SlideShare uma empresa Scribd logo
FILOSOFIA ANTIGAFILOSOFIA ANTIGA
Compreende os quatro grandes
períodos da filosofia grega, indo
dos pré-socráticos aos grandes
sistemas do período helenístico.
• Período Pré-socrático
Grécia clássica ou:
• Período antroPolóGico
• sistemático
• Helenístico
A filosofia é um saber específico e tem uma
história que já dura mais de 2.500 anos. A
filosofia nasceu na Grécia Antiga -
costumamos dizer - com os primeiros
filósofos, chamados pré-socráticos. Mas a
filosofia não é compreendida hoje apenas
como um saber específico, mas também
como uma atitude em relação ao
conhecimento, o que faz com que seus
temas, seus conceitos e suas descobertas
sejam constantemente retomados.
Período pré-socrático ou cosmológicoPeríodo pré-socrático ou cosmológico
Do fim do século VII ao fim do século V a.C.,
quando a filosofia se ocupa fundamentalmente
com a origem do mundo e as causas das
transformações na natureza.
• Objeto de investigação: Physis.
Conceitos básicos:
Arché – Força que governa a Physis.
Devir ou movimento – Transformação dos seres
perecíveis.
Os principais filósofos pré-socráticos
(e suas escolas) foram:
Escola Jônica: Tales de Mileto, Anaxímenes de
Mileto, Anaximandro de Mileto e Heráclito de
Éfeso.
Escola Itálica: Pitágoras de Samos, Filolau de
Crotona e Árquitas de Tarento
Escola Eleata: Xenófanes, Parmênides de
Eléia, Zenão de Eléia e Melisso de Samos.
Escola da Pluralidade: Empédocles de
Agrigento, Anaxágoras de Clazômena,
Leucipo de Abdera e Demócrito de Abdera.
ArchéArché – Princípio de ordem. Nada vem do– Princípio de ordem. Nada vem do chaoschaos..
Tudo na natureza está em devir, em movimento.Tudo na natureza está em devir, em movimento.
Como essas transformações não levam à desordemComo essas transformações não levam à desordem
há um princípio de ordem que governa todas ashá um princípio de ordem que governa todas as
coisas. Uma força que governa a physis; a ordemcoisas. Uma força que governa a physis; a ordem
do devir. Uma causa de todas as demais causas.do devir. Uma causa de todas as demais causas.
Tales de Mileto disse que a arché era a água.
Anaximandro; ápeiron, algo que é ilimitado e diferente de
todas as coisas
Anaxímenes; Pneuma...o ar
Heráclito disse que era o fogo como um descordo e
transformação das coisas em outras, devir constante.
Anaxágoras; Nous... Segundo o filósofo, o Nous atua sobre
uma mistura inicial formada de sementes que contém uma
mistura de cada coisa.
Demócrito; átomos...
Empédocles; terra, ar, fogo e água...
A história da filosofia na Antigüidade tambémA história da filosofia na Antigüidade também
pode ser dividida em três grandes períodos: opode ser dividida em três grandes períodos: o
período pré-socrático, a Grécia clássica e aperíodo pré-socrático, a Grécia clássica e a
época helenística.época helenística.
• O período clássico também pode ser dividido em
dois (antropológico e sistemático).
• O sistemático é uma reorganização de
conhecimentos. Tudo pode ser objeto de
conhecimento desde que as leis do pensamento e
de suas demonstrações estejam firmemente
estabelecidas para oferecer critérios de verdade e
da ciência. Aristóteles de Estagira apresenta uma
verdadeira enciclopédia de todo o saber!!!
Período antropológicoPeríodo antropológico
Antropológico – Sócrates, Platão, Aristóteles
de um lado... Sofistas de outro.
Sócrates defendia uma filosofia baseada na
ironia e maiêutica. Buscava a verdade e
conceitos que fossem úteis para o cidadão.
Buscava o autoconhecimento. Os sofistas
eram relativistas e céticos. Para eles, não
havia possibilidade de se filosofar buscando
conceitos universais. Tudo era subjetivo e
segundo o ponto de vista de cada um.
