SlideShare uma empresa Scribd logo
ÁRVORES DO RS Nome: Henrique 4B Professora: Adriana
Açoita-Cavalo  (Luehea divaricata) Açoita cavalo NOME POPULAR: Açoita cavalo Nome Científico:   Luehea divaricata  Mart Detalhes:  Família Malvaceae Origem: Nativa. Características gerais: Árvore de grande porte de 15 - 25 m de altura, nativa, com freqüência em formações arbóreas, na submata dos pinhais, matas de galerias e capoeiras.  Apresenta folhas simples, onde a face superior possui uma cor verde escuro brilhante e a inferior esbranquiçada, com três nervuras muito típicas. A folhagem pelas suas características confere um valor ornamental.  A floração inicia por volta da segunda quinzena de novembro, mas ocorre com maior intensidade no final de dezembro e até a primeira quinzena de fevereiro. As pétalas das flores são dobradas, conforme vai envelhecendo passam de cor violeta para creme, do interior para a extremidade e apresentando pouca expressividade. O fruto é uma cápsula possuindo muitas sementes que não ultrapassam a 1,5 cm de comprimento e apresentam uma pequena assa. A copa é densa proporcionando uma excelente sombra, porém, perde suas folhas por completo, nos meses de agosto e setembro.
AÇUCARÁ Açucará Nome popular : Açucara Nome cientifico :  Gleditschia amorphoides Sinonímea : coronda, faveiro Origem :  sul do Brasil Família :  Leguminosae-Caesalpinoideae Altura :  até 20metros Finalidade :  madeira utilizada em carpintaria e detalhes de acabamento interno de obras civis, e para lenha e carvão. Seus frutos, que fornecem goma assemelhada à garrofina, resultam em delícias quando nas mãos de doceiras experientes. Chama atenção, quando jovem, pelos espinhos que se localizam no seu tronco.
Alecrim Nome popular: Alecrim Nome cientifico :   Rosmarinus officinalis O  alecrim  ( Rosmarinus officinalis ) é um arbusto comum na região do Mediterrâneo ocorrendo dos 0 a 1500 m de altitude, preferencialmente em solos de origem calcária. Devido ao seu aroma característico, os romanos designavam-no como  rosmarinus , que em latim significa  orvalho do mar . Como qualquer outro nome vernáculo, o nome  alecrim  é por vezes usado para referir outras espécies, nomeadamente o rosmaninho, que possui exactamente o étimo  rosmarinus .[1] No entanto estas espécies de plantas, alecrim e rosmaninho, pertencem a dois géneros distintos, Rosmarinus  e  Lavandula , respectivamente, e as suas morfologias denotam diferenças entre as duas espécies, em particular, a forma, coloração e inserção da flor.
ARAUCÁRIA As  araucárias  são árvores  coníferas  do  gênero   Araucaria  na família  Araucariaceae . Existem 19espécies no gênero, com distribuições altamente separadas na Nova Caledônia (onde treze espécies são  endêmicas ),  Ilha Norfolk ,  sudeste  da  Austrália ,  Nova Guiné ,  Argentina ,  Chile , e sul e parte do sudeste do  Brasil .
ERVA-MATE A  erva-mate  ( Ilex paraguariensis ) é uma  árvore  da  família  das  aquifoliáceas , originário da região subtropical da  América do Sul , presente no sul do  Brasil ,e centro oeste do pais ( Mato Grosso do Sul ), norte da  Argentina ,  Paraguai  e  Uruguai . Os indígenas das nações  Guarani  e  Quíchua  tinham o hábito de beber infusões com suas  folhas . Hoje em dia este hábito continua popular nestas regiões, consumido como  chá  quente ou gelado (muito popular na região sudeste do Brasil), ou como  chimarrão  no sul do  Brasil , principalmente nos estados do  Rio Grande do Sul ,  Santa Catarina  e  Paraná , no  Uruguai , no sul da  Bolivia  e na  Argentina . É também consumido como  tereré , em alguns estados brasileiros como o  Mato Grosso do Sul ,  Paraná , Santa Catarina, além do  Paraguai , país de origem. Pode atingir 12 metros de altura, tem  caule  cinza,  folhas  ovais e  fruto  pequeno e verde ou vermelho-arroxeado. As folhas da erva-mate são aproveitadas na culinária. A palavra  mate  deriva do quíchua  matty  que designa a  Cuia  ou seja, o recipiente onde o chá era bebido ou sorvido por uma bomba. O hábito ainda hoje é muito popular em todo o sul da América do Sul, e no Brasil a bebida é chamada de  Chimarrão . As  plantas  nativas só se reproduziam por meio de  pássaros  da região que ingeriam o pequeno  fruto  e defecavam sua  semente  já escarificada. A plântula é muito sensível ao  sol  tanto que, mesmo no plantio moderno a  técnica  exige sombreamento até que a planta atinja alguma maturidade. Atualmente existem viveiros que produzem mudas de variedades selecionadas, cujo plantio é feito com técnicas especiais em grandes hortos. Para facilitar a colheita anual dos ramos, a árvore é severamente podada para manter-se a não mais de 3,00 metros de altura. Dessa forma evita-se plantas altas que dificultam a colheita das folhas jovens, consideradas nobres na infusão do chá mate. Outra prática bastante popular no planalto curitibano, habitat original da erva-mate, é conciliar o plantio da  Araucária  com o do mate. Técnicas como essa são comuns para um controle ambiental mais rígido, e para evitar o desgaste do solo. Existe a errônea afirmação de que a erva-mate possui um efeito negativo no desempenho sexual masculino, todavia a Ilex paraguariensis possui um forte poder afrodisíaco, sendo este também ingerido contra a infertilidade e a impotência
IPE ROXO Árvore de porte médio, o  ipê-roxo  no período do outono, se enche de flores, para se reproduzir. É o primeiro dos ipês a florir no ano, inicia a floração em Junho, e pode durar até Agosto, conforme a árvore. Tem vários nomes populares como Ipê-roxo-da-mata, Ipê-una ou Pau D'arco, entre outros. Esta espécie se confunde bastante com outras também de flor roxa, como a  Tabebuia avellanedae  e a  Tabebuia heptaphylla , sendo considerado por alguns autores que a  T. avellanedae  e a  T. impetiginosa  seriam a mesma espécie. São muito utilizadas no  paisagismo  urbano, por sua beleza e desenvolvimento rápido. Outros nomes vulgares: caboré, guaraíba, ipê (RJ,SC), ipê-de-flor-roxa, ipê-piranga, ipê-preto (RJ,RS), ipê-rosa (MG), ipê-roxo-anão (SP), ipê-uva, pau-d’arco (BA), pau-d’arco-rosa (BA), pau-d’arco-roxo (BA,MG) peúva (MS) e piúva (MS,MT). Na  Argentina , lapacho e no  Paraguai , lapacho negro.a maioria das espécies são encontradas no sudoeste paraense, na área do municipio Altamirense, e na maior floresta de ipês do Brasil, a floresta do MACAPICHI. [ editar ] Características gerais Madeira muito pesada, impermeável, resistente ao ataque de organismos  xilófagos  e muito dura ao corte, cerne pardo acastanhado ou pardo-alva-claro, geralmente uniforme, às vezes com reflexos esverdeados, textura fina a média, uniforme, grã direita ou revessa, superfície pouco lustrosa e medianamente lisa ao tato; cheiro e gosto imperceptíveis. Sua madeira apresenta grande durabilidade, sendo muito utilizada na construção civil. É uma espécie largamente empregada no paisagismo em geral, pela beleza de suas inflorescências arroxeadas que surgem nos meses de julho a setembro. É uma espécie ameaçada de extinção devido à intensa procura por sua casca, que é considerada pela medicina popular como anticancerígena, anti-reumática e antianêmica. Há varios tipos de ipê, que podem ser diferenciados pela folhas
IPE AMARELO O  pau-d'arco-amarelo  ( Tabebuia serratifolia ) é uma árvore brasileira nativa do RS
XAXIM Xaxim  ( Dicksonia sellowiana ) é o feto arborescente, da família das  dicksoniáceas , nativo da  Mata Atlântica  e  América Central  (especialmente dos estados de  Minas Gerais ,  Rio de Janeiro ,  São Paulo ,  Paraná  e  Rio Grande do Sul ). Possui  cáudice  ereto, cilíndrico, e  frondes   bipenadas  de até 2 metros. Devido à extração desenfreada do cáudice para uso no cultivo de outras plantas, a espécie está  ameaçada de extinção  e sua extração está proibida em todo o  Brasil . Também é conhecido pelos nomes de  samambaiaçu  e  samambaiaçu-imperial . O xaxim é uma planta do grupo das  pteridófitas  assim como avencas, cavalinhas e a samambaia.
