SlideShare uma empresa Scribd logo
Integração entre o Revit, o orçamento e o
planejamento de obras com uso de Keynotes
Sergio Leusin, Raquel Canellas e Luciano Capistrano – GDP — Gerenciamento e Desenvolvimento de
Projetos Ltda.
A integração entre o REVIT e as atividades de orçamentação e planejamento de execução é facilitada
por meio da adoção de sistemas de classificação lançados no campo keynotes. Através de conexões
via planilhas ou DBLink é possível manter a integridade de especificações e referencias de custo,
respeitando a EAP da obra. Nos exemplos será demonstrado como inserir o sistema de classificação no
REVIT, conectá-lo com bases de dados externas e exportar o modelo para sistemas de orçamento e de
planejamento (PRIMAVERA, PROJECT ou NAVISWORKS) guardando a integridade destes dados e a
possibilidade de retroalimentação.

Objetivo de aprendizado:
Ao final desta palestra você terá condições de:
•

Objetivo 1 Organizar o modelo REVIT de modo a que seus de objetos virtuais, elementos e
materiais garantam interoperabilidade com os aplicativos de orçamento e planejamento.

•

Objetivo 2 Exportar dados de um modelo do REVIT para um sistema de orçamento ou de
planejamento respeitando a codificação definida

•

Objetivo 3 Validar o processo representado pelo planejamento através da simulação de execução

Sobre o Palestrante:
Doutor em Engenharia de Produção, pela COPPE UFRJ, com estágio no LATTS, École des Ponts et
Chaussées, Paris. M.Sc. Pela COPPE UFRJ em 1979 e arquiteto pela FAU UFRJ, 1974. Professor
Titular da Universidade Federal Fluminense, onde atua como professor colaborador nos Programas de
Pós-graduação em Engenharia Civil e de Arquitetura e Urbanismo, foi Pró-Reitor de Pós-Graduação da
UNIGRANRIO.
Sócio gerente da GDP- Gerenciamento e Desenvolvimento de Projetos (www.gdp.arq.br ) desde 2008,
empresa dedicada ao desenvolvimento de projetos e gerenciamento de obras com uso de tecnologia
BIM, com diversos projetos desde estudos de viabilidade a projetos executivos de universidades e de
empreendimentos imobiliários. Foi sócio gerente da PAAL Projeto Arquitetos Associados, onde foi
responsável por dezenas de projetos metroviários, de laboratórios e imobiliários entre 1975 e 1994.
No grupo de pesquisa NITCON e através da Rede de pesquisa Capes/CNPq BIM BRASIL desenvolve
pesquisas na área de Novas Aplicações da Tecnologia de Informação, tendo já realizado os projetos do
Centro de Referencia e Informação em Habitação; CDCON-Desenvolvimento de Terminologia e
Sistema de Classificação de Materiais e Serviços para Construção; Projeto SIGMO, Sistema de
Gerenciamento de Obras, baseado em PDA; projetos QUALIPRO, de gestão da qualidade na
construção e ONTOARQ, uma ontologia da construção. Desenvolveu também estudos prospectivos
sobre a cadeia produtiva da construção para a ABDI/CGEE e projetos sobre Organização e
Gerenciamento na Construção. Participante da ABNT/CEE-134 - Modelagem de Informação da
Construção, colaborando na também na elaboração de outras normas para construção.
Sócio fundador do Clube da Qualidade na Construção RJ, do SINDUSCON RIO. Consultor da CAPES,
CNPq, FINEP, MDIC, FIESP, ABDI, da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, para os quais desenvolveu
estudos setoriais, procedimentos de avaliação de sistemas tecnológicos inovadores e diversas
consultorias sobre o tema da inovação.

sergio.leusin@gdp.arq.br
Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes

Estrutura de dados para o modelo virtual
A integração entre o modelo virtual criado no Revit e as ferramentas de planejamento ,
incluindo-se o Projetc, Primavera e Navisworks se inicia com um cuidadoso planejamento da
estrutura dos componentes BIM neste modelo virtual.
Esse “modelo virtual da construção” deve contemplar as dimensões a serem acompanhadas
no planejamento, não bastando ser uma “representação 3D da obra construída”.
A estratégia de execução da obra vai se refletir na organização de dados no modelo e na
nomenclatura de componentes, a qual deve estar integrada com a EAP – Estrutura Analítica do
Projeto adotada no planejamento.
O modelo deve atender as necessidades de dados das diversas fases a serem integradas. E o
fulcro desta integração é a organização dos dados no modelo, tanto no nível de elementos
como dos seus materiais componentes

Figura 1: Esquema de associações de dados

Na Figura 1: Esquema de associações de dados, vemos que cada elemento no modelo deve
estar associado a um serviço e a uma atividade. Nota-se que o conceito de serviço norteia o
processo de orçamento, já o planejamento é baseado em atividades. O ponto comum entre
serviço e atividade é o produto, ou seja o elemento construído, representado no modelo virtual
no REVIT.
Para obter o orçamento dos serviços eles serão associados ao volume de materiais e recursos
humanos ou técnicos necessários, através de composições unitárias de custo. No
2
Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes

planejamento também é desejável de associação destes recursos e materiais à cada atividade,
mas para efeito do sistema proposto esta será realizada indiretamente, através da associação
do serviço.
Os elementos no REVIT já trazem uma série de informações relevantes para o planejamento,
tais como peso, volume , área , mas elas devem ser complementadas com os dados
necessários para a orçamentação e planejamento., com associações através de códigos
predefinidos.
A associação de serviços a cada elemento, ou camada de componente pode ser feita de
modo mais eficaz através do campo Keynote, pois é possível termos um arquivo Keynote.txt
personalizado com o sistema de classificação desejado. (ver: Anotate/Tag/ Keynote Settings).
No campo keynote será inserido o código do serviço , em geral o código da composição de
custo deste serviço (SINAPI, PINI etc.)
É possível termos diversos arquivos Keynotes.txt, cada um organizado conforme um sistema
de orçamento, ou seja um adequado ao SINAPI, outro conforme a classificação PINI etc. Mas a
associação dos elementos a cada código ainda é manual, sendo mais eficiente termos
templates de projetos já com estas classificações inseridas nas respectivas famílias de
componentes.
O desenvolvimento das famílias deve prever também os campos que serão utilizados para a
integração com o orçamento e com o planejamento da obra, através da criação dde um
parâmetro, a ser associado com o código de atividades previsto para a EAP do projeto.
Porém para isso a codificação de atividades deve refletir o particionamento da obra em lotes de
serviço, que pode ser variável conforme as características de cada obra. Assim eles podem ser
definidos:
•

Em função do local do serviço (nível, lote etc.)

