SlideShare uma empresa Scribd logo
minimal art
www.sandrobottene.com
© 2020 Sandro Bottene
Termos também relacionados à Minimal: Arte ABC, Cool Art, Estruturas Primárias, Arte Literal.
O minimalismo não foi um movimento organizado, mas ambos os artistas rejeitavam tal
denominação (mínimo) “devido à implicação negativa de que seu trabalho era simplista e
desprovido de “conteúdo artístico” (DEMPSEY, 2003, p. 236).
A tendência surgiu nos Estados Unidos, Nova York, entre os anos de 1963 e 1965. Suas obras
tentem à busca da abstração pura, cuja criações remetem às obras dos construtivistas e
suprematistas russos.
A crítica desfavorável levou em conta a falta da mão do artista na construção do objeto e pelos
materiais industriais não parecerem “arte”.
- Forma: abstrata com módulos geométricos (tridimensional);
- Repetição: o arranjo dos objetos no espaço se torna instalação (alguns são site-specific);
- Aspecto: simplificação das formas (limpeza visual);
- Matéria-prima: da indústria/pré-fabricados (vidro, metal, concreto, luz fluorescente);
- Execução: o artista projeta a ideia e a indústria produz o objeto;
- Sensação: considera-se o aspecto de frieza aos materiais e não ao trabalho do artista.
SOBRE A MINIMAL ART
(1935)
Escultor minimalista nascido nos EUA.
Produz obras com combinações aritméticas
e peças desmontáveis, valorizando o
material, a forma e a estrutura.
No início dos anos 1960, o artista não
possuía dinheiro para concretizar seus
projetos, durante mais de uma década a
série “Element” só existiu em desenhos a
lápis em papel quadriculado. Só na década
de 1970 conseguiu executar parte delas.
Andre se preocupava-se com a tradição da
escultura, mantendo este termo para seu
trabalho.
CARL ANDRE
O artista “se utiliza de materiais pré-
fabricados, de elementos individuais
idênticos e que são fixos no seu lugar
apenas pela força da gravidade,
limitando-se à formas relativamente
básicas e simples” (MANZONA, 2005, p.
12).
Pirâmide.
original destruído em 1959.
reconstruído em 1970.
Carl Andre.
Madeira (74 unidades).
175 x 79 x 79 cm (geral).
Dallas, Museum of Art.
Arte Minimalista
Trabum.
1960 (executada 1977).
Carl Andre.
Madeira (9 unidades).
30 x 30 x 91 cm (cada).
Guggenheim Museum, Nova York.
Fall. 1968. Carl Andre.
Lâminas de aço (21 unidades).
1,8 x 0,7 x 1,8 m (cada).
Guggenheim Museum, Nova York.
Planície de aço e magnésio. 1969.
Carl Andre.
Aço e magnésio( 36 unidades).
10 x 183 x 183 cm (geral).
Coleção particular.
Carl Andre durante a instalação da sua exposição
na Dawan Gallery em Nova Iorque em 1969.
Décimo cardeal de cobre.
1973.
Carl Andre.
Cobre (10 unidades).
250 x 100 cm (geral).
Berlim, Staatiche Museen.
The uncarved block western red cedar. 1975.
Carl Andre.
Madeira (cedro vermelho).
Ace Gallery Venice.
Equivalente VIII.
1978.
Carl Andre.
Concreto (120 unidades).
Londres, Galeria Tate.
Venus forge.
1980.
Carl Andre.
Aço e cobre
0,5 x 120 x 1555 cm (geral).
Galeria Tate, Londres.
Third piece of nine.
1983.
Carl Andre.
9 unidades.
75 x 400 x 20 (geral)
Kohn Gallery.
Outer piece. 1983.
Carl Andre.
61 unidades.
Konrad Fischer Galerie.
Via dentata. 1997.
Carl Andre.
Chapas de aço (158 unidades).
Ace Gallery Venice.
The void enclosed by lead & copper squares of three, four, & five. 1998.
Carl Andre.
Chumbo e cobre (50 unidades).
1 x 20 x 20 (cada).
Paula Cooper Gallery.
Al rectarack.
2002.
Carl Andre.
Alumínio (33 unidades).
Ace Gallery Los Angeles.
Cedar tango. 2002.
Carl Andre.
Madeira (26 unidades).
30 x 30 x 93 (cada).
Konrad Fischer Galerie.
Thebes. 2003.
Carl Andre.
Madeira (48 unidades).
120 x 90 x 1080 cm (geral).
André Simoens Gallery.
Glarus 49 aluminum cubes (7x7). 2007.
Carl Andre.
Alumínio (49 unidades).
10 x 10 x 10 cm (cada).
Galerie Tschudi.
(1933-1996)
Artista minimalista norte-americano.
Em seus trabalhos utiliza unicamente
fluorescentes produzidos industrialmente
(denominados por ele como “imagens-
objetos”), que por sua vez são organizados
em arranjos de complexidade diversa.
Em 1966, seus trabalhos tornaram-se cada
vez mais específicos para um local e
semelhantes a instalações. Seus trabalhos
geram um efeito na arquitetura, bem como
na participação do espectador.
DAN FLAVIN
Pelo uso da luz, o artista percebeu cedo
“que este sistema estava idealmente
destinado a uma relação entre os
trabalhos e o espaço em que iriam ser