CANELA A  caneleira  ( Cinnamomum zeylanicum , sinônimo  C. verum ) é uma pequena  árvore  com aproximadamente 10–15 m de altura, pertencendo à família  Lauraceae . É nativa do  Sri Lanka , no sul da  Ásia . As  folhas  possuem um formato oval-longo com 7–18 cm de comprimento. As  flores , que florescem em pequenos maços, são esverdeadas e possuem um odor distinto. A  fruta , arroxeada, com aproximadamente 1 centímetro, produz uma única  semente . A  canela  é a  especiaria  obtida da parte interna da casca do tronco. É muito utilizada na  culinária  como condimento e aromatizante e na preparação de certos tipos de  chocolate  e  licores . Na  medicina , empregada como os óleos destilados, é conhecida por 'curar' resfriados. O sabor e aroma intensos vêm do  aldeído  cinâmico ou  cinamaldeído
FIGUEIRA As  figueiras  são plantas, geralmente árvores, do  gênero   Ficus ,  família   Moraceae . Também são conhecidas como  ficus ,  gameleira  (ou  gomeleira ) e  caxinguba , palavra de origem tupi-guarani [1] . Há cerca de 755  espécies  de figueiras no mundo [2] , especialmente em regiões de clima tropical e subtropical e onde haja presença de água. O gênero  Ficus  é um dos maiores do  Reino   Vegetal . As figueiras podem crescer de forma enérgica e por isso não é indicado que se cultivem figueiras de grande porte perto de casas, pois o crescimento de suas raízes têm a capacidade de deformar as paredes das residências. Por fornecerem alimentos a aves, símios, morcegos e outros animais dispersores de sementes, têm importância na preservação das vegetações nativas tropicais e subtropicais. Os figos caídos no solo e na água servem também de alimentos a vários outros animais, incluindo peixes e insetos.
JABUTICABA A  jabuticaba ,  jaboticaba  ou  jabuticabeira  é uma árvore frutífera brasileira da família das  mirtáceas , nativa da  Mata Atlântica . Com a recente mudança na nomenclatura botânica, há divergências sobre a classificação da espécie:  Myrciaria cauliflora  (Mart.) O. Berg. 1854 [1]  ou  Plinia trunciflora  (O. Berg) Kausel 1956 [2] . Segundo Lorenzi et al.  [3] , a segunda seria outra espécie, a  jabuticaba-café . Descrita inicialmente em 1828 a partir de material cultivado, sua origem é desconhecida. Outros nomes populares: fruita, jabuticabeira-preta, jabuticabeira-rajada, jabuticabeira-rósea, jabuticabeira-vermelho-branca, jabuticaba-paulista, jabuticaba-ponhema, jabuticaba-açu. Outras espécies de jabuticaba:  Myrciaria jaboticaba  (Vell.) Berg, conhecida como  jabuticaba-sabará  e encontrada com mais frequência no estado de  Minas Gerais , no  Brasil
PITANGA A  pitanga  é o  fruto  da pitangueira, ou  Eugenia uniflora  L.,  dicotiledônea  da família  Myrtaceae . Tem a forma de drupa globosa e carnosa, com as cores vermelha (a mais comum), amarela ou preta [1] . Na mesma árvore, o fruto poderá ter desde as cores verde, amarelo e alaranjado até a cor vermelho intenso de acordo com o grau de maturação. Existe outra espécie, homônima a  Eugenia uniflora  O. Berg, descrita em 1857, e renomeada  Eugenia lineatifolia  (O. Berg) Mattos em 1993 [2] . Este fruto não é produzido comercialmente pois, quando maduro, fica muito tenro e danifica-se facilmente com o transporte. Apesar disto, é apreciado no Brasil pois é muito saboroso, além de ser rico em cálcio [1] .
PAINEIRA Há várias  espécies  conhecidas como  paineira  no  Brasil , quase todas pertencendo ao  gênero   Ceiba  (antes,  Chorisia [1] ) da  família   Bombacaceae . De todas, a mais conhecida é a paineira da espécie  Ceiba speciosa  (St.-Hill.) Ravenna, nativa das  florestas  brasileiras e da  Bolívia , inicialmente descrita como  Chorisia speciosa  por  Auguste de Saint Hilaire , em 1828. [2] Outros nomes vulgares:  sumaúma ,  barriguda ,  paina-de-seda ,  paineira-branca ,  paineira-rosa ,  árvore-de-paina ,  árvore-de-lã ,  paineira-fêmea .
PATA DE VACA A  pata-de-vaca  ( Bauhinia forticata ), é uma  árvore   brasileira  nativa da  Mata Atlântica  e de outros  biomas .
MARICÁ Maricá  ( Mimosa bimucronata - De candolle ) O. Kuntze da família das Leguminosas (Leguminosae, Mimosoideae), é uma  árvore  comum onde o solo é úmido e brejoso. Com altura entre 6m e 10m. Encontrada no  Brasil , em vários estados, por exemplo, no  Rio Grande do Sul .
MURTA Murta  ( Myrtus   L. ) é um género botânico que compreende uma ou duas espécies de plantas com flor, da família das  Myrtaceae , nativo do sudoeste da  Europa  e do  Norte de África . São plantas  arbustivas  ou  arborescentes , com muitos ramos, de  folha  persistente, que podem crescer até 5 m de altura. As suas folhas, coriáceas e verde-escuras, medem 3 a 5 cm de comprimento e cerca de 1,5 cm de largura, com um cheiro geralmente considerado agradável quando esmagadas devido ao seu  óleo essencial  disposto por diversas pontuações ao longo do limbo. As folhas são inteiras, ovado-lanceoladas, agudas, em filotaxia oposta-cruzada ou decussada (o par de folhas superior encontra-se em situação cruzada com o inferior, e cada par encontra-se disposto ao mesmo nível, pecíolo contra pecíolo). As  flores , geralmente brancas (podem ter também uma coloração rosada), têm cinco pétalas e um número elevado de estames. O  fruto  é uma  pseudobaga  carnuda,  elipsóide , azul-escura ou negra, contendo várias  sementes . A  polinização  é feita por insectos e a dispersão das sementes é efectuada por pássaros que se alimentam das bagas. O seu habitat preferencial é xerofílico (seco) e em  solos  sem  calcário . A  murta-comum , também designada como  mirta ,  mirto ,  murta-cheirosa ,  murta-cultivada ,  murta-das-noivas ,  murta-do-jardim ,  murta-verdadeira ,  murteira ,  murtinheira ,  murtinheiro ,  murtinho ,  murtinhos  e  murto , está vastamente distribuída pela região mediterrânica, sendo muito cultivada por todo o mundo. Nos  Açores  é ainda designada como  murtão . A subespécie  Myrtus communis tarentina ,  Lineu , é designada como  murta-dos-jardins  ou  murta-das-folhas-pequenas , sendo apreciada pela sua copa arredondada, folhagem densa e flores aromáticas. Outra espécie, conhecida como  murta do Sara  ( Myrtus nivellei ), tem a sua área de distribuição restrita às montanhas de  Tassili n'Ajjer , na  Argélia  meridional, e nos  Montes Tibesti  no  Chade , onde ocorre em pequenas áreas de bosques vestigiais, perto do centro do  Deserto do Sara  e é considerada uma espécie em perigo de  extinção . Contudo, alguns botânicos não a consideram suficientemente distinta da  Myrtus communis  para constituir uma espécie à parte.
PAU FERRO Caesalpinia leiostachya  (Benth.) Ducke ( Caesalpinioideae ), vulgarmente denominada  pau ferro , de  basiônimo   Caesalpinia ferrea  var.  leiostachya  (Benth. 1870). [1]  é uma árvore de grande porte com origem no  Brasil , nativa da  Mata Atlântica  na encosta  pluvial  do Atlântico. Diz-se que seu nome provém das faíscas e do ruído metálico produzidos por machados quando se atrevem a cortá-las. A madeira  madeira de lei  do pau ferro é muito dura, provavelmente a mais densa e pesada das Américas; alguns chamam-na de " ébano " brasileiro; esta densidade altíssima faz com que a espécie, especialmente em parques, seja constantemente atingida por raios.
PAU SABÃO Sapindus saponaria  L. [1] , também conhecida pelos nomes populares de  árvore-do-sabão ,  fruta-de-sabão ,  ibaró ,  jequiri ,  jequiriti ,  jequitiguaçu ,  pau-de-sabão ,  pau-sabão ,  sabão-de-macaco ,  sabão-de-mico ,  sabão-de-soldado ,  sabãozinho ,  saboeiro ,  saboneteira ,  saboneteiro ,  salta-martim  e  saponária  é uma planta da família das  Sapindaceae , nativa das regiões tropicais da  América . Tem  folhas  penadas e  flores  brancas dispostas em panículas. Os seus frutos têm  sementes  pretas e esféricas. Chega a atingir 8 m de comprimento
ESPINHEIRA SANTA A  espinheira-santa  ( Maytenus ilicifolia ) é uma  planta  da  família   Celastraceae . Em  jardins  externos alcança o porte de  árvore , com até três  metros  de altura. Em vasos grandes, em  varandas , atinge até um metro. Popularmente conhecida como  espinheira-santa, espinheira-divina, maiteno, salvavidas, sombra-de-touro, erva-cancerosa, congorça, cancerosa, cancorosa, espinho-de-deus, e congorça . [1]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Diversidade Das Flores
A Diversidade Das FloresA Diversidade Das Flores
A Diversidade Das Flores
michelechristine
 