•

Em função do tipo de serviço, em geral associado ao material (alvenaria, revestimento
cerâmico etc.)

A definição desta codificação exige uma boa integração das equipes de projeto e
planejamento, pois não existem regras padronizadas e as demandas das obras são
diferenciadas. A Figura 2 mostra um exemplo de codificação, onde o critério para a definição da
terminologia dos componentes inclui a referência a sua localização, para facilitar. Mas outros
critérios podem ser mais adequados, tais como referencias à tipologia dos serviços e a lotes
vinculados a níveis. Associações a materiais (p.ex. revestimento cerâmico), também podem ser
convenientes.

3
Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes

Figura 2: Exemplo de codificação de componentes

Desenvolvimento do modelo
O desenvolvimento prévio de famílias já associadas aos serviços facilita a construção do
modelo. Entretanto há que ser considerado o fato de que alguns componentes ou elementos
tem múltiplas opções de execução. Por exemplo, argamassa pode ser industrializada de tipos
variados ou pose preparada no local de diversas maneiras e cada um desses tipos deve se
associado a um determinado código. Deste modo o template de projeto deve considerar os
tipos mais comuns adotados pela organização responsável pela obra e serão editados apenas
os caso fora do padrão.
Uma vez que nas fases preliminares não existe o nível de detalhamento necessário ao
planejamento, é comum a substituição de componentes. Por exemplo, uma parede básica vai
ser desdobrada em outra que contenha as especificações de revestimentos e nesta constarão
os códigos de serviços no campo Keynotes.
Já para a associação com as atividades, que segue lógica específica para cada obra, após
criados os campos de parâmetros a serem associados à EAP podem ser editadas em bloco,
por meio de sincronismo com bancos externos ou link com planilhas Excel.

4
Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes

Figura 3: Imagem do modelo de demonstração

Para demonstração dos recursos apresentamos dois modelos, um simples, de construção
convencional padrão MCMV, e otro metálico, de maior porte mas com menor variabilidade de
atividades.

Exportação de elementos/partes ou lotes de serviços
Uma vez desenvolvido o modelo (o que geralmente já teria sido feito ao longo do projeto) deve
ser efetuada a exportação da lista de atividades, com respectivos códigos de serviços ou outros
que se julguem necessários.
No REVIT é montada uma planilha de listagem através do comando View>Shedule>Multicategory Shedule, onde os dados relativos aos códigos de cada elemento, serão associados
às atividades. (ver Figura 4)
O formato de tabela Multi-category Shedule, permite que sejam listados elementos de
diferentes famílias, caso seja utilizado codificação também nos materiais, utilizar a tabela MultiCategory Material Takeoff.

5
Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes

Figura 4: Listagem da codificação dos elementos

Esta lista pode ser exportada em arquivo TXT para facilitar a importação no aplicativo de
planejamento, como mostra a Figura 5

Figura 5: Arquivo txt de lista de elementos

6
Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes

Em geral é conveniente também exportar a quantidade do serviço, talvez sua unidade de
medida principal etc.

Inserção no Orçamento
O orçamento será realizado em aplicativo específico, como o VOLARE, a partir da importação
da lista de serviços e suas respectivas quantidades.
Neste momento é comum surgirem serviços que não estavam representados no modelo, em
geral atividades de suporte ou serviços transitórios, tais como formas, que não foram
representados no modelo Elas podem permanecer associadas em grupo ao elemento original
ou podem ser criadas entidades temporárias no modelo.
O grau de detalhamento do orçamento varia muito, mas é importante a associação dos
serviços aos elementos, uma abordagem bem diferente do usual em orçamentos comuns.
A exportação do REVIT é feita a partir dos quantitativos de materiais e componentes, com os
respectivos códigos oriundos do campo Keynote, como mostra a Figura 6

Figura 6: Quantitativo com codificação

7
Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes

O orçamento pode retroalimentar os
campos de custo dos elementos, facilitando
o lançamento deste dado no planejamento.
Nesse caso a importação para o modelo
pode ser feita via link de ODBC ou via
ExcelLink , entre outras ferramentas. Notese que não estaremos atualizando as
famílias, mas os elementos...

Inserção no Planejamento da execução
O arquivo txt com a lista de código de elementos, oriundo do campo de parâmetro específico
para a codificação EAP, será importado para o aplicativo de planejamento, permitindo a
execução do cronograma rigorosamente de acordo com a lista efetiva de elementos e
componentes da obra e seus respectivos quantitativos Isto garante coerência e confiabilidade
nos quantitativos considerados. A Figura 7 mostra um exemplo de elemento com seu campo de
codificação EAP e Figura 8 mostra a inserção no aplicativo de planejamento dos dados cuja
origem foi a planilha da Figura 5.

8
Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes

Figura 7: Campo de codificação EAP do elemento

9
Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes

.
Figura 8: Listagem de elementos já inseridos no aplicativo de planejamento

Importação do modelo e do planejamento para o NAVIS
A importação do modelo para o NAVISWORKS Será feita de modo usual.
Uma vez importado o modelo devemos associar cada elemento às datas definidas pelo
planejamento.
É possível que o NavisWorks faça a associação automática dos elementos às atividades do
planejamento através do comando >TimeLiner Rules Através deles define-se as regras de
associação e deste modo automatiza-se um processo que de outra forma seria manual,
unitário e demorado. A Figura 9 mostra o resultado da importação automática.

10
Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes

Figura 9: Exemplo de importação por elementos

Simulação e Validação do processo
Uma vez importadas as datas procede-se à simulação da execução, que permite visualizar e
ajustar os erros de precedência, ou simular diversos planos de ataque, mediante diferentes
planejamentos, que podem ser visualizados ao longo do tempo.
Podem ser inseridos equipamentos de apoio para complementar a visão da obra.

