SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
O Criacionismo pode ser estudado e ensinado em qualquer das 3 formas
básicas:
(1) Criacionismo científico (que não depende da Revelação Bíblica, mas utiliza
apenas dados científicos que solidificam o modelo criacionista).
(2) Criacionismo Bíblico (que não depende dos dados científicos, mas utiliza
apenas a Bíblia para defender o modelo criacionista).
(3) Criacionismo científico Bíblico (dependência total na Revelação Bíblica ao
mesmo tempo que usa dados científicos como forma de apoiar e desenvolver o
modelo criacionista).
Obviamente que estes sistemas não são contraditórios mas sim complementares,
cada um apropriado para certas aplicações. Por exemplo, os criacionistas não
devem propor o ensino do criacionismo Bíblico nas escolas públicas, tanto devido
a restrições legais contra o ensino de doutrinas Cristãs nas escolas públicas,
mas também (e mais importante) porque os professores que não acreditam na
Bíblia não devem ser coagidos a ensinar a Bíblia.
No entanto, é desejável e legal ensinar o criacionismo científico nas escolas
públicas como alternativa ao evolucionismo.
PANSPERMIA CÓSMICA
A Panspermia cósmica considera que a vida possa ter surgido em outros locais do universo.
Segundo a teoria da Panspermia Cósmica, existiram partículas de vida que teriam caído na
Terra acompanhadas de cometas e meteoros. Essas partículas seriam como esporos prontos
para germinar. Acredita-se que essa hipótese tenha sido proposta inicialmente no século V
a.C., na Grécia, por Anaxágoras.
A teoria foi novamente posta em discussão por volta de 1879 pelos trabalhos de Hermann von
Helmholtz e William Thomson, que afirmavam a possibilidade de meteoros servirem de meio de
transporte para as formas de vida encontradas no espaço. Svante Arrhenius também
contribuiu muito para a teoria. Ele sugeriu que os esporos poderiam ser transportados no
espaço pela pressão da radiação emitida por estrelas.
Fred Hoyle, ao estudar as galáxias, verificou que seria possível que bactérias viajassem pelo
universo. Ele observou que na poeira espacial havia compostos de carbono e água, sendo que
esta refletia determinado espectro de luz, que era coincidentemente o mesmo que as
bactérias refletiam.
Diversos trabalhos continuaram tentando confirmar a teoria da Panspermia. Dentre eles,
destacaram-se o de Orguiel, os de Murchison e de Allend, que verificaram aminoácidos em
meteoritos. Esses aminoácidos poderiam ter sido trazidos à Terra e terem se tornado
componentes dos oceanos primitivos após sua liberação. Baseando-se nessa teoria, pode ser
que toda a galáxia tenha sido bombardeada com essas formas de vida ou substância
precursora, portanto, não há motivos para que não possa existir vida em outros planetas.
Essa teoria apresenta ainda diversas dúvidas, tais como: De que forma esses micro-
organismos viajaram pelo espaço, suportando todas as suas adversidades?
Além disso, como eles foram formados em outros locais?
CH4
Amônia
Origem da Vida
A Vida na Terra terá surgido á cerca de 3400 M.a., como o parecem demonstrar os fósseis de
procariontes encontrados na África do Sul. As células eucarióticas terão surgido há cerca de
1400 M.a., seguidas dos organismos multicelulares há cerca de 700 M.a. Neste espaço de
tempo os fósseis são abundantes, indicando um processo evolutivo rápido.
Até ao século XIX considerava-se que todos os seres vivos existentes se apresentavam como
sempre tinham sido. Toda a Vida era obra de uma entidade toda poderosa, fato que servia para
mascarar a não existência de conhecimentos suficientes para se criar uma explicação ra-
cional.
Esta teoria, o Criacionismo, no entanto, já no tempo da Grécia antiga não era satisfatória. De
