SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ

CURSO DE GRADUAÇÃO EM

CIÊNCIAS CONTÁBEIS -

BACHARELADO
SEPC - SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO

DISCENTE:
CLAUDEIR MONTES DE NOVAIS

PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR INDIVIDUAL
TEMA: ASPECTO INTRODUTÓRIO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS
PRIMAVERA DO LESTE/MT
2012

SUMÁRIO

1 - INTRODUÇÃO..............................................................................3
2 - OBJETIVO...................................................................................3
3 – HISTÓRIA..................................................................................4
4 - CONCEITO DE CONTABILIDADE.....................................................4
5 - OBJETO DA CONTABILIDADE.........................................................5
6 - OBJETIVOS DA CONTABILIDADE....................................................5
7 - ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL...........................................................6
8 - A CONTABILIDADE NA GESTÃO EMPRESARIAL.................................6
9 - DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS......................................................6
9.1 - BALANÇO PATRIMONIAL........................................................7
9.2 - DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE)............7
10 - MISSÃO DA EMPRESA E VISÃO EMPRESARIAL...............................8
11 - PROCESSO ADMINISTRATIVO E AMBIENTE ORGANIZACIONAL........8
11.1 – PLANEJAMENTO..............................................................8
11.2 – ORGANIZAÇÃO...............................................................9
11.3 - DIREÇÃO.......................................................................9
11.4 - CONTROLE.....................................................................9
12 - ASPECTOS JURÍDICOS..............................................................10
13 - OPERAÇÕES MATEMÁTICAS PRESENTES NA CONTABILIDADE........11
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.......................................................14
1 – INTRODUÇÃO:
Este trabalho está sendo desenvolvido com base nas disciplinas estudadas
no 1º semestre do curso de graduação de ciências contábeis e envolve a
contabilidade, os fundamentos a administração, a cotribuição do direito
público e privado.

2 – OBJETIVOS:
Este trabalho tem como objetivo, mostrar os aspectos introdutórios em
ciências contabeis, com base incial nos livros disponibilizados no 1º
semestre do curso de graduação em ciências contabeis.
3 - HISTÓRIA:
A contabilidade surgiu da necessidade de organização dos registros
em

substituição

ou

em

memorização de dados.

parceria

com

a

capacidade

humana

de

Tem-se registros de seu surgimento em Uruk,

antiga cidade mesopotâmia a aproximadamente 8.000 a 3.000 a.C. Com
o passar do anos a contabilidade foi se aprimorando e a partir do século
XV começaram a surgir as Escolas Contábeis.
A Escola Contista surgiu na Itália no século XIII e seu idealizador
Frade Franciscano Luca Pacioli revolucionou a contabilidade com a
publicação de seu livro “Summa de Arithmetica Geometria Proportioni et
Proportionalita” e traz em seu livro os métodos da partidas dobradas.
Embora os métodos das partidas dobradas não seja de sua autoria,
Luca Pacioli passa a ser considerado o pai da contabilidade moderna. Em
seguida surgiram na Itália outras escolas: Escola Administrativa, Escola
Personalista, Escola Matemática, Escola Controlista. Somente no século
XVII, por volta de 1887 surge nos Estados Unidos da América, a Escola
norte-americana. Tal escola, revolucionou a contabilidade com a criação
da AAPA (American Association of Public) que visou a profissionalização
contábil e separou a contabilidade em gerencial, ou seja contabilidade
interna e contabilidade externa.

4 - CONCEITO DE CONTABILIDADE
Conforme realato de estudiosos, a contabilidade pode possuir vários
conceitos.
Segundo a CVM - Comissão de Valores Mobiliários, através
da deliberação 29/86:
Contabilidade
é,
objetivamente,
um
sistema
de
informação e avaliação destinado a prover seus usuários
com Demonstrações e análises de natureza econômica,
financeira, física e de produtividade, com relação à
entidade objeto de contabilização.

No entendimento de Hilário Franco como a publicação de seu livro
em 1996: “Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio
das entidades, mediante o registro, a demonstração expositiva e a
interpretação

dos gastos

nele ocorridos,

com o fim

de fornecer

informações sobre sua composição e variações, bem como sobre o
resultado econômico e decorrente da gestão da riqueza patrimonial.”

5 - OBJETO DA CONTABILIDADE
A Contabilidade tem com o objeto de estudo o patrimônio, que é
composto pelos bens (que podem ser tangíveis ou não tangíveis) +
direitos

(crédito

com

outrem,

duplicatas

e/ou títulos

a receber)+

obrigações (contas a pagar) de uma entidade econômico-administrativa.
Patrimônio = Bens + Direitos + Obrigações.

6 - OBJETIVOS DA CONTABILIDADE
A contabilidade pode ser considerada um sistema de informação que
auxilia os usuários dos dados nas tomadas de decisão.
Usuário pode ser considerado como qualquer (pessoa
física ou jurídica) que tenha interesse em conhecer dados
(normalmente fornecidos pela contabilidade) de uma
entidade.
Os Usuários podem ser internos (gerentes, diretores,
administradores funcionários em geral) ou externos à
empresa
(acionistas,
instituições
financeiras,
fornecedores, governo, sindicatos). (Marion 2003).

O objetivo principal da Contabilidade, portanto, é o de permitir, a
cada grupo principal de usuários, a avaliação da situação econômica e
financeira da entidade, num sentido estático, bem como fazer inferências
sobre suas tendências futuras.
7 - ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL
A escrituração contábil é uma técnica de registro de fatos contábeis
que influenciam no patrimônio de uma determinada entidade. Conforme
Código Civil Brasileiro - Lei 10.406/2002, artigo 1.179:
“Art. 1.179. O empresário e a sociedade empresária são obrigados a
seguir um sistema de contabilidade, mecanizado ou não, com base
na escrituração uniforme de seus livros, em correspondência com a
documentação respectiva, e a levantar anualmente o balanço
patrimonial e o de resultado econômico.”

A mesma lei em seu parágrafo segundo dispensa a escrituração
contábil para pequenos empresários que estejam em consonância Lei
Complementar 123/2006 que aufira receita bruta anual de até R$
36.000,00 (trinta e seis mil reais).

8 - A CONTABILIDADE NA GESTÃO EMPRESARIAL
Vivemos em um mundo globalizado, cujo mercado encontra-se em
constante mudança. No entanto para que as empresas sejam inseridas
nesse processo, devem-se tornar mais participativas e competitivas. Para
isso devemos utilizar um excelente sistema de gestão empresarial.
“A contabilidade é uma ferramenta indispensável para a
gestão de negócios. De longa data, contadores,
administradores e responsáveis pela gestão de empresas se
convenceram que a amplitude das informações contábeis
vai além do simples cálculo de impostos e atendimento de
legislações.
Contabilidade Gerencial, em síntese, é a utilização dos
registros e controles contábeis com o objetivo de gerir uma
entidade.” ZANLUCA, Júlio César.(2006).