Caatinga Potenciais By: Elayne Farias!
Caatinga Potenciais By: Elayne Farias!Caatinga Potenciais By: Elayne Farias!
Caatinga Potenciais By: Elayne Farias!
Elayne Beatriz de Farias Pereira
 
Seminário de Fisiologia Vegetal - Catingueira
Seminário de Fisiologia Vegetal - Catingueira Seminário de Fisiologia Vegetal - Catingueira
Seminário de Fisiologia Vegetal - Catingueira
Carlos Eduardo
 
Parquedamaternidade2
Parquedamaternidade2Parquedamaternidade2
Parquedamaternidade2
Claudiomar Cunha
 
Arvores do RS: Nicholas
Arvores do RS: NicholasArvores do RS: Nicholas
Arvores do RS: Nicholas
Elisângela Ribas
 
5 nativas-em-extincao-ibf
5 nativas-em-extincao-ibf5 nativas-em-extincao-ibf
5 nativas-em-extincao-ibf
Rodolfo Antônio da Silva
 
Apostilha meio ambiente
Apostilha meio ambienteApostilha meio ambiente
Apostilha meio ambiente
Uiles Martins
 
Cartilha Árvores do campus Planaltina 6
Cartilha Árvores do campus Planaltina 6Cartilha Árvores do campus Planaltina 6
Cartilha Árvores do campus Planaltina 6
igor-oliveira
 
Araucárias cleusi e liana (reparado)
Araucárias cleusi e liana (reparado)Araucárias cleusi e liana (reparado)
Araucárias cleusi e liana (reparado)
munchemfest
 
Morfologia das palmeiras
Morfologia das palmeirasMorfologia das palmeiras
Morfologia das palmeiras
Raelly Silva
 
Parque da Maternidade
Parque da MaternidadeParque da Maternidade
Parque da Maternidade
Ana Cunha
 