modo a contornar a necessidade de intervenção divina na criação das espécies, surgem várias
teorias alternativas, baseadas na observação de fenômenos naturais, tanto quanto os conhe-
cimentos da época o permitiam.
Aristóteles elaborou uma dessas teorias, cuja aceitação se manteve durante séculos, com a
ajuda da Igreja Católica, que a adotou. Esta teoria considerava que a Vida era o resultado da
ação de um princípio ativo sobre a matéria inanimada, a qual se tornava, então, animada.
Deste modo, não haveria intervenção sobrenatural no surgimento dos organismos vivos, apenas
um fenômeno natural, a geração espontânea.
Estas idéias perduraram até a era moderna, pois Van Helmont (1577 – 1644) ainda considerava
que os “cheiros dos pântanos geravam rãs e que a roupa suja gerava ratos, adultos e
completamente formados”. Também era considerado correto pelos naturalistas que os
intestinos produzissem espontaneamente vermes e que a carne putrefata gerasse moscas.
Todas estas teorias consideravam possível o surgimento de Vida a partir de matéria
inanimada, fosse qual fosse o agente catalisador dessa transformação, daí o estarem
englobadas na designação geral de Abiogênese.
No século XVII Francisco Redi, naturalista e poeta, pôs-se contrário as ideias de Aristóteles,
negando a existência do princípio ativo e defendendo que todos os organismos vivos sur-
giam a partir de inseminação por ovos e nunca por geração espontânea.
Para demonstrar a veracidade de sua teoria, Redi realizou uma experiência que se tornou
célebre pelo fato de ser a primeira, registrada, a utilizar um controle em suas experiências.
Colocou carne em 8 frascos. Selou 4 deles e deixou os restantes 4 abertos, em contato com
o ar. Em poucos dias verificou que os frascos abertos estavam cheios de moscas e de outros
vermes, enquanto que os frascos selados se encontravam livres de contaminação.
Esta experiência parecia negar, inequivocamente a abiogênese de organismos
macroscópicos, tendo sido aceito pelos naturalistas da época.
No entanto, a descoberta do microscópio veio levantar a questão novamente. A teoria da
abiogênese foi parcialmente reabilitada, pois parecia a única capaz de explicar o desen-
volvimento de microrganismos visíveis apenas ao microscópio.
Esta situação manteve-se até ao final do século XVIII, quando o assunto foi novamente
debatido por dois famosos cientistas da época, Needham e Spallanzani.
Needham utilizou várias infusões, que colocou em frascos. Esses frascos foram aquecidos e
deixados ao ar durante alguns dias. Observou que as infusões rapidamente eram invadidas
por microrganismos. Interpretou estes resultados pela geração espontânea de
microrganismos, por ação do princípio ativo de Aristóteles.
Spallanzani usou nas suas experiências 16 frascos. Ferveu durante uma hora diversas
infusões e colocou-as em frascos. Dos 16 frascos, 4 foram selados, 4 fortemente rolhados, 4
tapados com algodão e 4 deixados abertos ao ar. Verificou que a proliferação de
microrganismos era proporcional ao contato com o ar. Interpretou estes resultados com o
fato de o ar conter ovos desses organismos, logo toda a Vida proviria de outra, preexistente.
No entanto, Needham não aceitou estes resultados, alegando que a excessiva fervura teria
destruído o principio ativo presente nas infusões. A polêmica manteve-se até 1862, quando o
francês Louis Pasteur, pôs definitivamente termo à ideia de geração espontânea com uma
série de experiências conservadas para a posteridade pelos museus franceses. Pasteur
colocou diversas infusões em balões de vidro, em contato com o ar. Alongou os pescoços
dos balões á chama, de modo a que fizessem várias curvas. Ferveu os líquidos até que o
