SlideShare uma empresa Scribd logo
ACIDENTES
COM
ANIMAIS
PEÇONHENTOS
Prevenir é o melhor remédio
Centro de Informação Toxicológica
do Rio Grande do Sul
Animais peçonhentos
Os animais peçonhentos são aqueles que
possuem peçonha e aparelho inoculador
especializado (presa, quelícera, aguilhão,
espícula).
A gravidade do acidente vai depender da
quantidade de peçonha injetada, da espécie
de animal peçonhento envolvida e do local
da picada.
Serpentes
Aparelho inoculador
Presas
Aranhas
Aparelho inoculador
Quelíceras
Escorpiões
Aparelho inoculador
Aguilhão
Lagartas urticantes
Aparelho inoculador
Espículas
Pêlos
No Estado do Rio Grande do Sul, no ano de
2002, 99 % dos acidentes com serpentes
peçonhentas foram causados pelo gênero
Bothrops (jararaca, cruzeira e outras); 0,4 %
pelo gênero Crotalus (cascavel) e 0,1 % pelo
gênero Micrurus (coral verdadeira).
Serpentes de interesse médico
Rio Grande do Sul
CITRS - 2003
Fosseta loreal
Presas inoculadoras
Serpentes de interesse médico
Identificação
Bothrops sp e Crotalus sp
Presas
Serpentes de interesse médico
Identificação
Micrurus sp
Anéis em volta
do corpo
Particularidades na cauda
Serpentes de interesse médico
Identificação
Bothrops sp e Crotalus sp
Serpentes de interesse médico
Esquema de identificação
Serpentes de interesse médico
Rio Grande do Sul
Bothrops jararaca
Jararaca
Bothrops alternatus
Cruzeira
Bothrops neuwiedi
Jararaca-pintada
Gênero Bothrops sp
Habitat
Em vegetação rasteira, perto de rios e lagos,
matas ou plantações de grãos.
Agressividade Agressiva
Potencial de
risco
Médio
Sinais e
Sintomas
Muita dor e edema (inchaço) no local da picada.
Pode haver sangramento no local da picada, na
gengiva e em ferimentos recentes.
Serpentes de interesse médico
Rio Grande do Sul
Serpentes de interesse médico
Rio Grande do Sul
Crotalus durissus
Cascavel
Micrurus altirostris
Coral-verdadeira
Gênero Crotalus sp
Habitat Em zonas pedregosas e secas.
Agressividade Agressiva
Potencial de
risco
Alto
Sinais e
Sintomas
Pouca dor local, dormência, dor muscular,
pálpebras superiores caídas, visão borrada.
Alteração ou escurecimento da urina.
Serpentes de interesse médico
Rio Grande do Sul
Gênero Micrurus sp
Habitat Em todo o RS. Se escondem em montes de
lenhas, buracos e troncos de árvores.
Agressividade Não é agressiva.
Potencial de
risco
Alto
Sinais e
Sintomas
Pouca dor local, dormência, aumento da
salivação, dificuldade de engolir, pálpebras
superiores caídas, visão borrada, dificuldade
respiratória.
Serpentes de interesse médico
Rio Grande do Sul
Serpentes de interesse médico
Rio Grande do Sul
Primeiros
Socorros
- Lave o local da picada.
- Imobilize o membro atingido.
- Se possível, mantenha-o em posição elevada.
- Sempre que possível capture o animal para
identificação.
- Procure auxílio médico para aplicação do soro
antiveneno.
- Contra indicado: cortes, sucção e torniquete.
Observações - A principal causa de óbitos nos acidentes por
Micrurus sp está relacionada com a dificuldade
respiratória. Causada pela ação da peçonha
sobre o diafragma que impede os movimentos
respiratórios.
Aranhas de interesse médico
Rio Grande do Sul
Dos casos de acidentes com aranhas de
interesse toxicológico notificados no
Centro de Informação Toxicológica do RS,
44,1% são do gênero Loxoceles (aranha-
marrom), 46,5% gênero Phoneutria
(armadeira), 3,6% gênero Lycosa (aranha-
de-jardim) e 5,8% com outras aranhas
destacando-se as do gênero Grammostola.
CITRS - 2003
Aranhas de interesse médico
Rio Grande do Sul
São aranhas grandes e possuem
cerdas que em contato com mucosas
e pele provocam reações alérgicas.
Grammostola
Caranguejeira