Figura 10: Exemplo de inserção de equipamento

11
Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes

A análise de execução será feita passo a passo, com a visualização completa do processo
construtivo, como mostra a Figura 11.

Figura 11: Exemplo de análise de execução

No NAVIS é possível efetuar ajustes e correções com apoio do clash detection, inclusive com
regras de clearance e avaliação de compatibilidade de atividades ao longo do tempo, como
ilustra a Figura 12.

12
Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes

Figura 12: Exemplo de clash detecion

Após alguns ciclos de simulação, em que são feitas as correções a cada rodada, é definida a
alternativa de execução a ser adotada, com minimizando os erros e otimizando prazos e
recursos, compondo um verdadeiro ciclo PDCA
Caso seja de interesse é possível retroalimentar o modelo com as datas efetivas, para
consolidar um “as built”, facilitar a montagem de um painel de controle de andamento de obra
com dados extraídos automaticamente do REVIT e, após a entrega, ter um histórico completo
do processo construtivo.

13

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Coordenacao de Projetos com BIM - Palestra PINI Abril 2014
Coordenacao de Projetos com BIM - Palestra PINI Abril 2014Coordenacao de Projetos com BIM - Palestra PINI Abril 2014
Coordenacao de Projetos com BIM - Palestra PINI Abril 2014
Wilton Catelani
 
Caderno de Apresentacao de Projetos BIM
Caderno de Apresentacao de Projetos BIMCaderno de Apresentacao de Projetos BIM
Caderno de Apresentacao de Projetos BIM
Secretaria Planejamento SC
 
Planejamento 4D
Planejamento 4DPlanejamento 4D
Planejamento 4D
Carla Barroso, MSc, MBA
 
2 edd mariana_moro_o_que_e_bim
2 edd mariana_moro_o_que_e_bim2 edd mariana_moro_o_que_e_bim
2 edd mariana_moro_o_que_e_bim
Luciana Paixão Arquitetura
 
Cae software científico e de engenharia
Cae   software científico e de engenhariaCae   software científico e de engenharia
Cae software científico e de engenharia
Jaime Teixeira
 
TECNOLOGIA BIM
TECNOLOGIA BIMTECNOLOGIA BIM
TECNOLOGIA BIM
Manoela Gieseler
 
Sessão Introdução ao BIM: Eng. Sergio Pinho
Sessão Introdução ao BIM: Eng. Sergio PinhoSessão Introdução ao BIM: Eng. Sergio Pinho
Sessão Introdução ao BIM: Eng. Sergio Pinho
NTIEC - Núcleo de Tecnologias de Informação na Engenharia Civil
 
Desenvolvimento de processos de interação entre tecnologia BIM e equipamentos...
Desenvolvimento de processos de interação entre tecnologia BIM e equipamentos...Desenvolvimento de processos de interação entre tecnologia BIM e equipamentos...
Desenvolvimento de processos de interação entre tecnologia BIM e equipamentos...
João Poças Martins
 
Princípios para o Desenvolvimento de Projetos com Recurso a Ferramentas BIM. ...
Princípios para o Desenvolvimento de Projetos com Recurso a Ferramentas BIM. ...Princípios para o Desenvolvimento de Projetos com Recurso a Ferramentas BIM. ...
Princípios para o Desenvolvimento de Projetos com Recurso a Ferramentas BIM. ...
João Poças Martins
 
João Calheiros. Tese de Mestrado. FEUP 2014. BIM, Modelação Paramétrica, Rhin...
João Calheiros. Tese de Mestrado. FEUP 2014. BIM, Modelação Paramétrica, Rhin...João Calheiros. Tese de Mestrado. FEUP 2014. BIM, Modelação Paramétrica, Rhin...
João Calheiros. Tese de Mestrado. FEUP 2014. BIM, Modelação Paramétrica, Rhin...
João Poças Martins
 
Apresentacao mjoao
Apresentacao mjoaoApresentacao mjoao
Apresentacao mjoao
João Poças Martins
 
Desenvolvimento de Interfaces Tridimensionais para Aplicações Móveis a Partir...
Desenvolvimento de Interfaces Tridimensionais para Aplicações Móveis a Partir...Desenvolvimento de Interfaces Tridimensionais para Aplicações Móveis a Partir...
Desenvolvimento de Interfaces Tridimensionais para Aplicações Móveis a Partir...
miguelmatosmonteiro
 
Tarefa 4 exercicios
Tarefa 4 exerciciosTarefa 4 exercicios
Tarefa 4 exercicios
Isaac Vieira
 

Mais procurados (13)

Coordenacao de Projetos com BIM - Palestra PINI Abril 2014
Coordenacao de Projetos com BIM - Palestra PINI Abril 2014Coordenacao de Projetos com BIM - Palestra PINI Abril 2014
Coordenacao de Projetos com BIM - Palestra PINI Abril 2014
 
Caderno de Apresentacao de Projetos BIM
Caderno de Apresentacao de Projetos BIMCaderno de Apresentacao de Projetos BIM
Caderno de Apresentacao de Projetos BIM
 
Planejamento 4D
Planejamento 4DPlanejamento 4D
Planejamento 4D
 
2 edd mariana_moro_o_que_e_bim
2 edd mariana_moro_o_que_e_bim2 edd mariana_moro_o_que_e_bim
2 edd mariana_moro_o_que_e_bim
 
Cae software científico e de engenharia
Cae   software científico e de engenhariaCae   software científico e de engenharia
Cae software científico e de engenharia
 
TECNOLOGIA BIM
TECNOLOGIA BIMTECNOLOGIA BIM
TECNOLOGIA BIM
 
Sessão Introdução ao BIM: Eng. Sergio Pinho
Sessão Introdução ao BIM: Eng. Sergio PinhoSessão Introdução ao BIM: Eng. Sergio Pinho
Sessão Introdução ao BIM: Eng. Sergio Pinho
 
Desenvolvimento de processos de interação entre tecnologia BIM e equipamentos...
Desenvolvimento de processos de interação entre tecnologia BIM e equipamentos...Desenvolvimento de processos de interação entre tecnologia BIM e equipamentos...
Desenvolvimento de processos de interação entre tecnologia BIM e equipamentos...
 
