SlideShare uma empresa Scribd logo
Artes
Ensino Fundamental
7º ano
Apostila de Arte - 7º ano
22
HISTÓRIA DO CARNAVAL
O Carnaval teve origem nas festas em
que os gregos e os romanos comemoravam suas
colheitas. Muitos séculos depois, a celebração
acabou tornando-se uma brincadeira típica das
cidades.
No Brasil, o Carnaval foi introduzido
pelos portugueses. Seu nome era entrudo —
palavra que vem do latim introitus e que
designa as solenidades litúrgicas da Quaresma.
O Carnaval daqui foi, até a metade do
século XIX, uma festa de muita sujeira e
molhação. Os escravos a festejavam sujando-se
uns aos outros com polvilho e farinha de trigo,
ou espirrando água pelas ruas com o auxílio de
uma enorme bisnaga de lata (como pode ser
observado na pintura abaixo de Debret, que
retrata o carnaval no Brasil escravocrata).
As famílias brancas, refugiadas em
suas casas, brincavam o Carnaval fazendo
guerras de laranjinhas — pequenas bolas de
cera que se quebravam espalhando água
perfumada —, ou então, jogando de suas
janelas um líquido não tão cheiroso na cabeça
dos passantes.
Por isso as pessoas evitavam sair às
ruas durante os dias do entrudo. Isso fez com
que os bailes de máscara, realizados apenas
para a elite durante o Primeiro Império, e, a
partir da década de 1840, para a classe média,
fizessem muito sucesso.
Nesses bailes, que eram pagos e feitos
em teatros e hotéis do Rio de Janeiro, não se
dançava o samba, mas sim o schottische, as
mazurcas, as polcas, as valsas e o maxixe, que
era o único ritmo genuinamente nacional.
Somente em 1869, quando o ator Correia
Vasques adaptou a música de uma peça
francesa e deu para essa adaptação o nome de
Zé Pereira — mesma música que é cantada até
os dias de hoje—, apareceu a primeira música
de Carnaval. Até então, todas as músicas eram
instrumentais ou em outro idioma.
O carnaval da rua, entretanto, quase
não existia. Tudo à custa da violência que tinha
o entrudo [há no Recife, atualmente, uma
brincadeira sobrevivente do entrudo que se
chama mela-mela].
Alguns jornalistas da época
começaram a estimular a criação de carnavais
que imitassem os de Roma e de Veneza, onde
as pessoas saiam às ruas fantasiadas para
realizarem o corso ou as batalhas de flores.
Um dos jornalistas que defendia
ardorosamente esta forma de Carnaval era José
de Alencar, o qual escreveu na sua coluna do
"Jornal Mercantil" do Rio de Janeiro, às
vésperas do Carnaval de 1855, a seguinte frase:
"Confesso que esta idéia me sorri. Uma espécie
de baile mascarado, às últimas horas do dia, à
fresca da tarde, num belo e vasto terraço, com
todo o desafogo, deve ser encantador". Foi
assim, após uma campanha dos jornalistas
contra o violento entrudo e a favor do elegante
Carnaval veneziano, que os desfiles de rua
começaram a acontecer.
A partir daí o Carnaval pode ser
dividido em dois tipos distintos de
manifestação: um, feito pelas classes mais ricas
nos bailes de salão, nas batalhas de flores, nos
corsos e desfiles de carros alegóricos; outro,
feito pelas classes mais pobres nos maracatus,
cordões, blocos, ranchos, frevos, troças, afoxés
e, finalmente, nas escolas de samba.
Assim, caótico desde seu princípio, o
Carnaval brasileiro é também marcado pela
divisão das classes sociais.
Atualmente, tanto nos desfiles das
escolas de samba do Rio e de São Paulo como
nos festejos do nordeste, esta divisão ficou um
pouco mais sutil, o que tornou o carnaval mais
democrático, mas ainda há lugares em que ela
persiste. Na Bahia, por exemplo, só pode
desfilar em alguns dos blocos quem tem
dinheiro para pagar pelo abadá, ou nas escolas
de samba do Rio que passam por um processo
de embranquecimento e de comercialização, há,
vez por outra, lugares onde apenas aqueles que
tem dinheiro podem brincar — os camarotes
dos sambódromos do Rio e São Paulo são uma
demonstração clara dessa divisão.
Apostila de Arte - 7º ano
33
MOVIMENTO SURREALISTA
O surrealismo foi um movimento artístico que
surgiu na França na década de 1920. Este movimento foi
significativamente influenciado pelas teses psicanalíticas
de Sigmund Freud, que mostram a importância do
inconsciente na criatividade do ser humano.
De acordo com Freud, o homem deve libertar
sua mente da lógica imposta pelos padrões
comportamentais e morais estabelecidos pela sociedade
e dar vazão aos sonhos e as informações do inconsciente.
O pai da psicanálise, não segue os valores sociais
da burguesia como, por exemplo, o status, a família e a
pátria.
“Surrealismo” é uma palavra derivativa de surreal, logo
significa dizer aquele ou aquilo que está fora da
