SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
1
   ÁREA 176.496 Km² (IBGE, 2004)
   2,07% do território nacional
   62,64% Rio Grande do Sul,
    metade SUL e OESTE,
   Argentina e Uruguai.




                                    3
    GRAMÍNEAS, HERBÁCEAS E ALGUMAS ÁRVORES,
   APLAINADO E SUAVE ONDULADO,
   FORMADO POR UM MOSAICO DE SOLOS:
                    BASÁLTICOS E SEDIMENTARES
                      AS FORMAÇÕES
                 FLORESTAIS RESTRINGEM-SE
                 AS MARGENS DOS RIOS.

                                                4
   CHUVOSO,

   FREQÜÊNCIA DE FRENTES POLARES ,

   TEMPERATURA MÉDIA 18ºc e NEGATIVAS NO
    PERÍODO DO INVERNO,




                                            5
6
7
   3.000 espécies de plantas
    vasculares,
   385 espécies de aves,
    90 espécies de mamíferos,
    entre outros grupos..




                                 8
FLORA


O correm cerca de 2.800 espécies
 62 de plantas campestres no RS,
 450 são gramíneas (família dos capins),
 450 compostas (família da maria-mole e do miomio),
 200 leguminosas (família do pega-pega e dos tremoços)
 cerca de 150 ciperáceas (família das tiriricas),
   e diversas outras famílias de plantas. Segundo a lista de
  espécies da flora ameaçada do RS (DIÁRIO OFICIAL do RS
  31/12/2002), o Pampa apresenta 146 espécies em risco,
  distribuídas em diferentes categorias de
        ameaça.
 7 gêneros de cactos e bromeliáceas, algumas são
  ndêmicas desta região.

                                                               9
10
    500 ESPÉCIES DE AVES, DENTRE
           ELAS A EMA, O PERDIGÃO, A
      PERDIZ, ANUS-PRETOS, PICA-PAUS
           MAIS DE 100 ESPÉCIES DE
            MAMÍFEROS TERRESTRES,
      INCLUINDO O VEADO-CAMPEIRO E
              TATUS GUARAXAINS.
    11 ESPÉCIES DE MAMÍFEROS RAROS
         OU AMEAÇADOS DE EXTINÇÃO,
                 LOBOS, RATOS
              D’ÁGUA, CERVÍDEOS ,
          22 ESPÉCIES DE AVES NESTA
               MESMA SITUAÇÃO.
        UMA ESPÉCIE DE PEIXE, O CARÁ
         (Gymnogeophagus sp., Família
       Cichlidae) É ENDÊMICA DA BACIA
               DO RIO IBIRAPUITÃ.


                                  11
   Em geral, de baixa fertilidade natural e
    bastante suscetível à erosão.
   A região geomorfológica do planalto de
    Campanha, a maior extensão de campos do
    Rio Grande do Sul, é a porção mais avançada
    para oeste e para o sul do domínio
    morfoestrutural das bacias e coberturas
    sedimentares e contato com o arenito,
    ocorrem os solos podzólicos vermelho-
    escuros.


                                                  12
   O Pampa também é responsável por guardar
    a maior parte do acesso ao aquífero Guarani,
      uma das maiores reservas de água doce
              subterrânea do mundo.
         Rio Grande do Sul 157.600 Km²




                                                   13
FORMADA POR 316.882,75 HECTARES,

DISTRIBUÍDOS PELOS MUNICÍPIOS GAÚCHOS DE:
ALEGRETES, ROSÁRIO DO SUL, QUARAÍ E SANTANA DO LIVRAMENTO/RS .


CRIADA EM 20 DE MAIO DE 1992, DECRETO 529,
 ABRANGE A PORÇÃO SUPERIOR DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO IBIRAPUITÃ




                                                                 14
FORMADA POR 137.000 HECTARES

DISTRIBUÍDOS PELOS MUNICÍPIOS GAÚCHOS DE:
VIAMÃO, GRAVATAÍ, GLORINHA E SANTO ANTÔNIO DA
 PATRULHA/RS.

CRIADA 23 DE OUTUBRO DE 1998 DECRETO ESTADUAL 38.971.




