SlideShare uma empresa Scribd logo
CURSO: MBA EM FINANÇAS E CONTROLADORIA
MÓDULO: SISTEMA FINANCEIRO
PROFESSOR: PAULO MARQUES
“Existem diversas maneiras de investir e diversos tipos de
mercados. Quando um investimento não da retorno, precisamos
mudar nossa estratégia de investir. Se mesmo mudando a
estratégia de investimento o retorno não vier, não mude de
investimento, mude de mercado”
EDNILSON EMMANOEL CINTRA
MERCADO DE
RENDA
VARIÁVEL
2
O que é Renda
Variável?
São investimentos que
não possibilitam ao
investidor saber o
ganho de capital no
inicio da operação, e
podem variar
positivamente ou
negativamente de
acordo com situações
adversas no mercado.
O que é uma ação?
São títulos que o investidor adquire e são representativos
de uma fração do capital social de uma empresa S.A..
Capital Social
Ações são fragmentos do capital
social e quem as possuem são
chamados de acionistas.
3
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
4
Renda Variável
É a menor Fração do Capital Social de uma empresa S.A., são títulos
nominativos, negociáveis, um título de propriedade. Ao comprar
uma ação, o investidor se torna acionista, sócio de uma empresa,
em outras palavras passa a ser uns dos donos da companhia. E
conforme a empresa vai crescendo seu capital, irá aumentar o lucro
do investidor.
Empresa
Contrata uma Instituição Financeira
para realizar a oferta pública de
suas ações
Instituição
Financeira
Definem os critérios para emissão
de Ações:Auditoria, Garantias,
Prospecto e Envio de
Documentação a CVM
Empresa divide seu capital em 50%
de ações do tipo ON e 50% em
PN.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
5
Renda Variável
Empresa
Contrata uma Instituição Financeira
para realizar a oferta pública de
suas ações
Instituição
Financeira
Definem os critérios para emissão
de Ações:Auditoria, Garantias,
Prospecto e Envio de
Documentação a CVM
Empresa divide seu capital em 50%
de ações do tipo ON e 50% em
PN.
Aprovação da CVM
As ordens de compra são emitidas
pelo Investidor através do Home
broke
Investidor
As CTVM e DTVM podem negociar
suas ações no mercado primário
(OPA ou IPO).
Corretoras e
Distribuidoras Dinheiro capitado vai
para a empresa
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
6
Renda Variável
Aprovação da CVM
As ordens de compra são emitidas
pelo Investidor através do
Homebroke
Investidor
As CTVM e DTVM podem negociar
suas ações no mercado primário
(OPA ou IPO).
Corretoras e
Distribuidoras Dinheiro capitado vai
para a empresa
Investidor
Passa a ser acionista (dono) da
empresa s.a. e passa a ter direitos e
deveres.
Passa a ter direitos de receber
dividendos, bonificações, participar
de subscrições e remunerações de
seu capital.
Pode também realizar lucro
vendendo suas ações no mercado
secundário (Ganho de Capital).
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
7
Renda Variável
Investidor
Passa a ser acionista (dono) da
empresa s.a. e passa a ter direitos e
deveres.
Passa a ter direitos de receber
dividendos, bonificações, participar
de subscrições e remunerações de
seu capital.
Pode também realizar lucro
vendendo suas ações no mercado
secundário (Ganho de Capital).
Informações
Antes ou após o processo de
abertura de capital a empresa deve
informações ao mercado.
Antes o processo de abertura de
capital a empresa deve informações
ao mercado.
Após o processo as informações da empresa devem ser
divulgadas na bolsa de valores, site da corporação e
jornais.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
8
Mercado de RendaVariável
Segundo Fortuna (2011), com o
mercado de ações as empresas
financiam suas atividades, captam
recursos e transformam
investidores em acionistas.
9
Renda Variável
As ações podem ser divididas em dois tipos:
Ordinárias: Dão direito a voto aos acionistas nas assembleias
da companhia. Os acionistas que detiverem 50% das ações
ordinárias da organização são chamados de controladores.
São representadas pelo código 3. Exemplo Petr3, ações
ordinárias da Petrobras.
Preferenciais: Dão a Direito de preferência sobre o
recebimento de dividendos. Sendo representadas pelo código
4. Exemplo Petr4, Ações Preferenciais da Petrobras.
As ações preferenciais ainda podem ser divididas em classes,
estas possuem valores diferentes de dividendo ou proventos
especiais, essas classes são definidas: Em classe A, B, C e
assim por diante.
Ações de Classe A, são representadas pelos números 5,
Exemplo Vale5 – Ações preferenciais da Vale.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
10
Renda Variável
Preferenciais: Não possuem direito a voto de modo
geral, mas algumas condições permite que tenham,
uma delas é se a empresa passar 3 anos consecutivos
em prejuízo.
Importante:
Toda característica da oferta está descrita no
Prospecto de emissão:
• Quantidade a ser ofertada
• Instituições participantes
• Canais de distribuição
• Condições de Rateio
• Book Builnding
Direito ao recebimento de dividendo,
por ação preferencial, pelo menos 10%
(dez por cento) maior do que o
atribuído a cada ação ordinária
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
11
Book Building: ferramenta de intenções
de compra na internet.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
12
Home Broke: ferramenta disponibilizada para compra
e venda de ações.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL
Risco do Mercado Acionário
Risco de Mercado: É o risco com maior evidência, visto que o
preços das ações sofrem com maior influencia de
acontecimentos sistemáticos e não passiveis de diversificação.
Exemplo:
Um investidor comprou 1 lote de ações (100 ações) pelo valor
de R$ 56,00 cada, desembolsando R$ 5.600,00 no ato da
compra – 13/01/2011. Após, 6 meses a bolsa iniciou um ciclo
de fortes oscilações, tendendo a adentrar em um canal de
baixa (LTB). O valor de suas ações foi afetado e registrou um
preço de R$ 37,08 – 08/08/2011.
13
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
Risco do Mercado Acionário
14
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL
Risco do Mercado Acionário
Risco de Liquidez: Visível quando se negocia um ativo
e há dificuldades de negociação ou por não
encontrar comprador ou pela baixa quantidade de
negócios – small caps.
Exemplo:
Um investidor comprou 1 lote de ações (100 ações)
pelo valor de R$ 20,00 cada, desembolsando R$
2.000,00 no ato da compra. Após, 6 meses decidiu
vender, mas a melhor oferta foi R$ 15,00 por ação.
15
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
16
Formas de Ganho e Remuneração
Juros ao Capital
Essa modalidade foi criada para compensar o fim da
correção monetária dos balanços das empresas
através deste instrumento, a empresa fica liberada
para remunerar o capital do acionista pela TJLP –
Taxa de juros de longo Prazo.
Definida pelo Conselho Monetário Nacional e
divulgada a cada trimestre, neste caso incide sobre a
remuneração 15% de IR na fonte pela alíquota deve
ser paga pelo investidor.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
17
Formas de Ganho e Remuneração
Dividendos
No exercício de suas atividades, as companhias auferem
receita. É o que acontece, por exemplo, quando a
sociedade presta serviços ou vende produtos, recebendo
em contrapartida o valor correspondente. Ao longo de
um ano, ou exercício social, estas receitas vão se
acumulando e, ao final do período, a companhia deve
verificar qual o total das receitas auferidas e diminuí-las
do total das despesas incorridas e outros ajustes
impostos pela legislação societária e fiscal, obtendo o
denominado “resultado do exercício”.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
18
Formas de Ganho e Remuneração
Dividendos
A Lei das S.A. determina que, do resultado do
exercício, deverão ser deduzidos os prejuízos
acumulados em exercícios anteriores, constituída
uma provisão para pagamento do imposto de renda,
participações estatutárias de empregados e
administradores, além de outras deduções
determinadas ou permitidas pela legislação. O valor
que encontramos após estas operações denomina-se
“lucro líquido”.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
19
Formas de Ganho e Remuneração
Dividendos
Segundo a Lei 6.404/76, os acionistas têm direito a
receber como dividendo uma parcela dos lucros
obtidos pela sociedade em cada exercício social. É
chamada de “Dividendo Obrigatório” a menor
porcentagem do lucro que deve ser distribuída como
dividendos.
A decisão sobre a destinação do lucro é tomada a
cada ano pela Assembleia Geral. Qualquer
porcentagem dos lucros poderá ser destinada aos
acionistas, contanto que esse valor seja maior ou
igual ao Dividendo Obrigatório.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
20
Formas de Ganho e Remuneração
Dividendos
Existem alguns mitos sobre qual o menor valor que o
estatuto pode definir para o dividendo obrigatório.
Com objetivo didático, podemos considerar três
situações, com a indicação do artigo da lei que
dispõe sobre cada caso:
Como regra geral, o estatuto pode definir como
dividendo obrigatório qualquer porcentagem do
lucro. Poderia ser definido, por exemplo, o valor de
1% (um por cento) do lucro (artigo 202, caput);
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
21
Formas de Ganho e Remuneração
Dividendos
No entanto, se o estatuto for omisso sobre este
assunto, o dividendo obrigatório será considerado
50% do lucro líquido ajustado (artigo 202, caput e
inciso I);
Se o estatuto for omisso e posteriormente a
Assembleia Geral decidir alterá-lo para estabelecer
um valor, o dividendo obrigatório não poderá ser
inferior a 25% do lucro líquido ajustado (artigo 202,
parágrafo segundo).
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
22
Formas de Ganho e Remuneração
Dividendos
No entanto, se o estatuto for omisso sobre este
assunto, o dividendo obrigatório será considerado
50% do lucro líquido ajustado (artigo 202, caput e
inciso I);
Se o estatuto for omisso e posteriormente a
Assembleia Geral decidir alterá-lo para estabelecer
um valor, o dividendo obrigatório não poderá ser
inferior a 25% do lucro líquido ajustado (artigo 202,
parágrafo segundo).
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
23
Prospecto
Prospecto é o documento elaborado pelo ofertante em
conjunto com a instituição líder da distribuição,
obrigatório nas ofertas públicas de distribuição de que
trata esta Instrução, e que contém informação completa,
precisa, verdadeira, atual, clara, objetiva e necessária,
em linguagem acessível, de modo que os investidores
possam formar criteriosamente a sua decisão de
investimento - Instrução CVM 400/03.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
24
Prospecto
Documento essencial em uma Oferta Pública, o
prospecto disponibiliza informações essenciais para que
o investidor entenda a proposta da companhia e tome
sua decisão de investimento. Entre outras, encontram-se
no prospecto as seguintes informações:
Perspectivas e planos da companhia;
Situação do mercado em que ela atua;
Os riscos do negócio;
O quadro administrativo da empresa.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
25
Prospecto
Documento essencial em uma Oferta Pública, o
prospecto disponibiliza informações essenciais para que
o investidor entenda a proposta da companhia e tome
sua decisão de investimento. Entre outras, encontram-se
no prospecto as seguintes informações:
Perspectivas e planos da companhia;
Situação do mercado em que ela atua;
Os riscos do negócio;
O quadro administrativo da empresa.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
26
Prospecto
Com o objetivo de padronizar os prospectos e facilitar sua
análise, existe uma estrutura pré-estabelecida para o
documento, que deve ser seguida pelos ofertantes tanto em
relação à forma quanto ao conteúdo. Em síntese, esse
documento contém dois grandes grupos de informações:
relativas ao emissor, cujo conteúdo provém do formulário de
referência, e relativas à oferta propriamente dita, sobre os
valores mobiliários oferecidos e as condições da oferta.
Uma seção muito importante do prospecto e que deve ser analisada com muita atenção pelos investidores é a
que trata sobre os “Fatores de Risco”. Nesta seção são explicitados os riscos relacionados ao valor mobiliário
ofertado, à companhia, ao ambiente econômico de uma forma geral e à própria oferta em questão.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
27
Tipos de Ordens de Negociações
Ordem a mercado
O investidor determina a quantidade e o código do
ativo a ser comprado.
Ordem Administrada
O investidor determina a quantidade e o código do
ativo a ser comprado, mas é a corretora que assume
a responsabilidade de compra e venda.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
28
Tipos de Ordens de Negociações
Ordem Limitada
O investidor determina o limite de preço da ordem.