realidade por sua extravagância exagerada, maluquice
pura, mas no sentido positivo, genial. Os artistas
surrealistas desprezam os limites da razão e propõe a
criação artística por outros canais: os canais do
subconsciente.
O marco de início do surrealismo foi a
publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo poeta e
psiquiatra francês André Breton, em 1924. Neste
manifesto, foram declarados os principais princípios do
movimento surrealista: ausência da lógica, adoção de
uma realidade "maravilhosa" (superior), exaltação da
liberdade de criação, entre outros.
O surrealismo procura expressar a ausência de
racionalidade humana e as manifestações do
subconsciente. Os surrealistas deslizam pelas águas
mágicas da irrealidade, desprezando a realidade
concreta e mergulhando na esfera da absoluta liberdade
de expressão, movida pela energia que emana da psique.
Eles almejam alcançar justamente o espaço no qual o
Homem se libera de toda a repressão exercida pela
Razão, escapando assim do controle constante do Ego,
criando obras repletas de humor, sonhos, utopias e
qualquer informação contrária a lógica.
O frottage, desenhos a partir de "decalques"
sobre superfícies irregulares e a colagem, montagens
predominantemente incongruentes, eram alguns
métodos utilizados pelos surrealistas para explorar suas
potencialidades inconscientes.
A FANTASIA E A IMAGINAÇÃO
“A persistência da Memória”, salvador Dali (1931)
O catalão Salvador Dali (1904-1989) e o belga
René Magritte (1898-1967) são dois dos principais
artistas do movimento surrealista.
Por que você acha que a obra apresentada se
chama "A persistência da memória"?
O relógio é utilizado para marcar o tempo.
Note que as ideias de tempo e memória estão bastante
ligadas. É como se, com o passar do tempo, a memória
fosse se apagando, escorrendo, assim como o tempo...
Agora imagine uma sereia...
René Magritte, Invenção Coletiva, 1934
Provavelmente, a imagem de sereia que veio à
sua cabeça não é exatamente essa que você viu no
quadro acima. A obra "Invenção Coletiva", é de outro
gênio do surrealismo, Magritte. O título da obra brinca
com o imaginário coletivo, povoado de seres que não
existem na realidade, mas que habitam a imaginação de
muitas pessoas por serem difundidos em nossa cultura.
Por trás dessas obras cheias de sonho, os
pintores surrealistas tinham um propósito bem real. O
surrealismo foi um movimento surgido num período
entre guerras, e tinha o propósito de rejeitar o
racionalismo e a lógica, que, usados ao extremo, haviam
levado a Europa a ser destruída por armas e bombas
construídas graças ao uso desmedido da ciência.
A década de 1930 é conhecida como o período
de expansão surrealista pelo mundo. Artistas, cineastas,
dramaturgos e escritores do mundo todo assimilam as
idéias e o estilo do surrealismo. Porém, no final da
década de 1960 o grupo entra em crise e acaba se
dissolvendo.
Apostila de Arte - 7º ano
44
EXPRESSIONISMO
Apostila de Arte - 7º ano
55
Apostila de Arte - 7º ano
66
CUIDADO! TINTA FRESCA!
Os artistas pintaram e continuam pintando temas variados, utilizando suporte e materiais diversos.
O tema é o assunto da obra.
O suporte é a base que recebe a pintura, que pode ser aplicada com diferentes meios e técnicas,
conforme a característica do suporte.
A técnica pode ser definida como a maneira de fazer algo e o meio como a maneira de empregar
determinado material.
Por exemplo: Você utiliza o papel como suporte e o lápis de cor como material para ilustrar um tema.
Você pode reproduzir a mesma imagem sobre outro suporte, utilizando outro material. Vamos tentar?
O Afresco, por exemplo, é uma técnica de pintura feita em paredes ou tetos cuja camada de
argamassa, nata de cal ou gesso, deve estar úmida para que a tinta penetre na superfície também úmida e
passe a integrá-las, garantindo durabilidade a pintura.
PESQUISA:
Apostila de Arte - 7º ano
77
Apostila de Arte - 7º ano
88
Apostila de Arte - 7º ano
99
Apostila de Arte - 7º ano
1010
Apostila de Arte - 7º ano
1111
Apostila de Arte - 7º ano
1212
Apostila de Arte - 7º ano
1313
Apostila de Arte - 7º ano
1414
Apostila de Arte - 7º ano
1515
Apostila de Arte - 7º ano
1616
Apostila de Arte - 7º ano
1717
Apostila de Arte - 7º ano
1818
Apostila de Arte - 7º ano
1919
Apostila de Arte - 7º ano
2020
Apostila de Arte - 7º ano
2121
Apostila de Arte - 7º ano
2222
Apostila de Arte - 7º ano
2323
Apostila de Arte - 7º ano
2424
Apostila de Arte - 7º ano
2525
Apostila de Arte - 7º ano
2626
Apostila de Arte - 7º ano
2727
Apostila de Arte - 7º ano
2828
Apostila de Arte - 7º ano
2929

