SlideShare uma empresa Scribd logo
Diana Santos nº5 João Contradança nº11 Sara Miguel nº18 Pinheiro Manso
Definição Árvore resinosa de porte mediano até 25 m de altura. Possui copa densa, ampla, arredondada em forma de guarda-sol no indivíduos adultos e esférica nos sujeitos jovens, muito característica da paisagem mediterrânea com alto fuste direito ou levemente flexuoso e robusto. Tronco coberto por casca espessa, castanho-avermelhada, depois acinzentada e profundamente fendida com a idade. Pernadas grossas viradas para cima;  ramos em ângulo agudo, e raminhos curvos, de um tom cinzento-esverdeado-pálido. Ramificação densa verde intenso.
Localização Espécie originária da zona ocidental da bacia do Mediterrâneo: Sudoeste da Europa e Norte de África. Hoje em dia está muito espalhada por toda a bacia mediterrânica   É espontânea em Portugal, grande parte da área do pinheiro-manso, concentra-se a sul do Tejo, principalmente nos distritos de Setúbal, Évora, Faro; a norte do Tejo: Santarém, mas na realidade encontra-se em todo o litoral e interior do País, sempre que as condições fitoclimáticas o permitem: na Beira Alta e Ribatejo.
Utilização Pouco utilizada como essência florestal, o interesse económico dos extensos pinhais mansos reside no aproveitamento do pinhão comestível. A semente, (pinhões) oleaginosas e ricas em nutrientes são utilizadas em douçaria na confecção de alguns pratos gastronómicos, ou como aperitivos.  A madeira emprega-se em vigamentos, carpintaria, construção naval.
Pinheiro Bravo
Definição O pinheiro bravo, Pinus pinaster é uma árvore de grande porte, podendo atingir os 30 – 40 m de altura. O tronco tem uma casca espessa, de cor castanha avermelhada, profundamente fissurada. As folhas são agulhas, emparelhadas, de cor verde-escura, com 10-25 cm, rígidas e grossas.
Localização Situa-se nas regiões Mediterrânicas e costas Atlânticas de Portugal, Espanha e França. Foi primeiro introduzido na Bélgica, Reino Unido, Austrália, Nova Zelândia e África do Sul.  Vegeta bem na grande maioria dos solos com excepção dos solos com muito calcário solúvel (pH elevado). Encontra-se em melhores condições em zonas com precipitação média anual superior a 800 mm, com pelo menos 100 mm no período estival.
Utilização Produz a resina, que por sua vez, da aguarrás e pez. A madeira que é utilizada na construção civil e embalagens. As suas fibras também são de óptima qualidade para a pasta de pape. O crescimento rápido do pinheiro é aproveitado na retenção de areias. A casca do tronco tem uma substância usada no curtimento das peles. O pinheiro é uma espécie de grande valor económico, uma vez que produz muita madeira e permite a recuperação de solos pobres e erosionados, permite ainda que as espécies autoctones se estabeleçam no seu habitat natural.
Bravo  Manso Pinheiro Manso e Bravo
Os pinheiros são árvores pertencentes á divisão Pinophyta, tradicionalmente incluída no grupo das gimnospérmicas. A maioria são nativos do Hemisfério do Norte, tendo maior altitude no México e na Califórnia, na Eurásia, eles ocorrem desde Portugal e leste da Escócia até o extremo oriental da Rússia, Japão, norte da África, o Himalaias com uma espécie formando a floresta de coníferas subtropical, o (Pinheiro de Sumatra) que já cruzou o Equador em Sumatra. Os pinheiros são também plantados extensivamente em muitas partes do Hemisfério Sul.
THE END !

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lusiadas 10º ano
Lusiadas 10º anoLusiadas 10º ano
Lusiadas 10º ano
DanielaMoreira84
 
Relatório Auto-avaliação Docente 2019
Relatório Auto-avaliação Docente 2019 Relatório Auto-avaliação Docente 2019
Relatório Auto-avaliação Docente 2019
SalaAmarelaJIGradil
 
Um crime no expresso do oriente joana lourenço
Um crime no expresso do oriente   joana lourençoUm crime no expresso do oriente   joana lourenço
Um crime no expresso do oriente joana lourenço
fantas45
 
Os Maias - Capítulo XVIII
Os Maias - Capítulo XVIIIOs Maias - Capítulo XVIII
Os Maias - Capítulo XVIII
António Fernandes
 
