SlideShare uma empresa Scribd logo
A ARTE AO REDOR DE
1900
A ARQUITETURA DE FERRO
SEGUNDA METADE DO
SÉCULO XIX:
 Permanência da estética
romântica: histórica e
revivalista
 Valorização das
questões formais e
estéticas: escolha de
materiais nobres, eleição
do estilo, temas de
decoração, harmonia e
equilíbrio das formas
Charles Garnier, Ópera de Paris, c. 1862
A ARQUITETURA DE FERRO
SEGUNDA METADE DO
SÉCULO XIX:
Charles Garnier, Ópera de Paris, c. 1862
 Aplicação das novas
técnicas, não na estrutura
mas com sentido
decorativo
 Desvalorização das
potencia-lidades técnicas
dos novos materiais (ferro
e vidro)
A ARQUITETURA DE FERRO
RESPONSÁVEIS PELAS
INOVAÇÕES – OS
ENGENHEIROS:
 Visão prática
 Maior preparação científico-
técnica: formação nas Escolas
Politécnicas
Aplicação de saberes científicos
obtidos no ramo da física
mecânica, da resistência e
comportamento dos materiais,
da geometria (Gaspar Monge –
invenção da GD), da
Ponte de Brooklin, 1883
A ARQUITETURA DE FERRO
RESPONSÁVEIS PELAS
INOVAÇÕES – OS
ENGENHEIROS:
 Visão prática
 Maior preparação científico-
técnica: formação nas Escolas
Politécnicas
Utilização de novos
equipamentos e novos meios
construtivos
+
Aproveitamento de novos
materiais, produzidos
industrialmente e por isso mais
baratos, como o tijolo cozido, o
A ARQUITETURA DE FERRO
APLICAÇÃO DE NOVOS
MATERIAIS:
 ferro - o processo de fundição foi
utilizado em pontes e aquedutos,
permitiu a construção de grandes
espaços com estruturas leves,
resistentes e não inflamáveis
 vidro - construção de grandes
estufas, coberturas para estações e
grandes superfícies verticais
(Palácio de Cristal) e betão
(construção vertical e crescimento
muito rápido de cidades)
A ARQUITETURA DE FERRO
APLICAÇÃO DE NOVOS
MATERIAIS
Aplicação destes materiais, sem
preocupação estética, nos
edifícios para fins industriais,
comerciais ou de exposições
arquitetura como meio para atingir
um fim
Tinham uma visão mais
pragmática (menos poética), mais
racionalista e funcionalista (pode
não ser bonito mas tem que ser
útil), em relação às construções,
Galeria das Máquinas,
Ferdinant Dutert, Paris, 1886-
89
A ARQUITETURA DE FERRO
CARÁTER PRAGMÁTICO
Fazer face às novas necessidades criadas pelo
crescimento urbano:
 alojamento dos trabalhadores
 sistema de transportes
 melhor aproveitamento dos espaços (construção
em altura)
Revisão dos sistemas, dos processos e dos modelos
construtivos
A ARQUITETURA DE FERRO
A “Nova Paris” depois das obras de renovação urbanística do
barão Haussman: largas avenidas, prédios altos e varandas a
Renovação
urbanística
A ARQUITETURA DE FERRO
VANTAGENS DA ARQUITETURA
DE FERRO:
 Criação de estruturas
construtivas resistentes, fáceis
de montar e adaptáveis a
todas as dimensões e formas.
 A resistência, preço e
funcionalidade comprovada
nas pontes, permitiu a sua
utilização em estrutura de
grandes cúpulas e outras
coberturas arrojadas.
 Permitia vãos abertos muito
maiores, que deixavam entrar
a luz, podendo ser usados sem
que delimitassem um espaço
Ponte de Clifton, Bristol, Inglaterra,
1830-63
A ARQUITETURA DE FERRO
Vantagens
Construção
mais rápida
Construção
mais barata
Construção
de grandes
vãos
Construção
de edifícios
mais altos
Construção
de edifícios
mais
resistentes
A ARQUITETURA DE FERRO
CONSTRUÇÕES:
 Gares, pontes e viadutos
 Palácio de Cristal, e a I
Exposição Universal de
Londres (1851)
 Torre Eiffel, Exposição
Internacional de Paris
(1889)
 Construções em
“esqueletos metálicos”
 Forum des Halles
 Magasin Printemps
 Galeria das máquinas
(Exposição De 1889)
Ponte em ferro sobre o rio Severn,
Coalbrookdale, Inglaterra, 1777-79
A ARQUITETURA DE FERRO
Henri Labrouste,
Biblioteca Nacional de
Paris, 1857-67,França
A ARQUITETURA DE FERRO
Galeria das máquinas
(Exposição de 1889)
Torre Eiffel
A ARQUITETURA DE FERRO
Palácio de
Cristal,
Londres,
1851
A ARQUITETURA DE FERRO
Eiffel, Estação Central de La Paz, Bolívia
A ARQUITETURA DE FERRO
Mercado Municipal Les Halles
A ARQUITETURA DE FERRO
Eiffel, Ponte D. Maria Pia, Porto
A ARQUITETURA DE FERRO
Duas tendências inovadoras:
 Necessidade de modernizar
os sistemas e processos
construtivos, aproveitando os
recursos da industrialização
e o avanço da engenharia
 Desenvolvimento de novos
gostos e outros conceitos
estéticos, assente nos
elementos estruturais e não
mais nos artifícios
decorativos