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
Cláudia Heloísa
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
Fábio Guimarães
 
A vanguarda europeia
A vanguarda europeiaA vanguarda europeia
A vanguarda europeia
Laboratório de Informática
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
Reno Torquato
 
Para o blog
Para o blogPara o blog
Para o blog
Luciene Gomes
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
CrisBiagio
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
CrisBiagio
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeias Vanguardas europeias
Vanguardas europeias
Renata Silva Nunes Ribeiro
 
Vanguarda européia
Vanguarda européiaVanguarda européia
Vanguarda européia
tibirica3
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
PATRICIA VIANA
 
Modernismo Brasileiro
Modernismo BrasileiroModernismo Brasileiro
Modernismo Brasileiro
Kevin Mattos Mariano
 
As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias
As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias
As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias
Fernando Pereira
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
Hirtis Carvalho Nogueira
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
claudia murta
 
movimentos de vanguarda
movimentos de vanguardamovimentos de vanguarda
movimentos de vanguarda
elenir duarte dias
 
O Modernismo
O ModernismoO Modernismo
O Modernismo
complementoindirecto
 
Vanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e Surrealismo
Vanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e SurrealismoVanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e Surrealismo
Vanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e Surrealismo
Colégio Santa Luzia
 
Pré- Modernismo: Vanguardas europeias
Pré- Modernismo: Vanguardas europeias Pré- Modernismo: Vanguardas europeias
Pré- Modernismo: Vanguardas europeias
Pedro Agora Brasil
 
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
glauceste
 
Modernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geraçãoModernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geração
Carolina Loçasso Pereira
 

Mais procurados (20)

Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
A vanguarda europeia
A vanguarda europeiaA vanguarda europeia
A vanguarda europeia
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Para o blog
Para o blogPara o blog
Para o blog
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeias Vanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Vanguarda européia
Vanguarda européiaVanguarda européia
Vanguarda européia
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Modernismo Brasileiro
Modernismo BrasileiroModernismo Brasileiro
Modernismo Brasileiro
 
As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias
As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias
As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
 
movimentos de vanguarda
movimentos de vanguardamovimentos de vanguarda
movimentos de vanguarda
 
O Modernismo
O ModernismoO Modernismo
O Modernismo
 
Vanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e Surrealismo
Vanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e SurrealismoVanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e Surrealismo
Vanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e Surrealismo
 