No período antropológico havia duas escolasNo período antropológico havia duas escolas
ou linhas de pensamento:ou linhas de pensamento:
Sócrates/ Platão: Buscavam o conhecimento
verdadeiro. Epísteme, aletheia, a verdade,
virtude etc. Ideias e não opiniões!!! Ironia,
maiêutica e Dialética.
Sofistas: (Górgias de Leontini, Protágoras de Abdera e Isócrates
de Atenas) Defendiam qualquer ideia desde que ela
fosse vantajosa. Mestres da oratória e retórica.
Arte da persuasão! Ensinavam a defender a
posição ou opinião A, depois a posição ou opinião
contrária, não-A, de modo que, numa
assembléia, soubessem ter fortes argumentos a
favor ou contra uma opinião e ganhassem a
discussão.
“O homem é a medida de todas as
coisas”... O que isso significa?
• Relativismo
Os sofistas mais famosos foram Protágoras (480-411 a.C.)
e Górgias (485-380 a.C.). Para eles não existem verdades
imutáveis, válidas para todo o sempre. Muito do que
acreditávamos ser certo no passado, hoje sabemos que é
falso, e nada garante que no futuro não venha a acontecer
o mesmo. O melhor que podemos almejar é construir um
consenso provisório sobre o que é certo para maioria, aqui
e agora.
A posição dos sofistas é chamada de relativismo, por
considerar que não existem verdades absolutas, mas
apenas verdades relativas que mudam com o passar do
tempo e de uma cultura para outra. Daí a necessidade de
sempre refazermos o consenso democrático sobre os
problemas que nos afetam e reformar as leis de nossa
sociedade.
Platão e sua metafísica: Há dois
mundos:Mundo inteligível e mundo
sensível. Todas as coisas tem uma
origem em um mundo superior:
Mundo das ideias ou mundo
transcendente, das ideias
transcendentes, puras, dos conceitos
verdadeiros...
Como podemos conhecer a essência doComo podemos conhecer a essência do
Ser?Ser?
Platão distingue quatro formas ou graus de
conhecimento:
Crença, opinião, raciocínio e intuição
intelectual.
A crença é nossa confiança no
conhecimento sensorial: cremos que as
coisas são tal como as percebemos em
nossas sensações.
A opinião é nossa aceitação do que nos
ensinaram sobre as coisas ou o que delas
pensamos conforme nossas sensações e
lembranças.
O raciocínio treina e exercita o nosso
pensamento, purifica-o das sensações e
opiniões e o prepara para a intuição
intelectual, que conhece a essência das
coisas, ou o que Platão denomina de ideia.
As ideias são a realidade verdadeira e
conhece-las é ter o conhecimento
verdadeiro.
PlatãoPlatão
Idéias
Alteridade Paradigma
Mimese
Reminiscência Dialética
Virtude
Mito de Er
Aristóteles e sua metafísica: Não
há um outro mundo além deste nosso. A
realidade é única!Todas as coisas são elas
mesmas! As formas são imanentes e não
transcendentes às coisas. Como podemos
pensar o Ser ou as coisas existentes e
seus movimentos (mudanças)?
Ele quis dizer que a essência de uma mesa
sensível estaria nela mesma e não no
mundo inteligível, como ideia de mesa.
Chamava a essência (ousía) de substancia
definida como um sínolo, isto é, um
composto de matéria e forma. Por isso
valorizava a sensação e a experiência
como etapas do conhecimento.
*Toda matéria correspondia à potencia
*Toda forma correspondia ao ato
(atualização de uma potência)
Exemplos: O adulto era a atualização da potência
de uma criança.
• Matéria - potência (ou potencialidade)
• Forma - ato (ou atualização)
Aristóteles previa uma ciência para cada substancia
distinta e a Metafísica para tratar da substancia em
geral, nos aspectos universais. Caberia a ela
demonstrar, por exemplo, que tudo possui quatro
causas – em grego essa palavra significa o que e
como as coisas são, por que e para que elas
existem.
Vejamos o caso da substância
“mesa”:
• Causa material – elemento que a constitui (madeira)
• Causa formal – forma que ela apresenta (mesa)