Aranhas de interesse médico
Rio Grande do Sul
Mede 3 cm de corpo e até 15 cm de
envergadura de patas. Possuem pares de
manchas claras no dorso do abdômen.
Phoneutria sp
Armadeira
Aranhas de interesse médico
Rio Grande do Sul
Gênero Phoneutria sp
Habitat
Em zonas de vegetação densa, terrenos
baldios, bainha de bananeiras e locais
escuros/pouca iluminação, das residências.
Agressividade Muito agressiva.
Sinais e
Sintomas
Muita dor no local da picada, podendo
irradiar-se até a extremidade do membro.
Podem ocorrer vômitos, dor de cabeça,
agitação e salivação intensa.
Aranhas de interesse médico
Rio Grande do Sul
Apresenta um desenho em forma de seta no
abdômen. Mede entre 2 e 3 cm de corpo e 5 a
6 cm de envergadura de patas.
Lycosa sp
Aranha-de-jardim
Aranhas de interesse médico
Rio Grande do Sul
Gênero Lycosa sp
Habitat Em campos, gramados e perto das
residências.
Agressividade Não é agressiva.
Sinais e
Sintomas
Pouca dor local, podendo ocorrer reações
alérgicas ou leve descamação da pele.
Aranhas de interesse médico
Rio Grande do Sul
Abdômen em forma de caroço de azeitona,
mede cerca de 1 cm de corpo e 3 cm de
envergadura de patas.
Loxosceles sp
Aranha-marrom
Aranhas de interesse médico
Rio Grande do Sul
Gênero Loxosceles sp
Habitat Dentro das residências, principalmente atrás
de quadros, armários e nas frestas de janelas
e portas.
Agressividade Não é agressiva.
Sinais e
Sintomas
Pouca dor no local da picada, podendo
ocorrer dor em queimação, bolhas e
escurecimento da pele entre 12 e 24 horas.
Pode ocorrer escurecimento da urina.
Aranhas de interesse médico
Rio Grande do Sul
Primeiros
Socorros
- Lave o local da picada;
- Use compressas mornas para alívio da dor;
- Procure o serviço médico mais próximo;
- Sempre que possível capture o animal para
identificação.
Observações
Nos acidentes por Phoneutria sp esteja atento a
possível choque à dor, principalmente em
crianças e idosos.
Escorpiões de interesse médico
Rio Grande do Sul
No Rio Grande do Sul predominam os
escorpiões da espécie Bothriurus
bonariensis (escorpião preto), porém
observa-se a presença do escorpião do
gênero Tityus (escorpião amarelo) oriundos
de outras regiões.
Os escorpiões têm hábitos noturnos, e
durante o dia escondem-se sob cascas de
árvores, pedras, troncos, entulhos e nas
residências, principalmente dentro de
sapatos.
Escorpiões de interesse médico
Rio Grande do Sul
O veneno do escorpião preto (Bothriurus
bonariensis) é de baixa toxicidade, podendo
causar dor local ou reações alérgicas.
Escorpiões de interesse médico
Rio Grande do Sul
A picada do escorpião amarelo (Tityus
serrulatus) provoca dor intensa no local,
que se irradia. Podem ocorrer sudorese
(suores), vômitos, alterações cardíacas e
choque.
Escorpiões de interesse médico
Primeiros Socorros
- Lave o local da picada;
- Use compressas mornas para aliviar a dor;
- Procure o serviço médico mais próximo;
- Sempre que possível capture o animal para
identificação.
Lagartas urticantes de interesse médico
Rio Grande do Sul
As lagartas são larvas de Lepidópteros, que
possuem ou não cerdas. As que possuem
cerdas ou pêlos são denominadas lagartas
urticantes, marandovás e bicho cabeludo.
Os Lepidópteros são conhecidos
popularmente como borboletas (hábitos
diurnos) ou mariposas (hábitos noturnos).
Ciclo de vida
Lagartas urticantes
Dentre as lagartas urticantes, a de maior
interesse médico no Rio Grande do Sul, é a
Lonomia obliqua, Taturana.
Automeris sp
Podalia sp Megalopyge sp
Lonomia sp
Gênero Lagartas urticantes
Habitat Em todos os tipos de vegetação.
Agressividade Não são agressivas.
Potencial de
risco
Baixo
Sinais e
Sintomas