Poda de árvores frutíferas
Poda  de árvores frutíferasPoda  de árvores frutíferas
Poda de árvores frutíferas
Amillima
 
Manual de Identificação de Mudas e de Espécies Florestais (2ª Ed.)
Manual de Identificação de Mudas e de Espécies Florestais (2ª Ed.)Manual de Identificação de Mudas e de Espécies Florestais (2ª Ed.)
Manual de Identificação de Mudas e de Espécies Florestais (2ª Ed.)
Hawston Pedrosa
 
O loureiro
O loureiroO loureiro
Novo3 pinus
Novo3 pinusNovo3 pinus
Novo3 pinus
Raphael Machado
 
Azinheira ( Vegetação)
Azinheira ( Vegetação)Azinheira ( Vegetação)
Azinheira ( Vegetação)
FloraCosta
 
Manaca
ManacaManaca
Ppt plantas ameaçadas
Ppt   plantas ameaçadasPpt   plantas ameaçadas
Ppt plantas ameaçadas
maria
 
Frutas da amazônia
Frutas da amazôniaFrutas da amazônia
Frutas da amazônia
kelly23k
 
Pinheiro Manso e Bravo
Pinheiro Manso e BravoPinheiro Manso e Bravo
Pinheiro Manso e Bravo
bichareca
 

Mais procurados (20)

A Diversidade Das Flores
A Diversidade Das FloresA Diversidade Das Flores
A Diversidade Das Flores
 
Caatinga Potenciais By: Elayne Farias!
Caatinga Potenciais By: Elayne Farias!Caatinga Potenciais By: Elayne Farias!
Caatinga Potenciais By: Elayne Farias!
 
Seminário de Fisiologia Vegetal - Catingueira
Seminário de Fisiologia Vegetal - Catingueira Seminário de Fisiologia Vegetal - Catingueira
Seminário de Fisiologia Vegetal - Catingueira
 
Parquedamaternidade2
Parquedamaternidade2Parquedamaternidade2
Parquedamaternidade2
 
Arvores do RS: Nicholas
Arvores do RS: NicholasArvores do RS: Nicholas
Arvores do RS: Nicholas
 
5 nativas-em-extincao-ibf
5 nativas-em-extincao-ibf5 nativas-em-extincao-ibf
5 nativas-em-extincao-ibf
 
Apostilha meio ambiente
Apostilha meio ambienteApostilha meio ambiente
Apostilha meio ambiente
 
Cartilha Árvores do campus Planaltina 6
Cartilha Árvores do campus Planaltina 6Cartilha Árvores do campus Planaltina 6
Cartilha Árvores do campus Planaltina 6
 
Araucárias cleusi e liana (reparado)
Araucárias cleusi e liana (reparado)Araucárias cleusi e liana (reparado)
Araucárias cleusi e liana (reparado)
 
Morfologia das palmeiras
Morfologia das palmeirasMorfologia das palmeiras
Morfologia das palmeiras
 
Parque da Maternidade
Parque da MaternidadeParque da Maternidade
Parque da Maternidade
 
Poda de árvores frutíferas
Poda  de árvores frutíferasPoda  de árvores frutíferas
Poda de árvores frutíferas
 
Manual de Identificação de Mudas e de Espécies Florestais (2ª Ed.)
Manual de Identificação de Mudas e de Espécies Florestais (2ª Ed.)Manual de Identificação de Mudas e de Espécies Florestais (2ª Ed.)
Manual de Identificação de Mudas e de Espécies Florestais (2ª Ed.)
 
O loureiro
O loureiroO loureiro
O loureiro
 
Novo3 pinus
Novo3 pinusNovo3 pinus
Novo3 pinus
 
Azinheira ( Vegetação)
Azinheira ( Vegetação)Azinheira ( Vegetação)
Azinheira ( Vegetação)
 
Manaca
ManacaManaca
Manaca
 
Ppt plantas ameaçadas
Ppt   plantas ameaçadasPpt   plantas ameaçadas
Ppt plantas ameaçadas
 
Frutas da amazônia
Frutas da amazôniaFrutas da amazônia
Frutas da amazônia
 
Pinheiro Manso e Bravo
Pinheiro Manso e BravoPinheiro Manso e Bravo
Pinheiro Manso e Bravo
 

Destaque

Algumas especies nativas da mata atlantica
Algumas especies nativas da mata atlanticaAlgumas especies nativas da mata atlantica
Algumas especies nativas da mata atlantica
arboreo.net
 
Parque mirante história de piracicaba
Parque mirante história de piracicabaParque mirante história de piracicaba
Parque mirante história de piracicaba
neasedema
 
Madeiras Brasileiras para Luteria
Madeiras Brasileiras para LuteriaMadeiras Brasileiras para Luteria
Madeiras Brasileiras para Luteria
Gabriel Vandresen
 
Conceito de paisagismo
Conceito de paisagismoConceito de paisagismo
Conceito de paisagismo
Juliana Oliveira
 
Cultura do coqueiro
Cultura do coqueiroCultura do coqueiro
Cultura do coqueiro
Rogerio de Souza Souza
 
Portal eFlora - Guia Fotográfico de Plantas - Meio Ambiente e Botânica Online
Portal eFlora - Guia Fotográfico de Plantas - Meio Ambiente e Botânica OnlinePortal eFlora - Guia Fotográfico de Plantas - Meio Ambiente e Botânica Online
Portal eFlora - Guia Fotográfico de Plantas - Meio Ambiente e Botânica Online
Rodrigo Polisel
 
Manual arborizacao
Manual arborizacaoManual arborizacao
Manual arborizacao
Carlos Elson Cunha
 
Fauna e flora amazônica 2º B
Fauna e flora amazônica   2º BFauna e flora amazônica   2º B
Fauna e flora amazônica 2º B
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Avaliação de Madeiras Amasônicas para uso em Luteria
Avaliação de Madeiras Amasônicas para uso em LuteriaAvaliação de Madeiras Amasônicas para uso em Luteria
Avaliação de Madeiras Amasônicas para uso em Luteria
Gabriel Vandresen
 
Arborização Urbana
Arborização UrbanaArborização Urbana
Arborização Urbana
Flávia Smarti
 
Plantas encontrada no Nordeste
Plantas encontrada no  NordestePlantas encontrada no  Nordeste
Plantas encontrada no Nordeste
professoralivia
 
Plantas da Nossa Terra - Um Olhar Sobre a Flora Pernambucana
Plantas da Nossa Terra - Um Olhar Sobre a Flora PernambucanaPlantas da Nossa Terra - Um Olhar Sobre a Flora Pernambucana
Plantas da Nossa Terra - Um Olhar Sobre a Flora Pernambucana
James Cantarelli
 