Ordem On-Stop
O investidor programa os preços de entrada e saída
do papel.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
29
Tipos de Ordens de Negociações
Ordem On-Stop
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
30
Tipos de Ordens de Negociações
Ordem Casada
Compra/venda de um ativo vinculada a
compra/venda de outro ativo.
Ordem de Financiamento
Compra de um ativo e venda do mesmo ativo em
uma data futura, executada através de operações a
termo e opções.
Exemplo:
Compra de 1000 ações de PETR4 a termo 90 dias
Taxa do Financiador: 3% Preço a vista: R$ 35,00
(15/09) Preço a termo: R$ 36,05 (15/12)
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
31
Tipos de Ordens de Negociações
Ordem de Financiamento
Financiador compra a vista (R$35) e vende a prazo
(R$ 36,05) Preço após 30 dias: R$ 37,00 Comprador
vende a R$ 37 e liquida antecipadamente por
diferença Ganho do comprador: (R$ 37 – R$
36,05)*1000 = R$ 950 Ganho do vendedor: taxa de
3% ao mês.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
32
Operações à Vista
Ocorre quando o investidor compra através do home
broker ações e as vende em outro dia.
Tributação
Fonte:0,005%
IR: 15% (DARF)
O investidor recolhe o imposto em caso de alienações
superiores a 20 mil reais para PF, inferiores é isento.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
33
Operações Day Trade
Ocorre quando o investidor compra através do home
broker ações e as vende no mesmo dia.
Tributação
Fonte:1%
IR: 20% (DARF)
Aqui o investidor PF não possuí isenção de IR, como
no mercado à vista!
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
34
Índices de Bolsa de Valores
A carteira teórica de ativos do Ibovespa é composta de ações
e units de ações de companhias listadas na BM&FBOVESPA.
Para compor o Ibovespa, as ações e units de ações devem
atender aos seguintes critérios de inclusão:
Estar entre os ativos elegíveis que, no período de vigência das
3 (três) carteiras teóricas anteriores, em ordem decrescente
de Índice de Negociabilidade (IN), representem em conjunto
85% (oitenta e cinco por cento) do somatório total desses
indicadores.
Ter estado presente em, ao menos, 95% (noventa e cinco por
cento) dos pregões realizados no período de vigência das 3
(três) carteiras teórica anteriores.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
35
Índices de Bolsa de Valores
Ter participação em termos de volume financeiro
maior ou igual a 0,1% (zero vírgula um por cento), no
mercado a vista (lote-padrão), no período de vigência
das 3 (três) carteiras anteriores.
Não ser classificado como ativo penny stock, cujo
valor médio ponderado durante a vigência da
carteira teórica anterior ao rebalanceamento,
desconsiderando-se o último dia desse período,
tenha sido inferior a R$ 1,00 (um real).
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
36
Índices de Bolsa de Valores
Um ativo que tenha sido objeto de oferta pública realizada
durante o período de vigência das 3 (três) carteiras teóricas
anteriores ao rebalanceamento do índice poderá ser elegível,
mesmo sem estar listado todo o período, desde que a oferta
pública de distribuição de ações ou units tenha sido realizada
antes do rebalanceamento imediatamente anterior, e que o
ativo possua 95% (noventa e cinco por cento) de presença em
pregão desde o início de sua negociação.
Não podem ser incluídos na composição do Ibovespa
nenhuma BDR e nenhum ativo de companhia em recuperação
judicial ou extrajudicial, regime especial de administração
temporária, intervenção ou que sejam negociados em
qualquer outra situação especial de listagem.
Para que sua representatividade se mantenha ao longo do
tempo, a composição da carteira teórica do Ibovespa é
reavaliada a cada 4 (quatro) meses.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
37
Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE)
O ISE é uma ferramenta para análise comparativa da
performance das empresas listadas na B3 sob o aspecto
da sustentabilidade corporativa, baseada em eficiência
econômica, equilíbrio ambiental, justiça social e
governança corporativa. Também amplia o entendimento
sobre empresas e grupos comprometidos com a
sustentabilidade, diferenciando-os em termos de
qualidade, nível de compromisso com o desenvolvimento
sustentável, equidade, transparência e prestação de
contas, natureza do produto, além do desempenho
empresarial nas dimensões econômico-financeira, social,
ambiental e de mudanças climáticas.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
38
Índice Brasil (IBrX)
O índice IBrX será composto por 100 papéis escolhidos em uma
relação de ações classificadas em ordem decrescente por liquidez,
de acordo com seu índice de negociabilidade (medido nos últimos
doze meses), observados os demais critérios de inclusão descritos
abaixo.
Os critérios de inclusão de ações no Índice Brasil 100 são:
A ação deve estar presente entre as 100 (cem) melhores
classificadas quanto ao seu índice de negociabilidade, apurados nos
doze meses anteriores à reavaliação;
A ação deve ser negociada em pelo menos 70% dos
pregões ocorridos nos doze meses anteriores à formação da
carteira.
As companhias que estiverem sob regime de recuperação judicial,
processo falimentar, situação especial, ou ainda que estiverem
sujeitas a prolongado período de suspensão de negociação, não
poderão integrar o IBrX.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
39
Índice Brasil (IBrX)
A carteira teórica de ativos do IBrX 50 é composta de ações e units de
ações de companhias listadas na BM&FBOVESPA. Para compor o Índice
Brasil 50, as ações e units de ações devem atender aos seguintes critérios
de inclusão:
Estar entre os ativos elegíveis que, no período de vigência das 3 (três)
carteiras teóricas anteriores, em ordem decrescente de Índice de
Negociabilidade (IN), ocupem as 50 (cinquenta) primeiras posições.
Ter estado presente em, ao menos, 95% (noventa e cinco por cento) dos
pregões realizados no período de vigência das 3 (três) carteiras teórica
anteriores.
Não ser classificado como ativo penny stock, cujo valor médio ponderado
durante a vigência da carteira teórica anterior ao rebalanceamento,
desconsiderando-se o último dia desse período, tenha sido inferior a R$
1,00 (um real).
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
40
Índice de Ações com Governança Corporativa
Diferenciada (IGC)
O IGC é o resultado de uma carteira teórica de ativos,
elaborada de acordo com os critérios estabelecidos
nesta metodologia.
Os índices da B3 utilizam procedimentos e regras
constantes do Manual de Definições e
Procedimentos dos Índices da B3.
O objetivo do IGC é ser o indicador do desempenho
médio das cotações dos ativos de empresas listadas
no Novo Mercado ou nos Níveis 1 ou 2 da B3
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
41
Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC)
Os níveis diferenciados de governança corporativa são segmentos especiais de
listagem desenvolvidos com o objetivo de proporcionar um ambiente de
negociação que estimulasse, simultaneamente, o interesse dos investidores e
a valorização das companhias.
Companhia Nível 1 – Se comprometem, principalmente, com melhorias na
prestação de informações ao mercado e com a dispersão acionária. Tem como
obrigações adicionais a legislação:
Melhoria nas informações prestadas à CVM, a Bovespa e ao público em geral;
Realização de reuniões públicas com analistas e investidores, ao menos uma
vez por ano;
Apresentação de um calendário anual, do qual conste a programação dos
eventos corporativos, tais como Assembleia, divulgação de resultados etc.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
42
Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC)
Divulgação dos termos dos contratos formados entre a companhia e
partes relacionadas;
Divulgação, em bases mensais, das negociações de valores mobiliários
e derivativos de emissão da companhia por parte dos acionistas
controladores;
Manutenção em circulação de uma parcela mínima de ações,
representando 25% do capital social da companhia (free float);
Quando da realização de distribuições públicas de ações adoção de
mecanismos que favoreçam a dispersão do capital.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
43
Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC)
Companhia Nível 2 – Se comprometem a cumprir as regras aplicáveis
ao nível 1 e, adicionalmente, um conjunto mais amplo de práticas de
governança relativas aos direitos societários dos acionistas
minoritários.
Divulgação de demonstrações financeiras de acordo com padrões
internacionais IFRS ou US GAAP;
Conselho de Administração com mínimo de 5 membros e mandato
unificado de até 2 anos, permitida a reeleição. No mínimo, 20% dos
membros deverão ser conselheiros independentes;
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
44
Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC)
Direito de voto as ações preferenciais em algumas matérias, tais como,
transformação, incorporação, fusão ou cisão da companhia e
aprovação de contratos entre a companhia e empresas do mesmo
grupo sempre que, por força de disposição legal ou estatutária, sejam
deliberados em Assembleia geral;
Extensão para todos os acionistas detentores de ações ordinárias das
mesmas condições obtidas pelos controladores quando da venda do
controle da companhia e de, no mínimo, 80% deste valor para os
detentores de ações preferências (tag along);
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
45
Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC)
Realização de uma oferta pública de aquisição de todas as ações em
circulação, no mínimo, pelo valor econômico, nas hipóteses de
fechamento do capital ou cancelamento do registro de negociação
neste nível;
Adesão a Câmara de Arbitragem do Mercado para resolução de
conflitos societários.
Novo Mercado – Uma das principais mudanças exigidas é de que o
capital social da companhia seja composto somente por ações
ordinárias. Porém seguem as recomendações dos níveis 1 e 2 e mais:
Extensão para todos os acionistas das mesmas condições obtidas pelos
controladores quando da venda do controle da companhia;
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
46
Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC)
Novo Mercado
Extensão para todos os acionistas das mesmas condições obtidas pelos
controladores quando da venda do controle da companhia;
Cumprimento de regras de disclosere (transparência) em negociação
envolvendo ativos de emissão da companhia por parte de acionistas
controladores ou administradores da empresa;
Realização de uma oferta pública de aquisição de todas as ações em
circulação, no mínimo pelo valor econômico, nas hipóteses de
fechamento do capital ou cancelamento do registro de negociação no
Novo Mercado.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
47
Índice MidLarge Cap (MLCX)
O objetivo do MLCX é ser o indicador do desempenho médio das
cotações dos ativos de uma carteira composta pelas empresas de
maior capitalização.
No MLCX, os ativos são ponderados pelo valor de mercado do “free
float” (ativos que se encontram em circulação) da espécie
pertencente à carteira (ver Manual de Definições e Procedimentos
dos Índices da BM&FBOVESPA).
Estar entre os ativos elegíveis que, no período de vigência das 3
(três) carteiras anteriores, em ordem decrescente de Índice de
Negociabilidade (IN), representem em conjunto 99% (noventa e
nove por cento) do somatório total desses indicadores
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
48
Índice Small Cap – SMLL
O objetivo do SMLL é ser o indicador do
desempenho médio das cotações dos ativos de uma
carteira composta pelas empresas de menor
capitalização.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
49
Índices de bolsa de valores no exterior:
S&P 500
É composto por quinhentos ativos (ações) selecionados
devido ao seu tamanho de mercado, sua liquidez e sua
representação de grupo industrial. Cada ativo é ponderado de
valor de mercado, ou seja, o peso de cada ativo no índice é
proporcional à sua importância no mercado.
Os ativos do índice são negociados nas duas principais bolsas
norte-americanas: NYSE (New York Stock Exchange) e
NASDAQ.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
50
Índices de bolsa de valores no exterior:
Dow Jones
O Índice Dow Jones é um dos principais indicadores do mercado
norte-americano. Ele corresponde ao valor avaliado de trinta
grandes ações industriais, cujos negócios passam pela Bolsa de
Nova York. Grandes empresas como General Motors, Goodyear,
IBM e Exxon são os tipos de empresas que compõem este índice.
https://www.bussoladoinvestidor.com.br/teoria-de-dow/
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