Pré- Modernismo: Vanguardas europeias
Pré- Modernismo: Vanguardas europeias Pré- Modernismo: Vanguardas europeias
Pré- Modernismo: Vanguardas europeias
 
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
 
Modernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geraçãoModernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geração
 

Semelhante a Apostila vanguardas2

PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºCPORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
liceuterceiroc
 
Anos 20
Anos 20Anos 20
Anos 20
Helena
 
Vanguardas CBG
Vanguardas CBGVanguardas CBG
Vanguardas CBG
Aline Raposo
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Modernismo no Brasil
Modernismo no BrasilModernismo no Brasil
Modernismo no Brasil
alinesantana1422
 
Artes - Trabalho de história e EV
Artes - Trabalho de história e EVArtes - Trabalho de história e EV
Artes - Trabalho de história e EV
ammarahmonteiro
 
Aula dica enem 2019
Aula dica enem 2019Aula dica enem 2019
Aula dica enem 2019
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Romantismo 2
Romantismo 2Romantismo 2
Romantismo 2
Carlos Elson Cunha
 
Modernismo no Brasil - Literatura
Modernismo no Brasil - LiteraturaModernismo no Brasil - Literatura
Modernismo no Brasil - Literatura
Carlos Eduardo
 
Apresentação Silêncios
Apresentação SilênciosApresentação Silêncios
Apresentação Silêncios
resespress
 
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.pptsemana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
billieeilish3214553
 
Terceira fase do modernismo no Brasil
Terceira fase do modernismo no BrasilTerceira fase do modernismo no Brasil
Terceira fase do modernismo no Brasil
Gusthavo Batista
 
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
01   modernismo - 1a fase - 3o ano01   modernismo - 1a fase - 3o ano
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
jasonrplima
 
Dias, cícero
Dias, cíceroDias, cícero
Dias, cícero
deniselugli2
 
Vanguardas- Europeias um novo começo no Brasil
Vanguardas- Europeias um novo começo no BrasilVanguardas- Europeias um novo começo no Brasil
Vanguardas- Europeias um novo começo no Brasil
Janelindinha Sempre
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
MGLAUCIA /LÍNGUA PORTUGUESA
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
MGLAUCIA /LÍNGUA PORTUGUESA
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Rita Ribeiro
 
Tarsila do amaral
Tarsila do amaralTarsila do amaral
Tarsila do amaral
deniselugli2
 
NEOCLÁSSICO.pdf
NEOCLÁSSICO.pdfNEOCLÁSSICO.pdf
NEOCLÁSSICO.pdf
ssuser0d0c5a
 

Semelhante a Apostila vanguardas2 (20)

PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºCPORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
 
Anos 20
Anos 20Anos 20
Anos 20
 
Vanguardas CBG
Vanguardas CBGVanguardas CBG
Vanguardas CBG
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 
Modernismo no Brasil
Modernismo no BrasilModernismo no Brasil
Modernismo no Brasil
 
Artes - Trabalho de história e EV
Artes - Trabalho de história e EVArtes - Trabalho de história e EV
Artes - Trabalho de história e EV
 
Aula dica enem 2019
Aula dica enem 2019Aula dica enem 2019
Aula dica enem 2019
 
Romantismo 2
Romantismo 2Romantismo 2
Romantismo 2
 
Modernismo no Brasil - Literatura
Modernismo no Brasil - LiteraturaModernismo no Brasil - Literatura
Modernismo no Brasil - Literatura
 
Apresentação Silêncios
Apresentação SilênciosApresentação Silêncios
Apresentação Silêncios
 
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.pptsemana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
 
Terceira fase do modernismo no Brasil
Terceira fase do modernismo no BrasilTerceira fase do modernismo no Brasil
Terceira fase do modernismo no Brasil
 
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
01   modernismo - 1a fase - 3o ano01   modernismo - 1a fase - 3o ano
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
 
Dias, cícero
Dias, cíceroDias, cícero
Dias, cícero
 
Vanguardas- Europeias um novo começo no Brasil
Vanguardas- Europeias um novo começo no BrasilVanguardas- Europeias um novo começo no Brasil
Vanguardas- Europeias um novo começo no Brasil
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Tarsila do amaral
Tarsila do amaralTarsila do amaral
Tarsila do amaral
 