Manual de recuperação de áreas degradadas
Manual de recuperação de áreas degradadasManual de recuperação de áreas degradadas
Manual de recuperação de áreas degradadas
Diogo Brodt
 
Apresentação(arborização e poda)
Apresentação(arborização e poda)Apresentação(arborização e poda)
Apresentação(arborização e poda)
Ricardo Barros
 
Modelo prad
Modelo pradModelo prad
Modelo prad
Lilian Mascarenhas
 
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por MineraçãoRecuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Leandro A. Machado de Moura
 
Ecossistema: Pampas
Ecossistema: PampasEcossistema: Pampas
Ecossistema: Pampas
Felipe Esteves
 
Trabalho de Ecologia - Bioma Pampa
Trabalho de Ecologia - Bioma PampaTrabalho de Ecologia - Bioma Pampa
Trabalho de Ecologia - Bioma Pampa
Jean Leão
 
Botânica classificação dos vegetais
Botânica   classificação dos vegetaisBotânica   classificação dos vegetais
Botânica classificação dos vegetais
Paulo Henrique Alencar Nunes
 
Técnicas de Poda
Técnicas de PodaTécnicas de Poda
Técnicas de Poda
Leandro A. Machado de Moura
 

Destaque (20)

Algumas especies nativas da mata atlantica
Algumas especies nativas da mata atlanticaAlgumas especies nativas da mata atlantica
Algumas especies nativas da mata atlantica
 
Parque mirante história de piracicaba
Parque mirante história de piracicabaParque mirante história de piracicaba
Parque mirante história de piracicaba
 
Madeiras Brasileiras para Luteria
Madeiras Brasileiras para LuteriaMadeiras Brasileiras para Luteria
Madeiras Brasileiras para Luteria
 
Conceito de paisagismo
Conceito de paisagismoConceito de paisagismo
Conceito de paisagismo
 
Cultura do coqueiro
Cultura do coqueiroCultura do coqueiro
Cultura do coqueiro
 
Portal eFlora - Guia Fotográfico de Plantas - Meio Ambiente e Botânica Online
Portal eFlora - Guia Fotográfico de Plantas - Meio Ambiente e Botânica OnlinePortal eFlora - Guia Fotográfico de Plantas - Meio Ambiente e Botânica Online
Portal eFlora - Guia Fotográfico de Plantas - Meio Ambiente e Botânica Online
 
Manual arborizacao
Manual arborizacaoManual arborizacao
Manual arborizacao
 
Fauna e flora amazônica 2º B
Fauna e flora amazônica   2º BFauna e flora amazônica   2º B
Fauna e flora amazônica 2º B
 
Avaliação de Madeiras Amasônicas para uso em Luteria
Avaliação de Madeiras Amasônicas para uso em LuteriaAvaliação de Madeiras Amasônicas para uso em Luteria
Avaliação de Madeiras Amasônicas para uso em Luteria
 
Arborização Urbana
Arborização UrbanaArborização Urbana
Arborização Urbana
 
Plantas encontrada no Nordeste
Plantas encontrada no  NordestePlantas encontrada no  Nordeste
Plantas encontrada no Nordeste
 
Plantas da Nossa Terra - Um Olhar Sobre a Flora Pernambucana
Plantas da Nossa Terra - Um Olhar Sobre a Flora PernambucanaPlantas da Nossa Terra - Um Olhar Sobre a Flora Pernambucana
Plantas da Nossa Terra - Um Olhar Sobre a Flora Pernambucana
 
Manual de recuperação de áreas degradadas
Manual de recuperação de áreas degradadasManual de recuperação de áreas degradadas
Manual de recuperação de áreas degradadas
 
Apresentação(arborização e poda)
Apresentação(arborização e poda)Apresentação(arborização e poda)
Apresentação(arborização e poda)
 
Modelo prad
Modelo pradModelo prad
Modelo prad
 
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por MineraçãoRecuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
 
Ecossistema: Pampas
Ecossistema: PampasEcossistema: Pampas
Ecossistema: Pampas
 
Trabalho de Ecologia - Bioma Pampa
Trabalho de Ecologia - Bioma PampaTrabalho de Ecologia - Bioma Pampa
Trabalho de Ecologia - Bioma Pampa
 
Botânica classificação dos vegetais
Botânica   classificação dos vegetaisBotânica   classificação dos vegetais
Botânica classificação dos vegetais
 
Técnicas de Poda
Técnicas de PodaTécnicas de Poda
Técnicas de Poda
 

Semelhante a Arvores do RS: Henrique

A Diversidade Das Flores
A Diversidade Das FloresA Diversidade Das Flores
A Diversidade Das Flores
michelechristine
 
Arvores Estado de sao paulo
Arvores Estado de sao pauloArvores Estado de sao paulo
Arvores Estado de sao paulo
FernandoBuenoBarboBu
 
Mata dos araucarias
Mata dos araucariasMata dos araucarias
Mata dos araucarias
malumalukety
 
Plantas Tìpicas da Caatinga
Plantas Tìpicas da CaatingaPlantas Tìpicas da Caatinga
Plantas Tìpicas da Caatinga
goretteleal
 
Propagação de plantas ornamentais
Propagação  de plantas ornamentaisPropagação  de plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentaisGuia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentais
Emerson Silva
 
Agroecologia - Cabeça de negro
Agroecologia - Cabeça de negroAgroecologia - Cabeça de negro
Agroecologia - Cabeça de negro
Adriana Andrade
 
Paisagismo Ii
Paisagismo IiPaisagismo Ii
Paisagismo Ii
CARLA RAISSA
 
Herbario =Dddd
Herbario  =DdddHerbario  =Dddd
Herbario =Dddd
anamendes21
 
Floresta da Madeira (plantas)
Floresta da Madeira (plantas)Floresta da Madeira (plantas)
Floresta da Madeira (plantas)
Fátima Fernandes
 
Floresta da Madeira
Floresta da MadeiraFloresta da Madeira
Floresta da Madeira
Fátima Fernandes
 
Floresta da Madeira
Floresta da MadeiraFloresta da Madeira
Floresta da Madeira
Fátima Fernandes
 
Hortalicas nao-convencionais
Hortalicas nao-convencionaisHortalicas nao-convencionais
Hortalicas nao-convencionais
Joyce Muzy
 
Plantas Que Curam
Plantas Que CuramPlantas Que Curam
Plantas Que Curam
JNR
 
Plantas curam - www.baixedetudo.net
Plantas curam - www.baixedetudo.netPlantas curam - www.baixedetudo.net
Plantas curam - www.baixedetudo.net
Julio Constantino
 
Plantas que curam
Plantas que curamPlantas que curam
Plantas que curam
katsan
 
Plantas que curam
Plantas que curamPlantas que curam
Plantas que curam
Thaize Vitoriano
 