51
Índices de bolsa de valores no exterior:
NASDAQ
National Association of Securities Dealers Automatic Quotation
System (Sistema Automatizado de Cotações da Associação Nacional
de Corretoras de Valores).
É um sistema computadorizado que oferece as cotações de preço
para valores imobiliários negociados no mercado de balcão, bem
como de várias ações registradas na Bolsa de Valores de Nova York.
Reune principalmente ações de empresas de alta tecnologia, dos
setores de biotecnologia, informática e internet.
As cotações da Nasdaq, cujo índice principal é o Nasdaq Composite
Index, são publicadas na seção de finanças da maioria dos jornais.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
INSTRUMENTOS DE
RENDAVARIÁVEL
Avaliação de Investimentos em Ações
Distinções entre Análise Técnica e Análise
Fundamentalista
Escola Gráfica - baseia-se em análise gráfica
com base nos preços e volumes em
pregões anteriores, acredita-se que os
preços das ações seguem tendências;
Escola Fundamentalista - baseia-se nos
resultados setoriais e específicos de cada
empresa, dentro do contexto da economia;
52
53
Avaliação de Investimentos em Ações – Análise Fundamentalista
Conceitos Gerais:
Valor Nominal (VN): é o valor convencionado para cada ação no
momento de sua emissão.
Valor Patrimonial (VPA): Os indicadores que vimos até agora foram
todos baseados ou lucros ou nas vendas. O Valor Patrimonial por
Ação (VPA), por sua vez, é um indicador baseado no patrimônio
líquido da empresa. O patrimônio líquido representa tudo que a
empresa possui, isto é, tudo que sobraria caso a empresa viesse a
ser liquidada. O VPA é dado pela seguinte fórmula - Valor
Patrimonial por Ação = Patrimônio Líquido / Número de Ações
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
54
Avaliação de Investimentos em Ações – Análise
Fundamentalista
Conceitos Gerais:
Valor de Mercado (VM): é o valor convencionado pelo
mercado, o valor que aceito para compra de uma ação.
Valor de Liquidação (VL): é o valor da ação em D+3
retiradas as custas de corretagem, emolumentos e
impostos.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
55
Avaliação de Investimentos em Ações – Análise Fundamentalista
Lucro por Ação – LPA
Umas das formas mais simples de começar avaliando uma empresa é
através de seus lucros. O lucro não é nada mais do que o dinheiro que
“sobra” depois da empresa pagar seus custos de produção. Para comparar
os lucros de empresas diferentes eles precisam ser de alguma forma
padronizados. A forma mais comum de fazer isso é através do Lucro por
Ação (LPA), dado pela fórmula a seguir:
Lucro por Ação = Lucro Total / Número de Ações
Geralmente usa-se o lucro dos últimos 12 meses, contudo, outras formas
de cálculo são possíveis como: lucro estimado do próximo ano, ou a média
de lucro de vários anos anteriores.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
56
Avaliação de Investimentos em Ações – Análise Fundamentalista
Índice Preço/Lucro – P/L
ma vez que o LPA por si só não nos diz nada é comum olhar a
relação entre o LPA e o preço da ação, o que é feito através do
Índice P/L. O índice de Preço por Lucro (P/L) é o mais básico e
provavelmente o mais conhecido e utilizado indicador
fundamentalista. Ele é dado pela seguinte fórmula:
P/L = Preço da Ação / LPA
O resultado representa, em teoria, o número de anos que leva para
o investidor receber seu investimento de volta. Por exemplo, se o
P/L foi 15 isso significa que levará 15 anos para os lucros da
empresa pagarem o seu atual preço de mercado.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
57
Análise Técnica – Candlestick
Estratégia surgiu no Japão com o samurai honorário Munehisa Homma (1724-
1803).
Munido de quatro informações (preço de abertura, preço de fechamento, preço
máximo e preço mínimo) sobre o movimento dos preços dos contratos de arroz no
dia anterior, Munehisa Homma desenhava diariamente um retângulo vertical –
figura muito semelhante ao formato de uma vela – que, em conjunto com as
figuras desenhadas nos dias anteriores, formavam um gráfico representativo do
movimento histórico dos preços negociados nas bolsas de arroz de Osaka.
Com o tempo, Munehisa Homma passou a perceber que, dependendo do formato
da “vela” que ele desenhava, os preços dos cupões movimentavam-se de
determinada maneira. Em outras situações, a combinação de dois ou mais tipos de
“vela”, determinavam a direção que o gráfico e, consequentemente, o preço dos
contratos de arroz iriam seguir.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
58
Análise Técnica – Candlestick
A partir da década de 1980, os gráficos que utilizavam desenhos de velas
(candles) para representar o movimento da variação dos preços de
determinado ativo ganharam fama internacional.
Os agora conhecidos Gráficos de Candlesticks foram trazidos ao ocidente
pelo americano Steve Nison, um famoso trader de ações de Wall Street,
que obteve grande sucesso ao aplicar a bem sucedida técnica japonesa de
trade no competitivo mercado de ações da bolsa de valores de Nova
Iorque (NYSE, na sigla em inglês).
Os padrões de candles ficaram famosos no mundo inteiro e passaram a ser
utilizados como um alarme antecipado de futuros movimentos de preços,
além de servirem como sinalizadores de suportes e resistências ou de
níveis de sobrecompra e sobrevenda de qualquer ativo.
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
59
Análise Técnica – Candlestick
Abertura
Fechamento
Preço Máximo
Preço Mínimo
Preço Máximo
Preço Mínimo
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
60
Análise Técnica – Triângulos
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
61
Análise Técnica – Ombro, Cabeça, Ombro
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
62
Análise Técnica – Retângulos
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
63
Análise Técnica – Suporte e Resistência
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
64
Análise Técnica – Engolfo Baixa
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
65
Análise Técnica – Engolfo Alta
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
66
Análise Técnica – Teoria de Dow
1) Os índices já descontam tudo
Para Charles Dow, os índices como o Dow Jones e o Ibovespa, já
refletem todo o consenso do mercado sobre o passado, o presente
e o futuro. Uma vez que o mercado é rápido e eficiente, qualquer
notícia já será rapidamente incorporada instantaneamente nos
movimentos dos preços, enquanto os índices conseguem agregar
todos estes movimentos.
Embora o mercado não possa prever catástrofes naturais e outros
acontecimentos, ele se ajusta rapidamente descontando estas
ocorrências e assimilando os efeitos sobre os preços.
INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
67
Análise Técnica – Teoria de Dow
2) O mercado tem 3 tendências
Dow considerava que uma tendência de alta ocorria quando
aumentos sucessivos no preço resultavam em picos e vales cada vez
mais elevados que os preços do movimento anterior. O contrário é
valido para uma tendência de baixa.
Esta definição resistiu as provações do tempo e é até hoje a base
principal da análise de tendências.
Entendida esta definição, a teoria de Dow defende que existe 3
tipos de tendência nos movimentos do preço, de acordo com sua
magnitude: primária, secundária e terciária. Estes movimentos
podem ser comparados aos movimentos do mar:
INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
68
Análise Técnica – Teoria de Dow
2) O mercado tem 3 tendências
 Tendência Primária = Maré (maior movimento do mar)
 Tendência Secundária = Ondas (formam-se com a subida ou descida da maré)
 Tendência Terciárias = Marolas (forma-se entre as ondas)
Assim como a tendência primária, é possível observar que a maré está
subindo ou descendo, quando se observa o ponto máximo da areia que o
mar vai atingindo em cada onda. Também é possível perceber quando a
maré parou de subir e começou a descer. A diferença é que enquanto a
maré no mar dura algumas horas, no mercado ela pode durar meses e até
anos.
INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
69
Análise Técnica – Teoria de Dow
2) O mercado tem 3 tendências
A tendência secundária pode durar de três semanas a até
três meses, funcionam como movimentos de correção e
podem retomar entre 1/3 e 2/3 do movimento
anterior. A tendência terciária, por sua vez, duraria
menos de três semanas e seriam pequenos movimentos
entorno de uma tendência secundária.
INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
70
Análise Técnica – Teoria de Dow
2) O mercado tem 3 tendências
INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
71
Análise Técnica – Teoria de Dow
3) Tendências primária têm 3 fases
Para Dow, as tendências principais (as primárias) são
compostas por 3 fases:
Fase de Acumulação é o melhor momento para comprar
um ativo, geralmente aproveitado pelos investidores
mais bem preparados. É o momento em que o mercado
já assimilou todas as informações ruins que estavam
mantendo a tendência de baixa, e começa a dar sinais de
reversão para uma tendência de alta.
INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
72
Análise Técnica – Teoria de Dow
3) Tendências primária têm 3 fases
Para Dow, as tendências principais (as primárias) são
compostas por 3 fases:
Fase de Participação Pública é o ponto onde a maior
parte dos investidores seguidores de tendência começam
a comprar o ativo. O preço engrena na tendência e
ocorrem rápidas altas significativas, enquanto o mercado
assimila as novas boas notícias.
INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
73
Análise Técnica – Teoria de Dow
3) Tendências primária têm 3 fases
Para Dow, as tendências principais (as primárias) são
compostas por 3 fases:
Fase de Distribuição, é quando os jornais começam a escrever
sobre o vigoroso aumento dos ganhos do ativo na bolsa de
valores, o volume de operações começa a aumentar e a
participação pública torna-se ainda maior. É neste momento
que o investidores que entraram no ativo na fase de
Acumulação começam a se desfazer de suas posições,
embolsando o lucro.
INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
74
Análise Técnica – Teoria de Dow
3) Tendências primária têm 3 fases
Para Dow, as tendências principais (as primárias) são
compostas por 3 fases:
Fase de Distribuição, é quando os jornais começam a escrever
sobre o vigoroso aumento dos ganhos do ativo na bolsa de
valores, o volume de operações começa a aumentar e a
participação pública torna-se ainda maior. É neste momento
que o investidores que entraram no ativo na fase de
Acumulação começam a se desfazer de suas posições,
embolsando o lucro.
INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
75
Análise Técnica – Teoria de Dow
3) Tendências primária têm 3 fases
INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
76
Análise Técnica
5) O volume deve confirmar a tendência
A teoria de Dow reconhece o Volume como um fator
secundário, porém importante para que novas
tendências de preço sejam confirmadas. Em suas
próprias palavras:
INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL
“O volume deve expandir ou crescer conforme na mesma
direção da tendência principal (primária).”
MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
77
Análise Técnica
6) Uma tendência irá ocorrer enquanto
não houverem sinais de
reversão
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BRUNI, Adriano, FAMÁ, Rubens. Matemática
financeira. 5ª ed. São Paulo, Atlas, 2014.
FORTUNA, Eduardo. Mercado financeiro: produtos e
serviços. 18ª ed. Rio de Janeiro, Qualliymark, 2011.
SOUZA, Alceu, CLEMENTE, ADEMIR. Decisões
financeiras e análise de investimentos: fundamentos
técnicas e aplicações. 4ª ed. São Paulo, Atlas,2001.
Pires, Cesaltina, Mercados e Investimentos
Financeiros. 3ª ed. Lisboa, Escolar, 2011.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
FORTUNA, Eduardo. Mercado financeiro: produtos e
serviços. 18ª ed. Rio de Janeiro, Qualliymark, 2011.
SOUZA, Alceu, CLEMENTE, ADEMIR. Decisões
financeiras e análise de investimentos: fundamentos
técnicas e aplicações. 4ª ed. São Paulo, Atlas,2001.
http://viverdeinvestimento.com/value-
investing/como-avaliar-acoes
https://lfg.jusbrasil.com.br/noticias/2026516/em-
que-consistem-o-valor-nominal-e-o-valor-
patrimonial-de-uma-acao-andrea-russar-rachel
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
https://www.treasy.com.br
http://www.investidor.gov.br/
http://www.b3.com.br/pt_br/
https://www.bussoladoinvestidor.com.br
https://www.msci.com/emerging-markets
https://www.investopedia.com/terms/d/dowjoneseurost
oxx50.asp
https://br.advfn.com/educacional/candlestick/historia-
dos-candles
https://blog.rico.com.vc/analise-fundamentalista
https://br.investing.com/news/latest-news

