SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Utilização de Modelos BIM para a
Verificação Automática de
Projetos
Plano de Acessibilidades
João Pedro Pereira Rodrigues
5ºano MIEC-Construções Civis
Apresentação de Dissertação de Mestrado
Julho 2015
A PROBLEMÁTICA
Atual processo de licenciamento de projetos:
• Manual
• Demorado
• Suscetível a falhas
A RESPOSTA
Nova abordagem com o processo verificação automática de
projetos:
• Automático
• Rápido
• Desmaterializado
INICIATIVAS
Autor(es) Especialidades
(Jiang e Leicht, 2015) Estruturas/Construções
(Poças Martins e
Monteiro, 2013) Hidráulica
(Eastman et al., 2009) Acessibilidades
(Liu et al., 2014) Sistemas AVAC
(Eastman et al., 2009) Incêndios
(Eastman et al., 2009) Coordenação espaços
(Zhang et al., 2013) Segurança em Obra
COMUNICAÇÃO E INTEROPERABILIDADE:
Autor(es) Áreas da Construção Tipo de
ficheiro
(Jiang e Leicht, 2015) Estruturas/Construções IFC
(Poças Martins e
Monteiro, 2013) Hidráulica xml
(Eastman et al., 2009) Acessibilidades IFC
(Eastman et al., 2009) Incêndios IFC
(Eastman et al., 2009) Coordenação espaços IFC
VERIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE PROJETOS:
REGULAMENTAÇÃO
(Plano de Acessibilidades)
MODELOS DE
INFORMAÇÃO (BIM)
PLATAFORMA DE
VERIFICAÇÃO
AUTOMÁTICA (SMC)
Definição de Modelo Tipos de modelos
Estudo Prévio
Execução
Informação a
conter nos
modelos BIM
INFORMAÇÃO A CONTER NOS MODELOS BIM:
Componente Parâmetros
Tipo de
dados
Stair
Bar depht
(leftRailbarDepth)
Numérico
Bar depht
(rightRailbarDepth)
Numérico
Bar thickness
(leftRailbarDepth)
Numérico
Bar depht
(rightRailbarDepth)
Numérico
Clear Width between
Railing Bars
Numérico
Flight Width Numérico
Hight of rail
(leftRailHeight)
Numérico
Hight of rail
(rightRailHeight)
Numérico
Number of risers Numérico
Nosing Numérico
Number of Half landings Numérico
Riser Height Numérico
(Outro) (Outro) (Outro)
Omniclass
Uniclass 2
Space usage
Building Elements Uniformat
SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO
PARA MODELOS BIM:
NIVEIS DE DETALHE (LOD):
LOD 100
LOD 200
LOD 300
LOD 350
LOD 400
LOD 500
VERIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE PROJETOS:
REGULAMENTAÇÃO
(Plano de Acessibilidades)
MODELOS DE
INFORMAÇÃO (BIM)
PLATAFORMA DE
VERIFICAÇÃO
AUTOMÁTICA (SMC)
Análise das Regras Parametrização das Regras Estruturação das Regras
PLATAFORMA DE VERIFICAÇÃO AUTOMÁTICA (SMC):
Importância dos sistemas de classificação nos modelos
MODELOS
PARAMETRIZAÇÃO
(SMC)
RESULTADOS
(SMC)
PLATAFORMA DE VERIFICAÇÃO AUTOMÁTICA (SMC):
Irregularidades na modelação
PLATAFORMA DE VERIFICAÇÃO AUTOMÁTICA (SMC):
Irregularidades de semântica nas regras e modelos
VERIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE PROJETOS:
REGULAMENTAÇÃO
(Plano de Acessibilidades)
MODELOS DE
INFORMAÇÃO (BIM)
PLATAFORMA DE
VERIFICAÇÃO
AUTOMÁTICA (SMC)
Análise Regulamentar
Definição de Modelo Tipos de modelos
Análise de Nível 2
Análise de Nível 1
Estudo Prévio
Execução
Análise das Regras Parametrização das Regras Estruturação das Regras
Informação a
conter nos
modelos BIM
Enquadra
Não Enquadra
Sim = Verificável
Não = Não Verificável
Não Proposição
RESULTADOS DA ANÁLISE REGULAMENTAR – ISO
RESULTADOS ANÁLISE REGULAMENTAR – ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
RESULTADOS ANÁLISE REGULAMENTAR – REINO UNIDO
Aproved Document M – Vol 1 Aproved Document M – Vol 2 Aproved Document K
RESULTADOS ANÁLISE REGULAMENTAR - PORTUGAL
CONCLUSÕES:
Gerais:
• Existem meios para efetuar uma verificação automática de
projetos (Plano de Acessibilidades);
• Ainda necessita de desenvolvimento para uma aplicação
futura;
Regulamentação:
• A forma de redação da regulamentação influencia a
verificação;
Conclusões:
Modelos BIM e Plataforma de Verificação Automática:
• Formato IFC para resolver a interoperabilidade
• Exigência de LOD’s nos BIM
• LOD 300 a 350 para modelos de estudo prévio
• LOD 400 a 500 Para modelos de execução
• Exigência de Sistemas de Classificação em coerência com o
que for usado na parametrização
Obrigado pela Atenção…
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Análise Estatística do Estado de Implementação da Tecnologia BIM no Setor da ...
Análise Estatística do Estado de Implementação da Tecnologia BIM no Setor da ...Análise Estatística do Estado de Implementação da Tecnologia BIM no Setor da ...
Análise Estatística do Estado de Implementação da Tecnologia BIM no Setor da ...
João Poças Martins
 