                                                   15
   MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE (MMA) RECOMENDA QUE 10% DE
    CADA BIOMA SEJA PRESERVADO,
   OS CAMPOS SULINOS POSSUEM MENOS DE 0,5% DE SUA SUPERFÍCIE
    COM ÁREAS DESTINADAS À CONSERVAÇÃO.

   A PECUÁRIA, ATIVIDADE VINCULADA AO DESENVOLVIMENTO DESTA
    REGIÃO, PRINCIPALMENTE PELA DIVERSIDADE E RIQUEZA DAS
    PASTAGENS NATURAIS.

    PARA OS PESQUISADORES DA (UFRGS) QUANDO UMA ÁREA DE
    CAMPO É DESMATADA, O IMPACTO VISUAL NÃO É TÃO PERCEPTÍVEL,
    POR ESTE MOTIVO NÃO SE TEM TANTO A IMPRESSÃO DE
    DEVASTAÇÃO. NO BRASIL, O PAMPA É UM BIOMA AMEAÇADO.




                                                                 16
eucalipto,   pinus   acácia-negra)




                                     17
   REDUÇÃO DA DISPONIBILIDADE DE ÁGUA
   SALINIZAÇÃO E ACIDIFICAÇÃO DO SOLO E ÁGUA,
   IMPACTOS SOBRE A BIODIVERSIDADE




                                            18
Sombreamento agressivo




                         19
   Além do sombreamento, ao se levar em conta o
    forte potencial alelopático negativo, característico
    das espécies do gênero Eucalyptus, sobre o qual
    inúmeros estudos fazem referência(Buckup, 2007),
    verifica-se que muitas espécies de plantas possuem
    seu desenvolvimento retardado e prejudicado pela
    simples presença de raízes ou folhas de eucaliptos
    no solo ao seu redor.
   Esta incompatibilidade natural existente entre
    plantas campestres e eucaliptos tende também a
    diminuir a rica biodiversidade pampa.


                                                       20
   No entanto, o avanço das plantações destas árvores
    não se dá somente pela mão humana, mas também
    pela forte capacidade de invasão de ecossistemas, que
    as espécies de pinus notoriamente apresentam.

   É o pinus uma espécie invasora em potencial, capaz de
    “ocupar o espaço de espécies nativas e produzir
    alterações nos processos ecológicos naturais” (Ziller,
 2000).
Como exemplo disto:
   Há o caso da África do Sul, onde os 1,5 milhão de
    hectares plantados com eucalipto, acácia e pinus,
    redundaram em 1,7 milhão de hectares invadidos,
    muitos deles compostos por savanas com várias
    espécies raras


                                                             21
   250 espécies      de animais ameaçados de
    extinção no RS - 26 espécies diretamente
    ligadas expansão das áreas com plantações
    de árvores sobre os campos.
    Águia chilena, o lobo guará, o veado
    campeiro, o gato palheiro e o cardeal
    amarelo, que habitam nossos campos há
    séculos, caminham rumo à sua extinção.

                            Limnomedusa macroglossa
                            (rã-das-pedras) uma das
                            espécies ameaçadas de extinção




                         http://pampabrasil.org.br/site/     22
   PRODUÇÃO DE NOGUEIRAS
   ARROZ ECOLÓGICO
   MEL
   SEMENTES
   OLIVEIRAS
   CARNE CERTIFICADA
   CARNE E LEITE DERIVADOS DE UM GADO ECOLÓGICO
   UVA ECOLÓGICA E OUTRAS FRUTAS
   PLANTAS MEDICINAIS
   INCENTIVO AO TURISMO RURAL
(CRIADO A PASTO E TRATADO COM HOMEOPATIA)

                                              23
   FÁBRICAS DE CELULOSE
HÁ UMA GRANDE DEMANDA POR ÁGUA, PRINCIPALMENTE NO PROCESSO DE
COZIMENTO DA MADEIRA COM SODA CÁUSTICA4, A FIM DE SE SEPARAR A
CELULOSE DA LIGNINA.