• Causa eficiente – o que a gerou pelo movimento
(marceneiro)
• Causa final – sua finalidade (apoiar objetos)
Embora Aristóteles não seja materialista (vimos
que a forma não é a matéria), sua explicação do
mundo é mundana, está no próprio mundo.
Finalmente, para o filósofo, a essência de
qualquer objeto é a sua função. Diz ele que, se o
olho tivesse uma alma, esta seria o olhar; se um
machado tivesse uma alma, esta seria o cortar.
Entendendo isso, entendemos as coisas.
Substância: Sócrates (espécie: homem – gênero: animal)
Qualidade: mortal
Quantidade: pequeno
Relação: menor que Platão
Lugar: esteve em Atenas
Tempo: viveu antes de Aristóteles
Posição: está sentado
Posse: tem uma túnica
Ação: praticava a maiêutica
Paixão: sofreu condenação
A substância primeira (indivíduos) – Tais predicados podem ser
acidentais
A substância segunda (suas espécies e gêneros) – Só podem ser
essenciais.
Aristóteles distinguiu sete formas de
conhecimento: Sensação, percepção,
imaginação, memória, linguagem,
raciocínio e intuição.
Devemos a Aristóteles a primeira grande
classificação dos campos da atividade
filosófica ao distinguir e classificar todos os
saberes humanos (cuja totalidade é a
filosofia).
Critério para a distinção dos campos do
saber: ação e contemplação.
Campos do saber:
Ciências produtivas, práticas, teoréticas ou
contemplativas
Ciências produtivas: ciências que
estudam as praticas produtivas ou as
técnicas, isto é, as ações humanas cuja
finalidade está para além da própria ação,
pois a finalidade é a produção de um
objeto, de uma obra. São elas:
arquitetura, economia, medicina, pintura,
escultura, poesia, teatro, oratória, arte da
guerra, da caca, da navegação, etc.
Ciências praticas: Ciências que estudam
as práticas humanas como ações que tem
nelas mesmas seu próprio fim, isto é, a
finalidade da ação é ela mesma, e não há
uma distinção entre o agente e o ato que
ele realiza.
Ciências teoréticas:Classificou as teoréticas pro
graus de superioridade, indo da mais inferior à superior.
1- ciências das coisas naturais submetidas à mudança ou ao
devir:física, biologia, meteorologia, psicologia (psyché).
2- ciências das coisas naturais que não estão submetidas à
mudança ou ao devir: as matemáticas e a astronomia.
3- ciência da realidade pura. Filosofia primeira ou metafísica.
4- ciência das coisas divinas (Deus é théos, as coisas
divinas~são chamadas de theion)
Platão apontando para cima... O mundo inteligível, das ideias
transcendentes. Aristóteles apontando para baixo: mundo sensível
imanente.
Período HelenísticoPeríodo Helenístico
Continuidade das escolas platônicas (Academia) e aristotélicas (Liceu),
dirigida respectivamente, por discípulos dos dois grandes mestres;
Platão e Aristóteles.
Crise da pólis – Filósofos cidadãos do mundo
Filosofias da vida – Conjunto de princípios para guiar a vida prática.
Cínicos, estóicos, epicuristas, etc. O propósito da filosofia para Epicuro
era atingir a felicidade, estado caracterizado pela aponia, a ausência
de dor (física) e ataraxia ou imperturbabilidade da alma. Zenao de
Cítio (estóico), austeridade física e moral frente aos sofrimentos e
males do mundo. O Cinismo foi uma corrente filosófica fundada por
um discípulo de Sócrates, chamado Antístenes, e cujo maior nome foi
Diógenes de Sínope, por volta de 400 a.C., que pregava
essencialmente o desapego aos bens materiais e externos.
Pirro de Élis: filósofo grego criador do ceticismo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os Primeiros Filósofos e o Conhecimento - João Luís
Os Primeiros Filósofos e o Conhecimento - João Luís Os Primeiros Filósofos e o Conhecimento - João Luís
Os Primeiros Filósofos e o Conhecimento - João Luís
Turma Olímpica
 