vapor saísse livremente das extremidades estreitas dos balões. Verificou que, após o
arrefecimento dos líquidos, estes permaneciam inalterados, tanto em odor como em sabor.
No entanto, não se apresentavam contaminados por microrganismos.
Para eliminar o argumento de Needham, quebrou alguns pescoços de balões, verificando
que imediatamente os líquidos ficavam infestados de organismos. Concluiu, assim, que
todos os microrganismos se formavam a partir de qualquer tipo de partícula sólida,
transportada pelo ar. Nos balões intactos, a entrada lenta do ar pelos pescoços estreitos e
encurvados provocava a deposição dessas partículas, impedindo a contaminação das
infusões.
Ficou definitivamente provado que, nas condições atuais, a Vida surge sempre de outra
Vida, preexistente.
Louis Pasteur
Darwin x Lamarck : a Evolução das Espécies
Apesar de seus estudos sobre hereditariedade, Darwin não conseguiu explicar de que maneira agia a
seleção natural. Mas, com o passar do tempo, o crescente entendimento sobre a genética e a
recuperação das leis de Mendel explicaram...
Agora que você já sabe tudo sobre as principais teorias de origem da vida, que tal testar seus conhecimentos?
1) (UEL-PR) Charles Darwin, além de postular que os organismos vivos evoluíam pela ação da seleção natural,
também considerou a possibilidade de as primeiras formas de vida terem surgido em algum lago tépido do nosso
planeta. Entretanto, existem outras teorias que tentam explicar como e onde a vida surgiu. Uma delas, a
panspermia, sustenta que:
a) as primeiras formas de vida podem ter surgido nas regiões mais inóspitas da Terra, como as fontes hidrotermais
do fundo dos oceanos.
b) compostos orgânicos simples, como os aminoácidos, podem ter sido produzidos de maneira abiótica em vários
pontos do planeta Terra.
c) bactérias ancestrais podem ter surgido por toda a Terra, em função dos requisitos mínimos necessários para a
sua formação e subsistência.
d) a capacidade de replicação das primeiras moléculas orgânicas foi o que permitiu que elas se difundissem pelos
oceanos primitivos da Terra.
e) a vida se originou fora do planeta Terra, tendo sido trazida por meteoritos, cometas ou então pela poeira
espacial.
2) (UEL) Em 1953, o norte-americano Stanley Miller construiu um aparelho que simulava as condições
supostamente existentes na Terra primitiva. Esse experimento de Miller foi importante, pois demonstrava que:
Questão UEL Biologia
a) os primeiros seres vivos eram autótrofos.
b) os primeiros seres vivos eram heterótrofos.
c) a vida se originou no espaço.
d) moléculas orgânicas poderiam ter se formado nas condições da Terra primitiva.
e) a vida surgiu nos mares primitivos.
3) Considerando diferentes hipóteses evolucionistas, analise as afirmações abaixo e as
respectivas justificativas.
A – O Urso Polar é BRANCO porque vive na NEVE!
B – O Urso Polar vive na NEVE porque é BRANCO!
As afirmações A e B podem ser atribuídas, respectivamente, a:
a) Lamarck e Darwin.
b) Pasteur e Lamarck.
c) Pasteur e Darwin.
d) Darwin e Wallace.
e) Wallace e Darwin.
4) Quais as características presentes nos indivíduos de uma espécie afim de que
possamos afirmar que os mesmos são mais adaptados em comparação a outros
indivíduos da mesma espécie:
a) são maiores e solitários.
b) comem mais e apresentam cores vibrantes.
c) vivem mais e reproduzem mais.
d) apresentam mais membros como pernas ou patas.
e) são mais fortes.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Biologia: Origem da Vida [1° Ano Ensino Médio]
Aula Biologia: Origem da Vida [1° Ano Ensino Médio]Aula Biologia: Origem da Vida [1° Ano Ensino Médio]
Aula Biologia: Origem da Vida [1° Ano Ensino Médio]
Ronaldo Santana
 
