SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
Baixar para ler offline
Internet das Coisas:
um plano de ação
para o Brasil
Apresentação Câmara de IoT
Julho de 2017
2
Conteúdo
Introdução
Insumos para priorização
Processo de priorização
Apresentação dos resultados da priorização
Próximos passos
3
O plano do estudo está dividido em 4 fases
Objetivos
Diagnóstico e
Aspiração
Brasil
Seleção de
verticais
e horizontais
Suporte à
implementação
IV
▪ Desenvolver
benchmark de
projetos e
políticas de IoT
▪ Mapear roadmap
tecnológico de
IoT no mundo
▪ Analisar
demanda e
oferta de IoT no
Brasil
▪ Definir critérios
chaves para
seleção de
verticais e
horizontais
▪ Priorizar
verticais e
horizontais
▪ Aprofundar-se
nas verticais
escolhidas
▪ Elaborar Visão
para IoT para
cada vertical
▪ Elaborar Plano
de Ação 2017-22
▪ Apoiar e
acelerar a
implementação
do Plano de Ação
I II
FONTE: Análise do consórcio
Investigação
de verticais,
elaboração da
Visão e Plano
III
4
A Fase II foi concluída e resultou na priorização das verticais e
horizontais a serem aprofundadas no plano de ação
Objetivos
Diagnóstico e
Aspiração
Brasil
Investigação
de verticais,
elaboração da
Visão e Plano
Suporte à
implementação
III IV
▪ Desenvolver
benchmark de
projetos e
políticas de IoT
▪ Mapear roadmap
tecnológico de
IoT no mundo
▪ Analisar
demanda e
oferta de IoT no
Brasil
▪ Aprofundar-se
nas verticais
escolhidas
▪ Elaborar Visão
para IoT para
cada vertical
▪ Elaborar Plano
de Ação 2017-22
▪ Apoiar e
acelerar a
implementação
do Plano de Ação
I
FONTE: Análise do consórcio
Foco da reunião
▪ Definir critérios
chaves para
seleção de
verticais e
horizontais
▪ Priorizar
verticais e
horizontais
Seleção de
verticais
e horizontais
II
5
Nesta apresentação serão abordados os insumos, o processo e o resultado da
priorização de verticais
Insumos para priorização Processo de priorização Priorização de verticais
Aspiração
Verticais
Critérios e
métricas
Análise par
a par e
definição de
pesos
Avaliação
das
verticais
1
2
3
Matriz de priorização
FONTE: Análise do consórcio
Priorizar ambientes de aplicação
levando em conta:
▪ Demanda
▪ Oferta
▪ Capacidade de
desenvolvimento
6
Conteúdo
Introdução
Insumos para priorização
Processo de priorização
Apresentação dos resultados da priorização
Próximos passos
7
O processo de priorização das verticais utilizou 2 insumos importantes da Fase I
Insumos para priorização Processo de priorização Priorização de verticais
Aspiração
Verticais
Critérios e
métricas
Análise par
a par e
definição de
pesos
Avaliação
das
verticais
1
2
3
Matriz de priorização
FONTE: Análise do consórcio
Priorizar ambientes de aplicação
levando em conta:
▪ Demanda
▪ Oferta
▪ Capacidade de
desenvolvimento
8
A Aspiração do Brasil em IoT foi construída através de um processo amplamente
participativo que envolveu diversos fóruns e atores do ecossistema de IoT
Conselho
consultivo
Comitê
executivo
160+
conselheiros,
especialistas e
integrantes dos comitês
do estudo envolvidos
Laboratórios
do Futuro
FONTE: Análise do consórcio
3.500+
contribuições em fóruns
como consulta pública,
Laboratórios do Futuro e
Bytes de IoT
ASPIRAÇÃO
9
A partir dos diversos inputs, o Comitê Gestor do estudo propôs a frase que
representa a Aspiração do Brasil em IoT
Acelerar a implantação da Internet das Coisas como instrumento
de desenvolvimento sustentável da sociedade brasileira, capaz de
aumentar a competitividade da economia, fortalecer as cadeias
produtivas nacionais, e promover a melhoria da qualidade de vida
Sociedade Conectada e Empoderada Cadeia Produtiva de IoTCompetitividade
Promover o crescimento e
desenvolvimento econômico por meio da
melhoria da produtividade, da criação de
modelos de negócio inovadores, e do
desenvolvimento de produtos e serviços de
maior valor agregado a partir da IoT
Promover a apropriação e extração dos
benefícios da IoT por parte da sociedade,
com vistas a gestão dos recursos da
cidade, prestação de serviços inteligentes,
e capacitação das pessoas para o trabalho
baseado no uso das novas tecnologias do
século XXI
Aproveitar a oportunidade de IoT para
reforçar a cadeia produtiva, fortalecendo
PMEs, gerando inovação e aumentando
o potencial de exportação de tecnologia
em IoT, estimulando a inserção do país no
cenário internacional
FONTE: Fóruns de engajamento do estudo, discussões com BNDES/MCTIC e análise do consórcio
ASPIRAÇÃO
10
O processo de priorização das verticais utilizou 2 insumos importantes da Fase I
Insumos para priorização Processo de priorização Priorização de verticais
Aspiração
Verticais
Critérios e
métricas
Análise par
a par e
definição de
pesos
Avaliação
das
verticais
1
2
3
Matriz de priorização
FONTE: Análise do consórcio
Priorizar ambientes de aplicação
levando em conta:
▪ Demanda
▪ Oferta
▪ Capacidade de
desenvolvimento
11
Na delimitação de verticais foi utilizada a classificação por ambientes, que é
internacionalmente adotada e possui vantagens no contexto do estudo
Fábricas
Rural
Saúde
▪ Casos de uso de Fazendas e
Hospitais retirados do ambiente
Manufatura
▪ Ambiente “Rural” criado
▪ Casos de uso de Hospitais
agrupados com o ambiente Saúde
Vantagens da visão por ambientes Modificações Ambientes para o Brasil
Hospitais
FONTE: Análise do consórcio
▪ Os ambientes são uma
representação mais alinhada
com a visão dos usuários de
IoT
▪ A visão por ambientes deixa
mais explícita a importância da
interoperabilidade
▪ Cada ambiente inclui mais de
um setor, e uma seleção de
poucos ambientes compreende
diversos setores
▪ Referências relevantes públicas
e privadas ao redor do mundo
utilizam essa segmentação
(p.ex., AIOTI)
Veículos
Logística
Cidades
Casas
Escritórios e ambientes
administrativos
Saúde
Fábricas
Lojas
Rural
Indústrias de base
12
Como resultado obteve-se a definição de ambientes de aplicação de IoT que foi
essencial no processo de priorizaçãoDescrição
FONTE: Base de casos de uso do Mckinsey Global Institute; Análise do consórcio
Vertical Exemplos de casos de uso
Fábricas
▪ Fábricas e ambientes de produção ▪ Aumento da segurança de trabalho com sensores conectados para
auto ajuste de equipamentos em caso de ameaças à trabalhadores
Saúde
▪ Hospitais e equipamentos de IoT para monitorar e manter
o bem-estar e a saúde humana
▪ Acompanhamento remoto das condições de pacientes em tempo real
com a utilização de tecnologia vestível (wearables)
Rural
▪ Ambientes rurais com produção padronizada agrícola ou
pecuária
▪ Agricultura de precisão através de equipamentos de avaliação das
condições do solo para melhoria da produtividade
Casas
▪ Casas e residências inteligentes ▪ Economia de energia através de sensores de presença em
equipamentos domésticos
Escritórios e ambientes
administrativos
▪ Escritórios e edifícios inteligentes públicos e privados ▪ Uso de realidade aumentada para aumento da flexibilidade do
trabalho (p.ex., visualização de imagem projetada em óculos 3D fora
de estação de trabalho)
Veículos
▪ Veículos, incluindo carros, caminhões, navios, aviões e
trens
▪ Manutenção baseada em condições de veículos (p.ex., trens),
através do uso de sensores
Indústrias de base
▪ Ambientes outdoor, como Construção, e indústria pesada,
como Mineração e Óleo & Gás
▪ Identificação de oportunidades de ganho de eficiência através do
monitoramento da cadeia de produção
Logística
▪ Cadeia logística fora de ambientes urbanos, considerando
vias férreas, aéreas, fluviais e terrestres
▪ Rastreamento remoto de contêineres navais para aumento da taxa
de utilização
Cidades
▪ Ambientes urbanos com serviços públicos e utilities ▪ Smart cities com melhoria de gestão da mobilidade urbana,
iluminação e segurança através de dispositivos de monitoramento
Lojas
▪ Ambientes com alta interação com consumidores,
incluindo eventos, feiras, shows, ambientes culturais,
mercados, hotéis, salas de concerto, restaurantes e
bancos
▪ Pagamento automático de compras através de check-out utilizando
sensores em itens (beacons)
DELIMITAÇÃO DAS VERTICAIS
13
Conteúdo
Introdução
Insumos para priorização
Processo de priorização
Apresentação dos resultados da priorização
Próximos passos
14
O processo de priorização envolveu diversos fóruns...
FONTE: Análise do consórcio
Processo de priorização
Definição de
pesos
Avaliação das
verticais
Critérios e
métricas
2 31
▪ Definir critérios
e métricas para
a priorização
▪ Comparar
importância dos
critérios
estabelecer
pesos
▪ Avaliar verticais
com relação a
cada um dos
critérios
Fóruns envolvidos
Câmara IoT Conselho de especialistas
▪ Todos representantes da
Câmara IoT e outras
organizações relevantes
▪ Acadêmicos com notório
saber em economia e
políticas econômicas
Conselho Consultivo Comitê Executivo
▪ Pessoas de notório
conhecimento/vanguarda do
tema IoT/TIC
▪ Representantes do MCTIC,
BNDES, MP, MDIC,
ANATEL, FINEP, CNA, CNI
e CNC
Equipe técnica BNDES Equipe técnica MCTIC
▪ Especialistas do MCTIC ▪ Especialistas do MCTIC
15
...em todas as 3 grandes etapas que levaram à matriz de priorização
Insumos para priorização Processo de priorização Priorização de verticais
Aspiração
Verticais
Critérios e
métricas
Análise par
a par e
definição de
pesos
Avaliação
das
verticais
1
2
3
Matriz de priorização
FONTE: Análise do consórcio
Priorizar ambientes de aplicação
levando em conta:
▪ Demanda
▪ Oferta
▪ Capacidade de
desenvolvimento
16
A primeira etapa foi focada na construção dos Critérios e Métricas
Insumos para priorização Processo de priorização Priorização de verticais
Aspiração
Verticais
Critérios e
métricas
Análise par
a par e
definição de
pesos
Avaliação
das
verticais
1
2
3
Matriz de priorização
FONTE: Análise do consórcio
Priorizar ambientes de aplicação
levando em conta:
▪ Demanda
▪ Oferta
▪ Capacidade de
desenvolvimento
17
A partir das referências desenvolvemos um framework adaptado ao estudo
Árvore de critérios para priorização
Oferta
Demanda
Capacidade de
desenvolvimento
Macro atributo
Impacto econômico /
Competitividade
Fortalecimento da cadeia
produtiva de IoT
Eficiência das instituições
Elementos habilitadores
Impacto socioambiental
Atributos
Capacidade de mobilização
por parte do governo
FONTE: BNDES, FEPs anteriores, Harvard Business Review, análise do consórcio
Frameworks estudados
1
FEPs anterioresDiamante de porter
Proposta do FEP de IoTFrameworks MGI
DEFINIR CRITÉRIOS E MÉTRICAS PARA A PRIORIZAÇÃO
18
Esse framework foi desenhado para capturar as particularidades do
estudo e do contexto brasileiro de IoT
Macro atributo Atributos
Oferta
Demanda
Capacidade de
desenvolvimento
Impacto econômico
/ Competitividade
▪ Critérios relacionados a benefícios econômicos que a adoção de IoT
pode trazer, com ênfase em critérios que impactarão a competitividade
Impacto
socioambiental
▪ Critérios relacionados a benefícios sociais e ambientais que a adoção
de IoT pode trazer
Fortalecimento da
cadeia produtiva de
IoT
▪ Critérios relacionados a empresas que desenvolvem soluções de IoT
no Brasil e a disponibilidade de recursos para essas empresas
Eficiência das
instituições
▪ Critérios relacionados com a eficiência do mercado e a capacidade dos
atores competirem dentro dele
Elementos
habilitadores
▪ Critérios que podem representar barreiras ou facilidades para o
desenvolvimento de IoT, incluindo a capacidade de alterar elementos
estruturais
Capacidade de
mobilização por
parte do governo
▪ Critérios relacionados a alavancas que o setor público possui para
desenvolver a oferta e a demanda
Descrição
FONTE: MGI, análise do consórcio
1
DEFINIR CRITÉRIOS E MÉTRICAS PARA A PRIORIZAÇÃO
19