expostos, permitindo que as
percepções deste último fossem
alteradas” (MARZONA, 2005, p. 15).
The nominal three (to William of Ockham). 1963.
Dan Flavin.
Luz fluorescente lâmpada diurna.
244 cm.
Foto: David Zwirner, Nova York.
Pink out of a corner (to Jasper Johns).
1963.
Dan Flavin.
Luz fluorescente rosa.
244 cm.
Foto: David Zwirner, Nova York.
“Monument” 1 for V. Tatlin.
1964.
Dan Flavin.
Luz fluorescente lâmpada diurna.
244 cm.
Foto: David Zwirner, Nova York.
Greens crossing greens (to Piet Mondrian who lacked green).
1966.
Dan Flavin.
Luz fluorescente verde.
Foto: David Zwirner, Nova York.
Sem título
(to Saskia, Sixtina, and Thordis)
1973.
Dan Flavin.
Luz fluorescente rosa, amarela, verde e azul.
244 cm.
Foto: David Zwirner, Nova York.
Sem título
(to Helga and Carlo,
with respect and affection).
1974.
Dan Flavin.
Luz fluorescente azul.
Foto: David Zwirner, Nova York.
Sem título
(in honor of Harold Joachim) 3.
1977.
Dan Flavin.
Luz fluorescente rosa,
amarela, azul e verde.
244 cm.
Foto: David Zwirner, Nova York.
Sem título (to Piet Mondrian).
1985.
Dan Flavin.
Luz fluorescente vermelha, amarela e azul.
244 cm.
Foto: David Zwirner, Nova York.
Sem título
(to a man, George McGovern) 2.
1972.
Dan Flavin.
Luz fluorescente branca.
305 x 305 cm.
Foto: David Zwirner, Nova York.
Sem título
(to the “innovator” of Wheeling
Peachblow).
1966.
Dan Flavin.
Luz fluorescente rosa,
amarela e lâmpada diurna.
244 cm.
Foto: David Zwirner, Nova York.
(1928-1994)
Artista norte-americano conhecido
pelos trabalhos chamados de “Stacks”,
em que caixas de metal eram fixadas à
parede a intervalos equivalentes
formando uma coluna com progressão
numa direção vertical ou horizontal.
Foi um importante crítico de arte,
contribuiu com o minimalismo através
de suas obras e, principalmente, com o
artigo “Objetos específicos” em 1965,
considerado o primeiro manifesto da
Minimal Art.
“Novas técnicas de processamento
permitiram-lhe dispensar a pintura dos seus
objetos, a cor é agora um elemento
integrante do respectivo material,
inseparavelmente fundida com a sua
superfície” (MANZONA, 2005, p. 12).
DONALD JUDD
Sem título (DSS 120).
1968.
Donald Judd.
Aço inoxidável e plexiglas âmbar.
15 x 68 x 61 cm (10 unidades).
Mnuchin Gallery.
Sem título.
1969.
Donald Judd.
Cobre (10 unidades).
23 x 102 x 79 cm.
Guggenheim Museum, Nova York.
No texto “Objetos específicos” Judd (1965)
afirma que a característica essencial da
produção é o trabalho tridimensional, inscrito
no espaço real, antiilusionista e antigestual.
Estruturas nas quais a cor, forma e
superfície estão integradas, criando o que
ele chamará de unidades, coisas em si, que
só remetem a si mesmas.
Sem título. 1971.
Donald Judd.
Esmalte laranja sobre aço laminado.
121 x 121 x 121 cm cada (8 unidades).
Guggenheim Museum, Nova York.
Sem título. 1973.
Donald Judd.
Latão e plexiglas vermelho.
86 x 86 x 86 cm cada (6 unidades).
Guggenheim Museum, Nova York.
Sem título.
1974.
Donald Judd.
Latão.
Cubos (6 unidades).
Sem título (DJ 85-81).
1985.
Donald Judd.
Aço, alumínio e perspex.
23 x 101 x 78 cm.
Guggenheim Museum, Nova York.
Sem título.
1989.
Donald Judd.
Aço (6 unidades).
Berlim, Staatiche Museen.
Sem título.
1990.
Donald Judd.
Alumínio, aço e acrílico.
10 unidades.
Tate Gallery, Londres.
Sem título (Bernstein 90-01).
1990.
Donald Judd.
Alumínio preto e plexiglas transparente.
23 x 101 x 73 cm (10 unidades).
Mnuchin Gallery.
Mnuchin Gallery.
Mnuchin Gallery.
ARCHER, Michael. Arte Contemporânea: uma história concisa. São Paulo:
Martins Fontes, 2001. 263 p. (Coleção a)
DEMPSEY, Amy. Estilos, escolas e movimentos. São Paulo: Cosac Naify, 2003.
304 p.
FARTHING, Stephen (editor). 501 grandes artistas. Rio de Janeiro: Sextante,
2009. 640 p.
JUDD, Donald. Objetos específicos. In: FERREIRA, Glória; COTRIM, Cecilia (orgs).
Escritos de artistas: anos 60/70. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.
KRAUSS, Rosalind E. Caminhos da escultura moderna. São Paulo: Martins
Fontes, 1998. 365 p. (Coleção a)
MARZONA. Daniel. Minimal art. Colônia: Taschen, 2005. 96 p. (Coleção Série
básica de arte)
REFERÊNCIAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte cinética
Arte cinéticaArte cinética
Arte cinética
Karoline Oliveira
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Andrea Dressler
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
VIVIAN TROMBINI
 