Boileau e Eiffel, Le Bom Marché, 1876, Paris
A ARQUITETURA DE FERRO
Construção de “esqueletos
metálicos”
Grandes estruturas e armazéns
comerciais
Interiores amplos cobertos por
extensas superfícies
envidraçadas, com iluminação
natural
Novos princípios arquitetónicos:
racionalidade, funcionalidade e
comodidade
Boileau e Eiffel, Le Bom Marché,
1876, Paris
A ARTE NOVA
1890 A 1914
Belle Époque
Prosperidade económica
+
Paz e estabilidade política
+
Progressos científicos e técnicos
Clima de optimismo e de
confiança no futuro
A ARTE NOVA
MODERNISMO
Movimento cultural e
artístico que atingiu todas as
artes
Ruptura com a tradição
Procura de novas
expressões que melhor
correspondessem ao
progresso e à nova estética
A ARTE NOVA
A ARTE NOVA
 Movimento Arts end Crafts de
William Moris
(desenvolvimento das artes
decorativas)
 Gótico flamejante (linhas
sinuosas)
 Rococó (naturalismo e
decoração requintada)
 Pinturas japonesas (desenho
gráfico, bidimensionalidade,
naturalismo, decorativismo)
 Folclore tradicional inglês, de
inspiração celta
INFLUÊNCIAS
A ARTE NOVA
 Movimento Arts end Crafts de William
Moris (desenvolvimento das artes
decorativas)
 Nasce em 1850-60
 Reação à influência da industrialização
na arte
 Defesa de uma arte pura, assente na
criatividade, na originalidade e no bom
gosto (peças únicas e originais)
 Valorização da estética dos objetos
quotidianos (génese da noção de
INFLUÊNCIAS
A ARTE NOVA
 Movimento Arts end Crafts de
William Moris
(desenvolvimento das artes
decorativas)
 Gótico flamejante (linhas
sinuosas)
 Rococó (naturalismo e
decoração requintada)
 Pinturas japonesas (desenho
gráfico, bidimensionalidade,
naturalismo, decorativismo)
 Folclore tradicional inglês, de
inspiração celta
INFLUÊNCIAS
A ARTE NOVA
- Movimento Arts end Crafts de
William Moris
(desenvolvimento das artes
decorativas)
- Gótico flamejante (linhas
sinuosas)
- Rococó (naturalismo e
decoração requintada)
- Pinturas japonesas (desenho
gráfico, bidimensionalidade,
naturalismo, decorativismo)
- Folclore tradicional inglês, de
inspiração celta
INFLUÊNCIAS
A ARTE NOVA
Aplicação da nova estética a
todas as modalidades
artísticas:
- Arquitetura
- Pintura
- Escultura
- Artes aplicadas
- Artes gráficas
- Dança
- Princípio da unidade das artes
A ARTE NOVA
Victor Horta, hall central da Casa van
Eetvelde, 1899, Bruxelas, Bélgica
Inovação formal:
- Originalidade e criatividade
- Rejeição dos estilos académicos,
históricos e revivalistas
- Inspiração na natureza (fauna e
flora)
- Preferência por estruturas
orgânicas
- Movimentos sinuosos e
encadeados (dinamismo
expressivo)
CARACTERÍSTICAS
A ARTE NOVA
Adesão ao progresso:
 Novas técnicas
 Novos materiais (ladrilho
cozido, ferro, vidro, betão
e outros)
Utilizados de forma
estrutural e decorativa
CARACTERÍSTIC
AS
A ARTE NOVA
Adopção de uma nova
estética:
 Decoração exuberante no
interior e no exterior
 Linhas sinuosas, elásticas e
flexíveis
 Linhas estilizadas ou
geometrizadas
Procura de movimento, ritmo,
expressão
Intuito decorativo
CARACTERÍSTIC
AS
A ARTE NOVA
Cunho estruturalista:
 Aproveitamento das estruturas
para fins decorativos, numa
verdadeira aliança entre forma
e função
Vitor Horta, Casa do Arquiteto, 1898-1900,
Bruxelas, Bélgica
CARACTERÍSTIC
AS
A ARTE NOVA
Duas tendências
Antoní Gaudi, Casa Milà, 1906-10,
Barcelona
Joseph Hoffman, Palácio Stoclet, 1905-11,
Bruxelas, Bélgica
CARACTERÍSTIC
AS
A ARTE NOVA
Duas tendências:
 Tónica na estética
ornamental, floral,
naturalista e
curvilínea
Antoní Gaudi, Casa Milà, 1906-10
A ARTE NOVA
Duas tendências:
 Vertente mais
estrutural, geométrica
e funcionalista sem,
contudo, abandonar o
ornamento (que tratou
de forma mais
contida, planimétrica
e abstratizante)
Joseph Hoffman, Palácio Stoclet, 1905-11,
Bruxelas, Bélgica
A ARTE NOVA
Bélgica (Bruxelas):
- Desenvolvimento
económico
- Mecenato de Leopoldo II
Focos
Victor Horta:
- Edifícios de estruturas
simples e sóbrias
- Fachadas movimentadas
- Grandes janelões
- Interiores funcionais
- Aliança decoração/elementos
estruturais
- Jogos de espelhos e pinturas
ilusórias
Victor Horta, Casa Tassel
A ARTE NOVA
Bélgica (Bruxelas):
- Desenvolvimento
económico
- Mecenato de Leopoldo II
Focos
Victor Horta, Casa Tassel
Victor Horta:
- Edifícios de estruturas
simples e sóbrias
- Fachadas movimentadas
- Grandes janelões
- Interiores funcionais