Dessa forma, a Contabilidade Gerencial se torna uma ferramenta de
suma importância no desenvolvimento e crescimento das empresas.

9 - DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS
Para que possamos utilizar a contabilidade de forma correta,
devemos ter em mãos as demonstrações contábeis, que são essenciais
nas tomadas de decisões. Dentre as inúmeras demonstrações contábeis
existentes, vamos falar sobre duas das mais importantes:
9.1 - BALANÇO PATRIMONIAL
O Balanço Patrimonial é considerado a mais importante, senão, a
principal demonstração contábil. Ela traz consigo a posição financeira da
entidade em um determinado período, normalmente apresentado no final
de cada ano ou momento estabelecido. É o reflexo da empresa em um
determinado momento.
O Balanço patrimonial é composto pelo Ativo, Passivo e Patrimônio Liquido
(PL):


Ativo compreende os bens, os direitos e as demais aplicações de
recursos controlados pela entidade, capazes de gerar benefícios
econômicos futuros, originados de eventos ocorridos.



Passivo compreende as origens de recursos representados pelas
obrigações para com terceiros, resultantes de eventos ocorridos que
exigirão ativos para a sua liquidação.



Patrimônio Líquido compreende os recursos próprios da Entidade, e
seu valor é a diferença positiva entre o valor do Ativo e o valor do
Passivo.

9.2 - DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE)
A

demonstração

do

resultado

do

exercício

(DRE)

é

uma

demonstração contábil dinâmica que se destina a evidenciar a formação
do resultado líquido em um exercício, através do confronto das receitas,
custos e resultados, apuradas segundo o princípio contábil do regime de
competência.
A demonstração do resultado do exercício oferece uma síntese
financeira dos resultados operacionais e não operacionais de uma empresa
em certo período. Embora sejam elaboradas anualmente para fins de
legais de divulgação, em geral são feitas mensalmente para fins
administrativos e trimestralmente para fins fiscais.
Conforme Resolução Conselho Federal de Contabilidade - CFC nº
1.185 de 28.08.2009 artigo 82:
“A demonstração do resultado do período deve, no mínimo, incluir as seguintes rubricas,
obedecidas também as determinações legais:
(a) receitas;
(b) custo dos produtos, das mercadorias ou dos serviços vendidos;
(c) lucro bruto;
(d) despesas com vendas, gerais, administrativas e outras despesas e receitas
operacionais;
(e) parcela dos resultados de empresas investidas reconhecida por meio do método de
equivalência patrimonial;
(f) resultado antes das receitas e despesas financeiras
(g) despesas e receitas financeiras;
(h) resultado antes dos tributos sobre o lucro;
(i) despesa com tributos sobre o lucro;
(j) resultado líquido das operações continuadas;
(k) valor líquido dos seguintes itens:
(i) resultado líquido após tributos das operações descontinuadas;
(ii) resultado após os tributos decorrente da mensuração ao valor justo menos despesas
de venda ou na baixa dos ativos ou do grupo de ativos à disposição para venda que
constituem a unidade operacional descontinuada;
(l) resultado líquido do período; “(...)

10 - MISSÃO DA EMPRESA E VISÃO EMPRESARIAL
Missão

significa

finalidade,

objetivo

ou

propósito

básico

e

permanente da existência de uma empresa, esta sempre ligada ao
oferecimento de produtos e serviços para satisfação das necessidades do
consumidor.
O conceito de visão e normalmente confundido com o de missão.
Vale ressaltar que a visão não é um sonho ou utopia. Segundo
Chiavenato, a estratégia organizacional deve estar alinhada com a visão e
objetivos principais da empresa. Desta forma torna-se indispensável o
conhecimento da visão para elaboração das estratégias.
11 - PROCESSO ADMINISTRATIVO E AMBIENTE ORGANIZACIONAL
11.1 - PLANEJAMENTO
Planejar é antecipar e organizar o que deve ser feito para alcançar
determinada meta ou objetivo.
Para planejar pode utilizar-se do instrumento de projeto, que
possibilita avaliar as vantagens e desvantagens de reunir ou combinar
todos os recursos num investimento empresarial, bem como aferir a
capacidade dos empresários.
Os projetos oportunizam a montagem ou expansão das empresas,
em bases racionais, eles justificam o interesse em se manter um
programa de produção, e também em reduzir os riscos que todo
empresário enfrenta ao tomar a decisão de investir. Dessa forma objetivase o melhor caminho para se atingir os resultados esperados.
11.2 - ORGANIZAÇÃO
Para organizar é necessário estruturar a empresa baseando-se na
reunião de pessoas e equipamentos de forma a atender o planejamento.
Essa organização deve atender três requisitos:
Autoridade, que é direito de autorgar poderes e fazê-los cumprir.
Responsabilidade, que a obrigação de fazer e prestar contas do que
foi feito.
Divisão do Trabalho, que é a distribuição de funções de acordo com
a capacidade e critérios estabelecidos pela empresa.

Dividir

funções

é o princípio fundamental da organização. Como o homem não pode fazer
tudo, o trabalho deve ser dividido. Dividir também é entendido nesse
contexto como distribuição da autoridade das responsabilidades nas
empresas, criando diversas seções que executam as funções (ou serviços)
específicos ou próprios.
11.3 - DIREÇÃO
Dirigir é o processo administrativo de conduzir e coordenar a
execução das tarefas planejadas com antecedência. Tem o significado de
fazer com que os empregados executem o trabalho pelo qual responde.
11.4 - CONTROLE
É através do controle que o processo administrativo verifica se as
decisões estão sendo tomadas conforme planejamento. É através controle
também que podemos identificar os erros e repará-los para evitar.
12 - ASPECTOS JURÍDICOS
Quando nos referimos a contabilidade, não pensamos somente em
números. Temos que nos atentar as legislações vigentes em nosso país.
Atualmente contamos com várias resoluções do conselho federal de
contabilidade

que

tratam

dos

assuntos

internos

e

externos

da

contabilidade, ou seja, de que forma deve normatizar os atos e fatos
contábeis, escrituração dentre outros fatores.
A Constituição Federal traz em seu contexto, diversas norma a
serem seguidas pelas pessoas físicas ou juridica, de direito público ou
privado. Uma delas é o Direito Tributário que é disciplinado pelo Código
Tributário Nacional (Lei 5.172/66).
“O direito tributário regula a relação jurídica triutária, a qual
se realiza entre o Fisco e o contribuinte. Trata-se do conjunto
de

normas

que

aludem

à

instituição,

arrecadação

e

fiscalização dos tributos. São espécies de tributos: imposto,
taxas e contribuições.
Os tributos só podem ser cobrados em virtude de expressa
previsão legal, e é por esta razão que os contribuintes
subordinam-se ao poder estatal, neste caso denominado
poder tributário.” ESPOLATOR Rita de Cássia (2009).