Introdução à biologia 2011 m tg3_ljizljexms4ymzo0
Introdução à biologia 2011 m tg3_ljizljexms4ymzo0Introdução à biologia 2011 m tg3_ljizljexms4ymzo0
Introdução à biologia 2011 m tg3_ljizljexms4ymzo0
Jorge Rabelo
 
Aula 7º ano - Evolução
Aula 7º ano - EvoluçãoAula 7º ano - Evolução
Aula 7º ano - Evolução
Leonardo Kaplan
 
Resumo teoria-celular
Resumo   teoria-celularResumo   teoria-celular
Resumo teoria-celular
Pelo Siro
 

Mais procurados (20)

CéLula
CéLulaCéLula
CéLula
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
 
CéLula 1
CéLula 1CéLula 1
CéLula 1
 
Introdução à biologia celular
Introdução à biologia celularIntrodução à biologia celular
Introdução à biologia celular
 
O que é biologia?
O que é biologia?O que é biologia?
O que é biologia?
 
Oficinas sobre Teoria da Complexidade e Teoria da Endossimbiose Sequencial
Oficinas sobre Teoria da Complexidade e Teoria da Endossimbiose SequencialOficinas sobre Teoria da Complexidade e Teoria da Endossimbiose Sequencial
Oficinas sobre Teoria da Complexidade e Teoria da Endossimbiose Sequencial
 
Aula Biologia: Origem da Vida [1° Ano Ensino Médio]
Aula Biologia: Origem da Vida [1° Ano Ensino Médio]Aula Biologia: Origem da Vida [1° Ano Ensino Médio]
Aula Biologia: Origem da Vida [1° Ano Ensino Médio]
 
Teoria celular
Teoria celularTeoria celular
Teoria celular
 
Aula 01 Origem da Biologia Celular
Aula 01   Origem da Biologia CelularAula 01   Origem da Biologia Celular
Aula 01 Origem da Biologia Celular
 
Glossário ecologia
Glossário ecologiaGlossário ecologia
Glossário ecologia
 
Teoria celular
Teoria celularTeoria celular
Teoria celular
 
Ficha sobre a célula
Ficha sobre a célulaFicha sobre a célula
Ficha sobre a célula
 
Teoria celular
Teoria celularTeoria celular
Teoria celular
 
Introdução à biologia 2011 m tg3_ljizljexms4ymzo0
Introdução à biologia 2011 m tg3_ljizljexms4ymzo0Introdução à biologia 2011 m tg3_ljizljexms4ymzo0
Introdução à biologia 2011 m tg3_ljizljexms4ymzo0
 
Questoes Origem, Evolução e Diversidade Celular
Questoes Origem, Evolução e Diversidade CelularQuestoes Origem, Evolução e Diversidade Celular
Questoes Origem, Evolução e Diversidade Celular
 
A célula
A célula A célula
A célula
 
04 evolução-evidências
04 evolução-evidências04 evolução-evidências
04 evolução-evidências
 
Biologia celular
Biologia celularBiologia celular
Biologia celular
 
Aula 7º ano - Evolução
Aula 7º ano - EvoluçãoAula 7º ano - Evolução
Aula 7º ano - Evolução
 
Resumo teoria-celular
Resumo   teoria-celularResumo   teoria-celular
Resumo teoria-celular
 

Semelhante a Atm primit

A origem dos seres vivos, confrontando concepções
A origem dos seres vivos, confrontando concepçõesA origem dos seres vivos, confrontando concepções
A origem dos seres vivos, confrontando concepções
Beth_bio
 
Biogênese e abiogênese123
Biogênese e abiogênese123Biogênese e abiogênese123
Biogênese e abiogênese123
Andreza Viegas
 
Biogênese e abiogênese
Biogênese e abiogêneseBiogênese e abiogênese
Biogênese e abiogênese
Andreza Viegas
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologia
adrielguitar
 
Aula origem da_vida
Aula origem da_vidaAula origem da_vida
Aula origem da_vida
edu.biologia
 

Semelhante a Atm primit (20)

Texto de apoio de biologia evolutica 2019
Texto de apoio de biologia evolutica 2019Texto de apoio de biologia evolutica 2019
Texto de apoio de biologia evolutica 2019
 
B.molecular unidade #1
B.molecular unidade #1B.molecular unidade #1
B.molecular unidade #1
 
Origem da vida e teoria evolutiva
Origem da vida e teoria evolutivaOrigem da vida e teoria evolutiva
Origem da vida e teoria evolutiva
 
A origem da vida Por Maiane Viana
A origem da vida Por Maiane VianaA origem da vida Por Maiane Viana
A origem da vida Por Maiane Viana
 
Biologia modulo i
Biologia modulo iBiologia modulo i
Biologia modulo i
 
Teorias da origem
Teorias da origemTeorias da origem
Teorias da origem
 
A origem dos seres vivos, confrontando concepções
A origem dos seres vivos, confrontando concepçõesA origem dos seres vivos, confrontando concepções
A origem dos seres vivos, confrontando concepções
 
Nathalia rodrigues pereira
Nathalia rodrigues pereiraNathalia rodrigues pereira
Nathalia rodrigues pereira
 
Biogênese e abiogênese123
Biogênese e abiogênese123Biogênese e abiogênese123
Biogênese e abiogênese123
 
7ª SéRie Origem Vida
7ª SéRie   Origem Vida7ª SéRie   Origem Vida
7ª SéRie Origem Vida
 
Biogênese e abiogênese
Biogênese e abiogêneseBiogênese e abiogênese
Biogênese e abiogênese
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologia
 