Além disso, foram realizadas reuniões com diferentes fóruns para discutir a
metodologia, avaliar a relevância dos critérios e refinar as métricas
FONTE: Eventos realizados ao longo do projeto
Comitê
Executivo
▪ Discussão sobre
metodologia
▪ Avaliação da
relevância dos
critérios
Câmara de IoT
▪ Discussão sobre
metodologia
▪ Avaliação da
relevância dos
critérios2
▪ Sugestões de
métricas2
Conselho
Consultivo
▪ Discussão sobre
metodologia
▪ Sugestões de
métricas
▪ Avaliação de
pesos dos
critérios
Conselho de
Especialistas
▪ Discussão sobre
metodologia
▪ Avaliação da
relevância dos
critérios
▪ Sugestões de
métricas1
1
DEFINIR CRITÉRIOS E MÉTRICAS PARA A PRIORIZAÇÃO
1 Contribuições coletadas através de um template para preenchimento e entrevistas individuais
2 Foi disponibilizado um template para fornecimento de contribuições e aberto inclusive para os que não participaram presencialmente da sessão
20
Em função das discussões dos fóruns, a árvore de critérios foi ajustada
FONTE: Comitê executivo, Conselho de especialistas, análise do consórcio
DEFINIR CRITÉRIOS E MÉTRICAS PARA A PRIORIZAÇÃO
1 Páginas detalhadas de priorização dos grupos se encontram no anexo
1
Melhoria na qualidade de serviços
públicos
Melhoria na qualidade de vida
Substituído
Fomento à Pesquisa &
Desenvolvimento & Inovação
Ferramentas para Investimento,
financiamento e fomento
Agrupados
Adicionado
Segurança
Privacidade de dados
Foram feitas mudanças nos critérios...
Separado
Capacidade de Internacionalização
... com os mais relevantes priorizados e os não
diferenciáveis por ambiente retirados
Foram priorizados:
▪ Todos os critérios relativos as horizontais
▪ Critérios classificados maior número de vezes como 1º ou 2º
mais relevante pelos diversos grupos1
Foram retirados:
▪ Critérios não diferenciáveis entre os ambientes
21FONTE: Análise do consórcio
E chegou-se a uma versão final da árvore de critérios para priorização dos
ambientes (1/2)
DEFINIR CRITÉRIOS E MÉTRICAS PARA A PRIORIZAÇÃO
1
AtributosMacro-atributo
Demanda
Impacto
econômico /
Competitividade
Impacto
sócioambiental
Fortalecimento
da cadeia
produtiva de IoT
(Oferta)
Oferta
Empresas atuando em IoT
Distribuição das empresas atuando em IoT levantadas através do
Bytes de IoT
Aumento da produtividade do Brasil
Impacto econômico potencial da adoção de IoT no Brasil em 2025
dividido pelo PIB agregado no ambiente
Impacto econômico de IoT
Impacto econômico potencial da adoção de IoT no Brasil em 2025,
calculado a partir dos casos de uso do MGI
Aumento da produção de bens com maior valor
agregado
Média da complexidade econômica das comunidades de produtos
atrelados ao ambiente
Melhoria na qualidade de vida
Benefícios para a sociedade calculados nos casos de uso (redução
no tempo de transporte, aumento de expectativa de vida, etc)
Impacto no emprego e renda Número de FTEs não automatizáveis de acordo com relatório do MGI
Diminuição do impacto ambiental
Impacto dos casos de uso relacionados a economia de energia,
redução do desperdício de recursos naturais e diminuição da poluição
Potencial de inserção dentro da Cadeia Produtiva
global de IoT
Avaliação de especialistas selecionados
Disponibilidade de capital privado para inovação
Investimento em Inovação / Receita líquida das empresas/setores
relacionadas com o ambiente
MétricasCritérios
22
E chegou-se a uma versão final da árvore de critérios para priorização dos
ambientes (2/2)
FONTE: Análise do consórcio
DEFINIR CRITÉRIOS E MÉTRICAS PARA A PRIORIZAÇÃO
1
Capacidade de
desenvolvi-
mento Elementos
habilitadores e
regulação
Eficiência das
instituições
Capacidade de
mobilização por
parte do governo
AtributosMacro-atributo Métricas
Avaliação de especialistas selecionados
Competitividade do Brasil no ambiente de aplicação
de IoT
Critérios
Avaliação de especialistas selecionados
Estrutura de governança que permita coordenação
dos atores
Percentual de empresas que investem em inovação de acordo com
PINTEC
Facilidade de desenvolver Inovação e Ambiente de
negócios
Avaliação de especialistas selecionadosCapacidade de Internacionalização
Avaliação de especialistas selecionados
Infraestrutura de conectividade para suportar as
aplicações de IoT
Avaliação de especialistas selecionados
Ambiente regulatório relacionado com as aplicações
de IoT
Avaliação de especialistas selecionadosSegurança
Avaliação de especialistas selecionadosPrivacidade de dados
Avaliação de especialistas selecionados
Capacidade do governo incentivar a oferta
(inovação)
Avaliação de especialistas selecionados
Ferramentas para Investimento, financiamento e
fomento
Avaliação de especialistas selecionadosCapacidade do governo incentivar a demanda
23
A segunda etapa foi focada na importância relativa dos critérios e atributos
Insumos para priorização Processo de priorização Priorização de verticais
Aspiração
Verticais
Critérios e
métricas
Análise par
a par e
definição de
pesos
Avaliação
das
verticais
1
2
3
Matriz de priorização
FONTE: Análise do consórcio
Priorizar ambientes de aplicação
levando em conta:
▪ Demanda
▪ Oferta
▪ Capacidade de
desenvolvimento
24
Diversos fóruns votaram a importância relativa dos critérios para chegarmos a
uma definição dos pesos
FONTE: Análise do consórcio
2
Conselho de
especialistas
Conselho
Consultivo
Fóruns envolvidos Comparação de pesos
Matriz de
paridade
Critério
Critério 1
Critério 2
Critério 3
...
Peso
10%
30%
25%
...
Definição dos pesos
Critério C1
Impacto
econômico
de IoT
Critério C2
Aumento da
produtividade
do Brasil
Comparação da importância
4 43 2 1 0 1 2 3C1 C2
Comparação no nível de critérios:
Comparação no nível de (macro) atributos:
DEFINIR PESOS DE CRITÉRIOS
Comitê
Executivo
25
O resultado final ponderou a contribuição dos diversos fóruns (1/2)
FONTE: Análise do consórcio
2
Atributos
Impacto
econômico /
competitividade
Impacto
socioambiental
Fortalecimento
da cadeia
produtiva de
IoT (Oferta)
Peso atributos
dentro do macro
50%
50%
100%
Critérios
Impacto econômico de IoT
Aumento da produtividade do Brasil
Aumento da produção de bens com maior valor agregado
Impacto no emprego e renda
Melhoria na qualidade de vida
Empresas atuando em IoT
Potencial de inserção dentro da Cadeia Produtiva global de IoT
Disponibilidade de capital privado para inovação
Diminuição do impacto ambiental
Macro-atributo
Demanda
Oferta
Nota mínima
Comitês
30%
35%
15%
23%
35%
27%
13%
20%
20%
Nota máxima
Comitês
50%
43%
32%
40%
56%
52%
37%
37%
31%
Média
Comitês
38%
38%
24%
34%
42%
44%
29%
28%
24%
26FONTE: Análise do consórcio
O resultado final ponderou a contribuição dos diversos fóruns (2/2)2
Macro-atributo
Capacidade
de desenvol-
vimento
Atributos
Eficiência
das
instituições
Elementos
habilitadores
Capacidade
de
mobilização
por parte do
governo
Peso atributos
dentro do macro
50%
30%
20%
Critérios
Competitividade do Brasil no ambiente de aplicação de IoT
Estrutura de governança que permita coordenação dos atores
Ferramentas para Investimento, financiamento e fomento
Capacidade de Internacionalização
Infraestrutura de conectividade para suportar as aplicações de IoT
Ambiente regulatório relacionado com as aplicações de IoT
Segurança
Capacidade do governo incentivar a demanda
Capacidade do governo incentivar a oferta (inovação)
Facilidade de desenvolver Inovação e Ambiente de negócios
Privacidade de dados
Nota mínima
Comitês
28%
31%
10%
7%
18%
14%
9%
45%
43%
27%
9%
Nota máxima
Comitês
39%
40%
24%
17%
40%
25%
15%
57%
55%
35%
15%
Média
Comitês
33%
37%
16%
12%
27%
20%
12%
50%
50%
31%
12%
27
A terceira etapa foi focada na avaliação das verticais
Insumos para priorização Processo de priorização Priorização de verticais
Aspiração
Verticais
Critérios e
métricas
Análise par
a par e
definição de
pesos
Avaliação
das
verticais
1
2
3
Matriz de priorização
FONTE: Análise do consórcio
Priorizar ambientes de aplicação
levando em conta:
▪ Demanda
▪ Oferta
▪ Capacidade de
desenvolvimento
28
Existem dois possíveis encaminhamentos para a avaliação dos critérios
FONTE: Análise do consórcio
Avaliação de
especialistas
selecionados
Cálculo
feito pelo
consórcio
3
AVALIAR VERTICAIS COM RELAÇÃO A CADA UM DOS CRITÉRIOS
29FONTE: Análise do consórcio
Macro-atributos de demanda e oferta possuem maioria das métricas
avaliadas de forma quantitativa
AtributosMacro-atributo
Demanda
Impacto
econômico /
Competiti-
vidade
Impacto sócio-
ambiental
Fortaleci-
mento da
cadeia
produtiva de
IoT (Oferta)
Oferta
Potencial de inserção dentro da
Cadeia Produtiva global de IoT
Avaliação de especialistas selecionados
Empresas atuando em IoT
Distribuição das empresas atuando em IoT levantadas através do
Bytes de IoT
Disponibilidade de capital privado
para inovação
Investimento em Inovação / Receita líquida das empresas/setores
relacionadas com o ambiente
Aumento da produtividade do Brasil
Impacto econômico potencial da adoção de IoT no Brasil em 2025
dividido pelo PIB agregado no ambiente
Impacto econômico de IoT
Impacto econômico potencial da adoção de IoT no Brasil em 2025,
calculado a partir dos casos de uso do MGI
Aumento da produção de bens com
maior valor agregado
Média da complexidade econômica das comunidades de produtos
atrelados ao ambiente
Melhoria na qualidade de vida
Benefícios para a sociedade calculados nos casos de uso (redução no
tempo de transporte, aumento de expectativa de vida, etc)
Impacto no emprego e renda Número de FTEs não automatizáveis de acordo com relatório do MGI
Diminuição do impacto ambiental
Impacto dos casos de uso relacionados a economia de energia,
redução do desperdício de recursos naturais e diminuição da poluição
MétricasCritérios
AVALIAR VERTICAIS COM RELAÇÃO A CADA UM DOS CRITÉRIOS
3
Método de avaliação
▪ Cálculo feito pelo consórcio
▪ Cálculo feito pelo consórcio
▪ Cálculo feito pelo consórcio
▪ Cálculo feito pelo consórcio
▪ Cálculo feito pelo consórcio
▪ Cálculo feito pelo consórcio
▪ Cálculo feito pelo consórcio
▪ Cálculo feito pelo consórcio
▪ Avaliação de especialistas
30
Capacidade de desenvolvimento possui maioria das métricas
avaliada de forma qualitativa
FONTE: Análise do consórcio
Estrutura de governança que permita
coordenação dos atores
Percentual de empresas que investem em inovação de acordo com
PINTEC
Facilidade de desenvolver Inovação e
Ambiente de negócios
Avaliação de especialistas selecionados
Competitividade do Brasil no ambiente
de aplicação de IoT
Avaliação de especialistas selecionados
Capacidade do governo incentivar a
oferta (inovação)
Avaliação de especialistas selecionados
Capacidade do governo incentivar a
demanda
Avaliação de especialistas selecionadosCapacidade de Internacionalização
Avaliação de especialistas selecionados
Infraestrutura de conectividade para
suportar as aplicações de IoT
Avaliação de especialistas selecionadosSegurança
Avaliação de especialistas selecionados
Ambiente regulatório relacionado
com as aplicações de IoT
Avaliação de especialistas selecionadosPrivacidade de dados
Ferramentas para Investimento,
financiamento e fomento
Avaliação de especialistas selecionados
Capacidade
de
desenvolvi-
mento Elementos
habilitadores e
regulação
Eficiência das
instituições
Capacidade de
mobilização
por parte do
governo
AtributosMacro-atributo MétricasCritérios Método de avaliação
▪ Cálculo feito pelo consórcio
▪ Avaliação de especialistas
▪ Avaliação de especialistas
Avaliação de especialistas selecionados ▪ Avaliação de especialistas
▪ Avaliação de especialistas
▪ Avaliação de especialistas
▪ Avaliação de especialistas
▪ Avaliação de especialistas
▪ Avaliação de especialistas
▪ Avaliação de especialistas