APÓS, É FEITO O PROCESSO DE BRANQUEAMENTO DA CELULOSE, PARA A
OBTENÇÃO DE UMA POLPA BRANQUEADA, QUE VAI SER A MATÉRIA PRIMA DE
UM PAPEL BRANCO E ALVO. NO PROCESSO DE BRANQUEAMENTO, QUE OCORRE
O USO DO DIÓXIDO DE CLORO, O QUAL PODERÁ VIR A SER FONTE DE DIOXINAS
ENCONTRADAS NAS ÁGUAS RESIDUAIS
DAS FÁBRICAS.

A DIOXINA, COMPOSTO QUÍMICO RESULTANTE DE PROCESSOS TÉRMICOS QUE
ENVOLVEM PRODUTOS ORGÂNICOS (COMO A MADEIRA) EM PRESENÇA DE
CLORO, É CONHECIDA COMO UM DOS MAIS POTENTES CARCINOGÊNICOS
EXISTENTES NO MUNDO ATUAL.



                                                                  24
SAMPAIO, Francisco Coelho – Brasil 500 - Lowes Editora – 2000 – 2ª. Edição.
SHNEEBERGER e FARAGO – Geografia Geral – Teoria e Prática – Ed. Rideel - 2003
http://wwf.org.br, acessado em 03.11.2012 às 13:40h
http://cienciahoje.uol.com.br, acessado em 09.11.2012, às 01:15h
http://www.ibflorestas.org.br, acessado em 09.11.2012 às 02:40h
http://www.natbrasil.org.br/Docs/monoculturas/cartilha_pampa_sustentabilidade.pdf




                                                                             25

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Floresta amazônica
Floresta amazônicaFloresta amazônica
Floresta amazônicataffila
 
Domínios Brasileiros - Campos Sulinos - Pampas Gaúchos
Domínios Brasileiros - Campos Sulinos - Pampas GaúchosDomínios Brasileiros - Campos Sulinos - Pampas Gaúchos
Domínios Brasileiros - Campos Sulinos - Pampas GaúchosGabriel Nogueira
 
Trabalho Cerrado - 3* ANO
Trabalho Cerrado - 3* ANOTrabalho Cerrado - 3* ANO
Trabalho Cerrado - 3* ANOJhonatas Neves
 
Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais
Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais
Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais Judson Malta
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileirosrdbtava
 
Domínios morfoclimático - Araucária
Domínios morfoclimático - AraucáriaDomínios morfoclimático - Araucária
Domínios morfoclimático - AraucáriaVera Santos
 
Ecologia - Bioma Amazônia
Ecologia - Bioma AmazôniaEcologia - Bioma Amazônia
Ecologia - Bioma AmazôniaBruno Anacleto
 
Bioma Mata Atlântica - Ecologia
Bioma Mata Atlântica - EcologiaBioma Mata Atlântica - Ecologia
Bioma Mata Atlântica - EcologiaAmália Beims
 
Flora e fauna do cerrado brasileiro
Flora e fauna do cerrado brasileiroFlora e fauna do cerrado brasileiro
Flora e fauna do cerrado brasileiroLeilocaTavares
 
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANALAPRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANALCeber Alves
 

Mais procurados (20)

PANTANAL
PANTANALPANTANAL
PANTANAL
 
Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatinga
 
Floresta amazônica
Floresta amazônicaFloresta amazônica
Floresta amazônica
 
Palestra cerrado brasileiro
Palestra cerrado brasileiroPalestra cerrado brasileiro
Palestra cerrado brasileiro
 
Bioma: Cerrado
Bioma: CerradoBioma: Cerrado
Bioma: Cerrado
 
Domínios Brasileiros - Campos Sulinos - Pampas Gaúchos
Domínios Brasileiros - Campos Sulinos - Pampas GaúchosDomínios Brasileiros - Campos Sulinos - Pampas Gaúchos
Domínios Brasileiros - Campos Sulinos - Pampas Gaúchos
 
Trabalho Cerrado - 3* ANO
Trabalho Cerrado - 3* ANOTrabalho Cerrado - 3* ANO
Trabalho Cerrado - 3* ANO
 
Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatinga
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais
Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais
Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais
 
Cerrado
CerradoCerrado
Cerrado
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Domínios morfoclimático - Araucária
Domínios morfoclimático - AraucáriaDomínios morfoclimático - Araucária
Domínios morfoclimático - Araucária
 
Ecologia - Bioma Amazônia
Ecologia - Bioma AmazôniaEcologia - Bioma Amazônia
Ecologia - Bioma Amazônia
 