Dor em queimação, edema (inchaço) , podendo
ocorrer reações de hipersensibilidade.
Lagartas urticantes de interesse médico
Rio Grande do Sul
Lagartas urticantes
Lonomia obliqua - Taturana
Acidentes envolvendo lagartas do gênero
Lonomia são considerados graves devido
ao alto risco de morte.
A taturana é uma lagarta de cor marrom-
esverdeada, com manchas amarelo-escuro.
Apresenta listras de coloração castanho-
escuro ao longo do corpo e espinhos ao
longo do dorso.
Lagartas urticantes
Lonomia obliqua - Taturana
Indivíduo
Colônia
Lagartas urticantes
Lonomia obliqua - Taturana
Árvores mais comuns onde são
encontradas:
Abacateiro Ameixeira
Araticum Cedro
Figueira Figueira do Mato
Ipê Pereira
Pessegueiro Plátano
Seringueira Outras
Gênero Lonomia sp
Hábitos
As lagartas vivem em grupos. Durante o dia
estão nos troncos confundindo-se facilmente
com a cor e textura da casca. Alimentam-se à
noite de folhas.
Agressividade Não são agressivas.
Potencial de
risco
Alto
Sinais e
Sintomas
Dor em queimação, edema (inchaço) e reações
de hipersensibilidade. Até 72 horas após o
contato pode ocorrer hemorragia generalizada
e quadro de insuficiência renal.
Lagartas urticantes
Lonomia obliqua - Taturana
Lagartas urticantes
Lonomia obliqua - Tatutana
Lesões por contato
Lagartas urticantes
Primeiros socorros
- Lave o local do contato;
- Use compressas frias para aliviar a dor;
- Mantenha o paciente em repouso;
- Procure o serviço médico mais próximo;
- Sempre que possível capture o animal para
identificação.
Obs: Nos acidentes por Lonomia sp esteja atento à
possíveis hemorragias
Coleta e envio de animais
- Se possível colete o animal vivo e inteiro;
- Não corra risco desnecessário. Aja
somente
com segurança e tranqüilidade;
- Nunca realize a captura na presença de
crianças;
- Este procedimento deve ser realizado por
uma pessoa treinada;
Coleta e envio de animais
- Use luvas e roupas para proteger o corpo;
- Nunca toque em animais desconhecidos;
- Coloque o animal em recipiente adequado e
previamente limpo;
- SEMPRE identifique o material,
indicando nome, endereço e
telefone para contato;
Coleta e envio de animais
- SEMPRE indique a data, a vegetação e o local
da coleta;
- Em caso de acidente, informe o nome do
paciente, idade, sintomas apresentados ou o
hospital onde está internado;
- Procure auxílio junto à
Prefeitura de sua
cidade;
Coleta e envio de animais
- Identifique, claramente e de forma visível, a
caixa. Informe o conteúdo e cuidados no
transporte.
NÃO AMASSAR. NÃO MOLHAR. NÃO
VIRAR. CUIDADO ANIMAL
PEÇONHENTO.
EVITE CONTATO
Coleta e envio de animais
Recomendações
Em caso de acidente com animal peçonhento, o
paciente deve ser medicado nas primeiras horas
após o acidente.
Leve o paciente para o hospital mais próximo.
O soro antiveneno é o único tratamento eficaz.
Recomendações
Não fure
Não corte
Não esprema
Não faça sucção
Não faça torniquete
Recomendações
Imobilize o membro atingido e, se possível,
mantenha-o em posição elevada.
Sempre que possível capture o animal para
identificação.
Procure auxílio médico.
em caso de acidente, ligue:
0800.780.200
plantão 24 horas – ligação gratuita
Produção Técnica
Autores responsáveis:
Carla L. J. Ramos; Maria G. B. Marques; Stella C. Vieira;
Hudson B. Abella; Glória J. Boff
Núcleo de Prevenção e Educação
Núcleo de Toxinas Naturais
Coordenação de Análise e Prevenção
Núcleo Interno de Comunicação
Centro de Informação Toxicológica do Rio Grande do Sul
Fundação Estadual de Produção e Pesquisa em Saúde
Secretaria Estadual da Saúde - Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Realização
Centro de Informação
Toxicológica
do Rio Grande do Sul