1060 Building Information Modeling...
1060 Building Information Modeling...1060 Building Information Modeling...
1060 Building Information Modeling...
Julio Tollendal
 
Apresentação monografia douglas brito
Apresentação monografia   douglas britoApresentação monografia   douglas brito
Apresentação monografia douglas brito
MarceloMotta87
 
Artigo ricardo figueira a seguir bim
Artigo ricardo figueira a seguir bimArtigo ricardo figueira a seguir bim
Artigo ricardo figueira a seguir bim
Rafael L. Fraga
 
2008 thomaz passosferrazmoreira
2008 thomaz passosferrazmoreira2008 thomaz passosferrazmoreira
2008 thomaz passosferrazmoreira
Vivaldo Chagas
 
Projeto estrutural no_ambiente_bim_tqsabece
Projeto estrutural no_ambiente_bim_tqsabeceProjeto estrutural no_ambiente_bim_tqsabece
Projeto estrutural no_ambiente_bim_tqsabece
IST (Univ of Lisbon)
 
BIM – Conceitos, Aplicações e Estágio de Adoção
BIM – Conceitos, Aplicações e Estágio de AdoçãoBIM – Conceitos, Aplicações e Estágio de Adoção
BIM – Conceitos, Aplicações e Estágio de Adoção
inovaDay .
 

Mais procurados (20)

Aplicação da metodologia BIM na gestão de edifícios
Aplicação da metodologia BIM na gestão de edifíciosAplicação da metodologia BIM na gestão de edifícios
Aplicação da metodologia BIM na gestão de edifícios
 
Bim
BimBim
Bim
 
Palestra BIM_UNIGRANRIO 2013
Palestra BIM_UNIGRANRIO 2013Palestra BIM_UNIGRANRIO 2013
Palestra BIM_UNIGRANRIO 2013
 
Análise Estatística do Estado de Implementação da Tecnologia BIM no Setor da ...
Análise Estatística do Estado de Implementação da Tecnologia BIM no Setor da ...Análise Estatística do Estado de Implementação da Tecnologia BIM no Setor da ...
Análise Estatística do Estado de Implementação da Tecnologia BIM no Setor da ...
 
