança e do aleitamento materno, mediante a atenção e cuidados integrais e integrados da gestação aos 9 (nove) anos de vida;  Com especial a primeira infância e as populações de maior vulnerabilidade;  Visando a redução da morbimortalidade e um ambiente facilitador a vida com condições dignas de existência e pleno desenvolvimento.
  • 3. Para fins da PNAISC, considera-se: I. Criança: pessoa na faixa etária de 0 a 9 anos, ou seja, de 0 a 120 meses; II. Primeira infância: pessoa na faixa etária de 0 a 5 anos, ou seja de 0 a 72 meses Paragrafo único: Para fins de atendimento em serviços de pediatria no SUS, a PNAISC contemplara crianças e adolescentes ate a idade de 15 anos, ou seja, 192 meses, sendo este limite etário passível de alteração de acordo com as normas e rotinas do estabelecimento de saúde responsável pelo atendimento.
  • 4. Crescimento e Desenvolvimento Infantil  A melhor forma de analisar o crescimento é a partir dos registros periódicos do perímetro cefálico, do peso, do comprimento ou da estatura e do índice de massa corpórea (IMC) na caderneta de saúde da criança.  O acompanhamento desenvolvimento está do crescimento e baseado em um método simples, de baixo custo e de grande eficácia e que deve ser implementado pelas equipes da atenção primária à saúde.
  • 5. Linhas de Cuidados Atenção Primária a Saúde  Promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno;  Atenção à saúde do recém-nascido (RN), em especial aqueles em situação de vulnerabilidade;  Atenção integral às doenças prevalentes na infância (AIDPI);  Incentivo e qualificação da vigilância do crescimento e desenvolvimento;  Prevenção de violências e promoção da cultura de paz e Vigilância e monitoramento do óbito fetal e infantil.
  • 6. A melhor forma de analisar o crescimento é a partir dos registros periódicos do perímetro cefálico, do peso, do comprimento ou da estatura e do índice de massa corpórea (IMC) a caderneta de saúde da criança.
  • 7. DefiniçãodeCrescimento Crescimento Considerado um bom parâmetro para a avaliação do crescimento por ser cumulativo, progressivo e não sofrer regressão. Processo dinâmico e contínuo; Aumento do tamanho corporal; Constitui um dos indicadores de saúde da criança
  • 8. Caderneta de Saúde da Criança Parâmetros para avaliar o crescimento de crianças (≤ 10 anos):  Perímetro cefálico (de zero a 2 anos);  Peso para a idade (de zero a 2 anos, de 2 a 5 anos e de 5 a 10 anos);  Comprimento/estatura para a idade (de zero a 2 anos, de 2 a 5 anos e de 5 a 10 anos); Índice de Massa Corporal (IMC) para a idade (de zero a 2 anos, de 2 a 5 anos e de 5 a 10 anos).
  • 9.
  • 10. Pontos de Corte de Peso para Idade (crianças < de 10 anos)
  • 11. Pontos de Corte de Peso para Idade (crianças > de 10 anos)
  • 12. Pontos de corte de IMC por idade < de 10anos
  • 13. Perímetro Cefálico É a medição da circunferência da cabeça do bebê, feita com uma fita métrica para saber se o tamanho é o ideal para a idade da criança. DADOS DE REFERÊNCIA ou inferior a  Para menino, a medida será igual 31,9cm;  Para menina, igualouinferior a 31,5cm. Fonte: OMS, 2016
  • 14. Perímetro Cefálico Acompanhe o ganho esperado de Perímetro Cefálico no primeiro ano devida:  0 a 3 meses: 2 cm por mês;  3 a 6 meses: 1 cm por mês;  6 a 9 meses: 0,5 cm por mês;  9 a 12 meses: 0,5 cm por mês.
  • 15.
  • 16. 10, março de 2016 O Ministério da Saúde passa a adotar, a partir desta quarta-feira (09), novos parâmetros para medir o perímetro cefálico e identificar casos suspeitos de bebês com microcefalia. Para menino, a medida será igual ou inferior a 31,9 cm e, para menina, igual ou inferior a 31,5 cm. A mudança está de acordo com a recomendação anunciada recentemente pela Organização Mundial de Saúde (OMS), e tem como objetivo padronizar as referências para todos os países, valendo para bebês nascidos com 37 ou mais semanas de gestação. Estamos caminhando juntos e no caminho certo para descobrir e definir de forma cada vez mais específica todas as orientações em torno da microcefalia e do vírus Zika”, afirmou o ministro da Saúde, Marcelo Castro. https://www.unasus.gov.br/noticia/brasil-adota-recomendacao-da-oms-e- reduz-medida-para-microcefalia
  • 17. Importância da Medição do Perímetro Cefálico Esta matriz é importante poque oferece informações sobre o desenvolvimento do cérebro do bebê. No recém nascido, o perímetro cefálico pode ser diminuído pela pressão produzida ao passar pelo canal do parto. Uma mudança no crescimento anormal da cabeça do bebê pode alertar para um possível problema.
  • 18. Hidrocefalia Consiste no acúmulo de quantidades excessivas deliquido cefalorraquidiano, com ele um aumento na pressão e uma expansão do crânio para um tamanho maior do que o normal.