AVALIAR VERTICAIS COM RELAÇÃO A CADA UM DOS CRITÉRIOS
3
▪ Avaliação de especialistas
31
Existem dois possíveis encaminhamentos para a avaliação dos critérios
FONTE: Análise do consórcio
Avaliação de
especialistas
selecionados
Cálculo
feito pelo
consórcio
3
AVALIAR VERTICAIS COM RELAÇÃO A CADA UM DOS CRITÉRIOS
32
Os cálculos dos indicadores de demanda baseiam-se no cálculo
do benefício econômico e socioambiental dos casos de uso de IoT
Impacto
econômico /
Competiti-
vidade
Atributos
Veículos
Impacto
sócio-
ambiental
FONTE: Análise do consórcio
ILUSTRATIVO
MétricasCritérios Resultado FonteFórmula de cálculo
Impacto econômico
potencial da adoção de
IoT no Brasil em 2025
Impacto
econômico de IoT
Impacto econômico em 2025
=
R$ 18.247 Milhões
▪ MGI: Unlocking the potential
of the Internet of Things
▪ Análise do consórcio
Soma dos benefícios de produtividade
e dos benefícios para a sociedade dos
casos de uso do ambiente
Ganho de produtividade
estimado para o Brasil
em 2025
Aumento da
produtividade do
Brasil
Aumento de produtividade em
2025 = 8%
▪ MGI: Unlocking the potential
of the Internet of Things
▪ Análise do consórcio
Soma dos benefícios de produtividade
dos casos de uso do ambiente dividido
pelo PIB estimado do ambiente
Complexidade
econômica dos
produtos do ambiente
Aumento da
produção de bens
com maior valor
agregado
PCI = 1,785
▪ Harvard / MIT: Atlas of
Economic Complexity
▪ Análise do consórcio
Média da complexidade econômica
das comunidades de produtos
atrelados ao ambiente
Benefícios para a
sociedade
Melhoria na
qualidade de vida
Benefícios para a sociedade
em 2025 =
R$ 523 Milhões
▪ MGI: Unlocking the potential
of the Internet of Things
▪ Análise do consórcio
Soma dos benefícios para a sociedade
dos casos de uso do ambiente (ex:
redução no tempo de transporte,
aumento de expectativa de vida, etc)
Número de empregos
não automatizáveis
Impacto no
emprego e renda
FTE não automatizáveis =
950 mil
▪ MGI: Harnessing
automation for a future that
works
▪ Análise do consórcio
Número de FTEs não automatizáveis
no Brasil de acordo com o MGI
Impacto dos casos de
uso que diminuem o
impacto ambiental
Diminuição do
impacto ambiental
Impacto de casos de uso
relacionados com diminuição
do impacto ambiental = R$ 0
▪ MGI: Unlocking the potential
of the Internet of Things
▪ Análise do consórcio
Soma do impacto dos casos de uso
relacionados a economia de energia,
redução do desperdício de recursos
naturais e diminuição da poluição
3
33
Atributos
Veículos
ILUSTRATIVO
MétricasCritérios Resultado FonteFórmula de cálculo
Fortaleciment
o da cadeia
produtiva de
IoT (Oferta)
Empresas atuando em
IoT no ambiente
Empresas
atuando em IoT
238 empresas
Bytes de IoT - Mapa brasileiro
de IoT
Número de empresas que indicaram
através do Bytes de IoT que já
ofertam, vão começar a ofertar ou
estão estudando ofertar soluções
relacionadas com os ambientes de
aplicação de IoT
Percentual da receita
dedicada a atividades
inovativas1
Disponibilidade
de capital privado
para inovação
4,4%
Pesquisa de Inovação
(PINTEC) - IBGE
Dispêndio total realizado em
atividades inovativas1 dividido pela
receita das empresas que possuem
atividades relacionadas com os
ambientes de aplicação de IoT
Eficiência
das
instituições
Percentual de
empresas que possuem
atividade internas de
Pesquisa &
Desenvolvimento
Facilidade de
desenvolver
Inovação e
Ambiente de
negócios
31,7%
Pesquisa de Inovação
(PINTEC) - IBGE
Número de empresas que possuem
dispêndios com atividades internas de
Pesquisa e Desenvolvimento
1 São contabilizados os gastos com: Atividades internas de Pesquisa e Desenvolvimento, Aquisição externa de Pesquisa e Desenvolvimento, Aquisição de outros conhecimentos externos, Aquisição de software, Aquisição de máquinas e equipamentos
3 Os critérios quantitativos relacionados a Oferta e Capacidade de desenvolvimento
Baseiam-se em pesquisas sobre inovação e no Bytes de IoT
FONTE: Análise do consórcio
34
Existem dois possíveis encaminhamentos para a avaliação dos critérios
FONTE: Análise do consórcio
Avaliação de
especialistas
selecionados
Cálculo
feito pelo
consórcio
3
AVALIAR VERTICAIS COM RELAÇÃO A CADA UM DOS CRITÉRIOS
35
Para avaliação dos critérios qualitativos foram envolvidos três fóruns
FONTE: Eventos realizados ao longo do projeto
Comitê
Executivo
▪ Validação da
metodologia
▪ Validação das
respostas,
evidências e notas
▪ Contribuição com
novas evidências
Câmara
de IoT
▪ Validação da
metodologia
▪ Validação das
respostas,
evidências e notas
▪ Contribuição com
novas evidências
Conselho de
Especialistas
▪ Respostas das
perguntas
delineadoras
▪ Apresentação de
evidências
▪ Avaliação dos
ambientes com
relação aos critérios
3
DEFINIR CRITÉRIOS E MÉTRICAS PARA A PRIORIZAÇÃO
1 Contribuições coletadas através de um template para preenchimento e entrevistas individuais
2 Foi disponibilizado um template para fornecimento de contribuições e aberto inclusive para os que não participaram presencialmente da sessão
36
Estes fóruns ofereceram insumos para a avaliação qualitativa
Eixo - Capacidade de desenvolvimento
DESENVOLVIMENTO
Competitividade do Brasil no
ambiente de aplicação de IoT
Estrutura de governança que
permita coordenação dos atores
Facilidade de desenvolver Inovação
e Ambiente de negócios
Ferramentas para Investimento,
financiamento e fomento
Capacidade de Internacionalização
Infraestrutura de conectividade para
suportar as aplicações de IoT
Ambiente regulatório relacionado
com as aplicações de IoT
Segurança
Privacidade de dados
Capacidade do governo
incentivar a demanda
Capacidade do governo
incentivar a oferta (inovação)
4
4
5
4
5
1
4
3
4
3
2
Rural
3
4
5
3
5
1
4
3
4
3
2
Rural
Câmara IoT
Consolidado
FONTE: Análise do consórcio
Ambiente Rural
EXEMPLO
37
DESENVOLVIMENTO
Competitividade do Brasil no
ambiente de aplicação de IoT
Estrutura de governança que
permita coordenação dos atores
Facilidade de desenvolver Inovação
e Ambiente de negócios
Ferramentas para Investimento,
financiamento e fomento
Capacidade de Internacionalização
Infraestrutura de conectividade para
suportar as aplicações de IoT
Ambiente regulatório relacionado
com as aplicações de IoT
Segurança
Privacidade de dados
Capacidade do governo
incentivar a demanda
Capacidade do governo
incentivar a oferta (inovação)
2
1
2
2
1
3
4
4
2
1
1
Casas
2
1
2
2
1
2
4
4
2
2
2
Casas
Câmara IoT
Consolidado
FONTE: Análise do consórcio
Estes fóruns ofereceram insumos para a avaliação qualitativa
Eixo - Capacidade de desenvolvimento
Ambiente Casas
EXEMPLO
38
Conteúdo
Introdução
Insumos para priorização
Processo de priorização
Apresentação dos resultados da priorização
Próximos passos
39
A partir do cálculo do modelo de priorização construído foi possível gerar a matriz de
priorização
Insumos para priorização Processo de priorização Priorização de verticais
Aspiração
Verticais
Critérios e
métricas
Análise par
a par e
definição de
pesos
Avaliação
das
verticais
1
2
3
Matriz de priorização
FONTE: Análise do consórcio
Priorizar ambientes de aplicação
levando em conta:
▪ Demanda
▪ Oferta
▪ Capacidade de
desenvolvimento
40
A matriz de priorização destacou três Frentes Prioritárias e uma Frente Mobilizadora
dentro de IoT para Manufatura
Demanda
Demanda x Capacidade de desenvolvimento x Oferta (tamanho do círculo)
FONTE: Análise do consórcio
Capacidade de desenvolvimento
Cidades
Logística
Indústrias
de base
Lojas
Fábricas
Veículos
Casas
Escritórios
Rural
Saúde
IoT para
Manufatura
Frente Prioritária
Frente Mobilizadora
41
Estas frentes serão aprofundadas de maneira individual e as horizontais analisadas
de forma transversal
FONTE: Análise do consórcio; discussões com equipe de trabalho
Ind. de
base
Fábricas
▪ Visão geral das oportunidades de aplicação de IoT para
fomentar o desenvolvimento da indústria
▪ Definição e desenho de até 4 casos práticos de aplicação em
setores específicos:
Foco do aprofundamento
Frentes
priorizadas
Frentes
mobilizadoras
IoTpara
Manufatura
Horizontais
Infraestrutura de
conectividade
Aspectos
regulatórios
Privacidade de
dados
Segurança de
dados
▪ Viabilização de planos de IoT para municípios de distintos
arquétipos
Cidades
▪ Viabilização da adoção de IoT por hospitais e unidades de
atendimento e monitoramento remoto de pacientes
Saúde
▪ Promover o IoT para impulsionar a produção das principais
culturas agrícolas e da pecuária
Rural
Capital Humano
Governança e
Internacionalização
Investimento,
financ. e fomento
Ambiente de
negócios
– Indústrias de base:
▫ Petróleo e gás
▫ Mineração
– Fábricas
▫ Têxtil
▫ Automotiva
42
Conteúdo
Introdução
Insumos para priorização
Processo de priorização
Apresentação dos resultados da priorização
Próximos passos
43
Como próximos passos temos o aprofundamento das verticais e
elaboração do plano de ação
Objetivos
Diagnóstico e
Aspiração
Brasil
Suporte à
implementação
▪ Desenvolver
benchmark de
projetos e
políticas de IoT
▪ Mapear roadmap
tecnológico de
IoT no mundo
▪ Analisar
demanda e
oferta de IoT no
Brasil
▪ Aprofundar-se
nas verticais
escolhidas
▪ Elaborar Visão
para IoT para
cada vertical
▪ Elaborar Plano
de Ação 2017-22
▪ Apoiar e
acelerar a
implementação
do Plano de Ação
I
FONTE: Análise do consórcio
Foco da reunião
Seleção de
verticais
e horizontais
▪ Definir critérios
chaves para
seleção de
verticais e
horizontais
▪ Priorizar
verticais e
horizontais
II IV
Investigação
de verticais,
elaboração da
Visão e Plano
III
44
A Fase 3 tem por objetivo aprofundar as horizontais e verticais priorizadas e
mobilizadora, e a elaboração de um plano de ação Foco verticaisFoco horizontais
Reformulação da
governança para Fase 3
Elaboração do
Plano de ação
Mapeamento dos desafios e definição da visão das verticais
Levantamento de casos de aplicação de IoT
Mapeamento das propostas de ações para investimento, capital humano,
ambiente de negócios e governança
Mapeamento das propostas de ações para questões regulatórias
Mapeamento das propostas de ações para Infraestrutura de conectividade
PRELIMINAR
FONTE: Análise do consórcio
45
A fase 3 envolverá o desenvolvimento de planos de ação, envolvendo atores
relevantes de todas as frentes e horizontais prioritárias
Mapeamento dos desafios
▪ Mapeamento dos
principais desafios de
cada Frente Prioritária a
serem endereçados por IoT
▪ Definição da visão geral
para cada Frente
Prioritária
Levantamento de casos de
aplicação de IoT
▪ Estabelecer relação entre
os desafios do ambiente
com os casos práticos de
aplicação que podem
atuar nesses desafios
▪ Mapeamento de
iniciativas para suportar
casos de aplicação
Plano de ação por vertical
▪ Identificação das
iniciativas para alavancar
o desenvolvimento de IoT
com casos práticos de
aplicação
▪ Proposta de
monitoramento e
acompanhamento de
ações e resultados
Após a construção do plano de ação haverá uma
apresentação de validação com a Câmara IoTFONTE: Análise do consórcio
46
Em paralelo, serão mapeadas as principais ações horizontais para as verticais
priorizadas
• Mapeamento dos principais desafios referentes à Regulação,
Privacidades, Segurança de dados e Infraestrutura de Conectividade
para as verticais priorizadas
• Definição de iniciativas para superar os desafios de desenvolvimento da
vertical na horizontal
• Priorização das iniciativas
• Detalhamento do plano de ação
• Aprofundamento das principais iniciativas a serem endereçadas por
cada horizontal em:
– Investimento
– Capital Humano
– Ambiente de negócios
– Governança
Demais
horizontais
Regulatório e
Infraestrutura
de
conectividade
FONTE: Análise do consórcio