1060 Building Information Modeling...
1060 Building Information Modeling...1060 Building Information Modeling...
1060 Building Information Modeling...
 
Aline pillon art. pos gerenciamento de obras - ipog
Aline pillon   art. pos gerenciamento de obras - ipogAline pillon   art. pos gerenciamento de obras - ipog
Aline pillon art. pos gerenciamento de obras - ipog
 
Apresentação monografia douglas brito
Apresentação monografia   douglas britoApresentação monografia   douglas brito
Apresentação monografia douglas brito
 
Sessão Introdução ao BIM: Eng. José Carlos Lino
Sessão Introdução ao BIM: Eng. José Carlos LinoSessão Introdução ao BIM: Eng. José Carlos Lino
Sessão Introdução ao BIM: Eng. José Carlos Lino
 
Artigo ricardo figueira a seguir bim
Artigo ricardo figueira a seguir bimArtigo ricardo figueira a seguir bim
Artigo ricardo figueira a seguir bim
 
2008 thomaz passosferrazmoreira
2008 thomaz passosferrazmoreira2008 thomaz passosferrazmoreira
2008 thomaz passosferrazmoreira
 
Impactos do uso do BIM em escritórios
Impactos do uso do BIM em escritóriosImpactos do uso do BIM em escritórios
Impactos do uso do BIM em escritórios
 
Projeto estrutural no_ambiente_bim_tqsabece
Projeto estrutural no_ambiente_bim_tqsabeceProjeto estrutural no_ambiente_bim_tqsabece
Projeto estrutural no_ambiente_bim_tqsabece
 
Sessão Introdução ao BIM: Eng. Sergio Pinho
Sessão Introdução ao BIM: Eng. Sergio PinhoSessão Introdução ao BIM: Eng. Sergio Pinho
Sessão Introdução ao BIM: Eng. Sergio Pinho
 
BIM – Conceitos, Aplicações e Estágio de Adoção
BIM – Conceitos, Aplicações e Estágio de AdoçãoBIM – Conceitos, Aplicações e Estágio de Adoção
BIM – Conceitos, Aplicações e Estágio de Adoção
 
BIM - A Evolução da Informação nos Tempos de Crise
BIM - A Evolução da Informação nos Tempos de CriseBIM - A Evolução da Informação nos Tempos de Crise
BIM - A Evolução da Informação nos Tempos de Crise
 
BIM Implantação na FDE
BIM Implantação na FDEBIM Implantação na FDE
BIM Implantação na FDE
 
Apresentação 11-12-2013 - NTIEC/FEUP - Apresentação bimTEC
Apresentação 11-12-2013 - NTIEC/FEUP - Apresentação bimTECApresentação 11-12-2013 - NTIEC/FEUP - Apresentação bimTEC
Apresentação 11-12-2013 - NTIEC/FEUP - Apresentação bimTEC
 
Apresentação Emilia Cabral
Apresentação Emilia CabralApresentação Emilia Cabral
Apresentação Emilia Cabral
 
Implantação do BIM na CPTM
Implantação do BIM na CPTMImplantação do BIM na CPTM
Implantação do BIM na CPTM
 
Eng.ª do Software - 6. Gestão de projectos
Eng.ª do Software - 6. Gestão de projectosEng.ª do Software - 6. Gestão de projectos
Eng.ª do Software - 6. Gestão de projectos
 

Semelhante a Utilização de Modelos BIM para a Verificação Automática de Projetos - Plano de Acessibilidades. João Rodrigues, FEUP

O comparativo de arquiteturas de software monolíticas em relação a arquitetur...
O comparativo de arquiteturas de software monolíticas em relação a arquitetur...O comparativo de arquiteturas de software monolíticas em relação a arquitetur...
O comparativo de arquiteturas de software monolíticas em relação a arquitetur...
Emmanuel Neri
 