Os maias intriga e cap xviii
Os maias intriga e cap xviiiOs maias intriga e cap xviii
Os maias intriga e cap xviii
joes34
 
Peneda Gerês
Peneda GerêsPeneda Gerês
Peneda Gerês
catysilva1993
 
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 anoEsquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
ericahomemmelo
 
Serra da estrela
Serra da estrelaSerra da estrela
Serra da estrela
Lurdes Féria
 
Book saga
Book sagaBook saga
Book saga
Cristina Fontes
 
As serras de portugal
As serras de portugalAs serras de portugal
As serras de portugal
Maria Ferreira
 
Tg ação humana
Tg ação humana  Tg ação humana
Tg ação humana
mluisavalente
 
Região Agrária EDM e BL
Região Agrária EDM e BLRegião Agrária EDM e BL
Região Agrária EDM e BL
Ayandra Silva
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimento
Isabel Moura
 
Uma Análise Literárias das Figuras de Linguagem nos Poemas de Flor Bela Espanca
Uma Análise Literárias das Figuras de Linguagem nos Poemas de Flor Bela EspancaUma Análise Literárias das Figuras de Linguagem nos Poemas de Flor Bela Espanca
Uma Análise Literárias das Figuras de Linguagem nos Poemas de Flor Bela Espanca
Adilson P Motta Motta
 
Filosofia da Arte
Filosofia da Arte Filosofia da Arte
Filosofia da Arte
VeraJesus14
 
A fragmentação do eu
A fragmentação do euA fragmentação do eu
A fragmentação do eu
Paulo Portelada
 
Poemas de Natal
Poemas de NatalPoemas de Natal
Poemas de Natal
BibliotecadaEscoladaPonte
 
Exploração da obra Cavaleiro da Dinamarca de Sophia de Mello Breyner Andresen
Exploração da obra Cavaleiro da Dinamarca de Sophia de Mello Breyner AndresenExploração da obra Cavaleiro da Dinamarca de Sophia de Mello Breyner Andresen
Exploração da obra Cavaleiro da Dinamarca de Sophia de Mello Breyner Andresen
5julho55
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
BarbaraSilveira9
 
Memorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempoMemorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempo
Carla Luís
 

Mais procurados (20)

Lusiadas 10º ano
Lusiadas 10º anoLusiadas 10º ano
Lusiadas 10º ano
 
Relatório Auto-avaliação Docente 2019
Relatório Auto-avaliação Docente 2019 Relatório Auto-avaliação Docente 2019
Relatório Auto-avaliação Docente 2019
 
Um crime no expresso do oriente joana lourenço
Um crime no expresso do oriente   joana lourençoUm crime no expresso do oriente   joana lourenço
Um crime no expresso do oriente joana lourenço
 
Os Maias - Capítulo XVIII
Os Maias - Capítulo XVIIIOs Maias - Capítulo XVIII
Os Maias - Capítulo XVIII
 
Os maias intriga e cap xviii
Os maias intriga e cap xviiiOs maias intriga e cap xviii
Os maias intriga e cap xviii
 
Peneda Gerês
Peneda GerêsPeneda Gerês
Peneda Gerês
 
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 anoEsquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
 
Serra da estrela
Serra da estrelaSerra da estrela
Serra da estrela
 
Book saga
Book sagaBook saga
Book saga
 
As serras de portugal
As serras de portugalAs serras de portugal
As serras de portugal
 
Tg ação humana
Tg ação humana  Tg ação humana
Tg ação humana
 
Região Agrária EDM e BL
Região Agrária EDM e BLRegião Agrária EDM e BL
Região Agrária EDM e BL
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimento
 
Uma Análise Literárias das Figuras de Linguagem nos Poemas de Flor Bela Espanca
Uma Análise Literárias das Figuras de Linguagem nos Poemas de Flor Bela EspancaUma Análise Literárias das Figuras de Linguagem nos Poemas de Flor Bela Espanca
Uma Análise Literárias das Figuras de Linguagem nos Poemas de Flor Bela Espanca
 
Filosofia da Arte
Filosofia da Arte Filosofia da Arte
Filosofia da Arte
 
A fragmentação do eu
A fragmentação do euA fragmentação do eu
A fragmentação do eu
 