NEOCLÁSSICO.pdf
NEOCLÁSSICO.pdfNEOCLÁSSICO.pdf
NEOCLÁSSICO.pdf
 

Mais de Cléa Lilian Parente

Arte Conceitual Definição e Características.ppt
Arte Conceitual Definição e Características.pptArte Conceitual Definição e Características.ppt
Arte Conceitual Definição e Características.ppt
Cléa Lilian Parente
 
A linguagem das emoções.pptx
A linguagem das emoções.pptxA linguagem das emoções.pptx
A linguagem das emoções.pptx
Cléa Lilian Parente
 
Artes fundamentos conceituais
Artes   fundamentos conceituaisArtes   fundamentos conceituais
Artes fundamentos conceituais
Cléa Lilian Parente
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
Cléa Lilian Parente
 
Apostila vanguardas2
Apostila vanguardas2Apostila vanguardas2
Apostila vanguardas2
Cléa Lilian Parente
 
Artes fundamentos conceituais
Artes   fundamentos conceituaisArtes   fundamentos conceituais
Artes fundamentos conceituais
Cléa Lilian Parente
 
Atividades com músicas 01
Atividades com músicas 01Atividades com músicas 01
Atividades com músicas 01
Cléa Lilian Parente
 

Mais de Cléa Lilian Parente (8)

Arte Conceitual Definição e Características.ppt
Arte Conceitual Definição e Características.pptArte Conceitual Definição e Características.ppt
Arte Conceitual Definição e Características.ppt
 
A linguagem das emoções.pptx
A linguagem das emoções.pptxA linguagem das emoções.pptx
A linguagem das emoções.pptx
 
Artes fundamentos conceituais
Artes   fundamentos conceituaisArtes   fundamentos conceituais
Artes fundamentos conceituais
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
Apostila vanguardas2
Apostila vanguardas2Apostila vanguardas2
Apostila vanguardas2
 
Artes fundamentos conceituais
Artes   fundamentos conceituaisArtes   fundamentos conceituais
Artes fundamentos conceituais
 
Atividades com músicas 01
Atividades com músicas 01Atividades com músicas 01
Atividades com músicas 01
 
Atividade carta do leitor
Atividade carta do leitorAtividade carta do leitor
Atividade carta do leitor
 