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 14 poupança, investimento e o sistema financeiro
Aula 14   poupança, investimento e o sistema financeiroAula 14   poupança, investimento e o sistema financeiro
Aula 14 poupança, investimento e o sistema financeiro
petecoslides
 
Mercado Financeiro Professor Danilo Pires
Mercado Financeiro Professor Danilo PiresMercado Financeiro Professor Danilo Pires
Mercado Financeiro Professor Danilo Pires
Danilo Pires
 
Administração financeira n3
Administração financeira n3Administração financeira n3
Administração financeira n3
Wanderleia Soares
 
Apostila resumão sobre sistema financeiro e mercado de capitais
Apostila   resumão sobre sistema financeiro e mercado de capitaisApostila   resumão sobre sistema financeiro e mercado de capitais
Apostila resumão sobre sistema financeiro e mercado de capitais
Paulocelso
 
Apostila 01 sistema financeiro nacional
Apostila 01   sistema financeiro nacionalApostila 01   sistema financeiro nacional
Apostila 01 sistema financeiro nacional
zeramento contabil
 
Bolsa de Valores e mercado financeiro professor danilo pires
Bolsa de Valores e mercado financeiro professor danilo piresBolsa de Valores e mercado financeiro professor danilo pires
Bolsa de Valores e mercado financeiro professor danilo pires
Danilo Pires
 
Aula 21 sistema financeiro e mercado de capitais(economia brasileira)
Aula 21  sistema financeiro e mercado de capitais(economia brasileira)Aula 21  sistema financeiro e mercado de capitais(economia brasileira)
Aula 21 sistema financeiro e mercado de capitais(economia brasileira)
petecoslides
 

Mais procurados (20)

Aula 14 poupança, investimento e o sistema financeiro
Aula 14   poupança, investimento e o sistema financeiroAula 14   poupança, investimento e o sistema financeiro
Aula 14 poupança, investimento e o sistema financeiro
 
Mercado Financeiro Professor Danilo Pires
Mercado Financeiro Professor Danilo PiresMercado Financeiro Professor Danilo Pires
Mercado Financeiro Professor Danilo Pires
 
Sfn
SfnSfn
Sfn
 
Apresentação instrumentos financeiros
Apresentação instrumentos financeirosApresentação instrumentos financeiros
Apresentação instrumentos financeiros
 
Introdução ao mercado de capitais
Introdução ao mercado de capitaisIntrodução ao mercado de capitais
Introdução ao mercado de capitais
 
Fundos de Investimento
Fundos de InvestimentoFundos de Investimento
Fundos de Investimento
 
O Sistema Financeiro Nacional - uma visão geral
O Sistema Financeiro Nacional - uma visão geralO Sistema Financeiro Nacional - uma visão geral
O Sistema Financeiro Nacional - uma visão geral
 
Administração financeira n3
Administração financeira n3Administração financeira n3
Administração financeira n3
 
Apostila resumão sobre sistema financeiro e mercado de capitais
Apostila   resumão sobre sistema financeiro e mercado de capitaisApostila   resumão sobre sistema financeiro e mercado de capitais
Apostila resumão sobre sistema financeiro e mercado de capitais
 
Investimentos financeiros
Investimentos financeirosInvestimentos financeiros
Investimentos financeiros
 
Mercado financeiro
Mercado financeiroMercado financeiro
Mercado financeiro
 
Conhecimetos Bancários - Parte II
Conhecimetos Bancários - Parte IIConhecimetos Bancários - Parte II
Conhecimetos Bancários - Parte II
 