Plantas que curam
Plantas que curamPlantas que curam
Plantas que curam
katsan
 
Plantas que curam
Plantas que curamPlantas que curam
Plantas que curam
Vanessa Castro
 
Fichas cientificas - desesrto
Fichas cientificas - desesrtoFichas cientificas - desesrto
Fichas cientificas - desesrto
Inês Borges
 

Semelhante a Arvores do RS: Henrique (20)

A Diversidade Das Flores
A Diversidade Das FloresA Diversidade Das Flores
A Diversidade Das Flores
 
Arvores Estado de sao paulo
Arvores Estado de sao pauloArvores Estado de sao paulo
Arvores Estado de sao paulo
 
Mata dos araucarias
Mata dos araucariasMata dos araucarias
Mata dos araucarias
 
Plantas Tìpicas da Caatinga
Plantas Tìpicas da CaatingaPlantas Tìpicas da Caatinga
Plantas Tìpicas da Caatinga
 
Propagação de plantas ornamentais
Propagação  de plantas ornamentaisPropagação  de plantas ornamentais
Propagação de plantas ornamentais
 
Guia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentaisGuia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentais
 
Agroecologia - Cabeça de negro
Agroecologia - Cabeça de negroAgroecologia - Cabeça de negro
Agroecologia - Cabeça de negro
 
Paisagismo Ii
Paisagismo IiPaisagismo Ii
Paisagismo Ii
 
Herbario =Dddd
Herbario  =DdddHerbario  =Dddd
Herbario =Dddd
 
Floresta da Madeira (plantas)
Floresta da Madeira (plantas)Floresta da Madeira (plantas)
Floresta da Madeira (plantas)
 
Floresta da Madeira
Floresta da MadeiraFloresta da Madeira
Floresta da Madeira
 
Floresta da Madeira
Floresta da MadeiraFloresta da Madeira
Floresta da Madeira
 
Hortalicas nao-convencionais
Hortalicas nao-convencionaisHortalicas nao-convencionais
Hortalicas nao-convencionais
 
Plantas Que Curam
Plantas Que CuramPlantas Que Curam
Plantas Que Curam
 
Plantas curam - www.baixedetudo.net
Plantas curam - www.baixedetudo.netPlantas curam - www.baixedetudo.net
Plantas curam - www.baixedetudo.net
 
Plantas que curam
Plantas que curamPlantas que curam
Plantas que curam
 
Plantas que curam
Plantas que curamPlantas que curam
Plantas que curam
 
Plantas que curam
Plantas que curamPlantas que curam
Plantas que curam
 
Plantas que curam
Plantas que curamPlantas que curam
Plantas que curam
 
Fichas cientificas - desesrto
Fichas cientificas - desesrtoFichas cientificas - desesrto
Fichas cientificas - desesrto
 