Filosofia: Areas da filosofia estudos
Filosofia: Areas da filosofia estudos Filosofia: Areas da filosofia estudos
Filosofia: Areas da filosofia estudos
Felipe Souza
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Origem da Filosofia
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Origem da FilosofiaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Origem da Filosofia
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Origem da Filosofia
Turma Olímpica
 
Introdu filosofia-slide
Introdu filosofia-slideIntrodu filosofia-slide
Introdu filosofia-slide
Ronaldo Assis
 
Filosofia grega
Filosofia gregaFilosofia grega
Filosofia grega
Tuh Caldas
 
Capitulo 12. buscando a verdade
Capitulo 12. buscando a verdadeCapitulo 12. buscando a verdade
Capitulo 12. buscando a verdade
Cleyton Gomes
 
Filosofia clássica 2
Filosofia clássica 2Filosofia clássica 2
Filosofia clássica 2
Douglas Gregorio
 
Resumo FILOSOFIA
Resumo FILOSOFIAResumo FILOSOFIA
Resumo FILOSOFIA
João Pedro Melo
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
cleiton denez
 
História da Filosofia em Períodos
História da Filosofia em PeríodosHistória da Filosofia em Períodos
História da Filosofia em Períodos
Bruno Carrasco
 
Slide a origem da filosofia
Slide a origem da filosofiaSlide a origem da filosofia
Slide a origem da filosofia
iranildespm
 
Filosofia inutil util
Filosofia inutil utilFilosofia inutil util
Filosofia inutil util
Manoelito Filho Soares
 
Apresentação de Filosofia
Apresentação de FilosofiaApresentação de Filosofia
Apresentação de Filosofia
Waldemir Silva
 
Filosofos
FilosofosFilosofos
Filosofos
Antonio Justino
 
Aulas de filosofia
Aulas de filosofiaAulas de filosofia
Aulas de filosofia
Estude Mais
 
Pré socráticos
Pré socráticosPré socráticos
Pré socráticos
Gustavo Cuin
 
Aula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
Aula 04 e 05 - Os Pré-SocráticosAula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
Aula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
Claudio Henrique Ramos Sales
 
1 o nascimento da filosofia - dos pré-socráticos à aristóteles
1   o nascimento da filosofia - dos pré-socráticos à aristóteles1   o nascimento da filosofia - dos pré-socráticos à aristóteles
1 o nascimento da filosofia - dos pré-socráticos à aristóteles
Octavio Silvério de Souza Vieira Neto
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
Alison Nunes
 
O que e filosofia
O que e filosofiaO que e filosofia
O que e filosofia
Joao Carlos
 

Mais procurados (20)

Os Primeiros Filósofos e o Conhecimento - João Luís
Os Primeiros Filósofos e o Conhecimento - João Luís Os Primeiros Filósofos e o Conhecimento - João Luís
Os Primeiros Filósofos e o Conhecimento - João Luís
 
Filosofia: Areas da filosofia estudos
Filosofia: Areas da filosofia estudos Filosofia: Areas da filosofia estudos
Filosofia: Areas da filosofia estudos
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Origem da Filosofia
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Origem da FilosofiaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Origem da Filosofia
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Origem da Filosofia
 
Introdu filosofia-slide
Introdu filosofia-slideIntrodu filosofia-slide
Introdu filosofia-slide
 
Filosofia grega
Filosofia gregaFilosofia grega
Filosofia grega
 
Capitulo 12. buscando a verdade
Capitulo 12. buscando a verdadeCapitulo 12. buscando a verdade
Capitulo 12. buscando a verdade
 
Filosofia clássica 2
Filosofia clássica 2Filosofia clássica 2
Filosofia clássica 2
 
Resumo FILOSOFIA
Resumo FILOSOFIAResumo FILOSOFIA
Resumo FILOSOFIA
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
História da Filosofia em Períodos
História da Filosofia em PeríodosHistória da Filosofia em Períodos
História da Filosofia em Períodos
 
Slide a origem da filosofia
Slide a origem da filosofiaSlide a origem da filosofia
Slide a origem da filosofia
 
Filosofia inutil util
Filosofia inutil utilFilosofia inutil util
Filosofia inutil util
 
Apresentação de Filosofia
Apresentação de FilosofiaApresentação de Filosofia
Apresentação de Filosofia
 
Filosofos
FilosofosFilosofos
Filosofos
 
Aulas de filosofia
Aulas de filosofiaAulas de filosofia
Aulas de filosofia
 
Pré socráticos
Pré socráticosPré socráticos
Pré socráticos
 
Aula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
Aula 04 e 05 - Os Pré-SocráticosAula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
Aula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
 