ARTE BRASILEIRA
ARTE BRASILEIRAARTE BRASILEIRA
Dadaismo
DadaismoDadaismo
Dadaismo
Diogo Reis
 
Arte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte moderna brasileira
Arte moderna brasileira
Arte Educadora
 
Op art
Op artOp art
Op art
sheilabeca
 
Futurismo
Futurismo Futurismo
Futurismo
Dorinhaa
 
Dadaismo
DadaismoDadaismo
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Paulo Fonseca
 
Arte - Surrealismo
Arte - SurrealismoArte - Surrealismo
Arte - Surrealismo
Nathália Rodrigues
 
Surrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismoSurrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismo
Ana Barreiros
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
Ana Paula Silva
 
Arte conceitual
Arte conceitualArte conceitual
Arte conceitual
Stefânia Balestero
 
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
guest9bd847
 
Arte conceitual
Arte conceitualArte conceitual
Arte conceitual
Cristiano Acosta
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Talita Tata
 
Art Nouveau (Arte Nova)
Art Nouveau (Arte Nova)Art Nouveau (Arte Nova)
Art Nouveau (Arte Nova)
Andrea Dressler
 
Arte abstrata
Arte abstrataArte abstrata
Arte abstrata
Ana Barreiros
 

Mais procurados (20)

Arte cinética
Arte cinéticaArte cinética
Arte cinética
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
ARTE BRASILEIRA
ARTE BRASILEIRAARTE BRASILEIRA
ARTE BRASILEIRA
 
Dadaismo
DadaismoDadaismo
Dadaismo
 
Arte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte moderna brasileira
Arte moderna brasileira
 
Op art
Op artOp art
Op art
 
Futurismo
Futurismo Futurismo
Futurismo
 
Dadaismo
DadaismoDadaismo
Dadaismo
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Arte - Surrealismo
Arte - SurrealismoArte - Surrealismo
Arte - Surrealismo
 
Surrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismoSurrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismo
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 
Arte conceitual
Arte conceitualArte conceitual
Arte conceitual
 
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
 
Arte conceitual
Arte conceitualArte conceitual
Arte conceitual
 
Arte Conceitual
Arte ConceitualArte Conceitual
Arte Conceitual
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Art Nouveau (Arte Nova)
Art Nouveau (Arte Nova)Art Nouveau (Arte Nova)
Art Nouveau (Arte Nova)
 
Arte abstrata
Arte abstrataArte abstrata
Arte abstrata
 

Semelhante a Arte Minimalista

Revisão - Minimalismo e Neoconcretismo
Revisão - Minimalismo e NeoconcretismoRevisão - Minimalismo e Neoconcretismo
Revisão - Minimalismo e Neoconcretismo
Raphael Lanzillotte
 