Último

Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 

Arvores do RS: Henrique

  • 1. ÁRVORES DO RS Nome: Henrique 4B Professora: Adriana
  • 2. Açoita-Cavalo (Luehea divaricata) Açoita cavalo NOME POPULAR: Açoita cavalo Nome Científico:   Luehea divaricata  Mart Detalhes:  Família Malvaceae Origem: Nativa. Características gerais: Árvore de grande porte de 15 - 25 m de altura, nativa, com freqüência em formações arbóreas, na submata dos pinhais, matas de galerias e capoeiras.  Apresenta folhas simples, onde a face superior possui uma cor verde escuro brilhante e a inferior esbranquiçada, com três nervuras muito típicas. A folhagem pelas suas características confere um valor ornamental.  A floração inicia por volta da segunda quinzena de novembro, mas ocorre com maior intensidade no final de dezembro e até a primeira quinzena de fevereiro. As pétalas das flores são dobradas, conforme vai envelhecendo passam de cor violeta para creme, do interior para a extremidade e apresentando pouca expressividade. O fruto é uma cápsula possuindo muitas sementes que não ultrapassam a 1,5 cm de comprimento e apresentam uma pequena assa. A copa é densa proporcionando uma excelente sombra, porém, perde suas folhas por completo, nos meses de agosto e setembro.
  • 3. AÇUCARÁ Açucará Nome popular : Açucara Nome cientifico : Gleditschia amorphoides Sinonímea : coronda, faveiro Origem :  sul do Brasil Família :  Leguminosae-Caesalpinoideae Altura :  até 20metros Finalidade :  madeira utilizada em carpintaria e detalhes de acabamento interno de obras civis, e para lenha e carvão. Seus frutos, que fornecem goma assemelhada à garrofina, resultam em delícias quando nas mãos de doceiras experientes. Chama atenção, quando jovem, pelos espinhos que se localizam no seu tronco.
  • 4. Alecrim Nome popular: Alecrim Nome cientifico : Rosmarinus officinalis O  alecrim  ( Rosmarinus officinalis ) é um arbusto comum na região do Mediterrâneo ocorrendo dos 0 a 1500 m de altitude, preferencialmente em solos de origem calcária. Devido ao seu aroma característico, os romanos designavam-no como  rosmarinus , que em latim significa  orvalho do mar . Como qualquer outro nome vernáculo, o nome  alecrim  é por vezes usado para referir outras espécies, nomeadamente o rosmaninho, que possui exactamente o étimo  rosmarinus .[1] No entanto estas espécies de plantas, alecrim e rosmaninho, pertencem a dois géneros distintos, Rosmarinus  e  Lavandula , respectivamente, e as suas morfologias denotam diferenças entre as duas espécies, em particular, a forma, coloração e inserção da flor.
  • 5. ARAUCÁRIA As  araucárias  são árvores  coníferas  do  gênero   Araucaria  na família  Araucariaceae . Existem 19espécies no gênero, com distribuições altamente separadas na Nova Caledônia (onde treze espécies são  endêmicas ),  Ilha Norfolk ,  sudeste  da  Austrália ,  Nova Guiné ,  Argentina ,  Chile , e sul e parte do sudeste do  Brasil .
  • 6. ERVA-MATE A erva-mate ( Ilex paraguariensis ) é uma árvore da família das aquifoliáceas , originário da região subtropical da América do Sul , presente no sul do Brasil ,e centro oeste do pais ( Mato Grosso do Sul ), norte da Argentina , Paraguai e Uruguai . Os indígenas das nações Guarani e Quíchua tinham o hábito de beber infusões com suas folhas . Hoje em dia este hábito continua popular nestas regiões, consumido como chá quente ou gelado (muito popular na região sudeste do Brasil), ou como chimarrão no sul do Brasil , principalmente nos estados do Rio Grande do Sul , Santa Catarina e Paraná , no Uruguai , no sul da Bolivia e na Argentina . É também consumido como tereré , em alguns estados brasileiros como o Mato Grosso do Sul , Paraná , Santa Catarina, além do Paraguai , país de origem. Pode atingir 12 metros de altura, tem caule cinza, folhas ovais e fruto pequeno e verde ou vermelho-arroxeado. As folhas da erva-mate são aproveitadas na culinária. A palavra mate deriva do quíchua matty que designa a Cuia ou seja, o recipiente onde o chá era bebido ou sorvido por uma bomba. O hábito ainda hoje é muito popular em todo o sul da América do Sul, e no Brasil a bebida é chamada de Chimarrão . As plantas nativas só se reproduziam por meio de pássaros da região que ingeriam o pequeno fruto e defecavam sua semente já escarificada. A plântula é muito sensível ao sol tanto que, mesmo no plantio moderno a técnica exige sombreamento até que a planta atinja alguma maturidade. Atualmente existem viveiros que produzem mudas de variedades selecionadas, cujo plantio é feito com técnicas especiais em grandes hortos. Para facilitar a colheita anual dos ramos, a árvore é severamente podada para manter-se a não mais de 3,00 metros de altura. Dessa forma evita-se plantas altas que dificultam a colheita das folhas jovens, consideradas nobres na infusão do chá mate. Outra prática bastante popular no planalto curitibano, habitat original da erva-mate, é conciliar o plantio da Araucária com o do mate. Técnicas como essa são comuns para um controle ambiental mais rígido, e para evitar o desgaste do solo. Existe a errônea afirmação de que a erva-mate possui um efeito negativo no desempenho sexual masculino, todavia a Ilex paraguariensis possui um forte poder afrodisíaco, sendo este também ingerido contra a infertilidade e a impotência
  • 7. IPE ROXO Árvore de porte médio, o ipê-roxo no período do outono, se enche de flores, para se reproduzir. É o primeiro dos ipês a florir no ano, inicia a floração em Junho, e pode durar até Agosto, conforme a árvore. Tem vários nomes populares como Ipê-roxo-da-mata, Ipê-una ou Pau D'arco, entre outros. Esta espécie se confunde bastante com outras também de flor roxa, como a Tabebuia avellanedae e a Tabebuia heptaphylla , sendo considerado por alguns autores que a T. avellanedae e a T. impetiginosa seriam a mesma espécie. São muito utilizadas no paisagismo urbano, por sua beleza e desenvolvimento rápido. Outros nomes vulgares: caboré, guaraíba, ipê (RJ,SC), ipê-de-flor-roxa, ipê-piranga, ipê-preto (RJ,RS), ipê-rosa (MG), ipê-roxo-anão (SP), ipê-uva, pau-d’arco (BA), pau-d’arco-rosa (BA), pau-d’arco-roxo (BA,MG) peúva (MS) e piúva (MS,MT). Na Argentina , lapacho e no Paraguai , lapacho negro.a maioria das espécies são encontradas no sudoeste paraense, na área do municipio Altamirense, e na maior floresta de ipês do Brasil, a floresta do MACAPICHI. [ editar ] Características gerais Madeira muito pesada, impermeável, resistente ao ataque de organismos xilófagos e muito dura ao corte, cerne pardo acastanhado ou pardo-alva-claro, geralmente uniforme, às vezes com reflexos esverdeados, textura fina a média, uniforme, grã direita ou revessa, superfície pouco lustrosa e medianamente lisa ao tato; cheiro e gosto imperceptíveis. Sua madeira apresenta grande durabilidade, sendo muito utilizada na construção civil. É uma espécie largamente empregada no paisagismo em geral, pela beleza de suas inflorescências arroxeadas que surgem nos meses de julho a setembro. É uma espécie ameaçada de extinção devido à intensa procura por sua casca, que é considerada pela medicina popular como anticancerígena, anti-reumática e antianêmica. Há varios tipos de ipê, que podem ser diferenciados pela folhas
  • 8. IPE AMARELO O pau-d'arco-amarelo ( Tabebuia serratifolia ) é uma árvore brasileira nativa do RS
  • 9. XAXIM Xaxim ( Dicksonia sellowiana ) é o feto arborescente, da família das dicksoniáceas , nativo da Mata Atlântica e América Central (especialmente dos estados de Minas Gerais , Rio de Janeiro , São Paulo , Paraná e Rio Grande do Sul ). Possui cáudice ereto, cilíndrico, e frondes bipenadas de até 2 metros. Devido à extração desenfreada do cáudice para uso no cultivo de outras plantas, a espécie está ameaçada de extinção e sua extração está proibida em todo o Brasil . Também é conhecido pelos nomes de samambaiaçu e samambaiaçu-imperial . O xaxim é uma planta do grupo das pteridófitas assim como avencas, cavalinhas e a samambaia.