1 o nascimento da filosofia - dos pré-socráticos à aristóteles
1   o nascimento da filosofia - dos pré-socráticos à aristóteles1   o nascimento da filosofia - dos pré-socráticos à aristóteles
1 o nascimento da filosofia - dos pré-socráticos à aristóteles
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
 
O que e filosofia
O que e filosofiaO que e filosofia
O que e filosofia
 

Semelhante a Aula de filosofia

Período Sistemático
Período Sistemático Período Sistemático
Período Sistemático
Juliana Corvino de Araújo
 
1 aula - fil. impressão.pptx
1 aula - fil. impressão.pptx1 aula - fil. impressão.pptx
1 aula - fil. impressão.pptx
josuelsilva19
 
Aula 01 mitologia e filosofia
Aula 01   mitologia e filosofiaAula 01   mitologia e filosofia
Aula 01 mitologia e filosofia
Jocélio Lima
 
Aula 01 - Origens da Filosofia
Aula 01 - Origens da FilosofiaAula 01 - Origens da Filosofia
Aula 01 - Origens da Filosofia
William Ananias
 
Filosofia suple
Filosofia supleFilosofia suple
Filosofia suple
Allan Almeida de Araújo
 
Filo 24
Filo 24Filo 24
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Altair Moisés Aguilar
 
Periodos da filosofia
Periodos da filosofiaPeriodos da filosofia
Periodos da filosofia
Raquel Carvalheiro
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
Professor Sypriano
 
Período Sistemático - novo
Período Sistemático - novoPeríodo Sistemático - novo
Período Sistemático - novo
Juliana Corvino de Araújo
 
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição HumanaEvolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Iuri Guedes
 
1. o que é filosofia
1. o que é filosofia1. o que é filosofia
1. o que é filosofia
Tiago Kestering Pereira
 
Captulo13 Em busca da Verdade
Captulo13 Em busca da VerdadeCaptulo13 Em busca da Verdade
Captulo13 Em busca da Verdade
Marcos Mororó
 
Aula 2 teoria do conhecimento
Aula 2 teoria do conhecimentoAula 2 teoria do conhecimento
Aula 2 teoria do conhecimento
Anna Luiza Coli
 
5.0 PERÍODOS E CAMPOS DA INVESTIGAÇÃO GREGA.ppt
5.0 PERÍODOS E CAMPOS DA INVESTIGAÇÃO GREGA.ppt5.0 PERÍODOS E CAMPOS DA INVESTIGAÇÃO GREGA.ppt
5.0 PERÍODOS E CAMPOS DA INVESTIGAÇÃO GREGA.ppt
Silvio Gomes
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
Mary Alvarenga
 
O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!
Lu Rebordosa
 
2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx
FlavioCandido8
 
Filosofia antiga
Filosofia antigaFilosofia antiga
Filosofia antiga
superuzer
 
Aula 04 filosofia clássicos gregos - iii
Aula 04   filosofia clássicos gregos - iiiAula 04   filosofia clássicos gregos - iii
Aula 04 filosofia clássicos gregos - iii
Elizeu Nascimento Silva
 

Semelhante a Aula de filosofia (20)

Período Sistemático
Período Sistemático Período Sistemático
Período Sistemático
 
1 aula - fil. impressão.pptx
1 aula - fil. impressão.pptx1 aula - fil. impressão.pptx
1 aula - fil. impressão.pptx
 
Aula 01 mitologia e filosofia
Aula 01   mitologia e filosofiaAula 01   mitologia e filosofia
Aula 01 mitologia e filosofia
 
Aula 01 - Origens da Filosofia
Aula 01 - Origens da FilosofiaAula 01 - Origens da Filosofia
Aula 01 - Origens da Filosofia
 
Filosofia suple
Filosofia supleFilosofia suple
Filosofia suple
 
Filo 24
Filo 24Filo 24
Filo 24
 
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
 
Periodos da filosofia
Periodos da filosofiaPeriodos da filosofia
Periodos da filosofia
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
 
Período Sistemático - novo
Período Sistemático - novoPeríodo Sistemático - novo
Período Sistemático - novo
 
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição HumanaEvolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
 
1. o que é filosofia
1. o que é filosofia1. o que é filosofia
1. o que é filosofia
 