A constituição Federal prevê princípios constitucionais tributários que
devem ser seguidos. São eles:
•

Princípio da Legalidade;

•

Princípio da Igualdade ou isonomia;

•

Princípio Anulidade e anterioridade;

•

Princípio Anterioridade mínima;

•

Princípio Não-Confisco;

•

Princípio da Liberdade de tráfego;
•

Princípio da Uniformidade geográfica;

•

Princípio da não-diferenciação tributária;

•

Princípio da capacidade contributiva;

•

Princípio da não cumulatividade;

•

Princípio da seletividade.

Portanto, cabe ao profissional da contabilidade estar atento a legislação
vigente para evitar descumprimento das leis que acarretam em sações.

13 - OPERAÇÕES MATEMÁTICAS PRESENTES NA CONTABILIDADE
No

livro

“Summa

de

arithmética,

geometria,

proportionalità” o Frei Luca Pacioli faz menção

proportioni

et

à matemática, na

explicação do débito e crédito, que eram nada mais do que mecanismos
de álgebra, para estabelecer somas, subtrações, e saldos dos razões,
balancetes, balanços e outros demonstrativos mais.
A matemática se abrange em tudo o que se usa para aferição. Na
contabilidade não é diferente, usamos a matemática dimensionar as
qualidades patrimoniais, colocando-as em quantidades, desta forma
facilitando a analogia, análise, e avaliação do objeto de riqueza.
Portanto, o uso matemático que a contabilidade possui,
serve para a dimensão do fenômeno patrimonial, colocandoa em informações, cujos conteúdos devem ser analisados na
consultoria de gestão.
Usa-se matemática em contabilidade para informar, e depois
para analisar o que está contido na informação, passível de
inteligência, e explicação, conforme o estado que os informes
deduziram ao analista prever e conceber.
Mas do mesmo modo em que se pode utilizá-la para
expressão, podemos utilizar a lógica dispondo da linguagem
matemática numérica.
Não obstante, é de ressaltar, que se pode ter explicações
que dispensem a matemática na sua expressão, ou deixem o
seu uso facultativo.
São as chamadas explicações qualitativas, provindas de
lógica também, e às vezes usadas na argumentação (muito
comum no direito), aquilo que denominamos de método
socrático ou maiêutica.
No entanto, mesmo deixando de ter expressões numéricas,
não pretere o raciocínio e a analogia, pois, estas duas
características cognitivas, são indispensáveis para a visão
matemática, que tem na razão, a sua fonte e essência.
Mas, como expressões matemáticas podemos citar a raiz dos
balanços, ou saldos de contas, o chamado “lançamento
duplo” ou “partida dobrada”. da Silva (2011)

Confome citado acima, o autor diz que as operações matemáticas
servem para

dimensionar o fenômeno patrimonial e é utilizado para

confecção de balanços, folhas de pagamentos, prestação de contas,
fechamento de balanço, cálculos de impostos

A Contabilidade está totalmente ligada aos cálculos matemáticos, na
determinação de valores de impostos, no balanço comercial de empresas,
na elaboração dos cálculos trabalhistas, fechamento de balancetes,
prestação de contas, imposto de renda pessoa física e jurídica entre
outras situações.
Como exemplo, vamos utilizar o cálculo de folhas de pagamento que
possui o objetivo de demonstrar o detalhamento do salário do funcionário,
os acréscimos e as deduções.
Primeiramente vamos simular o salário de um Gerente Comercial.
Vamos supor que ele recebe um salário de R$ 2500,00 (dois mil e
quinhentos reais).
A empresa faz um adiantamento para transporte:
A alíquota para transporte é de 5% calculado de acordo com o salário
bruto. Sendo 5%=5/100*2500=125.
Portanto, temos um desconto de R$ 125,00 (cento e vinte e cinco reais).
Agora vamos fazer o desconto incidido sobre o INSS que é calculado sobre
o salário bruto. Esse imposto está ligado à previdência social e é
descontado através de uma alíquota que varia de acordo com o salário do
funcionário.
A alíquota para INSS será de 11% calculado de acordo com o salário
bruto. Sendo 11%=11/100*2500=275.
Portanto, temos um desconto de R$ 275,00 (duzentos e setenta e cinco
reais).
De forma simples podemos ver a importância da matemática na
contabilidade.

Segue abaixo a folha de pagamento do gerente da

empresa.

EMPRESA DO SICRANO
Funcionário:Fulano de Tal
Cargo/Função: Gerente
Descrição
Salário bruto

Vencimento
R$ 2500,00

Alimentação

R$ 200,00

Mês: Maio
Data de admissão: 01/01/12
Desconto

Transporte

R$ 125,00

INSS

R$ 275,00

TOTAL
Salário

R$ 2.700,00

R$ 400,00
R$ 2.300,00
REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS:
ARAMAN, Eliane Maria. Matemárica: ciências contábeis/Eliane Maria
Araman, Helena Regina Sampaio. São Paulo: Person Prentice Hall, 2009.
COSTA, José Manoel da. Contabilidade básica -

São Paulo: Person

Education do Brasil 2009.
MARION, José Carlos. Contabilidade empresarial. 10.ed. São Paulo:
Atlas, 2003.
MARTINS, Paulo Roberto (org.). Introdução ao direito público e
privado: ciências contabeis/Rita de Cássia Resquietti Tarifa Espolator.
São Paulo: Person Education do Brasil 2009.
SILVA, Monica Maria. Fundamentos da administração – São Paulo:
Person Education do Brasil 2009.
Zanluca, júlio césar.(2006). A importância da contabilidade gerencial
Nas micro e pequenas empresas comerciais Brasileiras. Disponível
em: http://www.google.com.br/url?
sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=7&ved=0cgmqfjag&url=http
%3a%2f%2fead.tce.to.gov.br%2finstitutodecontas%2fbiblioteca
%2fmonografias1%2fdoc_download%2f5-a-importancia-da-contabilidadegerencial-nas-micro-e-pequenas-empresas-brasileiras.html&ei=pnwptfvaslm0qgq7og3bq&usg=afqjcneuk4zilegibmpjhx9nhf-8dgnmxg>
acessado dia 25 de abril de 2012.
BRASIL: CVM - Comissão de Valores Mobiliários, deliberação 29/86.
BRASIL: Código Civil Brasileiro - Lei 10.406/2002, artigo 1.179.
BRASIL: Conselho Federal de Contabilidade - CFC nº 1.185 de 28.08.2009
artigo 82.
BRASIL: Direito Tributário que é disciplinado pelo Código Tributário
Nacional (Lei 5.172/66).
Paulo

Nunes:

Conceitos

da

contabilidade

–

Disponivel

em:

<http://www.notapositiva.com/trab_professores/textos_apoio/contabilida
de/01conccontabilidade.htm> acessado dia 25 de abril de 2012.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila de Contabilidade Gerencial v 310
Apostila de Contabilidade Gerencial v 310Apostila de Contabilidade Gerencial v 310
Apostila de Contabilidade Gerencial v 310
Cesar Ventura
 
Demonstracoes financeiras como instrumento de gestão análise financeira para ...
Demonstracoes financeiras como instrumento de gestão análise financeira para ...Demonstracoes financeiras como instrumento de gestão análise financeira para ...
Demonstracoes financeiras como instrumento de gestão análise financeira para ...
Universidade Pedagogica
 
âMbito da contabilidade de gestão
âMbito da contabilidade de gestãoâMbito da contabilidade de gestão
âMbito da contabilidade de gestão
Universidade Pedagogica
 
Os usuários da informação contábil
Os usuários da informação contábilOs usuários da informação contábil
Os usuários da informação contábil
alir franco
 
Apostila analise de custos v 300
Apostila analise de custos v 300Apostila analise de custos v 300
Apostila analise de custos v 300
Cesar Ventura
 
Trabalho individual gestão industrial 5º semestre
Trabalho individual gestão industrial 5º semestreTrabalho individual gestão industrial 5º semestre
Trabalho individual gestão industrial 5º semestre
Éderson Sierota
 
Introdução à análise das demonstrações contábeis
Introdução à análise das demonstrações contábeisIntrodução à análise das demonstrações contábeis
Introdução à análise das demonstrações contábeis
Gilmar Seco Peres
 
Monografia análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...
Monografia   análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...Monografia   análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...
Monografia análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...
Universidade Pedagogica
 
Contabilidade gerencial
Contabilidade gerencialContabilidade gerencial
Contabilidade gerencial
razonetecontabil
 
Contabilidade gerencial
Contabilidade gerencialContabilidade gerencial
Contabilidade gerencial
zeramento contabil
 
Contabilidade gerencial- Professor Danilo Pires
Contabilidade gerencial- Professor Danilo PiresContabilidade gerencial- Professor Danilo Pires
Contabilidade gerencial- Professor Danilo Pires
Danilo Pires
 
Aps estrutura das demonstrações contábeis sebastiao
Aps   estrutura das demonstrações contábeis sebastiaoAps   estrutura das demonstrações contábeis sebastiao
Aps estrutura das demonstrações contábeis sebastiao
Sebastião Matos
 
Capítulo 1 introdução a contabilidade gerencial
Capítulo 1   introdução a contabilidade gerencialCapítulo 1   introdução a contabilidade gerencial
Capítulo 1 introdução a contabilidade gerencial
LIVIA SANTOS DE MIRANDA
 
Cfi 2017 2018
Cfi 2017 2018Cfi 2017 2018
Cfi 2017 2018
Mikelina QualquerKoisa
 
Controladoria e Prestação de contas
Controladoria e Prestação de contasControladoria e Prestação de contas
Controladoria e Prestação de contas
Michel Freller
 
Contabilidade de gestao
Contabilidade de gestaoContabilidade de gestao
Contabilidade de gestao
Universidade Pedagogica
 
Análise do sistema de controle interno. caso da empresa fipag inhambane.
Análise do sistema de controle interno. caso da empresa fipag inhambane.Análise do sistema de controle interno. caso da empresa fipag inhambane.
Análise do sistema de controle interno. caso da empresa fipag inhambane.
Universidade Pedagogica
 
Conceitos básicos da contabilidade de custos
Conceitos básicos da contabilidade de custosConceitos básicos da contabilidade de custos
Conceitos básicos da contabilidade de custos
Universidade Pedagogica
 
Estrutura das dem contabeis aula 1
Estrutura das dem contabeis   aula 1Estrutura das dem contabeis   aula 1
Estrutura das dem contabeis aula 1
joseesade
 
Contanilidade de gestao exercicios
Contanilidade de gestao exerciciosContanilidade de gestao exercicios
Contanilidade de gestao exercicios
Universidade Pedagogica
 

Mais procurados (20)

Apostila de Contabilidade Gerencial v 310
Apostila de Contabilidade Gerencial v 310Apostila de Contabilidade Gerencial v 310
Apostila de Contabilidade Gerencial v 310
 
Demonstracoes financeiras como instrumento de gestão análise financeira para ...
Demonstracoes financeiras como instrumento de gestão análise financeira para ...Demonstracoes financeiras como instrumento de gestão análise financeira para ...
Demonstracoes financeiras como instrumento de gestão análise financeira para ...
 
âMbito da contabilidade de gestão
âMbito da contabilidade de gestãoâMbito da contabilidade de gestão
âMbito da contabilidade de gestão
 
Os usuários da informação contábil
Os usuários da informação contábilOs usuários da informação contábil
Os usuários da informação contábil
 
Apostila analise de custos v 300
Apostila analise de custos v 300Apostila analise de custos v 300
Apostila analise de custos v 300
 
Trabalho individual gestão industrial 5º semestre
Trabalho individual gestão industrial 5º semestreTrabalho individual gestão industrial 5º semestre
Trabalho individual gestão industrial 5º semestre
 
Introdução à análise das demonstrações contábeis
Introdução à análise das demonstrações contábeisIntrodução à análise das demonstrações contábeis
Introdução à análise das demonstrações contábeis
 
Monografia análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...
Monografia   análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...Monografia   análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...
Monografia análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...
 
Contabilidade gerencial
Contabilidade gerencialContabilidade gerencial
Contabilidade gerencial
 
Contabilidade gerencial
Contabilidade gerencialContabilidade gerencial
Contabilidade gerencial
 
Contabilidade gerencial- Professor Danilo Pires
Contabilidade gerencial- Professor Danilo PiresContabilidade gerencial- Professor Danilo Pires
Contabilidade gerencial- Professor Danilo Pires
 
Aps estrutura das demonstrações contábeis sebastiao
Aps   estrutura das demonstrações contábeis sebastiaoAps   estrutura das demonstrações contábeis sebastiao
Aps estrutura das demonstrações contábeis sebastiao
 
Capítulo 1 introdução a contabilidade gerencial
Capítulo 1   introdução a contabilidade gerencialCapítulo 1   introdução a contabilidade gerencial
Capítulo 1 introdução a contabilidade gerencial
 
Cfi 2017 2018
Cfi 2017 2018Cfi 2017 2018
Cfi 2017 2018
 
Controladoria e Prestação de contas
Controladoria e Prestação de contasControladoria e Prestação de contas
Controladoria e Prestação de contas
 
Contabilidade de gestao
Contabilidade de gestaoContabilidade de gestao
Contabilidade de gestao
 
Análise do sistema de controle interno. caso da empresa fipag inhambane.
Análise do sistema de controle interno. caso da empresa fipag inhambane.Análise do sistema de controle interno. caso da empresa fipag inhambane.
Análise do sistema de controle interno. caso da empresa fipag inhambane.
 