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Apresentação do resultado de priorização de verticais

Roadmap Indústria 4.0
Roadmap Indústria 4.0Roadmap Indústria 4.0
Roadmap Indústria 4.0
Ricardo Lima
 
governançadeti-cobit-itil--completo.pptx
governançadeti-cobit-itil--completo.pptxgovernançadeti-cobit-itil--completo.pptx
governançadeti-cobit-itil--completo.pptx
ssuserb49297
 
Estratégia e Negócio Electrónico
Estratégia e Negócio Electrónico Estratégia e Negócio Electrónico
Estratégia e Negócio Electrónico
nesi
 
Da adoção de boas práticas ao plano de preservação digital
Da adoção de boas práticas ao plano de preservação digitalDa adoção de boas práticas ao plano de preservação digital
Da adoção de boas práticas ao plano de preservação digital
Rita Gago
 
Análise da Maturidade dos Processos de Negócio do CPD da UFS através do Estud...
Análise da Maturidade dos Processos de Negócio do CPD da UFS através do Estud...Análise da Maturidade dos Processos de Negócio do CPD da UFS através do Estud...
Análise da Maturidade dos Processos de Negócio do CPD da UFS através do Estud...
Kharylim Machado Sea
 
Maturidade e Implantação do CobIT® - Prof. Maurílio Benevento
Maturidade e Implantação do CobIT® - Prof. Maurílio Benevento Maturidade e Implantação do CobIT® - Prof. Maurílio Benevento
Maturidade e Implantação do CobIT® - Prof. Maurílio Benevento
Sustentare Escola de Negócios
 

Semelhante a Apresentação do resultado de priorização de verticais (20)

Roadmap Indústria 4.0
Roadmap Indústria 4.0Roadmap Indústria 4.0
Roadmap Indústria 4.0
 
governançadeti-cobit-itil--completo.pptx
governançadeti-cobit-itil--completo.pptxgovernançadeti-cobit-itil--completo.pptx
governançadeti-cobit-itil--completo.pptx
 
Projecto TICE.PT – Apoios Financeiros
Projecto TICE.PT – Apoios FinanceirosProjecto TICE.PT – Apoios Financeiros
Projecto TICE.PT – Apoios Financeiros
 
[BPM DAY DF 2012] MCTI – Projeto Aquarius
[BPM DAY DF 2012] MCTI – Projeto Aquarius[BPM DAY DF 2012] MCTI – Projeto Aquarius
[BPM DAY DF 2012] MCTI – Projeto Aquarius
 
Estratégia e Negócio Electrónico
Estratégia e Negócio Electrónico Estratégia e Negócio Electrónico
Estratégia e Negócio Electrónico
 
O piloto de dados científicos abertos no H2020 - apresentação OpenAIRE no wor...
O piloto de dados científicos abertos no H2020 - apresentação OpenAIRE no wor...O piloto de dados científicos abertos no H2020 - apresentação OpenAIRE no wor...
O piloto de dados científicos abertos no H2020 - apresentação OpenAIRE no wor...
 
Sessão PTCRIS ParteI-Jornadas 2021
Sessão PTCRIS ParteI-Jornadas 2021Sessão PTCRIS ParteI-Jornadas 2021
Sessão PTCRIS ParteI-Jornadas 2021
 
Metas baseadas em ciência na cana-de-açúcar [Plano de Trabalho]
Metas baseadas em ciência na cana-de-açúcar [Plano de Trabalho]Metas baseadas em ciência na cana-de-açúcar [Plano de Trabalho]
Metas baseadas em ciência na cana-de-açúcar [Plano de Trabalho]
 
Workshop sobre Planos de Gestão de Dados - ferramentas e requisitos dos finan...
Workshop sobre Planos de Gestão de Dados - ferramentas e requisitos dos finan...Workshop sobre Planos de Gestão de Dados - ferramentas e requisitos dos finan...
Workshop sobre Planos de Gestão de Dados - ferramentas e requisitos dos finan...
 