- Aliança decoração/elementos
estruturais
- Jogos de espelhos e pinturas
ilusórias
A ARTE NOVA Focos
Victor Horta, Casa Tassel
Victor Horta:
- Edifícios de estruturas
simples e sóbrias
- Fachadas movimentadas
- Grandes janelões
- Interiores funcionais
- Aliança decoração/elementos
estruturais
- Jogos de espelhos e pinturas
ilusórias
A ARTE NOVA Focos
Victor Horta, Casa Tassel
A ARTE NOVA
Victor Horta, Casa Solvay
Focos
A ARTE NOVA
Victor Horta, Casa Solvay
Focos
A ARTE NOVA
Henry van de Velde:
- Pintor, arquiteto e
designer
- Mobiliário formal e
funcional
Focos
A ARTE NOVA
Arte Nova Francesa
Hector Guimard
Focos
Guimard, Hotel Béranger, 1884-88
A ARTE NOVA
Arte Nova Francesa
Hector Guimard
Focos
Entradas para o metro de
Armações e redes metálicas e formas vegetalistas
A ARTE NOVA
Catalunha
Luís Domenech i Montaner:
- Formas simples
- Uso de materiais locais
(ladrilhos cozidos de cor
vermelha)
Focos
Palácio da Música Catalã
A ARTE NOVA
Catalunha
Antoní Gaudi (arquiteto-
escultor ou arquiteto-
poeta)
- Influências locais de
raíz gótica e mudéjar
- Construções e plantas
orgânicas
- Modelação dinâmica
dos volumes estruturais
- Mistura de materiais
(betão, ferro, vidro,
madeira, tijolo,
cerâmica e azulejos
Focos
Casa Milà
A ARTE NOVA
Catalunha
Antoní Gaudi (arquiteto-
escultor ou arquiteto-
poeta)
- Influências locais de
raíz gótica e mudéjar
- Construções e plantas
orgânicas
- Modelação dinâmica
dos volumes estruturais
- Mistura de materiais
(betão, ferro, vidro,
madeira, tijolo,
cerâmica e azulejos
Focos
Casa Milà
A ARTE NOVA Focos
Gaudi, Casa Batló
A ARTE NOVA Focos
Gaudi, Casa Batló
A ARTE NOVA Focos
Gaudi, Catedral da Sagrada Família
A ARTE NOVA Focos
A ARTE NOVA Focos
Gaudi, Parque Guell
A ARTE NOVA Focos
Mackintosh, Escola de Arte de Glasgow, 1896-
1909, Escócia
Escola de Glasgow,
Escócia:
Charles Rennie
Mackintosh
- Estruturas
ortogonais de ferro
- Paredes lisas de
pedra
- Grandes superfícies
envidraçadas
- Decoração contida
- Racionalismo
estrutural e
A ARTE NOVA Focos
Mackintosh, Hill House, Escócia
Escola de Glasgow,
Escócia:
Charles Rennie
Mackintosh
- Estruturas
ortogonais de ferro
- Paredes lisas de
pedra
- Grandes superfícies
envidraçadas
- Decoração contida
- Racionalismo
estrutural e
A ARTE NOVA Focos
Escola de Glasgow, Escócia:
Charles Rennie Mackintosh
- Trabalhos decorativos e
mobiliário marcados pelo
racionalismo mais estrutural e
geométrico
A ARTE NOVA Focos
Escola de Glasgow,
Escócia:
Charles Rennie Ma-
ckintosh
- Trabalhos
decorativos e
mobiliário marcados
pelo racionalismo
mais estrutural e
geométrico
A ARTE NOVA Focos
Joseph Hoffman, Palácio Stoclet,
1905-11, Bruxelas
Áustria
“Escola de Secessão
Vienense”
- Pintor Gustave Klimt
- Arquitetos J. Maria Ölbrich e
Joseph Hoffman
- modernismo pré-racionalista
- Simplificação geométrica dos
volumes e das formas
- distribuição simétrica,
racional e funcional dos
espaços
A ARTE NOVA Focos
Joseph Maria Ölbrich, edifício da Secessão Vienense, 1898-1899, Áustria
A ARTE NOVA Focos
Klimt, O Beijo, 1907-08
Gustve Klimt
- Temáticas
geométricas e
vegetalistas
- Conciliação entre
elementos figurativos
e outros meramente
decorativos
A ARTE NOVA Focos
Louis Sullivan, Auditório de Chicago, 1886-
89, Chicago
Escola de Chicago:
- Modernização dos
sistemas de
construção permitiu o
aparecimento de
edifícios em altura
- Regularidade
horizontal e vertical
A ARTE NOVA Focos
A Casa da Cascata
Frank Loyd Wright:
- Arquitetura
organicista e
funcional
- Integração do
edifício no meio
envolvente
- Nova conceção
estética do espaço
interior, alargado e
projetado sobre o
exterior
A ARTE NOVA Focos
A Casa Ennis
Frank Loyd Wright:
- Arquitetura
organicista e
funcional
- Integração do
edifício no meio
envolvente
- Nova conceção
estética do espaço
interior, alargado e
projetado sobre o
exterior
A ARTE NOVA Focos
Museu Guggenheim, 1956, Nova Iorque
Frank Loyd Wright:
- Arquitetura
organicista e
funcional
- Integração do
edifício no meio
envolvente
- Nova conceção
estética do espaço
interior, alargado e
projetado sobre o
exterior
A ARTE NOVA
Artes decorativas
Eugène Gaillard
Peter Behrens
A ARTE NOVA
Louis Comfort Tiffany
Artes decorativas
A ARTE NOVA FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização históricaCarla Freitas
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoCarla Freitas
 