Conceitos básicos da contabilidade de custos
Conceitos básicos da contabilidade de custosConceitos básicos da contabilidade de custos
Conceitos básicos da contabilidade de custos
 
Estrutura das dem contabeis aula 1
Estrutura das dem contabeis   aula 1Estrutura das dem contabeis   aula 1
Estrutura das dem contabeis aula 1
 
Contanilidade de gestao exercicios
Contanilidade de gestao exerciciosContanilidade de gestao exercicios
Contanilidade de gestao exercicios
 

Destaque

Modelo portfólio unopar
Modelo portfólio unoparModelo portfólio unopar
Modelo portfólio unopar
Rogerio Sena
 
1345215057352 (1)
1345215057352 (1)1345215057352 (1)
1345215057352 (1)
olhosdemel
 
Apresentação adm 3º periodo unopar patos pb
Apresentação adm 3º periodo unopar patos pbApresentação adm 3º periodo unopar patos pb
Apresentação adm 3º periodo unopar patos pb
Rogerio Sena
 
Processo Contábil Empresa Comercial – 3º Semestre
Processo Contábil Empresa Comercial – 3º SemestreProcesso Contábil Empresa Comercial – 3º Semestre
Processo Contábil Empresa Comercial – 3º Semestre
Rosélia Marinho
 
Contabilidade fundamentos
Contabilidade fundamentosContabilidade fundamentos
Contabilidade fundamentos
apostilacontabil
 
Orientações alunos
Orientações alunosOrientações alunos
Orientações alunos
Ricardo Dos Santos
 

Destaque (6)

Modelo portfólio unopar
Modelo portfólio unoparModelo portfólio unopar
Modelo portfólio unopar
 
1345215057352 (1)
1345215057352 (1)1345215057352 (1)
1345215057352 (1)
 
Apresentação adm 3º periodo unopar patos pb
Apresentação adm 3º periodo unopar patos pbApresentação adm 3º periodo unopar patos pb
Apresentação adm 3º periodo unopar patos pb
 
Processo Contábil Empresa Comercial – 3º Semestre
Processo Contábil Empresa Comercial – 3º SemestreProcesso Contábil Empresa Comercial – 3º Semestre
Processo Contábil Empresa Comercial – 3º Semestre
 
Contabilidade fundamentos
Contabilidade fundamentosContabilidade fundamentos
Contabilidade fundamentos
 
Orientações alunos
Orientações alunosOrientações alunos
Orientações alunos
 

Semelhante a ASPECTO INTRODUTÓRIO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Aula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_b
Aula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_bAula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_b
Aula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_b
zeramento contabil
 
Principios da contabidade
Principios da contabidadePrincipios da contabidade
Principios da contabidade
zeramento contabil
 
Apostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basicoApostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basico
apostilacontabil
 
Apostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basicoApostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basico
apostilacontabil
 
contabilidade-basica (3).pdf
contabilidade-basica (3).pdfcontabilidade-basica (3).pdf
contabilidade-basica (3).pdf
SolicitaoClnica
 
Anlise contbil de balanos
Anlise contbil de balanosAnlise contbil de balanos
Anlise contbil de balanos
zeramento contabil
 
Anlise contbil de balanos
Anlise contbil de balanosAnlise contbil de balanos
Anlise contbil de balanos
zeramento contabil
 
APOSTILA_DE_PRATICAS_CONTABEIS_I.doc
APOSTILA_DE_PRATICAS_CONTABEIS_I.docAPOSTILA_DE_PRATICAS_CONTABEIS_I.doc
APOSTILA_DE_PRATICAS_CONTABEIS_I.doc
LeoAnjos4
 
Contabilidade geral livro
Contabilidade geral livroContabilidade geral livro
Contabilidade geral livro
Mikathews
 
Análise de demonstrações contábeis_-_UNIDADE1 .pptx
Análise de demonstrações contábeis_-_UNIDADE1 .pptxAnálise de demonstrações contábeis_-_UNIDADE1 .pptx
Análise de demonstrações contábeis_-_UNIDADE1 .pptx
TaianeTeles
 
1029
10291029
Apostila de custos
Apostila de custosApostila de custos
Apostila de custos
profwil
 
1029
10291029
Aula 1 17-03-2015
Aula 1   17-03-2015Aula 1   17-03-2015
Aula 1 17-03-2015
Icaro Mendes
 
Contabilidade geral
Contabilidade geralContabilidade geral
Contabilidade geral
Jonata Souza
 
Apostila contabilidade geral prudente
Apostila contabilidade geral prudenteApostila contabilidade geral prudente
Apostila contabilidade geral prudente
simuladocontabil
 
Contabilidade intermediaria2
Contabilidade intermediaria2Contabilidade intermediaria2
Contabilidade intermediaria2
ElaineLouzada
 
Livro contabilidade intermediaria 2
Livro contabilidade intermediaria 2Livro contabilidade intermediaria 2
Livro contabilidade intermediaria 2
zeramento contabil
 
Delibera o cvm_29_86
Delibera o cvm_29_86Delibera o cvm_29_86
Delibera o cvm_29_86
gabaritocontabil
 
Apostila contabil pef
Apostila contabil pefApostila contabil pef
Apostila contabil pef
zeramento contabil
 

Semelhante a ASPECTO INTRODUTÓRIO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS (20)

Aula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_b
Aula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_bAula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_b
Aula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_b
 
Principios da contabidade
Principios da contabidadePrincipios da contabidade
Principios da contabidade
 
Apostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basicoApostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basico
 
Apostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basicoApostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basico
 
contabilidade-basica (3).pdf
contabilidade-basica (3).pdfcontabilidade-basica (3).pdf
contabilidade-basica (3).pdf
 
Anlise contbil de balanos
Anlise contbil de balanosAnlise contbil de balanos
Anlise contbil de balanos
 
Anlise contbil de balanos
Anlise contbil de balanosAnlise contbil de balanos
Anlise contbil de balanos
 
APOSTILA_DE_PRATICAS_CONTABEIS_I.doc
APOSTILA_DE_PRATICAS_CONTABEIS_I.docAPOSTILA_DE_PRATICAS_CONTABEIS_I.doc
APOSTILA_DE_PRATICAS_CONTABEIS_I.doc
 
Contabilidade geral livro
Contabilidade geral livroContabilidade geral livro
Contabilidade geral livro
 
Análise de demonstrações contábeis_-_UNIDADE1 .pptx
Análise de demonstrações contábeis_-_UNIDADE1 .pptxAnálise de demonstrações contábeis_-_UNIDADE1 .pptx
Análise de demonstrações contábeis_-_UNIDADE1 .pptx
 