Princípios para o Desenvolvimento de Projetos com Recurso a Ferramentas BIM. ...
Princípios para o Desenvolvimento de Projetos com Recurso a Ferramentas BIM. ...Princípios para o Desenvolvimento de Projetos com Recurso a Ferramentas BIM. ...
Princípios para o Desenvolvimento de Projetos com Recurso a Ferramentas BIM. ...
 
João Calheiros. Tese de Mestrado. FEUP 2014. BIM, Modelação Paramétrica, Rhin...
João Calheiros. Tese de Mestrado. FEUP 2014. BIM, Modelação Paramétrica, Rhin...João Calheiros. Tese de Mestrado. FEUP 2014. BIM, Modelação Paramétrica, Rhin...
João Calheiros. Tese de Mestrado. FEUP 2014. BIM, Modelação Paramétrica, Rhin...
 
Apresentacao mjoao
Apresentacao mjoaoApresentacao mjoao
Apresentacao mjoao
 
Desenvolvimento de Interfaces Tridimensionais para Aplicações Móveis a Partir...
Desenvolvimento de Interfaces Tridimensionais para Aplicações Móveis a Partir...Desenvolvimento de Interfaces Tridimensionais para Aplicações Móveis a Partir...
Desenvolvimento de Interfaces Tridimensionais para Aplicações Móveis a Partir...
 
Tarefa 4 exercicios
Tarefa 4 exerciciosTarefa 4 exercicios
Tarefa 4 exercicios
 

Semelhante a Aubr 45 apostila

SOA na Prática – Criando uma Aplicação BPMN com Bonita Open Solution, Mule ES...
SOA na Prática – Criando uma Aplicação BPMN com Bonita Open Solution, Mule ES...SOA na Prática – Criando uma Aplicação BPMN com Bonita Open Solution, Mule ES...
SOA na Prática – Criando uma Aplicação BPMN com Bonita Open Solution, Mule ES...
Michel Azevedo
 
ArchiMate 3.0 na prática
ArchiMate 3.0 na práticaArchiMate 3.0 na prática
ArchiMate 3.0 na prática
Centus Consultoria
 
Cemnno98a
Cemnno98aCemnno98a
AUBR_22-Aplicacao do REVIT em estudos de Viabilidade-1.pdf
AUBR_22-Aplicacao do REVIT em estudos de Viabilidade-1.pdfAUBR_22-Aplicacao do REVIT em estudos de Viabilidade-1.pdf
AUBR_22-Aplicacao do REVIT em estudos de Viabilidade-1.pdf
cesarcarlos20
 
A Contribuição dos Sistemas de Classificação para a Tecnologia BIM
A Contribuição dos Sistemas de Classificação para a Tecnologia BIMA Contribuição dos Sistemas de Classificação para a Tecnologia BIM
A Contribuição dos Sistemas de Classificação para a Tecnologia BIM
Julio Bastos
 
Elagec iv resumo-oficial
Elagec iv resumo-oficialElagec iv resumo-oficial
Elagec iv resumo-oficial
Julio Bastos
 
Aumentando escalabilidade com SOA
Aumentando escalabilidade com SOAAumentando escalabilidade com SOA
Aumentando escalabilidade com SOA
Hugo Marques
 
Revit architecture 2012_pt_introdução_ao_revit
Revit architecture 2012_pt_introdução_ao_revitRevit architecture 2012_pt_introdução_ao_revit
Revit architecture 2012_pt_introdução_ao_revit
Vivaldo Chagas
 
Projeto Indiana
Projeto IndianaProjeto Indiana
Projeto Indiana
hellequin
 
As bea cad_norma_r2011
As bea cad_norma_r2011As bea cad_norma_r2011
As bea cad_norma_r2011
DANIEL DE PAULA FERREIRA
 
Portfolio Grupo 4 ADS Unopar Desafios1-2-3-4
Portfolio Grupo 4 ADS Unopar Desafios1-2-3-4Portfolio Grupo 4 ADS Unopar Desafios1-2-3-4
Portfolio Grupo 4 ADS Unopar Desafios1-2-3-4
Adilson Nascimento
 
FGP, MBA Gerenciamento de Projetos, Gerenciamento de Escopo, Aula 02
FGP, MBA Gerenciamento de Projetos, Gerenciamento de Escopo, Aula 02FGP, MBA Gerenciamento de Projetos, Gerenciamento de Escopo, Aula 02
FGP, MBA Gerenciamento de Projetos, Gerenciamento de Escopo, Aula 02
Aurivan
 
Integração utilizando REST API e Microservices
Integração utilizando REST API e MicroservicesIntegração utilizando REST API e Microservices
Integração utilizando REST API e Microservices
Denis Santos
 
Metodologia de desenvolvimento de sistemas
Metodologia  de desenvolvimento de sistemasMetodologia  de desenvolvimento de sistemas
Metodologia de desenvolvimento de sistemas
Priscila Stuani
 
Course Content.en.pt.pdf
Course Content.en.pt.pdfCourse Content.en.pt.pdf
Course Content.en.pt.pdf
Daniel Amorim Afonso
 
266-940-1-PB
266-940-1-PB266-940-1-PB
266-940-1-PB
Vinícios Pereira
 
Operações - Base de Conhecimento - Parte 01
Operações - Base de Conhecimento - Parte 01Operações - Base de Conhecimento - Parte 01
Operações - Base de Conhecimento - Parte 01
Alan Carlos
 
TOGAF em Ação
TOGAF em AçãoTOGAF em Ação
TDC2016SP - Trilha Arquitetura Empresarial
TDC2016SP - Trilha Arquitetura EmpresarialTDC2016SP - Trilha Arquitetura Empresarial
TDC2016SP - Trilha Arquitetura Empresarial
tdc-globalcode
 
Artigo ricardo figueira a seguir bim
Artigo ricardo figueira a seguir bimArtigo ricardo figueira a seguir bim
Artigo ricardo figueira a seguir bim
Rafael L. Fraga
 

Semelhante a Aubr 45 apostila (20)

SOA na Prática – Criando uma Aplicação BPMN com Bonita Open Solution, Mule ES...
SOA na Prática – Criando uma Aplicação BPMN com Bonita Open Solution, Mule ES...SOA na Prática – Criando uma Aplicação BPMN com Bonita Open Solution, Mule ES...
SOA na Prática – Criando uma Aplicação BPMN com Bonita Open Solution, Mule ES...
 