COMO FAZER A TRANSFORMAÇÃO DIGITAL NO SETOR SUCROENERGÉTICO
COMO FAZER A TRANSFORMAÇÃO DIGITAL NO SETOR SUCROENERGÉTICOCOMO FAZER A TRANSFORMAÇÃO DIGITAL NO SETOR SUCROENERGÉTICO
COMO FAZER A TRANSFORMAÇÃO DIGITAL NO SETOR SUCROENERGÉTICO
 
Wellington Vasconcelos - Priorização de requisitos
Wellington Vasconcelos - Priorização de requisitosWellington Vasconcelos - Priorização de requisitos
Wellington Vasconcelos - Priorização de requisitos
 
1198-6534-1-PB
1198-6534-1-PB1198-6534-1-PB
1198-6534-1-PB
 
Da adoção de boas práticas ao plano de preservação digital
Da adoção de boas práticas ao plano de preservação digitalDa adoção de boas práticas ao plano de preservação digital
Da adoção de boas práticas ao plano de preservação digital
 
Oportunidades de Negócios com a Internet das Coisas
Oportunidades de Negócios com a Internet das CoisasOportunidades de Negócios com a Internet das Coisas
Oportunidades de Negócios com a Internet das Coisas
 
WebinarCIMetrics_08042021
WebinarCIMetrics_08042021WebinarCIMetrics_08042021
WebinarCIMetrics_08042021
 
Análise da Maturidade dos Processos de Negócio do CPD da UFS através do Estud...
Análise da Maturidade dos Processos de Negócio do CPD da UFS através do Estud...Análise da Maturidade dos Processos de Negócio do CPD da UFS através do Estud...
Análise da Maturidade dos Processos de Negócio do CPD da UFS através do Estud...
 
A construção do plano de dados abertos de uma organização pública de pesquisa...
A construção do plano de dados abertos de uma organização pública de pesquisa...A construção do plano de dados abertos de uma organização pública de pesquisa...
A construção do plano de dados abertos de uma organização pública de pesquisa...
 
ABNT/CE-21:000.38 - Reunião Deliberativa 02/2017
ABNT/CE-21:000.38 - Reunião Deliberativa 02/2017ABNT/CE-21:000.38 - Reunião Deliberativa 02/2017
ABNT/CE-21:000.38 - Reunião Deliberativa 02/2017
 
Embrapa2010 pesquisadores
Embrapa2010 pesquisadoresEmbrapa2010 pesquisadores
Embrapa2010 pesquisadores
 
Maturidade e Implantação do CobIT® - Prof. Maurílio Benevento
Maturidade e Implantação do CobIT® - Prof. Maurílio Benevento Maturidade e Implantação do CobIT® - Prof. Maurílio Benevento
Maturidade e Implantação do CobIT® - Prof. Maurílio Benevento
 

Mais de BNDES

O BNDES e o apoio à inovação - Casos de sucesso
O BNDES e o apoio à inovação - Casos de sucessoO BNDES e o apoio à inovação - Casos de sucesso
O BNDES e o apoio à inovação - Casos de sucesso
BNDES
 

Mais de BNDES (20)

O BNDES e o apoio à inovação - Casos de sucesso
O BNDES e o apoio à inovação - Casos de sucessoO BNDES e o apoio à inovação - Casos de sucesso
O BNDES e o apoio à inovação - Casos de sucesso
 
Matchfunding BNDES 2020 - Projetos Selecionados
Matchfunding BNDES 2020 - Projetos SelecionadosMatchfunding BNDES 2020 - Projetos Selecionados
Matchfunding BNDES 2020 - Projetos Selecionados
 
BNDES Institutional presentation
BNDES Institutional presentationBNDES Institutional presentation
BNDES Institutional presentation
 
Sondagem do Mercado - Companhia de Saneamento de Alagoas
Sondagem do Mercado - Companhia de Saneamento de AlagoasSondagem do Mercado - Companhia de Saneamento de Alagoas
Sondagem do Mercado - Companhia de Saneamento de Alagoas
 
Apresentação BNDES - Exportações de Serviços
Apresentação BNDES - Exportações de ServiçosApresentação BNDES - Exportações de Serviços
Apresentação BNDES - Exportações de Serviços
 
O BNDES e o apoio à inovação
O BNDES e o apoio à inovaçãoO BNDES e o apoio à inovação
O BNDES e o apoio à inovação
 
Apresentação BNDES - Operações Diretas
Apresentação BNDES - Operações DiretasApresentação BNDES - Operações Diretas
Apresentação BNDES - Operações Diretas
 
Apresentação - Demonstrações financeiras - 1° trimestre de 2019
Apresentação - Demonstrações financeiras - 1° trimestre de 2019Apresentação - Demonstrações financeiras - 1° trimestre de 2019
Apresentação - Demonstrações financeiras - 1° trimestre de 2019
 
Patrocínio Cultural
Patrocínio CulturalPatrocínio Cultural
Patrocínio Cultural
 
O BNDES - Apresentação institucional
O BNDES - Apresentação institucionalO BNDES - Apresentação institucional
O BNDES - Apresentação institucional
 
O BNDES e o apoio à inovação
O BNDES e o apoio à inovaçãoO BNDES e o apoio à inovação
O BNDES e o apoio à inovação
 
Demonstracoes financeiras Sistema BNDES 1º sem/2018
Demonstracoes financeiras Sistema BNDES 1º sem/2018Demonstracoes financeiras Sistema BNDES 1º sem/2018
Demonstracoes financeiras Sistema BNDES 1º sem/2018
 
Cartilha "O BNDES mais perto de você"
Cartilha "O BNDES mais perto de você"Cartilha "O BNDES mais perto de você"
Cartilha "O BNDES mais perto de você"
 
BNDES Garagem
BNDES GaragemBNDES Garagem
BNDES Garagem
 
O BNDES Mais Perto de Você - Vitória (ES)
O BNDES Mais Perto de Você - Vitória (ES) O BNDES Mais Perto de Você - Vitória (ES)
O BNDES Mais Perto de Você - Vitória (ES)
 
20180613 apoio geracao distribuida
20180613 apoio geracao distribuida20180613 apoio geracao distribuida
20180613 apoio geracao distribuida
 
Nova Geração do Biogás - São Paulo, 09.05.2018
Nova Geração do Biogás - São Paulo, 09.05.2018Nova Geração do Biogás - São Paulo, 09.05.2018
Nova Geração do Biogás - São Paulo, 09.05.2018
 
demonstracoes-financeiras-sistema-bndes-1t-2018
demonstracoes-financeiras-sistema-bndes-1t-2018demonstracoes-financeiras-sistema-bndes-1t-2018
demonstracoes-financeiras-sistema-bndes-1t-2018
 
O BNDES Mais Perto de Você - São Paulo (SP)
O BNDES Mais Perto de Você - São Paulo (SP)O BNDES Mais Perto de Você - São Paulo (SP)
O BNDES Mais Perto de Você - São Paulo (SP)
 
Desempenho Operacional do BNDES em 2017 no Nordeste
Desempenho Operacional do BNDES em 2017 no NordesteDesempenho Operacional do BNDES em 2017 no Nordeste
Desempenho Operacional do BNDES em 2017 no Nordeste
 