Teorias da Origem da vida e Evolução das espécies
Teorias da Origem da vida e Evolução das espéciesTeorias da Origem da vida e Evolução das espécies
Teorias da Origem da vida e Evolução das espécies
 
Teorias da origem da vida
Teorias da origem da vidaTeorias da origem da vida
Teorias da origem da vida
 
Aula origem da vida
Aula origem da vidaAula origem da vida
Aula origem da vida
 
Origemda vida
Origemda vidaOrigemda vida
Origemda vida
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
 
Aula origem da_vida
Aula origem da_vidaAula origem da_vida
Aula origem da_vida
 
Bio 01 origem da vida.pptx
Bio 01 origem da vida.pptxBio 01 origem da vida.pptx
Bio 01 origem da vida.pptx
 

Mais de ProfDeboraCursinho (20)

Reino animal 17
Reino animal 17Reino animal 17
Reino animal 17
 
Respiração aeróbica
Respiração aeróbicaRespiração aeróbica
Respiração aeróbica
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
 
Taxon. veg
Taxon. vegTaxon. veg
Taxon. veg
 
Primeira lei de mendel
Primeira lei de mendelPrimeira lei de mendel
Primeira lei de mendel
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Compostos inorganicos água e sais minerais
Compostos inorganicos água e sais mineraisCompostos inorganicos água e sais minerais
Compostos inorganicos água e sais minerais
 
Composição quimica dos seres vivos
Composição quimica dos seres vivosComposição quimica dos seres vivos
Composição quimica dos seres vivos
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Metabolismo energético
Metabolismo energéticoMetabolismo energético
Metabolismo energético
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Reino vegetal e reprod
Reino vegetal e reprodReino vegetal e reprod
Reino vegetal e reprod
 
Divisão celular
Divisão celularDivisão celular
Divisão celular
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 

Último

Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
anapsuls
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 