1ª Grande Exposição de Londres
1ª Grande Exposição de Londres1ª Grande Exposição de Londres
1ª Grande Exposição de Londreshcaslides
 
Pintura e escultura neoclássica
Pintura e escultura neoclássicaPintura e escultura neoclássica
Pintura e escultura neoclássicaAna Barreiros
 
Rococó da Europa para o mundo
Rococó da Europa para o mundoRococó da Europa para o mundo
Rococó da Europa para o mundoAna Barreiros
 
Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo Ana Barreiros
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAna Barreiros
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxAna Barreiros
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaCarlos Pinheiro
 
Pintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoPintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoAna Barreiros
 
Módulo 7 arquitetura neoclássica
Módulo 7   arquitetura neoclássicaMódulo 7   arquitetura neoclássica
Módulo 7 arquitetura neoclássicaCarla Freitas
 
A cultura do salão neoclássico
A cultura do salão   neoclássicoA cultura do salão   neoclássico
A cultura do salão neoclássicocattonia
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXCarla Freitas
 
Arquitectura romantica
Arquitectura romanticaArquitectura romantica
Arquitectura romanticaAndreia Ramos
 

Mais procurados (20)

Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização histórica
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 
1ª Grande Exposição de Londres
1ª Grande Exposição de Londres1ª Grande Exposição de Londres
1ª Grande Exposição de Londres
 
Pintura e escultura neoclássica
Pintura e escultura neoclássicaPintura e escultura neoclássica
Pintura e escultura neoclássica
 
Rococó da Europa para o mundo
Rococó da Europa para o mundoRococó da Europa para o mundo
Rococó da Europa para o mundo
 
Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xx
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xx
 
Cultura do salao
Cultura do salaoCultura do salao
Cultura do salao
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pintura
 
Pintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoPintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismo
 
Módulo 7 arquitetura neoclássica
Módulo 7   arquitetura neoclássicaMódulo 7   arquitetura neoclássica
Módulo 7 arquitetura neoclássica
 
A cultura da gare
A cultura da gareA cultura da gare
A cultura da gare
 
Pintura barroca
Pintura barrocaPintura barroca
Pintura barroca
 
A cultura do salão neoclássico
A cultura do salão   neoclássicoA cultura do salão   neoclássico
A cultura do salão neoclássico
 
A arte nova
A arte novaA arte nova
A arte nova
 
Escultura barroca
Escultura barrocaEscultura barroca
Escultura barroca
 
A Arte Rococó
A Arte RococóA Arte Rococó
A Arte Rococó
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
 
Arquitectura romantica
Arquitectura romanticaArquitectura romantica
Arquitectura romantica
 

Semelhante a Arte ao redor de 1900

A arte do século XIX
A arte do século XIX   A arte do século XIX
A arte do século XIX becresforte
 
A arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidroA arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidroCarlos Pinheiro
 
Victor Horta
Victor HortaVictor Horta
Victor Hortahcaslides
 
A arquitectura do ferro
A arquitectura do ferroA arquitectura do ferro
A arquitectura do ferrobecresforte
 
05 mundo novo formas novas
05 mundo novo formas novas05 mundo novo formas novas
05 mundo novo formas novasVítor Santos
 
Arts & Crafts e Arte Nova
Arts & Crafts e Arte NovaArts & Crafts e Arte Nova
Arts & Crafts e Arte NovaMichele Pó
 
Album de Figurinhas Introdução ao Design
Album de Figurinhas Introdução ao DesignAlbum de Figurinhas Introdução ao Design
Album de Figurinhas Introdução ao DesignAndressa Baptista
 
Álbum de Figurinhas - Os Primórdios da Teoria do Design
Álbum de Figurinhas - Os Primórdios da Teoria do Design Álbum de Figurinhas - Os Primórdios da Teoria do Design
Álbum de Figurinhas - Os Primórdios da Teoria do Design Vinicius Longo
 