Minimal Art Módulo 10 História e Cultura das artes_.pptx
Minimal Art Módulo 10 História e Cultura das artes_.pptxMinimal Art Módulo 10 História e Cultura das artes_.pptx
Minimal Art Módulo 10 História e Cultura das artes_.pptx
TomasSousa7
 
Ensino Médio- Minimalismo- Donald Judd e Dan Flavin - 11 slides-
 Ensino Médio- Minimalismo- Donald Judd e Dan Flavin - 11 slides- Ensino Médio- Minimalismo- Donald Judd e Dan Flavin - 11 slides-
Ensino Médio- Minimalismo- Donald Judd e Dan Flavin - 11 slides-
ArtesElisa
 
8 minimalismo-donaldjuddedanflavin-11slides-110902191858-phpapp02
8 minimalismo-donaldjuddedanflavin-11slides-110902191858-phpapp028 minimalismo-donaldjuddedanflavin-11slides-110902191858-phpapp02
8 minimalismo-donaldjuddedanflavin-11slides-110902191858-phpapp02
kdaodkasodkao
 
Arte Minimal, Arte Conceptual, Artes da Terra, Instalação
Arte Minimal, Arte Conceptual, Artes da Terra, InstalaçãoArte Minimal, Arte Conceptual, Artes da Terra, Instalação
Arte Minimal, Arte Conceptual, Artes da Terra, Instalação
Michele Pó
 
Aula 10 Expressionismo Abstrato
Aula 10  Expressionismo AbstratoAula 10  Expressionismo Abstrato
Aula 10 Expressionismo Abstrato
Aline Okumura
 
6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica
6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica
6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica
Paula Poiet
 
Aula 11 Pop Art Op Art
Aula 11  Pop Art Op Art Aula 11  Pop Art Op Art
Aula 11 Pop Art Op Art
Aline Okumura
 
Arte moderna e contemporânea (anos 40, 50, 60,70)
Arte moderna e contemporânea (anos 40, 50, 60,70)Arte moderna e contemporânea (anos 40, 50, 60,70)
Arte moderna e contemporânea (anos 40, 50, 60,70)
João Alberto Rodrigues
 
Aula 8 Suprematismo de Stij Construtivismo russo e decostrutivismo
Aula 8   Suprematismo de Stij Construtivismo russo e decostrutivismoAula 8   Suprematismo de Stij Construtivismo russo e decostrutivismo
Aula 8 Suprematismo de Stij Construtivismo russo e decostrutivismo
Aline Okumura
 
Minimalismo
MinimalismoMinimalismo
Arte pop
Arte popArte pop
Palestra - Arte Ambiental
Palestra - Arte Ambiental Palestra - Arte Ambiental
Palestra - Arte Ambiental
MM Gerdau - Museu das Minas e do Metal
 
4.pesquisas visualidade
4.pesquisas visualidade4.pesquisas visualidade
4.pesquisas visualidade
histoartetatiana
 
NeoConcretismo Brasileiro
NeoConcretismo Brasileiro NeoConcretismo Brasileiro
NeoConcretismo Brasileiro
Andrea Dressler
 
Raizes do design editorial
Raizes do design editorialRaizes do design editorial
Raizes do design editorial
Helena Jacob
 
Arte abstrata
Arte abstrataArte abstrata
8 dadaísmo
8 dadaísmo8 dadaísmo
Javacheff Christo
Javacheff ChristoJavacheff Christo
Javacheff Christo
Carlos Vieira
 
Construtivismo russo
Construtivismo russoConstrutivismo russo
Construtivismo russo
Viviane Marques
 

Semelhante a Arte Minimalista (20)

Revisão - Minimalismo e Neoconcretismo
Revisão - Minimalismo e NeoconcretismoRevisão - Minimalismo e Neoconcretismo
Revisão - Minimalismo e Neoconcretismo
 
Minimal Art Módulo 10 História e Cultura das artes_.pptx
Minimal Art Módulo 10 História e Cultura das artes_.pptxMinimal Art Módulo 10 História e Cultura das artes_.pptx
Minimal Art Módulo 10 História e Cultura das artes_.pptx
 
Ensino Médio- Minimalismo- Donald Judd e Dan Flavin - 11 slides-
 Ensino Médio- Minimalismo- Donald Judd e Dan Flavin - 11 slides- Ensino Médio- Minimalismo- Donald Judd e Dan Flavin - 11 slides-
Ensino Médio- Minimalismo- Donald Judd e Dan Flavin - 11 slides-
 