1029
10291029
1029
 
Apostila de custos
Apostila de custosApostila de custos
Apostila de custos
 
1029
10291029
1029
 
Aula 1 17-03-2015
Aula 1   17-03-2015Aula 1   17-03-2015
Aula 1 17-03-2015
 
Contabilidade geral
Contabilidade geralContabilidade geral
Contabilidade geral
 
Apostila contabilidade geral prudente
Apostila contabilidade geral prudenteApostila contabilidade geral prudente
Apostila contabilidade geral prudente
 
Contabilidade intermediaria2
Contabilidade intermediaria2Contabilidade intermediaria2
Contabilidade intermediaria2
 
Livro contabilidade intermediaria 2
Livro contabilidade intermediaria 2Livro contabilidade intermediaria 2
Livro contabilidade intermediaria 2
 
Delibera o cvm_29_86
Delibera o cvm_29_86Delibera o cvm_29_86
Delibera o cvm_29_86
 
Apostila contabil pef
Apostila contabil pefApostila contabil pef
Apostila contabil pef
 

Último

Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 

Último (20)

Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 

ASPECTO INTRODUTÓRIO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

  • 1. UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS - BACHARELADO SEPC - SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO DISCENTE: CLAUDEIR MONTES DE NOVAIS PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR INDIVIDUAL TEMA: ASPECTO INTRODUTÓRIO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS
  • 2. PRIMAVERA DO LESTE/MT 2012 SUMÁRIO 1 - INTRODUÇÃO..............................................................................3 2 - OBJETIVO...................................................................................3 3 – HISTÓRIA..................................................................................4 4 - CONCEITO DE CONTABILIDADE.....................................................4 5 - OBJETO DA CONTABILIDADE.........................................................5 6 - OBJETIVOS DA CONTABILIDADE....................................................5 7 - ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL...........................................................6 8 - A CONTABILIDADE NA GESTÃO EMPRESARIAL.................................6 9 - DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS......................................................6 9.1 - BALANÇO PATRIMONIAL........................................................7 9.2 - DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE)............7 10 - MISSÃO DA EMPRESA E VISÃO EMPRESARIAL...............................8 11 - PROCESSO ADMINISTRATIVO E AMBIENTE ORGANIZACIONAL........8 11.1 – PLANEJAMENTO..............................................................8 11.2 – ORGANIZAÇÃO...............................................................9 11.3 - DIREÇÃO.......................................................................9 11.4 - CONTROLE.....................................................................9 12 - ASPECTOS JURÍDICOS..............................................................10 13 - OPERAÇÕES MATEMÁTICAS PRESENTES NA CONTABILIDADE........11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.......................................................14
  • 3. 1 – INTRODUÇÃO: Este trabalho está sendo desenvolvido com base nas disciplinas estudadas no 1º semestre do curso de graduação de ciências contábeis e envolve a contabilidade, os fundamentos a administração, a cotribuição do direito público e privado. 2 – OBJETIVOS: Este trabalho tem como objetivo, mostrar os aspectos introdutórios em ciências contabeis, com base incial nos livros disponibilizados no 1º semestre do curso de graduação em ciências contabeis.
  • 4. 3 - HISTÓRIA: A contabilidade surgiu da necessidade de organização dos registros em substituição ou em memorização de dados. parceria com a capacidade humana de Tem-se registros de seu surgimento em Uruk, antiga cidade mesopotâmia a aproximadamente 8.000 a 3.000 a.C. Com o passar do anos a contabilidade foi se aprimorando e a partir do século XV começaram a surgir as Escolas Contábeis. A Escola Contista surgiu na Itália no século XIII e seu idealizador Frade Franciscano Luca Pacioli revolucionou a contabilidade com a publicação de seu livro “Summa de Arithmetica Geometria Proportioni et Proportionalita” e traz em seu livro os métodos da partidas dobradas. Embora os métodos das partidas dobradas não seja de sua autoria, Luca Pacioli passa a ser considerado o pai da contabilidade moderna. Em seguida surgiram na Itália outras escolas: Escola Administrativa, Escola Personalista, Escola Matemática, Escola Controlista. Somente no século XVII, por volta de 1887 surge nos Estados Unidos da América, a Escola norte-americana. Tal escola, revolucionou a contabilidade com a criação da AAPA (American Association of Public) que visou a profissionalização contábil e separou a contabilidade em gerencial, ou seja contabilidade interna e contabilidade externa. 4 - CONCEITO DE CONTABILIDADE Conforme realato de estudiosos, a contabilidade pode possuir vários conceitos. Segundo a CVM - Comissão de Valores Mobiliários, através da deliberação 29/86: Contabilidade é, objetivamente, um sistema de informação e avaliação destinado a prover seus usuários com Demonstrações e análises de natureza econômica,
  • 5. financeira, física e de produtividade, com relação à entidade objeto de contabilização. No entendimento de Hilário Franco como a publicação de seu livro em 1996: “Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio das entidades, mediante o registro, a demonstração expositiva e a interpretação dos gastos nele ocorridos, com o fim de fornecer informações sobre sua composição e variações, bem como sobre o resultado econômico e decorrente da gestão da riqueza patrimonial.” 5 - OBJETO DA CONTABILIDADE A Contabilidade tem com o objeto de estudo o patrimônio, que é composto pelos bens (que podem ser tangíveis ou não tangíveis) + direitos (crédito com outrem, duplicatas e/ou títulos a receber)+ obrigações (contas a pagar) de uma entidade econômico-administrativa. Patrimônio = Bens + Direitos + Obrigações. 6 - OBJETIVOS DA CONTABILIDADE A contabilidade pode ser considerada um sistema de informação que auxilia os usuários dos dados nas tomadas de decisão. Usuário pode ser considerado como qualquer (pessoa física ou jurídica) que tenha interesse em conhecer dados (normalmente fornecidos pela contabilidade) de uma entidade. Os Usuários podem ser internos (gerentes, diretores, administradores funcionários em geral) ou externos à empresa (acionistas, instituições financeiras, fornecedores, governo, sindicatos). (Marion 2003). O objetivo principal da Contabilidade, portanto, é o de permitir, a cada grupo principal de usuários, a avaliação da situação econômica e financeira da entidade, num sentido estático, bem como fazer inferências sobre suas tendências futuras.