  • 19. Hidrocefalia Pode ocorrer o surgimento da hidrocefalia se:  O líquor for produzido em excesso;  Existir um bloqueio no caminho do líquor até o local onde ele será reabsorvido na parte mais externa do cérebro;  Se existir algum problema na reabsorção do líquor;
  • 20. Hidrocefalia Congênita  Está presente no nascimento.  Estima-se que cerca de 1 a cada 1000 bebês nascem com este problema.  Pode estar associada a outros problemas congênitos, ou pode resultar de uma infecção materna durante a gestação, como rubéola, sífilis, citomegalovírus, toxoplasmose, entre outros.
  • 21. Sintomas em RNs e Bebês  Crescimento rápido da cabeça do bebê;  A moleira do bebê pode ficar abaulada (“inchada”);  Irritabilidade/Agitação;  Vômitos;  Dificuldade de se desenvolver / de se alimentar;  Convulsões.
  • 22. Microcefalia A microcefalia é uma anomalia congênita caracterizada pela redução do perímetro cefálico. A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a microcefalia com base nos seguintes critérios:  Microcefalia: recém-nascidos com perímetro cefálico inferior a 2 desvios-padrão, ou seja, mais de 2 desvios- padrão abaixo da média para idade gestacional e sexo;  Microcefalia grave: recém-nascidos com perímetro cefálico inferior a 3 desvios-padrão, ou seja, mais de 3 desvios-padrão abaixo da média para idade gestacional e sexo.
  • 23.
  • 24. Macrocefalia É uma condição mais comum e, na maioria dos casos, costuma desaparecer conforme o desenvolvimento do bebê. Causas: hidrocefalia (acúmulo de líquidos na cabeça), infecção, meningite, tumor cerebral, doenças metabólicas ou sindrômicas.
  • 25. Macrocefalia Pode ser classificada como:  Desproporcional: A cabeça é maior que o proporcional para o tamanho geral da criança.  Proporcional: A cabeça parece ser proporcional ao corpo (ou seja, a criança tem um corpo grande e uma cabeça grande).
  • 26. Macrocefalia  A macrocefalia anômala pode ser causada por um aumento no cérebro (megaloencefalia), água no cérebro (hidrocefalia), crescimento excessivo dos ossos do crânio (hiperostose craniana) ou outros problemas de saúde.  Esses problemas de saúde podem ser causados por doenças genéticas ou distúrbios que a criança desenvolveu antes ou após o nascimento.
  • 27. Definição desenvolvimento  Transformação complexa, contínua, dinâmica e progressiva, que inclui, além do crescimento, maturação, aprendizagem e aspectos psíquicos e sociais.  Tudo em um ser humano (suas características, seus modos de agir, pensar, sentir, seus valores, etc.) depende da sua interação com o meio social em que vive.  Portanto, o desenvolvimento da criança será sempre mediado por outras pessoas, pelas famílias, pelos profissionais de saúde, da educação, entre outros, que delimitam e atribuem significados à sua realidade
  • 28. Acompanhamento e Avaliação do Desenvolvimento Infantil  A criança deve atravessar cada estádio segundo uma sequência regular, ou seja, os estádios de desenvolvimento cognitivo são sequenciais.  Se a criança não for estimulada ou motivada no devido momento, ela não conseguirá superar o atraso do seu desenvolvimento.  Afinal, o desenvolvimento infantil se dá à medida que a criança vai crescendo e vai se desenvolvendo de acordo com os meios onde vive e os estímulos deles recebido.
  • 29. Divisão dos Marcos de Desenvolvimento Infantil  Sócio emocional: capacidade de expressar emoções de forma eficaz, seguir regras e instruções e formar relacionamentos positivos e saudáveis.  Linguagem: capacidade de absorver e aprender a usar a linguagem.  Cognitivo: capacidade de pensar, aprender e resolver problemas.  Motor: capacidade de aprender habilidades motoras grossas e finas, como sentar, engatinhar e andar
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34. Derivação Ventrículo-Peritoneal (DVP)  Colocação de um fino cateter tubular no interior do ventrículo que será conectado a uma Válvula e será responsável por regular o fluxo de drenagem do LCR, evitando hiperdrenagem ou drenagem insuficiente do LCR.  Este cateter final será colocado na cavidade abdominal. Assim, o LCR será reabsorvido pelo peritônio (membrana que reveste toda cavidade abdominal) e devolvido à circulação sanguínea.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 39. Frequência de Consulta por Faixa Etária
  • 40. ESTUDO DO AIDIPI  A estratégia Atenção Integrada das Doenças Prevalentes na Infância (AIDPI) foi desenvolvida originalmente pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância e a Adolescência (UNICEF).  Criada em 1992;  Brasil 1996;  Objetivo: Não é estabelecer diagnóstico de doença, mas, identificar sinais clínicos que permitam avaliação e triagem rápida da criança de 2 a 5 anos.
  • 41. Manejo dos Casos  Avaliação do estado geral de saúde da criança: perguntar e examinar;  Classificação de doença em um sistema de triagem codificado por cores, especificando a necessidade;  Recomendações práticas sobre como cuidar da criança doente, sinais de gravidade e retorno para o seguimento;
  • 42. Manejo dos Casos  Identificar o tratamento e tratar;  Referir quando houver necessidade;  Obter medidas antropométricas.
  • 43. TOSSE
  • 44.
  • 45.
  • 47.
  • 48.
  • 50.
  • 51.
  • 52. Vamos Praticar Como deve ser o manejo clínico dos casos de: 1. Pneumonia; 2. Diarréia; 3. Desnutrição; 4. Malária.