8 minimalismo-donaldjuddedanflavin-11slides-110902191858-phpapp02
8 minimalismo-donaldjuddedanflavin-11slides-110902191858-phpapp028 minimalismo-donaldjuddedanflavin-11slides-110902191858-phpapp02
8 minimalismo-donaldjuddedanflavin-11slides-110902191858-phpapp02
 
Arte Minimal, Arte Conceptual, Artes da Terra, Instalação
Arte Minimal, Arte Conceptual, Artes da Terra, InstalaçãoArte Minimal, Arte Conceptual, Artes da Terra, Instalação
Arte Minimal, Arte Conceptual, Artes da Terra, Instalação
 
Aula 10 Expressionismo Abstrato
Aula 10  Expressionismo AbstratoAula 10  Expressionismo Abstrato
Aula 10 Expressionismo Abstrato
 
6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica
6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica
6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica
 
Aula 11 Pop Art Op Art
Aula 11  Pop Art Op Art Aula 11  Pop Art Op Art
Aula 11 Pop Art Op Art
 
Arte moderna e contemporânea (anos 40, 50, 60,70)
Arte moderna e contemporânea (anos 40, 50, 60,70)Arte moderna e contemporânea (anos 40, 50, 60,70)
Arte moderna e contemporânea (anos 40, 50, 60,70)
 
Aula 8 Suprematismo de Stij Construtivismo russo e decostrutivismo
Aula 8   Suprematismo de Stij Construtivismo russo e decostrutivismoAula 8   Suprematismo de Stij Construtivismo russo e decostrutivismo
Aula 8 Suprematismo de Stij Construtivismo russo e decostrutivismo
 
Minimalismo
MinimalismoMinimalismo
Minimalismo
 
Arte pop
Arte popArte pop
Arte pop
 
Palestra - Arte Ambiental
Palestra - Arte Ambiental Palestra - Arte Ambiental
Palestra - Arte Ambiental
 
4.pesquisas visualidade
4.pesquisas visualidade4.pesquisas visualidade
4.pesquisas visualidade
 
NeoConcretismo Brasileiro
NeoConcretismo Brasileiro NeoConcretismo Brasileiro
NeoConcretismo Brasileiro
 
Raizes do design editorial
Raizes do design editorialRaizes do design editorial
Raizes do design editorial
 
Arte abstrata
Arte abstrataArte abstrata
Arte abstrata
 
8 dadaísmo
8 dadaísmo8 dadaísmo
8 dadaísmo
 
Javacheff Christo
Javacheff ChristoJavacheff Christo
Javacheff Christo
 
Construtivismo russo
Construtivismo russoConstrutivismo russo
Construtivismo russo
 

Mais de Sandro Bottene

A identidade cultural na pós-modernidade
A identidade cultural na pós-modernidadeA identidade cultural na pós-modernidade
A identidade cultural na pós-modernidade
Sandro Bottene
 
Por um corpo contemporâneo
Por um corpo contemporâneoPor um corpo contemporâneo
Por um corpo contemporâneo
Sandro Bottene
 
Apresentações na Plataforma SlideShare
Apresentações na Plataforma SlideShareApresentações na Plataforma SlideShare
Apresentações na Plataforma SlideShare
Sandro Bottene
 
Romero Britto
Romero BrittoRomero Britto
Romero Britto
Sandro Bottene
 
Marcel Duchamp
Marcel DuchampMarcel Duchamp
Marcel Duchamp
Sandro Bottene
 
Arte Conceitual
Arte ConceitualArte Conceitual
Arte Conceitual
Sandro Bottene
 
A linguagem do cinema
A linguagem do cinema A linguagem do cinema
A linguagem do cinema
Sandro Bottene
 
Estudo da cor
Estudo da corEstudo da cor
Estudo da cor
Sandro Bottene
 
Hubert duprat
Hubert dupratHubert duprat
Hubert duprat
Sandro Bottene
 
Leitura de Imagem: releituras de Mona Lisa
Leitura de Imagem: releituras de Mona LisaLeitura de Imagem: releituras de Mona Lisa
Leitura de Imagem: releituras de Mona Lisa
Sandro Bottene
 
Leitura Dinâmica
Leitura DinâmicaLeitura Dinâmica
Leitura Dinâmica
Sandro Bottene
 
Gêneros Artísticos
Gêneros ArtísticosGêneros Artísticos
Gêneros Artísticos
Sandro Bottene
 