Apresentação do resultado de priorização de verticais

  • 1. Internet das Coisas: um plano de ação para o Brasil Apresentação Câmara de IoT Julho de 2017
  • 2. 2 Conteúdo Introdução Insumos para priorização Processo de priorização Apresentação dos resultados da priorização Próximos passos
  • 3. 3 O plano do estudo está dividido em 4 fases Objetivos Diagnóstico e Aspiração Brasil Seleção de verticais e horizontais Suporte à implementação IV ▪ Desenvolver benchmark de projetos e políticas de IoT ▪ Mapear roadmap tecnológico de IoT no mundo ▪ Analisar demanda e oferta de IoT no Brasil ▪ Definir critérios chaves para seleção de verticais e horizontais ▪ Priorizar verticais e horizontais ▪ Aprofundar-se nas verticais escolhidas ▪ Elaborar Visão para IoT para cada vertical ▪ Elaborar Plano de Ação 2017-22 ▪ Apoiar e acelerar a implementação do Plano de Ação I II FONTE: Análise do consórcio Investigação de verticais, elaboração da Visão e Plano III
  • 4. 4 A Fase II foi concluída e resultou na priorização das verticais e horizontais a serem aprofundadas no plano de ação Objetivos Diagnóstico e Aspiração Brasil Investigação de verticais, elaboração da Visão e Plano Suporte à implementação III IV ▪ Desenvolver benchmark de projetos e políticas de IoT ▪ Mapear roadmap tecnológico de IoT no mundo ▪ Analisar demanda e oferta de IoT no Brasil ▪ Aprofundar-se nas verticais escolhidas ▪ Elaborar Visão para IoT para cada vertical ▪ Elaborar Plano de Ação 2017-22 ▪ Apoiar e acelerar a implementação do Plano de Ação I FONTE: Análise do consórcio Foco da reunião ▪ Definir critérios chaves para seleção de verticais e horizontais ▪ Priorizar verticais e horizontais Seleção de verticais e horizontais II
  • 5. 5 Nesta apresentação serão abordados os insumos, o processo e o resultado da priorização de verticais Insumos para priorização Processo de priorização Priorização de verticais Aspiração Verticais Critérios e métricas Análise par a par e definição de pesos Avaliação das verticais 1 2 3 Matriz de priorização FONTE: Análise do consórcio Priorizar ambientes de aplicação levando em conta: ▪ Demanda ▪ Oferta ▪ Capacidade de desenvolvimento
  • 6. 6 Conteúdo Introdução Insumos para priorização Processo de priorização Apresentação dos resultados da priorização Próximos passos
  • 7. 7 O processo de priorização das verticais utilizou 2 insumos importantes da Fase I Insumos para priorização Processo de priorização Priorização de verticais Aspiração Verticais Critérios e métricas Análise par a par e definição de pesos Avaliação das verticais 1 2 3 Matriz de priorização FONTE: Análise do consórcio Priorizar ambientes de aplicação levando em conta: ▪ Demanda ▪ Oferta ▪ Capacidade de desenvolvimento
  • 8. 8 A Aspiração do Brasil em IoT foi construída através de um processo amplamente participativo que envolveu diversos fóruns e atores do ecossistema de IoT Conselho consultivo Comitê executivo 160+ conselheiros, especialistas e integrantes dos comitês do estudo envolvidos Laboratórios do Futuro FONTE: Análise do consórcio 3.500+ contribuições em fóruns como consulta pública, Laboratórios do Futuro e Bytes de IoT ASPIRAÇÃO
  • 9. 9 A partir dos diversos inputs, o Comitê Gestor do estudo propôs a frase que representa a Aspiração do Brasil em IoT Acelerar a implantação da Internet das Coisas como instrumento de desenvolvimento sustentável da sociedade brasileira, capaz de aumentar a competitividade da economia, fortalecer as cadeias produtivas nacionais, e promover a melhoria da qualidade de vida Sociedade Conectada e Empoderada Cadeia Produtiva de IoTCompetitividade Promover o crescimento e desenvolvimento econômico por meio da melhoria da produtividade, da criação de modelos de negócio inovadores, e do desenvolvimento de produtos e serviços de maior valor agregado a partir da IoT Promover a apropriação e extração dos benefícios da IoT por parte da sociedade, com vistas a gestão dos recursos da cidade, prestação de serviços inteligentes, e capacitação das pessoas para o trabalho baseado no uso das novas tecnologias do século XXI Aproveitar a oportunidade de IoT para reforçar a cadeia produtiva, fortalecendo PMEs, gerando inovação e aumentando o potencial de exportação de tecnologia em IoT, estimulando a inserção do país no cenário internacional FONTE: Fóruns de engajamento do estudo, discussões com BNDES/MCTIC e análise do consórcio ASPIRAÇÃO
  • 10. 10 O processo de priorização das verticais utilizou 2 insumos importantes da Fase I Insumos para priorização Processo de priorização Priorização de verticais Aspiração Verticais Critérios e métricas Análise par a par e definição de pesos Avaliação das verticais 1 2 3 Matriz de priorização FONTE: Análise do consórcio Priorizar ambientes de aplicação levando em conta: ▪ Demanda ▪ Oferta ▪ Capacidade de desenvolvimento
  • 11. 11 Na delimitação de verticais foi utilizada a classificação por ambientes, que é internacionalmente adotada e possui vantagens no contexto do estudo Fábricas Rural Saúde ▪ Casos de uso de Fazendas e Hospitais retirados do ambiente Manufatura ▪ Ambiente “Rural” criado ▪ Casos de uso de Hospitais agrupados com o ambiente Saúde Vantagens da visão por ambientes Modificações Ambientes para o Brasil Hospitais FONTE: Análise do consórcio ▪ Os ambientes são uma representação mais alinhada com a visão dos usuários de IoT ▪ A visão por ambientes deixa mais explícita a importância da interoperabilidade ▪ Cada ambiente inclui mais de um setor, e uma seleção de poucos ambientes compreende diversos setores ▪ Referências relevantes públicas e privadas ao redor do mundo utilizam essa segmentação (p.ex., AIOTI) Veículos Logística Cidades Casas Escritórios e ambientes administrativos Saúde Fábricas Lojas Rural Indústrias de base
  • 12. 12 Como resultado obteve-se a definição de ambientes de aplicação de IoT que foi essencial no processo de priorizaçãoDescrição FONTE: Base de casos de uso do Mckinsey Global Institute; Análise do consórcio Vertical Exemplos de casos de uso Fábricas ▪ Fábricas e ambientes de produção ▪ Aumento da segurança de trabalho com sensores conectados para auto ajuste de equipamentos em caso de ameaças à trabalhadores Saúde ▪ Hospitais e equipamentos de IoT para monitorar e manter o bem-estar e a saúde humana ▪ Acompanhamento remoto das condições de pacientes em tempo real com a utilização de tecnologia vestível (wearables) Rural ▪ Ambientes rurais com produção padronizada agrícola ou pecuária ▪ Agricultura de precisão através de equipamentos de avaliação das condições do solo para melhoria da produtividade Casas ▪ Casas e residências inteligentes ▪ Economia de energia através de sensores de presença em equipamentos domésticos Escritórios e ambientes administrativos ▪ Escritórios e edifícios inteligentes públicos e privados ▪ Uso de realidade aumentada para aumento da flexibilidade do trabalho (p.ex., visualização de imagem projetada em óculos 3D fora de estação de trabalho) Veículos ▪ Veículos, incluindo carros, caminhões, navios, aviões e trens ▪ Manutenção baseada em condições de veículos (p.ex., trens), através do uso de sensores Indústrias de base ▪ Ambientes outdoor, como Construção, e indústria pesada, como Mineração e Óleo & Gás ▪ Identificação de oportunidades de ganho de eficiência através do monitoramento da cadeia de produção Logística ▪ Cadeia logística fora de ambientes urbanos, considerando vias férreas, aéreas, fluviais e terrestres ▪ Rastreamento remoto de contêineres navais para aumento da taxa de utilização Cidades ▪ Ambientes urbanos com serviços públicos e utilities ▪ Smart cities com melhoria de gestão da mobilidade urbana, iluminação e segurança através de dispositivos de monitoramento Lojas ▪ Ambientes com alta interação com consumidores, incluindo eventos, feiras, shows, ambientes culturais, mercados, hotéis, salas de concerto, restaurantes e bancos ▪ Pagamento automático de compras através de check-out utilizando sensores em itens (beacons) DELIMITAÇÃO DAS VERTICAIS
  • 13. 13 Conteúdo Introdução Insumos para priorização Processo de priorização Apresentação dos resultados da priorização Próximos passos
  • 14. 14 O processo de priorização envolveu diversos fóruns... FONTE: Análise do consórcio Processo de priorização Definição de pesos Avaliação das verticais Critérios e métricas 2 31 ▪ Definir critérios e métricas para a priorização ▪ Comparar importância dos critérios estabelecer pesos ▪ Avaliar verticais com relação a cada um dos critérios Fóruns envolvidos Câmara IoT Conselho de especialistas ▪ Todos representantes da Câmara IoT e outras organizações relevantes ▪ Acadêmicos com notório saber em economia e políticas econômicas Conselho Consultivo Comitê Executivo ▪ Pessoas de notório conhecimento/vanguarda do tema IoT/TIC ▪ Representantes do MCTIC, BNDES, MP, MDIC, ANATEL, FINEP, CNA, CNI e CNC Equipe técnica BNDES Equipe técnica MCTIC ▪ Especialistas do MCTIC ▪ Especialistas do MCTIC
  • 15. 15 ...em todas as 3 grandes etapas que levaram à matriz de priorização Insumos para priorização Processo de priorização Priorização de verticais Aspiração Verticais Critérios e métricas Análise par a par e definição de pesos Avaliação das verticais 1 2 3 Matriz de priorização FONTE: Análise do consórcio Priorizar ambientes de aplicação levando em conta: ▪ Demanda ▪ Oferta ▪ Capacidade de desenvolvimento
  • 16. 16 A primeira etapa foi focada na construção dos Critérios e Métricas Insumos para priorização Processo de priorização Priorização de verticais Aspiração Verticais Critérios e métricas Análise par a par e definição de pesos Avaliação das verticais 1 2 3 Matriz de priorização FONTE: Análise do consórcio Priorizar ambientes de aplicação levando em conta: ▪ Demanda ▪ Oferta ▪ Capacidade de desenvolvimento
  • 17. 17 A partir das referências desenvolvemos um framework adaptado ao estudo Árvore de critérios para priorização Oferta Demanda Capacidade de desenvolvimento Macro atributo Impacto econômico / Competitividade Fortalecimento da cadeia produtiva de IoT Eficiência das instituições Elementos habilitadores Impacto socioambiental Atributos Capacidade de mobilização por parte do governo FONTE: BNDES, FEPs anteriores, Harvard Business Review, análise do consórcio Frameworks estudados 1 FEPs anterioresDiamante de porter Proposta do FEP de IoTFrameworks MGI DEFINIR CRITÉRIOS E MÉTRICAS PARA A PRIORIZAÇÃO
  • 18. 18 Esse framework foi desenhado para capturar as particularidades do estudo e do contexto brasileiro de IoT Macro atributo Atributos Oferta Demanda Capacidade de desenvolvimento Impacto econômico / Competitividade ▪ Critérios relacionados a benefícios econômicos que a adoção de IoT pode trazer, com ênfase em critérios que impactarão a competitividade Impacto socioambiental ▪ Critérios relacionados a benefícios sociais e ambientais que a adoção de IoT pode trazer Fortalecimento da cadeia produtiva de IoT ▪ Critérios relacionados a empresas que desenvolvem soluções de IoT no Brasil e a disponibilidade de recursos para essas empresas Eficiência das instituições ▪ Critérios relacionados com a eficiência do mercado e a capacidade dos atores competirem dentro dele Elementos habilitadores ▪ Critérios que podem representar barreiras ou facilidades para o desenvolvimento de IoT, incluindo a capacidade de alterar elementos estruturais Capacidade de mobilização por parte do governo ▪ Critérios relacionados a alavancas que o setor público possui para desenvolver a oferta e a demanda Descrição FONTE: MGI, análise do consórcio 1 DEFINIR CRITÉRIOS E MÉTRICAS PARA A PRIORIZAÇÃO