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Apresentação - animais peçonhentos.ppt

Captura de animais
Captura de animaisCaptura de animais
Captura de animais
unesp
 
Acidentes com animais peçonhentos.pptx
Acidentes com animais peçonhentos.pptxAcidentes com animais peçonhentos.pptx
Acidentes com animais peçonhentos.pptx
AnnaErikaCardosoAlme
 
Escorpiâo 3º A
Escorpiâo 3º AEscorpiâo 3º A
Escorpiâo 3º A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Animais peçonhentos II.pptx
Animais peçonhentos II.pptxAnimais peçonhentos II.pptx
Animais peçonhentos II.pptx
Silvio Aloisio dos Santos
 
Animais peçonhentos ii
Animais peçonhentos iiAnimais peçonhentos ii
Animais peçonhentos ii
Silvio Aloisio dos Santos
 
Animais peçonhentos
 Animais peçonhentos Animais peçonhentos
Animais peçonhentos
Guita Carvalho
 
Animais Peçonhentos do Brasil
Animais Peçonhentos do BrasilAnimais Peçonhentos do Brasil
Animais Peçonhentos do Brasil
Fabio Junior Naves da Rocha
 
1-slides-animais-penonhentos (1).pptx
1-slides-animais-penonhentos (1).pptx1-slides-animais-penonhentos (1).pptx
1-slides-animais-penonhentos (1).pptx
TaisdeJesusSantos
 
Animais peçonhentos
Animais peçonhentosAnimais peçonhentos
Animais peçonhentos
saudefieb
 
Animais peçonhentos
Animais peçonhentosAnimais peçonhentos
Animais peçonhentos
saudefieb
 
Animais peçonhentos
Animais peçonhentosAnimais peçonhentos
Animais peçonhentos
Jorginho2000
 
Conheça o escorpião
Conheça o escorpiãoConheça o escorpião
Conheça o escorpião
Gustavo Augusto
 
Acidentes por animais peçonhentos
Acidentes por animais peçonhentosAcidentes por animais peçonhentos
Acidentes por animais peçonhentos
Nathy Oliveira
 
experimentação biomédica e animais venenosos
experimentação biomédica e animais venenososexperimentação biomédica e animais venenosos
experimentação biomédica e animais venenosos
ineslilin
 
Animais peçonhentos
Animais peçonhentosAnimais peçonhentos
Animais peçonhentos
Mauricio Machado Concalves
 
Cartilha animais peçonhentos: conhecer para respeitar e prevenir acidentes
Cartilha animais peçonhentos: conhecer para respeitar e prevenir acidentesCartilha animais peçonhentos: conhecer para respeitar e prevenir acidentes
Cartilha animais peçonhentos: conhecer para respeitar e prevenir acidentes
Ana Filadelfi
 