Elementos básicos do desenho
Elementos básicos do desenhoElementos básicos do desenho
Elementos básicos do desenho
Sandro Bottene
 
Introdução ao Componente Curricular de Arte
Introdução ao Componente Curricular de ArteIntrodução ao Componente Curricular de Arte
Introdução ao Componente Curricular de Arte
Sandro Bottene
 
Vincent Van Gogh
Vincent Van GoghVincent Van Gogh
Vincent Van Gogh
Sandro Bottene
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
Sandro Bottene
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
Sandro Bottene
 
Semana de Arte Moderna
Semana de Arte ModernaSemana de Arte Moderna
Semana de Arte Moderna
Sandro Bottene
 
Arte indígena
Arte indígenaArte indígena
Arte indígena
Sandro Bottene
 
Elementos da Linguagem fotográfica
Elementos da Linguagem fotográficaElementos da Linguagem fotográfica
Elementos da Linguagem fotográfica
Sandro Bottene
 

Mais de Sandro Bottene (20)

A identidade cultural na pós-modernidade
A identidade cultural na pós-modernidadeA identidade cultural na pós-modernidade
A identidade cultural na pós-modernidade
 
Por um corpo contemporâneo
Por um corpo contemporâneoPor um corpo contemporâneo
Por um corpo contemporâneo
 
Apresentações na Plataforma SlideShare
Apresentações na Plataforma SlideShareApresentações na Plataforma SlideShare
Apresentações na Plataforma SlideShare
 
Romero Britto
Romero BrittoRomero Britto
Romero Britto
 
Marcel Duchamp
Marcel DuchampMarcel Duchamp
Marcel Duchamp
 
Arte Conceitual
Arte ConceitualArte Conceitual
Arte Conceitual
 
A linguagem do cinema
A linguagem do cinema A linguagem do cinema
A linguagem do cinema
 
Estudo da cor
Estudo da corEstudo da cor
Estudo da cor
 
Hubert duprat
Hubert dupratHubert duprat
Hubert duprat
 
Leitura de Imagem: releituras de Mona Lisa
Leitura de Imagem: releituras de Mona LisaLeitura de Imagem: releituras de Mona Lisa
Leitura de Imagem: releituras de Mona Lisa
 
Leitura Dinâmica
Leitura DinâmicaLeitura Dinâmica
Leitura Dinâmica
 
Gêneros Artísticos
Gêneros ArtísticosGêneros Artísticos
Gêneros Artísticos
 
Elementos básicos do desenho
Elementos básicos do desenhoElementos básicos do desenho
Elementos básicos do desenho
 
Introdução ao Componente Curricular de Arte
Introdução ao Componente Curricular de ArteIntrodução ao Componente Curricular de Arte
Introdução ao Componente Curricular de Arte
 
Vincent Van Gogh
Vincent Van GoghVincent Van Gogh
Vincent Van Gogh
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
 
Semana de Arte Moderna
Semana de Arte ModernaSemana de Arte Moderna
Semana de Arte Moderna
 
Arte indígena
Arte indígenaArte indígena
Arte indígena
 
Elementos da Linguagem fotográfica
Elementos da Linguagem fotográficaElementos da Linguagem fotográfica
Elementos da Linguagem fotográfica
 

Último

Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 

Último (20)

Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 

Arte Minimalista

  • 2. Termos também relacionados à Minimal: Arte ABC, Cool Art, Estruturas Primárias, Arte Literal. O minimalismo não foi um movimento organizado, mas ambos os artistas rejeitavam tal denominação (mínimo) “devido à implicação negativa de que seu trabalho era simplista e desprovido de “conteúdo artístico” (DEMPSEY, 2003, p. 236). A tendência surgiu nos Estados Unidos, Nova York, entre os anos de 1963 e 1965. Suas obras tentem à busca da abstração pura, cuja criações remetem às obras dos construtivistas e suprematistas russos. A crítica desfavorável levou em conta a falta da mão do artista na construção do objeto e pelos materiais industriais não parecerem “arte”. - Forma: abstrata com módulos geométricos (tridimensional); - Repetição: o arranjo dos objetos no espaço se torna instalação (alguns são site-specific); - Aspecto: simplificação das formas (limpeza visual); - Matéria-prima: da indústria/pré-fabricados (vidro, metal, concreto, luz fluorescente); - Execução: o artista projeta a ideia e a indústria produz o objeto; - Sensação: considera-se o aspecto de frieza aos materiais e não ao trabalho do artista. SOBRE A MINIMAL ART
  • 3. (1935) Escultor minimalista nascido nos EUA. Produz obras com combinações aritméticas e peças desmontáveis, valorizando o material, a forma e a estrutura. No início dos anos 1960, o artista não possuía dinheiro para concretizar seus projetos, durante mais de uma década a série “Element” só existiu em desenhos a lápis em papel quadriculado. Só na década de 1970 conseguiu executar parte delas. Andre se preocupava-se com a tradição da escultura, mantendo este termo para seu trabalho. CARL ANDRE O artista “se utiliza de materiais pré- fabricados, de elementos individuais idênticos e que são fixos no seu lugar apenas pela força da gravidade, limitando-se à formas relativamente básicas e simples” (MANZONA, 2005, p. 12).
  • 4. Pirâmide. original destruído em 1959. reconstruído em 1970. Carl Andre. Madeira (74 unidades). 175 x 79 x 79 cm (geral). Dallas, Museum of Art.
  • 6. Trabum. 1960 (executada 1977). Carl Andre. Madeira (9 unidades). 30 x 30 x 91 cm (cada). Guggenheim Museum, Nova York.
  • 7. Fall. 1968. Carl Andre. Lâminas de aço (21 unidades). 1,8 x 0,7 x 1,8 m (cada). Guggenheim Museum, Nova York.
  • 8. Planície de aço e magnésio. 1969. Carl Andre. Aço e magnésio( 36 unidades). 10 x 183 x 183 cm (geral). Coleção particular.
  • 9. Carl Andre durante a instalação da sua exposição na Dawan Gallery em Nova Iorque em 1969.
  • 10. Décimo cardeal de cobre. 1973. Carl Andre. Cobre (10 unidades). 250 x 100 cm (geral). Berlim, Staatiche Museen.
  • 11. The uncarved block western red cedar. 1975. Carl Andre. Madeira (cedro vermelho). Ace Gallery Venice.
  • 12. Equivalente VIII. 1978. Carl Andre. Concreto (120 unidades). Londres, Galeria Tate.
  • 13. Venus forge. 1980. Carl Andre. Aço e cobre 0,5 x 120 x 1555 cm (geral). Galeria Tate, Londres.
  • 14. Third piece of nine. 1983. Carl Andre. 9 unidades. 75 x 400 x 20 (geral) Kohn Gallery.
  • 15. Outer piece. 1983. Carl Andre. 61 unidades. Konrad Fischer Galerie.
  • 16. Via dentata. 1997. Carl Andre. Chapas de aço (158 unidades). Ace Gallery Venice.
  • 17. The void enclosed by lead & copper squares of three, four, & five. 1998. Carl Andre. Chumbo e cobre (50 unidades). 1 x 20 x 20 (cada). Paula Cooper Gallery.
  • 18. Al rectarack. 2002. Carl Andre. Alumínio (33 unidades). Ace Gallery Los Angeles.
  • 19. Cedar tango. 2002. Carl Andre. Madeira (26 unidades). 30 x 30 x 93 (cada). Konrad Fischer Galerie.
  • 20. Thebes. 2003. Carl Andre. Madeira (48 unidades). 120 x 90 x 1080 cm (geral). André Simoens Gallery.
  • 21. Glarus 49 aluminum cubes (7x7). 2007. Carl Andre. Alumínio (49 unidades). 10 x 10 x 10 cm (cada). Galerie Tschudi.
  • 22. (1933-1996) Artista minimalista norte-americano. Em seus trabalhos utiliza unicamente fluorescentes produzidos industrialmente (denominados por ele como “imagens- objetos”), que por sua vez são organizados em arranjos de complexidade diversa. Em 1966, seus trabalhos tornaram-se cada vez mais específicos para um local e semelhantes a instalações. Seus trabalhos geram um efeito na arquitetura, bem como na participação do espectador. DAN FLAVIN Pelo uso da luz, o artista percebeu cedo “que este sistema estava idealmente destinado a uma relação entre os trabalhos e o espaço em que iriam ser expostos, permitindo que as percepções deste último fossem alteradas” (MARZONA, 2005, p. 15).