Apostila vanguardas2

  • 2. Apostila de Arte - 7º ano 22 HISTÓRIA DO CARNAVAL O Carnaval teve origem nas festas em que os gregos e os romanos comemoravam suas colheitas. Muitos séculos depois, a celebração acabou tornando-se uma brincadeira típica das cidades. No Brasil, o Carnaval foi introduzido pelos portugueses. Seu nome era entrudo — palavra que vem do latim introitus e que designa as solenidades litúrgicas da Quaresma. O Carnaval daqui foi, até a metade do século XIX, uma festa de muita sujeira e molhação. Os escravos a festejavam sujando-se uns aos outros com polvilho e farinha de trigo, ou espirrando água pelas ruas com o auxílio de uma enorme bisnaga de lata (como pode ser observado na pintura abaixo de Debret, que retrata o carnaval no Brasil escravocrata). As famílias brancas, refugiadas em suas casas, brincavam o Carnaval fazendo guerras de laranjinhas — pequenas bolas de cera que se quebravam espalhando água perfumada —, ou então, jogando de suas janelas um líquido não tão cheiroso na cabeça dos passantes. Por isso as pessoas evitavam sair às ruas durante os dias do entrudo. Isso fez com que os bailes de máscara, realizados apenas para a elite durante o Primeiro Império, e, a partir da década de 1840, para a classe média, fizessem muito sucesso. Nesses bailes, que eram pagos e feitos em teatros e hotéis do Rio de Janeiro, não se dançava o samba, mas sim o schottische, as mazurcas, as polcas, as valsas e o maxixe, que era o único ritmo genuinamente nacional. Somente em 1869, quando o ator Correia Vasques adaptou a música de uma peça francesa e deu para essa adaptação o nome de Zé Pereira — mesma música que é cantada até os dias de hoje—, apareceu a primeira música de Carnaval. Até então, todas as músicas eram instrumentais ou em outro idioma. O carnaval da rua, entretanto, quase não existia. Tudo à custa da violência que tinha o entrudo [há no Recife, atualmente, uma brincadeira sobrevivente do entrudo que se chama mela-mela]. Alguns jornalistas da época começaram a estimular a criação de carnavais que imitassem os de Roma e de Veneza, onde as pessoas saiam às ruas fantasiadas para realizarem o corso ou as batalhas de flores. Um dos jornalistas que defendia ardorosamente esta forma de Carnaval era José de Alencar, o qual escreveu na sua coluna do "Jornal Mercantil" do Rio de Janeiro, às vésperas do Carnaval de 1855, a seguinte frase: "Confesso que esta idéia me sorri. Uma espécie de baile mascarado, às últimas horas do dia, à fresca da tarde, num belo e vasto terraço, com todo o desafogo, deve ser encantador". Foi assim, após uma campanha dos jornalistas contra o violento entrudo e a favor do elegante Carnaval veneziano, que os desfiles de rua começaram a acontecer. A partir daí o Carnaval pode ser dividido em dois tipos distintos de manifestação: um, feito pelas classes mais ricas nos bailes de salão, nas batalhas de flores, nos corsos e desfiles de carros alegóricos; outro, feito pelas classes mais pobres nos maracatus, cordões, blocos, ranchos, frevos, troças, afoxés e, finalmente, nas escolas de samba. Assim, caótico desde seu princípio, o Carnaval brasileiro é também marcado pela divisão das classes sociais. Atualmente, tanto nos desfiles das escolas de samba do Rio e de São Paulo como nos festejos do nordeste, esta divisão ficou um pouco mais sutil, o que tornou o carnaval mais democrático, mas ainda há lugares em que ela persiste. Na Bahia, por exemplo, só pode desfilar em alguns dos blocos quem tem dinheiro para pagar pelo abadá, ou nas escolas de samba do Rio que passam por um processo de embranquecimento e de comercialização, há, vez por outra, lugares onde apenas aqueles que tem dinheiro podem brincar — os camarotes dos sambódromos do Rio e São Paulo são uma demonstração clara dessa divisão.
  • 3. Apostila de Arte - 7º ano 33 MOVIMENTO SURREALISTA O surrealismo foi um movimento artístico que surgiu na França na década de 1920. Este movimento foi significativamente influenciado pelas teses psicanalíticas de Sigmund Freud, que mostram a importância do inconsciente na criatividade do ser humano. De acordo com Freud, o homem deve libertar sua mente da lógica imposta pelos padrões comportamentais e morais estabelecidos pela sociedade e dar vazão aos sonhos e as informações do inconsciente. O pai da psicanálise, não segue os valores sociais da burguesia como, por exemplo, o status, a família e a pátria. “Surrealismo” é uma palavra derivativa de surreal, logo significa dizer aquele ou aquilo que está fora da realidade por sua extravagância exagerada, maluquice pura, mas no sentido positivo, genial. Os artistas surrealistas