Arts and crafts e a arte nova
Arts and crafts  e a arte novaArts and crafts  e a arte nova
Arts and crafts e a arte novaAna Barrelas
 
A Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do FerroA Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do FerroJorge Almeida
 
Caderno 2 - Arquitetura do Ferro.pptx
Caderno 2 - Arquitetura do Ferro.pptxCaderno 2 - Arquitetura do Ferro.pptx
Caderno 2 - Arquitetura do Ferro.pptxmafaldateixeira11
 
Aula 2_Ecletismo e Neoclassicismo.pdf
Aula 2_Ecletismo e Neoclassicismo.pdfAula 2_Ecletismo e Neoclassicismo.pdf
Aula 2_Ecletismo e Neoclassicismo.pdfSilviaRaquelChiarell1
 
Arte da idade média - Gótica
Arte da idade média - GóticaArte da idade média - Gótica
Arte da idade média - GóticaAna Kyzzy Fachetti
 
História do Design - Mov Reforma - Hd04
História do Design - Mov Reforma - Hd04História do Design - Mov Reforma - Hd04
História do Design - Mov Reforma - Hd04Valdir Soares
 

Semelhante a Arte ao redor de 1900 (20)

A arte do século XIX
A arte do século XIX   A arte do século XIX
A arte do século XIX
 
A arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidroA arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidro
 
Victor Horta
Victor HortaVictor Horta
Victor Horta
 
HCA grupo C
HCA   grupo CHCA   grupo C
HCA grupo C
 
A arquitectura do ferro
A arquitectura do ferroA arquitectura do ferro
A arquitectura do ferro
 
05 mundo novo formas novas
05 mundo novo formas novas05 mundo novo formas novas
05 mundo novo formas novas
 
Arts & Crafts e Arte Nova
Arts & Crafts e Arte NovaArts & Crafts e Arte Nova
Arts & Crafts e Arte Nova
 
Album de Figurinhas Introdução ao Design
Album de Figurinhas Introdução ao DesignAlbum de Figurinhas Introdução ao Design
Album de Figurinhas Introdução ao Design
 
Álbum de Figurinhas - Os Primórdios da Teoria do Design
Álbum de Figurinhas - Os Primórdios da Teoria do Design Álbum de Figurinhas - Os Primórdios da Teoria do Design
Álbum de Figurinhas - Os Primórdios da Teoria do Design
 
Aula 3_Art Nouveau e Art Decó.pdf
Aula 3_Art Nouveau e Art Decó.pdfAula 3_Art Nouveau e Art Decó.pdf
Aula 3_Art Nouveau e Art Decó.pdf
 
Arts and crafts e a arte nova
Arts and crafts  e a arte novaArts and crafts  e a arte nova
Arts and crafts e a arte nova
 
Arte nova 2_-2
Arte nova 2_-2Arte nova 2_-2
Arte nova 2_-2
 
Arte nova 2_-2
Arte nova 2_-2Arte nova 2_-2
Arte nova 2_-2
 
A Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do FerroA Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do Ferro
 
Caderno 2 - Arquitetura do Ferro.pptx
Caderno 2 - Arquitetura do Ferro.pptxCaderno 2 - Arquitetura do Ferro.pptx
Caderno 2 - Arquitetura do Ferro.pptx
 
Aula 2_Ecletismo e Neoclassicismo.pdf
Aula 2_Ecletismo e Neoclassicismo.pdfAula 2_Ecletismo e Neoclassicismo.pdf
Aula 2_Ecletismo e Neoclassicismo.pdf
 
Arte da idade média - Gótica
Arte da idade média - GóticaArte da idade média - Gótica
Arte da idade média - Gótica
 
História do Design - Mov Reforma - Hd04
História do Design - Mov Reforma - Hd04História do Design - Mov Reforma - Hd04
História do Design - Mov Reforma - Hd04
 
História da Cadeira
História da CadeiraHistória da Cadeira
História da Cadeira
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 

Mais de Ana Barreiros

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaAna Barreiros
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Ana Barreiros
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Ana Barreiros
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaAna Barreiros
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoAna Barreiros
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaAna Barreiros
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaAna Barreiros
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGAna Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ana Barreiros
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesAna Barreiros
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoAna Barreiros
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoAna Barreiros
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidadeAna Barreiros
 
Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Ana Barreiros
 

Mais de Ana Barreiros (20)

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na Europa
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade
 
Casa Sommer
Casa SommerCasa Sommer
Casa Sommer
 
Bairro dos museus
Bairro dos museusBairro dos museus
Bairro dos museus
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura Barroca
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
 
Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual
 

Último

hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade geneticMrMartnoficial
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkLisaneWerlang
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40vitoriaalyce2011
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfLeandroTelesRocha2
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisValéria Shoujofan
 