Captulo13 Em busca da Verdade
Captulo13 Em busca da VerdadeCaptulo13 Em busca da Verdade
Captulo13 Em busca da Verdade
 
Aula 2 teoria do conhecimento
Aula 2 teoria do conhecimentoAula 2 teoria do conhecimento
Aula 2 teoria do conhecimento
 
5.0 PERÍODOS E CAMPOS DA INVESTIGAÇÃO GREGA.ppt
5.0 PERÍODOS E CAMPOS DA INVESTIGAÇÃO GREGA.ppt5.0 PERÍODOS E CAMPOS DA INVESTIGAÇÃO GREGA.ppt
5.0 PERÍODOS E CAMPOS DA INVESTIGAÇÃO GREGA.ppt
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
 
O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!
 
2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx
 
Filosofia antiga
Filosofia antigaFilosofia antiga
Filosofia antiga
 
Aula 04 filosofia clássicos gregos - iii
Aula 04   filosofia clássicos gregos - iiiAula 04   filosofia clássicos gregos - iii
Aula 04 filosofia clássicos gregos - iii
 

Aula de filosofia

  • 1. FILOSOFIA ANTIGAFILOSOFIA ANTIGA Compreende os quatro grandes períodos da filosofia grega, indo dos pré-socráticos aos grandes sistemas do período helenístico.
  • 2. • Período Pré-socrático Grécia clássica ou: • Período antroPolóGico • sistemático • Helenístico
  • 3. A filosofia é um saber específico e tem uma história que já dura mais de 2.500 anos. A filosofia nasceu na Grécia Antiga - costumamos dizer - com os primeiros filósofos, chamados pré-socráticos. Mas a filosofia não é compreendida hoje apenas como um saber específico, mas também como uma atitude em relação ao conhecimento, o que faz com que seus temas, seus conceitos e suas descobertas sejam constantemente retomados.
  • 4. Período pré-socrático ou cosmológicoPeríodo pré-socrático ou cosmológico Do fim do século VII ao fim do século V a.C., quando a filosofia se ocupa fundamentalmente com a origem do mundo e as causas das transformações na natureza. • Objeto de investigação: Physis. Conceitos básicos: Arché – Força que governa a Physis. Devir ou movimento – Transformação dos seres perecíveis.
  • 5. Os principais filósofos pré-socráticos (e suas escolas) foram: Escola Jônica: Tales de Mileto, Anaxímenes de Mileto, Anaximandro de Mileto e Heráclito de Éfeso. Escola Itálica: Pitágoras de Samos, Filolau de Crotona e Árquitas de Tarento Escola Eleata: Xenófanes, Parmênides de Eléia, Zenão de Eléia e Melisso de Samos. Escola da Pluralidade: Empédocles de Agrigento, Anaxágoras de Clazômena, Leucipo de Abdera e Demócrito de Abdera.
  • 6. ArchéArché – Princípio de ordem. Nada vem do– Princípio de ordem. Nada vem do chaoschaos.. Tudo na natureza está em devir, em movimento.Tudo na natureza está em devir, em movimento. Como essas transformações não levam à desordemComo essas transformações não levam à desordem há um princípio de ordem que governa todas ashá um princípio de ordem que governa todas as coisas. Uma força que governa a physis; a ordemcoisas. Uma força que governa a physis; a ordem do devir. Uma causa de todas as demais causas.do devir. Uma causa de todas as demais causas. Tales de Mileto disse que a arché era a água. Anaximandro; ápeiron, algo que é ilimitado e diferente de todas as coisas Anaxímenes; Pneuma...o ar Heráclito disse que era o fogo como um descordo e transformação das coisas em outras, devir constante. Anaxágoras; Nous... Segundo o filósofo, o Nous atua sobre uma mistura inicial formada de sementes que contém uma mistura de cada coisa. Demócrito; átomos... Empédocles; terra, ar, fogo e água...
  • 7. A história da filosofia na Antigüidade tambémA história da filosofia na Antigüidade também pode ser dividida em três grandes períodos: opode ser dividida em três grandes períodos: o período pré-socrático, a Grécia clássica e aperíodo pré-socrático, a Grécia clássica e a época helenística.época helenística. • O período clássico também pode ser dividido em dois (antropológico e sistemático). • O sistemático é uma reorganização de conhecimentos. Tudo pode ser objeto de conhecimento desde que as leis do pensamento e de suas demonstrações estejam firmemente estabelecidas para oferecer critérios de verdade e da ciência. Aristóteles de Estagira apresenta uma verdadeira enciclopédia de todo o saber!!!