Bioma Mata Atlântica - Ecologia
Bioma Mata Atlântica - EcologiaBioma Mata Atlântica - Ecologia
Bioma Mata Atlântica - Ecologia
 
Cerrado
Cerrado Cerrado
Cerrado
 
Bioma da Caatinga - Completo
Bioma da Caatinga - CompletoBioma da Caatinga - Completo
Bioma da Caatinga - Completo
 
Cerrado (4)
Cerrado (4)Cerrado (4)
Cerrado (4)
 
Flora e fauna do cerrado brasileiro
Flora e fauna do cerrado brasileiroFlora e fauna do cerrado brasileiro
Flora e fauna do cerrado brasileiro
 
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANALAPRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
 

Semelhante a Os campos do sul do Brasil

Bioma Caatinga
Bioma CaatingaBioma Caatinga
Bioma CaatingaJean Leão
 
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADOBiomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADOConceição Fontolan
 
Reserva Florestal Ingazeira - Proposta de Conservação da Biodiversidade e Val...
Reserva Florestal Ingazeira - Proposta de Conservação da Biodiversidade e Val...Reserva Florestal Ingazeira - Proposta de Conservação da Biodiversidade e Val...
Reserva Florestal Ingazeira - Proposta de Conservação da Biodiversidade e Val...Benito Fernandez Mera
 
Caatinga, Mata Atlatica e Amazonia
Caatinga, Mata Atlatica e AmazoniaCaatinga, Mata Atlatica e Amazonia
Caatinga, Mata Atlatica e AmazoniaAncelmo Furtado
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileirosAline Silva
 
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do BrasilOs DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasilleila Cardoso
 
A conservação do cerrado com imagens
A conservação do cerrado com imagensA conservação do cerrado com imagens
A conservação do cerrado com imagensUelson E E
 
Uruguaiana 2 mundstock agosto 2010
Uruguaiana 2 mundstock  agosto 2010Uruguaiana 2 mundstock  agosto 2010
Uruguaiana 2 mundstock agosto 2010Pastizalesdelconosur
 
Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatingaecsette
 
Principais biomas brasileiros
Principais biomas brasileirosPrincipais biomas brasileiros
Principais biomas brasileirosLuis Augusto
 

Semelhante a Os campos do sul do Brasil (20)

Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Bioma Caatinga
Bioma CaatingaBioma Caatinga
Bioma Caatinga
 
Uso do Solo
Uso do SoloUso do Solo
Uso do Solo
 
Biosfera pt2
Biosfera pt2Biosfera pt2
Biosfera pt2
 
Biomas brasileiros 2
Biomas brasileiros 2Biomas brasileiros 2
Biomas brasileiros 2
 
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADOBiomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
 
Reserva Florestal Ingazeira - Proposta de Conservação da Biodiversidade e Val...
Reserva Florestal Ingazeira - Proposta de Conservação da Biodiversidade e Val...Reserva Florestal Ingazeira - Proposta de Conservação da Biodiversidade e Val...
Reserva Florestal Ingazeira - Proposta de Conservação da Biodiversidade e Val...
 
Caatinga, Mata Atlatica e Amazonia
Caatinga, Mata Atlatica e AmazoniaCaatinga, Mata Atlatica e Amazonia
Caatinga, Mata Atlatica e Amazonia
 
BIOMA AMAZONIA.pdf
BIOMA AMAZONIA.pdfBIOMA AMAZONIA.pdf
BIOMA AMAZONIA.pdf
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biogeografia 16
Biogeografia 16Biogeografia 16
Biogeografia 16
 
Manguezal
ManguezalManguezal
Manguezal
 
Manguezal
ManguezalManguezal
Manguezal
 
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do BrasilOs DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
 
A Zona Costeira
A Zona CosteiraA Zona Costeira
A Zona Costeira
 
A conservação do cerrado com imagens
A conservação do cerrado com imagensA conservação do cerrado com imagens
A conservação do cerrado com imagens
 
Biomas cerrado-2
Biomas   cerrado-2Biomas   cerrado-2
Biomas cerrado-2
 
Uruguaiana 2 mundstock agosto 2010
Uruguaiana 2 mundstock  agosto 2010Uruguaiana 2 mundstock  agosto 2010
Uruguaiana 2 mundstock agosto 2010
 
Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatinga
 
Principais biomas brasileiros
Principais biomas brasileirosPrincipais biomas brasileiros
Principais biomas brasileiros
 

Mais de Jean Leão

Administração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administraçãoAdministração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administraçãoJean Leão
 
1 introdução e primórdios da adm
1 introdução e primórdios da adm1 introdução e primórdios da adm
1 introdução e primórdios da admJean Leão
 
Proposta Acadêmica de melhoramento ambiental
Proposta Acadêmica de melhoramento ambiental Proposta Acadêmica de melhoramento ambiental
Proposta Acadêmica de melhoramento ambiental Jean Leão
 
Sistema de Gestão Ambiental - SGA
Sistema de Gestão Ambiental - SGASistema de Gestão Ambiental - SGA
Sistema de Gestão Ambiental - SGAJean Leão
 
Sistema de esgostamento sanitário
Sistema de esgostamento sanitárioSistema de esgostamento sanitário
Sistema de esgostamento sanitárioJean Leão
 
Aula resolução de problema Modelagem Ambiental
Aula resolução de problema Modelagem AmbientalAula resolução de problema Modelagem Ambiental
Aula resolução de problema Modelagem AmbientalJean Leão
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambientalJean Leão
 
O que é Água?
O que é Água?O que é Água?
O que é Água?Jean Leão
 
Qualidade e paramentros -
Qualidade e paramentros - Qualidade e paramentros -
Qualidade e paramentros - Jean Leão
 
Bioma Mata Atlantica
Bioma Mata AtlanticaBioma Mata Atlantica
Bioma Mata AtlanticaJean Leão
 
Bioma Pantanal
Bioma PantanalBioma Pantanal
Bioma PantanalJean Leão
 

Mais de Jean Leão (11)

Administração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administraçãoAdministração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administração
 
1 introdução e primórdios da adm
1 introdução e primórdios da adm1 introdução e primórdios da adm
1 introdução e primórdios da adm
 
Proposta Acadêmica de melhoramento ambiental
Proposta Acadêmica de melhoramento ambiental Proposta Acadêmica de melhoramento ambiental
Proposta Acadêmica de melhoramento ambiental
 
Sistema de Gestão Ambiental - SGA
Sistema de Gestão Ambiental - SGASistema de Gestão Ambiental - SGA
Sistema de Gestão Ambiental - SGA
 
Sistema de esgostamento sanitário
Sistema de esgostamento sanitárioSistema de esgostamento sanitário
Sistema de esgostamento sanitário
 
Aula resolução de problema Modelagem Ambiental
Aula resolução de problema Modelagem AmbientalAula resolução de problema Modelagem Ambiental
Aula resolução de problema Modelagem Ambiental
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
 
O que é Água?
O que é Água?O que é Água?
O que é Água?
 
Qualidade e paramentros -
Qualidade e paramentros - Qualidade e paramentros -
Qualidade e paramentros -
 
Bioma Mata Atlantica
Bioma Mata AtlanticaBioma Mata Atlantica
Bioma Mata Atlantica
 
Bioma Pantanal
Bioma PantanalBioma Pantanal
Bioma Pantanal
 

Último

parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadodanieligomes4
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 

Último (20)

parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 

Os campos do sul do Brasil

  • 1. 1
  • 2.
  • 3. ÁREA 176.496 Km² (IBGE, 2004)  2,07% do território nacional  62,64% Rio Grande do Sul, metade SUL e OESTE,  Argentina e Uruguai. 3
  • 4. GRAMÍNEAS, HERBÁCEAS E ALGUMAS ÁRVORES,  APLAINADO E SUAVE ONDULADO,  FORMADO POR UM MOSAICO DE SOLOS: BASÁLTICOS E SEDIMENTARES  AS FORMAÇÕES FLORESTAIS RESTRINGEM-SE AS MARGENS DOS RIOS. 4
  • 5. CHUVOSO,  FREQÜÊNCIA DE FRENTES POLARES ,  TEMPERATURA MÉDIA 18ºc e NEGATIVAS NO PERÍODO DO INVERNO, 5
  • 6. 6
  • 7. 7
  • 8. 3.000 espécies de plantas vasculares,  385 espécies de aves,  90 espécies de mamíferos, entre outros grupos.. 8
  • 9. FLORA O correm cerca de 2.800 espécies  62 de plantas campestres no RS,  450 são gramíneas (família dos capins),  450 compostas (família da maria-mole e do miomio),  200 leguminosas (família do pega-pega e dos tremoços)  cerca de 150 ciperáceas (família das tiriricas), e diversas outras famílias de plantas. Segundo a lista de espécies da flora ameaçada do RS (DIÁRIO OFICIAL do RS 31/12/2002), o Pampa apresenta 146 espécies em risco, distribuídas em diferentes categorias de ameaça.  7 gêneros de cactos e bromeliáceas, algumas são ndêmicas desta região. 9
  • 10. 10
  • 11. 500 ESPÉCIES DE AVES, DENTRE ELAS A EMA, O PERDIGÃO, A PERDIZ, ANUS-PRETOS, PICA-PAUS  MAIS DE 100 ESPÉCIES DE MAMÍFEROS TERRESTRES, INCLUINDO O VEADO-CAMPEIRO E TATUS GUARAXAINS.  11 ESPÉCIES DE MAMÍFEROS RAROS OU AMEAÇADOS DE EXTINÇÃO, LOBOS, RATOS D’ÁGUA, CERVÍDEOS ,  22 ESPÉCIES DE AVES NESTA MESMA SITUAÇÃO.  UMA ESPÉCIE DE PEIXE, O CARÁ (Gymnogeophagus sp., Família Cichlidae) É ENDÊMICA DA BACIA DO RIO IBIRAPUITÃ. 11
  • 12. Em geral, de baixa fertilidade natural e bastante suscetível à erosão.  A região geomorfológica do planalto de Campanha, a maior extensão de campos do Rio Grande do Sul, é a porção mais avançada para oeste e para o sul do domínio morfoestrutural das bacias e coberturas sedimentares e contato com o arenito, ocorrem os solos podzólicos vermelho- escuros. 12
  • 13. O Pampa também é responsável por guardar a maior parte do acesso ao aquífero Guarani, uma das maiores reservas de água doce subterrânea do mundo.  Rio Grande do Sul 157.600 Km² 13
  • 14. FORMADA POR 316.882,75 HECTARES, DISTRIBUÍDOS PELOS MUNICÍPIOS GAÚCHOS DE: ALEGRETES, ROSÁRIO DO SUL, QUARAÍ E SANTANA DO LIVRAMENTO/RS . CRIADA EM 20 DE MAIO DE 1992, DECRETO 529, ABRANGE A PORÇÃO SUPERIOR DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO IBIRAPUITÃ 14
  • 15. FORMADA POR 137.000 HECTARES DISTRIBUÍDOS PELOS MUNICÍPIOS GAÚCHOS DE: VIAMÃO, GRAVATAÍ, GLORINHA E SANTO ANTÔNIO DA PATRULHA/RS. CRIADA 23 DE OUTUBRO DE 1998 DECRETO ESTADUAL 38.971. 15
  • 16. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE (MMA) RECOMENDA QUE 10% DE CADA BIOMA SEJA PRESERVADO,  OS CAMPOS SULINOS POSSUEM MENOS DE 0,5% DE SUA SUPERFÍCIE COM ÁREAS DESTINADAS À CONSERVAÇÃO.  A PECUÁRIA, ATIVIDADE VINCULADA AO DESENVOLVIMENTO DESTA REGIÃO, PRINCIPALMENTE PELA DIVERSIDADE E RIQUEZA DAS PASTAGENS NATURAIS.  PARA OS PESQUISADORES DA (UFRGS) QUANDO UMA ÁREA DE CAMPO É DESMATADA, O IMPACTO VISUAL NÃO É TÃO PERCEPTÍVEL, POR ESTE MOTIVO NÃO SE TEM TANTO A IMPRESSÃO DE DEVASTAÇÃO. NO BRASIL, O PAMPA É UM BIOMA AMEAÇADO. 16