Biologia e controle de aranhas
Biologia e controle de aranhasBiologia e controle de aranhas
Classificação insetos
Classificação insetosClassificação insetos
Classificação insetos
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 
animais_peconhentos.ppt
animais_peconhentos.pptanimais_peconhentos.ppt
animais_peconhentos.ppt
alessandrabiostm
 
animais_peconhentos.ppt
animais_peconhentos.pptanimais_peconhentos.ppt
animais_peconhentos.ppt
JorgeAmazonasFigueir
 

Semelhante a Apresentação - animais peçonhentos.ppt (20)

Captura de animais
Captura de animaisCaptura de animais
Captura de animais
 
Acidentes com animais peçonhentos.pptx
Acidentes com animais peçonhentos.pptxAcidentes com animais peçonhentos.pptx
Acidentes com animais peçonhentos.pptx
 
Escorpiâo 3º A
Escorpiâo 3º AEscorpiâo 3º A
Escorpiâo 3º A
 
Animais peçonhentos II.pptx
Animais peçonhentos II.pptxAnimais peçonhentos II.pptx
Animais peçonhentos II.pptx
 
Animais peçonhentos ii
Animais peçonhentos iiAnimais peçonhentos ii
Animais peçonhentos ii
 
Animais peçonhentos
 Animais peçonhentos Animais peçonhentos
Animais peçonhentos
 
Animais Peçonhentos do Brasil
Animais Peçonhentos do BrasilAnimais Peçonhentos do Brasil
Animais Peçonhentos do Brasil
 
1-slides-animais-penonhentos (1).pptx
1-slides-animais-penonhentos (1).pptx1-slides-animais-penonhentos (1).pptx
1-slides-animais-penonhentos (1).pptx
 
Animais peçonhentos
Animais peçonhentosAnimais peçonhentos
Animais peçonhentos
 
Animais peçonhentos
Animais peçonhentosAnimais peçonhentos
Animais peçonhentos
 
Animais peçonhentos
Animais peçonhentosAnimais peçonhentos
Animais peçonhentos
 
Conheça o escorpião
Conheça o escorpiãoConheça o escorpião
Conheça o escorpião
 
Acidentes por animais peçonhentos
Acidentes por animais peçonhentosAcidentes por animais peçonhentos
Acidentes por animais peçonhentos
 
experimentação biomédica e animais venenosos
experimentação biomédica e animais venenososexperimentação biomédica e animais venenosos
experimentação biomédica e animais venenosos
 
Animais peçonhentos
Animais peçonhentosAnimais peçonhentos
Animais peçonhentos
 
Cartilha animais peçonhentos: conhecer para respeitar e prevenir acidentes
Cartilha animais peçonhentos: conhecer para respeitar e prevenir acidentesCartilha animais peçonhentos: conhecer para respeitar e prevenir acidentes
Cartilha animais peçonhentos: conhecer para respeitar e prevenir acidentes
 
Biologia e controle de aranhas
Biologia e controle de aranhasBiologia e controle de aranhas
Biologia e controle de aranhas
 
Classificação insetos
Classificação insetosClassificação insetos
Classificação insetos
 
animais_peconhentos.ppt
animais_peconhentos.pptanimais_peconhentos.ppt
animais_peconhentos.ppt
 
animais_peconhentos.ppt
animais_peconhentos.pptanimais_peconhentos.ppt
animais_peconhentos.ppt
 