IPT defesa Wagner F Canto v6
IPT defesa Wagner F Canto v6IPT defesa Wagner F Canto v6
IPT defesa Wagner F Canto v6
wfcanto
 
Tema 10 Automação Da Engenharia
Tema 10   Automação Da EngenhariaTema 10   Automação Da Engenharia
Tema 10 Automação Da Engenharia
bruno2003sp
 

Semelhante a Utilização de Modelos BIM para a Verificação Automática de Projetos - Plano de Acessibilidades. João Rodrigues, FEUP (20)

SlidesHarmonization of ISO/IEC 9001:2000 and CMMI-DEV: from a theoretical com...
SlidesHarmonization of ISO/IEC 9001:2000 and CMMI-DEV: from a theoretical com...SlidesHarmonization of ISO/IEC 9001:2000 and CMMI-DEV: from a theoretical com...
SlidesHarmonization of ISO/IEC 9001:2000 and CMMI-DEV: from a theoretical com...
 
[CLASS 2014] Palestra Técnica - Silvio Prestes e Daniel Guilize
[CLASS 2014] Palestra Técnica - Silvio Prestes e Daniel Guilize[CLASS 2014] Palestra Técnica - Silvio Prestes e Daniel Guilize
[CLASS 2014] Palestra Técnica - Silvio Prestes e Daniel Guilize
 
Eng.ª do Software - 4. Processos de software
Eng.ª do Software - 4. Processos de softwareEng.ª do Software - 4. Processos de software
Eng.ª do Software - 4. Processos de software
 
INOVADEF - Apresentação Marcelo Lopes
INOVADEF - Apresentação Marcelo LopesINOVADEF - Apresentação Marcelo Lopes
INOVADEF - Apresentação Marcelo Lopes
 
Eng.ª do Software - 3. Processos da engenharia de requisitos
Eng.ª do Software - 3. Processos da engenharia de requisitosEng.ª do Software - 3. Processos da engenharia de requisitos
Eng.ª do Software - 3. Processos da engenharia de requisitos
 
O comparativo de arquiteturas de software monolíticas em relação a arquitetur...
O comparativo de arquiteturas de software monolíticas em relação a arquitetur...O comparativo de arquiteturas de software monolíticas em relação a arquitetur...
O comparativo de arquiteturas de software monolíticas em relação a arquitetur...
 
Metodologia moderna de projeto
Metodologia moderna de projeto Metodologia moderna de projeto
Metodologia moderna de projeto
 
Microserviços - Desafios para lidar com a qualidade
Microserviços - Desafios para lidar com a qualidadeMicroserviços - Desafios para lidar com a qualidade
Microserviços - Desafios para lidar com a qualidade
 
Fernando frança 19.10.2016
Fernando frança 19.10.2016Fernando frança 19.10.2016
Fernando frança 19.10.2016
 
Exercícios de governanca de ti walter cunha[1] 20100504183550
Exercícios de governanca de ti   walter cunha[1] 20100504183550Exercícios de governanca de ti   walter cunha[1] 20100504183550
Exercícios de governanca de ti walter cunha[1] 20100504183550
 
Desenvolvimento de software - novas abordagens e desafios - Ricardo Cristalli
Desenvolvimento de software - novas abordagens e desafios - Ricardo CristalliDesenvolvimento de software - novas abordagens e desafios - Ricardo Cristalli
Desenvolvimento de software - novas abordagens e desafios - Ricardo Cristalli
 
IPT defesa Wagner F Canto v6
IPT defesa Wagner F Canto v6IPT defesa Wagner F Canto v6
IPT defesa Wagner F Canto v6
 
Tema 10 Automação Da Engenharia
Tema 10   Automação Da EngenhariaTema 10   Automação Da Engenharia
Tema 10 Automação Da Engenharia
 
FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS PARA SIMULAÇÃO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO
FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS PARA SIMULAÇÃO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃOFERRAMENTAS COMPUTACIONAIS PARA SIMULAÇÃO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO
FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS PARA SIMULAÇÃO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO
 