  • 6. 7 - ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL A escrituração contábil é uma técnica de registro de fatos contábeis que influenciam no patrimônio de uma determinada entidade. Conforme Código Civil Brasileiro - Lei 10.406/2002, artigo 1.179: “Art. 1.179. O empresário e a sociedade empresária são obrigados a seguir um sistema de contabilidade, mecanizado ou não, com base na escrituração uniforme de seus livros, em correspondência com a documentação respectiva, e a levantar anualmente o balanço patrimonial e o de resultado econômico.” A mesma lei em seu parágrafo segundo dispensa a escrituração contábil para pequenos empresários que estejam em consonância Lei Complementar 123/2006 que aufira receita bruta anual de até R$ 36.000,00 (trinta e seis mil reais). 8 - A CONTABILIDADE NA GESTÃO EMPRESARIAL Vivemos em um mundo globalizado, cujo mercado encontra-se em constante mudança. No entanto para que as empresas sejam inseridas nesse processo, devem-se tornar mais participativas e competitivas. Para isso devemos utilizar um excelente sistema de gestão empresarial. “A contabilidade é uma ferramenta indispensável para a gestão de negócios. De longa data, contadores, administradores e responsáveis pela gestão de empresas se convenceram que a amplitude das informações contábeis vai além do simples cálculo de impostos e atendimento de legislações. Contabilidade Gerencial, em síntese, é a utilização dos registros e controles contábeis com o objetivo de gerir uma entidade.” ZANLUCA, Júlio César.(2006). Dessa forma, a Contabilidade Gerencial se torna uma ferramenta de suma importância no desenvolvimento e crescimento das empresas. 9 - DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS
  • 7. Para que possamos utilizar a contabilidade de forma correta, devemos ter em mãos as demonstrações contábeis, que são essenciais nas tomadas de decisões. Dentre as inúmeras demonstrações contábeis existentes, vamos falar sobre duas das mais importantes: 9.1 - BALANÇO PATRIMONIAL O Balanço Patrimonial é considerado a mais importante, senão, a principal demonstração contábil. Ela traz consigo a posição financeira da entidade em um determinado período, normalmente apresentado no final de cada ano ou momento estabelecido. É o reflexo da empresa em um determinado momento. O Balanço patrimonial é composto pelo Ativo, Passivo e Patrimônio Liquido (PL):  Ativo compreende os bens, os direitos e as demais aplicações de recursos controlados pela entidade, capazes de gerar benefícios econômicos futuros, originados de eventos ocorridos.  Passivo compreende as origens de recursos representados pelas obrigações para com terceiros, resultantes de eventos ocorridos que exigirão ativos para a sua liquidação.  Patrimônio Líquido compreende os recursos próprios da Entidade, e seu valor é a diferença positiva entre o valor do Ativo e o valor do Passivo. 9.2 - DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) A demonstração do resultado do exercício (DRE) é uma demonstração contábil dinâmica que se destina a evidenciar a formação do resultado líquido em um exercício, através do confronto das receitas, custos e resultados, apuradas segundo o princípio contábil do regime de competência. A demonstração do resultado do exercício oferece uma síntese financeira dos resultados operacionais e não operacionais de uma empresa em certo período. Embora sejam elaboradas anualmente para fins de
  • 8. legais de divulgação, em geral são feitas mensalmente para fins administrativos e trimestralmente para fins fiscais. Conforme Resolução Conselho Federal de Contabilidade - CFC nº 1.185 de 28.08.2009 artigo 82: “A demonstração do resultado do período deve, no mínimo, incluir as seguintes rubricas, obedecidas também as determinações legais: (a) receitas; (b) custo dos produtos, das mercadorias ou dos serviços vendidos; (c) lucro bruto; (d) despesas com vendas, gerais, administrativas e outras despesas e receitas operacionais; (e) parcela dos resultados de empresas investidas reconhecida por meio do método de equivalência patrimonial; (f) resultado antes das receitas e despesas financeiras (g) despesas e receitas financeiras; (h) resultado antes dos tributos sobre o lucro; (i) despesa com tributos sobre o lucro; (j) resultado líquido das operações continuadas; (k) valor líquido dos seguintes itens: (i) resultado líquido após tributos das operações descontinuadas; (ii) resultado após os tributos decorrente da mensuração ao valor justo menos despesas de venda ou na baixa dos ativos ou do grupo de ativos à disposição para venda que constituem a unidade operacional descontinuada; (l) resultado líquido do período; “(...) 10 - MISSÃO DA EMPRESA E VISÃO EMPRESARIAL Missão significa finalidade, objetivo ou propósito básico e permanente da existência de uma empresa, esta sempre ligada ao oferecimento de produtos e serviços para satisfação das necessidades do consumidor. O conceito de visão e normalmente confundido com o de missão. Vale ressaltar que a visão não é um sonho ou utopia. Segundo Chiavenato, a estratégia organizacional deve estar alinhada com a visão e objetivos principais da empresa. Desta forma torna-se indispensável o conhecimento da visão para elaboração das estratégias. 11 - PROCESSO ADMINISTRATIVO E AMBIENTE ORGANIZACIONAL 11.1 - PLANEJAMENTO Planejar é antecipar e organizar o que deve ser feito para alcançar determinada meta ou objetivo.
  • 9. Para planejar pode utilizar-se do instrumento de projeto, que possibilita avaliar as vantagens e desvantagens de reunir ou combinar todos os recursos num investimento empresarial, bem como aferir a capacidade dos empresários. Os projetos oportunizam a montagem ou expansão das empresas, em bases racionais, eles justificam o interesse em se manter um programa de produção, e também em reduzir os riscos que todo empresário enfrenta ao tomar a decisão de investir. Dessa forma objetivase o melhor caminho para se atingir os resultados esperados. 11.2 - ORGANIZAÇÃO Para organizar é necessário estruturar a empresa baseando-se na reunião de pessoas e equipamentos de forma a atender o planejamento. Essa organização deve atender três requisitos: Autoridade, que é direito de autorgar poderes e fazê-los cumprir. Responsabilidade, que a obrigação de fazer e prestar contas do que foi feito. Divisão do Trabalho, que é a distribuição de funções de acordo com a capacidade e critérios estabelecidos pela empresa. Dividir funções é o princípio fundamental da organização. Como o homem não pode fazer tudo, o trabalho deve ser dividido. Dividir também é entendido nesse contexto como distribuição da autoridade das responsabilidades nas empresas, criando diversas seções que executam as funções (ou serviços) específicos ou próprios. 11.3 - DIREÇÃO Dirigir é o processo administrativo de conduzir e coordenar a execução das tarefas planejadas com antecedência. Tem o significado de fazer com que os empregados executem o trabalho pelo qual responde. 11.4 - CONTROLE