Apresentação - animais peçonhentos.ppt

  • 1. ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS Prevenir é o melhor remédio Centro de Informação Toxicológica do Rio Grande do Sul
  • 2. Animais peçonhentos Os animais peçonhentos são aqueles que possuem peçonha e aparelho inoculador especializado (presa, quelícera, aguilhão, espícula). A gravidade do acidente vai depender da quantidade de peçonha injetada, da espécie de animal peçonhento envolvida e do local da picada.
  • 7. No Estado do Rio Grande do Sul, no ano de 2002, 99 % dos acidentes com serpentes peçonhentas foram causados pelo gênero Bothrops (jararaca, cruzeira e outras); 0,4 % pelo gênero Crotalus (cascavel) e 0,1 % pelo gênero Micrurus (coral verdadeira). Serpentes de interesse médico Rio Grande do Sul CITRS - 2003
  • 8. Fosseta loreal Presas inoculadoras Serpentes de interesse médico Identificação Bothrops sp e Crotalus sp
  • 9. Presas Serpentes de interesse médico Identificação Micrurus sp Anéis em volta do corpo
  • 10. Particularidades na cauda Serpentes de interesse médico Identificação Bothrops sp e Crotalus sp
  • 11. Serpentes de interesse médico Esquema de identificação
  • 12. Serpentes de interesse médico Rio Grande do Sul Bothrops jararaca Jararaca Bothrops alternatus Cruzeira Bothrops neuwiedi Jararaca-pintada
  • 13. Gênero Bothrops sp Habitat Em vegetação rasteira, perto de rios e lagos, matas ou plantações de grãos. Agressividade Agressiva Potencial de risco Médio Sinais e Sintomas Muita dor e edema (inchaço) no local da picada. Pode haver sangramento no local da picada, na gengiva e em ferimentos recentes. Serpentes de interesse médico Rio Grande do Sul
  • 14. Serpentes de interesse médico Rio Grande do Sul Crotalus durissus Cascavel Micrurus altirostris Coral-verdadeira
  • 15. Gênero Crotalus sp Habitat Em zonas pedregosas e secas. Agressividade Agressiva Potencial de risco Alto Sinais e Sintomas Pouca dor local, dormência, dor muscular, pálpebras superiores caídas, visão borrada. Alteração ou escurecimento da urina. Serpentes de interesse médico Rio Grande do Sul
  • 16. Gênero Micrurus sp Habitat Em todo o RS. Se escondem em montes de lenhas, buracos e troncos de árvores. Agressividade Não é agressiva. Potencial de risco Alto Sinais e Sintomas Pouca dor local, dormência, aumento da salivação, dificuldade de engolir, pálpebras superiores caídas, visão borrada, dificuldade respiratória. Serpentes de interesse médico Rio Grande do Sul
  • 17. Serpentes de interesse médico Rio Grande do Sul Primeiros Socorros - Lave o local da picada. - Imobilize o membro atingido. - Se possível, mantenha-o em posição elevada. - Sempre que possível capture o animal para identificação. - Procure auxílio médico para aplicação do soro antiveneno. - Contra indicado: cortes, sucção e torniquete. Observações - A principal causa de óbitos nos acidentes por Micrurus sp está relacionada com a dificuldade respiratória. Causada pela ação da peçonha sobre o diafragma que impede os movimentos respiratórios.
  • 18. Aranhas de interesse médico Rio Grande do Sul Dos casos de acidentes com aranhas de interesse toxicológico notificados no Centro de Informação Toxicológica do RS, 44,1% são do gênero Loxoceles (aranha- marrom), 46,5% gênero Phoneutria (armadeira), 3,6% gênero Lycosa (aranha- de-jardim) e 5,8% com outras aranhas destacando-se as do gênero Grammostola. CITRS - 2003
  • 19. Aranhas de interesse médico Rio Grande do Sul São aranhas grandes e possuem cerdas que em contato com mucosas e pele provocam reações alérgicas. Grammostola Caranguejeira