Último (20)

hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 

Arte ao redor de 1900

  • 1. A ARTE AO REDOR DE 1900
  • 2. A ARQUITETURA DE FERRO SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX:  Permanência da estética romântica: histórica e revivalista  Valorização das questões formais e estéticas: escolha de materiais nobres, eleição do estilo, temas de decoração, harmonia e equilíbrio das formas Charles Garnier, Ópera de Paris, c. 1862
  • 3. A ARQUITETURA DE FERRO SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX: Charles Garnier, Ópera de Paris, c. 1862  Aplicação das novas técnicas, não na estrutura mas com sentido decorativo  Desvalorização das potencia-lidades técnicas dos novos materiais (ferro e vidro)
  • 4. A ARQUITETURA DE FERRO RESPONSÁVEIS PELAS INOVAÇÕES – OS ENGENHEIROS:  Visão prática  Maior preparação científico- técnica: formação nas Escolas Politécnicas Aplicação de saberes científicos obtidos no ramo da física mecânica, da resistência e comportamento dos materiais, da geometria (Gaspar Monge – invenção da GD), da Ponte de Brooklin, 1883
  • 5. A ARQUITETURA DE FERRO RESPONSÁVEIS PELAS INOVAÇÕES – OS ENGENHEIROS:  Visão prática  Maior preparação científico- técnica: formação nas Escolas Politécnicas Utilização de novos equipamentos e novos meios construtivos + Aproveitamento de novos materiais, produzidos industrialmente e por isso mais baratos, como o tijolo cozido, o
  • 6. A ARQUITETURA DE FERRO APLICAÇÃO DE NOVOS MATERIAIS:  ferro - o processo de fundição foi utilizado em pontes e aquedutos, permitiu a construção de grandes espaços com estruturas leves, resistentes e não inflamáveis  vidro - construção de grandes estufas, coberturas para estações e grandes superfícies verticais (Palácio de Cristal) e betão (construção vertical e crescimento muito rápido de cidades)
  • 7. A ARQUITETURA DE FERRO APLICAÇÃO DE NOVOS MATERIAIS Aplicação destes materiais, sem preocupação estética, nos edifícios para fins industriais, comerciais ou de exposições arquitetura como meio para atingir um fim Tinham uma visão mais pragmática (menos poética), mais racionalista e funcionalista (pode não ser bonito mas tem que ser útil), em relação às construções, Galeria das Máquinas, Ferdinant Dutert, Paris, 1886- 89
  • 8. A ARQUITETURA DE FERRO CARÁTER PRAGMÁTICO Fazer face às novas necessidades criadas pelo crescimento urbano:  alojamento dos trabalhadores  sistema de transportes  melhor aproveitamento dos espaços (construção em altura) Revisão dos sistemas, dos processos e dos modelos construtivos
  • 9. A ARQUITETURA DE FERRO A “Nova Paris” depois das obras de renovação urbanística do barão Haussman: largas avenidas, prédios altos e varandas a Renovação urbanística
  • 10. A ARQUITETURA DE FERRO VANTAGENS DA ARQUITETURA DE FERRO:  Criação de estruturas construtivas resistentes, fáceis de montar e adaptáveis a todas as dimensões e formas.  A resistência, preço e funcionalidade comprovada nas pontes, permitiu a sua utilização em estrutura de grandes cúpulas e outras coberturas arrojadas.  Permitia vãos abertos muito maiores, que deixavam entrar a luz, podendo ser usados sem que delimitassem um espaço Ponte de Clifton, Bristol, Inglaterra, 1830-63
  • 11. A ARQUITETURA DE FERRO Vantagens Construção mais rápida Construção mais barata Construção de grandes vãos Construção de edifícios mais altos Construção de edifícios mais resistentes
  • 12. A ARQUITETURA DE FERRO CONSTRUÇÕES:  Gares, pontes e viadutos  Palácio de Cristal, e a I Exposição Universal de Londres (1851)  Torre Eiffel, Exposição Internacional de Paris (1889)  Construções em “esqueletos metálicos”  Forum des Halles  Magasin Printemps  Galeria das máquinas (Exposição De 1889) Ponte em ferro sobre o rio Severn, Coalbrookdale, Inglaterra, 1777-79
  • 13. A ARQUITETURA DE FERRO Henri Labrouste, Biblioteca Nacional de Paris, 1857-67,França
  • 14. A ARQUITETURA DE FERRO Galeria das máquinas (Exposição de 1889) Torre Eiffel
  • 15. A ARQUITETURA DE FERRO Palácio de Cristal, Londres, 1851
  • 16. A ARQUITETURA DE FERRO Eiffel, Estação Central de La Paz, Bolívia
  • 17. A ARQUITETURA DE FERRO Mercado Municipal Les Halles
  • 18. A ARQUITETURA DE FERRO Eiffel, Ponte D. Maria Pia, Porto
  • 19. A ARQUITETURA DE FERRO Duas tendências inovadoras:  Necessidade de modernizar os sistemas e processos construtivos, aproveitando os recursos da industrialização e o avanço da engenharia  Desenvolvimento de novos gostos e outros conceitos estéticos, assente nos elementos estruturais e não mais nos artifícios decorativos Boileau e Eiffel, Le Bom Marché, 1876, Paris