  • 10. É através do controle que o processo administrativo verifica se as decisões estão sendo tomadas conforme planejamento. É através controle também que podemos identificar os erros e repará-los para evitar. 12 - ASPECTOS JURÍDICOS Quando nos referimos a contabilidade, não pensamos somente em números. Temos que nos atentar as legislações vigentes em nosso país. Atualmente contamos com várias resoluções do conselho federal de contabilidade que tratam dos assuntos internos e externos da contabilidade, ou seja, de que forma deve normatizar os atos e fatos contábeis, escrituração dentre outros fatores. A Constituição Federal traz em seu contexto, diversas norma a serem seguidas pelas pessoas físicas ou juridica, de direito público ou privado. Uma delas é o Direito Tributário que é disciplinado pelo Código Tributário Nacional (Lei 5.172/66). “O direito tributário regula a relação jurídica triutária, a qual se realiza entre o Fisco e o contribuinte. Trata-se do conjunto de normas que aludem à instituição, arrecadação e fiscalização dos tributos. São espécies de tributos: imposto, taxas e contribuições. Os tributos só podem ser cobrados em virtude de expressa previsão legal, e é por esta razão que os contribuintes subordinam-se ao poder estatal, neste caso denominado poder tributário.” ESPOLATOR Rita de Cássia (2009). A constituição Federal prevê princípios constitucionais tributários que devem ser seguidos. São eles: • Princípio da Legalidade; • Princípio da Igualdade ou isonomia; • Princípio Anulidade e anterioridade; • Princípio Anterioridade mínima; • Princípio Não-Confisco; • Princípio da Liberdade de tráfego;
  • 11. • Princípio da Uniformidade geográfica; • Princípio da não-diferenciação tributária; • Princípio da capacidade contributiva; • Princípio da não cumulatividade; • Princípio da seletividade. Portanto, cabe ao profissional da contabilidade estar atento a legislação vigente para evitar descumprimento das leis que acarretam em sações. 13 - OPERAÇÕES MATEMÁTICAS PRESENTES NA CONTABILIDADE No livro “Summa de arithmética, geometria, proportionalità” o Frei Luca Pacioli faz menção proportioni et à matemática, na explicação do débito e crédito, que eram nada mais do que mecanismos de álgebra, para estabelecer somas, subtrações, e saldos dos razões, balancetes, balanços e outros demonstrativos mais. A matemática se abrange em tudo o que se usa para aferição. Na contabilidade não é diferente, usamos a matemática dimensionar as qualidades patrimoniais, colocando-as em quantidades, desta forma facilitando a analogia, análise, e avaliação do objeto de riqueza. Portanto, o uso matemático que a contabilidade possui, serve para a dimensão do fenômeno patrimonial, colocandoa em informações, cujos conteúdos devem ser analisados na consultoria de gestão. Usa-se matemática em contabilidade para informar, e depois para analisar o que está contido na informação, passível de inteligência, e explicação, conforme o estado que os informes deduziram ao analista prever e conceber. Mas do mesmo modo em que se pode utilizá-la para expressão, podemos utilizar a lógica dispondo da linguagem matemática numérica. Não obstante, é de ressaltar, que se pode ter explicações que dispensem a matemática na sua expressão, ou deixem o seu uso facultativo. São as chamadas explicações qualitativas, provindas de lógica também, e às vezes usadas na argumentação (muito
  • 12. comum no direito), aquilo que denominamos de método socrático ou maiêutica. No entanto, mesmo deixando de ter expressões numéricas, não pretere o raciocínio e a analogia, pois, estas duas características cognitivas, são indispensáveis para a visão matemática, que tem na razão, a sua fonte e essência. Mas, como expressões matemáticas podemos citar a raiz dos balanços, ou saldos de contas, o chamado “lançamento duplo” ou “partida dobrada”. da Silva (2011) Confome citado acima, o autor diz que as operações matemáticas servem para dimensionar o fenômeno patrimonial e é utilizado para confecção de balanços, folhas de pagamentos, prestação de contas, fechamento de balanço, cálculos de impostos A Contabilidade está totalmente ligada aos cálculos matemáticos, na determinação de valores de impostos, no balanço comercial de empresas, na elaboração dos cálculos trabalhistas, fechamento de balancetes, prestação de contas, imposto de renda pessoa física e jurídica entre outras situações. Como exemplo, vamos utilizar o cálculo de folhas de pagamento que possui o objetivo de demonstrar o detalhamento do salário do funcionário, os acréscimos e as deduções. Primeiramente vamos simular o salário de um Gerente Comercial. Vamos supor que ele recebe um salário de R$ 2500,00 (dois mil e quinhentos reais). A empresa faz um adiantamento para transporte: A alíquota para transporte é de 5% calculado de acordo com o salário bruto. Sendo 5%=5/100*2500=125. Portanto, temos um desconto de R$ 125,00 (cento e vinte e cinco reais).
  • 13. Agora vamos fazer o desconto incidido sobre o INSS que é calculado sobre o salário bruto. Esse imposto está ligado à previdência social e é descontado através de uma alíquota que varia de acordo com o salário do funcionário. A alíquota para INSS será de 11% calculado de acordo com o salário bruto. Sendo 11%=11/100*2500=275. Portanto, temos um desconto de R$ 275,00 (duzentos e setenta e cinco reais). De forma simples podemos ver a importância da matemática na contabilidade. Segue abaixo a folha de pagamento do gerente da empresa. EMPRESA DO SICRANO Funcionário:Fulano de Tal Cargo/Função: Gerente Descrição Salário bruto Vencimento R$ 2500,00 Alimentação R$ 200,00 Mês: Maio Data de admissão: 01/01/12 Desconto Transporte R$ 125,00 INSS R$ 275,00 TOTAL Salário R$ 2.700,00 R$ 400,00 R$ 2.300,00
  • 14. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS: ARAMAN, Eliane Maria. Matemárica: ciências contábeis/Eliane Maria Araman, Helena Regina Sampaio. São Paulo: Person Prentice Hall, 2009. COSTA, José Manoel da. Contabilidade básica - São Paulo: Person Education do Brasil 2009. MARION, José Carlos. Contabilidade empresarial. 10.ed. São Paulo: Atlas, 2003. MARTINS, Paulo Roberto (org.). Introdução ao direito público e privado: ciências contabeis/Rita de Cássia Resquietti Tarifa Espolator. São Paulo: Person Education do Brasil 2009. SILVA, Monica Maria. Fundamentos da administração – São Paulo: Person Education do Brasil 2009. Zanluca, júlio césar.(2006). A importância da contabilidade gerencial Nas micro e pequenas empresas comerciais Brasileiras. Disponível em: http://www.google.com.br/url? sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=7&ved=0cgmqfjag&url=http %3a%2f%2fead.tce.to.gov.br%2finstitutodecontas%2fbiblioteca %2fmonografias1%2fdoc_download%2f5-a-importancia-da-contabilidadegerencial-nas-micro-e-pequenas-empresas-brasileiras.html&ei=pnwptfvaslm0qgq7og3bq&usg=afqjcneuk4zilegibmpjhx9nhf-8dgnmxg> acessado dia 25 de abril de 2012. BRASIL: CVM - Comissão de Valores Mobiliários, deliberação 29/86. BRASIL: Código Civil Brasileiro - Lei 10.406/2002, artigo 1.179.
  • 15. BRASIL: Conselho Federal de Contabilidade - CFC nº 1.185 de 28.08.2009 artigo 82. BRASIL: Direito Tributário que é disciplinado pelo Código Tributário Nacional (Lei 5.172/66). Paulo Nunes: Conceitos da contabilidade – Disponivel em: <http://www.notapositiva.com/trab_professores/textos_apoio/contabilida de/01conccontabilidade.htm> acessado dia 25 de abril de 2012.