Atm primit

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6. O Criacionismo pode ser estudado e ensinado em qualquer das 3 formas básicas: (1) Criacionismo científico (que não depende da Revelação Bíblica, mas utiliza apenas dados científicos que solidificam o modelo criacionista). (2) Criacionismo Bíblico (que não depende dos dados científicos, mas utiliza apenas a Bíblia para defender o modelo criacionista). (3) Criacionismo científico Bíblico (dependência total na Revelação Bíblica ao mesmo tempo que usa dados científicos como forma de apoiar e desenvolver o modelo criacionista). Obviamente que estes sistemas não são contraditórios mas sim complementares, cada um apropriado para certas aplicações. Por exemplo, os criacionistas não devem propor o ensino do criacionismo Bíblico nas escolas públicas, tanto devido a restrições legais contra o ensino de doutrinas Cristãs nas escolas públicas, mas também (e mais importante) porque os professores que não acreditam na Bíblia não devem ser coagidos a ensinar a Bíblia. No entanto, é desejável e legal ensinar o criacionismo científico nas escolas públicas como alternativa ao evolucionismo.
  • 7.
  • 8. PANSPERMIA CÓSMICA A Panspermia cósmica considera que a vida possa ter surgido em outros locais do universo. Segundo a teoria da Panspermia Cósmica, existiram partículas de vida que teriam caído na Terra acompanhadas de cometas e meteoros. Essas partículas seriam como esporos prontos para germinar. Acredita-se que essa hipótese tenha sido proposta inicialmente no século V a.C., na Grécia, por Anaxágoras. A teoria foi novamente posta em discussão por volta de 1879 pelos trabalhos de Hermann von Helmholtz e William Thomson, que afirmavam a possibilidade de meteoros servirem de meio de transporte para as formas de vida encontradas no espaço. Svante Arrhenius também contribuiu muito para a teoria. Ele sugeriu que os esporos poderiam ser transportados no espaço pela pressão da radiação emitida por estrelas. Fred Hoyle, ao estudar as galáxias, verificou que seria possível que bactérias viajassem pelo universo. Ele observou que na poeira espacial havia compostos de carbono e água, sendo que esta refletia determinado espectro de luz, que era coincidentemente o mesmo que as bactérias refletiam. Diversos trabalhos continuaram tentando confirmar a teoria da Panspermia. Dentre eles, destacaram-se o de Orguiel, os de Murchison e de Allend, que verificaram aminoácidos em meteoritos. Esses aminoácidos poderiam ter sido trazidos à Terra e terem se tornado componentes dos oceanos primitivos após sua liberação. Baseando-se nessa teoria, pode ser que toda a galáxia tenha sido bombardeada com essas formas de vida ou substância precursora, portanto, não há motivos para que não possa existir vida em outros planetas. Essa teoria apresenta ainda diversas dúvidas, tais como: De que forma esses micro- organismos viajaram pelo espaço, suportando todas as suas adversidades? Além disso, como eles foram formados em outros locais?
  • 9.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16. Origem da Vida A Vida na Terra terá surgido á cerca de 3400 M.a., como o parecem demonstrar os fósseis de procariontes encontrados na África do Sul. As células eucarióticas terão surgido há cerca de 1400 M.a., seguidas dos organismos multicelulares há cerca de 700 M.a. Neste espaço de tempo os fósseis são abundantes, indicando um processo evolutivo rápido. Até ao século XIX considerava-se que todos os seres vivos existentes se apresentavam como sempre tinham sido. Toda a Vida era obra de uma entidade toda poderosa, fato que servia para mascarar a não existência de conhecimentos suficientes para se criar uma explicação ra- cional. Esta teoria, o Criacionismo, no entanto, já no tempo da Grécia antiga não era satisfatória. De modo a contornar a necessidade de intervenção divina na criação das espécies, surgem várias teorias alternativas, baseadas na observação de fenômenos naturais, tanto quanto os conhe- cimentos da época o permitiam. Aristóteles elaborou uma dessas teorias, cuja aceitação se manteve durante séculos, com a ajuda da Igreja Católica, que a adotou. Esta teoria considerava que a Vida era o resultado da ação de um princípio ativo sobre a matéria inanimada, a qual se tornava, então, animada. Deste modo, não haveria intervenção sobrenatural no surgimento dos organismos vivos, apenas um fenômeno natural, a geração espontânea. Estas idéias perduraram até a era moderna, pois Van Helmont (1577 – 1644) ainda considerava que os “cheiros dos pântanos geravam rãs e que a roupa suja gerava ratos, adultos e completamente formados”. Também era considerado correto pelos naturalistas que os intestinos produzissem espontaneamente vermes e que a carne putrefata gerasse moscas.
  • 17.