Apostila 01 sistema financeiro nacional
Apostila 01   sistema financeiro nacionalApostila 01   sistema financeiro nacional
Apostila 01 sistema financeiro nacional
 
Bolsa de Valores e mercado financeiro professor danilo pires
Bolsa de Valores e mercado financeiro professor danilo piresBolsa de Valores e mercado financeiro professor danilo pires
Bolsa de Valores e mercado financeiro professor danilo pires
 
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
 
Tabela de Investimentos
Tabela de InvestimentosTabela de Investimentos
Tabela de Investimentos
 
Aula 21 sistema financeiro e mercado de capitais(economia brasileira)
Aula 21  sistema financeiro e mercado de capitais(economia brasileira)Aula 21  sistema financeiro e mercado de capitais(economia brasileira)
Aula 21 sistema financeiro e mercado de capitais(economia brasileira)
 
Introdução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasIntrodução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativas
 
Operações com Ações - Introdução a Bolsa de Valores
Operações com Ações - Introdução a Bolsa de ValoresOperações com Ações - Introdução a Bolsa de Valores
Operações com Ações - Introdução a Bolsa de Valores
 
Apostila de Mercado Financeiro v 210
Apostila de Mercado Financeiro v 210 Apostila de Mercado Financeiro v 210
Apostila de Mercado Financeiro v 210
 

Semelhante a Aula 3

Fundos de dividendos
Fundos de dividendosFundos de dividendos
Fundos de dividendos
Grupo Shield
 
Faq perguntas e respostas
Faq   perguntas e respostasFaq   perguntas e respostas
Faq perguntas e respostas
Grupo Shield
 
Módulo de mercado de capitais bolsas de valores e mercado de balção
Módulo de mercado de capitais  bolsas de valores e mercado de balçãoMódulo de mercado de capitais  bolsas de valores e mercado de balção
Módulo de mercado de capitais bolsas de valores e mercado de balção
Érica Rabelo
 

Semelhante a Aula 3 (20)

Ebook Guia de Aplicação em Fundos de Investimento
Ebook Guia de Aplicação em Fundos de InvestimentoEbook Guia de Aplicação em Fundos de Investimento
Ebook Guia de Aplicação em Fundos de Investimento
 
O que são ações
O que são açõesO que são ações
O que são ações
 
Bolsa de valores
Bolsa de valoresBolsa de valores
Bolsa de valores
 
Fundos de dividendos
Fundos de dividendosFundos de dividendos
Fundos de dividendos
 
Slides de aula - módulo 4.pdf
Slides de aula - módulo 4.pdfSlides de aula - módulo 4.pdf
Slides de aula - módulo 4.pdf
 
Faq perguntas e respostas
Faq   perguntas e respostasFaq   perguntas e respostas
Faq perguntas e respostas
 
Como investir em ações
Como investir em açõesComo investir em ações
Como investir em ações
 
Solidus Educacional
Solidus EducacionalSolidus Educacional
Solidus Educacional
 
Economia para executivos - Aula 6
Economia para executivos - Aula 6Economia para executivos - Aula 6
Economia para executivos - Aula 6
 
Como investir-na-bolsa-de-valores
Como investir-na-bolsa-de-valoresComo investir-na-bolsa-de-valores
Como investir-na-bolsa-de-valores
 
O que você precisa saber para investir em Renda Variável !
O que você precisa saber para investir em Renda Variável ! O que você precisa saber para investir em Renda Variável !
O que você precisa saber para investir em Renda Variável !
 
219235852 atps-analise-de-investimento
219235852 atps-analise-de-investimento219235852 atps-analise-de-investimento
219235852 atps-analise-de-investimento
 
Uma storytelling para começar a investir na bolsa
Uma storytelling para começar a investir na bolsaUma storytelling para começar a investir na bolsa
Uma storytelling para começar a investir na bolsa
 
Módulo de mercado de capitais bolsas de valores e mercado de balção
Módulo de mercado de capitais  bolsas de valores e mercado de balçãoMódulo de mercado de capitais  bolsas de valores e mercado de balção
Módulo de mercado de capitais bolsas de valores e mercado de balção
 
Ebook apreenda como_investir_em_dividendos
Ebook apreenda como_investir_em_dividendosEbook apreenda como_investir_em_dividendos
Ebook apreenda como_investir_em_dividendos
 
Literacia financeira digital
Literacia financeira digitalLiteracia financeira digital
Literacia financeira digital
 
Tesouro Direto.pdf
Tesouro Direto.pdfTesouro Direto.pdf
Tesouro Direto.pdf
 
Expomoney - Introdução ao mercado de ações
Expomoney - Introdução ao mercado de açõesExpomoney - Introdução ao mercado de ações
Expomoney - Introdução ao mercado de ações
 
Financiamento via capitalização ipo
Financiamento via capitalização   ipoFinanciamento via capitalização   ipo
Financiamento via capitalização ipo
 
Economia Empresarial - Slides - Prof. André Paes
Economia Empresarial - Slides - Prof. André PaesEconomia Empresarial - Slides - Prof. André Paes
Economia Empresarial - Slides - Prof. André Paes
 