  • 19. 19 Além disso, foram realizadas reuniões com diferentes fóruns para discutir a metodologia, avaliar a relevância dos critérios e refinar as métricas FONTE: Eventos realizados ao longo do projeto Comitê Executivo ▪ Discussão sobre metodologia ▪ Avaliação da relevância dos critérios Câmara de IoT ▪ Discussão sobre metodologia ▪ Avaliação da relevância dos critérios2 ▪ Sugestões de métricas2 Conselho Consultivo ▪ Discussão sobre metodologia ▪ Sugestões de métricas ▪ Avaliação de pesos dos critérios Conselho de Especialistas ▪ Discussão sobre metodologia ▪ Avaliação da relevância dos critérios ▪ Sugestões de métricas1 1 DEFINIR CRITÉRIOS E MÉTRICAS PARA A PRIORIZAÇÃO 1 Contribuições coletadas através de um template para preenchimento e entrevistas individuais 2 Foi disponibilizado um template para fornecimento de contribuições e aberto inclusive para os que não participaram presencialmente da sessão
  • 20. 20 Em função das discussões dos fóruns, a árvore de critérios foi ajustada FONTE: Comitê executivo, Conselho de especialistas, análise do consórcio DEFINIR CRITÉRIOS E MÉTRICAS PARA A PRIORIZAÇÃO 1 Páginas detalhadas de priorização dos grupos se encontram no anexo 1 Melhoria na qualidade de serviços públicos Melhoria na qualidade de vida Substituído Fomento à Pesquisa & Desenvolvimento & Inovação Ferramentas para Investimento, financiamento e fomento Agrupados Adicionado Segurança Privacidade de dados Foram feitas mudanças nos critérios... Separado Capacidade de Internacionalização ... com os mais relevantes priorizados e os não diferenciáveis por ambiente retirados Foram priorizados: ▪ Todos os critérios relativos as horizontais ▪ Critérios classificados maior número de vezes como 1º ou 2º mais relevante pelos diversos grupos1 Foram retirados: ▪ Critérios não diferenciáveis entre os ambientes
  • 21. 21FONTE: Análise do consórcio E chegou-se a uma versão final da árvore de critérios para priorização dos ambientes (1/2) DEFINIR CRITÉRIOS E MÉTRICAS PARA A PRIORIZAÇÃO 1 AtributosMacro-atributo Demanda Impacto econômico / Competitividade Impacto sócioambiental Fortalecimento da cadeia produtiva de IoT (Oferta) Oferta Empresas atuando em IoT Distribuição das empresas atuando em IoT levantadas através do Bytes de IoT Aumento da produtividade do Brasil Impacto econômico potencial da adoção de IoT no Brasil em 2025 dividido pelo PIB agregado no ambiente Impacto econômico de IoT Impacto econômico potencial da adoção de IoT no Brasil em 2025, calculado a partir dos casos de uso do MGI Aumento da produção de bens com maior valor agregado Média da complexidade econômica das comunidades de produtos atrelados ao ambiente Melhoria na qualidade de vida Benefícios para a sociedade calculados nos casos de uso (redução no tempo de transporte, aumento de expectativa de vida, etc) Impacto no emprego e renda Número de FTEs não automatizáveis de acordo com relatório do MGI Diminuição do impacto ambiental Impacto dos casos de uso relacionados a economia de energia, redução do desperdício de recursos naturais e diminuição da poluição Potencial de inserção dentro da Cadeia Produtiva global de IoT Avaliação de especialistas selecionados Disponibilidade de capital privado para inovação Investimento em Inovação / Receita líquida das empresas/setores relacionadas com o ambiente MétricasCritérios
  • 22. 22 E chegou-se a uma versão final da árvore de critérios para priorização dos ambientes (2/2) FONTE: Análise do consórcio DEFINIR CRITÉRIOS E MÉTRICAS PARA A PRIORIZAÇÃO 1 Capacidade de desenvolvi- mento Elementos habilitadores e regulação Eficiência das instituições Capacidade de mobilização por parte do governo AtributosMacro-atributo Métricas Avaliação de especialistas selecionados Competitividade do Brasil no ambiente de aplicação de IoT Critérios Avaliação de especialistas selecionados Estrutura de governança que permita coordenação dos atores Percentual de empresas que investem em inovação de acordo com PINTEC Facilidade de desenvolver Inovação e Ambiente de negócios Avaliação de especialistas selecionadosCapacidade de Internacionalização Avaliação de especialistas selecionados Infraestrutura de conectividade para suportar as aplicações de IoT Avaliação de especialistas selecionados Ambiente regulatório relacionado com as aplicações de IoT Avaliação de especialistas selecionadosSegurança Avaliação de especialistas selecionadosPrivacidade de dados Avaliação de especialistas selecionados Capacidade do governo incentivar a oferta (inovação) Avaliação de especialistas selecionados Ferramentas para Investimento, financiamento e fomento Avaliação de especialistas selecionadosCapacidade do governo incentivar a demanda
  • 23. 23 A segunda etapa foi focada na importância relativa dos critérios e atributos Insumos para priorização Processo de priorização Priorização de verticais Aspiração Verticais Critérios e métricas Análise par a par e definição de pesos Avaliação das verticais 1 2 3 Matriz de priorização FONTE: Análise do consórcio Priorizar ambientes de aplicação levando em conta: ▪ Demanda ▪ Oferta ▪ Capacidade de desenvolvimento
  • 24. 24 Diversos fóruns votaram a importância relativa dos critérios para chegarmos a uma definição dos pesos FONTE: Análise do consórcio 2 Conselho de especialistas Conselho Consultivo Fóruns envolvidos Comparação de pesos Matriz de paridade Critério Critério 1 Critério 2 Critério 3 ... Peso 10% 30% 25% ... Definição dos pesos Critério C1 Impacto econômico de IoT Critério C2 Aumento da produtividade do Brasil Comparação da importância 4 43 2 1 0 1 2 3C1 C2 Comparação no nível de critérios: Comparação no nível de (macro) atributos: DEFINIR PESOS DE CRITÉRIOS Comitê Executivo
  • 25. 25 O resultado final ponderou a contribuição dos diversos fóruns (1/2) FONTE: Análise do consórcio 2 Atributos Impacto econômico / competitividade Impacto socioambiental Fortalecimento da cadeia produtiva de IoT (Oferta) Peso atributos dentro do macro 50% 50% 100% Critérios Impacto econômico de IoT Aumento da produtividade do Brasil Aumento da produção de bens com maior valor agregado Impacto no emprego e renda Melhoria na qualidade de vida Empresas atuando em IoT Potencial de inserção dentro da Cadeia Produtiva global de IoT Disponibilidade de capital privado para inovação Diminuição do impacto ambiental Macro-atributo Demanda Oferta Nota mínima Comitês 30% 35% 15% 23% 35% 27% 13% 20% 20% Nota máxima Comitês 50% 43% 32% 40% 56% 52% 37% 37% 31% Média Comitês 38% 38% 24% 34% 42% 44% 29% 28% 24%
  • 26. 26FONTE: Análise do consórcio O resultado final ponderou a contribuição dos diversos fóruns (2/2)2 Macro-atributo Capacidade de desenvol- vimento Atributos Eficiência das instituições Elementos habilitadores Capacidade de mobilização por parte do governo Peso atributos dentro do macro 50% 30% 20% Critérios Competitividade do Brasil no ambiente de aplicação de IoT Estrutura de governança que permita coordenação dos atores Ferramentas para Investimento, financiamento e fomento Capacidade de Internacionalização Infraestrutura de conectividade para suportar as aplicações de IoT Ambiente regulatório relacionado com as aplicações de IoT Segurança Capacidade do governo incentivar a demanda Capacidade do governo incentivar a oferta (inovação) Facilidade de desenvolver Inovação e Ambiente de negócios Privacidade de dados Nota mínima Comitês 28% 31% 10% 7% 18% 14% 9% 45% 43% 27% 9% Nota máxima Comitês 39% 40% 24% 17% 40% 25% 15% 57% 55% 35% 15% Média Comitês 33% 37% 16% 12% 27% 20% 12% 50% 50% 31% 12%
  • 27. 27 A terceira etapa foi focada na avaliação das verticais Insumos para priorização Processo de priorização Priorização de verticais Aspiração Verticais Critérios e métricas Análise par a par e definição de pesos Avaliação das verticais 1 2 3 Matriz de priorização FONTE: Análise do consórcio Priorizar ambientes de aplicação levando em conta: ▪ Demanda ▪ Oferta ▪ Capacidade de desenvolvimento
  • 28. 28 Existem dois possíveis encaminhamentos para a avaliação dos critérios FONTE: Análise do consórcio Avaliação de especialistas selecionados Cálculo feito pelo consórcio 3 AVALIAR VERTICAIS COM RELAÇÃO A CADA UM DOS CRITÉRIOS
  • 29. 29FONTE: Análise do consórcio Macro-atributos de demanda e oferta possuem maioria das métricas avaliadas de forma quantitativa AtributosMacro-atributo Demanda Impacto econômico / Competiti- vidade Impacto sócio- ambiental Fortaleci- mento da cadeia produtiva de IoT (Oferta) Oferta Potencial de inserção dentro da Cadeia Produtiva global de IoT Avaliação de especialistas selecionados Empresas atuando em IoT Distribuição das empresas atuando em IoT levantadas através do Bytes de IoT Disponibilidade de capital privado para inovação Investimento em Inovação / Receita líquida das empresas/setores relacionadas com o ambiente Aumento da produtividade do Brasil Impacto econômico potencial da adoção de IoT no Brasil em 2025 dividido pelo PIB agregado no ambiente Impacto econômico de IoT Impacto econômico potencial da adoção de IoT no Brasil em 2025, calculado a partir dos casos de uso do MGI Aumento da produção de bens com maior valor agregado Média da complexidade econômica das comunidades de produtos atrelados ao ambiente Melhoria na qualidade de vida Benefícios para a sociedade calculados nos casos de uso (redução no tempo de transporte, aumento de expectativa de vida, etc) Impacto no emprego e renda Número de FTEs não automatizáveis de acordo com relatório do MGI Diminuição do impacto ambiental Impacto dos casos de uso relacionados a economia de energia, redução do desperdício de recursos naturais e diminuição da poluição MétricasCritérios AVALIAR VERTICAIS COM RELAÇÃO A CADA UM DOS CRITÉRIOS 3 Método de avaliação ▪ Cálculo feito pelo consórcio ▪ Cálculo feito pelo consórcio ▪ Cálculo feito pelo consórcio ▪ Cálculo feito pelo consórcio ▪ Cálculo feito pelo consórcio ▪ Cálculo feito pelo consórcio ▪ Cálculo feito pelo consórcio ▪ Cálculo feito pelo consórcio ▪ Avaliação de especialistas
  • 30. 30 Capacidade de desenvolvimento possui maioria das métricas avaliada de forma qualitativa FONTE: Análise do consórcio Estrutura de governança que permita coordenação dos atores Percentual de empresas que investem em inovação de acordo com PINTEC Facilidade de desenvolver Inovação e Ambiente de negócios Avaliação de especialistas selecionados Competitividade do Brasil no ambiente de aplicação de IoT Avaliação de especialistas selecionados Capacidade do governo incentivar a oferta (inovação) Avaliação de especialistas selecionados Capacidade do governo incentivar a demanda Avaliação de especialistas selecionadosCapacidade de Internacionalização Avaliação de especialistas selecionados Infraestrutura de conectividade para suportar as aplicações de IoT Avaliação de especialistas selecionadosSegurança Avaliação de especialistas selecionados Ambiente regulatório relacionado com as aplicações de IoT Avaliação de especialistas selecionadosPrivacidade de dados Ferramentas para Investimento, financiamento e fomento Avaliação de especialistas selecionados Capacidade de desenvolvi- mento Elementos habilitadores e regulação Eficiência das instituições Capacidade de mobilização por parte do governo AtributosMacro-atributo MétricasCritérios Método de avaliação ▪ Cálculo feito pelo consórcio ▪ Avaliação de especialistas ▪ Avaliação de especialistas Avaliação de especialistas selecionados ▪ Avaliação de especialistas ▪ Avaliação de especialistas ▪ Avaliação de especialistas ▪ Avaliação de especialistas ▪ Avaliação de especialistas ▪ Avaliação de especialistas ▪ Avaliação de especialistas AVALIAR VERTICAIS COM RELAÇÃO A CADA UM DOS CRITÉRIOS 3 ▪ Avaliação de especialistas