  • 20. A ARQUITETURA DE FERRO Construção de “esqueletos metálicos” Grandes estruturas e armazéns comerciais Interiores amplos cobertos por extensas superfícies envidraçadas, com iluminação natural Novos princípios arquitetónicos: racionalidade, funcionalidade e comodidade Boileau e Eiffel, Le Bom Marché, 1876, Paris
  • 21. A ARTE NOVA 1890 A 1914 Belle Époque Prosperidade económica + Paz e estabilidade política + Progressos científicos e técnicos Clima de optimismo e de confiança no futuro
  • 22. A ARTE NOVA MODERNISMO Movimento cultural e artístico que atingiu todas as artes Ruptura com a tradição Procura de novas expressões que melhor correspondessem ao progresso e à nova estética
  • 24. A ARTE NOVA  Movimento Arts end Crafts de William Moris (desenvolvimento das artes decorativas)  Gótico flamejante (linhas sinuosas)  Rococó (naturalismo e decoração requintada)  Pinturas japonesas (desenho gráfico, bidimensionalidade, naturalismo, decorativismo)  Folclore tradicional inglês, de inspiração celta INFLUÊNCIAS
  • 25. A ARTE NOVA  Movimento Arts end Crafts de William Moris (desenvolvimento das artes decorativas)  Nasce em 1850-60  Reação à influência da industrialização na arte  Defesa de uma arte pura, assente na criatividade, na originalidade e no bom gosto (peças únicas e originais)  Valorização da estética dos objetos quotidianos (génese da noção de INFLUÊNCIAS
  • 26. A ARTE NOVA  Movimento Arts end Crafts de William Moris (desenvolvimento das artes decorativas)  Gótico flamejante (linhas sinuosas)  Rococó (naturalismo e decoração requintada)  Pinturas japonesas (desenho gráfico, bidimensionalidade, naturalismo, decorativismo)  Folclore tradicional inglês, de inspiração celta INFLUÊNCIAS
  • 27. A ARTE NOVA - Movimento Arts end Crafts de William Moris (desenvolvimento das artes decorativas) - Gótico flamejante (linhas sinuosas) - Rococó (naturalismo e decoração requintada) - Pinturas japonesas (desenho gráfico, bidimensionalidade, naturalismo, decorativismo) - Folclore tradicional inglês, de inspiração celta INFLUÊNCIAS
  • 28. A ARTE NOVA Aplicação da nova estética a todas as modalidades artísticas: - Arquitetura - Pintura - Escultura - Artes aplicadas - Artes gráficas - Dança - Princípio da unidade das artes
  • 29. A ARTE NOVA Victor Horta, hall central da Casa van Eetvelde, 1899, Bruxelas, Bélgica Inovação formal: - Originalidade e criatividade - Rejeição dos estilos académicos, históricos e revivalistas - Inspiração na natureza (fauna e flora) - Preferência por estruturas orgânicas - Movimentos sinuosos e encadeados (dinamismo expressivo) CARACTERÍSTICAS
  • 30. A ARTE NOVA Adesão ao progresso:  Novas técnicas  Novos materiais (ladrilho cozido, ferro, vidro, betão e outros) Utilizados de forma estrutural e decorativa CARACTERÍSTIC AS
  • 31. A ARTE NOVA Adopção de uma nova estética:  Decoração exuberante no interior e no exterior  Linhas sinuosas, elásticas e flexíveis  Linhas estilizadas ou geometrizadas Procura de movimento, ritmo, expressão Intuito decorativo CARACTERÍSTIC AS
  • 32. A ARTE NOVA Cunho estruturalista:  Aproveitamento das estruturas para fins decorativos, numa verdadeira aliança entre forma e função Vitor Horta, Casa do Arquiteto, 1898-1900, Bruxelas, Bélgica CARACTERÍSTIC AS
  • 33. A ARTE NOVA Duas tendências Antoní Gaudi, Casa Milà, 1906-10, Barcelona Joseph Hoffman, Palácio Stoclet, 1905-11, Bruxelas, Bélgica CARACTERÍSTIC AS
  • 34. A ARTE NOVA Duas tendências:  Tónica na estética ornamental, floral, naturalista e curvilínea Antoní Gaudi, Casa Milà, 1906-10
  • 35. A ARTE NOVA Duas tendências:  Vertente mais estrutural, geométrica e funcionalista sem, contudo, abandonar o ornamento (que tratou de forma mais contida, planimétrica e abstratizante) Joseph Hoffman, Palácio Stoclet, 1905-11, Bruxelas, Bélgica
  • 36. A ARTE NOVA Bélgica (Bruxelas): - Desenvolvimento económico - Mecenato de Leopoldo II Focos Victor Horta: - Edifícios de estruturas simples e sóbrias - Fachadas movimentadas - Grandes janelões - Interiores funcionais - Aliança decoração/elementos estruturais - Jogos de espelhos e pinturas ilusórias Victor Horta, Casa Tassel
  • 37. A ARTE NOVA Bélgica (Bruxelas): - Desenvolvimento económico - Mecenato de Leopoldo II Focos Victor Horta, Casa Tassel Victor Horta: - Edifícios de estruturas simples e sóbrias - Fachadas movimentadas - Grandes janelões - Interiores funcionais - Aliança decoração/elementos estruturais - Jogos de espelhos e pinturas ilusórias