desprezam os limites da razão e propõe a criação artística por outros canais: os canais do subconsciente. O marco de início do surrealismo foi a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo poeta e psiquiatra francês André Breton, em 1924. Neste manifesto, foram declarados os principais princípios do movimento surrealista: ausência da lógica, adoção de uma realidade "maravilhosa" (superior), exaltação da liberdade de criação, entre outros. O surrealismo procura expressar a ausência de racionalidade humana e as manifestações do subconsciente. Os surrealistas deslizam pelas águas mágicas da irrealidade, desprezando a realidade concreta e mergulhando na esfera da absoluta liberdade de expressão, movida pela energia que emana da psique. Eles almejam alcançar justamente o espaço no qual o Homem se libera de toda a repressão exercida pela Razão, escapando assim do controle constante do Ego, criando obras repletas de humor, sonhos, utopias e qualquer informação contrária a lógica. O frottage, desenhos a partir de "decalques" sobre superfícies irregulares e a colagem, montagens predominantemente incongruentes, eram alguns métodos utilizados pelos surrealistas para explorar suas potencialidades inconscientes. A FANTASIA E A IMAGINAÇÃO “A persistência da Memória”, salvador Dali (1931) O catalão Salvador Dali (1904-1989) e o belga René Magritte (1898-1967) são dois dos principais artistas do movimento surrealista. Por que você acha que a obra apresentada se chama "A persistência da memória"? O relógio é utilizado para marcar o tempo. Note que as ideias de tempo e memória estão bastante ligadas. É como se, com o passar do tempo, a memória fosse se apagando, escorrendo, assim como o tempo... Agora imagine uma sereia... René Magritte, Invenção Coletiva, 1934 Provavelmente, a imagem de sereia que veio à sua cabeça não é exatamente essa que você viu no quadro acima. A obra "Invenção Coletiva", é de outro gênio do surrealismo, Magritte. O título da obra brinca com o imaginário coletivo, povoado de seres que não existem na realidade, mas que habitam a imaginação de muitas pessoas por serem difundidos em nossa cultura. Por trás dessas obras cheias de sonho, os pintores surrealistas tinham um propósito bem real. O surrealismo foi um movimento surgido num período entre guerras, e tinha o propósito de rejeitar o racionalismo e a lógica, que, usados ao extremo, haviam levado a Europa a ser destruída por armas e bombas construídas graças ao uso desmedido da ciência. A década de 1930 é conhecida como o período de expansão surrealista pelo mundo. Artistas, cineastas, dramaturgos e escritores do mundo todo assimilam as idéias e o estilo do surrealismo. Porém, no final da década de 1960 o grupo entra em crise e acaba se dissolvendo.
  • 4. Apostila de Arte - 7º ano 44 EXPRESSIONISMO
  • 5. Apostila de Arte - 7º ano 55
  • 6. Apostila de Arte - 7º ano 66 CUIDADO! TINTA FRESCA! Os artistas pintaram e continuam pintando temas variados, utilizando suporte e materiais diversos. O tema é o assunto da obra. O suporte é a base que recebe a pintura, que pode ser aplicada com diferentes meios e técnicas, conforme a característica do suporte. A técnica pode ser definida como a maneira de fazer algo e o meio como a maneira de empregar determinado material. Por exemplo: Você utiliza o papel como suporte e o lápis de cor como material para ilustrar um tema. Você pode reproduzir a mesma imagem sobre outro suporte, utilizando outro material. Vamos tentar? O Afresco, por exemplo, é uma técnica de pintura feita em paredes ou tetos cuja camada de argamassa, nata de cal ou gesso, deve estar úmida para que a tinta penetre na superfície também úmida e passe a integrá-las, garantindo durabilidade a pintura. PESQUISA:
  • 7. Apostila de Arte - 7º ano 77
  • 8. Apostila de Arte - 7º ano 88
  • 9. Apostila de Arte - 7º ano 99
  • 10. Apostila de Arte - 7º ano 1010
  • 11. Apostila de Arte - 7º ano 1111
  • 12. Apostila de Arte - 7º ano 1212
  • 13. Apostila de Arte - 7º ano 1313
  • 14. Apostila de Arte - 7º ano 1414
  • 15. Apostila de Arte - 7º ano 1515
  • 16. Apostila de Arte - 7º ano 1616
  • 17. Apostila de Arte - 7º ano 1717
  • 18. Apostila de Arte - 7º ano 1818
  • 19. Apostila de Arte - 7º ano 1919
  • 20. Apostila de Arte - 7º ano 2020
  • 21. Apostila de Arte - 7º ano 2121
  • 22. Apostila de Arte - 7º ano 2222
  • 23. Apostila de Arte - 7º ano 2323
  • 24. Apostila de Arte - 7º ano 2424
  • 25. Apostila de Arte - 7º ano 2525
  • 26. Apostila de Arte - 7º ano 2626
  • 27. Apostila de Arte - 7º ano 2727
  • 28. Apostila de Arte - 7º ano 2828
  • 29. Apostila de Arte - 7º ano 2929