  • 17. eucalipto, pinus acácia-negra) 17
  • 18. REDUÇÃO DA DISPONIBILIDADE DE ÁGUA  SALINIZAÇÃO E ACIDIFICAÇÃO DO SOLO E ÁGUA,  IMPACTOS SOBRE A BIODIVERSIDADE 18
  • 20. Além do sombreamento, ao se levar em conta o forte potencial alelopático negativo, característico das espécies do gênero Eucalyptus, sobre o qual inúmeros estudos fazem referência(Buckup, 2007), verifica-se que muitas espécies de plantas possuem seu desenvolvimento retardado e prejudicado pela simples presença de raízes ou folhas de eucaliptos no solo ao seu redor.  Esta incompatibilidade natural existente entre plantas campestres e eucaliptos tende também a diminuir a rica biodiversidade pampa. 20
  • 21. No entanto, o avanço das plantações destas árvores não se dá somente pela mão humana, mas também pela forte capacidade de invasão de ecossistemas, que as espécies de pinus notoriamente apresentam.  É o pinus uma espécie invasora em potencial, capaz de “ocupar o espaço de espécies nativas e produzir alterações nos processos ecológicos naturais” (Ziller, 2000). Como exemplo disto:  Há o caso da África do Sul, onde os 1,5 milhão de hectares plantados com eucalipto, acácia e pinus, redundaram em 1,7 milhão de hectares invadidos, muitos deles compostos por savanas com várias espécies raras 21
  • 22. 250 espécies de animais ameaçados de extinção no RS - 26 espécies diretamente ligadas expansão das áreas com plantações de árvores sobre os campos. Águia chilena, o lobo guará, o veado campeiro, o gato palheiro e o cardeal amarelo, que habitam nossos campos há séculos, caminham rumo à sua extinção. Limnomedusa macroglossa (rã-das-pedras) uma das espécies ameaçadas de extinção http://pampabrasil.org.br/site/ 22
  • 23. PRODUÇÃO DE NOGUEIRAS  ARROZ ECOLÓGICO  MEL  SEMENTES  OLIVEIRAS  CARNE CERTIFICADA  CARNE E LEITE DERIVADOS DE UM GADO ECOLÓGICO  UVA ECOLÓGICA E OUTRAS FRUTAS  PLANTAS MEDICINAIS  INCENTIVO AO TURISMO RURAL (CRIADO A PASTO E TRATADO COM HOMEOPATIA) 23
  • 24. FÁBRICAS DE CELULOSE HÁ UMA GRANDE DEMANDA POR ÁGUA, PRINCIPALMENTE NO PROCESSO DE COZIMENTO DA MADEIRA COM SODA CÁUSTICA4, A FIM DE SE SEPARAR A CELULOSE DA LIGNINA. APÓS, É FEITO O PROCESSO DE BRANQUEAMENTO DA CELULOSE, PARA A OBTENÇÃO DE UMA POLPA BRANQUEADA, QUE VAI SER A MATÉRIA PRIMA DE UM PAPEL BRANCO E ALVO. NO PROCESSO DE BRANQUEAMENTO, QUE OCORRE O USO DO DIÓXIDO DE CLORO, O QUAL PODERÁ VIR A SER FONTE DE DIOXINAS ENCONTRADAS NAS ÁGUAS RESIDUAIS DAS FÁBRICAS. A DIOXINA, COMPOSTO QUÍMICO RESULTANTE DE PROCESSOS TÉRMICOS QUE ENVOLVEM PRODUTOS ORGÂNICOS (COMO A MADEIRA) EM PRESENÇA DE CLORO, É CONHECIDA COMO UM DOS MAIS POTENTES CARCINOGÊNICOS EXISTENTES NO MUNDO ATUAL. 24
  • 25. SAMPAIO, Francisco Coelho – Brasil 500 - Lowes Editora – 2000 – 2ª. Edição. SHNEEBERGER e FARAGO – Geografia Geral – Teoria e Prática – Ed. Rideel - 2003 http://wwf.org.br, acessado em 03.11.2012 às 13:40h http://cienciahoje.uol.com.br, acessado em 09.11.2012, às 01:15h http://www.ibflorestas.org.br, acessado em 09.11.2012 às 02:40h http://www.natbrasil.org.br/Docs/monoculturas/cartilha_pampa_sustentabilidade.pdf 25