Aula 3

  • 1. CURSO: MBA EM FINANÇAS E CONTROLADORIA MÓDULO: SISTEMA FINANCEIRO PROFESSOR: PAULO MARQUES “Existem diversas maneiras de investir e diversos tipos de mercados. Quando um investimento não da retorno, precisamos mudar nossa estratégia de investir. Se mesmo mudando a estratégia de investimento o retorno não vier, não mude de investimento, mude de mercado” EDNILSON EMMANOEL CINTRA
  • 2. MERCADO DE RENDA VARIÁVEL 2 O que é Renda Variável? São investimentos que não possibilitam ao investidor saber o ganho de capital no inicio da operação, e podem variar positivamente ou negativamente de acordo com situações adversas no mercado.
  • 3. O que é uma ação? São títulos que o investidor adquire e são representativos de uma fração do capital social de uma empresa S.A.. Capital Social Ações são fragmentos do capital social e quem as possuem são chamados de acionistas. 3 MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 4. 4 Renda Variável É a menor Fração do Capital Social de uma empresa S.A., são títulos nominativos, negociáveis, um título de propriedade. Ao comprar uma ação, o investidor se torna acionista, sócio de uma empresa, em outras palavras passa a ser uns dos donos da companhia. E conforme a empresa vai crescendo seu capital, irá aumentar o lucro do investidor. Empresa Contrata uma Instituição Financeira para realizar a oferta pública de suas ações Instituição Financeira Definem os critérios para emissão de Ações:Auditoria, Garantias, Prospecto e Envio de Documentação a CVM Empresa divide seu capital em 50% de ações do tipo ON e 50% em PN. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 5. 5 Renda Variável Empresa Contrata uma Instituição Financeira para realizar a oferta pública de suas ações Instituição Financeira Definem os critérios para emissão de Ações:Auditoria, Garantias, Prospecto e Envio de Documentação a CVM Empresa divide seu capital em 50% de ações do tipo ON e 50% em PN. Aprovação da CVM As ordens de compra são emitidas pelo Investidor através do Home broke Investidor As CTVM e DTVM podem negociar suas ações no mercado primário (OPA ou IPO). Corretoras e Distribuidoras Dinheiro capitado vai para a empresa MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 6. 6 Renda Variável Aprovação da CVM As ordens de compra são emitidas pelo Investidor através do Homebroke Investidor As CTVM e DTVM podem negociar suas ações no mercado primário (OPA ou IPO). Corretoras e Distribuidoras Dinheiro capitado vai para a empresa Investidor Passa a ser acionista (dono) da empresa s.a. e passa a ter direitos e deveres. Passa a ter direitos de receber dividendos, bonificações, participar de subscrições e remunerações de seu capital. Pode também realizar lucro vendendo suas ações no mercado secundário (Ganho de Capital). MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 7. 7 Renda Variável Investidor Passa a ser acionista (dono) da empresa s.a. e passa a ter direitos e deveres. Passa a ter direitos de receber dividendos, bonificações, participar de subscrições e remunerações de seu capital. Pode também realizar lucro vendendo suas ações no mercado secundário (Ganho de Capital). Informações Antes ou após o processo de abertura de capital a empresa deve informações ao mercado. Antes o processo de abertura de capital a empresa deve informações ao mercado. Após o processo as informações da empresa devem ser divulgadas na bolsa de valores, site da corporação e jornais. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 8. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL 8 Mercado de RendaVariável Segundo Fortuna (2011), com o mercado de ações as empresas financiam suas atividades, captam recursos e transformam investidores em acionistas.
  • 9. 9 Renda Variável As ações podem ser divididas em dois tipos: Ordinárias: Dão direito a voto aos acionistas nas assembleias da companhia. Os acionistas que detiverem 50% das ações ordinárias da organização são chamados de controladores. São representadas pelo código 3. Exemplo Petr3, ações ordinárias da Petrobras. Preferenciais: Dão a Direito de preferência sobre o recebimento de dividendos. Sendo representadas pelo código 4. Exemplo Petr4, Ações Preferenciais da Petrobras. As ações preferenciais ainda podem ser divididas em classes, estas possuem valores diferentes de dividendo ou proventos especiais, essas classes são definidas: Em classe A, B, C e assim por diante. Ações de Classe A, são representadas pelos números 5, Exemplo Vale5 – Ações preferenciais da Vale. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 10. 10 Renda Variável Preferenciais: Não possuem direito a voto de modo geral, mas algumas condições permite que tenham, uma delas é se a empresa passar 3 anos consecutivos em prejuízo. Importante: Toda característica da oferta está descrita no Prospecto de emissão: • Quantidade a ser ofertada • Instituições participantes • Canais de distribuição • Condições de Rateio • Book Builnding Direito ao recebimento de dividendo, por ação preferencial, pelo menos 10% (dez por cento) maior do que o atribuído a cada ação ordinária MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 11. 11 Book Building: ferramenta de intenções de compra na internet. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 12. 12 Home Broke: ferramenta disponibilizada para compra e venda de ações. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 13. INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL Risco do Mercado Acionário Risco de Mercado: É o risco com maior evidência, visto que o preços das ações sofrem com maior influencia de acontecimentos sistemáticos e não passiveis de diversificação. Exemplo: Um investidor comprou 1 lote de ações (100 ações) pelo valor de R$ 56,00 cada, desembolsando R$ 5.600,00 no ato da compra – 13/01/2011. Após, 6 meses a bolsa iniciou um ciclo de fortes oscilações, tendendo a adentrar em um canal de baixa (LTB). O valor de suas ações foi afetado e registrou um preço de R$ 37,08 – 08/08/2011. 13 MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 14. Risco do Mercado Acionário 14 MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 15. INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL Risco do Mercado Acionário Risco de Liquidez: Visível quando se negocia um ativo e há dificuldades de negociação ou por não encontrar comprador ou pela baixa quantidade de negócios – small caps. Exemplo: Um investidor comprou 1 lote de ações (100 ações) pelo valor de R$ 20,00 cada, desembolsando R$ 2.000,00 no ato da compra. Após, 6 meses decidiu vender, mas a melhor oferta foi R$ 15,00 por ação. 15 MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 16. 16 Formas de Ganho e Remuneração Juros ao Capital Essa modalidade foi criada para compensar o fim da correção monetária dos balanços das empresas através deste instrumento, a empresa fica liberada para remunerar o capital do acionista pela TJLP – Taxa de juros de longo Prazo. Definida pelo Conselho Monetário Nacional e divulgada a cada trimestre, neste caso incide sobre a remuneração 15% de IR na fonte pela alíquota deve ser paga pelo investidor. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 17. 17 Formas de Ganho e Remuneração Dividendos No exercício de suas atividades, as companhias auferem receita. É o que acontece, por exemplo, quando a sociedade presta serviços ou vende produtos, recebendo em contrapartida o valor correspondente. Ao longo de um ano, ou exercício social, estas receitas vão se acumulando e, ao final do período, a companhia deve verificar qual o total das receitas auferidas e diminuí-las do total das despesas incorridas e outros ajustes impostos pela legislação societária e fiscal, obtendo o denominado “resultado do exercício”. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 18. 18 Formas de Ganho e Remuneração Dividendos A Lei das S.A. determina que, do resultado do exercício, deverão ser deduzidos os prejuízos acumulados em exercícios anteriores, constituída uma provisão para pagamento do imposto de renda, participações estatutárias de empregados e administradores, além de outras deduções determinadas ou permitidas pela legislação. O valor que encontramos após estas operações denomina-se “lucro líquido”. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 19. 19 Formas de Ganho e Remuneração Dividendos Segundo a Lei 6.404/76, os acionistas têm direito a receber como dividendo uma parcela dos lucros obtidos pela sociedade em cada exercício social. É chamada de “Dividendo Obrigatório” a menor porcentagem do lucro que deve ser distribuída como dividendos. A decisão sobre a destinação do lucro é tomada a cada ano pela Assembleia Geral. Qualquer porcentagem dos lucros poderá ser destinada aos acionistas, contanto que esse valor seja maior ou igual ao Dividendo Obrigatório. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 20. 20 Formas de Ganho e Remuneração Dividendos Existem alguns mitos sobre qual o menor valor que o estatuto pode definir para o dividendo obrigatório. Com objetivo didático, podemos considerar três situações, com a indicação do artigo da lei que dispõe sobre cada caso: Como regra geral, o estatuto pode definir como dividendo obrigatório qualquer porcentagem do lucro. Poderia ser definido, por exemplo, o valor de 1% (um por cento) do lucro (artigo 202, caput); MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 21. 21 Formas de Ganho e Remuneração Dividendos No entanto, se o estatuto for omisso sobre este assunto, o dividendo obrigatório será considerado 50% do lucro líquido ajustado (artigo 202, caput e inciso I); Se o estatuto for omisso e posteriormente a Assembleia Geral decidir alterá-lo para estabelecer um valor, o dividendo obrigatório não poderá ser inferior a 25% do lucro líquido ajustado (artigo 202, parágrafo segundo). MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 22. 22 Formas de Ganho e Remuneração Dividendos No entanto, se o estatuto for omisso sobre este assunto, o dividendo obrigatório será considerado 50% do lucro líquido ajustado (artigo 202, caput e inciso I); Se o estatuto for omisso e posteriormente a Assembleia Geral decidir alterá-lo para estabelecer um valor, o dividendo obrigatório não poderá ser inferior a 25% do lucro líquido ajustado (artigo 202, parágrafo segundo). MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 23. 23 Prospecto Prospecto é o documento elaborado pelo ofertante em conjunto com a instituição líder da distribuição, obrigatório nas ofertas públicas de distribuição de que trata esta Instrução, e que contém informação completa, precisa, verdadeira, atual, clara, objetiva e necessária, em linguagem acessível, de modo que os investidores possam formar criteriosamente a sua decisão de investimento - Instrução CVM 400/03. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 24. 24 Prospecto Documento essencial em uma Oferta Pública, o prospecto disponibiliza informações essenciais para que o investidor entenda a proposta da companhia e tome sua decisão de investimento. Entre outras, encontram-se no prospecto as seguintes informações: Perspectivas e planos da companhia; Situação do mercado em que ela atua; Os riscos do negócio; O quadro administrativo da empresa. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 25. 25 Prospecto Documento essencial em uma Oferta Pública, o prospecto disponibiliza informações essenciais para que o investidor entenda a proposta da companhia e tome sua decisão de investimento. Entre outras, encontram-se no prospecto as seguintes informações: Perspectivas e planos da companhia; Situação do mercado em que ela atua; Os riscos do negócio; O quadro administrativo da empresa. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 26. 26 Prospecto Com o objetivo de padronizar os prospectos e facilitar sua análise, existe uma estrutura pré-estabelecida para o documento, que deve ser seguida pelos ofertantes tanto em relação à forma quanto ao conteúdo. Em síntese, esse documento contém dois grandes grupos de informações: relativas ao emissor, cujo conteúdo provém do formulário de referência, e relativas à oferta propriamente dita, sobre os valores mobiliários oferecidos e as condições da oferta. Uma seção muito importante do prospecto e que deve ser analisada com muita atenção pelos investidores é a que trata sobre os “Fatores de Risco”. Nesta seção são explicitados os riscos relacionados ao valor mobiliário ofertado, à companhia, ao ambiente econômico de uma forma geral e à própria oferta em questão. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 27. 27 Tipos de Ordens de Negociações Ordem a mercado O investidor determina a quantidade e o código do ativo a ser comprado. Ordem Administrada O investidor determina a quantidade e o código do ativo a ser comprado, mas é a corretora que assume a responsabilidade de compra e venda. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 28. 28 Tipos de Ordens de Negociações Ordem Limitada O investidor determina o limite de preço da ordem. Ordem On-Stop O investidor programa os preços de entrada e saída do papel. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 29. 29 Tipos de Ordens de Negociações Ordem On-Stop MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 30. 30 Tipos de Ordens de Negociações Ordem Casada Compra/venda de um ativo vinculada a compra/venda de outro ativo. Ordem de Financiamento Compra de um ativo e venda do mesmo ativo em uma data futura, executada através de operações a termo e opções. Exemplo: Compra de 1000 ações de PETR4 a termo 90 dias Taxa do Financiador: 3% Preço a vista: R$ 35,00 (15/09) Preço a termo: R$ 36,05 (15/12) MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 31. 31 Tipos de Ordens de Negociações Ordem de Financiamento Financiador compra a vista (R$35) e vende a prazo (R$ 36,05) Preço após 30 dias: R$ 37,00 Comprador vende a R$ 37 e liquida antecipadamente por diferença Ganho do comprador: (R$ 37 – R$ 36,05)*1000 = R$ 950 Ganho do vendedor: taxa de 3% ao mês. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 32. 32 Operações à Vista Ocorre quando o investidor compra através do home broker ações e as vende em outro dia. Tributação Fonte:0,005% IR: 15% (DARF) O investidor recolhe o imposto em caso de alienações superiores a 20 mil reais para PF, inferiores é isento. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 33. 33 Operações Day Trade Ocorre quando o investidor compra através do home broker ações e as vende no mesmo dia. Tributação Fonte:1% IR: 20% (DARF) Aqui o investidor PF não possuí isenção de IR, como no mercado à vista! MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 34. 34 Índices de Bolsa de Valores A carteira teórica de ativos do Ibovespa é composta de ações e units de ações de companhias listadas na BM&FBOVESPA. Para compor o Ibovespa, as ações e units de ações devem atender aos seguintes critérios de inclusão: Estar entre os ativos elegíveis que, no período de vigência das 3 (três) carteiras teóricas anteriores, em ordem decrescente de Índice de Negociabilidade (IN), representem em conjunto 85% (oitenta e cinco por cento) do somatório total desses indicadores. Ter estado presente em, ao menos, 95% (noventa e cinco por cento) dos pregões realizados no período de vigência das 3 (três) carteiras teórica anteriores. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 35. 35 Índices de Bolsa de Valores Ter participação em termos de volume financeiro maior ou igual a 0,1% (zero vírgula um por cento), no mercado a vista (lote-padrão), no período de vigência das 3 (três) carteiras anteriores. Não ser classificado como ativo penny stock, cujo valor médio ponderado durante a vigência da carteira teórica anterior ao rebalanceamento, desconsiderando-se o último dia desse período, tenha sido inferior a R$ 1,00 (um real). MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 36. 36 Índices de Bolsa de Valores Um ativo que tenha sido objeto de oferta pública realizada durante o período de vigência das 3 (três) carteiras teóricas anteriores ao rebalanceamento do índice poderá ser elegível, mesmo sem estar listado todo o período, desde que a oferta pública de distribuição de ações ou units tenha sido realizada antes do rebalanceamento imediatamente anterior, e que o ativo possua 95% (noventa e cinco por cento) de presença em pregão desde o início de sua negociação. Não podem ser incluídos na composição do Ibovespa nenhuma BDR e nenhum ativo de companhia em recuperação judicial ou extrajudicial, regime especial de administração temporária, intervenção ou que sejam negociados em qualquer outra situação especial de listagem. Para que sua representatividade se mantenha ao longo do tempo, a composição da carteira teórica do Ibovespa é reavaliada a cada 4 (quatro) meses. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 37. 37 Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) O ISE é uma ferramenta para análise comparativa da performance das empresas listadas na B3 sob o aspecto da sustentabilidade corporativa, baseada em eficiência econômica, equilíbrio ambiental, justiça social e governança corporativa. Também amplia o entendimento sobre empresas e grupos comprometidos com a sustentabilidade, diferenciando-os em termos de qualidade, nível de compromisso com o desenvolvimento sustentável, equidade, transparência e prestação de contas, natureza do produto, além do desempenho empresarial nas dimensões econômico-financeira, social, ambiental e de mudanças climáticas. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 38. 38 Índice Brasil (IBrX) O índice IBrX será composto por 100 papéis escolhidos em uma relação de ações classificadas em ordem decrescente por liquidez, de acordo com seu índice de negociabilidade (medido nos últimos doze meses), observados os demais critérios de inclusão descritos abaixo. Os critérios de inclusão de ações no Índice Brasil 100 são: A ação deve estar presente entre as 100 (cem) melhores classificadas quanto ao seu índice de negociabilidade, apurados nos doze meses anteriores à reavaliação; A ação deve ser negociada em pelo menos 70% dos pregões ocorridos nos doze meses anteriores à formação da carteira. As companhias que estiverem sob regime de recuperação judicial, processo falimentar, situação especial, ou ainda que estiverem sujeitas a prolongado período de suspensão de negociação, não poderão integrar o IBrX. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 39. 39 Índice Brasil (IBrX) A carteira teórica de ativos do IBrX 50 é composta de ações e units de ações de companhias listadas na BM&FBOVESPA. Para compor o Índice Brasil 50, as ações e units de ações devem atender aos seguintes critérios de inclusão: Estar entre os ativos elegíveis que, no período de vigência das 3 (três) carteiras teóricas anteriores, em ordem decrescente de Índice de Negociabilidade (IN), ocupem as 50 (cinquenta) primeiras posições. Ter estado presente em, ao menos, 95% (noventa e cinco por cento) dos pregões realizados no período de vigência das 3 (três) carteiras teórica anteriores. Não ser classificado como ativo penny stock, cujo valor médio ponderado durante a vigência da carteira teórica anterior ao rebalanceamento, desconsiderando-se o último dia desse período, tenha sido inferior a R$ 1,00 (um real). MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 40. 40 Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC) O IGC é o resultado de uma carteira teórica de ativos, elaborada de acordo com os critérios estabelecidos nesta metodologia. Os índices da B3 utilizam procedimentos e regras constantes do Manual de Definições e Procedimentos dos Índices da B3. O objetivo do IGC é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas listadas no Novo Mercado ou nos Níveis 1 ou 2 da B3 MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 41. 41 Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC) Os níveis diferenciados de governança corporativa são segmentos especiais de listagem desenvolvidos com o objetivo de proporcionar um ambiente de negociação que estimulasse, simultaneamente, o interesse dos investidores e a valorização das companhias. Companhia Nível 1 – Se comprometem, principalmente, com melhorias na prestação de informações ao mercado e com a dispersão acionária. Tem como obrigações adicionais a legislação: Melhoria nas informações prestadas à CVM, a Bovespa e ao público em geral; Realização de reuniões públicas com analistas e investidores, ao menos uma vez por ano; Apresentação de um calendário anual, do qual conste a programação dos eventos corporativos, tais como Assembleia, divulgação de resultados etc. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 42. 42 Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC) Divulgação dos termos dos contratos formados entre a companhia e partes relacionadas; Divulgação, em bases mensais, das negociações de valores mobiliários e derivativos de emissão da companhia por parte dos acionistas controladores; Manutenção em circulação de uma parcela mínima de ações, representando 25% do capital social da companhia (free float); Quando da realização de distribuições públicas de ações adoção de mecanismos que favoreçam a dispersão do capital. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 43. 43 Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC) Companhia Nível 2 – Se comprometem a cumprir as regras aplicáveis ao nível 1 e, adicionalmente, um conjunto mais amplo de práticas de governança relativas aos direitos societários dos acionistas minoritários. Divulgação de demonstrações financeiras de acordo com padrões internacionais IFRS ou US GAAP; Conselho de Administração com mínimo de 5 membros e mandato unificado de até 2 anos, permitida a reeleição. No mínimo, 20% dos membros deverão ser conselheiros independentes; MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 44. 44 Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC) Direito de voto as ações preferenciais em algumas matérias, tais como, transformação, incorporação, fusão ou cisão da companhia e aprovação de contratos entre a companhia e empresas do mesmo grupo sempre que, por força de disposição legal ou estatutária, sejam deliberados em Assembleia geral; Extensão para todos os acionistas detentores de ações ordinárias das mesmas condições obtidas pelos controladores quando da venda do controle da companhia e de, no mínimo, 80% deste valor para os detentores de ações preferências (tag along); MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 45. 45 Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC) Realização de uma oferta pública de aquisição de todas as ações em circulação, no mínimo, pelo valor econômico, nas hipóteses de fechamento do capital ou cancelamento do registro de negociação neste nível; Adesão a Câmara de Arbitragem do Mercado para resolução de conflitos societários. Novo Mercado – Uma das principais mudanças exigidas é de que o capital social da companhia seja composto somente por ações ordinárias. Porém seguem as recomendações dos níveis 1 e 2 e mais: Extensão para todos os acionistas das mesmas condições obtidas pelos controladores quando da venda do controle da companhia; MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 46. 46 Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC) Novo Mercado Extensão para todos os acionistas das mesmas condições obtidas pelos controladores quando da venda do controle da companhia; Cumprimento de regras de disclosere (transparência) em negociação envolvendo ativos de emissão da companhia por parte de acionistas controladores ou administradores da empresa; Realização de uma oferta pública de aquisição de todas as ações em circulação, no mínimo pelo valor econômico, nas hipóteses de fechamento do capital ou cancelamento do registro de negociação no Novo Mercado. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 47. 47 Índice MidLarge Cap (MLCX) O objetivo do MLCX é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de uma carteira composta pelas empresas de maior capitalização. No MLCX, os ativos são ponderados pelo valor de mercado do “free float” (ativos que se encontram em circulação) da espécie pertencente à carteira (ver Manual de Definições e Procedimentos dos Índices da BM&FBOVESPA). Estar entre os ativos elegíveis que, no período de vigência das 3 (três) carteiras anteriores, em ordem decrescente de Índice de Negociabilidade (IN), representem em conjunto 99% (noventa e nove por cento) do somatório total desses indicadores MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 48. 48 Índice Small Cap – SMLL O objetivo do SMLL é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de uma carteira composta pelas empresas de menor capitalização. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 49. 49 Índices de bolsa de valores no exterior: S&P 500 É composto por quinhentos ativos (ações) selecionados devido ao seu tamanho de mercado, sua liquidez e sua representação de grupo industrial. Cada ativo é ponderado de valor de mercado, ou seja, o peso de cada ativo no índice é proporcional à sua importância no mercado. Os ativos do índice são negociados nas duas principais bolsas norte-americanas: NYSE (New York Stock Exchange) e NASDAQ. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 50. 50 Índices de bolsa de valores no exterior: Dow Jones O Índice Dow Jones é um dos principais indicadores do mercado norte-americano. Ele corresponde ao valor avaliado de trinta grandes ações industriais, cujos negócios passam pela Bolsa de Nova York. Grandes empresas como General Motors, Goodyear, IBM e Exxon são os tipos de empresas que compõem este índice. https://www.bussoladoinvestidor.com.br/teoria-de-dow/ MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 51. 51 Índices de bolsa de valores no exterior: NASDAQ National Association of Securities Dealers Automatic Quotation System (Sistema Automatizado de Cotações da Associação Nacional de Corretoras de Valores). É um sistema computadorizado que oferece as cotações de preço para valores imobiliários negociados no mercado de balcão, bem como de várias ações registradas na Bolsa de Valores de Nova York. Reune principalmente ações de empresas de alta tecnologia, dos setores de biotecnologia, informática e internet. As cotações da Nasdaq, cujo índice principal é o Nasdaq Composite Index, são publicadas na seção de finanças da maioria dos jornais. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 52. INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL Avaliação de Investimentos em Ações Distinções entre Análise Técnica e Análise Fundamentalista Escola Gráfica - baseia-se em análise gráfica com base nos preços e volumes em pregões anteriores, acredita-se que os preços das ações seguem tendências; Escola Fundamentalista - baseia-se nos resultados setoriais e específicos de cada empresa, dentro do contexto da economia; 52