Eng.ª do Software - 9. Verificação e validação
Eng.ª do Software - 9. Verificação e validaçãoEng.ª do Software - 9. Verificação e validação
Eng.ª do Software - 9. Verificação e validação
 
Qualidade de Software
Qualidade de SoftwareQualidade de Software
Qualidade de Software
 
Apresentação 11-12-2013 - NTIEC/FEUP - Apresentação bimTEC
Apresentação 11-12-2013 - NTIEC/FEUP - Apresentação bimTECApresentação 11-12-2013 - NTIEC/FEUP - Apresentação bimTEC
Apresentação 11-12-2013 - NTIEC/FEUP - Apresentação bimTEC
 
Eng.ª do Software - 1. Introdução
Eng.ª do Software - 1. IntroduçãoEng.ª do Software - 1. Introdução
Eng.ª do Software - 1. Introdução
 
SAlmox SIIC 2014
SAlmox SIIC 2014SAlmox SIIC 2014
SAlmox SIIC 2014
 
ProIndústria 2018 - dia 23 - H201 - A04
ProIndústria 2018 - dia 23 - H201 - A04ProIndústria 2018 - dia 23 - H201 - A04
ProIndústria 2018 - dia 23 - H201 - A04
 

Último

pgr programa de gerenciamento de risco posto de gasolina
pgr programa de gerenciamento de risco posto  de gasolinapgr programa de gerenciamento de risco posto  de gasolina
pgr programa de gerenciamento de risco posto de gasolina
mikhaelbaptista
 
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
avaseg
 

Último (8)

pgr programa de gerenciamento de risco posto de gasolina
pgr programa de gerenciamento de risco posto  de gasolinapgr programa de gerenciamento de risco posto  de gasolina
pgr programa de gerenciamento de risco posto de gasolina
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADECONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
 
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdfNormas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
 
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdfPlanejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
 
apostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheiroapostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheiro
 
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
 
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
 

Utilização de Modelos BIM para a Verificação Automática de Projetos - Plano de Acessibilidades. João Rodrigues, FEUP