  • 20. Aranhas de interesse médico Rio Grande do Sul Mede 3 cm de corpo e até 15 cm de envergadura de patas. Possuem pares de manchas claras no dorso do abdômen. Phoneutria sp Armadeira
  • 21. Aranhas de interesse médico Rio Grande do Sul Gênero Phoneutria sp Habitat Em zonas de vegetação densa, terrenos baldios, bainha de bananeiras e locais escuros/pouca iluminação, das residências. Agressividade Muito agressiva. Sinais e Sintomas Muita dor no local da picada, podendo irradiar-se até a extremidade do membro. Podem ocorrer vômitos, dor de cabeça, agitação e salivação intensa.
  • 22. Aranhas de interesse médico Rio Grande do Sul Apresenta um desenho em forma de seta no abdômen. Mede entre 2 e 3 cm de corpo e 5 a 6 cm de envergadura de patas. Lycosa sp Aranha-de-jardim
  • 23. Aranhas de interesse médico Rio Grande do Sul Gênero Lycosa sp Habitat Em campos, gramados e perto das residências. Agressividade Não é agressiva. Sinais e Sintomas Pouca dor local, podendo ocorrer reações alérgicas ou leve descamação da pele.
  • 24. Aranhas de interesse médico Rio Grande do Sul Abdômen em forma de caroço de azeitona, mede cerca de 1 cm de corpo e 3 cm de envergadura de patas. Loxosceles sp Aranha-marrom
  • 25. Aranhas de interesse médico Rio Grande do Sul Gênero Loxosceles sp Habitat Dentro das residências, principalmente atrás de quadros, armários e nas frestas de janelas e portas. Agressividade Não é agressiva. Sinais e Sintomas Pouca dor no local da picada, podendo ocorrer dor em queimação, bolhas e escurecimento da pele entre 12 e 24 horas. Pode ocorrer escurecimento da urina.
  • 26. Aranhas de interesse médico Rio Grande do Sul Primeiros Socorros - Lave o local da picada; - Use compressas mornas para alívio da dor; - Procure o serviço médico mais próximo; - Sempre que possível capture o animal para identificação. Observações Nos acidentes por Phoneutria sp esteja atento a possível choque à dor, principalmente em crianças e idosos.
  • 27. Escorpiões de interesse médico Rio Grande do Sul No Rio Grande do Sul predominam os escorpiões da espécie Bothriurus bonariensis (escorpião preto), porém observa-se a presença do escorpião do gênero Tityus (escorpião amarelo) oriundos de outras regiões. Os escorpiões têm hábitos noturnos, e durante o dia escondem-se sob cascas de árvores, pedras, troncos, entulhos e nas residências, principalmente dentro de sapatos.
  • 28. Escorpiões de interesse médico Rio Grande do Sul O veneno do escorpião preto (Bothriurus bonariensis) é de baixa toxicidade, podendo causar dor local ou reações alérgicas.
  • 29. Escorpiões de interesse médico Rio Grande do Sul A picada do escorpião amarelo (Tityus serrulatus) provoca dor intensa no local, que se irradia. Podem ocorrer sudorese (suores), vômitos, alterações cardíacas e choque.
  • 30. Escorpiões de interesse médico Primeiros Socorros - Lave o local da picada; - Use compressas mornas para aliviar a dor; - Procure o serviço médico mais próximo; - Sempre que possível capture o animal para identificação.
  • 31. Lagartas urticantes de interesse médico Rio Grande do Sul As lagartas são larvas de Lepidópteros, que possuem ou não cerdas. As que possuem cerdas ou pêlos são denominadas lagartas urticantes, marandovás e bicho cabeludo. Os Lepidópteros são conhecidos popularmente como borboletas (hábitos diurnos) ou mariposas (hábitos noturnos).
  • 33. Lagartas urticantes Dentre as lagartas urticantes, a de maior interesse médico no Rio Grande do Sul, é a Lonomia obliqua, Taturana. Automeris sp Podalia sp Megalopyge sp Lonomia sp
  • 34. Gênero Lagartas urticantes Habitat Em todos os tipos de vegetação. Agressividade Não são agressivas. Potencial de risco Baixo Sinais e Sintomas Dor em queimação, edema (inchaço) , podendo ocorrer reações de hipersensibilidade. Lagartas urticantes de interesse médico Rio Grande do Sul