  • 8. Período antropológicoPeríodo antropológico Antropológico – Sócrates, Platão, Aristóteles de um lado... Sofistas de outro. Sócrates defendia uma filosofia baseada na ironia e maiêutica. Buscava a verdade e conceitos que fossem úteis para o cidadão. Buscava o autoconhecimento. Os sofistas eram relativistas e céticos. Para eles, não havia possibilidade de se filosofar buscando conceitos universais. Tudo era subjetivo e segundo o ponto de vista de cada um.
  • 9. No período antropológico havia duas escolasNo período antropológico havia duas escolas ou linhas de pensamento:ou linhas de pensamento: Sócrates/ Platão: Buscavam o conhecimento verdadeiro. Epísteme, aletheia, a verdade, virtude etc. Ideias e não opiniões!!! Ironia, maiêutica e Dialética. Sofistas: (Górgias de Leontini, Protágoras de Abdera e Isócrates de Atenas) Defendiam qualquer ideia desde que ela fosse vantajosa. Mestres da oratória e retórica. Arte da persuasão! Ensinavam a defender a posição ou opinião A, depois a posição ou opinião contrária, não-A, de modo que, numa assembléia, soubessem ter fortes argumentos a favor ou contra uma opinião e ganhassem a discussão.
  • 10. “O homem é a medida de todas as coisas”... O que isso significa?
  • 11. • Relativismo Os sofistas mais famosos foram Protágoras (480-411 a.C.) e Górgias (485-380 a.C.). Para eles não existem verdades imutáveis, válidas para todo o sempre. Muito do que acreditávamos ser certo no passado, hoje sabemos que é falso, e nada garante que no futuro não venha a acontecer o mesmo. O melhor que podemos almejar é construir um consenso provisório sobre o que é certo para maioria, aqui e agora. A posição dos sofistas é chamada de relativismo, por considerar que não existem verdades absolutas, mas apenas verdades relativas que mudam com o passar do tempo e de uma cultura para outra. Daí a necessidade de sempre refazermos o consenso democrático sobre os problemas que nos afetam e reformar as leis de nossa sociedade.
  • 12. Platão e sua metafísica: Há dois mundos:Mundo inteligível e mundo sensível. Todas as coisas tem uma origem em um mundo superior: Mundo das ideias ou mundo transcendente, das ideias transcendentes, puras, dos conceitos verdadeiros...
  • 13. Como podemos conhecer a essência doComo podemos conhecer a essência do Ser?Ser? Platão distingue quatro formas ou graus de conhecimento: Crença, opinião, raciocínio e intuição intelectual.
  • 14. A crença é nossa confiança no conhecimento sensorial: cremos que as coisas são tal como as percebemos em nossas sensações. A opinião é nossa aceitação do que nos ensinaram sobre as coisas ou o que delas pensamos conforme nossas sensações e lembranças.
  • 15. O raciocínio treina e exercita o nosso pensamento, purifica-o das sensações e opiniões e o prepara para a intuição intelectual, que conhece a essência das coisas, ou o que Platão denomina de ideia. As ideias são a realidade verdadeira e conhece-las é ter o conhecimento verdadeiro.
  • 17. Aristóteles e sua metafísica: Não há um outro mundo além deste nosso. A realidade é única!Todas as coisas são elas mesmas! As formas são imanentes e não transcendentes às coisas. Como podemos pensar o Ser ou as coisas existentes e seus movimentos (mudanças)?
  • 18. Ele quis dizer que a essência de uma mesa sensível estaria nela mesma e não no mundo inteligível, como ideia de mesa. Chamava a essência (ousía) de substancia definida como um sínolo, isto é, um composto de matéria e forma. Por isso valorizava a sensação e a experiência como etapas do conhecimento. *Toda matéria correspondia à potencia *Toda forma correspondia ao ato (atualização de uma potência)