ArchiMate 3.0 na prática
ArchiMate 3.0 na práticaArchiMate 3.0 na prática
ArchiMate 3.0 na prática
 
Cemnno98a
Cemnno98aCemnno98a
Cemnno98a
 
AUBR_22-Aplicacao do REVIT em estudos de Viabilidade-1.pdf
AUBR_22-Aplicacao do REVIT em estudos de Viabilidade-1.pdfAUBR_22-Aplicacao do REVIT em estudos de Viabilidade-1.pdf
AUBR_22-Aplicacao do REVIT em estudos de Viabilidade-1.pdf
 
A Contribuição dos Sistemas de Classificação para a Tecnologia BIM
A Contribuição dos Sistemas de Classificação para a Tecnologia BIMA Contribuição dos Sistemas de Classificação para a Tecnologia BIM
A Contribuição dos Sistemas de Classificação para a Tecnologia BIM
 
Elagec iv resumo-oficial
Elagec iv resumo-oficialElagec iv resumo-oficial
Elagec iv resumo-oficial
 
Aumentando escalabilidade com SOA
Aumentando escalabilidade com SOAAumentando escalabilidade com SOA
Aumentando escalabilidade com SOA
 
Revit architecture 2012_pt_introdução_ao_revit
Revit architecture 2012_pt_introdução_ao_revitRevit architecture 2012_pt_introdução_ao_revit
Revit architecture 2012_pt_introdução_ao_revit
 
Projeto Indiana
Projeto IndianaProjeto Indiana
Projeto Indiana
 
As bea cad_norma_r2011
As bea cad_norma_r2011As bea cad_norma_r2011
As bea cad_norma_r2011
 
Portfolio Grupo 4 ADS Unopar Desafios1-2-3-4
Portfolio Grupo 4 ADS Unopar Desafios1-2-3-4Portfolio Grupo 4 ADS Unopar Desafios1-2-3-4
Portfolio Grupo 4 ADS Unopar Desafios1-2-3-4
 
FGP, MBA Gerenciamento de Projetos, Gerenciamento de Escopo, Aula 02
FGP, MBA Gerenciamento de Projetos, Gerenciamento de Escopo, Aula 02FGP, MBA Gerenciamento de Projetos, Gerenciamento de Escopo, Aula 02
FGP, MBA Gerenciamento de Projetos, Gerenciamento de Escopo, Aula 02
 
Integração utilizando REST API e Microservices
Integração utilizando REST API e MicroservicesIntegração utilizando REST API e Microservices
Integração utilizando REST API e Microservices
 
Metodologia de desenvolvimento de sistemas
Metodologia  de desenvolvimento de sistemasMetodologia  de desenvolvimento de sistemas
Metodologia de desenvolvimento de sistemas
 
Course Content.en.pt.pdf
Course Content.en.pt.pdfCourse Content.en.pt.pdf
Course Content.en.pt.pdf
 
266-940-1-PB
266-940-1-PB266-940-1-PB
266-940-1-PB
 
Operações - Base de Conhecimento - Parte 01
Operações - Base de Conhecimento - Parte 01Operações - Base de Conhecimento - Parte 01
Operações - Base de Conhecimento - Parte 01
 
TOGAF em Ação
TOGAF em AçãoTOGAF em Ação
TOGAF em Ação
 
TDC2016SP - Trilha Arquitetura Empresarial
TDC2016SP - Trilha Arquitetura EmpresarialTDC2016SP - Trilha Arquitetura Empresarial
TDC2016SP - Trilha Arquitetura Empresarial
 
Artigo ricardo figueira a seguir bim
Artigo ricardo figueira a seguir bimArtigo ricardo figueira a seguir bim
Artigo ricardo figueira a seguir bim
 

Mais de Vivaldo Chagas

Projeto de lei Plano diretor - Maceió
Projeto de lei Plano diretor - MaceióProjeto de lei Plano diretor - Maceió
Projeto de lei Plano diretor - Maceió
Vivaldo Chagas
 
Revit architecture 2012_pt_projeto_preliminar
Revit architecture 2012_pt_projeto_preliminarRevit architecture 2012_pt_projeto_preliminar
Revit architecture 2012_pt_projeto_preliminar
Vivaldo Chagas
 
Revit architecture 2012_pt_iniciar_um_projeto
Revit architecture 2012_pt_iniciar_um_projetoRevit architecture 2012_pt_iniciar_um_projeto
Revit architecture 2012_pt_iniciar_um_projeto
Vivaldo Chagas
 
Revit architecture 2012_pt_guia_do_iniciante
Revit architecture 2012_pt_guia_do_inicianteRevit architecture 2012_pt_guia_do_iniciante
Revit architecture 2012_pt_guia_do_iniciante
Vivaldo Chagas
 
Revit architecture 2013 novidades
Revit architecture 2013 novidadesRevit architecture 2013 novidades
Revit architecture 2013 novidades
Vivaldo Chagas
 
Aubr 24 autodesk-revit-architecture-para-arquitetura-de-interiores
Aubr 24 autodesk-revit-architecture-para-arquitetura-de-interioresAubr 24 autodesk-revit-architecture-para-arquitetura-de-interiores
Aubr 24 autodesk-revit-architecture-para-arquitetura-de-interiores
Vivaldo Chagas
 
Aubr 23 revit-familias-parametricas
Aubr 23 revit-familias-parametricasAubr 23 revit-familias-parametricas
Aubr 23 revit-familias-parametricas
Vivaldo Chagas
 
Au12 autocad469l
Au12 autocad469lAu12 autocad469l
Au12 autocad469l
Vivaldo Chagas
 
Au12 autocad331l
Au12 autocad331lAu12 autocad331l
Au12 autocad331l
Vivaldo Chagas
 