  • 23. The nominal three (to William of Ockham). 1963. Dan Flavin. Luz fluorescente lâmpada diurna. 244 cm. Foto: David Zwirner, Nova York.
  • 24. Pink out of a corner (to Jasper Johns). 1963. Dan Flavin. Luz fluorescente rosa. 244 cm. Foto: David Zwirner, Nova York.
  • 25. “Monument” 1 for V. Tatlin. 1964. Dan Flavin. Luz fluorescente lâmpada diurna. 244 cm. Foto: David Zwirner, Nova York.
  • 26. Greens crossing greens (to Piet Mondrian who lacked green). 1966. Dan Flavin. Luz fluorescente verde. Foto: David Zwirner, Nova York.
  • 27. Sem título (to Saskia, Sixtina, and Thordis) 1973. Dan Flavin. Luz fluorescente rosa, amarela, verde e azul. 244 cm. Foto: David Zwirner, Nova York.
  • 28. Sem título (to Helga and Carlo, with respect and affection). 1974. Dan Flavin. Luz fluorescente azul. Foto: David Zwirner, Nova York.
  • 29. Sem título (in honor of Harold Joachim) 3. 1977. Dan Flavin. Luz fluorescente rosa, amarela, azul e verde. 244 cm. Foto: David Zwirner, Nova York.
  • 30. Sem título (to Piet Mondrian). 1985. Dan Flavin. Luz fluorescente vermelha, amarela e azul. 244 cm. Foto: David Zwirner, Nova York.
  • 31. Sem título (to a man, George McGovern) 2. 1972. Dan Flavin. Luz fluorescente branca. 305 x 305 cm. Foto: David Zwirner, Nova York.
  • 32. Sem título (to the “innovator” of Wheeling Peachblow). 1966. Dan Flavin. Luz fluorescente rosa, amarela e lâmpada diurna. 244 cm. Foto: David Zwirner, Nova York.
  • 33. (1928-1994) Artista norte-americano conhecido pelos trabalhos chamados de “Stacks”, em que caixas de metal eram fixadas à parede a intervalos equivalentes formando uma coluna com progressão numa direção vertical ou horizontal. Foi um importante crítico de arte, contribuiu com o minimalismo através de suas obras e, principalmente, com o artigo “Objetos específicos” em 1965, considerado o primeiro manifesto da Minimal Art. “Novas técnicas de processamento permitiram-lhe dispensar a pintura dos seus objetos, a cor é agora um elemento integrante do respectivo material, inseparavelmente fundida com a sua superfície” (MANZONA, 2005, p. 12). DONALD JUDD
  • 34. Sem título (DSS 120). 1968. Donald Judd. Aço inoxidável e plexiglas âmbar. 15 x 68 x 61 cm (10 unidades). Mnuchin Gallery.
  • 35. Sem título. 1969. Donald Judd. Cobre (10 unidades). 23 x 102 x 79 cm. Guggenheim Museum, Nova York. No texto “Objetos específicos” Judd (1965) afirma que a característica essencial da produção é o trabalho tridimensional, inscrito no espaço real, antiilusionista e antigestual. Estruturas nas quais a cor, forma e superfície estão integradas, criando o que ele chamará de unidades, coisas em si, que só remetem a si mesmas.
  • 36. Sem título. 1971. Donald Judd. Esmalte laranja sobre aço laminado. 121 x 121 x 121 cm cada (8 unidades). Guggenheim Museum, Nova York.
  • 37. Sem título. 1973. Donald Judd. Latão e plexiglas vermelho. 86 x 86 x 86 cm cada (6 unidades). Guggenheim Museum, Nova York.
  • 39. Sem título (DJ 85-81). 1985. Donald Judd. Aço, alumínio e perspex. 23 x 101 x 78 cm. Guggenheim Museum, Nova York.
  • 40. Sem título. 1989. Donald Judd. Aço (6 unidades). Berlim, Staatiche Museen.
  • 41. Sem título. 1990. Donald Judd. Alumínio, aço e acrílico. 10 unidades. Tate Gallery, Londres.
  • 42. Sem título (Bernstein 90-01). 1990. Donald Judd. Alumínio preto e plexiglas transparente. 23 x 101 x 73 cm (10 unidades). Mnuchin Gallery.
  • 45. ARCHER, Michael. Arte Contemporânea: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes, 2001. 263 p. (Coleção a) DEMPSEY, Amy. Estilos, escolas e movimentos. São Paulo: Cosac Naify, 2003. 304 p. FARTHING, Stephen (editor). 501 grandes artistas. Rio de Janeiro: Sextante, 2009. 640 p. JUDD, Donald. Objetos específicos. In: FERREIRA, Glória; COTRIM, Cecilia (orgs). Escritos de artistas: anos 60/70. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009. KRAUSS, Rosalind E. Caminhos da escultura moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1998. 365 p. (Coleção a) MARZONA. Daniel. Minimal art. Colônia: Taschen, 2005. 96 p. (Coleção Série básica de arte) REFERÊNCIAS