Poemas de Natal
Poemas de NatalPoemas de Natal
Poemas de Natal
 
Exploração da obra Cavaleiro da Dinamarca de Sophia de Mello Breyner Andresen
Exploração da obra Cavaleiro da Dinamarca de Sophia de Mello Breyner AndresenExploração da obra Cavaleiro da Dinamarca de Sophia de Mello Breyner Andresen
Exploração da obra Cavaleiro da Dinamarca de Sophia de Mello Breyner Andresen
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
 
Memorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempoMemorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempo
 

Destaque

Azinheira ( Vegetação)
Azinheira ( Vegetação)Azinheira ( Vegetação)
Azinheira ( Vegetação)
FloraCosta
 
O Sobreiro
O SobreiroO Sobreiro
O Sobreiro
Bruno Reimão
 
Cartaz pinheiro manso
Cartaz pinheiro mansoCartaz pinheiro manso
Cartaz pinheiro manso
fernandaataide55
 
O sobreiro e a água (7ºe e 7ºf)
O sobreiro e a água (7ºe e 7ºf)O sobreiro e a água (7ºe e 7ºf)
O sobreiro e a água (7ºe e 7ºf)
webaeba
 
Floresta em Portugal Continental
Floresta em Portugal ContinentalFloresta em Portugal Continental
Floresta em Portugal Continental
Idalina Leite
 
CRUCIGRAMA_Ciencia divertida (dia do astronauta)
CRUCIGRAMA_Ciencia divertida (dia do astronauta)CRUCIGRAMA_Ciencia divertida (dia do astronauta)
CRUCIGRAMA_Ciencia divertida (dia do astronauta)
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
Nomes Comuns Coletivos
Nomes Comuns ColetivosNomes Comuns Coletivos
Nomes Comuns Coletivos
vera martins
 

Destaque (7)

Azinheira ( Vegetação)
Azinheira ( Vegetação)Azinheira ( Vegetação)
Azinheira ( Vegetação)
 
O Sobreiro
O SobreiroO Sobreiro
O Sobreiro
 
Cartaz pinheiro manso
Cartaz pinheiro mansoCartaz pinheiro manso
Cartaz pinheiro manso
 
O sobreiro e a água (7ºe e 7ºf)
O sobreiro e a água (7ºe e 7ºf)O sobreiro e a água (7ºe e 7ºf)
O sobreiro e a água (7ºe e 7ºf)
 
Floresta em Portugal Continental
Floresta em Portugal ContinentalFloresta em Portugal Continental
Floresta em Portugal Continental
 
CRUCIGRAMA_Ciencia divertida (dia do astronauta)
CRUCIGRAMA_Ciencia divertida (dia do astronauta)CRUCIGRAMA_Ciencia divertida (dia do astronauta)
CRUCIGRAMA_Ciencia divertida (dia do astronauta)
 
Nomes Comuns Coletivos
Nomes Comuns ColetivosNomes Comuns Coletivos
Nomes Comuns Coletivos
 

Semelhante a Pinheiro Manso e Bravo

Pinheiros
Pinheiros Pinheiros
Pinheiros
Ana Rita Monteiro
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Patrimonio Portugues Floresta A Proteger
Patrimonio Portugues   Floresta A ProtegerPatrimonio Portugues   Floresta A Proteger
Patrimonio Portugues Floresta A Proteger
andmatos
 
Trabalho de Geografia 5
Trabalho de Geografia 5Trabalho de Geografia 5
Trabalho de Geografia 5
Luiz Eduardo Farias
 
Pínus
Pínus Pínus
Pínus
Luana Alflen
 
Icnf especies indgenas_edicao2016-2
Icnf especies indgenas_edicao2016-2Icnf especies indgenas_edicao2016-2
Icnf especies indgenas_edicao2016-2
Clarisse Ferreira
 
ICNF-Arvores Indigenas-Edicao2021
ICNF-Arvores Indigenas-Edicao2021ICNF-Arvores Indigenas-Edicao2021
ICNF-Arvores Indigenas-Edicao2021
João Soares
 
Árvores do RS
Árvores do RSÁrvores do RS
Árvores do RS
Elisângela Ribas
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
Lordboy007
 
Ecossistemas brasileiros csanl
Ecossistemas brasileiros csanlEcossistemas brasileiros csanl
Ecossistemas brasileiros csanl
Ricardo Vilas
 