2008 thomaz passosferrazmoreira
2008 thomaz passosferrazmoreira2008 thomaz passosferrazmoreira
2008 thomaz passosferrazmoreira
Vivaldo Chagas
 
Revit architecture 2012_pt_construir_o_modelo
Revit architecture 2012_pt_construir_o_modeloRevit architecture 2012_pt_construir_o_modelo
Revit architecture 2012_pt_construir_o_modelo
Vivaldo Chagas
 
Apostila completa de_desenho_tecnico
Apostila completa de_desenho_tecnicoApostila completa de_desenho_tecnico
Apostila completa de_desenho_tecnico
Vivaldo Chagas
 
Código de obras e edificações - Palmeira dos Indios
Código de obras e edificações - Palmeira dos IndiosCódigo de obras e edificações - Palmeira dos Indios
Código de obras e edificações - Palmeira dos Indios
Vivaldo Chagas
 
Codigodeobrasmaceio
CodigodeobrasmaceioCodigodeobrasmaceio
Codigodeobrasmaceio
Vivaldo Chagas
 
Fichatecnica
FichatecnicaFichatecnica
Fichatecnica
Vivaldo Chagas
 
Codpostura
CodposturaCodpostura
Codpostura
Vivaldo Chagas
 
Codigodeobraseedificacoes
CodigodeobraseedificacoesCodigodeobraseedificacoes
Codigodeobraseedificacoes
Vivaldo Chagas
 
Codtributario
CodtributarioCodtributario
Codtributario
Vivaldo Chagas
 
3 pdpma lei-2424_06..
3 pdpma lei-2424_06..3 pdpma lei-2424_06..
3 pdpma lei-2424_06..
Vivaldo Chagas
 
Mapa 04 declividade_a3_1_100000
Mapa 04 declividade_a3_1_100000Mapa 04 declividade_a3_1_100000
Mapa 04 declividade_a3_1_100000
Vivaldo Chagas
 

Mais de Vivaldo Chagas (20)

Projeto de lei Plano diretor - Maceió
Projeto de lei Plano diretor - MaceióProjeto de lei Plano diretor - Maceió
Projeto de lei Plano diretor - Maceió
 
Revit architecture 2012_pt_projeto_preliminar
Revit architecture 2012_pt_projeto_preliminarRevit architecture 2012_pt_projeto_preliminar
Revit architecture 2012_pt_projeto_preliminar
 
Revit architecture 2012_pt_iniciar_um_projeto
Revit architecture 2012_pt_iniciar_um_projetoRevit architecture 2012_pt_iniciar_um_projeto
Revit architecture 2012_pt_iniciar_um_projeto
 
Revit architecture 2012_pt_guia_do_iniciante
Revit architecture 2012_pt_guia_do_inicianteRevit architecture 2012_pt_guia_do_iniciante
Revit architecture 2012_pt_guia_do_iniciante
 
Revit architecture 2013 novidades
Revit architecture 2013 novidadesRevit architecture 2013 novidades
Revit architecture 2013 novidades
 
Aubr 24 autodesk-revit-architecture-para-arquitetura-de-interiores
Aubr 24 autodesk-revit-architecture-para-arquitetura-de-interioresAubr 24 autodesk-revit-architecture-para-arquitetura-de-interiores
Aubr 24 autodesk-revit-architecture-para-arquitetura-de-interiores
 
Aubr 23 revit-familias-parametricas
Aubr 23 revit-familias-parametricasAubr 23 revit-familias-parametricas
Aubr 23 revit-familias-parametricas
 
Au12 autocad469l
Au12 autocad469lAu12 autocad469l
Au12 autocad469l
 
Au12 autocad331l
Au12 autocad331lAu12 autocad331l
Au12 autocad331l
 
2008 thomaz passosferrazmoreira
2008 thomaz passosferrazmoreira2008 thomaz passosferrazmoreira
2008 thomaz passosferrazmoreira
 
Revit architecture 2012_pt_construir_o_modelo
Revit architecture 2012_pt_construir_o_modeloRevit architecture 2012_pt_construir_o_modelo
Revit architecture 2012_pt_construir_o_modelo
 
Apostila completa de_desenho_tecnico
Apostila completa de_desenho_tecnicoApostila completa de_desenho_tecnico
Apostila completa de_desenho_tecnico
 
Código de obras e edificações - Palmeira dos Indios
Código de obras e edificações - Palmeira dos IndiosCódigo de obras e edificações - Palmeira dos Indios
Código de obras e edificações - Palmeira dos Indios
 
Codigodeobrasmaceio
CodigodeobrasmaceioCodigodeobrasmaceio
Codigodeobrasmaceio
 
Fichatecnica
FichatecnicaFichatecnica
Fichatecnica
 
Codpostura
CodposturaCodpostura
Codpostura
 
Codigodeobraseedificacoes
CodigodeobraseedificacoesCodigodeobraseedificacoes
Codigodeobraseedificacoes
 
Codtributario
CodtributarioCodtributario
Codtributario
 
3 pdpma lei-2424_06..
3 pdpma lei-2424_06..3 pdpma lei-2424_06..
3 pdpma lei-2424_06..
 
Mapa 04 declividade_a3_1_100000
Mapa 04 declividade_a3_1_100000Mapa 04 declividade_a3_1_100000
Mapa 04 declividade_a3_1_100000
 

Último

Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 

Último (20)

Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 

Aubr 45 apostila

  • 1. Integração entre o Revit, o orçamento e o planejamento de obras com uso de Keynotes Sergio Leusin, Raquel Canellas e Luciano Capistrano – GDP — Gerenciamento e Desenvolvimento de Projetos Ltda. A integração entre o REVIT e as atividades de orçamentação e planejamento de execução é facilitada por meio da adoção de sistemas de classificação lançados no campo keynotes. Através de conexões via planilhas ou DBLink é possível manter a integridade de especificações e referencias de custo, respeitando a EAP da obra. Nos exemplos será demonstrado como inserir o sistema de classificação no REVIT, conectá-lo com bases de dados externas e exportar o modelo para sistemas de orçamento e de planejamento (PRIMAVERA, PROJECT ou NAVISWORKS) guardando a integridade destes dados e a possibilidade de retroalimentação. Objetivo de aprendizado: Ao final desta palestra você terá condições de: • Objetivo 1 Organizar o modelo REVIT de modo a que seus de objetos virtuais, elementos e materiais garantam interoperabilidade com os aplicativos de orçamento e planejamento. • Objetivo 2 Exportar dados de um modelo do REVIT para um sistema de orçamento ou de planejamento respeitando a codificação definida • Objetivo 3 Validar o processo representado pelo planejamento através da simulação de execução Sobre o Palestrante: Doutor em Engenharia de Produção, pela COPPE UFRJ, com estágio no LATTS, École des Ponts et Chaussées, Paris. M.Sc. Pela COPPE UFRJ em 1979 e arquiteto pela FAU UFRJ, 1974. Professor Titular da Universidade Federal Fluminense, onde atua como professor colaborador nos Programas de Pós-graduação em Engenharia Civil e de Arquitetura e Urbanismo, foi Pró-Reitor de Pós-Graduação da UNIGRANRIO. Sócio gerente da GDP- Gerenciamento e Desenvolvimento de Projetos (www.gdp.arq.br ) desde 2008, empresa dedicada ao desenvolvimento de projetos e gerenciamento de obras com uso de tecnologia BIM, com diversos projetos desde estudos de viabilidade a projetos executivos de universidades e de empreendimentos imobiliários. Foi sócio gerente da PAAL Projeto Arquitetos Associados, onde foi responsável por dezenas de projetos metroviários, de laboratórios e imobiliários entre 1975 e 1994. No grupo de pesquisa NITCON e através da Rede de pesquisa Capes/CNPq BIM BRASIL desenvolve pesquisas na área de Novas Aplicações da Tecnologia de Informação, tendo já realizado os projetos do Centro de Referencia e Informação em Habitação; CDCON-Desenvolvimento de Terminologia e Sistema de Classificação de Materiais e Serviços para Construção; Projeto SIGMO, Sistema de Gerenciamento de Obras, baseado em PDA; projetos QUALIPRO, de gestão da qualidade na construção e ONTOARQ, uma ontologia da construção. Desenvolveu também estudos prospectivos sobre a cadeia produtiva da construção para a ABDI/CGEE e projetos sobre Organização e Gerenciamento na Construção. Participante da ABNT/CEE-134 - Modelagem de Informação da Construção, colaborando na também na elaboração de outras normas para construção. Sócio fundador do Clube da Qualidade na Construção RJ, do SINDUSCON RIO. Consultor da CAPES, CNPq, FINEP, MDIC, FIESP, ABDI, da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, para os quais desenvolveu estudos setoriais, procedimentos de avaliação de sistemas tecnológicos inovadores e diversas consultorias sobre o tema da inovação. sergio.leusin@gdp.arq.br
  • 2. Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes Estrutura de dados para o modelo virtual A integração entre o modelo virtual criado no Revit e as ferramentas de planejamento , incluindo-se o Projetc, Primavera e Navisworks se inicia com um cuidadoso planejamento da estrutura dos componentes BIM neste modelo virtual. Esse “modelo virtual da construção” deve contemplar as dimensões a serem acompanhadas no planejamento, não bastando ser uma “representação 3D da obra construída”. A estratégia de execução da obra vai se refletir na organização de dados no modelo e na nomenclatura de componentes, a qual deve estar integrada com a EAP – Estrutura Analítica do Projeto adotada no planejamento. O modelo deve atender as necessidades de dados das diversas fases a serem integradas. E o fulcro desta integração é a organização dos dados no modelo, tanto no nível de elementos como dos seus materiais componentes Figura 1: Esquema de associações de dados Na Figura 1: Esquema de associações de dados, vemos que cada elemento no modelo deve estar associado a um serviço e a uma atividade. Nota-se que o conceito de serviço norteia o processo de orçamento, já o planejamento é baseado em atividades. O ponto comum entre serviço e atividade é o produto, ou seja o elemento construído, representado no modelo virtual no REVIT. Para obter o orçamento dos serviços eles serão associados ao volume de materiais e recursos humanos ou técnicos necessários, através de composições unitárias de custo. No 2
  • 3. Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes planejamento também é desejável de associação destes recursos e materiais à cada atividade, mas para efeito do sistema proposto esta será realizada indiretamente, através da associação do serviço. Os elementos no REVIT já trazem uma série de informações relevantes para o planejamento, tais como peso, volume , área , mas elas devem ser complementadas com os dados necessários para a orçamentação e planejamento., com associações através de códigos predefinidos. A associação de serviços a cada elemento, ou camada de componente pode ser feita de modo mais eficaz através do campo Keynote, pois é possível termos um arquivo Keynote.txt personalizado com o sistema de classificação desejado. (ver: Anotate/Tag/ Keynote Settings). No campo keynote será inserido o código do serviço , em geral o código da composição de custo deste serviço (SINAPI, PINI etc.) É possível termos diversos arquivos Keynotes.txt, cada um organizado conforme um sistema de orçamento, ou seja um adequado ao SINAPI, outro conforme a classificação PINI etc. Mas a associação dos elementos a cada código ainda é manual, sendo mais eficiente termos templates de projetos já com estas classificações inseridas nas respectivas famílias de componentes. O desenvolvimento das famílias deve prever também os campos que serão utilizados para a integração com o orçamento e com o planejamento da obra, através da criação dde um parâmetro, a ser associado com o código de atividades previsto para a EAP do projeto. Porém para isso a codificação de atividades deve refletir o particionamento da obra em lotes de serviço, que pode ser variável conforme as características de cada obra. Assim eles podem ser definidos: • Em função do local do serviço (nível, lote etc.) • Em função do tipo de serviço, em geral associado ao material (alvenaria, revestimento cerâmico etc.) A definição desta codificação exige uma boa integração das equipes de projeto e planejamento, pois não existem regras padronizadas e as demandas das obras são diferenciadas. A Figura 2 mostra um exemplo de codificação, onde o critério para a definição da terminologia dos componentes inclui a referência a sua localização, para facilitar. Mas outros critérios podem ser mais adequados, tais como referencias à tipologia dos serviços e a lotes vinculados a níveis. Associações a materiais (p.ex. revestimento cerâmico), também podem ser convenientes. 3