  • 31. 31 Existem dois possíveis encaminhamentos para a avaliação dos critérios FONTE: Análise do consórcio Avaliação de especialistas selecionados Cálculo feito pelo consórcio 3 AVALIAR VERTICAIS COM RELAÇÃO A CADA UM DOS CRITÉRIOS
  • 32. 32 Os cálculos dos indicadores de demanda baseiam-se no cálculo do benefício econômico e socioambiental dos casos de uso de IoT Impacto econômico / Competiti- vidade Atributos Veículos Impacto sócio- ambiental FONTE: Análise do consórcio ILUSTRATIVO MétricasCritérios Resultado FonteFórmula de cálculo Impacto econômico potencial da adoção de IoT no Brasil em 2025 Impacto econômico de IoT Impacto econômico em 2025 = R$ 18.247 Milhões ▪ MGI: Unlocking the potential of the Internet of Things ▪ Análise do consórcio Soma dos benefícios de produtividade e dos benefícios para a sociedade dos casos de uso do ambiente Ganho de produtividade estimado para o Brasil em 2025 Aumento da produtividade do Brasil Aumento de produtividade em 2025 = 8% ▪ MGI: Unlocking the potential of the Internet of Things ▪ Análise do consórcio Soma dos benefícios de produtividade dos casos de uso do ambiente dividido pelo PIB estimado do ambiente Complexidade econômica dos produtos do ambiente Aumento da produção de bens com maior valor agregado PCI = 1,785 ▪ Harvard / MIT: Atlas of Economic Complexity ▪ Análise do consórcio Média da complexidade econômica das comunidades de produtos atrelados ao ambiente Benefícios para a sociedade Melhoria na qualidade de vida Benefícios para a sociedade em 2025 = R$ 523 Milhões ▪ MGI: Unlocking the potential of the Internet of Things ▪ Análise do consórcio Soma dos benefícios para a sociedade dos casos de uso do ambiente (ex: redução no tempo de transporte, aumento de expectativa de vida, etc) Número de empregos não automatizáveis Impacto no emprego e renda FTE não automatizáveis = 950 mil ▪ MGI: Harnessing automation for a future that works ▪ Análise do consórcio Número de FTEs não automatizáveis no Brasil de acordo com o MGI Impacto dos casos de uso que diminuem o impacto ambiental Diminuição do impacto ambiental Impacto de casos de uso relacionados com diminuição do impacto ambiental = R$ 0 ▪ MGI: Unlocking the potential of the Internet of Things ▪ Análise do consórcio Soma do impacto dos casos de uso relacionados a economia de energia, redução do desperdício de recursos naturais e diminuição da poluição 3
  • 33. 33 Atributos Veículos ILUSTRATIVO MétricasCritérios Resultado FonteFórmula de cálculo Fortaleciment o da cadeia produtiva de IoT (Oferta) Empresas atuando em IoT no ambiente Empresas atuando em IoT 238 empresas Bytes de IoT - Mapa brasileiro de IoT Número de empresas que indicaram através do Bytes de IoT que já ofertam, vão começar a ofertar ou estão estudando ofertar soluções relacionadas com os ambientes de aplicação de IoT Percentual da receita dedicada a atividades inovativas1 Disponibilidade de capital privado para inovação 4,4% Pesquisa de Inovação (PINTEC) - IBGE Dispêndio total realizado em atividades inovativas1 dividido pela receita das empresas que possuem atividades relacionadas com os ambientes de aplicação de IoT Eficiência das instituições Percentual de empresas que possuem atividade internas de Pesquisa & Desenvolvimento Facilidade de desenvolver Inovação e Ambiente de negócios 31,7% Pesquisa de Inovação (PINTEC) - IBGE Número de empresas que possuem dispêndios com atividades internas de Pesquisa e Desenvolvimento 1 São contabilizados os gastos com: Atividades internas de Pesquisa e Desenvolvimento, Aquisição externa de Pesquisa e Desenvolvimento, Aquisição de outros conhecimentos externos, Aquisição de software, Aquisição de máquinas e equipamentos 3 Os critérios quantitativos relacionados a Oferta e Capacidade de desenvolvimento Baseiam-se em pesquisas sobre inovação e no Bytes de IoT FONTE: Análise do consórcio
  • 34. 34 Existem dois possíveis encaminhamentos para a avaliação dos critérios FONTE: Análise do consórcio Avaliação de especialistas selecionados Cálculo feito pelo consórcio 3 AVALIAR VERTICAIS COM RELAÇÃO A CADA UM DOS CRITÉRIOS
  • 35. 35 Para avaliação dos critérios qualitativos foram envolvidos três fóruns FONTE: Eventos realizados ao longo do projeto Comitê Executivo ▪ Validação da metodologia ▪ Validação das respostas, evidências e notas ▪ Contribuição com novas evidências Câmara de IoT ▪ Validação da metodologia ▪ Validação das respostas, evidências e notas ▪ Contribuição com novas evidências Conselho de Especialistas ▪ Respostas das perguntas delineadoras ▪ Apresentação de evidências ▪ Avaliação dos ambientes com relação aos critérios 3 DEFINIR CRITÉRIOS E MÉTRICAS PARA A PRIORIZAÇÃO 1 Contribuições coletadas através de um template para preenchimento e entrevistas individuais 2 Foi disponibilizado um template para fornecimento de contribuições e aberto inclusive para os que não participaram presencialmente da sessão
  • 36. 36 Estes fóruns ofereceram insumos para a avaliação qualitativa Eixo - Capacidade de desenvolvimento DESENVOLVIMENTO Competitividade do Brasil no ambiente de aplicação de IoT Estrutura de governança que permita coordenação dos atores Facilidade de desenvolver Inovação e Ambiente de negócios Ferramentas para Investimento, financiamento e fomento Capacidade de Internacionalização Infraestrutura de conectividade para suportar as aplicações de IoT Ambiente regulatório relacionado com as aplicações de IoT Segurança Privacidade de dados Capacidade do governo incentivar a demanda Capacidade do governo incentivar a oferta (inovação) 4 4 5 4 5 1 4 3 4 3 2 Rural 3 4 5 3 5 1 4 3 4 3 2 Rural Câmara IoT Consolidado FONTE: Análise do consórcio Ambiente Rural EXEMPLO
  • 37. 37 DESENVOLVIMENTO Competitividade do Brasil no ambiente de aplicação de IoT Estrutura de governança que permita coordenação dos atores Facilidade de desenvolver Inovação e Ambiente de negócios Ferramentas para Investimento, financiamento e fomento Capacidade de Internacionalização Infraestrutura de conectividade para suportar as aplicações de IoT Ambiente regulatório relacionado com as aplicações de IoT Segurança Privacidade de dados Capacidade do governo incentivar a demanda Capacidade do governo incentivar a oferta (inovação) 2 1 2 2 1 3 4 4 2 1 1 Casas 2 1 2 2 1 2 4 4 2 2 2 Casas Câmara IoT Consolidado FONTE: Análise do consórcio Estes fóruns ofereceram insumos para a avaliação qualitativa Eixo - Capacidade de desenvolvimento Ambiente Casas EXEMPLO
  • 38. 38 Conteúdo Introdução Insumos para priorização Processo de priorização Apresentação dos resultados da priorização Próximos passos
  • 39. 39 A partir do cálculo do modelo de priorização construído foi possível gerar a matriz de priorização Insumos para priorização Processo de priorização Priorização de verticais Aspiração Verticais Critérios e métricas Análise par a par e definição de pesos Avaliação das verticais 1 2 3 Matriz de priorização FONTE: Análise do consórcio Priorizar ambientes de aplicação levando em conta: ▪ Demanda ▪ Oferta ▪ Capacidade de desenvolvimento
  • 40. 40 A matriz de priorização destacou três Frentes Prioritárias e uma Frente Mobilizadora dentro de IoT para Manufatura Demanda Demanda x Capacidade de desenvolvimento x Oferta (tamanho do círculo) FONTE: Análise do consórcio Capacidade de desenvolvimento Cidades Logística Indústrias de base Lojas Fábricas Veículos Casas Escritórios Rural Saúde IoT para Manufatura Frente Prioritária Frente Mobilizadora
  • 41. 41 Estas frentes serão aprofundadas de maneira individual e as horizontais analisadas de forma transversal FONTE: Análise do consórcio; discussões com equipe de trabalho Ind. de base Fábricas ▪ Visão geral das oportunidades de aplicação de IoT para fomentar o desenvolvimento da indústria ▪ Definição e desenho de até 4 casos práticos de aplicação em setores específicos: Foco do aprofundamento Frentes priorizadas Frentes mobilizadoras IoTpara Manufatura Horizontais Infraestrutura de conectividade Aspectos regulatórios Privacidade de dados Segurança de dados ▪ Viabilização de planos de IoT para municípios de distintos arquétipos Cidades ▪ Viabilização da adoção de IoT por hospitais e unidades de atendimento e monitoramento remoto de pacientes Saúde ▪ Promover o IoT para impulsionar a produção das principais culturas agrícolas e da pecuária Rural Capital Humano Governança e Internacionalização Investimento, financ. e fomento Ambiente de negócios – Indústrias de base: ▫ Petróleo e gás ▫ Mineração – Fábricas ▫ Têxtil ▫ Automotiva
  • 42. 42 Conteúdo Introdução Insumos para priorização Processo de priorização Apresentação dos resultados da priorização Próximos passos
  • 43. 43 Como próximos passos temos o aprofundamento das verticais e elaboração do plano de ação Objetivos Diagnóstico e Aspiração Brasil Suporte à implementação ▪ Desenvolver benchmark de projetos e políticas de IoT ▪ Mapear roadmap tecnológico de IoT no mundo ▪ Analisar demanda e oferta de IoT no Brasil ▪ Aprofundar-se nas verticais escolhidas ▪ Elaborar Visão para IoT para cada vertical ▪ Elaborar Plano de Ação 2017-22 ▪ Apoiar e acelerar a implementação do Plano de Ação I FONTE: Análise do consórcio Foco da reunião Seleção de verticais e horizontais ▪ Definir critérios chaves para seleção de verticais e horizontais ▪ Priorizar verticais e horizontais II IV Investigação de verticais, elaboração da Visão e Plano III
  • 44. 44 A Fase 3 tem por objetivo aprofundar as horizontais e verticais priorizadas e mobilizadora, e a elaboração de um plano de ação Foco verticaisFoco horizontais Reformulação da governança para Fase 3 Elaboração do Plano de ação Mapeamento dos desafios e definição da visão das verticais Levantamento de casos de aplicação de IoT Mapeamento das propostas de ações para investimento, capital humano, ambiente de negócios e governança Mapeamento das propostas de ações para questões regulatórias Mapeamento das propostas de ações para Infraestrutura de conectividade PRELIMINAR FONTE: Análise do consórcio
  • 45. 45 A fase 3 envolverá o desenvolvimento de planos de ação, envolvendo atores relevantes de todas as frentes e horizontais prioritárias Mapeamento dos desafios ▪ Mapeamento dos principais desafios de cada Frente Prioritária a serem endereçados por IoT ▪ Definição da visão geral para cada Frente Prioritária Levantamento de casos de aplicação de IoT ▪ Estabelecer relação entre os desafios do ambiente com os casos práticos de aplicação que podem atuar nesses desafios ▪ Mapeamento de iniciativas para suportar casos de aplicação Plano de ação por vertical ▪ Identificação das iniciativas para alavancar o desenvolvimento de IoT com casos práticos de aplicação ▪ Proposta de monitoramento e acompanhamento de ações e resultados Após a construção do plano de ação haverá uma apresentação de validação com a Câmara IoTFONTE: Análise do consórcio
  • 46. 46 Em paralelo, serão mapeadas as principais ações horizontais para as verticais priorizadas • Mapeamento dos principais desafios referentes à Regulação, Privacidades, Segurança de dados e Infraestrutura de Conectividade para as verticais priorizadas • Definição de iniciativas para superar os desafios de desenvolvimento da vertical na horizontal • Priorização das iniciativas • Detalhamento do plano de ação • Aprofundamento das principais iniciativas a serem endereçadas por cada horizontal em: – Investimento – Capital Humano – Ambiente de negócios – Governança Demais horizontais Regulatório e Infraestrutura de conectividade FONTE: Análise do consórcio