  • 18. Todas estas teorias consideravam possível o surgimento de Vida a partir de matéria inanimada, fosse qual fosse o agente catalisador dessa transformação, daí o estarem englobadas na designação geral de Abiogênese. No século XVII Francisco Redi, naturalista e poeta, pôs-se contrário as ideias de Aristóteles, negando a existência do princípio ativo e defendendo que todos os organismos vivos sur- giam a partir de inseminação por ovos e nunca por geração espontânea. Para demonstrar a veracidade de sua teoria, Redi realizou uma experiência que se tornou célebre pelo fato de ser a primeira, registrada, a utilizar um controle em suas experiências. Colocou carne em 8 frascos. Selou 4 deles e deixou os restantes 4 abertos, em contato com o ar. Em poucos dias verificou que os frascos abertos estavam cheios de moscas e de outros vermes, enquanto que os frascos selados se encontravam livres de contaminação. Esta experiência parecia negar, inequivocamente a abiogênese de organismos macroscópicos, tendo sido aceito pelos naturalistas da época. No entanto, a descoberta do microscópio veio levantar a questão novamente. A teoria da abiogênese foi parcialmente reabilitada, pois parecia a única capaz de explicar o desen- volvimento de microrganismos visíveis apenas ao microscópio. Esta situação manteve-se até ao final do século XVIII, quando o assunto foi novamente debatido por dois famosos cientistas da época, Needham e Spallanzani. Needham utilizou várias infusões, que colocou em frascos. Esses frascos foram aquecidos e deixados ao ar durante alguns dias. Observou que as infusões rapidamente eram invadidas por microrganismos. Interpretou estes resultados pela geração espontânea de microrganismos, por ação do princípio ativo de Aristóteles.
  • 19. Spallanzani usou nas suas experiências 16 frascos. Ferveu durante uma hora diversas infusões e colocou-as em frascos. Dos 16 frascos, 4 foram selados, 4 fortemente rolhados, 4 tapados com algodão e 4 deixados abertos ao ar. Verificou que a proliferação de microrganismos era proporcional ao contato com o ar. Interpretou estes resultados com o fato de o ar conter ovos desses organismos, logo toda a Vida proviria de outra, preexistente. No entanto, Needham não aceitou estes resultados, alegando que a excessiva fervura teria destruído o principio ativo presente nas infusões. A polêmica manteve-se até 1862, quando o francês Louis Pasteur, pôs definitivamente termo à ideia de geração espontânea com uma série de experiências conservadas para a posteridade pelos museus franceses. Pasteur colocou diversas infusões em balões de vidro, em contato com o ar. Alongou os pescoços dos balões á chama, de modo a que fizessem várias curvas. Ferveu os líquidos até que o vapor saísse livremente das extremidades estreitas dos balões. Verificou que, após o arrefecimento dos líquidos, estes permaneciam inalterados, tanto em odor como em sabor. No entanto, não se apresentavam contaminados por microrganismos. Para eliminar o argumento de Needham, quebrou alguns pescoços de balões, verificando que imediatamente os líquidos ficavam infestados de organismos. Concluiu, assim, que todos os microrganismos se formavam a partir de qualquer tipo de partícula sólida, transportada pelo ar. Nos balões intactos, a entrada lenta do ar pelos pescoços estreitos e encurvados provocava a deposição dessas partículas, impedindo a contaminação das infusões. Ficou definitivamente provado que, nas condições atuais, a Vida surge sempre de outra Vida, preexistente.
  • 20.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28. Darwin x Lamarck : a Evolução das Espécies
  • 29. Apesar de seus estudos sobre hereditariedade, Darwin não conseguiu explicar de que maneira agia a seleção natural. Mas, com o passar do tempo, o crescente entendimento sobre a genética e a recuperação das leis de Mendel explicaram...
  • 30. Agora que você já sabe tudo sobre as principais teorias de origem da vida, que tal testar seus conhecimentos? 1) (UEL-PR) Charles Darwin, além de postular que os organismos vivos evoluíam pela ação da seleção natural, também considerou a possibilidade de as primeiras formas de vida terem surgido em algum lago tépido do nosso planeta. Entretanto, existem outras teorias que tentam explicar como e onde a vida surgiu. Uma delas, a panspermia, sustenta que: a) as primeiras formas de vida podem ter surgido nas regiões mais inóspitas da Terra, como as fontes hidrotermais do fundo dos oceanos. b) compostos orgânicos simples, como os aminoácidos, podem ter sido produzidos de maneira abiótica em vários pontos do planeta Terra. c) bactérias ancestrais podem ter surgido por toda a Terra, em função dos requisitos mínimos necessários para a sua formação e subsistência. d) a capacidade de replicação das primeiras moléculas orgânicas foi o que permitiu que elas se difundissem pelos oceanos primitivos da Terra. e) a vida se originou fora do planeta Terra, tendo sido trazida por meteoritos, cometas ou então pela poeira espacial. 2) (UEL) Em 1953, o norte-americano Stanley Miller construiu um aparelho que simulava as condições supostamente existentes na Terra primitiva. Esse experimento de Miller foi importante, pois demonstrava que: Questão UEL Biologia a) os primeiros seres vivos eram autótrofos. b) os primeiros seres vivos eram heterótrofos. c) a vida se originou no espaço. d) moléculas orgânicas poderiam ter se formado nas condições da Terra primitiva. e) a vida surgiu nos mares primitivos.
  • 31. 3) Considerando diferentes hipóteses evolucionistas, analise as afirmações abaixo e as respectivas justificativas. A – O Urso Polar é BRANCO porque vive na NEVE! B – O Urso Polar vive na NEVE porque é BRANCO! As afirmações A e B podem ser atribuídas, respectivamente, a: a) Lamarck e Darwin. b) Pasteur e Lamarck. c) Pasteur e Darwin. d) Darwin e Wallace. e) Wallace e Darwin. 4) Quais as características presentes nos indivíduos de uma espécie afim de que possamos afirmar que os mesmos são mais adaptados em comparação a outros indivíduos da mesma espécie: a) são maiores e solitários. b) comem mais e apresentam cores vibrantes. c) vivem mais e reproduzem mais. d) apresentam mais membros como pernas ou patas. e) são mais fortes.