  • 4. Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes Figura 2: Exemplo de codificação de componentes Desenvolvimento do modelo O desenvolvimento prévio de famílias já associadas aos serviços facilita a construção do modelo. Entretanto há que ser considerado o fato de que alguns componentes ou elementos tem múltiplas opções de execução. Por exemplo, argamassa pode ser industrializada de tipos variados ou pose preparada no local de diversas maneiras e cada um desses tipos deve se associado a um determinado código. Deste modo o template de projeto deve considerar os tipos mais comuns adotados pela organização responsável pela obra e serão editados apenas os caso fora do padrão. Uma vez que nas fases preliminares não existe o nível de detalhamento necessário ao planejamento, é comum a substituição de componentes. Por exemplo, uma parede básica vai ser desdobrada em outra que contenha as especificações de revestimentos e nesta constarão os códigos de serviços no campo Keynotes. Já para a associação com as atividades, que segue lógica específica para cada obra, após criados os campos de parâmetros a serem associados à EAP podem ser editadas em bloco, por meio de sincronismo com bancos externos ou link com planilhas Excel. 4
  • 5. Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes Figura 3: Imagem do modelo de demonstração Para demonstração dos recursos apresentamos dois modelos, um simples, de construção convencional padrão MCMV, e otro metálico, de maior porte mas com menor variabilidade de atividades. Exportação de elementos/partes ou lotes de serviços Uma vez desenvolvido o modelo (o que geralmente já teria sido feito ao longo do projeto) deve ser efetuada a exportação da lista de atividades, com respectivos códigos de serviços ou outros que se julguem necessários. No REVIT é montada uma planilha de listagem através do comando View>Shedule>Multicategory Shedule, onde os dados relativos aos códigos de cada elemento, serão associados às atividades. (ver Figura 4) O formato de tabela Multi-category Shedule, permite que sejam listados elementos de diferentes famílias, caso seja utilizado codificação também nos materiais, utilizar a tabela MultiCategory Material Takeoff. 5
  • 6. Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes Figura 4: Listagem da codificação dos elementos Esta lista pode ser exportada em arquivo TXT para facilitar a importação no aplicativo de planejamento, como mostra a Figura 5 Figura 5: Arquivo txt de lista de elementos 6
  • 7. Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes Em geral é conveniente também exportar a quantidade do serviço, talvez sua unidade de medida principal etc. Inserção no Orçamento O orçamento será realizado em aplicativo específico, como o VOLARE, a partir da importação da lista de serviços e suas respectivas quantidades. Neste momento é comum surgirem serviços que não estavam representados no modelo, em geral atividades de suporte ou serviços transitórios, tais como formas, que não foram representados no modelo Elas podem permanecer associadas em grupo ao elemento original ou podem ser criadas entidades temporárias no modelo. O grau de detalhamento do orçamento varia muito, mas é importante a associação dos serviços aos elementos, uma abordagem bem diferente do usual em orçamentos comuns. A exportação do REVIT é feita a partir dos quantitativos de materiais e componentes, com os respectivos códigos oriundos do campo Keynote, como mostra a Figura 6 Figura 6: Quantitativo com codificação 7
  • 8. Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes O orçamento pode retroalimentar os campos de custo dos elementos, facilitando o lançamento deste dado no planejamento. Nesse caso a importação para o modelo pode ser feita via link de ODBC ou via ExcelLink , entre outras ferramentas. Notese que não estaremos atualizando as famílias, mas os elementos... Inserção no Planejamento da execução O arquivo txt com a lista de código de elementos, oriundo do campo de parâmetro específico para a codificação EAP, será importado para o aplicativo de planejamento, permitindo a execução do cronograma rigorosamente de acordo com a lista efetiva de elementos e componentes da obra e seus respectivos quantitativos Isto garante coerência e confiabilidade nos quantitativos considerados. A Figura 7 mostra um exemplo de elemento com seu campo de codificação EAP e Figura 8 mostra a inserção no aplicativo de planejamento dos dados cuja origem foi a planilha da Figura 5. 8
  • 9. Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes Figura 7: Campo de codificação EAP do elemento 9
  • 10. Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes . Figura 8: Listagem de elementos já inseridos no aplicativo de planejamento Importação do modelo e do planejamento para o NAVIS A importação do modelo para o NAVISWORKS Será feita de modo usual. Uma vez importado o modelo devemos associar cada elemento às datas definidas pelo planejamento. É possível que o NavisWorks faça a associação automática dos elementos às atividades do planejamento através do comando >TimeLiner Rules Através deles define-se as regras de associação e deste modo automatiza-se um processo que de outra forma seria manual, unitário e demorado. A Figura 9 mostra o resultado da importação automática. 10
  • 11. Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes Figura 9: Exemplo de importação por elementos Simulação e Validação do processo Uma vez importadas as datas procede-se à simulação da execução, que permite visualizar e ajustar os erros de precedência, ou simular diversos planos de ataque, mediante diferentes planejamentos, que podem ser visualizados ao longo do tempo. Podem ser inseridos equipamentos de apoio para complementar a visão da obra. Figura 10: Exemplo de inserção de equipamento 11
  • 12. Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes A análise de execução será feita passo a passo, com a visualização completa do processo construtivo, como mostra a Figura 11. Figura 11: Exemplo de análise de execução No NAVIS é possível efetuar ajustes e correções com apoio do clash detection, inclusive com regras de clearance e avaliação de compatibilidade de atividades ao longo do tempo, como ilustra a Figura 12. 12
  • 13. Integração REVIT – orçamento e planejamento via Keynotes Figura 12: Exemplo de clash detecion Após alguns ciclos de simulação, em que são feitas as correções a cada rodada, é definida a alternativa de execução a ser adotada, com minimizando os erros e otimizando prazos e recursos, compondo um verdadeiro ciclo PDCA Caso seja de interesse é possível retroalimentar o modelo com as datas efetivas, para consolidar um “as built”, facilitar a montagem de um painel de controle de andamento de obra com dados extraídos automaticamente do REVIT e, após a entrega, ter um histórico completo do processo construtivo. 13