  • 38. A ARTE NOVA Focos Victor Horta, Casa Tassel Victor Horta: - Edifícios de estruturas simples e sóbrias - Fachadas movimentadas - Grandes janelões - Interiores funcionais - Aliança decoração/elementos estruturais - Jogos de espelhos e pinturas ilusórias
  • 39. A ARTE NOVA Focos Victor Horta, Casa Tassel
  • 40. A ARTE NOVA Victor Horta, Casa Solvay Focos
  • 41. A ARTE NOVA Victor Horta, Casa Solvay Focos
  • 42. A ARTE NOVA Henry van de Velde: - Pintor, arquiteto e designer - Mobiliário formal e funcional Focos
  • 43. A ARTE NOVA Arte Nova Francesa Hector Guimard Focos Guimard, Hotel Béranger, 1884-88
  • 44. A ARTE NOVA Arte Nova Francesa Hector Guimard Focos Entradas para o metro de Armações e redes metálicas e formas vegetalistas
  • 45. A ARTE NOVA Catalunha Luís Domenech i Montaner: - Formas simples - Uso de materiais locais (ladrilhos cozidos de cor vermelha) Focos Palácio da Música Catalã
  • 46. A ARTE NOVA Catalunha Antoní Gaudi (arquiteto- escultor ou arquiteto- poeta) - Influências locais de raíz gótica e mudéjar - Construções e plantas orgânicas - Modelação dinâmica dos volumes estruturais - Mistura de materiais (betão, ferro, vidro, madeira, tijolo, cerâmica e azulejos Focos Casa Milà
  • 47. A ARTE NOVA Catalunha Antoní Gaudi (arquiteto- escultor ou arquiteto- poeta) - Influências locais de raíz gótica e mudéjar - Construções e plantas orgânicas - Modelação dinâmica dos volumes estruturais - Mistura de materiais (betão, ferro, vidro, madeira, tijolo, cerâmica e azulejos Focos Casa Milà
  • 48. A ARTE NOVA Focos Gaudi, Casa Batló
  • 49. A ARTE NOVA Focos Gaudi, Casa Batló
  • 50. A ARTE NOVA Focos Gaudi, Catedral da Sagrada Família
  • 51. A ARTE NOVA Focos
  • 52. A ARTE NOVA Focos Gaudi, Parque Guell
  • 53. A ARTE NOVA Focos Mackintosh, Escola de Arte de Glasgow, 1896- 1909, Escócia Escola de Glasgow, Escócia: Charles Rennie Mackintosh - Estruturas ortogonais de ferro - Paredes lisas de pedra - Grandes superfícies envidraçadas - Decoração contida - Racionalismo estrutural e
  • 54. A ARTE NOVA Focos Mackintosh, Hill House, Escócia Escola de Glasgow, Escócia: Charles Rennie Mackintosh - Estruturas ortogonais de ferro - Paredes lisas de pedra - Grandes superfícies envidraçadas - Decoração contida - Racionalismo estrutural e
  • 55. A ARTE NOVA Focos Escola de Glasgow, Escócia: Charles Rennie Mackintosh - Trabalhos decorativos e mobiliário marcados pelo racionalismo mais estrutural e geométrico
  • 56. A ARTE NOVA Focos Escola de Glasgow, Escócia: Charles Rennie Ma- ckintosh - Trabalhos decorativos e mobiliário marcados pelo racionalismo mais estrutural e geométrico
  • 57. A ARTE NOVA Focos Joseph Hoffman, Palácio Stoclet, 1905-11, Bruxelas Áustria “Escola de Secessão Vienense” - Pintor Gustave Klimt - Arquitetos J. Maria Ölbrich e Joseph Hoffman - modernismo pré-racionalista - Simplificação geométrica dos volumes e das formas - distribuição simétrica, racional e funcional dos espaços
  • 58. A ARTE NOVA Focos Joseph Maria Ölbrich, edifício da Secessão Vienense, 1898-1899, Áustria
  • 59. A ARTE NOVA Focos Klimt, O Beijo, 1907-08 Gustve Klimt - Temáticas geométricas e vegetalistas - Conciliação entre elementos figurativos e outros meramente decorativos
  • 60. A ARTE NOVA Focos Louis Sullivan, Auditório de Chicago, 1886- 89, Chicago Escola de Chicago: - Modernização dos sistemas de construção permitiu o aparecimento de edifícios em altura - Regularidade horizontal e vertical
  • 61. A ARTE NOVA Focos A Casa da Cascata Frank Loyd Wright: - Arquitetura organicista e funcional - Integração do edifício no meio envolvente - Nova conceção estética do espaço interior, alargado e projetado sobre o exterior
  • 62. A ARTE NOVA Focos A Casa Ennis Frank Loyd Wright: - Arquitetura organicista e funcional - Integração do edifício no meio envolvente - Nova conceção estética do espaço interior, alargado e projetado sobre o exterior
  • 63. A ARTE NOVA Focos Museu Guggenheim, 1956, Nova Iorque Frank Loyd Wright: - Arquitetura organicista e funcional - Integração do edifício no meio envolvente - Nova conceção estética do espaço interior, alargado e projetado sobre o exterior
  • 64. A ARTE NOVA Artes decorativas Eugène Gaillard Peter Behrens
  • 65. A ARTE NOVA Louis Comfort Tiffany Artes decorativas
  • 66. A ARTE NOVA FIM