  • 53. 53 Avaliação de Investimentos em Ações – Análise Fundamentalista Conceitos Gerais: Valor Nominal (VN): é o valor convencionado para cada ação no momento de sua emissão. Valor Patrimonial (VPA): Os indicadores que vimos até agora foram todos baseados ou lucros ou nas vendas. O Valor Patrimonial por Ação (VPA), por sua vez, é um indicador baseado no patrimônio líquido da empresa. O patrimônio líquido representa tudo que a empresa possui, isto é, tudo que sobraria caso a empresa viesse a ser liquidada. O VPA é dado pela seguinte fórmula - Valor Patrimonial por Ação = Patrimônio Líquido / Número de Ações MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 54. 54 Avaliação de Investimentos em Ações – Análise Fundamentalista Conceitos Gerais: Valor de Mercado (VM): é o valor convencionado pelo mercado, o valor que aceito para compra de uma ação. Valor de Liquidação (VL): é o valor da ação em D+3 retiradas as custas de corretagem, emolumentos e impostos. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 55. 55 Avaliação de Investimentos em Ações – Análise Fundamentalista Lucro por Ação – LPA Umas das formas mais simples de começar avaliando uma empresa é através de seus lucros. O lucro não é nada mais do que o dinheiro que “sobra” depois da empresa pagar seus custos de produção. Para comparar os lucros de empresas diferentes eles precisam ser de alguma forma padronizados. A forma mais comum de fazer isso é através do Lucro por Ação (LPA), dado pela fórmula a seguir: Lucro por Ação = Lucro Total / Número de Ações Geralmente usa-se o lucro dos últimos 12 meses, contudo, outras formas de cálculo são possíveis como: lucro estimado do próximo ano, ou a média de lucro de vários anos anteriores. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 56. 56 Avaliação de Investimentos em Ações – Análise Fundamentalista Índice Preço/Lucro – P/L ma vez que o LPA por si só não nos diz nada é comum olhar a relação entre o LPA e o preço da ação, o que é feito através do Índice P/L. O índice de Preço por Lucro (P/L) é o mais básico e provavelmente o mais conhecido e utilizado indicador fundamentalista. Ele é dado pela seguinte fórmula: P/L = Preço da Ação / LPA O resultado representa, em teoria, o número de anos que leva para o investidor receber seu investimento de volta. Por exemplo, se o P/L foi 15 isso significa que levará 15 anos para os lucros da empresa pagarem o seu atual preço de mercado. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 57. 57 Análise Técnica – Candlestick Estratégia surgiu no Japão com o samurai honorário Munehisa Homma (1724- 1803). Munido de quatro informações (preço de abertura, preço de fechamento, preço máximo e preço mínimo) sobre o movimento dos preços dos contratos de arroz no dia anterior, Munehisa Homma desenhava diariamente um retângulo vertical – figura muito semelhante ao formato de uma vela – que, em conjunto com as figuras desenhadas nos dias anteriores, formavam um gráfico representativo do movimento histórico dos preços negociados nas bolsas de arroz de Osaka. Com o tempo, Munehisa Homma passou a perceber que, dependendo do formato da “vela” que ele desenhava, os preços dos cupões movimentavam-se de determinada maneira. Em outras situações, a combinação de dois ou mais tipos de “vela”, determinavam a direção que o gráfico e, consequentemente, o preço dos contratos de arroz iriam seguir. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 58. 58 Análise Técnica – Candlestick A partir da década de 1980, os gráficos que utilizavam desenhos de velas (candles) para representar o movimento da variação dos preços de determinado ativo ganharam fama internacional. Os agora conhecidos Gráficos de Candlesticks foram trazidos ao ocidente pelo americano Steve Nison, um famoso trader de ações de Wall Street, que obteve grande sucesso ao aplicar a bem sucedida técnica japonesa de trade no competitivo mercado de ações da bolsa de valores de Nova Iorque (NYSE, na sigla em inglês). Os padrões de candles ficaram famosos no mundo inteiro e passaram a ser utilizados como um alarme antecipado de futuros movimentos de preços, além de servirem como sinalizadores de suportes e resistências ou de níveis de sobrecompra e sobrevenda de qualquer ativo. MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 59. 59 Análise Técnica – Candlestick Abertura Fechamento Preço Máximo Preço Mínimo Preço Máximo Preço Mínimo MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 60. 60 Análise Técnica – Triângulos MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 61. 61 Análise Técnica – Ombro, Cabeça, Ombro MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 62. 62 Análise Técnica – Retângulos MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 63. 63 Análise Técnica – Suporte e Resistência MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 64. 64 Análise Técnica – Engolfo Baixa MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 65. 65 Análise Técnica – Engolfo Alta MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 66. 66 Análise Técnica – Teoria de Dow 1) Os índices já descontam tudo Para Charles Dow, os índices como o Dow Jones e o Ibovespa, já refletem todo o consenso do mercado sobre o passado, o presente e o futuro. Uma vez que o mercado é rápido e eficiente, qualquer notícia já será rapidamente incorporada instantaneamente nos movimentos dos preços, enquanto os índices conseguem agregar todos estes movimentos. Embora o mercado não possa prever catástrofes naturais e outros acontecimentos, ele se ajusta rapidamente descontando estas ocorrências e assimilando os efeitos sobre os preços. INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 67. 67 Análise Técnica – Teoria de Dow 2) O mercado tem 3 tendências Dow considerava que uma tendência de alta ocorria quando aumentos sucessivos no preço resultavam em picos e vales cada vez mais elevados que os preços do movimento anterior. O contrário é valido para uma tendência de baixa. Esta definição resistiu as provações do tempo e é até hoje a base principal da análise de tendências. Entendida esta definição, a teoria de Dow defende que existe 3 tipos de tendência nos movimentos do preço, de acordo com sua magnitude: primária, secundária e terciária. Estes movimentos podem ser comparados aos movimentos do mar: INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 68. 68 Análise Técnica – Teoria de Dow 2) O mercado tem 3 tendências  Tendência Primária = Maré (maior movimento do mar)  Tendência Secundária = Ondas (formam-se com a subida ou descida da maré)  Tendência Terciárias = Marolas (forma-se entre as ondas) Assim como a tendência primária, é possível observar que a maré está subindo ou descendo, quando se observa o ponto máximo da areia que o mar vai atingindo em cada onda. Também é possível perceber quando a maré parou de subir e começou a descer. A diferença é que enquanto a maré no mar dura algumas horas, no mercado ela pode durar meses e até anos. INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 69. 69 Análise Técnica – Teoria de Dow 2) O mercado tem 3 tendências A tendência secundária pode durar de três semanas a até três meses, funcionam como movimentos de correção e podem retomar entre 1/3 e 2/3 do movimento anterior. A tendência terciária, por sua vez, duraria menos de três semanas e seriam pequenos movimentos entorno de uma tendência secundária. INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 70. 70 Análise Técnica – Teoria de Dow 2) O mercado tem 3 tendências INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 71. 71 Análise Técnica – Teoria de Dow 3) Tendências primária têm 3 fases Para Dow, as tendências principais (as primárias) são compostas por 3 fases: Fase de Acumulação é o melhor momento para comprar um ativo, geralmente aproveitado pelos investidores mais bem preparados. É o momento em que o mercado já assimilou todas as informações ruins que estavam mantendo a tendência de baixa, e começa a dar sinais de reversão para uma tendência de alta. INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 72. 72 Análise Técnica – Teoria de Dow 3) Tendências primária têm 3 fases Para Dow, as tendências principais (as primárias) são compostas por 3 fases: Fase de Participação Pública é o ponto onde a maior parte dos investidores seguidores de tendência começam a comprar o ativo. O preço engrena na tendência e ocorrem rápidas altas significativas, enquanto o mercado assimila as novas boas notícias. INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 73. 73 Análise Técnica – Teoria de Dow 3) Tendências primária têm 3 fases Para Dow, as tendências principais (as primárias) são compostas por 3 fases: Fase de Distribuição, é quando os jornais começam a escrever sobre o vigoroso aumento dos ganhos do ativo na bolsa de valores, o volume de operações começa a aumentar e a participação pública torna-se ainda maior. É neste momento que o investidores que entraram no ativo na fase de Acumulação começam a se desfazer de suas posições, embolsando o lucro. INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 74. 74 Análise Técnica – Teoria de Dow 3) Tendências primária têm 3 fases Para Dow, as tendências principais (as primárias) são compostas por 3 fases: Fase de Distribuição, é quando os jornais começam a escrever sobre o vigoroso aumento dos ganhos do ativo na bolsa de valores, o volume de operações começa a aumentar e a participação pública torna-se ainda maior. É neste momento que o investidores que entraram no ativo na fase de Acumulação começam a se desfazer de suas posições, embolsando o lucro. INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 75. 75 Análise Técnica – Teoria de Dow 3) Tendências primária têm 3 fases INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 76. 76 Análise Técnica 5) O volume deve confirmar a tendência A teoria de Dow reconhece o Volume como um fator secundário, porém importante para que novas tendências de preço sejam confirmadas. Em suas próprias palavras: INSTRUMENTOS DE RENDAVARIÁVEL “O volume deve expandir ou crescer conforme na mesma direção da tendência principal (primária).” MERCADO DE RENDAVARIÁVEL
  • 77. 77 Análise Técnica 6) Uma tendência irá ocorrer enquanto não houverem sinais de reversão
  • 78. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRUNI, Adriano, FAMÁ, Rubens. Matemática financeira. 5ª ed. São Paulo, Atlas, 2014. FORTUNA, Eduardo. Mercado financeiro: produtos e serviços. 18ª ed. Rio de Janeiro, Qualliymark, 2011. SOUZA, Alceu, CLEMENTE, ADEMIR. Decisões financeiras e análise de investimentos: fundamentos técnicas e aplicações. 4ª ed. São Paulo, Atlas,2001. Pires, Cesaltina, Mercados e Investimentos Financeiros. 3ª ed. Lisboa, Escolar, 2011.
  • 79. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FORTUNA, Eduardo. Mercado financeiro: produtos e serviços. 18ª ed. Rio de Janeiro, Qualliymark, 2011. SOUZA, Alceu, CLEMENTE, ADEMIR. Decisões financeiras e análise de investimentos: fundamentos técnicas e aplicações. 4ª ed. São Paulo, Atlas,2001. http://viverdeinvestimento.com/value- investing/como-avaliar-acoes https://lfg.jusbrasil.com.br/noticias/2026516/em- que-consistem-o-valor-nominal-e-o-valor- patrimonial-de-uma-acao-andrea-russar-rachel