Pesquisa de campo
Pesquisa de campoPesquisa de campo
Pesquisa de campo
turma102
 
Criando Raízes
Criando RaízesCriando Raízes
Criando Raízes
Turma8B
 
Floresta temperada e vegetação mediterrânia
Floresta temperada e vegetação mediterrâniaFloresta temperada e vegetação mediterrânia
Floresta temperada e vegetação mediterrânia
Divino Carvalho
 
Cartilha Árvores do campus Planaltina 2
Cartilha Árvores do campus Planaltina 2Cartilha Árvores do campus Planaltina 2
Cartilha Árvores do campus Planaltina 2
igor-oliveira
 
PAISAGENS / BIOMAS DO BRASIL
PAISAGENS / BIOMAS DO BRASILPAISAGENS / BIOMAS DO BRASIL
PAISAGENS / BIOMAS DO BRASIL
jopago2012
 
5 nativas-em-extincao-ibf
5 nativas-em-extincao-ibf5 nativas-em-extincao-ibf
5 nativas-em-extincao-ibf
Rodolfo Antônio da Silva
 
MATA ATLÂNTICA - ESP. MÍDIAS NA EDUCAÇÃO (UFOP) - LUAN HENRIQUE
MATA ATLÂNTICA  - ESP. MÍDIAS NA EDUCAÇÃO (UFOP) - LUAN HENRIQUEMATA ATLÂNTICA  - ESP. MÍDIAS NA EDUCAÇÃO (UFOP) - LUAN HENRIQUE
MATA ATLÂNTICA - ESP. MÍDIAS NA EDUCAÇÃO (UFOP) - LUAN HENRIQUE
Luan Henrique Alves
 
Plantas Tìpicas da Caatinga
Plantas Tìpicas da CaatingaPlantas Tìpicas da Caatinga
Plantas Tìpicas da Caatinga
goretteleal
 
araucarias.pptx
araucarias.pptxaraucarias.pptx
araucarias.pptx
LiSantos9
 
Bruno e gabriel
Bruno e gabrielBruno e gabriel
Bruno e gabriel
Janine Ferrari
 

Semelhante a Pinheiro Manso e Bravo (20)

Pinheiros
Pinheiros Pinheiros
Pinheiros
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Patrimonio Portugues Floresta A Proteger
Patrimonio Portugues   Floresta A ProtegerPatrimonio Portugues   Floresta A Proteger
Patrimonio Portugues Floresta A Proteger
 
Trabalho de Geografia 5
Trabalho de Geografia 5Trabalho de Geografia 5
Trabalho de Geografia 5
 
Pínus
Pínus Pínus
Pínus
 
Icnf especies indgenas_edicao2016-2
Icnf especies indgenas_edicao2016-2Icnf especies indgenas_edicao2016-2
Icnf especies indgenas_edicao2016-2
 
ICNF-Arvores Indigenas-Edicao2021
ICNF-Arvores Indigenas-Edicao2021ICNF-Arvores Indigenas-Edicao2021
ICNF-Arvores Indigenas-Edicao2021
 
Árvores do RS
Árvores do RSÁrvores do RS
Árvores do RS
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
Ecossistemas brasileiros csanl
Ecossistemas brasileiros csanlEcossistemas brasileiros csanl
Ecossistemas brasileiros csanl
 
Pesquisa de campo
Pesquisa de campoPesquisa de campo
Pesquisa de campo
 
Criando Raízes
Criando RaízesCriando Raízes
Criando Raízes
 
Floresta temperada e vegetação mediterrânia
Floresta temperada e vegetação mediterrâniaFloresta temperada e vegetação mediterrânia
Floresta temperada e vegetação mediterrânia
 
Cartilha Árvores do campus Planaltina 2
Cartilha Árvores do campus Planaltina 2Cartilha Árvores do campus Planaltina 2
Cartilha Árvores do campus Planaltina 2
 
PAISAGENS / BIOMAS DO BRASIL
PAISAGENS / BIOMAS DO BRASILPAISAGENS / BIOMAS DO BRASIL
PAISAGENS / BIOMAS DO BRASIL
 
5 nativas-em-extincao-ibf
5 nativas-em-extincao-ibf5 nativas-em-extincao-ibf
5 nativas-em-extincao-ibf
 
MATA ATLÂNTICA - ESP. MÍDIAS NA EDUCAÇÃO (UFOP) - LUAN HENRIQUE
MATA ATLÂNTICA  - ESP. MÍDIAS NA EDUCAÇÃO (UFOP) - LUAN HENRIQUEMATA ATLÂNTICA  - ESP. MÍDIAS NA EDUCAÇÃO (UFOP) - LUAN HENRIQUE
MATA ATLÂNTICA - ESP. MÍDIAS NA EDUCAÇÃO (UFOP) - LUAN HENRIQUE
 