  • 10. CANELA A caneleira ( Cinnamomum zeylanicum , sinônimo C. verum ) é uma pequena árvore com aproximadamente 10–15 m de altura, pertencendo à família Lauraceae . É nativa do Sri Lanka , no sul da Ásia . As folhas possuem um formato oval-longo com 7–18 cm de comprimento. As flores , que florescem em pequenos maços, são esverdeadas e possuem um odor distinto. A fruta , arroxeada, com aproximadamente 1 centímetro, produz uma única semente . A canela é a especiaria obtida da parte interna da casca do tronco. É muito utilizada na culinária como condimento e aromatizante e na preparação de certos tipos de chocolate e licores . Na medicina , empregada como os óleos destilados, é conhecida por 'curar' resfriados. O sabor e aroma intensos vêm do aldeído cinâmico ou cinamaldeído
  • 11. FIGUEIRA As figueiras são plantas, geralmente árvores, do gênero Ficus , família Moraceae . Também são conhecidas como ficus , gameleira (ou gomeleira ) e caxinguba , palavra de origem tupi-guarani [1] . Há cerca de 755 espécies de figueiras no mundo [2] , especialmente em regiões de clima tropical e subtropical e onde haja presença de água. O gênero Ficus é um dos maiores do Reino Vegetal . As figueiras podem crescer de forma enérgica e por isso não é indicado que se cultivem figueiras de grande porte perto de casas, pois o crescimento de suas raízes têm a capacidade de deformar as paredes das residências. Por fornecerem alimentos a aves, símios, morcegos e outros animais dispersores de sementes, têm importância na preservação das vegetações nativas tropicais e subtropicais. Os figos caídos no solo e na água servem também de alimentos a vários outros animais, incluindo peixes e insetos.
  • 12. JABUTICABA A jabuticaba , jaboticaba ou jabuticabeira é uma árvore frutífera brasileira da família das mirtáceas , nativa da Mata Atlântica . Com a recente mudança na nomenclatura botânica, há divergências sobre a classificação da espécie: Myrciaria cauliflora (Mart.) O. Berg. 1854 [1] ou Plinia trunciflora (O. Berg) Kausel 1956 [2] . Segundo Lorenzi et al. [3] , a segunda seria outra espécie, a jabuticaba-café . Descrita inicialmente em 1828 a partir de material cultivado, sua origem é desconhecida. Outros nomes populares: fruita, jabuticabeira-preta, jabuticabeira-rajada, jabuticabeira-rósea, jabuticabeira-vermelho-branca, jabuticaba-paulista, jabuticaba-ponhema, jabuticaba-açu. Outras espécies de jabuticaba: Myrciaria jaboticaba (Vell.) Berg, conhecida como jabuticaba-sabará e encontrada com mais frequência no estado de Minas Gerais , no Brasil
  • 13. PITANGA A pitanga é o fruto da pitangueira, ou Eugenia uniflora L., dicotiledônea da família Myrtaceae . Tem a forma de drupa globosa e carnosa, com as cores vermelha (a mais comum), amarela ou preta [1] . Na mesma árvore, o fruto poderá ter desde as cores verde, amarelo e alaranjado até a cor vermelho intenso de acordo com o grau de maturação. Existe outra espécie, homônima a Eugenia uniflora O. Berg, descrita em 1857, e renomeada Eugenia lineatifolia (O. Berg) Mattos em 1993 [2] . Este fruto não é produzido comercialmente pois, quando maduro, fica muito tenro e danifica-se facilmente com o transporte. Apesar disto, é apreciado no Brasil pois é muito saboroso, além de ser rico em cálcio [1] .
  • 14. PAINEIRA Há várias espécies conhecidas como paineira no Brasil , quase todas pertencendo ao gênero Ceiba (antes, Chorisia [1] ) da família Bombacaceae . De todas, a mais conhecida é a paineira da espécie Ceiba speciosa (St.-Hill.) Ravenna, nativa das florestas brasileiras e da Bolívia , inicialmente descrita como Chorisia speciosa por Auguste de Saint Hilaire , em 1828. [2] Outros nomes vulgares: sumaúma , barriguda , paina-de-seda , paineira-branca , paineira-rosa , árvore-de-paina , árvore-de-lã , paineira-fêmea .
  • 15. PATA DE VACA A pata-de-vaca ( Bauhinia forticata ), é uma árvore brasileira nativa da Mata Atlântica e de outros biomas .
  • 16. MARICÁ Maricá ( Mimosa bimucronata - De candolle ) O. Kuntze da família das Leguminosas (Leguminosae, Mimosoideae), é uma árvore comum onde o solo é úmido e brejoso. Com altura entre 6m e 10m. Encontrada no Brasil , em vários estados, por exemplo, no Rio Grande do Sul .
  • 17. MURTA Murta ( Myrtus L. ) é um género botânico que compreende uma ou duas espécies de plantas com flor, da família das Myrtaceae , nativo do sudoeste da Europa e do Norte de África . São plantas arbustivas ou arborescentes , com muitos ramos, de folha persistente, que podem crescer até 5 m de altura. As suas folhas, coriáceas e verde-escuras, medem 3 a 5 cm de comprimento e cerca de 1,5 cm de largura, com um cheiro geralmente considerado agradável quando esmagadas devido ao seu óleo essencial disposto por diversas pontuações ao longo do limbo. As folhas são inteiras, ovado-lanceoladas, agudas, em filotaxia oposta-cruzada ou decussada (o par de folhas superior encontra-se em situação cruzada com o inferior, e cada par encontra-se disposto ao mesmo nível, pecíolo contra pecíolo). As flores , geralmente brancas (podem ter também uma coloração rosada), têm cinco pétalas e um número elevado de estames. O fruto é uma pseudobaga carnuda, elipsóide , azul-escura ou negra, contendo várias sementes . A polinização é feita por insectos e a dispersão das sementes é efectuada por pássaros que se alimentam das bagas. O seu habitat preferencial é xerofílico (seco) e em solos sem calcário . A murta-comum , também designada como mirta , mirto , murta-cheirosa , murta-cultivada , murta-das-noivas , murta-do-jardim , murta-verdadeira , murteira , murtinheira , murtinheiro , murtinho , murtinhos e murto , está vastamente distribuída pela região mediterrânica, sendo muito cultivada por todo o mundo. Nos Açores é ainda designada como murtão . A subespécie Myrtus communis tarentina , Lineu , é designada como murta-dos-jardins ou murta-das-folhas-pequenas , sendo apreciada pela sua copa arredondada, folhagem densa e flores aromáticas. Outra espécie, conhecida como murta do Sara ( Myrtus nivellei ), tem a sua área de distribuição restrita às montanhas de Tassili n'Ajjer , na Argélia meridional, e nos Montes Tibesti no Chade , onde ocorre em pequenas áreas de bosques vestigiais, perto do centro do Deserto do Sara e é considerada uma espécie em perigo de extinção . Contudo, alguns botânicos não a consideram suficientemente distinta da Myrtus communis para constituir uma espécie à parte.
  • 18. PAU FERRO Caesalpinia leiostachya (Benth.) Ducke ( Caesalpinioideae ), vulgarmente denominada pau ferro , de basiônimo Caesalpinia ferrea var. leiostachya (Benth. 1870). [1] é uma árvore de grande porte com origem no Brasil , nativa da Mata Atlântica na encosta pluvial do Atlântico. Diz-se que seu nome provém das faíscas e do ruído metálico produzidos por machados quando se atrevem a cortá-las. A madeira madeira de lei do pau ferro é muito dura, provavelmente a mais densa e pesada das Américas; alguns chamam-na de " ébano " brasileiro; esta densidade altíssima faz com que a espécie, especialmente em parques, seja constantemente atingida por raios.
  • 19. PAU SABÃO Sapindus saponaria L. [1] , também conhecida pelos nomes populares de árvore-do-sabão , fruta-de-sabão , ibaró , jequiri , jequiriti , jequitiguaçu , pau-de-sabão , pau-sabão , sabão-de-macaco , sabão-de-mico , sabão-de-soldado , sabãozinho , saboeiro , saboneteira , saboneteiro , salta-martim e saponária é uma planta da família das Sapindaceae , nativa das regiões tropicais da América . Tem folhas penadas e flores brancas dispostas em panículas. Os seus frutos têm sementes pretas e esféricas. Chega a atingir 8 m de comprimento
  • 20. ESPINHEIRA SANTA A espinheira-santa ( Maytenus ilicifolia ) é uma planta da família Celastraceae . Em jardins externos alcança o porte de árvore , com até três metros de altura. Em vasos grandes, em varandas , atinge até um metro. Popularmente conhecida como espinheira-santa, espinheira-divina, maiteno, salvavidas, sombra-de-touro, erva-cancerosa, congorça, cancerosa, cancorosa, espinho-de-deus, e congorça . [1]