  • 19. Exemplos: O adulto era a atualização da potência de uma criança. • Matéria - potência (ou potencialidade) • Forma - ato (ou atualização) Aristóteles previa uma ciência para cada substancia distinta e a Metafísica para tratar da substancia em geral, nos aspectos universais. Caberia a ela demonstrar, por exemplo, que tudo possui quatro causas – em grego essa palavra significa o que e como as coisas são, por que e para que elas existem.
  • 20. Vejamos o caso da substância “mesa”: • Causa material – elemento que a constitui (madeira) • Causa formal – forma que ela apresenta (mesa) • Causa eficiente – o que a gerou pelo movimento (marceneiro) • Causa final – sua finalidade (apoiar objetos)
  • 21. Embora Aristóteles não seja materialista (vimos que a forma não é a matéria), sua explicação do mundo é mundana, está no próprio mundo. Finalmente, para o filósofo, a essência de qualquer objeto é a sua função. Diz ele que, se o olho tivesse uma alma, esta seria o olhar; se um machado tivesse uma alma, esta seria o cortar. Entendendo isso, entendemos as coisas.
  • 22. Substância: Sócrates (espécie: homem – gênero: animal) Qualidade: mortal Quantidade: pequeno Relação: menor que Platão Lugar: esteve em Atenas Tempo: viveu antes de Aristóteles Posição: está sentado Posse: tem uma túnica Ação: praticava a maiêutica Paixão: sofreu condenação A substância primeira (indivíduos) – Tais predicados podem ser acidentais A substância segunda (suas espécies e gêneros) – Só podem ser essenciais.
  • 23. Aristóteles distinguiu sete formas de conhecimento: Sensação, percepção, imaginação, memória, linguagem, raciocínio e intuição.
  • 24. Devemos a Aristóteles a primeira grande classificação dos campos da atividade filosófica ao distinguir e classificar todos os saberes humanos (cuja totalidade é a filosofia). Critério para a distinção dos campos do saber: ação e contemplação. Campos do saber: Ciências produtivas, práticas, teoréticas ou contemplativas
  • 25. Ciências produtivas: ciências que estudam as praticas produtivas ou as técnicas, isto é, as ações humanas cuja finalidade está para além da própria ação, pois a finalidade é a produção de um objeto, de uma obra. São elas: arquitetura, economia, medicina, pintura, escultura, poesia, teatro, oratória, arte da guerra, da caca, da navegação, etc.
  • 26. Ciências praticas: Ciências que estudam as práticas humanas como ações que tem nelas mesmas seu próprio fim, isto é, a finalidade da ação é ela mesma, e não há uma distinção entre o agente e o ato que ele realiza. Ciências teoréticas:Classificou as teoréticas pro graus de superioridade, indo da mais inferior à superior. 1- ciências das coisas naturais submetidas à mudança ou ao devir:física, biologia, meteorologia, psicologia (psyché).
  • 27. 2- ciências das coisas naturais que não estão submetidas à mudança ou ao devir: as matemáticas e a astronomia. 3- ciência da realidade pura. Filosofia primeira ou metafísica. 4- ciência das coisas divinas (Deus é théos, as coisas divinas~são chamadas de theion)
  • 28. Platão apontando para cima... O mundo inteligível, das ideias transcendentes. Aristóteles apontando para baixo: mundo sensível imanente.
  • 29. Período HelenísticoPeríodo Helenístico Continuidade das escolas platônicas (Academia) e aristotélicas (Liceu), dirigida respectivamente, por discípulos dos dois grandes mestres; Platão e Aristóteles. Crise da pólis – Filósofos cidadãos do mundo Filosofias da vida – Conjunto de princípios para guiar a vida prática. Cínicos, estóicos, epicuristas, etc. O propósito da filosofia para Epicuro era atingir a felicidade, estado caracterizado pela aponia, a ausência de dor (física) e ataraxia ou imperturbabilidade da alma. Zenao de Cítio (estóico), austeridade física e moral frente aos sofrimentos e males do mundo. O Cinismo foi uma corrente filosófica fundada por um discípulo de Sócrates, chamado Antístenes, e cujo maior nome foi Diógenes de Sínope, por volta de 400 a.C., que pregava essencialmente o desapego aos bens materiais e externos. Pirro de Élis: filósofo grego criador do ceticismo