Plantas Tìpicas da Caatinga
Plantas Tìpicas da CaatingaPlantas Tìpicas da Caatinga
Plantas Tìpicas da Caatinga
 
araucarias.pptx
araucarias.pptxaraucarias.pptx
araucarias.pptx
 
Bruno e gabriel
Bruno e gabrielBruno e gabriel
Bruno e gabriel
 

Último

Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LucliaMartins5
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 

Último (20)

Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 

Pinheiro Manso e Bravo

  • 1. Diana Santos nº5 João Contradança nº11 Sara Miguel nº18 Pinheiro Manso
  • 2. Definição Árvore resinosa de porte mediano até 25 m de altura. Possui copa densa, ampla, arredondada em forma de guarda-sol no indivíduos adultos e esférica nos sujeitos jovens, muito característica da paisagem mediterrânea com alto fuste direito ou levemente flexuoso e robusto. Tronco coberto por casca espessa, castanho-avermelhada, depois acinzentada e profundamente fendida com a idade. Pernadas grossas viradas para cima; ramos em ângulo agudo, e raminhos curvos, de um tom cinzento-esverdeado-pálido. Ramificação densa verde intenso.
  • 3. Localização Espécie originária da zona ocidental da bacia do Mediterrâneo: Sudoeste da Europa e Norte de África. Hoje em dia está muito espalhada por toda a bacia mediterrânica  É espontânea em Portugal, grande parte da área do pinheiro-manso, concentra-se a sul do Tejo, principalmente nos distritos de Setúbal, Évora, Faro; a norte do Tejo: Santarém, mas na realidade encontra-se em todo o litoral e interior do País, sempre que as condições fitoclimáticas o permitem: na Beira Alta e Ribatejo.
  • 4. Utilização Pouco utilizada como essência florestal, o interesse económico dos extensos pinhais mansos reside no aproveitamento do pinhão comestível. A semente, (pinhões) oleaginosas e ricas em nutrientes são utilizadas em douçaria na confecção de alguns pratos gastronómicos, ou como aperitivos. A madeira emprega-se em vigamentos, carpintaria, construção naval.
  • 6. Definição O pinheiro bravo, Pinus pinaster é uma árvore de grande porte, podendo atingir os 30 – 40 m de altura. O tronco tem uma casca espessa, de cor castanha avermelhada, profundamente fissurada. As folhas são agulhas, emparelhadas, de cor verde-escura, com 10-25 cm, rígidas e grossas.
  • 7. Localização Situa-se nas regiões Mediterrânicas e costas Atlânticas de Portugal, Espanha e França. Foi primeiro introduzido na Bélgica, Reino Unido, Austrália, Nova Zelândia e África do Sul. Vegeta bem na grande maioria dos solos com excepção dos solos com muito calcário solúvel (pH elevado). Encontra-se em melhores condições em zonas com precipitação média anual superior a 800 mm, com pelo menos 100 mm no período estival.
  • 8. Utilização Produz a resina, que por sua vez, da aguarrás e pez. A madeira que é utilizada na construção civil e embalagens. As suas fibras também são de óptima qualidade para a pasta de pape. O crescimento rápido do pinheiro é aproveitado na retenção de areias. A casca do tronco tem uma substância usada no curtimento das peles. O pinheiro é uma espécie de grande valor económico, uma vez que produz muita madeira e permite a recuperação de solos pobres e erosionados, permite ainda que as espécies autoctones se estabeleçam no seu habitat natural.
  • 9. Bravo Manso Pinheiro Manso e Bravo
  • 10. Os pinheiros são árvores pertencentes á divisão Pinophyta, tradicionalmente incluída no grupo das gimnospérmicas. A maioria são nativos do Hemisfério do Norte, tendo maior altitude no México e na Califórnia, na Eurásia, eles ocorrem desde Portugal e leste da Escócia até o extremo oriental da Rússia, Japão, norte da África, o Himalaias com uma espécie formando a floresta de coníferas subtropical, o (Pinheiro de Sumatra) que já cruzou o Equador em Sumatra. Os pinheiros são também plantados extensivamente em muitas partes do Hemisfério Sul.