  • 1. Utilização de Modelos BIM para a Verificação Automática de Projetos Plano de Acessibilidades João Pedro Pereira Rodrigues 5ºano MIEC-Construções Civis Apresentação de Dissertação de Mestrado Julho 2015
  • 2. A PROBLEMÁTICA Atual processo de licenciamento de projetos: • Manual • Demorado • Suscetível a falhas
  • 3. A RESPOSTA Nova abordagem com o processo verificação automática de projetos: • Automático • Rápido • Desmaterializado
  • 4. INICIATIVAS Autor(es) Especialidades (Jiang e Leicht, 2015) Estruturas/Construções (Poças Martins e Monteiro, 2013) Hidráulica (Eastman et al., 2009) Acessibilidades (Liu et al., 2014) Sistemas AVAC (Eastman et al., 2009) Incêndios (Eastman et al., 2009) Coordenação espaços (Zhang et al., 2013) Segurança em Obra
  • 5. COMUNICAÇÃO E INTEROPERABILIDADE: Autor(es) Áreas da Construção Tipo de ficheiro (Jiang e Leicht, 2015) Estruturas/Construções IFC (Poças Martins e Monteiro, 2013) Hidráulica xml (Eastman et al., 2009) Acessibilidades IFC (Eastman et al., 2009) Incêndios IFC (Eastman et al., 2009) Coordenação espaços IFC
  • 6. VERIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE PROJETOS: REGULAMENTAÇÃO (Plano de Acessibilidades) MODELOS DE INFORMAÇÃO (BIM) PLATAFORMA DE VERIFICAÇÃO AUTOMÁTICA (SMC) Definição de Modelo Tipos de modelos Estudo Prévio Execução Informação a conter nos modelos BIM
  • 7. INFORMAÇÃO A CONTER NOS MODELOS BIM: Componente Parâmetros Tipo de dados Stair Bar depht (leftRailbarDepth) Numérico Bar depht (rightRailbarDepth) Numérico Bar thickness (leftRailbarDepth) Numérico Bar depht (rightRailbarDepth) Numérico Clear Width between Railing Bars Numérico Flight Width Numérico Hight of rail (leftRailHeight) Numérico Hight of rail (rightRailHeight) Numérico Number of risers Numérico Nosing Numérico Number of Half landings Numérico Riser Height Numérico (Outro) (Outro) (Outro) Omniclass Uniclass 2 Space usage Building Elements Uniformat SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO PARA MODELOS BIM: NIVEIS DE DETALHE (LOD): LOD 100 LOD 200 LOD 300 LOD 350 LOD 400 LOD 500
  • 8. VERIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE PROJETOS: REGULAMENTAÇÃO (Plano de Acessibilidades) MODELOS DE INFORMAÇÃO (BIM) PLATAFORMA DE VERIFICAÇÃO AUTOMÁTICA (SMC) Análise das Regras Parametrização das Regras Estruturação das Regras
  • 9. PLATAFORMA DE VERIFICAÇÃO AUTOMÁTICA (SMC): Importância dos sistemas de classificação nos modelos MODELOS PARAMETRIZAÇÃO (SMC) RESULTADOS (SMC)
  • 10. PLATAFORMA DE VERIFICAÇÃO AUTOMÁTICA (SMC): Irregularidades na modelação
  • 11. PLATAFORMA DE VERIFICAÇÃO AUTOMÁTICA (SMC): Irregularidades de semântica nas regras e modelos
  • 12. VERIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE PROJETOS: REGULAMENTAÇÃO (Plano de Acessibilidades) MODELOS DE INFORMAÇÃO (BIM) PLATAFORMA DE VERIFICAÇÃO AUTOMÁTICA (SMC) Análise Regulamentar Definição de Modelo Tipos de modelos Análise de Nível 2 Análise de Nível 1 Estudo Prévio Execução Análise das Regras Parametrização das Regras Estruturação das Regras Informação a conter nos modelos BIM Enquadra Não Enquadra Sim = Verificável Não = Não Verificável Não Proposição
  • 13. RESULTADOS DA ANÁLISE REGULAMENTAR – ISO RESULTADOS ANÁLISE REGULAMENTAR – ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
  • 14. RESULTADOS ANÁLISE REGULAMENTAR – REINO UNIDO Aproved Document M – Vol 1 Aproved Document M – Vol 2 Aproved Document K
  • 16. CONCLUSÕES: Gerais: • Existem meios para efetuar uma verificação automática de projetos (Plano de Acessibilidades); • Ainda necessita de desenvolvimento para uma aplicação futura; Regulamentação: • A forma de redação da regulamentação influencia a verificação;
  • 17. Conclusões: Modelos BIM e Plataforma de Verificação Automática: • Formato IFC para resolver a interoperabilidade • Exigência de LOD’s nos BIM • LOD 300 a 350 para modelos de estudo prévio • LOD 400 a 500 Para modelos de execução • Exigência de Sistemas de Classificação em coerência com o que for usado na parametrização