  • 35. Lagartas urticantes Lonomia obliqua - Taturana Acidentes envolvendo lagartas do gênero Lonomia são considerados graves devido ao alto risco de morte. A taturana é uma lagarta de cor marrom- esverdeada, com manchas amarelo-escuro. Apresenta listras de coloração castanho- escuro ao longo do corpo e espinhos ao longo do dorso.
  • 36. Lagartas urticantes Lonomia obliqua - Taturana Indivíduo Colônia
  • 37. Lagartas urticantes Lonomia obliqua - Taturana Árvores mais comuns onde são encontradas: Abacateiro Ameixeira Araticum Cedro Figueira Figueira do Mato Ipê Pereira Pessegueiro Plátano Seringueira Outras
  • 38. Gênero Lonomia sp Hábitos As lagartas vivem em grupos. Durante o dia estão nos troncos confundindo-se facilmente com a cor e textura da casca. Alimentam-se à noite de folhas. Agressividade Não são agressivas. Potencial de risco Alto Sinais e Sintomas Dor em queimação, edema (inchaço) e reações de hipersensibilidade. Até 72 horas após o contato pode ocorrer hemorragia generalizada e quadro de insuficiência renal. Lagartas urticantes Lonomia obliqua - Taturana
  • 39. Lagartas urticantes Lonomia obliqua - Tatutana Lesões por contato
  • 40. Lagartas urticantes Primeiros socorros - Lave o local do contato; - Use compressas frias para aliviar a dor; - Mantenha o paciente em repouso; - Procure o serviço médico mais próximo; - Sempre que possível capture o animal para identificação. Obs: Nos acidentes por Lonomia sp esteja atento à possíveis hemorragias
  • 41. Coleta e envio de animais - Se possível colete o animal vivo e inteiro; - Não corra risco desnecessário. Aja somente com segurança e tranqüilidade; - Nunca realize a captura na presença de crianças; - Este procedimento deve ser realizado por uma pessoa treinada;
  • 42. Coleta e envio de animais - Use luvas e roupas para proteger o corpo; - Nunca toque em animais desconhecidos; - Coloque o animal em recipiente adequado e previamente limpo; - SEMPRE identifique o material, indicando nome, endereço e telefone para contato;
  • 43. Coleta e envio de animais - SEMPRE indique a data, a vegetação e o local da coleta; - Em caso de acidente, informe o nome do paciente, idade, sintomas apresentados ou o hospital onde está internado; - Procure auxílio junto à Prefeitura de sua cidade;
  • 44. Coleta e envio de animais - Identifique, claramente e de forma visível, a caixa. Informe o conteúdo e cuidados no transporte. NÃO AMASSAR. NÃO MOLHAR. NÃO VIRAR. CUIDADO ANIMAL PEÇONHENTO. EVITE CONTATO
  • 45. Coleta e envio de animais
  • 46. Recomendações Em caso de acidente com animal peçonhento, o paciente deve ser medicado nas primeiras horas após o acidente. Leve o paciente para o hospital mais próximo. O soro antiveneno é o único tratamento eficaz.
  • 47. Recomendações Não fure Não corte Não esprema Não faça sucção Não faça torniquete
  • 48. Recomendações Imobilize o membro atingido e, se possível, mantenha-o em posição elevada. Sempre que possível capture o animal para identificação. Procure auxílio médico. em caso de acidente, ligue: 0800.780.200 plantão 24 horas – ligação gratuita
  • 49. Produção Técnica Autores responsáveis: Carla L. J. Ramos; Maria G. B. Marques; Stella C. Vieira; Hudson B. Abella; Glória J. Boff Núcleo de Prevenção e Educação Núcleo de Toxinas Naturais Coordenação de Análise e Prevenção Núcleo Interno de Comunicação Centro de Informação Toxicológica do Rio Grande do Sul Fundação Estadual de Produção e Pesquisa em Saúde Secretaria Estadual da Saúde - Governo do Estado do Rio Grande do Sul