Notas do Editor

  1. Os projetos são entregues nos Municípios São vistos por entidades licenciadoras – processo manual Um processo que demora cerca de 30 dias (RJUE) Em Portugal: o RJUE (Decreto-Lei 136/2014) e Portaria 113/2015 indicam a apreciação feita no licenciamento de projetos e quais os elementos necessários para a apreciação. Sempre suscetível a falhas humanas
  2. Agilizar o processo por parte da entidade licenciadora Permite que os projetistas possam efetuar verificações parciais de conformidade durante o processo de elaboração dos projetos Desmaterializar os elementos entregues para licenciamento Introduzir para o próximo slide que existem Iniciativas em várias especialidades
  3. Tem havido desenvolvimentos na verificação automática de projetos em várias especialidades Destacar os artigos das acessibilidades e coordenação de espaços
  4. Dizer só as vantagens do IFC: comunicação e interoperabilidade entre softwares componentes básicas pertencentes a cada objeto existente num determinado modelo de informação: a geometria, as relações e as propriedades
  5. Definição de Modelo de verificação automática: aspetos são geralmente os que são propostos a serem abordados pelos projetistas na fase da elaboração dos seus projetos, e que terão de estar presentes no modelo de verificação automática. Modelo BIM de um edifício e a sua zona envolvente, concretamente, as suas zonas de acesso. MODELOS: Explicar porque previ dois tipos de modelos (Portaria 701H) EP: modelo BIM onde é discutido, solucionado e por fim dimensionados os principais volumes e espaços pertencentes ao modelo. Execução: anterior + conter informação detalhada de todas as peças, objetos, sistemas e componentes que irão existir no edifício
  6. Explicar o que são os LODS no BIM Exigir LODs nos modelos para garantir a informação necessária Sistemas de classificação: São meras “etiquetas” para distinguir componentes num modelo; São importantes para a verificação automática; Tem organizações diferentes, o que leva a que cada sistema de classificação venha vantagens e desvantagens face uns aos outros. Exemplo de checklist da informação que um componente terá de conter para a verificação do plano de acessibilidades.
  7. 1 - PLAT.V.A: Funciona por regras, user-friendly, não dá para programar regras, estruturei regras da forma mais conveniente, vantagens, desvantagens, etc. 2 - MODELOS: Explicar porque previ dois tipos de modelos (Portaria 701H) 3 - Analise Regulamentar: Decreto-Lei 163/2006, precisei de dar uma definição para modelos (dizer qual foi), falar dos níveis de análise (enquadramento do modelo) e (% verificável) (Esquema que servirá de ponte para os resultados (slides seguintes): 1) analise regulamentação, 2) Informação a conter nos modelos e 3) irregularidades do SMC)
  8. Modelos com sistemas de classificação diferentes Parametrização de acordo com a modelação (BIM)
  9. Irregularidades de modelação são difíceis de ser detetadas automaticamente. Parte dos princípios de modelação (entidade modeladora)
  10. Explicar o que são problemas de semântica. Pode, por exemplo faltar parâmetros necessários à realização de uma qualquer operação com o modelo BIM. Exemplo: modelo contém a informação mas não é possível parametrizar regras para associar essa informação
  11. 1 - PLAT.V.A: Funciona por regras, user-friendly, não dá para programar regras, estruturei regras da forma mais conveniente, vantagens, desvantagens, etc. 2 - MODELOS: Explicar porque previ dois tipos de modelos (Portaria 701H) 3 - Analise Regulamentar: Decreto-Lei 163/2006, precisei de dar uma definição para modelos (dizer qual foi), falar dos níveis de análise (enquadramento do modelo) e (% verificável) (Esquema que servirá de ponte para os resultados (slides seguintes): 1) analise regulamentação, 2) Informação a conter nos modelos e 3) irregularidades do SMC)
  12. ISO: 929 requisitos (Accessibility and usability of the built environment) EUA: 997 requisitos (2010 ADA standards for Accessible Design)
  13. Vol1: 335 requisitos (Aproved Document M – Access and Use of Buildings – Volume 1: Dwellings) - Habitaçoes Vol2: 429 requisitos (Aproved Document M – Access and Use of Buildings – Volume 1: Buildings other than Dwellings) Doc K: 200 requisitos (Aproved Document K – Protection from falling, collision and impact)
  14. Decreto-Lei 163/2006 de 388 requisitos
  15. A verificação automática é possível mas ainda necessita de desenvolvimento Deverão ser feitas iniciativas para progredir nos aspetos que ainda não são verificáveis, quer porque o SMC não permite, quer porque a regulamentação é ambígua.